SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS. Roteiro proposto aos professores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS. Roteiro proposto aos professores"

Transcrição

1 Roteiro proposto aos professores I. Situação atual/onde estamos - Diagnóstico das dificuldades II. Ações realizadas - O que você já tem feito para melhorar o desempenho escolar dos nossos alunos? III. Para onde queremos ir - Explicitação da meta da EEGMC, que determina onde a Escola pretende chegar. IV. Estratégias/como iremos a esse lugar. - Explicitação das linhas de ação para cada dificuldade diagnosticada. - Proposição de indicadores de efetividade quantificações do resultado a ser esperado em cada linha de ação. - Definição de projetos para cada linha de ação (conjunto de atividades organizadas em função das metas a serem alcançadas) V. Responsáveis: quem será responsável pela implementação dessas ações? - Estabelecimento dos responsáveis internos/externos, caracterizando os compromissos da comunidade escolar e SEE-MG, em cada projeto.. Procedimentos didáticos a) Divisão dos participantes em grupos; b) Trabalho em grupos; c) Para coletar os dados necessários foi distribuído entre os professores um formulário e pedido que registrassem, pro escrito, o consenso dos participantes. 124

2 ESQUEMA 1: Participação dos no Plano de Intervenção Pedagógica PIP, em 2008/2009/2010 Manhã - 34 * Unidade I Tarde - 39 * Noite - 24 * Unidade II Manhã - 27 * Tarde - 25 * * Estão arquivados 149 questionários escritos Nº de professores esperados: 174 Nº de professores que participaram do PIP: 149 Participação: 85,6 % 125

3 DIAGRAMA 1: As opiniões dos professores, obtidas em textos escritos, estão organizadas por, Unidade e Turno. 3º ano Manhã 2º ano / II Manhã / Tarde 1º ano Tarde da Escola 1º ano I Tarde 1º / 2º / 3º ano Noite O que você vê no diagrama 1 em possibilita conhecer as opiniões obtidas dos professores, em textos escritos. Isso lhe permitirá uma série de análises. 126

4 Os professores do TERCEIRO ANO, UNIDADE I, MANHÃ, após a análise dos resultados obtidos pela Escola na avaliação externa, comentam a nossa situação atual: 1. Aluno: apresenta um resultado abaixo das expectativas do quadro docente: grande parte das disciplinas com menos de 60% de rendimento, não tem postura adequada em sala de aula, há analfabetos funcionais e há uma quantidade expressiva em recuperação/dependência. 2. Família: participa muito pouco da vida escolar do filho. 127

5 Os professores do TERCEIRO ANO, UNIDADE I, MANHÃ, após a análise dos resultados obtidos pela Escola na avaliação externa, apresentam algumas ações que eles têm realizado para melhorar o desempenho escolar dos alunos. Leia-os, em seguida: 1. Projetos e trabalhos interdisciplinares de leitura; 2. Recuperação paralela/semestral/anual; 3. Monitoria; 4. Aprofundamento de estudo; 5. Avaliação contínua; 6. Metodologia diversificada. 128

6 Os professores do TERCEIRO ANO, UNIDADE I, MANHÃ, após a análise dos resultados obtidos pela Escola na avaliação externa/2007, apresentaram algumas ações e respectivos responsáveis por elas, o que visa a melhorar o desempenho escolar do aluno. Leia-as a seguir: AÇÕES RESPONSÁVEIS 1. Incentivo a leitura através de projetos 1. Professor. interdisciplinares. 2. Disciplina em sala de aula. 2. Professor. 3. Freqüência às aulas. 3. Professor. 4. Ensinar ao aluno, como estudar. 4. Professor. 5. Exigir que o aluno seja pontual e 5. Professor. cumpra prazos. 6. Reduzir para 35, a quantidade de 6. Professor. alunos por sala. 7. Dependência bimestral. 7. Professor. 8. Entrosamento escola-família. 8. Professor. 129

7 DIAGRAMA 2: As opiniões dos professores, obtidas em textos escritos, estão organizadas por, Unidade e Turno. 3º ano Manhã 2º ano / II Manhã / Tarde 1º ano Tarde da Escola 1º ano I Tarde 1º / 2º / 3º ano Noite O que você vê no diagrama 2 em possibilita conhecer as opiniões obtidas dos professores, em textos escritos. Isso lhe permitirá uma série de análises. 130

8 Os professores do SEGUNDO ANO, UNIDADE I/II, MANHÃ/TARDE, após a análise dos resultados obtidos pela Escola na avaliação externa 2007, comentam a nossa situação atual: 1. Aluno: desinteressado, descomprometido, não tem conhecimentos prévios para aprender o conteúdo da série, em questão, não conhece as normas básicas de convivência social, está sempre cansado e tem várias oportunidades (recuperação/dependência) para adquirir nota, até ser aprovado. 2. Professor: desvalorizado financeira e moralmente, desmotivado e tem sobrecarga de trabalho; 3. Família: não acompanha a vida escolar do filho. 131

9 Os professores do SEGUNDO ANO, UNIDADES I e II, MANHÃ/TARDE, após a análise dos resultados obtidos pela Escola na avaliação externa, apresentam algumas ações que eles têm realizado para melhorar o desempenho escolar dos alunos. Leia-os, em seguida: 1. Avaliação contínua; 2. Metodologia diversificada. 132

10 Os professores do SEGUNDO ANO, UNIDADE I/II, MANHÃ/TARDE, após a análise dos resultados obtidos pela Escola na avaliação externa/2007, apresentaram algumas ações e respectivos responsáveis por elas, o que visa a melhorar o desempenho escolar do aluno. Leia-as a seguir: AÇÕES RESPONSÁVEIS 1. Implementação do Plano de 1. Os. Desenvolvimento Pedagógico e Institucional; 2. Não-implementação do CBC; 2. Os. 3. Aquisição de recursos didáticos 3. Secretaria de Estado de Educação MG. (informática, laboratório e áudio-visual); 4. Formação continuada para os 4. Secretaria de Estado de Educação MG. professores; 5. Secretaria de Estado de Educação MG. 5. Pagamento em espécie de adicional relativo ao cumprimento de metas pela Escola. 133

11 DIAGRAMA 3: As opiniões dos professores, obtidas em textos escritos, estão organizadas por, Unidade e Turno. 3º ano Manhã 2º ano / II Manhã / Tarde 1º ano Tarde da Escola 1º ano I Tarde 1º / 2º / 3º ano Noite O que você vê no diagrama 3 em possibilita conhecer as opiniões obtidas dos professores, em textos escritos. Isso lhe permitirá uma série de análises. 134

12 Os professores do PRIMEIRO ANO, UNIDADE I, TARDE, após a análise dos resultados obtidos pela Escola na avaliação externa/2007, comentam a nossa situação atual: 1. O aluno chega de escolas diversas, com posturas pedagógicas diferenciadas: o aluno não tem hábito de estudo, não tem conhecimentos prévios para aprender o conteúdo do ano, em questão; 2. A ausência da família na vida escolar do filho; 3. O aluno não tem o hábito de higiene pessoal e tem preguiça mental; 4. Os alunos são desrespeitosos e indisciplinados; 5. Os alunos são infreqüentes; 6. Os alunos não são comprometidos com os estudos; 7. Troca-troca de professores; 8. Os professores estão desmotivados; 9. Falhas no sistema educacional. 135

13 Os professores do PRIMEIRO ANO, UNIDADE I, TARDE, após a análise dos resultados obtidos pela Escola na avaliação externa/2007, apresentam algumas ações que eles têm realizado para melhorar o desempenho escolar dos alunos. Leia-as, em seguida: 1. Metodologia diversificada. 2. Avaliação contínua; 3. Há 16 (dezesseis) alunos participando da Bolsa de Iniciação Científica BIC JÚNIOR. Sendo 14 (catorze) na UFMG e 02 (dois) na UEMG. 4. Reforço pedagógico no extraturno das disciplinas: Química, Matemática e Língua Portuguesa. * voluntários 5. Esportes: Handball (masculino/feminino); futsal (masculino/feminino); * Funcionários voluntários: 6. Orquestra de violões 7. Turismo pedagógico (excursão) 8. Eventos culturais (dentro/fora da Escola) 136

14 Os professores do PRIMEIRO ANO, UNIDADE I, TARDE;após a análise dos resultados obtidos pela Escola na avaliação externa/2007, apresentaram algumas ações e respectivos responsáveis por elas, o que visa a melhorar o desempenho escolar do aluno. Leia-as a seguir: AÇÕES RESPONSÁVEIS 1. Elaboração de um currículo que atenda 1. Equipe pedagógica/família/alunos. às necessidades reais do aluno. 2. Padronizar a postura pedagógica dos 2. Equipe pedagógica. professores em relação aos alunos. 3. Entrosamento família/escola. 3. A direção. 4. Intercâmbio de recursos didáticos 4.. (DVD, vídeos) e de projetos e idéias. 5. Projeto interdisciplinar Estimular a auto-estima do aluno. 6. Professor/família. 137

15 DIAGRAMA 4: As opiniões dos professores, obtidas em textos escritos, estão organizadas por, Unidade e Turno. 3º ano Manhã 2º ano / II Manhã / Tarde 1º ano Tarde da Escola 1º ano I Tarde 1º / 2º / 3º ano Noite O que você vê no diagrama 4 em possibilita conhecer as opiniões obtidas dos professores, em textos escritos. Isso lhe permitirá uma série de análises. 138

16 Os professores do PRIMEIRO ANO, UNIDADE II, TARDE;após a análise dos resultados obtidos pela Escola na avaliação externa/2007, apresentaram algumas ações e respectivos responsáveis por elas, o que visa a melhorar o desempenho escolar do aluno. Leia-as a seguir: AÇÕES RESPONSÁVEIS * Não relataram 139

17 Os professores do PRIMEIRO ANO, UNIDADE II, TARDE, após a análise dos resultados obtidos pela Escola na avaliação externa/2007, apresentaram algumas ações e respectivos responsáveis por elas, o que visa a melhorar o desempenho escolar do aluno. Leia-as a seguir: AÇÕES RESPONSÁVEIS 1. Escola com tempo integral. Comunidade escolar; 2. Rever o CBC para adequá-lo melhor. Equipe Pedagógica 3. Melhor desempenho dos alunos nas Comunidade Escolar avaliações realizados ao longo do bimestre. 4. Sanar defasagem do aluno. Comunidade Escolar 5. As mudanças só irão acontecer se os Comunidade Escolar professores também forem ouvidos. 6. Prova de recuperação no sábado e os Comunidade Escolar alunos em recuperação serem obrigados a assistirem às aulas. 7. Formar atitudes disciplinares. Comunidade Escolar 8. Alunos mais disciplinados e respeitosos. Comunidade Escolar 9. Escola com autonomia para correção dos alunos 10. Equilibrar o número de aulas para as Direção. equipe pedagógica disciplinas, ajustamento do conteúdo para o tempo disponível. 11. Escola e professores fazerem seu próprio Comunidade escolar currículo. 12. Avaliação diagnóstica de cada disciplina. 13. Professor recuperador, de plantão. Direção, equipe pedagógica 140

18 14. Em horário vago, o orientador direciona um estudo em sala de aula, por grupo. 15. Precisa de psicólogo na Escola. 16. Acompanhamento mais efetivo dos alunos em aulas de reforço, com retorno para os professores, inclusive com lista de freqüência. 17. Monitoria: o professor deverá encaminhar os alunos. 18. Álbum dos alunos para os professores. 19. Valorizar o bom aluno, reconhecê-lo. 20. Integração das disciplinas com Arte. 21. falar a mesma linguagem, ações únicas, na questão da disciplina. 22. Melhorar a enturmação dos alunos, que não seja por idade. 23. Contratar pessoas para trabalhar direto com a disciplina, tomar conta dos alunos, fora da sala de aula, a fim de minimizar os problemas disciplinares. 24. Determinar as funções específicas de cada servidor, cobrar e fiscalizar. 25. Aproveitar experiência de outros que dão certo e repassar para os colegas, como por exemplo ex: coordenadores de turno. 26. Reuniões periódicas com os pais, alunos e professores. Direção, equipe pedagógica Direção Equipe pedagógica Equipe pedagógica Secretaria Direção, equipe pedagógica, professor Equipe pedagógica, professor Direção, equipe pedagógica, professor Direção, equipe pedagógica; Direção, equipe pedagógica; Direção, equipe pedagógica; Direção, equipe pedagógica; Direção, equipe pedagógica; 141

19 27. Maior participação da direção no processo pedagógico como um todo, participando das reuniões pedagógicas. Direção, equipe pedagógica. 142

20 Os professores do PRIMEIRO ANO, UNIDADE II, TARDE, após a análise dos resultados obtidos pela Escola na avaliação externa/2007, comentaram a situação atual da Escola: 1. Ordem familiar: famílias desestruturadas, alunos que moram distante, o aluno reflete a família. 2. Cursos de capacitação e professores para diagnosticar os problemas dos alunos. Alunos não sabem ler, interpretar, analisar etc.. 3. Aluno não sabe ler no sentido amplo, professor mais capacitado para entender e preparar melhor os alunos, entender o que os alunos buscam na Escola. 4. Disciplina, educação dos alunos, valores: respeito, alunos estão piores. 5. Choque que os alunos têm no processo de avaliação (prova) a prova da SEE diagnóstica não é válida para avaliar os alunos. 6. Alunos não sabem fazer provas abertas, não sabem escrever. 7. Trabalhar com notas, pegar pesado no início do ano letivo; 8. Trabalhar com CBC é difícil, pois alunos não possuem livros volume único, alunos sem material, não podem tirar tantos xerox. 9. Muitas turmas com muitos alunos por turma, com duas aulas semanais para tanto conteúdo. Currículo ditado pela secretaria é inviável. 10. Alunos sem pré-requisito. 11. Nas turmas há pequenos grupos com defasagem e desinteressados e são estes que devem ser monitorados. 12. Inadequado tempo, espaço, material, equipamentos para Arte. Faltam livros para Arte. O que fazer? 13. O Estado deverá cumprir o que está no PDPI da Escola. 14. O que queremos do nosso aluno? Passar ou não no vestibular? A implementação do CBC (química) 80h é viável sim, para apenas aulas exclusivas para a implementação do CBC, faltam horas para complementação. 15. Falta apoio da família. 16. A carga horária deve ser revista. 143

21 17. Não há respeito do que o professor pensa e decide, voltar o currículo antigo (com mais aulas). 18. Aluno é um Universo alunos devem respeitar horários, aluno sem limites. 19. Respeitar o professor como pessoa pedagógica e o aluno como aprendiz, cada professor tem a sua experiência e a riqueza está na diversidade. 20. O livro didático é sugestão e o currículo também, não somos obrigados a cumprir tudo que a S.E.E. manda, somos educadores e nós sabemos o que os nossos alunos precisam, devam aprender. 21. A Escola deve ser vista como uma empresa. 22. A Escola não tem ordem; fazer diagnóstico dos alunos que chegam aqui e saber deles o que eles vieram fazer aqui. 23. A Escola não sabe o papel dela, a função dela qual é? Os alunos aqui matam aula, aprendem a fumar, a beber etc.. Os professores também estão perdidos. 24. A questão de subir o horário, não se cumpre os horários, os alunos vão embora mais cedo, ficam pelas ruas próximas à Escola fumando, namorando etc Ninguém da Escola toma providências quanto a: alunos fora de sala, que matam aula, que saem mais cedo etc Todos nós temos limitações, como profissionais devemos fazer o melhor numa proposta de inclusão. 27. Sala de professores mais ampla e sala de Arte mais adequada. 28. A padronização é estressante, não é criativo, tipo de provas únicas, a ordem padronizada não está legal, CBC não é bom. 29. Repensar e reavaliar por bimestre. 30. Nos dias de provas, em vez de aula, que tivéssemos discussões sobre as questões do Plano de Intervenção Pedagógica. 31. Aluno que entra no 2º horário no dia de prova. É legal? 32. Redirecionar a Escola; as ordens são dadas e mudadas com freqüência, há uma desordem no cumprimento dos horários e calendários. 33. Aluno chega com muita deficiência e deve-se atacar na base. 34. desestimulados. 144

22 DIAGRAMA 5: As opiniões dos professores, obtidas em textos escritos, estão organizadas por, Unidade e Turno. 3º ano Manhã 2º ano / II Manhã / Tarde 1º ano Tarde da Escola 1º ano I Tarde 1º / 2º / 3º ano Noite O que você vê no diagrama 5 em possibilita conhecer as opiniões obtidas dos professores, em textos escritos. Isso lhe permitirá uma série de análises. 145

23 Os professores do NOTURNO, UNIDADE I, após a análise dos resultados obtidos pela Escola na avaliação externa/2007, comentaram a nossa situação atual: 1. Os alunos não são comprometidos com os estudos; 2. O troca-troca de professor inviabiliza a formação de uma equipe de trabalho; 3. Os professores estão desmotivados; 4. Os alunos não possuem os conhecimentos prévios (BASE) para aprender o conteúdo de um determinado ano, por exemplo. 146

24 Os professores do NOTURNO, UNIDADE I, após a análise dos resultados obtidos pela Escola na avaliação externa/2007, apresentaram algumas ações que têm realizado para melhorar o desempenho escolar dos alunos. Leia-as a seguir: 1. Realizado atividades que desenvolvem a capacidade de aprendizagem do aluno; 2. Têm ensinado para o aluno como obter o máximo de aproveitamento em curto tempo de curso; 3. Tirando a palavra avaliação/prova porque a avaliação é um processo contínuo ao longo do bimestre, semestre. 147

25 Os professores do NOTURNO, UNIDADE I, após a análise dos resultados obtidos pela Escola na avaliação externa/2007, apresentaram algumas ações e respectivos responsáveis por elas, o que visa a melhorar o desempenho escolar do aluno. Leia-as a seguir: AÇÕES RESPONSÁVEIS 1. Responsabilizar o aluno pelo processo 1. Quem dita as normas, regras e portarias ensino-aprendizagem. que regulamentam o ensino. 2. Encaminhar o aluno para programas de 2. Quem dita as normas, regras e portarias reforço escolar. que regulamentam o ensino. 148

26 DIAGRAMA 6: As opiniões dos professores, obtidas em textos escritos, estão organizadas por, Unidade e Turno. 3º ano Manhã 2º ano / II Manhã / Tarde 1º ano Tarde da Escola 1º ano I Tarde 1º / 2º / 3º ano Noite O que você vê no diagrama 6 em possibilita conhecer as opiniões obtidas dos professores, em textos escritos. Isso lhe permitirá uma série de análises. 149

27 Os professores, unidades I e II, manhã/tarde/noite, relacionaram alguns problemas que explicam o desempenho escolar insatisfatório dos usuários desta Escola e sugeriram algumas ações que visam a melhorar o desempenho escolar do aluno. I. Em relação ao corpo discente: Não conhece as normas básicas de convivência social; Não sabe ler no sentido amplo desta palavra, nem escrever, analisar, etc...; É o reflexo da família que tem; Não tem limite; O perfil do aluno, 1º ano tem piorado em todos os aspectos a cada ano; Não sabe fazer provas de questões abertas; Tem muitas oportunidades de adquirir nota até ser aprovado; Há nas turmas pequenos grupos de alunos que são desinteressados e sem conhecimentos prévios (base) para aprender com sucesso o conteúdo do ano em questão; Mata aula, aprendem a fumar, beber, namorar, etc...; Chega à Escola no 2º horário em dia de prova; Não respeita os horários estabelecidos; São indisciplinados e desrespeitosos; Não tem apoio familiar; São infreqüentes; Não tem hábito de higiene pessoal; São preguiçosos. 150

28 Ações sugeridas 1. Acompanhe, continuamente os pequenos grupos de alunos que têm desinteresse pelos estudos porque não conseguem acompanhar o ritmo natural de aprendizagem da turma. 2. Acompanhe os alunos que estão tendo aula de reforço e dê retorno do professor da disciplina, inclusive da infreqüência ou freqüência. 3. Tome providências quanto a: alunos fora de sala e que saem mais cedo; 4. Reduza a quantidade de alunos por sala; 5. Contrate professor capaz de entender o que o aluno busca na Escola e atendê-lo melhor nesse sentido; 6. Avalie a questão de subir horário (não se cumpre os horários. Os alunos são dispensados mais cedo por isso, ficam pelas ruas próximas à Escola fumando, bebendo, namorando, etc...) 7. Faça uma pesquisa no início de cada ano letivo para saber qual é o objetivo do aluno do 1º ano; 8. Valorize o bom aluno; 9. Estabeleça que o orientador educacional aproveite os horários vagos para atender os alunos, segundo às necessidades das turmas; 10. Responsabilizar o aluno pelo processo-aprendizagem; 11. Encaminhar o aluno para programas de reforço; 12. Reuniões periódicas com os alunos; 13. Contratar pessoa para trabalho direto com disciplina fora de sala de aula a fim de minimizar os problemas de indisciplina; 14. Invista no 1º ano, deve-se começar na base; 15. Crie a função de professor recuperador, ele deverá dar plantões. 16. Estabeleça novos critérios de enturmação; 17. Forme atitudes disciplinares nos alunos; 18. Defina o que queremos de nossos alunos; 19. Elaborar um currículo que atenda às necessidades dos alunos; 20. Padronizar a postura pedagógica dos professores em relação aos alunos. 151

29 II - Em relação à família: Família desestruturada; A família não apóia o filho. Ações sugeridas 1.. Reuniões periódicas com os pais. III - Em relação ao corpo docente: Está perdido. Desestimulado. Desvalorizado financeira e moralmente, desmotivado e tem sobrecarga de trabalho. Ações sugeridas 1. Ofereça formação continuada para os professores; 2. Reuniões periódicas com os professores; 3. Oferte curso que capacite o professor para diagnosticar as necessidades dos alunos. 4. Todos têm limitações, mas como profissionais devemos fazer o melhor numa proposta pedagógica de inclusão. IV - Em relação ao administrativo: A Escola não tem ordem. Ações sugeridas 1. Redirecione a Escola (as ordens são dadas e mudadas com freqüência. Há uma desordem no cumprimento dos horários e calendários); 152

30 2. Possibilite a visualização da Escola como empresa; 3. Reestruture o tempo escolar (escola com tempo integral); 4. Estabeleça que a prova de recuperação sejam aplicadas aos sábados; 5. Determine que os alunos com baixo desempenho escolar assistam às aulas de revisão do conteúdo básico trabalhado em sala; 6. Divulgue o Plano de Desenvolvimento Pedagógico Institucional PDPI. 7. Apresente o Regimento Escolar ao professor recém-admitido; 8. Divulgue o álbum de fotografia de cada turma, nos turnos; 9. Determinar a função específica de cada servidor e cobrar/fiscalizar; 10. Aproveitar experiências de outros que dão certo e repassar para os colegas. Como, por exemplo, dos coordenadores; 11. Reuniões periódicas com todos os setores e seguimentos escolares; 12. Não implemente o CBC; 13. Compre mais recursos didáticos; 14. As mudanças só acontecerão se os professores forem ouvidos. IV - Em relação à equipe pedagógica: A Escola não sabe o papel dela. Ações sugeridas 1. Respeite o professor como pessoa pedagógica e o aluno como aprendiz, pois, cada professor tem a sua experiência e a riqueza está na diversidade; 2.. Proponha projeto educativo que vise a ensinar aos alunos, valores como, por exemplo, respeito ao próximo); 3. Trabalhe com notas, exija muito do aluno no início do ano letivo; 4. Reveja o quadro curricular (80h para aulas teóricas e práticas são insuficientes para implementar o CBC de Química; 5. A padronização é estressante. Não é criativo. CBC e provas únicas não são bons; 153

31 6. Nos dias de prova, substitua as aulas por discussão Plano de Intervenção Pedagógica PIP; 7. Distribua igualmente a carga horária entre as disciplinas que compõem o quadro curricular; 8. Produza o currículo do Estadual Central; 9. Participe mais do processo pedagógico como um todo, participando das reuniões pedagógicas; 10. Seja rigoroso na aplicação das normas disciplinares; 11. Proíba a antecipação de aula para cobrir o professor que faltou ao trabalho; 12. Cumpra rigorosamente o horário escolar; 13. Exija avaliação diagnóstica de cada disciplina; 14. Reveja o CBC para adequá-lo às necessidades dos alunos (o CBC e o livro didático são sugestões, não somos obrigados a cumprir tudo que a SEEMG manda. Somos educadores e sabemos o que nossos alunos precisam e devem aprender. É difícil trabalhar com o CBC, pois o aluno não possui livro didático volume único e não podem tirar tantos xerox. O aluno sem material...); 15. Tenha autonomia para corrigir o aluno; 16. Proponha projetos interdisciplinares. V - Em relação à SEEMG: A avaliação diagnóstica (prova) da SEEMG não é válida para avaliar os alunos. O Estado deverá cumprir o que está no PDPI; Envie recurso para ampliar a sala dos professores da I; Envie recurso para revitalizar a sala de Arte e comprar material didático; Acabe com a substituição freqüente de professores. 154

32 FECHAMENTO Diante dos dados levantados no universo pesquisado, a direção relaciona alguns mecanismos que adotará para implementar as ações sugeridas pela comunidade escolar. I. Corpo discente Mecanismos de resolução para os problemas desse seguimento: palestras; conversas; conscientização dos alunos em relação a seis direitos e deveres; serviço de orientação educacional; encontro privado entre direção e professores; rever e atualizar o nosso Regimento Escolar; encontro privado entre direção, supervisora e orientadora; reunião entre direção e prestadores de serviços da cantina; reunião entre direção e Polícia Militar de Minas Gerais; propor e implementar projetos educativos; reunião entre direção e bibliotecários. Pessoas e instituições que serão procuradas pela Escola para resolução de conflitos: família; SEEMG; Metropolitana A; Conselho Tutelar; Polícia Militar de Minas Gerais; Colegiado. II. Pais Mecanismos de resolução para os problemas desse seguimento: encontro privado entre direção, professores, supervisores, e orientadora educacional; reunião entre direção e inspetora escolar; ouvir o aluno; encontro privado entre pais, alunos e direção; serviço de orientação educacional. Pessoas e instituições que serão procuradas pela Escola para resolução de conflitos: família; SEEMG; Conselho Tutelar: Colegiado. III. Corpo docente Mecanismos de resolução para os problemas desse seguimento: reunião entre direção e professores; reunião entre equipe pedagógica e professores; rever e atualizar o Regimento Escolar. 155

33 Instituição que será procurada pela Escola para resolução dos problemas desse seguimento: SEEMG. IV. Funcionários Mecanismos de resolução para os problemas desse seguimento: reuniões periódicas entre direção e funcionários; mini-curso de capacitação; rever e atualizar o Regimento Escolar. Instituição que será procurada pela Escola para resolução dos problemas desse seguimento: SEEMG. E, finalmente, obrigada a todos, em nome da equipe que realizou esse trabalho, por colaborarem conosco. 156

34 REFERÊNCIAS MINAS GERAIS BOLETIM PEDAGÓGICO DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS Guia de Reorganização e Implementação do Plano de Intervenção Pedagógica

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

E. E. Governador Milton Campos

E. E. Governador Milton Campos Implementando o Currículo Básico Comum E. E. Governador Milton Campos PLANO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA - P I P Implementando o Currículo Básico Comum 1ª edição Belo Horizonte, 2 0 0 8 Maria José Duarte

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR. 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?.........

QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR. 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?......... ESCOLA: PROFESOR (A): TURNO: ( )M ( )V TURMA: ( )SERIADA ( )MULTISERIADA QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR TECNOLOGIA 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?

Leia mais

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC)

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) Escola de Enfermagem Wenceslau Braz DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem da Escola de Enfermagem Wenceslau Braz (EEWB) da cidade

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço de formação de cidadãos conscientes, responsáveis e

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

LEI N.º 4.013 de 17 de dezembro de 2010.

LEI N.º 4.013 de 17 de dezembro de 2010. LEI N.º 4.013 de 17 de dezembro de 2010. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Cria Cargos de Professor para os Níveis da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, de provimento efetivo, no Quadro de Pessoal

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I- DA EXIGÊNCIA - Resolução CNE/CP 1/ 2002, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS CARGO: PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS - Ministrar aulas de

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Escola de Ciências e Tecnologia Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia (Rascunho) Introdução O Bacharelado em Ciências e Tecnologia (BCT), da Universidade

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. A Faculdade Moraes Júnior Mackenzie Rio FMJ Mackenzie Rio, proporcionará aulas de Nivelamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

Projeto recuperação paralela Escola Otávio

Projeto recuperação paralela Escola Otávio Projeto recuperação paralela Escola Otávio Público alvo: alunos com dificuldade ou defasagem de aprendizagem do Ensino Fundamental do 3º ano acima que estudam na Escola Otávio Gonçalves Gomes. Duração:

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução CME n 20/2012 Comissão de Ensino Fundamental Comissão de Legislação e Normas organização Define normas para a dos três Anos Iniciais do Ensino Fundamental das Escolas

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Coordenador do Curso de Administração Prof. Marcos Eduardo dos Santos Supervisor de Estágio do Curso Prof. Marcos Eduardo dos Santos JUIZ DE

Leia mais

Considerando o disposto no artigo 12, inciso V; artigo 13, inciso IV, e artigo 24, inciso V, alínea e, da Lei Federal 9394/96;

Considerando o disposto no artigo 12, inciso V; artigo 13, inciso IV, e artigo 24, inciso V, alínea e, da Lei Federal 9394/96; ATO NORMATIVO da Secretaria Municipal da Educação Resolução SME nº4, de 05 de março de 2015. Dispõe sobre a Recuperação da Aprendizagem, de maneira Contínua e/ou Paralela, no Ensino Fundamental da Rede

Leia mais

UNIÍTALO FISIOTERAPIA MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

UNIÍTALO FISIOTERAPIA MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Prezado aluno (a), As disciplinas Práticas Clínicas Supervisionadas (PCS), também conhecidas como estágios supervisionados, irão permitir que você integre todo o conhecimento adquirido ao longo do curso,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Caderno do aluno UM POR BIMESTRE: teoria, exercícios de classe, as tarefas de casa atividades complementares.

Caderno do aluno UM POR BIMESTRE: teoria, exercícios de classe, as tarefas de casa atividades complementares. NOSSA META Que todos os alunos entendam todas as nossas aulas! TUDO GIRA EM TORNO DA AULA COMO? Aula bem proposta (autor) Aula bem preparada (professor) Aula bem dada (professor) Aula bem assistida (aluno)

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

1 METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO ENSINO FUNDAMENTAL 1º AO 9º ANO. 1.1. Da avaliação para os primeiros e segundos anos Ensino Fundamental

1 METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO ENSINO FUNDAMENTAL 1º AO 9º ANO. 1.1. Da avaliação para os primeiros e segundos anos Ensino Fundamental 1 METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO ENSINO FUNDAMENTAL 1º AO 9º ANO 1.1. Da avaliação para os primeiros e segundos anos Ensino Fundamental A avaliação do processo de aprendizagem no Ensino Fundamental terá o aproveitamento

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DA FIPP

REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DA FIPP REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DA FIPP BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM

Leia mais

AVALIAÇÃO REALIZADA PELOS PARCEIROS INSTITUCIONAIS

AVALIAÇÃO REALIZADA PELOS PARCEIROS INSTITUCIONAIS AVALIAÇÃO REALIZADA PELOS PARCEIROS INSTITUCIONAIS Durante o primeiro semestre de 2003, 17 Centros Regionais de Ensino da Secretaria de Educação Básica do Estado e 5 Secretarias Municipais de Educação,

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional Programa de Desenvolvimento Local PRODEL Programa de Extensão Institucional Programa de Extensão Institucional Um programa de extensão universitária é o conjunto de projetos de extensão desenvolvido por

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM. Belo Horizonte

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM. Belo Horizonte MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM Belo Horizonte 2013 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 FINALIDADE... 3 3 DEVERES DO COORDENADOR EM RELAÇÃO AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 4 4 DEVERES

Leia mais

AVALIAÇÃO EDUTEc Ensino Fundamental 6º ao 9º ano

AVALIAÇÃO EDUTEc Ensino Fundamental 6º ao 9º ano AVALIAÇÃO EDUTEc Ensino Fundamental 6º ao 9º ano Em consonância com a Legislação Vigente e as práticas pedagógicas adotadas pela Escola, estabeleceu-se como sistemática para cálculo da média anual do Ensino

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Disciplina: Projeto Integrador 3 noite

Disciplina: Projeto Integrador 3 noite Anexo Docente 1 PROJETO DE MONITORIA Centro Universitário SENAC: Curso: Curso Tecnológico em Produção Multimidia Disciplina: Projeto Integrador 3 noite Código: Professor Responsável: Nelson Urssi Período

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

PROJETO: ESPERANÇA NO FUTURO

PROJETO: ESPERANÇA NO FUTURO PROJETO: ESPERANÇA NO FUTURO Escola Municipal de Ensino Fundamental Wilson Hedy Molinari Poços de Caldas MG Pesquisadora: Alessandra de Morais Shimizu (Unesp Marília, SP) Coordenadora da pesquisa CNPq:

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades complementares que compõem o currículo pleno dos

Leia mais

Mediação Escolar e Comunitária

Mediação Escolar e Comunitária Mediação Escolar e Comunitária Orientação Técnica para PMECs 14.03.2014 Professores Mediadores : Planejando e (re)organizando o Plano de Trabalho de 2014 Objetivos do Encontro: Revisitar as ações desenvolvidas

Leia mais

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.1º. O Colegiado de Curso, previsto no Regimento Geral da Faculdade Guairacá é órgão da Coordenação Didática, destinado a

Leia mais

Profa. Elisa Antonia Ribeiro

Profa. Elisa Antonia Ribeiro REALIZAÇÃO - UNI-BH DESAFIOS, RESISTÊNCIAS E MUDANÇAS NA CONSTRUÇÃO DA CULTURA DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: A EXPERIÊNCIA DO UNIARAXÁ Profa. Elisa Antonia Ribeiro PAC- PROGRAMA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

Instrumento para revisão do Projeto Político Pedagógico

Instrumento para revisão do Projeto Político Pedagógico SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL

Leia mais

FORMULÁRIO PARA A CONSOLIDAÇÃO DAS QUESTÕES ABERTAS

FORMULÁRIO PARA A CONSOLIDAÇÃO DAS QUESTÕES ABERTAS 1 FORMULÁRIO PARA A CONSOLIDAÇÃO DAS ABERTAS COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇAO INSTITUCIONAL CPA FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE CONGONHAS Responderam a este primeiro grupo de questões abertas

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH? ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH? ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1- O QUE É UMA LIGA ACADÊMICA? As Ligas Acadêmicas são entidades sem fins lucrativos. As Ligas Acadêmicas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

EDITAL Nº 03 DE AGOSTO DE 2015

EDITAL Nº 03 DE AGOSTO DE 2015 EDITAL Nº 03 DE AGOSTO DE 2015 SELEÇÃO PÚBLICA PARA MONITORIA DOS CURSOS GRADUAÇÃO DA FAI A Faculdade do Vale do Itapecuru - FAI, por meio da Direção Acadêmica, torna público pelo presente Edital que estarão

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE O Colégio Estadual Djenal Tavares de Queiroz, foi fundado

Leia mais

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143.

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143. SUMÁRIO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO INICIAL... 1 CAPÍTULO II DA NATUREZA E FINALIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA... 2 CAPÍTULO III DOS OBJETIVOS... 2 CAPÍTULO IV DOS REQUISITOS... 3 CAPÍTULO V DO REGULAMENTO...

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO AO DOCENTE E DISCENTE - NADD

NÚCLEO DE APOIO AO DOCENTE E DISCENTE - NADD 1 Fundação de Ensino Superior de Mangueirinha Faculdade Unilagos Rua Saldanha Marinho, 85 www.unilagos.com.br C.N.P.J 05.428.075/0001-91 NÚCLEO DE APOIO AO DOCENTE E DISCENTE - NADD MANGUEIRINHA PARANÁ

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Introdução à Pedagogia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) A disciplina se constitui como

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO Art. 1º O Sistema de Avaliação tem por objetivo acompanhar o processo de ensinoaprendizagem, visando ao desenvolvimento

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 - DENDC

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 - DENDC INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 - DENDC Dispõe sobre procedimentos a serem adotados para a operacionalização do plano de ensino no Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas - SIGAA. 1. DA DEFINIÇÃO

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES SÃO CARLOS 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2015 Artigo 1 o : As Atividades Complementares (AC) do Curso de Graduação em Administração da Faculdade

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras

MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras Rio de Janeiro Julho/2013 1. Apresentação O presente Manual foi reorganizado pelos membros do Colegiado dos Cursos de Licenciatura

Leia mais

É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010

É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010 É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010 Em que contexto de gestão estão inseridos os usos de seus resultados? Nível

Leia mais

O que é Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar?

O que é Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar? O Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar CDCE tem amparo legal? Sim. A Lei 7.040/98 que estabeleceu a gestão democrática no Sistema de Ensino, instituiu o CDCE, na forma, composição e outros providências

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM Coerência do sistema de avaliação Os instrumentos de avaliação, como provas, trabalhos, resolução de problemas, de casos, além das manifestações espontâneas

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 A Direção de Ensino do câmpus Curitiba, compreendendo todas as suas seções, com a finalidade

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da Prática Eficaz descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Gastronomia

Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Gastronomia Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Gastronomia Art. 1º - Compreende-se como Atividade Complementar toda e qualquer atividade que complemente a formação acadêmica oferecida pelas disciplinas

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLENTARES 1 Prezado(a) aluno(a): Este é o Manual de Atividades Complementares do Curso Superior

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA A ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESCOLAR O Planejamento é o principal instrumento norteador da ação dos coordenadores e profissionais

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUARUJÁ 2013 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINAS GERAIS CAMPUS SABARÁ Endereço provisório: Avenida Serra Piedade, 341,

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Comissão Própria de Avaliação - CPA

Comissão Própria de Avaliação - CPA AVALIAÇÃO DO CEFET-RJ PELOS DISCENTES -2010/2 A avaliação das Instituições de Educação Superior tem caráter formativo e visa o aperfeiçoamento dos agentes da comunidade acadêmica e da Instituição como

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO 1 SUMÁRIO Lista de Anexos... 3 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 5 3. DEFINIÇÕES... 5 4. OBJETIVOS... 6 5. PLANEJAMENTO E COMPETÊNCIAS...

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

A PRESENTAÇÃO SUMÁRIO

A PRESENTAÇÃO SUMÁRIO SUMÁRIO Apresentação Como ter sucesso na educação à distância A postura do aluno online Critérios de Avaliação da aprendizagem do aluno Como acessar a plataforma Perguntas freqüentes A PRESENTAÇÃO O Manual

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 1 Fragilidade resultado inferior a 50% Ponto a ser melhorado 50% e 59,9% Potencialidade igual ou

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA LINGUAGEM. REGULAMENTO DO CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUAS (CELi)

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA LINGUAGEM. REGULAMENTO DO CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUAS (CELi) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA LINGUAGEM REGULAMENTO DO CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUAS (CELi) Pouso Alegre MG Junho/2015 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA LINGUAGEM REGULAMENTO DO CENTRO

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO forma: A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte 1. Primeiro contato com a administração e o serviço de supervisão

Leia mais

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO O GRUPO DOM BOSCO Este é o momento de dar espaço à curiosidade, de fazer novas descobertas e formar suas próprias ideias. SEDE HORTO - Berçário - Educação Infantil - 1º Ano

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA

ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA APRESENTAÇÃO: A Escola Estadual Getúlio Vargas Ensino Fundamental, do Município de Engenheiro Beltrão, Estado do Paraná, preocupada

Leia mais

Proposta pedagógica e planejamento: as bases do sucesso escolar

Proposta pedagógica e planejamento: as bases do sucesso escolar Proposta pedagógica e planejamento: as bases do sucesso escolar Lucita Briza, 2005 (novaescola@atleitor.com.br) Para oferecer um ensino adequado às necessidades de seus alunos, a escola precisa saber o

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - 2010 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 1 DOS OBJETIVOS GERAIS... 1 CAPÍTULO II... 1 DOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 1 CAPÍTULO III...

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais

A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais Geyza Pedrisch de Castro Joana Darc Macedo Passos Sandra Lima Karantino A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais Guajará Mirim RO. 2012. 1. JUSTIFICATIVA O presente Projeto

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais