Câmara Municipal d.~rio Claro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Câmara Municipal d.~rio Claro"

Transcrição

1 Câmara Muncpal d.~ro Claro Estado d e 5ão Pau o ~ ORDEM DO DA N 45/2014 Sessão Ordnára - 24J11/ Dscussão da PROPOSTA DE EMENDA À LE ORGÂNCA N 04/ PREFETO MUNCPAL - Altera o artgo 139 da Le Orgânca Muncpal. Processo no O"' "..._ Dscussão do PROJETO DE LE. N 235/201~~- PREFETO MUNCPAL - Dspõe sobre a regulamentação e reestruturação do Conselho Tutelar e dá provdêncas correlatas. Parecer Jurídco no235/ pela legaldade. Parecer da Comssão Conjunta - pela aprovação. Processo no Dscussão e Votação Únca do PROJETO DE RESOLUCÃO N 010/ MESA - Acrescenta o parágrafo 3 ao artgo 94 e alt~3raa redação do parágrafo 2 do artgo 95 da Resolução no244 de 16 de novembro de 2006 (Regmento nterno da Câmara Muncpal de Ro Claro). Parecer Jurídco s/no - pela legaldade. Parecer da Comssão Conjunta - pela aprovação. Processo no (((((((((((((((((((((((((((((((((((((((~(((((((

2 Câmara Muncpal d Ro Claro E~adodeSãoPaulo~~~~~~~~~~~~~ PROPOSTA DE EMENDA À LE ORG NCA N 04/2014 PROCESSO N a DSCUSSÃO A CÂMARA MUNCPAL DE 10 CLARO delbera a segunte PROPOSTA DE EMENDA (Altera o artgo 139 da le Orgân a Muncpal). Artgo 1 - Fca alterado o artgo 139 da Le Org nca do Muncípo de Ro Claro o qual passa a vgorar com a segunte redação: "Artgo Para fns de aposentadora o serv or que tenha exercdo ou venha a exercer a qualquer título cargo ou função nclusve com vínculo jurídco de natureza polítca eleto ou nomeado que lhe proporcone remun ração superor à do cargo de que seja ttular ou função para a qual fo admtdo fará jus à complementação a título de dferença do percentual de 1/36 (um trnta e ses avos) o'r mês ou fração de trabalho. 1 - O cargo ou função menconado no "caput" este artgo engloba os servdores pertencentes às estruturas do Poder Executvo e Legslatvo como também das autarquas e fundações muncpas. 2 - A complementação prevsta no "caput" des e artgo consderará sempre para efeto de cálculo o valor de referênca salaral ou subsí o do cargo ou função que tenha proporconado maor remuneração valor este da da a da concessão deste benefíco sendo corrgdo sempre pelo mesmo índce de correção dos servdores muncpas". Artgo 2 - Esta Le entrará em vgor na data e sua publcação revogadas as dsposções em contráro. Ro Claro PRESDENTE Aprovado por 12 votos favoráves em 1 a Dscussão na Sessão Ordnára de 10/11/2014-2/3.

3 ~r:ef:etura 4ffluncpal b-:e ~o {tlaro Estado de São Paulo GABNETE DO PREFETO Of.D.E.122/14 Ro Claro 04 de novembro e 2014 Senhor Presdente Tenho a honra de encamn ar a Vossa Excelênca para que seja submetdo à aprecação e delberação pela C lenda Câmara de Vereadores o Projeto de Le em anexo que dspõe sobre a regulamentação e reestruturação do Conselho Tutelar além de dar provdêncas correlatas A Le no /2012 troux váras alterações ao Estatuto da Crança e do Adolescente sendo que em 09 de gosto de 2012 o CONANDA _ Conselho Naconal dos Dretos das Cranças e dos A olescentes - edtou a Resolução 152/2012 sobre a matéra. Assm as alterações apres ntadas no presente projeto de le decorrem da necessdade de sua adequação à legsl ção federal vgente e à realdade que vvencamos de modo a manter a hstóra do Conselho Tutelar stuação esta dscutda na últma reunão realzada entre a Com são de Defesa dos Dretos da Crança e do Adolescente da Câmara muncpal de R o Claro e membros do Conselho Muncpal dos Dretos da Crança e do Adolescente d Conselho Tutelar representante da Ordem dos Advogados do Brasl do Mnstér o Públco da Magstratura da Secretara de Ação Socal e da Assessora da Juventu e. Dante do acma exposto ontando com a honrosa atenção de Vossa Excelênca e dos nobres membros desse L gslatvo Muncpal aguarda-se a aprovação desse Projeto de Le permtndo que a dmnstração possa desta forma cumprr com suas obrgações. Eng O PALMNO AL TMA Prefeto Muncpal Excelentíssmo Senhor AGNELO DA SLVA MATOS NETO DD.Presdente da Câmara Muncpal de RO CLARO 03

4 "r.efeura 4ffunep à.e ~n {([ara Estado de São P GABNETE DO PREFETO PROJETO DE LE N (Dspõe sobre a regulamentação e reestrutura o do Conselho Tutelar e dá provdêncas correlatas) Artgo 1 - Os artgos e 41 da Le n 4284/2011 passam a vgorar com a segunte redaç o: "Artgo 6 - Cada Cons lho Tutelar de Ro Claro será composto por 5 (cnco) membros escolhdos em processo eletoral sob a responsabldade do Conselho Muncpal dos Dretos a Crança e do Adolescente com mandato de 4 anos." "Artgo 15 - (...) Parágrafo Únco - Consta á de le orçamentára muncpal prevsão dos recursos necessáros ao funconam nto do Conselho Tutelar e à remuneração e formação contnuada dos conselhe os tutelares passando a ter os seguntes dretos: - Cobertura prevdencára; 11- Gozo de féras anuas remuneração mensal; remunerada acrescdas de 1/3 (um terço) do valor de - Lcença materndade; V - Lcença paterndade; V - Gratfcação natalna; V - Vale refeção;" "Artgo 21 - As nscrçõe dos canddatos ao Conselho Tutelar deverão ser fetas no prazo local e na confor dade do referdo edtal publcado na mprensa local pelo Conselho Muncpal dos Dreto da Crança e do Adolescente." "Artgo 24 - (...) 2 - No processo de es olha dos membros do Conselho Tutelar é vedado ao canddato doar oferecer prome er ou entregar ao eletor bem ou vantagem pessoal de qualquer natureza nclusve brn es de pequeno valor." "Artgo 25 - (...) 1 - Caso tenha decorr' o mas da metade do mandato proceder-se-á eleção ndreta através de colégo ele oral pelas entdades nscrtas no Conselho Muncpal dos Dretos da Crança e do Adol scente. supletvamente. " 2 - A legslação letoral pátra será aplcada "Artgo 35 - Em caso de empate o canddato será consderado eleto respectvamente o que tver mel or desempenho no dsposto no artgo 28 ncso Xo maor tempo de experênca prof ssonal comprovada no trato com cranças e adolescentes e por últmo anda permane endo o empate aquele que tver maor dade." 04

5 1Fr~f~turaJfl[unrp \~~n orlara GABNETE DÔ PREFETO 2. "Artgo 38 - A posse dos onselheros tutelares ocorrerá no da 10 (dez) de janero do ano subsequente ao proces o de escolha." "Artgo 40 - As nfrações ' tcas dos Conselheros Tutelares serão apuradas por uma comssão sndcante defnda pelo Conselho Muncpal dos Dretos da Crança e do Adolescente assegurada mpla defesa e o contradtóro no processo admnstratvo." "Artgo 41 - Na hpóte e da volação cometda pelo Conselhero Tutelar consttur lícto penal o Conselho Muncpal dos Dretos da Crança e do Adolescente ao fnal da apuração por comssã sndcante própra representará se for caso ao Mnstéro Públco comuncando o f to e solctando as provdêncas legas cabíves." Artgo 2 - Fca acrescdo a artgo 8 o segunte ncso: "Artgo 8 (...) X - Fca estabelecdo emprego do sstema SPA _ Sstema de nformações para a Crança e Adolesce te como ferramenta de regstro das nformações sobre garanta e defesa dos dre os preconzados no Estatuto da Crança e Adolescente - ECA sendo de competênc dos Conselheros Tutelares sua devda utlzação ou outro a ser empregado." 4284/2011 : Artgo 3 - Fcam acrescd s os seguntes artgos à Le no "Artgo 32 - A - O proces o de escolha dos membros do Conselho Tutelar ocorrerá em data unfcada em to o o terrtóro naconal a cada 4 (quatro) anos no prmero domngo do mês de out bro do ano subsequente ao da eleção presdencal." "Artgo 44-A - O atual m ndato do Conselho Tutelar fca prorrogado até o da 09 de janero de 2016 para fns de adequação à le Federal n de 25 de julho de 2012." Artgo 4 - Esta Le ent ará em vgor na data de sua publcação revogadas as dsposções em contráro. Ro Claro \JJ EngOPALMNO AL TMAR FLHO Prefeto Muncpal ' 05

6 Câmara Muncpal d Ro Claro Estad o d e São' Pau o ~í':ã'; PARECER JURíDCO N 235/2014-REFERENTE PROJETO DE LE N 235/2014 PROCESSO N Atendendo ao que sruõe o art. 136; 2 do Regmento nterno da Câmara Muncpal de Ro Claro esta Procuradora Jurídca emte Parecer a reslpeto do Projeto de Le n 235/2014 de autora do Prefeto Mun c:pal que dspõe sobre a regulamentação e reestruturação do onselho Tutelar e dá outras provdêncas correlatas. O supractado Projeto de Le dspõe sobre assunto de nteresse local o que permte a Muncípo legslar sobre a matéra (art. 30 da Consttução Fed rdl e art. 8 da LOM). : Do ponto de vsta da ncatva legslatva entendemos que a ncatva legslatv lé exclusva do Chefe do Executvo tal qual determna o art. 79 X~ da LOM. Nestes termos a Co sttução Estadual em seu artgo 5. é bastante claro quando lec ra: "Artgo 5 - ndependentes Legslatvo o Exe 1 - E vedado atrbuções. São Poderes do e h<lrmôncos entre Estado. S e o Judcáro. quer dos Poderes delegar o

7 Câm.ara Muncpal d Ro Claro EstadodeSã6Paulo~~~~~~~~~~~~~~ 2 - o cdadão nve tgo na função de um dos Poderes não poderá xercer a de outro salvo as exceções prevstas nesta Consttução. " (destaque nosso). Fnalmente observ mps que a presente propostura decorre da necessdade el adequar o CONANDA à legslação Federal que trouxe váras a~terações ao Estatuto da Crança e do Adolescente nclusve c ~ a Resolução 152/2012 já dscutdo em reunão realzada entre a jcomssão de Defesa dos Dretos da Crança e do Adolescent da Câmara Muncpal de Ro Claro e demas Entdades Conselhos Muncpas e nsttuções envolvdas. Dante do exposto motvos de fato e de dreto acma Jurídca entende que o Projeto de L legaldade. o e consubstancado nos duzdos esta Procuradora ~m apreço se reveste de Ro C ro 17 de nov mbro de OAB/SP n Gano Fr/ n 01 Eduardo curadora Jurí qa OAB/SP n Or

8 CâlDara Muncpal d Ro Claro. Esta do de São Pau o ~~~ ~::: PARECER COMSSÃO CO JUNTA PROJETO DE LE N 23 / O presente Projeto d ~e de autora do Prefeto Muncpal - Dspõe sobre a regulamentação e r Jstruturação do Conselho Tutelar e dá provdêncas correlatas. da referda matéra. Esta Comssão Conju~ta opna pela aprovação Ro Claro 17 de nov mbro de \ '-. ~ / f 08

9 Câtnara Muncpal e Ro Claro EstadodeSãoPaulo~~~~~~~~~~~~~ PROJETO DE RESOLUÇÃO o jd ao..4 CONSDERANDO que compete à Mesa a Câmara Muncpal de Ro Claro dentre outras atrbuções a dreção dos trabalhos legslatvos dps servços admnstratvos desta Edldade conf rrpe dspõe o artgo 13 da Resolução n 244 de 16 de novembro de Regmento nterno d Câmara Muncpal de Ro Claro; CONSDERANDO que o Projeto de Re O~ÇãOse destna a regular matéras de compet Ao nça exclusva da Câmara Muncpal; CONSDERANDO que os requermento ndcações e moções de autora dos Vereador s são destnados ao tempo despenddo no Exped nte; A MESA DA CÃM RA MUNCPAL DE RO CLARO apresenta o segunte Projeto de e~olução: PROJETO DE RESO ubão (Acrescenta o parágrafo 3. ao artg ~4 e altera a redação do parágrafo 2. do artgo 95 da Resoluçã n. 244 de 16 de novembro de 2006 (Regmento nterno da Câmar Muncpal de Ro Claro). "Artgo 94 Parágrafo 3. - Cada Vereador poder' destacar até quatro (04) proposturas bem com proceder encamnhamento de votação destas~ ; 09

10 Câmara Muncpal ~ Ro Claro ~~dodes~~ulo~:~~~~~~~~~~~~ "Artgo 95 Parágrafo 2 - Os Vereadores usarão Trbuna por no máxmo em duas (02) proposçõ $ por eles destacadas anterormente desde q el não tenham encamnhado a votação anterormen e e de acordo com a sua ordem de nscrção". Artgo 3 - Esta Resolução entrar em vgor na data de sua publcação. \ J. \ \ l F- DALBE~'Rp Cf-~STOFOLETT 2 SE~F9ETARO \ \.J '\ MATOS NETO NTE 1 MAR AlDO CARMO GULHERME j1 a. SECRETARA \ O

11 CâlDara Muncpal d~ Ro Claro ~t~ode~6~ulo~~~~~~~~~~~~~ PARECER JURDCO REFERENTEAO PROJETO DE ESOLUÇÃO N.o 10/2014. Atendendo ao que dspõe o rt do Regmento nterno da Câmara Muncpal de Ro Claro ~sta Procuradora Jurídca emte Parecer a respeto do Projeto de Resol ção n 10/2014 de autora da mesa Dretora desta Edldade que ocr sçenta o parágrafo 3. ao artgo 94 e altera a redação do parágrafo 2. ~o artgo 95 da Resolução no 244 de 16 de novembro de 2006 (Reg lento nterno da Câmara Muncpal de Ro Claro). Esta Procuradora Jurídca es larece que não lhe c~be proceder análse relatva ao mérto da prop sfja ora apresentada pos a matéra é restrta aos senhores Vereadores. No aspecto jurídco e sob a ót a legal e regmental não há obstáculo no tocante a regular tramtaçã do presente projeto que encontra amparo no artgo 14 ncso e no rtgo 55 alínea "b" ambos da Le Orgânca do Muncípo de Ro Claro. Neste sentdo trata-se de cpmpetênca exclusva da Câmara Muncpal as proposções destnad sa regular matéra polítco-

12 Câmara Muncpal d~ Ro Claro Es~dodeSã6~ulo~~~~~~~~~~~~~ admnstratvo através de resolução de efe o nterno conforme artgo 55 alínea "b" da LOMRC. ; No projeto ora analsado os n;obres Vereadores estão acrescentando o parágrafo 3 do artgo 94 alterando o parágrafo 2 do artgo 95 da Resolução no244/2006 dsp 7do que cada Vereador poderá destacar até 04 (quatro) propostura e encamnhar a votação dos mesmos podendo falar na trbuna apena ~m 02 (duas) proposturas daquelas destacadas. Dante do exposto consubsta cjado nos motvos de fato e de dreto acma aduzdos esta Procurado d Jurídca entende que o Projeto de Resolução em apreço reveste-se d ~galdade. Ro Claro 19 de novembro de O~4. ~~--l-- j Amanda;Gano Fr1 n d Eduardo p6curadora Jurí~ca '/OAB/SP no28.157

13 Câmara Muncpal ~ Ro Claro EstadodeSâoPaulo ~~~~~~~~~~~~ PARECER COMSSÃO C NUUNTA PROJETO DE RESOLUÇÃO N4 010/2014 o presente Projeto de Resolução de autora da Mesa - Acrescenta o parágrafo 3 ao artgo 94 e altera a redação do parágrafo 2 do artgo 95 da Resolução no244 e. 16 de novembro de 2006 (Regmento nterno da Câmara Muncpal de Ro Clàro). : da referda matéra.. Esta Comssão Co ju~ta opna pela aprovação [ ḷ Ro Claro 17 de no embro de _._-\ f

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM \1erra do guaraná" TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACESSO A INTERNET VIA SATÉLITE ATRAVÉS DE LINK DEDICADO, QUE ENTRE SI FAZEM A CÂMRA MUNICIPAL DE MAUÉS E A EMPRESA C H M

Leia mais

.- >. , '. expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior no âmbito I desta Universidade e;

.- >. , '. expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior no âmbito I desta Universidade e; , UNVERS Fundaçso nsttu(da RESOLUÇÃO NO.^&. >., '. nsttu normas para revaldação a) 7. c),) de dplomas de graduação t

Leia mais

Portaria Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008

Portaria Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008 INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - Portara Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL,

Leia mais

,N,-, i.r,n 1L-~jih '. t'.. -:,

,N,-, i.r,n 1L-~jih '. t'.. -:, N- RN 1L-~jh ' t' -: t I j- :: -'; : t flt;' 1 _ 'A- tl : ESTADO DA PARAÍBA r 4 PODER JUDICIÁRIO 1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB DES MARCOS A SOUTO MAIOR ACÓRDÃO :I 1 RECURSO OFICIAL E APELAÇÃO CÍVEL N 0172004001370-2/001-1

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL Normas Regulamentares PREÂMBULO O regulamento geral dos cclos de estudos conducentes ao grau de Mestre da FCT-UNL organza,

Leia mais

NORMAS DE SELEÇÃO AO DOUTORADO

NORMAS DE SELEÇÃO AO DOUTORADO 1. INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO 1.1. Para a Área de Irrgação e Drenagem Poderão nscrever-se canddatos formados em Engenhara Agrícola, Agronoma, Meteorologa e demas Engenharas, ou em outras áreas afns a crtéro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável. , j Alt Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável -

Regimento do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável. , j Alt Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável - Regmento do Conselho Muncpal de Desenvolvmento Rural Sustentável >-, j Alt. 12-0 Conselho Muncpal de Desenvolvmento Rural Sustentável - CMDRS, crado pela Le Muncpal n, órgão consultvo, delberatvo e orentatvo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO CAPÃO DO LEÃ Av. Narciso Silva, '2360 ' ' N^ 'A65/92. Abre credito suplementar, reduz dotações e da 'outras providencias.

PREFEITURA MUNICIPAL DO CAPÃO DO LEÃ Av. Narciso Silva, '2360 ' ' N^ 'A65/92. Abre credito suplementar, reduz dotações e da 'outras providencias. PREFEITURA MUNICIPAL DO CAPÃO DO LEÃ Av. Narcso Slva, '2360 ' ' LEI N^ 'A65/92 Abre credto suplementar, reduz dotações e da 'outras provdencas. O Prefeto Muncpal de Capão do Leão, Estado Ro Grande do Sul;

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados Audênca Públca Comssão de Cênca e Tecnologa, Comuncação e Informátca Câmara dos Deputados Superntendente de Servços Prvados Brasíla, 11 de julho de 2007 AGENDA 1 2 3 4 DEFINIÇÕES DA LGT REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

ACÓRDÃO. Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. JORGE RIBEIRO NÓBREGA

ACÓRDÃO. Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. JORGE RIBEIRO NÓBREGA 1 Poder Judcáro Trbunal de Justça da Paraíba Gabnete Des. JORGE RIBEIRO NÓBREGA ACÓRDÃO EMBARGOS DE DECLARAÇÃO N. 888.200.2005.019.401-41001 Orundo da 7a Vara da Fazenda Públca da Comarca da Captal RELATOR

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Avaliação do Mestrado em Gestão das Organizações

Regulamento de Funcionamento e Avaliação do Mestrado em Gestão das Organizações ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) Insttuto Poltécnco de Bragança Insttuto Poltécnco do Cávado e do Ave Insttuto Poltécnco do Porto Insttuto Poltécnco de Vana do Castelo Regulamento de Funconamento

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO / gtv. ESTADO DA PARAÍBA # PODER JUDCÁRO 5 8 Agravo de nstrumento n" 2004.008919-2 Relator: Des. Luz Slvo Ramalho Júnor Agravante: Antôno D'Avla Lns Flho e Espólo de Luz Antôno da Slvera D'Avla Lns. Advogado:

Leia mais

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado Equpas Educatvas Para uma nova organzação da escola João Formosnho Joaqum Machado TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA A expansão escolar e a mplementação das polítcas de nclusão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA - CONFEA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA - CONFEA Protocolo 428712010 12/11/2010 17:09 SERVÇO PÚBLCO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARA, ARQUTETURA E AGRONOMA - CONFEA REUNÃO EXTRAORDNÁRA DA COORDENADORA DE CÂMARAS ESPECALZADAS DE ENGENHARA NDUSTRAL

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS EDITAL PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO VESTIBULAR 2014.2 ENGENHARIAS CTG (RECIFE) E ENGENHARIA CIVIL (AGRESTE)

Leia mais

PROVIMENTO Nº Doutor JOSÉ DE MELLO JUNQUEIRA, MM. Juiz de Direito da Primeira Vara de Registros Públicos, no uso de suas atribuições,

PROVIMENTO Nº Doutor JOSÉ DE MELLO JUNQUEIRA, MM. Juiz de Direito da Primeira Vara de Registros Públicos, no uso de suas atribuições, PROVMENTO Nº 005 1982 Doutor JOSÉ DE MELLO JUNQUERA, MM. Juz de Dreto da Prmera Vara de Regstros Públcos, no uso de suas atrbuções, CONSDERANDO que os saláros de escreventes e auxlares são ajustados, atenddos

Leia mais

2º Ciclo de Estudos Mestrado em Engenharia Civil ramo de Estruturas e Geotecnia. Normas Regulamentares

2º Ciclo de Estudos Mestrado em Engenharia Civil ramo de Estruturas e Geotecnia. Normas Regulamentares 2º Cclo de Estudos Mestrado em Engenhara Cvl ramo de Estruturas e Geotecna Normas Regulamentares Artgo 1º Cração 1) A Unversdade Nova de Lsboa, através da Faculdade de Cêncas e Tecnologa, confere o grau

Leia mais

DISPÕE SOBRE ALTERAÇÕES DAS LEIS MUNICIPAIS N" 406/2007, 407/2007 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE ALTERAÇÕES DAS LEIS MUNICIPAIS N 406/2007, 407/2007 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ' hst ADü IX.) ESPÍRI TO SAN I O LEI Nü 618/11 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÕES DAS LEIS MUNICIPAIS N" 406/07, 407/07 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL de São Roque co Canaâ. Estado do Espírto Santo.

Leia mais

BAHIA SANTA CRUZ CABRALlA. CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ CABRÁLlA PROCESSO DE PAGAMENTO EXERCÍCIO: 2014 PROCESSO: 0000382 DATA: 03/11/2014

BAHIA SANTA CRUZ CABRALlA. CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ CABRÁLlA PROCESSO DE PAGAMENTO EXERCÍCIO: 2014 PROCESSO: 0000382 DATA: 03/11/2014 GLTlR4 MAttR.J CÂMARA MUNCPAL DE SANTA CRUZ CABRÁLlA. ~ r:::g BAHA SANTA CRUZ CABRALlA PROCESSO DE PAGAMENTO EXERCÍCO: 2014 PROCESSO: 0000382 DATA: 03/11/2014. Função: DADOS DO FAVORECDO Favorecido: NSS

Leia mais

,- ', ''"4s;,. ..st. k - - :!;'.;r-p;, :_,' j- f 4-igano, 'ti. npy d-- Alves Formiga. COBRANÇA - Servidor municipal X Fazenda

,- ', ''4s;,. ..st. k - - :!;'.;r-p;, :_,' j- f 4-igano, 'ti. npy d-- Alves Formiga. COBRANÇA - Servidor municipal X Fazenda ! 1 ' 1 ) I n fr-.'..st - ' ''"4s;. k - - :!;'.;r-p; :_' j- '";. ACÓRDÃO f 4-gano 't. npy d-- ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DO DESEMBARGADOR APELAÇÃO CÍVEL N. 037.2005.002911-7.

Leia mais

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte Controle de Ponto Eletrônco da Câmara Muncpal de Belo Horzonte Instrutor: André Mafa Latn DIVPES agosto de 2010 Objetvo Informar sobre o preenchmento da folha de frequênca; Facltar o trabalho das chefas;

Leia mais

Visando dar continuidade ao trabalho de simulação, encaminho o MODELO DE ALOCAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO PESSOAL DOCENTE DE TERCEIRO GRAU

Visando dar continuidade ao trabalho de simulação, encaminho o MODELO DE ALOCAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO PESSOAL DOCENTE DE TERCEIRO GRAU Ofíco Brasíla, 24 de anero de 2005. Senhora Presdente ANDIFES, Vsando dar contnudade ao trabalho de smulação, encamnho o MODELO DE ALOCAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO PESSOAL DOCENTE DE TERCEIRO GRAU revsado

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

NOTIFICAÇÃO JUDICIAL. ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA

NOTIFICAÇÃO JUDICIAL. ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados assocados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA JUDICIAL DA COMARCA DE IBIUNA. TAYNÁ COMERCIAL LTDA.. com sede na Rua Padre José Garzott, n 296, CEP 04806-000,

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade Modelo de dstrbução de recursos para o transporte escolar rural a partr dos prncípos da gualdade e da equdade Alan Rcardo da Slva 1 ; Yaeko Yamashta 2 Resumo: O transporte escolar rural consttu um mportante

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

17750 Diário da República, 2.ª série N.º 77 19 de Abril de 2011

17750 Diário da República, 2.ª série N.º 77 19 de Abril de 2011 17750 Dáro da Repúblca, 2.ª sére N.º 77 19 de Abrl de 2011 2) Consttuem anda recetas do Mestrado os valores arrecadados provenentes de compartcpações ou donatvos de nsttuções públcas ou prvadas destnadas

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 62, DE 5 DE MAIO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 62, DE 5 DE MAIO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 62, DE 5 DE MAIO DE 2004 Estabelece os procedmentos para o cálculo do montante correspondente à energa de referênca de empreendmento de

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMETO DE DESEVOLVIMETO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR TECOLOGIA DA IFORMAÇÃO CÁLCULO DO ALUO EQUIVALETE PARA FIS DE AÁLISE DE CUSTOS DE MAUTEÇÃO DAS IFES

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

CONSELHO TUTELAR E AS MODIFICAÇÕES PROPORCIONADAS PELA LEI n. 12.696/2012.

CONSELHO TUTELAR E AS MODIFICAÇÕES PROPORCIONADAS PELA LEI n. 12.696/2012. CONSELHO TUTELAR E AS MODIFICAÇÕES PROPORCIONADAS PELA LEI n. 12.696/2012. Luiz Antonio Miguel Ferreira 1 Promotor de Justiça da Infância e da Juventude do Ministério Público do Estado de São Paulo. Mestre

Leia mais

EDITAL Nº 034/09 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS

EDITAL Nº 034/09 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS EDITAL Nº 04/09 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS A Pró-retora de Graduação e o Pró-retor de

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), No. 1757

Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), No. 1757 econstor www.econstor.eu Der Open-Access-Publkatonsserver der ZBW Lebnz-Informatonszentrum Wrtschaft The Open Access Publcaton Server of the ZBW Lebnz Informaton Centre for Economcs Barbosa, Klêno Workng

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Estatística I Licenciatura MAEG 2006/07

Estatística I Licenciatura MAEG 2006/07 Estatístca I Lcencatura MAEG 006/07 AMOSTRAGEM. DISTRIBUIÇÕES POR AMOSTRAGEM.. Em determnada unversdade verfca-se que 30% dos alunos têm carro. Seleccona-se uma amostra casual smples de 0 alunos. a) Qual

Leia mais

Preço Base = 2,581 US$/MMBTU x TMD 0

Preço Base = 2,581 US$/MMBTU x TMD 0 Portara Intermnsteral MME/MF/nº 176, de 01 de junho de 2001. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA E DA FAZENDA, no uso das atrbuções que lhes são conferdas pelo art. 87, parágrafo únco, ncso II, da

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art. 363,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA (Ofíco n. 077/2013-GDJAFS) PISO LAMINADO - CARPETE DE MADEIRA 1. DOOBJETO O presente Termo tem por objetvo a aqusção e nstalação de pso lamnado do tpo carpete de madera numa

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

Das ideias ao sucesso

Das ideias ao sucesso www.pwc.pt Das deas ao sucesso PwC Startup Portugal 1 mllon fund project Busness Plan FY 2014/2015 Crou recentemente uma empresa com forte capacdade de crescmento? Tem espírto empreendedor com deas novadoras?

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 41/2016/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Conselho e da Justiça Federal de primeiro

Leia mais

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova:

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: PROJETO DE LEI Nº 131/2010 Dispõe sobre a criação do Fundo Especial dos Procuradores, Consultores Jurídicos, Assessores Técnicos Jurídicos e Advogados Públicos Municipais de Foz do Iguaçu. Autor: Vereador

Leia mais

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 382/2011 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais e tendo em vista o que dispõem os artigos

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO ATO Nº 20/2005 (Revogado pelo Ato nº 56/2012) Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo.

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo. TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL PALAVRAS CHAVES: Crescmento, Transferêncas, Dnâmca, Convergênca e Governo. PEDRO JUCÁ MACIEL Analsta de Fnanças da STN/Mnstéro da Fazenda Mestre

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

Lei das Malhas (KVL) Lei dos Nós (KCL)

Lei das Malhas (KVL) Lei dos Nós (KCL) Le das Malhas (KL) Le dos Nós (KCL) Electrónca Arnaldo Batsta 5/6 Electrónca_omed_ef KCL (Krchhoff Current Law) Nó é o ponto de lgação de dos ou mas elementos de crcuto amo é uma porção do crcuto contendo

Leia mais

Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho na Administração Publica (SIADAP)

Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho na Administração Publica (SIADAP) Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho na Administração Publica (SIADAP) REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DA AVALIAÇÃO O Decreto Regulamentar n.º 18/2009, de 4 de setembro, procedeu

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4. CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Esabelece os procedmenos para o cálculo da parcela dos avos ponderados pelo rsco (RWA) referene às exposções sueas à varação de axas de uros prefxadas denomnadas

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

REGULAMENTO. Private Solutions VGBL TOP

REGULAMENTO. Private Solutions VGBL TOP REGULAMENTO Private Solutions VGBL TOP ÍNDCE TÍTULO - DAS CARACTERÍSTCAS 4 TÍTULO - DAS DEFNÇÕES 5 TÍTULO - DA CONTRATAÇÃO DO PLANO 6 TÍTULO V - DA DVULGAÇÃO DE NFORMAÇÕES 7 CAPÍTULO - AOS SEGURADOS 7

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n. 122, p. 1-2 em 24/6/2015. RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA E SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES DO ISEG Nº 1 - VIGILÂNCIA/SEGURANÇA/ISEG/2009

CONCURSO PÚBLICO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA E SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES DO ISEG Nº 1 - VIGILÂNCIA/SEGURANÇA/ISEG/2009 CONCURSO ÚBLICO ARA RESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA E SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES DO ISEG Nº 1 - VIGILÂNCIA/SEGURANÇA/ISEG/2009 CONCURSO ÚBLICO ARA RESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA E SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Regulamenta o inciso II do 4º do art. 40 da Constituição, que dispõe sobre a concessão de aposentadoria especial a servidores públicos que exerçam atividade de risco. O CONGRESSO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal Prefetura Muncpa de Jabotcaba LEI Nº 4.574, DE 02 DE JULHO DE 204 Atera dspostvos da Le nº 3.734, de 03 de abr de 2008. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeto Muncpa de Jabotcaba, Estado de São Pauo, no uso de

Leia mais

, I MINISTÉRIO PÚBLICO F~DERAL Procuradoria da República no Munjcfpio de Jaú/SP RECOMENDACÃO 07

, I MINISTÉRIO PÚBLICO F~DERAL Procuradoria da República no Munjcfpio de Jaú/SP RECOMENDACÃO 07 DE : PRM Jau FAX 16 ABR 2007 18:45 Pág~ J~-x Qr ~~~-~ ~, MNSTÉRO PÚBLCO F~DERAL Procuradora da Repúblca no Munjcfpo de Jaú/SP 1 ~~'t J, oa~ JuL, o-~~~ ~~"':L' 'Q fcf'd( ~~- ProcedmentoAdrnnstratvo 0, 13402200003912007-10

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS DE ESTATÍSTICA MÓDULO 2 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA - ELEMENTOS Prof. Rogério Rodrigues

CONCEITOS INICIAIS DE ESTATÍSTICA MÓDULO 2 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA - ELEMENTOS Prof. Rogério Rodrigues CONCEITOS INICIAIS DE ESTATÍSTICA MÓDULO DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA - ELEMENTOS Prof. Rogéro Rodrgues I) TABELA PRIMITIVA E DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA : No processo de amostragem, a forma de regstro mas

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito e Aplicabilidade) 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DA DIRETORIA DA ASSOCIAÇÃO AMPARO AOS PRAIANOS DO GUARUJÁ, REALIZADA NO DIA QUINZE DE OUTUBRO DE 2015.

ATA DA REUNIÃO DA DIRETORIA DA ASSOCIAÇÃO AMPARO AOS PRAIANOS DO GUARUJÁ, REALIZADA NO DIA QUINZE DE OUTUBRO DE 2015. ASSOCAÇÃO AMPAO AOS PAANOS DO GUAUJÁ CNPJ MF: 48703227/000120 Entdade Mantenedora do Colégo e Faculdade oon Domenco Creche "Onna Ju\ana vbor?assaqs" Posto Médco Socal e Centro Esportvo "Don Domenco ua

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador GIM ARGELLO

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador GIM ARGELLO PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, acerca dos Projetos de Lei do Senado nº 119, de 2008, do Senador Arthur Virgílio, que altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990,

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe acerca das regras e procedimentos para a concessão, indenização, parcelamento e pagamento da remuneração de férias dos servidores do Instituto

Leia mais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais 2013: Trabalho de Conclusão de Curso do Mestrado Profssonal em Matemátca - PROFMAT Unversdade Federal de São João del-re - UFSJ Socedade Braslera de Matemátca - SBM A Matemátca Fnancera nos Fnancamentos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE EXTREMA - MG

CÂMARA MUNICIPAL DE EXTREMA - MG CÂMARA MUNICIPAL DE EXTREMA - MG PROCESSO Nº ~ VEREADOR "WALDOMIRO ANTÔNIO DA SILVA" PROJETO DE LEI W 2ooo 01 r DE O ~ I. O L( 1)0 7t{ DE I. 1. _ "Autoriza o Poder Executivo a criar o programa médico da

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

LEI N.º 4.048, DE 07 DE MARÇO DE 2008.

LEI N.º 4.048, DE 07 DE MARÇO DE 2008. LE N.º 4.048, DE 07 DE MARÇO DE 2008. ALTERA DSPOSTVOS DA LE N.º 3.629, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2003, COM ALTERAÇÕES SUBSEQÜENTES E DÁ OUTRAS PROVDÊNCAS. O PREFETO MUNCPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO:

Leia mais