Semissólidos ERIKA LIZ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Semissólidos ERIKA LIZ"

Transcrição

1 Semissólidos ERIKA LIZ

2 Ação As preparações são aplicadas à pele por seus efeitos físicos, ou seja, sua capacidade de agir como protetores, lubrificantes, emolientes, secantes, ou devido ao efeito específico de suas S.A.

3 Sem Prescrição As preparações vendidas sem prescrição médica, freqüentemente contém misturas de fármacos usados no tratamento de: afecções cutâneas, coceiras, queimaduras, assaduras, picadas de insetos, pé de atleta, calos, verrugas, caspa, acne, psoríase e eczema.

4 Com Prescrição As aplicações cutâneas que exigem prescrição médica geralmente contêm uma única S.A. que visa tratar uma condição específica diagnosticada.

5 Absorção percutânea É a absorção de uma substância pela pele, que penetra até as estruturas mais profundas, entrando inclusive na corrente sangüínea. De um modo geral, a absorção percutânea de uma S.A. em um sistema transdérmico ou de preparações dermatológicas depende não apenas das propriedades físicas e químicas do fármaco, mas também de seu comportamento quando colocado em um veículo farmacêutico e da afecção da pele.

6 Pele A pele está dividida em: 1) epiderme; 2) derme; 3) Camada subcutânea de gordura.

7 Pele

8 Pele 1) Epiderme É constituída por: película de material emulsificado, sebo, suor e lâmina córnea descamativa; camada córnea a última das camadas de células epidérmicas mortas,; estrato germinativo, camada de células epidérmicas vivas

9 Pele 2) Derme A derme é formada por uma matriz de tecido conectivo A irrigação sangüínea da pele encontra-se na derme e tecidos subjacentes;

10 Pele Funções: Mecânica 10 a 20% de umidade para agir como plastificante e manter flexibilidade Protetora Barreira química Barreira a irradiações Barreira térmica e regulação da temperatura Barreira microbiológica

11 Mecanismos permeação fármacos na pele A permeação nesse laminado pode ocorrer por difusão através de: penetração transcelular (através das células); penetração intercelular (entre as células); Penetração transanexal, através dos: folículos pilosos, glândulas sebáceas e sudoríparas e dispositivo pilossebáceo

12

13 Fatores que afetam a absorção percutânea 1) natureza do próprio fármaco; 2) natureza do veículo; 3) a condição da pele; presença de umidade.

14 Natureza do próprio fármaco A [ ] do fármaco é um fator importante; uma quantidade é absorvida pela via percutânea quando a substância é aplicada a uma grande área; O fármaco deve apresentar maior atração físico-química com a pele do que com o veículo no qual é apresentado, para que migre do veículo a favor da pele;

15 Natureza do veículo A absorção parece ser por veículos que se espalhem facilmente sobre a superfície da pele, misturam-se rapidamente com o sebo, colocando o medicamento em contato com as células do tecido; os veículos que aumentam a hidratação da pele geralmente favorecem a absorção percutânea.

16 Condição da pele Quanto o período e a intensidade de fricção, a absorção; doses múltiplas (aplicação em um local mais de uma vez por dia) em vez de uma única aplicação, podem a biodisponibilidade e a absorção da S.A.. a absorção é quanto mais fina for a pele; locais com calosidades ou pontos mais grossos, como as palmas das mãos é mais lenta a absorção; a região pós-auricular é mais permeável do que a das costas, peito, braço ou coxa.

17 Pomadas São formas farmacêuticas semissólidas destinadas a aplicação externa sobre a pele ou as mucosas Podem ou não conter substâncias medicamentosas Não contêm fármacos são usadas por seus efeitos físicos como protetoras, emolientes ou lubrificantes Bases para pomadas veícular substâncias medicamentosas

18 Pomadas BASES PARA POMADAS As bases para pomadas são classificadas em 4 grupos: 1) bases de hidrocarbonetos; 2) bases de absorção; 3) bases removíveis; 4) bases hidrossolúveis.

19 1) bases de hidrocarbonetos Não contém água Incorporação de água em pequena quantidade e grande dificuldade Essas bases são usadas principalmente por: seus efeitos emolientes; agem como curativos oclusivos; Ex: vaselina; vaselina branca; pomada amarela (pomada simples) óleo mineral (vaselina líquida)

20 2) bases de absorção Podem ser de 2 tipos: 1) as que permitem a incorporação de soluções aquosas, resultando na formação de emulsões de água em óleo. PETROLATO HIDRÓFILO LANOLINA ANIDRA 2) as que já são emulsões de água em óleo (bases emulsificadas) que permitem apenas incorporação de pequenas quantidades de soluções aquosas LANOLINA (gordura de lã hidratada); COLDEN CREAM

21 3) bases removíveis As bases removíveis pela água são emulsões de óleo em água que podem ser retiradas da pele ou roupa com água; Essas bases, que parecem cremes, podem ser diluídas com água ou soluções aquosas; POMADA HIDRÓFILA: contém lauril sulfato de sódio, álcool estearílico e vaselina branca (fase oleosa) e propilenoglicol (fase aquosa)

22 4) bases hidrossolúveis Ao contrário das bases removíveis pela água, que contém tanto componentes hidrossolúveis quanto insolúveis em água, as bases solúveis em água contêm apenas os hidrossolúveis. POMADA DE POLIETILENOGLICOL

23 Fatores que devem ser analisados na seleção de uma base Velocidade de liberação do ativo Absorção é desejável Oclusão da pele pela base (reter umidade) Estabilidade do fármaco na base Influencia do ativo na consistência da base; propriedades físico-químicas aspectos dermatológicos

24 Requisitos Atóxica tolerância ausência de microorganismos tolerância química, física e físico estabilidade favorecer ou permitir a liberação da S.A. suficiente poder de reter água - sem alterar as propriedades fisiológicas da pele.

25 Preparação de pomadas Algumas pomadas são preparadas à T.A., pode-se ter uma mistura homogênea triturando-se simultaneamente, S.A. e excipientes.

26 Fusão Em geral, é necessário fundir c/antecedência os excipientes, pelos seguintes motivos: Para que a malaxagem seja mais fácil; Para dissolver mais facilmente as S.A. solúveis; Quando se tem uma mistura de excipientes com P.F. muito afastados; As emulsões fundem melhor em determinada T; Em todos os casos, é necessário malaxar até o completo resfriamento, para não correr o risco de separar os excipientes

27 Equipamentos

28 Equipamentos

29 Ensaios Homogeneidade dosar s.a., macroscopia, microscopia Dureza penetrômetros ph da fase aquosa Esterilidade contagem microbiana Conteúdo mínimo peso, volume Acondicionamento tubos de metal ou plástico, frascos de boca larga

30 PASTAS Destinam-se a aplicação externa e diferem das pomadas por conterem maior quantidade de material sólido, sendo mais firmes e espessas. São mais absorventes e menos gordurosas

31 PASTAS São ideais para absorver secreções serosas do local da aplicação: firmes e não amolecem. Não são indicadas para regiões pilosas. São preparadas por dispersão dos pós na base fundida.

32 Voce sabia Martin Klaproth, o identificador do urânio, zircônio e cério era farmacêutico.

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES SUSPENSÕES E SOLUÇÕES Definições SUSPENSÃO Mistura heterogênea de substâncias Ex.: sangue (suspensão de plasma e células) água e óleo; água e areia, água e açúcar SOLUÇÃO Mistura homogênea de substâncias

Leia mais

- CURSO DE MAQUIAGEM -

- CURSO DE MAQUIAGEM - - CURSO DE MAQUIAGEM - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). A PELE CONHECENDO

Leia mais

FORMAS COSMÉTICAS FORMAS COSMÉTICAS SOLUÇÕES SOLUÇÕES SOLUÇÕES CLASSIFICAÇÃO QUANTO À FORMA COSMÉTICA

FORMAS COSMÉTICAS FORMAS COSMÉTICAS SOLUÇÕES SOLUÇÕES SOLUÇÕES CLASSIFICAÇÃO QUANTO À FORMA COSMÉTICA FORMAS COSMÉTICAS FORMAS COSMÉTICAS Os produtos cosméticos contêm grande diversidade de matérias-primas, que podem ser naturais, semisintéticas ou sintéticas. Esses materiais apresentam-se em consistências

Leia mais

A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado.

A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado. Histórico A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado. A pele bronzeada tornou-se moda, sinal de status e saúde. Histórico

Leia mais

Dica: O visitador pode acompanhar a manipulação dos produtos, bem como sua aditivação com os ativos para melhor entendimento desta forma cosmética.

Dica: O visitador pode acompanhar a manipulação dos produtos, bem como sua aditivação com os ativos para melhor entendimento desta forma cosmética. Acne e Hidratação. Objetivo da Escolha do Tema A hidratação da pele é de fundamental importância para a manutenção dos mecanismos fisiológicos e bioquímicos da pele como os mecanismos celulares de proteção

Leia mais

12/11/2012. Matriz Transdérmica à Base de Biopolímeros e Potenciadores Naturais de Permeação para Incorporação de Fármacos.

12/11/2012. Matriz Transdérmica à Base de Biopolímeros e Potenciadores Naturais de Permeação para Incorporação de Fármacos. Matriz Transdérmica à Base de Biopolímeros e Potenciadores Naturais de Permeação para Incorporação de Fármacos. Mestranda - Rosana Mírian Barros Mendes Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas/UFPI

Leia mais

AQUAPORINAs - 3 ª GERAÇÃO DE HIDRATANTES. LLepiscopo

AQUAPORINAs - 3 ª GERAÇÃO DE HIDRATANTES. LLepiscopo AQUAPORINAs - 3 ª GERAÇÃO DE HIDRATANTES ÁGUA: ORIGEM DA VIDA A vida se iniciou nos oceanos, onde se originaram os primeiros espécimes Necessária a todos os organismos; Fonte renovável, porém preciosa.

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema tegumentar. Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR. Prof. Me. Fabio Milioni. Conceito Estruturas. Pele Anexos.

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema tegumentar. Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR. Prof. Me. Fabio Milioni. Conceito Estruturas. Pele Anexos. ANATOMIA HUMANA II Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema tegumentar Conceito Estruturas Pele Anexos Funções 1 CONCEITO Estudo Microscópico Maior orgão do corpo humano Proporciona

Leia mais

CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS

CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS No Brasil, a venda de medicamentos é feita em estabelecimentos devidamente registrados em órgãos específicos que visam a monitorar a venda correta desses produtos,

Leia mais

BEBEX ADE. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada dermatológica 5.000UI/g + 900UI/g + 150mg/g

BEBEX ADE. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada dermatológica 5.000UI/g + 900UI/g + 150mg/g BEBEX ADE Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada dermatológica 5.000UI/g + 900UI/g + 150mg/g MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DA SAÚDE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura

Leia mais

Gomagem e Esfoliação. Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Corporal I Profª. Mayara L. Vareschi

Gomagem e Esfoliação. Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Corporal I Profª. Mayara L. Vareschi Gomagem e Esfoliação Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Corporal I Profª. Mayara L. Vareschi Membrana que recobre toda a superfície corpórea Maior órgão do corpo humano (2m² e 4kg) Resistente e flexível

Leia mais

Externato Fernão Mendes Pinto A PELE. Esquema da pele, retirado da Internet. Rafael Galrão (3º ano) e Rita Farricha (4º ano)

Externato Fernão Mendes Pinto A PELE. Esquema da pele, retirado da Internet. Rafael Galrão (3º ano) e Rita Farricha (4º ano) Externato Fernão Mendes Pinto A PELE Esquema da pele, retirado da Internet Rafael Galrão (3º ano) e Rita Farricha (4º ano) INDICE 1. Como é feita a pele? 2. Para que serve a pele? 3. Cuidados a ter com

Leia mais

Berlison acetato de hidrocortisona. Formas farmacêuticas: pomada e creme. Via de administração: Uso tópico (não oftálmico)

Berlison acetato de hidrocortisona. Formas farmacêuticas: pomada e creme. Via de administração: Uso tópico (não oftálmico) Berlison acetato de hidrocortisona Formas farmacêuticas: pomada e creme Via de administração: Uso tópico (não oftálmico) Apresentações: Pomada: cartucho contendo bisnaga com 15 g e 30 g Creme: cartucho

Leia mais

http://www.fotosdahora.com.br/cli part/cliparts_categorias/escola/in dex.asp?pagina=5, http://www.fontouravip.com. br/quadros/344/

http://www.fotosdahora.com.br/cli part/cliparts_categorias/escola/in dex.asp?pagina=5, http://www.fontouravip.com. br/quadros/344/ http://www.fotos-imagens.net/sala-de-aula.html http://www.jonathanribas.com/blog/12-03-2012-segunda-aula-regras-dasala-de-informatica/ http://galeria.colorir.com/colegio/borracha-deapagar-pintado-por-pedro-883081.html

Leia mais

Introdução à cosmetologia. Prof. Msc. Mayara Peron Pereira

Introdução à cosmetologia. Prof. Msc. Mayara Peron Pereira Introdução à cosmetologia Prof. Msc. Mayara Peron Pereira Cosmetologia Conceitos e definições Ciência que serve de suporte à fabricação de produtos voltados à arte do cuidado e melhoria das condições estéticas

Leia mais

D E R M A T I T E S HISTÓRIA

D E R M A T I T E S HISTÓRIA D E R M A T I T E S As dermatoses ocupacionais, conhecidas como dermatites de contato, manifestam-se através de alterações da pele e decorrem direta ou indiretamente de certas atividades profissionais.

Leia mais

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções.

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções. Trate os problemas de pele mais comuns em bebês Pais devem ficam atentos a descamações, manchas e brotoejas Se existe uma característica comum a todos os bebês saudáveis, só pode ser a pele macia e sedosa,

Leia mais

Figura 1. Representação esquemática das estruturas da pele envolvidas no processo de transpiração.

Figura 1. Representação esquemática das estruturas da pele envolvidas no processo de transpiração. HEXATRATE (Vevy/Itália) Ativo antiperspirante e desodorante O suor O suor, produzido pelas glândulas sudoríparas, é constituído por água, na qual se encontram dissolvidos sais minerais e outras substâncias.

Leia mais

Proposta de Padronização para o Preparo de Medicamentos na Farmácia Magistral: Formas Farmacêuticas Semi-Sólidas e Líquidas

Proposta de Padronização para o Preparo de Medicamentos na Farmácia Magistral: Formas Farmacêuticas Semi-Sólidas e Líquidas XI Congresso Brasileiro de Informática em Saúde Proposta de Padronização para o Preparo de Medicamentos na Farmácia Magistral: Formas Farmacêuticas Semi-Sólidas e Líquidas Mestranda: Sybelle Okuyama Orientadora:Prof

Leia mais

TRATAMENTO ESTÉTICO DA PELE NEGRA. Prof. Esp. Maria Goreti de Vasconcelos

TRATAMENTO ESTÉTICO DA PELE NEGRA. Prof. Esp. Maria Goreti de Vasconcelos TRATAMENTO ESTÉTICO DA PELE NEGRA Prof. Esp. Maria Goreti de Vasconcelos A etnia confere características herdadas que devem ser valorizadas na indicação de procedimentos e tratamentos e na avaliação de

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

38 Por que o sol queima a nossa pele?

38 Por que o sol queima a nossa pele? A U A UL LA Por que o sol queima a nossa pele? Férias, verão e muito sol... Vamos à praia! Não importa se vai haver congestionamento nas estradas, muita gente na areia, nem mesmo se está faltando água

Leia mais

TECIDOS EPITELIAIS HISTOLOGIA

TECIDOS EPITELIAIS HISTOLOGIA TECIDOS EPITELIAIS HISTOLOGIA Tecidos: Células justapostas, nas quais o material intersticial é escasso ou inexistente. TECIDOS EPITELIAIS FUNÇÕES: PROTEÇÃO ABSORÇÃO E SECREÇÃO DE SUBSTÂNCIAS PERCEPÇÃO

Leia mais

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?...

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?... A U A UL LA Fazendo a digestão Atenção De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis? Nosso corpo é semelhante a um carro. Como você acha que conseguimos energia para viver? Um corpo

Leia mais

LÍQUIDO F. coesão = F. repulsão

LÍQUIDO F. coesão = F. repulsão Tensoativos Tensoativos 1 Forças Tensões - Força de coesão: força que tende a reunir as moléculas. - Força de repulsão: força que tende a separar as moléculas. SÓLIDO F. coesão > F. repulsão LÍQUIDO F.

Leia mais

BEBEX N. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Dermatológica 200mg/g + 100.000UI/g

BEBEX N. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Dermatológica 200mg/g + 100.000UI/g BEBEX N Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Dermatológica 200mg/g + 100.000UI/g MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

AULA 4 AGLOMERANTES continuação

AULA 4 AGLOMERANTES continuação AULA 4 AGLOMERANTES continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil ASFALTOS Pavimento

Leia mais

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares Tensão superficial Força existente na superfície de líquidos em repouso. Fortes

Leia mais

PROTOCOLO FACIAL PARA: PRÉ E PÓS LIMPEZA DE PELE

PROTOCOLO FACIAL PARA: PRÉ E PÓS LIMPEZA DE PELE PROTOCOLO FACIAL PARA: PRÉ E PÓS LIMPEZA DE PELE Indicação Pele oleosa, acnecia. Pode ser feito após 5 dias da limpeza de pele, como uma sessão de retorno. Pele áspera, grossa e desvitalizada. Frequência:

Leia mais

PROFISSIONAIS ESTÉTICA

PROFISSIONAIS ESTÉTICA PROFISSIONAIS DE ESTÉTICA TRATAMENTOS FACIAIS TRATAMENTOS CORPORAIS BASES COSMÉTICAS E SUA IMPORTÂNCIA NA PERFORMANCE DE RESULTADOS O QUE É UMA BASE COSMÉTICA? COSMÉTICO EFICAZ......através de bases cosméticas

Leia mais

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo:

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: 1) Tecido Ñsseo compacto 2) Tecido Ñsseo esponjoso 3) Cartilagem hialina 4) Cartilagem elöstica 5) Cartilagem fibrosa

Leia mais

A HISTÓRIA DO SABONETE

A HISTÓRIA DO SABONETE SABONETES por: Colunista Portal Educação SABONETE BARRA DE OLIVA UMA PRODUÇÃO DE PRECIOSIDADES DO POMAR. CONFIRA NA LOJA www.luciamotta.loja2.com.br Os sabonetes são cosméticos detergentes Na antiguidade,

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br CONCEITOS ABSORÇÃO Passagem da droga do local de administração p/ a corrente sangüínea FÍGADO TGI METABOLISMO PLASMA PULMÃO RIM METABOLISMO

Leia mais

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR Faculdade de Farmácia da UFMG ESTERILIZAÇÃO NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ESTERILIZAÇAO PELO CALOR CALOR SECO Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano ABRIL 2010 Mecanismo de destruição de microrganismos pelo

Leia mais

O Tato Capítulo 11 (página 204) - Ajuda a controlar a força que se aplica ao segurar objetos;

O Tato Capítulo 11 (página 204) - Ajuda a controlar a força que se aplica ao segurar objetos; O Tato Capítulo 11 (página 204) - A pele humana possui espessura variável, menor que 0,5 milímetros (pálpebras) até 05 milímetros (no alto das costas); - É o sentido que nos permite perceber os estímulos

Leia mais

GEL TRANSDÉRMICO (PLO) Farmacotécnica aplicada

GEL TRANSDÉRMICO (PLO) Farmacotécnica aplicada GEL TRANSDÉRMICO (PLO) Farmacotécnica aplicada Preparação do veículo em 3 partes, passo a passo O gel de P.L.O. é composto por uma fase oleosa (LIPS) e uma fase aquosa (Gel de Polaxamer 407). Recomenda-se

Leia mais

www.lakma.com.br Protocolo Facial Limpeza de Pele D e r m o c o s m é t i c o s

www.lakma.com.br Protocolo Facial Limpeza de Pele D e r m o c o s m é t i c o s Limpeza de Pele Indicação Pele acneica Grau 1, 2 e 3 Pele com oleosidade excessiva Home Care: Sabonete Facial anti-acne (2x ao dia) Loção Tônica Adstringente (1x ao dia) Serum Hidratante e Secativo (uso

Leia mais

Tecidos Epiteliais Glandulares GLÂNDULAS EXÓCRINAS. 4. Acinos mucosos e mistos ou sero-mucosos na glândula salivar sublingual. GLÂNDULAS ENDOCRINAS

Tecidos Epiteliais Glandulares GLÂNDULAS EXÓCRINAS. 4. Acinos mucosos e mistos ou sero-mucosos na glândula salivar sublingual. GLÂNDULAS ENDOCRINAS Tecidos Epiteliais Glandulares GLÂNDULAS EXÓCRINAS 1. Glândula sudorípara na pele grossa. 2. Glândula sebácea + sudorípara na pele fina. 3. Acinos serosos + ductos na parótida 4. Acinos mucosos e mistos

Leia mais

Tratamento cosmetológico da pele

Tratamento cosmetológico da pele A pele Considerada o maior órgão do corpo humano, constituindo 16% do peso corporal. Funções de: Revestir as superfícies externas do corpo protegendo contra: Raios UV; Poluição; Mudanças climáticas controle

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS

BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS BIOFÍSICA MEMBRANAS BIOLÓGICAS CÉLULA Unidade fundamental dos seres vivos Menor estrutura biológica capaz de ter vida autônoma Átomos Moléculas Estruturas supramoleculares Células tecidos órgãos Sistemas

Leia mais

TECIDOS. 1º ano Pró Madá

TECIDOS. 1º ano Pró Madá TECIDOS 1º ano Pró Madá CARACTERÍSTICAS GERAIS Nos animais vertebrados há quatro grandes grupos de tecidos: o muscular, o nervoso, o conjuntivo(abrangendo também os tecidos ósseo, cartilaginoso e sanguíneo)

Leia mais

BETOGENTA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Creme Dermatológico 0,5mg/g + 1mg/g

BETOGENTA. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Creme Dermatológico 0,5mg/g + 1mg/g BETOGENTA Geolab Indústria Farmacêutica S/A Creme Dermatológico 0,5mg/g + 1mg/g MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO Disciplina: Microbiia e Parasitia Patrícia de Lima Martins INTRODUÇÃO O que é Microbiota? MICROBIOTA São os microrganismos (bactérias, fungos, vírus e protozoários)

Leia mais

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br Anatomia da pele Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br SISTEMA TEGUMENTAR: PELE E FÁSCIA Funções: proteção regulação térmica sensibilidade Sua espessura varia de 0.5mm nas

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Tedol 20 mg/g creme Tedol 20 mg/ml líquido cutâneo Cetoconazol Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento. -

Leia mais

Não utilize POLARAMINE Creme se você já teve alguma reação incomum a qualquer um dos componentes da fórmula do produto.

Não utilize POLARAMINE Creme se você já teve alguma reação incomum a qualquer um dos componentes da fórmula do produto. POLARAMINE Creme maleato de dexclorfeniramina FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES POLARAMINE Creme é indicado para uso na pele. POLARAMINE Creme apresenta-se em bisnagas de 30 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Níveis de. Organização do. Corpo Humano

Níveis de. Organização do. Corpo Humano Níveis de Organização do Corpo Humano No corpo humano existem vários grupos de células semelhantes entre si. Cada grupo constitui um TECIDO Semelhança de forma: todas destinam-se a uma função específica.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO TÓPICA DE FÁRMACOS - DAS RESTRIÇÕES AOS DESAFIOS -

ADMINISTRAÇÃO TÓPICA DE FÁRMACOS - DAS RESTRIÇÕES AOS DESAFIOS - UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS ESCOLA DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS DA SAÚDE MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS ADMINISTRAÇÃO TÓPICA DE FÁRMACOS - DAS RESTRIÇÕES AOS DESAFIOS

Leia mais

Anexo A BACIGEN. Neomiciana + Bacitracina Zincica CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Pomada. 5mg + 250 UI/g

Anexo A BACIGEN. Neomiciana + Bacitracina Zincica CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Pomada. 5mg + 250 UI/g Anexo A BACIGEN Neomiciana + Bacitracina Zincica CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA Pomada 5mg + 250 UI/g BACIGEN sulfato de neomicina, bacitracina zíncica APRESENTAÇÃO Pomada contendo 5mg/g de

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO

FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO REFRESH álcool polivinílico 1,4% povidona 0,6% FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Via de administração tópica ocular Caixa com 32 flaconetes plásticos para aplicação

Leia mais

POSTEC. hialuronidase + valerato de betametasona APSEN

POSTEC. hialuronidase + valerato de betametasona APSEN POSTEC hialuronidase + valerato de betametasona APSEN FORMA FARMACÊUTICA Pomada APRESENTAÇÕES Pomada com 2,5 mg de valerato de betametasona e 150 UTR de hialuronidase em bisnaga contendo 10 g e 20 g. USO

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

Medicamento O que é? Para que serve?

Medicamento O que é? Para que serve? Medicamento O que é? Para que serve? Os Medicamentos são produtos farmacêuticos, tecnicamente obtidos ou elaborados, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico (Lei nº

Leia mais

Softderm Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Pomada dermatológica 0,64 mg/g de dipropionato de betametasona + 30 mg/g de ácido salicílico

Softderm Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Pomada dermatológica 0,64 mg/g de dipropionato de betametasona + 30 mg/g de ácido salicílico Softderm Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Pomada dermatológica 0,64 mg/g de dipropionato de betametasona + 30 mg/g de ácido salicílico I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Softderm dipropionato de betametasona

Leia mais

PROCESSOS EXTRATIVOS. Profa. Dra. Wânia Vianna 1s/2014

PROCESSOS EXTRATIVOS. Profa. Dra. Wânia Vianna 1s/2014 PROCESSOS EXTRATIVOS Profa. Dra. Wânia Vianna 1s/2014 Extração Sólido- Liquida sólido------------ líquido Solução extrativa. É a que resulta da dissolução parcial de uma droga de composição heterogênea,

Leia mais

Lauril éter sulfato de sódio

Lauril éter sulfato de sódio Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável DCB/ DCI: 05177 - lauriletersulfato de sódio CAS: 1335-72-4 INCI: Sodium laureth-2 sulfate Sinonímia: LESS

Leia mais

Acnase Creme Enxofre 2% Peróxido de Benzoíla 5%

Acnase Creme Enxofre 2% Peróxido de Benzoíla 5% Acnase Creme Enxofre 2% Peróxido de Benzoíla 5% Creme: apresentado em bisnagas com 25 g. USO TÓPICO. USO ADULTO E EM PACIENTES ACIMA DE 12 ANOS. Cada g de creme contém: Peróxido de Benzoíla... 50 mg Enxofre...

Leia mais

Dióxido Titânio V Rutilo (T-2000)

Dióxido Titânio V Rutilo (T-2000) Material Técnico Dióxido Titânio V Rutilo (T-2000) Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável DCB / DCI: 03108 - Dióxido de Titânio INCI: Titanium Dioxide*, Alumina, Simethicone Peso molecular: Não

Leia mais

Propilenoglicol e potencial alergênico em cosméticos

Propilenoglicol e potencial alergênico em cosméticos Propilenoglicol e potencial alergênico em cosméticos Os cuidados com a aparência física e a busca incessante pelo ideal de beleza levam as pessoas a se submeterem aos mais variados tratamentos estéticos

Leia mais

Tecido Epitelial Glandular

Tecido Epitelial Glandular Tecido Epitelial Glandular Revestimento Glandular Tecido epitelial É constituído por células epiteliais especializadas na atividade de secreção As moléculas a serem secretadas são armazenadas em grânulos

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Departamento de Biologia Geral Laboratório de Citogenética Animal - LACA TÉCNICAS DE CITOGENÉTICA DE INSETOS

Universidade Estadual de Londrina Departamento de Biologia Geral Laboratório de Citogenética Animal - LACA TÉCNICAS DE CITOGENÉTICA DE INSETOS Universidade Estadual de Londrina Departamento de Biologia Geral Laboratório de Citogenética Animal - LACA TÉCNICAS DE CITOGENÉTICA DE INSETOS Obtenção das Preparações Citológicas MEIOSE (Sem a utilização

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Advantan, 1 mg/g, creme Advantan, 1 mg/g, pomada Aceponato de metilprednisolona

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Advantan, 1 mg/g, creme Advantan, 1 mg/g, pomada Aceponato de metilprednisolona FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Advantan, 1 mg/g, creme Advantan, 1 mg/g, pomada Aceponato de metilprednisolona Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento. - Conserve

Leia mais

cuidado profissional para a pele adulta

cuidado profissional para a pele adulta NATURALMENTE CIÊNCIA cuidado profissional para a pele adulta extracto centelha asiática óleo de prímula extracto de ambiaty óleo de alecrim óleo de groselha preta aloé vera PREVENÇÃO E PROTECÇÃO O CUIDADO

Leia mais

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE TOPISON furoato de mometasona APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO Cada g de Topison

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Especificações dos Materiais Ana Elza Dalla Roza e Lucas Ribeiro anaelza00@hotmail.com - luccasrsantos@gmail.com Emprego dos materiais

Leia mais

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP CEETEPS Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP APOSTILA DE MATERIAIS DE PROTESE MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

Sistemas do Corpo Humano

Sistemas do Corpo Humano Sistemas do Corpo Humano Sistema Digestório consegue energia e matéria prima. Cada órgão tem uma função específica no processo de transformação dos alimentos O QUE É UM SISTEMA????? Sistema Digestório

Leia mais

Oceral (nitrato de oxiconazol) Bayer S.A. Creme dermatológico. 11,47 mg/g de nitrato de oxiconazol

Oceral (nitrato de oxiconazol) Bayer S.A. Creme dermatológico. 11,47 mg/g de nitrato de oxiconazol Oceral (nitrato de oxiconazol) Bayer S.A. Creme dermatológico 11,47 mg/g de nitrato de oxiconazol OCERAL nitrato de oxiconazol APRESENTAÇÕES Creme dermatológico contendo 11,47 mg de nitrato de oxiconazol

Leia mais

3. CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS

3. CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: TROMBOFOB Pomada heparina sódica nicotinato de benzila APRESENTAÇÃO Pomada dermatológica de: - 50U + 2mg: Embalagem com 1 bisnaga

Leia mais

As Assaduras das fraldas

As Assaduras das fraldas HALIBUT As Assaduras das fraldas O que são as assaduras das fraldas? É uma erupção inflamatória da pele que está em contacto com a fralda. Portanto, aparece predominantemente nas virilhas, na parte interior

Leia mais

Por que os peixes não se afogam?

Por que os peixes não se afogam? Por que os peixes não se afogam? A UU L AL A Dia de pescaria! Juntar os amigos para pescar num rio limpinho é bom demais! Você já reparou quanto tempo a gente demora para fisgar um peixe? Como eles conseguem

Leia mais

Falando sobre o 10/6/2010

Falando sobre o 10/6/2010 Falando sobre o C 1 Cosméticos: Tudo que muda a aparência 2 Skin Care Conhecimentos básicosb 3 O que é Skin Care? É uma categoria formada por produtos, de alta tecnologia, destinados ao tratamento da pele;

Leia mais

Dermatoses, um sério problema para a saúde dos trabalhadores dentro das indústrias

Dermatoses, um sério problema para a saúde dos trabalhadores dentro das indústrias Dermatoses, um sério problema para a saúde dos trabalhadores dentro das indústrias Rodrigo Eduardo Catai (UNESP) rcatai@feb.unesp.br Eduardo Carlos Bianchi (UNESP) bianchi@feb.unesp.br Denise Cristina

Leia mais

TECNOLOGIA FARMACÊUTICA E DE COSMÉTICOS -ACNE TRATAMENTOS - 12/05/2015. Manifestações clínicas. Geral:

TECNOLOGIA FARMACÊUTICA E DE COSMÉTICOS -ACNE TRATAMENTOS - 12/05/2015. Manifestações clínicas. Geral: Geral: TECNOLOGIA FARMACÊUTICA E DE COSMÉTICOS -ACNE TRATAMENTOS - Profa. Ms. Priscila Torres ACNE: síndrome cutânea exteriorizada clinicamente por elementos eruptivos, onde podem estar presente comedões,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS 31) Os sistemas emulsionados são formados por componentes aquosos, oleosos e moléculas anfifílicas. As moléculas anfifílicas últimas, juntamente com velocidade e tempo de agitação

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS Frente às exigências cada vez mais rigorosas dos órgãos reguladores ambientais, o enquadramento da água oleosa gerada em diversas atividades industriais constitui-se

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br EXEMPLOS DE ESQUEMAS COMPARTIMENTAIS DO CORPO TGI COMPARTIMENTO CENTRAL CÉREBRO FÍGADO ELIMINAÇÃO METABÓLICA EXCREÇÃO RENAL OUTROS

Leia mais

CICLO DE PROFISSÕES DIA 27/10

CICLO DE PROFISSÕES DIA 27/10 CICLO DE PROFISSÕES DIA 27/10 Chegada à UNIP: 07:00h Local: de acordo com a tabela abaixo (vide laboratório) Paramentação: jaleco de manga comprida, gorro, máscara, luva, sapato fechado, de preferência

Leia mais

Sistema Tegumentar. apparatus. A hipoderme, tecido conjuntivo frouxo contendo quantidades variáveis de gordura, sublinha a pele.

Sistema Tegumentar. apparatus. A hipoderme, tecido conjuntivo frouxo contendo quantidades variáveis de gordura, sublinha a pele. Sistema Tegumentar 1- TEGUMENTO: O tegumento, composto pela pele e seus anexos, glândulas sudoríparas, glândulas sebáceas, pêlos e unhas, é o maior órgão e constitui 16% do peso corporal. Ele reveste todo

Leia mais

HYDROPOM Licopeno Bioliquefeito

HYDROPOM Licopeno Bioliquefeito HYDROPOM Licopeno Bioliquefeito INCI: hydrolyzed Tomato Skin Contém: Polifenóis Açúcares Naturais Licopeno Aquoso Microdispersível 1. Introdução HYDROPOM é o primeiro produto aquoso que contém licopeno

Leia mais

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO DURABILIDADE DO CONCRETO DEFINIÇÃO Durabilidade é a capacidade do concreto de resistir à ação das intempéries O concreto é considerado durável quando conserva sua forma original, qualidade e capacidade

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 01 Propriedades e aplicação dos materiais H55/H56 02 Propriedades específicas, físicas

Leia mais

XYLOCAÍNA Pomada 5% lidocaína

XYLOCAÍNA Pomada 5% lidocaína XYLOCAÍNA Pomada 5% lidocaína I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO XYLOCAÍNA Pomada 5% lidocaína APRESENTAÇÕES Pomada 50 mg/g em embalagem com uma bisnaga contendo 25 g. VIA TÓPICA SOBRE MUCOSA E PELE USO ADULTO

Leia mais

TRINULOX. hidroquinona, tretinoína e fluocinolona acetonida EMS S/A. Creme dermatológico. 40 mg/g + 0,5 mg/g + 0,1 mg/g

TRINULOX. hidroquinona, tretinoína e fluocinolona acetonida EMS S/A. Creme dermatológico. 40 mg/g + 0,5 mg/g + 0,1 mg/g TRINULOX hidroquinona, tretinoína e fluocinolona acetonida EMS S/A. Creme dermatológico 40 mg/g + 0,5 mg/g + 0,1 mg/g TRINULOX hidroquinona, tretinoína e fluocinolona acetonida APRESENTAÇÕES Creme para

Leia mais

Opções de tratamento - um guia simples

Opções de tratamento - um guia simples Guia Opções de tratamento - um guia simples Para poder decidir qual é o melhor tratamento para si, é importante começar por saber quais as opções de tratamento existentes e quais as suas vantagens e desvantagens.

Leia mais

PROTOCOLO FACIAL 4 EM 1

PROTOCOLO FACIAL 4 EM 1 PROTOCOLO FACIAL 4 EM 1 Indicação Pele Desvitalizada e oleosa/ acneica. Pele com melasmas e rugas finas de expressão Duração: 1 hora Passo 1. Assepsia. Aplicar o Spray Higienizante Lakma nas mãos e punhos.

Leia mais

Água e Solução Tampão

Água e Solução Tampão União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Água e Solução Tampão Prof. Dra. Narlize Silva Lira Cavalcante Fevereiro /2015 Água A água é a substância

Leia mais

Asfalto. Informações Técnicas

Asfalto. Informações Técnicas Informações Técnicas A Assistência Técnica Petrobras tem por objetivo prestar suporte técnico aos clientes, com foco na adequação ao uso e corretos manuseio, condicionamento e armazenagem dos produtos

Leia mais

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 3ª Aula - complemento - Como especificar um compressor corretamente Ao se estabelecer o tamanho e nº de compressores, deve se

Leia mais

Desenvolvimento de Microemulsões a base de óleo fixo da sucupira (Pterodon emarginatus Vogel) Fabaceae

Desenvolvimento de Microemulsões a base de óleo fixo da sucupira (Pterodon emarginatus Vogel) Fabaceae Desenvolvimento de Microemulsões a base de óleo fixo da sucupira (Pterodon emarginatus Vogel) Fabaceae Henrique PASCOA; Danielle Guimarães Almeida DINIZ, Maria Teresa Freitas BARA Programa de Pós-Graduação

Leia mais

TRANSCUTOL CG. Informações Técnicas. INCI NAME: Ethoxydiglycol CAS NUMBER: 111-90-0 SIMILAR: Trivalin SF

TRANSCUTOL CG. Informações Técnicas. INCI NAME: Ethoxydiglycol CAS NUMBER: 111-90-0 SIMILAR: Trivalin SF Informações Técnicas TRANSCUTOL CG INCI NAME: Ethoxydiglycol CAS NUMBER: 111-90-0 SIMILAR: Trivalin SF INTRODUÇÃO Desde os anos setenta, TRANSCUTOL CG é utilizado na indústria farmacêutica devido sua poderosa

Leia mais

REPARIL. Takeda Pharma Ltda. Gel 10mg/g + 50mg/g.

REPARIL. Takeda Pharma Ltda. Gel 10mg/g + 50mg/g. REPARIL Takeda Pharma Ltda. Gel 10mg/g + 50mg/g. APRESENTAÇÕES Gel com 10 mg/g (escina) + 50 mg/g (salicilato de dietilamônio). Bisnagas com 30 g ou 100 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Adapel. Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Gel 1 mg/g

Adapel. Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Gel 1 mg/g Adapel Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Gel 1 mg/g ADAPEL adapaleno APRESENTAÇÃO Gel de 1 mg/g: embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 12 ANOS COMPOSIÇÃO Cada grama de

Leia mais

CONFIDENCIAL BULA. Regaine 5% (minoxidil) PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Nome comercial: Regaine 5% Nome genérico: minoxidil

CONFIDENCIAL BULA. Regaine 5% (minoxidil) PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Nome comercial: Regaine 5% Nome genérico: minoxidil BULA Regaine 5% (minoxidil) PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Regaine 5% Nome genérico: minoxidil Forma farmacêutica: solução tópica Via de administração: TÓPICA Apresentação comercializada:

Leia mais

Ciências OS MAMÍFEROS. A principal característica dos mamíferos é a presença de glândulas

Ciências OS MAMÍFEROS. A principal característica dos mamíferos é a presença de glândulas Ciências OS MAMÍFEROS A principal característica dos mamíferos é a presença de glândulas mamárias, endotermia e pêlos. CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MAMÍFEROS São animais endotérmicos. Em condições normais

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

2 - Biodisponibilidade. Biodisponibilidade Velocidade e extensão de absorção de um fármaco a partir de uma forma de administração

2 - Biodisponibilidade. Biodisponibilidade Velocidade e extensão de absorção de um fármaco a partir de uma forma de administração 2 - Biodisponibilidade TOXICOCINÉTICA Biodisponibilidade Velocidade e extensão de absorção de um fármaco a partir de uma forma de administração Fator de Biodisponibilidade (F) Fração da dose administrada

Leia mais