Introdução. Referencial teórico conceitual

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução. Referencial teórico conceitual"

Transcrição

1 Título: FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL : IMPLICAÇÕES NO EXERCÍCIO DA PRÁTICA Área Temática: Educação Infantil Autores: MARCIA CRISTINA MARTINS (1) E MARIA APARECIDA TREVISAN ZAMBERLAN (2) Instituição: Universidade Estadual de Londrina Introdução Numa creche, a rotina de uma criança, é quase exclusivamente, de responsabilidade da pajem. A professora, por sua vez, trabalha com um grupo de crianças maiores e necessita de maior qualificação em relação à pajem. Isto significa que a maior parte do trabalho realizado com a criança é feito por profissionais sem formação adequada, o que vem a reforçar o caráter assistencialista da creche, onde a educação e a formação da criança, cede espaço para atividades que envolvem o cuidado, o pajear. Referencial teórico conceitual Segundo CAMPOS et. al. (1984, p.65), a profissionalização do pessoal que lida diretamente com a criança teria de ser entendida enquanto um processo gradual, que acompanha a experiência concreta de trabalho de cada um... e ainda... que a formação de uma nova consciência a respeito da importância do desenvolvimento da criança e do papel da creche, desenvolvese a partir de um trabalho que, além da dimensão educativa, possui uma dimensão política. Faz-se mister, então, pensar na formação do educador infantil, não mais dentro do assistencialismo, mas como profissional que deva lidar com os aspectos educacionais presentes na creche e na pré-escola e, ainda, buscar saber como este profissional está representado e como se posiciona frente ao sistema educacional que, pela primeira vez, aborda na L.D.B. questões referentes a esse nível de educação. De acordo com esta nova L.D.B. a educação infantil é facultativa, porém, é um direito dos pais que a queiram para

2 seus filhos e uma obrigação do Estado ofertá-la. Tem como objetivos: proporcionar condições para o desenvolvimento físico, psicológico e intelectual da criança, em complementação à ação da família; promover a ampliação de suas experiências e conhecimentos, estimulando seu interesse pelo processo de transformação da natureza e pela convivência em sociedade. O alcance de tais objetivos requer profissionais adequadamente formados atuando em educação infantil e uma formação ideal prevê a capacidade do professor preparar o seu trabalho e, não apenas, assumir o papel de executor de tarefas pré estabelecidas por outro, sem reflexão e elaboração do próprio trabalho. APPLE e TEITELBAUN (apud ANGOTTI,1996, p.57), colocam, sobre a não apropriação do docente da atividade de planejamento do seu próprio trabalho, o seguinte:...quando os indivíduos deixam de planejar e controlar uma grande porção do seu próprio trabalho, as habilidades essenciais para essas tarefas auto - reflexivamente e de forma correta atrofiam-se e são esquecidas...em vez de professores e profissionais que se importam muito com o que fazem e por que o fazem, podemos ter executores alienados de planos alheios. A expressão executores alienados de planos alheios reflete muito da realidade dos professores de pré-escolas ou creches, onde, por conta do despreparo e da má formação em que estes profissionais se encontram, acabam por executar tarefas que lhe são repassadas, sem refletir se o que estão fazendo responde às necessidades da criança que ali se encontra, pensando no desenvolvimento social e educacional dessa. As atividades com os alunos são realizadas como se fossem cumprimento de ordens, o que faz com que a alienação se dê em cadeia; a criança não sabe por que faz uma determinada atividade que a professora pediu e, esta por sua vez, também não sabe dizer por que as solicita. Perspectivas para a educação infantil DIDONET (1983, p.50-51) aponta para algumas perspectivas para a década de 90. Dentre elas:

3 1- a demanda pelo atendimento educacional da criança de 0-6 anos fará pressão cada vez mais vigorosa e organizada, forçando a oferta. A creche apresentará um crescimento ainda mais rápido. A pressão da demanda será maior nesta área. 2- o Município assumirá a maior parte da oferta. A tendência da municipalização é antiga e corresponde tanto a um desejo de descentralização, quanto à localização da demanda. 3- o papel do Ministério da Educação se concentrará na definição das diretrizes pedagógicas e no apoio financeiro a Estados e Municípios. Forçados a caminhar sozinhos nos últimos anos, Estados e Municípios foram encontrando suas veredas ou abrindo novas avenidas nessa área. 4- a educação infantil se organizará administrativamente melhor, com uma estrutura mais homogênea. É possível imaginar-se que, daqui a alguns anos, a pré-escola poderá ser descrita segundo um modelo mínimo nacional, no qual a organização didática e administrativa e a programação educativa tenham um certo referencial comum, porém, sem haver uniformidade. 5- as propostas pedagógicas da creche e da pré-escola terão maior consistência, maior embasamento científico e fundamentação teórica mais sólida, em decorrência do conhecimento mais amplo das ciências da Educação, da qualificação dos profissionais e das elaborações curriculares que se estão fazendo. 6- a pré-escola e o ensino fundamental conseguirão articular-se melhor, numa perspectiva de identidades próprias e de seqüência do processo de aprendizagem da criança até os 14 anos. 7- a qualificação dos professores sofrerá modificações no conteúdo e na forma. Os cursos pré-serviço e em serviço, que hoje são as principais fontes de qualificação para a prática, terão grande afluxo de professores. Mas terão um sentido diferente: não mais como origem da qualificação e sim como complementação e atualização do que for estudado numa Escola Normal renovada ou em Curso Superior de Pedagogia voltado para a Educação Infantil. 8- a tecnologia da informação, mais disponível para o uso prático, determinará alterações no papel do professor. A transmissão de informações para as crianças poderá ser mais ampla, diversificada e atraente por meios

4 eletrônicos. Ensinar a aprender e aprender a aprender são tarefas que caberão cada vez mais ao professor, principalmente, na pré-escola. 9- crescerá o interesse de profissionais de outras áreas de formação para atuarem na pré-escola: psicólogos, antropólogos, sociólogos, professores de arte, de educação física, etc. Verifica-se uma tendência à especialização do trabalho na educação infantil. 10- continuará a tendência de formalização do atendimento, por parte do setor público. As experiências de modelos não formais ficarão praticamente restritas às Organizações Não Governamentais. Estas têm mais poder de inovação e maior coragem do que os órgãos governamentais para inventarem alternativas. Em 1998, final da década de 90, percebe-se que tais perspectivas estão sendo realmente desenvolvidas em alguns de seus aspectos. Muitas destas perspectivas têm, ou terão sua realização fundamentada na nova L.D.B. Questões como: municipalização; melhor organização administrativa da préescola; maior consistência nas propostas pedagógicas de creches e préescolas; bem como a questão da identidade das mesmas e a qualificação dos professores, são abordadas na nova L.D.B., que prevê mudanças nesses aspectos da educação infantil. A melhoria na qualidade da Educação Infantil pressupõe formação adequada e maior valorização do profissional que atua nesta área, permitindo especialização e atualização em conteúdos específicos, direcionados a essa faixa etária. O desenvolvimento da criança e a intermediação do educador ZAMBERLAN (1998), em texto de revisão sobre vários aspectos de desenvolvimento da criança pré-escolar, coloca que as interações sociais ocupam lugar de destaque no desenvolvimento infantil, pois é a partir delas que a criança tem acesso à cultura, aos valores e conhecimentos universais. A criança tem oportunidade, através da interação com outros adultos, de cooperar, de competir, de praticar e adquirir padrões sociais que irá utilizar mais tarde, nos seus encontros com o mundo. E aqui entra a linguagem, que atua como um canal de comunicação e expressão, nessa interação. Através da linguagem, é possível desenvolver a memória, a imaginação e a criatividade e,

5 muito especialmente, passar do pensamento concreto ao pensamento abstrato. O desenvolvimento sócio-moral é outro aspecto importantíssimo a considerar na educação infantil, pois é um processo de construção desde o início. Neste processo, o estado emocional da criança é primordial na formação de sua personalidade; amor, ódio, agressividade, medo, insegurança, alegria ou tristeza, assim como a motivação geral para a ação, são alguns dos aspectos característicos do desenvolvimento infantil e, consequentemente, do desenvolvimento sócio-moral. A partir do momento que a criança sacrifica certos benefícios pessoais em proveito de uma relação recíproca de confiança com o outro, ela constrói sua própria regra moral. Essa relação constitui pano de fundo para o desenvolvimento da autonomia. Com as crescentes interações com os pares, as crianças começam a encontrar-se em uma sociedade cooperativa, onde desempenham um papel no estabelecimento de regras e punições. Este novo sistema social, acoplado ao predomínio de operações concretas, estimula a emergência de um nível superior de julgamentos morais. WALLON (apud WEREBE e NADEL-BRULFERT, 1986) afirma que o meio social tem duplo valor para a criança: é seu meio ambiente e é ao mesmo tempo, o meio de ação sobre os outros meios ambientes. Para este autor, o tipo de intercâmbio que a criança estabelece com o seu meio social implica a consideração dos processos históricos da humanidade e é constituído num espaço psíquico que inclui necessidades e desejos e, desde cedo, direciona a construção de uma vida de representações. A humanização do indivíduo se dá através da aprendizagem que, por sua vez, decorre de um processo de interação entre o indivíduo e o meio sóciocultural, processo este denominado por Vygotsky de mediação, e não ocorre no indivíduo isolado. Porém, este processo não acontece de forma direta. Nas relações que o indivíduo estabelece com o meio, há a interação de um elemento intermediário que Vygotsky denominou mediador. Segundo VYGOTSKY (1991, p.45),... o processo simples estímulo-resposta é substituído por ato complexo, mediado, que representa a seguinte forma: S R X

6 Nesse novo processo o impulso direto para reagir é inibido, e é incorporado a um estímulo auxiliar que facilita a complementação da operação por meios indiretos. Assim, a relação do homem com o mundo não é uma relação direta mas, fundamentalmente, uma relação mediada. Sendo assim, conforme (TEBEROSKY, apud LERNER, 1996), os conhecimentos infantis respondem a uma dupla origem, determinada, por um lado pelas possibilidades de assimilação do sujeito e por outro, pelas informações específicas providas pelo meio. Sendo assim, o meio sócio-cultural desempenha papel fundamental e determinante na constituição do indivíduo como sujeito humano, o que leva à necessidade de instauração de um trabalho cooperativo desde os primeiros anos de vida, bem como, de escolaridade. Isto faz com o que o professor (educador) tenha uma função de grande importância para o desenvolvimento e aprendizado da criança, no sentido de que desempenha um papel de mediador das relações da criança com o mundo. O professor tem a função explícita de interferir na zona de desenvolvimento proximal, mediando o nível de desenvolvimento potencial dos alunos, provocando avanços que não ocorreriam espontaneamente. Objetivos Este trabalho teve por objetivos: Investigar a formação do Educador Infantil que atua em Creche ou Pré-Escola, na rede Municipal de Londrina; Verificar se a formação que este profissional possui o habilita, de fato, a exercer tal função; Identificar o que necessita ser mudado para que o Educador Infantil receba formação específica e preparo adequados para atuar nesta área. Metodologia

7 População Alvo Fizeram parte da população deste trabalho 78 (setenta e oito) profissionais, que atuam em educação infantil, na rede Municipal de Londrina, ocupando cargos e funções diversificadas como atendentes, auxiliares, professores, etc. Estas profissionais encontravam-se, no momento de realização deste trabalho, participando de um curso de Capacitação para Educadores Infantis, na U.E.L., o que permitiu a seleção das mesmas à pesquisa. Procedimento e Instrumento de Coleta de Dados A realização do trabalho constou de duas fases: na primeira, foi elaborado um questionário para coleta de dados, contendo 18 questões, sendo 08 referentes à Formação e 10 relativas à Atuação do profissional. Numa segunda fase foi feita a aplicação do questionário, que ocorreu na U.E.L., onde as profissionais realizavam o curso anteriormente citado. Após a entrega e explicação do questionário este foi respondido, tendo como duração média 30 a 45 minutos, dependendo de quem o respondia. Após a aplicação dos questionários, os dados foram analisados percentualmente e demonstrados em forma de tabelas. Uma análise qualitativa dos discursos das atendentes também foi realizada. Todos esses dados foram confrontados com dados de literatura e pesquisa já existentes sobre o assunto, para que se avaliem as condições de formação e atuação do Educador Infantil. Resultados A. Dados Relativos à Formação do Educador Infantil Pôde-se verificar que 42% dos profissionais não tiveram em sua formação, ênfase alguma no que diz respeito à Educação Infantil, e apenas 5% a tiveram em nível mais elevado, a este respeito. E ainda que a maioria (60%) possuísse formação de magistério e segundo grau, os conteúdos sobre Educação Infantil não são apresentados ou trabalhados de forma enfática, sendo por vezes, não ou mal trabalhados nos cursos de formação. Este dado é

8 bastante significativo, na medida em que pode-se constatar, a partir do descaso com a Educação Infantil, que esta ainda ocupa lugar secundário no campo educacional, principalmente no que tange à formação dos profissionais. Referente ao nível de satisfação com relação à formação recebida, 94% consideram satisfatória a formação recebida. Porém, aqui há que se considerar um dado importante. A questão que originou os dados da tabela é sobre a formação que recebeu ou recebe. Isto resulta que, a maioria que respondeu sim a esta questão refere-se ao curso que está freqüentando neste momento - Capacitação de Educadores Infantis - UEL- e não aos que já receberam, tendo em vista que muitos ainda não haviam realizado nenhum outro curso anterior a este. As respostas, sobre a satisfação quanto à formação recebida, também se referem, em grande parte, ao curso acima citado, que está sendo realizado no momento, com exceção de algumas profissionais que já haviam freqüentado outros cursos sobre Educação Infantil, anteriormente. No que tange à utilização prática dos conteúdos trabalhados, o que se observa é que a maioria (85%), utiliza muito ; 14% utiliza pouco e 1% não utiliza. Nesta questão, acontece algo semelhante ao da anterior no sentido de que aqui, também, a grande maioria, refere-se à formação que está recebendo no curso que estão realizando na UEL. Este fato é possível de se observar pelas justificativas que seguem à questão e também pelos comentários que as entrevistadas teciam, na medida em que respondiam ao instrumento proposto. Quanto a realização de cursos que contribuem para a formação do Educador infantil, 100% das entrevistadas realizaram ou realizam algum curso sobre Educação Infantil (3). Desses 100%, 49% os fizeram por iniciativa própria; 50% por sugestão da instituição em que atuam e apenas 1% por sugestão de outros. No que diz respeito à contribuição da Instituição para a formação dos profissionais, 68% afirmam que a recebem, em contrapartida há 32% que afirmam não ter contribuições da mesma no que diz respeito à formação e ao incentivo à sua realização. Embora seja um número menor que afirme não ter apoio da instituição, este dado é de muita relevância. Isso reitera que esse caráter da instituição, reforça algumas colocações que se encontram sobre a Creche e a Pré-Escola,

9 no que diz respeito à formação de seus profissionais; isto é, não se exige formação adequada, muitas vezes, o requisito para selecionar profissionais é que este goste de criança, cuide bem delas, ou, ainda, por vezes, envolve questões políticas, do tipo, vote em mim que te consigo emprego. Na maioria das vezes, quando a pessoa não tem formação, o emprego possível acaba sendo na creche, pois, o que se afirma é que para cuidar de criança não precisa ter conhecimento, nem formação. Em alguns lugares, trabalhar em creche e até mesmo com a pré-escola, acaba sendo uma forma de punição, uma vez que a idéia que se tem é de que só trabalha neste local quem não serve para fazer outras coisas. O quadro 1 apresenta a categorização de respostas sobre os tipos de cursos realizados pelas entrevistadas. Quadro 1 : Cursos realizados pelas entrevistadas Categorização das Respostas Capacitação para Atendentes em Educação Infantil; Recreação, SESC; Assistente Infantil, SENAC; Salto Para o Futuro; Capacitação para Atendente, POSITIVO; Capacitação para Atendente de Portadores de Deficiência; Métodos Maria Montessori, ESCOLA VAGALUME; Especialização em Maternal e Jardim da Infância, INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE CURITIBA; Projeto Araucária de Educação Infantil; Literatura Infantil; Orientador Educacional; Desafios Éticos da Educação; Primeiros Socorros; Semana Pedagógica I e II; Evangelização Infantil; Reflexões sobre Portadores de Síndrome de Down; Sexualidade;

10 Confecção de Material Pedagógico; Organização de Creche; AIDS e Doenças Contagiosas; Psicologia Infantil; Capacitação de Educadores Infantis, UEL ( em andamento ) Pelos dados obtidos e registrados no Quadro 1, verifica-se uma diversidade de cursos, atendendo a temáticas específicas para o trabalho com a criança, como: recreação, psicologia infantil, literatura infantil, além de questões mais gerais como as semanas pedagógicas, Método Maria Montessori, Projeto Araucária, programa educativo em T.V. - Salto para o Futuro, orientação educacional, sexual, religiosa e cursos sobre capacitação na organização e trabalho em Maternal e Jardim de infância. B. Dados Relativos à Atuação do Educador Infantil Observou-se que a maioria dos profissionais atuam na área de Educação Infantil de 0 a 3 anos, somando 51% dos casos (sendo 13% atuando de 0 a 1 ano; 26% de 1 a 2 e 12% de 2 a 3 anos), e que a minoria, (3%) atua há 15, 16 e 17 anos, com intermediários de tempo entre estes dois extremos. Tais dados levam-nos a supor que, de fato, haja um alto índice de rotatividade destas profissionais, possivelmente deixando o emprego quando alcançam outra oportunidade. A melhor ou pior qualidade do desempenho destes profissionais depende muito mais de características individuais, subjetivas e/ou de seu compromisso em relação às famílias das crianças. Depende, ainda, das condições de vida de sua própria família, que, por vezes, acaba sendo a causa, ainda que indireta, de faltas, stress e abandono do emprego. No que diz respeito à exigência de formação para atuar na área de Educação Infantil, constata-se algo que é muito apresentado na literatura e que também se observa com constância na prática. De fato, 52% das entrevistadas responderam que não há exigência de formação alguma para se atuar nesta área, em contraponto com 19% e 12% que disseram sobre a exigência de magistério e segundo grau completo, respectivamente.

11 A grande maioria (41% das profissionais entrevistadas), atua com crianças de até 06 anos, enquanto que a minoria (2%), atua com crianças de até 1 ano, com intermediários de 12%; 13%; 20% e 12% que atuam com crianças de até dois, três, quatro e cinco anos, respectivamente. Das 41% que responderam atuar com faixa etária de até 6 anos, podese observar que a maioria é atendente que, em geral, lidam com todas as faixas de idade, devido à função que desempenham na instituição. O restante são professoras, que restringem sua atuação a uma faixa de idade, aqui, especificamente, a de 6 anos. No que diz respeito às atividades desenvolvidas com as crianças na Educação Infantil, observa-se que, em primeiro lugar, 52%, vêm os cuidados físicos, seguido de segundo lugar, 31%, atividades pedagógicas e terceiro lugar, 16% de atividades recreativas e 1% na categoria outros, respectivamente. Os dados apresentados confirmam que em Educação Infantil, prevalece a idéia dos cuidados físicos, da assistência. Sobre o desenvolvimento, ou não, de atividades que vão além da função de Educador Infantil, a maioria (88%) respondeu que sim, enquanto que 12% disse que não. Desses 12%, há uma professora e as demais são atendentes, ou seja, essas profissionais, com exceção da educadora, já têm um função bastante ampla e diversificada na instituição, e ainda que digam não fazerem outras atividades além das que lhes cabem, estas, por si só, já são bastante abrangentes. Das 88% que responderam sim, há profissionais de diversas categorias: atendentes, professoras, orientadoras, auxiliares, etc. Todas exercem funções extras àquelas que lhes é pertinente enquanto educador. Dentre estas funções desempenhadas pelos profissionais, destacam-se as de higiene e cuidados com a criança e ainda, a função de mãe. Este caráter maternal dos professores de Educação Infantil não é raro, uma vez que se a mãe encontra-se ausente a profissional acaba (segundo relato das mesmas) desempenhando aquele papel. Com isto, os aspectos educacionais e pedagógicos cedem lugar aos cuidados físicos e assistenciais. Sobre o planejamento das atividades a serem desenvolvidas, 90% respondeu que há um planejamento e que este é feito, em sua maioria (52%),

12 pelo próprio professor. Em alguns casos (08%), o planejamento é feito pelo professor e o coordenador; em outros (12%), pelo coordenador e em 13% é feito pela Pedagoga. Algumas entrevistadas (5%) não responderam por quem é feito o planejamento. Pode-se verificar que a grande maioria respondeu que o planejamento é feito pelo próprio professor, dado significativo, uma vez que aponta para um aspecto de autonomia do mesmo. Dos 10% que responderam que não há planejamento, a maioria era atendente, algumas da creche, outras do berçário, uma do maternal e uma auxiliar. A justificativa para não planejarem é de que não estão envolvidas com atividades pedagógicas. No que diz respeito ao nível de satisfação com relação à atuação como Educador Infantil, observa-se que a maioria (69%) encontra-se satisfeita com a função que exerce, apesar de haver comentários que apontem para alguma insatisfação. Prevalece a satisfação, devido a uma série de fatores. A minoria (28%) respondeu que está insatisfeita. Porém, 28% é bastante significativo, e não pode ser ignorado. Há que se levar em conta estas insatisfações e verificar suas possíveis causas, no sentido de buscar um aperfeiçoamento que crie motivação à trabalhadora da Educação Infantil e que, consequentemente, resulte num melhor desempenho da mesma em suas funções. Das satisfações apontadas, muitas estão ligadas às questões pessoais, mais do que às questões profissionais. Por exemplo, poucas se referiram à satisfação pelo fato de trabalharem com a educação da criança no sentido Pedagógico. As respostas que mais se fizeram presentes foram as que referem-se à questões do tipo: gratificação por trabalhar com crianças; gostar de crianças, satisfação emocional e outras; não se referem às condições de trabalho, ao preparo do mesmo; materiais, etc. Já as respostas que se referem à insatisfação apontam diretamente para questões profissionais, como: por exemplo, impossibilidade de tomar decisões e dar opiniões; falta de material e apoio pedagógico; falta de formação e preparo, não valorização do trabalho, falta de recursos humanos na instituição, baixo nível de colaboração dos pais, etc.

13 Análise e discussão dos resultados A. Formação do Educador Sobre a formação de professores, INFORSATO (1996), coloca que o pressuposto básico na formação é o conhecimento (teórico-prático) da realidade, que possibilita antever as transformações necessárias e instrumentaliza-o para nela intervir. Porém, conforme se observa na análise dos resultados, a ênfase dada na Educação Infantil é ínfima, quase que insignificante. Neste sentido, ROSEMBERG (1994), coloca que, no Brasil, a formação educacional e profissional do trabalhador em Educação Infantil inexiste como habilitação profissional ou, quando existe, é insuficiente. Uma escolaridade mínima, equivalente ao segundo grau parece constituir a proposta consensual entre os profissionais que atuam nesta área, porém, na realidade, nos deparamos com um número expressivo daqueles que ainda não completaram o segundo grau. A necessidade de tais cursos, bem como a de uma formação adequada, evidencia-se com os resultados obtidos, onde a satisfação que a maioria disse ter em relação à formação que recebeu ou recebe, refere-se, justamente, à que estão recebendo no momento, conforme já comentado. Verifica-se que a insatisfação com a profissão está diretamente ligada à necessidade de mais cursos, de formação que dêem embasamento teórico e prático a estas profissionais, para que as mesmas possam exercer sua função de educadoras infantis respaldadas numa formação que lhes proporcione, acima de tudo, postura profissional. Segundo Rosemberg (1994), há necessidade que o profissional de Educação Infantil tenha acesso a uma educação formal específica, que lhe seja garantida constitucionalmente, e que lhe permita o acesso a uma habilitação profissional específica, socialmente reconhecida e lhe possibilite progresso na carreira. Com relação aos conteúdos trabalhados com as profissionais, nos cursos que receberam ou recebem, muito é posto em prática. O que não é trabalhado de forma prática, não o é, como se afirma, muitas vezes, por falta de vontade do profissional, mas sim, por falta de informação e formação do mesmo.

14 A pesquisa apontou que existem muitos cursos específicos sobre Educação Infantil, e, muitas das entrevistadas já haviam realizado algum, além do que estavam realizando no momento da pesquisa. Porém, a ênfase dada na importância de se realizar cursos como os que foram citados é insuficiente, sem contar que o acesso a estes cursos é, por vezes, dificultado devido a questões, como: disponibilidade de tempo, de dinheiro (quando são cursos pagos), e a própria idéia de que não é preciso ou, não tem tanta importância assim. Sendo assim, é preciso fazer com que a realização de cursos que abordem a questão da formação do Educador Infantil, seja algo que faça parte da vida deste profissional, e que este comece a ver que seu trabalho extrapola os cuidados físicos e que necessita de formação adequada, ao contrário do que muitas vezes se afirma que para trabalhar com criança basta gostar delas. Conclui-se que o educador é de extrema importância no sistema escolar, uma vez que é ele quem exerce, diretamente, a prática educacional. Logo, toda e qualquer iniciativa de mudança educacional, terá que, necessariamente, lidar com a formação dos educadores. B: Algumas considerações Sobre a Atuação (o Fazer do Educador) Sobre a atuação profissional, os dados apontam que não há exigência de formação alguma para atuar como educador infantil. Neste sentido, observa-se que a realidade contradiz a necessidade. Quando se discutiu, anteriormente, neste trabalho sobre a formação do profissional de Educação Infantil, constatou-se a necessidade de que este tivesse formação adequada para exercer sua função de forma a ser, de fato, educador. Porém, na prática, verifica-se que a maioria dos profissionais não tiveram nenhuma exigência, no que diz respeito à formação, para atuar como Educador Infantil. O que se espera deste profissional é que ele saiba como cuidar, fisicamente, da criança, o resto é posto em segundo plano, como se a formação e desenvolvimento se restringissem ao plano corporal, físico e as demais áreas do desenvolvimento, fossem coisas para se trabalhar depois.

15 Neste sentido, o pedagógico, no âmbito educacional, cede lugar ao assistencial e a Creche e a Pré-Escola continuam tendo como principal função abrigar e cuidar das crianças que ali se encontram. Por conseguinte, a necessidade de formação adequada precisa, então, deixar de ser teoria e passar a ser aplicada na prática. Outro aspecto a considerar é referente à faixa etária com que o profissional atua. Dado importante a discutir (a este respeito) é que, muitas vezes, acredita-se que quem atue com uma faixa de idade anterior aos 4, 5 ou 6 anos, não precisa saber nada além de cuidados físicos e assistenciais. Este é um equívoco incontestável que acaba interferindo na seleção e atuação dos profissionais que trabalham com crianças menores. Sobre os tipos de atividades que preponderam na atuação do educador infantil, observa-se prevalência dos cuidados físicos, ou seja, predomina a idéia de assistência mesmo que estas profissionais possuam alguma noção, em termos de formação, sobre a necessidade de se mudar esta atitude e esta visão (assistencialista) que foram instaladas no início das formações das creches no Brasil (por volta dos anos 30) e que se mantêm até hoje. Segundo CODO e MELLO (1995, p.174): as creches, como lugar pedagógico, não asilar, não paternalista, (...) é fenômeno novo no Brasil. Há que se repensar, então, a função da creche e do profissional que nela atua, para que se adote uma nova postura em relação à mesma, postura esta que faça perceber a Creche como lugar destinado à Educação e à formação como um todo, das crianças que ali se encontram. Segundo CODO e MELLO (1995, p.180)... ao se treinar funcionários para que estes estabeleçam relações afetivas com crianças, geralmente se recupera neles a figura de mãe... Sobre a necessidade do planejamento, ANGOTTI (1996, p.56), coloca que : ele é o momento singular do professor para proceder à organização sistemática de suas concepções, de suas crenças, do seu referencial teórico na projeção completa de seu fazer (fazer em constante movimento), articulado ao projeto pedagógico proposto ou construído pelo corpo docente e a assessoria técnica da instituição ou de Departamentos de Educação que os orientem.

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Unidade I Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Introdução A disciplina Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil tem o objetivo de provocar reflexões

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

QUE ESCOLA QUEREMOS PARA AS NOSSAS CRIANÇAS?

QUE ESCOLA QUEREMOS PARA AS NOSSAS CRIANÇAS? SEMINÁRIO DE PESQUISA OBJETIVO DEBATER E PROBLEMATIZAR QUESTÕES RELACIONADAS ÀS PRÁTICAS DOCENTES NA EDUCAÇÃO INAFANTIL, BEM COMO ESTABELECER DIÁLOGO COM TEÓRICOS DA PEDAGOGIA, DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DAS

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LIMA, Márcia Regina Canhoto de - FCT/UNESP marcialima@fct.unesp.br LIMA, José Milton de - FCT/UNESP miltonlima@fct.unesp.br ORLANDI, Leonardo

Leia mais

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos.

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos. Psicoterapia comportamental infantil Eliane Belloni 1 A psicoterapia comportamental infantil é uma modalidade de atendimento clínico que visa propiciar mudanças no comportamento da criança a partir de

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

VAMOS PARA O PÁTIO? O LUGAR DA BRINCADEIRA NA ESCOLA RESUMO

VAMOS PARA O PÁTIO? O LUGAR DA BRINCADEIRA NA ESCOLA RESUMO VAMOS PARA O PÁTIO? O LUGAR DA BRINCADEIRA NA ESCOLA PRATI, Angela Comassetto Felippeto; KRUEL, Cristina Saling Mat. 2450291 ; Mat.14054 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Acadêmica do Curso de Psicologia

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA Natássia Contrera Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: natassiac@hotmail.com Giseli Bueno Berti Universidade

Leia mais

IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO

IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO Deise Sachetti Pinar,Maria José Gomes Moreira de Miranda 2, Sumiko Hagiwara Sakae 3 Orientadora: Drª. Maria Tereza

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Thayssa Stefane Macedo Nascimento Graduanda do curso de Pedagogia da UFPI RESUMO O presente trabalho discute acerca da avaliação na educação infantil tendo como

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS Carine Ferreira Machado Virago 1 Carla Cristiane Costa 2 Resumo: A nova conjuntura educacional, voltada especialmente a uma educação integral

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS

DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS Marcielen Vieira Santana (Autora) 1 Alessandra B. da Rocha (Co-autora) 2 Introdução Este trabalho surge da necessidade de compreender sobre

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias OS CICLOS DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO E A REALIDADE DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA PÚBLICA Suzane Ribeiro Milhomem E-mail:

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PEDROTTI, Ana Paula Floss²; GRASSI, Marília Guedes²; FERREIRA, Marilise²; MOREIRA, Nathana Coelho²; NOAL,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais