REQUISITOS DE FORNECEDO R GLOBAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REQUISITOS DE FORNECEDO R GLOBAIS"

Transcrição

1 REQUISITOS DE FORNECEDO R GLOBAIS DA MAGNA

2 SEÇÃO CONTEÚDO PÁG. 1. Introdução 1.1 Relação Magna-Fornecedor Comunicação Notificação de Mudança Continuidade de Fornecimento Responsabilidade Social 5 2. Requisitos Básicos 2.1 Qualificações de Fornecedor Certificações Avaliações de Fornecedor 8 3. Desenvolvimento 3.1 Definição do Escopo 8 de Produto/Processo & 3.2 Planejamento e Definição de Requisitos 9 Aprovação de Peça 3.3 Projeto e Desenvolvimento de Produto Ferramental, Medidores & Acessórios de Teste Projeto e Desenvolvimento de Processo Validação de Produto e Processo Feedback e Avaliação Produção em Série 4.1 Controle de Acessórios & Equipamento de Teste Monitoramento de Produto & Processo Não Conformidade & Ação Corretiva Mudança & Desvios de Produto ou Processo Garantia Materiais & Logística 5.1 Requisitos Gerais Embalagem Etiquetagem Planejamento & Previsão de Materiais Transporte, Programações & Roteamento Documentação MMOG Desempenho do 6.1 Relatório de Desempenho de Fornecedor 23 Fornecedor 6.2 Critérios de Classificação Operacional Aperfeiçoamento Contínuo Glossário de termos 25 2 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

3 1. INTRODUÇÃO As expectativas, os requisitos e os padrões definidos dentro deste manual são aplicáveis a todos os fornecedores fornecendo materiais, produtos e serviços para qualquer planta de fabricação Magna. Estes incluem fornecedores de materiais diretos, materiais de embalagem e serviços (incluindo serviços de contenção, classificação e calibração) com impacto potencial em quaisquer características de produto que afetem os requisitos de Cliente da Magna. Estes requisitos também se aplicam, no todo, a qualquer fornecedor que seja dirigido para a Magna por qualquer Cliente OE. Os requisitos como detalhados neste manual definem requisitos básicos e são suplementares aos requisitos específicos conforme comunicados pela sua divisão de encomenda. A última versão deste manual será postada no website da Magna (www.magna.com), no portal e- RFX (https://erfx.magna.com) e no Portal de Fornecedor da Magna (http://supplier.magna.com). Os Fornecedores devem rever qualquer um destes sites regularmente para assegurar que eles têm a versão mais recente disponível. Os Fornecedores devem ter acesso a e-rfx (https://erfx.magna.com) ou ao Portal de Fornecedor da Magna (http://supplier.magna.com), conforme orientado pelo seu Grupo Magna ou planta. 1.1 A RELAÇÃO MAGNA FORNECEDOR A Magna está comprometida em manter sua posição de líder global dentro do setor automotivo e nós reconhecemos o papel inerente que cada fornecedor da Magna tem na manutenção de nossa posição de excelência em inovação, tecnologia, custo, qualidade e entrega. Nossa intenção é estabelecer relações estratégicas, de longo prazo, com nossos fornecedores e cada fornecedor está incumbido de manter uma posição de liderança de custo, embora demonstrando um compromisso com qualidade sustentada, níveis mais altos de serviço e um forte foco em aperfeiçoamento contínuo. Nós nos empenharemos para fazer todos os esforços para gerenciar nossas relações de fornecedor com o mais alto grau de integridade e profissionalismo, e nós asseguraremos que nossas decisões são baseadas em otimização de valor para a Magna e seus acionistas. Nós não permitiremos que nenhuma influência indevida ou atividade inapropriada comprometa essas decisões. Este Manual do Fornecedor delineia os requisitos fundamentais para todos os fornecedores das operações globais da Magna International. Os requisitos de Sistemas de Qualidade foram alinhados para todos os nossos locais de fabricação globais, até o maior grau possível. Além dos requisitos definidos neste documento, poderá haver requisitos adicionais aplicáveis ao(s) Grupo(s) de operação Magna com o(s) qual(is) você faz negócios. Esperamos que os Fornecedores cumpram todos os requisitos específicos globais, do grupo e da planta. Os requisitos de qualidade e entrega, definidos neste documento, serão considerados um adendo à Ordem de Compra emitida para todos os fornecedores de material direto, e não substituem nem alteram os termos ou as condições abrangidas por estes documentos de compra, pela Declaração de Trabalho (SOW) ou pelos acordo de garantia. Também esperamos que os Fornecedores cumpram quaisquer termos e condições impostas sobre a Magna pelo cliente para quem os produtos finais estão finalmente sendo transportados. Isto inclui atendimento a quaisquer formulários ou documentos específicos especificados por qualquer Cliente da Magna. Também esperamos que os Fornecedores da Magna gerenciem seus subfornecedores de produtos e serviços para assegurar cumprimento dos requisitos definidos dentro deste manual, dos Termos & Condições de Compra da Magna e quaisquer requisitos específicos de Cliente ou de planta adicionais.

4 1.2 COMUNICAÇÃO NOTIFICAÇÃO DE MUDANÇAS É decisivo que a relação entre a Magna e nossos fornecedores seja pautada em comunicação aberta, eficaz e proativa. A ocorrência de produto não conforme, mudanças não autorizadas ou quaisquer questões da cadeia de fornecimento relacionadas, apresenta um risco tanto para a Magna quanto para o(s) cliente(s) da Magna, quando não comunicada e gerenciada de modo eficaz. Estes riscos também se manifestam nos subfornecedores e subcontratantes que comprometem a cadeia de fornecimento global. A fim de gerenciar estes riscos de modo eficaz, todos os fornecedores devem comunicar, tão logo possível, o seguinte: 1. Qualquer questão pendente ou potencial a qual o fornecedor tenha identificado. 2. Todas as mudanças propostas de material e/ou processo, incluindo qualquer mudança em segurança de processo ou produto ou características críticas. 3. Todas as mudanças propostas, incluindo: Mudança de local de fabricação Mudança de capacidade de ferramental Recomissionamento de ferramental que ficou inativo por um ano Recondicionamento/substituição de ferramental Uso proposto de equipamento de fabricação novo Transferência de ferramental (nova fonte) 4. Quaisquer questões potenciais de fabricação/qualidade. 5. Quaisquer questões potenciais de fornecimento e/ou capacidade. 6. Mudanças de subfornecedores de matéria-prima, componentes ou serviços. 7. Tecnologia da Informação (IT) ou sistema de suporte que poderiam impactar a produção ou o transporte de produto para a Magna. 8. Mudanças organizacionais com o potencial para impacto na fabricação ou no fornecimento de produtos para a Magna. Os Fornecedores apoiarão todos os testes, validações, aprovações e apresentações requeridas como resultado de mudanças de produto ou processo, conforme orientado pela Magna. Os Fornecedores não podem cobrar por amostras ou testes resultantes de mudanças relacionadas ao ou solicitadas pelo fornecedor, a menos que aprovado pela Magna. Os Fornecedores devem ser proativos em sua comunicação com seus clientes Magna. A não notificação à Magna de questões potenciais ou mudanças resultará em elevação interna, como apropriado, e pode resultar em notificação da questão aos clientes da Magna. Se necessário, um Arquivista de ISO/TS do fornecedor será contatado e solicitado a conduzir quaisquer investigações ou avaliações necessárias. A não conformidade contínua pode levar a perda de negócio. 1.3 CONTINUIDADE DE FORNECIMENTO Os Fornecedores são solicitados a terem planos de contingência empresarial bem definidos prontos para assegurar continuidade de fornecimento no caso de interrupção de suas operações e/ou fornecimento de materiais, como resultado de eventos feitos pelo homem, desastres naturais, interrupções de serviços públicos ou mão-de-obra ou falhas ou interrupções de equipamentos ou logística. Estes planos de contingência serão revistos regularmente. Os Fornecedores notificarão imediatamente todas as plantas da Magna para as quais eles transportam produto sobre o momento que eles tiverem ciência de qualquer interrupção de fornecimento potencial. Os Fornecedores transportando para uma localização da Magna, a partir de uma planta unida, podem ser solicitados a apresentar um plano de greve pelo menos três (3) meses antes da expiração do contrato. Este plano precisa detalhar contingências para atender 4 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

5 requisitos de material no caso de uma interrupção de mão-de-obra. Cada Fornecedor da Magna identificará um indivíduo do local de fabricação do fornecedor, com autoridade suficiente para assumir responsabilidade para tratar de quaisquer questões relativas a qualidade de produto e/ou entrega que possam impactar a Magna ou Clientes da Magna. O contato identificado precisar estar disponível a qualquer momento que essas questões surgirem. As informações de contato serão disponibilizadas para a planta da Magna sendo abastecida ou carregadas na(s) base(s) de dados apropriada(s), conforme orientado pela Magna. 1.4 RESPONSABILIDADE SOCIAL Sustentabilidade O objetivo da Magna é ser uma indústria líder em saúde, segurança e práticas ambientais e é nossa expectativa que nossos fornecedores mostrem o mesmo comprometimento no sentido de minimizar seu próprio impacto no meio ambiente, embora proporcionando também condições de trabalho seguras e saudáveis. Os fornecedores cumprirão, ou ultrapassarão, todos os regulamentos de saúde, segurança e ambientais aplicáveis e monitorarão regularmente todas as atividades com impacto nestas áreas. Os fornecedores devem assegurar cumprimento, no mínimo, embora promovendo melhoria contínua na redução do impacto de seus produtos no meio ambiente. O Meio Ambiente A Magna está comprometida com a responsabilidade ambiental e tem muitos programas diferentes destinados a proteger nosso meio ambiente e gerenciar recursos críticos, de modo a sustentar e reabastecer estes recursos para futuras gerações. Nós esperamos que nossos fornecedores demonstrem a mesma dedicação e o mesmo compromisso para o meio ambiente, e recomendamos certificação ISO de padrões ambientais. Os Fornecedores atualmente não detendo certificação ambiental são encorajados a desenvolver um plano de execução tendo o objetivo de atingir estado de certificação. Em apoio a iniciativas de sustentabilidade, nós encorajamos nossos fornecedores a efetivamente gerenciarem e reduzirem o consumo de energia por meio de um programa de gerenciamento de energia eficaz. Nós encorajamos fornecedores a considerarem o uso de ISO como uma diretriz para um padrão de gerenciamento de energia eficaz, no entanto a certificação não é obrigatória neste momento, a menos que orientada pela jurisdição dentro da qual as operações existem. A Magna apoia as iniciativas Veículo em Fim de Vida (ELV), Sistema de Dados de Material Internacional (IMDS), Registro, Avaliação, Autorização e Restrição de Produtos Químicos (REACH) e Sistema de Dados de Material Automotivo da China (CAMDS). Conforme necessário, os fornecedores cumprirão as normas aplicáveis sobre a classificação, embalagem e etiquetagem de substâncias e misturas perigosas, incluindo implementações nacionais do Sistema Harmonizado Globalmente (GHS) UN, tal como o Regulamento (EC) N.º 1272/2008 sobre a classificação, etiquetagem e embalagem de substâncias e misturas (Regulamento CLP) e o Sistema de Informação de Material Perigoso no Local de Trabalho (WHMIS). A Magna espera que nossos fornecedores e seus subfornecedores, como apropriado, registrem e cumpram todos os requisitos de reporte aplicáveis que são aplicáveis a seus produtos e processos. Conduta e Ética A Magna acredita na condução de negócios com integridade, lealdade e respeito em todos os países onde nós competimos. Nós estamos comprometidos tanto com a letra quanto com o espírito de todas as leis, regras e regulamentos aplicáveis em jurisdições nas quais nós fazemos negócios. Nós exigimos 5 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

6 este mesmo padrão de nossos fornecedores, consultores, contratantes independentes, agentes e outros representantes. Todos os fornecedores Magna são solicitados a cumprir o Código de Conduta e Ética da Magna e políticas de cumprimento relacionadas, incluindo a Política sobre Antitrust e Competição da Magna e a Política sobre Suborno e Pagamentos Indevidos da Magna. A Magna proíbe fazer pagamentos indevidos, sejam diretamente ou indiretamente, por meio de terceiros e nós esperamos que nossos fornecedores cumpram totalmente todas as leis aplicáveis envolvendo suborno e pagamentos indevidos. Os fornecedores devem ter políticas e procedimentos prontos para monitorar e prevenir práticas corruptas. A Magna ainda espera que os fornecedores participem ou respondam a qualquer auditoria, investigação, inquérito, atestado ou processo de triagem de cumprimento razoavelmente solicitado pela Magna. Condições de Trabalho Globais Reconhecendo que nossa cadeia de fornecimento abrange muitas regiões diferentes ao redor do globo, a Magna está comprometida em manter condições de trabalho globais e normas que resultem em tratamento digno e respeitoso de todos os empregados dentro de todos os nossos locais de operação globais, assim como aqueles de nossa cadeia de fornecimento. Portanto, é a expectativa da Magna que nossos fornecedores terão políticas, procedimentos e sistemas apropriados para apoiar as seguintes normas: a) Mão-de-obra infantil não será utilizada. Mão-de-obra de menores, como definida pela lei trabalhista local, não será utilizada, a menos que ela seja parte de um programa de treinamento ou aprendizado aprovado pelo governo que claramente beneficie os participantes. b) Qualquer forma de mão-de-obra forçada ou compulsória é proibida. c) Trabalhadores, sem medo de represália, intimidação ou assédio, poderão se comunicar abertamente com a gerência a respeito de condições de trabalho. Eles também terão o direito de se associarem livremente e aderir a sindicatos de trabalhadores e conselhos de trabalhadores de acordo com as leis locais. d) Trabalhadores serão protegidos contra qualquer forma de assédio e discriminação de qualquer maneira incluindo, mas não se limitando a, gênero, sexo, idade, religião, incapacidade e opiniões políticas. e) Trabalhadores terão um local de trabalho seguro e saudável que atenda ou ultrapasse todas as normas aplicáveis a saúde e segurança ocupacional. f) Trabalhadores serão remunerados com salários e benefícios que são competitivos e atendem a lei local, incluindo salários mínimos, horas extras e benefícios legalmente obrigatórios. g) O horário de trabalho atenderá a todas as leis locais aplicáveis regulando o horário de trabalho. A nossa expectativa é que nossos fornecedores mantenham estas condições de trabalho globais em todas as suas operações, embora também promovendo a adoção destes princípios com seus próprios fornecedores. O não cumprimento de qualquer uma destas condições de trabalho pode impedir a concessão de futuros negócios e pode levar a perda de negócios existentes em resposta à gravidade das violações e conforme julgado apropriado pela Magna. Minerais de Conflito De acordo com a legislação que entrou em vigor em 2012, os fabricantes que apresentarem determinados relatórios a U.S. Securities and Exchange Commission (SEC) devem divulgar se os produtos que eles fabricam, ou contratam para fabricar, contêm minerais que vêm de fontes que apoiam ou financiam tratamento desumano 6 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

7 na região da República Democrática do Congo ou em um país adjacente. Para assegurar cumprimento destes requisitos SEC, a Magna deve solicitar informações a respeito do uso de minerais de conflito de quaisquer fornecedores apropriados. Qualquer fornecedor contatado pela Magna deve apoiar a Magna fornecendo precisamente todos os dados e relatórios solicitados. Informações adicionais sobre relatórios de minerais de conflito podem ser encontradas clicando nestes dois links: 2. REQUISITOS BÁSICOS 2.1 QUALIFICAÇÕES DE FORNECEDOR Quaisquer fornecedores atualmente transportando para qualquer grupo Magna devem ser registrados na base de dados aplicável (http://supplier.magna.com) ou (https://erfx.magna.com), conforme orientado pelo grupo de encomenda, ou planta. Os Fornecedores registrados em cada uma destas bases de dados devem preencher todos os campos de informação dando o perfil dos sistemas de negócios aplicáveis, capacidades de commodity e identificando pessoal de contato chave. Se um fornecedor tiver múltiplos locais de fabricação com identificação DUNS única aplicável, cada local DUNS de fabricação requer registro na base de dados apropriada. Os Fornecedores são solicitados a manter as informações na base de dados para assegurar que elas estejam atualizadas. No mínimo, os dados devem ser revisados e, se necessário, atualizados pelo menos anualmente. A manutenção de informações atualizadas é crítica, uma vez que estas bases de dados globais são acessíveis a todos os compradores e pessoal de qualidade da Magna mundialmente. As plataformas e- RFX e Portal do Fornecedor também são usadas durante os processos de avaliação de fornecedor e iniciação de fornecedor. Métricas de desempenho e classificações de fornecedores chaves também são comunicadas via estas bases de dados. Muitas plantas Magna estão migrando para a plataforma QPF para gerenciamento: Gerenciamento de Projeto Gerenciamento de alvo/cronograma Gerenciamento de tarefas/questões em aberto Aprovações de produção PPAP/VDA Gerenciamento de não conformidade Os Fornecedores apoiarão ou QPF ou sistemas dedicados existentes, como orientado pelo grupo Magna de encomenda ou planta. Os Fornecedores da Magna também devem atender critérios operacionais, financeiros e de qualidade chaves, os quais combinados determinam o estado de um fornecedor. Estas métricas são revistas regularmente e auxiliam no desenvolvimento de estratégias de compras globais da Magna 2.2 CERTIFICAÇÕES O objetivo da Magna é, para todos os fornecedores de materiais e serviços, produzindo ou afetando material de produção direta, demonstrar conformidade com as últimas normas ISO/TS 16949, e outras normas que possam ser encaminhadas pela(s) planta(s) de encomenda incluindo, mas não se limitando a ISO 17025, OHSAS 18001, ISO/IEC e ISO SPICE. Os Fornecedores que não estão certificados para ISO/TS devem ser certificados para a última norma ISO 9001 e cumprir com os Requisitos de Sistema de Gerenciamento de Qualidade Automotivos Mínimos para Subfornecedores (MAQMSR disponível em OEM Requisitos Específicos de Cliente). A Magna também incentiva nossos fornecedores a trabalharem em direção a certificação de acordo com as normas de Occupational Health and Safety por certificação de acordo com OHSAS Os Fornecedores que são apenas certificados para ISO 9001 poderão ser submetidos a uma auditoria de sistema de 7 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

8 gerenciamento anual por um auditor da Magna ou terceirizado qualificado. Caso qualquer certificação existente expire, seja revogada ou colocada em suspensão ou em prova, o fornecedor deve contatar imediatamente todas as plantas da Magna para as quais o fornecedor transporta produto, notificando-as sobre a mudança no estado da certificação. Qualquer suspensão do estado da certificação deve ser comunicada a todas as plantas da Magna aplicáveis dentro de 5 dias úteis. Os fornecedores também manterão todas as Avaliações de CQI requeridas, como definidas por seu processos (Ref. e todas as outras Normas FMVSS incluindo, sem limitação, requisitos FMVSS 302 (Flammability reporting), se orientado pela(s) sua(s) planta(s) Magna de encomenda e em apoio a requisitos específicos de Cliente OE aplicáveis. (Ref. Além de orientar fornecedores de materiais o escopo destes requisitos se aplica a fornecedores de subconjuntos, sequenciamento, classificação e recondicionamento (seja no local ou em um local remoto). Esperamos que os Fornecedores mantenham o mesmo nível de controles de qualidade e fabricação para a produção de peças e conjuntos de serviço (isto é, para a vida inteira do programa). Isto incluirá quaisquer requisitos de serviço transferidos para qualquer sede alternativa, local ou organização. Fornecedores de peças, componentes ou conjuntos de serviço devem cumprir o Processo de Aprovação de Produção de Peças de Serviço AIAG (Service PPAP). Os Fornecedores devem postar e atualizar todas as certificações aplicáveis no portal de fornecedor aplicável, ou base de dados, conforme orientado pela(s) sua(s) planta(s) Magna de encomenda. No caso de um intervalo entre expiração de certificação e emissão de um novo certificado, o fornecedor postará a carta de recomendação emitida pelo seu arquivista no portal do fornecedor ou na base de dados da Magna apropriada. O não carregamento de certificações renovadas resultará em uma penalidade nas classificações operacionais e pode impactar futuros negócios. 2.3 AVALIAÇÕES DE FORNECEDOR A Magna se reserva o direito de rever e avaliar sistemas financeiros, operacionais, de qualidade, ambientais e de Saúde & Segurança de um fornecedor, com a finalidade de validar cumprimento de normas estabelecidas pelos Padrões ISO/TS, VDA 6.3, Requisitos Específicos de Cliente OE aplicáveis ou requisitos conforme detalhados dentro deste manual. Avaliações ou revisões podem ser conduzidas ocasionalmente a fim de assegurar a estabilidade contínua e a viabilidade da base de fornecimento da Magna. Esperamos que todos os fornecedores, incluindo designados pelo Cliente ou dirigidos ao Cliente forneçam, mediante aviso razoável, acesso a sua instalação assim como aquelas de subfornecedores, conforme necessário. Todas as medidas apropriadas serão tomadas para proteger a confidencialidade de informações operacionais e financeiras. Os resultados de avaliação se destinam a verificação de ISO/TS, VDA e Requisitos Específicos de Cliente aplicáveis e de nenhuma maneira reduzem ou negam a responsabilidade de cumprir requisitos específicos regulatórios, de saúde e segurança ou outros requisitos legais aplicáveis ao fornecedor. 3. DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO/PROCESSO & APROVAÇÃO DE PEÇA 3.1 DEFINIÇÃO DO ESCOPO A Magna requer que os fornecedores completem todo o planejamento de produto avançado e a apresentação de pleno acordo com o manual AIAG Advance Product Quality Planning and Control Plan (Plano de Planejamento e Controle de Qualidade de 8 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

9 Produto Antecipado). A menos que de outro modo orientado e aprovado pela(s) sua(s) planta Magna de encomenda, todas as apresentações serão conforme os requisitos de Nível 3, no mínimo. Como determinado pelo cliente da Magna e mediante solicitação pela Magna, os fornecedores devem atender adicionalmente os requisitos de apresentação de acordo com VDA2, Nível 3. Os Fornecedores realizarão todas as atividades necessárias e prescritas para assegurar clareza de todas as expectativas específicas de cliente e do grupo como definidas dentro das Ordens de Compra, Declaração de Trabalho etc. Isso inclui atividades e relatórios relacionados ao projeto, testes, verificação e/ou validação e conformidade do produto. Os Fornecedores realizarão e documentarão revisões de viabilidade detalhadas para assegurar que todos os requisitos técnicos, de fabricação, de desempenho, de especificação, de certificação (homologação) e de cronograma sejam suportados. Os Fornecedores apresentarão essas revisões de viabilidade a Magna, mediante solicitação. Em casos onde a certificação de produto (homologação) é necessária, o fornecedor é responsável por assegurar a conclusão de todos os requisitos e especificações de homologação. As responsabilidades serão mutuamente acordadas antes do início de qualquer atividade de certificação. Os Fornecedores assegurarão que os recursos estejam disponíveis e sejam capazes de se comunicar eficazmente para assegurar a conclusão bem sucedida de todos os requisitos para atender o cronograma de programa definido. Também é da responsabilidade dos fornecedores assegurar que subfornecedores pelos quais eles são responsáveis, também tenham recursos suficientes alocados. Os Fornecedores desenvolverão gráficos de cronograma e progresso, em um formato como definido pela(s) planta(s) Magna de encomenda e manterão e revisarão cronogramas regularmente. Conforme definido especificamente pelo grupo Magna ou planta envolvida, os fornecedores devem ter a capacidade de comunicar com segurança dados de CAD, como exigido. O fornecedor terá salvaguardas adequadas prontas para evitar qualquer uso impróprio ou comunicação destes dados. Esperamos que os Fornecedores usem todas as ferramentas apropriadas na fase de planejamento de produto incluindo, mas não se limitando a: Dimensionamento geométrico & tolerância (GD&T) Projeto para fabricação & montagem (DFMA) Projeto de experimentos (DOE) Estimulação & Modelagem Modos de Falha & Efeitos (FMEA) Análise de Elementos Finitos (FEA) O escopo de planejamento do fornecedor também assegurará que todos os orçamentos de capital e ferramental necessários para suportar o programa sejam aprovados e estejam prontos para atender requisitos de cronograma. 3.2 PLANEJAMENTO & DEFINIÇÃO DE REQUISITOS Os Fornecedores trabalharão com a(s) planta(s) da Magna apropriadas para assegurar a definição de produtos de programas chaves, incluindo no mínimo: - Definição de todas as expectativas de cliente e requisitos governamentais ou legislativos (por exemplo, FMVSS) relativos a desenvolvimento e aprovação de produto, assim como lançamento e produção. Os requisitos de cliente incluirão todos os requisitos da planta(s) Magna aplicável, assim como todas as expectativas e requisitos finais de Cliente e atendimento. - Revisão de questões de garantia passadas para qualquer projeto e/ou aplicação de produto similar. Sempre que possível, todas as tentativas para referenciar produtos concorrentes devem ser feitas. A análise de garantia deve incluir todos os fornecedores de nível secundário, se for caso disso. 9 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

10 - Dados históricos de qualidade sobre projetos ou revisões anteriores da peça atual, ou sobre peças e processos de fabricação semelhantes devem ser revistos. Relatórios de problemas e ações corretivas devem ser revisadas para assegurar inclusão de controles adequados para evitar recorrência de não conformidades anteriores. - Quaisquer dados de prevenção de campanha ou dados de recall de governo ou de boletim de serviço técnico devem ser revistos, se disponíveis. Os Fornecedores trabalharão em estreita colaboração com a Magna para assegurar que todos os processos sejam controlados adequadamente de modo a evitar a fabricação e a transferência de defeitos. Controles de processo devem ser suficientes para controlar modos de falha identificados através de Análise de Efeitos de Modos de Falha de Processo (PFMEA). Atenção especial deve ser dada a todos os pontos de adesão ou interface do Cliente sobre o produto final e para processos críticos, tal como itens de tratamento térmico, revestimento, cobertura, brazagem, soldagem e aparência. 3.3 PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO Fornecedores com responsabilidade de projeto devem receber aprovação da Magna para todas as especificações de projeto de produto, teste e validação, incluindo especificações de CAD e requisitos de transferência. Todos os desvios devem ser aprovados pela Magna, por escrito, antes da implementação. Solicitações de Fornecedor para desvios e aprovações de engenharia serão documentadas e controladas de acordo com os requisitos e documentos da(s) planta(s) de encomenda. Os Fornecedores com responsabilidade de projeto devem concluir todas as Análises de Efeitos de Modos de Falha de Projeto (DFMEA) apropriadas de acordo com as últimas normas AIAG e tê-las disponíveis para revisão e aprovação pela Magna. O Fornecedor e a Magna estabelecerão expectativas de aprovação de desempenho para cada fase incluindo Validação de Engenharia (EV), Validação de Projeto (DV) e Validação de Produção (PV) como definido pela planta(s) de encomenda. Dados e resultados de testes EV, DV e PV serão usados no projeto e na construção de equipamentos de teste e inspeção que mais tarde controlarão o processo de fabricação. 3.4 FERRAMENTAL, MEDIDORES & ACESSÓTIOS DE TESTE Projeto e construção de ferramental é geralmente responsabilidade do fornecedor, no entanto, muitos grupos da Magna desenvolveram Normas de Ferramental detalhadas para assegurar que os fornecedores fabriquem ferramentas que fornecerão peças de alta qualidade ao longo da vida do ferramental. Estas Normas de Ferramental serão comunicadas a você via a planta de encomenda, se necessário. Os fornecedores são responsáveis pela manutenção de todo o ferramental, e equipamentos de teste e inspeção. Ferramental, medidores e acessórios de teste de propriedade do cliente devem ser identificados conforme prescrito pelo cliente, incluindo identificação com etiquetas de ativo apropriadas, ou identificação semelhante. O pagamento final de ferramental será dependente da verificação da identificação adequada e da conclusão de PPAP conforme definido por requisitos Nível 3 AIAG PPAP ou VDA2. A aprovação de PPAP não será assinada sem a conclusão e assinatura da documentação de depósito aprovada pela Magna (incluindo recibos de depósito incorporando imagens do ferramental, medidores e acessórios de teste e etiquetas ou identificação associadas), refletindo os direitos da Magna e seus clientes nos bens, incluindo ferramental, que sejam colocados aos cuidados e na custódia do fornecedor. A qualquer momento após notificação ao fornecedor, a Magna se reserva o direito de concluir uma inspeção no local do 10 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

11 ferramental de propriedade de qualquer cliente da Magna diretamente, ou pela Magna. Prazos de pagamento podem diferir dentro de vários grupos da Magna, e os fornecedores precisam confirmar que eles fazem referência a quaisquer ordens de compra de ferramental aplicáveis para programação de pagamento real. 3.5 PROJETO & DESENVOLVIMENTO DE PROCESSO Como parte do processo de planejamento antecipado, os fornecedores devem projetar e desenvolver um processo de fabricação que atenderá volumes de produção cotados e todos os requisitos de qualidade como aprovados pela Magna. A documentação de planejamento de qualidade, tal como Análise de Efeitos de Modos de Falha (FMEA), Diagrama de Fluxo de Processo (PFD) e Plano de Controle de Processo (PCP) deve ser desenvolvida, revisada e aprovada pela Magna antes da aprovação da produção e do lançamento. Quando uma FMEA tem um modo de gravidade ou de falha de 9 ou 10, ou conforme definido por quaisquer requisitos exclusivos de um cliente da Magna, o risco deve ser tratado por meio de ação/controles de projeto ou ações de prevenção/correção de processo, independentemente do Número de Prioridade de Risco (RPN). Esperamos que os Fornecedores tenham um forte foco na prevenção, em oposição a detecção, e modos de falha potenciais identificados por meio do processo de Planejamento de Qualidade Avançado devem ter condição a prova de erro apropriada projetada para o processo de fabricação para assegurar captura e contenção de não conformidades de produto. Os Fornecedores devem garantir que espaço de piso suficiente esteja disponível para suportar todos os equipamentos de fabricação e teste necessários. Uma vez que a aprovação de produção seja recebida da Magna, qualquer mudança no processo de fabricação deve ser comunicada à Magna, antes da mudança ocorrer. Essas mudanças posteriormente devem ser aprovadas pela Magna antes da implementação. O fornecedor também desenvolverá embalagens e etiquetagem necessárias, de acordo com as diretrizes do Grupo de Ação da Indústria Automotiva (AIAG) ou VDA, ou conforme definido pelo Cliente ou por quaisquer requisitos legais aplicáveis. No caso em que é necessária manipulação ou embalagem de especialidade, a planta da Magna apropriada comunicará os requisitos ao fornecedor. 3.6 VALIDAÇÃO DE PRODUTO & PROCESSO Antes da aprovação de produção final, o fornecedor validará toda a documentação de controle (FMEA, PCP e PFD) para assegurar que o processo de fabricação seja devidamente detalhado e todos os sistemas de medição e controle sejam identificados e implementados. O fornecedor estabelecerá metas de confiabilidade/qualidade de produção apropriadas juntamente com processos de ação corretiva disciplinada para conduzir melhorias através do processo de fabricação. Amostras de Validação de Produção (PV) devem ser provenientes de processo e fluxo de fabricação aprovados, a menos que especificamente autorizado por escrito pela planta da Magna de encomenda. Aprovação de produção final exigirá a conclusão de todas as atividades prescritas de AIAG/VDA incluindo dimensões de peça componente, certificações de materiais (conforme definido pela planta de encomenda) e todos os documentos de suporte aprovados e quaisquer requisitos adicionais que possam ser definidos por sua planta Magna de encomenda. Desvios que necessitam ser parte de um pacote de apresentação PPAP/EMPB devem ser aprovados por escrito pela planta Magna de encomenda antes da apresentação do PPAP. A menos que de ouro modo especificado pela Magna, todos os requisitos de nível 3, como detalhados no Manual AIAG PPAP ou VDA2 Nível 3 devem ser atendidos. Se aplicável, os fornecedores devem atender os requisitos de apresentação de acordo com VDA2, Nível 3. A menos que de outro modo aprovada por escrito pela Magna, a aprovação de produção será dependente da 11 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

12 conclusão bem sucedida de experimentos de produção executados na capacidade nas capacidades cotadas incluindo capacidades de limiar baixo ou alto conforme definido pela Magna e usando o processo e a forma da planta de encomenda. Execução na capacidade bem sucedida deve atender requisitos de capacidade estatística conforme definidos por normas técnicas, AIAG/VDA, ou como aprovados pela Magna. Para os fornecedores com requisitos IMDS/REACH/CAMDS, a verificação de entrada de dados (usando número MDS aprovado) deve ser apresentada com PPAP. O não cumprimento pode resultar em um atraso de aprovação PPAP e posterior pagamento de fundos de ferramental. Para assistência com o IMDS sistema entre em contato com IMDS Helpdesk nos números de contato listados no site IMDS em Para assistência com o sistema CAMDS, entre em contato com o suporte CAMDS correspondente dentro do site CAMDS em A aprovação final será determinada pela planta de encomenda. Também esperamos que os fornecedores desenvolvam e implementem revisões de pronto lançamento detalhadas. Todas as características de produto, conforme identificadas pela Magna ou seu Cliente de OE, afetando o projeto, a fabricação e a montagem, o encaixe ou a função (incluindo processamento futuro/subsequente), serão identificadas e comunicadas pela planta Magna de encomenda. Como parte do produto final e da validação do processo, os fornecedores serão solicitados a estabelecer, validar e manter a capacidade de curto e longo prazo, conforme definido pela Magna. Características especiais designadas pelo Cliente, como identificadas pela Magna ou seu Cliente de OE, que afetem a segurança ou a conformidade com regulamentos, devem ser validadas para terem capacidade aceitável de curto e longo prazo e devem ser controladas por métodos de controle de processo estatísticos aceitáveis. Como determinado pelo(s) Cliente(s) OE da Magna e como orientado pela sua planta de encomenda, todos os itens FMEA com um escore de severidade de 8, ou mais alto, devem ser controlados por prova de erro/incorreção apropriada. Como determinado por ISO/TS Customer Specific Requirements e a menos que de outro modo orientado pela Magna, os fornecedores devem concluir revalidação anual de acordo com as especificações técnicas e o nível de apresentação, conforme determinado pela planta(s) de encomenda. Na ausência de orientação específica da Magna, os fornecedores devem concluir uma revalidação anula e apresentar o ISIR/PSW para a planta Magna de encomenda. Qualquer redução nos requisitos de validação devem suportar os requisitos OEM aplicáveis e somente pode ser pela orientação a Magna. Amostras de referência devem ser fornecidas sem custo para qualquer produto que exija requisitos de acabamento superficial ou aparência. Estas amostras serão retiradas de uma passagem de produção feita em condições de produção em série. Os Fornecedores fornecerão o número de amostras requeridas pela Magna e todas as amostras devem ser consideradas como amostras controladas, juntamente com assinaturas de aprovação e datas de expiração, se aplicável. As amostras representarão os padrões de aceitação mínimos. 3.7 FEEDBACK & AVALIAÇÃO Como parte do processo de aprovação de peça de produção para todo produto novo e de transferência, os fornecedores desenvolverão um plano de contenção de lançamento de produto antecipado. O processo incluirá revisões regulares de dados coletados como parte das verificações de contenção, com controles apropriados e ações corretivas implementadas para tratar de todos os casos de não conformidade. Os planos de contenção, os resultados e as ações corretivas devem ser aprovados pela Magna e disponibilizados para revisão mediante solicitação. 12 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

13 A contenção de produto antecipada deve permanecer ativa até o processo de produção ser validado como estável e a aprovação ser obtida da Magna. A menos que de outro modo especificamente orientado pela sua planta de encomenda, o seu plano de contenção de produto antecipado deve permanecer em vigor para as primeiras 2000 peças, ou para os primeiros 30 dias de produção (o que for mais exigente). Os Fornecedores não prosseguirão com transportes de material de produção sem a plena aprovação PPAP, a menos que uma renúncia aprovada, desvio ou aprovação provisória tenha sido concedida por escrito pela Magna. Os Fornecedores apenas podem transportar o volume de peças, ou pela duração de tempo, especificados pela aprovação provisória. 4. PRODUÇÃO EM SÉRIE 4.1 CONTROLE DE ACESSÓRIOS & EQUIPAMENTOS DE TESTE Monitoramento O fornecedor deve ter um sistema documentado pronto para controlar, calibrar e manter a função adequada e um nível aceitável de repetibilidade e reprodutibilidade de todos os acessórios de inspeção, instrumentos e equipamentos de medição/testes. Todos os acessórios e equipamentos de teste/inspeção de propriedade do cliente deve ser claramente identificados da maneira prescrita pela Magna ou pelo cliente da Magna. Atualizações de Instruções As instruções de operação devem estar prontamente disponíveis em toda estação de inspeção com uma norma descrevendo a metodologia adequada para uso na inspeção. Estas instruções devem incluir uma referência à norma e ao nível de revisão, e ser aprovadas pelo pessoal apropriado. Sempre que houver uma mudança no procedimento de inspeção que afete o uso da norma, ou quando qualquer informação de identificação for revisada, as instruções de operação devem ser atualizadas para refletir o estado atual. Validação Todos os equipamentos de medição e teste devem ser calibrados anualmente, no mínimo, ou com frequência maior conforme estabelecida pelo processo de Análise de Sistemas de Medição (MSA) do fornecedor. O registro/certificado de calibração deve ficar arquivado na instalação do fornecedor e ser rastreável quanto a informação de identificação atual e a norma apropriada (por exemplo, NIST). Serviços de Calibração de equipamentos devem atender os requisitos da última edição liberada das normas ISO e/ou TS. Registros de Equipamentos de Inspeção, Medição e Teste Os registros devem incluir quaisquer informações de revisão, rastreáveis até o nível de revisão de peça. Instalações de laboratório externas/comerciais/independentes usadas para serviços de inspeção, teste ou calibração pelo fornecedor terão um escopo de laboratório definido que inclui a capacidade de executar inspeção, teste ou calibração requerida e devem ter prova de que o laboratório é aceitável para a Magna ou devem ser autorizadas de acordo com ISO/IEC ou equivalente nacional. Análise de Sistema de Medição Análise de Sistema de Medição (MSA) de Medidores e Acessórios deve ser realizada conforme detalhado na última edição liberada do Manual de Análise de Sistema de Medição AIAG e deve atender as normas da(s) instalação(ões) Magna de encomenda. Retenção de Registro Esperamos que os Fornecedores mantenham períodos de retenção aplicáveis conforme especificado na norma ISO/TS última edição, a menos que, sujeito a períodos de retenção mais longos, de acordo com todos 13 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

14 os requisitos legais, governamentais ou do Cliente aplicáveis, em conformidade com requisitos comunicados por escrito pela(s) planta(s) Magna de encomenda. Os registros devem ser armazenados em um local e/ou ambiente que proteja contra destruição inadvertida. 4.2 MONITORAMENTO DE PRODUTO & PROCESSO O controle de processo de fabricação deve incluir um monitoramento contínuo de características de produto/processo e de todos os parâmetros chave que influenciam o processo de fabricação. Métodos de controle de processo estatísticos apropriados, ou a prova de erro, devem ser aplicados a todas as características identificadas pelo processo APQP e conforme orientado pela(s) sua(s) planta(s) Magna de encomenda. Parâmetros de processo e características de produto sujeitas a regulamentos de segurança, ambientais e/ou de emissões legislativos devem ser documentadas em planos de controle em conformidade com requisitos específicos da Magna e requisitos ISO/TS (Ref. Manual de Orientação CQI-16 ISO/TS 16949). Os Fornecedores devem validar a conformidade com requisitos de produto e processo regularmente. Isto pode ser realizado por meio de auditorias de processo segmentadas (Ref. Diretrizes CQI-8 LPA), autoauditorias de sistemas ou métodos similares de verificação. Registros de tais auditorias estarão disponíveis para revisão quando solicitado pela Magna. 4.3 NÃO CONFORMIDADE & AÇÃO CORRETIVA Avisos de não conformidade serão expedidos mediante descoberta de produto defeituoso identificado como resultado de, mas não se limitando a, erro de etiquetagem, erro de embalagem, falhas de testes, resultados de inspeção não aprovados, questões de cliente, devoluções de garantia e/ou cliente, recebimento de material ou certificação de material obsoleta ou outros modos de falha. O processo de não conformidade é tipicamente gerenciado por meio do seguinte procedimento: O Fornecedor será notificado do problema por meio de um sistema online, correio eletrônico, chamada telefônica ou outro processo similar. Todas as ações de contenção relevantes devem ser iniciadas imediatamente e permanecerem prontas até a ação corretiva ter sido revisada e aprovada pela Magna. A menos que de outro modo especificado, a resposta inicial à não conformidade deve ser concluída dentro de 24 horas da notificação. Mediante notificação, o fornecedor iniciará o Relatório de Ação Corretiva (CAR) e qualquer outra documentação de suporte conforme orientado pela(s) planta(s) de encomenda. O CAR inicial detalhando a causa raiz e a ação corretiva deve ser apresentado à planta de encomenda Magna dentro de 5 dias úteis. A validação e o fechamento serão determinados pela divisão de encomenda. Não conformidades de qualidade e entrega serão refletidas em classificações operacionais de fornecedor mensalmente. Os fornecedores serão responsáveis por todos os custos validados para questões de não conformidade com base nos (mas não se limitando aos) seguintes critérios: Separação na planta de produto de fornecedor na linha de produção até o estoque certificado chegar Paralisação da linha de produção Separação de produto acabado e/ou sucateamento de material Qualquer transferência de material de produto de fornecedor não conforme Tempo do Departamento de Qualidade para investigação do problema Testes se necessário Quaisquer custos de separação/retrabalho incorridos pela Planta Despesas de transporte relacionadas 14 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

15 Quaisquer custos incorridos pela Magna por interrupção de nossos clientes Custos associados com descarte/devolução de material não aprovado ou não autorizado enviado pelo fornecedor Custos relativos a desvios não autorizados Custos incorridos pela Magna associados com recalls de cliente ou defeitos de produtos provocados por não conformidade do fornecedor Estes custos são cobrados dos fornecedores especificamente para compensar custos incorridos pela Magna e variarão de acordo com a planta e a questão específica envolvida. Rastreabilidade O fornecedor seguirá o método de rastreabilidade conforme determinado pela planta Magna de encomenda (por exemplo, data e turno de fabricação junto com número de processamento sequencial). Em alguns casos o componente pode ser crítico o bastante de modo a garantir identificação de peça; estes casos serão comunicados por meio dos grupos de qualidade e engenharia apropriados, a menos que cancelados pela(s) planta(s) de encomenda. Os requisitos de rastreabilidade nas peças de produção de protótipo podem ser definidos pela Magna e devem ser suportados pelo fornecedor. Um lote deve conter uma quantidade específica de peças, e não deve ultrapassar oito horas ou um dia de produção, no máximo. No caso de certo material à base de commodity, métodos tais como lotes coloridos ou bobinas de aço serão aceitáveis. Para aprovação de um método de rastreabilidade ultrapassando 8 horas, ou um turno de produção, o grupo de qualidade da planta deve ser contatado. O fornecedor assegurará a implementação e o gerenciamento de um método FIFO eficaz de rotação de estoque. O não cumprimento dos requisitos de rastreabilidade pode levar à rejeição de material e expedição de relatórios de material de não conformidade. Registros de Rastreabilidade serão mantidos e acessíveis durante a vida do produto, incluindo Serviço, mais um ano. Desvios na retenção de registro de rastreabilidade são apenas permitidos se aprovados antecipadamente por escrito pela sua(s) planta(s) de encomenda. Transporte Controlado Quando orientado pela Magna, os fornecedores podem precisar certificar produto após uma rejeição de lote ter ocorrido. Dois tipos de ações de transporte controlado são geralmente empregados quando esta situação ocorre: Separação e certificação conduzidas pelo Fornecedor de transportes de peças subsequentes, e Separação e certificação por terceiros Todas as ações de transporte controlado são da responsabilidade do fornecedor coordenar e gerenciar. Qualquer atividade de separação, recondicionamento, inspeção e contenção de terceiros deve ser conduzida por um fornecedor que seja designado ou aprovado pela Magna. Quaisquer arranjos de terceiros, não especificamente orientados pela Magna, devem ser revistos e aprovados pela(s) planta(s) Magna de encomenda. O fornecimento de peças contínuo para a Magna deve atender as quantidades liberadas e sem interrupção de fornecimento. O fornecedor e a planta Magna concordarão com o método a ser usado para identificar todo material certificado. Os fornecedores que estiverem sob transporte controlado ou contenção conduzida por terceiros, ou fonte externa, devem notificar todas as plantas Magna para as quais eles transportam produto, da atividade de contenção. 15 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

16 Processo de Escalada de Fornecedor MAGNA INTERNATIONAL INC. CORPORATE/GLOBAL CORPORATIVO/GLOBAL (R) Corporate SQM (R) Vice-Presidents Purchasing (R)(S) SQM Plant Corporativo purchasing/quality (S) Group SQM Lead (R) Compras de Vice-presidentes (S) Group Purchasing/Quality (S)(s) Compras/qualidade Commodity/Lead Buyer da planta (S)(I) Líder Group SQM Operations do Grupo V.P. (S) Compras/Qualidade do Grupo (S) Comprador de Commodity/Líder (I) V.P. de Operações do Grupo E-3 Escalation Level 3 E-3 - Notification Nível de to Escalada Registrar3 - Notificação - Top level para escalation Arquivista meeting - Level 2 containment (Mandatory) - Reunião de escalada de alto nível - New business hold/resource - Contenção - Supplier de Nível rating 2 Red (Obrigatório) - Espera de novos negócios / Recursos - Classificação de fornecedor Vermelha GROUP/SBU/REGIONAL GRUPO/SBU/REGIONAL PLANT PLANTA (R,S) Plant Quality (R,S) Plant Purchasing (S,I) GM/AGM (R,S) Qualidade da Planta (R,S) Compras da Planta (S,I) GM/AGM E-0 Standard Process E-0 Processo Padrão - Monitoramento - Performance de desempenho monitoring - Processo - Normal de não non-conformance conformidade normal - Classificação processde fornecedor Verde - Supplier rating Green (R,S) Group SQM/SQA Lead (R,S) Corporate SQM (R,S) (S) Plant Líder purchasing/quality SQM/SQA do Grupo (R,S) (S) Group SQM Corporativo Purchasing/Quality (S) (S) Compras/qualidade Commodity/Lead Buyer da planta (I) Vice-Presidents Purchasing (S) Compras/Qualidade do Grupo (S) Comprador de Commodity/Líder (I) Compras de Vice-presidentes E-1 Escalation Level 1 - Division notification E-1 to supplier - Level Nível 1 containment de Escalada (Option) 1 - Notificação - Corrective da divisão actions ao due fornecedor - Contenção - Notify Corporate de Nível 1 (Opção) SQA/SQD - Ações - Supplier corretivas rating devidas Yellow - Notificar SQA/SQD Corporativo - Classificação de fornecedor Amarela Potential Plant New Business Hold Supplier rating updatedin databases Quality Alert issued to applicable divisions Espera de potenciais novos negócios da planta Classificação de fornecedor atualizada nas bases de dados Alerta de Qualidade expedido para divisões aplicáveis E-2 Escalation Level 2 - Magna notification E-2 to supplier - Level Nível 2 containment de Escalada 2 (Option) - Notificação - Supplier da Magna Assessment ao fornecedor - Contenção - Potential de Nível 2 (Opção) new business hold - Avaliação -do Supplier Fornecedor rating Yellow/Red - Espera de potenciais novos negócios - Classificação de fornecedor Amarela/Vermelha New business hold (regional) New business hold (global) Supplier rating updated in databases Espera de novos negócios (regional) Re-source plan (non-directed business only) Espera de potenciais novos (global) Customer negotiation (directed only) Classificação de fornecedor atualizada nas bases de dados Plano de nova fonte (somente negócios não dirigidos) Negociação do cliente E2/E3 (dirigida Exit Criteria: somente) - Corrective actions for all assessment open issues - Containment defects at/below agreed targets - Minimum 6 months at approved performance Critérios de saída E2/E3: levels - Ações corretivas para todas as questões abertas de avaliação - Defeitos de contenção nos/abaixo dos alvos acordados Potential Group New Business Hold - Mínimo de 6 meses nos níveis de desempenho aprovados Potential Regional/Global New Business Hold Supplier rating updated in databases Espera Formal de development potenciais novos plan negócios implemented do Grupo Espera de potenciais novos negócios Regionais/Globais Classificação de fornecedor atualizada nas bases de dados Plano de desenvolvimento formal implementado E1 Exit Criteria: - Corrective actions for all systemic failure modes - Sustained performance improvement Critérios - Magna de (plant) saída E approval 1: - Ações corretivas para todos os modos de falha sistêmicos - Aperfeiçoamento de desempenho sustentado - Aprovação da Magna (planta) ROLES (R) - Responsible (S) - Support (I) - Inform PAPÉIS (R) - Responsável (S) Suporte (I) - Informação O Processo de Escalada de Fornecedor da Magna é destinado a auxiliar as plantas em seus esforços para reduzir questões crônicas de qualidade de fornecedor e entrega e conduzir aperfeiçoamento no desempenho de fornecedor global. apropriadamente quando os fornecedores são dirigidos pelo Cliente A decisão de Retenção de Novos Negócios e/ou Nova fonte da Magna apenas é tomada após uma completa revisão e um consenso de todas as plantas Magna receptoras O processo de escalada apenas é iniciado após esforços razoáveis terem sido feitos, ao nível da planta, para tratar de preocupações e conduzir aperfeiçoamentos, mas sem resultados satisfatórios. O processo de escalada assegura que: Níveis apropriados de gerenciamento estejam cientes de questões e engajados no processo de resolução Recursos adequados sejam atribuídos para conduzir resolução de questões e aperfeiçoamento Comunicação apropriada é feita para a gerência executiva tanto do Fornecedor quanto da Magna A duração do tempo gasto em cada etapa será afetada pelo nível de risco e o custo sendo incorrido pela Magna, assim como o desempenho ao atender critérios de saída definidos. Atividades específicas em cada estágio de escalada podem variar minimamente, dependendo da planta Magna envolvida, no entanto, em geral o processo de escalada é o seguinte: A Magna levante o Arquivista de ISO/TS do Cliente e do Fornecedor Nível de Escalada 1 está no nível da planta e inclui: 16 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

17 Notificação da divisão ao fornecedor Contenção de nível 1 Planos de ação corretiva sistêmica devidos Notificação para SQA/SQD Corporativo Nível de Escalada 2 está no nível do Grupo/Unidade Empresarial e inclui: Notificação da Magna ao fornecedor Contenção de Nível 2 Avaliação de Fornecedor & ação corretiva Espera de novos negócios potenciais Nível de Escalada 3 está no nível Corporativo da Magna e inclui: Notificação para o Arquivista Reunião de escalada de nível superior Contenção de Nível 2 (Obrigatória) Espera de novos negócios/nova fonte 4.4 MUDANÇA DE PRODUTO OU PROCESSO & DESVIOS Todas as mudanças propostas com algum impacto potencial no projeto ou no processo de fabricação (incluindo mudanças em seus subfornecedores) devem ser apresentadas à(s) planta(s) Magna apropriada(s) para aprovação, antes da implementação. Os fornecedores não estão autorizados a fazer mudanças sem aprovação por escrito documentada da Magna. O fornecedor deve assegurar que toda a documentação de suporte esteja atualizada de modo correspondente e pode estar sujeita a uma apresentação PPAP/VDA. Aprovações de desvios pela Magna devem ser documentadas e aprovadas no formato usado pela(s) planta(s) de encomenda, e estão limitadas a uma determinada quantidade de peças ou duração de transporte. As solicitações devem ser feitas antecipadamente e com bastante tempo para implementação, se aprovadas. Os fornecedores serão solicitados a construir e manter inventários suficientes de peças, como determinado pela Magna, para suportar quaisquer mudanças e aprovações requeridas. Esperamos que os fornecedores gerenciem efetivamente datas de expiração de desvios e eles devem solicitar quaisquer extensões necessárias antes da expiração dos desvios atuais. Os fornecedores devem ser capazes de suportar qualquer documentação específica de Cliente da Magna requerida como parte da implementação de mudanças propostas. Os fornecedores também devem permitir tempo suficiente para completar todas as aprovações requeridas na Magna, e em nosso Cliente afetado. A implementação de mudanças antes da aprovação final pode resultar em: Perda de estado/designações existentes Impacto financeiro devido a exposição a contenção e outros custos relacionados para prender todos os materiais não aprovados Obrigatoriedade de voltar a materiais de nível/projeto anterior e custos de sucateamento associados Perda de negócios futuros Os fornecedores devem ter aprovação documentada antes de transportar qualquer material ou produto para o qual um desvio das especificações é necessário. O transporte inicial de todo produto modificado, seguindo a implementação do desvio aprovado, deve ser claramente identificado como dirigido pela planta Magna apropriada. 4.5 GARANTIA Um foco primário dos Clientes da Magna são as despesas atribuídas ao desempenho do produto após a venda do veículo. A responsabilidade financeira associada com garantia é cada vez mais significativa à medida que a consciência do consumidor melhora e os Clientes OEM estendem as coberturas de garantia. Clientes OEM estipularam que custos de garantia serão compartilhados com sua 17 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

18 base de fornecimento. Como tal, esperamos que os fornecedores participem das atividades de garantia incluindo: Revisões/análise de devoluções de garantia Ações de aperfeiçoamento Responsabilidade de custos de garantia Quando o componente de um fornecedor está implicado em uma questão de garantia, campanha ou recall, com consequências financeiras para a Magna com base em políticas de garantia ou recall de Clientes da Magna, o fornecedor deve estar preparado para aceitar estes custos. Os custos pelos quais um fornecedor será responsável serão determinados de acordo com os Termos & Condições da Ordem de Compra da Magna, e como definido por qualquer Declaração de Trabalho (SOW) ou Declaração de Requisitos (SOR) ou acordo de garantia específico da planta. 5. MATERIAIS & LOGÍSTICA Em suporte de processos empresariais simples e eficientes, os fornecedores devem ser capazes de suportar intercâmbio de dados eletrônico via Standard ou Web EDI. Normas de mensagem aceitáveis incluem VDA, ANSI e EDIFACT. 5.1 REQUISITOS GERAIS A RESPEITO DE PROCESSOS DE LOGÍSTICA Os fornecedores projetarão e gerenciarão seus processos de logística para assegurar qualidade e entrega no prazo de quantidade dirigidas para o local e nas ocasiões especificadas pela Magna. Em parceria com nossos fornecedores, a Magna trabalhará para desenvolver planejamento de logística que assegure: Complexidade mínima em processos empresariais de logística Máxima flexibilidade para suportar resposta a mudanças tardias em volume ou cronograma de entregas Mínimos inventários na cadeia de fornecimento Projetos de embalagens suportam todos os requisitos de manipulação e carregamento Entrega just in time que atende os tempos de entrega estabelecidos Foco no aperfeiçoamento contínuo Comunicação tempestiva de todas as interrupções de fornecimento potenciais Os fornecedores devem estar preparados para fornecer custos de entrega com base em: 1. FCA (Transportador Livre) 2. DDP (Entrega com Taxas Pagas) 3. Outros (como orientado pela Magna) Com base nas informações fornecidas, a Magna determinará os Incoterms (Termos Internacionais de Comércio) que serão usados. Taxas de corretagem sobre todos os produtos importados são tipicamente a responsabilidade da Magna, a menos que de outro modo indicado. 5.2 EMBALAGEM Os fornecedores são solicitados a aderirem às Diretrizes de Embalagem, como definidas pelo Manual de Embalagem e Transporte Global da Magna assim como todas as Normas AIAG/VDA e Requisitos REACH Globais. As diretrizes da Magna podem ser acessadas via o website da Magna (www.magna.com), Portal de Fornecedor da Magna (http://supplier.magna.com), Portal e-rfx (https://erfx.magna.com) ou do representante de embalagem da Magna. Requisitos especiais de embalagem e etiquetagem, em suporte de atividade de Lançamento de Produto específico, podem ser solicitados por uma instalação Magna. No caso de embalagem especial ser requerida, o projeto e a aprovação serão gerenciados como parte de nosso Processo de Entrega de Programa APQP. Na preparação para lançamento de produto, a aprovação de embalagem de produção, assim como a aprovação de embalagem 18 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

19 auxiliar, deve ser obtida da(s) planta(s) de encomenda Magna antes de uma linha operar na capacidade. A fim de assegurar que a embalagem planejada otimize a utilização cúbica do veículo de transporte, as práticas de montagem da planta e operações simples, os fornecedores são responsáveis por validar o projeto de embalagem de acordo com estes requisitos se não orientado de modo diferente pela Magna. A aprovação deve ser apresentada com a apresentação de PPAP. Uma carga unitária, independentemente de embalagem retornável ou consumível, deve ser empilhável com dimensões globais que permitam ótima utilização cúbica do veículo de transporte. A embalagem que será usada para suportar requisitos de serviço, também requer a aprovação da Magna. A Magna encoraja os fornecedores a iniciarem ideias de melhoria de projeto e custo, no entanto, a aprovação da Magna deve ser obtida antes da implementação de quaisquer mudanças de embalagem. Um formulário de embalagem de fornecedor preenchido deve ser apresentado à planta da Magna para aprovação de toda embalagem nova ou de mudanças propostas em embalagem existente. A aprovação deve ser concedida antes do primeiro transporte de produção. Todos os fornecedores fornecendo bens para a Magna que são considerados materiais controlados devem atender regulamentos legislativos apropriados para etiquetagem, embalagem e transporte, incluindo documentação MSDS (Material Safety Data Sheet). Material que requer MSDS não será transportado sem aprovação prévia. Toda embalagem/paletes de madeira sólida e estrados devem atender a Norma ISPM #15 da International Plant Protection Convention. Os fornecedores são responsáveis pela remoção de todas as etiquetas e detritos dos contêineres antes de embalar material novo. Os fornecedores são responsáveis por assegurar que todos os contêineres estejam limpos e que todas os portões funcionais ou dobradiças estejam operacionais e seguros. 5.3 ETIQUETAGEM Os fornecedores serão responsáveis pela identificação clara de produtos durante todas as fases de produção e entrega, e assegurarão etiquetagem apropriada antes do transporte. Todos os materiais para consumo de protótipo ou produção, transportado para as plantas da Magna, devem ser identificados com etiquetas contendo tanto texto/elementos gráficos legíveis por seres humanos quanto símbolos de código de barras legíveis por máquina. Estes materiais conterão conforme aplicável: etiquetas de contêiner, etiquetas principais, etiquetas de carga misturada, etiquetas de metais primários e etiquetas de peças se especificado pelos registros ou pelas especificações de projeto. Todas as etiquetas devem ser legíveis e capazes de serem escaneadas, em conformidade com as Normas AIAG ou VDA ou normas designadas pela(s) planta(s). Caracteres e símbolos devem atender os requisitos da norma AIAG, B-8 Quality Assurance Guide for Shipping Labels, Norma VDA 4902 e Outras Aplicações de Código de Barra. Etiquetas de Transporte de Peças (contêiner, principais e misturadas) atenderão os formatos de leiaute definidos na norma AIAG, B-3 Parts Shipping Label ou na Norma VDA Conteúdo específico de cliente pode ser especificado por uma planta Magna. Etiquetas de Metais Primários atenderão ao formato de leiaute definido na Norma AIAG, B-5 Primary Metals. Etiquetas de peças atenderão aos requisitos definidos na norma AIAG, B-4 Parts Identification and Tracking Application Standard ou Norma VDA Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

20 A colocação, orientação, qualidade e quantidades de etiquetas seguirão as diretrizes contidas na norma AIAG, B10 Trading Partner Labels Implementation Guide, ou Norma VDA 4902, a menos que de outro modo especificado pelos requisitos específicos da planta. Códigos de barras serão tipo Código 3 de 9 (Código 39) e atenderão às normas publicadas pela norma Automotive Industry Action Group (AIAG-B10) B-10 Label Specification ou Norma VDA PLANEJAMENTO E PREVISÃO DE MATERIAIS A natureza dos processos de fabricação e montagem, dentro de nossas plantas, varia grandemente. Com base na complexidade do processo de fabricação, assim como na localização e distribuição da base de fornecimento, cada planta tem requisitos de planejamento de materiais únicos. Logística e cronogramas são específicos da planta e o Fornecedor deve contatar os Grupos de Compras e Materiais na(s) planta(s) de encomenda para detalhes. É responsabilidade do fornecedor contatar imediatamente a planta responsável no caso dele ser incapaz de atender a todos os requisitos para data, hora, quantidade e qualidade de entrega ou se o fornecedor não tiver recebido uma liberação de produção semanal ou programada. A menos que negociado de outra forma com a(s) planta(s) Magna abastecia(s) a magna é responsável apenas por aquelas liberações de produção identificadas como liberações da firma ou travadas. De modo similar a Magna é responsável apenas por aquelas liberações de matéria-prima ou componente identificadas como firma ou travadas. Volumes de previsão são para fins de previsão somente. Os fornecedores devem responder a todas as Liberações de Material recebidas da Magna a fim de assegurar que seu próprio fornecimento de componentes e materiais pode suportar as demandas da planta Magna. Durante estágios críticos, tal como Rampa de Produto ou Lançamento de Produto, os fornecedores atenderão a todas as demandas de liberação necessárias para suportar enchimento e lançamento do sistema. Se o produto ou componente não for totalmente aprovado (PPAP) os fornecedores devem receber autorização por escrito ou uma Garantia de Apresentação de Peça (PSW) provisória aprovada do pessoal da planta apropriada, antes do transporte. Se o Fornecedor não tiver recebido essa autorização, ele se elevará imediatamente para a organização de Gerenciamento de Materiais da planta de encomenda a fim de assegurar suporte do enchimento e lançamento do sistema. Em nenhuma circunstância material não aprovado deve ser transportado sem a autorização devida assinada. As informações de previsão de material serão comunicadas aos fornecedores por meio de suas liberações regularmente programadas. Embora estas informações sejam uma indicação de futuros requisitos de material, elas são apenas para fins de planejamento do fornecedor e não constituem uma autorização de liberação vinculante da parte da Magna. Os fornecedores precisam manter estoque de segurança suficiente e inventário de produtos acabados para acomodar 100% de entrega no prazo. Transportes curtos devem ser comunicados imediatamente, junto com uma ação corretiva e um plano de recuperação. Os fornecedores com contratos de produção com a Magna devem manter a capacidade de fornecer componentes pósvenda e de serviço por um período de quinze anos em seguida ao fim do programa ou da produção para componentes ou conjuntos individuais, ou por período de tempo mais longo ou mais curto como estipulado pelo respectivo Cliente OEM da Magna para o Programa, conforme comunicado ao Fornecedor. O Fornecedor tem a responsabilidade de manter qualquer ferramental e/ou equipamento de montagem em condição suficiente para suportar requisitos de serviço. Cronogramas e preços de serviços serão 20 Requisitos de Fornecedor Globais da Magna Versão

REQUISITOS DE FORNECEDO R GLOBAIS

REQUISITOS DE FORNECEDO R GLOBAIS REQUISITOS DE FORNECEDO R GLOBAIS DA MAGNA Esta tradução é fornecida para fins de referência apenas. No caso de um conflito ou uma contradição resultar da tradução, a versão em inglês deste manual servirá

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR OBJETIVOS A FlexLink exige que todos os fornecedores desenvolvam sistemas com base nos Padrões Internacionais (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS18001) tendo como objetivo a melhoria contínua

Leia mais

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Conteúdo 1.0 Introdução 3 1.1 Escopo 3 1.2 Objetivo 3 1.3 Fundamentação 4 2.0 Requisitos do Sistema de Qualidade

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH Norma de Responsabilidade Social Firmenich Atualizado em Março de 2013 Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Como parte do nosso compromisso contínuo com um negócio ético

Leia mais

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC

Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Manual da Qualidade e Desenvolvimento de Fornecedores Dana Holding Corporation LLC Supplier Development Dana Holding Corporation LLC Agosto 2012 SUMÁRIO i. INTRODUÇÃO... 4 ii. CONDUTA EMPRESARIAL... 5

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Código de Conduta de Fornecedor

Código de Conduta de Fornecedor Código de Conduta de Fornecedor www.odfjelldrilling.com A Odfjell Drilling e suas entidades afiliadas mundialmente estão comprometidas em manter os mais altos padrões éticos ao conduzir negócios. Como

Leia mais

Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa. Índice

Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa. Índice Norma John Deere Manual de Qualidade de Fornecedor Requisitos do Programa Índice 1 Escopo... 2 2 Termos e Definições... 2 3 Sistema de Gerenciamento da Qualidade... 6 4 Responsabilidade de Gerenciamento...

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Revisão03 Maio,2011 ThyssenKrupp ManualdeFornecedores ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PREFÁCIO O acirramento da competição global pela liderança e conquista de novos

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 21; Revisado em Dezembro/ 2015 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

SISTEMA DE QUALIDADE FARMACÊUTICA Q10

SISTEMA DE QUALIDADE FARMACÊUTICA Q10 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL PARA HARMONIZAÇÃO DE REQUISITOS TÉCNICOS PARA REGISTRO DE MEDICAMENTOS PARA USO HUMANO GUIA ICH HARMONIZADO PELO TRIPARTITE SISTEMA DE QUALIDADE FARMACÊUTICA Q10 Versão atual

Leia mais

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Nasario de S.F. Duarte Jr. (São Paulo, SP) Resumo: o objetivo deste artigo é ressaltar a importância de se estabelecer um sistema de

Leia mais

Workshop Revisão das Regras ISO/TS 4a Edição Outubro-2013

Workshop Revisão das Regras ISO/TS 4a Edição Outubro-2013 Workshop Revisão das Regras ISO/TS 4a Edição Outubro-2013 São Paulo 14 de Fevereiro de 2014 1 SAFER, SMARTER, GREENER REALIDADE Rules 4th issued on October 1, 2013 Rules 4th becomes fully effective on

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES ÍNDICE 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Objetivo... 3 1.3 Relações com Fornecedores... 3 1.4 Política do Sistema Integrado de Gestão (Qualidade e Meio Ambiente)... 4 2. DESENVOLVENDO

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br ISO/DIS 9001:2015 Tradução livre* Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Sumário Prefácio... 5 Introdução... 6 0.1 Generalidades... 6 0.2 A Norma ISO para

Leia mais

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 Abordagem de Processos Risk-based thinking (Pensamento baseado em Risco) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) 1 - Escopo 2 -

Leia mais

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto)

Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Curso e-learning APQP 2ª. EDIÇÃO (Planejamento Avançado da Qualidade do Produto) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

VIVEMOS NOSSOS VALORES

VIVEMOS NOSSOS VALORES BOA CIDADANIA: PRINCÍPIOS EMPRESARIAIS VIVEMOS NOSSOS VALORES INTEGRIDADE CORPORATIVA SEGURANÇA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EMPREGO E DIREITOS TRABALHISTAS DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE E DIREITOS HUMANOS

Leia mais

DIS (DRAFT INTERNATIONAL STANDARD) - ISO 9001:2015

DIS (DRAFT INTERNATIONAL STANDARD) - ISO 9001:2015 DIS (DRAFT INTERNATIONAL STANDARD) - ISO 9001:2015 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Tradução Livre Prefácio ISO (International Organization for Standardization) é uma federação mundial de organismos

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

MAGNA INTERNATIONAL INC

MAGNA INTERNATIONAL INC MAGNA INTERNATIONAL INC CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA Este Código de Conduta e Ética apresenta os princípios básicos com os quais estamos comprometidos em relação à nossa forma de lidar com todos os grupos

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

Requisitos Específicos para ISO TS 16949

Requisitos Específicos para ISO TS 16949 Requisitos Específicos para ISO TS 16949 Revisão 01 MWM INTERNATIONAL Motores 1 Requisitos Específicos da MWM INTERNATIONAL Motores Para uso em conjunto com a norma ISO/TS 16949 1. ESCOPO Este documento

Leia mais

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros Todas as actividades empresariais na Bristol-Myers Squibb (BMS) apoiam-se no alicerce do nosso compromisso com a integridade e a conformidade com todas as leis, regulamentos, directivas e códigos industriais

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Setembro de 2010

FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE PRIVACIDADE. Setembro de 2010 FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE PRIVACIDADE A. Propósito Setembro de 2010 A Franklin Electric Co., Inc. e suas subsidiárias e afiliadas (em conjunto, a Empresa ) têm o compromisso de proteger a

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS Elaboração e Aprovação: Departamento de Gestão da Qualidade e

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

Princípios de conduta do fornecedor da Abbott

Princípios de conduta do fornecedor da Abbott Princípios de conduta do fornecedor da Abbott Os fornecedores da Abbott são uma parte integrante do sucesso geral da empresa. A cada dia, a Abbott e seus fornecedores tomam decisões que afetam a capacidade

Leia mais

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política Global Novartis 1 de março de 2014 Versão HSE 001.V1.PT 1. Introdução Na Novartis, nossa meta é ser líder em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (HSE).

Leia mais

Gerenciamento de Aquisições em Projetos. Parte 11. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza CSE-325 / Parte 11

Gerenciamento de Aquisições em Projetos. Parte 11. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza CSE-325 / Parte 11 Gerenciamento de Aquisições em Projetos Parte 11 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

O Grupo Atlas Copco. Código de Conduta Empresarial

O Grupo Atlas Copco. Código de Conduta Empresarial O Grupo Atlas Copco Código de Conduta Empresarial Índice O Grupo Atlas Copco 1 Primeiro na Mente Primeiro na Escolha 2 Valores Fundamentais 3 Relações 4 Sociedade e o ambiente 5 Colaboradores 6 Clientes

Leia mais

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

Máxima satisfação dos clientes

Máxima satisfação dos clientes www.kaeser.com Máxima satisfação dos clientes Proporcionar a melhor solução ao cliente Ofrecer preços em sintonia com as condições de mercado Produzir com a qualidade esperada Entregar nos prazos acordados

Leia mais

Novartis Código para Fornecedores

Novartis Código para Fornecedores Novartis Código para Fornecedores Version 1.0 01-04-2013 Introdução Finalidade Considerações éticas permeiam todas as dimensões de nossos negócios nossos processos de pesquisa, desenvolvimento, produção,

Leia mais

Julho/2014 a Março/2015. Catálogo de Treinamentos. Treinamentos BSI. Transformando nossa experiência em seu conhecimento.

Julho/2014 a Março/2015. Catálogo de Treinamentos. Treinamentos BSI. Transformando nossa experiência em seu conhecimento. Julho/2014 a Março/2015 Catálogo de Treinamentos. Treinamentos BSI. Transformando nossa experiência em seu conhecimento. Conteúdo. Por que realizar nossos treinamentos? 4 Nossa abordagem 4 Nossos instrutores

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 Novembro 2014 Paulo Bento Gerenciamento da Qualidade de Fornecedores Eixo,Motor e Cambio 1 TE/OSV-P Daimler Trucks 2 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores.

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-5 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO pág. 3. 2. CERTIFICAÇÃO DE FORNECEDORES ABVTEX pág. 4. 3. AUDITORIA pág. 7. 4. DOCUMENTO DE CERTIFICAÇÃO pág. 10

1. APRESENTAÇÃO pág. 3. 2. CERTIFICAÇÃO DE FORNECEDORES ABVTEX pág. 4. 3. AUDITORIA pág. 7. 4. DOCUMENTO DE CERTIFICAÇÃO pág. 10 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO pág. 3 2. CERTIFICAÇÃO DE FORNECEDORES ABVTEX pág. 4 3. AUDITORIA pág. 7 4. DOCUMENTO DE CERTIFICAÇÃO pág. 10 5. CANCELAMENTO OU SUSPENSÃO DA CERTIFICAÇÃO pág. 10 6. PRAZO PARA

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE GESTÃO AUTOMOTIVA SEMINÁRIO APQP / PPAP Propiciar aos participantes uma visão crítica do APQP e do PPAP, seus benefícios

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 3 Planejamento e Aula 8 do Projeto Aula 08 do Projeto SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ACOMPANHAMENTO DO PROJETO... 3 1. do Progresso...

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Requisitos e diretrizes para o Sistema de Gestão da Qualidade e Meio Ambiente, conforme padrões definidos pelas normas NBR ISO 9001:2008, NBR ISO 14001:2004 e pela

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003.

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. http://www.ibamapr.hpg.ig.com.br/14001iso.htm ii Índice INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Ecology and Environment, Inc. e Subsidiárias

Ecology and Environment, Inc. e Subsidiárias Ecology and Environment, Inc. e Subsidiárias Código de Conduta de Negócios e Ética ECOLOGY BRASIL 1. Princípios Gerais O propósito deste Código é descrever os nossos padrões de ética de conduta de negócios.

Leia mais

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM*

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* (*organismos geneticamente modificados) 1ª Edição - Novembro 2006 Programa de Certificação de Alimentação Humana,

Leia mais