Telefone via internet? Uma empresa de base tecnológica na onda da convergência digital

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Telefone via internet? Uma empresa de base tecnológica na onda da convergência digital"

Transcrição

1 105 Telefone via internet? Uma empresa de base tecnológica na onda da convergência digital Empresa: ComunIP Incubadora: Inova-UFMG Autoria: Lívia de Carvalho Furtado Tutoria: Claudio Afrânio Rosa Introdução A tecnologia de Voz sobre IP não era nada, apenas uma idéia, uma promessa. Foi o que contou Erik Cavalcante, sócio-fundador e Diretor de Operações da ComunIP Soluções de Mídia em Tempo Real S/A, situada em Belo Horizonte, Minas Gerais. Era o ano 2000 quando os colegas de faculdade, Erik Cavalcante e Guilherme Balena resolveram criar uma empresa para oferecer produtos e serviços baseados na tecnologia de transmissão de voz via Internet, chamada de Voz sobre IP, ou VoIP. Ambos eram ainda estudantes de Engenharia Elétrica na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e procuraram a incubadora do Centro de Inovação Multidisciplinar (CIM) que, mais tarde, se tornaria a Inova-UFMG. Naquele mesmo ano, o Skype 1 seria lançado mundialmente pela empresa global de mesmo nome. Pela primeira vez, tornava-se fácil e acessível falar pelo telefone via Internet, como num telefone comum. Daí o nome voz sobre IP (Internet Protocol). O mais atraente era a imensa economia nos custos de ligações à distância ou internacionais. A visão de Erik, de que a transmissão de voz via Internet era um mercado promissor, se confirmava. 1 O Skype é um programa instalado no computador que permite ampla comunicação via Internet, conversas por e em grupo, ligações para telefones fixos e celulares de qualquer lugar do mundo, transferência de arquivos, participação em chat etc. A empresa de mesmo nome, Skype, foi a responsável por desenvolver e popularizar a primeira rede de telefonia ponto a ponto e a tecnologia VoIP. Fonte:

2 106 E M P R E S A C O M U N I P Com essa convicção, os dois jovens empreendedores iniciaram a elaboração do Plano de Negócios e participaram do Programa de Pré-Incubação oferecido pelo CIM. O primeiro protótipo era muito simples: dois computadores ligados entre si por um sistema de transmissão de voz via Internet, que foi exposto no Minastec 2 daquele ano. Não era um produto comercial, longe disso, mas mostrava que, no Brasil, a gente tinha capacidade de criar a tecnologia para isso, explicou Erik. No Plano de Negócios, os novos empreendedores haviam definido que os produtos da empresa seriam voltados tanto para o mercado corporativo quanto para o usuário doméstico, como o famoso Skype. Em 2002 e 2003, a empresa passou pelo Programa de Incubação. No ano seguinte, os desafios de um negócio de base tecnológica começaram. Como oferecer aos potenciais compradores uma tecnologia para a qual ainda não estavam preparados? No decorrer de 2004, a empresa, nas palavras de Erik, patinou sem saber como acessar um mercado ainda tão conservador. Eles haviam passado quatro anos desenvolvendo uma plataforma tecnológica tendo como princípio inovação e qualidade, formatando uma família de produtos, mas sempre que procuravam possíveis clientes os negócios não andavam. Cabos, redes, softwares... e riscos O lançamento mundial do Skype, em 2000, foi o pontapé inicial para a popularização da tecnologia de transmissão de Voz sobre IP. Voltado para o usuário final, o Skype cresceu muito pela redução de custos com ligações à distância e internacionais, substituindo a linha telefônica, os tradicionais DDD e DDI, porém as pessoas e também as empresas só identificavam o VoIP com redução de custos telefônicos, sem vislumbrar o que essa tecnologia poderia proporcionar: a transmissão, em tempo real, 2 O Minastec é considerado o maior evento de tecnologia de Minas Gerais, com feira de tecnologias, espaço para as incubadoras, realização de cursos e workshops. É promovido pelo Sebrae Minas com apoio de parceiros.

3 107 não apenas de voz, mas de imagens e dados de qualquer tipo, com interatividade superior à de outras mídias. Era um meio de comunicação eficiente para ser usado pelo internauta, em sua casa, mas também entre funcionários de uma companhia e entre empresas e clientes, ou seja, inicialmente, tanto os usuários domésticos quanto as grandes empresas, incluindo as corporações do setor de Telefonia e Tecnologia da Informação, ainda possuíam uma visão limitada da tecnologia. Era uma prática a se conhecer. Contudo, outros indícios já demonstravam as condições de implementação do VoIP no mercado brasileiro: o crescente número de usuários de Internet em banda larga (um dos requisitos para o uso de voz sobre IP); a abertura do mercado de telecomunicações, cada vez mais competitivo; a expansão da telefonia celular e do acesso à Internet; a tendência à convergência midiática, a exemplo do acesso a vídeos, música, e Internet via aparelho de telefone celular, ou sons, imagens e comunicação instantânea na Internet, entre muitos outros exemplos. Em 2000, cerca de cinco milhões de brasileiros possuíam acesso residencial à Internet, mas apenas 671 mil utilizavam acesso via banda larga, conforme pesquisa da empresa Ibope/NetRatings, porém, a expectativa de crescimento era grande porque a Internet em alta velocidade se expandia em outros países e, no Brasil, o computador e a Internet eram cada vez mais acessíveis para as classes B e C. Os provedores já lançavam os primeiros produtos e pacotes de acesso em banda larga, com destaque para o Vírtua, da NET Serviços, pertencente à Rede Globo. Antes do boom na Internet brasileira, ainda no ano 2000, um estudante de graduação em Engenharia Elétrica da UFMG, chamado Erik Cavalcante, começou a refletir sobre o potencial mercadológico da transmissão de voz via Internet (VoIP). O rapaz conhecia profundamente essa tecnologia e, durante seu curso, já trabalhara em três pesquisas acadêmicas sobre o VoIP. Iniciou a busca

4 108 E M P R E S A C O M U N I P por pessoas interessadas em desenvolver e comercializar produtos baseados nessa tecnologia, pois queria um parceiro. Guilherme Balena, também estudante de Engenharia Elétrica da UFMG e conceituado na escola por sua capacidade, aceitou o convite de Erik. A nossa aposta era de que o VoIP, como o telefone ou o computador, se tornaria comum, seria usado por todos. Estávamos nos antecipando a uma nova cultura de mercado no setor, contou Guilherme. Na UFMG, como em muitas instituições de ensino superior brasileiras, a cultura do emprego era ainda muito forte. Todos queriam se graduar e procurar um emprego, mas eu não queria ficar limitado às metas de uma grande organização, relembrou Erik. Quando cursava o ensino médio profissionalizante, ele havia trabalhado em empresas e adquirido certa visão de mercado. Na sua família, havia casos de empreendedorismo bem sucedido. Eu e Guilherme havíamos decidido, abriríamos uma empresa. Abrindo o negócio Sem idéia do que era ter um negócio próprio, os estudantes procuraram a incubadora do Centro de Inovação Multidisciplinar CIM, na UFMG. Ali, alguém que viria a ser um importante parceiro os atendeu: Paulo Renato, diretor do CIM. Com o auxílio dele, Erik e Guilherme passaram seis meses estudando a visão do empreendimento, preparando documentos e elaborando um Plano de Negócios. Orientados pelo CIM, os estudantes inscreveram seu projeto no Programa de Apoio Tecnológico Micro e Pequenas Empresas (Patme) 3, uma parceria entre o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o Governo Federal. O recurso do Programa foi destinado à elaboração do EVTE (Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica) e à construção do protótipo. Com essa verba inicial, Erik e Guilherme criaram a primeira idéia do 3 O Patme, atual Sebraetec, oferece financiamento para projetos de desenvolvimento de novas tecnologias realizados por micro e pequenas empresas.

5 109 produto, com dois computadores ligados por rede e um sistema de comunicação rudimentar, nada comercial. Em setembro de 2001, a ComunIP foi criada formalmente e permaneceu incubada no CIM de 2002 a Nesse tempo, o CIM passava a ser Inova-UFMG e um novo sócio entrava na ComunIP, o mestrando e especialista em codificação de áudio e voz, Fábio Lacerda. Ele contou que antes do VoIP existir eu já pensava como seria mais fácil ligar via internet, pois gastava R$ 200 por mês para falar com minha família em Fortaleza. Nessa fase inicial, ouvimos muitos nãos: o VoIP não dá, o Brasil não tem estrutura`, diziam os professores. Os empresários participavam de cursos de capacitação, palestras, feiras de tecnologia, tudo para adentrar o universo empreendedor e conhecer melhor o setor em que atuavam. Com o Skype sendo lançado oficialmente no País, o mercado brasileiro começava a se abrir para a tecnologia VoIP, inicialmente entre usuários domésticos, ainda em pequena escala. Isso se dava, principalmente, por causa do aumento da oferta de serviços e da popularização da banda larga, pré-requisito para uso do VoIP. Em 2003 e 2004, a Internet via banda larga cresceu 90% ao ano no Brasil, superando a média mundial de 50% ao ano (Fonte: Teleco.com). Conhecendo esse cenário favorável, a ComunIP, com três sócios e vários bolsistas, empenhava-se em desenvolver e fortalecer uma plataforma de transmissão de voz e dados via Internet, que gerasse produtos de qualidade, com interface gráfica agradável e com características próprias. Foi criada, então, a família Click Voz, dividida em duas linhas: o Click Voz Comunicador, para uso corporativo e uso final, por exemplo, na rede interna de uma empresa; o Click Voz Call Center, um sistema de comunicação para atendimento, via Internet. Ambos os sistemas permitiam transmissão de dados e comunicação em tempo real, inclusive de imagem. Nessa época, o negócio sobrevivia basicamente do financia-

6 110 E M P R E S A C O M U N I P mento oferecido por órgãos públicos de fomento, como Sebrae, Fapemig (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais), Finep (Financiadora de Estudos e Projetos), CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). Os sócios não ganhavam nada, todo o dinheiro era direcionado aos bolsistas, equipamentos e produtos. Quando olho para trás, vejo que o suporte desses órgãos foi fundamental, acertaram muito com a ComunIP ao incentivar uma empresa de base tecnológica, diz Erik. Sério desafio Às vésperas da graduação na Inova-UFMG, em 2003, a empresa ainda não havia conquistado nenhum cliente e, praticamente, não possuía receita. Vivia do fomento público e de pequenos trabalhos esporádicos. Não havia atividade gerencial, apenas corpo técnico especializado e empenhado em desenvolver a plataforma de tecnologia VoIP. Os jovens empresários receberam então um convite do Instituto Inovação, acelerador de novos negócios, recém fundado por Paulo Renato, em Belo Horizonte. O primeiro caso de aceleração do Instituto seria a ComunIP. A empresa então graduou-se na Inova e, em 2004, instalou-se no Instituto, onde a equipe começaria a aperfeiçoar a formulação dos produtos e a buscar investidores. O Instituto tornava-se sócio da ComunIP, dividindo com ela as funções administrativa e comercial, com seus membros operando em conjunto nos produtos, na gestão e na conquista da clientela, porém, apesar do esforço, o negócio não decolava. Os três sócios buscavam clientes, mas não havia continuidade nos contatos. Ficávamos sem entender porque a idéia não pegava, não evoluía, e continua: fazíamos reuniões e víamos que a coisa não estava dando certo. Perguntávamos se alguém tinha dúvida sobre o futuro do empreendimento. Mas o interessante é que todos continuavam apostando na idéia, apesar dos problemas, ninguém queria desistir contou Erik. No final de 2004, os três sócios se deparavam com um desafio crucial para a sobrevivência

7 111 da empresa dali para frente: conseguir compreender por que uma plataforma de produtos com tecnologia nova e mundialmente promissora não era ainda aceita no mercado. 2005, o ano D para a ComunIP Ainda em fins de 2004, a ComunIP, com ajuda do Instituto Inovação, recebeu uma consultoria especializada do MIT (Massachusetts Institute of Technology), centro universitário americano e uma das maiores referências mundiais em tecnologia. A intenção era obter uma orientação qualificada sobre o rumo que a empresa poderia seguir e, também, um olhar externo sobre a inovação tecnológica com que estavam lidando. A equipe do MIT se debruçou sobre a ComunIP durante um mês e, ao final, validou a tecnologia, o caráter inovador do empreendimento e a qualidade dos produtos. Os consultores afirmaram que a tecnologia VoIP possuía grande potencial e que iria estourar mundialmente. Segundo os especialistas, o que a ComunIP precisava era de orientação do mercado. Como lembra Erik, até então nós havíamos desenvolvido produtos baseados na nossa perspectiva, a tecnológica, e não na perspectiva de mercado. A consultoria do MIT foi O primeiro passo para Erik, Guilherme e Fábio compreenderem a crise pela qual o negócio passava, mas ainda não era a solução. Até que, no início de 2005, com o respaldo de uma instituição de peso como o MIT, a ComunIP foi escolhida para receber investimentos do Fundo Novarum, o primeiro fundo brasileiro de investimentos de capital semente, ou seed money, ou seja, um fundo de investidores interessados em empresas nascentes, baseadas em pesquisa e alta tecnologia. Nesse caso, o investidor não recebia garantias de retorno financeiro, mas apostava em um negócio que, se bem sucedido, iria gerar mais lucratividade do que qualquer outra aplicação financeira padrão ou empresa tradicional. Em contrapartida ao investimento, o Fundo tornava-se um dos acionistas do negócio, dividindo os lucros que poderiam surgir.

8 112 E M P R E S A C O M U N I P Esse investimento foi o marco de uma nova empresa que teria agora a perspectiva da dinâmica do mercado e a capacidade de se adaptar às suas necessidades. Com o dinheiro obtido junto ao Fundo, a ComunIP iniciou uma grande reestruturação. O primeiro passo foi contratar um gestor executivo com talento e experiência de mercado. Entrava em cena o executivo Ronaldo Barreto, pós-graduado em Marketing pela UFMG e com MBA pela Fundação Dom Cabral. Ele trabalhava em uma multinacional de telecomunicações e trazia consigo uma ampla rede de contatos. Ronaldo também foi empreendedor, porque deixou uma grande corporação e salário alto para vir para a ComunIP, dizia Erik. Começaram refazendo todo o Planejamento Estratégico e, também, o Plano Comercial e o Financeiro. Ronaldo dizia: isso não é produto, isso é uma pesquisa acadêmica, se o mercado não aceita, não é produto, lembrou Fábio. Por isso, Ronaldo aproveitou o resultado da consultoria do MIT e reelaborou a visão da empresa. Erik, que sempre tendeu mais para o lado comercial, trabalhava diretamente com ele. Guilherme Balena tornou-se o Diretor de Tecnologia e Fábio Lacerda, Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento. Além disso, a ComunIP agora era uma S/A (Sociedade Anônima), com participação societária aberta. A empresa, apesar de ser pequena, começava a seguir uma linha de gestão corporativa bem mais profissionalizada, com divulgação mais rigorosa de resultados e um Conselho Administrativo formado pelos sócios. Com a experiência de várias tentativas de entrada no mercado e com a vivência de Ronaldo Barreto, os empresários definiram novas estratégias para a ComunIP. Concluíram que a empresa não possuía condições de formatar um produto final para o cliente em função da estrutura física e da equipe reduzida, o que não permitia o atendimento direto ao usuário. Por outro lado, o domínio completo sobre a plataforma tecnológica desenvolvida permitia flexibilidade, agilidade e soluções customizadas, da maneira como o cliente precisava. Desse modo, a melhor linha de ação comercial seria identificar parceiros estratégicos para

9 113 produzir soluções e serviços ao usuário final, ou seja, o produto final, diferenciado, seria desenvolvido em conjunto com o parceiro, que chegaria ao cliente final e compartilharia receitas. Esse era o modelo de negócio ideal não só para eles, como também para as grandes organizações, que queriam trabalhar com voz sobre IP no Brasil, mas não dominavam a tecnologia. Um mercado explosivo Naquele momento, ano de 2005, a tecnologia de transmissão de voz sobre IP começava de fato a se expandir no Brasil. Segundo estudo da Teleco, instituição especializada em pesquisas em telecomunicações, o aumento dos provedores de VoIP, a oferta do serviço pelos provedores de Internet tradicionais, tudo isso já estava impactando a receita das operadoras de telecomunicações. O mercado corporativo, responsável por 25% do faturamento das operadoras de telefonia fixa, já se despertava para as vantagens do voz sobre IP no atendimento aos clientes e na comunicação interna. Conforme pesquisa de outra instituição, a IDC Brasil, para 2005, as empresas brasileiras usuárias de tecnologia já colocavam o VoIP como prioridade de investimentos naquele ano num percentual de 61% a mais do que em relação a Também, em 2005, o número de conexões rápidas (banda larga) no País já chegava a quatro milhões, segundo pesquisa da IDC Brasil e da Teleco. O Brasil já estava entre os quinze primeiros países em conexões banda larga no mundo. As grandes operadoras atuantes, como Telefônica, Telemar, Embratel, Brasil Telecom, precisavam se adiantar ao avanço tecnológico que se iniciava e oferecer também serviços de VoIP aos clientes domésticos e corporativos. A tecnologia podia ser associada a outros serviços, como , telefones fixos e móveis, envio de dados e arquivos, um mundo de opções e de serviços a explorar. Em 2005 e 2006, fusões empresariais entre operadoras, 4 IDC Brasil, Brazil VoIP and its Impact on Communications Industry 2005.

10 114 E M P R E S A C O M U N I P provedores de Internet, empresas de TV a cabo e VoIP ocorreram, estimuladas pela realidade da convergência tecnológica. A versatilidade do VoIP era determinante para isso: podia ser usado de qualquer computador ou celular com acesso à Internet, permitia a troca instantânea de dados, sons e imagens, oferecia inúmeras possibilidades de colaboração, integração de sistemas, apresentações e reuniões, acesso a etc., com um nível de interação multimídia e dinamismo muito maior, em relação às formas convencionais de comunicação à distância, mesmo tratando de Internet e telefonia móvel. Sabendo disso, a ComunIP determinou outra estratégia: seu foco não seria mais Voz sobre IP, mas, sim, a transmissão de mídia em tempo real, via Internet (IP). Com a plataforma criada, seria possível unir o mundo das telecomunicações com o da tecnologia da informação (Internet, redes, softwares etc). Ainda em 2005, a ComunIP participou de uma seleção realizada pela Brasil Telecom IG (Internet Group), interessada em conhecer e testar produtos baseados na tecnologia VoIP. A ComunIP apresentava o produto Click Voz Comunicador, porém com nova estratégia mercadológica e grande capacidade de customização, como o cliente queria. Naquele momento, a força e a energia da equipe foi algo sensacional, todos trabalharam muito para conquistar esse primeiro cliente, tínhamos que acertar, contou Ronaldo, que mais tarde se tornaria sócio da ComunIP. O produto passou por todas as etapas de seleção, mas o diferencial da ComunIP era a versatilidade e a rapidez, ou seja, a capacidade de desenvolver-se e de se adaptar ao que o cliente queria, em tempo hábil. Essa capacidade, para Erik, vinha do profundo domínio da plataforma tecnológica. As outras empresas não possuíam isso, por utilizarem tecnologia importada, criada por terceiros. Os anos que passaram mergulhados no desenvolvimento tecnológico, preparando algo próprio, agora se revelavam uma grande vantagem competitiva.

11 115 Esse foi o primeiro grande cliente da ComunIP. Da parceria, surgiu o Lig, comunicador instantâneo do IG (Internet Group), que realizava ligações Internet-internet ou Internet telefone fixo. Desde então, o IG sempre contratava a ComunIP para desenvolver novas funcionalidades para a plataforma VoIP. A ComunIP vem conquistando uma carteira de clientes e parceiros importantes, com produtos utilizados em toda a região Sudeste e em Brasília. Em 2006, foi convidada para apresentar seu estudo de caso no Minastec, Feira Anual de Tecnologia, promovida pelo Sebrae Minas. A repercussão da virada foi grande. De 2005 para 2006, a ComunIP dobrou o número de projetos em desenvolvimento e aumentou em vinte vezes seu faturamento. A equipe também cresceu, passando de sete empregados em 2005 para doze no ano seguinte, chegando a vinte e dois em julho de No mesmo mês, a ComunIP firmou parceria com outra gigante do setor: a Global IP Soluctions, multinacional sueca fornecedora de tecnologia para sistemas de VoIP como Google Talk e Skype. Novos horizontes digitais Para os sócios, foi consenso: a história da empresa tem dois momentos. O primeiro, quando a ComunIP era voltada para pesquisa e desenvolvimento. O segundo, quando a ComunIP passa a ter foco no mercado. Relembrando aqueles tempos difíceis, Erik extraiu uma lição útil para toda empresa de base tecnológica: não adiantava ter a melhor tecnologia, era preciso entender o mercado. Para ele, quem definia o desenvolvimento da empresa era o mercado. O principal erro dos primeiros anos foi constituir uma equipe eminentemente técnica que, apesar de ser visionária quanto ao potencial tecnológico, não estava preparada para atuar em um setor emergente e bastante competitivo. Foi preciso tempo para desenvolver a tecnologia e também para conhecer, por meio de erros e acertos, quais eram os clientes potenciais da empresa e o que eles precisavam, mas o grande acerto veio a tempo: a complementação da equipe por um profissional experiente e capacitado, disposto a investir na empresa.

12 116 E M P R E S A C O M U N I P Para os fundadores da ComunIP, a parceria com o Intituto Inovação e Fundo Novarum e a vinda de Ronaldo Barreto para o grupo foram fundamentais para a reorientação ao mercado que o negócio tanto pedia. Uma rede de relações importante e ampla, fator relevante para qualquer negócio, só surgiu a partir dos contatos de Ronaldo e do Fundo Novarum. Outro recado importante dessa história diz respeito ao investimento de terceiros. Não dá para esconder a tecnologia. Nós divulgamos aos sete cantos e deu certo, afirmou Guilherme. Em certo momento, o fomento inicial do poder público já não era suficiente; a empresa precisava crescer e acessar o mercado, pois, sem isso, o próprio investimento público teria sido em vão. Por isso, é importante destacar a importância de procurar parceiros e investidores que poderiam, de fato, acelerar a empresa. As previsões dos três empreendedores se confirmaram: em 2006, o mercado de negócios em VoIP já apresentava um faturamento de R$ 900 milhões 5 em todo o mundo. O grande nicho eram as empresas interessadas em diminuir custos com telefonia e comunicação interna. Até 2011, a previsão seria de que o número de linhas VoIP cresceria a uma taxa anual de 87,5%, sendo que o Brasil responderia a 49% do faturamento na América Latina 6. O Brasil possuía, até abril de 2007, dez milhões de usuários de Internet via banda larga, segundo a revista Forbes. Mesmo após essa grande virada, a ComunIP, com toda a sua capacidade tecnológica, esperava expandir mais seu horizonte. Seus empreendedores não perderiam tempo e mostrariam mais uma vez estar de olho no futuro: no início de 2007, a empresa foi aprovada no Programa de Subvenção da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos, do Governo Federal) para desenvolver uma plataforma para IPTV (televisão via protocolo de Internet), em 5 Fonte: Frost & Sullivan; IDC Latin; In-Stat; Infonetics; Teleco.com.br; CallCenter.inf; ITU Telecommunications; Thomas Weisel Partners Dados da ComunIP. 6 Segundo pesquisa mundial da Consultoria Frost & Sullivan, publicada em 2007.

13 117 parceria com universidades e centros de pesquisa. Para Erik, a forma como vemos televisão caminha para uma grande mudança, com maior interatividade e recursos, e isso passa pela Internet. Esse fato ocorreu em um momento muito oportuno, quando o Brasil já havia iniciado os primeiros passos rumo à implantação da TV Digital. QUESTÕES PARA DISCUSSÃO 1. Após análise do caso apresentado, liste os pontos fortes e fracos da ComunIP para enfrentar o mercado de Voz sobre IP (VoIP). 2. Os empreendedores, Erik, Guilherme e Fábio, adotaram uma série de medidas para solucionar a crise da empresa. Para você, qual foi o passo fundamental para a virada da ComunIP? 3. Que outras medidas você adotaria, caso não obtivesse o financiamento de um fundo de capital semente? Qual seria a saída, na sua opinião? 4. Qual é a importância de agentes de fomento públicos (como Finep, Fapemig, Sebrae) e privados (bancos, investidores), para pequenas empresas inovadoras? REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DOLABELA, Fernando. Oficina do Empreendedor. São Paulo: Cultura Editores Assoc., IDC Brasil, Brazil Voip and its Impact on Communications Industry Portal Skype Revista Eletrônica IDG Now! Revista ComputerWorld Online Teleco Informações em Telecomunicações Portal Sebrae MInas:

01. O QUE É? 02. OBJETIVOS DO CURSO 03. CAMPO DE ATUAÇÃO

01. O QUE É? 02. OBJETIVOS DO CURSO 03. CAMPO DE ATUAÇÃO 01. O QUE É? O Curso de Desenvolvimento de Websites é um curso de graduação tecnológica de nível superior com duração de dois anos e meio. Este curso permite a continuidade dos estudos em nível de bacharelado

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada

Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada A. Dados Cadastrais A.1. Informações para contato Endereço Completo: Bairro: Cidade: UF: CEP: Telefone: e-mail: Página na Internet: A.2. Caracterização

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho de 2011 Mercado Brasileiro de Telecomunicações Oi: Perfil, Cobertura e Estratégia Resultados Operacionais e Financeiros Aliança com a Portugal Telecom e Aumento de Capital

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação.

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação. 1 A Feira do Empreendedor é um evento de sucesso promovido pelo SEBRAE-SP, com o objetivo de oferecer informação, conhecimento e oportunidade para empresários e futuros empreendedores. A Feira do Empreendedor

Leia mais

apresentação de serviços

apresentação de serviços apresentação de serviços Nos últimos 50 anos a humanidade gerou mais informações do que em toda sua história anterior. No mercado corporativo, o bom gerenciamento de informações é sinônimo de resultados.

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Pesquisa FAPESP - Maio 2008 - Edição 147 Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Quatro grandes

Leia mais

SOU UMA STARTUP, E AGORA? Descubra algumas respostas para o futuro da sua Startup baseado nas lições do Empreendedorismo

SOU UMA STARTUP, E AGORA? Descubra algumas respostas para o futuro da sua Startup baseado nas lições do Empreendedorismo SOU UMA STARTUP, E AGORA? Descubra algumas respostas para o futuro da sua Startup baseado nas lições do Empreendedorismo Empreendedor Empresas Micro e Pequenas Empreender Empreendedorismo Cultural Ação

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital Muitos empreendedores apontam como principal retardo para o crescimento das MPE s no Brasil a dificuldade em se obter financiamento, devido às exigências estabelecidas

Leia mais

Cliocar Acessórios: A construção de um negócio. A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso.

Cliocar Acessórios: A construção de um negócio. A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso. Cliocar Acessórios: A construção de um negócio A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso. 2 Conteúdo Resumo executivo... 2 Conhecendo o mercado... 2 Loja

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

Recursos Próprios. Amigos e Familiares

Recursos Próprios. Amigos e Familiares Recursos Próprios Chamado de booststrapping, geralmente é a primeira fonte de capital utilizada pelos empreendedores. São recursos sem custos financeiros. O empreendedor tem total autonomia na tomada de

Leia mais

Adapte. Envolva. Capacite.

Adapte. Envolva. Capacite. Adapte. Envolva. Capacite. Ganhe produtividade em um Ambiente de trabalho digital #DigitalMeetsWork Os benefícios de um ambiente de trabalho digital têm impacto na competitividade do negócio. Empresas

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

unidos pelas suas ideias

unidos pelas suas ideias especial unidos pelas suas ideias Especialistas em novos empreendimentos dão dicas para fazer sua startup decolar e explicam como usar o financiamento coletivo para concretizar objetivos 52 revista W W174.especial_starturpcrowdfunding.indd

Leia mais

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 EBITDA atingiu a soma de R$ 391 milhões no ano passado São Paulo, 24 de março de 2010 A Algar Telecom, empresa de telecomunicações do Grupo Algar,

Leia mais

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng 2/44 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: * Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/44 Foto: Stock.Schng

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

PLANO DE ENSINO FORMAÇÃO. Algumas atividades já exercidas. DISCIPLINA Empreendedorismo. Disciplina Empreendedorismo

PLANO DE ENSINO FORMAÇÃO. Algumas atividades já exercidas. DISCIPLINA Empreendedorismo. Disciplina Empreendedorismo FORMAÇÃO Curso de Administração Disciplina Empreendedorismo Prof. Msc. Cláudio Márcio cmarcio@gmail.com Graduação: Processamento de Dados e Administração Pós-Graduação: Especialização: MBA em Gestão da

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

A Feira do Empreendedor 2014em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação.

A Feira do Empreendedor 2014em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação. 1 A Feira do Empreendedor é um evento de sucesso promovido pelo SEBRAE-SP, com o objetivo de oferecer informação, conhecimento e oportunidade para empresários e futuros empreendedores. A Feira do Empreendedor

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

Iremos lhe apresentar agora o fascinante mercado móvel e uma excelente oportunidade de negócio lucrativo com a tecnologia Torpedo Certo.

Iremos lhe apresentar agora o fascinante mercado móvel e uma excelente oportunidade de negócio lucrativo com a tecnologia Torpedo Certo. Iremos lhe apresentar agora o fascinante mercado móvel e uma excelente oportunidade de negócio lucrativo com a tecnologia Torpedo Certo. Esta apresentação irá seguir o índice abaixo para facilitar seu

Leia mais

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar Ambiente virtual para inovar Secti lança Portal Paraense de Inovação para conectar atores estratégicos e aumentar investimento em inovação no Pará Por Igor de Souza Ana possui uma promissora empresa de

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

O QUE SUA EMPRESA PODE FAZER PARA SER MAIS COMPETITIVA?

O QUE SUA EMPRESA PODE FAZER PARA SER MAIS COMPETITIVA? O QUE SUA EMPRESA PODE FAZER PARA SER MAIS COMPETITIVA? O IEL O Instituto Euvaldo Lodi é uma entidade vinculada à CNI - Confederação Nacional da Indústria. Com 101 unidades em 26 estados e no Distrito

Leia mais

Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil

Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil Biominas Brasil tem 21 anos de experiência na criação e desenvolvimento de empresas de ciências da vida. A Biominas Brasil

Leia mais

EVOLUÇÃO DO HOME OFFICE NA

EVOLUÇÃO DO HOME OFFICE NA EVOLUÇÃO DO HOME OFFICE NA Palestra Teletrabalho Modelo de Trabalho Home Office Modernização da área de Vendas EVOLUÇÃO DO HOME OFFICE NA 1º Movimento 1999/2000 2º Movimento 2001/2002 3º Movimento 2005-2007

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

Proposta para Formataça o de Franquia

Proposta para Formataça o de Franquia Proposta para Formataça o de Franquia 1- O sistema de franchising para o seu negócio Quando falamos de franchising, não estamos falando de algum modismo e, sim, de um sistema de negócios que veio para

Leia mais

Mercado competitivo exige um novo perfil dos vendedores

Mercado competitivo exige um novo perfil dos vendedores Artigo 15 Mercado competitivo exige um novo perfil dos vendedores As empresas já cortaram custos, fizeram downsizing e todo tipo de reengenharia para melhorar seus resultados. Agora, está na hora começar

Leia mais

FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO ABERTO EM 10/02/2012

FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO ABERTO EM 10/02/2012 FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO EDITAL DE SELEÇÃO SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS E PROJETOS PARA OS PROGRAMAS DE PRÉ-INCUBAÇÃO DE PROJETOS E PROGRAMA

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

Orbitall. Autora: Carolina Fernandes Corrêa Leite. Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Melo. Universidade Presbiteriana Mackenzie

Orbitall. Autora: Carolina Fernandes Corrêa Leite. Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Melo. Universidade Presbiteriana Mackenzie Orbitall Autora: Carolina Fernandes Corrêa Leite Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Melo Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução O setor de cartões de crédito tem crescido a taxas

Leia mais

Brasil 2011: o momento certo para promover a inovação. Antonio Carlos Valente Presidente do Grupo Telefonica no Brasil Maio, 2011

Brasil 2011: o momento certo para promover a inovação. Antonio Carlos Valente Presidente do Grupo Telefonica no Brasil Maio, 2011 Brasil 2011: o momento certo para promover a inovação Antonio Carlos Valente Presidente do Grupo Telefonica no Brasil Maio, 2011 Agenda 01 O momento certo para promover a inovação tecnológica no Brasil

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

ESTRATÉGIAS DO MCTI PARA INCENTIVAR A INOVAÇÃO EM TI: Startups e Centros de P&D

ESTRATÉGIAS DO MCTI PARA INCENTIVAR A INOVAÇÃO EM TI: Startups e Centros de P&D ESTRATÉGIAS DO MCTI PARA INCENTIVAR A INOVAÇÃO EM TI: Startups e Centros de P&D 1. DESAFIOS de formular uma política pública 2. Programa Start-Up Brasil 3. Ação de Atração de Centros Globais de P&D JOSE

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA

GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA Ms.Lucimara C. Toso Bertolini. Gerente PD&I OURO FINO AGRONEGÓCIOS DIVISÃO SAÚDE ANIMAL 1987: Nasce a Ouro Fino

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

Como cultivar leads do Comitê de TI

Como cultivar leads do Comitê de TI BRASIL Como cultivar leads do Comitê de TI O marketing está ajudando ou atrapalhando? Confiança + Credibilidade devem ser CONQUISTADAS O profissional de marketing moderno conhece a importância de cultivar

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo 1/44. Foto: Stock.Schng

EMPREENDEDORISMO. Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo 1/44. Foto: Stock.Schng EMPREENDEDORISMO Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo Foto: Stock.Schng 1/44 CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de

Leia mais

Pé na tábua. De olho em empreendimentos com potencial de crescimento rápido e ideias inovadoras, aceleradoras ganham espaço no cenário nacional

Pé na tábua. De olho em empreendimentos com potencial de crescimento rápido e ideias inovadoras, aceleradoras ganham espaço no cenário nacional Shutterstock Pé na tábua De olho em empreendimentos com potencial de crescimento rápido e ideias inovadoras, aceleradoras ganham espaço no cenário nacional POR CAMILA AUGUSTO Já existem dezenas delas nos

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Mais tempo para ser o empreendedor. E não o cara da TI

Mais tempo para ser o empreendedor. E não o cara da TI Mais tempo para ser o empreendedor. E não o cara da TI Office 365 muda rotina e aumenta a produtividade do maior portal de e-commerce de artigos de dança do Brasil A Mundo Dança nasceu há cinco anos a

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers O investidor-anjo e acadêmico Antonio Botelho discute as barreiras ao empreendedorismo e à inovação colaborativa no Brasil, e as formas de

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012)

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) 1. APRESENTAÇÃO O Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio da Secretaria de Ciência, Tecnologia

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET CONCEITOS, OBJETIVOS, BENEFÍCIOS E TENDÊNCIAS Renato Schumacher

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

Quem ainda não tem um, provavelmente já pensou ou está pensando em ter, seja para fins pessoais ou profissionais.

Quem ainda não tem um, provavelmente já pensou ou está pensando em ter, seja para fins pessoais ou profissionais. Você sabia que o Whatsapp está presente em quase 50% dos smartphones no Brasil? O aplicativo virou febre rapidamente, seguindo a tendência de crescimento anual das vendas de smartphones no país. Quem ainda

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica Inteligência em redes sociais corporativas Como usar as redes internas de forma estratégica Índice 1 Introdução 2 Por que uma rede social corporativa é um instrumento estratégico 3 Seis maneiras de usar

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

Objetivos. Missão. Simplicidade. Transparência. Segurança no Negócio. Qualidade. Produtividade. Respeito pelo Ser Humano.

Objetivos. Missão. Simplicidade. Transparência. Segurança no Negócio. Qualidade. Produtividade. Respeito pelo Ser Humano. Intelbras S.A. Objetivos Missão Ser uma empresa competitiva internacionalmente, atuando no mercado de telecomunicações, mantendo padrões de qualidade e rentabilidade que satisfaçam clientes, colaboradores

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

A sua empresa em contato com o mundo. Ferramenta de envio de SMS

A sua empresa em contato com o mundo. Ferramenta de envio de SMS A sua empresa em contato com o mundo Ferramenta de envio de SMS A Talktelecom Líder na América Latina em telefonia computadorizada Compete no mercado desde 1992 com soluções em telecomunicações Em plena

Leia mais

O papel dominante da mobilidade no mercado de trabalho

O papel dominante da mobilidade no mercado de trabalho Um perfil personalizado de adoção da tecnologia comissionado pela Cisco Systems Fevereiro de 2012 Dinâmica de ganhos com as iniciativas de mobilidade corporativa Os trabalhadores estão cada vez mais remotos,

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

TV por Assinatura. Telefonia Fixa. Banda Larga. Respeito

TV por Assinatura. Telefonia Fixa. Banda Larga. Respeito Banda Larga TV por Assinatura Telefonia Fixa Respeito APIMEC RIO Rio de Janeiro, 22 de Novembro de 2013 A GVT é uma empresa autorizada pela Anatel a prestar serviços em todo o país A GVT tem licença STFC

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Culture OnLine, 5-7.6 Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Peering down the Wormhole Dr. Susan Hazan Filomena Pedroso Realidade Empresarial em Portugal Incerteza nos mercados recomenda

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Moreira, Alessandro Messias. Empreendedorismo / Alessandro Messias Moreira. Varginha, 2015. 44 slides; il.

EMPREENDEDORISMO. Moreira, Alessandro Messias. Empreendedorismo / Alessandro Messias Moreira. Varginha, 2015. 44 slides; il. EMPREENDEDORISMO Moreira, Alessandro Messias. M835e Empreendedorismo / Alessandro Messias Moreira. Varginha, 2015. 44 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web

Leia mais

HISTÓRIAREAL. Como o Rodrigo passou do estresse total para uma vida mais balanceada. Rodrigo Pinto. Microsoft

HISTÓRIAREAL. Como o Rodrigo passou do estresse total para uma vida mais balanceada. Rodrigo Pinto. Microsoft HISTÓRIAREAL Rodrigo Pinto Microsoft Como o Rodrigo passou do estresse total para uma vida mais balanceada Com a enorme quantidade de informação, o funcionário perde o controle do que é prioritário para

Leia mais

LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES.

LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES. v8.art.br LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO SEM LIMITES. www.liguetelecom.com.br 0800 888 6700 VOIP FIXO INTERNET LIGUE TELECOM SOLUÇÕES INOVADORAS PARA QUEM BUSCA COMUNICAÇÃO

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens.

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens. Brasil A pesquisa em 2015 Metodologia e Perfil 111.432 respostas na América Latina 44% homens 67.896 respostas no Brasil 0,5% Margem de erro 56% mulheres * A pesquisa no Uruguai ainda está em fase de coleta

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Algar Telecom lança TV por assinatura via satélite

Algar Telecom lança TV por assinatura via satélite Algar Telecom lança TV por assinatura via satélite Com investimentos de mais de R$ 160 milhões, empresa amplia seu portfólio de serviços São Paulo, 20 de maio de 2010 A Algar Telecom, empresa de telecomunicações

Leia mais