A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNEB/DCHT CAMPUS XVI IRECÊ-BA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNEB/DCHT CAMPUS XVI IRECÊ-BA"

Transcrição

1 34 A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO INFANTIL NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNEB/DCHT CAMPUS XVI IRECÊ-BA Élis Franciélis Barbosa Paiva 58 Cenilza Pereira dos Santos 59 Resumo: Este trabalho teve como finalidade analisar a formação do licenciado em Pedagogia do DCHT Campus XVI Irecê da Universidade do Estado da Bahia UNEB. O desejo era verificar se a formação oferecida a esse profissional o prepara para atuar na educação infantil como prenuncia a proposta curricular do curso. Apresenta como argumento central que a educação infantil é uma etapa da educação básica que vem passando por significativas mudanças quanto à compreensão da educação oferecida às crianças, concepção de infância e de profissional para atuar nesse segmento. Conclui-se a favor de que há urgência em se reformular o referido curso quanto: repensar a carga horária de algumas disciplinas, estabelecer o estágio enquanto interface de uma formação contextualizada e um maior diálogo das disciplinas com a formação para a educação infantil no sentido de fornecer elementos para uma prática de qualidade na promoção da construção identitária do profissional. Palavras-chaves: Formação do Pedagogo. Profissional. Educação Infantil. Identidade Abstract: This Work had a finality in analyze the formation of pedagogy of DCHT/Campus XVI-Irecê (University of Estates of Bahia UNEB). The desire was know if the formation for this Professional prepares it for work in children school how guarantees the curriculum. Show how central argument that the children education is one tape of base educations that have been passing for significant changes (new look) around the comprehension around the education for children s, as new look about children and professional for work in this education. Concludes for the urgency in the reformulation this course, rethink the workload that many disciplines, put the stage or practice while moment of the contextualized formation and more dialogue between the disciplines and the formation for children s. With this for realize one quality practice for the construction of the professional identity. Keywords: Pedagogy Formation. Children s Education. Professional Identity O trabalho em questão foi originado de uma pesquisa realizada em 2010, cujo objetivo centrou-se em melhor compreender se a formação dispensada ao licenciado em Pedagogia (Docência e Gestão de Processos Educativos) pela UNEB 60 - Campus XVI/Irecê realmente o prepara, ou seja, se as habilidades básicas e competências para atuar nesse segmento são construídas, com vistas a traçar um 58 Autora: Pedagoga pela Universidade do Estado da Bahia UNEB Campus XVI/Irecê. Especializando Docência do Ensino Superior pela FAM Colaboradora: Mestre em Educação e Contemporaneidade pela Universidade do Estado da Bahia UNEB; Doutoranda pela Universidade Federal da Bahia UFBA Universidade do Estado da Bahia

2 35 paralelo entre a proposta curricular e a experiência da prática dos professores da educação infantil, egressos do referido curso. Para tanto, a pesquisa realizada foi de caráter qualitativo, pois tem como uma das características, maior permissão para explora o tema de forma mais livre e aberta, assim, permite ao pesquisador uma maior autonomia em suas escolhas. Quanto a isso Cruz adverte: tal liberdade não pode se confundir com indisciplina metodológica. A pesquisa aberta não é um convite para vagar sem rumo, seguindo a esmo a inspiração do momento 61. Por meio dessa metodologia buscou como indica Bortoni-Ricardo procurar entender, interpretar fenômenos inseridos em um contexto 62 Quanto aos instrumentos de coleta de dados foram utilizadas entrevistas semiestruturadas acerca dos motivos que levaram os entrevistados a se dedicarem a educação infantil, quais as bases sólidas e as inseguras da formação e como ocorreu a experiência do estágio. Bem como questionários socioprofissiográficos, além da análise da proposta curricular do curso de Pedagogia implantado no DCHT XVI. O texto nem só aborda acerca da formação do pedagogo tendo como base a necessidade da construção da identidade docente para o profissional da educação infantil no seu processo de formação, mas também traz algumas características da educação infantil, pautada, inclusive, em leis que a referendam como espaço de atuação de profissionais qualificados para as especificidades de tal ensino. Além de que problematiza em torno dos saberes profissionais necessários a formação do professor de educação infantil, dos aspectos da proposta curricular do Curso de Pedagogia e da análise acerca das entrevistas. Discutir formação de professor é buscar uma relação entre a construção de saberes profissionais embasados nos conhecimentos adquiridos no ambiente acadêmico e na prática. Propor um estudo na realidade da educação infantil a partir da formação e da prática dos professores significa traçar uma possibilidade de reflexão em torno da importância da formação do profissional que atua nessa etapa da educação básica e de como essa formação pode interferir na realidade educacional. 61 CRUZ, Vilma Aparecida Gimenes da. Metodologia da pesquisa científica. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.p BORTONI-RICARDO. Stella Maris. O Professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial p.34.

3 36 Bem como, compreender as concepções metodológicas da proposta curricular do curso e sua relação com a busca da qualidade na formação de professores para a educação infantil e, assim, buscar uma melhor compreensão da prática dos profissionais na educação infantil e de como se percebem nesse espaço. A Formação do (a) pedagogo (a) O Curso de Pedagogia forma o pedagogo, profissional preparado para o exercício do magistério e para a gestão dos processos educativos escolares e não escolares na produção e difusão do conhecimento no campo educacional 63. Para tanto, a prática da pesquisa é entendida como o viés pelo qual se configura o crescimento profissional, a produção de conhecimento e a socialização desses conhecimentos pesquisa, ensino, extensão. A partir desse tripé, almeja-se a ultrapassagem da linha divisória que coloca em pólos diferentes o magistério e a academia, ou seja, aspira-se uma articulação entre os atores e atrizes pedagógicas ao tempo em que enfatiza a valorização e autonomia profissional do trabalho docente. Busca-se assim a formação de pedagogos e pedagogas como profissionais críticos, gestores de processos educativos escolares e não-escolares, com ênfase na docência 64. Assim, é possível afirmar que o conhecimento teórico é a base necessária para a ação do educador em qualquer espaço de atuação. De modo que, pressupõese que no ambiente acadêmico o estudante estará em contato com o conhecimento científico elaborado, o qual associado aos saberes que trazem ao longo de sua vivência e às pesquisas realizadas nas universidades provoca a construção de conhecimentos profissionais fundamentais para a formação dos professores como sujeitos históricos, políticos e sociais que interferem diretamente na sociedade e na própria organização do conhecimento. Educação infantil e as garantias legais para esse segmento da educação Durante muito tempo se pensou que a criança era um ser incompleto, imperfeito, associal, incompetente e acultural, uma tábula rasa que precisava do 63 UNEB. Projeto de redimensionamento do curso de pedagogia: docência e gestão de processos educativos p UNEB. Projeto de redimensionamento do curso de pedagogia: docência e gestão de processos educativos p.44.

4 37 depósito de conhecimentos dos adultos para se tornarem um adulto maduro, racional, social, competente e autônomo. Foram durante décadas e séculos sujeitos ignorados em todas as representações sociais existentes. Para Heywood a fascinação atualmente percebida pela infância é um fenômeno recente. Segundo ele, não há nenhum registro de histórias de vida em toda a Idade Média e no período moderno, inclusive em países industrializados. Era uma figura marginal em um mundo adulto 65. Com o passar dos anos e as transformações ocorridas na sociedade e, consequentemente, na educação, o ensino formal para as crianças ganhou um novo entendimento, apontando a necessidade de formação específica para trabalhar com esse público. Muitos anos se passassem para que surgissem pesquisas e pesquisadores que ousassem compreender e difundir novas compreensões acerca da concepção da criança, da infância e da educação infantil e, por consequência do profissional para esse segmento. A educação infantil é atualmente pensada como espaço importante para a construção de uma educação de qualidade e que necessita de profissionais que compreendam as especificidades desse ensino. A valorização da escola e da educação infantil está intimamente ligada com a valorização da própria criança, que foi durante muito tempo vista como um adulto em miniatura 66. A LDB 9394/96 dispõe, no título VI do art. 62 que: A formação de docentes para atuar na educação básica far-se-á em nível superior, em curso de licenciatura, de graduação plena, em universidades e institutos superiores de educação, admitida, como formação mínima para o exercício do magistério na educação infantil e nas quatro primeiras séries do ensino fundamental, a oferecida em nível médio, na modalidade normal. 67 Essa mesma lei, juntamente com Lei nº /2005, que tornou obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de idade, avalizam que é dever do estado com a educação pública à garantia de atendimento gratuito às crianças. Nesse contexto, a LDB, afirma que a educação infantil, sendo a primeira etapa da 65 HEYWOOD, Colin. Uma história da infância: da idade média à época contemporânea no ocidente. Tradução Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2004, p POSTMAN, Neil. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia, 2006, p BRASIL, Presidência da República. Ministério da Educação. Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1996, art. 62º.

5 38 educação básica (título V, capítulo II, seção II, art. 29), tem a finalidade de desenvolver de forma integral a criança, levando em conta aspectos físicos, psicológicos, intelectual e social, colaborando com a ação da família e da sociedade. A identidade profissional do professor da educação infantil Embora muitos reconheçam que a educação e o profissional da educação são importantes para a sociedade, esses têm sido historicamente alvo de desprestígio social, muitas vezes, em detrimento da valorização de outras áreas do conhecimento, consideradas de maior prestígio social e econômico. Contraditoriamente, Leite 68 traz dados importantes quanto ao aumento no número de cursos de licenciaturas no país em 2006, que mostram que os mesmos têm tido grande procura. Naquele ano constatou-se que havia cerca cursos de Pedagogia cadastrados no Brasil, dados que suscitam muitas discussões, principalmente referentes à falta de oportunidade de escolha para os alunos, que nem sempre desejam ser profissionais da educação. Esse dado é fundamental no processo de reflexão acerca da construção da identidade docente. De modo que, para entender um pouco melhor os caminhos para essa desvalorização, poderá ser interessante refletir quais os motivos que levam os alunos a fazerem o Curso de Pedagogia. Fundamentando-se nas reflexões trazidas por Oliveira 69 através de pesquisa em uma universidade pública da Bahia, é possível afirmar que a maioria dos alunos nos Cursos de Pedagogia, ali está por falta de opção de outros cursos onde vivem, e pela dificuldade para serem aprovados nos cursos mais prestigiados. Os motivos que levam os estudantes estarem no Curso de Pedagogia reflete não só na forma como fazem suas escolhas de campo e atuação profissional, como também na própria percepção dentro do processo educativo. Por meio dessa pesquisa foi possível notar que muitos profissionais que atuam na educação infantil, ali estão por motivos meramente de cunho emocional. Não houve ênfase no entendimento e concepção da criança como ser humano detentor de historicidade e 68 LEITE, Yoshie. Os cursos de pedagogia formam professores dos anos iniciais ao ensino fundamental? In: DALBEN, Ângela et.al. (org.) Coleção didática e prática de ensino: convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, OLIVEIRA, Anatália Dejane Silva de. O Curso de pedagogia no contexto de formação para a docência na educação infantil. Revista da FAEEBA. Salvador: UNEB, v.28, n 31, jan./jun

6 39 no papel do professor para o fomento de uma educação infantil problematizadora. Esses motivos de escolha pressupõem uma postura dos alunos na academia que não condiz com o espírito crítico e pesquisador que se exige do profissional de educação. Essa postura tende a perdurar durante todo o curso e compromete o trabalho de construção da identidade do futuro profissional. Termina o curso e a grande maioria desses alunos irão se embrenhar em atividades alheias a sua formação e não contribuirão para fortalecimento da sua própria identidade profissional. A educação infantil é entendida como primeira etapa da educação básica, conforme a LDB, por isso, lugar de pesquisas, estudos e dinâmica escolar, cuja conjuntura da ação se faz através do diálogo entre a proposta curricular do curso e o trabalho pedagógico desenvolvido dentro da instituição escolar. Nestes termos, há a necessidade de ruptura com os dilemas da formação do profissional para essa etapa da educação, ressaltando que muitos desses dilemas são advindos do não conhecimento e/ou negação da identidade dos profissionais, bem como pela maneira descuidada com a qual as especificidades da educação para criança e seu processo de desenvolvimento são ainda tratados. A identidade do docente que trabalha em educação infantil é em parte lapidada por sua ação enquanto tal, mas, necessita de um pertencimento e reconhecimento profissional que se pressupõe que o educador possua. Segundo Leite 70 a relevância para com a formação do professor que leciona nos anos iniciais da escolaridade só será evidenciada quando compreendermos a importância da função social, política e pedagógica desses profissionais. Mas, afinal, onde os professores de educação infantil estão sendo formados, especificamente, nas universidades públicas, há um projeto curricular pedagógico que proporcione ao aluno, que em muitos dos casos também é professor, uma formação que lhe dê condições de ser intelectual e crítico-reflexivo? E ainda, até que ponto os conhecimentos acadêmicos dialogam com a prática diária do alunoprofessor? São baseados nesses e outros questionamentos que o esse trabalho se desenvolve no sentido de suscitar novas compreensões. 70 LEITE, Yoshie. Os cursos de pedagogia formam professores dos anos iniciais ao ensino fundamental? In: DALBEN, Ângela et.al. (org.) Coleção didática e prática de ensino: convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

7 40 O começo da formação: os saberes profissionais necessários para a formação do professor de educação infantil A perspectiva atual de educação infantil traz exigências na formação do professor. As modificações ocorridas na LDB suscitaram mudanças significativas, inclusive, na formação do profissional de educação infantil quando incluiu em seu texto que a educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem por finalidade o desenvolvimento integral da criança no sentido de contemplar tanto os aspectos físicos, quanto os psicológicos, intelectual e social da mesma. Com o objetivo de atender as resoluções da LDB, o Curso de Pedagogia está regulamentado mediante o Parecer CNE/CP nº 5/2005, CNE/CP nº 3/2006 e a Resolução CNE/CP nº 1/2006. Esta última trouxe significativas mudanças quando estabeleceu as novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Licenciatura em Pedagogia, segundo Leite 71. Diretrizes que colocam ênfase nos conhecimentos acerca do planejamento, da execução e da avaliação de atividades educativas. A formação acadêmica é, pois, importante espaço para atingir os requisitos da nova perspectiva para com a educação infantil. Não se objetiva, aqui, direcionar para o professor de educação infantil o poder e o dever de resolver todos os problemas existentes nesse segmento, ou seja, dá-lhe uma responsabilidade que não é exclusivamente sua, mas promover o entendimento de que a melhoria na educação depende de inúmeros fatores, inclusive da formação e da atuação dos professores na busca de um trabalho de qualidade. O Curso de Pedagogia com Habilitação em Docência e Gestão de Processos Educativos foi implantado no Campus XVI em 2004 e desde então tem colocado muitos profissionais no mercado de trabalho, atuando em vários espaços educativos. Com isso, o Campus tem contribuído direta e indiretamente com novas perspectivas para a educação infantil e alavancado mudanças no trabalho educativo. Ao falarmos em formação somos remetidos a pensar no caminho da formação: o currículo. Para Pedra, o diálogo entre os conhecimentos presentes no currículo com as necessidades presentes no ambiente no qual o currículo foi 71 LEITE, Yoshie. Os cursos de pedagogia formam professores dos anos iniciais ao ensino fundamental? In: DALBEN, Ângela et.al. (org.) Coleção didática e prática de ensino: convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.p.579.

8 41 pensado/construído é essencial, pois reflete no modo pelo qual a cultura é representada e reproduzida no cotidiano das Instituições Escolares. 72 Para que se compreenda melhor a organização do Curso de Pedagogia que ora discutimos, será de grande valia compreender melhor o Projeto Político Pedagógico (2004), pois de acordo com Oliveira, O projeto pedagógico é o documento que registra, dentre outros aspectos, os objetivos, os pressupostos teórico-metodológicos, a finalidade, a estrutura curricular, a proposta de avaliação, o ementário para criar percurso de vida à dinâmica do trabalho formativo que o curso prevê intencionalmente. [...] resulta da sistematização de um percurso de trabalho que objetiva a construção de uma profissão. 73 A proposta curricular: o esboço de uma análise Diante disso, o Curso já na apresentação de seu PPP 74 assegura que estará assentado numa concepção de currículo que reconhece e potencializa os diferentes espaços, linguagens e tempos de aprendizagem, posto que, objetiva proporcionar aos estudantes aptidão para o exercício laboral e enfrentamento dos desafios inerentes à sua profissão e condição de sujeitos históricos, nos mais diversos ambientes pedagógicos e da vida social como um todo. 75 Segundo a proposta curricular do Curso de Pedagogia, o curso, objetiva a formação de um profissional capaz de contribuir, efetivamente, para a melhoria das condições em que se desenvolve a educação 76. Assim, concebe-se o curso na perspectiva de uma educação para transformação social. Pretende-se a oferta de uma formação sólida através da formação teórica e prática que contribua para uma reflexão crítica acerca dos problemas que permeiam a educação, ao tempo em que indique caminhos, possibilidades de atuação desse profissional. Postula um currículo que traga uma abordagem complexa, progressiva, 72 PEDRA, José Alberto. Currículo, conhecimentos e suas representações. 2ª Ed. Campinas, SP: Papirius, Coleção Práxis, p OLIVEIRA, Anatália Dejane Silva de. O curso de pedagogia no contexto de formação para a docência na educação infantil. Revista da FAEEBA. Salvador: UNEB, v.28, n 31, jan./jun p Projeto Político Pedagógico. 75 UNEB. Projeto de redimensionamento do curso de pedagogia: docência e gestão de processos educativos p UNEB. Projeto de redimensionamento do curso de pedagogia: docência e gestão de processos educativos. 2004, p.34.

9 42 transversal e interdisciplinar, ao estabelecer como princípios a flexibilização, a diversificação, a autonomia, a interdisciplinaridade e a contextualização. Assegura o comprometimento com a formação profissional para o exercício do trabalho docente e enfrentamento dos desafios intrínsecos a profissão. Perseguindo a idéia de que o ensino, a pesquisa e a extensão são instâncias inseparáveis, a proposta curricular é organizada através de tópicos de estudos para formação básica e formação complementar diversificada, que são constituídos de núcleos. Dentro dos núcleos as disciplinas são pensadas conforme os eixos temáticos articuladores; assim, as disciplinas são inseridas dentro de um período que contém sua abordagem, que por sua vez está articulada aos saberes para a formação desse profissional. Para tanto, do primeiro ao quinto período as disciplinas pertencem ao núcleo de formação básica, compreendido como essencial para o desenvolvimento do (a) pedagogo (a) e suas áreas de atuação. Dentre os componentes curriculares que compõe esse núcleo, a Filosofia pretende dá o suporte a outros entendimentos pertinentes ao campo da pedagogia; a Sociologia é também considerada como um saber essencial para a formação do pedagogo, uma vez que interage com a educação, pois esta é assunto daquela; a História da Educação representa saberes fundamentais que fomentam bases de entendimento histórico; a Pesquisa e a Prática Pedagógica almejam apresentar ao aluno os primeiros sinais que realçam o papel da educação nas formações sociais contemporâneas, ao priorizar discussões e leituras em torno da educação na sociedade e os meandros do papel do pesquisador. Além dessas, também, a Didática promete a análise da relação escola/sociedade sob a ótica epistêmica e política; a Psicologia almeja garantir, aliado ao seu conceito e sua evolução histórica, uma análise em torno da constituição multidimensional do homem, seus processos na sociedade contemporânea e suas contribuições para a educação; o Currículo propõe análise em torno da complexidade das concepções curriculares e das questões emergentes inerentes ao currículo, como a ideologia, a cultura, as novas Tics 77 e as relações de poder. A partir do sexto período são oferecidas ao estudante disciplinas pertencentes ao núcleo de estudos para a formação complementar diversificada, cujo núcleo 77 Tecnologias da Informação e Comunicação

10 43 destaca a educação infantil e as séries iniciais do ensino fundamental. Nesse núcleo, o estágio representa o eixo articulador com as demais disciplinas. Assim é a partir do estágio que a pesquisa passa a ser em concomitância com a prática (unidade teoria e prática). Sobre a importância dessa unidade, Pimenta acrescenta que sabemos que para fazer, realizar, é preciso saber, conhecer e ter instrumentos adequados e disponíveis. Uma das formas de conhecer é fazendo igual, imitando, copiando experimentando (no sentido de adquirir experiência), praticando 78. Entretanto essa mesma autora critica o estágio da forma que tem sido adotado, como uma perspectiva ora idealizada, ora meramente instrumentalizadora 79. Para ela há uma burocratização do estágio onde se preocupam apenas no cumprimento formal de um requisito legal. A prática, portanto é o exercício de qualquer profissão. A do professor nunca foi e não será diferente. Para Tardif 80, a verdadeira profissionalização só será possível quando os conhecimentos dos profissionais, oriundos da prática, forem revelados e integrados nas propostas curriculares dos cursos de formação de professores. Para ele os conhecimentos acadêmicos tendem a se sobrepor sobre os conhecimentos dos profissionais da prática, inseridos em contextos reais de trabalho, em situações concretas de ação, e, sem isso, os conhecimentos acadêmicos se tornam sem sentido. O componente Estágio em Educação Infantil tem como compromisso apresentar a organização do trabalho pedagógico na educação infantil, a investigação e os conhecimentos da realidade dessa etapa da educação básica; Fundamentos da Educação Infantil, Fundamentos e Metodologias da Alfabetização, Literatura Infanto-juvenil e Alfabetização e Linguística são realçados visando à ênfase na concepção de educação infantil, de infância e do profissional. Além de um direcionamento reflexivo em torno das políticas públicas para a educação infantil, dimensões históricas da alfabetização e as concepções de linguagem, criatividade, leitura e escrita. Os Fundamentos da Educação Infantil anuncia garantir as abordagens acerca 78 PIMENTA, Selma Garrido. O Estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 8ª Ed. São Paulo: Cortez, p PIMENTA, Selma Garrido. O Estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 8ª ed. São Paulo: Cortez, 2009.p TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2002.p.235.

11 44 da concepção de infância, de educação para as crianças e de instituição para a educação infantil abordando aspectos físicos, pedagógicos e humanos para uma faixa etária que possui suas particularidades educacionais; Fundamentos e Métodos da Alfabetização, evidenciadas sob a luz da psicogênese da língua escrita e do letramento, promete discutir a formação do professor alfabetizador. Desse modo, a proposta curricular reconhece a necessidade do pensar educação em seus múltiplos aspectos, sua diversidade, sua heterogeneidade e sua prática, ou seja o entendimento do currículo em outros moldes e não mais aqueles marcados por territórios fragmentados, mas sim numa configuração curricular que aponta para a necessidade de um trabalho que articule as disciplinas de forma dinâmica. Por uma formação acadêmica significativa: a necessária articulação entre teoria e prática A pesquisa realizada procurou entender os motivos que levaram esses profissionais a atuarem na área, buscando relacionar isso com a construção da identidade do professor dessa etapa da educação e em quais aspectos o curso proporcionou embasamento para o desempenho desses profissionais na prática, e em quais pecou. Acerca dos motivos que levaram os profissionais a se dedicarem a educação infantil, apontaram aspectos similares quando destacaram o interesse em entender o desenvolvimento infantil através da aprendizagem. Ao mesmo tempo, deixaram claro, em alguns momentos, um envolvimento com a educação infantil a partir de um sentimento emotivo. Constatamos que a experiência do estágio, levou muitos estudantes a vislumbrar a educação infantil como espaço de atuação permeado de um significado muito mais emocional do que profissional e prático. A relação emocional, talvez se correlacione com o instituto materno que muitas das entrevistadas vislumbraram para/na educação infantil. Uma dessas destacou: acho impossível trabalhar com educação infantil sem se envolver emocionalmente. Discutir isso é importante no sentido de refletir em torno da construção histórica do perfil profissional para a educação infantil e, ao mesmo tempo, entender como a educação infantil ainda é espaço para que as crianças, muitas vezes, sejam cuidadas sem nenhuma preocupação pedagógica quanto à

12 45 construção e no desenvolvimento intelectual, psíquico, motor e emocional delas. O envolvimento afetivo esteve presente em 65% das falas dos entrevistados. Freire afirma que é impossível ensinar sem a coragem de querer bem, sem a valentia dos que insistem mil vezes antes de uma desistência. É impossível ensinar sem a capacidade forjada, inventada, bem cuidada de amar 81. Segundo o educador o processo de ensinar, que implica o de educar e vice-versa, envolve a paixão de conhecer que nos insere numa busca prazerosa, ainda que nada fácil 82. Em contrapartida, muitos profissionais da educação infantil têm uma percepção e ação com a educação para as crianças que, muitas vezes, não lhes permite pensar em aspectos sustentados em uma educação sob a ótica sociológica, antropológica e política. Ou seja, por causa do envolvimento emocional abrem muitas vezes mão de pensar na criança e na fase infância como etapas de construção de um ser que já nasce histórico, social e político. Aspectos que, por si só, exigem pensar a educação infantil sob perspectivas e objetivos educacionais como sugestão do próprio Freire, que interfira mais no mundo e que seja problematizadora. 83 Ao mesmo tempo, pudemos notar o grande interesse de alguns entrevistados por conhecer como se dá o desenvolvimento infantil, diante dos desafios escolares. Estudar o desenvolvimento infantil é sem dúvida um dos conhecimentos que o professor da educação infantil deve ter no sentido de trilhar um caminho seguro e coerente. Muitos componentes auxiliaram o estudante no conhecimento melhor da infância e da educação infantil, a exemplo de Fundamentos da Educação Infantil. A identificação com a área é, inclusive, vital no processo de pertencimento profissional e muitos componentes têm o papel de suscitar no discente essa relação/interesse. Os entrevistados foram também questionados acerca de quais aspectos eles avaliam que o curso ofereceu base para o desempenho na educação infantil, considerando que a partir do contato com o conhecimento acadêmico esses profissionais adentrem com afinco no que desejam conhecer. Em resposta a essa indagação, os sujeitos entrevistados destacaram que a base teórica do curso é favorável ao conhecimento, uma vez que lhes deram 81 FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. 19ª Ed. São Paulo: Olho D água, p FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. 19ª Ed. São Paulo: Olho D água, p FREIRE, Paulo. Pedagoga do oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.p. 35.

13 46 oportunidades de conhecer caminhos possíveis para a prática, apesar de apontarem que algumas disciplinas tiveram carga horária insuficiente para dar conta da ementa. A respeito da prática, o estágio foi alvo de críticas ora envolvendo uma dimensão pouco proveitosa e efetiva e, ora sinalizada como crucial nas escolhas profissionais, mas de carga horária insuficiente para promover o despertar profissional, que muitas vezes a teoria não dá conta. Apesar do componente Estágio em Educação Infantil ser composto por 105 horas, para os entrevistados é pouco tempo para o conhecimento e amadurecimento de uma ação que fomente na prática um conhecimento para que ele tenha um repertório de possibilidades de ação. A articulação teoria e prática foram enfatizadas pelos entrevistados como campos, na maioria das vezes, distintos, quando afirmaram que na prática tem coisas que o teórico não fala. Apesar de confirmarem que na ação educativa, o teórico muitas vezes só ganha sentido ao ser relacionado à prática. Os alunos passam metade do curso ouvindo teorias, muitos sequer aprofundam através de estudos mais detalhados. Na outra metade do curso esses alunos não conseguem pensar na prática sob o suporte teórico afirmando ou refutando-o. Para Lelis [...] a teoria deverá ser formulada e utilizada a partir das necessidades concretas da realidade educacional, à qual busca responder através da orientação das linhas de ação 84. Um dos sujeitos entrevistado destacou que o curso não ofereceu embasamento em torno de como planejar e que metodologias utilizar para a prática na educação infantil. Para esse: lidar com criança não é fácil e não é de qualquer jeito, tem que ser planejado. Essa informação foca a discussão em torno da importância das disciplinas básicas para a formação do professor, pois se o aluno chega ao estágio sem nem mesmo compreender e saber fazer os objetivos do planejamento, isso será mais um empecilho que inviabilizará a prática, que necessita de um planejar pautado na reflexão. O componente curricular Fundamentos da Educação Infantil foi um dos mais sinalizados na entrevista como necessário para a formação em educação infantil. Mais de 65% dos sujeitos entrevistados destacaram esse componente, sinalizando-o como crucial para o entendimento da criança, suas dimensões sociais, afetivas e 84 LELIS, 1989 apud PIMENTA, PIMENTA, Selma Garrido. O Estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 8ª ed. São Paulo: Cortez, p.67.

14 47 psíquicas e suas etapas de desenvolvimento. No entanto, todos os entrevistados sinalizaram o pouco tempo para algumas disciplinas como a Psicologia, o Estágio e a Didática que são cruciais para a formação, já que permeiam campos que exige uma competência. Muitas dessas contradições constatadas podem ser usadas para reforçar a análise de que os professores saem do curso sem ao menos compreender a relação teoria e prática. Nem tão pouco a especificidade de sua identidade docente, utilizando das possibilidades enfatizadas no curso para buscar, através de uma postura investigativa, novos meandros para a formação. Supondo que não exista uma construção da identidade e sim um envolvimento emocional com a educação infantil. Em suma, tais contradições podem, também, colocar em cheque a formação do professor no Curso de Pedagogia da UNEB, uma vez que suscita a conclusão de que o próprio entendimento do sentido da pesquisa, da teoria e da prática para o aluno egresso, é confuso na medida em que não estão bem estruturados e definidos para o professor de educação infantil. E se um profissional não construiu o sentido da pesquisa em sua vida acadêmica e, ao mesmo tempo, não consegue enxergar o valor prático e teórico de forma coesa em sua prática educativa, há muitos aspectos a serem reestruturados na proposta curricular do curso. Ao relacionar esses dados com a proposta curricular, nota-se que o Curso de Pedagogia da UNEB, precisa de reformulações nos estágios, uma vez que é unânime dentro do universo pesquisado que considerando a importância do estágio aliado a teoria dentro dos cursos de formação de professores, ou seja, espaço que precisa discutir a prática sob a perspectiva da docência, esse componente ainda deixa muito a desejar. Para Pimenta, a deterioração do estágio no bojo da deterioração da habilitação magistério, demonstrada pelos estudos, pesquisas e depoimentos, nos leva a concluir que de fato a formação de professores carece tanto da prática quanto da teoria 85, uma vez que são indissociáveis. Foi detectado no depoimento dos próprios sujeitos, que os referenciais teóricos e o estágio desempenharam papel decisivo no envolvimento com a 85 PIMENTA, Selma Garrido. O Estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 8ª ed. São Paulo: Cortez, p. 64.

15 48 educação infantil, apesar de entenderem que muitas disciplinas precisam ser repensadas e reformuladas dentro, inclusive, da promoção de espaços e tempos mais ricos que favoreçam uma ação na prática mais familiarizada. Considerações finais Partindo do exposto chega-se ao entendimento de que a formação do professor para a educação infantil através do curso de Pedagogia da UNEB delineia um perfil que exige bases teóricas e práticas e que nem todas são contempladas. O profissional oriundo desse curso demonstra que apesar do empenho dos profissionais e de algumas articulações percebidas entre as disciplinas, há ainda uma lacuna a ser preenchida para uma formação sólida pautada na experiência prática. O curso precisa acertar aspectos imprescindíveis na formação do professor de educação infantil, pois a pesquisa aqui exposta esboça campos que necessitam ser repensado, o que exige tempo e pesquisa. Para que não aconteça o que Libâneo expressa quando afirma que as mudanças ocorridas no campo da Pedagogia ficaram restritos somente a alterações em grades curriculares dos cursos, não avançaram em questões mais aprofundadas como a problemática epistemológica (natureza) do curso no desenvolvimento da teoria da educação e na investigação pedagógica 86.. Assim, a organização da proposta curricular chega ao resultado exposto pelos entrevistados em que a teoria pouco ou quase nada se articula a prática profissional deles. Dessa forma, o conceito, estratégias e definições do estágio merecem passar por reformulações, na medida em que é sinalizado como algo que deve ser melhorado. Para Nóvoa formar não é ensinar às pessoas determinados conteúdos, mas sim trabalhar coletivamente em torno da resolução dos problemas. A formação faz-se na produção e não no consumo do saber 87. Os alunos do curso de pedagogia possuem uma formação que provoca o que 86 LIBÂNEO, José Carlos. O campo do conhecimento pedagógico e a identidade profissional do pedagogo. In: LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos para quê? 5ª ed. São Paulo: Cortez, p NOVÓA, 2004 apud CUNHA, CUNHA, Maria Isabel da. Lugares da formação: tensões entre a academia e o trabalho docente. In: DALBEN, Ângela et al. (org.) Coleção didática e prática de ensino: convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, p.135.

16 49 Tardif chama de choque de realidade 88, quando enfrentam pela primeira vez a prática escolar docente, apesar de sentirem relativamente seguros a partir dos conhecimentos adquiridos na Universidade. Isso ocorre talvez em detrimento de uma concepção curricular que coloca a teoria a serviço da prática, ou seja, conhece-se a teoria e vai-se a prática aplicar o aprendido. Quando deveria tomar a prática como ponto de partida para a pesquisa e utilizar dessa e da teoria na implementação de novos saberes e novas ações. A análise apresentada nos permite assegurar que a educação infantil só será de qualidade se perseguirmos o ideal de uma educação problematizadora, crítica e sensível as especificidades das crianças, bem como um entendimento do significado da identidade profissional do professor de educação infantil e seus saberes profissionais. As contradições foram evidenciadas e, pensar em tais contradições é crucial para pensar qual relação existe entre essa formação e a valorização profissional docente e vice-versa. As percepções da prática articulada ou desarticulada a base teórica fomentaram um análise de como a realidade delineia as idéias pesquisadas. De acordo com os dados levantados, o Curso de Pedagogia deixa a desejar na formação do professor para a educação infantil, na medida em que não fornece uma base de sustentação que articule teoria e prática e as disciplinas entre si. Também não promove maiores discussões acerca dos estágios, o que rende poucas análises e muitas dúvidas. Não prepara o aluno para as especificidades educacionais da educação infantil, deixando os egressos sem ação na prática, ou seja, não tem cumprido satisfatoriamente com a formação contida na proposta curricular do curso. Demonstram a necessidade dessa discussão, uma vez que apontou traços críticos na formação desse profissional, oriundos de como a proposta curricular do curso está organizada na prática. Portanto, alguns aspectos da formação do pedagogo precisam ser revistos. E como conseqüência de uma formação a meia boca contribui pouco para a edificação da identidade profissional do professor. Assim, não persegue a proposta de Severino e Pimenta quando asseguram que a identidade do professor é 88 TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2002.p. 87.

17 50 simultaneamente epistemológica e profissional, realizando-se no campo teórico do conhecimento e no âmbito da prática social 89. A construção da identidade do professor de educação infantil ainda precisa de novos parâmetros em que essa construção ocorra em sua amplitude. E uma vez que, o principal objetivo do curso é preparar o profissional para a prática é justo e apropriado que tenha preocupação com a prática através dos estágios. Tal preocupação deveria está além do estágio curricular obrigatório do curso de pedagogia, isso certamente proporcionaria aos futuros profissionais uma prática muito mais educativa, articulada e consciente. A partir do exposto chegamos a novos questionamentos, porque pesquisar é também promover inquietações para novas buscas e, a nossa proposta objetiva vincular-se mais um tempo de indagações do que a virtude das respostas: que mudanças na concepção curricular poderiam ser efetuadas no Curso de Pedagogia do Campus XVI para a formação profissional que responda as exigências para a prática educativa na educação infantil? Como aconteceriam essas mudanças na prática da universidade para atender as leis e resoluções do Ministério de Educação e da própria instituição? Como os professores universitários deveriam estar engajados nesse processo? E os alunos, qual o papel deles nesse processo? Referências BORTONI-RICARDO. Stella Maris. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ampliação do ensino fundamental para nove anos: 3º relatório do programa. Brasília: MEC, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros nacionais de qualidade para a educação infantil. V. 2. Brasília Distrito Federal: MEC, Presidência da República. Ministério da Educação. Leis de diretrizes e bases da educação nacional Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. V.1 e 3. Brasília: MEC/SEF, CRUZ, Vilma Aparecida Gimenes da. Metodologia da pesquisa científica. São Paulo: Pearson Prentice Hall, CUNHA, Maria Isabel da. Lugares da formação: tensões entre a academia e o trabalho docente. In: DALBEN, Ângela et al. (org.) Coleção didática e prática de ensino: convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. 19ª ed. São Paulo: Olho D água, Pedagoga do oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, PIMENTA, Selma Garrido. O Estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 8ª ed. São Paulo: Cortez, p. 15.

18 51 HEYWOOD, Colin. Uma história da infância: da idade média à época contemporânea no ocidente. Tradução Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, LEITE, Yoshie. Os cursos de pedagogia formam professores dos anos iniciais ao ensino fundamental? In: DALBEN, Ângela et.al. (org.) Coleção didática e prática de ensino: convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, LIBÂNEO, José Carlos. O Campo do conhecimento pedagógico e a identidade profissional do pedagogo. In: LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos para quê? 5ª ed. São Paulo: Cortez, SEVERINO, Antônio Joaquim; PIMENTA, Selma Garrido. Apresentação da coleção. In: LIBÂNEO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira de; TOSCHI, Mirza Seabra. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, Coleção Docência em Formação Coord. Antônio Severino, Selma Garrido Pimenta. OLIVEIRA, Anatália Dejane Silva de. O Curso de pedagogia no contexto de formação para a docência na educação infantil. Revista da FAEEBA. Salvador: UNEB, v.28, n 31, jan./jun PEDRA, José Alberto. Currículo, conhecimentos e suas representações. 2ª ed. Campinas, SP: Papirius, Coleção Práxis, PIMENTA, Selma Garrido. O Estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 8ª ed. São Paulo: Cortez, POSTMAN, Neil. O Desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia, TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, UNEB. Projeto político pedagógico do curso de pedagogia da Universidade do Estado da Bahia Projeto de redimensionamento do curso de pedagogia: docência e gestão de processos educativos

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA PIBID PARA O ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA PIBID PARA O ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA PIBID PARA O ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Zenith Vila Nova de Oliveira UFT/ Campus de Tocantinópolis Bolsista/Pibid/Curso de Pedagogia zenithvn@hotmail.com Maria Divina Fernandes

Leia mais

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA Everson Ferreira Fernandes Universidade Federal do Rio Grande do Norte eversonff@gmail.com Gislene de Araújo Alves

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNEB/DEDC CAMPUS XV

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNEB/DEDC CAMPUS XV A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNEB/DEDC CAMPUS XV Cláudia Ribeiro Damasceno Universidade do Estado da Bahia- UNEB. E-mail: claudiard17@hotmail.com RESUMO Este

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar Resumo Fabiana Brianez* Renata Prenstteter Gama** Esse trabalho tem como objetivo analisar o currículo do curso

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA O curso de Pedagogia, Licenciatura da FACECLA de acordo com as Diretrizes Curriculares de

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

Palavras- chaves: Formação de Professores, Estágio Supervisionado, Saberes, Ensino Fundamental.

Palavras- chaves: Formação de Professores, Estágio Supervisionado, Saberes, Ensino Fundamental. ESTÁGIO SUPERVISIONADO: DESAFIOS E CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO INICIAL DO DOCENTE NO CURSO DE PEDAGOGIA. 1 Autora: Ariana da Silva Medeiros 2 ariana.bombom@bol.com.br Coautor: Gilmara Gomes da Silva gilmaragomes@hotmail.com

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO CAMPO DE ATUAÇÃO

FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO CAMPO DE ATUAÇÃO FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO CAMPO DE ATUAÇÃO Autora: Kelly Brandão de Brito Graduanda em Pedagogia pela Universidade Federal do Piauí - UFPI, Campus Amílcar Ferreira Sobral - CAFS

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES GUEDES, Shirlei Terezinha Roman 1 SCHELBAUER, Analete Regina 2 A proposta deste texto é compartilhar algumas idéias a título de primeiros

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

OS DESAFIOS DO PEDAGOGO NA FUNÇÃO SUPERVISORA EM UMA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RESUMO

OS DESAFIOS DO PEDAGOGO NA FUNÇÃO SUPERVISORA EM UMA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RESUMO OS DESAFIOS DO PEDAGOGO NA FUNÇÃO SUPERVISORA EM UMA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Isabella Abreu Carvalho IFAP isabella.carvalho@ifap.edu.br RESUMO O objetivo deste artigo é possibilitar a compreensão

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/003/2009. UNIVERSIDADE ESTADU DA PARAÍBA APROVA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA, DO CENTRO DE EDUCAÇÃO - CEDUC, QUE REFORMULA

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

PRÁTICAS DE ENSINO DA METODOLOGIA DE GEOGRAFIA: A GEOGRAFIA NA SALA DE AULA

PRÁTICAS DE ENSINO DA METODOLOGIA DE GEOGRAFIA: A GEOGRAFIA NA SALA DE AULA PRÁTICAS DE ENSINO DA METODOLOGIA DE GEOGRAFIA: A GEOGRAFIA NA SALA DE AULA Marcele Larisse dos Santos Silva larisse_al14@hotmail.com Rafaella Márcia Borges da Silva mb.rafaella@gmail.com RESUMO O presente

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O CURRÍCULO NA FORMAÇÃO EM LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NO ESTADO DO MARANHÃO Mauro Guterres Barbosa Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS FREITAS, M.L.L 1 PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS

Leia mais

A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA A REFORMULAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Marilene Cesário 1 Ângela Pereira Teixeira Victoria Palma 2 José Augusto Victoria Palma 3 RESUMO

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

A formação do pedagogo e os saberes necessários à uma prática reflexiva

A formação do pedagogo e os saberes necessários à uma prática reflexiva A formação do pedagogo e os saberes necessários à uma prática reflexiva Autora: Vânia Batista dos Santos. CFP/UFCG vaniabatista.santos@bol.com.br Co-autora: Luciana Bento da Silva. CFP/UFCG lucianabento_cz@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NO ENSINO SUPERIOR: DA AULA UNIVERSITÁRIA AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NO ENSINO SUPERIOR: DA AULA UNIVERSITÁRIA AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NO ENSINO SUPERIOR: DA AULA UNIVERSITÁRIA AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Eugênia da Silva Pereira Pedagoga pela Universidade do Estado da Bahia UNEB CAMPUS XII

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO RESUMO Arlam Dielcio Pontes da Silva UFRPE/UAG Gerciane

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Andréa Nogueira de Souza¹; Andreza Emicarla Pereira Calvacante²; Francicleide Cesário

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS...

PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS... PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS... Autora: Moema Helena de Albuquerque Co-autora: Sandra Maria Cunhasque Instituto Federal Catarinense Câmpus Camboriú CAPES

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

EMENTÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS

EMENTÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS EMENTÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS a) FUNDAMENTAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DADOS DO CAMPO DE CONHECIMENTO Filosofia, Ética e 3 1 4 90 EMENTA: Correntes filosóficas da modernidade e seus fundamentos para

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física

QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física Susana Schneid Scherer 1 - IFSUL-RS Carmem Lucia Lascano Pinto - IFSUL- RS Resumo: Partindo da premissa de que a profissão

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta

REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta Nilson Marcos Dias Garcia a b [nilson@ppgte.cefetpr.br] José Luiz Fabris a [fabris@cefetpr.br] Cristóvão Renato M. Rincoski a [rincoski@cefetpr.br]

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II Obrigatória: Sim Código da Disciplina: Carga Horária Semestral: 90 Número de Créditos: 03 Eletiva: Não Pré-requisito: Profa:

Leia mais

O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA

O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA Dirce Pacheco e Zan O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA DIRCE PACHECO E ZAN * este texto, apresento algumas reflexões sobre o estágio em cursos de licenciatura, em especial, no direcionado

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL Rita Melissa Lepre RESUMO: Neste breve artigo relataremos um extrato de uma pesquisa realizada com educadoras infantis que teve como tema as contribuições

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: ESPAÇO DE FORMAÇÃO E FOMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: ESPAÇO DE FORMAÇÃO E FOMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR ESTÁGIO SUPERVISIONADO: ESPAÇO DE FORMAÇÃO E FOMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR Raimundo Dutra de Araújo José Augusto de Carvalho Mendes Sobrinho Resumo Esse artigo objetiva refletir sobre alguns

Leia mais

AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) EM SALA DE AULA: O ESTÁGIO EM DOCENCIA

AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) EM SALA DE AULA: O ESTÁGIO EM DOCENCIA AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) EM SALA DE AULA: O ESTÁGIO EM DOCENCIA Liduina Lopes Alves Universidade Federal do Ceará Denize de Melo Silva Universidade Federal do Ceará Ana Paula Vasconcelos

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO Elisa Machado Matheussi elisa@rla01.pucpr.br Sirley Terezinha Filipak sirley@rla01.pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná RESUMO Este estudo

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS Resumo Diante do conhecimento de condições propiciadas no período de formação inicial de professores, faz-se

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Flávia Sueli Fabiani Marcatto Universidade Estadual Paulista - Unesp - Rio Claro

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM

ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM AVINIO, Carina de S.¹; ENDERLE, Mariana G.²; VISENTINI, Lucas³. 1 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação

Leia mais

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2

Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya 2 A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A DANÇA, JOGOS E BRINCADEIRAS NO CONTEXTO ESCOLAR Experiência teórica e prática por meio de um projeto extensionista Edenilson Fernando Catarina 1 ; Leisi Fernanda Moya

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais.

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais. 4CCHLADAVPEX01 O ENSINO DE ARTES VISUAIS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALHANDRA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Cláudia Oliveira de Jesus (1); Adeílson França (1);

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE PEDAGOGIA: UM EIXO ARTICULADOR ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA

A PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE PEDAGOGIA: UM EIXO ARTICULADOR ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA A PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE PEDAGOGIA: UM EIXO ARTICULADOR ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA Ana Teresa Silva Sousa (Base de Pesquisa Formar / UFPI) GT 02: Formação de Professores 1 CONTEXTUALIZANDO A FORMAÇÃO

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Anne Caroline Soares Dourado (UFPI PIBIC/UFPI) Antonia Dalva França Carvalho (UFPI Orientadora)

Anne Caroline Soares Dourado (UFPI PIBIC/UFPI) Antonia Dalva França Carvalho (UFPI Orientadora) A RACIONALIDADE PEDAGÓGICA DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPI: UM ESTUDO SOBRE A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. Anne Caroline

Leia mais

Considerações sobre o papel da matemática na educação básica: pedagogia de projetos uma proposta de intervenção.

Considerações sobre o papel da matemática na educação básica: pedagogia de projetos uma proposta de intervenção. Considerações sobre o papel da matemática na educação básica: pedagogia de projetos uma proposta de intervenção. André Ricardo Magalhães* andrerm@gmail.com Geciara Carvalho* geciara@gmail.com Ivanise Gomes

Leia mais