Novo Código dos Impostos Especiais de Consumo 13 e 15 de Julho 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Novo Código dos Impostos Especiais de Consumo 13 e 15 de Julho 2010"

Transcrição

1 Conferência IEC Novo Código dos Impostos Especiais de Consumo 13 e 15 de Julho 2010 PwC PwC

2 Novo Código dos Impostos Especiais de Consumo 13 e 15 de Julho 2010 PwC

3 Índice I Preâmbulo Fundamentos e objectivos Normas transitórias e revogatórias Estrutura do Código II Parte geral Princípios e regras gerais Liquidação, pagamento do imposto Reembolsos Produção, transformação e armazenagem em regime de suspensão Circulação em regime de suspensão Perdas e inutilização Garantias III Parte especial Imposto sobre o álcool e bebidas alcoólicas Imposto sobre os produtos petrolíferos e energéticos Imposto sobre o tabaco IV Conclusões

4 Preâmbulo

5 Preâmbulo Fundamentos e objectivos Decreto-Lei n.º 73/2010, de 21 de Junho - autorização legislativa do artigo 130º da Lei n.º 3-B/2010, de 28 de Abril; Transposição da Directiva 2008/118/CE, de 16 de Dezembro, e revogação da Directiva 92/12/CE, de 25 de Fevereiro; Introdução do EMCS (Excise Movement and Control System), conhecido em Portugal como Sistema SIC-EU. Slide 5

6 Preâmbulo Fundamentos e objectivos Simplificação Clareza Sistematização Coerência Melhor aplicação Slide 6

7 Preâmbulo artigo 2º Normas transitórias e revogatórias Depositários autorizados e operadores registados Depositários autorizados mantêm o estatuto; Operadores registados adquirem o estatuto de Destinatários registados; - excepto se declaração expressa em contrário for apresentada no prazo de três meses. Slide 7

8 Preâmbulo artigo 3º Alterações ao Regime Geral das Infracções Tributárias Revogado: Perdas superiores às franquias; Não cumprimento das obrigações relativas à facturação; Não comunicação de apuramento dois meses após a expedição. Novo: Não cumprimento das regras dos entrepostos fiscais, na entrada e na saída dos produtos. Slide 8

9 Preâmbulo artigo 4º Desmaterialização de actos e de procedimentos Até 31 de Dezembro de 2011 Pedidos, comunicações e notificações efectuados através de endereço de correio electrónico único. A partir de 1 de Janeiro de 2012 Pedidos, comunicações e notificações efectuados por comunicação electrónica. Slide 9

10 Preâmbulo artigos 7º e 8º Normas transitórias e revogatórias Entrada em vigor Decreto-Lei 566/99, de 22 de Dezembro Revogado Decreto-Lei 73/2010, de 21 de Junho 21 de Julho de 2010 Entrada em vigor a 21 de Julho de 2010 Slide 10

11 Preâmbulo Normas transitórias e revogatórias Excepções Os artigos 32º a 36º mantêm-se em vigor até 31 de Dezembro de 2010: Expedição de produtos sujeitos a IEC (incluindo a circulação nacional e as expedições com destino a outro Estado Membro); Recepção de produtos sujeitos a IEC (quando expedidos de outro Estado Membro ao abrigo de DAA, nos termos da Directiva 92/12/CE); Estatuto de expedidor registado As normas relativas ao expedidor registado entram em vigor a 1 de Janeiro de 2011 Slide 11

12 Preâmbulo Estrutura do Código Parte Geral Capítulo I Princípios e regras gerais 10 artigos Capítulo II Capítulo III Liquidação, pagamento e reembolso do imposto Produção, transformação e armazenagem em regime de suspensão 10 artigos 14 artigos Capítulo IV Circulação em regime de circulação 12 artigos Capítulo V Perdas e inutilizações 6 artigos Capítulo VI Garantias 7 artigos Capítulo VII Circulação e tributação após a introdução no consumo 6 artigos Slide 12

13 Preâmbulo Estrutura do Código Parte Especial Capítulo I Capítulo II Imposto sobre o álcool e as bebidas alcoólicas Imposto sobre os produtos petrolíferos e energéticos 22 artigos 13 artigos Capítulo III Imposto sobre o tabaco 14 artigos Slide 13

14 Parte Geral

15 Parte geral artigo 2º Princípios e regras gerais Princípio da equivalência Princípio que visa onerar os contribuintes na medida dos custos que provocam nos domínios do: ambiente saúde pública Pode representar uma abertura à tributação de novos produtos em sede de IEC. Ambiente Saúde pública Slide 15

16 Parte geral artigo 4º Princípios e regras gerais Incidência subjectiva Regra Geral São sujeitos passivos o depositário autorizado e o destinatário registado Irregularidade na circulação Qualquer pessoa que se tenha constituído como garante da operação de circulação Todas as pessoas que tenham participado na saída irregular ou que tenham tido conhecimento da natureza irregular da mesma Slide 16

17 Parte geral artigo 4º Princípios e regras gerais Responsabilidade solidária Quando vários devedores respondam pela mesma dívida de imposto, ficam obrigados ao pagamento dessa dívida a título solidário. Slide 17

18 Parte geral artigo 9º Princípios e regras gerais Introdução no consumo Não é considerada introdução no consumo a inutilização total ou a perda irreparável dos produtos em regime de suspensão do imposto Por causa inerente à natureza dos produtos Dentro dos limites fixados Devido a caso fortuito ou de força maior Se faça prova de que os produtos encontram-se inutilizados ou irreparavelmente perdidos Na sequência de autorização da estância aduaneira competente Slide 18

19 Parte geral artigos 10º a 14º Liquidação, pagamento do imposto Introdução no consumo DIC Final do dia seguinte da introdução no consumo Taxa zero - Mensal até ao dia 5 do mês seguinte Liquidação DUC Dia 20 do mês seguinte Na falta ou atraso na liquidação por parte do operador, a estância aduaneira pode proceder á liquidação do imposto e dos respectivos juros Pagamento Até ao final do mês seguinte Montante > 25 Pagamento em prestações Situação financeira grave devidamente comprovada Slide 19

20 Parte geral artigos 15º a 20º Reembolsos Regras gerais 3 anos a contar da data da liquidação Montante igual ou superior a 25 Erro na liquidação Erro material ou, errónea qualificação ou quantificação de factos tributários Expedição Altera o documento de comprovativo da liquidação da DIC para a DUC Apresentação de prova do pagamento do imposto no outro estado membro Slide 20

21 Parte geral artigos 15º a 20º Reembolsos Exportação Pedido a ser entregue até 2 dias antes da apresentação da declaração aduaneira ( não estava previsto no código) Altera o documento de comprovativo da liquidação da DIC para a DUC Retirada do mercado Impossibilidade de comercialização, por questões de deterioração ou inadequação da imagem Aumento do prazo das devoluções de 60 para 90 dias Outros casos Perdas irreparáveis Situações em que as isenções se concretizam com o posterior reembolso Slide 21

22 Parte geral artigos 21º a 34º Produção, transformação e armazenagem em regime de suspensão Novas figuras estatutárias Depositário autorizado Destinatário registado Destinatário registado temporário Expedidor registado Slide 22

23 Parte geral artigos 21º a 43º Produção, transformação e armazenagem em regime de suspensão Depositário Autorizado Aquisição e manutenção do estatuto Verificação da idoneidade fiscal: Actividade económica principal produção, transformação, armazenagem ou comercialização de produtos sujeitos a IEC Não ter sido condenado por crime tributário ou contraordenação tributária nos últimos 5 anos (3 anos) Inexistência de dívidas tributárias ou contributivas em fase de cobrança coerciva Slide 23

24 Parte geral artigos 21º a 43º Produção, transformação e armazenagem em regime de suspensão Depositário Autorizado Entrepostos Fiscais O pedido de constituição de EF deve ser acompanhado de um formulário que se encontra disponibilizado no site Deixa de existir a vistoria prévia, mas pode verificar-se à posteriori Após 30 dias do pedido de constituição de EF e não tiver sido autorizado pela entidade competente, presume-se o seu indeferimento Slide 24

25 Parte geral artigos 21º a 43º Produção, transformação e armazenagem em regime de suspensão Depositário Autorizado Entrepostos Fiscais Podem ser colocados produtos provenientes de países terceiros, desde que acompanhados do e-da emitido pelo expedido registado (1/01/2011) Podem ser colocados no EF produtos sujeitos a um regime suspensivo aduaneiro desde que devidamente autorizado As reentradas em EF de produtos já introduzidos no consumo passam a ser simplesmente comunicadas Slide 25

26 Parte geral artigos 21º a 43º Produção, transformação e armazenagem em regime de suspensão Depositário Autorizado Entrepostos Fiscais Estabelecimento de taxas de rendimento passa a ser objecto de autorização pela estância aduaneira Indicação das matérias-primas necessárias para o fabrico dos produtos sujeitos a IEC Local de entrega directa - permite que, quando o destinatário seja um entreposto fiscal, este indique um local de entrega diferente. A introdução no consumo corresponde ao momento em que se verifica a recepção dos produtos no local de entrega directa. Slide 26

27 Parte geral artigos 21º a 43º Produção, transformação e armazenagem em regime de suspensão Destinatário registado Aquisição do estatuto ( Operador registado ) Pessoa colectiva ou singular autorizada a receber, não podendo deter ou expedir, produtos sujeitos a IEC que circulem em regime de suspensão Autorização de forma temporária quantidade especifica, um único expedidor Slide 27

28 Parte geral artigos 21º a 43º Produção, transformação e armazenagem em regime de suspensão Destinatário registado Aquisição e manutenção do estatuto Verificação da idoneidade fiscal: actividade económica principal comercialização de produtos sujeitos a IEC não ter sido condenado por crime tributário ou contra-ordenação tributária nos últimos 5 anos (3 anos) Inexistência de dívidas tributárias ou contributivas em fase de cobrança coerciva Slide 28

29 Parte geral artigos 21º a 43º Produção, transformação e armazenagem em regime de suspensão Destinatário registado temporário Aquisição do estatuto (Operador não registado) Operadores económicos que apenas pretendam receber ocasionalmente, em regime de suspensão, indicando para o efeito o período de validade, o expedidor e a quantidade dos produtos a receber Garantia Slide 29

30 Parte geral artigos 21º a 34º Produção, transformação e armazenagem em regime de suspensão Expedidor registado Entrada em vigor Circulação Expedidor registado 1 de Janeiro de 2011 Circulação de produtos sujeitos a IEC de um local de importação efectua-se obrigatoriamente por um expedidor registado. Slide 30

31 Parte geral artigos 21º a 34º Produção, transformação e armazenagem em regime de suspensão Validade e conservação dos documentos Os dados relativos ao e-da e à DIC, que constem no sistema informatizado nacional, prevalecem sobre quaisquer outros documentos O prazo de conservação de documentos aumenta de três para quatro anos a contar da sua emissão ou validação, consoante o caso Slide 31

32 Parte geral artigos 35º a 46º Circulação em regime de suspensão Formalidades na circulação Entreposto fiscal A circulação em regime de suspensão para um destinatário registado já era aplicável às transmissões de álcool e bebidas alcoólicas com destino às Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, e vice versa, nos termos da Circular n.º 21/2004. Destinatário Registado Destinatário isento Exportação Impostos Especiais de Consumo 14 de Julho 2010 Slide 32

33 Parte geral artigos 35º a 46º Circulação em regime de suspensão Formalidades na circulação A partir de 1 de Janeiro de 2011, a circulação em regime de suspensão do imposto poderá efectuar-se, de um local de importação, por um expedidor registado, para: um entreposto fiscal; um destinatário registado, se expedidos do EM de importação; destinatário isento previsto no n.º 1 do art. 6º, se expedidos do EM de importação; Entreposto fiscal Destinatário Registado Destinatário isento Impostos Especiais de Consumo 14 de Julho 2010 Slide 33

34 Parte geral artigos 35º a 46º Circulação em regime de suspensão Sistema SIC - EU Em virtude da aplicação do Sistema SIC-EU, a circulação de produtos sujeitos a IEC passa a ser efectuada a coberto de um e-da. Impostos Especiais de Consumo 14 de Julho 2010 Slide 34

35 Parte geral artigos 35º a 46º Circulação em regime de suspensão Sistema SIC - EU FS0 Cada EM tem de assegurar, que a partir de 1 de Abril de 2010, os seus operadores nacionais da área dos IEC se encontram habilitados a proceder à recepção (apuramento) dos e-da, que lhes sejam remetidos por expedidores situados num outro EM. FS1 Cada EM tem de assegurar, que a partir de 1 de Abril de 2010, os seus operadores nacionais da área dos IEC se encontram habilitados a proceder quer à emissão (expedição) dos seus e-da, quer à recepção (apuramento) dos e-da, que lhes sejam remetidos por expedidores situados num outro EM. Impostos Especiais de Consumo 14 de Julho 2010 Slide 35

36 Parte geral artigos 35º a 46º Circulação em regime de suspensão Sistema SIC - EU Expedidor Autoridades Expedidor Destinatário Autoridades do destinatário Impostos Especiais de Consumo 14 de Julho 2010 Slide 36

37 Parte geral artigos 35º a 46º Circulação em regime de suspensão Sistema SIC - EU Após a validação do e-da, é atribuído um código de referência administrativo (ARC) pelo sistema informatizado. Dígitos Formato Descrição 2 Numérico Ano 2 Alfabético Identificador do Estado-Membro de emissão do e-da 16 Alfanumérico Código Nacional Único 1 Numérico Algarismo de Controlo A circulação deve ser acompanhada pela versão impressa do e-da ou por um documento comercial que mencione o respectivo ARC. O e-da pode ser emitido com a antecedência máxima de sete dias, podendo ser rectificado ou anulado até à data de expedição nele indicada. Impostos Especiais de Consumo 14 de Julho 2010 Slide 37

38 Parte geral artigos 35º a 46º Circulação em regime de suspensão Sistema SIC - EU No termo da operação da circulação, correspondente ao momento de recepção dos produtos, ou no prazo de cinco dias úteis, o destinatário deve enviar o relatório de recepção (RoR). No caso de exportação, deve ser enviado o relatório de exportação ou a certificação de saída (DAU). Impostos Especiais de Consumo 14 de Julho 2010 Slide 38

39 Parte geral artigos 35º a 46º Circulação em regime de suspensão Sistema SIC - EU Plano de contingência Quando não seja possível aceder ao sistema informatizado, por razões que não lhe sejam exclusivamente imputáveis: expedidor pode efectuar a expedição com base num documento em papel; Logo que o sistema informatizado volte a estar disponível: expedidor deve emitir o respectivo e-da; destinatário deve enviar o respectivo RoR. destinatário pode efectuar a recepção com base num documento em papel. Impostos Especiais de Consumo 14 de Julho 2010 Slide 39

40 Parte geral artigo 45º Circulação em regime de suspensão Provas alternativas Expedição confirmação pelas autoridades competentes no destino de que os produtos foram recepcionados pelo destinatário; Exportação confirmação pelas autoridades aduaneiras de exportação de que os produtos saíram efectivamente do território da Comunidade. Emissão Emissão de alertas de alertas automáticos automáticos revoga revoga a Circular a Circular n.º 50/2006 n.º 50/2006 Slide 40

41 Parte geral artigo 46º Circulação em regime de suspensão Irregularidades na circulação em regime de suspensão de imposto Prazo para apresentação de prova da regularidade da operação Aumentou de três para quatro meses Caso o garante não tenha tido conhecimento de que os produtos não chegaram ao destino, é concedido o prazo de um mês para apresentar prova do termo da circulação ou do local em que ocorreu a irregularidade. Slide 41

42 Parte geral artigos 47º a 51º Perdas e inutilização Regra geral A perda irreparável ou a inutilização de total dos produtos em regime de suspensão não é tributável Armazenagem Bebidas alcoólicas não engarrafadas 1,5% Produtos petrolíferos e energéticos 0,4% Circulação Bebidas alcoólicas não engarrafadas 0,3% Produtos petrolíferos e energéticos diversas franquias Slide 42

43 Parte geral artigos 47º a 51º Perdas e inutilização Caso fortuito e força maior Todas as perdas os produtos que não estejam incluídos nos pontos anteriores Bebidas alcoólicas engarrafadas Comunicação até ao 2º dia útil seguinte ao da ocorrência Tributáveis Perdas que ultrapassem os limites, ou Que não cumpra com as obrigações de comunicação em alguns casos Não se faça prova que a perda é irreparável Slide 43

44 Parte geral artigos 53º a 59º Garantias Armazenagem 2% previsão média mensal do imposto exigido Dispensa para organismos públicos e para produtos sujeitos a IEC mas tributadas à taxa zero Circulação Regra Geral: montante mínimo -10% da média mensal do imposto correspondente às operações de circulação Regra Especial: Pequenos produtores de vinho: caso a caso Produtos taxa zero: garantia global anual entre e Impostos Especiais de Consumo 14 de Julho 2010 Slide 44

45 Parte geral artigo 50º Garantias Global Única Corresponde ao somatório do valor das garantias de armazenagem e circulação calculadas individualmente Podendo cobrir riscos de armazenagem ( um mais entrepostos fiscais de armazenagem) e /ou de circulação (independente do local de expedição) Impostos Especiais de Consumo 14 de Julho 2010 Slide 45

46 Parte Especial

47 Parte especial Imposto sobre álcool e bebidas alcoólicas Obrigações dos produtores de álcool e de produtos vitivinícolas Para além das obrigações anteriormente previstas: Necessário submeter os restantes depósitos ao controlo metrológico Possuir o respectivo certificado do Instituto Português de Qualidade. Instalar indicadores de nível em estado funcional ou outro equipamento similar Que permitam o controlo eficaz da quantidade armazenada, bem como o número de ordem, caso se trate de depósitos fixos. Slide 47

48 Parte especial Imposto sobre produtos petrolíferos e energéticos Constituição de entrepostos fiscais Depósitos e instrumentos de medição: controlo metrológico da entidade competente; certificado de calibração dentro do prazo de validade. Documento da Direcção-Geral de Energia e Geologia: cumprimento das obrigações em matéria de reservas de segurança Documento também necessário para a concessão do estatuto de destinatário registado. Slide 48

49 Parte especial Imposto sobre o tabaco Isenções Tabaco desnaturado utilizado para fins industriais ou hortícolas Isento de imposto após autorização da estância aduaneira competente Tabaco destinado a: testes científicos; testes relacionados com a qualidade dos produtos; ensaios; está isento mediante comunicação prévia à estância aduaneira competente. Se ultrapassar 0,01% das introduções no consumo no ano anterior, ficam sujeitas a autorização prévia. Slide 49

50 Conclusões

51 Conclusões Principais alterações Estatutos - Existência de formulários Reembolso - Aumento do prazo das devoluções até 90 dias EF - Local de entrega directa Provas alternativas simplificadas Substituição de vistorias e comunicações prévias por fiscalização a posteriori Slide 51

52 Conclusões Principais alterações Prazo de condenação de 5 anos Conservação de documentos por 4 anos Requisito da actividade económica principal Prova suficiente de perda irreparável dos produtos Documento adicional da DGEG Slide 52

53 Obrigado! Maria Manuela Silveira All rights reserved. refers to the network of member firms of International Limited, each of which is a separate and independent legal entity. PwC

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 2170 Diário da República, 1.ª série N.º 118 21 de Junho de 2010

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 2170 Diário da República, 1.ª série N.º 118 21 de Junho de 2010 2170 Diário da República, 1.ª série N.º 118 21 de Junho de 2010 colocam no âmbito da execução de penas e medidas privativas da liberdade. Perspectiva -se um inovador conceito de estabelecimento prisional,

Leia mais

OS ÓLEOS LUBRIFICANTES NO CONTEXTO DO ISP ENQUADRAMENTO E OBRIGAÇÕES DOS OPERADORES

OS ÓLEOS LUBRIFICANTES NO CONTEXTO DO ISP ENQUADRAMENTO E OBRIGAÇÕES DOS OPERADORES OS ÓLEOS LUBRIFICANTES NO CONTEXTO DO ISP ENQUADRAMENTO E OBRIGAÇÕES DOS OPERADORES Luís Barata Chefe de Divisão do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos e Energéticos 1.ª Convenção SOGILUB 9 de Novembro

Leia mais

Decreto-Lei 104/93, de 5 de Abril - I Série A Decreto-Lei 104/93

Decreto-Lei 104/93, de 5 de Abril - I Série A Decreto-Lei 104/93 Decreto-Lei 104/93, de 5 de Abril - I Série A Decreto-Lei 104/93 Estabelece o novo regime do imposto especial sobre o consumo de bebidas alcoólicas Publicação: DR nº 80/93 I Série A O presente diploma

Leia mais

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2.

Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I. Disposições comuns. Artigo 1. Objeto. Artigo 2. Republicação do Despacho Normativo n. 18 -A/2010, de 1 de julho CAPÍTULO I Disposições comuns Artigo 1. Objeto O presente despacho normativo regulamenta os pedidos de reembolso de imposto sobre o valor

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Legislação Diploma Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Estado: vigente Resumo: Despacho Normativo que altera o Despacho Normativo nº 18-A/2010, de 1 de julho. Publicação: Diário da República

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil

Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil Projeto de Alteração ao Regulamento Geral e Tabela de Taxas e Licenças do Município de Arganil Nota Justificativa O Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de Abril, publicado no âmbito do Programa Simplex, veio

Leia mais

O regime geral do novo Código dos Impostos Especiais de Consumo: breve análise

O regime geral do novo Código dos Impostos Especiais de Consumo: breve análise O regime geral do novo Código dos Impostos Especiais de Consumo: breve análise I. INTRODUÇÃO II. DO NOVO CÓDIGO DOS IMPOSTOS ESPECIAIS DE CONSUMO 1. Incidência 1.1.Objectiva 1.2. Subjectiva 1.2.1. Depositário

Leia mais

CÓDIGO DOS IMPOSTOS ESPECIAIS DE CONSUMO

CÓDIGO DOS IMPOSTOS ESPECIAIS DE CONSUMO CÓDIGO DOS IMPOSTOS ESPECIAIS DE CONSUMO APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 73/2010, DE 21 DE JUNHO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º 55-A/2010, DE 31 DE DEZEMBRO - LEI N.º 64-B/2011, DE 30 DE DEZEMBRO

Leia mais

Divisão de Informação Legislativa e Parlamentar

Divisão de Informação Legislativa e Parlamentar Lei n.º 15/2001, de 5 de junho Regime Geral das Infrações Tributárias Artigo 42.º Duração do inquérito e seu encerramento 1 - Os actos de inquérito delegados nos órgãos da administração tributária, da

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Pedido de reembolso do IVA e inscrição no regime mensal Despacho normativo n.º 18-A/2010, de 1 de julho

Pedido de reembolso do IVA e inscrição no regime mensal Despacho normativo n.º 18-A/2010, de 1 de julho www.pwc.pt/inforfisco Pedido de reembolso do IVA e inscrição no regime mensal Despacho normativo n.º 18-A/2010, de 1 de julho Índice DESPACHO NORMATIVO N.º 18-A/2010, DE 1 DE JULHO... 3 CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias

RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias CAPÍTULO I - INCIDÊNCIA ARTIGO 1º - Incidência objectiva INCIDÊNCIA - RITI Estão sujeitas a imposto sobre o valor acrescentado (IVA): a) As aquisições

Leia mais

Regime de bens em circulação e SAF-T

Regime de bens em circulação e SAF-T Regime de bens em circulação e SAF-T Novas regras Julho 2013 Legislação Quem está abrangido Emissão de documentos transporte Comunicação de documentos à AT SAF-T Oportunidades comerciais Sage Portugal

Leia mais

Operadores Económicos Alfândegas DSAFA

Operadores Económicos Alfândegas DSAFA MOD 052.01 Classificação: 100.01.01 Seg.: U_INT Proc.: 1 0 0. 0 1. 0 1-1 4 / 1 4 Direção de Serviços dos Impostos Especiais de Consumo e do Ofício Circulado N.º: 35.038/2014 2014-12-31 Entrada Geral: N.º

Leia mais

Regime dos Bens em Circulação (RBC)

Regime dos Bens em Circulação (RBC) 1 Regime dos Bens em Circulação (RBC) Decreto-Lei n.º 147/2003, de 11/7 Alterado pelo Decreto-Lei n.º 198/2012, de 24/8 Alterado pela Lei n.º 66-B/2012 (OE/2013) Portaria 160/2013 de 23 de Abril Portaria

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho)

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) Artigo 2.º Conceito de benefício fiscal e de despesa fiscal e respectivo controlo

Leia mais

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009.

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009. orquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a ORTO

Leia mais

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário.

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário. CONDIÇÕES DE VENDA A venda de produtos da Portucel Soporcel Fine Paper S.A. ( vendedor ) é regulada pelas condições abaixo descritas, em conformidade com as práticas em vigor na indústria e comércio de

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro REGRAS GERAIS DE IMPOSTO INDUSTRIAL Incidência subjectiva Empresas com sede ou direcção efectiva em Angola e empresas com sede e

Leia mais

IVA Na Actividade Agrícola

IVA Na Actividade Agrícola IVA Na Actividade Agrícola Maria Emília Pimenta Seminário A CONTABILIDADE E FISCALIDADE NA ACTIVIDADE AGRÍCOLA Santarém, 11 de Junho de 2013 1 Lei n.º66-b/2012, de 31 dezembro Revoga o n.º 33 do artigo

Leia mais

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

Junta de Freguesia de Roliça REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º2 do artigo 17º, conjugada com a alínea b) do n.º5 do artigo 34º da Lei das Autarquias Locais (Lei n.º169/99,

Leia mais

1. Objecto e âmbito de aplicação

1. Objecto e âmbito de aplicação As presentes Condições Gerais de Contratação são acordadas entre a Lusodidacta Sociedade Portuguesa de Material Didáctico, Lda, com o número de pessoa colectiva e matrícula na Conservatória do Registo

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

RERD. Regime Excecional de Regularização de Dívidas Fiscais e à Segurança Social FAQS

RERD. Regime Excecional de Regularização de Dívidas Fiscais e à Segurança Social FAQS RERD Regime Excecional de Regularização de Dívidas Fiscais e à Segurança Social FAQS Nota: As questões e respostas aqui indicadas destinam-se a exemplificar a aplicação prática do regime excecional de

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX

As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Perguntas mais frequentes sobre As novas regras de Facturação para 2013 e o sistema PHC FX Quais as empresas que estão obrigadas a enviar os elementos das Facturas à AT? As pessoas, singulares ou colectivas,

Leia mais

REGULAMENTO Nº 3/2009

REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE RECEITAS MUNICIPAIS Preâmbulo A dispersão geográfica dos serviços da Câmara Municipal torna impraticável a cobrança de todas as receitas na

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 34/2005 17/02 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/49/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa a um regime fiscal comum

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2. REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugada com a alínea b) do n.º 5 do artigo 34.º da Lei das

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA

7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA 16.12.2004 PT Jornal Oficial da União Europeia C 310/261 7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA AS ALTAS PARTES CONTRATANTES, CONSIDERANDO QUE, ao abrigo do artigo III 434.

Leia mais

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) O Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto, que permite a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: DL n.º 147/2003, de 11/07

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: DL n.º 147/2003, de 11/07 Diploma: DL n.º 147/2003, de 11/07 Artigo: Assunto: 1º, 2º, 3º, FICHA DOUTRINÁRIA RBC DT - circulação de tabaco para destruição, no trajeto entre o entreposto fiscal e o local onde vai ser inutilizado.

Leia mais

Em termos conceptuais, a operação de

Em termos conceptuais, a operação de 40 Fiscalidade Este artigo versa sobre o enquadramento em sede de IVA da prestação de transporte de bens e surge com o objectivo de compilar e esquematizar as diversas normas relativas ao tema. Espera-se,

Leia mais

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS 1 O E / 2008 IRC 2 Apresentação 1. Acolhimento de recomendações da OCDE 2. Combate à evasão fiscal 3. Aperfeiçoamentos técnico-legislativos 4. Medidas de simplificação

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS PROCESSO TRIBUTÁRIO. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS PROCESSO TRIBUTÁRIO. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010 ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS PROCESSO TRIBUTÁRIO São João da Madeira, 30 de Março de 2010 1 LGT 1 JUROS DE MORA CPPT 2 NOTIFICAÇÕES E CITAÇÕES ELECTRÓNICAS 3 COMPENSAÇÃO DE DÍVIDAS 4 EXECUÇÃO

Leia mais

30 Novembro 2012. Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença

30 Novembro 2012. Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença 30 Novembro 2012 Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) 4 Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 5 Imposto do selo

Leia mais

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Maio de 2011 REGIME JURÍDICO DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO DECRETO-LEI N.º 61/2011, DE 6 DE MAIO I. INTRODUÇÃO A presente nota incide sobre as principais alterações introduzidas no regime

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 14º;29º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 14º;29º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 14º;29º Exportações - Comprovativo da isenção nas operações bens em segunda mão Processo: nº 3092, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

Perguntas frequentes

Perguntas frequentes Documentos de transporte Perguntas frequentes Posso utilizar um software de faturação não certificado para emitir documentos de transporte? A partir de 1 de Julho de 2013, qualquer documento emitido num

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS FISCAIS ÀS ZONAS FRANCAS ARTIGO 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1. (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro) 2. (Revogado pela Lei 64-B/2011,

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 120/2010, Série I, de 23/06, Páginas 2221-2223.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 120/2010, Série I, de 23/06, Páginas 2221-2223. MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Diploma Portaria n.º 363/2010, de 23 de Junho Estado: vigente Legislação

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA Preâmbulo Com a publicação da Lei 53-E/2006, de 29 de Dezembro, alterada pela Lei 64-A/2008 de 31 de Dezembro, tornou-se necessário a adaptação da Tabela

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1. a série 4765 da CPLP, incluindo a República de Angola, tenham depositado na sede da CPLP, junto ao seu Secretariado Executivo, os respectivos instrumentos de ratificação ou documentos

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014

Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014 Regime jurídico das facturas e documentos equivalentes LUANDA, 18 E 19 DE JULHO DE 2014 A SESSÃO DE HOJE DEVERÁ DAR RESPOSTA A CINCO QUESTÕES-CHAVE SOBRE O NOVO REGIME 1 2 3 4 5 O que é o RJFDE? Quais

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes.

CONDIÇÕES GERAIS. 3. Os comercializadores são responsáveis pelo cumprimento das obrigações decorrentes do acesso à RNTGN por parte dos seus clientes. CONDIÇÕES GERAIS Cláusula 1ª Definições e siglas No âmbito do presente Contrato de Uso da Rede de Transporte, entende-se por: a) «Contrato» o presente contrato de uso da rede de transporte; b) «Agente

Leia mais

Transporte de mercadorias

Transporte de mercadorias Transporte de mercadorias A portaria 161/2013 de 23 de Abril vem estabelecer novas regras para a comunicação dos dados de transporte que constam do Regime de Bens em Circulação. Esta entra em vigor desde

Leia mais

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO 1 de 6 Considerando que o Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, I.P. (IVDP), procurando agilizar e simplificar os procedimentos legais exigíveis, quer para a denominação de origem (DO) Porto, quer

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Isenções - Prestações de Serviços Médicos Refacturação Redébito - Localização de operações. Processo: nº 1163, por despacho de 2010-11-02, do SDG do

Leia mais

Simplex Exportações Exportações mais Simplex

Simplex Exportações Exportações mais Simplex Simplex Exportações Exportações mais Simplex Este é o primeiro SIMPLEX dedicado a um tema específico: as EXPORTAÇÕES. É por isso um programa diferente. Mais participado e feito em verdadeira co produção:

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Moeda Conta Super Jovem Clientes Particulares, com idade entre os 18 e os 30 anos (inclusive). Depósito à Ordem. Esta conta pode ser movimentada

Leia mais

Obrigação de comunicação à AT

Obrigação de comunicação à AT Obrigação de comunicação à AT Perguntas e respostas sobre o impacto das novas regras de comunicação à AT nas empresas Page 2 of 10 Introdução A Publicação do Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto introduz

Leia mais

NORMA DE PAGAMENTOS. Componente FEDER

NORMA DE PAGAMENTOS. Componente FEDER NORMA DE PAGAMENTOS Componente A PRESENTE NORMA DE PAGAMENTOS APLICA-SE AOS PEDIDOS DE PAGAMENTOS A FORMALIZAR (APÓS 18-01-2013) E AINDA AOS QUE SE ENCONTRAM EM ANÁLISE NO IDE- RAM, NO ÂMBITO DO SISTEMAS

Leia mais

Portaria nº 913-I/2003, de 30 de Agosto

Portaria nº 913-I/2003, de 30 de Agosto Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto * Na sequência do Decreto-Lei n.º 183/2003, de 19 de Agosto, que alterou o Estatuto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos:

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos: Legislação aplicável: Decreto-Lei n.o 39/2001 revoga o Decreto-Lei nº 7/99, de 8 de Janeiro. SOLARH Definição e Objectivos: O Apoio Financeiro Especial para Obras em Habitação Permanente (SOLARH), visa

Leia mais

Condições de Gerais de Utilização

Condições de Gerais de Utilização Condições de Gerais de Utilização O presente contrato estabelece condições de relacionamento comercial acordadas entre Marinartes - Artes Decorativas Online, doravante designado por Marinartes e por pessoas

Leia mais

FACTURAÇÃO E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE. Porto, Maio de 2013 Vieira de Abreu

FACTURAÇÃO E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE. Porto, Maio de 2013 Vieira de Abreu FACTURAÇÃO E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE Porto, Maio de 2013 Vieira de Abreu FACTURAÇÃO Decreto-Lei 197/2012, de 24/8: Transpõe artº 4º da Directiva 2008/8/CE, de 13/2, e Directiva 2010/45/UE, de 13/7, que

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17 I SÉRIE Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério das Finanças Portaria n.º 22-A/2012: Altera a Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, que regulamenta a certificação prévia

Leia mais

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto -

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - 1 Agenda Decreto-Lei nº 197/2012 de 24 de Agosto Decreto-Lei nº 198/2012 de 24 de Agosto 2 Novas Regras de Facturação

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CONSELHO DIRECTIVO N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA N.º 007 ENTRADA EM VIGOR: 30-07-2010 Âmbito: GESTÃO E CONTROLO DAS GARANTIAS FEADER E FEP DATA DE APROVAÇÃO:30-07-2010 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 1.1

Leia mais

Apoio técnico e comercial

Apoio técnico e comercial Generalidades As presentes condições de venda aplicam-se a todas as vendas que venham a ser efectuadas pela empresa MOVIMAR - MÓVEIS DE COZINHA LDA., à frente referida como MOVIMAR. A MOVIMAR pode rever

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 5/2010 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural (RT), com a última redacção que lhe foi dada pelo Despacho n.º 4 878/2010, publicado no

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho O n.º 1 do artigo 117.º do Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de Maio, na última redacção que lhe foi

Leia mais

Legislação. Resumo: Regulamenta a contribuição sobre os sacos de plástico leves.

Legislação. Resumo: Regulamenta a contribuição sobre os sacos de plástico leves. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Portaria n.º 286-B/2014, de 31 de dezembro Estado: vigente Resumo:

Leia mais

Zero Parte 1. Licenciamento

Zero Parte 1. Licenciamento Licenciamento Zero Parte 1 Departamento de Portais do Cidadão e da Empresa Sónia Lascasas Maio de 2011 O conteúdo desta apresentação é alvo de Direitos de Autor, não podendo ser utilizado fora das condições

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 6 V Outras informações 7 NEWSLETTER

Leia mais

Maria de Lourdes Amâncio 4 de Outubro de 2007

Maria de Lourdes Amâncio 4 de Outubro de 2007 A TRIBUTAÇÃO INDIRECTA DE XIV JORNADA DE CONTABILIDADE E FISCALIDADE APOTEC Maria de Lourdes Amâncio 4 de Outubro de 2007 Modelo Imposto Monofásico Imposto Transacções até 31/12/1985 Modelo Imposto s/

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

DR nº 17/2012 Ser. I Supl. 1. Portaria nº 22-A/2012 de 24-01-2012

DR nº 17/2012 Ser. I Supl. 1. Portaria nº 22-A/2012 de 24-01-2012 BDJUR - Vista de Impressão Imprimir Fec har DR nº 17/2012 Ser. I Supl. 1 Portaria nº 22-A/2012 de 24-01-2012 A Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, regulamentou o processo de certificação dos programas

Leia mais

O RGIT no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting

O RGIT no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting O no Orçamento do Estado para 2012 Audit Tax Advisory Consulting O no Orçamento do Estado para 2012 Dispensa de pena Classificação das contra-ordenações Tema até 31.12.2011 2012 Normas Pode ser aplicada

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Direcção-Geral dos Assuntos Comunitários SERVIÇO JURÍDICO B - IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Direcção-Geral dos Assuntos Comunitários SERVIÇO JURÍDICO B - IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO B - IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO I.B.1.367 L 0227 Primeira Directiva 67/227/CEE do Conselho, de 11 de Abril de 1967, relativa à harmonização das legislações dos Estadosmembros respeitantes aos impostos

Leia mais

FAQ S Certificação Software GM

FAQ S Certificação Software GM FAQ S Certificação Software GM Macwin - Sistemas Informáticos S.A. A Portaria nº 363/2010, de 23 de Junho de 2010, regulamentou o processo de certificação dos programas informáticos de facturação tendo

Leia mais

REGULAMENTO DE QUOTAS DA ORDEM DOS ARQUITECTOS

REGULAMENTO DE QUOTAS DA ORDEM DOS ARQUITECTOS REGULAMENTO DE QUOTAS DA ORDEM DOS ARQUITECTOS PREÂMBULO Passados cinco anos sobre a aprovação do Regulamento de Quotas da Ordem dos Arquitectos, adiante designada por Ordem, entendeu o Conselho Directivo

Leia mais

392A Disposições de Aplicação do Código Aduaneiro Comunitário ANEXOS

392A Disposições de Aplicação do Código Aduaneiro Comunitário ANEXOS 392A ANEXOS (Inserido pelo Regulamento (CE) n.º 1192/2008 de 17 de Novembro, publicado no JO n.º L 329 de 6 de Dezembro de 2008 e alterado pelo Regulamento (CE) n.º 414/2009 de 30 de Abril, publicado no

Leia mais

Concurso limitado por prévia qualificação para a celebração de acordo quadro para a prestação do serviço de seguro automóvel

Concurso limitado por prévia qualificação para a celebração de acordo quadro para a prestação do serviço de seguro automóvel Concurso limitado por prévia qualificação para a celebração de acordo quadro para a prestação do serviço de seguro automóvel Convite à apresentação de propostas ANCP Outubro de 2010 Índice Artigo 1.º Objecto

Leia mais

Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro Altera o Decreto-Lei n.º 93/90, de 19 de Março (Reserva Ecológica Nacional).

Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro Altera o Decreto-Lei n.º 93/90, de 19 de Março (Reserva Ecológica Nacional). A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 213/92, de 12 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011

ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011 ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011 ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS COM RELAÇÃO ÀS DISPOSIÇÕES PREVISTAS PELA PORTARIA CAT 162/08 A RESPEITO DA OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA. ÍNDICE

Leia mais

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Portaria n. o 1416-A/2006 de 19 de Dezembro O Decreto-Lei n. o 76-A/2006, de 29 de Março, aprovou um vasto

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais

Medidas legislativas de Combate à Fraude e Evasão Fiscais concretizadas até Novembro de 2006

Medidas legislativas de Combate à Fraude e Evasão Fiscais concretizadas até Novembro de 2006 Medidas legislativas de Combate à Fraude e Evasão Fiscais concretizadas até Novembro de 2006 Portaria n.º 426-A/2005, de 1 de Abril Resselagem (estampilhas fiscais) de bebidas espirituosas, assegurando

Leia mais

DE QUOTAS DA ORDEM DOS ARQUITECTOS

DE QUOTAS DA ORDEM DOS ARQUITECTOS ORDEM Preâmbulo DOS ARQUITECTOS REGULAMENTO designada Passados cinco anos sobre a aprovação do Regulamento de Quotas da Ordem dos Arquitectos, adiante DE QUOTAS DA ORDEM DOS ARQUITECTOS proceder articulado,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais