Instante. 27 de abril a 03 de maio de 2009 N o 40. Ano da França no Brasil. Tel/fax:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instante. 27 de abril a 03 de maio de 2009 N o 40. Ano da França no Brasil. Tel/fax: +55 11 3582 5509"

Transcrição

1 Instante Foco: Café com croissant A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2010 e indicadores selecionados de infra-estrutura Imprensa: Pezco na mídia Especial: França Est e exem pla r f oi dist ribuído por: Ano da França no Brasil Foto: Thelma Ohira. França, Proibida reprodução não autorizada. São Paulo Frederico Araujo Turolla Maria Fernanda Freire de Lima Thelma Harumi Ohira André Ricardo Noborikawa Paiva Erika Roberta Monteiro Desenvolvimento Renata de Aguiar Tel/fax: Porto Alegre Jorge Luiz Dietrich Luiz Gabriel Passos Editorial Maria Fernanda Freire de Lima André Ricardo Noborikawa Paiva 27 de abril a 03 de maio de 2009 N o 40

2 Foco Café com croissant - S'il te plaît... dessine-moi un mouton! ou -Por favor desenha-me um carneiro!. Quem ainda não leu esse pedido do pequeno príncipe ao aviador durante uma pane no deserto do Saara ou não deu deliciosas gargalhadas com as aventuras dos dois gauleses mais famosos da história, Astérix e Obélix? As histórias de Antoine de Saint- Exupéry e da dupla de história em quadrinhos formada por Albert Uderzo e René Goscinny são apenas exemplos singelos da extensão e da penetração da cultura francesa pelo mundo. Obviamente, trata-se de muito mais do que isso. Maria Fernanda Freire de Lima O investimento francês se concentra em setores como os de defesa, alimentos, químicos, comércio e banco, e infraestrutura como serviços ambientais, construção e energia. Em contrapartida, na direção inversa, os investimentos diretos brasileiros na França são incipientes, e têm muito espaço para crescer. A França e o Brasil têm um longo relacionamento cultural, comercial e de investimentos. Basta lembrar que, em 1906, foi em Paris e pilotado pelo brasileiro Alberto Santos Dumont que o 14-Bis foi o primeiro avião a decolar sem o auxílio de dispositivos de lançamento. Ou então que, um pouco mais tarde, em 1935, o antropólogo Claude Lévi-Strauss desembarcava no Brasil para lecionar sociologia na recém-criada Universidade de São Paulo e aproveitava sua estada para conhecer e estudar os povos indígenas da Amazônia e do Mato Grosso. E existe uma outra história, esta mais antiga, e data do século XVI, que nos relembra que os franceses tentavam estabelecer um núcleo de colonização no país. Por causa da presença de empresas francesas no Brasil, já desde a década de 20 do século passado, foi criada escola bilíngüe franco-brasileira cuja direção pedagógica ainda é nomeada pelo Ministério da Educação Nacional francês. Este, em cooperação com a rede municipal paulistana de ensino público desde 2002, também difunde a língua francesa na cidade, através da formação de professores de francês. Atualmente, a corrente de comércio (soma das exportações e importações) do Brasil com a França é da ordem de US$ 8,8 bilhões (valor de 2008), mas sua participação na corrente comercial do país caiu em relação ao começo da década: foi de apenas 2,4% se comparados aos 3,3% de A pauta das exportações inclui produtos básicos agrícolas, como a soja, e semi-manufaturados como os minérios. Já as importações brasileiras da França se concentram em bens mecânicos, químicos e farmacêuticos. No que tange os investimentos, a França, no último censo de capital estrangeiro do Banco central, de 2000, tinha um estoque de investimento direto, i.e., produtivo, de praticamente US$ 7 bilhões, o equivalente a 6,7% de todo o investimento estrangeiro presente no país. Fica atrás somente dos Estados Unidos, Espanha e Holanda, mas na frente do histórico segundo lugar, até então, da Alemanha. O investimento francês se concentra em setores como os de defesa, alimentos, químicos, comércio e banco, e infraestrutura como serviços ambientais, construção e energia. Em contrapartida, na direção inversa, os investimentos diretos brasileiros na França são incipientes, e têm muito espaço para crescer. Economista, Unicamp Mestre em Administração de Empresas, FGV/HEC Paris MBA em Infraestrutura, FGV Sócia, Pezco Em 21 de abril, começou oficialmente o ano da França no Brasil. Depois das parcerias estabelecidas quando do ano do Brasil na França em 2005, trata-se de oportunidade única para intensificação do relacionamento dos dois países em suas várias dimensões e nas duas direções. Aproximará empresas, cidadãos e cultura.

3 Foco Un café et un croissant, s il vous plaît. - S'il te plaît... dessine-moi un mouton! Qui n'a pas encore lu cette demande du petit prince à l aviateur, en plein dans une panne dans le désert du Sahara ou n a pas ri aux éclats, délicieusement, avec les aventures des deux gaulois les plus célèbres de l'histoire, Astérix et Obélix? Les histoires d'antoine de Saint-Exupéry et des deux partenaires des bandes dessinées, Albert Uderzo et René Goscinny, ne sont que des exemples très simples de l'étendue et de la pénétration de la culture française à travers le monde. De toute évidence, il s agit de beaucoup plus que cela. Maria Fernanda Freire de Lima Les investissements français sont concentrés dans des secteurs comme ceux de la défense, de l alimentaire, des produits chimiques, du commerce, financier et de l'infrastructure tels que les services environnementaux, la construction et l'énergie. En revanche, dans le sens inverse, les investissements directs brésiliens en France sont quasiment nuls et peuvent encore croître fortement. La France et le Brésil ont une profonde relation culturelle, commerciale et d'investissements. Il suffit de se rappeler que ce fut, en 1906, à Paris et piloté par le brésilien Alberto Santos Dumont, que le 14-Bis fut le premier avion à décoller sans l'aide de dispositifs de lancement. Ou alors, un peu plus tard, en 1935, que l'anthropologue Claude Lévi-Strauss débarquait au Brésil, pour enseigner la sociologie à la toute nouvelle Université de São Paulo et profitait de son séjour pour étudier les peuples autochtones de l'amazonie et du Mato Grosso. Et il y a aussi une autre histoire, encore plus ancienne et date du XVI ème siècle, qui nous rappelle que les français essayèrent de mettre en place un noyau de colonisation au Brésil. En raison des entreprises françaises installées au Brésil, dès les années 20 du XX ème, l école franco-brésilienne a été crée et sa direction pédagogique est nommée, encore aujourd hui, par le Ministère de l'education Nationale. Ce dernier, dans un programme de coopération avec le réseau municipal de l'éducation publique de São Paulo depuis 2002, diffuse également la langue française dans la ville de São Paulo en formant des professeurs de français. Actuellement, le commerce total (la somme des exportations et des importations) du Brésil et de la France est d'environ 8,8 milliards de dollars (valeurs de 2008), mais sa participation au commerce international total du Brésil est tombé par rapport au début de la décennie: en 2008, elle n'est que de 2,4%, quand en 2000, elle fut de 3,3%. Les produits brésiliens exportés sont essentiellement des produits de base agricoles, comme le soja, et les semi-finis, tels que les minéraux. Par contre, les importations brésiliennes de la France sont concentrées sur les biens mécaniques, les produits chimiques et pharmaceutiques. En ce qui concerne les investissements, la France, durant le dernier recensement des capitaux étrangers de la Banque Centrale du Brésil en 2000, avait un stock d'investissement direct, c'est-à-dire, d'investissement productif, de près de 7 milliards de dollars, soit 6,7% de l'ensemble de tous les investissements étrangers au pays. Elle ne reste derrière que des États- Unis, de l'espagne et des Pays-Bas, mais surpasse la marque historique, jusqu à ce jour, de la deuxième place: celle de l Allemagne. Les investissements français sont concentrés dans des secteurs comme ceux de la défense, de l alimentaire, des produits chimiques, du commerce, financier et de l'infrastructure tels que les services environnementaux, la construction et l'énergie. En revanche, dans le sens inverse, les investissements directs brésiliens en France sont quasiment nuls et peuvent encore croître fortement. Economiste, Unicamp MS en Management d entreprises, FGV/HEC Paris MBA en Infrastructure, FGV Associée, PEZCO Ce 21 avril dernier, l'année de la France au Brésil a officiellement commencé. Après les partenariats établis au cours de l'année du Brésil en France en 2005, il s agit d une occasion unique de renforcer les relations de ces deux pays, non seulement dans ses différentes dimensions, mais aussi dans les deux directions. On pourra rapprocher les entreprises, les citoyens et les cultures.

4 A semana Renda fixa As taxas de juros Renda variável A bolsa Câmbio R$/US$ 11,20 10,95 10,70 10,45 10,20 SELIC, % aa Juros 30 dias média um ano (252 pregões) Índice Bovespa 2,27 2,22 2,17 2,12 2,07 média móvel um mês R$ por US$ 9,95 9,70 Juros 360 dias média de 30 dias 2,02 1,97 média móvel um ano 8-abr 9-abr 13-abr 14-abr 15-abr 16-abr 17-abr 20-abr 22-abr 23-abr 8-abr 9-abr 13-abr 14-abr 15-abr 16-abr 17-abr 20-abr 22-abr 23-abr 8-abr 9-abr 13-abr 14-abr 15-abr 16-abr 17-abr 20-abr 22-abr 23-abr DIA 27 Balança Comercial, MDIC, 24/04 SEG Divulgação de Resultados: Weg programe sua semana INDICADORES ECONÔMICOS EVENTOS/ FERIADOS 28 Sondagem Industrial, CNI, 1º trimestre Reunião do Copom, BCB TER ICSC-Goldman Store Sales, ICSC Reunião do Open Market Comittee, Fed Redbook S&P Case-Shiller HPI, Standard and Poor's Consumer Confidence, The Conference Board, abril Comissão de Viação e Transportes - Audiência Pública: Câmara dos Deputados Audiência pública sobre telefonia fixa Divulgação de Resultados: Klabin, Net (STFC): Anatel 29 IGP-M, FGV, abril Reunião do Copom, BCB QUA MBA Purchase Applications, MBA Reunião do Open Market Comittee, Fed GDP, BEA, 1º trimestre Treasury Refunding Announcement, U.S. Department of Crise Econômico-Financeira (Sist. Financ. Mercado) - Audiência Pública: the Treasury Câmara dos Deputados EIA Petroleum Status Report, EIA FOMC Meeting Announcement, Fed Metropolitan Area Employment and Unemployment, BLS, Audiência pública sobre telefonia fixa (STFC): Anatel março Pesquisa de Emprego e Desemprego, DIEESE, abril Pesquisa de Emprego e Desemprego - Região Metropolitana de São Paulo, SEADE, abril Pesquisa de Emprego e Desemprego - Regiões Metropolitanas, SEADE, abril Divulgação de Resultados: Daycoval, Embraer, Inds Romi, Iochp-Maxion, Lojas Renner, Santos BRP, Suzano Papel, Brasil T Par 30 Dados de dívida e déficit público, BCB, abril QUI Sondagem da Indústria, FGV, abril Personal Income and Outlays, BEA, março Employment Cost Index, BLS, 1º trimestre Jobless Claims, U.S. Department of Labor Chicago PMI, Institute for Supply Management, abril EIA Natural Gas Report, EIA Farm Prices, U.S. Department of Agriculture, abril Money Supply, Fed Reunião do MPM/ Banco Central do Japão Expira autorização para swap entre Fed e BCB Dia Nacional da Mulher 1 Motor Vehicle Sales, U.S. Census Bureau, abril Feriado - Dia do Trabalho SEX Consumer Sentiment, University of Michigan, abril ISM Mfg Index, Institute for Supply Management, abril Factory Orders, U.S. Census Bureau, março 2 SAB 3 DOM Divulgação de Resultados: Brasil T Par, Brasil Telecom, Confab, M. Diasbranco, Satipel, Usiminas

5 Como andam os fundamentos? ATIVIDADE: nos próximos trimestres, forte queda do acumulado (variação % do PIB trimestral acumulado em 4 trimestres) 6,5% 6,3% 6,0% 5,7% 5,7% 5,9%6,0% 5,1% 5,5% 5,0% 4,8% 5,2% 5,1% 5,3% 4,5% 4,0% 3,5% 3,0% 2,5% 4,3% 4,0% 3,8% 3,6% 2,6% 2,4% 3,3% 3,0% 2,7% 2,1% 3,5% 4,2% 3,9% 4,0% 3,7% 3,4% 3,4% 3,2% 3,3% 2,0% 1,8% 1,5% 1,2% 1,3% 1,3% 1,1% 1,0% 0,5% 0,5% 0,5% 0,0% 1t00 3t00 1t01 3t01 1t02 3t02 1t03 3t03 1t04 3t04 1t05 3t05 1t06 3t06 1t07 3t07 1t08 3t08 Fonte: IBGE INFLAÇÃO: menor pressão inflacionária 6,5% Teto da meta IPCA acumulado em 12 meses, % 4,5% Centro da meta 2,5% Fonte: Banco Central do Brasil

6 Como andam os fundamentos? CONTAS PÚBLICAS: toda atenção neste item será pouca! Daqui para frente, com receitas públicas desacelerando, será fundamental monitorar a evolução do superávit primário. Uma mudança de política não é bem vinda. 5,0 4,0 3,0 Saldo primário, % do PIB 2,0 1,0 0,0-1,0-2,0-3,0 SALDO NOMINAL, % do PIB -4,0-5,0-6,0-7,0 Fonte: Banco Central do Brasil Juros sobre a dívida, % do PIB julho-06 janeiro-07 julho-07 janeiro-08 julho-08 janeiro-09 SETOR EXTERNO: redução do ritmo de remessas de lucros e dividendos contribui para melhora da conta corrente. 31,0 28,5 26,0 23,5 21,0 18,5 16,0 13,5 11,0 8,5 6,0 3,5 1,0-1,5-4,0-6,5-9,0-11,5-14,0-16,5-19,0-21,5-24,0-26,5-29,0 13,4 13,0 12,4 12,2 11,5 Em US$ bilhões Fonte: Banco Central do Brasil 12,0 13,5 13,3 14,0 13,7 13,6 13,6 13,3 12,3 13,9 13,4 13,3 Conta Corrente 9,5 8,6 6,9 5,2 2,5 1,6 Investimento Direto Líquido -2,1-4,4-9,0-13,8-14,4-17,7-19,2-21,6-24,9-26,0-25,6-28,2-26,9-25,6-23,

7 Brasil - cenário econômico O principal risco vem da deterioração das contas públicas (est) 2009P 2010P Setor Real PIB(R$ bi) 1.477, , , , , , , , ,5 PIB (US$ bi) 504,4 553,6 663,8 882, , , , , ,8 Variação do PIB real (%) 2,7 1,2 5,7 3,2 3,8 5,2 5,2-0,5 2,5 Consumo das famílias 1,8-0,7 3,8 4,5 4,6 5,7 5,5 0,8 3,5 Consumo do Governo 4,7 1,2 4,1 2,3 2,8 3,1 6,0 5,5 6,0 Investimento -11,1-1,7 11,8-2,5 11,1 13,7 14,0-13,0 1,5 Exportação 7,4 10,4 15,3 9,3 4,7 6,6 1,8-17,0 8,0 Importação -11,8-1,6 13,3 8,5 18,3 20,7 20,5-20,0 4,0 PIB - Ótica da Oferta (valor adicionado - preços básicos var. anual % a.a.) Agropecuária 6,6 5,8 2,3 0,3 4,2 5,3 6,4 * -0,8 1,9 Indústria 2,1 1,3 7,9 2,1 2,9 4,9 7,1* -2,9 3,0 Extrativa Mineral 11,6 4,7 4,3 9,3 5,7 3,0 7,8* Transformação 2,4 1,9 8,5 1,2 2,0 5,1 5,8* Construção Civil -2,2-3,3 6,6 1,8 4,6 5,0 11,7* Prod. e dist. de eletricidade, gás e água 2,9 4,0 8,4 3,0 3,3 5,0 5,6* Serviços 3,2 0,8 5,0 3,7 4,2 5,4 5,9 1,5 2,2 Comércio 0,0-0,5 7,5 3,5 5,1 7,6 9,8* Transp., armaz. e correio 2,8-3,1 5,9 3,5 3,2 4,8 5,7* Serviços de informação 5,0 4,4 5,5 4,0 2,5 8,0 10,0* Interm. financeira, previd. complementar 2,3-4,8 3,7 5,3 6,2 13,0 8,8* Outros Serviços 4,5 0,7 5,4 5,2 3,1 2,3 5,8* Atividades imobiliárias e aluguel 4,4 3,4 3,9 4,7 2,3 3,5 2,9* Admin., saúde e educação púb. 3,6 3,0 3,8 1,1 3,7 0,9 2,5* Preços IPCA (%) 11,9 9,0 7,4 5,6 3,1 4,4 5,8 4,4 4,8 Comercializáveis 14,0 8,4 6,1 2,7 1,3 4,6 6,8 Não - Comercializávies 7,2 6,5 6,7 6,2 3,9 6,5 6,9 Itens Livres 11,0 7,5 6,4 4,2 2,6 5,6 6,8 Preços Administrados 14,4 12,6 9,8 8,6 4,2 1,6 3,2 IGP-DI (%) 26,4 7,7 12,1 1,2 3,8 7,9 9,1 4,6 6,0 Setor Público Dívida Líquida Setor Público (% PIB) 50,5 52,4 47,0 46,5 50,0 42,8 34,9 37,8 37,5 Participação prefixado dív mobiliária % 5,5 14,3 22,6 28,7 33,8 39,5 33,6 Saldo primário setor público, % PIB 3,6 3,9 4,2 4,4 3,9 4,0 4,3 1,9 2,7 Setor Externo Transações Correntes/PIB (%) -1,5 0,8 1,8 1,6 1,3 0,1-1,9-1,6-1,4 Transações Correntes (US$ bi) -7,6 4,2 11,7 14,2 13,6 3,6-27,0-19,6-17,6 Balança comercial 13,1 24,8 33,6 44,7 46,5 40,0 24,8 24,8 27,0 Balança de serviços -5,0-4,9-4,7-8,3-9,6-13,1-16,2-10,7-18,0 Rendas -18,2-18,6-20,5-26,0-27,5-29,3-39,7-38,1-31,0 Transferências unilaterais 2,4 2,9 3,2 3,6 4,3 4,0 4,1 4,3 4,4 Invest Estrangeiro Direto (US$ bi) 14,1 9,9 8,3 12,5-9,4 27,5 24,6 7,8 18,0 Invest Estrangeiro no Brasil (líquido) 16,6 10,1 18,1 15,1 18,8 34,6 45,1 19,0 35,0 Investimento Brasileiro no Exterior 2,5 0,2 9,8 2,5 28,2 7,1 20,5 11,2 17,0 Mercado financeiro Taxa de juros Selic, % aa - fim período 23,0 16,9 17,5 18,2 13,2 11,2 13,8 8,75 9,5 Taxa de câmbio, R$/US$ - fim período 3,53 2,89 2,65 2,34 2,14 1,77 2,34 2,45 2,50 Índice Bovespa, pontos - fim período Rating soberano moeda estrangeira (entre parênteses: nota equivalente na escala 0 a 10) ( amarelo = grau especulativo; azul = grau de investimento) Fitch B (5,0) B+ (5,3) BB- (5,7) BB- (5,7) BB (6,0) BB+ (6,3) BBB- (7,0) BBB- (7,0) BBB (7,3) Moody's B2 (5,0) B2 (5,0) B1 (5,3) Ba3 (5,7) Ba2 (6,0) Ba1 (6,3) Baa3 (7,0) Baa3 (7,0) Baa2 (7,3) Standard and Poors' B+ (5,3) B+ (5,3) BB- (5,7) BB- (5,7) BB (6,0) BB+ (6,3) BBB- (7,0) BBB- (7,0) BBB (7,3) *Taxa Trimestral (variação do 3º trimestre em relação ao mesmo trimestre do ano anterior - %)

8 Indicadores selecionados de infra-estrutura P 2009P 2010P Transporte Aéreo Passageiros Domésticos (milhões) - 61,27 71,49 83,48 90,01 97,95 99,01 Passageiros Internacionais (milhões) - 9,95 11,22 12,60 12,18 12,62 13,17 Carga Doméstica (milhões kg) - 657,39 717,69 752,30 641,46 620,89 627,93 Carga Internacional (milhões kg) - 557,22 640,83 607,84 588,22 697,73 625,07 Pousos e Decolagens (milhares) - Domésticos , , , , , ,23 Internacionais - 116,28 134,55 142,58 136,75 157,89 163,65 Ferrovias Evolução da produção de transporte (bilhões de TKU) 170,18 182,64 205,71 221,63 238,05 257,12 Evolução do índice de acidentes (acidentes por milhão de Km) 43,6 35,,7 32,0 31,8 23,0 14,0 Transporte Rodoviário Passageiros Transportados (milhões) 1 131,68 128,37 133,69 137,17 132,61 127,62*** Volumes de veículos-rod concedidas (milhões) 557,27 553,08 603,07 643,44 657,19 706,69 Venda de veículos bicombustível (% sobre o total) - 6,8 25,2 52,2 78,1 85,6 88,0 Saneamento Básico Cobertura de domicílios por rede de água (% ligação a rede geral) 81,96 82,52 82,23 82,32 83,21 83,32 Cobertura de domicílios por rede de esgoto (% ligação a rede geral) 46,46 47,97 48,03 48,24 48,47 51,33 Coleta de lixo (% de domicílios com coleta direta) 76,50 78,16 77,18 78,77 79,61 79,93 Telecomunicações Telefones em serviço por 100 habitantes (teledensidade) 42,90 48,30 58,70 68,10 73,90 84,30 Teledensidade fixa em serviço (por 100 hab) 22,60 22,20 22,10 21,50 20,70 20,70 Teledensidade celular (acessos por 100 hab) 20,30 26,20 36,60 46,60 53,20 63,60 TV por Assinatura (100 dom) 7,70 7,60 7,90 8,30 8,90 10,20 Conexões Banda Larga (milhares) 692,0 1236,0 2299,0 3856,0 5656,0 7718,0 Evolução do acesso à internet banda larga (milhares) ADSL TV por assinatura Outros Energia Capacidade instalada geração (mil MW) 82,46 86,51 90,73 93,16 96,63 - Consumo energia elétrica (GWh) 289,87 300,99 317,43 335,92 347,31 370,37 Reservas provadas de petróleo (bilhões barris) 9,80 10,60 11,24 11,77 12,18 11,41 Produção de petróleo (média milhões barris/dia) 1,39 1,54 1,56 1,77 1,88 1,89 1,92 (junho) Crescimento anual do parque gerador - pot. inst. (MW) 4638, , , , , ,00 Taxa de interrupção DIPC (horas/ano)* 2,26 1,53 1,53 1,03 0,81 0,58 FIPC (vezes/ano)** 2,03 1,41 1,04 0,80 0,75 0,55 Acréscimo anual de linhas de transmissão à rede básica (Km) 2437, , , , ,50 995,40 Preços componentes do IPCA Taxa de água e esgoto (variação %) 9,48 21,00 10,41 13,42 4,99 4,82 6,29 (acumulado em setembro) Energia Elétrica (variação %) 19,88 21,37 9,63 8,07 0,27-6,16 0,35 (acumulado em setembro) Comunicações 11,27 18,69 13,91 6,45-0,24 0,69 1,48 (acumulado em setembro) Ônibus intermunicipal 7,79 18,96 4,84 12,35 8,87 4,20 3,26(acumulado em setembro) Avião 54,65 7,20 6,03 28,10-9,62 3,12 8,58(acumulado em setembro) * Duração da interrupção no ponto de controle **Frequência de interrupção no ponto de controle *** Dados preliminares 1 Evolução do transporte de passageiros por ligação, inter-regional e regional

9 Especial: França Evolução das Exportações Brasileiras para a França e Participação nas Exportações Totais (US$ bilhões - %) US$ Bilhões 4,5 4,0 3,5 3,0 2,5 Exportação FOB (US$ bilhões) % Exportações França/exportações totais % 3,5% 3,0% 2,5% 2,0% 2,0 1,5 1,0 0,5 1,5% 1,0% 0,5% 0, ,0% Fonte: MDIC Evolução das Importações Brasileiras da França e Participação nas Importações Totais (US$ bilhões - %) US$ Bilhões 5,0 4,5 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 Importação FOB (US$ billhões) % Importações França/importações totais % 4,5% 4,0% 3,5% 3,0% 2,5% 2,0% 1,5% 1,0% 0,5% 0, ,0% Fonte: MDIC

10 Especial: França Distribuição por setor do IDE francês (estoque %) Produtos químicos 10,6% Produtos de minerais não-metálicos 5,6% Metalurgia básica 5,9% Produção de veículos automotores 4,9% Máquinas e equipamentos 2,8% IDE total francês em 2000: US$ 6,93 bi Comércio por atacado e intermediários 14,5% Produtos alimentícios 11,6% Extração minerais não-metálicos 1,8% Intermediação financeira 14,5% Outros 8,1% Limpeza urbana 1,5% Eletricidade, gás e água quente 3,8% Comércio varejista 6,7% Serviços voltados às empresas 7,3% Fonte: BCB - Censo de Capitais Estrangeiros - Período-Base 2000 Evolução dos Ingressos de IDE da França no Brasil e sua participação no IDE total (fluxos 2003-jan-fev09, US$ bilhões e %) US$ Bilhões 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0,0 IDE da França no Brasil Participação dos IDE da França no Brasil no IDE total Jan-Fev 09 % 8,0 7,5 7,0 6,5 6,0 5,5 5,0 4,5 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0,0 Fonte: BCB Elaboração Pezco

11 Imprensa Transporte Aéreo: Economia e Políticas Públicas O lançamento do livro Transporte Aéreo: Economia e Políticas Públicas, do professor Alessandro Oliveira, foi noticiado em vários portais, incluindo a página da Força Aérea Brasileira, a home page do ITA - Instituto Tecnológico de Aeronáutica e a da ABETAR - Associação Brasileira das Empresas de Transporte Aéreo Regional. Além disso, o portal Meio Aéreo organizou um concurso que irá premiar a melhor resposta dada à questão "O que falta e o que sobra no setor de transporte aéreo brasileiro?" com um exemplar do livro TAEPP. Também o portal Aviation Online publicou uma matéria acerca do livro em sua seção de lançamentos de livros da área. Assim como os blogs Direto da Pista e Data Infra e o portal Fator que, da mesma maneira, fizeram a divulgação do livro. Já o Dr. Martín F. Real de Azúa, assessor aeronáutico do ministro de Turismo e Esporte do Uruguai apontou que "...estoy seguro que el libro es una verdadera joya del Derecho Aeronáutico... " A Pezco Editora também recebeu solicitação de material por parte de professores de várias partes do país, de instituições como Universidade Católica de Goiás (UCG), Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade de São Paulo (USP), Fundação Getúlio Vargas (FGV), entre outras, a fim de que possam utilizá-lo em seus cursos. A reação até o momento já indica que o livro do professor Alessandro está rapidamente se tornando a principal referência para o entendimento do transporte aéreo brasileiro. Abaixo, as fotos do evento de lançamento do livro, ocorrido no dia 24/04: Lançamento na Livraria Cultura/ Shopping Bourbon Natalia dos Santos (assessora especial da Anac) e Alessandro Oliveira Solange Vieira (presidente da ANAC) e Alessandro Oliveira Apostole Lazaro Chyssafidis (presidente da Abetar) e Alessandro Oliveira

12 PEZCO é uma empresa de consultoria econômica brasileira. Somos economistas e estamos associados a advogados, administradores de empresas, engenheiros e outros profissionais. Reunimos a expertise necessária para a análise econômica multidisciplinar, imparcial e de excelência. A equipe e nossos associados/consultores se destacam pela formação acadêmica, experiência e responsabilidade com relação a aspectos como: prazos, confidencialidade e coerência de teses. Nossa visão é a de colaborar com decisões de negócios pró-competitividade e influenciar o desenho de ações econômicas, políticas e regulatórias efetivas, promotoras de bem-estar social. TERMO DE EXONERAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Este documento tem como objetivo servir de base para a discussão de elementos do ambiente econômico e setorial, através da compilação de informações e exposição de análises e de pontosde-vista. Tomamos os melhores cuidados com a confiabilidade das informações e de suas fontes, mas não podemos garantir a exatidão das mesmas ou das análises realizadas sobre elas. Todas as informações aqui contidas a título de "projeção" ou "previsão" se referem a análises com base em elementos e tendências atuais, cujos pressupostos podem mudar significativamente ao longo do tempo. A Pezco Pesquisa e Consultoria Ltda e a Pezco Editora e Desenvolvimento Ltda não se responsabilizam por decisões tomadas com base neste relatório. Tanto Pezco quanto seus eventuais colaboradores e consultores, bem como convidados que figuram neste relatório, podem manter posições em ativos mencionados neste documento, bem como podem estar participando ou ter participado de projetos de consultoria/assessoria relacionados a organizações e pessoas aqui mencionadas. Os profissionais que figuram neste documento não são, necessariamente, vinculados a Pezco em qualquer aspecto. Ainda, no caso deste conteúdo ser distribuído no âmbito de contrato entre Pezco e Internet Securities do Brasil Ltda (Grupo Euromoney), a Pezco garante ter os direitos de utilização econômica e/ou autorais relativos a este material, ou autorização, exceto aqueles dados que estiverem em domínio público. Se o documento foi recebido por engano, ou se não deseja mais recebê-lo, queira responder à mensagem eletrônica com ordem de interrupção do envio como "excluir", ou enviar com esta solicitação para Este documento não se destina a oferecer ou solicitar compra ou venda de quaisquer bens ou serviços. Este relatório também está disponível em: Instante é uma newsletter semanal de temas econômicos, incluindo conjuntura macroeconômica, questões setoriais, infra-estrutura, concorrência e regulação. Produzida pela Pezco, é distribuída a um mailling selecionado e através de contrato firmado pela Pezco com Euromoney, plataforma Internet Securities. Sua solicitação pode ser realizada por meio do endereço Edições anteriores PEZCO PESQUISA & CONSULTORIA LTDA R. Dr. Neto de Araújo, 320 cj Vila Mariana São Paulo-SP Telefone: +55 (11) Website:

Instante. 23 a 27 de novembro de 2009 N o 70

Instante. 23 a 27 de novembro de 2009 N o 70 Instante Foco: Empresas júnior: aliando educação e oportunidades A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até

Leia mais

Instante. 12 a 18 de outubro de 2009 N o 64. Tel/fax: +55 11 3582 5509

Instante. 12 a 18 de outubro de 2009 N o 64. Tel/fax: +55 11 3582 5509 Instante Foco: Copa, Olimpíadas e Neve A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2010 e indicadores selecionados

Leia mais

11 a 15 de janeiro de 2010 Nº76

11 a 15 de janeiro de 2010 Nº76 Instante Foco: Transição Nutricional no Brasil: alterações do padrão alimentar e do estado nutricional da população A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade,

Leia mais

Instante. 01 a 07 de setembro de 2008 N o 6. Clipping: Descolamento? Não Exatamente. São José dos Campos

Instante. 01 a 07 de setembro de 2008 N o 6. Clipping: Descolamento? Não Exatamente. São José dos Campos Instante Foco: O Leste Asiático no Brasil. Só uma febre amarela? A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até

Leia mais

18 a 22 de janeiro de 2010 Nº77

18 a 22 de janeiro de 2010 Nº77 Instante Foco: Pequenas, apenas A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2010 e indicadores selecionados

Leia mais

Instante. 4 a 10 de agosto de 2008 N o 2. São José dos Campos Alessandro V. M. Oliveira a.v.m.oliveira@pezco.com.br

Instante. 4 a 10 de agosto de 2008 N o 2. São José dos Campos Alessandro V. M. Oliveira a.v.m.oliveira@pezco.com.br Instante Foco: a Econometria e o preço dos alimentos A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2010, com

Leia mais

22 a 26 de fevereiro de 2010 Nº81

22 a 26 de fevereiro de 2010 Nº81 Instante Foco: Os benefícios da Copa no Brasil A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2011 e indicadores

Leia mais

01 a 05 de fevereiro de 2010 Nº79

01 a 05 de fevereiro de 2010 Nº79 Instante Foco: Reduzir custos a qualquer custo custa caro A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2010

Leia mais

Instante. 31 de maio a 4 de junho de 2010 Nº95

Instante. 31 de maio a 4 de junho de 2010 Nº95 Instante Foco: Plano Nacional de Banda Larga: onde está a Anatel? A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até

Leia mais

Instante. De 21 a 25 de Fevereiro de 2011 Nº128. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509

Instante. De 21 a 25 de Fevereiro de 2011 Nº128. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509 Instante Foco:Cursos online: Fazer ou não fazer? Eis a questão... A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até

Leia mais

Instante. 22 a 28 de junho de 2009 N o 48. Tel/fax: +55 11 3582 5509

Instante. 22 a 28 de junho de 2009 N o 48. Tel/fax: +55 11 3582 5509 Instante Foco: Saneamento básico: boas perspectivas, mas muitos desafios! A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico

Leia mais

Instante. 21 a 25 de junho de 2010. Porto Alegre Jorge Luiz Dietrich dietrich@pezco.com.br. Rio de Janeiro Yann Le Boulluec Alves yannlba@pezco.com.

Instante. 21 a 25 de junho de 2010. Porto Alegre Jorge Luiz Dietrich dietrich@pezco.com.br. Rio de Janeiro Yann Le Boulluec Alves yannlba@pezco.com. Instante Foco:Apesar do PIB em Alta os Desafios para Universalizar o Saneamento Continuam A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo

Leia mais

Instante. 16 a 20 de novembro de 2009 N o 69

Instante. 16 a 20 de novembro de 2009 N o 69 Instante Foco: O grande desafio do Brasil A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2010 e indicadores selecionados

Leia mais

Instante. 3 a 7 de maio de 2010 Nº91

Instante. 3 a 7 de maio de 2010 Nº91 Instante Foco: A neutralidade de redes na França A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2011 e indicadores

Leia mais

Instante. De 28 de Fevereiro a 04 de Março de 2011 Nº129

Instante. De 28 de Fevereiro a 04 de Março de 2011 Nº129 Instante Foco:Sustentabilidade e gestão Caso Sabesp A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2012 e indicadores

Leia mais

Instante. 16 a 21 de fevereiro de 2009 N o 30. São José dos Campos. Frederico Araujo Turolla fredturolla@pezco.com.br

Instante. 16 a 21 de fevereiro de 2009 N o 30. São José dos Campos. Frederico Araujo Turolla fredturolla@pezco.com.br Instante Foco: Crise econômica, federação e responsabilidade fiscal A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico

Leia mais

Instante. De 13 a 17 de Dezembro de 2010 Nº 123. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509

Instante. De 13 a 17 de Dezembro de 2010 Nº 123. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509 Instante Foco: Londres e o investimento direto criativo A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2011 e

Leia mais

Instante. 26 a 30 de julho de 2010 Nº103

Instante. 26 a 30 de julho de 2010 Nº103 Instante Foco:O Comércio Exterior Brasileiro e a Introdução do Conceito de Regime Fiscal Privilegiado A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços,

Leia mais

Instante. De 18 a 22 de Julho 2011 Nº147. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509

Instante. De 18 a 22 de Julho 2011 Nº147. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509 Instante Foco: A arte da ilusão A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2012 e indicadores selecionados

Leia mais

Instante. De 03 a 07 de Outubro 2011 Nº158. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509

Instante. De 03 a 07 de Outubro 2011 Nº158. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509 Instante Foco: Regulação Econômica, Competição, Inovação e Investimentos A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Instante. De 31 de Janeiro a 04 de Fevereiro de 2011 Nº125

Instante. De 31 de Janeiro a 04 de Fevereiro de 2011 Nº125 Instante Foco: Neutralidade de Rede:uma análise concorrencial da discriminação de conteúdo e aplicativos pelo detentor de rede de internet banda larga. A semana: desempenho do mercado e calendário econômico

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro Monitor do Déficit Tecnológico Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro de 2012 Monitor do Déficit Tecnológico de 2012 1. Apresentação

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio Panorama Econômico 04 de Maio de 2015 Sumário Principais Fatos da Semana 1 Economia EUA 2 Economia Brasileira 3 Índices de Mercado 5 Calendário Semanal 5 Acompanhamento Principais Fatos da Semana Nos Estados

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Juros caem em semana de forte ingresso de capital estrangeiro no mercado;

Juros caem em semana de forte ingresso de capital estrangeiro no mercado; 31-mar-2014 Juros caem em semana de forte ingresso de capital estrangeiro no mercado; Dólar se deprecia 2,7% na semana, influenciado por entrada de fluxo positivo; Ibovespa sobe 5,0% na semana, se aproximando

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

Evitar a recessão no Brasil

Evitar a recessão no Brasil Evitar a recessão no Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Federação Nacional dos Engenheiros - FNE São Paulo, 12 de Março de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A economia brasileira Comércio,

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL Agosto

TÓPICO ESPECIAL Agosto Jan-94 Dec-94 Nov-95 Oct-96 Sep-97 Aug-98 Jul-99 Jun-00 May-01 Apr-02 Mar-03 Feb-04 Jan-05 Dec-05 Nov-06 Oct-07 Sep-08 Aug-09 Jul-10 Jun-11 May-12 Apr-13 Mar-14 Feb-15 Mar-10 Jul-10 Nov-10 Mar-11 Jul-11

Leia mais

Brasil Transacções Comerciais & Financeiras

Brasil Transacções Comerciais & Financeiras Pq do Ibirapuera, São Paulo/ SP Brasil Transacções Comerciais & Financeiras Banco Caixa Geral Brasil S.A. /Grupo Caixa Geral de Depósitos Out/2009 A Economia Brasileira 2 A Economia Brasileira SEDE BCG-Brasil:

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Retornos % Dia % Mês % Ano PREFIXADO IDkA Pré 2A 3.117,66 0,2326 0,0484 2,2339 IPCA IDkA IPCA 2A 3.361,41 0,0303 1,1342 4,33

Retornos % Dia % Mês % Ano PREFIXADO IDkA Pré 2A 3.117,66 0,2326 0,0484 2,2339 IPCA IDkA IPCA 2A 3.361,41 0,0303 1,1342 4,33 RENDA VARÍAVEL O Ibovespa principal indicador da bolsa de valores brasileira fechou o mês de março em queda (-0,84%). A Bovespa segue bastante vulnerável em meio à desaceleração econômica e a mudança de

Leia mais

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015 Petrobras, Poupança e Inflação 16 de Abril de 2015 Tópicos Poupança e Cenário Econômico Petrobras Fundos Poupança e Cenário Econômico Caderneta de Poupança 1990: Data do confisco:16 de março de 1990. Cenário

Leia mais

Instante. 5 a 9 de abril de 2010

Instante. 5 a 9 de abril de 2010 Instante Foco: Crédito no Brasil Errata: Só Temos a ganhar. Leia o artigo na íntegra. Por problemas técnicos, o texto foi publicado incompleto. A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Atividade econômica mostra reação nos EUA. No Brasil, o PIB contraiu abaixo do esperado. Nos EUA, os dados econômicos mais recentes sinalizam que a retomada da atividade

Leia mais

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho

O cenárioeconômicoe as MPE. Brasília, 1º de setembro de 2010. Luciano Coutinho O cenárioeconômicoe as MPE Brasília, 1º de setembro de 2010 Luciano Coutinho O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira pode crescer acima de 5% a.a. nos próximos cinco

Leia mais

Focus - Relatório de Mercado

Focus - Relatório de Mercado Inflação nos próximos 12 meses suavizada Mediana - agregado IPCA (%) 6,30 6,04 6,00 (1) IGP-DI (%) 5,80 5,66 5,61 (2) IGP-M (%) 5,79 5,79 5,68 (2) IPC-Fipe (%) 5,33 5,11 4,98 (2) * comportamento dos indicadores

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Crise e respostas de políticas públicas Brasil

Crise e respostas de políticas públicas Brasil Crise e respostas de políticas públicas Brasil Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 08 de setembro de 2009 Situação

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 28 JUNHO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 28 JUNHO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO NÚMERO 28 JUNHO DE 21 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A divulgação do crescimento do PIB no primeiro trimestre desse ano, além de revelar uma taxa

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

Março de 2012. Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior. Destaques dos Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil

Março de 2012. Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior. Destaques dos Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil Março de 2012 Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior Retorno do Investimento Brasileiro Direto Líquido se acentua no ano: Os dados apurados no mês de março, de US$ 5,0 bilhões, acentuaram

Leia mais

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE Cenários Macroeconômicos para 2014 Wellington Santos Damasceno ETENE Fortaleza CE 28/11/2013 Cenário Internacional Regiões e Países Selecionados Variação do PIB real (%) Fonte: World Economic Outlook Database,

Leia mais

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 1 Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 2 Agenda EUA: Fim dos estímulos em 2013? China: Hard landing? Zona do Euro: Crescimento econômico? Brasil: Deixamos de ser rumo de investimentos? EUA Manutenção de estímulos

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL

ECONOMIA INTERNACIONAL No mês de fevereiro foram divulgadas as estatísticas das principais economias mundiais. Cabe ressaltar ainda, o efeito negativo da crise na Ucrânia nos mercados internacionais, uma vez que o grau de tensão

Leia mais

Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social. Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008

Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social. Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008 Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008 Brasil consolida um mercado de consumo de massa e promove o surgimento de uma nova

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Macro Visão. Opinião Macroeconômica. China: rumo a um novo equilíbrio? Relatório Semanal de Macroeconomia

Macro Visão. Opinião Macroeconômica. China: rumo a um novo equilíbrio? Relatório Semanal de Macroeconomia Opinião Macroeconômica Macro Visão terça-feira, 8 de setembro de 2009 Relatório Semanal de Macroeconomia China: rumo a um novo equilíbrio? Na semana passada o Macro Visão destacou o aumento da participação

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

Taxas de juros domésticas cedem seguindo mercado de juros norte-americano; Apesar dos dados fortes de emprego nos EUA, dólar encerra semana em queda;

Taxas de juros domésticas cedem seguindo mercado de juros norte-americano; Apesar dos dados fortes de emprego nos EUA, dólar encerra semana em queda; 05-mai-2014 Taxas de juros domésticas cedem seguindo mercado de juros norte-americano; Apesar dos dados fortes de emprego nos EUA, dólar encerra semana em queda; Ibovespa avançou 3,1% na semana, influenciado

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Informe Econômico N 3

Informe Econômico N 3 Conjuntura Econômica Gerente Legislativa: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista Legislativa: Cláudia Fernanda Silva Almeida Assistente Administrativa: Quênia Adriana Camargo Ferreira Estagiário: Tharlen

Leia mais

12 de setembro de 2014

12 de setembro de 2014 Capacidade de promover mudanças Para o rating brasileiro a recuperação econômica conduzida por investimento e o rígido cumprimento das metas de superávit primário entre 2% e 3% são essenciais. Por outro

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 A saúde suplementar no Brasil cresceu consistentemente nos últimos anos e o país ocupa lugar de destaque no cenário mundial.

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

Boletim Regional Florianópolis

Boletim Regional Florianópolis Boletim Regional Florianópolis Carlos Hamilton Araújo Novembro de 2014 Índice I. Introdução II. Inferências Nacionais III. Região Sul IV. Santa Catarina V. Mercado de Crédito 2 I. Introdução 3 Missão do

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio SPX Capital Agosto 2013 Perspectivas Macroeconômicas Inflação acumulada em 12

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Inflação e Salários...Pág.3 Europa: Grexit foi Evitado,

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Primeiro trimestre registra US$ 12,1 bi em IED*

Primeiro trimestre registra US$ 12,1 bi em IED* São Paulo, 29 de abril de 2015 Março de 2015 Primeiro trimestre registra US$ 12,1 bi em IED* No primeiro trimestre de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil registraram um total

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

Em 2014, IED registra queda de 2,3%

Em 2014, IED registra queda de 2,3% São Paulo, 04 de fevereiro de 2015. Dezembro de 2014 Em 2014, IED registra queda de 2,3% O total de investimentos estrangeiros diretos (IED) que ingressou no Brasil em 2014 foi de US$ 62,5 bilhões, uma

Leia mais

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 07 de Outubro de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A

Leia mais

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia Metodologia 1 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Considerações gerais O PIB mensal é um índice de acompanhamento da economia paulista e tem como propósito principal oferecer uma visão

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA O Índice de Preços ao Consumidor da Classe Média de Curitiba - IPC-FAE, medido

Leia mais

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Clique para editar o estilo do subtítulo mestre PMI Emergentes vs. PMI Desenvolvidos Global JP Morgan: PMI composto, manufatura e serviços sa ESTADOS UNIDOS EUA: PMI composto, manufatura e serviços sa

Leia mais