As Regras de Roterdam e Atualidades no Comércio Marítimo Internacional Maio/2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "http://www.portofrotterdam.com/ As Regras de Roterdam e Atualidades no Comércio Marítimo Internacional Maio/2009"

Transcrição

1 As Regras de Roterdam e Atualidades no Comércio Marítimo Internacional Maio/2009

2 Breves Notas sobre as Regras de Roterdam Uma visão comparativa e uma perspectiva brasileira em relação a nova Convenção das Nações Unidas sobre o transporte internacional de mercadorias, parcial ou integralmente por via marítima, a ser assinada em setembro de 2009.

3 Preâmbulo A comunidade marítima internacional vive grande expectativa em torno da futura Convenção Internacional sobre o Transporte Marítimo Internacional de Mercadorias, cujo texto final foi adotado pela Assembléia Geral das Nações Unidas em 11 de dezembro de 2008 e que deverá estar aberta para assinaturas pelos Estados-Parte em 23 de setembro de 2009, na Cidade de Roterdam, Holanda. Tal convenção, desde logo intitulada como Regras de Roterdam (cidade sede da cerimônia de assinatura), conforme expressamente referido em seu preâmbulo, objetiva atualizar as disposições da Convenções Internacionais de 1924 (Regras de Haia) e respectivo Protocolo de Haia-Visby 1968 e a Convenção de 1978 (Regras de Hamburgo), incorporando os novos conceitos, práticas e costumes do comércio marítimo internacional globalizado e integrado com outros modais, os quais nos últimos trinta anos sofreram forte influência e modificação com as inovações tecnológicas introduzidas nas atividades mercantis, seja em relação à acelerada modernização das embarcações, seja por força do avassalador impulso dos meios eletrônicos de comunicação utilizados nas transações mercantis e na emissão de documentos fiscais e de transporte, cobrindo ainda a circulação mundial de mercadorias.

4 Preâmbulo O texto da convenção foi discutido, exaustivamente, por mais de 12 anos pela UNCITRAL (United Nations Commission on International Trade Law) e contou com a participação ativa de representantes de algumas nações de grande influência como Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Japão, China, Índia, Rússia e Brasil. Esse breve estudo abordará os principais aspectos e modificações a serem introduzidas pelas Regras de Roterdam no comércio marítimo internacional e um quadro comparativo com as convenções atualmente em vigor e, também, frente à legislação brasileira.

5 Preâmbulo Em relação às Regras de Haia e Haia-Visby, o Brasil não subscreveu nenhuma dessas convenções internacionais. De outra parte, embora seja signatário das Regras de Hamburgo, o Brasil não ratificou tal convenção. O Brasil contempla, em seu ordenamento jurídico interno, as fontes e ferramentas para dirimir os conflitos inerentes à responsabilidade do transportador marítimo, sendo razoável afirmar que ante a sua vocação exportadora, os interesses dos proprietários das cargas parecem estar mais tutelados, em dissintonia com a equação obrigacional (transportador x carga) adotada pelas convenções internacionais de Haia, Haia-Visby e Hamburgo, as quais, comparativamente à legislação doméstica brasileira, são bem mais favoráveis aos interesses dos armadores.

6 Preâmbulo Essa, talvez, é a razão pela qual o Brasil não tenha adotado até hoje nenhuma das três convenções internacionais antes referidas, o que pode parecer, atualmente, retrocesso e uma posição antagônica às recentes medidas adotadas pelo Governo Brasileiro e pelo Congresso Nacional para revitalizar os estaleiros nacionais e restabelecer a frota mercante nacional, desde o implemento da Lei 9.432/97 que criou o chamado Registro Especial Brasileiro que já mostra resultados significativos com a retomada do setor, sendo o maior exemplo disso o programa de renovação da frota de petroleiros da Transpetro (PROMEF I e II), com previsão de construção no Brasil de mais de 40 petroleiros de última geração, todos a serem embandeirados com o pavilhão nacional.

7 em vigor e com a Legislação Brasileira (i) Escopo da Convenção Com o intuito de uniformizar as Convenções e regimes jurídicos existentes relacionados ao transporte marítimo, foram desenvolvidas as Regras de Roterdam ( United Nations Convention on Contracts for the International Carriage of Goods Wholly or Partly by Sea ), a nova convenção internacional sobre transporte marítimo que está sendo discutida na Comissão de Comércio Internacional das Nações Unidas, e tem previsão de promulgação em setembro de Tal Convenção terá como objetivo uniformizar e atualizar as regras e conceitos relacionados ao Direito Marítimo concebidos nas Regras de Haia (1924), Haia-Visby (1968) e de Hamburgo (1978), incluindo aspectos relacionados aos conhecimentos de embarque e limitação de responsabilidade dos armadores, dentre outros. Trata-se de uma convenção muito mais extensa que as demais, reunindo 96 (noventa e seis) artigos agrupados em 18 (dezoito) capítulos.

8 (ii) Interpretação e Boa- Fé A referida Convenção no seu artigo 2º que reza sobre as regras de interpretação da mesma, diz que na aplicação de suas normas deverá prevalecer a necessidade de promover a uniformidade e a boa fé f no comércio internacional, sendo este último aspecto, marco em relação a incorporação pelas referidas regras de alguns conceitos e regras de hermenêutica do Direito Civil, valendo invocar a regra inserta no artigo 422 do Novo Código Civil Brasileiro de 2002: Os contratantes são obrigados a guardar, assim na conclusão do contrato como em sua execução, os princípios de probidade e boa-fé.

9 (iii) Abrangência a outros modais de transporte vinculados a via marítima As Regras de Roterdam introduzem um elemento marcante de distinção em relação as Convenções de Haia, Haia-Visby e Hamburgo, pois disciplinam obrigações e direitos relacionados ao transporte multimodal, englobando todas as disposições da Convenção para a responsabilidade do transportador tanto no transporte marítimo, como no complemento terrestre. Isto porque nas Regras de Roterdam o transportador é definido como aquele que é parte do contrato de transporte realizado com o embarcador (Art. 1, (5) da Rotterdam Rules). Além disso, o contrato de transporte é definido como um um contrato que deve providenciar o transporte pelo mar, bem como providenciar o transporte por outros meios em complemento a via marítima tima (Art. 1, (1) da Rotterdam Rules).

10 Assim, responsabilidade do transportador marítimo pode ser interpretada como além da responsabilidade de transportar a carga pelo mar. Desta forma, as Regras de Roterdam estabelecem que o transporte poderá ter início com o embarque e desembarque da carga não apenas no porto, podendo ser realizado por via terrestre (Art. 11). A abrangência e aplicação da referida Convenção, a teor do seu artigo 5º, será sempre em relação a contratos de transporte que envolverem o local de recebimento e entrega ou o porto de embarque e o porto de desembarque das mercadorias que estejam situados em diferentes Estados, que sejam parte da Convenção ão, não sendo tais regras aplicáveis às relações jurídicas domésticas, como, por exemplo, em contratos de cabotagem.

11 Não importará, para efeito de aplicação da Convenção, a nacionalidade da embarcação, do transportador, das partes, embarcadores, consignatários e demais interessados, conforme o disposto no artigo 5º, item 2. Estão excluídos dos efeitos de tal Convenção os contratos de afretamento e outros contratos relacionados ao uso da embarcação ou de espaços nos chamados transportes Liners, ou seja aqueles serviços de transporte marítimo regulares oferecidos pelos transportadores em regime de tarifas, programação, datas e portos de escala previamente definidos e divulgados ao mercado de cargas em publicações específicas.

12 (iv) As diversas partes integrantes da obrigação contratual à luz da Convenção e o novo regime de responsabilidade solidária Uma das principais inovações da futura Convenção reside na modificação e ampliação - das partes integrantes da cadeia obrigacional inerente ao transporte marítimo. A futura Convenção inova ao trazer para o âmbito da mesma, além das clássicas figuras do transportador ( carrier ), embarcador ( shipper ) e do consignatário ( consignee ), novos partícipes da cadeia obrigacional.

13 A norma (artigo 1º, item 6) define como Parte Executora ( Performing Party ) aquela que sem ser o transportador, executa ou se compromete a executar quaisquer das obrigações do transportador por força de um contrato de transporte em relação ao recebimento, embarque, manuseio, estivagem, transporte, guarda, desembarque e entrega das mercadorias, desde que tais partes ajam, direta ou indiretamente, por solicitação do transportador ou sob seu controle ou supervisão. Há, também, a definição de Parte Marítima Executora ( Maritime Performing Party ) como sendo aquela Parte Executora que...execute ou se comprometa a executar quaisquer das obrigações do transportador por força de um contrato de transporte, durante o período entre a chegada das mercadorias no porto de embarque de um navio e a sua partida do porto de descarga de um navio.

14 No ponto, as Regras de Roterdam incorporam os conceitos do Direito Civil e da responsabilidade civil, não tão difundidos no Direito Anglo- Saxão, quais sejam a responsabilidade in eligendo e in vigilando, pois estabelece que o transportador é também responsável por atos ou omissões de qualquer Parte Executora ( Performing Party ), do Comandante e da tripulação ou de qualquer parte que execute ou se comprometa a executar quaisquer obrigações transportador por força de um contrato de transporte, desde que tais partes ajam, direta ou indiretamente, por solicitação do transportador ou sob seu controle ou supervisão (artigo 18).

15 Há, portanto, enorme alteração do regime das Regras de Haia e Haia-Visby, que segregam e apartam os atos da tripulação como fatos caracterizadores da responsabilidade do armador. Esse novo regime, sem sobra de dúvida, guarda plena afinidade com o regime do Código Civil Brasileiro, da chamada culpa in eligendo, ou seja responsabilidade da empresa por atos dos seus prepostos e empregados. Ademais, no artigo 19 da Convenção, há a previsão de responsabilidade da chamada Parte Marítima Executora ( Maritime Performing Party ) por seus atos no desempenho de atividades que lhe tenham sido delegadas pelo transportador ou desde que esta tenha recebido em custódia as mercadorias avariadas, perdidas ou que tenham sido entregues aos destinatários com atraso.

16 A Parte Marítima Executora ( Maritime Performing Party ) poderá, todavia, se beneficiar das mesmas defesas e limitaçõea aplicáveis ao transportador e previstas no artigos 17 e 59. No artigo 20, há a previsão de responsabilidade solidária entre o transportador e a Parte Marítima Executora ( Maritime Performing Party ), dentro dos limites estabelecidos na referida Convenção. Outras partes que foram objeto de clara definição na Convenção foram a figura do Holder ( Portador ) ou seja aquele que é o possuidor do documento negociável de transporte, com as particularidades do regime a ordem com a identificação do embarcador ou consignatário ou o endossatário.

17 Há, ainda, referência a Parte Controladora, que por definição é o embarcador, salvo se este tiver designado o consignatário ou o embarcador documentário. A chamada parte controladora poderá sempre transferir o seu direito de controle para terceiros, desde que previamente notifique o transportador. Assim, as Regras incorporam as características do conhecimento marítimo como título transferível e negociável de propriedade das mercadorias, aliás, com diversas disposições sobre os requisitos do documento de transporte negociável, conforme Capítulo 8. Os dois principais direitos da Parte Controladora, à luz da Convenção, são: (a) dar ou modificar instruções ao transportador em relação a carga, desde que não altere os termos do contrato de transporte e (b) exigir a entrega da carga no porto de entrega ou escala ou em relação ao transporte rodoviário, em qualquer local da rota rodoviária.

18 (v) Documentos Eletrônicos de Transporte As Regras de Roterdam, visando atualizar os conceitos tradicionais do transporte marítimo, cuidam, ainda, de disciplinar e definir o uso e os efeitos dos registros eletrônicos de transporte e estabelecer regras para a substituição dos documentos negociáveis de transporte pelos registro eletrônico negociável de transporte, consoante estabelecido no capítulo 3º, artigo 10. Dentre as obrigações, está aquela do transportador de emitir uma declaração expressa de que as vias negociáveis originais foram substituídas pelas versões eletrônicas. Tal aspecto bem demonstra a intenção da futura Convenção de atualizar as regras de emissão de documentos à realidade fática do comércio marítimo internacional.

19 (vi) Navegabilidade da Embarcação Em relação às obrigações do transportador em providenciar uma embarcação em condições de navegabilidade, as Regras de Roterdam diferem das Regras de Haia e de Haia Visby. Nas Regras de Roterdam, o transportador deve exercer a devida diligência para providenciar uma embarcação em condições de navegabilidade antes, no início e durante a viagem. Neste caso, entenda-se como devida diligência o dever do transportador em disponibilizar o navio em condições de navegabilidade, bem como armar, equipar e aprovisionar o navio. Por fim, o transportador deverá preparar o navio e deixar em bom estado os porões, frigoríficos, e todas as outras partes em que as mercadorias serão acondicionadas, para a sua recepção, transporte e conservação (Art. 14).

20 Nas Regras de Haia e Haia-Visby, o transportador deve atuar com eficiência e presteza para colocar o navio em condições de navegabilidade somente no início de cada viagem. Com isso, caso os países que adotem a tais convenções anteriores, resolvam ratificar a Regras de Roterdam, a responsabilidade de manter o navio em condições de navegabilidade se estenderá também por toda a viagem. (vii) Excludentes de Responsabilidade Nas Regras de Roterdam, tal qual ocorre nas demais Convenções e no direito brasileiro, o transportador é responsável pelas perdas e pelas avarias à carga, assim como pelo atraso em entregá-las ao destinatário. No entanto, no que concerne as excludentes de responsabilidade, a Convenção enumera uma série de situações onde ao transportador não será imputada à culpa pelas perdas e avarias à carga, bem como atrasos em sua entrega.

21 Configuram como excludentes (i) atos de Deus (caso fortuito ou de força maior), (ii) perigos ou acidentes do mar, (iii) guerras, hostilidades, conflitos armados, pirataria, terrorismo, revoltas e comoções civis, (iv) quarentena; interferência ou impedimentos criados pelo governo, autoridades públicas, detenção e arresto, (v) greves, (vi) incêndio a bordo, (vii) defeitos latentes no navio não descobertos durante a devida diligência realizada para deixá-lo em condições de navegabilidade (viii) ato ou omissão do embarcador, ou de qualquer parte que atue em nome do embarcador, (ix) embarque, manuseio, acomodação e desembarque da carga, caso haja acordo com outro responsável para este fim, (x) perdas e avarias decorrentes do vício oculto da mercadoria, (xi) insuficiência ou embalagem defeituosa, (xii) salvamento ou tentativa de salvamento de vida no mar, (xiii) medidas plausíveis para salvar, ou para tentar salvar carga no mar, (xiv) medidas plausíveis para evitar, ou para tentar evitar danos ao meio ambiente e (xv) situações em que o transportador sacrifique a carga para preservar a segurança da propriedade e afastar o perigo à vida humana.

22 As excludentes citadas se assemelham às excludentes consagradas na Regras de Haia e de Haia-Visby Rules (Art. 4º, (2) da Hague Rules e da Hague- Visby Rules), quais sejam, (i) erros da navegação ou gerenciamento do navio, (ii) incêndio, (iii) perigos ou acidentes do mar, (iv) atos de Deus (caso fortuito ou de força maior), (v) guerra, (vi) pirataria, (vii) arresto, detenção ou apreensão judicial, (viii) quarentena por motivos de higiene ou sanidade, (ix) ato ou omissão do embarcador ou proprietário das mercadorias e de seus agentes ou representantes, (x) greves, (xi) motins e perturbações civis, (xii) alteração da rota para salvamentos ou tentativas de salvamento de vidas ou bens no mar, (xiii) dano resultante de vício próprio da mercadoria, (xiv) embalagem inadequada, (xv) identificação precária da carga, (xvi) problemas ocultos na embarcação e (xvii) qualquer outra causa que não advenha de ato do transportador ou dos seus agentes.

23 Como já mencionado anteriormente, as Regras de Roterdam não incluíram a excludente de responsabilidade por ação culposa do comandante e da tripulação por força de erros de navegação. Trata-se de um grande avanço, vez que com a tecnologia encontrada nos navios nos dias de hoje, erro de navegação não merece mais receptividade, devendo ser excluído das Convenções modernas. Ademais, a questão insere-se no conceito de culpa do armador por atos negligentes ou omissivos de seus empregados e prepostos, risco in eligendo e in vigilando, no conceito de risco da atividade, os quais de há muito encontram guarida no direito brasileiro e na jurisprudência. Uma ressalva que faz a Convenção, é no sentido de que os empregados do transportador ou da chamada Parte Executora ( Performing Party ), tripulantes ou não, não podem ser considerados responsáveis ou serem responsabilizados com arrimo nas Regras de Roterdam (artigo 19, item 4)

24 O Brasil adota como excludentes o caso fortuito ou força maior, caso o transportador não houver por eles se responsabilizado, de acordo com o estipulado no artigo 393 do Código Civil. Outra causa de excludente de responsabilidade do transportador é o vício de origem da mercadoria, conforme se consubstancia com o preceito do artigo 1º do Decreto nº 2.681/12. A ausência de nexo causal (Art. 396 do Código Civil) para a ocorrência do evento também é considerada uma excludente de responsabilidade do transportador marítimo, desde que o transportador se desincumba de tal prova para afastar a sua presunção de culpa por não entregar a carga incólume no destino.

25 Nas Regras de Hamburgo existem apenas uma única hipótese de excludente de responsabilidade do transportador, qual seja, quando as perdas, as avarias e os atrasos tiverem origem em ações realizadas com o objetivo de salvar vidas humanas ou bens no mar (Art. 5 (6) das Regras de Hamburgo). As Regras são claras ao definir a responsabilidade do transportador pelo atraso na entrega das mercadorias ao local de destino (Art. 21), e estipular um sistema de cálculo para determinar o quantum indenizatório (Art. 22). O prazo de entrega, entretanto, deve ter sido contratado ( agreed ). Tal regra é muito importante, vez que as Convenções em vigor não são muito claras neste sentido.

26 (viii) atrasos Obrigação de notificar o transportador por faltas, avarias ou As Regras de Roterdam também inovam ao inverter a presunção de entrega da carga. A Convenção estipula que será presumida a entrega da carga ao destinatário, de acordo com o descrito no contrato, ao menos que o destinatário o informe acerca das perdas e avarias sofridas no ato do recebimento ou, no máximo, em até sete dias. Entretanto, caso o destinatário não reclame a perda ou avaria à sua carga dentro do prazo de sete dias, não perderá o direito de reclamar compensação por perdas e danos. Em relação a danos decorrentes do atraso em entregar a carga dentro do prazo estipulado, o destinatário terá que informar o transportador dentro do prazo de 21 dias. Se não o assim proceder, perderá o direito a qualquer compensação.

27 Nas Regras de Haia e Haia-Visby, o destinatário da carga deverá noticiar o transportador dentro do prazo máximo de três dias, exceto se existir cláusula contratual que determine prazo diverso (Art. 3, (6) das Regras de Haia e Haia- Visby). Nas Regras de Hamburgo, o prazo é de 24 horas para perdas e avarias aparentes. Em caso de avarias não aparentes, o prazo é de 15 dias, contados a partir da data do recebimento (Art. 19, (1) e (2) das Regras de Hamburgo). No Brasil, em casos de avaria não perceptível ou perda parcial, o destinatário deverá protestar junto ao transportador dentro de dez dias do recebimento da carga ou mercadoria (Art. 754, par. único do Código Civil). Em situações em que a perda ou a avaria à carga seja perceptível, o protesto deverá ser realizado dentro do prazo de três dias do recebimento da bagagem, e em cinco dias da data do recebimento da mercadoria (Art. 756, 1º do Código de Processo Civil antigo, ainda em vigor para esta questão). Em casos de atraso, a reclamação deverá ser realizada dentro de quinze dias, contados a partir do instante em que a carga tiver sido colocada à disposição do destinatário (Art. 756, 2º do Código de Processo Civil antigo, ainda em vigor para esta questão).

28 (ix) Transporte de mercadorias no convés Em relação à responsabilidade do transportador marítimo por transporte de carga realizado no convés, as Regras de Roterdam o autoriza, desde que tal transporte seja permitido por lei, ou que a carga seja transportada por containers apropriados, e que o convés seja adequado para receber a carga. Outrossim, a futura Convenção parece autorizar o transporte no convés se as partes previamente tiverem acordado, ou existir tal costume ou prática (Art. 25 das Regras de Roterdam). Nas Regras de Hamburgo, o transporte de carga no convés só é permitido se o conhecimento de embarque ou documento similar assim autorizar, ou tal prática restar configurada nos usos e costumes, bem como em casos de imposição legal (Art. 9º das Regras de Hamburgo).

29 Nas Regras de Haia e Haia-Visby, dois requerimentos devem ser preenchidos para que seja permitido o transporte de carga no convés. O primeiro é que a carga, de fato, esteja acondicionada no convés da embarcação, e o segundo é que tal fato deva constar no conhecimento de embarque (Art. 1º, (c) da Hague Rules e da Hague-Visby Rules). Assim, verifica-se que as Regras de Roterdam apresenta um regime mais claro em relação ao transporte de carga no convés do navio, muito parecido com o estipulado nas Regras de Hamburgo, trazendo para as partes dos países que a ratificarem menos questionamentos e mais simplicidade.

30 (x) Limitação de Responsabilidade Em relação à limitação da responsabilidade nas Regras de Roterdam, caso os países resolvam adotá-la, o transportador terá sua responsabilidade limitada a 875 SDRs por volume (SDR equivale hoje a US$ 1,51 = US$ 1.321,25 per package), ou 3 SDRs por quilograma do peso bruto da carga (Art. 59). Na legislação pátria são admitidas as cláusulas de limitação de responsabilidade do transportador. O artigo 750 do Código Civil estabelece que a responsabilidade do transportador seja limitada ao valor da mercadoria constante no conhecimento de embarque. Nas Regras de Haia, a limitação de responsabilidade do transportador marítimo é de 100 libras esterlinas (Art. 4º, (5) das Regras de Haia). Nas Regras de Haia-Visby, a limitação de responsabilidade do transportador marítimo é de 667,67 SDRs por volume ou 2 SDRs por quilograma das mercadorias perdidas ou avariadas, qual for a maior (Art. 4º, (5) (a) das Regras Haia-Visby).

31 Já nas Regras de Hamburgo, a responsabilidade do transportador é limitada a 835 SDRs por unidade ou 2,5 quilograma, qual for o maior (Art. 6º da HR). Outra inovação das Regras de Roterdam é a limitação da responsabilidade do transportador referente à compensação por perdas e danos decorrentes do atraso da entrega da carga no lugar de destino. Neste sentido, a compensação deve ser limitada à quantia equivalente a duas vezes e meia o valor do frete pago pela carga que foi entregue com atraso (Art. 60). Portanto, caso o Brasil e os demais países resolvam adotar as Regras de Roterdam, o regime de limitação da responsabilidade do transportador será mais favorável aos proprietários da carga do que em relação aos regimes consagrados pelas Convenções anteriores.

32 (xi) Prescrição As Regras de Roterdam estipulam o prazo de dois anos para o ajuizamento das ações judiciais para reclamar a indenização decorrente de perdas e avarias à carga, e atrasos do transportador referentes entrega da mesma ao destinatário (Art. 62). Não obstante tal período, é possível para as partes o dilatarem se assim desejarem (Art. 63). Outrossim, tal prazo pode ser alterado se a ação for intentada em país em que a lei determine prazo diverso (Art. 64). O prazo da difere do prazo estabelecido nas Convenções de Haia e Haia- Visby anteriores, que é de um ano para ajuizar ações relacionadas a perdas e avarias à carga, ou a atrasos na entrega da mesma.

33 Também difere do estabelecido na sistemática brasileira, que é de um ano, conforme estabelecido no Decreto Lei nº 116/67 (Art. 8º do Decreto Lei nº 116/67). Nas Regras de Hamburgo, o prazo é de dois anos, tal qual ocorre na Regras de Roterdam. Assim, conclui-se que em relação à responsabilidade do transportador marítimo, a Regras de Roterdam traz algumas características das Regras de Haia e Haia-Visby, tais como as diversas excludentes de culpabilidade, e, ao mesmo tempo, traz o dever do transportador providenciar uma embarcação em condições de navegabilidade antes, no início e durante a viagem, tal qual ocorre nas Regras de Hamburgo.

34 Conclusão Em conclusão, caso as principais potências econômicas integrantes dos chamados G -8 e G-20 (em especial Estados Unidos da América, China e os demais integrantes do bloco do BRIC) resolvam adotar as Regras de Roterdam, há forte tendência de uma extensa adesão dos demais países. A considerar a ativa participação nos últimos 12 (doze) anos de conferencistas e representantes de Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Japão, China, Índia, Rússia e Brasil, existe na comunidade internacional justificado otimismo em relação à aprovação e grande adesão à referida Convenção. Serão necessárias 20 (vinte) adesões para que a Convenção entre em vigor 1 (um) ano após o depósito da vigésima assinatura.

35 Conclusão As Regras de Roterdam, não obstante as críticas que podem existir ao seu conteúdo demasiadamente extenso e detalhado, surge no mundo jurídico internacional, ao nosso ver, como uma ferramenta legal importantíssima, fundada em dois pilares básicos: atualização dos antigos conceitos de Haia, Haia-Visby e Hamburgo e adequação à realidade operacional do comercio marítimo internacional mas, sobretudo, como veículo de uniformização da atual emaranhada, complexa e confusa legislação marítima internacional (vigência paralela de três convenções internacionais com diferentes regras e conceitos de responsabilidades), em especial como fonte do Direito Internacional Privado para solução de disputas marítimas transnacionais envolvendo o transporte de mercadorias por mar e outros modais subseqüentes.

36 Conclusão O que, afinal, definitivamente não se deseja, ante suas conseqüências obviamente desastrosas, é que apenas alguns poucos países venham a adotar tais regras como ocorreu com as Regras de Hamburgo e a Convenção de Transporte Multimodal de Budapeste (1980), criando assim um novo grupo isolado, sujeito mais uma convenção sobre transporte marítimo internacional, agravando a dissintonia e falta de uniformidade, com incremento de indesejável insegurança às relações jurídicas entre as nações integrantes do comércio marítimo internacional.

37 OBRIGADO!

38 . Rio de Janeiro. São Paulo Av. Rio Branco, 25-1 andar R. Funchal, andar Rio de Janeiro RJ Vila Olímpia -São Paulo -SP Cep: Cep: Tel: (5521) Tel: (5511) Fax: (5521) Fax: (5511) Brasília. Vitória SHS, Quadra 06, Conjunto A, Av. Nossa Senhora da Penha, 714. conj 706/707 Bloco E, Sala 918, Ed. Brasil XXI Praia do Canto -Vitória-ES Brasília DF Cep: Cep: Tel: (5521) Tel: (5561) Fax: (5521) Fax: (5561)

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980.

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. LEI Nº 11.442, de 05/01/2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Nº 21 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.0b 1

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Nº 21 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.0b 1 Cobertura Básica Nº 21 PARA SEGUROS DE MERCADORIAS CONDUZIDAS POR PORTADORES Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura garante, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer em conseqüência de

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.442, DE 5 DE JANEIRO DE 2007. Mensagem de veto Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80 Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa sobre Transportes e Navegação Marítima Assinado em 23 de maio de 1978 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41,

Leia mais

SEMINÁRIO. JJ Cerveira Afonso-JCA. Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria

SEMINÁRIO. JJ Cerveira Afonso-JCA. Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria SEMINÁRIO JJ Cerveira Afonso-JCA Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Luanda, 30.Março.2015 O CONTRATO DE TRANSPORTE E AS OBRIGAÇÕES DAS PARTES Índice O Contrato de Transporte e as obrigações

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

Regras de Roterdã. Assembleia Geral. 63ª sessão Item da agenda nº 74

Regras de Roterdã. Assembleia Geral. 63ª sessão Item da agenda nº 74 Regras de Roterdã Assembleia Geral 63ª sessão Item da agenda nº 74 Resolução adotada pela Assembleia Geral [sobre o relatório do Sexto Comitê (A/63/438)] 63/122. Convenção das Nações Unidas a respeito

Leia mais

LEI Nº 9.611, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998

LEI Nº 9.611, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998 LEI Nº 9.611, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998 Dispõe sobre o transporte multimodal de cargas e dá outras providências. CAPÍTULO IV DA RESPONSABILIDADE Art 11. Com a emissão do Conhecimento, o Operador de Transporte

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 14 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 14 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Restrita Nº 14 PARA CARVÃO (EMBARQUES AQUAVIÁRIOS E TERRESTRES) Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.358-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.358-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.358-C, DE 2001 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

CONVENÇÃO DE BRUXELAS

CONVENÇÃO DE BRUXELAS CONVENÇÃO DE BRUXELAS CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA A UNIFICAÇÃO DE CERTAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONHECIMENTOS ASSINADA EM BRUXELAS A 25 DE AGOSTO DE 1924 (D.G. I Série n.º. 128 de 2/6/1932) Fazemos saber

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59, de 28.06.80 - DCN de 03 de julho de 1980

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59, de 28.06.80 - DCN de 03 de julho de 1980 Convênio sobre Transportes Marítimos entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da China Assinado em 22 de maio de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59,

Leia mais

24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE

24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE 24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE Contrato de transporte, segundo estabelece o artigo 730 do Código Civil, pode ser conceituado como aquele em que alguém se obriga, mediante retribuição,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA I. Aplicabilidade Estas Condições Gerais serão aplicáveis a todas as vendas efetuadas pela Nefab e suas afiliadas (VENDEDOR) aos seus clientes (COMPRADOR). Desvios destas Condições

Leia mais

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei n. 6.813, de 10 de julho de 1980 Alterações: Lei n. 12249,

Leia mais

REGRAS PADRÃO DA FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE TRANSITÁRIOS (FIATA) PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO PARTE I -DISPOSIÇÕES GERAIS

REGRAS PADRÃO DA FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE TRANSITÁRIOS (FIATA) PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO PARTE I -DISPOSIÇÕES GERAIS REGRAS PADRÃO DA FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE TRANSITÁRIOS (FIATA) PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO PARTE I -DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Aplicabilidade 1.1. As regras presentes entram em vigor quando incorporadas

Leia mais

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito Internacional Penal Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Conclusão e assinatura: Nova Iorque EUA, 09 de dezembro de

Leia mais

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima.

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima. Decreto n.º 53/79 de 12 de Junho Acordo sobre Transporte e Navegação Marítima entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil O Governo decreta, nos termos da alínea

Leia mais

REGRAS PADRÃO FIATA PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO

REGRAS PADRÃO FIATA PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO REGRAS PADRÃO FIATA PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO PARTE I - DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Pertinência 1.1. As presentes regras passam a vigorar quando incluídas em contrato, o que se dá por escrito, verbalmente

Leia mais

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores 10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns relativas

Leia mais

ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Estabelece procedimentos para o transporte de bagagens e encomendas nos ônibus utilizados nos serviços de transporte interestadual e internacional de passageiros e para a identificação de seus proprietários

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CERTIFICADO REPRESENTATIVO DE CONTRATO MERCANTIL DE COMPRA E VENDA A TERMO DE ENERGIA ELÉTRICA

MANUAL DE NORMAS CERTIFICADO REPRESENTATIVO DE CONTRATO MERCANTIL DE COMPRA E VENDA A TERMO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DE NORMAS CERTIFICADO REPRESENTATIVO DE CONTRATO MERCANTIL DE COMPRA E VENDA A TERMO DE ENERGIA ELÉTRICA VERSÃO: 01/7/2008 2 / 10 MANUAL DE NORMAS CERTIFICADO REPRESENTATIVO DE CONTRATO MERCANTIL

Leia mais

CARTA DE ACORDO Nº I - DO OBJETO

CARTA DE ACORDO Nº I - DO OBJETO CARTA DE ACORDO Nº Pelo presente instrumento, sob a égide do Acordo Básico de Assistência Técnica firmado entre a República Federativa do Brasil e a Organização das Naçõe Unidas, suas Agências Especializadas

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA DA NEFAB (tradução para Português)

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA DA NEFAB (tradução para Português) CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA DA NEFAB (tradução para Português) Válidas desde 10-10-2005 Em caso de discrepância entre a versão inglesa e a tradução portuguesa das condições gerais de venda, ou em caso de

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 6 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 6 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Restrita Nº 6 PARA MERCADORIAS/BENS CONGELADOS Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar ao Segurado os prejuízos que venha a sofrer em conseqüência

Leia mais

MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO

MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO VERSÃO: 31/3/2011 2/12 MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos.

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE COOPERAÇÃO EM PESQUISA CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO O Governo da República

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA

CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA I. Aplicabilidade Estas Condições Gerais serão aplicáveis a todas as compras efetuadas pela Nefab e suas afiliadas (COMPRADOR) junto aos seus fornecedores (VENDEDOR). Desvios

Leia mais

DECRETO 2.681, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1912. Regula a responsabilidade civil das estradas de ferro.

DECRETO 2.681, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1912. Regula a responsabilidade civil das estradas de ferro. DECRETO 2.681, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1912 Regula a responsabilidade civil das estradas de ferro. O Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil: Faço saber que o Congresso Nacional decretou e eu

Leia mais

TRANSPORTE. 1. Referência legal do assunto. Arts. 730 a 756 do CC. 2. Conceito de transporte

TRANSPORTE. 1. Referência legal do assunto. Arts. 730 a 756 do CC. 2. Conceito de transporte 1. Referência legal do assunto Arts. 730 a 756 do CC. 2. Conceito de transporte TRANSPORTE O CC define o contrato de transporte no art. 730: Pelo contrato de transporte alguém se obriga, mediante retribuição,

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China 25. CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL PARA REGIMES DE BENS MATRIMONIAIS (celebrada em 14 de março de 1978) Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer previsões comuns concernente

Leia mais

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Assinado em 04 de abril de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 54, de 16 de agosto de 1983

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO VERSÃO: 01/7/2008 2 / 11 MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

APÓLICE/ENDOSSO DE SEGURO GARANTIA

APÓLICE/ENDOSSO DE SEGURO GARANTIA APÓLICE/ENDOSSO DE SEGURO GARANTIA Apólice: 024612013000107750002827 Processo SUSEP : 15414.004045/2010-49 Endosso: 0000000 Número de Controle Interno: 7202Ě CONDIÇÕES PARTICULARES A Austral Seguradora

Leia mais

CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PARA PINTURA DO PREDIO DA CAMARA I PREÂMBULO

CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PARA PINTURA DO PREDIO DA CAMARA I PREÂMBULO CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PARA PINTURA DO PREDIO DA CAMARA Que entre si celebram o Município de São Simão, Goiás e a Empresa WILIAN TEIXEIRA DOS SANTOS 89665660144. I PREÂMBULO 1.1 CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA Durante o prazo da CONCESSÃO, a CONCESSIONÁRIA deverá contratar e manter em vigor no mínimo as apólices de seguro a

Leia mais

Contrato de Engajamento de Marinheiros

Contrato de Engajamento de Marinheiros 1 CONVENÇÃO N. 22 Contrato de Engajamento de Marinheiros I Aprovada pela 9ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1926), entrou em vigor no plano internacional em 4.4.28. II Dados referentes

Leia mais

DO REGIME DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS À CARGA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

DO REGIME DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS À CARGA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA XVII CONGRESSO INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DIREITO MARÍTIMO 05 A 07 DE NOVEMBRO DE 2012 - RIO DE JANEIRO - BRASIL DO REGIME DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS À CARGA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Paulo Campos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Compras e Licitações Contrato nº /08

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Compras e Licitações Contrato nº /08 MINUTA 1 1 TERMO DE CONTRATO Tomada de Preços nº 019/08 Processo nº 5935/0/ Contratante: Prefeitura Municipal de Franca Contratada: Valor: R$ ( ) OBJETO: AQUISIÇÃO DE TERMINAIS DE AUTO ATENDIMENTO Pelo

Leia mais

ACORDO SOBRE TRANSPORTE MULTIMODAL NO ÂMBITO DO MERCOSUL

ACORDO SOBRE TRANSPORTE MULTIMODAL NO ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. 15/94 ACORDO SOBRE TRANSPORTE MULTIMODAL NO ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, as Decisões 4/91 e 1/92 do Conselho do Mercado Comum e a Recomendação conjunta 1/94

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO

SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO CENTRAL DE PEQUISA DE PREÇO CPP/SEINF SHIS Quadra 01 Conjunto B - Bloco A -Edifício Santos Dumont - Lago Sul, Brasília - DF CEP: 71605-001 Telefone: 61 3211 9222 / Fax - 61 3211-9219 E-mail : melquizedeque.coutinho@cnpq.br

Leia mais

PRAZO PRESCRICIONAL DA SOBRE-ESTADIA (DEMURRAGE)

PRAZO PRESCRICIONAL DA SOBRE-ESTADIA (DEMURRAGE) PRAZO PRESCRICIONAL DA SOBRE-ESTADIA (DEMURRAGE) Ao adentrarmos nos aspectos legais envolvendo a sobre-estadia de contêineres, faz-se necessário expor um breve escorço histórico. No inicio da navegação

Leia mais

SEGUROS NA INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS

SEGUROS NA INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS SEGUROS NA INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS Paulo Robson Alves FATORES DE COMPETITIVIDADE Seguradoras devem ter atuação Global Preço do Seguro compatível com o mercado internacional Coberturas de Seguros

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Compras e Licitações Contrato nº /08

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Compras e Licitações Contrato nº /08 MINUTA 1 1 TERMO DE CONTRATO Tomada de Preços nº 041/08 Processo nº 31.744/08 Contratante: Prefeitura Municipal de Franca Contratada: Valor: R$ ( ) OBJETO: AQUISIÇÃO E INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA SISTEMA

Leia mais

Texto do Tratado. Convênio entre a República Federativa do Brasil e a República do Chile sobre Transportes

Texto do Tratado. Convênio entre a República Federativa do Brasil e a República do Chile sobre Transportes Convênio entre a República Federativa do Brasil e a República do Chile sobre Transportes Marítimos Assinado em 25 de abril de 1974 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 56, de 26 de agosto de 1974 Promulgado

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76 Acordo Marítimo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Francesa Assinado em 24 de outubro de 1975 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU

Leia mais

Transportes. Condições gerais. Pela protecção dos valores da vida. 1060267-03.2004

Transportes. Condições gerais. Pela protecção dos valores da vida. 1060267-03.2004 Condições gerais 1060267-03.2004 Pela protecção dos valores da vida. Liberty Seguros, S.A. Av. Fontes Pereira de Melo, nº 6 1069-001 Lisboa Fax 21 355 33 00 Pessoa Colectiva n.º 500 068 658 Cons. Reg.

Leia mais

Audiência Pública - 02 de 2011

Audiência Pública - 02 de 2011 Audiência Pública 02 de 2011 Empresa: ABEAM ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE APOIO MARÍTIMO ANEXO DA RESOLUÇÃO Nº 2155ANTAQ, DE 19 DE JULHO DE 2011, QUE APROVA A NORMA PARA OUTORGA DE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro de 1989, do Congresso Nacional.

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro de 1989, do Congresso Nacional. Acordo sobre Transportes Marítimos entre a República Federativa do Brasil e a República Argentina Assinado em 15 de agosto de 1985, em Buenos Aires. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA Os Termos e Condições Gerais de Venda definidos abaixo e a Confirmação de Pedido enviada por SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA., sociedade

Leia mais

Decreto nº 77.374, de 01.04.76

Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Promulga a Convenção sobre a Proibição do Desenvolvimento, Produção e Estocagem de Armas Bacteriológicas (Biológicas) e à Base de toxinas e sua Destruição. O PRESIDENTE DA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Compras e Licitações Contrato nº /08

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Compras e Licitações Contrato nº /08 MINUTA 1 1 TERMO DE CONTRATO Tomada de Preços nº 015/08 Processo nº 41.128/07 Contratante: Prefeitura Municipal de Franca Contratada: Valor: R$ ( ) OBJETO: AQUISIÇÃO DE VEÍCULOS TIPO VIATURA (VW GOL 1.6,

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA 1990 1 CAPÍTULO I OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÕES ARTIGO 1º - O presente regulamento destina-se

Leia mais

RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Ainda em novembro, divulgamos informativo ressaltando a importância dos equipamentos de segurança no transporte de produtos perigosos. Alguns associados

Leia mais

Excertos. Código Comercial. Carta de Lei de 28 de junho de 1888. TÍTULO I Disposições gerais. Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais

Excertos. Código Comercial. Carta de Lei de 28 de junho de 1888. TÍTULO I Disposições gerais. Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais Excertos do Código Comercial Carta de Lei de 28 de junho de 1888 Livro Segundo Dos Contratos Especiais de Comércio TÍTULO I Disposições gerais Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais Os

Leia mais

CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC)

CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC) CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC) 1. CONCEITO O contrato de transporte é o contrato pelo qual alguém se vincula, mediante retribuição, a transferir de um lugar para outro pessoas ou bens. Art.

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CRI - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS

MANUAL DE NORMAS CRI - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS MANUAL DE NORMAS - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS VERSÃO: 01/7/2008 2 / 11 MANUAL DE NORMAS - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS

Leia mais

1º ADITIVO AO CONTRATO DE AFILIAÇÃO AO SISTEMA CIELO. Cláusula 1ª Fica incluído na Cláusula 4ª do CONTRATO o Parágrafo Terceiro abaixo transcrito:

1º ADITIVO AO CONTRATO DE AFILIAÇÃO AO SISTEMA CIELO. Cláusula 1ª Fica incluído na Cláusula 4ª do CONTRATO o Parágrafo Terceiro abaixo transcrito: 1º ADITIVO AO CONTRATO DE AFILIAÇÃO AO SISTEMA CIELO A CIELO S.A., com sede na Alameda Grajaú, 219, Alphaville, na cidade de Barueri, Estado de São Paulo, inscrita no CNPJ/MF sob no. 01.027.058/0001-91,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Licitações e Compras Contrato nº 081/2007 Fls.

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Licitações e Compras Contrato nº 081/2007 Fls. Contrato nº 081/2007 Fls. 1 MINUTA TERMO DE CONTRATO Convite de Preços n.º 081/07 Processo n.º 11784/05 Objeto: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE DESCUPINIZAÇÃO DO PREDIO E ACERVO DO

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Ampla Nº 7 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Ampla Nº 7 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Ampla Nº 7 PARA MERCADORIAS/ BENS CONGELADOS Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer em conseqüência

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países,

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países, Acordo sobre Navegação Marítima Comercial entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da Bulgária Assinado em 19 de agosto de 1982 Aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 15 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 15 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Restrita Nº 15 PARA MADEIRAS (CARGA NO CONVÉS) Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer em conseqüência

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03. Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03. Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08 CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03 Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08 Cláusula 1ª - OBJETO Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador no contrato principal,

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO INTERNO. Armazém Geral

MODELO DE REGULAMENTO INTERNO. Armazém Geral MODELO DE REGULAMENTO INTERNO Armazém Geral A sociedade empresária... (matriz ou filial), registrada na Junta Comercial do Estado de São Paulo sob NIRE nº..., inscrita no CNPJ nº..., localizada no endereço...

Leia mais

CONTRATO PARA A AQUISIÇÃO DE COMPUTADORES

CONTRATO PARA A AQUISIÇÃO DE COMPUTADORES Contrato 008/2013 CONTRATO PARA A AQUISIÇÃO DE COMPUTADORES Que entre si celebram o Município de São Simão, Goiás e a Empresa EDSON SOARES DOS SANTOS FILHO - ME. I PREÂMBULO 1.1 CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

1º O Tribunal Marítimo emitirá, para as embarcações incluídas no REB, o Certificado de Registro Especial Brasileira.

1º O Tribunal Marítimo emitirá, para as embarcações incluídas no REB, o Certificado de Registro Especial Brasileira. DECRETO Nº 2.256, DE 17 DE JUNHO DE 1997 Regulamenta o Registro Especial Brasileiro-REB para embarcações de que trata a Lei nº 9.432, de 8 de janeiro de 1997. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997.

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. - 1 - LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. Dispõe sobre a ordenação do transporte aquaviário e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Módulo 21 Comércio Internacional

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Módulo 21 Comércio Internacional Escola Secundária de Paços de Ferreira Módulo 21 Comércio Internacional Trabalho realizado por: Mafalda Neves 12ºS 2009/2010 Importação É o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem, que

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TECNISA S.A., OU A ELES REFERENCIADOS, POR POTENCIAIS OU EFETIVOS DETENTORES DE INFORMAÇÃO

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO Estipulante: BANCO TRIÂNGULO S. A. Seguradora: PORTO SEGURO CIA DE SEGUROS GERAIS Número processo SUSEP: 15414.000223/2007-67

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A JURISDIÇÃO, LEI APLICÁVEL E RECONHECIMENTO DE DECISÕES EM MATÉRIA DE ADOÇÃO (Concluída em 15 de novembro de 1965) (Conforme o seu artigo 23, esta Convenção teve vigência limitada até

Leia mais

DEMURRAGE OBJETIVO DA INFORMAÇÃO

DEMURRAGE OBJETIVO DA INFORMAÇÃO Página1de6 DEMURRAGE OBJETIVO DA INFORMAÇÃO O tema demurrage, embora não seja novo, é o de maior contencioso do Direito Marítimo. Assim, e sabendo-se que a quase totalidade das mercadorias importadas ou

Leia mais

ANEXO III PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 15/0019-PG MINUTA DO CONTRATO

ANEXO III PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 15/0019-PG MINUTA DO CONTRATO ANEXO III PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 15/0019-PG MINUTA DO CONTRATO Instrumento Particular de Contrato referente ao PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 15/0019-PG, que entre si fazem o Serviço Social do Comércio

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SCUBA TRIP

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SCUBA TRIP CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SCUBA TRIP Passageiros: 1 2 3 4 5 6 Dados do Pacote Comprado: Destino com saída em / / e retorno em / /, através da Agência de Viagens, de acordo com a reserva previamente

Leia mais

Índice Artigo 1.º Objecto... 3. Artigo 2.º Contrato... 3. Artigo 3.º Obrigações principais do adjudicatário... 4. Artigo 4.º Prazo...

Índice Artigo 1.º Objecto... 3. Artigo 2.º Contrato... 3. Artigo 3.º Obrigações principais do adjudicatário... 4. Artigo 4.º Prazo... Concurso Público para a elaboração do Inventário de Referência das Emissões de CO2 e elaboração do Plano de Acção para a Energia Sustentável do Município do Funchal CADERNO DE ENCARGOS Índice Artigo 1.º

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO Este Manual visa a consolidar as regras e procedimentos que devem ser observados

Leia mais

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO I - Formalização e Aceitação do Pedido 1.1 - O Aceite será automático caso o fornecedor não faça uma recusa parcial ou total, Por escrito no prazo de 2(dois) após o recebimento

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES 2 I. Finalidade A presente Política de Divulgação de Informações e de Negociação de Ações tem como finalidade estabelecer as práticas de divulgação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. Dispõe sobre as condições gerais de transporte aplicáveis ao transporte aéreo doméstico e internacional de bagagem. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL ANAC, no

Leia mais

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.)

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.) Numa negociação internacional, é muito importante que o gestor comercial esclareça com o seu cliente quais serão as condições de entrega a praticar para a mercadoria que vai ser transacionada, ou seja,

Leia mais

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores.

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores. REGULAMENTO A CVC BRASIL OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS S.A., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às

Leia mais

Condições Gerais de Venda da IMPORTINOX, LDA.

Condições Gerais de Venda da IMPORTINOX, LDA. Condições Gerais de Venda da IMPORTINOX, LDA. 1. Encomendas 1.1 Qualquer encomenda só poderá ser considerada se for formalizada por escrito. 1.2 A formalização da encomenda pelo Cliente implica o reconhecimento

Leia mais