Iniciativa Nacional para a Banda Larga

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Iniciativa Nacional para a Banda Larga"

Transcrição

1 Iniciativa Nacional para a Banda Larga José Fernandes UMIC Aveiro, 27 de Fevereiro 2004

2 1 A Iniciativa Nacional para a Banda Larga Governo Electrónico Ensino em Linha Negócios Electrónicos Saúde em Linha Banda Larga Parte integrante do Plano de Acção para a Sociedade da Informação, a Iniciativa Nacional para a Banda Larga foi aprovada por Resolução de Conselho de Ministros (RCM nº 109/2003 de 12 de Agosto)

3 2 Visão para o conceito de Banda Larga em Portugal Principais orientações Independência tecnológica Qualquer equipamento terminal Suportar conteúdos progressivamente mais complexos Acesso em diferentes graus de mobilidade Adequado ao nível de sofisticação e intensidade de utilização Always On Qualidade e segurança elevada

4 3 Objectivos de Banda Larga para Portugal em 2005 Indicadores (entidades com ligação à Internet em Banda Larga) Objectivos 2005 Famílias 50% Empresas com mais de 9 empregados >50% Organismos da Administração Central 100% Estabelecimentos Hospitalares 100% Alunos por Computador Postos Públicos Melhor que a Média Europeia 16 por cada habitantes A estratégia de Banda Larga para Portugal é ambiciosa e pretende posicionar o país no grupo dos líderes Europeus de Banda Larga em 2005

5 4 Constrangimentos ao desenvolvimento da Banda Larga Inerentes à Internet / Banda Larga Associados ao país Reduzida penetração de PCs em Portugal Zonas desfavorecidas, com limitações no acesso a serviços de Banda Larga Preços elevados para a massificação dos serviços de Banda Larga Desconhecimento sobre os benefícios de adopção e utilização da Internet Reduzido conhecimento e formação em Tecnologias de Informação Reduzido e inadequado nível de investimento em Tecnologias de Informação Conteúdos de Banda Larga escassos e pouco atractivos Reduzida concorrência no mercado banda larga

6 A análise da procura e da oferta permitiu identificar áreas onde poderá ser necessário desenvolver infra-estruturas 5 Clusters regionais População Área Cobertura Clientes de banda larga Milhares ( ) % do total de clientes Infra-estruturados globalmente 50% 13% Superior a 70% 340 (80) Infra-estruturados parcialmente 20% 15% Inferior a 70% 55 (13) Info-excluídos conjunturais 18% 25% Inferior a 10% 21 (5) Info-excluídos estruturais 12% 47% Inferior a 10% 9 (2)

7 Para além do desenvolvimento de infra-estruturas de banda larga, será necessário fomentar a sua utilização 6 O preço constitui uma das principais barreiras à adesão à banda larga, estando a massificação dependente do preço justo e de formas inovadoras de pagamento A competitividade do mercado está fortemente condicionada pelos níveis de preços de wholesale Preço do serviço Portugal tem uma das mais elevadas taxas de iliteracia da UE, sendo a internet irrelevante para 50% da população Novos serviços têm um elevado valor percebido, constituindo um factor chave para o crescimento do número de utilizadores Conteúdos Valor para o utilizador Preço do Equipamento Terminal A penetração de PCs é crítica para estimular a utilização da banda larga Equipamento terminal a preços acessíveis é crítico para quebrar inércia à aquisição

8 Linhas estratégicas de actuação Aumento da info-inclusão (aumentar a cobertura de Banda Larga do País), tendo em conta as diferentes realidades regionais e a infra-estrutura instalada Aumentar o valor percebido para os utilizadores da oferta de banda larga, através de uma actuação simultânea ao nível do preço dos serviços, dos equipamentos terminais e dos conteúdos Objectivos da Iniciativa Nacional para a Banda Larga Gestão de projectos estruturantes Financiamento Público e Comunitário Regulação 7

9 Eixos de actuação e projectos da Iniciativa Nacional para a Banda Larga 8 INFRA- ESTRUTURAS E ACESSOS CONTEÚDOS E APLICAÇÕES MULTIMEDIA COMPETITI- UTILIZAÇÃO DE BANDA LARGA INFO-INCLUSÃO VIDADE NACIONAL 1 Terminal de Banda Larga por Agregado Promover a Internet de Banda Larga Certificado Qualidade Digital Criar Conteúdos e Aplicações Atractivos Intervenção Legislativa Espaços Comunitários Formação em TI Redes Comunitárias Segurança e Proximidade Investir para Modernizar Dinamizar Indústria de Conteúdos e Aplicações Qualidade de Vida Centros de Atendimento Virtuais Empresas on-line Estimular Competitividade Escolas Virtuais Redes Colaborativas

10 9 GRUPO DE ACÇÃO PARA A BANDA LARGA Estado / Gestores de Fundos UMIC Disponibilizar fundos e assegurar a implementação das acções de dinamização de Banda Larga acordadas, que dependem de Entidades Públicas Gerir a alocação de esforços e recursos nos vários eixos de actuação com vista a assegurar o cumprimento das metas e objectivos nacionais traçados Grupo de Acção para a Banda Larga Mobilizar e consensualizar os agentes para a implementação das acções necessárias ao cumprimento das metas e objectivos nacionais

11 Principais projectos já em fase de implementação e-u (Campos Virtuais) Biblioteca Digital (algumas editoras já disponíveis online...) Banda Larga Dentro de Casa Redes Comunitárias Rede Aberta de Redes Locais via Rádio (Wi-Fi aberto) Pontos Banda Larga Conteúdos Banda Larga Cidades e Regiões Digitais Portal do Cidadão Compras Electrónicas Interoperabilidade Racionalização de custos de comunicações da Admin. Pública Banda Larga nas Escolas (concurso público já lançado) 10

12 11 Acções a lançar/ reforçar em Implementar nova versão de ITED 2 Estudar possibilidade de realização de ofertas de homezoning 3G em zonas infoexcluídas 3 Fomentar a realização de upgrades da rede ADSL (ADSL2, etc.) 4 Contribuir para assegurar condições concorrenciais para os ISPs 5 Iniciar o desenvolvimento de Equal Access Networks Lançar programas para facilitar a aquisição de PCs Lançar esforços de divulgação da banda larga

13 Banda Larga em Casa 12

14 13 Banda Larga até Casa Satélite BFWA xdsl CATV Fibra Óptica Power Line 3G WiFi TDT

15 14 O desenvolvimento da banda larga residencial em Portugal poderá ser concretizado através de nove tecnologias alternativas Wireline xdsl Cabo Power Line Fibra Óptica Fixed Wireless BFWA TDT Free Space Optics Satélite Mobile/ Wireless WiFi UMTS

16 15 Possibilidades de Implementação Clusters regionais com procura potencial mínima Infra-estruturados globalmente Infra-estruturados parcialmente Info-excluídos conjunturais Info-excluídos estruturais 2004 Fomentar a realização de upgrades da rede ADSL (ADSL2, etc.) Cobrir cidades/ regiões-piloto Implementar progressivamente uma equal access network Levantamento do mapa das vias digitais, em colaboração com a ANACOM Com acesso a subsídio Sem acesso a subsídio Estudar possibilidade de realização de ofertas de homezoning 3G em zonas infoexcluídas Implementar nova versão de ITED Horizonte temporal

17 A massificação do serviço dependente de um preço justo e de formas inovadoras de pagamento Fonte: Schema 2001-Alcatel; Observatório de Inovação e Conhecimento 16 Preço justo para o serviço de banda larga actual Euros 35 Preço actual médio 30 Valor percebido internet + na Europa -17% -30% 25 Valor percebido corrigido pelo PPP Formas inovadoras de pagamento implementadas com sucesso em outras indústrias (em alternativa à flat rate) Pré-pagos Pagamento por consumo horário Pagamento por serviço disponibilizado Exemplos de industrias (Portugal) Telecomunicações móveis, Internet/Banda Estreita Telecomunicações móveis e fixas, electricidade Lançar programas para facilitar a aquisição de equipamento terminal Telecomunicações móveis, televisão por cabo

18 Redes Comunitárias 17

19 18 Os objectivos de uma Rede Comunitária Objectivos de uma Rede Comunitária 1 Disponibilizar o acesso à Banda Larga à população e a entidades públicas e privadas em zonas infoexcluídas + 2 Racionalizar os custos de acesso à Banda Larga nos organismos públicos (e.g. Administração regional, local, hospitais e escolas públicas) e/ou aumentando a sua qualidade de serviço prestado

20 19 potenciando o seu desenvolvimento social e económico Desenvolvimento social e económico das regiões Aumento da info-inclusão, permitindo a divulgação e adopção das novas tecnologias Desenvolvimento económico e social dos concelhos através da massificação do acesso à Banda Larga e educação tecnológica da população Atracção de investimento público e privado (e.g. Estado, municípios, operadores, empresas) Efeito multiplicador na economia local através da construção de infra-estruturas Aumento da produtividade e melhoria da eficiência nas empresas e na Administração Pública, com potencial para a redução de custos operacionais Projecção das regiões abrangidas pelo projecto redes comunitárias como exemplo para a massificação da Internet de Banda Larga no país Posicionar os concelhos alvo do projecto como modelo na aplicação de fundos comunitários para o desenvolvimento da sociedade da informação

21 As Redes Comunitárias serão, em parte, financiadas utilizando financiamentos directos do Estado/EU. Modelos possíveis de financiamento de infra-estruturas Financiamento directo pelo Estado/ UE Irlanda/França Canadá Forma de financiamento Financiamento directo pelos Municípios Suécia Concessão de empréstimos bonificados/ benefícios fiscais a privados Japão Coreia do Sul Back haul MANs Last mile Módulo da rede financiado 20

22 21 A implementação de uma Rede Comunitária...pressupõe a existência de várias entidades intervenientes na detenção, operação e exploração dos serviços de telecomunicações de banda larga Entidades Detentor(es) da infra-estrutura Operação e manutenção da infraestrutura Prestadores de serviços de telecomunicações Requisitos Entidade que detêm a infra-estrutura de telecomunicações. Natural que o detentor seja uma entidade pública Dependendo das competências e do grau de risco, a O&M pode ser assegurada por uma entidade pública, privada ou mista Privilegiada a atribuição por concurso público Rede aberta para acesso concorrencial aos vários prestadores de serviços Qualquer prestador de serviços pode aceder à rede comunitária A selecção deve ser efectuada por concurso público A agregação de procura pública de serviços de telecomunicações pode ser atribuída por concurso público

23 O desenvolvimento de uma Rede Comunitária passa pela resposta a duas questões fundamentais 22 Como financiar a construção da nova rede? Solução possível para implementação da Rede Comunitária Financiamento directo pelo Estado/ UE Actuação necessária a curto prazo para facilitar a tomada de decisão Mapeamento detalhado das condutas e da fibra óptica já instalada em Portugal Definição e lançamento de política municipal de instalação de condutas para passagem futura de fibra óptica Qual o modelo de propriedade e de gestão da futura rede? Entidade pública proprietária da rede, com participação directa do Estado e dos municípios, operada em regime de outsourcing por empresa privada com know-how tecnológico Lançamento de 3 a 4 pilotos ao abrigo da medida Cidades e Regiões Digitais por forma a desenvolver-se o modelo de gestão da futura rede e a se afinar o business case do projecto

24 23 O lançamento de pilotos, detalhar o modelo de gestão da futura rede e afinar o business case do projecto Objectivos a atingir com os pilotos Detalhar o modelo de gestão da rede Afinar business case do projecto Clarificar barreiras para a instalação de infra-estruturas de telecomunicações nos municípios com diferentes configurações Identificar as acções e processos necessários para simplificar instalações futuras Negociar e operacionalizar acordos de outsourcing com parceiros tecnológicos privados Desenvolver e afinar oferta de wholesale para ISPs Natureza da oferta Pricing e modelo de comercialização Definir modelo de gestão da rede e necessidades organizativas Afinar investimentos necessários para instalação da rede Quantificar receitas previstas com exploração da equal access network Quantificar custos de estrutura Estimar custos de outsourcing

25 O piloto em Castelo de Paiva 24 Foi seleccionado com base as manifestações de interesse recebidas e vai ser usado para ajustar o modelo de desenvolvimento das Redes Comunitárias, Manifestação de Interesse

26 25 A rede Comunitária de Castelo de Paiva terá como objectivo......aumentar a disponibilidade de Banda Larga para 95% dos agregados familiares e 100% dos edifícios públicos abrangendo todas as freguesias do Concelho Ilustrativo Rede de fibra óptica da AdDP População: Área: Ha Alojamentos: Rede de fibra óptica

27 26 Fundos Públicos envolvidos Fundos nacionais, regionais e locais Fundos estruturais Europeus por regiões elegíveis 7% dos 33b (Orçamento 2003) destinados às TIC Guidelines Directrizes sobre os critérios e modalidades de aplicação dos fundos estruturais para apoio de comunicações electrónicas Pretendem ajudar os Estados Membros e regiões que desejam co-financiar investimentos através dos fundos estruturais no sector das comunicações electrónicas. Actualizam e complementam o documento de trabalho da Comissão: Sociedade de Informação e desenvolvimento regional -Intervenções do FEDER - critérios para avaliação do Programa

28 Fundos Públicos envolvidos Critérios para intervenção do FEDER Necessidade de um quadro estratégico Dilimitação geográfica Neutralidade tecnológica Acesso aberto Iniciativa Europeia para o crescimento tirar partido da avaliação intercalar dos programas apoiados pelos Fundos Estruturais e da afectação da reserva de desempenho em 2004, a fim de intensificar as actividades ligadas à estratégia de Lisboa em prol da sociedade da informação e da investigação e da inovação. 27

29 28

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

O futuro da Banda Larga em Portugal

O futuro da Banda Larga em Portugal O futuro da Banda Larga em Portugal Dr. Miguel Horta e Costa Presidente Executivo da Portugal Telecom Lisboa, 5 de Fevereiro de 2004 Quadro 1 Portugal encontra-se hoje particularmente bem posicionado para

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

REDES COMUNITÁRIAS. Casos Internacionais. Stokcab Municipios de Estocolmo. MetroWeb Municipios de Milão

REDES COMUNITÁRIAS. Casos Internacionais. Stokcab Municipios de Estocolmo. MetroWeb Municipios de Milão REDES COMUNITÁRIAS Casos Internacionais Stokcab Municipios de Estocolmo MetroWeb Municipios de Milão BorderLight.net Municipios da Suécia / Cidade de Uppsala Utopia.net Municipios do Estado do Utah 0 O

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

MEDIDA 3.6 Implantação de Redes de Banda Larga de Nova Geração, em Zonas Rurais

MEDIDA 3.6 Implantação de Redes de Banda Larga de Nova Geração, em Zonas Rurais MEDIDA 3.6 Implantação de Redes de Banda Larga de Nova Geração, em Zonas Rurais 1. Eixo (s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento

Leia mais

Leiria Região Digital

Leiria Região Digital U M A R E G I Ã O ONLINE COM A VIDA Leiria Região Digital Resultados 15 de Julho de 2008 Nerlei 1 Agenda Parceiros do Leiria Região Digital (LRD) Zona de abrangência Objectivos do LRD Resultados do projecto

Leia mais

Entidades* UMIC, Ministério da Cultura, municípios e mercado. UMIC e mercado. UMIC, mercado e operadores. UMIC, municípios e organismos públicos

Entidades* UMIC, Ministério da Cultura, municípios e mercado. UMIC e mercado. UMIC, mercado e operadores. UMIC, municípios e organismos públicos N. o 185 12 de Agosto de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4887 prestação de serviços ao cidadão (e. g., acesso ao portal do cidadão); Promover a criação de centros de saúde virtuais em zonas geográficas

Leia mais

Os Novos desafios da Sociedade do Conhecimento

Os Novos desafios da Sociedade do Conhecimento www.umic.gov.pt www.internet.gov.pt Os Novos desafios da Sociedade do Conhecimento Ricardo Paixão Marques 26 Março, Tagus Park 1 Índice 1 A UMIC 2 Projectos em curso 3 Espaços Internet de 2º Geração 2

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

N. o 185 12 de Agosto de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4873

N. o 185 12 de Agosto de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4873 N. o 185 12 de Agosto de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 4873 4.3.2 Áreas de intervenção do Estado A participação e intervenção do Estado deverão ser estabelecidas em três domínios de intervenção distintos:

Leia mais

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O e-gov em Portugal Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O Plano Tecnológico é uma estratégia de mudança da base competitiva através do conhecimento, tecnologia e inovação 2 Conhecimento

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

Programa comunitário para a sociedade digital COMISSÃO EUROPEIA DG INFSO/F3

Programa comunitário para a sociedade digital COMISSÃO EUROPEIA DG INFSO/F3 Programa comunitário para a sociedade digital COMISSÃO EUROPEIA DG INFSO/F3 Agenda 1- Objectivos das TEN-Telecom 2- Domínios de interesse público 3- Fases do projecto e financiamento 4- Condições de participação

Leia mais

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido MEMO/08/79 Bruxelas, 8 de Fevereiro de 2008 Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido 1. O Programa Operacional de Cooperação Transnacional Espaço Atlântico

Leia mais

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 2006-2015 Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 Portugal 2015 Portugal 2015 - Metas 2005 2015 Douro Douro Oeste Oeste Serra da Estrela Serra da Estrela Alqueva Litoral Alentejano Litoral Alentejano

Leia mais

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 A Estratégia de Lisboa e o Plano Tecnológico Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 1. Estratégia de Lisboa Estratégia de Lisboa : uma resposta a novos desafios A Globalização e a emergência de novas potências

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Consulta Pública sobre Sistemas de Acesso Fixo Via Rádio ( FWA ) Comentários e Respostas da PT Comunicações às Questões Suscitadas

Consulta Pública sobre Sistemas de Acesso Fixo Via Rádio ( FWA ) Comentários e Respostas da PT Comunicações às Questões Suscitadas Consulta Pública sobre Sistemas de Acesso Fixo Via Rádio ( FWA ) Comentários e Respostas da PT Comunicações às Questões Suscitadas Consulta Pública sobre Sistemas de Acesso Fixo Via Rádio ( FWA ) Comentários

Leia mais

PT Wi-Fi: Internet em Movimento

PT Wi-Fi: Internet em Movimento PT Wi-Fi: Internet em Movimento Clipping de Media (05 a 09 de Dezembro de 2003) Meio: Diário Económico Data: 09 de Dezembro de 2003 Pág.: 6 Meio: Jornal de Negócios Data: 09 de Dezembro de 2003 Pág.: 8

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011 ESPECIAL PMEs Volume III Fundos europeus 2ª parte O Portal de Negócios Rua Campos Júnior, 11 A 1070-138 Lisboa Tel. 213 822 110 Fax.213 822 218 geral@oportaldenegocios.com Copyright O Portal de Negócios,

Leia mais

A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013. Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM

A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013. Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013 Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM índice 1. Os novos desafios da competitividade e a utilização das

Leia mais

Plano T ecnológico Tecnológico d a da E ducação Educação

Plano T ecnológico Tecnológico d a da E ducação Educação Plano Tecnológico da Educação 23 de Julho de 2007 ENQUADRAMENTO Estratégia de Lisboa ME Tornar a Europa a economia baseada no conhecimento mais dinâmica e competitiva do mundo Aumentar a qualidade e a

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

Portal do Golfe. Informação, Colaboração e Reservas Online

Portal do Golfe. Informação, Colaboração e Reservas Online Informação, Colaboração e Campo Real, 25 de Junho de 2010 Objectivos Reforçar a competitividade internacional da oferta de golfe em Portugal Reforçar a parceria com o Turismo de Portugal ao nível da estratégia

Leia mais

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital U. Lusófona, 11 Jul 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

A União Europeia e o apoio às Empresas. Margarida Marques, Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal

A União Europeia e o apoio às Empresas. Margarida Marques, Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal A União Europeia e o apoio às Empresas Margarida Marques, Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal Abril 2010 Programa-Quadro para a Competitividade e a Inovação (CIP) Programa-Quadro para

Leia mais

UNL, 19 de Novembro de 2005. A Inovação em Portugal Contributo das Empresas e das Universidades

UNL, 19 de Novembro de 2005. A Inovação em Portugal Contributo das Empresas e das Universidades UNL, 19 de Novembro de 2005 A Inovação em Portugal Contributo das Empresas e das Universidades 1 Foco numa oportunidade clara Convergência Digital Imagem uma nova dimensão Estrangulamento no acesso (last

Leia mais

Algarve Digital Sessão de trabalho. Janeiro de 2006. Algarve Digital

Algarve Digital Sessão de trabalho. Janeiro de 2006. Algarve Digital Algarve Digital Sessão de trabalho Janeiro de 2006 Agenda Sessão Informativa Ponto de Situação geral do Projecto Algarve Digital Lançamento do Projecto Redes Camarárias Lançamento dos Projectos Intranet

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Uma nova política para a sociedade da informação

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Uma nova política para a sociedade da informação UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Uma nova política para a sociedade da informação Diogo Vasconcelos Gestor da Unidade de Missão Inovação e Conhecimento Brasília 2003 Artigo publicado

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005 S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005 Pela Resolução n.º 100/2005, de 16 de Junho, foi aprovado o Plano Integrado para a Ciência e Tecnologia. Desse Plano consta

Leia mais

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 Iniciativa JESSICA Financiamento de Projectos Sustentáveis de Reabilitação Urbana Perspectivas para o Período 2014-2020 de Programação dos Fundos Comunitários Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 JESSICA (Joint

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas Agenda 1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento 2. Estratégia para as Compras Públicas 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas 4. Desafios para 2009 2 Propósito Estratégico: Agência Nacional

Leia mais

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento Área Metropolitana do Porto 2007-2013 Programa Territorial de Desenvolvimento Modernização do Governo Electrónico e melhoria da relação das empresas e dos cidadãos com a Administração Desconcentrada e

Leia mais

4794 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 185 12 de Agosto de 2003 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

4794 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 185 12 de Agosto de 2003 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 4794 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 185 12 de Agosto de 2003 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho de Ministros n. o 107/2003 A Resolução do Conselho de Ministros n. o 135/2002,

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação As políticas nacionais para a Sociedade do Conhecimento: literacia/competências digitais e inclusão social Graça Simões Agência para a Sociedade do Conhecimento UMIC Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0

Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0 IP/08/1422 Bruxelas, 29 de Setembro de 2008 Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0 A Europa pode liderar a Internet da próxima geração.

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas

Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO SEMINÁRIO QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas Nuno Rodrigues Observatório da Sociedade

Leia mais

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal!

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! 25 de Janeiro de 2013 Agenda: Enquadramento Legislativo e Regulamentar adequado à Utilização de Energia nas empresas; Âmbito

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE Versão do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização adotada em dezembro de 2014. 1. Estrutura do Programa e Indicadores de Resultado

Leia mais

Plataforma de Compras Electrónicas. Sessão de Apresentação do Projecto

Plataforma de Compras Electrónicas. Sessão de Apresentação do Projecto Plataforma de Compras Electrónicas Sessão de Apresentação do Projecto 16 de Abril de 2007 Dr.ª Rosário Fernandes Estatísticas do Projecto (Fevereiro e Março de 2007) Utilizadores Orgânicas Fornecedores

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo A Bolsa de Ideias CAIE (BI) é uma iniciativa desenvolvida pelo Projecto CAIE Centro de Apoio à Inovação e ao Empreendedorismo, financiado pela Iniciativa Comunitária EQUAL. Esta iniciativa

Leia mais

Jornadas sobre Regulação dos Mercados de Telecomunicações. Lisboa, 6 de Novembro de 2002

Jornadas sobre Regulação dos Mercados de Telecomunicações. Lisboa, 6 de Novembro de 2002 Telecom Televisão Digital Jornadas sobre Regulação dos Mercados de Telecomunicações Lisboa, 6 de Novembro de 2002 Televisão Digital Terrestre na Europa Aposta clara da UE na Televisão Digital Terrestre

Leia mais

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento S E M I N Á R I O AUDITORIAS DE VALOR 11 de Outubro de 2010 A. Novo Paradigma de Desenvolvimento 2007/2013 Passagem do Objectivo 1 (Convergência) para o Objectivo 2 (Competitividade e Emprego). Alteração

Leia mais

A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas

A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas A CRIAÇÃO E O LANÇAMENTO DAS ACTIVIDADES DA TA CR A fundação da Agência de Tecnologia da República Checa (adiante designada TA CR ) foi um

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 20.3.2006 COM(2006) 129 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Pôr fim

Leia mais

O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM:

O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM: O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM: Decidiu apoiar as PME através deste programa, que permite: Modernizar a sua infraestrutura de comunicações Fazer crescer o seu negócio Incorporar competências essenciais

Leia mais

Um Desafio às Telecomunicações

Um Desafio às Telecomunicações Um Desafio às Telecomunicações A Inovação na Administração Pública como driver de desenvolvimento de novas infra-estruturas, produtos e serviços egovernment & ehealth 24 e 25 de Junho de 2008 IDC - CCB

Leia mais

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul 1. Identificação do Recurso Endógeno e do Território Alvo PROVERE Beira Baixa: Terras de Excelência : Conjugar a valorização do território, dos produtos

Leia mais

Resolução de Conselho de Ministros N.º 110/2000

Resolução de Conselho de Ministros N.º 110/2000 Resolução de Conselho de Ministros N.º 110/2000 Resolução do Conselho de Ministros relativa à Iniciativa Internet O Governo tem vindo a desenvolver de forma consistente, desde 1995, uma política de desenvolvimento

Leia mais

Aspectos técnicos e regulamentares das redes sem fios

Aspectos técnicos e regulamentares das redes sem fios Aspectos técnicos e regulamentares das redes sem fios Aplicação isentas de licenciamento radioeléctrico Leiria, 27 de Maio de 2009 José Mário Valente & Miguel Azevedo Nunes AGENDA ANACOM QNAF ISENÇÃO DE

Leia mais

Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT

Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT Mecanismo de Apoio e Incentivo à Inovação e I&DT Victor Francisco Responsável Unidade Gestão e Promoção da Inovação [victor.francisco@ctcv.pt] Seminário Gestão da Inovação - ACIB 25 de Março 2010 1 Sumário

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 07 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO Nos termos do Regulamento do SI Qualificação

Leia mais

Centro de Mar em Portimão Apresentação do Estudo Preliminar

Centro de Mar em Portimão Apresentação do Estudo Preliminar Centro de Mar em Portimão Apresentação do Estudo Preliminar 24.Julho.2009 Auditório do Museu de Portimão Sumário (I) 2 Introdução I. As questões teóricas de enquadramento 1. O contexto económico e social

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros 109/2003, de 12 de Agosto - I Série B

Resolução do Conselho de Ministros 109/2003, de 12 de Agosto - I Série B Resolução do Conselho de Ministros 109/2003, de 12 de Agosto - I Série B Aprova a Iniciativa Nacional para a Banda Larga NÚMERO : 185 SÉRIE I-B EMISSOR : Presidência do Conselho de Ministros DIPLOMA/ACTO

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

PROGRAMA OPERACIONAL SOCIEDADE DO CONHECIMENTO P O R T U G A L QUADRO COMUNITÁRIO DE APOIO 2000-2006 PROGRAMA OPERACIONAL SOCIEDADE DO CONHECIMENTO 2000-2006 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS UNIÃO EUROPEIA ÍNDICE I INTRODUÇÃO I.1. Enquadramento

Leia mais

PLANO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO. Artigo 1.º

PLANO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO. Artigo 1.º Artigo 1.º PLANO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO DEFINIÇÃO O Plano Tecnológico da Educação constitui um instrumento essencial para concretizar o objetivo estratégico de modernização tecnológica do AEV no quadriénio

Leia mais

CONTRATOS DE DESEMPENHO ENERGÉTICO: UM MODELO DE NEGÓCIO PARA IMPLEMENTAR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

CONTRATOS DE DESEMPENHO ENERGÉTICO: UM MODELO DE NEGÓCIO PARA IMPLEMENTAR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CONTRATOS DE DESEMPENHO ENERGÉTICO: UM MODELO DE NEGÓCIO PARA IMPLEMENTAR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO, A RELAÇÃO COM A BANCA Coimbra, 18 de Junho de 2014 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

Como construir uma DLA?

Como construir uma DLA? Como construir uma DLA? Conteúdo Como construir uma DLA?... 2 Introdução... 2 Metodologia DLA... 3 1.Preparação da DLA... 3 2.Planeamento da DLA... 6 2.1. Avaliação do estado actual... 6 2.3. Desenvolvimento

Leia mais

Aprova a Iniciativa Internet e adopta o respectivo plano de acção

Aprova a Iniciativa Internet e adopta o respectivo plano de acção Aprova a Iniciativa Internet e adopta o respectivo plano de acção O Governo tem vindo a desenvolver de forma consistente, desde 1995, uma política de desenvolvimento da sociedade da informação em Portugal

Leia mais

CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA

CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA Realizaram-se na passada semana dois acontecimentos que reputo de importância ímpar para a promoção do Empreendedorismo em Portugal O Dia Europeu do Empreendedor e o Encontro

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Governação Eletrónica em São Tomé e Príncipe José Manuel M. Costa Alegre Instituto de Inovação e Conhecimento São Tomé e Príncipe

Governação Eletrónica em São Tomé e Príncipe José Manuel M. Costa Alegre Instituto de Inovação e Conhecimento São Tomé e Príncipe Governação Inteligente para Liderar o Futuro Governação Eletrónica em São Tomé e Príncipe José Manuel M. Costa Alegre Instituto de Inovação e Conhecimento São Tomé e Príncipe PERCURSO DO GOVERNO ELECTRONICO

Leia mais

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal IP/08/1397 Bruxelas, 25 de Setembro de 2008 Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal Como é que a UE vai conseguir que todos os europeus

Leia mais

Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação

Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação (Mozambique egovernment and Communication Infrastructure Project) (MEGCIP) 5º Fórum Lusófono das Comunicações Painel 4: Infra-estruturas

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO

PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 03 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO Nos termos do

Leia mais

Acessibilidade Web - Ponto da Situação das Maiores Empresas Portuguesas

Acessibilidade Web - Ponto da Situação das Maiores Empresas Portuguesas Apresentação do Estudo Acessibilidade Web Ponto da Situação das maiores empresas Portuguesas 17 de Setembro de 2009 Átrio da Casa do Futuro da Fundação Portuguesa das Comunicações Acessibilidade Web -

Leia mais

Uma Nova Dimensão de Oportunidades. Plano de Acção para a Sociedade da Informação

Uma Nova Dimensão de Oportunidades. Plano de Acção para a Sociedade da Informação > Uma Nova Dimensão de Oportunidades Taguspark, Edifício Inovação I, 2º Sala 124 2780-920 Porto Salvo Portugal Telefone: +351 21 391 84 00 Fax: +351 21 391 84 48 umic@umic.pcm.gov.pt www.umic.pcm.gov.pt

Leia mais

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Tópicos da Intervenção do Senhor Ministro da Economia e da Inovação 24 de Novembro de 2005 Plano Tecnológico - Inovação e Crescimento

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

As A p s e p c e t c os o s Só S c ó i c o o P r P of o iss s i s on o a n i a s s d a d a I nf n or o mát á ica c 2º Trabalho Prático Abril de 2007

As A p s e p c e t c os o s Só S c ó i c o o P r P of o iss s i s on o a n i a s s d a d a I nf n or o mát á ica c 2º Trabalho Prático Abril de 2007 Aspectos Sócio Profissionais da Informática 2º Trabalho Prático Abril de 2007 Sumário Estratégia de Lisboa Plano Tecnológico Visão Geral Prioridades Alguns Resultados Ideias de Negócio Referências Bibliográficas

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

Câmaras Municipais 2004

Câmaras Municipais 2004 Câmaras Municipais 2004 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação (Resultados Provisórios) Dezembro de 2004 BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência: Câmaras Municipais

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) é um instrumento financeiro promovido pela Comissão Europeia e desenvolvido

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA: Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas)

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

O QUE É COMPROMISSO IMPACTO

O QUE É COMPROMISSO IMPACTO 1 AGENDA DIGITAL 2015 O QUE É A Agenda Digital 2015 é um programa de acção inserido no âmbito do Plano Tecnológico que traduz uma aposta determinada na melhoria dos serviços prestados às pessoas e aos

Leia mais

Plano Tecnológico da Educação objectivo estratégico e metas

Plano Tecnológico da Educação objectivo estratégico e metas Plano Tecnológico da Educação objectivo estratégico e metas Objectivo estratégico Colocar Portugal entre os cinco países europeus mais avançados na modernização tecnológica do ensino em 2010 Metas EU 2006

Leia mais

ONLINE. www.leiriareg iaodig ital.p t. Serviços on-line para cidadãos e empresas. Nerlei

ONLINE. www.leiriareg iaodig ital.p t. Serviços on-line para cidadãos e empresas. Nerlei www.leiriareg iaodig ital.p t U M ONLINE COM A R E G I Ã O A VIDA Leiria Região Digital Serviços on-line para cidadãos e empresas Nerlei Sumário Parceiros do Leiria Região Digital (LRD) Zona de abrangência

Leia mais