Assunto: Contribuições da Brasscom para regulamentação do Marco Civil da Internet

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Assunto: Contribuições da Brasscom para regulamentação do Marco Civil da Internet"

Transcrição

1 São Paulo, 31 de março de Ao Excelentíssimo Senhor José Eduardo Cardozo Ministro da Justiça C/C: Mariana Giostri Oliveira Rolim, Diretora Executiva, Brasscom Sergio Sgobbi, Diretor de Relações Institucionais, Brasscom Assunto: Contribuições da Brasscom para regulamentação do Marco Civil da Internet Prezado Sr. José Eduardo Cardozo, A Brasscom, Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação, entidade que congrega seleto grupo de empresas fornecedoras de software, soluções e serviços de TIC e que tem como missão trabalhar em prol do desenvolvimento do setor, disseminando seu alcance e potencializando seus efeitos sobre a economia e o bem-estar social, congratula o CGI pela inciativa da chamada de contribuições para regulamentação da Lei /2014, Marco Civil da Internet. É inquestionável o importante papel que a Internet tem na sociedade atual, tanto como viabilizadora de inclusão social quanto indutora de inovação e avanço tecnológico. Com efeito, a Lei em 23 de abril de 2014 representa um importante avanço no tocante aos princípios que norteiam o papel da Internet no Brasil e ao regramento das relações jurídicas e responsabilidades entre os diversos atores sociais envolvidos. Perfilamo-nos com a sociedade brasileira ao festejar marco legal de tamanha envergadura, fazendo coro com os mais variados atores nacionais e internacionais. Ao longo dos últimos meses, a Brasscom desenvolveu amplos debates e ouviu seus associados sobre os dispositivos sujeitos à regulamentação deste diploma legal, objetivando recomendações concretas sobre a regulamentação que sejam compatíveis com o texto e alinhadas com o futuro. Sem embargo de futuras e mais densas contribuições, a Brasscom serve-se desta oportunidade para deitar luz sobre alguns aspectos críticos que, entendemos, demandam atenta consideração por parte deste insigne ministério. Brasscom 1/9

2 Neutralidade de Rede (Art 3º, IV e Art 9º) Apoiamos uma Internet aberta e os princípios de neutralidade de rede que garantam que qualquer pessoa tenha o direito à liberdade de expressão. Sob esta égide, os usuários da Internet têm o direito de: a) Acessar qualquer conteúdo legal de sua escolha, b) Utilizar aplicações e serviços de sua escolha, e c) Utilizar qualquer dispositivo de conexão a Internet de sua escolha. Os usuários de Internet devem ter garantido o seu direito de receber informações claras dos seus prestadores de serviços de banda larga sobre os planos de conexão a Internet disponíveis, bem como sobre as práticas de gerenciamento de rede adotadas, tendo ainda o direito e a habilidade de verificarem que estão, de fato, recebendo os serviços contratados. Os provedores de conexão a Internet podem implementar medidas de gerenciamento de tráfego razoáveis e não discriminatórios. As práticas de gerenciamento de tráfego serão consideradas aceitas e razoáveis quando se destinem a: a) Garantir a segurança e a integridade das redes, b) Reduzir ou mitigar os efeitos de congestionamento das redes, c) Garantir a qualidade dos serviços e aplicações tornados disponíveis aos usuários, d) Permitir a livre oferta aos usuários de serviços especializados, e) Priorizar serviços de emergência, sempre que tal se afigure necessário. Modelos de negócios alternativos deverão ser garantidos na regulamentação, de modo que se possa oferecer aos consumidores menos favorecidos conexão a Internet gratuita ou de alguma maneira subsidiada, viabilizadas por modelos alternativos de precificação ou pagamento, incluindo mas não se limitando a modelos de conteúdo patrocinado, propaganda e pagamentos indiretos. Nesta linha, é importante que a regulamentação do Marco Civil não proíba modelos de negócio baseados em planos que ofereçam acesso a serviços de conexão de internet subsidiados ou que não limitem a franquia de dados para algumas aplicações. Há um consenso sobre as vantagens socioeconômicas da ampliação do número de pessoas conectadas à Internet. Apesar disso, somente 30% da população tem acesso à Internet. Dados de 2011 da UIT (União Internacional de Telecomunicações) mostram que 90% da população mundial vive em áreas com cobertura 2G e até 2017, espera-se que 85% da população tenha cobertura 3G disponível. A discrepância entre a disponibilidade de cobertura e a quantidade de pessoas efetivamente conectadas pode ser explicada principalmente pelos custos de acesso. Ainda que no futuro o custo do acesso diminua, o custo de oportunidade de se esperar que o valor da Internet seja reduzido para que mais pessoas se conectem é elevado. É importante trabalhar com modelos de negócio alternativos e inclusivos que permitam a massificação do acesso a serviços disponíveis online. No Brasil, o número de pessoas conectadas cresce aceleradamente e a proporção de usuários de Internet supera a metade da população (54%), porém quando analisamos esta penetração de acordo com a classe social é possível notar grandes distorções. Na classe A, 97% dos indivíduos estão conectados, na classe B são 78%. Entretanto, permanece o desafio de universalização nas classes C (49%) e, sobretudo, D e E (17%). Brasscom 2/9

3 Os modelos de negócio em certa medida subsidiados criam um importante benefício ao consumidor que, de outra forma, provavelmente não teria acesso a tais serviços. Eles possibilitam conectar instantaneamente milhões de pessoas a conteúdos locais educacionais, com informações de saúde, governo e possibilidade de comunicação entre os cidadãos. Nesse sentido, os modelos subsidiados de acesso são modelos que, no mais das vezes, trazem benefícios aos consumidores, ao expandir o seu leque de opções, incluindo digitalmente indivíduos que, de outra maneira, não teriam acesso ao serviço. Embora não tenhamos dúvida a respeito da necessidade da vigilância pelos órgãos reguladores e de defesa da concorrência da forma de implementação desses modelos, a proibição a priori de tais modelos é prejudicial aos usuários e ao ecossistema da Internet. O ingresso de novos usuários no mundo conectado só tem benefícios a trazer em termos do ecossistema como um todo, criando demanda para a expansão das redes, realização de investimentos em infraestrutura e inovação, desenvolvendo ainda o mercado de conteúdos e aplicativos, além da efetiva inclusão digital de usuários que, de outra maneira, não teriam acesso à Internet. O Banco Mundial publicou em 2009 estudos de referência sobre o impacto da penetração da banda larga na taxa média de crescimento do PIB entre 1980 e O resultado demonstrou que o coeficiente de penetração média da banda larga para os países desenvolvidos era positivo e significativo. O resultado sugere um crescimento robusto do acesso à banda larga em países desenvolvidos, a saber, em uma economia de alta renda, considerando uma média de 10 assinantes de banda larga a cada 100 pessoas, ter-se-ia um aumento de 1,21 pontos percentuais no crescimento do PIB. O Banco Mundial prevê que benefício do crescimento que a banda larga para os países em desenvolvimento é de magnitude semelhante ao das economias desenvolvidas: um aumento de cerca de 1,38 pontos percentuais para cada 10 por cento de aumento da penetração. Indiscutível, portanto, que a inclusão digital dos usuários menos favorecidos é uma porta de entrada para a demanda por conectividade levando não só a expansão do ecossistema da Internet, mas também gerando crescimento econômico e prosperidade, que deve ser um dos objetivos a serem buscados pela política pública 2. Cremos que tais modelos, em princípio, não representam ameaças a livre concorrência. Os modelos de acesso subsidiado existem no mercado há alguns anos, e até o momento, nenhum órgão de defesa da concorrência se manifestou contrariamente a eles. Com efeito, um estudo recente do Brookings Institute mostra que tais acordos são benéficos à concorrência 3. Tendo em vista os grandes benefícios que tais acordos trazem para os consumidores e da indicação de que eles seriam benéficos para a concorrência, não haveria razão para a regulamentação do Marco Civil restringi-los, a priori, tais acordos para oferta subsidiada de serviços de conectividade à Internet. Se no futuro, eventuais práticas apresentarem riscos para a 1 World Bank Information and Communications for Development : Extending Reach and Increasing Impact. World Bank. World Bank.https://openknowledge.worldbank.org/handle/10986/ Brasscom 3/9

4 concorrência, o arcabouço institucional existente para regulação da concorrência já permitirá a eventual proibição de tais práticas. Portanto, a regulamentação do Marco Civil da Internet não deve proibir modelos subsidiados de oferta sob o risco de comprometer a aplicação dos seus próprios princípios e diretrizes norteadoras, tais como: os direitos humanos, o desenvolvimento da personalidade e o exercício da cidadania em meios digitais (art 3º, II); a abertura e a colaboração (art. 3º, IV); a liberdade dos modelos de negócios promovidos na internet (art. 3º, VIII); e a expansão e uso da Internet no Brasil (art. 24, inciso II). Dessa forma, a Brasscom recomenda, na temática da Neutralidade de Rede: I. A adoção de uma regulamentação que não proíba a priori os modelos de negócio baseados em modelos subsidiados de acesso à Internet; II. III. Privacidade A atuação ex post no controle do cumprimento das normas de defesa da concorrência com relação a implementação do princípio de neutralidade de rede constante do Marco Civil; Nos moldes previstos no Art. 9º, I, do Marco Civil, as práticas de gerenciamento de tráfego serão consideradas aceitas e razoáveis quando se destinem a: a) Garantir a segurança e a integridade das redes, b) Reduzir ou mitigar os efeitos de congestionamento das redes, c) Garantir a qualidade dos serviços e aplicações tornados disponíveis aos usuários, d) Permitir a livre oferta aos usuários de serviços especializados, e) Priorizar serviços de emergência, sempre que tal se afigure necessário. Proteção aos Registros, aos Dados Pessoais e às Comunicações Privadas (Art. 11 e s 3º e 4º) O ordenamento jurídico pátrio determina que os dados e comunicações do cidadão brasileiro devem ter seu sigilo protegido e preservado, salvo exceção cuidadosamente delimitada, desde a Constituição Federal e na legislação infraconstitucional. Portanto, a lei brasileira impõe como regra a preservação do direito à proteção de dados e à intimidade. Por isso, é essencial que a regulamentação da Lei nº /2014 faça com que a sua aplicação atenha-se aos princípios constitucionais e direitos que ela própria evoca e consagra em seus artigos iniciais, fazendo da quebra do sigilo uma exceção dentro de limites claramente definidos. Assim, há que se atentar a dois aspectos relevantes: I. É recomendável que regulamentação dos dispositivos em comento seja precisa e específica de modo a evitar a fragilização dos direitos de privacidade dos cidadãos. Por isso, qualquer solicitação de informações pelo Estado deve ser Brasscom 4/9

5 precedida de processo administrativo para fornecimento dos dados, que possa ser iniciado exclusivamente mediante fortes indícios de que o provedor de conexão ou de aplicações tenha violado uma obrigação contida nesta lei. Outrossim, é recomendável que a regulamentação esclareça que os provedores de conexão e de aplicações são obrigados a prestar apenas informações publicamente disponíveis, a fim de demonstrar que cumprem a legislação, ficando resguardadas as informações privadas que compõem seus ativos intangíveis; e II. Há uma possível e latente sobreposição de diplomas jurídicos aplicáveis, uma vez que o tema em tela também é objeto da futura lei sobre privacidade e proteção de dados pessoais que se encontra em fase de concepção e debate público. Caso os dispositivos em comento sejam regulamentados no sentido de que autoridades públicas específicas sejam as destinatárias de tais informações dos provedores de conexão e de aplicações, é importante que a sejam estabelecidos critérios que justifiquem a requisição pela autoridade pública das informações sobre o cumprimento da lei, de modo a assegurar segurança jurídica tanto aos provedores quanto aos cidadãos detentores de dados pessoais, principalmente no tocante a direitos constitucionalmente protegidos. A regulamentação deverá estabelecer o procedimento aplicável para a apuração de eventual descumprimento, sugerindo-se, para tanto, a aplicação da Lei de Processo Administrativo federal (Lei n.º 9.784/1999), no que couber. Recomenda-se, ainda, que esse mecanismo se baseie numa suspeita razoável de que a empresa violou uma obrigação contida nesta lei, conferindo-se aos provedores de conexão e de aplicações a possibilidade de submeter à ótica do Poder Judiciário aquilo que podem perceber como eventuais abusos de direito. Das Interceptações telemáticas e da disponibilização de conteúdo de comunicações privadas (Art. 10, caput e 2º) O Art. 5º, inciso XII, da Carta Magna, limita as exceções à inviolabilidade das comunicações aos casos previstos em lei exclusivamente para fins de investigação criminal ou instrução processual penal, sujeitando o exercício de tais exceções à ordem judicial. Na mesma toada, a Lei nº 9.296/96, que consubstancia os limites da Constituição Federal no tocante a interceptações telefônicas, dispõe, em seus artigos 1º e 3º, que a disponibilização do conteúdo das comunicações privadas seja autorizada por decisões emanadas do Poder Judiciário no âmbito de processo criminal. Tal diploma é importante referência no tocante às limitações e procedimentos necessários para o exercício das exceções às garantias constitucionais em tela. O Marco Civil da Internet consagra o direito à privacidade e à proteção dos dados pessoais, bem como a inviolabilidade e o sigilo das comunicações. Tais princípios têm sólido respaldo nos direitos e garantias constitucionais. Consequentemente, a disponibilização do conteúdo das comunicações privadas prevista no seu Art. 10, 2º, é igual e necessariamente Brasscom 5/9

6 sujeita à limitação constitucional, do Art. 5º, XII, devendo ser restrita aos casos previstos em lei exclusivamente para fins de investigação criminal ou instrução processual penal. Todavia, a profusão de ordens judiciais de liberação de conteúdo de comunicações privadas é um indício de que o recurso possa estar sendo empregado sem o devido rigor que impõe o Art. 7º e correspondentes garantias constitucionais. É recomendável, portanto, que a regulamentação reitere a limitação constitucional aplicável ao Art, 10, 2º, do Marco Civil da Internet, dispondo que violação e disponibilização de registros de conexão e de acesso a aplicações de internet, bem como de dados pessoais e do conteúdo de comunicações privadas resta vedada para quaisquer outros propósitos que não tenham natureza penal e que não estejam sob a égide de juízo competente. Guarda de Registros Guarda de Registros de Acesso a Aplicações de Internet na Provisão de Aplicações (Art. 13 e s 2º e 3º e Ar.t 15 e 2º) Para a adequada compreensão dos requisitos e procedimentos da expedição e cumprimento da requisição cautelar de guarda de registros de conexão e de registros de acesso a aplicações de internet, é essencial que a regulamentação pormenorize o procedimento necessário ao cumprimento do comando legal. Mais especificamente, a redação atual do Art. 13, 3º, do Marco Civil da Internet, não define claramente a postura a ser adotada pelo provedor de conexão ou de aplicativos na hipótese de decorrido o prazo de 60 (sessenta) dias disposto no referido 3º, não haver notícia sobre o ingresso do pedido de autorização judicial ou, ainda, da expedição da ordem judicial ratificadora do pedido cautelar. Recomenda-se que regulamentação estabeleça um prazo máximo adicional subsequente ao prazo previsto no Art. 13, 3º, de tal sorte que, se a ordem judicial não for entregue pela autoridade requerente ao provedor de conexão ou de aplicação, conforme o caso, ficará o provedor de conexão ou de aplicações de Internet desobrigado de permanecer guardando os registros de maneira cautelar, pelo prazo adicional solicitado pela autoridade em questão. Vale lembrar que a Lei nº /2014, mais uma vez preocupada em minimizar o alcance de exceções às normas constitucionais, sopesou, de um lado, a necessidade do Poder Público ter elementos essenciais à apuração de atividades que podem configurar ilícitos penais e, de outro a necessidade de manutenção de elementos probatórios e o direito do cidadão à proteção ao sigilo de dados e de comunicações, à privacidade e à intimidade. Desse processo, resultou um prazo que impõe aos provedores de conexão a guarda de registros de conexão do usuário por um ano e, aos provedores de aplicações, a guarda de registros de acesso a aplicações por seis meses. Portanto, cabe ao regulamento estabelecer um critério que não desvirtue o equilíbrio estabelecido na legislação, fazendo com que dados referentes à navegação do usuário não sejam armazenados indefinidamente, senão em decorrência de efetiva apreciação e autorização judicial, que se pressupõe célere nestas situações. Brasscom 6/9

7 Outros temas e considerações Do reconhecimento da natureza global da Internet (Art. 2º, I) O princípio jurídico do Art. 2º, I, confere extensão substantivamente maior aos demais princípios enumerados no próprio Art. 2º, notadamente aos enunciados nos incisos II e III, a saber pluralidade, diversidade, abertura e colaboração. Os princípios fundantes do Marco Civil da Internet constituem-se norteadores de conduta tanto no âmbito doméstico quanto no internacional, aplicáveis a todos envolvidos com a Internet. A conduta dos agentes sociais e bem assim do Estado Brasileiro, deve estar balizada pela natureza global da rede, sua governança multissetorial e seus impactos no âmbito interno e nas relações internacionais. Considerando a dinâmica tecnológica da rede e a evolução dos padrões globais, é importante calibrar a regulamentação em função da agilidade ínsita aos diversos níveis de instrumentos infralegais, evitando-se cristalizar especificidades de natureza mutante em instrumentos cujo trâmite dependam de processos normativos de maior inércia. Da Preservação da Estabilidade, Segurança e Funcionalidade da Rede (Art. 3º, V) A preservação da estabilidade, segurança e funcionalidade da rede é tarefa coletiva de diversos agentes econômicos especializados, incluindo provedores de acesso, provedores de serviços de telecomunicações, fixos e móveis, entre outros. É fundamental que práticas e procedimentos operacionais da Internet no Brasil sejam aderentes aos padrões internacionais e que acompanhem a dinâmica de introdução de novas tecnologias e padrões. É recomendável que a regulamentação estimule os provedores de conexão e de aplicação a inovar práticas e tecnologias e normas de segurança que excedam os padrões globais no sentido de obter-se, por intermédio de constante atualização, a melhoria contínua na estabilidade, segurança e funcionalidade da rede. Responsabilidade civil dos provedores de aplicação por conteúdo gerado por terceiros (Art. 19 e 1º) De maneira clara e explícita, o Marco Civil da Internet estabelece em seu Art. 19 que a remoção de conteúdo pelo provedor de aplicações deve respeitar certos critérios e limites, a fim de preservar o direito do cidadão à manifestação do pensamento e à livre expressão. Assim, além de determinar que o provedor de aplicações somente pode ser responsabilizado pelo conteúdo de terceiros em caso de descumprimento de ordem judicial que determina sua remoção, a Lei /2014, com o intuito de evitar abusos que restrinjam a liberdade de expressão, estabelece que o conteúdo apontado como infringente na ordem judicial deve ser clara e especificamente determinado. Infere-se daí a preocupação em evitar que o alcance de uma ordem judicial possa se estender a conteúdo lícito e legítimo. Para que o objetivo da lei seja alcançado, o regulamento deve prover detalhamento técnico que traga "identificação clara e específica do conteúdo apontado como infringente, que permita a localização inequívoca do material", nos termos dos artigos 19, 1º, e 21, parágrafo único. Recomenda-se, neste sentido, a adoção do URL (Uniform Brasscom 7/9

8 Resource Locator), o endereço da informação na web, que consubstancia-se como identificador inequívoco de um conteúdo qualquer. O URL é a forma padronizada de representação de diferentes documentos, mídia e serviços de rede na internet, capaz de fornecer a cada documento um endereço único. O emprego de URLs, como forma de identificação de conteúdo infringente em sede de ordem judicial, é altamente recomendável, acelerando sobremaneira a execução do mandamento jurisdicional. Esse esclarecimento visa a evitar que a ordem judicial de remoção imponha ao provedor de aplicações de internet a obrigação de realizar o monitoramento ou a filtragem de conteúdo antes que a legalidade desse conteúdo tenha sido especificamente analisada pelo Poder Judiciário, sob pena de violação de direito à liberdade de expressão consagrado na Constituição e no próprio Marco Civil. Reiteramos nosso apoio à bem-vinda iniciativa deste Ministério da Justiça e entusiasmo com o futuro da Internet no Brasil. Sergio Paulo Gallindo Presidente Executivo Brasscom 8/9

9 Sobre a Brasscom A missão da Brasscom, Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação, é aumentar a competitividade global do setor de TIC do Brasil e disseminar a sua capacidade transformadora para todos os outros setores econômicos, aumentando a sua eficiência e produtividade e criando benefícios para toda a sociedade brasileira. A entidade exerce papel de articulação entre os setores público e privado nas esferas federal, estadual e municipal, lidera a discussão de temas estratégicos para o setor, como a desoneração da folha de pagamentos, a promoção internacional com foco no aumento das exportações e internacionalização das empresas, a geração de empregos, formação de mão de obra e a inclusão social. Associados da Brasscom A Brasscom tem 38 associados dentre as maiores e mais significativas empresas do setor e conta com 10 associados institucionais. São associados da Brasscom: Accenture, Algar, Alog, Atos, BRQ, BSI Tecnologia, CA Technologies, Capgemini, CI&T, Cisco, Dell, EMC 2, Facebook, GFT, Globalweb, Google, Grupo Contax, HP, Hughes, IBM, Infosys, Intel, Linx, Locaweb, Microsoft, Oracle, Promon Logicalis, Resource, SAP, Scopus, Spread, Stefanini, T-Systems, Tata, Tech Mahindra Tivit, Totvs, Unisys. São associados institucionais da Brasscom: B2B Magazine, CDI - Comitê para a Democratização da Informática, Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer, C.E.S.A.R, Inatel Instituto Nacional de Telecomunicações, USP Universidade de São Paulo, UNESP Universidade Estadual Paulista, UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas, UFPE Universidade Federal de Pernambuco. Brasscom 9/9

São Paulo, 19 de maio de 2015

São Paulo, 19 de maio de 2015 Contribuições da Brasscom para consulta pública nº 8/2015 Tomada de subsídios sobre a regulamentação da neutralidade de rede, prevista no Marco Civil da Internet São Paulo, 19 de maio de 2015 A Brasscom,

Leia mais

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO Estabelece o Marco Civil da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Esta Lei estabelece direitos

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet 2 Não há lei brasileira que regule a atividade de navegação na internet ou traga disposições específicas e exclusivas sobre os dados que circulam

Leia mais

O Mercado de Profissionais de Tecnologia da Informação e Comunicação no Brasil: uma análise do período de 2006 a 2013

O Mercado de Profissionais de Tecnologia da Informação e Comunicação no Brasil: uma análise do período de 2006 a 2013 O Mercado de Profissionais de Tecnologia da Informação e Comunicação no Brasil: uma análise do período de 2006 a 2013 São Paulo, dezembro de 2015 O capital humano é o principal fator que faz a diferença

Leia mais

A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Lei 13.146/2015) e seus desdobramentos para o setor de TIC no Brasil

A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Lei 13.146/2015) e seus desdobramentos para o setor de TIC no Brasil A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Lei 13.146/2015) e seus desdobramentos para o setor de TIC no Brasil A deficiência é uma das questões que mais geram reflexão na atualidade, seja

Leia mais

O Marco Civil da Internet no Brasil

O Marco Civil da Internet no Brasil Câmara dos Deputados Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Reunião ordinária Brasília, 27 de abril de 2010 Luiz COSTA O Marco Civil da Internet no Brasil Introdução Objetivo do Anteprojeto

Leia mais

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO SE Ç Ã O I V R E V ISA D A

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO SE Ç Ã O I V R E V ISA D A M INU T A D E A N T EPR OJE T O D E L E I PA R A D E B A T E C O L A B O R A T I V O SE Ç Ã O I V R E V ISA D A Secretaria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça Esplanada dos Ministérios, Edifício

Leia mais

II - os direitos humanos e o exercício da cidadania em meios digitais;

II - os direitos humanos e o exercício da cidadania em meios digitais; 1 TEXTO ORIGINAL PROPOSTA DO RELATOR Projeto de Lei 2.126 de 2011 Substitutivo ao Projeto de Lei 2.126 de 2011 Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O Congresso

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 1. EMENTA A Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014, estabeleceu princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil, conhecido

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.126-B DE 2011. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.126-B DE 2011. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.126-B DE 2011 Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: 1 SUBEMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL ÀS EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 2.126, DE 2011 Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 176, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 176, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 176, DE 2014 Altera a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014, que estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

LEI Nº 12.965, DE 23 ABRIL DE 2014.

LEI Nº 12.965, DE 23 ABRIL DE 2014. LEI Nº 12.965, DE 23 ABRIL DE 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

Impressões iniciais sobre a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Marco Civil da Internet

Impressões iniciais sobre a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Marco Civil da Internet Oficina sobre Governança da Internet e o Marco Civil da Internet GETEL/UnB Impressões iniciais sobre a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014 Marco Civil da Internet Marcus A. Martins Consultor Legislativo

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. I - o reconhecimento da escala mundial da rede;

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. I - o reconhecimento da escala mundial da rede; PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET

MARCO CIVIL DA INTERNET Constituição da Internet Brasileira MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23 ABRIL DE 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no Brasil Instituto Coaliza Educação

Leia mais

O QUE MUDA COM A CIVIL DA INTERNET

O QUE MUDA COM A CIVIL DA INTERNET Anexo Biblioteca Informa nº 2.301 O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DO MARCO CIVIL DA INTERNET Autores André Zonaro Giacchetta Ciro Torres Freitas Pamela Gabrielle Meneguetti Sócio e Associados da Área Contenciosa

Leia mais

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LUIZ GUILHERME JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA WISLIY LOPES Noções de Direito e Legislação da Informática GOIÂNIA JUNHO DE 2014 RELACIONAR

Leia mais

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Anatel Junho de 2015 Neutralidade de rede Consulta Pública Anatel

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet Tendências em Privacidade e Responsabilidade Carlos Affonso Pereira de Souza Professor da Faculdade de Direito da UERJ Diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS) @caffsouza

Leia mais

Assunto: Consulta pública sobre o Anteprojeto de Lei de Proteção de Dados Pessoais

Assunto: Consulta pública sobre o Anteprojeto de Lei de Proteção de Dados Pessoais São Paulo, 05 de julho de 2015. Ao Excelentíssimo Senhor José Eduardo Cardozo Ministro da Justiça C/C: Mariana Giostri Oliveira Rolim, Diretora Executiva, Brasscom Sergio Sgobbi, Diretor de Relações Institucionais,

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Dep. Federal Alessandro Molon (PT-RJ) Relator do PL 2.126/2011 VI Seminário Telcomp São Paulo, 25 de setembro de 2013 + amplamente debatido 2.300 contribuições consultas públicas 6 audiências e seminários

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. JOÃO DADO) Altera a Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997, dispondo sobre a fiscalização remota das redes e serviços de telecomunicações de interesse coletivo. O Congresso

Leia mais

um país digital & continental A realidade do setor nos Estados Brasileiros Como entender e interagir com o novo consumidor na hora da compra

um país digital & continental A realidade do setor nos Estados Brasileiros Como entender e interagir com o novo consumidor na hora da compra REVISTA DIGITALKS. ano 01. número 02 um país digital & continental A realidade do setor nos Estados Brasileiros Como entender e interagir com o novo consumidor na hora da compra #Content marketing 11 passos

Leia mais

IBRAC INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE CONCORRÊNCIA, CONSUMO E COMÉRCIO INTERNACIONAL A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NA INTERNET

IBRAC INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE CONCORRÊNCIA, CONSUMO E COMÉRCIO INTERNACIONAL A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NA INTERNET IBRAC INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE CONCORRÊNCIA, CONSUMO E COMÉRCIO INTERNACIONAL A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NA INTERNET 14 de agosto de 2015 Flávia Lefèvre Guimarães Representante do 3º Setor no CGI.br

Leia mais

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados o direito que cada um tem sobre seu nome, sua imagem, sua intimidade, sua honra e sua reputação, sua própria biografia, e

Leia mais

Contribuição dos alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de Direito, ao Marco Civil Regulatório da Internet

Contribuição dos alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de Direito, ao Marco Civil Regulatório da Internet Contribuição dos alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de Direito, ao Marco Civil Regulatório da Internet Os alunos da 1ª Turma do MBA-Direito Eletrônico da Escola Paulista de

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Deputado Federal Alessandro Lucciola Molon (Partido dos Trabalhadores Rio de Janeiro) Relator do Projeto de Lei 2.126/2011 (Lei 12.965/2014) 16 Giugno 2014 Montecitorio publicado no D.O.U. de 24.4.2014

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

O QUE MUDA NA SUA NAVEGAÇÃO COM O MARCO CIVIL DA INTERNET?

O QUE MUDA NA SUA NAVEGAÇÃO COM O MARCO CIVIL DA INTERNET? O QUE MUDA NA SUA NAVEGAÇÃO COM O MARCO CIVIL DA INTERNET? O QUE MUDA NA SUA NAVEGAÇÃO COM O MARCO CIVIL DA INTERNET? Redação e revisão Camila Marques, Laura Tresca, Luiz Alberto Perin Filho, Mariana Rielli

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

REGRAS PARA USO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS

REGRAS PARA USO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS REGRAS PARA USO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS REGRAS PARA USO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS DA ESCOLA SOKA INTRODUÇÃO Dispositivos móveis de comunicação definidos legalmente são a Internet do computador, notebook, o

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014.

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. Dispõe sobre aprovação da Política de Segurança da Informação do IFMG. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS, no uso

Leia mais

Investimentos brasileiros para melhoria da qualidade da banda larga e para a proteção de dados no País

Investimentos brasileiros para melhoria da qualidade da banda larga e para a proteção de dados no País Ministério das Comunicações Investimentos brasileiros para melhoria da qualidade da banda larga e para a proteção de dados no País Artur Coimbra Diretor do Departamento de Banda Larga Ministério das Comunicações

Leia mais

GRUPO 3. Pergunta do Professor:

GRUPO 3. Pergunta do Professor: GRUPO 3 Amanda Lima de Oliveira Mat. 12/0055627 Fernanda Brandão de Souza Mat. 12/0030403 Luisa Barros de Melo Mat. 12/0017211 Paula Cristina Margotto Mat. 12/0039702 Sarah Araujo do Monte Mat. 12/0022168

Leia mais

Seul Declaração da Sociedade Civil e do Trabalho. A Conferência Ministerial da OCDE Sobre o futuro da economia da Internet Seul, Coréia 16 junho 2008

Seul Declaração da Sociedade Civil e do Trabalho. A Conferência Ministerial da OCDE Sobre o futuro da economia da Internet Seul, Coréia 16 junho 2008 Seul Declaração da Sociedade Civil e do Trabalho A Conferência Ministerial da OCDE Sobre o futuro da economia da Internet Seul, Coréia 16 junho 2008 Esta reunião de organizações da sociedade civil e do

Leia mais

Marco civil da internet o papel da Auditoria Interna e Compliance. São Paulo, 28 de outubro de 2015 Nivaldo Cleto ncleto@nivaldocleto.cnt.

Marco civil da internet o papel da Auditoria Interna e Compliance. São Paulo, 28 de outubro de 2015 Nivaldo Cleto ncleto@nivaldocleto.cnt. Marco civil da internet o papel da Auditoria Interna e Compliance São Paulo, 28 de outubro de 2015 Nivaldo Cleto ncleto@nivaldocleto.cnt.br A lei 12.965/2014 Fundamentos do Marco Civil: A liberdade de

Leia mais

CPI Crimes Cibernéticos

CPI Crimes Cibernéticos CPI Crimes Cibernéticos AUDIÊNCIA PÚBLICA CÂMARA DOS DEPUTADOS ALEXANDER CASTRO BRASÍLIA, 01 DE DEZEMBRO DE 2015 Telecomunicações e Internet As redes de telecomunicações existentes em cada país servem

Leia mais

Resultados Chamada de Contribuições à Regulamentação do Marco Civil da Internet. Comitê Gestor da Internet no Brasil 27 de fevereiro de 2015

Resultados Chamada de Contribuições à Regulamentação do Marco Civil da Internet. Comitê Gestor da Internet no Brasil 27 de fevereiro de 2015 Resultados Chamada de Contribuições à Regulamentação do Marco Civil da Internet Comitê Gestor da Internet no Brasil 27 de fevereiro de 2015 CGI.br Introdução Período de recebimento das contribuições: 19

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet Depois de 15 anos o marco civil da internet está prestes a sair mas ainda causa polêmica. Um dos aspectos mais relevantes é o do livre acesso (ou não). O Congresso Nacional deve

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. RUY CARNEIRO) Dispõe sobre diretrizes gerais e normas para a promoção, desenvolvimento e exploração da atividade de computação em nuvem no País. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Trilha 6: Ambiente legal, regulatório, segurança e inimputabilidade da rede

Trilha 6: Ambiente legal, regulatório, segurança e inimputabilidade da rede Trilha 6: Ambiente legal, regulatório, segurança e inimputabilidade da rede A) Questões chave levantadas: (Relato concatenado das discussões dos dias 13 e 14.) Busca de um ambiente legal e regulatório

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0 Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema Inovação e Empreendedorismo Data: 02/04/2014 Versão 1.0 1. INTRODUÇÃO Os relatórios considerados para esta síntese foram: I Fórum

Leia mais

Confidencialidade no uso de redes de telecomunicações no Brasil. Averiguações feitas pela Anatel

Confidencialidade no uso de redes de telecomunicações no Brasil. Averiguações feitas pela Anatel Parte Processual Confidencialidade no uso de redes de telecomunicações no Brasil Averiguações feitas pela Anatel João Rezende Presidente Brasília, 15 de outubro de 2013 Contextualização Um ex-técnico da

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI PROJETO DE LEI Nº 6835, DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de pontos de acesso sem fio à Internet nas ERB Estações

Leia mais

Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil

Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil Combatendo Crimes Cibernéticos Proteção Legal no Brasil André Machado Caricatti Jorilson da Silva Rodrigues Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil Objetivo do Trabalho Utilizar um modelo de referência

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE

CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE OSMAR LOPES JUNIOR CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE A internet rompe barreiras, fronteiras e qualquer

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008 1 Disciplina a forma, os prazos e os meios de preservação e transferência de dados informáticos mantidos por fornecedores de serviço a autoridades públicas, para fins de investigação de crimes praticados

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO CIVIL DA INTERNET NO BRASIL

MARCO REGULATÓRIO CIVIL DA INTERNET NO BRASIL MARCO REGULATÓRIO CIVIL DA INTERNET NO BRASIL 1. Direitos individuais e coletivos (Eixo 1) 1.1 Privacidade 1.1.1 Intimidade e vida privada, direitos fundamentais 1.1.2 Inviobilidade do sigilo da correspondência

Leia mais

NORMA GERAL DE SEGURANÇA E USO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDE - INTERNET

NORMA GERAL DE SEGURANÇA E USO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDE - INTERNET 02/IN02/CGSIC/IFTM 00 - / /2013 29/08/2013 1/10 ORIGEM Esta é uma norma complementar à Política de Segurança da Informação e Comunicação (POSIC), a qual foi elaborada pela Diretoria de Tecnologia de Informação

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET

MARCO CIVIL DA INTERNET MARCO CIVIL DA INTERNET SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCT BRASÍLIA, 03 DE SETEMBRO DE 2013 ALEXANDER CASTRO Abril de 1995, governo brasileiro abre

Leia mais

RESOLUÇÃO GP/DG N. 7, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO GP/DG N. 7, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2014 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO RESOLUÇÃO GP/DG N. 7, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2014 Institui a Política de Segurança da Informação e Comunicação (POSIC-TRT3) no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

CLAUDIO NAZARENO. Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia

CLAUDIO NAZARENO. Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia Comentários acerca do Projeto de Lei nº 2.126/11, que [e]stabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil, o chamado Marco Civil da Internet CLAUDIO NAZARENO Consultor

Leia mais

CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA

CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA A FIESP esclarece que as informações apresentadas na presente Cartilha são apenas sugestões para auxiliar as

Leia mais

Síntese do debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Segurança e Privacidade. Data: 02/04/2014 Versão: 1.0

Síntese do debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Segurança e Privacidade. Data: 02/04/2014 Versão: 1.0 Síntese do debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema Segurança e Privacidade Data: 02/04/2014 Versão: 1.0 1. INTRODUÇÃO Os relatórios considerados para esta síntese foram: Fórum I São

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 058, DE 25 DE MAIO DE 2009 Estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

PROPOSTAS PARA A CONECTIVIDADE DAS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS

PROPOSTAS PARA A CONECTIVIDADE DAS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS PROPOSTAS PARA A CONECTIVIDADE DAS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS I. APRESENTAÇÃO Como garantir que todas as escolas públicas tenham acesso à internet veloz para que as novas tecnologias contribuam de maneira

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET PRELÚDIO DA NORMATIZAÇÃO NACIONAL SOBRE DIREITOS E DEVERES NO AMBIENTE VIRTUAL.

MARCO CIVIL DA INTERNET PRELÚDIO DA NORMATIZAÇÃO NACIONAL SOBRE DIREITOS E DEVERES NO AMBIENTE VIRTUAL. São Paulo, 28 de abril de 2014. MARCO CIVIL DA INTERNET PRELÚDIO DA NORMATIZAÇÃO NACIONAL SOBRE DIREITOS E DEVERES NO AMBIENTE VIRTUAL. Autor: LUIZ RICARDO DE ALMEIDA e-mail.: luiz.almeida@riccipi.com.br

Leia mais

Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados.

Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados. PORTARIA Nº 693, DE 20 DE AGOSTO DE 2009 Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados. O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TENOLOGIA, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 12, DE 2015 (Do Sr. Lucas Vergilio)

PROJETO DE LEI N.º 12, DE 2015 (Do Sr. Lucas Vergilio) *C0050960A* C0050960A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 12, DE 2015 (Do Sr. Lucas Vergilio) Dispõe sobre a utilização de sistemas de verificação biométrica e dá outras providências. DESPACHO: ÀS

Leia mais

ACESSO À INTERNET: UMA BREVE COMPARAÇÃO ENTRE OS DISPOSITIVOS LEGAIS DE NEUTRALIDADE DA REDE DO BRASIL E CHILE

ACESSO À INTERNET: UMA BREVE COMPARAÇÃO ENTRE OS DISPOSITIVOS LEGAIS DE NEUTRALIDADE DA REDE DO BRASIL E CHILE ACESSO À INTERNET: UMA BREVE COMPARAÇÃO ENTRE OS DISPOSITIVOS LEGAIS DE NEUTRALIDADE DA REDE DO BRASIL E CHILE Victor Araújo de Menezes 1 Ariane Simioni 2 RESUMO Este artigo tem por objetivo comparar os

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

A CONTRATAÇÃO DIRETA DE INSTITUIÇÕES PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

A CONTRATAÇÃO DIRETA DE INSTITUIÇÕES PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A CONTRATAÇÃO DIRETA DE INSTITUIÇÕES PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Sebastião Botto de Barros Tojal e Luiz Eduardo P.Regules Recentemente, agentes políticos têm sido alvo de reportagens veiculadas na imprensa,

Leia mais

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS Os conteúdos listados abaixo são uma prévia dos temas e podem ser adequados ao cliente de acordo com o perfil e demanda da empresa/instituição.

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS)

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS) POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS) 1. A aceitação a esta Política de Privacidade se dará com o clique no botão Eu aceito

Leia mais

Legislação aplicada às comunicações

Legislação aplicada às comunicações Legislação aplicada às comunicações Discussão Neutralidade de Rede e Reflexões sobre Regulação da Mídia Carlos Baigorri Brasília, março de 2015 Definição A neutralidade da rede é o princípio de que todo

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET PROTEÇÃO DE DIREITOS AUTORAIS E MARCAS. RODRIGO BORGES CARNEIRO rcarneiro@dannemann.com.br

MARCO CIVIL DA INTERNET PROTEÇÃO DE DIREITOS AUTORAIS E MARCAS. RODRIGO BORGES CARNEIRO rcarneiro@dannemann.com.br MARCO CIVIL DA INTERNET PROTEÇÃO DE DIREITOS AUTORAIS E MARCAS RODRIGO BORGES CARNEIRO rcarneiro@dannemann.com.br MARCO CIVIL - LEI 12.965/14 Constituição da Internet Estabelece princípios, garantias,

Leia mais

JORNADA DIVERSIDADE CULTURAL E NOVAS TECNOLOGIAS VERA KAISER SANCHES KERR

JORNADA DIVERSIDADE CULTURAL E NOVAS TECNOLOGIAS VERA KAISER SANCHES KERR SOMOS PRIVACIDADE ANÔNIMOS DE NA DADOS INTERNET? VERA KAISER SANCHES KERR SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Características Redução considerável do custo da transmissão de dados Uso das tecnologias de armazenamento

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Estratégia corporativa conhecido e desprovido.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Estratégia corporativa conhecido e desprovido. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 99901.001415/201-7 Assunto: Restrição de acesso: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Virtualização do processo judicial André Luiz Junqueira 1. INTRODUÇÃO A Associação dos Juizes Federais do Brasil (AJUFE) encaminhou um projeto de lei sobre a informatização do processo

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet (Lei 12.965/2014) Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com Ecosistema Agenda Breve histórico sobre Direito Digital. O Marco Civil e as pessoas de TI:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora da República infra-assinada, com fundamento no art. 129, inc. II e inc.

Leia mais

(ANEXO 2) FICHA DOS PROJETOS

(ANEXO 2) FICHA DOS PROJETOS (ANEXO 2) FICHA DOS PROJETOS 1 - SUAP - Sistema Unificado de Acompanhamento Processual Implantar, a partir de diretrizes do CSJT, sistema único de acompanhamento processual, em substituição aos diversos

Leia mais

TEMA 1: PRESTAÇÃO ADEQUADA DE SERVIÇOS E APLICAÇÕES

TEMA 1: PRESTAÇÃO ADEQUADA DE SERVIÇOS E APLICAÇÕES TEMA 1: PRESTAÇÃO ADEQUADA DE SERVIÇOS E APLICAÇÕES 1) Quais requisitos técnicos poderiam ser elencados para garantir a qualidade e prestação adequada dos diversos serviços e aplicações cursados sobre

Leia mais

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Faculdade de Tecnologia Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Alunos: Anderson Mota, André Luiz da Silva, Misael Bezerra, Rodrigo Damasceno Kaji. GTI 5 Noturno Noções de Direito Prof.

Leia mais

Leitura do relatório sintético das trilhas elaborado pela Comissão de Sistematização e Relatores

Leitura do relatório sintético das trilhas elaborado pela Comissão de Sistematização e Relatores OBJETIVOS E ATIVIDADES O objetivo da foi possibilitar a consolidação e visualização das reflexões e contribuições do conjunto de todas as cinco trilhas, facultando aos participantes pronunciamentos relacionados

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER.

REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER. REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER. 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2016

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2016 REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2016 (Do Sr. Marcio Alvino) Solicita ao Sr. Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações informações quanto às ações desse Ministério e da Agência Nacional

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DA COMISSÃO DE ÉTICA PÚBLICA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DA COMISSÃO DE ÉTICA PÚBLICA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DA COMISSÃO DE ÉTICA PÚBLICA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARLOS HENRIQUE FOCESI SAMPAIO, brasileiro, Deputado Federal, Líder do PSDB na Câmara dos Deputados, com endereço

Leia mais

Procedimento Administrativo IV 1.30.001.005532/2011-08 RECOMENDAÇÃO MPF/PRRJ/GAB/AMLC N 01/2012

Procedimento Administrativo IV 1.30.001.005532/2011-08 RECOMENDAÇÃO MPF/PRRJ/GAB/AMLC N 01/2012 Procedimento Administrativo IV 1.30.001.005532/2011-08 RECOMENDAÇÃO MPF/PRRJ/GAB/AMLC N 01/2012 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelos Procuradores da República abaixo firmados, no uso de suas atribuições

Leia mais