INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO IVOTI ISEI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL ELAINE BEATRÍS WOLF

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO IVOTI ISEI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL ELAINE BEATRÍS WOLF"

Transcrição

1 INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO IVOTI ISEI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL ELAINE BEATRÍS WOLF OS LAÇOS E OS NÓS DO TRABALHO PEDAGÓGICO COM OS BEBÊS IVOTI 2009

2 ELAINE BEATRÍS WOLF OS LAÇOS E OS NÓS DO TRABALHO PEDAGÓGICO COM OS BEBÊS Monografia apresentada ao Instituto Superior de Educação Ivoti, como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Coordenação Pedagógica e Orientação Educacional. Orientadora: Drª. Luciana Facchini IVOTI 2009

3 SUBSTITUIR PELA FOLHA DE APROVAÇÃO

4 Marcelo Leonardo Ao meu filho Marcelo Felipe, meu eterno bebê; ao meu sobrinho Leonardo, fonte inspiradora desta pesquisa e ao Eduardo; que surgiu de forma inesperada em minha vida durante a elaboração destes escritos.

5 AGRADECIMENTOS Foram tantos que colaboraram na realização deste trabalho, meus mais sinceros agradecimentos... à minha orientadora, professora Dra. Lucciana Facchini, pela compreensão nos meus momentos de dificuldades e pela parceria ao longo de todos os tropeços e acertos desta caminhada; aos participantes da pesquisa: bebês e educadoras da instituição, pela disponibilidade e colaboração; à minha amiga Élen, pelo apoio e principalmente por não ter em seu vocabulário a palavra não, por estar a disposição independente da razão; e finalmente à minha família, pela compreensão nos momentos de ausência.

6 É preciso perceber a criança como co-construtora ativa da aprendizagem, Em vez de um vaso vazio esperando enriquecimento, desde o início da vida, a criança pequena é uma rica criança, ativamente engajada com o mundo; ela nasceu equipada para aprender e não pede nem necessita da permissão do adulto para começar a aprender. Dahlberg, Moss e Pence (2003, p.72)

7 RESUMO O estudo sobre Os laços e os nós do trabalho pedagógico com os bebês teve como objetivos observar e analisar o trabalho pedagógico realizado no berçário e verificar qual a função e o envolvimento dos professores no trabalho pedagógico com bebês. A metodologia de trabalho se constituiu através de um estudo teórico sobre a Educação Infantil no mundo e no Brasil, bem como se buscou embasamento teórico sobre as ações cuidar, educar e brincar, e sobre o papel e a formação do educador infantil. Posteriormente, realizou-se a observação do trabalho pedagógico dos docentes da escola. Paralelamente às observações, foram disponibilizadas às professoras questões contendo pontos relativos a atividades docentes desempenhadas na instituição e, por fim, realizou-se a análise reflexiva entre as observações, o questionário e a pesquisa teórica. Apesar da mudança de visão sobre a criança, infelizmente, ainda tem-se o predomínio de ações voltadas ao assistencialismo resumindo a educação das creches a um simples espaço de cuidado, voltado ao suprimento das necessidades básicas. A falta de formação específica dos docentes que atuam com as crianças pequenas é um fato alarmante, considerando que o período de zero a três anos é fundamental na estruturação pessoal e cognitiva da criança. Na análise realizada, observou-se que os educadores não têm consciência da importância do trabalho pedagógico com os bebês, faltando-lhes informação e formação para atuar como professoras de berçários. Ao que parece, para os participantes da pesquisa, basta cuidar bem das crianças e propor brincadeiras. O trabalho da coordenação pedagógica resume-se em sanar questões técnicas referentes à saúde e primeiros socorros. Sabe-se que os bebês aproveitam o que lhes é proporcionado, cabendo a creche transformar-se em um espaço em que as ações relativas ao cuidar, ao educar e brincar se realizem de forma integrada e plenas de significado. E os responsáveis por esta mudança de pensamento e a pelas concretizações de ações realmente educativas, são os profissionais que labutam na instituição. Assim, faz-se necessária uma mudança na formação básica e continuada dos professores de Educação Infantil a fim de tornar a ação pedagógica em todos e quaisquer espaços. Palavras-chave: Educação Infantil - Intervenção pedagógica com bebês - Rotina - Educador.

8 ABSTRACT The study about The laces and knots of the pedagogical work with babies aims to observe and analyze the pedagogical work that is done in the nursery and verify the function and the evolvement of the teachers in the pedagogical work with the babies. The work methodology was based on a theoretical research about children education around the world and in Brazil. Theoretical background about the actions of taking care, educating, playing and about the paper and formation of the children educators was also used. Lately, the pedagogical work of the teachers of the school was observed. On that period, questions about issues concerning teaching activities developed in the day-care center were given to the teachers. Finally, an analysis between the observations, the questions and the theoretical research was done. Although the concept about children has changed, most of the actions in the day-care center focus just in taking care, unfortunately. The day-care center ends up in a space used just for supplying the children s basic needs. The lack of a specific formation for the teachers that work with little children is worth worrying. The first three years of life are essential to the personal and cognitive formation of a child. In the analysis made in this paper the statement that the teachers are not aware of their importance of their pedagogical work with the babies was noticed. They need information and formation to be nursery teachers. It seems that, for those who have participated in the research, it is enough just to take care and propose games to the children. The work of the pedagogical coordination sums up in solving technical issues related to health and first aid. babies join the things that are offered to them. The day-care center should be changed into a place where the actions related to babysitting, educating and playing should be integrated and full of meaning. The professionals that work in that place should be responsible for changing that thought about children care. So, it is necessary to change the basic formation for the teachers of little children in order to turn pedagogical everyone and everyplace. Keywords: Children education - Pedagogical intervention with babies Routine - Educator.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Fotografia 1 - Indiferença na Vestimenta...20 Figura 2 - Roda dos expostos...28 Figura 3 - Questão de Vagas...37 Figura 4 - Crianças felizes?...42 Figura 5 - Pulando Etapas...47 Figura 6 - Fotografia 2 - Crianças na Fila...52 Figura 7 - Fotografia 3 - Brincando com os Blocos de Encaixes...62 Figura 8 - Fotografia 4 - Alimentação dos Bebês...66 Figura 9 - Fotografia 5 - Bebês nos Carrinhos...69 Gráfico 1 - Formação dos Docentes no Ensino Médio...73 Gráfico 2 - Formação dos Docentes no Ensino Superior...73 Gráfico 3 - Experiência dos Docentes com Bebês...74 Gráfico 4 - Existência dos Documentos Referenciais...77

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO METODOLOGIA PONTO DE PARTIDA DELINEANDO A PESQUISA A EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNDO OS PRIMEIROS PASSOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL CRECHE: UM ESPAÇO DE CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR CUIDAR E EDUCAR BRINCAR E EDUCAR O EDUCADOR INFANTIL O EDUCADOR INFANTIL E A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA O FAZER PEDAGÓGICO AS AÇÕES CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR COM OS BEBÊS OS ESPAÇOS, O AMBIENTE E A ROTINA DOS BEBÊS BRINQUEDOS E MATERIAIS DISPONÍVEIS NO BERÇÁRIO REFLETINDO SOBRE A FORMAÇÃO E AS CONCEPÇÕES DOS PROFESSORES PARTICIPANTES FORMAÇÃO DOS EDUCADORES A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA VANTAGENS E DESVANTAGENS DE TRABALHAR COM BERÇÁRIOS OBJETIVOS E PLANEJAMENTO NOS BERÇÁRIOS INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO BERÇÁRIO? MAS, PARA QUE? OS ALUNOS SÃO TÃO PEQUENOS...84 REFERÊNCIAS...90 APÊNDICE A: ROTEIRO DE OBSERVAÇÃO POR TURMA...94 APÊNDICE B: QUESTIONÁRIO RESPONDIDO PELOS PROFISSIONAIS PARTICIPANTES DA PESQUISA...95

11 11 1 INTRODUÇÃO Sabendo da importância da Educação Infantil e da complexidade que é o trabalho com os bebês, faz-se necessário uma análise profunda e reflexiva do contexto em que se dão as ações práticas com os mesmos. Segundo Santos: [...] no interior da maioria das creches, o atendimento da criança de zero a três anos tem se pautado por concepções antigas, onde predomina a função assistencialista, cujos objetivos são voltados para a saúde, higiene e alimentação, e a função educativa é deixada de lado. (2008, p.10) No passado, os sentimentos dos adultos em relação às crianças eram muitas vezes desconsiderados. Atualmente, as pessoas que trabalham com bebês cada vez mais têm noção da importância de desenvolver um trabalho qualitativo, suprindo e entendendo as fases do desenvolvimento das crianças e assim ordenar as atividades específicas de cada nível. Com a necessidade de compreender melhor as crianças, seus sentimentos, suas necessidades, exige-se um profissional mais comprometimento com a educação e consequentemente com o desenvolvimento das crianças. Para que isto aconteça é necessário também pensar cuidadosamente sobre os ambientes, a rotina, os cuidados básicos como sono, higiene e alimentação, além das atividades desafiadoras e exploratórias para cada faixa etária. É de suma importância observar, questionar e analisar o papel do educador, sua função perante as crianças e a forma de contextualização das ações cuidar, educar e brincar, considerando principalmente o bem estar dos pequeninos. Os bebês estão em constante desenvolvimento, interagindo com as crianças de sua turma e de outras de diferentes agrupamentos e idades, bem como com os adultos responsáveis por vários setores da creche. Vale ressaltar, então, que não são somente os adultos que proporcionam as descobertas, mas sim todo o contexto da instituição. Isto porque: Todos os espaços das instituições de educação infantil são educadores e promovem aprendizagens na medida em que, devido às suas potencialidades, promovem o desenvolvimento das múltiplas linguagens infantis. (BARBOSA e HORN, 2008, p.51) O presente texto procura fazer uma abordagem sobre o trabalho realizado na Educação Infantil, mais especificamente nos berçários, compreendendo a faixa etária do zero aos três 11

12 12 anos. Como se pode perceber, esse capítulo introduz o leitor a temática. A estrutura da pesquisa apresenta-se a seguir. O capítulo 2 aponta a metodologia utilizada para a realização desse trabalho. No capítulo 3 apresenta-se a evolução da Educação Infantil no mundo, compreendendo um pouco melhor a trajetória histórica e as mudanças ocorridas em relação às crianças. Enfoca-se desde o momento em que as crianças eram percebidas como adultos em miniaturas, passa-se ao aparecimento das creches nos séculos XVII e XVIII, chegando à valorização da criança como centro do interesse educativo, ganhando espaço na família e na sociedade nos séculos XVIII e XIX. No capítulo 4, há uma semelhança ao capítulo anterior, visto que se faz um passeio pelo histórico da Educação Infantil no Brasil, ressaltando o aparecimento dos jardins-deinfância e as mudanças ocorridas nos centros urbanos devido à industrialização que trouxe consigo outra mudança, o aumento da mão de obra feminina que acarretou a instalação de outros meios de cuidados das crianças, além do núcleo familiar. A partir da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e da aprovação da Lei 9394/96 que consolidou a Educação Infantil como etapa importante para o processo de desenvolvimento humano, mudanças aconteceram rompendo com concepções assistencialistas predominantes, mas que persistem até os dias atuais. Capítulo 5 aborda as questões que envolvem o cuidar, brincar e o educar, suas concepções e seus efeitos no trabalho com as crianças pequenas e o capítulo 6 faz uma reflexão sobre a formação do educador que atua em creches e a importância da mesma levando em consideração as necessidades das faixas etárias. Além de considerar a relação entre educador e coordenação pedagógica. O sétimo capítulo mostra a análise da prática diária de uma instituição localizada em um município da micro-região da Encosta da Serra gaúcha. Durante as visitas pôde-se acompanhar o fazer pedagógico, observando como se dão as ações cuidar, educar e brincar no contexto da instituição que atende os bebês, além de voltar o olhar para os aspectos como espaço, ambiente, rotina, observando também os tipos de brinquedos e materiais disponibilizados para as crianças nessa faixa etária. O capítulo 8 apresenta as características dos participantes da pesquisa e as concepções dos mesmos, expressas através de um questionário respondido pelos participantes que continha perguntas abertas relativas ao envolvimento e a função da Coordenação Pedagógica, 12

13 13 as vantagens e desvantagens de trabalhar com os berçários, bem como os objetivos e planejamento de trabalho com os berçários. E para finalizar, no capitulo 9, é realizada uma análise geral de todos os aspectos abordados nos estudos teóricos, nas observações e nas questões investigadas. Sabe-se que as crianças não são mais seres passivos, paralisadas para receber as instruções. Rosseau já considerava inadequada a maneira como as informações eram transmitidas às crianças a mais de dois séculos. É preciso superar a tendência adultocêntrica, em que os professores centrados em sua forma de pensar e entender o mundo consideram a criança [...] um ser passivo, simples receptáculo das informações transmitidas (CERIZARA, 2008, p.107). Atualmente, com todas as mudanças ocorridas no contexto da Educação Infantil faz-se necessário um trabalho sério e consciente nas creches, porque Quando planejamos a dieta de um bebê, damos grande atenção ao menu, oferecendo uma variedade de alimentos de qualidade que é essencial para a sua nutrição diária e seu rápido crescimento. E quanto à sua dieta mental, que nutre sua capacidade em processo de desenvolvimento de usar os olhos, as mãos e a boca em atividades concentradas? (GOLDSCHMIED e JACKSON, 2006, p.115) pensadores. Utilizo esse pensamento para dar início a busca das respostas levantadas por esses 13

14 14 2 METODOLOGIA Os pais cada vez mais sentem a necessidade de deixar os seus filhos aos cuidados de terceiros, o que fez aumentar significativamente a procura por vagas em instituições de Educação Infantil. Aliado a isto está à questão de valorização da criança nos contextos sociais, familiares e educativos. Pautada nessas indicações surgiu a inquietação sobre como acontece o trabalho pedagógico realizado nessas instituições. A questão é: as instituições, sejam elas nomeadas de creche, escola ou Centro de Educação Infantil, estão preparadas e conscientes do tipo de trabalho que realizam com as crianças? 2.1 PONTO DE PARTIDA Os bebês merecem atenção igual às crianças maiores, por isto cabe aos educadores das instituições de Educação Infantil propor também a esses, desafios e estímulos. Isto porque o simples amadurecimento do sistema nervoso não garante o desenvolvimento de habilidades intelectuais mais complexas [...]. (WALON apud GALVÃO, 1995, p. 41). Ou seja, os pequenos vão adquirindo algumas habilidades, alguns esquemas naturalmente com o crescimento, mas para que isso aconteça da melhor forma possível é necessária a organização das interações com os adultos, o que está profundamente relacionado com as intervenções pedagógicas: gerenciamento do tempo, do espaço, da rotina, da fala, dos gestos, enfim todos os movimentos, as ações e intervenções que são possíveis de serem realizados no contexto educativo. O estudo sobre Os laços e os nós do trabalho pedagógico com os bebês teve como objetivos observar e analisar o trabalho pedagógico realizado no berçário e verificar qual a função e o envolvimento dos professores no trabalho pedagógico com bebês. Em decorrência dos objetivos maiores explicitados, estabeleceu-se os seguintes objetivos específicos: observar os grupos etários de zero a três anos; analisar as ações cuidar, brincar e educar; verificar quais ações pedagógicas dos educadores e identificar a função e o envolvimento da Coordenação Pedagógica com as turmas de berçário. A partir dessa perspectiva surgiu o seguinte problema do estudo: Como se dão as ações cuidar, educar e brincar no trabalho com os bebês e qual o envolvimento dos 14

15 15 educadores nessas ações. Com isso se faz necessária uma análise da formação dos educadores, sua atuação e prática pedagógica diária com os bebês. Levando em consideração não só os cuidados básicos como higiene, sono e alimentação, mas também a ações pedagógicas como a organização do espaço e do tempo, as rotinas, o currículo, os conteúdos e as dinâmicas que são realizadas nessas faixas etárias, considerando o trabalho de orientação e conscientização por parte do coordenador pedagógico. A pesquisa foi realizada com turmas de berçários de uma creche localizada em um município da micro-região da Encosta da Serra e foi baseado na tríade: revisão bibliográfica, técnica de observação e como instrumento de pesquisa um questionário para respostas abertas. Levando em consideração que ao pesquisar tem-se [...] por objetivo descobrir, explicar e compreender os fatos que estão inseridos ou que compõem uma determinada realidade (BARROS e LEHFELD, 1990, p.30). 2.2 DELINEANDO A PESQUISA Inicialmente, foi realizada a pesquisa bibliográfica, através de leituras em livros e periódicos com intuito de procurar novas informações sobre o tema da pesquisa. Para fazer a parte do estudo teórico sobre a história da Educação Infantil no mundo e no Brasil, a pesquisa foi apoiada em alguns teóricos, tais como: Áries (1981), Oliveira (2005), Kuhlmann (2000 e 2004), Haddad (1991), Craidy e Kaercher (2001), Kramer (1994), entre outros na qual se pode efetuar uma viagem pela evolução da Educação Infantil no mundo compreendendo um pouco melhor a trajetória histórica e as mudanças ocorridas em relação às crianças. Enfocando a questão da dependência das crianças, a visão dos adultos em miniaturas ao aparecimento das creches nos séculos XVII e XVIII. A valorização da criança passando a ser o centro do interesse educativo, ganhando espaço na família e na sociedade nos séculos XVIII e XIX. Em relação ao Brasil, podem-se destacar as mudanças ocorridas nos centros urbanos em decorrência da industrialização, que acarretou o aumento da mão de obra feminina, gerando a necessidade da instalação de outros meios de cuidados das crianças, além do núcleo familiar. A partir da aprovação das leis trabalhistas e da consolidação da lei 9394/96, a Educação Infantil passa a ser uma etapa importante para o processo de desenvolvimento 15

16 16 humano, com o intuito de romper as concepções assistencialistas predominantes até os dias atuais. Também foi necessário fazer um estudo sobre as ações cuidar, educar e brincar. Esses aspectos foram sendo entendidos através das concepções teóricas de diversos autores: Cerizara (2008), Craidy e Kaercher (2001), Dias e Nicolau (2003), Dahlberg (2003), Barbosa e Horn (2008), Silva (2007), Souza (2009), Oliveira (2008), Moyles (2002), Gooldschmied e Jackson (2006), Bondioli e Mantovani (1998); que delinearam o estudo. Em se tratando de creche é de suma importância observar que nas relações educativas as funções cuidar e educar são indissociáveis e associada a essas duas ações está o brincar. Os responsáveis pelos bebês devem ter em mente que o cuidar é - e sempre será - necessário, porém associado a ele devem estar dois outros grandes fatores: o educar e o brincar, esses devem estar interligados num trabalho conjunto entre educadores e Coordenação Pedagógica valorizando assim os cuidados, a maneira de ensinar e o brincar num contexto participativo e estimulador. Isso requer um olhar sobre as tarefas de cuidar e educar como sendo básicas. Os cuidados nela ministrados não devem se reduzir a suprir necessidades físicas da criança, como sono, fome, sede e higiene, e sim proporcionar um ambiente seguro fisicamente e psicologicamente, no qual possam ter oportunidade de explorar, experimentar e construir aprendizagens. Além das concepções anteriores foi necessário fazer um estudo aprofundado sobre o educador infantil. Esse estudo foi constituído nas ideias de: Horn (2004), Gooldschmied e Jackson (2006), Bassedas (1999), Edwards (1999), Haeussler e Rodríguez (2005), Pantoni e Ferreira (1998), Leite (1998), Almeida e Placco (2007), Vasconcellos (2008), Bondioli e Mantovani (1998). Para os educadores que trabalham em creches é primordial uma boa formação levando em consideração as necessidades das faixas etárias. Além de considerar a relação entre educador e Coordenação Pedagógica. A revisão bibliográfica foi enriquecida com observações para obter-se conhecimento contextual mais claro e preciso sobre o fenômeno estudado. Através da modalidade de observação direta não participante obtiveram-se mais informações sobre os fatos estudados que serão posteriormente apresentados e analisados. A observação direta foi realizada de forma sistemática, no período de fevereiro a junho do ano de 2009 e teve como principal 16

17 17 objetivo acompanhar o trabalho pedagógico dos docentes da instituição que trabalham com os berçários. O trabalho de observação foi pautado por um protocolo, contendo os aspectos a serem analisados em todas as turmas. O processo de coleta de informações envolveu noventa horas de atividades, sendo que sessenta delas foram a classes de berçário. E os itens observados na ação pedagógica dos professores participantes da pesquisa foram: as ações cuidar, educar e brincar; o espaço físico, o ambiente de trabalho e a rotina de trabalho; os materiais e objetos de trabalho e os brinquedos oferecidos. O protocolo usado para pautar as observações encontra-se no Apêndice A. Paralelamente as observações, realizadas no período de noventa dias, foi disponibilizado para as professoras um questionário contendo pontos relativos as atividades docentes realizadas na creche. O questionário foi estruturado com perguntas abertas e fechadas. Segundo Barros e Lehfeld (1990) nas questões abertas a liberdade de resposta é total, enquanto que as questões fechadas restringem a liberdade de resposta do pesquisado. Assim, utilizaram-se as respostas fechadas apenas para indagar-se a formação e tempo de experiência dos participantes na pesquisa. O protocolo do questionário encontra-se no Apêndice B. É importante ressaltar que o grupo de docentes participantes foi composto por seis profissionais da Educação Infantil. Anteriormente, previa-se um grupo de oito integrantes, porém duas delas não se interessaram em responder ao questionário. As respostas às questões foram transcritas, lidas, analisadas e sistematizadas. Inicialmente, foi realizada a análise vertical, em que as respostas foram colocadas literalmente, apontando tema, palavra-chave ou frase. Após, ocorreu a análise horizontal, onde cada pergunta é analisada com todas as respostas dos participantes, proporcionado uma visão ampla de todas as ideais com seus aspectos comuns ou não. Desta forma, foram mapeadas algumas questões norteadoras entre as quais pode-se destacar: formação dos docentes, o envolvimento e a função da Coordenação Pedagógica, dando enfoque as vantagens e desvantagens de trabalhar com os berçários, bem como os objetivos e planejamento de trabalho com os berçários. Cabe ressaltar que a abordagem empregada na análise de conteúdo caracterizou-se como indutiva-construtiva (LINCOLN e GUBA, 1985), uma vez que partiu dos dados para a 17

18 18 construção das categorias iniciais. A análise dos dados obtidos deu-se em dois sentidos: a análise vertical e a análise horizontal seguindo-se as orientações de Bardin (1977). O relatório de pesquisa foi construído a partir do processo de triangulação dos dados, com o cruzamento das minhas ideias, das observações, das questões norteadoras e dos pensamentos de diversos autores citados durante a elaboração dos escritos. Para Barros e Lehfeld analisar significa buscar o sentido mais explicativo dos resultados da pesquisa (1990, p.87). 18

19 19 3 A EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNDO Atualmente, um assunto muito citado e comentado nos meios educacionais e na sociedade é a necessidade de uma Educação Infantil de qualidade. Com isso se faz necessário a realização de uma análise reflexiva sobre a criança, os processos sociais e suas concepções. No Dicionário Prático da Língua Portuguesa (1998), a palavra Criança é definida como um ser humano no começo da existência. A partir desse conceito, esse estudo procura compreender um pouco melhor a trajetória histórica e as mudanças ocorridas na Educação Infantil em todo o mundo no decorrer do tempo. Ao longo dos séculos a tarefa de cuidar e educar as crianças pequenas eram de responsabilidade familiar, mais especificamente da mãe. A infância estava relacionada à dependência, o bebê era notado somente como um ser com necessidades de alimentação e higiene [...] assim que a criança tinha condições de viver sem a solicitude constante de sua mãe ou de sua ama, ela ingressava na sociedade dos adultos e não se distinguia mais dele. (ARIÈS, 1981, p.99). Também nessa etapa ocorria a mudança do ambiente familiar, ou seja, as crianças eram enviadas a outras famílias e nesse período todos os conhecimentos, experiências práticas e valores eram transmitidos através do serviço doméstico. Na Idade Média, segundo Ariès (1981) não existia distinção entre a roupa das crianças e dos adultos, ou seja, vestiam-se indiferentemente todas as classes de idades, preocupavamse apenas em manter visível através da roupa os degraus da hierarquia social. A criança não tinha espaço significativo na família e na sociedade, para os adultos ela não possuía uma ideia própria, era apenas mais um elemento no grupo familiar que necessitava da função de guarda e educação da primeira infância. A foto a seguir demonstra a indiferença em relação a vestimenta dos adultos e das crianças. 19

20 20 FIGURA 1 - FONTE - FOTOGRAFIA 1 - INDIFERENÇA NA VESTIMENTA ARQUIVO HISTÓRICO DO MUNICÍPIO Para as crianças pequenas, pobres ou indesejadas o destino não era muito feliz, pois muitas vezes eram colocados na roda para o recolhimento dos expostos ou em lares substitutos. As rodas eram cilindros ocos de madeira, giratórios, construídos em muros de igrejas ou hospitais de caridade que permitiam que bebês fossem neles deixados sem que a identidade de quem os trazia precisasse ser identificada [...]. (OLIVEIRA, 2005, p.59). Através desses cilindros era solucionado um problema de aparência social para a mãe, porém não eram levadas em consideração as possíveis consequências desse abandono para as crianças. Outro fato importante segundo Kuhlmann (1998) é que nos séculos XVII e XVIII, na França e em outros países, muitas famílias passaram por dificuldades econômicas, consequentemente viviam em condições precárias, em casas pequenas e superlotadas, havia um alto risco de mortes no parto e de recém-nascidos, sendo que apenas 50% das crianças sobreviviam até os dez anos de idade. 20

21 21 Ainda conforme Kuhlmann (1998) a instituição creche surgiu como um meio assistencialista dentro de um contexto amplamente moralista dos séculos em questão, uma vez que a creche apareceu como solução para cuidar dos filhos de viúvas ou de mulheres abandonadas que tinham que trabalhar e não tinham como cuidar de seus filhos. Oliveira (2005) menciona que a expressão francesa creche equivale à manjedoura, presépio e a palavra em italiano asilo nido, indica um ninho que abriga. Ao analisar esses termos percebe-se que estão ligados ao ato de abrigar e confortar, o que são ações naturalmente maternas, uma vez que nesses espaços a função limitava-se a reproduzir aquilo que se idealizava que a família faria [...] (HADDAD, 1991, p.24), repetindo os mesmos tipos de cuidados. Gradativamente, surgiram arranjos mais formais para atendimento de crianças fora do ambiente familiar, em instituições de caráter filantrópico, especialmente delineado para o desenvolvimento infantil, segundo a forma como o destino social da criança atendida era pensado. Crianças pequenas de dois ou três anos eram incluídas nas escolas de movimentos religiosos da época. Ou seja, o ensino era voltado para instrução e para o desenvolvimento de bons hábitos de comportamento, a internalização de regras morais e de valores religiosos. Pode-se perceber claramente a intenção social que estava por trás destas atuações, pois a ação de domesticar crianças pequenas gerava consequentemente adultos alienados. Também nessa época muitas teorias estavam interessadas em descrever as crianças, sua natureza moral, suas inclinações boas ou más. Defendiam ideias de que proporcionar educação era, em alguns casos, uma forma de proteger a criança das influências negativas do seu meio e preservar-lhe a inocência. Desta forma tinham por objetivo [...] eliminar a suas inclinações para a preguiça, a vagabundagem, que eram consideradas características das crianças pobres [...] consequentemente, [...] uma ameaça ao progresso social. (CRAIDY e KAERCHER, 2001, p.14-15). Com isto, as crianças tinham uma rotina fundada na ideia de autodisciplina, independente da faixa etária. Ariès (1981), por sua vez, salienta que os mestres ensinavam principalmente os bons costumes, incluindo a maneira de comer, beber, falar e caminhar, toda a educação transmitida era palpada em manuais (livros de regras), que deveriam de ser seguidos independente da situação social. Todos eram submetidos ao mesmo tipo de treinamento de regras, sem distinção perceptíveis das necessidades etárias ou sociais. 21

22 22 Um exemplo comum de escola da época eram as escolas de tricô (knitting schools) que foram criadas no final do século XVIII, na qual as mulheres da comunidade tomavam conta de grupos de crianças pobres pequenas e ensinavam a ler a Bíblia e a tricotar. Com isto pode-se entender que os bebês somente recebiam atenção para os cuidados básicos de higiene e alimentação, uma vez que esses não teriam condição de participar nas ações citadas. Para as camadas sociais mais pobres, os objetivos da educação e a forma de efetivá-la não eram consensuais, pois as crianças menos favorecidas deveriam ser educadas apenas para o aprendizado de uma ocupação e da piedade, como se o destino delas já estivesse préestabelecido. O básico a ser ensinado aos filhos dos operários era o ensino da obediência, da moralidade, da devoção e do valor do trabalho, sendo comuns turmas grandes com cerca de 200 crianças ao comando de adultos dados por aptos. Com as transformações de uma sociedade agrário-mercantil em urbano-manufatureira ocorreram mudanças sociais, econômicas e políticas. Entre elas podem-se destacar a incorporação das mulheres à força de trabalho assalariado, a organização familiar e a posição da mulher na relação entre os sexos. Nesse contexto de mudanças, destacam-se as creches e pré-escolas que se identificam com um conjunto de ideias novas sobre a infância, sobre o papel da criança na sociedade e de como torná-la, através da educação, um indivíduo produtivo e ajustado às exigências desse conjunto social. Nos séculos XVIII e XIX enfatizou-se a importância para o desenvolvimento social e com isto a criança passou a ser o centro do interesse educativo dos adultos, Redin (2003) menciona que a criança ganhou espaço na família, a qual passou a se preocupar com a educação, a carreira e o futuro dos filhos. Percebe-se que a ênfase não era tanto nas necessidades específicas de cada idade, mas sim a preparação para o que viria a ser, o que estava ligado ao mundo escolar. Tal ideia sustenta-se até a atualidade - ainda hoje a principal função da escola é preparar a criança para entrar no mundo adulto. Alguns autores como Comênius, Rousseau, Pestalozzi e Froebel estabeleceram as bases para um sistema de ensino mais centrado na criança, embora com ênfases diferentes entre si. As propostas desses autores reconheciam que as crianças tinham e tem - necessidades próprias e características diferenciadas dos adultos. Oliveira (2005) indica que educar crianças menores de seis anos, de diferentes condições sociais, era uma questão tratada por Comênius, que elaborou em 1637 um plano de escola maternal em que recomendava o uso de materiais audiovisuais, como livros de 22

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Unidade I Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Introdução A disciplina Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil tem o objetivo de provocar reflexões

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO)

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) Nilde Cardoso de Oliveira Denise Aquino Alves Martins Universidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL?

AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL? AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL? Jailza de Lima Oliveira (UNEB - Bolsista PIBID/CAPES) Larissa Santos do Sacramento (UNEB - Bolsista PIBID/CAPES) Lucimara de Oliveira Soares (UNEB -

Leia mais

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Ana Lucia da Silva 1 Franchys Marizethe Nascimento Santana Ferreira 2 O presente projeto justifica-se pela necessidade verificada,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Fundamentos Teóricos Metodológicos da Alfabetização. Prof. Denise de Oliveira Alves

Fundamentos Teóricos Metodológicos da Alfabetização. Prof. Denise de Oliveira Alves Fundamentos Teóricos Metodológicos da Alfabetização Prof. Denise de Oliveira Alves I- CONCEPÇÃO DE INFÂNCIA Reflexões iniciais: As transformações ocorridas no campo da educação infantil estão estritamente

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS

DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS Marcielen Vieira Santana (Autora) 1 Alessandra B. da Rocha (Co-autora) 2 Introdução Este trabalho surge da necessidade de compreender sobre

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Trabalho de campo. Janete Aparecida Nunes da Silveira 1

Trabalho de campo. Janete Aparecida Nunes da Silveira 1 Trabalho de campo Janete Aparecida Nunes da Silveira 1 Resumo: Este artigo objetiva discutir a importância dos trabalhos de campo. O trabalho de campo utiliza a metodologia do empirismo para obter seus

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

A História da Educação Infantil. PASSAMAI,Gislaine de Llima 1. SILVA, Joice Ribeiro Machado da 2

A História da Educação Infantil. PASSAMAI,Gislaine de Llima 1. SILVA, Joice Ribeiro Machado da 2 A História da Educação Infantil PASSAMAI,Gislaine de Llima 1 SILVA, Joice Ribeiro Machado da 2 Resumo O presente artigo tem como objetivo principal analisar a história da educação infantil. Abordaremos

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Extensão Universitária: A sensibilização musical em crianças e adolescentes através do projeto Multicampi da Universidade Estadual de Montes Claros.

Extensão Universitária: A sensibilização musical em crianças e adolescentes através do projeto Multicampi da Universidade Estadual de Montes Claros. Extensão Universitária: A sensibilização musical em crianças e adolescentes através do projeto Multicampi da Universidade Estadual de Montes Claros. Resumo: Este presente trabalho constitui-se de um relato

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este curso, que ora apresentamos, insere-se como mais uma ação na perspectiva da formação do educador e destina-se a especializar

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA JUNTO A UM PROGRAMA DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE: O PAPEL DOS PROFESSORES E DA FAMÍLIA Ana Paula Marques Leal Barbosa 1 Adriana Garcia Gonçalves 2 1 Aluno do Curso de Pedagogia; Campus

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

3º período -1,5 horas. Ementa

3º período -1,5 horas. Ementa Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil 3º período -1,5 horas Ementa Organização da escola de educação infantil. Planejamento, registro e avaliação da educação infantil. Fundamentos e métodos

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Anais do II Seminário de Pesquisa do NUPEPE Uberlândia/MG p. 28-35 21 e 22 de maio 2010

Anais do II Seminário de Pesquisa do NUPEPE Uberlândia/MG p. 28-35 21 e 22 de maio 2010 28 O CUIDAR E O EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PERSPECTIVA PARA GRADUADOS EM LICENCIATURAS Adrienne Galvão Silveira Licenciada e Bacharel em Geografia Profa. Rede Particular Uberlândia - MG galvaodri@yahoo.com.br

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Rafael da Silva da Cunha* - Autor rafael.dudu.r@gmail.com Mayane Ferreira de Farias*

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL PINHO, Luis Marcelo Varoneli Graduando do curso de Pedagogia, da Faculdade de Ciências Humanas da Associação Cultural e Educacional de Garça,

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

Educação Infantil: Fundamentos. Teleaula 1. Apresentação do Professor. Ementa. Organização da Disciplina. Pedagogia

Educação Infantil: Fundamentos. Teleaula 1. Apresentação do Professor. Ementa. Organização da Disciplina. Pedagogia Educação Infantil: Fundamentos Teleaula 1 Prof. Me. Mônica Caetano da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Apresentação do Professor Pedagogia Ementa Políticas para a Educação Infantil: conceitos

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família

Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família Projeto de Educação Financeira de Adultos Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família Relatório Parcial A AEF-Brasil é uma entidade da sociedade civil que promove e executa ações transversais

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC PREMIO AMAVI EDUCAÇÃO 2013 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO QUALIDADE

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

CURIOSOS E PESQUISADORES: POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CURIOSOS E PESQUISADORES: POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURIOSOS E PESQUISADORES: POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA Cíntia Nunes (PPGEdu/UFRGS) Apoio: CNPq Resumo: Este trabalho trata de investigar a curiosidade e a pesquisa escolar sob um ponto

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID Heloisa Braga dos Santos Christian Vieira de Souza RESUMO Este artigo foi elaborado com o objetivo de relatar a

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA CIÊNCIAS HUMANAS EDUCAÇÃO UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA NATÁLIA CORRÊA Curso de Pedagogia Faculdade de Educação NEIDE BARBOSA SAISI

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALVES, Ana Paula PUCPR SAHEB, Daniele PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais