CO 49: Breves considerações acerca dos cursos de graduação em Matemática nas décadas de 1930 a 1950 no Brasil 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CO 49: Breves considerações acerca dos cursos de graduação em Matemática nas décadas de 1930 a 1950 no Brasil 1"

Transcrição

1 CO 49: Breves considerações acerca dos cursos de graduação em Matemática nas décadas de 1930 a 1950 no Brasil 1 Mariana Feiteiro Cavalari Universidade Federal de Itajubá Resumo Os primeiros cursos de graduação em Matemática no Brasil foram criados nos anos Diversos autores apontam que a criação destes cursos possibilitou a formação dos primeiros grupos de pesquisa em Matemática. Neste sentido, é relevante para a área de História da Matemática, no Brasil, estudar a criação e o funcionamento dos primeiros cursos de Matemática a serem criados em território nacional. Assim, propomos a presente investigação com o intuito de localizar os cursos de graduação em Matemática existentes no Brasil nas décadas de 1930, 1940 e 1950 e de investigar os primeiros anos de funcionamento de tais cursos, destacando informações sobre o seu corpo docente e sua matriz curricular. Para tanto, foi realizada uma pesquisa bibliográfica, que possibilitou a identificação de 14 cursos de graduação em Matemática oferecidos em diferentes instituições brasileiras, a saber: Faculdade de Educação, Ciências e Letras da Faculdade de Porto Alegre; Faculdade de Filosofia do Paraná; Faculdade de Filosofia da Universidade Católica do Paraná; Faculdade de Filosofia da Universidade da Bahia; Faculdade Católica de Filosofia do Ceará; Universidade do Ceará; Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de Pernambuco; Faculdade de Filosofia e Letras da UDF; Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia de Minas Gerais; Universidade Católica de São Paulo; Universidade Católica de Campinas; Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Rio Claro e Faculdade de Filosofia da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Destacamos que devem ter existido outros cursos de Matemática que, por falta de dados, não puderam ser localizados. No desenvolvimento desta pesquisa foi notória a ausência de informações históricas relativas a muitos destes cursos, em especial, dos cursos da Faculdade Católica de Filosofia do Ceará, da Faculdade de Filosofia da Universidade Católica do Paraná e da Faculdade de Filosofia de Minas Gerais. Assim, enfatizamos a necessidade da realização de futuras investigações que abordem a história de cursos de graduação em Matemática criados em território nacional. Palavras-Chave: História da Matemática no Brasil, Século XX, Matemática Superior. Introdução Os primeiros cursos de graduação em Matemática no Brasil foram criados na Faculdade de Filosofia Ciências e Letras (FFCL) da Universidade de São Paulo, em 1934 e na Escola de Ciências da Universidade do Distrito Federal, em Nas duas décadas 1 Este trabalho apresenta resultados parciais da tese de doutorado intitulada As contribuições de Chaim Samuel Hönig para o desenvolvimento da Matemática brasileira, realizada no Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da UNESP câmpus Rio Claro sob a orientação do Prof. Dr. Sergio Roberto Nobre.

2 subseqüentes, algumas instituições de ensino superior passaram a oferecer o curso de Graduação em Matemática e, já nos anos 60 e 70 do século XX, houve uma grande expansão de cursos de nível superior de Matemática. Antes da criação de cursos desta natureza em território nacional o ensino de Matemática em nível superior estava ligado ao militarismo ou a escolas de engenharia e não existia, efetivamente, uma Comunidade Matemática brasileira (HÖNIG, GOMIDE, 1979). Desta forma, entendemos ser importante no âmbito da História da Matemática brasileira estudar a criação e o funcionamento de cursos de Matemática em território nacional. Corroborando a esta ideia Baroni e Nobre (1999), enfatizam a relevância da realização de trabalhos que abordem a história de instituições de ensino de Matemática superior no Brasil. Desta forma, a presente investigação foi realizada com o intuito de localizar os cursos de graduação em Matemática existentes em território nacional nas décadas de 1930, 1940 e 1950 e de investigar os primeiros anos de funcionamento de tais cursos, destacando informações sobre o seu corpo docente e sua matriz curricular. Enfatizamos que alguns trabalhos já foram realizados sobre cursos de graduação em Matemática em instituições específicas, dentre os quais destacamos Bortoli (2003) e Mauro (1999). Entretanto, a presente investigação tem o diferencial de expor informações históricas de variadas instituições, incluindo aquelas que os dados históricos são praticamente inexistentes. Apresentaremos, a seguir, informações históricas de tais cursos. Os cursos brasileiros de graduação em Matemática nas décadas de 1930 a 1950 Em meados da década de 1930, conforme apontado, foram criados os primeiros cursos de Matemática do país e nas duas décadas posteriores foram iniciados outros cursos desta natureza. Localizamos, no desenvolvimento da presente investigação 14 cursos de graduação em Matemática que estavam em funcionamento nos anos 1930, 1940 e Apontaremos, brevemente, alguns aspectos históricos dos primeiros anos de funcionamento destes cursos. 2

3 Os cursos de Bacharelado e Licenciatura em Matemática da Universidade de Porto Alegre, predecessora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS), tiveram início na Faculdade de Educação, Ciências e Letras em Estes cursos sofreram influência do de Matemática da FFCL de São Paulo, afinal, os lentes Ary Nunes Tietbohl ( ) (Análise) e Antonio Rodrigues ( ) (Geometria e Topologia) eram egressos do referido curso. Além destes docentes, lecionavam no curso de Matemática da Universidade de Porto Alegre: Cayoby Vieira de Oliveira (Equações Diferenciais), Luiz Leseigneur de Faria (Geometria Projetiva), Carlos Carvalho Schmidt (Mecânica Racional), Antonio E. P. Cabral (Física Matemática) e João Simões da Cunha (Física Geral) (TAITELBAUM, BRIETZKE, s/d). Em 1953, inspirado pelo Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF) 2, foi criado o Centro de Pesquisas Físicas (CPF) da UFRGS, no qual foram realizadas investigações matemáticas nas áreas de Álgebra Abstrata, Topologia dos Espaços Métricos, Topologia Geral, Álgebra Linear, Análise Funcional, Espaços Vetoriais Topológicos, Teoria da Medida e da Integração, Teoria das Probabilidades e Estatística Matemática (TAITELBAUM, BRIETZKE, s/d). Em 1959, o CPF foi incorporado ao recém-criado Instituto de Matemática que era constituído pelas divisões de Matemática Pura, Matemática Aplicada e de Ensino (TIETBOHL, s/d). No estado do Paraná encontramos registro de um curso de Matemática, criado em 1940, na cidade de Curitiba-PR. Este era oferecido na Faculdade de Filosofia (FFCL) do Paraná que pertencia a uma instituição de ensino superior particular e confessional. Em 1946 esta faculdade foi incorporada a recém-criada Universidade do Paraná que, posteriormente, passou a denominar-se Universidade Federal do Paraná (UFPR). O corpo docente do curso de Matemática, inicialmente, era constituído por engenheiros que lecionavam as cadeiras de Análise Matemática e Superior; Complementos de Matemática; Geometria; Estatística Geral e Aplicada; Física Geral e Experimental; 2 Embora este centro não oferecesse graduação em Matemática, existia um grupo de pesquisadores que se dedicava ao estudo da Matemática. Outras intuições, no período abordado pela presente investigação, também, possuíam grupos de pesquisa em matemática, e não ofereciam graduação nesta área, como é o caso do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) e Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA). 3

4 Física Teórica; Física Superior; Física Matemática; Mecânica Racional; e Mecânica Celeste (SILVA, 2001). De acordo este autor, ainda no primeiro ano letivo, foi contratado para lecionar Análise Matemática e Superior, o matemático polonês Zbigniew Lepecki ( ), que trabalhou somente três anos em Curitiba. No decorrer da década de 1940, segundo Silva (2001), o curso de Matemática de Curitiba estava muito aquém daqueles lecionados em São Paulo e no Rio de Janeiro e, as pesquisas nesta área do conhecimento eram insipientes. Entretanto, em 1953, o matemático português João Remy T. Freire passou a lecionar Análise Matemática e Análise Superior para o curso de Matemática. Este professor, de acordo com Silva (2003), introduziu conceitos modernos de Análise e [...] iniciou em Curitiba um bom ambiente de estudos matemáticos, inclusive com a prática de seminários de formação e cursos de férias. (p. 142). O referido docente permaneceu lecionando em Curitiba até o final da década de É necessário ressaltar que, encontramos indícios da existência no final da década de 1950 do curso de Matemática na Faculdade de Filosofia da Universidade Católica deste estado, instituição que originou a Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Entretanto, não obtivemos informações relativas aos primeiros anos de funcionamento de tal curso e tampouco a respeito de seu corpo docente. No estado da Bahia, na cidade de Salvador, em 1942, foi fundada a Faculdade de Filosofia da Universidade da Bahia que após um ano de funcionamento passou a oferecer o curso de Matemática. Este curso possuía a estrutura curricular baseada no da Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil e suas cátedras foram atribuídas a professores já pertencentes ao corpo docente da faculdade soteropolitana (DIAS, 2011). Esta Faculdade deu origem a Universidade Federal da Bahia, instituição na qual em 1960, foi criado o Instituto de Matemática e Física. Neste instituto, atuaram os docentes Rubens Lintz (1963- ), Omar Catunda ( ) e os professores visitantes Yukyosi Kawada e Kenichi Shiraiwa (DIAS, 2008). No Ceará, em 1947 foi inaugurada a Faculdade Católica de Filosofia, instituição que já nos primeiros anos de funcionamento passou a oferecer o curso de Matemática. Esta 4

5 Faculdade, posteriormente, foi incorporada a Universidade Estadual do Ceara. Não encontramos informações relativas a estrutura curricular deste curso e tampouco de pesquisas realizadas pelo seu corpo discente e docente. Destacamos que neste estado, em 1954, foi criado o Instituto Cearense de Matemática que nos primeiros anos de funcionamento foi encampado pela Universidade do Ceará, atualmente denominada Universidade Federal do Ceara (UFC). No ano seguinte foi iniciado o curso de Bacharelado em Matemática desta instituição. No final dos anos 1950 e início dos anos 1960, alguns matemáticos cearenses realizaram pesquisas no IMPA e doutoramentos em instituições estadunidenses. Tais docentes ao retornarem ao Ceará auxiliaram na criação, em 1966, do mestrado em Matemática na UFC. No estado de Pernambuco, na cidade de Recife, em 1953, teve início o curso de Matemática na Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de Pernambuco. Foram contratados para lecionar neste curso e nos de engenharia dois renomados professores portugueses, o analista Alfredo Pereira Gomes ( ) e o geômetra Manuel Zaluar Nunes ( ). No ano seguinte, por iniciativa de Luís de Barros Freire ( ), foi criado o Instituto de Física e Matemática (IFM) da Universidade Federal de Pernambuco. Pereira Gomes (1997) enfatizou que este foi um fato marcante para a Matemática em Recife, pois possibilitou o desenvolvimento de atividades extracurriculares e de trabalhos de pósgraduação. No final da década de 1950 e início da de 1960, mais três professores de origem lusitana trabalharam no IFM, a saber: Hugo Batista Ribeiro ( ), Ruy Luís Gomes ( ) e José Morgado ( ), sendo que os dois últimos introduziram novas disciplinas na estrutura curricular do curso de Matemática e, iniciaram, em 1967, o curso de mestrado nesta área do conhecimento. Tais docentes permaneceram na referida instituição ate o início dos anos 1970 (SILVA, 2001; MORGADO, 1997). Os professores portugueses criaram um profícuo ambiente matemático na Universidade Federal de Pernambuco. Organizaram, em Recife, palestras proferidas por ilustres matemáticos, dentre os quais destacamos: Luiz Mendonça de Albuquerque, Roger Godement (1921- ), François Bruhat, Laurent Schwartz ( ), Jean François Trèves, 5

6 Jean-Pierre Kahane, Charles Ehresmann ( ), Arnaud Denjoy, Leopoldo Nachbin ( ), Chaim S. Hönig (1926-), Frederico Pimentel Gomes e Henri Morel. Muitas destas conferências foram publicadas na série Textos de Matemática (PEREIRA GOMES, 1997). No desenvolvimento desta investigação notamos que o sudeste brasileiro foi a região com maior numero de cursos de Matemática localizados. Estes estavam instalados em instituições nos estados do Rio de Janeiro, de Minas Gerais e de São Paulo. O curso de Matemática da Escola de Ciências da UFD, situado no Rio de Janeiro, conforme apontado anteriormente, foi criado em 1935 e teve em seu corpo docente o professor Lélio Gama ( ) que introduziu uma nova abordagem para os cursos de Análise, tornando-os mais modernos e rigorosos (D`AMBROSIO, 2008). Além disto, Gama iniciou no Brasil o estudo de Espaços Abstratos e ajudou a formar o primeiro núcleo de pesquisa em Matemática deste estado. Posteriormente, o citado docente passou a dedicar-se ao Observatório Nacional. Em 1939, as atividades da Universidade do Distrito Federal foram transferidas para a Universidade do Brasil, assim, os cursos da Faculdade de Ciências e da Faculdade de Filosofia e Letras da UDF, foram incorporados a Faculdade Nacional de Filosofia (FNFi) da Universidade do Brasil. O curso de Matemática desta nova faculdade, inicialmente, contou com a breve colaboração de matemáticos estrangeiros como Luigi Sobreiro ( ), da área de Física Matemática, Achille Bassi ( ) que assumiu a cadeira de Geometria e iniciou, em território nacional estudos sobre Topologia Algébrica e, ainda, Gabrielle Mammana ( ), que regeu a cátedra de Análise Matemática e Superior, na qual lecionou cursos sobre Equações Diferenciais, Cálculo de Variações, Equações Integrais e Funções Complexas. Ao retornar à Europa o professor Mammana indicou o assistente José Abdelhay ( ) para reger interinamente tal cátedra (SILVA, 2003; MEDEIROS, s/d). O renomado professor português Antônio Aniceto Monteiro ( ), também, atuou na FNFi em meados da década de Este docente exerceu grande influência na pesquisa em Matemática desta instituição. Organizou e dirigiu vários seminários que 6

7 versavam sobre Teoria dos Espaços de Hilbert, Topologia Geral, Teoria dos Reticulados e Álgebra Moderna e, ainda, participou ativamente da criação do periódico Summa Brasiliensis Mathematicae e da coleção "Notas de Matemática" (CASTRO, 1999). No final dos anos 1940 e início dos 1950, atuaram no Departamento de Matemática da FNFi, os professores A. Adrian Albert ( ), Marshall Stone ( ), Jean A. E. Dieudonnè ( ), Charles Ehresmann, Laurent Schwartz e Warren Ambrose ( ). Estes matemáticos lecionaram, respectivamente, os cursos intitulados Álgebra, Anéis de Funções Contínuas, Análise Harmônica, Geometria Diferencial, Teoria das Distribuições e, ainda, um curso sobre representações de Grupos Localmente Compactos (MEDEIROS, s/d). No Estado de Minas Gerais, localizamos o curso de Matemática da Faculdade de Filosofia de Minas Gerais, instituição particular fundada em 1939 que teve suas atividades iniciadas em Apos cinco anos, tal faculdade foi incorporada a recém-criada Universidade de Minas Gerais (UFMG, s/d). D Ambrosio (2008), destaca que a partir deste momento, o professor Cristovão Colombo dos Santos passou a lecionar no referido curso. Enfatizamos que as informações sobre a criação deste curso são praticamente inexistentes na literatura brasileira. Já no estado de São Paulo, o primeiro curso a ser fundado foi o curso de Matemática da FFCL da USP que foi iniciado com a criação desta faculdade. Theodoro Ramos ( ), então diretor da FFCL, foi incumbido da importante missão de contratar professores estrangeiros para compor o corpo docente da FFCL da USP. O primeiro docente a lecionar no curso de Matemática foi o italiano Luigi Fantappié ( ) que modernizou o ensino de Análise Matemática, fundou a primeira biblioteca especializada em Matemática no Brasil e conseguiu bolsas no exterior para matemáticos brasileiros (CASTRO, 1999). As notas de seus cursos foram redigidas por Omar Catunda e influenciaram o ensino de Análise e o desenvolvimento da Matemática no Brasil. O segundo matemático estrangeiro a trabalhar neste curso de Matemática, foi Giacomo Albanese ( ), indicado por Fantappié para a cátedra de Geometria que, também, trouxe grandes benefícios ao ensino superior de Matemática na FFCL. Os 7

8 professores italianos contribuíram para a sistematização da pesquisa em Matemática na USP. Até a Segunda Guerra Mundial a maior parte do corpo docente da FFCL de São Paulo era constituída por professores estrangeiros, que em geral, tinham uma formação acadêmica de excelente qualidade. Em consequência da guerra, estes professores, tiveram que retornar aos seus países de origem e os discentes formados por esta instituição começaram a assumir cadeiras na FFCL no período de 1940 a Assim, Omar Catunda, Cândido Lima da Silva Dias ( ) e Fernando Furquim de Almeida ( ) assumiram as cátedras do curso de Matemática. Alguns acadêmicos que haviam se encaminhado para a Física, como Mário Schenberg ( ) e Abrão de Morais ( ), se responsabilizaram pela cadeira de Mecânica Racional e Celeste e pela cátedra de Física Matemática, respectivamente. Outros jovens assistentes logo se viram com a responsabilidade das cátedras. Benedito Castrucci ( ) ficou encarregado de lecionar Geometria Analítica, Projetiva e Descritiva e Edson Farah ( ) se responsabilizou pela docência em Análise Superior. Devido aos desfalques causados pela guerra, foi contratado para lecionar na FFCL de São Paulo, o matemático André Weil ( ) um dos fundadores do Grupo Bourbaki, que ocupava uma função muito aquém de suas possibilidades nos Estados Unidos (PIRES, 2006). Posteriormente, este matemático indicou a contratação dos matemáticos bourbakistas Jean Dieudonné e Jean Delsarte ( ). O professor Oscar Zariski ( ), também, lecionou na referida faculdade, nos anos finais da década de Estes matemáticos tinham reconhecimento internacional e contribuíram de maneira significativa para a modernização da pesquisa Matemática em São Paulo. Além deste curso, na capital paulista, em meados da década de 1940 iniciou-se o curso de Matemática da Universidade Católica de São Paulo, que posteriormente passou a ser denominada Pontifícia Universidade Católica PUC de São Paulo. As informações sobre a criação deste curso são escassas. De acordo com Mauro (1999), a Universidade Católica de São Paulo foi criada em 1946, pela reunião da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São Bento, da Faculdade Paulista de Direito e de mais quatro instituições, dentre as quais destacamos a FFCL de Campinas e a Faculdade de Filosofia, Ciências e 8

9 Letras "Sedes Sapientiae". Este curso foi bastante influenciado pelo professor Fernando Furquim de Almeida que trabalhava concomitantemente nesta instituição e na USP (D AMBROSIO, 2008). Nesta mesma década, foi iniciado o curso de Matemática, nas modalidades Bacharelado e Licenciatura, na Faculdade de Filosofia da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Encontramos registros que atestam que os professores Francisco Antonio Lacaz Netto ( ), L. H. Jacy Monteiro ( ) e Oswaldo Sangiogi (1921-) lecionaram no referido curso. No interior do Estado, na cidade de Campinas, em 1942, foi iniciado o curso de Matemática na Faculdade de Filosofia de Campinas. Esta Faculdade, em 1946, foi incorporada a Universidade Católica de São Paulo e posteriormente, foi transferida para a recém-criada Universidade Católica de Campinas, atualmente denominada PUC Campinas. Silva (2001), afirma que no final da década de 1950 este curso começava a ganhar destaque por meio da atuação do jovem professor Ubiratan D Ambrosio. Enfatizamos, embasados em Bortoli (2003), que este curso de Matemática foi o primeiro criado no interior paulista. Já na década posterior, em 1958, na cidade de Rio Claro, foi fundada a FFCL, que no ano seguinte a sua criação passou a oferecer o curso de Matemática, para o qual foi contratado o professor Nelson Onuchic ( ). Este matemático, realizou a contratação dos professores Mario Tourasse Teixeira ( ), Heitor Gurgulino de Souza (1928 ), Junia Borges Botelho e Lourdes de la Rosa Onuchic (1931 -) (MAURO, 1999). De acordo com D Ambrosio (2008, p. 86), na FFCL de Rio Claro, houve uma [...] considerável atividade de pesquisa, sob a liderança de Nelson Onuchic, destacado pesquisador na área de Estabilidade de Equações Diferenciais e de Mario Tourasse Teixeira especialista em Lógica Matemática". Posteriormente, em 1976, a FFCL foi incorporada a recém-criada Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP). Após este breve histórico sobre cursos de Matemática criados em território nacional, nos anos 1930, 1940 e 1950, é importante destacar que muito provavelmente 9

10 devem ter existido outros cursos de Matemática que, por falta de dados, não foram abordados neste trabalho. Considerações Finais A presente pesquisa foi desenvolvida com o intuito de localizar os cursos de graduação em Matemática existentes no Brasil nas décadas de 1930, 1940 e 1950 e de investigar os primeiros anos de funcionamento de tais cursos, destacando informações sobre o seu corpo docente e sua matriz curricular. Identificamos 14 cursos de graduação em Matemática em instituições localizadas nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil, sendo que, no período analisado, grande parte dos cursos estava instalada em instituições paulistas. Destacamos que a realização desta investigação evidenciou que, embora relevante para a área de pesquisa de História da Matemática, as pesquisas que abordam a história de cursos de graduação em matemática são escassas. Portanto, para finalizar enfatizamos a necessidade da realização de futuras investigações que abordem a história da criação de cursos de Matemática, sobretudo em intuições localizadas fora do eixo Rio-São Paulo. Referências BARONI, R. S.; NOBRE, S. R. A pesquisa em História da Matemática e suas relações com a Educação Matemática. In. BICCUDO, M. A. V. (org.) Pesquisas em Educação Matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: Editora da UNESP, p BORTOLI, A. Uma história da criação do curso de Matemática na Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática, Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho - UNESP Câmpus Rio Claro), CASTRO, F. M. O. A Matemática no Brasil. 2ª. Ed. Campinas: Editora da UNICAMP, D AMBROSIO, U. Uma História concisa da Matemática no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes, DIAS, A. L. M. O Instituto de Matemática e Física da Universidade da Bahia: atividades matemáticas ( ). História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 15(4), 2008, p

11 . Um história da educação Matemática na Bahia Anais do XXVI Simpósio Nacional de História, São Paulo, jul Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v15n4/10.pdf >. Acesso em: dez HÖNIG, C. S.; GOMIDE, E. F. História das Ciências Matemáticas. In. MOTOYAMA, S.; FERRI, M. G. (coord.). História das Ciências no Brasil. V. 1, São Paulo: Editora da USP, MAURO, S. A História da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro e suas contribuições para o movimento de Educação matemática Dissertação (Mestrado em Educação Matemática, Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho - UNESP Câmpus Rio Claro) UNESP, Rio Claro, MEDEIROS, L. A. J. Aspectos da Matemática no Rio de Janeiro. S/d. Disponível em:<http://www.uff.br/dalicenca/images/stories/caderno/volume6/aspectos_da_m ATEMTICA_NO_RIO_DE_JANEIRO.pdf >. Acesso em nov MORGADO, J. O Professor Ruy Luis Gomes e o núcleo matemático de Recife. Anais do II Encontro Luso-brasileiro de História da Matemática. Águas de São Pedro, 1997, p MUCHAIL, S. T. Um passado revisitado o curso de Filosofia da PUC/SP: 80 anos. S/d. Disponível em: < Memorial_Profa_Salma.pdf>. Acesso em jan PEREIRA GOMES, A. A implementação no Recife de um núcleo de matemáticos portugueses na década de 60. Anais do II Encontro Luso-brasileiro de História da Matemática. Águas de São Pedro, 1997, p PIRES, R. C. A presença de Nicolas Bourbaki na Universidade de São Paulo. Tese (Doutorado em Educação Matemática, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC- São Paulo), SILVA, C. P. Desenvolvimento da Matemática no Paraná: um estudo do caso Universidade Federal do Paraná. ILUIL. v. 24, p A matemática no Brasil: História de seu desenvolvimento. 3ª. Ed revista e ampliada. São Paulo: Edgard Blücher Ltda, TAITELBAUM, A.; BRIETZKE, E. Um pouco da história do Instituto de Matemática da UFRGS. s/d. Disponível em: <http://www.mat.ufrgs.br/historia_taitelbaum_brietzke.pdf>. Acesso em jan TIETBÖHL, A. N. Considerações Históricas sobre a criação do Instituto de Matemática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. s/d. Disponível em: <http://www.mat.ufrgs.br/historico.html >. Acesso em jan UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - UFMG. Histórico do curso. s/d. Disponível em: <http://www.fisica.ufmg.br/graduac/grad/historicodocurso.pdf>. Acesso em jan

UM HISTÓRICO DO CURSO DE MATEMÁTICA DA FACULDADE DE FILOSOFIA CIÊNCIAS E LETRAS (FFCL) DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP) 1

UM HISTÓRICO DO CURSO DE MATEMÁTICA DA FACULDADE DE FILOSOFIA CIÊNCIAS E LETRAS (FFCL) DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP) 1 Revista Brasileira de História Um da Histórico Matemática do - curso Vol. 12 de nmatemática o 25 (agosto/2012 da Faculdade - dezembro/2012 Filosofia ) - pág. 15-30 Ciência... Publicação Oficial da Sociedade

Leia mais

O TRAJETO DA MATEMÁTICA EM ALGUMAS INSTITUIÇÕES DO RIO DE JANEIRO

O TRAJETO DA MATEMÁTICA EM ALGUMAS INSTITUIÇÕES DO RIO DE JANEIRO O TRAJETO DA MATEMÁTICA EM ALGUMAS INSTITUIÇÕES DO RIO DE JANEIRO Introdução Faculdade de Ciências da UDF Departamento de Matemática da FNFi Instituto de Matemática Pura e Aplicada - CNPq Instituto de

Leia mais

BREVE BIOGRAFIA DE CARLOS BENJAMIN DE LYRA

BREVE BIOGRAFIA DE CARLOS BENJAMIN DE LYRA BREVE BIOGRAFIA DE CARLOS BENJAMIN DE LYRA THIAGO TAGLIALATELA COBRA * Tema Este trabalho é parte da Pesquisa de intitulada Carlos Benjamin de Lyra e a Topologia Algébrica no Brasil atualmente sendo desenvolvida

Leia mais

Lindolpho de Carvalho Dias

Lindolpho de Carvalho Dias Lindolpho de Carvalho Dias Possui especialização em Matemática pela Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (1962). Atualmente é do Ministério da Ciência e Tecnologia. CNPq/C.Lattes

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Professores ADILSON SIMONIS ALEXANDRE LYMBEROPOULOS ANTONIO ELIAS FABRIS BIRAJARA SOARES MACHADO CLAUDIO POSSANI

Professores ADILSON SIMONIS ALEXANDRE LYMBEROPOULOS ANTONIO ELIAS FABRIS BIRAJARA SOARES MACHADO CLAUDIO POSSANI ADILSON SIMONIS Mestre e doutor em Probabilidade pelo Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME/USP), com pós-doutorado pela Universitá Tor Vergata de Roma. Atualmente, é

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

Projeto Integrador. Faculdade Senac

Projeto Integrador. Faculdade Senac Projeto Integrador Faculdade Senac Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás adota o Projeto Integrador nos cursos da área de Tecnologia da Informação com o intuito de possibilitar ao aluno criação de um produto

Leia mais

A História da criação da Sociedade Brasileira de Matemática através de Atas. Resumo

A História da criação da Sociedade Brasileira de Matemática através de Atas. Resumo A História da criação da Sociedade Brasileira de Matemática através de Atas Viviane de Oliveira Santos Resumo O objetivo trabalho é descrever, através de atas, a Sociedade Brasileira de Matemática (SBM),

Leia mais

Algumas questões sobre o ensino de análise em cursos de formação de professores de matemática

Algumas questões sobre o ensino de análise em cursos de formação de professores de matemática III Forum de Discussão: Parâmetros Balizadores da Pesquisa em Educação Matemática no Brasil PUC/SP Grupo de Discussões 11: Sobre ensino de Cálculo e Análise Algumas questões sobre o ensino de análise em

Leia mais

MÓDULO III: CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS

MÓDULO III: CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS SEMANA CRUZEIRO DO SUL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA: LUZ, CIÊNCIA E VIDA ESTRATÉGIAS PARA A POPULARIZAÇÃO E DIFUSÃO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 21 a 23 de outubro de 2015 Universidade Cruzeiro do Sul,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BAURUENSE DE ENSINO SUPERIOR E CULTURA

ASSOCIAÇÃO BAURUENSE DE ENSINO SUPERIOR E CULTURA ASSOCIAÇÃO BAURUENSE DE ENSINO SUPERIOR E CULTURA Autorização do curso de Ciências - habilitação em Ma temática - Licenciatura Plena para funcionar na Faculdade de Ci ências, novo estabelecimento de ensino

Leia mais

Cândido Lima da Silva Dias- da Politécnica à FFCL da USP

Cândido Lima da Silva Dias- da Politécnica à FFCL da USP Cândido Lima da Silva Dias- da Politécnica à FFCL da USP RESUMO Paulo César Xavier Duarte 1 Esse trabalho tem como meta pesquisar a trajetória do Professor Cândido Lima da Silva Dias, analisando seu papel

Leia mais

Programa de Pós Graduação FAPAM

Programa de Pós Graduação FAPAM Confraria Nossa Senhora da Piedade da Paróquia de Nossa Senhora da Piedade Faculdade de Pará de Minas - FAPAM Reconhecida pelo Decreto 79090, de 04/01/77 Rua Ricardo Marinho, 110 - São Geraldo - Pará de

Leia mais

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP Resumo O propósito deste trabalho é apresentar o processo de constituição

Leia mais

Análise das concepções de Educação Infantil na produção científica da Educação Física: escolhas metodológicas. Resumo

Análise das concepções de Educação Infantil na produção científica da Educação Física: escolhas metodológicas. Resumo Análise das concepções de Educação Infantil na produção científica da Educação Física: escolhas metodológicas Profa Dra Marynelma Camargo Garanhani Andressa Fochesatto Leandro de Oliveira Belgrowicz UNIVERSIDADE

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA DA DISCIPLINA DE ANÁLISE NO CURSO DE MATEMÁTICA DA UNESP DE RIO CLARO

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA DA DISCIPLINA DE ANÁLISE NO CURSO DE MATEMÁTICA DA UNESP DE RIO CLARO ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA DA DISCIPLINA DE ANÁLISE NO CURSO DE MATEMÁTICA DA UNESP DE RIO CLARO Sílvio César Otero Garcia Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" silvioce@gmail.com

Leia mais

C O R P O D O C E N T E CORPO DOCENTE

C O R P O D O C E N T E CORPO DOCENTE CRP DCENTE Relação atual dos professores do Campus Rio Paranaíba da Universidade Federal de Viçosa, em ordem alfabética, incluindo dados funcionais e titulação. C R P D C E N T E 162 Corpo Docente UFV

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

XIV JORNADA DE PSICOLOGIA 23 a 27 de Agosto de 2011 Umuarama Paraná Brasil UNIPAR UNIVERSIDADE PARANAENSE

XIV JORNADA DE PSICOLOGIA 23 a 27 de Agosto de 2011 Umuarama Paraná Brasil UNIPAR UNIVERSIDADE PARANAENSE ADRIANA RODRIGUES FERNANDES 08/09910 Breve currículo de sua formação acadêmica: Psicóloga (PUCPR), Mestre em Saúde Coletiva (UERJ), Especialista em Psicologia do Trabalho (UFPR) e em Docência do Ensino

Leia mais

INTRODUÇÃO. Capes Relatório Anual: Avaliação Continuada 2005 - Ano Base 2004 Área de Avaliação: GEOGR AFIA

INTRODUÇÃO. Capes Relatório Anual: Avaliação Continuada 2005 - Ano Base 2004 Área de Avaliação: GEOGR AFIA Relatório Anual: Avaliação Continuada 5 - Ano Base INTRODUÇÃO. Optou-se neste relatório por manter na introdução, os dados históricos da área de Pós-graduação em Geografia, constante no relatório do triênio

Leia mais

Mestrado Profissional em Matemática

Mestrado Profissional em Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional Sociedade Brasileira de Matemática 02 Novembro de 2014 Breve Histórico 8/nov/2010 Ofício do CTC-ES recomendando o PROFMAT. Homologado pela Portaria

Leia mais

INFORME PAIS - BRASIL RELATO ESCOLAS BRASIL

INFORME PAIS - BRASIL RELATO ESCOLAS BRASIL INFORME PAIS - BRASIL RELATO ESCOLAS BRASIL Oswaldo Francisco de Almeida Júnior Pretendemos apresentar, em um breve relato, um panorama da situação dos cursos de Biblioteconomia e dos profissionais bibliotecários

Leia mais

Intercâmbio Acadêmico entre Brasil e Estados Unidos: Leopoldo Nachbin - bolsista da Fundação Rockefeller

Intercâmbio Acadêmico entre Brasil e Estados Unidos: Leopoldo Nachbin - bolsista da Fundação Rockefeller Intercâmbio Acadêmico entre Brasil e Estados Unidos: Leopoldo Nachbin - bolsista da Fundação Rockefeller Lucieli Maria Trivizoli Universidade Estadual de Maringá Brasil lmtrivizoli@uem.br Resumo O presente

Leia mais

CURSO: Matemática. Missão

CURSO: Matemática. Missão CURSO: Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos, pedagógico e matemático, permeado pelos recursos

Leia mais

MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015

MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015 MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015 2ª FASE - ECT SUPLENTE EXCLUÍDO LISTA DE CANDIDATOS SERIAÇÃO CARLA MARIA CARNEIRO ALVES Doutoramento em Didática de Ciências e Tecnologias 3,9 de 5 4 CARLOS EDUARDO DOS

Leia mais

DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO IFAM: UM BREVE HISTÓRICO SOBRE O PROCESSO DE IFETIZAÇÃO NO AMAZONAS.

DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO IFAM: UM BREVE HISTÓRICO SOBRE O PROCESSO DE IFETIZAÇÃO NO AMAZONAS. DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES AO IFAM: UM BREVE HISTÓRICO SOBRE O PROCESSO DE IFETIZAÇÃO NO AMAZONAS. Martinho Correia Barros Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas martinho.correia@ifam.edu.br

Leia mais

INTERCÂMBIO MATEMÁTICO ENTRE BRASIL E ESTADOS UNIDOS: IMPLICAÇÕES PARA AMPLIAÇÃO DE BIBLIOTECAS MATEMÁTICAS BRASILEIRAS

INTERCÂMBIO MATEMÁTICO ENTRE BRASIL E ESTADOS UNIDOS: IMPLICAÇÕES PARA AMPLIAÇÃO DE BIBLIOTECAS MATEMÁTICAS BRASILEIRAS INTERCÂMBIO MATEMÁTICO ENTRE BRASIL E ESTADOS UNIDOS: IMPLICAÇÕES PARA AMPLIAÇÃO DE BIBLIOTECAS MATEMÁTICAS BRASILEIRAS LUCIELI M. TRIVIZOLI * Introdução Este trabalho é decorrente de uma pesquisa na qual

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) PARA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, MODALIDADE BACHARELADO DA UNESP FACULDADE DE ENGENHARIA, CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II SUMARÉ 2016

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II SUMARÉ 2016 1 FACULDADE NETWORK CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II SUMARÉ 2016 2 PRINCIPAIS DIRIGENTES Diretora Interina Prof.ª Doutoranda Tânia Cristina Bassani Cecilio Doutorado: Doutoranda em Ciências

Leia mais

DADO S DA ESTRUTURA C URRIC UL AR

DADO S DA ESTRUTURA C URRIC UL AR Portal do Coordenador UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CNPJ: 18.657.063/0001 80 SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE ACADÊMICAS EMITIDO EM 14/01/2016 09:32 DADO S DA ESTRUTURA C URRIC UL AR Código:

Leia mais

As Demandas de Formação Matemática do Professor dos Anos Iniciais e o Currículo do Curso de Pedagogia: a compatibilidade é (im)possível?

As Demandas de Formação Matemática do Professor dos Anos Iniciais e o Currículo do Curso de Pedagogia: a compatibilidade é (im)possível? As Demandas de Formação Matemática do Professor dos Anos Iniciais e o Currículo do Curso de Pedagogia: a compatibilidade é (im)possível? Maria de Lourdes Melo Reis Maia 1 GD7 Formação de Professores que

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

IV ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA - ANPUH-BA HISTÓRIA: SUJEITOS, SABERES E PRÁTICAS. 29 de Julho a 1 de Agosto de 2008. Vitória da Conquista - BA.

IV ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA - ANPUH-BA HISTÓRIA: SUJEITOS, SABERES E PRÁTICAS. 29 de Julho a 1 de Agosto de 2008. Vitória da Conquista - BA. IV ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA - ANPUH-BA HISTÓRIA: SUJEITOS, SABERES E PRÁTICAS. 29 de Julho a 1 de Agosto de 2008. Vitória da Conquista - BA. OS EVENTOS PROFISSIONAIS DE ENSINO DA MATEMÁTICA NO PROCESSO

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX Bruno Alves Dassie Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro Universidade Estácio de Sá O objetivo desta

Leia mais

Rio de Janeiro, 29 de julho de 2011. Claudio Landim Coordenador

Rio de Janeiro, 29 de julho de 2011. Claudio Landim Coordenador Certifico que Ana Paula de Araújo Chaves - Universidade de Brasilia (UNB) participou do 28º Colóquio Brasileiro de Matemática, que teve lugar no Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada - IMPA,

Leia mais

Alessandra Maria Sabatine Zambone (Coordenadora)

Alessandra Maria Sabatine Zambone (Coordenadora) Alessandra Maria Sabatine Zambone (Coordenadora) Titulação: Doutora Doutora em Direito Difusos e Coletivos pela Universidade Metropolitana de Santos UNIMES. Mestre em Direito Difusos e Coletivos pela Universidade

Leia mais

Reconhecimento do Curso de Bacharelado em Ciência da Computação, com ênfase em Análise de Sistemas e Software

Reconhecimento do Curso de Bacharelado em Ciência da Computação, com ênfase em Análise de Sistemas e Software INTERESSADO/MANTENEDORA Universidade Federal de Uberlândia MG ASSUNTO Reconhecimento do Curso de Bacharelado em Ciência da Computação, com ênfase em Análise de Sistemas e Software RELATOR SR. CONS Layrton

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Metodologia do Ensino Superior Imperatriz

Leia mais

Alessandra Maria Sabatine Zambone (Coordenadora) Adriana Preti Nascimento (em licença) Antonio José Vieira Junior

Alessandra Maria Sabatine Zambone (Coordenadora) Adriana Preti Nascimento (em licença) Antonio José Vieira Junior DOCENTES Alessandra Maria Sabatine Zambone (Coordenadora) Titulação: Doutora Doutora em Direito Difusos e Coletivos pela Universidade Metropolitana de Santos UNIMES. Mestre em Direito Difusos e Coletivos

Leia mais

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Professora Áurea Santos, com o grupo de estudantes do Instituto Federal do Piauí pioneiro no intercâmbio com Espanha e a Portugal: A experiência

Leia mais

CORPO DOCENTE DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA CIVIL

CORPO DOCENTE DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA CIVIL CORPO DOCENTE DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA CIVIL Alcyr de Morisson Faria Neto (Especialista) Regime de Trabalho: Horista Área de conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Qualificação profissional: Arquitetura

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO E POLÍTICA SOBRE DROGAS

INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO E POLÍTICA SOBRE DROGAS INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO E POLÍTICA SOBRE DROGAS Roberta Uchôa Pollyanna Pimentel Juliana Lins (orgs.) Recife, setembro/2012 Editora Universitária UFPE SUMÁRIO Apresentação...... 03 O saber teórico e

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

Curso de Pós-Graduação lato Sensu em Matemática para Negócios. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP)

Curso de Pós-Graduação lato Sensu em Matemática para Negócios. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP) Curso de Pós-Graduação lato Sensu em Matemática para Negócios. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP) 1. Apresentação Com os avanços tecnológicos inseridos no mundo informatizado e virtual e a forma

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem como objeto de análise o processo de

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL (SENAI): CRIAÇÃO E PROPOSTAS EDUCATIVAS / CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO SOCIAL

Leia mais

Matemática e Estatística do Tamanho do Brasil

Matemática e Estatística do Tamanho do Brasil Matemática e Estatística do Tamanho do Brasil Papel da Sociedade Brasileira de Matemática Marcelo Viana Um pouco de História 1829-1864 : Joaquim de Souza (Escola Militar do Rio de Janeiro) final do século

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação

Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação LINHA 1 - PERSPECTIVAS FILOSÓFICAS, HISTÓRICAS E POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Estimados Professores, Estudantes e Funcionários

Estimados Professores, Estudantes e Funcionários UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Autorizada pelo Decreto Federal Nº 77.496 DE 27.4.1976 Reconhecida pela Portaria Ministerial nº 874/86 de 19.12.86 Recredenciada pelo Decreto Estadual 9.271, de

Leia mais

Anais do IX Seminário Nacional de História da Matemática

Anais do IX Seminário Nacional de História da Matemática Anais do IX Seminário Nacional de História da Matemática Sociedade Brasileira de História da Matemática Primeiro Colóquio Brasileiro de Matemática: identificação de um registro First Brazilian Colloquium

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

Como elaborar Memorial e Curriculum Vitae

Como elaborar Memorial e Curriculum Vitae Como elaborar Memorial e Curriculum Vitae Luciana Pizzani Rosemary Cristina da Silva Memorial Memorial é o relatório circunstanciado que se apresenta à comissão de progressão funcional, o qual inclui a

Leia mais

1. Coeficiente de Rendimento Escolar mínimo e Formação Acadêmica:

1. Coeficiente de Rendimento Escolar mínimo e Formação Acadêmica: Critérios Norteadores para o Processo Seletivo ao Programa de Pós-Graduação em Matemática da UFCG, no Curso de Mestrado, Modalidade Acadêmico - Área de Matemática - A Seleção para a área de matemática

Leia mais

Subsídios para o Plano de Reordenamento dos Recursos Humanos no âmbito do Ministério da Saúde

Subsídios para o Plano de Reordenamento dos Recursos Humanos no âmbito do Ministério da Saúde Universidade de Brasília - UnB Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares - CEAM Núcleo de Estudos de Saúde Pública - NESP Programa de Políticas de Recursos Humanos de Saúde - POLRHS Subsídios para

Leia mais

UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB

UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB Amanda dos Santos Souza (Licencianda em Matemática/UFPB) Carla Manuelle Silva de Almeida (Licencianda em Matemática/UFPB)

Leia mais

O MOVIMENTO ASSOCIATIVO DE BIBLIOTECÁRIOS NA COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA

O MOVIMENTO ASSOCIATIVO DE BIBLIOTECÁRIOS NA COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO DE BIBLIOTECÁRIOS NA COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA O presente trabalho apresenta o contexto histórico em que surgiram os movimentos associativos de bibliotecários no Brasil

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR - GESTÃO DE PESSOAS ESTRUTURA CURRICULAR Metodologia da Pesquisa Científica Liderança, Equipe e Motivação Gestão de Pessoas e o Marketing de Serviços Planejamento Estratégico Aplicado à Gestão de Pessoas

Leia mais

Palavras-chave: Projeto de ensino; reprovação em Matemática; monitoria.

Palavras-chave: Projeto de ensino; reprovação em Matemática; monitoria. REPROVAÇÃO EM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: UMA TENTATIVA DE REDUZIR OS ALTOS ÍNDICES Profa. Dra. Camila Pinto da Costa Universidade Federal de Pelotas camila.ufpel@gmail.com Profa. Dra. Rejane Pergher

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ALGUMAS CONCEPÇÕES E INFLUÊNCIAS DO MOVIMENTO DA MATEMÁTICA MODERNA

EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ALGUMAS CONCEPÇÕES E INFLUÊNCIAS DO MOVIMENTO DA MATEMÁTICA MODERNA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ALGUMAS CONCEPÇÕES E INFLUÊNCIAS DO MOVIMENTO DA MATEMÁTICA MODERNA GT 03 História da Matemática e Etnomatemática Ana Priscila Borges Bermejo, UEPA, anapriscilabermejo@yahoo.com.br

Leia mais

Metodologia de Pesquisa Jurídica e Elaboração de Projeto

Metodologia de Pesquisa Jurídica e Elaboração de Projeto Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito do Trabalho Metodologia de Pesquisa Jurídica e Elaboração de Projeto Carga Horária:

Leia mais

Palavras Chave: Monitoria, Matemática no Ensino Superior, Reprovação em Matemática.

Palavras Chave: Monitoria, Matemática no Ensino Superior, Reprovação em Matemática. ISSN 2177-9139 MONITORIAS NAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: RESULTADOS E PERSPECTIVAS Juliana Borges Pedrotti julianabpedrotti@gmail.com Universidade Federal de Pelotas, Instituto de Física

Leia mais

Reconhecimento do Curso de Ciência da Computação. Pe. Antônio Geraldo Amaral Rosa

Reconhecimento do Curso de Ciência da Computação. Pe. Antônio Geraldo Amaral Rosa UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS RJ Reconhecimento do Curso de Ciência da Computação Pe. Antônio Geraldo Amaral Rosa 1 - RELATÓRIO 01. 0 PEDIDO: A Reitora da Universidade Católica de Petrópolis encaminha

Leia mais

BEHAVIORISMO NO PARANÁ EM TEMPOS DE DITADURA MILITAR: O CASO DA UEL

BEHAVIORISMO NO PARANÁ EM TEMPOS DE DITADURA MILITAR: O CASO DA UEL BEHAVIORISMO NO PARANÁ EM TEMPOS DE DITADURA MILITAR: O CASO DA UEL Marcelo Mazzotti Bono Belascusa (PIBIC/CNPq/FA/UEM), Carlos Lopes Eduardo (Orientador), e-mail: caedlopes@gmail.com, Carolina Laurenti

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG Juliana Diniz Gutierres FURG Stephany Sieczka Ely FURG Maria Renata Alonso Mota FURG Suzane da Rocha Vieira FURG Resumo: Esse estudo apresenta parte dos

Leia mais

Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática

Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática Lista de Contactos do Departamento de Engenharia Informática Gabinete/Cargo Nome Extensão E-mail Diretor Luiz Felipe Rocha de Faria 1450 lef@isep.ipp.pt Sub-diretor(es) António Constantino Lopes 1462 acm@isep.ipp.pt

Leia mais

Notas Biográficas de Autores

Notas Biográficas de Autores Notas Biográficas de Autores Notas biográficas de autores 347 História. Revista da FLUP. Porto, IV Série, vol. 3-2013, 345-349 CHRISTIAN FAUSTO MORAES DOS SANTOS possui graduação em História e mestrado

Leia mais

As universidades do Brasil mais respeitadas por empregadores Os diplomas mais valorizados pelas empresas

As universidades do Brasil mais respeitadas por empregadores Os diplomas mais valorizados pelas empresas As universidades do Brasil mais respeitadas por empregadores Os diplomas mais valorizados pelas empresas Camila Pati, de EXAME.com São Paulo - Para elaborar seus rankings de melhores universidades, a Quacquarelli

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado

Mostra de Projetos 2011. Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado Mostra de Projetos 2011 Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: II - Projetos finalizados

Leia mais

A Matemática Aplicada no Brasil: O caso da USP (1946 1970)

A Matemática Aplicada no Brasil: O caso da USP (1946 1970) A Matemática Aplicada no Brasil: O caso da USP (1946 1970) GABRIEL SOARES BÁDUE 1 1. Introdução As transformações nas práticas científicas a partir do final do século XIX somadas a maiores investimentos

Leia mais

SERVIDORES DO CCA. Alberto Luis da Silva Pinto Cargo: Assistente em Administração e-mail: alspinto@ufpi.edu.br Setor: Secretaria Administrativa

SERVIDORES DO CCA. Alberto Luis da Silva Pinto Cargo: Assistente em Administração e-mail: alspinto@ufpi.edu.br Setor: Secretaria Administrativa SERVIDORES DO CCA Alberto Luis da Silva Pinto e-mail: alspinto@ufpi.edu.br Setor: Secretaria Administrativa Amilton Gonçalves da Silva Cargo: Auxiliar Operacional Aminthas Floriano Filho Cargo: Técnico

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 EMENTA DA DISCIPLINA O Estudo das funções e suas aplicações

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Curso de especialização em Educação Matemática. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP)

Curso de especialização em Educação Matemática. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP) Curso de especialização em Educação Matemática. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP) 1. Apresentação/Público Alvo Este curso de Pós-Graduação Lato Sensu é destinado especialmente a alunos graduados

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms.

PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms. FUNDAÇÃO UNIVERSITARIA FEDERAL DO TOCANTINS UFT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms. Autores: Prof. Paulo Alexandre Oliveira Acad.

Leia mais

E-mail: Currículo lattes:

E-mail: Currículo lattes: CORPO DOCENTE DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM LINHAS ESPECÍFICAS EM AGRONEGÓCIOS E GESTÃO AMBIENTAL Adalberto Wolmer do Nascimento Silva (Especialista) Regime de Trabalho: Tempo Parcial Área de Conhecimento:

Leia mais

II Meeting dos Profissionais do Direito Privado

II Meeting dos Profissionais do Direito Privado II Meeting dos Profissionais do Direito Privado Informações Técnicas: Período: 23 a 26 de setembro de 2014 Local: Clube de Engenharia Av. Rio Branco, 124/25º Andar Programação do Meeting: Dia 23 de setembro

Leia mais

O pleito passa agora a ser apreciado nesta Câmara, nos aspectos concernentes aos recursos materiais e humanos indispensáveis.

O pleito passa agora a ser apreciado nesta Câmara, nos aspectos concernentes aos recursos materiais e humanos indispensáveis. Sociedade Educacional São Paulo Redistribuição de Vagas JACKS GRINBERG 1 - RELATÓRIO A Sociedade Educacional São Paulo, Mantenedora da FESP - Faculdade de Engenharia São Paulo, com sede na Capital do Estado

Leia mais

Reunião Ordinária de maio de 2015 Previsão de relato de pareceres CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. N Processo Interessado Assunto Relator

Reunião Ordinária de maio de 2015 Previsão de relato de pareceres CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. N Processo Interessado Assunto Relator MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Reunião Ordinária de maio de 2015 Previsão de relato de pareceres CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR 1. 23001.000040/2015-31 Décio Alves de Lima 2. 23001.000133/2014-85

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Janeiro de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Janeiro de 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2009 Janeiro de 2011 PRINCIPAIS RESULTADOS - CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR GRADUAÇÃO

Leia mais

O Plano Orientador de Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro e o início da Universidade de Brasília 1962

O Plano Orientador de Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro e o início da Universidade de Brasília 1962 O Plano Orientador de Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro e o início da Universidade de Brasília 1962 21 de abril de1960 Linha do tempo Juscelino Kubitscheck apresenta ao Congresso Nacional o Projeto de Lei

Leia mais

INDICADORES DE INTERNACIONALIZAÇÃO NO BRASIL

INDICADORES DE INTERNACIONALIZAÇÃO NO BRASIL INDICADORES DE INTERNACIONALIZAÇÃO NO BRASIL Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul 20 de outubro de 2014 Denise de Menezes Neddermeyer Diretora de Relações Internacionais Principais Tópicos

Leia mais

UM POUCO DA HISTÓRIA DO INSTITUTO DE MATEMÁTICA DA UFRGS ORIGENS

UM POUCO DA HISTÓRIA DO INSTITUTO DE MATEMÁTICA DA UFRGS ORIGENS UM POUCO DA HISTÓRIA DO INSTITUTO DE MATEMÁTICA DA UFRGS Prof. Aron Taitelbaum Prof. Eduardo Brietzke ORIGENS Como o título indica, não faremos aqui um estudo metódico e científico da história do Instituto

Leia mais

Escola, trabalho e cidadania: um estudo longitudinal com jovens egressos e não-ingressantes de um programa de inclusão de jovens UFBA UFMA UFMG

Escola, trabalho e cidadania: um estudo longitudinal com jovens egressos e não-ingressantes de um programa de inclusão de jovens UFBA UFMA UFMG Escola, trabalho e cidadania: um estudo longitudinal com jovens egressos e não-ingressantes de um programa de inclusão de jovens UFBA UFMA UFMG Instituição líder e Coordenação geral - Universidade Federal

Leia mais

Os equipamentos listados pela Comissão Verificadora atendem satisfatoriamente ao mínimo requerido para um Bacharelado em Ciência da Computação.

Os equipamentos listados pela Comissão Verificadora atendem satisfatoriamente ao mínimo requerido para um Bacharelado em Ciência da Computação. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PARECER N. 078/95 CEE/SESu/MEC PROCESSO N. 23065.003376/94-34 MANTENEDORA: AUTARQUIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ALAGOAS ESTABELECIMENTO

Leia mais

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ ISSN 2316-7785 UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ Marinela da Silveira Boemo Universidade Federal de Santa Maria marinelasboemo@hotmail.com Carmen Reisdoerfer Universidade

Leia mais

ASPECTOS DA MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO. Luiz Adauto da Justa Medeiros

ASPECTOS DA MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO. Luiz Adauto da Justa Medeiros ASPECTOS DA MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO Luiz Adauto da Justa Medeiros Muitos poucos lêem e ouvem e são esses poucos que passam os recados adiante para a posteridade. (Alfredo Marques) Introdução Ao tentarmos

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara CONSELHO SUPERIOR ACADÊMICO E ADMINISTRATIVO RESOLUÇÃO CSAA N 04/2015 Regulamenta as Atividades Complementares dos Cursos de Graduação das Faculdades Integradas de Taquara. O Presidente do Conselho Superior

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E ACADÉMICOS

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E ACADÉMICOS Campus Universitário de Viseu REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E ACADÉMICOS Preâmbulo O presente Regulamento visa definir os princípios gerais e procedimentos a adotar nos diferentes atos que se

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO CURSO DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO CURSO DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA ISSN 2177-9139 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO CURSO DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Gerusa Camargo Rodrigues gerusa.cr@gmail.com Ana Maria Zornitta de Alencar ana.zornitta@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, ÁREA 46 DA CAPES, SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA. Osmair Benedito da Silva (Departamento de Química, Universidade

Leia mais

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 12

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 12 ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 12 Índice ANEXO 1: Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior....3 1. Introdução...3 2. Justificativa do projeto...3

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais