GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL 1. O PROJETO NO PROCESSO DE PLANEJAMENTO 2. A ESTRUTURA E AS ETAPAS DE UM PROJETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL 1. O PROJETO NO PROCESSO DE PLANEJAMENTO 2. A ESTRUTURA E AS ETAPAS DE UM PROJETO"

Transcrição

1 LINS GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL 1. O PROJETO NO PROCESSO DE PLANEJAMENTO 2. A ESTRUTURA E AS ETAPAS DE UM PROJETO Prof. Carlos Roberto Ferreira 2007

2 2 1 - O PROJETO NO PROCESSO DE PLANEJAMENTO 1.1 Introdução Um dos modos possíveis de se visualizar uma empresa é como se ela fosse um processo que transforma entradas (matérias-primas, energia, mão-de-obra, etc.) em saídas (produtos e/ou serviços). Esquematicamente, é o que se representou na figura 1.1. PROCESSO GERENCIAL Necessidade de ação Instrução para ação Entradas PROCESSO GERENCIAL Saídas Figura 1.1 Visualização de uma empresa: o critério de entradas e saídas. O processo de transformação é dirigido através de um processo gerencial, ou seja, de um processo decisório. Este processo decisório diz respeito a três tipos de decisões a) Decisões estratégicas: são aquelas que estão voltadas ao relacionamento entre empresa e o meio ambiente b) Decisões administrativas: são aquelas que estão relacionadas com forma e com a estrutura de empresa, ou seja, com a organização propriamente dita. c) Decisões operacionais: são aquelas que estabelecem os níveis operacionais da empresa, ou seja, são as decisões associadas ao processo de transformação. A integração destes três tipos de decisões pode ser feita através de uma postura estratégica por parte da empresa, isto é, partindo se do ponto de vista de que as decisões estratégicas são fundamentais para explicar o desempenho da empresa a longo prazo. Isto é assim porque as decisões estratégicas, ao contrário das decisões táticas, não são facilmente reversíveis, porquanto uma empresa que possua o melhor controle operacional e/ ou a melhor organização pode não ser rentável, se não estiver atuando com os componentes certos de produtos e

3 3 mercados. A conclusão é que os administradores deveriam dedicar grande atenção ao problema das decisões estratégicas, uma vez que as mesmas são vitais para garantir um posicionamento adequado para a empresa em termos econômicos. Este não é, normalmente, o caso: os administradores tendem a dedicar uma grande parte de seu tempo às questões operacionais, em detrimento das decisões administrativas e das decisões estratégicas. Uma razão para que assim seja é o fato de que os três tipos de decisões competem entre si pelo tempo limitado dos administradores, o que faz com que as decisões operacionais (que são de importância mais imediata para desempenho da empresa, mais freqüentes e de maior volume) recebam prioridade. Pode ser também que a empresa seja orientada para a produção (fato que pode ocorrer em empresas que estão aprendendo a resolver o problema de produção, ou então, em empresas de processo, como é o caso de siderurgia, do cimento, de celulose e papel etc.); neste caso, o poder na empresa está com os executivos que vieram da operação. Estes executivos tendem a receber com simpatia os problemas da operação que, inclusive, lhes são familiares. Uma conseqüência importante deste comportamento no processo decisório é que as empresas tendem a apresentar respostas defasadas as mudanças que ocorrem no meio ambiente. Isto será tanto mais verdadeiro quanto mais seqüencial for o processo decisório em termos de decisões operacionais, administrativas e estratégicas. Assim, não é incomum constatar que uma queda na geração de lucros seja diagnosticada com um problema de ineficiência operacional, sendo tomadas medidas pra aprimorar a capacidade produtiva. Caso tais medidas não produzam os resultados esperados, então o problema é diagnosticado como sendo de ordem administrativa e são executadas as célebres reestruturações administrativas. Finalmente, caso estas reestruturações administrativas não funcionem, o problema é encarado como sendo estratégicos, ou seja, decorrente de mudanças no meio ambiente. A conclusão é que a empresa deve evitar perceber as mudanças no meio ambiente de modo indireto, ou seja, os administradores devem adotar umas posturas estratégicas, que se consubstancie numa análise contínua do meio ambiente, sendo que esta atenção será particularmente importante na hora de investir e como projeto de investimento esta intimamente ligado a decisão de investir, acreditamos que esta é a abordagem mais adequada em termos de elaboração e análise de projetos. 1.2 Planejamento Conceito de planejamento O processo decisório na empresa é um processo que se dá sob condições de informação parcial. Nestas condições, a fim de garantir que as decisões tomadas conduzam a empresa na direção desejada, é necessário um processo de coleta e seleção de informações para realimentar o processo decisório. Tal processo faz parte integrante do planejamento empresarial. Pode - se entender planejamento como sendo um processo de tomada de decisões interdependentes, decisões estas que procuram conduzir a empresa para uma situação futura desejada. Neste processo é necessário que haja coerência entre as decisões e os resultados. Como subproduto da atividade de planejar tem

4 4 se o aprendizado que os executivos obtêm do funcionamento interno da firma, bem como das relações entre a mesma e o meio ambiente As filosofias de planejamento A atividade de planejar pode ser executada segundo três diretrizes distintas: satisfação, otimização e adaptação. a) Satisfação Neste caso, procurar se atingir certo nível de satisfação que seja viável. O processo de planejamento começa pelo estabelecimento de objetivos factíveis. Tais objetivos terão número reduzido e, e sendo objetivos que encontraram menor resistência à sua implementação, poderão inclusive não ser os mais adequados à empresa. A preocupação básica do administrador que busca satisfazer está centrada no aspecto financeiro, sendo dada grande ênfase ao orçamento e às suas projeções. Os planos tenderão a ser conservadores e raramente se afastarão das práticas usuais da empresa. A grande vantagem desta filosofia é que o processo de planejar pode ser realizado em menor tempo, custando menos e exigindo menor capacitação técnica. Há também menor resistência interna ao planejamento por parte da organização, fato que pode ser muito importante se a empresa está iniciando o aprendizado do processo de planejar. b) Otimização O administrador que segue esta filosofia de planejamento formula os objetivos da empresas em termos quantitativos. Os diversos objetivos são reduzidos a uma medida comum (em geral monetária) e combinados em uma medida geral e ampla de desempenho. A seguir, procura se formular um ou mais modelos matemáticos que, ao serem otimizados, indicarão como a empresa deverá ser gerida. Deve-se observar que esta filosofia de planejamento está sendo desenvolvida e divulgada em função de dois desenvolvimentos interdependentes: os computadores de grande porte e os modelos da firma. A grande vantagem deste modo de conduzir o planejamento é a automatização do processo decisório. Isto é, particularmente verdadeiro naquelas decisões onde os modelos desenvolvidos são muito eficientes, ou seja, principalmente nas decisões operacionais (controle de estoques, manutenção e substituição de equipamentos etc..) Por outro lado, o otimizador tenderá à ignorar aquelas decisões que ele não pode modelar porque envolvem objetivos qualitativos e/ ou porque o estado da arte de construir modelos ainda não lhe fornece uma solução. c) Adaptação A adaptação (ou homeostose) é à procura de equilíbrio por parte da firma após uma mudança. Tal equilíbrio (interno ou externo) pode resultar da necessidade de compensar um desequilíbrio que estava reduzindo a eficiência do sistema empresa.

5 5 Assim, a firma ao procurar a adaptação, estará reagindo a um estímulo. Esta reação poderá ser passiva ou antecipatória. Planejador que procura adaptar poderá fazê-lo de modo passivo se a resposta programada pela empresa for defasada e dentro dos padrões normais de operação. Já a respostas antecipatória envolve a preocupação por antecipar as mudanças do meio e por adaptar a empresa a estes novos estados. Pode ser também que a resposta seja auto-estimulada, quando uma preocupação constante pela busca de novas oportunidades para o crescimento e/ ou expansão da empresa. O ponto básico na filosofia de planejamento adaptativo é que a firma deve responder de modo adequado às mudanças externas, por serem as mesmas as principais responsáveis pelos problemas internas. Isto é conseguido através da estrutura administrativa, ou seja, principalmente através dos recursos humanos de que a empresa dispõe. Do ponto de vista adaptativo, as respostas da empresa serão mais adequadas e flexíveis se os executivos (e as demais pessoas estiverem preparadas). A grande vantagem desta filosofia é focalizar a atenção nos recursos e no processo de aprendizado. A desvantagem está na dificuldade de fazer com que o enfoque tradicional seja abandonado Objetivos O processo de planejamento começa pela fixação dos objetivos que a empresa pretende atingir. Um objetivo pode ser definido como um evento de desempenho que a empresa espera alcançar. Ou seja, um objetivo é um evento ao qual se atribui valor. Eles podem ser de dois tipos: Os objetivos são retentivos, quando associado à manutenção de algo que a empresa já possui, como é o caso de procurar se manter a participação de mercado para um dado produto. E podem ser também aquisitivos, quando a empresa os formula para obter algo que ainda não possui (por exemplo, o objetivo de introduzir um novo produto no mercado). No que diz respeito à valorização, os objetivos poderão ser valorizados de modo instrumental ou estilístico. Um objetivo tem valor instrumental quando permite obter ou reter algo de valor (como, por exemplo, o objetivo de aumentar a produção para que a empresa mantenha a atual participação no mercado). Já um objetivo que tem valor estilístico é um objetivo que é a valorização por si mesmo. É o que ocorre quando uma empresa deixa de diversificar (sabendo que isto iria aumentar seu retorno e diminui seu risco) porque os dirigentes não querem sair do seu negócio. 1.3 A decisão de investir Sinergia A sinergia aparece quando, na interação de dois ou mais elementos em um sistema se obtém um resultado mais que proporcional à soma dos elementos considerados. Neste caso, diz-se que houve uma sinergia positiva. Como exemplo deste caso, consideremos um posto de gasolina situado em uma rodovia, no qual sejam instalados, além do próprio sistema de abastecimento, serviços complementares (tais como: borracharia, auto elétrico, restaurante etc. ). Nestas condições, a parada de um veículo para abastecer pode gerar demanda para os

6 6 demais serviços e vice-versa. Então, a demanda de serviços para o posto como um todo será maior do que a que queria obtida se só houvesse o serviço de abastecimento. Tem-se então uma sinergia positiva gerada pela interação entre os vários tipos de serviço oferecidos. A sinergia pode ser também negativa, quando a soma obtida for menor do que a soma dos elementos considerados. Este poderá ser o caso de uma firma que, atuando num setor tradicional como certas empresas de setor alimentício, resolve diversificar investindo em um setor não tradicional (o eletrônico, por exemplo ), sem ter adquirido a necessária competência. A análise de sinergia é importante na decisão de investir porque ajuda a fornecer uma estrutura de referência qualitativa. Pode ocorrer também que exista a possibilidade de ganhos (ou de perdas) na aceleração dos processos administrativos e/ou operacionais. Isto pode acontecer, por exemplo, quando uma empresa que é orientada para a produção adquire outra que é orientada para o mercado, com complementaridade dos produtos produzidos pelas duas. Neste caso, a combinação dos dois tipos de habilidade executivos (de produção com marketing) poderá acelerar a transformação da empresa compradora, com um bom potencial de sinergia positiva. A avaliação deste fenômeno é feita normalmente em termos qualitativos Expansão x diversificação A especificação de objetivos é importante para o processo de planejamento e a conseqüente determinação dos níveis de desempenho que se pretende atingir. Mas para se ter uma idéia de qual o negócio da empresa (seu campo de atuação) e qual seu encadeamento ( a relação atual e futura entre produtos e mercados ) tornase necessário especificar, além da sinergia, seu vetor de crescimento e sua vantagem competitiva. O ponto de partida para a definição do vetor de crescimento é a noção de que as empresas situam em conjuntos de binômios de produtos e mercados. Os produtos desempenham missões, isto é, (cada produto satisfaz uma ou mais necessidades do consumidor que é o agente ativo que o adquire) e são vendidos em mercados. Pode-se definir o vetor de crescimento do modo como se vê no Quadro 1.1. MISSÃO PRODUTO PRESENTE NOVO PRESENTE PENETRAÇÃO NO MERCADO DESENVOLVIMENTO DO PRODUTO NOVA DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DIVERSIFICAÇÃO Quadro 1.1 Elementos de definição do vetor de crescimento

7 7 A penetração no mercado corresponde à expansão que visa ampliar a porcentagem de participação para o binômio produto mercado atual. O desenvolvimento do mercado é a expansão que decorre da descoberta de novas missões (novos usos, novas necessidades) para o produto que a empresa possui. E o desenvolvimento do produto é a expansão cujo objetivo é introduzir novos produtos com a finalidade de substituir os existente (porque ficam obsoletos, por exemplo), mas que executam a mesma missão. A diversificação corresponde à situação em que os produtos e as missões são novos para a empresa. O outro fator relacionado com o negócio da empresa e seu encadeamento é a vantagem competitiva que a mesma possui. A vantagem competitiva diz respeito às características da empresa que lhe dão condições especiais de competição (em termos de custos ou de outros fatores quaisquer) em determinados binômios de produtos e mercados. Tem-se então que o negócio da empresa e seu encadeamento podem ser especificados da seguinte modo : através do binômio produto-mercado, do vetor de crescimento, da vantagem competitiva e da sinergia. O binômio produto-mercado restringe a empresa às indústrias e aos mercados específicos em que ele atua. Os componentes do vetor de crescimento permitem identificar se a empresa está movendo-se dentro da indústria (expansão) ou através da fronteira da indústria (diversificação). A vantagem competitiva permite determinar os produtos e mercado nos quais a firma se encontra especialmente preparada para atuar. Finalmente, a sinergia positiva permite que seja especificado o potencial de a empresa fazer uma boa entrada em determinado produto e/ ou mercado. 1.4 O projeto no processo de planejamento Definição e tipos de projetos Entendemos por projeto o conjunto de informações internas e/ ou externas à empresa, coletadas e processadas com o objetivo de analisar-se (e, eventualmente, implantar-se) uma decisão de investimento. Nestas condições, o projeto não se confunde com as informações, pois ele é entendido como sendo um modelo que, incorporando informações qualitativas e quantitativas, procura simular a decisão de investir e suas implicações. A classificação do projeto por tipo dependerá do objetivo. Se o objetivo for o de classificar o tipo de projeto em função do setor econômico, onde se processa o investimento, tem-se : Agrícola Industrial De serviços Esta é uma classificação macroeconômica, associada, portanto aos três grandes setores de atividades econômicas.

8 8 Caso se deseje classificar o projeto do ponto de vista microeconômico (ou seja, de impacto na empresa), então a classificação pode ser: De implantação De expansão ou de ampliação De modernização De relocalização De diversificação Pode ser também que se queira classificar o projeto em função do uso que o mesmo terá para a empresa ao longo processo decisório e até à implantação do mesmo. Neste caso a classificação é a seguinte: De viabilidade Final De financiamento O projeto de viabilidade é um projeto de estudo e análise, ou seja, é um projeto que procura verificar a viabilidade a nível interno da própria empresa. Quando surge a idéia (ou a oportunidade) de investir, começa o processo de coleta e processamento de informações que, devidamente analisadas, permitirão testar a sua viabilidade. Fica claro então que a empresa deve elaborar vários projetos de viabilidade desde a idéia inicial até à decisão de investir. O que se observa na pratica, entretanto, é que este tipo de projeto às vezes não é executado pelas empresas nacionais, que admitem a viabilidade por antecipação. Isto é, quando uma empresa resolve executar determinado investimento, raramente faz a verificação da viabilidade de modo formal e explícito. Em geral, a verificação da viabilidade acaba sendo relegada a segundo plano (ou então nem é feita) dentro do processo decisório, porque é incômoda, porque é demorada, porque se atingiu o ponto de não-retorno na decisão etc. Este modo de proceder resulta da ausência de um processo de planejamento formal nas empresas, em que o projeto da viabilidade seria o último nível. O projeto final constituiu-se no conjunto de informações em que a grande maioria dos parâmetros críticos para a fase de implantação já se encontra definida E congelada (tais como o processo, os equipamentos básicos, os cronogramas etc). Neste sentido, o projeto é algo mais que um orçamento : é um documento auxiliar ao próprio processo de acompanhamento do projeto. Mais uma vez é preciso dizer que este tipo de projeto raramente é feito nas empresas nacionais. Às vezes, inclusive, o projeto continua a ser modificado profundamente durante a própria fase de implantação. Não é de se estranhar, portanto, a virtual impossibilidade de se comparar o projeto de viabilidade com o que foi implantado. O projeto de financiamento é um projeto feito para atender às exigências e quesitos dos órgãos financiadores (como os bancos de investimentos) e/ ou os órgãos que concedem incentivos (a níveis federais, regionais, estaduais e municipais). Este tipo de projeto, via de regra, resulta do preenchimento de formulários padronizados que são distribuídos pelos órgãos que darão os

9 9 financiamentos e/ ou incentivos. É freqüentes a confusão deste tipo de projeto com o projeto de viabilidade e com o projeto final. O que se constata é que, às vezes, o projeto de financiamento é feito de modo muito otimista com o objetivo de sensibilizar os órgãos que darão os incentivos e/ ou os financiamentos. Deste modo, os valores usados neste tipo de projeto (mesmo quando se faz desconto da inflação) raramente coincidem com o que foi implantado O papel do projeto na decisão de investir O projeto é parte integrante do processo decisório, desde a idéia de investir até sua consecução. Isto porque o projeto atua como um realimentador deste processo em suas diversas fases. Segundo esta ótica, projeto enquadra-se, como se pode ver na figura 1.2, em um processo de planejamento. Os objetivos serão fixados pelo conflito entre os diversos grupos que detem alguma parcela de poder na empresa. Estabelece-se um processo de barganha que permite compatibilizar as discrepâncias entre os objetivos das pessoas, dos grupos (das coalizões) e as necessidades imposta pelo meio ambiente (que será mais ou menos turbulento para cada caso) Os objetivos que resultarem deste processo nortearão o planejamento estratégico da empresa. Neste ponto, e antes que as decisões estratégicas sejam operacionalizadas, tem-se o processo de elaboração e analise de projetos, como um simulador e realimentador das decisões estratégicas, particularmente das decisões de investimento. Antes que do planejamento estratégico resultem as decisões de investimento e antes que estas sejam implementadas, é necessário testar sua viabilidade e verificar se são compatíveis com os objetivos. Esta verificação de viabilidade é feita usando-se um projeto (ou seja, um modelo da realidade). Ela é de grande importância nesta fase, porque as decisões estratégicas de investimento, em geral, envolvem grandes volumes de recursos, são de longa duração, inflexíveis e, conseqüentemente, exercem um impacto profundo na empresa. Além disto, o risco envolvido na decisão pode ser muito grande para a empresa, sendo necessário ter-se uma medida do mesmo e do seu impacto. Pode-se dizer que, à medida que o tempo passa, o processo de planejamento estratégico sofre uma transição para planejamento tático (embora o mesmo não possa ser dito quanto à natureza das decisões e táticas). Assim, quando a empresa constata a viabilidade de determinada decisão de investimento (ou quando há um consenso, interno ou mesmo quando a decisão é imposta) e decide pela sua implementação, tem-se que o planejamento passa de estratégico para tático e o projeto de viabilidade cede seu lugar para o projeto final. Neste ponto o projeto já deve estar definido em seus grandes aspectos, começando o trabalho de detalhamento de engenharia e de implantação. O projeto pode não ser aceito em qualquer ponto da fase em que se analisa sua viabilidade. Porém, isto vai-se tornando cada vez mais difícil à medida que se avança na sua implementação, até que se chegue a um ponto de não-retorno. A partir deste ponto, os custos associados à desistência são maiores do que aqueles que se incorre continuando a implantação, mesmo que as condições tenham mudado.

10 10 OBJETIVOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROJETO DE VIABILIDADE PLANEJAMENTO TÁTICO PROJETO FINAL IMPLANTAÇÃO PRODUÇÃO Figura 1.2 O projeto como parte integrante do planejamento Tendo sido implantado, o projeto entra na fase de testes de operação e, finalmente, de operação O processo de elaboração e analise de projetos O quadro 1.2 contem a distribuição porcentual dos custos de investimento para uma fabrica de celulose e papel situada em zonas afastadas: PORCENTAGEM DO ITEM INVESTIMENTO TOTAL Estudos de viabilidade 0,3% a 1% Engenharia e imprevistos 8% a 12% Supervisão e gastos gerais da construção 9% a 12% Construção da fábrica (mão-de-obra inclusa) - Preparação e estruturas do terreno 12% a 20% - Equipamento e instalação 45% a 52% Gastos pré-operacionais e inicio de operação 3% a 7% Juros durante a construção 4% a 6% Capital de giro 5% a 13%

11 11 Pode-se verificar que os gastos com os estudos de viabilidade são os menores de todos os custos de investimento. Entretanto, o estudo de viabilidade pe de vital importância para a decisão de investir. Isto ocorre não só ao se analisar e selecionar as oportunidades de investimentos que sejam mais convenientes, como também ao se evitarem investimentos antieconômicos e ou mal dimensionados.. Além disso, como já se observou, a decisão estratégica de investimento apresenta-se como pouco flexível, de difícil reversão, de impacto demorado no tempo, requerendo grandes volumes de recursos. Deve-se acrescer que as decisões tomadas nesta fase de viabilidade irão influir sobre toda a vida útil da empresa, de modo que o grau de liberdade operacional tende a ser muito menor (ou seja, uma administração operacional bom executada pode não ser capaz de compensar pelos erros de projeto). Este fato tende a ser mais importante em função de setores que são intensivos de capital, como os setores de siderurgia, papel e celulose, cimento, química etc. Apesar do que foi argumentado, muitas vezes a analise de viabilidade não é elaborada ou então é efeito um projeto de financiamento que é assumido como se fosse o projeto de viabilidade. Existem várias razões para isto, entre as quais o fato de que a estrutura de financiamento e incentivos (e de solicitação de projetos) surgiu de cima para baixo (como é o caso de BNDE, SUDENE, BNB, CDI etc). Outra razão importante é que a análise de viabilidade requer tempo e recursos e estes fatores podem ser escassos (ou julgados muito caros, apesar da evidência em contrário) quando a empresa não tem tradição de planejamento. É preciso, então, que o processo de elaboração a analise de projetos seja realizado levando-se em conta alguns fatores básicos. Como ponto de partida deve-se considerar o fato de que uma analise de viabilidade é feita com base em projeções. Além disso, é freqüente que cada fase de verificação da viabilidade corresponda a um processo de decisão aplicada a um problema complexo, com limites não muito bem definidos e com informação parcial. Estes dois fatores (incerteza quanto às projeções, própria de qualquer processo de inferência, informação parcial) fazem com que a coleta e o processamento de informações custam tempo e recursos. É uma questão de lógica a empresa dispender recursos (e tempo) na analise de viabilidade de modo proporcional ao risco que projeto apresenta, como o que se indicou na figura 1.3. GASTO EM ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE VIABILIDADE CUSTO VARIÁVEL DE COLETA E PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÕES, ASSESSORIA EXTERNA ETC. CUSTO FIXO DE ASSESSORIA RISCO Figura 1.3 Os gastos em elaboração e análise em função do risco.

12 12 Ou seja, se determinada opção de investimento apresentar um grau de risco elevado (capaz de colocar em jogo a rentabilidade, a estabilidade ou mesmo a sobrevivência da empresa), então quantias maiores de recursos devem ser gastas para a analise de viabilidade. É importante observar que o risco pode estar associado a uma diversificação, por exemplo, e/ ou a projetos que requerem um volume elevado de recursos para a empresa. Por outro lado, a experiência diz que os processos de busca, coleta e processamento de informações saturam longe de certeza absoluta. Como é sabido, isto decorre em parte da incerteza inerente a qualquer processo de inferência e, em parte, dos limites impostos pelo próprio meio (consubstanciado pela carência de informações secundarias e pelas dificuldades em se levantarem informações primarias). Isto faz com que o custo de coleta e processamento de informações cresça de modo exponencial com a confiabilidade já alcançada, como está indicado na figura 1.4. GASTO EM ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE VIABILIDADE 100% Confiabilidade Figura 1.4 Os gastos em elaboração e análise em função da confiabilidade Ou seja, a empresa deve gastar em consonância com o grau de confiabilidade já atingido na análise de viabilidade. Pode-se dizer então que existe um custo associado à inexatidão. Este custo corresponde à maior perda que a empresa poderá sofrer para cada nível de imprecisão (ou seja, de erro) admitindo na análise de viabilidade. Dado então certo nível de risco do projeto, o custo de inexatidão será crescente com a imprecisão com que foi feita a análise de viabilidade.

13 13 Por seu lado, os custos de elaboração e análise de viabilidade do projeto serão decrescentes com a imprecisão fato que pode ser visualizado na figura 1.5. $ CUSTO TOTAL CUSTO DE INEXATIDÃO GASTO EM ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE VIABILIDADE REGIÃO DE ÓTIMO IMPRECISÃO Figura 1.5 A região de custo mínimo O custo total será a soma das duas curvas, de modo que se pode obter (em termos muito teóricos) uma região ótima, que corresponde a um custo total mínimo. Finalmente, deve-se notar que o processo de verificação da viabilidade se processa em etapas sucessivas de envolvimento por parte da empresa, como se pode ver na figura 1.6. GASTO ACUMULADO EM ELABORAÇÃO E ANÁLISE PROJETO FINAL IDÉIA INICIAL CUSTO FIXO DE ASSESSORIA (CUSTO DO DIAGNÓSTICO) PRÉ-VIABILIDADE VIABILIDADE TEMPO Figura 1.6 Os gastos acumulados em elaboração e análise em função do tempo.

14 14 A idéia inicial pode ter surgido de uma oportunidade que a empresa detectou no meio ambiente através, por exemplo, de um diagnostico externo feito por seu órgão de assessoria (ou então pode ter aparecido de uma oportunidade interna, como um novo produto ou o aproveitamento de um resíduo). Esta idéia inicial é traduzida numa analise de viabilidade superficial para verificar se vale a pena fazer a analise de pré-viabilidade. Caso a resposta seja positiva, entramos na fase de analise de pré-viabilidade, e a seguir, na fase de análise de viabilidade. Quantias crescentes serão gastas nas pesquisas de mercado, analise de viabilidade técnica, determinação do tamanho etc. O ponto importante, por mais óbvio que possa parecer, é que os gastos devem ser feitos por etapas e que a empresa não deve gastar mais do que o necessário em cada estagio de decisão. Ou seja, deve existir a consciência, por parte do próprio analista (e/ou da assessoria), de que o esforço em aprimorar a análise deve ser gradativo Quem deve elaborar o projeto A quem cabe a responsabilidade pela elaboração e análise do projeto faz parte do eterno conflito entre linha e assessoria. Quem implanta é o pessoal de linha, mas quem tem mais tempo para analisar é o pessoal de assessoria. A resposta mais lógica é que a idéia inicial de investimento pode vir tanto da assessoria com da linha. Porém, como a decisão de investimento é complexa e envolve aspectos interdisciplinares, temos que o projeto já em fase de viabilidade deve ser elaborado tanto quanto possível pelos órgãos de linha e analisado pelos órgãos de assessoria. Deste modo garante-se a necessária participação e envolvimento de quem irá implantar o projeto e, ao mesmo tempo, o afastamento e a imparcialidade na analise de viabilidade. 2 - A ESTRUTURA E AS ETAPAS DE UM PROJETO 2.1 Introdução Um projeto pode ser entendido como um conjunto de informações que são coletadas e processadas, de modo que simulem uma dada alternativa de investimento para testar sua viabilidade. A necessidades de informação irão depender de cada caso. Mas, em se tratando de projetos no setor industrial, existem alguns aspectos ditos estruturais que podem ser considerados comuns a todos os projetos. Em geral, estes diferentes aspectos estruturais tendem a ser inter-relacionados, de modo que se torna difícil fazer a análise de cada aspecto separadamente para depois obter-se o agregado (que é o projeto). Além disso, o processo de elaboração a análise fica

15 15 mais complicado quando se considera que, para quem vai decidir sobre o investimento, as hipóteses e as considerações extraprojeto (ou seja, as análises qualitativas) tendem a desempenhar papel muito mais importante do que os resultados das análises quantitativas. A solução encontrada para este problema complexo e de fronteira não bem delimitada (que decorre, no fundo, do próprio caráter interdisciplinar comum aos projetos de investimento) foi a separação dos diferentes aspectos em grupos distintos. Cada aspecto passa a ser analisado separadamente de modo parcial para ser adicionado posteriormente aos demais, através de cronogramas e projeções. É feita então uma análise sobre os mesmos para que se possa saber se o projeto é viável ou não. Esta análise em geral é realizada seqüencialmente, de modo interativo e em grau crescente de complexidade para cada aspecto, até que seja atingido o grau de sofisticação adequado. 2.2 A estrutura do projeto Os aspectos mais freqüentemente encontrados em uma alternativa de investimento são os seguintes: Aspectos econômicos a) Mercado Pode ser que a oportunidade de investimento tenha surgido em virtude da análise de marcado. De qualquer modo, são os elementos fornecidos pela análise de mercado que determinarão de modo fundamental muitas das características do projeto. Quantidade demandada, preço de venda, canais de distribuição (e a formação de estoques nestes canais), descontos etc.., tornam a análise de mercado um dos primeiros aspectos a serem considerados no projeto. b) Localização O passo seguinte é procurar o local ideal para situar a alternativa de investimento em pauta. A escolha da localização dependerá de diversos fatores, tais como o mercado, a escala pretendida, considerações técnicas etc. Além disso, será muito importante analisar a disponibilidade local dos diversos bens de produção intermediários tais como mão de obra, energia, matéria prima e as condições, ambientais como: necessidade de controle de poluição, restrições ao uso da terra, clima, resistência do solo etc. c) Escala A escala de produção irá depender, entre outros fatores, do estudo do mercado,da localização e dos aspectos técnicos. A existência de economia de escala pode ser um aspecto determinante na escolha de determinada capacidade de produção. Pode ser também que considerações de engenharia do projeto e/ ou que o desenvolvimento esperado da tecnologia venham a influir bastante na seleção de

16 16 certo tamanho de fábrica. Isto será muito importante em setores e / ou processo cuja tecnologia de produção ainda não se encontre madura Aspectos técnicos Os aspectos técnicos envolvem as considerações referentes à seleção entre os diversos processos de produção, à engenharia do projeto, ao arranjo físico dos equipamentos na fabrica etc. Pode ser que os processos de produção se apresentem em alternativas claramente definidas e com tecnologias maduras, isto é, sem que haja previsão de grandes mudanças tecnológicas em médio prazo (como ocorre, por exemplo, com os processos e produção de cimento, celulose, papel etc.). Nestes casos, freqüentemente já há, entre os técnicos e engenheiros, certo consenso sobre qual seja a melhor opção de tecnologia, de processo e de fornecedor dos equipamentos. Por outro lado, o projeto de investimento que se está estudando pode pertencer a uma área que passa por processo de desenvolvimento tecnológico acelerado. Pode ser também que a opção tecnológica não seja tão clara e que não exista consenso sobre qual seja a melhor alternativa para processos e / ou para os fornecedores de equipamentos (como parece ocorrer atualmente em muitos ramos de eletrônica, no caso do desenvolvimento da fusão nuclear etc.) Nestas condições, será necessário complementar a análise do projeto propriamente dito com análises de avaliação e previsão tecnológica, para que presumivelmente se possa selecionar a melhor opção. Uma vez acordado que os processos são processos são operacionais, ou seja, que funcionam, tem-se que os aspectos técnicos passam a sofrer um tratamento econômico e / ou financeiro dentro da própria estrutura do projeto. Devese observar que, nesta fase, os elementos da parte técnica são muito importantes para a definição das necessidades de matérias-primas, rendimentos etc. Estes elementos constituintes a base física da elaboração dos cronogramas (físico e financeiro de implantação do projeto) e das projeções de resultados Aspectos Financeiros a) Composição do capital Neste aspecto são analisadas as diferentes opções que existem para compor o capital a ser investido no projeto. Simplificadamente, o que se procura é determinar a composição do capital próprio e de terceiros. A restituição e/ ou remuneração do capital alheio deverá ser levado em conta nas projeções. Por seu lado, o custo da remuneração das diversas fontes (ou seja, o custo do capital) é um elemento importante a ser considerado na análise do projeto. b) Financiamentos Nesta parte são analisadas as alternativas de empréstimo, Procura-se determinar, entre as fontes de empréstimos disponíveis, aquelas que apresentam maior conveniência e/ ou que otimizam a rentabilidade do projeto.

17 17 O volume de capital emprestado, em geral, é um aspecto de grande relevância para determinar o total de investimento a ser feito em certo projeto. O mesmo pode ser dito com relação ao cronograma de desembolsos dos recursos ou seja, o próprio prazo de implantação de determinado projeto. c) Capital de Giro A análise financeira das fontes e aplicações do dinheiro em giro permitirá que se determine o capital de giro próprio. Este, sendo um investimento a ser feito, deverá ser incluído nos desembolsos do projeto d) Outros Pode ser também necessário elaborar a análise retrospectiva (isto é feito em geral, quando a firma já opera) e /ou prospectiva (ou seja, sobre as projeções do projeto). Tais análises envolvem, entre outros, itens como: grau de endividamento, índices de liquidez, análise da evolução do capital e do patrimônio, capacidade para pagamento dos empréstimos etc Aspectos administrativos Os aspectos administrativos dizem respeito à estrutura organizacional que será necessária para a implantação e para a operação do projeto. O custo destas estruturas será alocado ao projeto no caso do custo operacional e no caso do custo de implantação (custo este que poderá ser amortizado quando da operação do empreendimento) Outro aspecto importante é o treinamento das pessoas que irão compor os quadros de implantação do projeto e da empresa já na fase de operação Aspectos jurídicos e legais Os aspectos jurídicos tendem a apresentar uma relação indireta para com o projeto. É que ocorre, por exemplo, com a forma societária da empresa; seu tipo, quais são os sócios e qual a participação acionária de cada um, o registro na Junta Comercial etc. Uma implicação mais direta ocorre quando a empresa tem de assinar contratos, como; de fornecimento de matéria-prima, de compra de tecnologia e/ ou de patentes de exportações, de leasing etc. O mesmo pode ser dito com relação aos diversos tipos de seguros. Já os aspectos legais estão relacionados com as exigências legais e/ ou incentivos fornecidos pelos governos federal, estadual e municipal. Nestas categorias enquadram-se os impostos, os incentivos fiscais (para exportação, para investimento em áreas incentivadas e/ ou em setores predeterminados, para que possa ser feita depreciação acelerada etc.), os incentivos estaduais e/ ou municipais para favorecer a instalação de industrias em determinado local e outros.

18 Aspectos do meio ambiente Já são antigos os problemas associados à degradação do meio ambiente pela população, pelos órgãos públicos e pelas empresas privadas. Atualmente, inclusive, há certo consenso de que o país já não pode crescer a qualquer custo, provocando com isto uma deterioração irresistível do ambiente. Nestas condições, tem-se tornando cada vez mais importante incorporar tais problemas na análise do projeto, nos seus aspectos positivos e negativos. Do ponto de vista dos aspectos positivos, devem ser consideradas as chamadas economia externas decorrentes do projeto, tais como : nível de emprego treinamento dado aos empregados, construção de escolas e de creches, desenvolvimento da comunidade onde se instala o empreendimento etc. No que diz respeito aos aspectos negativos, ou seja, as deseconomias externas podem ser citadas pelo menos os impactos seguintes : poluição (do ar, da água, do solo, no nível de ruído etc. ), degradação ecológica (da vida animal e vegetal, do clima etc..), periculosidade para os próprios trabalhadores e para a comunidade, etc. Já existe no Brasil um conjunto crescente de regulamentação governamental feita no sentido de proteger o ambiente. Deve ser observado, entretanto, que é a própria empresa que deve procurar incorporar estes problemas na elaboração do projeto, fazendo uma analise de benéfico / custo Aspectos contábeis Os aspectos de caráter contábil estão relacionados com a metodologia de elaboração dos cronogramas financeiros e das projeções. Estão relacionados também com a estrutura contábil da empresa, tais como : o plano de contas, a escrituração dos livros, os instrumentos para controle durante a fase de implantação e, depois, durante a operação etc. 2.3 As etapas de um projeto A elaboração e a análise de um projeto envolvem uma série de etapas interativas, que podem ser ordenadas segundo certo critério. O que se procura é balancear os diferentes fatores em cada interação de modo que se obtenha certo equilíbrio entre os fatores considerados mais importantes. No esquema apresentado na Figura 2.1 tem-se os aspectos mais importantes que são considerados na elaboração de projeto. O ponto de partida, é uma oportunidade de investimento que foi detectada pela empresa e/ ou pelo empresário. Tal oportunidade de investimento poderá ter surgido em virtude de uma procura consciente externa (através de um diagnóstico, por exemplo) ou por pressões vindas de dentro da própria empresa (por exemplo, quando o departamento de pesquisas descobre um novo produto ou possibilidade de aproveitar os resíduos de um processo etc). Pode ser também que a

19 oportunidade de investimento seja apontada pelo próprio poder público através da sua intenção de executar investimento em áreas e/ ou setores predeterminados. O primeiro passo então é realizar um estudo de mercado. Neste estudo será caracterizado o produto, a quantidade demandada projetada, os canais de comercialização, o preço de venda etc. A seguir, são abordados os aspectos técnicos, a localização e a escala do projeto. Estes aspectos estão intimamente relacionados; o tipo de processo a ser escolhido pode condicionar a localização geográfica e esta a escala de produção. Feita a seleção do processo e a determinação dos investimentos mais significativos para determinada, localização e escala, será possível estimar o volume de financiamentos necessários e a provável composição do capital da empresa. Neste ponto será analisado o custo das fontes de recursos, bem como o risco inerente à opção de um endividamento excessivo. 19

20 20 MERCADO LOCALIZAÇÃO ESCALA ESCALA FINANCEIRO ADMINISTRATIVO JURÍDICO CONTÁBIL MEIO AMBIENTE CRONOGRAMA DE DESEMBOLSO, PROJEÇÕES DE CUSTOS E RECEITAS. PARAR A ANÁLISE NÃO AVALIAÇÃO SIM APROVADO PROJETO FINAL IMPLANTAÇÃO OPERAÇÃO Figura 2.1 As etapas de um projeto

PROJETOS ESTUDO, ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO MÓDULO 1 CONCEITOS BÁSICOS EM PROJETOS

PROJETOS ESTUDO, ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO MÓDULO 1 CONCEITOS BÁSICOS EM PROJETOS PROJETOS ESTUDO, ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO MÓDULO 1 CONCEITOS BÁSICOS EM PROJETOS 1 - INTRODUÇÃO Um projeto é o conjunto de antecedentes que permite estimar as vantagens e desvantagens econômicas que derivam

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Planejamento e Projeto Professor: Roberto César SISTEMA ECONÔMICO Mercado de Bens e Serviços O que e quando produzir Famílias Empresas Pra quem produzir Mercado de Fatores

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

ROTEIRO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E INFORMAÇÕES PARA UM DIAGNÓSTICO INTEGRADO DE PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

ROTEIRO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E INFORMAÇÕES PARA UM DIAGNÓSTICO INTEGRADO DE PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Financeira e Controladoria tem por objetivo o fornecimento

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria

Leia mais

DIAGNÓSTICO FINANCEIRO DE UMA PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA - CTAE

DIAGNÓSTICO FINANCEIRO DE UMA PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA - CTAE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE DIAGNÓSTICO

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Importância dos Fluxos de Caixa na Avaliação Econômica

Importância dos Fluxos de Caixa na Avaliação Econômica Importância dos Fluxos de Caixa na Avaliação Econômica O fluxo de caixa resume as entradas e as saídas efetivas de dinheiro ao longo do horizonte de planejamento do projeto, permitindo conhecer sua rentabilidade

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Proporciona ao executivo informações básicas b para começar a usufruir das vantagens do planejamento estratégico, através s do tratamento adequado

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico?

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico? COMO CONSTRUIR CENÁRIOS! O que é cenário macroeconômico?! Quais os elementos necessários para construção de cenários?! Etapas para elaboração de cenários macroeconômicos! Análise do comportamento das variáveis

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS! Se as linhas de crédito estão escassas, qual a melhor estratégia para suprir a empresa com recursos?! É possível manter a

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa A Projeção de Investimento em Capital de Giro! Dimensionamento dos Estoques! Outras Contas do Capital de Giro Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ...

ORIENTAÇÕES GERAIS ... ORIENTAÇÕES GERAIS O Projeto de viabilidade econômico-financeira será solicitado, a critério do Banco, de acordo com as características do investimento, finalidade do projeto, tipo de segmento de mercado,

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II

Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II Como dimensionar o investimento em um projeto PARTE II Como elaborar a programação dos investimentos? Existe um método alternativo para o cálculo do Capital de Giro de uma empresa ou projeto? Como elaborar

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze 1 A Controladoria no Processo de Gestão Clóvis Luís Padoveze Cascavel - 21.10.2003 2 1. Controladoria 2. Processo de Gestão 3. A Controladoria no Processo de Gestão 3 Visão da Ciência da Controladoria

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Resolução 038/2001 CONSEPE

Resolução 038/2001 CONSEPE Resolução 038/2001 CONSEPE Aprova as normas de funcionamento do Curso de Administração do Centro de Ciências da Administração CCA/ESAG. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO 1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA 1.1. Razão Social: 1.2. Endereços: Fone: - Escritório - Fábrica 1.3.

Leia mais

Identificar as oportunidades de mercado. Realizar análise de mercado. Elaborar previsão de vendas. Utilizar instrumentos de marketing.

Identificar as oportunidades de mercado. Realizar análise de mercado. Elaborar previsão de vendas. Utilizar instrumentos de marketing. : Técnico em Administração Descrição do Perfil Profissional: Identificar, interpretar, analisar fundamentos, conteúdos, sentidos e importância do planejamento na Gestão Mercadológica, Administrativo-Financeira,

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert Vamos abordar os tópicos para a implantação da contabilidade moderna nas empresas. A contabilidade é legalmente utilizada nas empresas para atender aos enfoques legal

Leia mais

Simulação Industrial de Pequenas e Médias empresas (Sind PME 4.0)

Simulação Industrial de Pequenas e Médias empresas (Sind PME 4.0) Simulação Industrial de Pequenas e Médias empresas (Sind PME 4.0) Caro participante, Você está prestes a assumir a administração de uma empresa virtual. Aproveite esta oportunidade para desenvolver as

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada.

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada. INTRODUÇÃO Todas as empresas, com ou sem fins lucrativos, estabelecem um preço para seus produtos. Mas como estabelecer este preço? Quais os fatores que influenciam no estabelecimento do preço?. De forma

Leia mais

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA.

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Fevereiro de 2007. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula

FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula Formação de Preços Fatores Determinantes: Influência do macroambiente Análise da concorrência Comportamento de compra do consumidor Ciclo de vida do produto Segmentação do mercado

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR Edmundo Tork APOSTILA 3 TURMA: EMPRESA E SISTEMA 5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 2 EMPRESA COMO SISTEMA E SEUS SUBSISTEMAS

Leia mais

ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade Geral - 4 72 ADM004 Metodologia Científica - 2 36 ADM005 Métodos Quantitativos - 4 72

ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade Geral - 4 72 ADM004 Metodologia Científica - 2 36 ADM005 Métodos Quantitativos - 4 72 Matriz Curricular do Curso de Administração 2015.1 1ª Fase CÓDIGO DISCIPLINAS PRÉ- REQUISITOS CRED ADM001 Interpretação e Produção de Textos - ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS CONTÁBEIS COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO A leitura como vínculo leitor/texto, através da subjetividade contextual, de atividades

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2013.1 Atualizado em 7 de agosto BRUSQUE de 2013 pela Assessoria (SC) de Desenvolvimento 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

Determinando o Retorno Futuro dos Investimentos de Capital

Determinando o Retorno Futuro dos Investimentos de Capital C A P Í T U L O 18 Determinando o Retorno Futuro dos Investimentos de Capital Capítulo 6 analisa a entidade de negócios como uma empresa de investimentos e usuária de capital. Do ponto de vista de investimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I

A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I! Qual a importância do Plano Financeiro em um Business Plan?! Quais os tipos de Planejamento Financeiro utilizados em um Business Plan?!

Leia mais

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Documento técnico Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Embora a transição para o software CAD 3D aumente significativamente o desempenho dos negócios, o investimento levanta questões

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária

Contabilidade Financeira e Orçamentária Contabilidade Financeira e Orçamentária Mercados Gestão de Riscos Planejamento Orçamentário Mercado Financeiro Mercado financeiro Em uma economia, de um lado existem os que possuem poupança financeira

Leia mais

RESOLUÇÃO. Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogadas as disposições contrárias. Campinas, 16 de novembro de 2004.

RESOLUÇÃO. Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogadas as disposições contrárias. Campinas, 16 de novembro de 2004. RESOLUÇÃO CONSEAcc CPS 3 /2004 APROVA AS EMENTAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE CAMPINAS, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus CONSEAcc, do câmpus de Campinas,

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Gest ão em Cooper at i vi smo

Gest ão em Cooper at i vi smo Gest ão em Cooper at i vi smo Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial 1 A Contabilidade como Ciências; Princípios Fundamentais de Contabilidade e Normas Brasileiras de

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) Atualizado em 15 de janeiro de 2015 pela 2015 Assessoria

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail. Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.com Papéis fundamentais dos SI Os SI desempenham 3 papéis vitais em

Leia mais