O início da escrita. Marcelo Bicudo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O início da escrita. Marcelo Bicudo"

Transcrição

1 Marcelo Bicudo Aprender como se deu a transformação do mundo em linguagem e em códigos é de extrema importância, pois com isso podemos aprender como operar o mundo. (Marcelo Bicudo) 1

2 Nessa aula encerraremos um ciclo que está diretamente ligado à história da escrita e da linguagem e não diretamente ligado à história da tipografia. Aprender como se deu a transformação do mundo em linguagem e em códigos é de extrema importância, pois com isso podemos aprender como operar o mundo. Podemos perceber que as coisas estão absolutamente conectadas, apesar de cada uma em seu tempo e espaço, e que no fundo, compreender como se dá o processo de formação da linguagem é o mais importante, pois conseguimos, assim, construir e dar sentido à toda nossa produção, seja ela intelectual ou prática. Aliás, é sobre a praticidade do design que devemos ter mais atenção, pois o fato de um trabalho ou uma tipografia ser desenvolvida com objetivos mercadológicos ou absolutamente pragmáticos, não significa que tenha que ser desprovido de conceito. Com isso, voltemos, então, a reta final sobre a história da escrita. De maneira geral, as pessoas tendem a imaginar que os desenhos rupestres são o início da escrita. De certa forma o são, mas não da maneira como a conhecemos hoje no mundo ocidental. Sempre colocamos a distinção entre a escrita ocidental e a oriental, por motivos óbvios. São radicalmente opostas, no sentido de que a escrita ocidental é fonética e a escrita oriental é ideogramática, muito mais ligada ao imagético. É bem verdade, entretanto, que com a revolução dos tipos e com o design da experimentação, como veremos mais adiante, a escrita ocidental aproxima-se da oriental, buscando a interação com o leitor. Posto isso, os desenhos em cavernas devem ser avaliados como evocações mágicas ou necessidade de satisfazer seu instinto natural, mas ainda assim, mesmo que imagéticas, ressaltam a necessidade de por em linguagem o mundo ao redor. Essa necessidade vem da vontade de exprimir experiências passadas e projetos futuros, compreendendo o que nos cerca. É a manifestação das esperanças e dos temores, ao mesmo tempo em que procura guardar novos conhecimentos adquiridos. Não é evidente, se existe a intenção de deixar um legado para gerações futuras em um processo comunicativo, mas é claro se estiver ligado ao desejo de exprimir algo através do desenho, em substituição à fala. Ou seja, a comunicação desenhada substitui nesse momento a comunicação falada ainda insipiente ou praticamente inexistente. Em um dado momento da história, parece-nos que essa linguagem visual ou gestual vem sempre acompanhada de sons pronunciados, como é próprio de qualquer animal. O homem, capaz de organizar seu pensamento e expressar em linguagem o mundo, consegue associar os mesmos desenhos às mesmas imagens, em um sentido absolutamente iconográfico. Nesse momento, as figuras se transformam em uma escrita que conserva seu pensamento e sua fala, para que mesmo hoje consigamos lê-los. 2

3 Surgimento da escrita A seguir, faremos uma breve passagem por diversas escritas, surgidas em diversas partes do mundo. A intenção é ver como diversos povos apropriaram-se do universo ao redor, traduzindo-o em linguagem, começando, assim, também a fazer inter-relações entre essas escritas, tornando-as importantes partes da escrita como a conhecemos. Estima-se que a escrita, no sentido da verdadeira preservação do pensamento e da fala (sim, a escrita verdadeira tem que ser pensada no relacionamento entre fala e pensamento, por isso que as pinturas rupestres nem sempre são consideradas o início da escrita), começou a existir no momento em que desenhos e sinais surgiram relacionados com às sílabas, palavras ou frases (5.000 a.c.). Entretanto, a escrita como a conhecemos, nasce apenas no momento em que se começa a organizar e alinhar os sinais lado a lado. No momento em que temos um encadeamento lógico e topológico desses sinais, configurando uma intenção clara de transmissão de uma mensagem completa. Estabelece um vínculo comunicativo, inter-relacionando sujeito e objeto em uma clara função fática. Nos antigos pictogramas acima, percebemos que há uma clara intenção de organização dos sinais, dando sentido ao todo da composição. Se a composição não é ainda de todo linear e horizontal, como é a escrita ocidental, percebemos que há uma intenção compositiva na diagramação dos sinais. 3

4 Dois tipos de desenvolvimento da escrita Sem dúvida, os pictogramas são a origem de todas as escritas, resultantes de um desenvolvimento natural. A partir dos pictogramas, surgem duas categorias principais de escritas: Categorias que permanecem figurativas. Continuam no estágio pictórico, como o ideograma oriental. As escritas alfabéticas. Traçado com simplificação extrema. No exemplo abaixo, temos um antigo pictograma para o touro (aleph), com detalhes que vão se perdendo e sendo sintetizados ao longo do tempo. saiba mais O pictograma possui um forte caráter icônico. Isso quer dizer que possui uma relação direta com aquilo que representa, ou seja, o funcionamento do pictograma é melhor quando há uma clara referência de forma e até mesmo de sentido entre a figura desenhada e o mundo exterior a essa figura. Temos como exemplo bastante prático, o pictograma de masculino e feminino utilizado nos banheiros. 4

5 Origem em comum entre os sinais de diversas civilizações Se tentarmos analisar as escritas ao longo do tempo e buscarmos uma única origem em comum, como se existisse uma primeira escrita primitiva, isso não seria possível. Embora os sinais mais básicos, como a lua, o sol, a água, a flecha sejam bastante semelhantes em diversas escritas primitivas. Isso se dá muito mais pela observação e facilidade de simplificação desses objetos ou elementos, do que por uma origem em comum. O pictograma e o ideograma Ao analisarmos as figuras ou pictogramas abaixo e como eles se compõem, podemos perceber que através da junção de dois pictogramas surge um terceiro, ou por meio da abstração do desenho, surge um ideograma. Esse exercício mostra o desenvolvimento da escrita de um modelo básico que se complexifica à medida que o próprio mundo e as civilizações, bem como a relação entre elas, tornam-se mais complexas. 5

6 O ideograma e o fonograma Um pictograma é utilizado para reproduzir um som silábico e não mais para registrar um conceito, sendo considerado uma das etapas mais importantes para a verdadeira transcrição de linguagem, sobretudo no mundo ocidental. Por exemplo: a palavra alemã URSPRUNG (origem), poderia ser representada pelas figuras do relógio UHR e do salto SPRUNG. Outro exemplo da língua inglesa é a palavra BELIEF (crença), a partir de BEE (abelha) e LEAF (folha) Os sumérios O povo sumério já vivia entre os rios Tigre e Eufrates cerca de a.c. Eram tribos nômades que se estabeleceram nas planícies férteis desses rios, onde enfrentaram difíceis condições climáticas para permanecerem. Essas dificuldades estimularam sua evolução no sentido intelectual e sócio-econômico. Passaram a ter um modo mais lógico-científico de pensar, influenciando a origem da sua cultura escrita. Essas dificuldades intensificam a necessidade de interação entre os homens e o meio-ambiente. Isso os estimula a serem criativos, criando novas relações e analogias ao olhar o universo. Aliás, a palavra analogia parece interessante, pois é o pensamento associativo que cria figuras de linguagem. O pensamento que nos leva do ideograma ao fonograma não deixa de ser um pensamento analógico. O ser humano, de maneira geral, opera o mundo através de analogias que cria a partir de sua visão de mundo. Os sumérios são universalmente considerados o primeiro povo que possuiu uma escrita propriamente dita. São pictogramas grafados em argila. A simplificação da forma é surpreendente, atendo-se ao essencial do que se quer dizer. 6

7 7

8 A escrita pictórica suméria e a escrita cuneiforme No terceiro milênio a.c, a expressão escrita mudou completamente. Como o povo mesopotâmico era um povo de mercadores acostumados ao movimento e ao escambo, sua escrita inteira era concebida para isso. O material mais utilizado eram placas de barro como suporte, facilmente transportadas. Assim, nasce a escrita cuneiforme, que tem esse nome devido à técnica com que era gravada - traços retos, que devido à inclinação do estilete, adquiriam uma forma alongada e triangular. Essa técnica, uma dos primeiras a influenciarem a escrita, substitui a da escoriação, que deixava a escrita irregular. Mais do que isso, começamos a perceber que a necessidade de interação entre os povos, que até então não era comum devido às grandes distâncias e dificuldades geográficas, cria a necessidade da interação através da linguagem, sendo o comércio um dos principais propulsionadores do desenvolvimento da escrita. Com a dominação dos povos vizinhos, a escrita foi sendo gradativamente simplificada, seja nos seus desenhos ou na quantidade de sinais. Até por conta disso, essa escrita foi sendo substituída pela escrita aramaica, que possuía 22 sinais em oposição aos 1000 sinais da escrita cuneiforme. A simplificação da quantidade de sinais e de sua forma foi fator essencial para a disseminação entre diversos povos da escrita aramaica. Os hieróglifos egípcios Civilização localizada no Delta do rio Nilo, em uma área extremamente fértil. Sociedade extremamente criativa, fascinada pelos poderes da natureza. Sendo assim, é justamente na natureza que os egípcios encontram fonte de inspiração para o desenvolvimento de sua escrita. Essa sociedade tenta evocar os poderes da natureza através de sinais mágicos. A expressão hieróglifo aplica-se somente à escrita pictórica, criada pelos sacerdotes. Conservaram-se praticamente intactas por mais ou menos 3000 anos. Na primeira fileira abaixo, temos representações de objetos. Na terceira temos atividades, nas quais aparece a noção da ação e última, observamos sinais determinativos. 8

9 Paralelamente, no decorrer do terceiro milênio a.c. desenvolveu-se a escrita hierática, mais corrente, com formas mais simplificadas, como vemos abaixo. A partir do primeiro milênio, o estilo de escrever sofreu uma maior sintetização, gerando a escrita demótica, na qual dificilmente reconhece-se os objetos que originaram os desenhos. 9

10 Escritas em Creta Paralelamente às escritas cuneiformes e aos hieróglifos, surgem diversas outras manifestações da escrita, muitas das quais influenciadas pelas primeiras. descritas nesse parágrafo. A escrita cretense, apesar da nítida influência dos povos da Mesopotâmia, mostram também o caráter de isolamento da ilha. Possuem um caráter gráfico incrível e um desenvolvimento do raciocínio aliado ao poder de síntese. Podiam ser combinados sinais abstratos, ligados a sílabas, com sinais que representam objetos. 10

11 A escrita pictórica hitita da Síria Em 2000 a.c., o povo Hitita viveu na costa da Síria e seus sinais são originalmente esculpidos em pedra e posteriormente grafados em diversos materiais. Tanto a escrita cuneiforme quanto os hieróglifos influenciaram essa escrita. Acredita-se ainda que exista uma relação com a escrita cretense. A maioria dos sinais tendem ao abstracionismo, como os colocados abaixo: Como todas as escritas mencionadas, a hitita também tende a ser alterada gradualmente para fixar sílabas e letras. Seu uso foi abandonado em 700 a.c. A escrita pictórica do vale do Indo Escrita da região noroeste da Índia, atual Paquistão, surge em forma de selos ou cunhos de pedra e cobre. Os pictogramas são realizados em materiais diversos E, até por isso, seu desenvolvimento é bastante estilizado. Essa escrita praticamente não foi decifrada, pois parece que seus 50 pictogramas eram combinados de maneira silábica. Não há comprovação de ligação entre essa escrita e atual escrita indiana. 11

12 O fato dessa escrita ter sido encontrada em outras partes do Oriente Médio faz com que os pesquisadores acreditem que as primeiras migrações nessa região se deram nesse período, ou até imigrações para outras regiões mais distantes. É assim que surge a espantosa relação entre a escrita do vale do Indo e da Ilha da Páscoa, provavelmente ligada às imigrações polinésias. A escrita rúnica Desenvolvida no primeiro milênio antes de Cristo, em regiões frias e arborizadas do Norte da Europa, essa escrita foi formada a partir de um material básico, a madeira. Os únicos sinais que resistiram a decomposição foram aqueles esculpidos em pedra. Entretanto, a forma dos caracteres não deixa dúvidas de que foram concebidos para a inscrição em madeira, porque as incisões são verticais e diagonais, traçadas transversalmente em relação às fibras. Além disso, percebe-se a resistência da madeira conforme a direção do corte. A técnica mais uma vez influencia a escrita, pois caso esses povos fizessem a inscrição horizontalmente, no sentido das fibras, a expansão da madeira úmida impediria a legibilidade dos sinais. Não se pode afirmar com certeza que as escritas rúnicas silábicas, que aparecem depois das escritas pictóricas, influenciaram a escrita nórdica como a conhecemos hoje. 12

13 As pedras rúnicas ligadas ao esoterismo, são anteriores à escrita. Entretanto, esses sinais mágicos não serviam para registrar uma linguagem. Eram sinais simbólicos para profecias e rituais, possuindo um forte caráter abstrato. A escrita circular chinesa O I-Ching, escrita do terceiro milênio A.C. é bastante econômica em sua forma. Acredita-se que tenha sido o imperador Fou-Hsi o responsável por registrar a sabedoria transmitida oralmente por meio de um sistema de sinais. Essa sabedoria implicava na filosofia do yang (feminino) e do yin (masculino). É possível que essa escrita tenha se baseado no jogo do milefólio, feito de gravetos inteiros e partidos, possivelmente utilizado por magos e sacerdotes. Essa escrita foi sempre baseada na dualidade do yin e yang. Essa escrita é bastante complexa, no sentido em que um mesmo sinal pode ser entendido de diferentes maneiras, conforme o contexto em que se vê imerso. No primeiro sinal, temos três vezes yang, significando céu, pai, cabeça e dureza. No segundo sinal três vezes yin, significa terra, mãe, vestido e ternura. No terceiro, por exemplo, uma linha yang, entre duas yin é o símbolo para água. 13

14 A escrita pictórica chinesa A relação entre a escrita pictórica da China e o I-Ching, ainda é mera suposição, mas notase, no exemplo abaixo, a grande semelhança entre o sinal pré-histórico para água e o seu correspondente no I-Ching. De qualquer maneira, a escrita chinesa também deriva-se de expressões e sinais antigos. Como a técnica utilizada era a da pintura com pincel, muitos sinais pictóricos sofreram modificações ao longo do tempo. Principalmente símbolos que eram originalmente redondos, passaram a ser quadrados ou desenhados com pequenos segmentos. 14

15 A escrita chinesa atual conta com mais de dez mil sinais, e o desenvolvimento de novas combinações ainda não foi concluído. As responsáveis por essa riqueza são as características do monossilabismo. A sílaba fu, por exemplo, tem vários significados, como enviar, rico, pai, mulher, pele e outros. Cada um desses conceitos deve ser expresso em combinação com outros sinais para serem diferenciados e compreendidos. Por conta disso, essa língua nunca poderá ser traduzida fielmente em uma escrita silábica ou alfabética. Pode-se fazer uma última observação que mostra a tipografia chinesa intimamente ligada à técnica, ao contexto e à arquitetura. Por exemplo: as vigas das casas construídas em bambu, sempre sofreram um abalamento por causa de seu peso. Se repararmos nas linhas diagonais da escrita chinesa, podemos perceber uma referência a esse fato. 15

16 As escritas americanas anteriores a Colombo Por conta das imigrações, a escrita no continente americano é muito mais recente do que as da Ásia e Europa. Dos Incas se conhece os quipus, enquanto que os Astecas e os Maias deixaram escritas na região do México. Durante o período de invasão espanhola, a escrita encontrava-se em transição entre a pictografia e a fonética. Devido à distância entre os povos americanos e o resto das civilizações, além da falta de dados suficientes, essas escritas ainda estão pouco traduzidas. Ao compararmos as escritas Maias e Astecas, que são contemporâneas e conterrâneas, percebemos enormes diferenças. Na dos Astecas encontramos representações figurativas de objetos e criaturas fantásticas para designar os meses, enquanto que os dezoito sinais dos meses Maias contêm uma abstração muito forte, na qual conceitos simbólicos movimentam-se dentro de um círculo fechado. A invenção das letras e sua difusão Na região do Oriente Próximo, no final do segundo milênio, existiu um povo de mercadores que comercializava com diversas regiões do mundo antigo. Por conta disso, conheciam diversas línguas e escritas. Pela primeira vez, provavelmente impulsionados pela necessidade de se comunicar com esses diversos povos, deixaram de fundir as consoantes em sílabas (ba, di, gu, etc.), para registrá-las com as menores unidades sonoras (b, d, g, etc.). Assim, na virada do segundo milênio a.c., nasceram os sinais consonantais fenícios, que hoje são considerados e reconhecidos como a base de partida de todas as escritas alfabéticas. Em um curto espaço de tempo, o alfabeto fenício atingiu sua perfeição da forma, reduzindose a 22 sinais fonéticos selecionados, o que acabou ajudando essa escrita a substituir as outras escritas contemporâneas. 16

17 Na escrita ocidental, os gregos tiveram papel de destaque, incorporando novos fonemas, que resultaram nas letras A, E, I, O e U. As demais escritas, arábicas e hebraicas por exemplo, assim como a Fenícia, são escritas apenas consonantais. 17

18 Ainda como influência sobre a escrita, temos a técnica que os diversos povos empregavam. Nos sinais mais primitivos, utilizava-se o estilete, enquanto que nas escritas hebraicas e latinas a pena de ponta larga passou a ser utilizada, produzindo traços mais nítidos. Enquanto que os árabes, se utilizaram dos pincéis em sua escrita. Mais do que a economia, o direito e as ciências, as religiões foram as principais propagadoras das escritas ao redor do mundo. Geralmente, como bem conhecemos no período medieval, essas igrejas monopolizavam a arte de escrever. Por isso, podemos atrelar a principal escrita de cada continente ou país, a uma religião predominante. No centro geográfico do planeta, onde nasceram os alfabetos, situase a escrita hebraica que não se alterou por mais de três mil anos. As culturas gregas e latinas deram origem ao cristianismo e mais tarde a ortodoxia oriental (escrita cirílica). No Oriente próximo, o Islão difundiu a escrita arábica e no norte da Índia surge uma escrita independente, o devanagari (escrita oficial da Índia). A escrita ocidental possui formas individuais claramente distintas, fundamentadas pela introdução dos sons vocálicos, cujo reconhecimento, em uma leitura rápida, cada vez mais é fundamental. Essa separação dos caracteres também facilita sua reprodução, pois possibilita o surgimento de novas técnicas de composição da escrita. O grupo de escritas chinesas constitui um universo à parte, pois deriva de formas autônomas. Ainda hoje, conservam seu sistema pictórico original. A escrita japonesa, que deriva da chinesa, conseguiu chegar a um sistema simplificado para registrar sílabas e sons individuais. A partir do primeiro milênio a.c., iniciou-se na Europa a evolução mais significativa da história escrita: o alfabeto greco-latino. O alfabeto fenício foi completamente absorvido pelos gregos antigos. Foram acrescentados, como foi dito anteriormente, mais quatro sinais básicos: as vogais. 18

19 Em todas as partes do mundo e em todas as épocas, sempre houve duas formas básicas de expressão da escrita: de um lado, a inscrição em paredes de rocha, palácios e placas de sinalização e de outro, o desenho manuscrito das anotações e registros. Esses dois estilos sempre foram executados com instrumentos e materiais diferentes, por isso suas formas desenvolveram-se de maneira também diferente. A escrita capitular monumental conservou sua forma devido à natureza de seu porte, enquanto que a cursiva alterou-se ao longo do tempo com a mudança de materiais e técnicas. 19

20 A rapidez também é um aspecto a ser considerado, pois levou à alteração das capitulares nas minúsculas. Percebemos isso claramente nas letras A, E, M e T. Outras características que surgem para diferenciar as maiúsculas das minúsculas são as hastes ascendentes e descendentes. Hoje, percebemos, ao longo da história, que as minúsculas passaram por uma grande metamorfose. Letras que eram raramente utilizadas em latim, como K k, W w, Y y, X x, Z z, tiveram suas formas muito pouco alteradas em relação às capitulares. Nota: Todas as imagens foram retiradas do livro FRUTIGER, Adrian (1999 [1978]). Sinais e símbolos. São Paulo: Martins Fontes. 20

21 Anotações: bibliografia FRUTIGER, Adrian (1999 [1978]). Sinais e símbolos. São Paulo: Martins Fontes. typography. Suiça. RotoVision,

LISTA DE EXERCÍCIOS 01

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 LISTA DE EXERCÍCIOS 01 01 - (Unicamp 2014) Desde o período neolítico, os povos de distintas partes do mundo desenvolveram sistemas agrários próprios aproveitando as condições naturais de seus habitats

Leia mais

CARDOSO, Ciro Flamarion S. Sociedades do antigo Oriente Próximo. São Paulo: Ática, 1986. p. 56.

CARDOSO, Ciro Flamarion S. Sociedades do antigo Oriente Próximo. São Paulo: Ática, 1986. p. 56. Disciplina: HISTÓRIA Nome: Nº: Ensino Fundamental 2 Prova: P - TARDE Código da Prova: 1206205770 Data: / /2012 Ano: 6º Bimestre: 2º NOTA: Algumas dicas para fazer uma boa prova: 1 - Leia a prova na íntegra

Leia mais

TIC 1 Processamento de Texto. UMA APROXIMAÇÃO À HISTÓRIA DA PALAVRA ESCRITA [Edimar Sartoro]

TIC 1 Processamento de Texto. UMA APROXIMAÇÃO À HISTÓRIA DA PALAVRA ESCRITA [Edimar Sartoro] TIC 1 Processamento de Texto UMA APROXIMAÇÃO À HISTÓRIA DA PALAVRA ESCRITA [Edimar Sartoro] MESOPOTÂMIA A História começa com a escrita 2 PINTURA RUPESTRE Conhecida como a primeira tentativa do homem fixar

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: ( x ) Fundamental ( ) Médio SÉRIE: _5ª_ TURMA: TURNO: DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSOR(A): Equipe de História Roteiro e Lista de recuperação

Leia mais

A tradição da escrita e a Bíblia

A tradição da escrita e a Bíblia Perspectiva histórica A tradição da escrita e a Bíblia Erní Walter Seibert* Os historiadores ensinam que, anterior à experiência da escrita e mesmo ao lado dela, há sempre uma tradição oral. Prova disso

Leia mais

Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA

Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2013 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Série: 1ª Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

A Música na Antiguidade

A Música na Antiguidade A Música na Antiguidade Josemar Bessa A palavra música deriva de arte das musas em uma referência à mitologia grega, marca fundamental da cultura da antigüidade ocidental. No entanto muitos estudiosos

Leia mais

O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas

O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas A humanidade sempre dependeu de se comunicar para poder sobreviver melhor, transmitir os conhecimentos acumulados sempre foi algo muito

Leia mais

22/04/2015. Publicidade Gráfica. Tipografia. Você sabe qual a importância da Tipografia no mundo em que vivemos?

22/04/2015. Publicidade Gráfica. Tipografia. Você sabe qual a importância da Tipografia no mundo em que vivemos? Publicidade Gráfica Tipografia Você sabe qual a importância da Tipografia no mundo em que vivemos? 1 Capa de Livro Capa de Revista 2 Cartaz Pôster de Filme 3 Grafitte 4 A tipografia do grego typos = forma

Leia mais

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão HISTÓRIA DA ARTE Aluno (a): Professor: Lucas Salomão Data: / /2015 9º ano: A [ ] B [ ] ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA Há milhares de anos os povos antigos já se manifestavam artisticamente. Embora ainda não conhecessem

Leia mais

A Antiguidade Oriental Hebreus

A Antiguidade Oriental Hebreus A Antiguidade Oriental Hebreus (Monoteísmo e judaísmo) Mar Mediterrâneo Delta do Nilo Egito NASA Photo EBibleTeacher.com Península nsula do Sinai Mt. Sinai Mar Vermelho Canaã Tradicional Rota do Êxodo

Leia mais

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula História da Arte Exercícios de Sala de Aula A arte é um conjunto de procedimentos que são utilizados para realizar obras, e no qual aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas como:

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula IV - Introdução ao Novo Testamento e o caráter Literário dos evangelhos A ORIGEM DO NOME A expressão traduzida

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

E Deus viu que tudo era bom

E Deus viu que tudo era bom E Deus viu que tudo era bom Nunca pensei que fosse assim O Livro do Gênesis é o livro mais fascinante da Bíblia e o mais complicado. Foi escrito milhares de anos depois dos fatos que ele narra. Foram vários

Leia mais

MESOPOTÂMIA, FENÍCIA, EGITO, ÍNDIA E CHINA

MESOPOTÂMIA, FENÍCIA, EGITO, ÍNDIA E CHINA MESOPOTÂMIA, FENÍCIA, EGITO, ÍNDIA E CHINA Um oásis em meio ao deserto Local em que teria ocorrido o processo de sedentarização do homem Período neolítico Formação das primeiras cidades Na Idade dos Metais

Leia mais

História/15 6º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 6º ano

História/15 6º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 6º ano História/15 6º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / 6ºhis302r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 6º ano Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 2º trimestre. Como base neles você deverá iniciar seus

Leia mais

paradigma de desenho de letras latinas. Apesar de se popularizar no final do século

paradigma de desenho de letras latinas. Apesar de se popularizar no final do século Fig. 28. Fonte fantasia. Letra ornamental extraída do Atlas da Escrita de H. L. Petzendorfer. Início do século XX Para Frutiger18, as letras ornamentais são desvios do tipo básico, do paradigma de desenho

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

4. Implicações pedagógicas

4. Implicações pedagógicas Esta criança tem 4 de idade. Verifica-se que se utiliza das letras de seu nome e apenas vai rearranjando sua ordem. Sua leitura é global. Caracterizando-se, portanto no nível 2 diferenciação na escrita.

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1 Módulo 1 Unidade 10 Teorema de Pitágoras Para início de conversa... Certamente, você já deve ter ouvido falar no Teorema de Pitágoras. Pois bem, nesta unidade, ele será o centro das atenções, mas vamos

Leia mais

Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG

Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MESOPOTÂMIA As primeiras cidades se formaram justamente na região onde a agricultura começou a se desenvolver: no Oriente

Leia mais

STC 5. Redes de Informação e Comunicação. Data: 22 Julho de 2010 Morada: Rua de São Marcos, 7 C Tel: 266519410 Fax: 266519410 Tlm: 927051540

STC 5. Redes de Informação e Comunicação. Data: 22 Julho de 2010 Morada: Rua de São Marcos, 7 C Tel: 266519410 Fax: 266519410 Tlm: 927051540 STC 5 Redes de Informação e Comunicação Data: 22 Julho de 2010 Morada: Rua de São Marcos, 7 C Tel: 266519410 Fax: 266519410 Tlm: 927051540 STC 5 Redes de Informação e comunicação STC 5 Redes de informação

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Como surgiu o universo

Como surgiu o universo Como surgiu o universo Modelos para o universo Desde os tempos remotos o ser humano observa o céu, buscando nele pistas para compreender o mundo em que vive. Nessa busca incansável, percebeu fenômenos

Leia mais

Podemos até dizer que a hipótese é bem convincente, isto é...

Podemos até dizer que a hipótese é bem convincente, isto é... Podemos até dizer que a hipótese é bem convincente, isto é... Os números romanos são fáceis de compreender mas Qual é a lógica que há por detrás dos números arábicos ou fenícios? Muito simples: Trata-se

Leia mais

Identidade visual corporativa e institucional

Identidade visual corporativa e institucional Identidade visual corporativa e institucional O ser humano pensa visualmente! Ao contrário das palavras, as imagens agem diretamente sobre a percepção do cérebro. O homem moderno está cada vez mais privilegiando

Leia mais

Para muitos autores como Richard Hollis (2000), quando ocorre a transição

Para muitos autores como Richard Hollis (2000), quando ocorre a transição Para muitos autores como Richard Hollis (2000), quando ocorre a transição da composição gráfica por partes separadas e isoladas para a criação única do artista de texto e ilustração, houve então o início

Leia mais

HISTÓRIA PRÉ-HISTÓRIA

HISTÓRIA PRÉ-HISTÓRIA Grupo 1 Universo A Pré-História Professor Carlos HISTÓRIA PRÉ-HISTÓRIA Para começarmos é importante saber como os historiadores conceituam a Pré-História: A Pré-História é conceituada como o período que

Leia mais

CAPÍTULO 06 - MESOPOTÂMIA. A palavra Mesopotâmia vem do grego e significa entre rios.

CAPÍTULO 06 - MESOPOTÂMIA. A palavra Mesopotâmia vem do grego e significa entre rios. CAPÍTULO 06 - MESOPOTÂMIA A palavra Mesopotâmia vem do grego e significa entre rios. INTRODUÇÃO É uma faixa de terra cortada por dois grandes rios: o Tigre e o Eufrates; Fica situada entre a Europa, a

Leia mais

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - História - 2º Bimestre

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - História - 2º Bimestre Capítulo 5 1) O que se entende por Crescente Fértil? E quais regiões correspondiam? 2) Qual a importância dos rios para a história da humanidade? 3) Leia as afirmações abaixo: I Civilização é o estágio

Leia mais

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares A UU L AL A Figuras geométricas Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos têm forma, tamanho e outras características próprias. As figuras geométricas foram criadas a partir da observação das formas

Leia mais

O TRIÂNGULO E A NATUREZA: UMA RELAÇÃO ABSTRATA OU CONCRETA

O TRIÂNGULO E A NATUREZA: UMA RELAÇÃO ABSTRATA OU CONCRETA O TRIÂNGULO E A NATUREZA: UMA RELAÇÃO ABSTRATA OU CONCRETA MOURA, William da Silva GALDINO, Luiz da Silva RESUMO Este estudo trata de uma pesquisa bibliográfica que tem como objetivo investigar a existência

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 5ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 5ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

Pré-história prof. Emerson Guimarães. José Adolfo S. de Campos Observatório do Valongo

Pré-história prof. Emerson Guimarães. José Adolfo S. de Campos Observatório do Valongo Pré-história prof. Emerson Guimarães José Adolfo S. de Campos Observatório do Valongo Período Paleolítico (~ 2 milhões a ~ 8000 a.c.) Vivia em cavernas Fogo, Facas Tacapes Caça Segurança Habitação Alimentação

Leia mais

A Filosofia A origem da Filosofia 1

A Filosofia A origem da Filosofia 1 A Filosofia A origem da Filosofia 1 A PALAVRA FILOSOFIA A palavra filosofia é grega. É composta por duas outras: philo e sophia. Philo deriva-se de philia, que significa amizade, amor fraterno, respeito

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Conteúdo: Mesopotâmia: região entre rios Dois rios, muitos povos Dois grandes impérios Como viviam os mesopotâmicos Alguns aspectos culturais

Conteúdo: Mesopotâmia: região entre rios Dois rios, muitos povos Dois grandes impérios Como viviam os mesopotâmicos Alguns aspectos culturais CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA INTERATIVA I Conteúdo: Mesopotâmia: região entre rios Dois rios, muitos povos Dois grandes impérios Como viviam os mesopotâmicos Alguns aspectos culturais CONTEÚDO

Leia mais

Idade dos Metais. Mariana Antunes Vieira. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons.

Idade dos Metais. Mariana Antunes Vieira. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. Mariana Antunes Vieira Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/ A Idade

Leia mais

MESOPOTÂMIA. TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive

MESOPOTÂMIA. TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive MESOPOTÂMIA TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive ASPECTOS FÍSICOS Os dois rios mais importantes são o Tigre e o Eufrates. Localiza-se, predominantemente, no Crescente Fértil, onde hoje está o Iraque. Possui precárias

Leia mais

Três importantes invenções

Três importantes invenções Três importantes invenções Por Pedro Varanda Para mim o fogo foi a maior conquista do ser humano na pré-história. A partir desta conquista o homem aprendeu a utilizar a força do fogo em seu proveito, extraindo

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

Arte Pré Histórica Bisão da Gruta de Altamira Bisão da Gruta de Altamira Réplica Museu Arqueológico Nacional da Espanha Espanha

Arte Pré Histórica Bisão da Gruta de Altamira Bisão da Gruta de Altamira Réplica Museu Arqueológico Nacional da Espanha Espanha Estes textos são produzidos sob patrocínio do Departamento Cultural da Clínica Naturale.Direitos são reservados. A publicação e redistribuição de qualquer conteúdo é proibida sem prévio consentimento.

Leia mais

VERDADEIROS FALSOS CORRETA

VERDADEIROS FALSOS CORRETA Arte Pré-Histórica Questão 01 A religiosidade é um item de bastante relevância no estudo da arte na pré-história. Que alternativa abaixo marca CORRETAMENTE fatos que atestam esta realidade? a) ( ) As pinturas

Leia mais

Religião, Cristianismo e os significados

Religião, Cristianismo e os significados Religião, Cristianismo e os significados Religião: 1 - Crença na Carlos Alberto Iglesia Bernardo das existência palavras Manifestação dicionário Aurélio de - tal editora crença Nova pela Fronteira doutrina

Leia mais

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / MEU SENHOR E MEU DEUS, EU CONFIO EM TI! OS TEXTOS SAGRADOS NAS TRADIÇÕES RELIGIOSAS

Leia mais

PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA

PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA Augusto Pereira da Rosa¹ Ester Miriane Zingano² RESUMO A educação durante a Pré-História tem como objetivo a sobrevivência do grupo. Embora sem ter consciência

Leia mais

EXPLORANDO OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS ENVOLVIDOS NA CONSTRUÇÃO DE UMA CASA

EXPLORANDO OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS ENVOLVIDOS NA CONSTRUÇÃO DE UMA CASA EXPLORANDO OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS ENVOLVIDOS NA CONSTRUÇÃO DE UMA CASA Sergio da Silva Cambiriba 1 Dante Alves Medeiros Filho 2 RESUMO Nosso trabalho consistiu em explorar alguns conteúdos matemáticos

Leia mais

A PRÉ-HISTÓRIA. Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita.

A PRÉ-HISTÓRIA. Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita. A PRÉ-HISTÓRIA Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita. PERÍODO PALEOLÍTICO OU IDADE DA PEDRA LASCADA No começo de sua trajetória, o homem usou sobretudo a pedra (além do

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

Psicogênese da Alfabetização Emilia Ferreiro. Rosa Maria Corrêa rosamc@pucminas.br

Psicogênese da Alfabetização Emilia Ferreiro. Rosa Maria Corrêa rosamc@pucminas.br Psicogênese da Alfabetização Emilia Ferreiro Rosa Maria Corrêa rosamc@pucminas.br Nível 1- Hipótese Pré- Silábica Não estabelece vínculo entre a fala e a escrita; Supõe que a escrita é outra forma de desenhar

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO 1 Nome: nº Data: / /2012 ano bimestre Profa.: Denise Lista de Recuperação de Arte 6º ANO Nota: 1) A arte fez parte da vida do homem desde a pré-história ( período anterior ao surgimento da escrita ) que

Leia mais

Alfabetização na musicalização infantil

Alfabetização na musicalização infantil Alfabetização na musicalização infantil Cristiane Baroni Alleoni, Escola Harmonia,escolaharmonia@terra.com.br Resumo: Este texto apresenta um relato de experiência de um trabalho realizado com alunos do

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

OS DESAFIOS DO CONTABILISTA NA ERA DIGITAL. Laudelino Jochem

OS DESAFIOS DO CONTABILISTA NA ERA DIGITAL. Laudelino Jochem OS DESAFIOS DO CONTABILISTA NA ERA DIGITAL Laudelino Jochem O CONTABILISTA E A PRESERVAÇÃO DO HOMO SAPIENS Há cerca de 20.000 anos, o homem já registrava os fatos da riqueza em contas, de forma primitiva;

Leia mais

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita

Leia mais

Arte da Pré-História

Arte da Pré-História ALUNO(A) Nº SÉRIE: 6º. Ano TURMA: DATA: / /2013 Profª Ana Lúcia Leal - DISCIPLINA: ARTE Ficha de Aula - III Trimestre Arte da Pré-História As primeiras expressões artísticas As mais antigas figuras feitas

Leia mais

Posso fazer a barba?

Posso fazer a barba? A UU L AL A Posso fazer a barba? Você estudou na Aula 6 as transformações que acontecem durante a puberdade feminina. Agora chegou a hora de falarmos da puberdade masculina. Para os meninos, a puberdade

Leia mais

CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO

CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO INTRODUÇÃO Síntese sobre a Teoria da Evolução Química. Criacionismo (fundamentado na fé e na religião). É a primeira explicação para perguntas sobre a origem do Universo, da

Leia mais

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita dos maias, México.

Leia mais

Manual de Identidade Corporativa

Manual de Identidade Corporativa Manual de Identidade Corporativa Identidade Corporativa O que é Identidade Corporativa Identidade Corporativa é o conjunto de imagens, símbolos, logotipos, cores, fontes e padrões gráficos que são definidos

Leia mais

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística.

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. RESENHAS WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. Tradução: Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2002. Ronaldo de Oliveira BATISTA Centro Universitário Nove de Julho Um número crescente de livros a

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 6 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. História 6 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação História 6 o ano Unidade 1 5 Nome: Data: Unidade 1 1. Existem vários modos de explicar as origens da humanidade. As imagens a seguir mostram duas formas bem distintas e conhecidas.

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS 1ª etapa Professoras Regentes: Alessandra / Ana Paula / Solange

4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS 1ª etapa Professoras Regentes: Alessandra / Ana Paula / Solange 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS 1ª etapa Professoras Regentes: Alessandra / Ana Paula / Solange LÍNGUA PORTUGUESA Leitura: Meu nome não é esse (Notícia); Pesquisa de opinião (entrevista); Aprofundamento

Leia mais

Soluções Nível 1 5 a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental

Soluções Nível 1 5 a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental 1. (alternativa C) Os números 0,01 e 0,119 são menores que 0,12. Por outro lado, 0,1 e 0,7 são maiores que 0,. Finalmente, 0,29 é maior que 0,12 e menor

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Geografia

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Geografia COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Geografia Nome: Ano: 2º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências Humanas Disciplina:

Leia mais

Prof.Msc Jocênio Marquios Epaminondas. http://www.twitter.com/jocenio

Prof.Msc Jocênio Marquios Epaminondas. http://www.twitter.com/jocenio Prof.Msc Jocênio Marquios Epaminondas http://www.jocenio.pro.br email:prof.jocenio@jocenio.pro.br http://www.twitter.com/jocenio A escrita, os primeiros registos: Os primeiros registos gráficos feitos

Leia mais

Aula 5.2 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz Orientais Hinduísmo - Índia Budismo - Índia Taoísmo - China Xintoísmo - Japão ENSINO RELIGIOSO

Aula 5.2 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz Orientais Hinduísmo - Índia Budismo - Índia Taoísmo - China Xintoísmo - Japão ENSINO RELIGIOSO A Aula 5.2 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz Orientais Hinduísmo - Índia Budismo - Índia Taoísmo - China Xintoísmo - Japão 2 A Habilidades: Identificas as diferenças e semelhanças entre as religiões

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Nota do autor. Capa. Ivo Nissola. Diagramação. Ivo Nissola

Nota do autor. Capa. Ivo Nissola. Diagramação. Ivo Nissola Nota do autor. O manual de aperfeiçoamento em caligrafia, foi elaborado originalmente em 1993, de forma artesanal, para atender nossos alunos em sala de aulas. Posteriormente, devido ao grande sucesso

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

O Ensino da Astronomia

O Ensino da Astronomia O Ensino da Astronomia Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) indicam o estudo da Astronomia no 3o e 4o ciclos do Ensino Fundamental, na área de Ciências Naturais, no eixo temático "Terra e Universo"

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA Teerã - capital EGITO FENÍCIOS ISRAEL IRAQUE Mesopotâmia REINO DA PÉRSIA IRÃ A PÉRSIA, ATUAL IRÃ, LOCALIZAVA-SE A LESTE DA MESOPOTÂMIA, Á MARGEM DO CRESCENTE FÉRTIL Reino da Média

Leia mais

Linguagem Oral e Escrita

Linguagem Oral e Escrita FAAC Faculdade Afonso Cláudio Pólo Tijuca Rio de Janeiro Pós-graduação em Educação Linguagem Oral e Escrita Rosane Tesch rosanetesch@gmail.com Linguagem Oral e Linguagem Escrita - conceitos gerais Pensamento

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio 1. Substitua as palavras destacadas e copie as frases, tornando os fragmentos abaixo mais elegantes, além de mais próximos à língua padrão e à proposta

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO A COMUNICAÇÃO NA INTERNET PROTOCOLO TCP/IP Para tentar facilitar o entendimento de como se dá a comunicação na Internet, vamos começar contando uma história para fazer uma analogia. Era uma vez, um estrangeiro

Leia mais

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO ANO LECTIVO - 010/ 011 ÁREA DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA 7º ANO COMPETÊNCIAS GERAIS 1. Tratamento de informação; utilização de fontes;. Compreensão histórica:.1. Temporalidade.. Espacialidade.3. Contextualização

Leia mais

Outra grande civilização da Antiguidade oriental, em que o Estado possui grande poder e controle sobre tudo foi a Mesopotâmia.

Outra grande civilização da Antiguidade oriental, em que o Estado possui grande poder e controle sobre tudo foi a Mesopotâmia. Mesopotâmia Antiga Outra grande civilização da Antiguidade oriental, em que o Estado possui grande poder e controle sobre tudo foi a Mesopotâmia. Diferente do Egito, a Mesopotâmia nunca se preocupou com

Leia mais

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi Ciências Sociais Profa. Cristiane Gandolfi Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia Objetivos da aula: Compreender o pensamento de Emile Durkheim e sua interface com o reconhecimento

Leia mais

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6 GRUPO 6.1 MÓDULO 6 Índice 1. Metodologia de Alfabetização...3 1.1. Qual o Conhecimento sobre o Sistema de Escrita dos Jovens e Adultos?... 3 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

Prova bimestral 3o ANO 2o BIMESTRE

Prova bimestral 3o ANO 2o BIMESTRE rova bimestral 3o 2o Ó scola: ata: ome: / / urma: mportância dos grandes rios no desenvolvimento da sociedade oi nas margens de grandes e importantes rios que as civilizações sedentárias começaram a surgir,

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

Documento Arquivístico Eletrônico. Produção de Documentos Eletrônicos

Documento Arquivístico Eletrônico. Produção de Documentos Eletrônicos Documento Arquivístico Eletrônico Produção de Documentos Eletrônicos Características do Documento. Arquivístico Autenticidade, São autênticos quando criados e conservados de acordo com procedimentos regulares

Leia mais

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag Autor: Rabbi Yehuda Ashlag A Kabbalah ensina a correlação entre causa e efeito de nossas fontes espirituais. Estas fontes se interligam de acordo com regras perenes e absolutas objetivando gols maiores

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 6º Ano 1º/2º Bimestre 2015 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Fernanda Data: / /2015 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza Curso de Design Linguagem Visual Luciano Pedroza O Designer O designer, ao contrário do pensamento comum não é artista, mas utiliza elementos da arte no desenvolvimento do projeto. O artista, por definição,

Leia mais

A missão no contexto asiático

A missão no contexto asiático A missão no contexto asiático Pe. Joachim Andrade SVD Introdução O continente asiático é tão grande e tão diverso é muito difícil dar uma visão clara e contextual da missão dentro de poucos minutos. Além

Leia mais

Prova bimestral. Língua portuguesa. 2 o Bimestre 4 o ano. 1. Leia o texto.

Prova bimestral. Língua portuguesa. 2 o Bimestre 4 o ano. 1. Leia o texto. Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 2 o Bimestre 4 o ano Língua portuguesa Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia o texto. Daniel Wiedemann/shutterstock

Leia mais

ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA

ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA Arte Proto-Grega A arte Proto-Grega também é conhecida como Creto-Micênica. Na Ilha de Creta, no Mar Egeu, desenvolveu-se uma civilização que deixou como principal

Leia mais