DO CÁLCULO DOS BENS COLACIONADOS: COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO Nº DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DO CÁLCULO DOS BENS COLACIONADOS: COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO Nº 70061873899 DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL"

Transcrição

1 16 DO CÁLCULO DOS BENS COLACIONADOS: COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO Nº DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL Fabiana Daniele Carneiro 1 Jaqueline Naiane Gonçalves Torres 2 Patricia Fertonani 3 Orientadora: Profª. Mª. Ana Cleusa Delben 1 IDENTIFICAÇÃO DO ACÓRDÃO O presente texto científico abordará o comentário ao acórdão julgado pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul, em agravo de instrumento, cuja ementa é: CALCULADO À EPOCA DA ABERTURA DA SUCESSÃO. OS BENS COLACIONADOS DEVEM SER AVALIADOS NA ÉPOCA DA ABERTURA DA SUCESSÃO E NÃO PELO VALOR DA AVALIAÇÃO PARA VENDA. INTELIGÊNCIA DO ART , PARÁGRAFO ÚNICO, DO CÓDIGO CIVIL. RECURSO DESPROVIDO. (Agravo de Instrumento Nº , Sétima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Sandra Brisolara Medeiros, Julgado em 30/09/2014) Data de Julgamento: 30/09/2014 Publicação: Diário da Justiça do dia 06/10/ Na ação era requerido que os bens da colação deveriam ser avaliados na época a colação e não da sucessão, contudo foi negado e determinado a realização de nova prova, para avaliação de todos os bens, tomando a data da abertura da sucessão. Foi negado o pedido estabelecendo como base para a justificativa do Tribunal que a decisão agravada não merece reforma, porquanto é conhecido que os bens do espólio, conferidos ou não, devem ser avaliados, para fins de partilha, na data da abertura da sucessão, como previsto no art , parágrafo único, do Código de Processo Civil. algumas considerações. Assim, para melhor compreensão do aresto, fazem-se necessárias 1 Acadêmica do 8 Período da FACNOPAR. 2 Acadêmica do 8 Período da FACNOPAR. 3 Acadêmica do 8 Período da FACNOPAR. 4 BRASIL. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Agravo de Instrumento N Relator: MEDEIROS Sandra Brisolara. Publicado no DJ de 30/09/2014. Acessado em 29 out

2 17 2 A LEGISLAÇÃO MATERIAL E PROCESSUAL SOBRE A COLAÇÃO colação vem a ser: De acordo com o Código Civil, em seu artigo 2004, o valor da Art O valor de colação dos bens doados será aquele, certo ou estimativo, que lhes atribuir o ato de liberalidade. 1o Se do ato de doação não constar valor certo, nem houver estimação feita naquela época, os bens serão conferidos na partilha pelo que então se calcular valessem ao tempo da liberalidade. 2o Só o valor dos bens doados entrará em colação; não assim o das benfeitorias acrescidas, as quais pertencerão ao herdeiro donatário, correndo também à conta deste os rendimentos ou lucros, assim como os danos e perdas que eles sofrerem. 5 esclarece: Já o Código de Processo Civil, em seu art.1014 ao tratar do tema Art No prazo estabelecido no art , o herdeiro obrigado à colação conferirá por termo nos autos os bens que recebeu ou, se já os não possuir, trar-lhes-á o valor. Parágrafo único. Os bens que devem ser conferidos na partilha, assim como as acessões e benfeitorias que o donatário fez, calcular-se-ão pelo valor que tiverem ao tempo da abertura da sucessão. 6 Isto é, ambos os dispositivos esclarecem a forma que deverá se encontrar o valor dos bens quando da colação. 3 A COLAÇÃO DO PONTO DE VISTA DOUTRINÁRIO Nelson Nery acosta enunciado aprovado na Jornada de Direito Civil promovida pelo Centro de Estudos Judiciários do Conselho de Justiça Federal sob os auspícios do Superior Tribunal de Justiça, de nº 119 que dispõe: Para evitar o enriquecimento sem causa, a colação será efetuada com base no valor da época da doação, nos termos do caput do 2004, exclusivamente na hipótese em que o bem doado não mais pertença ao patrimônio do donatário. Se ao contrário, o bem ainda integrar seu patrimônio, a colação se fará com base no valor do bem na época da abertura da sucessão, nos 5 TEPEDINO, Gustavo. BARBOZA, Heloisa Helena. DE MORAES, Maria Helena Bodin. Código Civil Interpretado: Conforme a Constituição da República. Rio de Janeiro: Editora Renovar, V.I. 6 ALVIM, Arruda. Manual de Direito de Processo Civil. 10. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, V.I.

3 18 termos do artigo 1014, de modo a preservar a quantia que efetivamente integrará a legitima quando esta se constitui, ou seja, na datas do óbito (Resultado da interpretação sistemática do CC 2003 e, juntamente com o CC 1832 e 844). 7 Isto implica dizer que a celeuma apresentada nos dispositivos da lei material e processual foi resolvida, esclarecendo o citado enunciado que só aplicará ao cálculo da colação o valor da época da liberalidade, se aquele que recebeu o bem já não o possua em seu acervo patrimonial. 3 COMENTÁRIO DO ACORDÃO Para melhor compreensão do que este julgado traz e consequentemente seus entendimentos deve-se fazer uma breve análise do que significa colação. Em uma acepção conceitual, Maria Helena Diniz coloca: A colação consiste em uma conferência de bens da herança com outros transferidos pelo auctor successionis, em vida, aos seus descendentes quando concorrem à sucessão do ascendente comum, e ao cônjuge supérstite, quando concorrer com descente do de cujus, promovendo, deste modo, o retorno ao monte das liberalidades feitas pelo autor da herança antes de finar, com o fito de se promover uma apuração equitativa das quotas hereditárias dos sucessores legitimarem. 8 No mesmo entendimento segue Carlos Maximiliano, ao se manifestar acerca da definição de colação, sustenta que: [...] é o ato de reunir ao monte partível quaisquer liberalidades, diretas ou indiretas, claras ou dissimuladas, recebidas do inventariado por herdeiro descendente, antes da abertura da sucessão. 9 Com suporte nos arts e 2003 do Código Civil pode-se definir como colação a de conferência dos bens da herança, pelos descendentes que concorrem na sucessão do ascendente comum, abrangendo as doações dele 7 NERY JÚNIOR, Nelson. Código civil anotado e legislação extravagante: atualizado até 2 de maio de ed. rev. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, p DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: Direito das Sucessões. 24 ed. São Paulo: Saraiva, vol. 06 p MAXIMILIANO, Carlos. Direito das Sucessões. nº ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, V. III. p.392.

4 total dos bens 10 Para a colação vai ser analisado e juntado os valores das doações 19 recebidas em vida, para que sejam consideradas no monte da herança e se faça a eqüitativa atribuição dos quinhões aos demais herdeiros legitimares, ou seja, são os bens doados pelos ascendentes aos descendentes, devendo efetuar-se pelo valor em vida do falecido, não significam que para que isso ocorra seja o bem doado em vida pelo de cujus seja o bem em espécie podendo ser outro no lugar que consista no mesmo valor, ou até mesmo dinheiro, consistindo operação matemática, ou seja, é um adimplemento de dever contábil, não se importando se é o verdadeiro bem. O que ressalta o artigo 2004 do Código Civil que o que tem importância, para se saber o valor a ser colacionado é o preço que foi atribuído na escritura pública ou em outro ato de liberalidade; sendo esse valor é matematicamente utilizado para a composição da parte indisponível, para cálculo da quota do herdeiro donatário e para cálculo do excesso de sua quota. Só o excesso da parte disponível é que tem de voltar em dinheiro, ou bem imóvel ou móvel, à parte legítima. Assim sendo o valor que vai à colação é o do tempo da liberalidade e que nesta tenha sido determinado ou estimado, pouco importando se houve valorização ou desvalorização até o momento da abertura da sucessão. Os lucros, as valorizações, as perdas, as depreciações que correrem entre a data da liberalidade e a data da abertura da sucessão ficam por conta do donatário, sem refletirem no que deva ser levado por colação. 11 Ressalta-se que se os bens já tiverem sido alienados pelo donatário, quando da abertura da sucessão, esse fato não alterará o dever de colação, pois o valor atribuído na liberalidade é o que importa e não o da atualidade, justamente por não ser exigível a devolução em natura. 12 O doutrinador João Baptista Villela coloca que é mais justo estabelecer como referência o tempo da liberalidade, que foi aquele, de fato e de 10 BRASIL. Lei n o , de 10 de janeiro de Institui o Código Civil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406.htm> Acesso em: 31 out LÔBO, Paulo. Dever de colação na sucessão legítima. Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/25360/dever-de-colacao-na-sucessao-legitima#ixzz3iuks79hc> Acesso em: 30 out LÔBO, Paulo. Dever de colação na sucessão legítima. Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/25360/dever-de-colacao-na-sucessao-legitima#ixzz3iuks79hc> Acesso em: 30 out

5 20 direito, em que o bem migrou do patrimônio do doador e, portanto, aquele em que a sua perda se verificou. 13 A lei civil que vigia anteriormente, em seu artigo 1792, previa que a ponderação devia remontar à época da data da doação 14. Já o parágrafo único do artigo 1014 do Código de Processo Civil, acima citado, apresentando certas cizânias determina que o cálculo se faça pelo valor que tiverem os bens ao tempo da abertura da sucessão. Em obra que avaliava a norma anterior, Arnaldo Rizzardo faz referência à posição adotada pelo Supremo Tribunal Federal ao ponderar a matéria, entendendo que o cálculo deva ser àquela ao tempo da abertura da sucessão devendo os valores serem ajustados desde então 15. Neste diapasão segue esta jurisprudência: Processo civil. Recurso especial. Inventário. Preclusão. Prequestionamento. Ausência. Colação. Avaliação do bem. Valor à época da abertura da sucessão. - Inviável o recurso especial na parte em que suscita questão federal não apreciada pelo Tribunal de origem. - Os bens trazidos à colação, para efeito de acertamento das legítimas, devem ser avaliados com base no valor que possuírem à época da abertura da sucessão, conforme o disposto no art ,parágrafo único, do CPC, dispositivo esse que corresponde à norma vigente à época da abertura das sucessões examinadas nos presentes autos. Recurso especial parcialmente conhecido e provido. (processo REsp SC 2003/ ; Julgamento06/11/2003; RSTJ) 16 Assim a ementa acima corrobora com as vertentes apresentadas, deixando de forma explícita que as legitimas deverão ser ajustadas de acordo com seu valor a época da abertura da sucessão. CONSIDERAÇÕES FINAIS Nesta vertente, o julgado do trabalho analisado, mostra que o que deverá prevalecer é o valor a ser calculado pelo da época da doação e não o da 13 VILLELA, João Baptista. Contribuição à teoria do valor dos bens na colação hereditária. Belo Horizonte, ed. A., 1964, passim 14 JURÍDICO, Conteúdo. CC - Art Da Herança e de sua Administração. Conteúdo Jurídico, Brasilia-DF: 18 ago Disponível em: <http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=3.2735&seo=1> acesso em: 31 out RIZZARDO, Arnaldo. Direito das Sucessões Rio de Janeiro, Ed. Aide, 1996, p BRASIL. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Recurso Especial. N SC 2003/ Relator Ministra NANCY ANDRIGHI. Publicado no DJ de 06/11/2013. Acessado em 29 out

6 21 abertura da sucessão, no entanto o Código de Processo Civil acaba abrindo certas brechas para que se dê entendimentos que possa se dar pelo valor da atualidade. O Supremo Tribunal de Justiça asseverou que para ocorrer a aplicabilidade do artigo o patrimônio do donatário não deverá pertencer ao patrimônio do donatário. Assim deve ser salientado que o dispositivo do Código de Processo Civil, o artigo 1014, deverá ser aplicado para que ocorra preservação da quantia efetivamente integra da legítima. REFERÊNCIAS ALVIM, Arruda. Manual de Direito de Processo Civil, Volume I, 10 Edição,São Paulo/SP: Revista dos Tribunais, BODIN. Código Civil Interpretado: Conforme a Constituição da Republica, Volume I, Rio de Janeiro: Renovar, BRASIL. Lei n o , de 10 de janeiro de Institui o Código Civil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406.htm> Acesso em: 31 out Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Agravo de Instrumento N Relator: MEDEIROS Sandra Brisolara. Publicado no DJ de 30/09/2014. Acessado em 29 out Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Recurso Especial. N SC 2003/ Relator Ministra NANCY ANDRIGHI. Publicado no DJ de 06/11/2013. Acessado em 29 out DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: Direito das Sucessões. 24 ed. São Paulo: Saraiva, vol. 06 JURÍDICO, Conteúdo. CC - Art Da Herança e de sua Administração. Conteúdo Jurídico, Brasilia-DF: 18 ago Disponível em: <http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=3.2735&seo=1> Acesso em: 31 out

7 22 LÔBO, Paulo. Dever de colação na sucessão legítima. Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/25360/dever-de-colacao-na-sucessaolegitima#ixzz3iuks79hc> Acesso em: 30 out MAXIMILIANO, Carlos. Direito das Sucessões. Vol. III. nº ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, NERY JÚNIOR, Nelson. Código civil anotado e legislação extravagante: atualizado até 2 de maio de ed. rev. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, RIZZARDO, Arnaldo. Direito das Sucessões Rio de Janeiro, Ed. Aide, TEPEDINO, Gustavo. BARBOZA, Heloisa Helena. DE MORAES, Maria Helena VILLELA, João Baptista. Contribuição à teoria do valor dos bens na colação hereditária. Belo Horizonte, ed. A., 1964.

A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS

A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS 23 A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS Adrieli Aline Frias 1 Daniele Garcia 2 Niagara Sabrina 3 Ynaia Medina Long 4 Orientadora: Profª. Mª. Ana Cleusa

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº Dados Básicos Fonte: 70039973367 Tipo: Acórdão TJRS Data de Julgamento: 08/06/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:14/06/2011 Estado: Rio Grande do Sul Cidade: Porto Alegre Relator:

Leia mais

Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco

Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco SUMÁRIO: 1. Da doação como ato de liberalidade e das formas de sua celebração. 2. A doação de ascendente

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva INVENTÁRIO Dois sentidos para o mesmo vocábulo: Liquidação do acervo hereditário (registro, descrição, catalogação dos bens). Procedimento especial

Leia mais

CONCEITO DE INVENTÁRIO

CONCEITO DE INVENTÁRIO DIREITO CIVIL Inventário e Partilha CONCEITO DE INVENTÁRIO Inventárioéoprocedimentojudicialatravésdoqual será realizado o levantamento dos bens, valores, dívidas e sucessores do autor da herança. OBJETIVO

Leia mais

OS BENS SONEGADOS: COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO Nº 70051277150 DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL

OS BENS SONEGADOS: COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO Nº 70051277150 DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL 30 OS BENS SONEGADOS: COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO Nº 70051277150 DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO SUL Fabiana dos Santos Gonçalves 1 José Ricardo Moura Pereira 2 Orientadora: Profª. Mª. Ana Cleusa Delben

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.693/15/3ª Rito:Sumário PTA/AI: 16.000556146-19 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.693/15/3ª Rito:Sumário PTA/AI: 16.000556146-19 Impugnação: 40. Acórdão: 21.693/15/3ª Rito:Sumário PTA/AI: 16.000556146-19 Impugnação: 40.010136659-10 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Emerson Simon Vilella CPF: 033.831.356-75 João Baptista de Paula DF/Ubá

Leia mais

DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO. http://patriciafontanella.adv.br

DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO. http://patriciafontanella.adv.br DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO doação Conceito: é negócio jurídico unilateral inter vivos, em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.080.614 - SP (2008/0176494-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA Direito de família e das sucessões. Ação de reconhecimento de sociedade de fato, proposta por ex-companheiro

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, Registro: 2012.0000257965 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante FAZENDA DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR COLAÇÃO DAS DOAÇÕES FEITAS AOS HERDEIROS NECESSÁRIOS Samara Loss Bendlin 1 Denise Schmitt Siqueira Garcia 2 SUMÁRIO: Introdução; 1. Conceito de colação; 2. Herdeiros obrigados a colacionar; 3. Bens exigidos

Leia mais

O VALOR DO QUINHÃO HEREDITÁRIO:

O VALOR DO QUINHÃO HEREDITÁRIO: 50 O VALOR DO QUINHÃO HEREDITÁRIO: COMENTÁRIO AO ACÓRDÃO Nº 70015232226 PROFERIDO EM SEDE DE AGRAVO DE INSTRUMENTO JULGADO PELO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO RIO GRANDE DO SUL André Leandro Polycarpo 1

Leia mais

AGRAVANTES: ESPÓLIO DE OSENIO JOSÉ KROMANN E OUTROS

AGRAVANTES: ESPÓLIO DE OSENIO JOSÉ KROMANN E OUTROS AGRAVO DE INSTRUMENTO N.º 852.937-1, DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DA COMARCA DE TOLEDO AGRAVANTES: ESPÓLIO DE OSENIO JOSÉ KROMANN E OUTROS AGRAVADA: RELATORA: FAZENDA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ DES.ª VILMA

Leia mais

A AÇÃO DE SONEGADOS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70030700223 DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAÚCHO

A AÇÃO DE SONEGADOS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70030700223 DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAÚCHO 2 A AÇÃO DE SONEGADOS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70030700223 DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAÚCHO Ariadne dos Santos Antunes 1 Maria Eduarda de Oliveira Rech 2 Talita Ayumi Koga 3 Orientadora: Profª. Mª. Ana Cleusa

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES 2.º Ano Turma A (Dia) Época de Recurso Professor Doutor Luís Menezes Leitão

DIREITO DAS SUCESSÕES 2.º Ano Turma A (Dia) Época de Recurso Professor Doutor Luís Menezes Leitão DIREITO DAS SUCESSÕES 2.º Ano Turma A (Dia) Época de Recurso Professor Doutor Luís Menezes Leitão EXAME 09 de junho de 2014 Duração da prova: 90 minutos GRELHA DE CORREÇÃO A morte de A desencadeia a aberta

Leia mais

Direito das Sucessões. Inventário e Partilha

Direito das Sucessões. Inventário e Partilha Direito das Sucessões Inventário e Partilha OBJETIVO Conhecer as disposições legais a respeito do inventário e da partilha. ROTEIRO Introdução O inventário formas simplificadas Colação Sonegados Partilha

Leia mais

Nº 70 060 938 065 (N CNJ: 0286369-18.2014.8.21.7000) COMARCA DE SANTO ANTÔNIO DA PATRULHA DARCI SILVEIRA DOS SANTOS

Nº 70 060 938 065 (N CNJ: 0286369-18.2014.8.21.7000) COMARCA DE SANTO ANTÔNIO DA PATRULHA DARCI SILVEIRA DOS SANTOS AÇÃO DE NULIDADE DE DOAÇÃO DE IMÓVEL. HERDEIROS NECESSÁRIOS. NULIDADE. CERCEAMENTO DE DEFESA. INOCORRENTE. 1. Inocorre cerceamento de defesa pela dispensa da prova testemunhal, quando esta se mostra desnecessária

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo assim ementado: "Exceção

Leia mais

Dados Básicos. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 1.196.992 Tipo: Acórdão STJ Data de Julgamento: 06/08/2013 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:22/08/2013 Estado: Mato Grosso do Sul Cidade: Relator: Nancy Andrighi

Leia mais

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

- Doação a incapaz, terá de o ser sem encargos (puras) e produz efeitos independentemente da aceitação (presumida). (951. nº. 1 e 2 CC).

- Doação a incapaz, terá de o ser sem encargos (puras) e produz efeitos independentemente da aceitação (presumida). (951. nº. 1 e 2 CC). Noção Contrato pelo qual uma Pessoa Jurídica, por espírito de liberalidade e à custa do seu património, dispõe gratuitamente de uma coisa ou de um direito, ou assume uma obrigação, em benefício do outro

Leia mais

Teoria Geral do Processo II Matrícula: 11/0115791 Vallisney de Souza Oliveira O ÔNUS DA PROVA NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

Teoria Geral do Processo II Matrícula: 11/0115791 Vallisney de Souza Oliveira O ÔNUS DA PROVA NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Aluno: Endrigo Araldi Teoria Geral do Processo II Matrícula: 11/0115791 Vallisney de Souza Oliveira O ÔNUS DA PROVA NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Brasília, 30 de Maio de 2013

Leia mais

Nº 70021504923 COMARCA DE PELOTAS ESTELA MARIA CIRNE MAGALHAES NOEMIA MARIA PINHEIRO CIRNE

Nº 70021504923 COMARCA DE PELOTAS ESTELA MARIA CIRNE MAGALHAES NOEMIA MARIA PINHEIRO CIRNE AGRAVO DE INSTRUMENTO. PARTILHA. REGIME DE BENS. INEXISTÊNCIA DE MEAÇÃO SOBRE BEM CLAUSULADO. REGIME DE SEPARAÇÃO TOTAL DE BENS. HERANÇA. CONCORRÊNCIA SUCESSÓRIA DO CÔNJUGE VIVO COM OS DESCENDENTES DO

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES

DIREITO DAS SUCESSÕES DIREITO DAS SUCESSÕES 2.º Ano Turma A (Dia) Exame de Coincidência Professor Doutor Luís Menezes Leitão 26 de junho de 2015 Duração da prova: 90 minutos GRELHA DE CORREÇÃO A morte de A desencadeia a abertura

Leia mais

USUFRUTO. 1) Conceito:

USUFRUTO. 1) Conceito: USUFRUTO 1) Conceito: O usufruto é um dos chamados direitos reais sobre coisa alheia. Para Sílvio de Salvo Venosa 1 usufruto é um direito real transitório que concede a seu titular o poder de usar e gozar

Leia mais

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte I Sucessão - Etimologia Sucessão Successio, de succedere. Relação de ordem, de continuidade. Uma sequência de fato e de coisas. O que vem em certa ordem ou em certo tempo. Sucessão

Leia mais

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação:

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação: O NOVO AGRAVO CONTRA DESPACHO DENEGATÓRIO DE RECURSO EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL 2011-06-15 Alexandre Poletti A Lei nº 12.322/2010, que alterou os artigos 544 e 545 do CPC, acabou com o tão conhecido e utilizado

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 730.483 - MG (2005/0036318-3) RECORRENTE : JOSÉ JORGE PENNA JÚNIOR - ESPÓLIO E OUTROS REPR.POR : ADRIANA PENA - INVENTARIANTE ADVOGADO : GUSTAVO CAPANEMA DE ALMEIDA E OUTROS RECORRIDO

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

Boletim Informativo junho/2015 ITCMD

Boletim Informativo junho/2015 ITCMD Boletim Informativo junho/2015 ITCMD 23 de junho de 2015 Intenciona o governo propor projeto de Emenda Constitucional para aumentar a alíquota do Imposto sobre Herança e Doação ( ITCMD ) para 16% (dezesseis

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0071.07.034954-4/001 Númeração 0349544- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Bitencourt Marcondes Des.(a) Bitencourt Marcondes 25/03/2009 30/04/2009

Leia mais

ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO. A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário

ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO. A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU: I Relatório e factos provados A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário facultativo por

Leia mais

Considerações sobre o Inventário Negativo Glauco Pereira Almeida

Considerações sobre o Inventário Negativo Glauco Pereira Almeida Considerações sobre o Inventário Negativo Glauco Pereira Almeida Palavras-chave: inventário negativo, partilha, sucessões, herdeiro, cônjuge. RESUMO O inventário exige a presença de bens. Não é possível

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 437.853 - DF (2002/0068509-3) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL PROCURADOR : DANIEL AZEREDO ALVARENGA E OUTROS RECORRIDO : ADVOCACIA BETTIOL S/C

Leia mais

Exame de Direito das Sucessões. 18 de junho de 2014. I (17 valores) Em 2008, C é condenado pelo crime de homicídio doloso de seu irmão D.

Exame de Direito das Sucessões. 18 de junho de 2014. I (17 valores) Em 2008, C é condenado pelo crime de homicídio doloso de seu irmão D. Exame de Direito das Sucessões 18 de junho de 2014 I (17 valores) A é casado com B, tendo o casal três filhos, C, D e E. B tem ainda um filho, F, de um anterior casamento. C é casado com G e tem uma filha

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2015.0000122590 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2196688-13.2014.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que são agravantes CARLOS ROBERTO DE ARO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 1.032 - GB (2005/0066622-7) RELATOR REQUERENTE ADVOGADO : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA : GRACE NANCY JOY PIRIE : MICHAEL MARY NOLAN E OUTRO(S) EMENTA HOMOLOGAÇÃO DE

Leia mais

INTERESSADA: PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE JAGUARIAÍVA CONSULTA N. 40/2012:

INTERESSADA: PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE JAGUARIAÍVA CONSULTA N. 40/2012: CONSULTA N.º 40 CAOP Cível e Fundações OBJETO: Nulidade de doação inoficiosa INTERESSADA: PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE JAGUARIAÍVA CONSULTA N. 40/2012: 1. Cuida-se de consulta encaminhada pela assessora

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-44 PERÍODO: 8 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VI NOME DO CURSO: DIREITO 2.

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-44 PERÍODO: 8 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VI NOME DO CURSO: DIREITO 2. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-44 PERÍODO: 8 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VI NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Direito das

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A competência nos pedidos de adoção, guarda e tutela Rogério Medeiros Garcia de Lima* 1. INTRODUÇÃO A vigência do novel Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei federal 8.069, de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.298.864 - SP (2011/0291796-0) RELATOR : MINISTRO MARCO AURÉLIO BELLIZZE RECORRENTE : ZORAIDE APARECIDA PISSINATTI DA SILVA E OUTROS ADVOGADOS : LUIZ ANTÔNIO SOARES HENTZ E OUTRO(S)

Leia mais

A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação.

A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação. www.apd.adv.br +55 (27) 3019-3993 A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação. RESUMO: Atualmente muitos contribuintes realizam o

Leia mais

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS:

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: 1. Capacidade para suceder é a aptidão da pessoa para receber os bens deixados pelo de cujus no tempo da abertura da sucessão. Considerando tal afirmação

Leia mais

O FALECIMENTO DO SÓCIO DE EMPRESA LIMITADA E A SUCESSÃO DE SUAS QUOTAS À LUZ DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

O FALECIMENTO DO SÓCIO DE EMPRESA LIMITADA E A SUCESSÃO DE SUAS QUOTAS À LUZ DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO O FALECIMENTO DO SÓCIO DE EMPRESA LIMITADA E A SUCESSÃO DE SUAS QUOTAS À LUZ DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO O falecimento do sócio de empresa limitada é matéria de grande interesse prático para qualquer sociedade

Leia mais

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. AGRAVO DE INSTRUMENTO n 501.512-4/4-00, da Comarca de SÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. AGRAVO DE INSTRUMENTO n 501.512-4/4-00, da Comarca de SÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *01319002* Vistos, relatados e discutidos estes autos de AGRAVO DE INSTRUMENTO

Leia mais

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 1/2010 Aperfeiçoamentos no DL nº 167/67 - Emolumentos extrajudiciais e garantias reais em Cédulas de Crédito Rural-CCR e em Cédulas de Crédito Bancário-CCB Eber Zoehler Santa Helena

Leia mais

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO Valéria Edith Carvalho de Oliveira 1 Sumário: 1 Introdução. 2 O direito sucessório do cônjuge separado de fato. 3. O direito sucessório do cônjuge separado

Leia mais

Regime de bens e divisão da herança

Regime de bens e divisão da herança Regime de bens e divisão da herança Antes da celebração do casamento, os noivos têm a possibilidade de escolher o regime de bens a ser adotado, que determinará se haverá ou não a comunicação (compartilhamento)

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka Doutora e Livre Docente em Direito pela Faculdade de Direito da USP Professora Associada ao Departamento de Direito

Leia mais

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação).

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). Direito de familia Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). 1 EC nº 66/2010: Nova redação do art. 226, 6º da CF: O casamento civil pode ser dissolvido

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVAS REGRAS PARA ESCOLHA DE BENEFICIÁRIOS

PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVAS REGRAS PARA ESCOLHA DE BENEFICIÁRIOS PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVAS REGRAS PARA ESCOLHA DE BENEFICIÁRIOS 1 - O que é Beneficiário Indicado? Qualquer pessoa física indicada pelo Participante conforme definido no regulamento do Plano. 2 - O que

Leia mais

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade http://patriciafontanella.adv.br Viés Constitucional Assento constitucional (art. 5º XXX, CF/88). Mudança dos poderes individuais da propriedade, trazendo a

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 660.284 - SP (2004/0071142-4) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : PANAMERICANO ARRENDAMENTO MERCANTIL S/A : MANUEL MAGNO ALVES E OUTROS : ALEXANDRE ALMADA DANTAS

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.05.871804-0/002 Númeração 8718040- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Fernando Caldeira Brant Des.(a) Fernando Caldeira Brant 28/02/2013 05/03/2013

Leia mais

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO 3 PROF. MS. FABIO TRUBILHANO ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO A primeira questão polêmica sobre a qual nos debruçaremos envolve os arts. 1.641, 1.687 e 1.829 do Código Civil brasileiro.

Leia mais

Direito das sucessões e aspectos Constitucionais. Sucessão: legítima e testamentária. Herança. Formas de Testamento. Inventário e Partilha.

Direito das sucessões e aspectos Constitucionais. Sucessão: legítima e testamentária. Herança. Formas de Testamento. Inventário e Partilha. Detalhes da Disciplina Código JUR3107 Nome da Disciplina DIREITO CIVIL VII Carga Horária 60 Créditos 4 Ementa Objetivos Gerais Direito das sucessões e aspectos Constitucionais. Sucessão: legítima e testamentária.

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES. RECURSO ESPECIAL. PACTO ANTENUPCIAL. SEPARAÇÃO DE BENS. MORTE DO VARÃO. VIGÊNCIA DO NOVO CÓDIGO CIVIL. ATO JURÍDICO PERFEITO.

DIREITO DAS SUCESSÕES. RECURSO ESPECIAL. PACTO ANTENUPCIAL. SEPARAÇÃO DE BENS. MORTE DO VARÃO. VIGÊNCIA DO NOVO CÓDIGO CIVIL. ATO JURÍDICO PERFEITO. SUCESSÕES Direito das sucessões. Recurso especial. Inventário. De cujus que, após o falecimento de sua esposa, com quem tivera uma filha, vivia, em união estável, há mais de trinta anos, com sua companheira,

Leia mais

Processo no. 200.2009.000.751-5/001. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Desembargador Marcos Cavalcanti de Albuquerque

Processo no. 200.2009.000.751-5/001. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Desembargador Marcos Cavalcanti de Albuquerque ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Desembargador Marcos Cavalcanti de Albuquerque Acórdão APELAÇÃO CÍVEL - no. 200.2009.000.751-5/001 Relator: Dr. Eduardo José de Carvalho

Leia mais

DESTAQUES DO INVENTÁRIO 1

DESTAQUES DO INVENTÁRIO 1 DESTAQUES DO INVENTÁRIO 1 DO INVENTÁRIO EXTRAJUDICIAL A lei 11.441/2007 alterou os dispositivos do CPC, possibilitando a realização de inventário, partilha, separação consensual e divórcio consensual por

Leia mais

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Cleiton Graciano dos Santos 1 RESUMO: Este artigo trata sobre o Regime de Bens no novo Código Civil brasileiro, apresentando os principais aspectos do assunto,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.377.084 - MG (2013/0083914-0) RECORRENTE REPR. POR ADVOGADOS INTERES. : GERALDO SEBASTIÃO DA SILVA - ESPÓLIO : APARECIDA JOANA DA SILVA PAIVA - INVENTARIANTE : PAULO EDUARDO ALMEIDA

Leia mais

Julio Cesar Brandão. I - Introdução

Julio Cesar Brandão. I - Introdução DOAÇÃO: BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A DOAÇÃO E AS CLÁUSULAS RESTRITIVAS DE INCOMUNICABILIDADE, INALIENABILIDADE E IMPENHORABILIDADE À LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL Julio Cesar Brandão SUMÁRIO: I - Introdução.

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa Agravo de Instrumento n 2 073.2012.001287-4 /001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Agravante: Marina Jacaré Clube Advogado:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.099.480 - MG (2008/0230045-4) RECORRENTE : CONSTRUTORA E INCORPORADORA TERRANOVA LTDA ADVOGADO : JOSÉ CESAR PALACINI DOS SANTOS E OUTRO(S) RECORRIDO : OFICIAL DO CARTÓRIO DE REGISTRO

Leia mais

A responsabilidade pelo pagamento das cotas condominiais em caso de aquisição do imóvel mediante arrematação judicial

A responsabilidade pelo pagamento das cotas condominiais em caso de aquisição do imóvel mediante arrematação judicial A responsabilidade pelo pagamento das cotas condominiais em caso de aquisição do imóvel mediante arrematação judicial Por Maria Angélica Jobim de Oliveira À luz do artigo 1.336, inciso I, do Código Civil,

Leia mais

EMENTA ACÓRDÃO. LUÍSA HICKEL GAMBA Relatora

EMENTA ACÓRDÃO. LUÍSA HICKEL GAMBA Relatora INCIDENTE DE UNIFORMIZAÇÃO JEF Nº 2005.70.53.001322-8/PR RELATOR : Juiz D.E. Publicado em 20/02/2009 EMENTA ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PUBLICO. ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO. ANUÊNIOS SUBSTITUÍDOS POR QÜINQÜÊNIOS.

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnico n.º 08/07 Relações das obras com indícios de irregularidades graves constantes nos anexos às leis orçamentárias para os exercícios de 2002

Leia mais

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 1 - Imposto sobre transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) Compete privativamente aos Estados a instituição

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no RECURSO ESPECIAL Nº 1.361.983 - SC (2013/0005447-1) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI ADVOGADOS : HELOISA BIRCKHOLZ RIBEIRO E OUTRO(S) WALTER LUIZ RIBEIRO E OUTRO(S) EMENTA PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS

Leia mais

Parecer Normativo nº 1 de 29 de julho de 2011. DOU de 9.8.2011

Parecer Normativo nº 1 de 29 de julho de 2011. DOU de 9.8.2011 Parecer Normativo nº 1 de 29 de julho de 2011 DOU de 9.8.2011 As diferenças no cálculo da depreciação de bens do ativo imobilizado decorrentes do disposto no 3º do art. 183 da Lei nº 6.404, de 1976, com

Leia mais

N e w s l e t t e r AAPS

N e w s l e t t e r AAPS Caros Associados, A AAPS interessada nos temas que possam ser de utilidade aos associados, tem participado em eventos sobre o assunto em questão. No contexto das atividades desenvolvidas pelo GEPS (Grupo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.171.486 - SP (2009/0239644-0) RELATOR AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRO MARCO BUZZI EMENTA AGRAVO REGIMENTAL - AÇÃO DE COBRANÇA - ASSOCIAÇÃO DE MORADORES - PAGAMENTO DE TAXA DE

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL 1 APELAÇÃO CÍVEL 2009.001.27482

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL 1 APELAÇÃO CÍVEL 2009.001.27482 1 APELAÇÃO CÍVEL 2009.001.27482 APELANTE: LAUDEMIRA LEONCIA DA SILVA APELADO: LUIZ FELIPE WHYTE DYLONG PROCESSO CIVIL APELAÇÃO ADJUDICAÇÃO COMPULSÓRIA PROMESSA DE CESSÃO DE DIREITOS SOBRE IMÓVEL COM QUITAÇÃO

Leia mais

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC).

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC). 01 Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8ºDIN-1 e 8º DIN-2 Data: 21/08/12 AULA 07 II - SUCESSÃO EM GERAL (Cont...) 11. Herança Jacente e Vacante (arts. 1.819 a 1.823,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.204.347 - DF (2010/0141637-8) RECORRENTE RECORRIDO : FLÁVIA LETÍCIA TREVISANI FAUSTINI GALLETTI : CRISTIAN FETTER MOLD E OUTRO(S) : RITA DE CASSIA TAARES DE LUNA FAUSTINI : LUIZ HUMBERTO

Leia mais

are Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete da Desembargadora Maria de Fátima Moraes Bezerra Cavalcanti

are Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete da Desembargadora Maria de Fátima Moraes Bezerra Cavalcanti are 4 AGRAVO DE INSTRUMENTO N 2002007767385-9 I 001 - Capital RELATORA : Dr Carlos Martins Beltrão Filho Juiz convocado AGRAVANTE : SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente ADVOGADO :

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Cível n2 031.1999.000404-1/001 Origem : 1 Vara da Comarca de Princesa Isabel Relator : Desembargador Frederico Martinho da Nóbrega

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA ITCMD Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de quaisquer Bens ou Direitos MANUAL DO USUÁRIO 2012 O ITCMD tem como fato gerador a transmissão de bens e direitos

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Deve-se redigir recurso de apelação endereçado ao juiz de direito da 3.ª Vara Cível de Patos de Minas MG, formular pedido para recebimento da apelação no duplo efeito e remessa dos autos

Leia mais

A NATUREZA JURÍDICA DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE NA SUCESSÃO DE BENS

A NATUREZA JURÍDICA DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE NA SUCESSÃO DE BENS A NATUREZA JURÍDICA DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE NA SUCESSÃO DE BENS Marcos Vinícius Monteiro de Oliveira Diogenis Bertolino Brotas e RESUMO O presente artigo pretende expor interpretação acerca da sucessão

Leia mais

Dimas Messias de Carvalho Promotor de Justiça aposentado/mg Mestre em Direito Constitucional pela FDSM Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado

Dimas Messias de Carvalho Promotor de Justiça aposentado/mg Mestre em Direito Constitucional pela FDSM Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Dimas Messias de Carvalho Promotor de Justiça aposentado/mg Mestre em Direito Constitucional pela FDSM Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Membro do IBDFAM Autor de Obras Jurídicas Email: dimasmp@navinet.com.br

Leia mais

N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR

N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR Relator: Ministro Marco Aurélio Requerente: Procurador-Geral da República Interessados: Governador do Estado de Sergipe Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

SUCESSÃO HEREDITÁRIA. fases práticas do inventário e partilha

SUCESSÃO HEREDITÁRIA. fases práticas do inventário e partilha EDUARDO MACHADO ROCHA Juiz de Direito da Vara de Família e Sucessões da Comarca de Dourados (MS). Pós-graduado - Especialização em Direito Processual Civil. Professor de Direito Civil na Unigran - Universidade

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista PLANO DE ENSINO DISCIPLINA SÉRIE PERÍODO LETIVO CARGA HORÁRIA DIREITO CIVIL V (Direitos de família e das sucessões) QUINTA 2015 136 I EMENTA Direito de Família. Casamento. Efeitos jurídicos do casamento.

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva Direito das Sucessões Sucessão: alteração de titulares em uma dada relação jurídica Sucessão (sentido estrito): causa mortis A sucessão engloba

Leia mais

Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007

Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007 Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007 (Escrituras de Inventário, Separação e Divórcio) Antonio Carlos Parreira Juiz de Direito da Vara de Família e Sucessões de Varginha MG Art.

Leia mais

A resposta do STJ à polêmica sucessão do cônjuge em concorrência com os filhos do falecido

A resposta do STJ à polêmica sucessão do cônjuge em concorrência com os filhos do falecido A resposta do STJ à polêmica sucessão do cônjuge em concorrência com os filhos do falecido Por Rodrigo Aita I INTRODUÇÃO Durante a vigência do Código Civil de 1916, até a entrada em vigor da Lei do Divórcio

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI N o 637, DE 2011 Altera a Lei nº 6.830, de 22 de setembro de 1980, para incluir o segurogarantia dentre os instrumentos de garantia nas ações de execução

Leia mais

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal Interposição: perante o órgão prolator da decisão Recurso Especial Nomenclatura: REsp Competência: Superior Tribunal de Justiça STJ Prazo para interposição 15 dias; Recurso Extraordinário Nomenclatura:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 342.463 - SC (2014/0101370-3) RELATOR EMBARGANTE EMBARGADO : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : IPB CORRETORA DE SEGUROS LTDA : RAPHAEL DOS SANTOS BIGATON

Leia mais

Direito de Acrescer: questões polêmicas sobre a sua incidência

Direito de Acrescer: questões polêmicas sobre a sua incidência Direito de Acrescer: questões polêmicas sobre a sua incidência Por João Pedro Lamana Paiva 17 abril 2009 06h35m O Registrador e Tabelião de Protesto dos Serviços de Registros Públicos de Sapucaia do Sul

Leia mais

LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986

LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986 LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986 Cria o Fundo de Prevenção, Recuperação e de Combate às Drogas de Abuso, dispõe sobre os Bens Apreendidos e Adquiridos com Produtos de Tráfico Ilícito de Drogas ou

Leia mais

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Regime de Bens no Casamento Regime de Bens no Casamento Regime de bens é o conjunto de determinações legais ou convencionais, obrigatórios e alteráveis, que regem as relações patrimoniais entre o casal,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.420.880 - PE (2011/0125824-8) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : FAZENDA NACIONAL : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL AGRAVADO : ACUMULADORES

Leia mais