Os Desafios, a competitividade e o futuro da indústria brasileira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os Desafios, a competitividade e o futuro da indústria brasileira"

Transcrição

1 Medidas Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Competitividade Exportadora Financiamento à Exportação Defesa Comercial Defesa da Indústria e do Mercado Interno Desoneração da Folha de Pagamento Outros Benefícios Tributários e Fiscais Regimes Especiais Setoriais: TICs, Reporto e Automotivo Compras Governamentais Regulação Plano Brasil Maior - PBM 2011/2014 Os Desafios, a competitividade e o futuro da indústria brasileira 10 Junho 2013

2 I. Evolução da Política Industrial

3 Políticas Industriais Recentes Política Industrial Tecnológica e de Comércio Exterior - PITCE Política de Desenvolvimento Produtivo - PDP Plano Brasil Maior - PBM

4 Contexto Pré-Plano Ameaças e fragilidades Baixo esforço tecnológico empresarial Passivos estruturais Instabilidade e incerteza macroeconômica externa Restrição fiscal

5 Contexto pré-plano A crise mundial continuava... Crescimento do PIB Mundial, em anos (%) Resultado de 2012 foi bem abaixo das previsões Fonte: Economist Intelligence Unit

6 Contexto pré-plano Forte desaceleração da indústria: fenômeno global Crescimento do produto industrial mundial, % em relação ao mesmo trimestre do ano anterior Fonte: UNIDO

7 Contexto pré-plano Setor manufatureiro perdia peso no PIB na maioria dos países Indústria de transformação, em % no valor adicionado da economia

8 Brasil reuniu condições para responder à crise internacional Mercado interno dinâmico: geração de emprego e renda Menor dependência dos mercados externos Programa de investimento Solidez fiscal e acumulação de reservas Controle da inflação

9 O Plano

10 FOCO Inovação Tecnológica e Adensamento Produtivo Prioridades Criar e fortalecer competências críticas da economia nacional. Aumentar o adensamento produtivo e tecnológico das cadeias de valor. Ampliar mercados interno e externo das empresas brasileiras.

11 Panorama geral O Plano Brasil Maior, lançado em agosto de 2011, avança para completar seu segundo ano de implementação. Nesse período, diversas medidas foram lançadas visando a recuperação da competitividade da indústria brasileira e de seus serviços conexos. Esse conjunto de medidas pode ser organizado em quatro grandes blocos: (i) Redução dos custos de trabalho e capital; (ii) Incentivos ao investimento e à inovação tecnológica; (iii) Estímulos às exportações e defesa comercial; (iv) Estímulos ao desenvolvimento das cadeias produtivas.

12 Redução dos custos de trabalho e capital Medida Desoneração da folha de pagamento Eliminação da contribuição patronal do INSS com compensação parcial de nova alíquota sobre faturamento bruto, excluída receita bruta de exportações

13 Medidas instituídas a partir de agosto de 2011

14 Redução dos custos de trabalho e capital Medida Situação Ampliação Simples Nacional - Reajuste de 50% em todas as faixas de faturamento: (i) de R$ 120 para R$ 180 mil (ii) de R$ 1,2 para 1,8 milhão (iii) de R$ 2,4 para 3,6 milhões - Limite adicional de R$ 3,6 milhões das exportações para fins de enquadramento - Lei Complementar 139, 10/11/11-4,3 milhões de optantes em 18/07/12 (incremento de 6,3% desde a vigência dos novos limites) Ampliação Microempreendedor Individual MEI: alteração do limite de R$ para R$ Lei Complementar 139, 10/11/11-2,3 milhões de optantes em 18/07/12 (incremento de 38,3% desde a vigência do novo limite)

15 Medida Incentivos ao investimento e à inovação tecnológica Situação BNDES PROGEREN: ampliação e facilitação do capital de giro para aumento da produção, do emprego e da massa salarial - Novos setores e condições de crédito/prazo - Resolução BNDES 2.131, 02/08/11 - Aumento de dotação, redução de juros, inclusão de grandes empresas e ampliação de limite por grupo econômico Resolução BNDES 2.199, 20/12/11, e Resolução BNDES 2.239, 03/04/12 - Redução de juros e ampliação dos setores beneficiados Resolução BNDES 2.255, 01/06/2012 Relançamento do Programa BNDES de Revitalização de Empresas (BNDES Revitaliza): novas condições de financiamento, inclusão de novos setores e ampliação do prazo para exportação - Relançamento do Revitaliza Resolução BNDES 2.161, 11/10/11 - Inclusão de novos setores e ampliação do prazo de financiamento para exportações para 24 meses Resolução BNDES 2.237, 03/04/12 - Redução de juros Resolução BNDES 2.270, 25/06/12

16 Medida Incentivos ao investimento e à inovação tecnológica Situação Programa de Sustentação do Investimento (PSI) - Extensão PSI até dez/12: inclusão de novos setores/programas implantada Resolução BNDES 2.165, 11/10/11 - PSI-4: aporte de R$ 45 bilhões do Tesouro para o BNDES e prorrogação do prazo até 31/12/2013 PSI Ônibus e Caminhões: ampliação de prazo, elevação da participação BNDES e redução de juros; PSI Demais Bens de Capital: elevação da participação BNDES e redução de juros; PSI Exportação (Pré-embarque): ampliação de prazo, elevação da participação BNDES e redução de juros PSI Inovação - BNDES e FINEP: unificação das linhas de apoio à inovação, redução de juros e ampliação de carência PSI Projetos Transformadores: nova linha para constituição de capacidade tecnológica e produtiva em setores de alta intensidade de conhecimento e engenharia (bens não produzidos no País que induzam encadeamentos e ganhos de produtividade e qualidade)

17 Medida Incentivos ao investimento e à inovação tecnológica Plano Inova Empresa: investimento em inovação para ampliar a produtividade e a competitividade

18 Medida Estímulos às exportações e defesa comercial Situação Aceleração do ressarcimento de créditos aos exportadores: processamento automático, com pagamento em 60 dias, para empresas com escrituração fiscal digital - 24,6 mil pedidos já analisados (R$ 22,6 bilhões) até 30/04/ Processamento eletrônico dos pedidos, com análise e conclusão integralmente automática, está em pleno funcionamento Instituição Reintegra: devolução via restituição e/ou compensação de créditos residuais na cadeia produtiva para exportações realizadas até 31/12/13 Lei , 14/12/2011 (conversão da MP 540), regulamentada pelo Decreto 7.633, 01/12/11: cerca de 9 mil NCMs (manufaturas) e alíquota de 3% - Viabilizados pedidos de compensação e ressarcimento via internet (Programa PER/DCOMP): - Recebidos pedidos de ressarcimento (R$ 470 milhões) até 31/05/12 - Compensadas 922 declarações (R$ 173 milhões) até 31/05/ MP 601, 28/12/2012, prorroga o Regime até 31/12/2013

19 Estímulos às exportações e defesa comercial Medida Situação Criação do Fundo de Financiamento à Exportação MPME - PROEX FINANCIAMENTO -Lei , 14/12/11 (conversão da MP 541) - Decreto 7.714/12 altera decreto 4.993/04, inserindo nova atribuição ao Comitê de Financiamento e Garantia de Exportações: orientar atuação da União no FFEX -Estatuto concluído e aprovado pelo COFIG - Aguardando criação da Pessoa Jurídica e integralização de cotas de até R$ 1 bilhão - A PGFN está analisando o documento Ampliação dos recursos para o Programa de Financiamento à Exportação (PROEX): de R$ 1,24 bilhão para R$ 3,1 bilhões (Financiamento R$ 1,6 bilhão + Equalização R$ 1 bilhão + FFEX integralização de cotas R$ 500 milhões) - Lei , 30/07/12, assegura crédito suplementar no valor de R$ 1,355 bilhão -Crédito aberto e recursos disponibilizados aos exportadores -Orçamento 2013: R$ 1 bilhão para o PROEX- Equalização e R$ 1,5 bilhão para o PROEX- Financiamento

20 Estímulos às exportações e defesa comercial Medida Situação Combate à circunvenção - Concluídas 2 investigações anticircunvenção - Em vigor sobretaxa para cobertores de fibras sintéticas chineses importados do Uruguai e Paraguai (Resolução CAMEX n 12/12) Combate à falsa declaração de origem Concluídas 19 investigações (Portarias Secex 2011 nº 25, 33, 41, 44 e 47; Circular SECEX 2011 nº 66; Portarias Secex 2012 nº 3, 4, 8, 12, 30, 31, 33,35 e 42; Portarias SECEX 2013 nº 8, 9, 10 e 17): ímãs de ferrite, escovas de cabelo, lápis de madeira, magnésio metálico e calçados (abril/2013)

21 19 Agendas Estratégicas Setoriais

22 Agendas Estratégicas Setoriais Agendas Setoriais caracterizam-se por dar maior foco nas questões estratégicas de cada setor. Proposições de médio e longo prazo visando a mudar o patamar de desenvolvimento das cadeias (8%) 64 (25%) 122 (48%) (6%) 33 (13%) Objetivos Iniciativas Medidas Bloco 1 Bloco 2 Bloco 3 Bloco 4 Bloco 5

23 Número de pessoas envolvidas na Construção das Agendas Estratégicas Setoriais : 880 Governança do PBM, na construção das AES As 19 AES trazem um total de 295 propostas de medidas Em 2011, ocorreram 31 reuniões (os Conselhos só foram instituídos em 2012) ; em 2012 foram 221 e, em 2013, 18, perfazendo um total de 270

24 Estímulos ao desenvolvimento das cadeias produtivas Medida Situação AUTOMOTIVO Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotores (Inovar-Auto): incentivo tributário associado ao investimento, à agregação de valor, ao emprego, à inovação, à segurança veicular e à eficiência energética dos veículos. Objetivos: - Fortalecer a cadeia de fornecimento automotivo - Assegurar investimento em pesquisa, desenvolvimento e inovação - Aumentar volume de gastos em engenharia e Tecnologia Industrial Básica (TIB) - Aumentar segurança dos veículos produzidos e comercializados no país - Aumentar eficiência energética dos veículos: meta de consumo de combustível - O regime Inovar Auto (regulamentado pelo Decreto /12 e atualizado pelo Decreto 8.015/13) faculta a habilitação de empresas produtoras, comercializadoras (importadoras) e investidores (novas plantas industriais) - Em função das diferentes modalidades (produtor, importador ou investidor), as empresas devem cumprir critérios de habilitação relacionados à realização compulsória de atividades fabris no país (de 8 a 10 atividades) e optar por 2 dos 3 requisitos relacionados a dispêndios em P&D, dispêndios em Engenharia e participação no Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular (PBEV) - Em relação à P&D, a empresa recebe metade dos seus dispêndios até o limite de 2% da Receita Operacional Bruta, descontados os impostados. - Além disso, a empresa pode auferir crédito presumido de IPI de até 30 pontos percentuais, associados ao percentual de compras de insumos estratégicos e ferramentaria pelas montadoras

25 Estímulos ao desenvolvimento das cadeias produtivas Medida Situação AUTOMOTIVO Relançamento do BNDES Exim Pré-embarque Automóveis: financiamento para a produção destinada à exportação de automóveis, associada a compromisso de exportação de, no mínimo 20% do total de unidades previstas para produção nas novas plantas ou de novos modelos - Resolução BNDES 2.271, de 26/06/12 P&G, e NAVAL Ampliação do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Cadeia de Fornecedores de Bens e Serviços de Petróleo e Gás Natural (BNDES Pro-P&G): o programa apoia à cadeia de empresas fornecedoras de bens e serviços de petróleo e gás, com objetivo de buscar soluções para alguns dos entraves à competitividade e ao desenvolvimento do setor, tais como a dificuldade de acesso ao crédito, o elevado custo de capital e o acesso à tecnologia de ponta - Programa operacional e orçamento disponível

26 Estímulos ao desenvolvimento das cadeias produtivas Medida Situação P&G, e NAVAL INOVA PETRO - Plano Conjunto BNDES-Finep-Petrobras de Fomento a Projetos de Inovação na Cadeia de Fornecedores de Bens e Serviços relacionados ao Setor de Petróleo e Gás Natural: Inserido no Plano Inova Empresa, destina R$ 3 bilhões para tecnologias aplicáveis em processamento de superfície, instalações submarinas, dutos flexíveis e seus acessórios, poços e sistemas de completação inteligente de poços - Assinatura do Plano em 13/08/12 e lançamento do 1º edital em 17/09/12-58 cartas de manifestação de interesse recebidas (solicitação de recursos de R$ 2,7 bilhões), das quais 33 foram selecionadas para apresentar Plano de Negócios. P&G, e NAVAL REPORTO - Prorrogação e Ampliação do Regime Tributário de Incentivo à Modernização e Ampliação da Estrutura Portuária: o Reporto desonera do Imposto de Importação, do IPI e do PIS/Cofins investimentos em portos e ferrovias sem similar nacional. A medida visa prorrogar e ampliar os benefícios, incluindo outras atividades, além dos investimentos destinados à movimentação de carga e treinamento - Lei /2012 altera a Lei /2004, prorrogando os benefícios do Reporto até 31/12/15 - Lei , de 17/09/12 (conversão da MP 563), altera a Lei /2004, ampliando o seu escopo - Aguarda-se decreto de regulamentação

27 Estímulos ao desenvolvimento das cadeias produtivas Medida Situação TIC PADIS - Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Semicondutores: revisão do apoio ao desenvolvimento tecnológico da indústria (inclusão de fornecedores estratégicos de semicondutores e displays como beneficiários) - Lei , 17/09/12 -Obrigatoriedade de P&D na etapa de corte aguardando regulamentação - Em negociação desembaraço aduaneiro expresso TIC REPNBL-Redes Regime Especial de Tributação do Programa Nacional de Banda Larga para Implantação de Redes de Telecomunicações -Lei , 17/09/12 -Decreto 7.921, 15/02/13 - Portaria 55, 12/03/13, estabelece procedimentos para submissão, análise, aprovação, acompanhamento e fiscalização dos projetos no âmbito do REPNBL

28 Estímulos ao desenvolvimento das cadeias produtivas Medida Situação TIC PROUCA Programa Um Computador por Aluno: inclusão digital nas escolas públicas ou sem fins lucrativos de atendimento a pessoas com deficiência - Lei , 17/09/12 - Regulamentada pelo Decreto 7.750, 08/06/12 TIC REICOMP Regime Especial de Incentivo a Computadores para Uso Educacional - Lei , 17/09/12 - Regulamentada pelo Decreto 7.750, 08/06/12

29 Estímulos ao desenvolvimento das cadeias produtivas Medida Situação COMPLEXO DA SAÚDE Inova Saúde: Inserido no Plano Inova Empresa, destina R$ 1,9 bilhão para a estruturação da cadeia de valor em biotecnologia, síntese química e biofármacos e em equipamentos e dispositivos médicos COMPLEXO DA SAÚDE Ampliação do Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde (BNDES Profarma): o programa objetiva financiar os investimentos de empresas sediadas no Brasil, inseridas no Complexo Industrial da Saúde, através dos subprogramas BNDES Profarma - Produção, BNDES Profarma - Exportação, BNDES Profarma - Inovação e BNDES Profarma - Reestruturação. - Lançamento do Edital de Seleção Pública Conjunta BNDES/Finep/MCTI/Ministério da Sáude de Apoio à Inovação Tecnológica no Setor de Equipamentos Médicos e Tecnologias para a Saúde Inova Saúde (Equipamentos Médicos) 02/ Lançamento do Edital de Seleção Pública Conjunta Finep/MCTI/MS/CNPQ de Apoio à Inovação Tecnológica no Setor de Saúde Inova Saúde (Biofármacos, Farmoquímicos e Medicamentos) - 03/ Seleção Pública prevista no Edital aberta em 11/04/13 - Programa operacional e orçamento disponível

30 Medida Estímulos ao desenvolvimento das cadeias produtivas Situação DEFESA, AERONÁUTICO E ESPACIAL RETID Regime Especial Tributário para a Indústria de Defesa: regras de incentivo à área estratégica de defesa por meio do estabelecimento de regime especial tributário DEFESA, AERONÁUTICO E ESPACIAL Inova Aerodefesa Inserido no Plano Inova Empresa, destina R$ 2,9 bilhões para veículos balísticos e não tripulados, sensores, comando e controle, propulsão espacial, satélites e plataformas espaciais, plataformas tecnológicas para aeronaves mais eficientes e novos materiais - Lei , de 22/03/12 (conversão MP 544) -- Lei , de 02/04/13 (conversão da MP 582), inclui vendas para as Forças Armadas na suspensão/alíquota zero do regime -- Decreto de regulamentação encaminhado à Casa Civil - Lançamento do Edital de Seleção Pública Conjunta Finep/BNDES/MD/AEB de Apoio à Inovação Tecnológica nos Setores Aeroespacial, Defesa e Segurança - Inova Aerodefesa - 04/ Seleção Pública prevista no Edital aberta em 17/05/13 DEFESA, AERONÁUTICO E ESPACIAL Ampliação do Programa de Financiamento às Empresas da Cadeia Produtiva Aeronáutica Brasileira (BNDES Pró- Aeronáutica): visa ao adensamento da cadeia produtiva da indústria aeronáutica brasileira, provê financiamento de longo prazo para apoiar investimentos realizados por micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) fornecedoras. - Programa operacional e orçamento disponível

31 Estímulos ao desenvolvimento das cadeias produtivas Medida Situação ENERGIAS RENOVÁVEIS PAISS - Plano BNDES e FINEP de Apoio à Inovação Tecnológica Industrial dos Setores Sucroenergético e Sucroquímico - 35 planos de negócio selecionados, com investimento total de R$ 3,3 bi até 2015 para desenvolvimento, produção e comercialização de novas tecnologias de processamento da biomassa da cana de açúcar - edital lançado em 17/05/11, com foco no desenvolvimento de bioetanol de 2ª geração, tecnologias de gaseificação e novos produtos de cana de açúcar; orçamento previsto de R$ 1 bilhão. ENERGIAS RENOVÁVEIS BNDES Prorenova - Criação do Programa de apoio à renovação e implantação de novos canaviais: financiamento à ampliação de canaviais e da oferta de etanol - Criação do Prorenova: Resolução BNDES 2.209, de 03/01/12

32 Estímulos ao desenvolvimento das cadeias produtivas Medida Situação ENERGIAS RENOVÁVEIS Inova Energia: Plano de Apoio à Inovação Tecnológica no Setor Elétrico: Inserido no Plano Inova Empresa, destina R$ 3 bilhões para redes elétricas inteligentes, transmissão de energia em ultra alta tensão, energias alternativas, veículos híbridos e eficiência energética veicular ENERGIAS RENOVÁVEIS Novas Regras para Credenciamento de Geradores Eólicos: incentivo à fabricação no país de componentes com alto conteúdo tecnológico e uso intensivo de mão de obra - Assinatura em 01/04/13 e lançamento do edital Finep, BNDES/MDIC e Aneel /MME para seleção conjunta de planos de negócios de empresas visando o apoio financeiro a projetos no âmbito do Inova Energia (Edital de Seleção Pública Conjunta ANEEL/BNDES/FINEP de Apoio à Inovação Tecnológica no Setor Elétrico Inova Energia 01/2013) empresas manifestaram interesse (solicitação de recursos de R$ 13,7 bilhões), das quais 177 foram selecionadas (solicitação de recursos de R$ 7,8 bilhões). - Decisão de Diretoria BNDES 1.380, de 11/12/12

33 Estímulos ao desenvolvimento das cadeias produtivas Medida Situação QUÍMICA REIF: Regime Especial de Incentivo ao Desenvolvimento da Infraestrutura da Indústria de Fertilizantes : implantação ou ampliação de infraestrutura para produção de fertilizantes e seus insumos - Lei , 02/04/13 (conversão da MP 582) - Aguardando regulamentação dispondo sobre a forma de habilitação e coabilitação, os projetos de investimentos que não produzam exclusivamente fertilizantes e os requisitos de investimento em PD&I QUÍMICA Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Plástico (BNDES Proplástico): o programa tem, entre os seus objetivos, incentivar o aumento da produção de transformados plásticos e da reciclagem no país, melhorar os padrões de qualidade dos produtos e a produtividade das empresas instaladas no Brasil, além de modernizar e renovar o parque industrial de transformados plásticos. - Programa operacional e orçamento disponível

34 Um aspecto importante é a consistência da política industrial. Uma política industrial que focasse apenas a mudança estrutural com efeitos no longo prazo, em um momento de crise internacional, que ainda persiste, poderia inviabilizar-se. Assim, o Governo Federal procurou atuar tanto por meio de medidas estruturantes de longo prazo, quanto pela adoção de medidas urgentes de estabilização e estímulo da indústria manufatureira brasileira. Mas, isso não garantiu isenção da crise internacional, nem tampouco fez a indústria subir a escada para um patamar mais elevado de competitividade.

35 A política industrial não tem sido suficiente para reverter as preocupações e os resultados da indústria brasileira

36 Alguns desafios ainda precisam ser solucionados: Estimular os investimentos públicos e, sobretudo, os privados; Aumentar a competitividade da indústria brasileira: produtividade e inovação; Reduzir os custos tributários, econômicos e financeiros.

37 II. Adensamento produtivo e fomento à inovação tecnológica

38 Plano Brasil Maior A Política Industrial Brasileira A Política industrial brasileira tem claro foco em inovação e adensamento produtivo e tecnológico das cadeias de valor da indústria e serviços

39 Empresas brasileiras procuram inovar? Elas acessam os instrumentos e recursos de inovação?

40 Dispêndio em P&D Mesmo com a crise, a maioria dos países desenvolvidos aumentou o dispêndio em P&D 4,0 % PIB 3,5 Japão 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0,0 Coreia do Sul Estados Unidos União Europeia 1,11% China 1,17% Brasil crise ,0% ,3% 2011

41 Inovação de produto e processo Percentual de empresas industriais com mais de 500 pessoas ocupadas que inovaram 2011 / 2012 Percentual de empresas: 4º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre º trimestre 2012 Inovadoras de produto ou processo 54,5 54,4 55,7 52,4 51,8 De produto 42,4 43,1 42,0 42,6 38,8 Produto novo para empresa 37,4 39,4 38,3 38,3 35,6 Produto novo para o mercado 18,3 15,5 14,9 13,3 12,7 De processo 36,4 37,2 38,1 34,5 35,0 Processo novo para a empresa 32,1 33,7 32,8 30,9 31,5 Processo novo para o mercado 11,6 9,4 12,4 8,1 8,6

42 Inovação de produto e processo Percentual de empresas com produtos novos, mas já existentes no mercado nacional 2010 / ,0% 60,0% 50,0% 51,4% 46,1% 51,6% 55,4% 56,6% 62,6% 59,1% 62,7% 60,6% 61,7% 61,7% 64,4% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% -10,0% 35,8% 31,4% 28,9% 28,6% 26,4% 26,5% 26,8% 24,3% 25,1% 22,4% 27,0% 25,6% 11,4% 10,4% 10,3% 10,8% 9,1% 7,9% 5,8% 7,7% 9,1% 9,0% 6,6% 5,7% 5,7% 7,8% 8,3% 6,9% 7,0% 6,2% 5,0% 6,2% 5,3% 5,2% 4,5% 4,3% 1º Tri 20102º Tri 20103º Tri 20104º Tri 20101º Tri 20112º Tri 20113º Tri 20114º Tri 20111º Tri 20122º Tri 20123º Tri 20124º Tri 2012 Nenhum novo produto Até 3 De 4 a 6 7 ou mais

43 Inovação de produto e processo Percentual de empresas com processos novos, mas já existentes no mercado nacional 2010 / ,0% 65,0% 55,0% 51,4% 54,9% 52,6% 58,5% 56,6% 65,5% 66,1% 68,0% 66,3% 66,9% 69,0% 68,5% 45,0% 35,0% 34,3% 38,9% 39,9% 33,4% 36,5% 30,8% 28,5% 26,8% 28,6% 28,6% 27,0% 25,9% 25,0% 15,0% 5,0% -5,0% 8,6% 3,1% 4,8% 4,5% 5,3% 3,2% 3,3% 3,9% 3,0% 3,5% 2,6% 4,3% 5,7% 3,1% 2,1% 3,1% 1,7% 0,3% 1,6% 1,5% 2,2% 0,8% 1,1% 1,4% 1º Tri 20102º Tri 20103º Tri 20104º Tri 20101º Tri 20112º Tri 20113º Tri 20114º Tri 20111º Tri 20122º Tri 20123º Tri 20124º Tri 2012 Nenhum novo processo Até 3 De 4 a 6 7 ou mais

44 Expectativas / intenção em inovar Expectativas de inovação e inovação realizada pelas empresas industriais com mais de 500 pessoas ocupadas 2010 / ,0% 77,2% 75,0% 74,3% 71,8% 72,3% 70,0% 71,4% 71,5% 67,6% 65,0% 60,0% 67,7% 61,6% 62,1% 59,9% 60,4% 64,8% 62,8% 60,0% 60,3% 61,2% 55,0% 50,0% 1º trim º trim º trim º trim º trim ,4% 54,2% 54,5% 54,4% 2º trim º trim º trim º trim ,7% 2º trim ,4% 51,8% 3º trim º trim º trim 2013 Expectativas de inovação das empresas industriais Inovação realizada pelas empresas industriais

45 Pessoal ocupado em P&D % empresas com pessoas ocupadas em P&D 4o. trim % 90% 2,6 2,2 17,4 8,2 5,6 16,8 80% 70% 30,5 16,8 43,9 60% 50% 37,0 17,5 40% 77,8 30% 20% 10% 0% 55,8 27,9 29,5 10,8 Doutores Mestres Pós-graduados Graduados Nenhum Até 3 De 4 a 6 7 ou mais

46 Pessoal ocupado em P&D % firmas com pessoal ocupado exclusivamente em P&D, por graduação 2010/ ,0% 90,0% 80,0% 70,0% 60,0% 83,5% 80,6% 83,5% 86,5% 66,8% 66,3% 82,1% 83,5% 68,7% 65,4% 86,0% 87,8% 86,9% 87,1% 85,6% 72,4% 71,9% 72,4% 89,2% 70,1% 68,9% 70,5% 50,0% 40,0% 41,8% 43,5% 35,7% 37,5% 41,7% 42,1% 45,1% 41,4% 43,3% 44,2% 44,3% 44,2% 30,0% 20,0% 20,9% 24,1% 16,1% 19,1% 18,4% 17,6% 20,2% 19,7% 20,9% 20,7% 19,9% 22,2% 10,0% 0,0% 1º Tri º Tri º Tri º Tri º Tri º Tri º Tri º Tri º Tri º Tri º Tri º Tri 2012 Doutores Mestres Pós-graduados Graduados

47

48

49

50 Instrumentos

51 Consultas por UF

52 Perfil de quem consulta Brasil Ceará

53 Consultas por Modalidade Brasil Ceará

54 Consultas por Porte (Faturamento) Brasil Ceará

55 Ceará Brasil Consultas por Setor do PBM

56 Ceará Brasil Consultas por Tipo de Instrumento

57 Qual a efetividade desses instrumentos de incentivo à inovação? Qual o maior desafio para as firmas utilizarem os recursos de inovação?

58 Estudo ABDI demonstrou que, ao longo dos últimos 10 anos, mesmo com a ampliação da oferta de instrumentos, não houve um correspondente aumento da demanda de tais instrumentos por parte das empresas. A despeito do aumento na diversidade de oferta dos instrumentos, não mudaram as características das firmas beneficiadas: são grandes empresas, atuantes em mercados internacionais e com dispêndios elevados em P&D, em relação às firmas brasileiras. Número limitado de firmas que acessaram as diferentes modalidades de instrumentos de apoio ou promoção à inovação.

59 Possíveis explicações para o relativo insucesso A ampliação de possibilidades das MPMES terem acesso às formas de recursos não reembolsáveis poderia ser uma alternativa a ser perseguida pelos formuladores da política.

60 Qual a efetividade dos instrumentos de inovação? A efetividade dos instrumentos de apoio e seu consequente comprometimento de recursos. - A análise dos indicadores de inovação e dos instrumentos demonstrou que existem associações positivas entre taxa de inovação, esforço tecnológico e obtenção de apoio governamental. - A evolução da produtividade pode ser explicada pela taxa de investimento em P&D. - Esse conjunto de variáveis mostra a importância da inovação como um dos fatores explicativos para a evolução da produtividade da economia brasileira. - Entretanto, quando se busca avaliar em que medida os instrumentos destinados ao estímulo das atividades inovativas são eficientes, os resultados são ambíguos.

61 O que se torna importante discutir, além da própria definição da política de inovação e da sua forma de coordenação entre instituições, são os mecanismos de seleção de empresas/projetos, e a avaliação continuada a fim de buscar uma maior eficiência do sistema e da política de inovação.

62 III. Ampliação de mercado

63 Conjuntura e competitividade externa pesquisa trimestral que capta se o crescimento industrial tende a permanecer, acelerar ou reduzir seu ritmo. O ISEI é segmentado em: Índice de Crescimento Esperado da Demanda, Índice de Qualidade do Crescimento da Indústria e Índice de Competitividade Externa A competitividade externa alcançou resultados favoráveis no 4ºtrim/2012, em meio a uma crise internacional ainda não superada. Mas, os problemas criados pelo setor externo para a economia industrial brasileira desde 2004 e, mais fortemente, a partir de 2006, redundaram em um ambiente que se deteriorou, mês após mês, durante praticamente sete anos.

64 Conjuntura e competitividade externa Índice de Competitividade Externa - 4 trim 2012

65 Conjuntura e competitividade externa A taxa de câmbio real efetiva, desde o final de 2004, apresenta um comportamento em que predomina a valorização da relação real-dólar. As desvalorizações concentraram-se no período inicial da série ( ) e no final (2012). Entre 2005 e 2011, a taxa de câmbio real efetiva viveu trimestres seguidos de valorização. A relação entre a exportação de bens manufaturados sobre o total de exportações do país também contribuiu negativamente para a percepção do cenário da competitividade externa do país: dos 45 trimestres observados, em 33 (73,3%) o Brasil viu declinar a participação dos manufaturados na exportação do total do país. A relação entre bens de consumo importados sobre o PIB, não apresentou melhor sorte; dos 45 trimestres, em 18 (40%) o país diminuiu a presença de bens de consumo fabricados no exterior no gasto dos brasileiros. O mais dramático é a constatação que, entre o 2ºtrim/2006 e o final de 2011, houve um aumento significativo de importados no total de bens consumidos no mercado interno

66 Conjuntura e competitividade externa - Na verdade, a crise econômica internacional tem sido extensa e de grandes proporções; - O Brasil não está imune aos efeitos da crise; - A crise explica, em certa medida, porque os índices de produção industrial no Brasil não têm evoluído como se previa.

67 Variação do PIB, do PIB industrial em 12 meses e taxa de investimento ( ) 25,0% 20,0% 18,3% 18,7% 20,6% 18,7% 17,0% 17,2% 19,2% 18,6% 19,2% 19,2% 20,5% 18,9% 19,5% 18,8% 20,0% 18,8% 18,7% 17,9% 18,7% 17,4% 15,0% 10,0% 5,0% 0,0% 6,8% 6,4% 6,6% 5,2% 2,9% 6,4% 6,0% 5,7% 3,0% 0,7% -1,4% -0,3% 2,5% 10,6% 10,1% 5,3% 6,8% 7,6% 7,6% 4,9% 3,7% 2,7% 6,3% 5,3% 3,9% 1,7% 0,1% -1,3% 1,9%1,2% 0,9% 0,9% -5,0% -2,7% -1,5% -2,9% -3,2% -2,6% -10,0% -15,0% I 2008 II 2008 III 2008 IV ,3% -8,7% -11,2% I 2009 II 2009 III 2009 IV 2009 I 2010 II 2010 III 2010 IV 2010 I 2011 II 2011 III 2011 IV 2011 I 2012 II 2012 III 2012 IV 2012 PIB PIB Indústria Transf. Taxa de investimento

68 Conjuntura e competitividade externa O índice de produção industrial se mantém mais ou menos no mesmo patamar de dez anos; O país enfrenta uma competição externa muito agressiva

69 Resultado recente da indústria é motivo de preocupação Produção industrial 1º Tri/2013 decepcionou as expectativas queda de 0,5% (comparação com mesmo período 2012); No mesmo período, o volume de importados avançou 8,1% - Quantidade importada de bens não duráveis subiu 10,8%, e produção de bens semi e não duráveis caiu 3,9%; - Bens de capital foram exceção: importação subiu 7,1%, enquanto que a produção ficou 9,8% maior

70 Conjuntura e competitividade externa Quais as principais tarefas do Estado? Expandir o mercado e defendê-lo de práticas comerciais fraudulentas, ilegais e abusivas; e Assegurar à indústria brasileira condições crescentes de competitividade

71 Conjuntura e competitividade externa Empenhar-se para reduzir as taxas de juros (política macroeconômica vs. política industrial Garantir financiamento de longo prazo para o investimento; Assegurar revisão progressiva da estrutura de tributos; Não permitir uma valorização excessiva do real Isso tem a ver com competitividade da indústria

72 Conjuntura e competitividade externa Aumentar o percentual de investimentos (público e privado) sobre o PIB o Condição para assegurar competitividade da indústria; o Reforçar o investimento em pesquisa e desenvolvimento de produtos, em inovação tecnológica

73 IV. Sistema de gestão

74 Arenas de articulação público - privado Anos 90: Câmaras Setoriais e Grupos Executivos de Políticas Setoriais (GEPS). a) Participação de membros que não tinham representatividade; b) Membros do setor privado não considerava os Grupos como instâncias formais de negociação, porque não havia qualquer compromisso do governo; c) Não havia agenda nem sequência de debates e negociações; d) O modus operandi não demonstrava que era uma instância decisória de política industrial.

75 Arenas de articulação público - privado FHC.1 prática do insulamento burocrático nas decisões. FHC.2 ressuscita as câmaras setoriais a) Quando se instala uma crise econômica, atores sociais, como sindicatos e representações empresariais reivindicam a ativação de fóruns de negociação coordenados pelo Estado.

76 Arenas de articulação público - privado Políticas industriais do século XXI: a) Recriação e fortalecimento dos mecanismos institucionais de articulação e negociação entre setor público e privado; b) Reaparecimento das instâncias de governança setorial. O ressurgimento das instâncias setoriais se dá num contexto no qual o Estado assume que deixou de ser o ator dominante, e reconhece a importância a variedade de atores sociais que participam do cenário público Amplia-se a capacidade de diálogo entre os empresários, trabalhadores e governo, permitindo organizar melhor as demandas do setor produtivo, e viabilizando a priorização e o atendimento pelo governo.

77 Sistema de Gestão do PBM

78 Características dominantes na articulação público - privado a) Ação empresarial é fragmentada e heterogênea, baseada na convivência de diversas formas de defesa de interesses específicos ou setoriais b) incapacidade histórica do empresariado de formular plataformas de teor abrangente, incorporando demanda de outros setores e da classe trabalhadora c) A persistência na utilização de conexões pessoais (rede criada por lideranças de grupos econômicos e grandes empresas de setores estratégicos), para ter acesso à alta cúpula governamental d) Papel centralizador do Estado como formulador e executor de políticas econômicas, e como indutor do padrão de ação coletiva da classe empresarial. e) pouca disposição governamental para práticas de concertação, preferindo exercitar o atendimento de balcão, típico do modelo empresarial fragmentado.

79 V. Crítica à política industrial - Em que podemos avançar mais e melhor?

80 Uma das principais críticas: o ativismo do governo excesso de intervencionismo estatal na economia, comprometendo a competitividade. Política industrial é um dos alvos preferidos: a desoneração da economia é considerada medida paliativa, incapaz de aumentar a competitividade do setor produtivo.

81 A direção da política industrial Construção de pontes estabelecer agendas de diálogo do governo com o setor produtivo sobre temas considerados estratégicos, por meio das diversas instâncias do sistema de gestão do PBM.

82 Duas constatações 1. Além dos países emergentes, os países de economias dinâmicas retomaram ativamente suas políticas industriais, como consequência da crise internacional de 2008; - Advanced Manufacturing Policy, do Governo Obama 2. Política industrial brasileira é convergente com o que os países mais dinâmicos estão fazendo.

83 Alinhamento às diretrizes OCDE Principais recomendações: 1) Construção de legitimidade institucional para políticas industriais de longo prazo a maioria das medidas do PBM é de longa maturação 2) Construção de políticas baseadas em alianças públicoprivado sistema de gestão do PBM; 3) Espaço político institucional para a emergência de novos setores diretriz do PBM de criar competências tecnológicas; 4) Garantia de financiamento de longo prazo para P&D convergência com o Inova Empresa;

84 Desafios para avançar Política industrial precisa ser inserida na agenda central do governo Harmonizar política macroeconômica com a política industrial e tecnológica Encarar de frente os desafios do mercado internacional: exportações com maior intensidade tecnológica, internacionalização de empresas brasileiras, MPMEs exportadoras

85 Desafios para avançar Expandir a taxa de investimento Investir pesado em inovação, qualidade da produção e modernização das linhas de produção Encurtar a distância que há entre os instrumentos de incentivo à inovação e as MPMEs

86 Territorialização do Plano Brasil Maior no Ceará Frentes de convergência Adensamento de cadeias produtivas locais, regionais, nacional Enraizamento das atividades produtivas Poder de compra do Estado compras governamentais Agendas Tecnológicas estaduais Novas frentes de debate serão incorporadas de acordo com a característica da UF.

87

Plano BrasilMaior A PolíticaIndustrial Brasileira. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano BrasilMaior A PolíticaIndustrial Brasileira. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano BrasilMaior A PolíticaIndustrial Brasileira 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Mauro Borges Lemos Presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial novembro 2012

Leia mais

2011/2014. Medidas de Lançamento

2011/2014. Medidas de Lançamento 2011/2014 Medidas de Lançamento Principais Medidas Estímulos ao Investimento e à Inovação Desonerações Tributárias Financiamento ao Investimento e à Inovação Marco Legal da Inovação Comércio Exterior Desonerações

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

Seminário sobre Inovação e Tecnologia APIMEC INOVA EMPRESA. Helena Tenório Veiga de Almeida. Chefe do Departamento de Inovação

Seminário sobre Inovação e Tecnologia APIMEC INOVA EMPRESA. Helena Tenório Veiga de Almeida. Chefe do Departamento de Inovação Seminário sobre Inovação e Tecnologia APIMEC INOVA EMPRESA Helena Tenório Veiga de Almeida Chefe do Departamento de Inovação Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação

Leia mais

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Medidas Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Plano Competitividade Brasil Exportadora Maior Financiamento à Exportação 2011/2014 Defesa Comercial Defesa da Indústria e do Mercado Interno

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

GOVERNO LANÇA UM PACOTE DE ESTÍMULOS PARA INDÚSTRIA BRASILEIRA

GOVERNO LANÇA UM PACOTE DE ESTÍMULOS PARA INDÚSTRIA BRASILEIRA GOVERNO LANÇA UM PACOTE DE ESTÍMULOS PARA INDÚSTRIA BRASILEIRA Foi divulgado nesta terça o Plano Brasil Maior do governo federal, com medidas de estímulo à indústria brasileira. O objetivo principal é

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO Medidas Fiscais da Política Industrial 2 Redução de Tributos Equalização de taxas de Juros Simplificação de Operações Redução do

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Orientações Estratégicas Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Contexto

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL 1 Estratégias: liderança mundial e conquista de mercados Objetivos: consolidar a liderança

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil Glauco Arbix Somente a inovação será capaz de reverter o quadro de estagnação da economia brasileira,

Leia mais

2011/2014. Medidas. Inovar para competir. Competir para crescer. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior. Financiamento à Exportação

2011/2014. Medidas. Inovar para competir. Competir para crescer. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior. Financiamento à Exportação s Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Plano Competitividade Brasil Exportadora Maior Financiamento à Exportação 2011/2014 Defesa Comercial Defesa da Indústria e do Mercado Interno

Leia mais

NOVO REGIME AUTOMOTIVO INOVAR-AUTO

NOVO REGIME AUTOMOTIVO INOVAR-AUTO NOVO REGIME AUTOMOTIVO INOVAR-AUTO OBJETIVOS Atração de Investimentos Inovação Tecnológica Incorporação Tecnológica Competitividade da Cadeia Automotiva Adensamento da Cadeia Automotiva Abrangência Automóveis,

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP

Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP Aluysio Asti Superintendente da Área de Planejamento- BNDES Abril/2006 Marcos

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Agenda de Políticas para Inovação Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Recursos Humanos para Inovação Horácio Lafer Piva - Klabin A Agenda Promover uma mudança no ensino brasileiro com direcionamento claro

Leia mais

Medidas de lançamento, agosto de 2011

Medidas de lançamento, agosto de 2011 Brasil Maior Medidas de lançamento, agosto de 2011 ANÁLISE O plano BRASIL MAIOR é a terceira versão de política industrial dos governos do PT. É importante reconhecer o esforço destes três últimos governos

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Medidas de Incentivo à Competitividade. Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010

Medidas de Incentivo à Competitividade. Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010 Medidas de Incentivo à Competitividade Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010 Devolução mais rápida de créditos tributários federais por exportações Devolução de 50% dos créditos de PIS/Pasep, Cofinse IPI

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda Tecnológica Setorial ATS 18 de junho de 2013 Sumário PBM e CIS Objetivo da ATS Focos das ATS Roteiro Metodologia para Seleção

Leia mais

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital PBM Agenda Setorial Bens de Capital São Paulo, 16 de janeiro de 2013 Objetivos Objetivos: Aumentar o Consumo Aparente de BK, com Redução Simultânea do Coeficiente de Importação Aumentar as Exportações

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI!

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! 1 É preciso elevar a produtividade da economia brasileira (Fonte: BID ECLAC, Índice 1980=100) Produtividade na Ásia (média

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS REINTEGRA Medida Incentivo fiscal à exportação. Beneficiados Pessoa jurídica produtora que efetue exportação direta ou indireta. Condições Exclusivo para bens manufaturados

Leia mais

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Josué Gomes da Silva IEDI Seminário Internacional: A Hora e a Vez da Política de Desenvolvimento Produtivo BNDES / CNI CEPAL / OCDE 22/09/2009

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

Estudos Agosto de 2011

Estudos Agosto de 2011 Estudos Agosto de 2011 Um olhar da Inventta: PLANO BRASIL MAIOR NOVAS OPORTUNIDADES PARA INOVAR? A Inventta analisou as medidas implementadas pelo governo federal e explica as mudanças para o contexto

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO Política de Desenvolvimento Produtivo Elevar dispêndio em P&D Meta: 0,65% PIB Ampliar Investimento Fixo Meta: 21% PIB Posição 2007: 17,6% Macrometas 2010 Dinamização

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Programas para fortalecer a PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho = destaques para novas

Leia mais

MEDIDAS DE POLÍTICA INDUSTRIAL. Brasília, 18 de junho de 2014

MEDIDAS DE POLÍTICA INDUSTRIAL. Brasília, 18 de junho de 2014 MEDIDAS DE POLÍTICA INDUSTRIAL Brasília, 18 de junho de 2014 1 Objetivos Fortalecer a indústria no novo ciclo de desenvolvimento econômico Estimular aumentos de produtividade e da competitividade Promover

Leia mais

Plano Brasil Maior. Medidas. Inovar para competir. Competir para crescer. Situação do conjunto de medidas: 07 de maio de 2012

Plano Brasil Maior. Medidas. Inovar para competir. Competir para crescer. Situação do conjunto de medidas: 07 de maio de 2012 s Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Competitividade Exportadora Plano Brasil Maior Financiamento à Exportação 2011/2014 Defesa Comercial Defesa da Indústria e do Mercado Interno

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Fevereiro 2014 Um olhar da Inventta: ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Maria Carolina Rocha, Marina Loures e Otávio Vianna 1. Introdução A Lei do Bem, cujo principal objetivo é promover

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS 1 Setor de Brinquedos Estratégias: Ampliação de Acesso e Conquista de Mercado Objetivos: 1 - Aumentar a competitividade; 2 - consolidar o

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Programas para fortalecer a PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS 1 Madeira e Móveis Estratégias: conquista de mercados, focalização, diferenciação e ampliação do acesso Objetivos:

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

O BNDES E A INOVAÇÃO

O BNDES E A INOVAÇÃO O BNDES E A INOVAÇÃO LUCIANO COUTINHO PRESIDENTE DO BNDES FÓRUM NACIONAL - INAE 17 de Maio de 2007 1 Onde Estamos A indústria de transformação precisa voltar a funcionar como motor propulsor da economia

Leia mais

PAINEL V : DESENVOLVIMENTO REGIONAL NA AMÉRICA LATINA ESTRUTURA PRODUTIVA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: EXPERIÊNCIAS LATINO-AMERICANAS

PAINEL V : DESENVOLVIMENTO REGIONAL NA AMÉRICA LATINA ESTRUTURA PRODUTIVA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: EXPERIÊNCIAS LATINO-AMERICANAS PAINEL V : DESENVOLVIMENTO REGIONAL NA AMÉRICA LATINA ESTRUTURA PRODUTIVA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: EXPERIÊNCIAS LATINO-AMERICANAS Ricardo Romeiro Coordenador Geral de Arranjos Produtivos Locais Secretária

Leia mais

Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho / 2014

Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho / 2014 Os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País As Políticas Industrial e de Inovação no setor de Petróleo e Gás Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho

Leia mais

Perspectivas, Desafios e Qualidade

Perspectivas, Desafios e Qualidade Perspectivas, Desafios e Qualidade 11. Encontro das Montadoras para a Qualidade Paulo Butori Presidente do Sindipeças e da Abipeças Sistemistas Tier 2 Tier 3 São Paulo, fevereiro novembro de de 2014 Agenda

Leia mais

Apoio do BNDES à Inovação

Apoio do BNDES à Inovação Atribuição-Sem Derivações-Sem Derivados CC BY-NC-SA Apoio do BNDES à Inovação 28 de Abril de 2015 Missão e Visão Missão Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira, com

Leia mais

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco CNI-MEI São Paulo, 19 de outubro de 2015 Agenda Atuação da BNDESPAR em Capital de Risco Participações diretas Participações por meio de Fundos de

Leia mais

Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional?

Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional? Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional? Com a participação ativa dos Metalúrgicos da CNM/CUT, em 3 de outubro de 2012 o Governo Federal publicou o decreto 7.819/2012 1 que

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009.

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Presidência 1 Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Instrumento institucional de apoio à execução de políticas de

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

Desenvolvimento de Mercado

Desenvolvimento de Mercado Desenvolvimento de Mercado DESENVOLVIMENTO DE MERCADO Frente aos importantes temas abordados pelo Fórum Temático de Desenvolvimento de Mercado, da Agenda 2020, destaca-se o seu objetivo principal de fomentar

Leia mais

Fórum Qualidade Automotiva - IQA

Fórum Qualidade Automotiva - IQA Fórum Qualidade Automotiva - IQA INOVAR-AUTO: EM BUSCA DA COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA BRASILEIRA Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Principais objetivos

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano BrasilMaior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Missão da FINEP Promover e financiar a Inovação e a Pesquisa científica e tecnológica em: Empresas; Universidades; Centros de pesquisa;

Leia mais

Apoio à Inovação. Desenvolve SP 11 de novembro de 2014

Apoio à Inovação. Desenvolve SP 11 de novembro de 2014 Apoio à Inovação Desenvolve SP 11 de novembro de 2014 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte de crédito de longo prazo para investimento

Leia mais

Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT

Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT Publicado em BNDES Setorial 39 Ricardo Rivera Ingrid Teixeira Luis Otávio Reiff Carlos Eduardo Azen Diego da Silva Moreira Rio

Leia mais

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Apresentação Paulo Butori Presidente do Sindipeças Elaboração: Assessoria Econômica do Sindipeças São Paulo, novembro de 2013 Números do

Leia mais

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização Agenda Inovação A Finep Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde Programas de Descentralização Nova fase da FINEP O que é inovação? Inovação é a introdução

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Campinas - SP 17.mar.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações 2014*

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ fevereiro de 2014 Principais Linhas para o setor de BK FINAME: produção e comercialização de máquinas, equipamentos, bens de informática

Leia mais

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE Agenda FINEP Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Programas Setoriais Inova Energia A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Christimara Garcia CEO Inventta+bgi São Paulo, 29 de abril de 2015 CONTEXTO BRASILEIRO APOIO DIRETO Captação de Recursos Evolução dos desembolsos

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Fevereiro de 2015 Os indicadores demonstram as dificuldades que as empresas de BK vêm encontrando... 2 3 Em um cenário adverso no

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009 CAFÉ COM CRÉDITO Santo André - SP 06 de outubro de 2009 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Bens de

Leia mais

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010 Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 05 de maio de 2010 Sumário 1. Importância Estratégica 2. Diagnóstico 3. Objetivos e Metas 4. Ações 5. Investimento 6. Governança e Fórum Brasil Digital 2 1. Importância

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato de máquinas têxteis; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ gera mais

Leia mais

Desafios para o desenvolvimento da Tecnologia de Informação e Automação

Desafios para o desenvolvimento da Tecnologia de Informação e Automação Associação de empresas do setor eletroeletrônico de base tecnológica nacional Desafios para o desenvolvimento da Tecnologia de Informação e Automação P&D Brasil - Quem somos Associação de empresas do setor

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Título da Apresentação. ABINEE TEC 2012 Programas de Financiamento para a Sustentabilidade na Indústria

Título da Apresentação. ABINEE TEC 2012 Programas de Financiamento para a Sustentabilidade na Indústria Título da Apresentação ABINEE TEC 2012 Programas de Financiamento para a Sustentabilidade na Indústria Setembro de 2012 Agenda A FINEP Inovação Programa Inova Brasil Sustentabilidade e Prioridades Brasil

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP A NOVA POLÍTICA INDUSTRIAL: AVANÇOS E LIMITES Grupo de Economia / Fundap Este artigo tem por objetivo fazer uma breve análise da nova política industrial, consubstanciada no Plano Brasil Maior (doravante

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 A oitava reunião mensal do ano da Comissão Trabalhista e de Gestão Empresarial superou as expectativas. 50 representantes

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE Fevereiro/2009 SUMÁRIO 1. Medidas já Adotadas 2. Novas Medidas 2 Medidas já adotadas Prorrogação para 31/12/09 do prazo de 60 dias fora o mês para

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Tributação e Incentivos à Inovação

Tributação e Incentivos à Inovação VIII Seminário do Setor de Saúde - BRITCHAM Tributação e Incentivos à Inovação São Paulo/SP, 17 de junho de 2009 Inovação Tecnológica no Brasil 30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação

Leia mais

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Mario Sergio Salerno Diretor de Estudos Setoriais do IPEA 1 de julho de 2005 Uma nova trajetória de desenvolvimento

Leia mais