Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014."

Transcrição

1 Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014.

2 Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos á apreciação de V.Sas. as Demonstrações Contábeis da Aplicap Capitalização S.A., relativas ao semestre findo em 30 de junho de Novo Hamburgo 30 de junho de A Diretoria

3 Balanços Patrimoniais em 30 de junho de 2014 e em 31 de dezembro de 2013 (Em reais) ATIVO Nota 30/06/ /12/2013 PASSIVO Nota 30/06/ /12/2013 CIRCULANTE , ,38 CIRCULANTE , ,84 Disponivel , ,11 Contas a Pagar , ,09 Caixa e Bancos , ,11 Obrigações a Pagar , ,75 Aplicações , ,51 Impostos e Encargos Sociais a Recolher , ,19 Título de Renda Fixa - Privados , ,57 Encargos Trabalhistas , ,99 Quotas de Fundos de Investimentos , ,94 Impostos e Contribuições , ,16 Créditos das Operações ,73 Depósitos de Terceiros , ,70 Créditos com Operações de Capitalização ,73 - Acionistas Conta Depósitos ,00 - Títulos e Créditos a Receber 4.873,53 - Valores a reclassificar - Capitalização , ,70 Adiantamentos a Funcionários 4.873,53 - Provisões Técnicas - Capitalização , ,33 Despesas Antecipadas 6.504,68 227,76 Provisões para Resgate , ,21 Provisões para Sorteio , ,95 ATIVO NÃO CIRCULANTE , ,12 Provisões para Despesas Administrativas , ,17 REALIZÁVEL A LONGO PRAZO , ,75 Outros Débitos 3.335, ,72 Aplicações , ,75 Débitos Diversos 3.335, ,72 Título de Renda Fixa - Privados , ,27 Título de Renda Fixa - Públicos , ,48 PATRIMÔNIO LÍQUIDO , ,66 Imobilizado , ,64 Capital Social , ,00 Aumento/Redução de Capital Bens Móveis , ,64 (em aprovação) ,00 Intangível , ,73 Prejuízos Acumulados ( ,64) ( ,34) Outros Intangíveis 2.946, ,73 TOTAL DO ATIVO , ,50 TOTAL DO PASSIVO , ,50 As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis Intermediárias

4 Demonstrações de Resultados Semestres findos em 30 de junho de 2014 e 2013 (Em reais) Nota 30/06/ /06/2013 Receita Líquida com Titulos de Capitalização , ,00 Arrecadação com Títulos de Capitalização , ,00 (-) Variação da Provisão para Resgate ( ,60) (93.600,00) Variação das Provisões Técnicas (56.405,93) - Resultado com Sorteio ( ,06) (43.904,00) Custo de Aquisição ( ,04) (7.640,00) Outras Receitas e Despesas Operacionais 346,42 1,71 Outras Receitas Operacionais 346,42 1,71 Despesas Administrativas 16.2 ( ,57) ( ,07) Pessoal Próprio ( ,11) ( ,81) Serviços de Terceiros ( ,75) ( ,78) Localização e Funcionamento (66.442,95) (79.981,38) Publicidade e Propaganda (31.380,00) (12.825,00) Publicações (34.243,86) (17.447,10) Donativos e Contribuições (12.000,00) (2.000,00) Despesas Administrativas Diversas (366,90) (214,00) Despesas com Tributos 16.3 (47.463,62) (34.331,01) Resultado Financeiro , ,89 Receitas Financeiras , ,25 Despesas Financeiras (2.834,32) (1.037,36) Resultado Operacional ( ,97) ( ,48) Resultado Antes dos Impostos e Participações ( ,97) ( ,48) Imposto de Renda - - Contribuição Social - - Participações sobre o Resultado 17.2 (2.852,33) (1.102,26) Lucro Líquido / Prejuízo ( ,30) ( ,74) Quantidade de Ações Lucro Líquido / Prejuízo por Ação (0,06) (0,06) As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis Intermediárias

5 Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido Semestres findos em 30 de junho de 2014 e 2013 (Em reais) CAPITAL SOCIAL AUMENTO DE CAPITAL LUCROS E PREJUIZOS ACUMULADOS TOTAL Saldos em 31 de dezembro de ,00 - ( ,50) ,50 Aumento/Redução de Capital (em aprovação) , ,00 Resultado Liquido do Exercício ( ,74) ( ,74) Saldos em 30 de junho de , ,00 ( ,24) ,76 Resultado Liquido do Exercício ( ,10) ( ,10) Saldos em 31 de dezembro de , ,00 ( ,34) ,66 Aumento/Redução de Capital AGO/E de 28/03/ ,00 ( ,00) - Resultado Liquido do Exercício ( ,30) ( ,30) Saldos em 30 de junho de ,00 - ( ,64) ,36 As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis Intermediárias

6 Demonstrações dos Fluxos de Caixa Método Direto Semestres findos em 30 de junho de 2014 e 2013 (Em reais) 30/06/ /06/2013 ATIVIDADES OPERACIONAIS Recebimentos Operacionais , ,00 Pagamento de Despesas e Obrigações ( ,72) ( ,81) Recebimento de Juros e Dividendos , ,98 Caixa Gerado/(Consumido) pelas Operações (98.811,62) ( ,83) Investimentos financeiros: ( ,45) ( ,76) Aplicações ( ,22) ( ,00) Vendas e resgates , ,24 Caixa Líquido Gerado/(Consumido) nas Atividades Operacionais ( ,07) ( ,59) ATIVIDADES DE INVESTIMENTO Imobilizado Intangível (78.358,96) (925,00) Caixa Líquido Gerado/(Consumido) nas Atividades de Investimento - (79.283,96) ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO Aumento de Capital (em aprovação) ,00 Outros , ,00 Caixa Líquido Gerado/(Consumido) nas Atividades de Financiamento , ,00 Aumento/(Redução) Líquida de Caixa e Equivalente Caixa , ,45 Caixa e Equivalente Caixa no Inicio do Período , ,94 Caixa e Equivalente Caixa no Final do Período , ,39 AUMENTO NAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS - RECURSOS LIVRES , ,45 As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis Intermediárias

7 Notas explicativas às demonstrações contábeis intermediárias Semestre findo em 30 de junho de 2014 (Em reais) NOTA 1 - Contexto operacional A Aplicap Capitalização S.A. é uma sociedade anônima de capital fechado, com sede na Avenida Pedro Adams Filho nº 3.700, Novo Hamburgo - RS, autorizada pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), em 18 de janeiro de 2011, a atuar no segmento de capitalização. Atualmente a sociedade atua com títulos de capitalização de modalidade incentivo e popular. Na modalidade incentivo, os títulos estão vinculados a um evento promocional e de caráter comercial instituído pelo subscritor, que neste caso, cede total ou parcialmente o direito de sorteios a seus clientes, consumidores do produto utilizado no evento promocional. Os títulos de modalidade popular têm por objetivo propiciar a participação do titular em sorteios, e o resgate é cedido a uma instituição filantrópica. NOTA 2 Principais práticas contábeis As Demonstrações Contábeis foram elaboradas e estão sendo apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, requeridas para o semestre findo em 30 de junho de 2014, em conformidade as normas do Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), e em conformidade com a Circular SUSEP nº 483/2014 e com os pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC aprovados pela SUSEP e CNSP A moeda funcional utilizada pela empresa é o real, mesma moeda de preparação e apresentação das demonstrações contábeis onde os valores são expressos em unidades de real Os direitos e as obrigações realizáveis ou exigíveis até 30 de junho de 2014 estão classificados no Circulante e posterior a este período, no Não Circulante As Despesas e as Receitas foram escrituradas pelo regime de competência, exceto a Receita de Operações de Capitalização, que foram reconhecidas integralmente no mês da sua emissão As depreciações foram calculadas pelo método linear, sendo utilizadas as taxas usuais permitidas, considerando o prazo de vida útil dos bens.

8 2.5. As provisões técnicas foram calculadas de acordo com as notas técnicas atuariais aprovadas pela SUSEP e que deram origem aos títulos de capitalização comercializados pela empresa. As provisões para resgates, sorteios e administrativas totalizam R$ ,77 e estão totalmente cobertas pelo ativo Títulos Públicos - Letras Financeiras do Tesouro, que encerra o semestre com saldo de R$ , A Aplicap Capitalização S.A. avaliou os eventos subsequentes até 20 de julho de 2014, que é a data da aprovação das demonstrações contábeis pela Diretoria da empresa. NOTA 3 Gerenciamento de risco O gerenciamento de riscos é essencial em todas as atividades, utilizando-o com o objetivo de adicionar valor ao negócio à medida que proporciona suporte às áreas de negócios no planejamento das atividades, maximizando a utilização de recursos próprios e de terceiros. As atividades relacionadas ao gerenciamento de riscos são aprimoradas continuamente, buscando as melhores práticas devidamente adaptadas à realidade do mercado brasileiro. No sentido amplo, o conjunto de práticas tem por finalidade aperfeiçoar o desempenho e proteger os acionistas, investidores, clientes, empregados, fornecedores, etc., bem como facilitar os níveis de capital requerido, agregar valor e contribuir para sua sustentabilidade, envolvendo, principalmente, aspectos voltados à transparência, equidade de tratamento dos acionistas e prestação de contas. O processo de gerenciamento de riscos encontra-se alinhado com diversas áreas da estrutura coorporativa que estabelecem diretrizes e normas, provendo recursos humanos e tecnológicos, voltados a estas atividades. O gerenciamento de todos os riscos inerentes às atividades de modo integrado é abordado, dentro de um processo, apoiado em estrutura independente que proporciona o aprimoramento contínuo dos modelos de gestão de riscos e minimiza a existência de lacunas que comprometam sua correta identificação e mensuração. NOTA 4 Aplicações financeiras As aplicações financeiras estão contabilizadas pelos respectivos custos de aquisição, acrescidas dos rendimentos proporcionais auferidos até a data do Balanço, tendo sua composição demonstrada a seguir.

9 CURTO PRAZO Cobertura de Reserva Emissor Saldo em 31/12/2013 Rendimento do Período Aplicações Baixas Saldo em 30/06/2014 CDB Não A.J.Renner , ,93 0,00 0, ,61 CDB Não BIC , ,65 0, ,54 0,00 FI Não HSBC , ,72 0, ,60 0,00 FI Não VOTORANTIM , , , , ,14 FI Não BEM DTVM 0, , ,00 0, , , , , , ,27 LONGO PRAZO Cobertura de Reserva Emissor Saldo em 31/12/2013 Rendimento do Período Aplicações Baixas Saldo em 30/06/2014 CDB Não BMG , ,72 0,00 0, ,98 CDB Não FIBRA , ,56 0,00 0, ,65 CDB Não MERCANTIL DO BRASIL , ,52 0,00 0, ,46 CDB Não PARANÁ BANCO , ,52 0,00 0, ,46 CDB Não PINE , ,61 0,00 0, ,42 CDB Não SOFISA , ,52 0,00 0, ,46 CDB Não BONSUCESSO , ,71 0,00 0, ,00 LTN Não TESOURO NACIONAL , , , ,63 0,00 LFT Sim TESOURO NACIONAL 0, , ,19 0, ,41 LTN Não TESOURO NACIONAL , ,52 0, ,29 0,00 LFT Não TESOURO NACIONAL 0, , , , , , , , , ,78 NOTA 5 Créditos com operações de capitalização Os créditos com operações de capitalização contemplam os valores de emissão direta de acordo com as vigências contratuais dos títulos. O prazo médio de parcelamento desses valores é de aproximadamente 2 meses. NOTA 6 Imobilizado Os ativos imobilizados são registrados pelo custo de aquisição e a depreciação é calculada de acordo com as taxas usuais de 20%, 10% e 20% para hardware, móveis, máquinas e utensílios e sistemas aplicativos, respectivamente. A composição do imobilizado na data do balanço bem como as depreciações encontram-se demonstradas a seguir: Descrição Taxa Depreciação Custo de Aquisição em 30/06/2014 Depreciações Acumuladas em 30/06/2014 Imobilizado Líquido em 30/06/2014 Imobilizado Líquido em 31/12/2013 Bens Móveis ,04 ( ,58) , ,64 Informática 20% ,12 ( ,10) , ,76 Móveis, Máquinas e Utensílios 10% 1.979,92 (567,48) 1.412, ,88 Total do Imobilizado ,04 ( ,58) , ,64

10 Saldo Inicial Aquisições Baixas Transferências Depreciação Saldo Final Hardware 3.966, (1.886,35) 2.079,93 Sistemas Aplicativos , ( ,75) ,09 Móveis Máquinas e Utensílios 1.979, (567,48) 1.412,44 Total , ( ,58) ,46 NOTA 7 Intangível O ativo intangível está registrado e mensurado pelo custo de aquisição e a amortização é calculada com a taxa de 10%. Saldo Inicial Aquisições Baixas Transferências Amortização Saldo Final Marcas e Patentes 3.146, (200,70) 2.946,03 Total 3.146, (200,70) 2.946,03 NOTA 8 Obrigações a Pagar 30/06/14 31/12/13 Fornecedores , ,23 Participação nos Lucros a Pagar 2.734, ,52 Total , ,75 NOTA 9 Imposto e Encargos Sociais a Recolher 30/06/14 31/12/13 Imposto de Renda Retido de Funcionários 262,52 463,28 Imposto de Renda Retido de Terceiros , ,18 Contribuições Previdenciárias 60,55 53,73 Outros Impostos e Encargos Sociais 81,38 - Total , ,19 NOTA 10 Encargos Trabalhistas 30/06/14 31/12/13 13 Salário a Pagar 6.506,39 - Férias a Pagar , ,63 FGTS a Recolher 811, ,21 INSS a Recolher 3.511, ,99 Outros Encargos 1.254, ,16 Total , ,99 NOTA 11 Impostos e Contribuições 30/06/14 31/12/13 COFINS 4.097, ,42 PIS/PASEP 665,91 220,74 Total 4.763, ,16

11 NOTA 12 Depósitos de terceiros O saldo da conta é composto por R$ ,00 que se refere à transferência da empresa controladora Therreno Participações Ltda para futuro aumento de capital e R$ ,24 que se trata de adiantamentos de clientes. NOTA 13 Provisões Técnicas As provisões técnicas foram calculadas pelo atuário responsável técnico, Luiz Ernesto Both MIBA nº 425, da empresa Atuária Brasil Assessoria, Consultoria e Auditoria Atuarial S/S Ltda, e constituídas de acordo com as notas técnicas que deram origem aos títulos de capitalização da empresa. As provisões técnicas são constituídas pela emissão das séries, assim como o reconhecimento da receita obtida atrás da venda dos títulos de capitalização. Saldo Inicial Constituição Atualização Resgates e Sorteios Reversões Saldo Final Provisão Matemática para Capitalização , , ,97 ( ,46) ,32 Provisão para Resgate Antecipado de Títulos ,44 - ( ,23) (342,21) - Provisão para Sorteios a Realizar , ,88 399,11 ( ,99) - Provisão para Sorteios a Pagar , ,31 188,05 ( ,96) ,35 Provisão para Despesas Administrativas , ,23 - (30.332,30) ,10 Provisão Complementar de Sorteios ,03 - ( ,03) - - Total , , ,13 ( ,97) (342,21) ,77 NOTA 14 Patrimônio Líquido O capital social, inicialmente, foi constituído por R$ ,00 e em 03 de abril de 2013 foi realizada Assembléia Geral Extraordinária para aprovação do aumento de capital da companhia em R$ ,00, conforme processo nº / A autorização foi concedida pela SUSEP através de publicação no Diário Oficial da União no dia 08 de abril de 2014, e com isso, a sociedade passou a apresentar o capital social de R$ ,00, dividido em de ações ordinárias nominativas, sem valor nominal e totalmente subscritas. Cada ação ordinária dará direito a um voto nas deliberações da Assembléia Geral. NOTA 15 Adequação de capital e indicadores de solvência Em conformidade com a legislação em vigor atualizada, mais especificamente às Resoluções CNSP nº 222/10 (Patrimônio Líquido Ajustado PLA), 282/13 (Capital Mínimo Requerido CMR), 228/10 (Capital do Risco de Crédito), 283/13 (Capital do Risco Operacional) e 284/13 (Capital do Risco de Subscrição), e observando o modelo de requerimento de capital mínimo regulatório para o segmento, a Sociedade divulga o seu parâmetro de CMR calculado para a data-base

12 30/06/2014, bem como o indicador de suficiência obtido frente ao valor do seu Patrimônio Líquido Ajustado. O respectivo CMR para funcionamento das sociedades capitalização, segundo a Resolução CNSP nº 282/13 mencionada, refere-se ao capital total que a sociedade deverá manter, a qualquer tempo, para operar, sendo equivalente ao maior valor entre o capital base (montante fixo conforme suas regiões de atuação), o capital de risco (montante variável para garantia dos riscos inerentes à operação) e a margem de solvência. A seguir são demonstrados os valores do Patrimônio Líquido Ajustado, Margem de Solvência e Capital Mínimo Requerido, conforme determinações do órgão regulador, cujo indicador de solvência, nesta respectiva data base de 30/06/2014, demonstrou que a sociedade manteve seus níveis de capital acima dos requerimentos mínimos regulatórios Patrimônio Líquido Ajustado 30/06/14 31/12/13 Patrimônio Líquido Contábil , ,66 Despesas Antecipadas (6.504,68) (227,76) Ativo Intangível (2.946,03) (3.146,73) Patrimônio Líquido Ajustado , , Capitais, Margem de Solvência e Capital Mínimo Requerido Capital Base ,00 Capital de Risco ,11 Capital do Risco de Subscrição ,56 Capital do Risco de Crédito ,51 Capital do Risco Operacional ,65 Margem de Solvência ,90 Capital Mínimo Requerido , Suficiência/Insuficiência de Capital frente ao PLA Patrimônio Líquido Ajustado ,65 Capital Mínimo Requerido ( ,00) Suficiência/Insuficiência de Capital R$ ,65 Suficiência/Insuficiência de Capital % 15,92%

13 NOTA 16 Demonstrações de Resultados Receita Líquida com Títulos de Capitalização 30/06/14 30/06/13 Arrecadação com Títulos de Capitalização , ,00 Variação da Provisão para Resgate ( ,60) (93.600,00) Receita Líquida com Títulos de Capitalização , , Despesas Administrativas 30/06/14 30/06/13 Despesas com empregados (73.371,90) (64.065,20) Despesas com encargos sociais (23.728,67) (31.131,92) Despesas com assistência social (14.493,88) (13.388,60) Despesas com vale transporte (1.713,66) (2.386,09) Despesas com serviços de terceiros ( ,75) ( ,78) Despesas com localização e manutenção (2.724,90) (16.642,83) Despesas com expediente (16.137,82) (15.492,71) Despesas com comunicação (1.092,61) (1.369,11) Despesas com locomoção (3.074,74) (8.077,90) Depreciação de bens de uso próprio (473,04) (495,78) Organização e implantação (37.903,05) Amortizações (42.939,84) - Despesas com publicidade e propaganda (31.380,00) (12.825,00) Despesas com publicação (34.243,86) (17.447,10) Donativos e contribuições (12.000,00) (2.000,00) Despesas diversas (366,90) (214,00) Total ( ,57) ( ,07) Despesas com Tributos 30/06/14 30/06/13 Impostos estaduais - (20,00) Despesas com COFINS (13.655,79) (2.935,56) Despesas com PIS (2.219,06) (477,03) Despesas com taxa de fiscalização (21.115,28) (21.115,28) Despesa com contribuição sindical (10.245,73) (9.783,14) Outros tributos (227,76) - Total (47.463,62) (34.331,01) Resultado Financeiro

14 30/06/14 30/06/13 Receitas Financeiras , ,25 Receitas com Títulos de Renda Fixa Privado , ,29 Receitas com Títulos de Renda Fixa Público , ,90 Outras Receitas Financeiras ,68 0,06 Despesas Financeiras (2.834,32) (1.037,36) Despesas Financeiras com Provisões Técnicas (2.231,48) (149,78) Outras Despesas Financeiras (602,84) (887,58) Resultado Financeiro , ,89 NOTA 17 Impostos e participações sobre o lucro Contribuição Social e Imposto de Renda As provisões para Imposto de Renda e Contribuição Social são calculadas com base na apuração do lucro real, adotando as alíquotas de acordo com a legislação fiscal vigente. Considerando que o exercício apresentou base negativa de IRPJ e CSLL de R$ ,30, não houve imposto a pagar Participações sobre o Resultado O valor de R$ 2.852,33 foi contabilizado no período, conforme Acordo Coletivo do Sindicato dos Empregados em Empresas de Seguros Privados e Capitalização e de Agentes Autônomos de Seguros Privados e de Crédito do Estado do Rio Grande do Sul. NOTA 18 Seguros A Aplicap Capitalização S.A., não possui seguros contratados pela administração para cobrir riscos sobre seus ativos e sobre suas responsabilidades. Novo Hamburgo, 30 de junho de 2014

15

16

17

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. Senhores Acionistas,

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. Senhores Acionistas, RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em atenção às disposições legais e estatutárias, submetemos a apreciação de V.Sas. o relatório da Administração e as Demonstrações Contábeis, relativas ao

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Federal Vida e Previdência S. A. Demonstrações contábeis Intermediárias Em 30 de junho de 2012

Federal Vida e Previdência S. A. Demonstrações contábeis Intermediárias Em 30 de junho de 2012 Federal Vida e Previdência S. A. Demonstrações contábeis Intermediárias Em 30 de junho de 2012 2 Federal Vida e Previdência S. A. Demonstrações contábeis Intermediárias em 30 de junho de 2012 Conteúdo

Leia mais

Demonstrações Contábeis referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2005 e Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Contábeis referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2005 e Parecer dos Auditores Independentes CENTRO ESPÍRITA NOSSO LAR CASAS ANDRÉ LUIZ CNPJ 62.220.637/0001-40 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores membros do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal: o Conselho Diretor submete à apreciação de

Leia mais

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE QUADRO I BALANÇOS PATRIMONIAIS ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 2.630.185 2.070.467 Fornecedores 115.915 76.688 Contas

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

RODANA RELÓGIOS S/A C.N.P.J. 22.800.833/0001-70

RODANA RELÓGIOS S/A C.N.P.J. 22.800.833/0001-70 RODANA RELÓGIOS S/A C.N.P.J. 22.800.833/0001-70 RELATÓRIO DA DIRETORIA Senhores Acionistas: Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos a apreciação de V.Sas. as Demonstrações Contábeis

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA DE UBERABA CODIUB

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA DE UBERABA CODIUB COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA DE UBERABA CODIUB NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 e 2012 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia de Desenvolvimento de

Leia mais

FAMILIA BANDEIRANTE PREVIDÊNCIA PRIVADA CNPJ No. 62.874.219/0001-77 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2011.

FAMILIA BANDEIRANTE PREVIDÊNCIA PRIVADA CNPJ No. 62.874.219/0001-77 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2011. FAMILIA BANDEIRANTE PREVIDÊNCIA PRIVADA CNPJ No. 62.874.219/0001-77 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2011. 1 - APRESENTAÇÃO E COMPOSIÇÃO SOCIAL: A Família Bandeirante Previdência

Leia mais

BB Capitalização S.A.

BB Capitalização S.A. BB Capitalização S.A. CNPJ 07.681.872/0001-01 Demonstrações Contábeis Intermediárias Semestre findo em 30.06.2014 Contadoria Gesub - Gerência de Subsidiárias Subsi V - Divisão de Subsidiárias V RELATÓRIO

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

Demonstrações Financeiras. Confederação Brasileira de Remo. em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras. Confederação Brasileira de Remo. em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Confederação Brasileira de Remo em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras ÍNDICE I. Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia de Integração Portuária do Ceará CEARAPORTOS, Sociedade de Economia Mista do Estado do Ceará, criada por meio do Decreto

Leia mais

UNIMED VALE DO SÃO FRANCISCO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA Rua do Coliseu nº 123 Centro Petrolina-PE CEP 56.

UNIMED VALE DO SÃO FRANCISCO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA Rua do Coliseu nº 123 Centro Petrolina-PE CEP 56. UNIMED VALE DO SÃO FRANCISCO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA Rua do Coliseu nº 123 Centro Petrolina-PE CEP 56.302-390 CNPJ (MF) 40.853.020/0001-20 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31.12.2007 Mutações Capital

Leia mais

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$)

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) ATIVO 2012 2011 PASSIVO E PATRIMONIO SOCIAL 2012 2011 CIRCULANTE 41.213,54 37.485,00 CIRCULANTE 12.247,91 11.914,91 EQUIVALENCIA DE

Leia mais

GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins

GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2009 e ao Período de 13 de Maio a 31 de Dezembro de 2008 e Parecer

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.S.as o Relatório da Administração e as Demonstrações Financeiras da SUHAI Seguros S.A. relativas ao semestre findo em, apuradas

Leia mais

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE

ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO BASE DE 2012 ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.)

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores

Leia mais

UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223

UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223 UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Cumprindo determinações legais

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas.

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01 Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

ANEXO - CAPÍTULO III - Modelo de Publicação BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO

ANEXO - CAPÍTULO III - Modelo de Publicação BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO 200Y 200X ATIVO Contas ATIVO CIRCULANTE 12 Disponível 121 Realizável 122+123+124+125+126+127+128+129 Aplicações Financeiras 122 Aplicações Vinculadas a Provisões Técnicas 1221

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional O Conselho Regional de Administração de São Paulo, vinculado ao Conselho Federal de Administração,

Leia mais

UNISERCON. Contabilidade UNIÃO DE SERVIÇOS CONTABEIS

UNISERCON. Contabilidade UNIÃO DE SERVIÇOS CONTABEIS UNISERCON UNIÃO DE SERVIÇOS CONTABEIS CRC/RS3101 BALANÇO PATRIMONIAL ANALÍTICO EXERCÍCIO DE 2011 ooo - xxxxxxx- xxxxxx xx xxxxx xxxx (oo.ooo.oo/oooi-oo) CONTA Folha 1 SALDO 1 1. 1 1. 1. 01 1. 1. 01. 01

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL Auditores Independentes S/S PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL 1. Examinamos os balanços patrimoniais

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE

ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 CONTEÚDO Parecer dos auditores independentes Quadro

Leia mais

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1 Informar o lucro líquido do exercício - O montante do lucro líquido do exercício é de R$ 8.511.185,59 (oito

Leia mais

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 (valores em milhares de reais) 01 Contexto Operacional

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. CNPJ -33.851.064/0001-55

DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. CNPJ -33.851.064/0001-55 DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. BALANÇO PATRIMONIAL FINDO EM 31/12/2011 E 2010 EM R$ Mil A T I V O 31/12/2011 31/12/2010 ATIVO CIRCULANTE 2.888 3.606 DISPONIBILIDADE 1.105 1.213

Leia mais

GIFE GRUPO DE INSTITUTOS, FUNDAÇÕES E EMPRESAS

GIFE GRUPO DE INSTITUTOS, FUNDAÇÕES E EMPRESAS GIFE GRUPO DE INSTITUTOS, FUNDAÇÕES E EMPRESAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é uma

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

Demonstrações Financeiras SUHAI SEGUROS S.A.

Demonstrações Financeiras SUHAI SEGUROS S.A. Demonstrações Financeiras SUHAI SEGUROS S.A. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.S.as o Relatório da Administração

Leia mais

RELATÓRIO DA DIRETORIA BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 30 DE JUNHO DE 2008 E 2007 (EM MILHARES DE REAIS)

RELATÓRIO DA DIRETORIA BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 30 DE JUNHO DE 2008 E 2007 (EM MILHARES DE REAIS) AL FA SEGURADORA S.A. C.N.P.J. 02.713.529/0001-88 Alameda Santos, 466 - São Paulo - SP RELATÓRIO DA DIRETORIA Senhores Acionistas Em cumprimento às disposições estatutárias, submetemos à apreciação dos

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Associação Arte Despertar Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes

Associação Arte Despertar Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes PricewaterhouseCoope~ Av. Francisco Matarauo, 1400 Torre Torino Caixa

Leia mais

BVA SEGUROS S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO DE 2012 E 2011 ACOMPANHADAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES

BVA SEGUROS S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO DE 2012 E 2011 ACOMPANHADAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES BVA SEGUROS S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO DE 2012 E 2011 ACOMPANHADAS DO RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES BVA SEGUROS S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS SEMESTRES

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÃOES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 Em reais

NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÃOES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 Em reais 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Instituto Jundiaiense Luiz Braille De Assistência ao Deficiente da Visão, também designada Braille, fundada em 20 de dezembro de 1941, é uma Associação Civil, educacional beneficente,

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo

Leia mais

RELATÓRIO DA DIRETORIA

RELATÓRIO DA DIRETORIA RELATÓRIO DA DIRETORIA Senhores Participantes, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias vigentes, submetemos a apreciação de V.Sas. às demonstrações contábeis intermediárias relativas ao semestre

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/1999 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2012 ALOG

Leia mais

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL FAZENDA TAMBORÉ (TAMBORÉ 1) CNPJ: 56.348.691/0001-73

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL FAZENDA TAMBORÉ (TAMBORÉ 1) CNPJ: 56.348.691/0001-73 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Associados, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. os Balanços Patrimoniais encerrados em 31/12/2014 e 31/12/2013 e as

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

Demonstrações Financeiras Enel Green Power Damascena Eólica S.A.

Demonstrações Financeiras Enel Green Power Damascena Eólica S.A. Demonstrações Financeiras Enel Green Power Damascena Eólica S.A. 31 de dezembro de 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras 31 de dezembro

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Demonstrações Contábeis Em 31

Leia mais

MOGI MIRIM ESPORTE CLUBE

MOGI MIRIM ESPORTE CLUBE MOGI MIRIM ESPORTE CLUBE Relatório de Auditoria das Demonstrações Financeiras do exercício findo em 31 de Dezembro de 2014. LAM AUDITORES INDEPENDENTES Abril / 2015 Campinas, 22 de Abril de 2015. À Diretoria

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011. Notas explicativas às Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de dezembro de. (Valores expressos em Reais) 1. Contexto Operacional A Caixa de Assistência Oswaldo Cruz FIOSAÚDE, pessoa jurídica

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Conteúdo Balanços Patrimoniais

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

SIND.TRAB.EM.EMPR.PLAN.DES.URBANO-SINCOHAB C.N.P.J: 66.661.372/0001-77 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31/12/2014

SIND.TRAB.EM.EMPR.PLAN.DES.URBANO-SINCOHAB C.N.P.J: 66.661.372/0001-77 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31/12/2014 SIND.TRAB.EM.EMPR.PLAN.DES.URBANO-SINCOHAB C.N.P.J: 66.661.372/0001-77 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31/12/2014 CONTAS DO ATIVO DE 2014 DE 2013 Fls.: 051 DE 2012 CIRCULANTE DISPONÍVEL 6.204,56 6.866,64

Leia mais

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS N ATIVO ATIVO CIRCULANTE Disponível Aplicações Aplicações Vinculadas a Provisões Técnicas Aplicações

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2003 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 29 de janeiro

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 18

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01901-1 EMPR. CONCESS. DE RODOVIAS DO NORTE S.A. 02.222.736/0001-30 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01901-1 EMPR. CONCESS. DE RODOVIAS DO NORTE S.A. 02.222.736/0001-30 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

Belém Bioenergia Brasil S.A.

Belém Bioenergia Brasil S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 17.132 16.233 Fornecedores (Nota 11) 7.768 48.741

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO Plano de Contas Padrão, contendo alterações pela Instrução SPC nº 34/2009 ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO I CARACTERÍSTICAS 1. O plano de contas é formado por codificação alfanumérica. 2. A parte

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 94331 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 6 Demonstrações das mutações do patrimônio social 7 Demonstrações

Leia mais