APRESENTAÇÃO. um primeiro passo para a integração de todos nós nesse novo desafio.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRESENTAÇÃO. um primeiro passo para a integração de todos nós nesse novo desafio."

Transcrição

1

2

3 APRESENTAÇÃO O grande desafio da humanidade neste início de milênio é promover a sustentabilidade, garantindo a qualidade de vida da geração atual e das futuras gerações. Para enfrentar esse desafio, estamos criando novas tecnologias, novos processos produtivos e, principalmente, uma nova forma de pensar e entender as relações entre todas as pessoas. Uma das mudanças é a Inclusão Universal, pautada no respeito às diferenças e na garantia de direitos iguais para todas as pessoas. O Programa Somar é uma das ferramentas que a ArcelorMittal Tubarão está desenvolvendo para participar ativamente dessa mudança. O objetivo inicial é cumprir as exigências da legislação, mas queremos ir além, transformando o respeito à diversidade em um valor corporativo e, ainda, multiplicando esse valor para a sociedade. Assim, vamos aumentar a diversidade na nossa equipe interna e ampliar as possibilidades de inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Para que o Programa Somar atinja suas metas é fundamental que cada um de nós participe ativamente, entendendo os conceitos, colaborando nas ações e levando esse novo valor para as nossas famílias e comunidades. Este folheto traz informações básicas sobre: Inclusão Universal, legislação e mercado de trabalho para pessoas com deficiência, objetivos e etapas do Programa Somar. É, portanto, um primeiro passo para a integração de todos nós nesse novo desafio. 1

4

5 Inclusão Universal... 5 Legislação... 8 Programa Somar Mercado de Trabalho Como Participar... 18

6

7 INCLUSÃO UNIVERSAL Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade. O texto acima é o primeiro artigo da Declaração Universal dos Direitos Humanos, proclamada em 10 de dezembro de 1948, na Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Para nós, que vivemos hoje no século XXI, o conteúdo desse artigo parece um tanto óbvio. Ora, é claro que nascemos todos livres e iguais! Mas, naquele momento, há quase 60 anos, a humanidade acabava de passar por uma dolorosa guerra, iniciada justamente porque alguns viam a diferença como uma ameaça e queriam excluir alguns grupos do convívio com os outros. Não era nada novo. A humanidade vinha fazendo isso desde sempre. O novo estava por vir, e o primeiro artigo dessa Declaração sintetiza bem a idéia. Era preciso fortalecer o sentimento de que pertencemos a uma mesma espécie, somos iguais mesmo sendo diferentes, habitamos o mesmo planeta e dependemos dele para viver. Esse sentimento integra a base do conceito de inclusão universal. Não basta mais afirmar que somos todos iguais. Inclusão universal significa defender a igualdade de direitos, de deveres, de oportunidades, de justiça reconhecendo as diferenças. Afinal, descobrimos que somos mesmo diferentes, sempre! Diante do desafio de garantir a qualidade de vida da atual e das futuras gerações, precisamos atuar juntos, sem discriminações de gênero, raça, crença, opinião, habilidades, talentos, hábitos e quantas mais diferenças pudermos encontrar. Isso significa incluir todos, aproveitando ao máximo as capacidades de cada um. 5

8 DEFICIÊNCIA é um comprometimento permanente que pode dificultar a execução de atividades dentro do padrão considerado como normal. Assim, a pessoa com deficiência pode ter um jeito diferente de se locomover, coordenar seus movimentos, falar, ver, ouvir ou compreender informações. Uma deficiência pode ser congênita, ou seja, existir desde o nascimento, ou adquirida, quando é conseqüência de alguma doença ou acidente. Pessoas com deficiência Historicamente, uma das diferenças que destacou um grupo de pessoas dos outros é a deficiência. O preconceito, nesse caso, não está só na diferença. Está, principalmente, no fato de que as pessoas com deficiência são vistas apenas pelas suas limitações e não pelos seus potenciais. E, assim, a humanidade sempre achou um motivo para excluí-las. Século XXI o novo milênio O século XXI já começou apontando uma nova tendência. Em 13 de junho de 2001, a Organização dos Estados Americanos (OEA) aprovou a Convenção Interamericana para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Pessoas com Deficiência. Os países signatários dessa convenção, inclusive o Brasil, comprometeram-se a tomar as medidas de caráter legislativo, social, educacional, trabalhista, ou de qualquer outra natureza, que sejam necessárias para eliminar a discriminação contra as pessoas com deficiência e proporcionar a sua plena integração à sociedade. O desenvolvimento tecnológico vem contribuindo de forma significativa para melhorar a qualidade de vida e facilitar a inclusão das pessoas com deficiência na escola, no trabalho, no 6

9 lazer, enfim, na sociedade. As chamadas Tecnologias Assistivas são um exemplo desse desenvolvimento, assim como os novos conceitos de arquitetura inclusiva, que remove barreiras físicas, com uso de rampas ou elevadores adaptados, por exemplo, aumentando a acessibilidade. Ou seja, a ciência e a tecnologia já apresentaram seus instrumentos para permitir que as pessoas com deficiência possam participar integralmente do desenvolvimento humano: estudando, trabalhando, constituindo família, se divertindo e criando. Só o preconceito pode explicar por que ainda ficamos surpresos quando sabemos que uma pessoa com deficiência consegue andar de ônibus, escrever um livro, pintar um quadro, trabalhar numa indústria. Esse cenário começa a mudar, basicamente, porque a sociedade passou a tratar a inclusão e seus desafios de forma transparente. Hoje, há um amplo debate sobre o assunto e, mais importante, as pessoas com deficiência estão participando desse debate. É a diversidade despontando como um novo valor no nosso novo milênio. TECNOLOGIAS ASSISTIVAS são recursos e serviços que podem facilitar o desenvolvimento de atividades por pessoas com deficiência. Procuram aumentar capacidades funcionais e, assim, promover a autonomia e a independência de quem as utiliza. Existem tecnologias assistivas para auxiliar na locomoção, no acesso à informação e na comunicação, no controle do ambiente, e em diversas atividades do cotidiano, como o estudo, o trabalho e o lazer. Cadeiras de rodas, bengalas, órteses e próteses, lupas, aparelhos auditivos e controles remotos são alguns exemplos. Também são tecnologias assistivas os recursos de comunicação, como o uso de LIBRAS (Linguagem Brasileira de Sinais), na mídia televisiva, e de informática, como os softwares que transformam o conteúdo da tela do computador em voz. 7

10 LEGISLAÇÃO Está na Constituição! A Constituição Federal Brasileira, promulgada em 1988, determina, no artigo 7º, a proibição de qualquer discriminação em relação ao salário e aos critérios de admissão do trabalhador com deficiência, e no artigo 23 que o Estado tem responsabilidade pela saúde, assistência pública e proteção à garantia dos direitos das pessoas com deficiência. Esse foi o primeiro passo para criar, na legislação brasileira, novos mecanismos de inclusão. Para fazer valer, na prática, as determinações da Constituição, foram instituídas novas leis, programas e normas, prevendo, por exemplo, vagas especiais em concursos públicos, regras de acessibilidade que devem ser seguidas na arquitetura e urbanismo das cidades, investimentos assistenciais e educacionais, entre outros. Em relação ao mercado de trabalho, um dos mecanismos criados foi o artigo 93, da Lei 8213, de Esse artigo é importante porque estabelece um sistema de cotas para incentivar as empresas brasileiras a participar do processo de inclusão. Basicamente, determina que as empresas com mais de cem empregados devem manter em seus quadros de funcionários um percentual de pessoas com deficiência. Esse percentual varia de 2% a 5%, de acordo com o número de empregados. O artigo 93 determina: A empresa com 100 (cem) ou mais empregados está obrigada a preencher de 2% (dois por cento) a 5% (cinco por cento) dos seus cargos com beneficiários reabilitados ou pessoas portadoras de deficiência, habilitadas, na seguinte proporção: I. até 200 empregados... 2%; II. de 201 a %; III. de 501 a %; IV. de em diante... 5%. 1º A dispensa de trabalhador reabilitado ou de deficiente habilitado ao final de contrato por prazo determinado de mais de 90 (noventa) dias, e a imotivada, no contrato por prazo indeterminado, só poderá ocorrer após a contratação de substituto de condição semelhante. 2º O Ministério do Trabalho e da Previdência Social deverá gerar estatísticas sobre o total de empregados e as vagas preenchidas por reabilitados e deficientes habilitados, fornecendo-as, quando solicitadas, aos sindicatos ou entidades representativas dos empregados. 8

11 O objetivo da lei, conhecida como Lei de Cotas para Pessoas com Deficiência, não é apenas dar emprego, mas sim ampliar as oportunidades de inclusão no mercado de trabalho. Por isso, as empresas devem investir não só na contratação, mas também em programas de capacitação e projetos de acessibilidade. Por certo, esse conjunto de ações irá resultar na valorização da diversidade e na verdadeira inclusão das pessoas com deficiência. O estabelecimento dessa legislação promoveu o debate sobre o tema em toda a sociedade, com o objetivo de analisar os diferentes aspectos da questão, as principais barreiras e desafios, assim como os benefícios, não só para as pessoas com deficiência, mas para todos. Por um lado esse grupo vai ter mais oportunidade de inclusão, e por outro a sociedade vai ganhar com a participação deles. A idéia central é que as pessoas com deficiência têm o direito e o dever de contribuir para a sustentabilidade, como todos os cidadãos. A lei foi regulamentada em 1999, e depois disso passou por algumas alterações de conteúdo. Também foram criados outros mecanismos na legislação para orientar sobre como a lei deveria ser cumprida e fiscalizada. 9

12 Um dos avanços foi a definição dos conceitos de deficiência, assim como dos tipos de deficiência considerados para o preenchimento das cotas. Somente um médico especializado pode definir, com precisão, o enquadramento ou não da pessoa na Lei de Cotas. O Decreto 5296, de 2004, que regulamenta o atendimento prioritário, serve de base para definir tecnicamente os tipos de deficiência que se enquadram no cumprimento das cotas: a) deficiência física: alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, ostomia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, nanismo, membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções; b) deficiência auditiva: perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibéis (db) ou mais, aferida por audiograma nas freqüências de 500Hz, 1.000Hz, 2.000Hz e 3.000Hz; c) deficiência visual: cegueira, na qual a acuidade visual é igual ou menor que 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica, a baixa visão, que significa acuidade visual entre 0,3 e 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; os casos nos quais a somatória da medida do campo visual em ambos os olhos for igual ou menor que 60º ou a ocorrência simultânea de quaisquer das condições anteriores; d) deficiência mental: funcionamento intelectual significativamente inferior à média, com manifestação antes dos dezoito anos e limitações associadas a duas ou mais áreas de habilidades adaptativas, tais como: 1. comunicação; 2. cuidado pessoal; 3. habilidades sociais; 4. utilização dos recursos da comunidade; 5. saúde e segurança; 6. habilidades acadêmicas; 7. lazer; 8. trabalho e) deficiência múltipla: associação de duas ou mais deficiências. 10

13 Inclusão de pessoas com deficiência e a ArcelorMittal Tubarão A ArcelorMittal Tubarão vem acompanhando todo o debate em torno da nova legislação e estudando a melhor forma de participar ativamente da inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. A evolução dos debates na sociedade demonstrou que a lei não estabelece apenas uma obrigação. Estamos diante de um novo conceito de relações de trabalho, plenamente adequado à cultura empresarial de responsabilidade com o desenvolvimento da sociedade, compromisso permanente da Companhia, desde a sua inauguração. O Programa Somar surgiu a partir de um acordo entre a Empresa, o Sindicato dos Metalúrgicos do Espírito Santo e o Ministério Público do Trabalho. Esse acordo é resultado de uma ação civil pública movida pelo Sindicato em 1996, solicitando que a Empresa iniciasse um programa de atendimento à lei de reserva de cotas. Percebendo a inclusão de pessoas com deficiência como um novo valor a ser incorporado à cultura empresarial, a Companhia buscou formas de avançar, mantendo outros valores, como: segurança, saúde, desenvolvimento profissional e pessoal, capacitação e competitividade. Programa Catavento Com o objetivo de desenvolver ações voltadas à inclusão social e contribuir com a evolução dos conceitos de educação, saúde e trabalho das pessoas com deficiência, a ArcelorMittal Tubarão iniciou, em 2003, o Programa Catavento. Em parceria com a ONG Ação Comunitária do Espírito Santo (Aces) e outras 22 instituições, o Catavento promove cursos e oficinas de capacitação, e a inserção dos participantes no mercado de trabalho. Desde a sua implantação, mais de 115 participantes já foram contratados. O Programa Catavento procura, ainda, difundir uma visão integradora e livre de preconceitos com relação às potencialidades das pessoas, através do apoio a eventos, como palestras e seminários, voltados a debater o tema e buscar novas formas de atuação. Mais importante do que os dados quantitativos são os resultados intangíveis proporcionados pelo Catavento na transformação da atitude das pessoas, diz Elizabeth Fernandes, coordenadora do programa pela Aces. Isso a gente percebe quando vê uma mãe, que antes tinha uma postura protetora em relação ao filho com deficiência, acreditando no seu potencial e permitindo que ele tenha independência para se desenvolver com autonomia, ressalta. 11

14 PROGRAMA SOMAR O nome do programa já diz muito sobre ele: a ArcelorMittal Tubarão vai somar mais um valor à sua cultura empresarial. E vai fazer isso somando talentos, diversidade, respeito, conhecimento, capacidade e ação. A meta do Programa Somar é incluir pessoas com deficiência no quadro de empregados da ArcelorMittal Tubarão, ampliando a diversidade dentro da Companhia. Para atingir essa meta, a empresa vai desenvolver o programa em diversas etapas, que incluem: plano de comunicação, estudo sobre os cargos existentes, avaliação da acessibilidade em todos os locais, cadastramento de currículos, desenvolvimento de cursos de qualificação e capacitação e integração com outras iniciativas da sociedade. DESPERTAR O primeiro desafio do Somar é conquistar a participação de todos os empregados, assim como dos aposentados e familiares. É preciso que cada um desperte para esse novo desafio, que é de toda a sociedade. O fortalecimento da diversidade como um valor da ArcelorMittal Tubarão depende, diretamente, do grau de comprometimento de todos que integram a Companhia. 12

15 Objetivos do Somar Promover a diversidade, por meio da inclusão social e do respeito às diferenças; Aproveitar as potencialidades das pessoas com deficiência, dando-lhes oportunidades de desenvolvimento profissional; Atender às exigências da legislação, priorizando a contratação de pessoas com deficiência que se enquadram nos requisitos da Lei; Criar, fortalecer e multiplicar o valor da diversidade em toda a sociedade. Etapas Plano de Comunicação desenvolvimento de palestras informativas para todo o público interno e de material de comunicação, como este manual, informativos, outdoors, entre outros. O objetivo é conscientizar e orientar os empregados sobre os temas diversidade e inclusão; Mapeamento dos postos de trabalho é um estudo que ajuda a definir quais os tipos de deficiência que podem ser adequadas a diferentes atividades, sem comprometer a segurança, saúde e qualidade; Avaliação de acessibilidade identifica os locais dentro da Companhia que ainda não estão totalmente adequados para permitir o acesso de todas as pessoas com deficiência. A Portaria Central e o Centro de Educação Ambiental são dois exemplos de locais com acessibilidade universal. A sede da Associação Esportiva Siderúrgica de Tubarão (Aest) também será incluída nessa avaliação; Cadastramento todas as pessoas com deficiência deverão se cadastrar no site da Companhia. O processo será igual ao realizado atualmente; Capacitação e Qualificação em convênio com os representantes capixabas de instituições, como o Serviço Nacional de Aprendizagem 13

16 Industrial (Senai) e o Serviço Social da Indústria (Sesi), serão desenvolvidos cursos de capacitação e qualificação para funções técnicas e administrativas. As pessoas que participarem desses cursos vão integrar o cadastro de contratação da ArcelorMittal Tubarão, mas também poderão ser contratadas por outras empresas; Reestruturação dos projetos Procap e Menor Aprendiz para promover a inserção de adolescentes com deficiência nesses projetos, preparando-os para demandas futuras do mercado; Integração com a sociedade seguindo a estratégia de sustentabilidade por meio do fortalecimento de redes de relacionamento, a ArcelorMittal Tubarão vai firmar parcerias e convênios com entidades públicas e privadas, empresas parceiras, universidades e outras organizações; Seleção e Contratação vai ser feita de acordo com as demandas da Empresa para o preenchimento de novos postos de trabalho ou reposição natural. O processo será encaminhado seguindo os padrões atuais da Companhia. 14

17 MERCADO DE TRABALHO Nas seções da indústria há postos para todos (...). Em todos os ofícios, o homem, que hoje é objeto de compaixão da caridade pública, pode ganhar a sua vida com o mesmo direito do operário mais hábil e robusto. Uma indústria, sabiamente desenvolvida, é capaz de proporcionar ocupações a um avultado número de pessoas, devidamente pagas, que habitualmente pesam sobre a comunidade. Trechos do livro Minha Vida e Minha Obra, de Henry Ford ( ), fundador da Ford e idealizador da linha de montagem. Em 1924, o homem que revolucionou a indústria já entendia e aplicava o conceito de inclusão universal. Sempre em busca de melhores alternativas para ampliar a produção e reduzir os custos, Henry Ford fez uma classificação das funções na sua fábrica e descobriu, para o espanto de todos, que das diferentes operações, podiam ser realizadas por pessoas com algum tipo de deficiência. Trocou o sentimento de pena pelo de igualdade e deu oportunidade de trabalho a todas as pessoas, sem exceção. Hoje, certamente, ele não entenderia por que ainda não temos um mercado de trabalho totalmente inclusivo. Afinal, a tecnologia aprimorou a forma de trabalhar, tanto que as empresas não procuram mais mão-de-obra e sim talentos. Como bem sabia o Sr. Ford, não é fácil mudar velhos conceitos. Mas, também não é impossível. 15

18 Desafios da inclusão de pessoas com deficiência no mundo do trabalho Educação e Capacitação Muitas pessoas e empresas apontam a falta de capacitação como a principal dificuldade para a inserção de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. No Brasil, algumas estatísticas mostram que a grande maioria cerca de 76% não tem o Ensino Fundamental completo. Mas, essa não é uma realidade só para quem tem deficiência! Segundo o IBGE, cerca de 80% do total da população brasileira também está nessa faixa de escolaridade. Ou seja, é sempre difícil para empresas como a ArcelorMittal Tubarão, que valorizam o conhecimento, contratar talentos prontos. No nosso caso específico, temos um histórico muito positivo de investimentos na escolaridade (Nossa Escola) e capacitação (Programas de Desenvolvimento, curso de inglês, pós-graduação e outros). E pretendemos fazer o mesmo para qualificar as pessoas com deficiência. Acessibilidade Prédios, fábricas, lojas, enfim, toda a arquitetura urbana foi 16

19 construída sem levar em consideração as necessidades de acesso de pessoas com deficiência. Isso é um fato que qualquer pessoa com um pé engessado pode constatar. Temos que investir para mudar essa realidade. Dentro da ArcelorMittal Tubarão já existem áreas que apresentam acessibilidade universal, ou seja, foram construídas para que todas as pessoas tenham facilidade de locomoção. Vamos continuar a investir na acessibilidade e também realizar investimentos pontuais para efetuar mudanças em postos de trabalho, visando atender às necessidades específicas de novos contratados. Preconceito É uma barreira forte, construída durante milênios na história da humanidade. Para derrubar esse obstáculo só existe uma ferramenta: conhecimento. Quanto mais conhecimento temos, melhor entendemos as causas e efeitos do preconceito e nos preparamos para eliminá-lo. 17

20 COMO PARTICIPAR A eficácia das ações do Programa Somar depende, diretamente, da participação de todos na ArcelorMittal Tubarão. De nada adianta a Empresa construir um programa de inclusão se as pessoas não estiverem preparadas para receber os novos colegas na equipe da Companhia. Veja como participar: 1. Indique pessoas para o cadastramento no Programa Somar Nesta primeira etapa, a ArcelorMittal Tubarão vai cadastrar currículos, por isso, as indicações dos empregados, aposentados, familiares e comunidades são fundamentais. Para se cadastrar, a pessoa com deficiência deve se inscrever no Cadastro de Currículo da ArcelorMittal Tubarão (www.arcelor.com/br/cst), no link Recursos Humanos/Cadastramento e Seleção. 18

21 2. Conheça os programas e projetos desenvolvidos na Grande Vitória voltados a pessoas com deficiência; Federação das Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) Objetivo: apoiar a realização de projetos de abrangência estadual coordenados pela Federação das Apaes. Contato: (27) Associação dos Amigos dos Autistas do Espírito Santo (AMAES) Objetivo: proporcionar atividades educacionais, visando ao desenvolvimento cognitivo, afetivo e comportamental da pessoa com autismo. Contato: (27) / (27) Leia sobre o assunto Procure sites da internet ou consulte livros e aprimore os seus conhecimentos sobre inclusão universal, diversidade e pessoas com deficiência. Existem também alguns filmes muito bons sobre o assunto, como: Cegos, Surdos e Loucos Dois amigos, um cego e o outro surdo, são as únicas testemunhas de um assassinato. Enquanto a polícia acha que eles são os culpados, os verdadeiros assassinos os perseguem. Feliz Ano Velho Adaptação do best-seller autobiográfico de Marcelo Rubens Paiva, conta a história de um universitário que fica tetraplégico após um mergulho. Vencedor de sete prêmios no Festival de Gramado, incluindo melhor roteiro. Gaby - Uma História Verdadeira A história de Gaby Brimmer que, sem andar, falar nem mexer as mãos, escreveu um livro com o pé e uma máquina de escrever elétrica. Ligado em Você Matt Damon e Greg Kinnear formam uma dupla fantástica de irmãos que compartilham a paixão pela vida e um fígado. Graças a um perfeito trabalho em equipe, sua condição física não os impede de serem totalmente integrados e adorados pela comunidade de uma pequena cidade. 19

22 Luzes da Cidade Carlitos apaixona-se por uma florista cega e se envolve nas maiores trapalhadas buscando dinheiro para recuperar a visão da moça. Meu Pé Esquerdo A história real do escritor irlandês Christy Brown, portador de paralisia cerebral, que aprende a pintar e escrever com seu pé esquerdo. Oscar de melhor ator e atriz coadjuvante. Nascido em 04 de Julho Soldado americano é ferido no Vietnã e fica paraplégico. Torna-se um ativista político contrário à posição americana na guerra e é visto como um traidor. Baseado em história real e vencedor do Oscar de Direção e Montagem. O Piano Uma deficiente auditiva casa-se com um proprietário de terras. Ela comunica-se através de um piano. Perfume de Mulher O filme relata a história de um ex-capitão do exército, cego e amargo, e sua relação de amizade com um jovem contratado para acompanhá-lo. Procurando Nemo Desenho animado divertido e inteligente. Nemo é um peixe que possui uma nadadeira defeituosa, o que o impede de nadar bem (ao menos é o que o pai acha). Ele vai viver aventuras incríveis e mostrar ao pai que não precisa ser exageradamente super-protetor. Sempre Amigos A história da amizade entre dois meninos, um super dotado, porém com distrofia muscular, e o outro grande e forte, mas pouco inteligente e sem amigos.

23

24 Editado pela Comunicação e Imagem

A PESSOA COM DEFICIENCIA E O TRABALHO APAMT 25-10 - 2014

A PESSOA COM DEFICIENCIA E O TRABALHO APAMT 25-10 - 2014 A PESSOA COM DEFICIENCIA E O TRABALHO APAMT 25-10 - 2014 PERIODIZAÇÃO DA HISTÓRIA IDADE ANTIGA 4000AC A 476 DC (Queda do Império Romano do Ocidente) IDADE MÉDIA 476 DC A 1453 (Queda do Império Romano do

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE E DADOS COMPLEMENTARES

IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE E DADOS COMPLEMENTARES ANEXO III LAUDO DE COMPROVAÇÃO DE DEFICIÊNCIA AUDITIVA E/OU VISUAL Serviço Médico/Unidade de Saúde: CNES: IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE E DADOS COMPLEMENTARES Nome: Data de Nascimento: / / Sexo: Feminino

Leia mais

PERÍCIA É O EXAME, VISTORIA OU AVALIAÇÃO DE COISAS OU PESSOAS, MATÉRIA, COM A FINALIDADE DE DAR UM PARECER TÉCNICO E CONCLUSIVO.

PERÍCIA É O EXAME, VISTORIA OU AVALIAÇÃO DE COISAS OU PESSOAS, MATÉRIA, COM A FINALIDADE DE DAR UM PARECER TÉCNICO E CONCLUSIVO. A PERÍCIA E OS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE PERÍCIA MÉDICA PERÍCIA E JUSTIÇA SOCIAL Novembro de 2008 MARCO AURÉLIO DA SILVA CESAR PERÍCIA PERÍCIA É O EXAME, VISTORIA

Leia mais

FISCALIZAÇÃO PCD. Joaquim Travassos Leite. Auditor Fiscal do Trabalho Coordenador do Projeto de Inserção de

FISCALIZAÇÃO PCD. Joaquim Travassos Leite. Auditor Fiscal do Trabalho Coordenador do Projeto de Inserção de FISCALIZAÇÃO PCD Joaquim Travassos Leite Auditor Fiscal do Trabalho Coordenador do Projeto de Inserção de 1 Terminologia Pessoa com deficiência ou deficiente (físico, visual, intelectual, etc.) X não deficiente.

Leia mais

20 EDUCAÇÃO ESPECIAL

20 EDUCAÇÃO ESPECIAL EDUCAÇÃO ESPECIAL 20 21 EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA INCLUSIVA A Educação Especial, de acordo com a legislação brasileira, é uma modalidade de ensino transversal, que perpassa todos os níveis de ensino

Leia mais

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Atendimento Educacional Especializado (AEE) O Atendimento Educacional Especializado (AEE) é um serviço da Educação Especial que organiza atividades, recursos pedagógicos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE Edital nº 001/2014 SELEÇÃO DE REPRESENTANTES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PARA COMPOR O COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE

Leia mais

PROGRAMA DE INCLUSÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM SÃO PAULO SRTE/SP

PROGRAMA DE INCLUSÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM SÃO PAULO SRTE/SP 14º ENCONTRO NACIONAL DE ENFERMAGEM DO TRABALHO - ANENT PROGRAMA DE INCLUSÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM SÃO PAULO SRTE/SP DADOS DEMOGRÁFICOS Brasil

Leia mais

Acessibilidade à pessoa com deficiência

Acessibilidade à pessoa com deficiência Acessibilidade à pessoa com deficiência V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EQI-01 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO TRABALHO

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO TRABALHO INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO TRABALHO COORDIGUALDADE Coordenadoria Nacional de Promoção da Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho Criada em 28/10/2002, com o objetivo

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2012. Manual do Usuário

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2012. Manual do Usuário 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Inserção da Pessoa com Deficiência com Dignidade, Direitos e Obrigações DRT/SP

Inserção da Pessoa com Deficiência com Dignidade, Direitos e Obrigações DRT/SP Inserção da Pessoa com Deficiência com Dignidade, Direitos e Obrigações DRT/SP José Carlos do Carmo (Kal) Auditor Fiscal do Trabalho Médico do Trabalho Lei nº 8.213 1991 2.007 Dispõe sobre os Planos de

Leia mais

Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação Deficiência Deficiência Estabelecidos pelo Decreto Federal 3.298 de 20 de dezembro de 1999 (art. 3º, I e 4 ), que foi alterado pelo Decreto 5.296 de 02 de dezembro de 2004. É todo e qualquer comprometimento

Leia mais

LEI BRASILEIRA DE INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E O SISTEMA DE COTAS.

LEI BRASILEIRA DE INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E O SISTEMA DE COTAS. LEI BRASILEIRA DE INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E O SISTEMA DE COTAS. Entra em vigor nesse mês a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência - Lei 13.146/2015, sancionada em julho e publicada

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014. Manual do Usuário

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014 GLOSSÁRIO

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014 GLOSSÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 Aprova o Programa de Atendimento a Pessoas com Necessidades Especiais da Universidade do Contestado-UnC O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições,

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2013. Manual do Usuário

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2013. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Lei nº 8.120, de 09 de dezembro de 2009.

Lei nº 8.120, de 09 de dezembro de 2009. Lei nº 8.120, de 09 de dezembro de 2009. Dispõe sobre a Política Municipal de Acessibilidade de Pessoas com deficiência e mobilidade reduzida no Município de Campos dos Goytacazes e dá outras providências.

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL REDE DE CUIDADOS A PESSOA COM DEFICIÊNCIA

TERMO DE REFERENCIA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL REDE DE CUIDADOS A PESSOA COM DEFICIÊNCIA TERMO DE REFERENCIA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL REDE DE CUIDADOS A PESSOA COM DEFICIÊNCIA 1. Introdução O contínuo processo de aperfeiçoamento do Sistema Unico de Saúde SUS, desde sua

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E C A M P I N A S SEHAB - SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO COMPANHIA DE HABITAÇÃO POPULAR DE CAMPINAS

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E C A M P I N A S SEHAB - SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO COMPANHIA DE HABITAÇÃO POPULAR DE CAMPINAS P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E C A M P I N A S SEHAB - SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO cohab COMPANHIA DE HABITAÇÃO POPULAR DE CAMPINAS REGULAMENTO SELEÇÃO E HIERARQUIZAÇÃO DE CANDIDATOS CADASTRADOS

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 17/2015

ANEXO I - EDITAL Nº 17/2015 Página 1 de 5 ANEXO I - EDITAL Nº 17/2015 O SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC/RN, representado por sua Administração Regional no Estado do Rio Grande do Norte, torna público, para o conhecimento de quantos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE HUMANIDADES UNIDADE ACADÊMICA DE LETRAS EDITAL Nº 31, DE 16 JUNHO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE HUMANIDADES UNIDADE ACADÊMICA DE LETRAS EDITAL Nº 31, DE 16 JUNHO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE HUMANIDADES UNIDADE ACADÊMICA DE LETRAS EDITAL Nº 31, DE 16 JUNHO DE 2015 O Diretor do Centro de Humanidades da Universidade Federal

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2015-CGPMCMV/PMM NORMAS PARA SELEÇÃO DE CANDIDATOS INSCRITOS NO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PARA O RESIDENCIAL SÃO JOSÉ.

EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2015-CGPMCMV/PMM NORMAS PARA SELEÇÃO DE CANDIDATOS INSCRITOS NO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PARA O RESIDENCIAL SÃO JOSÉ. EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2015-CGPMCMV/PMM NORMAS PARA SELEÇÃO DE CANDIDATOS INSCRITOS NO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PARA O RESIDENCIAL SÃO JOSÉ. A PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPÁ, por meio do COMITÊ

Leia mais

LEI Nº 7213/2006 DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

LEI Nº 7213/2006 DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA LEI Nº 7213/2006 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO, COMPOSIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E FUNCIONAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber a todos os habitantes

Leia mais

Queimadura: quando a cicatriz é uma deficiência física?

Queimadura: quando a cicatriz é uma deficiência física? Queimadura: quando a cicatriz é uma deficiência física? Dr. José Adorno Médico Cirurgião Plástico Mestrado em Ciências Médicas/UnB Coordenador Cirurgia Plástica da Unidade de Queimados HRAN/SES/DF Presidente

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO E DA TERMINOLOGIA CONSTITUIÇÕES ANTERIORES: - DESVALIDOS; - EXCEPCIONAIS. COMENTÁRIOS SOBRE

CLASSIFICAÇÃO EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO E DA TERMINOLOGIA CONSTITUIÇÕES ANTERIORES: - DESVALIDOS; - EXCEPCIONAIS. COMENTÁRIOS SOBRE COMENTÁRIOS SOBRE A AVALIAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E INCAPACIDADES NA PERSPECTIVA DE UMA NOVA CLASSIFICAÇÃO NO BRASIL COORDENADORIA NACIONAL PARA INTEGRAÇÃO DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA CORDE

Leia mais

EMPREGABILIDADE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA: ensaio crítico sobre a lei de cotas

EMPREGABILIDADE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA: ensaio crítico sobre a lei de cotas EMPREGABILIDADE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA: ensaio crítico sobre a lei de cotas Francine de Souza Dias 1 Jaqueline Lopes 2 Tatiana Maria Fonseca 3 Resumo: Este artigo tem por objetivo primeiro apresentar

Leia mais

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL GOVERNO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO DE ENSINO SUPERINTENDÊNCIA PEDAGÓGICA DIRETORIA DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL COORDENAÇÃO DE INCLUSÃO EDUCACIONAL GLOSSÁRIO

Leia mais

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva Instituto Paradigma O Instituto Paradigma é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), dedicada a desenvolver e implementar projetos nas

Leia mais

Análise do cenário do cumprimento da Lei de Cotas no setor metalúrgico de Osasco e região, na fusão dos Ministérios do Trabalho e da Previdência

Análise do cenário do cumprimento da Lei de Cotas no setor metalúrgico de Osasco e região, na fusão dos Ministérios do Trabalho e da Previdência Análise do cenário do cumprimento da Lei de Cotas no setor metalúrgico de Osasco e região, na fusão dos Ministérios do Trabalho e da Previdência Social A INCLUSÃO SE MANTÉM NAS EMPRESAS METALÚRGICAS DE

Leia mais

2.4. A jornada de aprendizagem e a duração do curso são estabelecidos a seguir:

2.4. A jornada de aprendizagem e a duração do curso são estabelecidos a seguir: SELEÇÃO PÚBLICA - EDITAL 002/2013 CONTRATO DE APRENDIZAGEM - JOVEM APRENDIZ GOVERNO FEDERAL - MINISTÉRIO DAS CIDADES EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A TRENSURB O Diretor-Presidente da Empresa

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO SETOR METALÚRGICO DE OSASCO E REGIÃO PARA A CONTRATAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NAS EMPRESAS COM 100 OU MAIS EMPREGADOS

CONTRIBUIÇÃO DO SETOR METALÚRGICO DE OSASCO E REGIÃO PARA A CONTRATAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NAS EMPRESAS COM 100 OU MAIS EMPREGADOS GERÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM OSASCO CONTRIBUIÇÃO DO SETOR METALÚRGICO DE OSASCO E REGIÃO PARA A CONTRATAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NAS EMPRESAS COM 100 OU MAIS EMPREGADOS 6ª Pesquisa

Leia mais

A Inclusão do Profissional Portador de Deficiência e a lei 8213 de 24/07/91

A Inclusão do Profissional Portador de Deficiência e a lei 8213 de 24/07/91 A Inclusão do Profissional Portador de Deficiência e a lei 8213 de 24/07/91 Luiz Carlos Rodrigues Resumo: Com a criação da Lei que estabelece cotas para a inclusão do profissional portador de deficiências

Leia mais

LEI N 511, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI N 511, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009. Pág. 1 de 7 LEI N 511, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009. CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, no uso das atribuições

Leia mais

Como transformar Reabilitados e Cotistas em Funcionários Comprometidos

Como transformar Reabilitados e Cotistas em Funcionários Comprometidos Como transformar Reabilitados e Cotistas em Reunião do Depto. de Segurança e Medicina do Trabalho do CIESP 22/08/2012 Dr. José Carlos T. Dias Ferreira CRM 46101 Coordenador Médico da Metso A Metso é uma

Leia mais

ANEXO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENTREVISTA TÉCNICA

ANEXO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENTREVISTA TÉCNICA Engenheiro - Gestor de Obras ANEXO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENTREVISTA TÉCNICA 1-Atividades exercidas na Cehab; 2-Procedimentos de projetos e planilhas orçamentárias. Divergências entre objeto contratado

Leia mais

Lei Municipal Nº 172/2010 De 30 de Dezembro de 2010.

Lei Municipal Nº 172/2010 De 30 de Dezembro de 2010. Lei Municipal Nº 172/2010 De 30 de Dezembro de 2010. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência, do Município de São Francisco do Conde - CMDPPD

Leia mais

VSB-Acess. Natureza e Objetivo: Ações da VSB - Acess envolvem: Público-Alvo:

VSB-Acess. Natureza e Objetivo: Ações da VSB - Acess envolvem: Público-Alvo: Titulo 1 VSB-Acess Natureza e Objetivo: Organização Sem Fins Econômicos, Captadora de Recursos para Execução de Projetos em Acessibilidade, Inclusão Social e Sustentabilidade Ações da VSB - Acess envolvem:

Leia mais

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 As Instituições de Ensino Superior se vêem, cada vez mais, diante do desafio de criar estratégias eficazes que promovam a inclusão,

Leia mais

CONCEITO DE DEFICIÊNCIA SEGUNDO A CONVENÇÃO DA ONU E OS CRITÉRIOS RIOS DA CIF. Linamara Rizzo Battistella Secretária de Estado

CONCEITO DE DEFICIÊNCIA SEGUNDO A CONVENÇÃO DA ONU E OS CRITÉRIOS RIOS DA CIF. Linamara Rizzo Battistella Secretária de Estado CONCEITO DE DEFICIÊNCIA SEGUNDO A CONVENÇÃO DA ONU E OS CRITÉRIOS RIOS DA CIF Linamara Rizzo Battistella Secretária de Estado Repensando a Escola! Considerar a expansão da Educação Inclusiva como uma construção

Leia mais

DADOS DEMOGRÁFICOS. JC Carmo

DADOS DEMOGRÁFICOS. JC Carmo DADOS DEMOGRÁFICOS Panorama das deficiências no Brasil Organização Mundial da Saúde OMS 10% dos habitantes do mundo apresentam algum tipo de deficiência Censo 2000 do IBGE 14,5% da população brasileira

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SELEÇÃO PÚBLICA - EDITAL 001/2014 CONTRATO DE APRENDIZAGEM - JOVEM APRENDIZ GOVERNO FEDERAL - MINISTÉRIO DAS CIDADES EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A TRENSURB O Diretor-Presidente da Empresa

Leia mais

INSERÇÃO DE PROFISSIONAIS DEFICIENTES NO MERCADO DE TRABALHO: UM DEVER DE TODOS

INSERÇÃO DE PROFISSIONAIS DEFICIENTES NO MERCADO DE TRABALHO: UM DEVER DE TODOS CAFÉ SENSORIAL INSERÇÃO DE PROFISSIONAIS DEFICIENTES NO MERCADO DE TRABALHO: UM DEVER DE TODOS O Café Sensorial é um projeto da Fecomerciários, em parceria com os Sindicatos dos Comerciários e Sinprafarmas,

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO ARCON-PA Concessão de Gratuidade

MINUTA DE RESOLUÇÃO ARCON-PA Concessão de Gratuidade MINUTA DE RESOLUÇÃO ARCON-PA Concessão de Gratuidade Estabelece procedimentos complementares necessários ao cumprimento das normas do Artigo Nº. 249, VI, a, da Constituição do Estado do Pará. O DIRETOR

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DE QUESTÕES RELATIVAS À DEFICIÊNCIA NO LOCAL DE TRABALHO (PGD)

PROGRAMA DE GESTÃO DE QUESTÕES RELATIVAS À DEFICIÊNCIA NO LOCAL DE TRABALHO (PGD) PROGRAMA DE GESTÃO DE QUESTÕES RELATIVAS À DEFICIÊNCIA NO LOCAL DE TRABALHO (PGD) 1. - APRESENTAÇÃO EMPRESA TAL LTDA, situada a rua tal, bairro, cidade, estado, apresenta o seu Programa de Gestão de Questões

Leia mais

TERMO ADITIVO Nº 001/2013 AO EDITAL Nº 010/2013 PROCESSO SELETIVO Nº 010/2013. Retificação do edital alterando e incluindo os itens a seguir:

TERMO ADITIVO Nº 001/2013 AO EDITAL Nº 010/2013 PROCESSO SELETIVO Nº 010/2013. Retificação do edital alterando e incluindo os itens a seguir: TERMO ADITIVO Nº 001/2013 AO EDITAL Nº 010/2013 PROCESSO SELETIVO Nº 010/2013 Retificação do edital alterando e incluindo os itens a seguir: A SECRETARIA ESTADUAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA do Estado do Piauí

Leia mais

Reserva de vagas para pessoas portadoras de deficiência em concurso público

Reserva de vagas para pessoas portadoras de deficiência em concurso público Reserva de vagas para pessoas portadoras de deficiência em concurso público B. Siqueira Chefe de Gabinete do MPC Auditor Público Externo CONVENÇÕES Convenção 111 - Decreto 62.150 de 19/01/68 (discriminação

Leia mais

9ª Pesquisa Fevereiro 2015 GERÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM OSASCO

9ª Pesquisa Fevereiro 2015 GERÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM OSASCO 9ª Pesquisa Fevereiro 2015 GERÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM OSASCO A INCLUSÃO CRESCE NAS EMPRESAS METALÚRGICAS DE OSASCO E REGIÃO A presença de trabalhadores com deficiência tem avançado nas

Leia mais

Inquérito Civil n. 06.2014.00010720-0

Inquérito Civil n. 06.2014.00010720-0 Inquérito Civil n. 06.2014.00010720-0 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA, representado, neste ato, por seu Promotor de Justiça da Defesa da Moralidade Administrativa, doravante designado

Leia mais

A INSERÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO MUNDO DO TRABALHO

A INSERÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO MUNDO DO TRABALHO A INSERÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO MUNDO DO TRABALHO Palestrante: Lúcia Maria Bludeni Objetivo da Palestra Explicitar aspectos legais sobre a obrigatoriedade das empresas em contratar pessoas com

Leia mais

TIPIFICAÇÃO DAS DEFICIÊNCIAS PARA O CUMPRIMENTO DA RESERVA LEGAL DE VAGAS NO TRABALHO Lei 8.213

TIPIFICAÇÃO DAS DEFICIÊNCIAS PARA O CUMPRIMENTO DA RESERVA LEGAL DE VAGAS NO TRABALHO Lei 8.213 1º SEMINÁRIO SOBRE SAÚDE DO TRABALHADOR COM DEFICIÊNCIA NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO PESADA SINICESP PROGRAMA DE INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA - SRTE/SP - MTE TIPIFICAÇÃO DAS DEFICIÊNCIAS PARA O CUMPRIMENTO

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2008. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2008. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2008 Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, que altera a legislação do imposto de renda das pessoas físicas e dá outras providências, para permitir a dedução

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE ITATUBA

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE ITATUBA ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE ITATUBA LEI Nº 407/2015 ITATUBA-PB, 11 de Março de 2015 CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE ITATUBA E INSTITUI A 1ª CONFERÊNCIA

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO Nº 002/2015-CGPMCMV/PMM

EDITAL DE SELEÇÃO Nº 002/2015-CGPMCMV/PMM EDITAL DE SELEÇÃO Nº 002/2015- NORMAS PARA SELEÇÃO DE CANDIDATOS INSCRITOS NO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PARA O RESIDENCIAL JARDIM AÇUCENA. A PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAPÁ, por meio do COMITÊ GESTOR

Leia mais

INSERÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

INSERÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO INSERÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO Fundamentos da República: cidadania dignidade da pessoa humana valores sociais do trabalho (art. 1º, II,III e IV, CF) Objetivos: construir uma

Leia mais

Assinatura Carimbo e registro do CRM. Nome: Endereço:

Assinatura Carimbo e registro do CRM. Nome: Endereço: Anexo III - REVOGADO; (Redação dada pela Portaria nº 1.122 de 26.11.14). Redação Anterior: (4) Portaria nº 26 de 15.01.13. (Redação dada pela Portaria nº 26 de 15.01.13). Anexo III á Portaria SEFAZ nº

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM Em busca de leis e terminologias adequadas para medidas inclusivas dos Portadores de Necessidades Especiais no ambiente laboral Denise Silva de Oliveira. Aluna de graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO ÀS PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECÍFICAS NAC/PNE

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO ÀS PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECÍFICAS NAC/PNE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO ÀS PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECÍFICAS NAC/PNE Regulamenta o Núcleo de Atendimento e Acompanhamento às Pessoas com Necessidades Específicas NAC/PNE,

Leia mais

Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho (Avanços e Perspectivas) 09/12/2011

Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho (Avanços e Perspectivas) 09/12/2011 Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho (Avanços e Perspectivas) 09/12/2011 De quem estamos falando 15% da população mundial (cerca de um bilhão de pessoas) - Relatório Mundial sobre

Leia mais

Parágrafo único. Incluem-se na condição de serviço convencional:

Parágrafo único. Incluem-se na condição de serviço convencional: DECRETO Nº 10.890, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. Regulamenta a Lei Nº 1307, de 15 de janeiro de 2004, que concede passe livre às pessoas idosas, e portadoras de deficiência. no sistema de transporte intermunicipal

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2011. Manual do Usuário

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2011. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

I Fórum Municipal de Autismo, Acessibilidade e Mobilidade Territorial PROGRAMA DE APOIO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA

I Fórum Municipal de Autismo, Acessibilidade e Mobilidade Territorial PROGRAMA DE APOIO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA I Fórum Municipal de Autismo, Acessibilidade e Mobilidade Territorial PROGRAMA DE APOIO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA OBJETIVO Proporcionar aos trabalhadores com deficiência a obtenção e a manutenção do emprego,

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais. Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais. Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013 O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS Secretaria Nacional de Promoção

Leia mais

JOVEM COM DEFICIÊNCIA

JOVEM COM DEFICIÊNCIA JOVEM COM DEFICIÊNCIA 1. Promover cursos de educação profissional de nível básico (técnico e tecnológico nos termos da Lei 9.394/96) e superior em espaços públicos e privados, respeitando a inclusão de

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR: PORTADOR DE NECESSIDADES FÍSICAS ESPECIAIS E A VIOLAÇÃO DOS DIREITOS

INCLUSÃO ESCOLAR: PORTADOR DE NECESSIDADES FÍSICAS ESPECIAIS E A VIOLAÇÃO DOS DIREITOS INCLUSÃO ESCOLAR: PORTADOR DE NECESSIDADES FÍSICAS ESPECIAIS E A VIOLAÇÃO DOS DIREITOS Jéssica C. Medeiros SILVA 1 Maisa Roberta GONÇALVES 2 Sandra R. Sakamoto TOLOSA 3 RESUMO: O presente estudo traz à

Leia mais

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir os 20% das vagas, e a efetivação das condições de acesso e permanência AC/08 necessárias para pessoas

Leia mais

RELATÓRIO DE AÇÕES INCLUSIVAS SENAISC 2011

RELATÓRIO DE AÇÕES INCLUSIVAS SENAISC 2011 RELATÓRIO DE AÇÕES INCLUSIVAS SENAISC 2011 Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina FIESC Glauco José Côrte Presidente da FIESC e do Conselho Regional do SENAI/SC SENAI/SC Direção Regional

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROGRAMA DE APOIO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROGRAMA DE APOIO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA OBJETIVO Proporcionar ao trabalhador com deficiência a obtenção e a manutenção do emprego, atuar na orientação profissional e no empreendimento de ações e/ou

Leia mais

PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho SOLUÇÕES SOCIAIS

PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho SOLUÇÕES SOCIAIS 1 PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho Serviço Social da Indústria de Santa Catarina SOLUÇÕES SOCIAIS 2 Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Porque [...] temos direito à diferença, quando a igualdade nos descaracteriza. (Boaventura de Souza Santos)

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Porque [...] temos direito à diferença, quando a igualdade nos descaracteriza. (Boaventura de Souza Santos) EDUCAÇÃO INCLUSIVA Porque [...] temos direito à diferença, quando a igualdade nos descaracteriza. (Boaventura de Souza Santos) O QUE É INCLUSÃO? Inclusão é o privilégio de conviver com as diferenças. É

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade A INFORMAÇÃO é fundamental para vencermos as barreiras do preconceito e da discriminação. Ao buscarmos a INFORMAÇÃO, exercitamos

Leia mais

Conselho de Recursos Administrativos - CORAD PROCESSO 0015-15/000002-0

Conselho de Recursos Administrativos - CORAD PROCESSO 0015-15/000002-0 Concurso Público. Serviços Notariais e Registrais. Recursos interpostos contra o indeferimento da inscrição na condição de PcD do concurso aberto pelo Edital nº 001/2013- CECPODNR. Conhecimento e improvimento

Leia mais

3 Legislação federal e legislação municipal, de Manaus/AM, a respeito de pessoas com deficiência, dentre elas os surdos

3 Legislação federal e legislação municipal, de Manaus/AM, a respeito de pessoas com deficiência, dentre elas os surdos 56 3 Legislação federal e legislação municipal, de Manaus/AM, a respeito de pessoas com deficiência, dentre elas os surdos Na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, há vários artigos que

Leia mais

1.1 - a inscrição de participantes a este programa se dará através de:

1.1 - a inscrição de participantes a este programa se dará através de: PROPOSTA DE REGULAMENTO VISANDO A IMPLANTAÇÃO DOS BENEFÍCIOS CONTIDOS NO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO CELEBRADO EM DEZEMBRO DE 2011, QUE TRATA DO PROGRAMA DE APOIO AO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA I - O Programa

Leia mais

Manual de Enturmação para Sala de Recursos - AEE 2013

Manual de Enturmação para Sala de Recursos - AEE 2013 Manual de Enturmação para Sala de Recursos - AEE 2013 1 CONTEÚDO Conteúdo... 2 Introdução... 3 Programas e projetos da coordenação de inclusão educacional... 5 Como liberar a Enturmação para Atendimento

Leia mais

Isenção de impostos para Portadores de Necessidades Especiais. Informativo Ford Zevel.

Isenção de impostos para Portadores de Necessidades Especiais. Informativo Ford Zevel. Isenção de impostos para Portadores de Necessidades Especiais. Informativo Ford Zevel. Isenção de IPI As pessoas portadoras de deficiência física, visual, mental severa ou profunda, ou autistas, ainda

Leia mais

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência;

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência; 1 Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação das diretrizes e metas na garantia de direitos às pessoas com deficiência

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade Devemos respeitar as pessoas exatamente como elas são. O respeito à diversidade humana é o primeiro passo para construirmos

Leia mais

DECRETO Nº 3.298, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.298, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.298, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas

Leia mais

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE ESTUDOS E NORMAS PEDAGÓGICAS CENP SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO ENCONTRO BPC NA ESCOLA AÇÃO DA

Leia mais

Diversidade & Inclusão As Pessoas com Deficiência no Mundo do Trabalho

Diversidade & Inclusão As Pessoas com Deficiência no Mundo do Trabalho Diversidade & Inclusão As Pessoas com Deficiência no Mundo do Trabalho Manual para empresas Diversidade & Inclusão As Pessoas com Deficiência no Mundo do Trabalho Manual para empresas Texto: João Ribas

Leia mais

Orientações para obter isenção de impostos (IPI, IOF, ICMS e IPVA) na compra de veículo para pessoa com deficiência

Orientações para obter isenção de impostos (IPI, IOF, ICMS e IPVA) na compra de veículo para pessoa com deficiência Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004 Art. 5 o Os órgãos da administração pública direta, indireta e fundacional, as empresas prestadoras de serviços públicos e as instituições financeiras deverão

Leia mais

Educação Superior Comentada políticas, diretrizes, legislação e normas do ensino superior

Educação Superior Comentada políticas, diretrizes, legislação e normas do ensino superior Notícias Educação Superior Comentada políticas, diretrizes, legislação e normas do ensino superior 13/05/2013 Categoria: Coluna Por: Gustavo Fagundes Ano 1 Nº 13 De 7 a 13 de maio de 2013 A coluna desta

Leia mais

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA Programa de Promoção da Acessibilidade PPA O que é o Programa de Promoção da Acessibilidade? É um programa institucional que tem como objetivo criar condições de acesso ao conhecimento as pessoas com deficiência

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1517/2012. Autor(es): Deputado XANDRINHO, ASPÁSIA CAMARGO E EDSON ALBERTASSI A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PROJETO DE LEI Nº 1517/2012. Autor(es): Deputado XANDRINHO, ASPÁSIA CAMARGO E EDSON ALBERTASSI A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI Nº 1517/2012 EMENTA: ESTENDE ÀS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA FÍSICA, VISUAL, AUDITIVA, MENTAL SEVERA OU PROFUNDA OU AUTISTA OS BENEFÍCIOS RELATIVOS AO ICMS, EM CONSONÂNCIA COM O CONVÊNIO

Leia mais

A palavra de ordem será: ACESSIBILIDADE!

A palavra de ordem será: ACESSIBILIDADE! O que é o Congresso de Acessibilidade? O Congresso de Acessibilidade é o primeiro evento online TOTALMENTE GRATUITO a ser realizado no Brasil, com foco no público de Pessoas com Deficiência e/ou Necessidades

Leia mais

EDITAL ACESSO FURB VESTIBULAR N 03/2015 PROEN

EDITAL ACESSO FURB VESTIBULAR N 03/2015 PROEN EDITAL ACESSO FURB VESTIBULAR N 03/2015 PROEN A PRÓ-REITORA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO, ENSINO MÉDIO E PROFISSIONALIZANTE da UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB), no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

PRINCIPIO DA ISONOMIA ( igualdade) Artigo 5º, caput da CRFB/88

PRINCIPIO DA ISONOMIA ( igualdade) Artigo 5º, caput da CRFB/88 Trabalho da Mulher PRINCIPIO DA ISONOMIA ( igualdade) Artigo 5º, caput da CRFB/88 Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros

Leia mais

CIDADANIA. Inclusão Social: inserção dos portadores de necessidades especiais no mercado de trabalho.

CIDADANIA. Inclusão Social: inserção dos portadores de necessidades especiais no mercado de trabalho. CIDADANIA Inclusão Social: inserção dos portadores de necessidades especiais no mercado de trabalho. Acadêmicos: Dandara Matchelly Fonseca Silva Gustavo Henrique de Oliveira Amaral Harley Guedes Félix

Leia mais

EDITAL MATRÍCULA VESTIBULAR ACAFE VERÂO N 16/2015 PROEN

EDITAL MATRÍCULA VESTIBULAR ACAFE VERÂO N 16/2015 PROEN EDITAL MATRÍCULA VESTIBULAR ACAFE VERÂO N 16/2015 PROEN O PRÓ-REITOR DE ENSINO DE GRADUAÇÃO, ENSINO MÉDIO E PROFISSIONALIZANTE da FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU, no uso de suas atribuições

Leia mais

Palavras-chave: Atendimento Educacional Especializado, Educação Física, Parceria.

Palavras-chave: Atendimento Educacional Especializado, Educação Física, Parceria. PARCERIA ENTRE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DA SALA DE RECURSOS NA INCLUSÃO DE UMA ALUNA COM DEFICIÊNCIA FÍSICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Rita de Cássia Gomes de Oliveira Almeida. E. M. Prof. Ephraim

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2013 GLOSSÁRIO

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2013 GLOSSÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

A garantia de prioridade no atendimento. A criminalização do preconceito. Camila Bressanelli *

A garantia de prioridade no atendimento. A criminalização do preconceito. Camila Bressanelli * A garantia de prioridade no atendimento A criminalização do preconceito Camila Bressanelli * Antes mesmo de adentrar-se ao assunto proposto, acerca da criminalização do preconceito, vale ressaltar que,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA BENEFÍCIO FISCAL ELETRÔNICO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA BENEFÍCIO FISCAL ELETRÔNICO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA BENEFÍCIO FISCAL ELETRÔNICO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES 1 1. Quais os benefícios fiscais direcionados às pessoas com deficiência? R.

Leia mais

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO 2014 APRESENTAÇÃO Já faz tempo que as empresas estão trabalhando com o desafio

Leia mais

MCH1260 EMPREGOS FORMAIS DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: AUMENTO DAS CONTRATAÇÕES SEGUNDO A LEI DE COTAS

MCH1260 EMPREGOS FORMAIS DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: AUMENTO DAS CONTRATAÇÕES SEGUNDO A LEI DE COTAS III Congresso Internacional de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento 20 a 22 de outubro de 2014 CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL MCH1260 EMPREGOS FORMAIS DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: AUMENTO

Leia mais

ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO

ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DESCRIÇÃO ANALÍTICA DAS ATRIBUIÇÕES: I - participar da elaboração e efetivação da proposta Pedagógica; II - auxiliar no atendimento às crianças; III - participar do planejamento

Leia mais

Conheça o Programa Autonomy Eurovale

Conheça o Programa Autonomy Eurovale Conheça o Programa Autonomy Eurovale O Programa Autonomy permite que pessoas com capacidades motoras reduzidas dirijam por meio de adaptações especiais feitas nos modelos da linha Fiat, exceto Fiorino,

Leia mais