UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PÓS GRADUAÇÃO MBA EM AUDITORIA E PERÍCIA CONTÁBIL FERNANDO FARIA DE LIMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PÓS GRADUAÇÃO MBA EM AUDITORIA E PERÍCIA CONTÁBIL FERNANDO FARIA DE LIMA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PÓS GRADUAÇÃO MBA EM AUDITORIA E PERÍCIA CONTÁBIL FERNANDO FARIA DE LIMA AUDITORIA INTERNA COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO FATURAMENTO E DA GESTÃO FINANCEIRA: UM ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE UBERLÂNDIA UBERLÂNDIA 2009

2 FERNANDO FARIA DE LIMA AUDITORIA INTERNA COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO FATURAMENTO E DA GESTÃO FINANCEIRA: UM ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE UBERLÂNDIA Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) apresentado como requisito parcial para a obtenção do grau de especialista em MBA Auditoria e Perícia pela Faculdade de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Uberlândia UFU. Orientador: Prof. Ms.Vidigal F. Martins Co-Orientadora: Profª. Ms. Vânia A. da Rocha UBERLÂNDIA 2009

3 3 1. INTRODUÇÃO 1.1 Contextualização As organizações estão passando por um processo de reestruturação produtiva decorrente das transformações sociais, econômicas, políticas e culturais em curso na sociedade contemporânea. Configura-se a necessidade de certo nível de competitividade atual e futuro. Estudos de KAPLAN (1997) revelam que durante a era industrial, o sucesso das organizações estava determinado pela maneira como elas se apresentavam frente aos benefícios de economias de escala e escopo. Neste período, a maneira como as organizações incorporavam novas tecnologias aos ativos físicos permitia a produção em massa eficiente de produtos padronizados. Atualmente, as organizações não conseguem obter vantagens sustentáveis apenas com a rápida alocação de novas tecnologias e ativos físicos, pois se vive na era da informação. Segundo KAPLAN (1997), o impacto da era da informação torna-se mais revolucionário para as empresas de serviços do que para as indústrias. Muitas empresas de serviços, entre as quais as dos setores de comunicação, financeiro e assistência médica, conviveram durante muitos anos com um confortável ambiente não competitivo, pois o governo protegia as empresas deste setor contra possíveis entrantes mais competitivos. A partir, principalmente de 1990, o mercado mundial de serviços passa por uma desregulamentação e privatização de empresas. Portanto, com esta mudança de cenário, os gerentes das organizações de serviços devem ter uma nova postura gerencial e a informação de custos juntamente com a melhoria de processos será essencial para se obter bons resultados econômicos da organização. Os gestores por serviços precisam avaliar quais são as questões-chave no gerenciamento de uma organização de serviços e compreender a natureza da concorrência emergente na nova economia de serviços. Desta forma é imprescindível o conhecimento do ambiente interno e através de um gerenciamento eficiente e bem controlado, será possível melhorar os resultados da organização. Na área hospitalar, percebe-se uma grande complexidade nos processos empresariais, neste sentido o controle interno deve ser fortalecido de forma contínua. Estas organizações empregam grande número de profissionais especializados oferecendo serviços com alto grau de especialização. Desempenha ao mesmo tempo o papel de hotel, centro de tratamento, laboratório e universidade. Esta evolução requer um grande desafio para os gestores, pois à

4 4 medida que os hospitais passam por um processo de modernização, torna-se necessário modernizar as técnicas de administração hospitalar, pois recursos de produção se inovam com o desenvolvimento tecnológico, embora se tornem escassos, uma vez que a demanda pelo serviço é alta; portanto, precisam ser administrados de forma eficiente e bem controlados. Neste sentido surge a auditoria para contribuir no processo de melhoria, pois se trata de uma avaliação sistemática e formal de uma atividade, por alguém não envolvido diretamente na sua execução, para determinar se essa atividade está sendo levada a efeito de acordo com seus objetivos (KURCGANT, 1991). Possari (2005) afirma que nos dias atuais a palavra auditoria vem sendo bem difundida e empregada nas instituições de saúde, que têm se preocupado em utilizá-la na prática, de forma contínua em suas organizações, a fim de garantir a qualidade dos serviços prestados a seus clientes. Diante do exposto, o objetivo desse trabalho foi demonstrar os ganhos econômicos obtidos a partir da implantação do processo de Auditoria Interna no Hospital de Clínicas de Uberlândia. Metodologicamente, a presente pesquisa caracterizou-se como um estudo exploratório com o objetivo de proporcionar visão geral sobre os ganhos obtidos após a implantação do processo de Auditoria Interna no Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia. Quanto ao tipo de pesquisa, foi realizado o levantamento bibliográfico e documental sobre o assunto em paralelo a coleta de dados empíricos. 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1. Serviços de Saúde no Brasil A atividade hospitalar de acordo com Maudonnet (1988) tem sido comprovada sua presença nos mercados da Babilônia, no Egito e na Grécia antigos, na Índia (226 a.c) e Ceilão (437 a.c). Já na era cristã, o concílio de Nicéia em 325, determinou que os bispos criassem hospitais junto às catedrais de cada cidade, destinados ao atendimento dos destituídos de meios, aos peregrinos fatigados e àqueles enfermos privados de esperança de cura. Durante toda a Idade Média funcionou um grande número desses estabelecimentos por toda a Europa, incluídos no sistema monástico, atendendo aos doentes em nome da caridade cristã (Mascarenhas, 1976). O primeiro registro desta revolução histórica, dentro sistema hospitalar brasileiro e também da América do Sul, está a Santa Casa de Misericórdia de Santos, fundada em 1543 por Braz Cubas (Borba, 1985). Esta forma de atenção à saúde, naquela época, estava

5 5 intimamente ligada à atividade religiosa, baseada em costumes europeus. Os hospitais eram organizações beneficentes, administradas por entidades religiosas, onde a atividade de prestar assistência era compartilhada com a religiosa (BITTENCOURT, 1999). Os hospitais de beneficência têm sua origem na contribuição dos imigrantes, que distribuíam entre si os custos de construção e manutenção de casas de saúde, garantindo aos membros de suas colônias o atendimento médico e hospitalar de que precisavam (SIQUEIRA, 1985). Provavelmente o modelo assistencial brasileiro nos primeiros tempos da colonização foi influenciado pelo Regimento das Capelas e dos Hospitais, da Renascença Portuguesa, que instituía a Confraria da Misericórdia. A criação das primeiras vilas da colônia era freqüentemente acompanhada das Misericórdias e já no início do Século XVII quase todas as capitanias possuíam casas de misericórdia (GUIMARÃES apud Siqueira 1985). A primeira incursão do Estado na assistência à saúde se deu para atender às forças armadas, ou porque não existiam hospitais nas cidades centros de tropas ou porque as Santas Casas não estavam adequadas àquele atendimento (SIQUEIRA, 1985). A assistência aos pobres, realizada predominantemente nas Santas Casas, custeadas por entidades filantrópicas, paulatinamente se incorpora à responsabilidade do Estado, que assume os grupos em função de sua posição e importância no processo produtivo (SIQUEIRA, 1985). Na área hospitalar, as teorias das organizações explicam e auxiliam administradores na gestão dessas organizações. As entidades hospitalares sofreram influências diretas da forma de organização do sistema de saúde (MEDICI, 1997, p. 21). O modelo assistencialista, adotado até meados do século XIX, caracterizava-se pelas ações de saúde financiadas por recursos fiscais e doações. Esse modelo foi gradativamente sendo substituído pelo previdencialista, com o fortalecimento dos processos de industrialização e o crescimento na classe assalariada, passando a empregar recursos das contribuições sociais sobre folha de pagamentos BITTENCOURT (1999, p. 49) A partir da segunda metade do século XX, esses modelos vão se mesclando e progressivamente buscando reduzir as brechas de cobertura e garantir acesso a todos, formando um modelo universalista. É formada uma diversidade de tipos organizacionais privadas (com e sem fins lucrativos), públicas, especializadas e universitárias. Todas com um problema em comum: a escassez de recursos e a elevação dos custos. Crescem as preocupações sobre a gerência, na expectativa de melhores desempenhos, agilidade e diferenciação assistencial (CASTELAR, apud BITTENCORT, 1999, P. 45).

6 Segundo MACHLINE ( 1983, p:20) No século XX, o hospital amplia suas fronteiras, servindo a toda a comunidade. (...) O hospital moderno é uma organização completa; que incorpora o avanço dos conhecimentos, de aptidões, da tecnologia médica e dos aspectos finais desta tecnologia representados pelas instalações de equipamentos. (...) Ele emprega grande número de profissionais especializados oferecendo serviços com alto grau de especialização. (...) Desempenha ao mesmo tempo o papel de hotel, centro de tratamento, laboratório e universidade. Segundo Borba (1985, p: 49) O objetivo do hospital moderno deve ser o diagnóstico e o tratamento precoce das doenças, através de cuidados clínicos, cirúrgicos e especiais que facilitem a reabilitação física, mental e social do paciente. Nenhum hospital pode ser considerado moderno sem contar com uma equipe eficientemente preparada para o cumprimento destes propósitos e objetivos. Diante esta afirmação, para atender os requisitos de modernidade dos hospitais, é necessário uma equipe especializada, equipamentos com tecnologia avançada, e tudo isso deve estar bem estruturado, para atender uma alta demanda pelos serviços Modelos de Financiamento Segundo Couttolenc (1998), para entender o papel da gestão financeira na prestação de serviços de saúde, é útil recorrer a uma analogia com a produção de bens materiais, para em seguida identificar o que diferencia os serviços de saúde. Como qualquer empresa produtora de bens e serviços, um prestador de serviços de saúde público ou privado pode ser visto como uma entidade transformadora de recursos: ela utiliza os recursos físicos, humanos e tecnológicos de que dispõe (ou que obtém) para produzir serviços de saúde que, por sua vez, são entregues à população, seja gratuitamente ou contra pagamento. Os serviços de saúde são produzidos pela utilização de insumos (ou recursos ou matérias-primas ) e entregues a um destinatário individual (o paciente) ou coletivo (a comunidade); no processo de produção de serviços de saúde entram insumos e sai um produto final, o serviço de saúde propriamente dito. Os insumos utilizados incluem recursos humanos, materiais médicos ou hospitalares, equipamentos e instalações e a tecnologia para operá-los; eles têm, necessariamente, um custo, mesmo que a unidade ou instituição que os utilize não realize nenhum desembolso direto por eles. Este custo pode ser ressarcido quando da entrega do serviço ao usuário (quando este paga ao prestador pelo serviço), coberto mediante algum sistema de prépagamento ou seguro (como é comum nos serviços privados puros, ou seja, aqueles não contratados pelo SUS), ou financiado por impostos ou contribuições arrecadados pelo poder público, como é o caso, no Brasil, da assistência à saúde no âmbito do SUS.

7 7 Qualquer que seja a forma de financiamento dos serviços, porém, esse custo existe e é arcado, em última instância, pela população, seja via pagamento direto ao prestador, prêmio de seguro ou mensalidade, ou via impostos e contribuições. A responsabilidade do prestador de utilizar esses recursos da melhor maneira possível, e de oferecer o melhor produto pelo preço que custa é, portanto, a mesma no setor público e no setor privado. Nos dois casos, os recursos são escassos, e deve-se fazer o melhor uso possível deles Modelo de Gestão Segundo Catelli (2001) gestão é o processo de decisão, baseado em um conjunto de conceitos e princípios coerentes entre si, que visa garantir a consecução da missão da empresa. O mesmo autor diz ainda que, administrar é planejar, organizar, dirigir e controlar recursos, visando atingir determinado objetivo e que gerir é fazer as coisas acontecerem e conduzir a organização para seus objetivos. De acordo com Davenport (1998) a gestão da informação trata-se de um conjunto estruturado de atividades que incluem o modo como as organizações produzem, obtêm, distribuem e usam a informação e geram o conhecimento, tendo nos recursos tecnológicos o instrumento facilitador desse processo. A gestão de informação, nas instituições de saúde, gera informatização nos processos de trabalho, gerando ganhos de produtividade e qualidade, trazendo benefícios à população, aos profissionais e aos gestores. No que se refere à gestão da qualidade; para Deming (1982), a qualidade seria representada pela melhoria contínua de produtos e processos, visando à satisfação dos clientes. Na área da saúde, a gestão da qualidade visa superar, culturas e ambientes altamente resistentes a mudanças e engajar os profissionais da saúde, no ataque às causas de mau atendimento, erros, atrasos e desperdícios; apresentando resultados de melhorias de qualidade e produtividade alcançadas pelas equipes dos hospitais, na prestação do serviço Ferramentas de controle de Gestão A auditoria hospitalar tem se destacado como instrumento de fiscalização e controle mais adequado às necessidades de gerenciamento das informações no ambiente hospitalar, sendo considerada como uma área da empresa que fornece ao processo decisório o recurso da informação tempestiva, a veracidade para levar todos à ação, mantendo a qualidade na prestação do serviço Auditoria

8 8 A auditoria é um conjunto de procedimentos que visa validar o controle patrimonial de determinada empresa, com o objetivo de expressar uma opinião a respeito. Segundo Attie (1998, p.25), a auditoria é uma especialização contábil voltada para testar a eficiência e eficácia do controle patrimonial implantado com o objetivo de expressar uma opinião sobre determinado dado. A auditoria surgiu para exame dos investimentos provenientes do comércio marítimo da Inglaterra, e início do sistema capitalista. Com a evolução histórica e o crescimento das empresas e, conseqüentemente, ao aumento destes investimentos, surgiu a necessidade de verificar se os registros eram confiáveis. E isso deveria ser feito de forma independente, ou seja, com os olhos de quem não elaborou a informação, mas que possuísse o domínio de como fazê-lo. No Brasil a atividade se consolidou após a criação da CVM Comissão de Valores Mobiliários e a publicação da Lei das Sociedades Anônimas, em 1976, que passou a obrigar as companhias de capital aberto a serem auditadas por auditores independentes, registrados nesta comissão. O fato de a empresa não ser obrigada a ser auditada não impede que, a interesse da administração ou acionistas, seja contratada empresa de auditoria para validar as informações. Muitas organizações possuem esse costume com o objetivo de demonstrar mais transparências em sua atuação. Atualmente nota-se que cada vez mais, cresce o volume de transações entre fornecedor e cliente (no âmbito interno e externo à organização). As grandes corporações possuem políticas de investimento incorporadas a sua missão de crescimento continuado. Diante deste ambiente, o auditor deve atentar às normas e aos princípios que regem sua profissão, pois se o volume de operações é maior, logo, para validar essas informações, será preciso mais atenção do auditor no que se refere aos procedimentos de auditoria. Para que o trabalho seja eficiente, a auditoria deve ser planejada de forma que possibilite a execução das atividades de forma sistêmica, que possibilite atender aos objetivos propostos e aos prazos estabelecidos. Franco e Marra (2001, p.297) afirmam que ao se iniciar qualquer trabalho de auditoria, este deve ser cuidadosamente planejado, tendo em vista seu objetivo. O Conselho Federal de Contabilidade, através da Resolução CFC nº 700 estabeleceu as normas de execução dos trabalhos de auditoria. O auditor deve estar atento aos seguintes pontos: a) planejamento da auditoria; b) a relevância dos exames; c) o risco da auditoria; d) a supervisão e controle de qualidade; e) a análise do sistema contábil e dos controles internos; f) a forma de aplicação dos procedimentos de auditoria; g) a documentação através de papéis de

9 trabalho; h) a continuidade da entidade; i) a forma de aplicação dos testes de auditoria; j) os documentos que evidenciem os responsáveis pela informação, dentre outros. No exercício das atividades, será necessário efetuar verificação documental, obter evidências das informações, analisar e verificar a exatidão dos registros e adequações do controle interno. Para isso o auditor deve agir com independência, integridade, eficiência e confidencialidade. Segundo Attie (1998, p.32), A função da auditoria deve ser exercida em caráter de entendimento e que o trabalho executado tenha e mereça toda a credibilidade possível, não sendo permissível existir qualquer sombra de dúvida quanto à honestidade e aos padrões morais do auditor. A pessoa do auditor deve ser a de alguém com profundo equilíbrio e probidade, uma vez que sua opinião influenciará outras pessoas, principalmente em relação a interesses financeiros e comerciais que eventuais acionistas, proprietários, clientes e fornecedores, dentre outros, possam ter. Oliveira e Filho (2001, p.32) destacam que auditor interno deve ser independente, não podendo deixar-se influenciar por fatores estranhos, por preconceito ou quaisquer outros elementos materiais ou afetivos que resultem em perda, efetiva ou aparente, de sua independência. Ao final dos trabalhos, o auditor emitirá um relatório, destacando todos os pontos de auditoria, e o parecer. O parecer é a opinião do auditor sobre a propriedade dos dados analisado. Segundo a Resolução CFC nº 700, o parecer pode ser emitido: a) sem ressalva (quando o auditor se convence que as demonstrações expressam de forma fidedigna a real situação da empresa, conforme as normas aplicáveis); b) com ressalva (constatado que um ou mais registros estão incorretos, ou o auditor não obteve evidencias suficientes para a comprovação desses registros); c) adverso (quando o auditor constata que os registros não representam a exata posição patrimonial, não sendo suficiente o parecer com ressalva); ou d) com abstenção de opinião (se houver limitação de escopo, ou seja, o auditor não obtiver comprovação suficiente para fundamentar sua opinião). A Constituição Federal de 1988 dispõe no seu artigo 197 que, devido à relevância pública das ações e serviços de saúde, cabe ao poder público dispor, nos termos da Lei, sobre sua regulamentação, fiscalização e controle, devendo sua execução ser feita diretamente ou através de terceiros e, também, por pessoa física ou jurídica de direito privado. Em setembro de 1990, os hospitais universitários passaram a ser auditados periodicamente, pelo DENASUS (Departamento Nacional de Auditoria do SUS 1 instituído pela Lei n.º 8.080), que tem como missão realizar auditoria no SUS, contribuindo para qualificação da gestão, visando melhoria 9 1 Sistema Único de Saúde

10 10 da atenção e do acesso às ações e aos serviços de saúde". Dentre as sua atribuições, destaca-se a de auditar e fiscalizar a regularidade dos procedimentos técnico-científicos, contábeis, financeiros e patrimoniais praticados por pessoas físicas e jurídicas, no âmbito do SUS. Os hospitais universitários também são auditados pelo Ministério Público, atendendo à denúncias ou a critério da instituição Auditoria Interna O crescimento das empresas, o grande volume de transações, o número elevado de funcionários, a descentralização de responsabilidades, dentre outros, faz com que empresas de diversos segmentos busquem novas formas de controle e gestão dos negócios. Cada vez mais a Auditoria Interna está ganhando espaço junto à alta administração, no sentido de auxiliá-los a identificar problemas e sugerir correções. Segundo Attie (2007, p.05), Para que a auditoria seja aceita numa organização, é necessário que a empresa se tenha definido por uma política que vise à constituição de uma área de auditoria como um meio de fornecer aos administradores, em todos os níveis, informações para controlar as operações pelas quais tais administradores são responsáveis. Attie (2007, p.07) completa que o objetivo da Auditoria Interna é fornecer análise, avaliações, recomendações, assessoria e informações relativas às atividades examinadas aos membros da administração. Para tanto, faz-se necessário a identificação de todos os procedimentos e políticas da empresa, entender os sistemas contábeis e de controle interno. O trabalho do auditor interno se desenvolve no sentido de: a) entender o processo de construção da informação; b) verificar se a empresa age na legalidade, e se os sistemas estabelecidos atendem às políticas previamente estabelecidas pela empresa através de regulamentos; c) comprovar a existência real de ativos e identificar as formas de manutenção dos mesmos; d) verificar a eficiência na aplicação dos recursos; e) entender os planos pactuados e verificar se estão sendo executados de maneira coerente com o planejado; f) após a conclusão de determinado trabalho, verificar se foram respeitadas as recomendações. O auditor deve manter-se o mais independente possível no julgamento dos fatos constatados. Essa independência não é sempre completa, porque o auditor interno é um funcionário da empresa que depende financeiramente e recebe suporte na execução dos trabalhos. O ideal, é que o setor de auditoria esteja subordinado ao mais alto nível hierárquico, no sentido de evitar vícios no posicionamento dos auditores. Segundo Attie (2007, p.11), a meta do auditor interno é achar o maior grau de independência dentro das limitações existentes no seu mundo real, o que significa dizer que deve agir com imparcialidade, integridade e objetividade.

11 A Resolução do Conselho Federal de Contabilidade CFC 986/03 estabelece que, A Auditoria Interna compreende os exames, análises, avaliações, levantamentos e comprovações, metodologicamente estruturados para a avaliação da integridade, adequação, eficácia, eficiência e economicidade dos processos, dos sistemas de informações e de controles integrados ao ambiente e de gerenciamento de riscos, com vistas a assistir à administração da entidade no cumprimento de seus objetivos. A atividade de Auditoria Interna está estruturada em procedimentos com enfoque técnico, objetivo sistemático e disciplinado, e tem por finalidade agregar valor ao resultado da organização, apresentando subsídios para o aperfeiçoamento dos processos, da gestão e dos controles internos, por meio da recomendação de soluções para as não-conformidades apontadas nos relatórios. Segundo Cavalcanti (2003, p.29) para atender à administração da empresa, seria necessária uma auditoria mais periódica, com maior grau de profundidade e visando também às outras áreas não relacionadas com contabilidade. Sendo assim, entende-se que a Auditoria Interna trabalha no sentido de ver onde a administração não consegue enxergar sozinha, e assim, identifica problemas e aponta soluções de forma clara, concisa, objetiva e fundamentada. Preconiza a Resolução CFC 986/03 que o trabalho de Auditoria Interna deve ser planejado de forma a identificar os riscos de auditoria, os procedimentos aplicáveis com suas respectivas formas de aplicação, e o período demandado. Essa norma estabelece que: O planejamento do trabalho de Auditoria Interna compreende os exames preliminares das áreas, atividades, produtos e processos, para definir a amplitude e a época do trabalho a ser realizado de acordo com as diretrizes estabelecidas pela administração da entidade. Para Attie (2007, p.65), o planejamento permite a realização de exame adequado e eficiente, facilita o controle sobre o desenvolvimento do trabalho e sobre o tempo gasto nele, estabelece racionalmente a extensão dos diversos procedimentos de auditoria, e evita sobrecarga de trabalho. Marcelo (2003, p.154) afirma que planejar significa estabelecer metas para que o serviço de auditoria seja de excelente qualidade ao menor custo possível, ou seja, o planejamento permite programar a forma de execução dos trabalhos e mensurar os gastos para a obtenção do objetivo esperado. Ao auditor cabe a busca contínua de aprimoramento dos seus conhecimentos, sendo isto uma condição natural para o bom desempenho das funções. Uma capacitação adequada e contínua em programas de educação e treinamento possibilita que o profissional desenvolva seus trabalhos com eficiência e eficácia, contribuindo para o resultado positivo da empresa e para seu desenvolvimento pessoal. Conforme Perez Junior (2006, p.19) destaca, 11

12 Ao longo da carreira, os profissionais envolvidos com as atividades de auditoria devem receber treinamento formal e informal que, aliado à prática, confira a adequada competência para a execução dos trabalhos compatíveis com sua categoria profissional. A formação técnica do auditor é condição básica para a execução dos trabalhos; segundo as normas usuais, o auditor precisa conhecer: a) os princípios de administração; b) as normas e procedimentos na execução dos trabalhos; c) as técnicas e normas contábeis; d) sobre economia, finanças, impostos, direito; d) de sistemas de processamento eletrônico de dados; dentre outro conhecimentos. Segundo Attie (2007, p.146), o processo de auditoria é representado por um ciclo que gira em torno de uma afirmação. Após a afirmação é feito a análise, a avaliação e a obtenção de elementos comprobatórios, então é possível formar uma opinião a respeito. No entanto para se percorrer todo o ciclo, existem algumas técnicas utilizadas pelo auditor, são os chamados procedimentos de auditoria. Para que o auditor possa definir quais os melhores procedimentos a serem aplicados em cada caso, objetivando apurar provas concretas que lhe propiciem condições para opinar, deve levar em consideração a extensão, a profundidade e o momento certo para aplicação de determinado procedimento. Dentre os procedimentos de auditoria, Attie (2007, p.157) destaca como principais: a) exame físico, para verificar a existência física do objeto em análise; b) confirmação, para obter declaração formal e imparcial de pessoa independente à empresa referente fato em análise; c) exame documental, para constatação da efetiva transação; d) conferência de cálculos; e) exame da escrituração, para constatação da veracidade das informações contábeis; f) investigação minuciosa, voltado para aprofundar o exame em determinada matéria auditada; g) inquérito, que consiste na formulação de perguntas com o intuito de esclarecer fatos; h) exame dos registros auxiliares, para comprovação da fidedignidade dos registros principais; i) correlação das informações, identificado no sistema contábil de partidas dobradas; j) observação, que depende muito do conhecimento, experiência e senso crítico do auditor. Todo o trabalho do auditor deve ser formalizado através de papéis de trabalho, esses documentos são confidenciais, sendo o auditor o responsável pela guarda, pois servirão como suporte para a emissão de opinião e para a elaboração do relatório final de auditoria. Para Franco e Marra (2001, p.322) a principal finalidade dos papéis de trabalho do auditor é a de servir como base e sustentação da opinião do auditor. 12

13 2.7 Controle Interno O controle interno envolve as práticas da empresa na condução do seu negócio. Para Attie (2007, p.183), o controle interno é uma série de procedimentos bem definidos que, conjugados de forma adequada, asseguram a fluidez e a organização necessárias para a obtenção de algo palpável. Já Franco e Marra (2001, p.267) afirma ser o controle interno, Todos os registros, livros, fichas, mapas, boletins, papéis, formulários, pedidos, notas, faturas, documentos, guias, impressos, ordens internas, regulamentos e demais instrumentos de organização administrativa que formam o sistema de vigilância, fiscalização e verificação utilizado pelos administradores para exercer o controle sobre todos os fatos ocorridos na empresa e sobre todos os atos praticados por aqueles que exercem funções direta ou indiretamente relacionadas com a organização, o patrimônio e o funcionamento da empresa. Logo o controle interno compreende todos os meios para se alcançar os objetivos propostos pela empresa. O grande interesse em se ter um controle interno eficiente, pertence à administração, pois possibilita conhecer melhor a empresa, auxilia a tomada de decisão, através de bons resultados gerados expressos em relatórios confiáveis. No entanto, há que se verificar a relação custo/benefício da implantação de determinado controle, ou seja, é inviável o dispêndio de recursos para se implementar determinado controle que não trará retornos à administração. Um controle interno eficiente é aquele estabelecido por empresa que possua uma definição prévia das responsabilidades funcionais e segregação de função, além de sistemas adequados para o controle dos ativos, e pessoal com boa qualificação técnico-profissional no exercício de atribuições. O objetivo do controle interno é propiciar que os gestores tenham ferramentas, para gerir de forma eficiente as atividades da empresa e alcancem a eficácia no cumprimento de sua missão. Segundo Attie (2007, p.189), O controle interno tem quatro objetivos básicos: o a salvaguarda dos interesses da empresa; o a precisão e a confiabilidade dos informes e relatórios contábeis, financeiros e operacionais; o o estímulo à eficiência operacional; e o a aderência às políticas existentes. Conforme exposto, verifica-se que Auditoria Interna é diferente de Controle Interno. O Controle Interno representa um conjunto de ações voltadas para geração de uma informação confiável e para a condução eficiente das atividades da empresa. Já a Auditoria Interna, funciona como uma assessoria à administração, validando a adequação dos controles internos aos objetivos da organização, através de análises, avaliações, recomendações e comentários. 13

14 A Auditoria Interna identifica e sugere alterações e/ou correções que, se acatadas pela administração, serão implementadas no Controle Interno. 14

15 15 3. ESTUDO DE CASO 3.1 A Instituição e Forma de Organização O Hospital de Clínicas de Uberlândia (HCU) pertence à Universidade Federal de Uberlândia. Ele foi criado como unidade de ensino para o ciclo profissionalizante do curso de Medicina, da extinta Escola de Medicina e Cirurgia de Uberlândia. Inaugurado em 26 de agosto de 1970, o hospital iniciou suas atividades em outubro do mesmo ano com apenas 27 leitos. Trinta e oito anos após sua inauguração, o HCU se transformou no único hospital público de referência para média e alta complexidade, prestando atendimento para uma população de quase três milhões de pessoas de 86 municípios do Triângulo Mineiro e do Alto Paranaíba. Hoje com cerca de 500 leitos e mais de (três mil) funcionários, o hospital realiza por dia uma média de atendimentos, sendo o maior hospital prestador de serviço pelo Sistema Único de Saúde de Minas Gerais. A sua missão é desenvolver indissociavelmente e com qualidade, atividades nos níveis de graduação, pós-graduação e educação continuada; promover atividades de pesquisa, extensão, consultoria, administração e assistência a saúde; respeitar e subsidiar a elaboração de princípios constitucionais do sistema público de saúde; participar da rede de saúde macroregional como referência dos diferentes níveis de atenção, preferencialmente de maior complexidade. 3.2 Organograma Figura 1: Localização da Auditoria Interna na estrutura do Hospital de Clinicas Diretoria Geral Auditoria Interna Diretoria Clínica Diretoria Administrativa Diretoria de Enfermagem Gerência de Finanças Setor de Faturamento Fonte: Elaborado pelo Autor

16 16 A Auditoria Interna está subordinada apenas à mais alta hierarquia da instituição, fortalecendo sua independência, tendo respaldo para atuação nas diversas áreas do hospital, conforme demonstrado na Figura O Setor de Auditoria Interna O setor de Auditoria Interna do HCU tem como objetivos principais: a) atender todas as demandas de trabalhos de auditoria interna no âmbito hospitalar, solicitadas pela direção; b) acompanhar o cumprimento do Contrato de Metas pactuado com o SUS, mediado pelo gestor municipal; c) desenvolver modelos mais eficientes para controle e conferência das informações financeiras. Na gestão da qualidade dos serviços prestados, o setor procura atender todas as demandas de auditoria de forma satisfatória e tempestiva, conforme planejamento dos trabalhos. No que se refere à sua relação com o setor de faturamento hospitalar, atua no sentido de desenvolver modelos de controles, oferecer suporte na compilação dos dados, conforme as necessidades apresentadas, e posteriormente, verificar a aplicação dos mesmos, bem como sugerir melhorias. 3.4 O Setor de Faturamento Os objetivos principais do setor de Faturamento do HCU são: a) buscar dados dos prontuários médicos, transformando-os em informações para o faturamento hospitalar e ambulatorial; b) analisar consistência dos dados faturados dentro da ética e normas do SUS; c) promover treinamento, acompanhamento e integração com as áreas que geram os dados do faturamento; d) buscar a melhoria contínua dos processos de trabalho através da geração de idéias do grupo e compartilhamento das oportunidades de melhorias O Processo de Faturamento Os faturistas analisam todos os prontuários médicos dos pacientes que tiveram atendimento ambulatorial e/ou hospitalar, gerados dentro do mês de competência. O intuito é extrair o máximo de informações possíveis referente aos procedimentos realizados e que são passíveis de cobrança, de acordo com a legislação pertinente. Posteriormente é feita a entrada de dados nos sistemas de faturamentos fornecidos pelo SUS. Estes dados são enviados à Secretaria Municipal de Saúde (Gestor Municipal) que faz a sua consistência, validando-os

17 17 com informações cadastrais do hospital prestador (Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde), com habilitações para realização dos procedimentos, com compatibilidades entre procedimentos, dentre outros. Após a validação do faturamento, o gestor supre de informações: a) o Fundo Nacional de Saúde FNS que, por sua vez, efetua o repasse financeiro ao respectivo prestador; b) o prestador através dos relatórios de acompanhamento da produção aprovada e rejeitada; c) o DATASUS órgão responsável pela disseminação da informação de saúde no Brasil, conforme apresentado na Figura 2. Figura 2: Processo de Faturamento do Hospital de Clínicas HCU Entrada de Dados SMS Subsistemas de Administração da Tabela de Procedimentos DATASUS Base de dados Nacional Disseminação da Informação Relatórios: - Acompanhamento da Programação Físico-Orçamentária - Produção (Aprovado/Rejeitado) - Para Pagamento FNS - MS Efetua a remuneração pelos serviços de saúde Fonte: Elaborado pelo autor Relação Cliente/Fornecedor No desempenho de suas atividades o setor de faturamento necessita de recursos (insumos) e fornece produtos aos diversos setores, internos e externos, que possuem relação direta ou indireta na gestão dos recursos financeiros do hospital. A Tabela 1 demonstra os principais recursos necessários ao desempenho dos trabalhos e os respectivos fornecedores: Tabela 1 Fornecedor Insumos Secretaria Municipal de Saúde Guias para Autorização de Faturamento Hospitalar e Ambulatorial Setor de Almoxarifado Material de Escritório, Relatório de Material Consignado Setor de Alta Laudos das admissões de internações hospitalares Setor de Arquivo Prontuários para pesquisa de faturamento Setor de Bioengenharia Serviços de Manutenção de Equipamentos Setor de Estatística Relatórios de Produção Hospitalar e Ambulatorial Setor de Rec. Humanos Escala de Funcionários Setor de Tecnologia Suporte aos Sistemas de Informações Hospitalares Setor Nosologia Prontuários codificados com o CID após alta médica Fonte: Prontuário Gerencial - Setor de Faturamento

18 faturamento: A Tabela 2 demonstra os principais clientes e os produtos fornecidos pelo setor de Principais Produtos Relatórios de Faturamento, Relatórios de Acompanhamento Contrato de Metas, Levantamentos especializados de faturamento Tabela 2 Clientes Diretorias, Gerências, Secretaria Municipal de Saúde de Uberlândia, DATASUS, FNS, MEC, Setor de Estatística, Setor de Estatística, Setor de Regulação, Setor de Controladoria, etc. 18 Fonte: Prontuário Gerencial - Setor de Faturamento 3.5 Melhorias com a implementação do Setor de Auditoria Interna A atuação do Setor de Auditoria Interna junto ao Setor de Faturamento se pauta na perspectiva de fornecer melhores condições de trabalho, criar ferramentas de controle que permitam reduzir ao máximo o número de glosas (rejeições) nos procedimentos faturados, aperfeiçoar e ampliar o nível de informações na gestão dos recursos financeiros e acompanhamento do plano operativo pactuado com o gestor municipal (SMS). O Setor de Auditoria Interna foi criado no início do ano 2005, após a assinatura do primeiro contrato de metas com o gestor da saúde no município de Uberlândia. Com o passar do tempo, nota-se um aumento no nível e no volume de informações necessárias à gestão e a prestação de contas do convênio pactuado. Os diretores passaram a exigir informações mais detalhadas que demandaram um maior nível de controle de banco de dados que possibilitasse a extração de informações específicas. Nesse sentido, o setor de Auditoria Interna atua de forma extremamente importante no sentido de fornecer ferramentas para o controle do faturamento. Como o Sistema de Informações Hospitalares, não atende toda a necessidade de tabulação dos dados enviados e recebidos do gestor municipal, foram desenvolvidas diversas planilhas que possibilitaram o controle e a identificação de falhas no processo de faturamento. A atuação do setor de Auditoria Interna na implementação dos controles internos possibilitou ao setor de faturamento: a) Identificação antecipada dos valores faturados, separando os valores fixos (independe da quantidade de procedimentos realizada) e variáveis (valores de procedimentos que são recebidos por produção). Dessa forma foi possível identificar o real valor a ser recebido e programar antecipadamente a utilização dos recursos financeiros;

19 19 b) Elaboração de planilhas para a identificação dos valores aprovados e as rejeições do faturamento, possibilitando a reapresentação junto com o faturamento do mês seguinte; c) Identificação de inconsistências no Cadastro CNES para prevenção de glosas; d) Elaboração de planilhas para controle do faturamento ambulatorial e hospitalar. Estas planilhas possibilitam a avaliação da eficiência dos diversos centros de custos e o acompanhamento das metas físico-orçamentárias do Plano Operativo pactuado com o SUS; e) Elaboração de diversos relatórios financeiros para os clientes do setor de faturamento, conforme demanda; f) Redução dos controles manuais com a informatização do processo de controle do faturamento; g) Definição de responsabilidade na gestão da informação de faturamento através da segregação de funções. h) Aumento físico e financeiro no faturamento ambulatorial e hospitalar. Quanto ao item h, diversos fatores influenciaram na evolução do faturamento do Hospital de Clinicas de Uberlândia. Fatos como greve de servidores, períodos sazonais, reajustes na tabela de procedimentos SUS, etc. No entanto sabe-se que a melhor gestão dos controles de faturamento possibilitaram a redução de perdas de faturamento, além do aumento na quantidade de procedimentos faturados. Assim, impactaram de forma considerável o crescimento do faturamento, conforme demonstrado na Tabela 3: Ano Valor Hospitalar Faturado Valor Ambulatorial Faturado Valores Ambulatorias e Hospitalares Faturados , , , , , , , , , , , , , , ,63 Fonte: DATASUS Tabela 3 - Valores Faturados de 2004 a 2008

20 20 4. CONCLUSÃO A pesquisa confirmou a hipótese de que a Auditoria Interna possui um papel fundamental na avaliação e controle do faturamento, e na gestão financeira em hospitais universitários. Neste estudo constatou-se que após a criação do setor de Auditoria Interna, com foco direcionado especificamente para o controle financeiro do faturamento hospitalar, foi possível monitorar de forma mais eficiente as informações de faturamento, bem como fornecer melhores condições de trabalho, criando ferramentas de controle que possibilitem reduzir as perdas de faturamento e ampliar o nível de informação para uma adequada gestão dos recursos financeiros do hospital. A apropriada gestão dos recursos, possibilita aprimorar as condições de atendimento aos usuários dos serviços de saúde e a estrutura de ensino fornecidos pelos hospitais universitários. O controle interno bem estruturado permite aos gestores, saber se os serviços de saúde estão sendo realizados conforme a missão da instituição, e qual a contra partida aos altos custos hospitalares, ou seja, se todo o atendimento está sendo faturado e recebido. Desta forma, constata-se que o principal beneficiário desses resultados é a sociedade, que passa a contar com um melhor e mais amplo atendimento nas unidades de prestação de serviços de saúde.

XII CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL

XII CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL XII CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL AUDITORIA INTERNA COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO FATURAMENTO E DA GESTÃO FINANCEIRA: UM ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE UBERLÂNDIA

Leia mais

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES Alessandra Cristina Rubio¹ Josiane Marcacini Silva² RESUMO Thiago Silva Guimarães³ A auditoria interna é de suma importância para as organizações,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 Aprova a NBC T 12 Da Auditoria Interna. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil Ferramentas da Contabilidade Tipos de Auditoria Escrituração Contabilidade de Custos Análise das Demonstrações Contábeis Auditoria * Balanço Patrimonial -- BP, BP, Demonstração do do Resultado do do Exercício

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Aula Nº 12 Auditoria Externa

Aula Nº 12 Auditoria Externa Aula Nº 12 Auditoria Externa Objetivos da aula: Apresentar a atividade de auditoria externa (independente) como meio para aferir a eficiência dos controles e como ferramenta administrativa para validação

Leia mais

1- ORIGEM DA AUDITORIA E CONCEITOS BÁSICOS

1- ORIGEM DA AUDITORIA E CONCEITOS BÁSICOS 1- ORIGEM DA AUDITORIA E CONCEITOS BÁSICOS 1.1- Desenvolvimento Histórico da Auditoria no Mundo e no Brasil Termo auditor origem latina (aquele que ouve), origem inglesa (aquele que examina. O surgimento

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO 1 AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA Ezequiel Benjamin Dionisio 1 Marina Machado das Dores 2. RESUMO DIONISIO, Ezequiel Benjamin e DAS DORES, Marina Machado.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

Briefing Auditoria Médica ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE

Briefing Auditoria Médica ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE Paginas: 1/1 ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS ESPECIALIZADAS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AUDITORIA MÉDICA NAS DEPENDÊNCIAS DO HOSPITAL JAYME SANTOS NEVES 1 OBJETO

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos

A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos Torres RS 9 de julho de 2015. Mário Kemphel da Rosa Mário Kemphel

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria i Professor Marcelo Aragão Trabalhos de outros auditores ou especialistas Complexidade das transações Volume das transações Áreas importantes

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

Controle Interno se refere a procedimentos de organização adotados como planos permanentes da entidade.

Controle Interno se refere a procedimentos de organização adotados como planos permanentes da entidade. Julio Cesar Medeiros Pasqualeto Contador, com 27 de experiência. Pós Graduado em Finanças pela FGV /RJ e Mestrando em Controladoria/Finanças pela Unisinos/RS. Membro CTNC ABRAPP e ANCEP, Membro do Conselho

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

AUDITORIA EXTERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO

AUDITORIA EXTERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO 1 AUDITORIA ETERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO Anilton ROCHA SILVA, Carina VIAL DE CANUTO, Carolina CLIVIAN PEREIRA AVIER, Débora LORAINE CARVALHO DE OLIVEIRA,

Leia mais

1. Normas Brasileiras de Contabilidade - Brasil. 2. Auditoria Interna. 3. Auditor Interno. I. Título.

1. Normas Brasileiras de Contabilidade - Brasil. 2. Auditoria Interna. 3. Auditor Interno. I. Título. PUBLICAÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE SAS Quadra 5 Bloco J - Ed. CFC Fone: (61) 3314 9600 / Fax: (61) 3322 2033 CEP: 70070-920 Brasília DF Site: www.cfc.org.br E-mail: cfc@cfc.org.br Edição eletrônica

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DA AUDITORIA INTERNA E EXTERNA

CONSIDERAÇÕES ACERCA DA AUDITORIA INTERNA E EXTERNA CONSIDERAÇÕES ACERCA DA AUDITORIA INTERNA E EXTERNA Silvana Duarte dos Santos FIPAR 1 Jéssica de Jesus Bravosi G FIPAR 2 Resumo No atual cenário econômico, marcado pela intensa concorrência, as organizações

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução Nossos Valores Artigo 1º Premissa Artigo 2º Objetivos e Valores Artigo 3º Sistema de Controle Interno Artigo 4º Relação com os Stakeholders / Partes Interessadas 4.1 Acionistas

Leia mais

aa Opportune é uma empresa que trabalha em diversas áreas da gestão organizacional, com uma visão contemporânea da prestação de serviços de

aa Opportune é uma empresa que trabalha em diversas áreas da gestão organizacional, com uma visão contemporânea da prestação de serviços de aa Opportune é uma empresa que trabalha em diversas áreas da gestão organizacional, com uma visão contemporânea da prestação de serviços de auditoria, assessoria e consultoria, oferecendo completo portifólio

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Controladoria Geral da União - Regional Santa Catarina

Controladoria Geral da União - Regional Santa Catarina PLANEJAMENTO DE AUDITORIA INTERNA PRÁTICA E OPERACIONALIZAÇÃO MARÇO/2013 SCI Sistema de Controle Interno Legislação Básica Conceitos e Princípios de CI Planejamento e Execução Técnicas de Controle Comunicação

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br ORGANIZAÇÃO SOCIAL Modelo: Pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas funções, para cumprimento das obrigações previstas

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Nova Lei de Filantropia

Nova Lei de Filantropia Nova Lei de Filantropia A nova Lei da Filantropia e seus aspectos preponderantes para a Assistência Social e o Conselho Municipal de Assistência Social Títulos Públicos Existentes (Federal) TÍTULOS Nº

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

AUDITORIA GOVERNAMENTAL. Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos

AUDITORIA GOVERNAMENTAL. Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos AUDITORIA GOVERNAMENTAL Maio de 2013 Sandra Maria de Carvalho Campos KPMG no Mundo A KPMG é uma rede global de firmas independentes que prestam serviços profissionais de Audit, Tax e Advisory presente

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO Dennis Pessoa da Silva 1 RESUMO Ferramentas administrativas são técnicas utilizadas na gestão de empresas para solucionar problemas. Elas controlam

Leia mais

Parceria de sucesso para sua empresa

Parceria de sucesso para sua empresa Parceria de sucesso para sua empresa A Empresa O Grupo Espaço Solução atua no mercado de assessoria e consultoria empresarial há 14 anos, sempre realizando trabalhos extremamente profissionais, pautados

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Credenciais da 2Finance -Rápida análise da situação da empresa, elaborando relatórios que permitam ao empreendedor e seus dirigentes compreenderem a real situação da empresa

Leia mais

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS.

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS. SETEMBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 1-2004 A aquisição de equipamentos médico-hospitalares tem ocasionado vários problemas técnicos ou mesmo econômicos por não obedecer a determinados parâmetros.

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

PRINCIPAIS REFLEXOS CONTÁBEIS DA NOVA LEI DA FILANTROPIA ENTIDADES BENEFICENTES (Lei Federal nº 12.101/09) Autores: Ivan Pinto Ricardo Monello

PRINCIPAIS REFLEXOS CONTÁBEIS DA NOVA LEI DA FILANTROPIA ENTIDADES BENEFICENTES (Lei Federal nº 12.101/09) Autores: Ivan Pinto Ricardo Monello PRINCIPAIS REFLEXOS CONTÁBEIS DA NOVA LEI DA FILANTROPIA ENTIDADES BENEFICENTES (Lei Federal nº 12.101/09) Autores: Ivan Pinto Ricardo Monello No dia 30 de novembro de 2009 foi publicado no Diário Oficial

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014 PLANO DIRETOR DE CONTROLE INTERNO 2013-2014 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO 02 2. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 02 2.1 Conceituação 02 2.2. Marco legal 04 3. O CONTROLE INTERNO NO ÂMBITO DO TCEMG 4. CONTROLADORIA

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.220/09 Aprova a NBC TA 510 Trabalhos Iniciais Saldos Iniciais. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o processo de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Credenciais da 2Finance -Rápida análise da situação da empresa, elaborando relatórios que permitam ao empreendedor e seus dirigentes compreenderem a real situação da empresa

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

Res. CFC 1.445/13 - Res. - Resolução CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC nº 1.445 de 26.07.2013

Res. CFC 1.445/13 - Res. - Resolução CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC nº 1.445 de 26.07.2013 Res. CFC 1.445/13 - Res. - Resolução CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC nº 1.445 de 26.07.2013 D.O.U.: 30.07.2013 (Estabelece normas gerais de prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli Universidade de São Paulo Mestrado em Controladoria e Contabilidade ANÁLISE DE CUSTOS MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER / ELIMINAR / REORG. ATIVIDADES Prof. Dr. Armando Catelli Orientador

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

PLANO DE ENSINO ANO DO VESTIBULAR: 2004 CURSO: ANO LETIVO: 2007 TURMA: 4º ANO AUDITORIA CONTÁBIL EMENTA

PLANO DE ENSINO ANO DO VESTIBULAR: 2004 CURSO: ANO LETIVO: 2007 TURMA: 4º ANO AUDITORIA CONTÁBIL EMENTA PLANO DE ENSINO ANO DO VESTIBULAR: 2004 DEPARTAMENTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CAMPUS UNIVERSITÁRIO TANGARÁ DA SERRA CURSO: ANO LETIVO: 2007 CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA: 4º ANO DISCIPLINA: AUDITORIA CONTÁBIL CARGA

Leia mais

TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA.

TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA. TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA. Por: Prof. MSc Cláudio Marcelo Rodrigues Cordeiro 1 INTRODUÇÃO Considerando que a atividade de auditoria não se propõe a verificar a totalidade

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências.

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97 Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA - UAUDI Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna Rio de Janeiro 2015 CAPÍTULO I DA MISSÃO E DO ESCOPO

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL.

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. BELO HORIZONTE 2011 2 1 INTRODUÇÃO Com o grande crescimento da economia no Brasil, a contabilidade

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS

O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS Wanderlei Pereira das Neves 1 Resumo Nosso trabalho visa a demonstrar que a auditoria interna governamental é o ápice da

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD

RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD Estabelece o Regimento e o Organograma da Unidade de Auditoria Interna da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO, da Universidade Federal do

Leia mais

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE 1 Jackson Auditoria É um conjunto de técnicas que devem ser aplicadas, para permitir ao auditor emitir uma opinião sobre a razoabilidade das demonstrações contábeis

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

www.avantassessoria.com.br

www.avantassessoria.com.br www.avantassessoria.com.br Nossa Empresa A AVANT Assessoria Contábil e Tributária é uma empresa de contabilidade especializada em consultoria e assessoria de empresas e profissionais liberais, oferecendo

Leia mais

Autores: Alex Nakanishi Carolina Horonato Henrique dos Santos Thiago Araújo PAPÉIS DE TRABALHO

Autores: Alex Nakanishi Carolina Horonato Henrique dos Santos Thiago Araújo PAPÉIS DE TRABALHO Autores: Alex Nakanishi Carolina Horonato Henrique dos Santos Thiago Araújo PAPÉIS DE TRABALHO Introdução O auditor tem o dever de documentar, através de papéis de trabalho, todos os elementos significativos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná Controle Interno na visão dos Auditores Externos Situação

Leia mais