USINAGEM Publicação da Divisão Coromant da Sandvik do Brasil ISSN RG BN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USINAGEM Publicação da Divisão Coromant da Sandvik do Brasil ISSN 1518-6091 RG BN 217-147"

Transcrição

1 39 OMUNDODA USINAGEM Publicação da Divisão Coromant da Sandvik do Brasil ISSN RG BN CIMM Portal metalmecânico bate 1,5 milhão de page views Versatilidade Peças prontas em ciclo único FUNDIDO VERMICULAR Otimização da usinagem pelo fluido de corte

2

3 EDITORIAL Francisco Marcondes Por mais imprevisível que seja a noite, ainda servirá para emoldurar a lua e sustentar o brilho das estrelas. Quem não se apercebe disso perde o hábito de voltar seus olhos para o céu e seu coração para a terra. O Mundo da Usinagem 3

4 Imagem cedida pela Castrol ÍNDICE OMUNDODA USINAGEM Publicação da Divisão Coromant da Sandvik do Brasil ISSN RG. BN EDIÇÃO 9 / 2007 Capa Foto: Bedame TM1125 Arquivo AB Sandvik Coromant OMUNDODA USINAGEM Publicação da Divisão Coromant da Sandvik do Brasil ISSN RG BN CIMM Portal metalmecânico bate 1,5 milhão de page views Versatilidade Peças prontas em ciclo único 03 EDITORIAL 04 ÍNDICE / EXPEDIENTE 06 GESTÃO: CNCs EM DIA 11 OTS: CADA VEZ MAIS AUTOMATIZADAS 14 SUPRIMENTOS: COMÉRCIO ELETÔNICO SE EXPANDE 16 INTERFACE: CIMM COMPLETA 10 ANOS 20 GESTÃO: ANÁLISE E SELEÇÃO DE FLUIDOS DE CORTE 27 PONTO DE VISTA: MOBILIDADE E TECNOLOGIA 31/36 INTERESSANTE SABER: FILHOS... E OUTRAS NOTÍCIAS 38 NOSSA PARCELA DE RESPONSABILIDADE 40 MOVIMENTO 42 DICAS ÚTEIS 39 FUNDIDO VERMICULAR Otimização da usinagem pelo fluido de corte ou ligue: EXPEDIENTE O MUNDO DA USINAGEM é uma publicação mensal da Divisão Coromant da Sandvik do Brasil S.A. com circulação de doze edições ao ano, tiragem de exemplares, com distribuição gratuita. Av. das Nações Unidas, Sto. Amaro - CEP São Paulo - SP. Conselho Editorial: Nivaldo Coppini, Francisco Marcondes, Heloisa Giraldes, Marlene Suano, Aryoldo Machado, Anselmo Diniz, Sidney Harb, Fernando de Oliveira e Vera Natale. Editora: Vera Natale Editor Chefe: Francisco Marcondes Assistente de Edição: Michel Sorci Editor do Encarte Científico: Nivaldo Coppini Jornalista Responsável: Vera Natale - MTB Propaganda: Gerente de Contas - Thaís Viceconti / Tel: (11) Cel: (11) Projeto Gráfico: AA Design Capa e Arte Final: 2 Estúdio Gráfico Revisão de Textos: Fernando Sacco Gráfica: Fabracor 4 O Mundo da Usinagem

5

6 GESTÃO EMPRESARIAL CNCs em dia Produtos disponíveis no mercado brasileiro são equipados com os mais recentes recursos de automação Empresas da área de CNC têm investido em lançamentos que visam facilitar as operações, tornar mais preciso o processo de usinagem e aumentar cada vez mais o grau de automação. Os CNCs vêm ganhando contornos tecnológicos ainda mais sofisticados, por meio de recursos que os colocam em sintonia com a modernidade da informática, como integração com programas CAD/CAM, rede local (Ethernet) e grande capacidade de memória. A seguir, cinco empresas do setor falam de seus lançamentos e últimas novidades. A GE Fanuc, joint venture criada em 1987, começou a atuar no Brasil em 1993 como parte da GE Brasil. A Fanuc desenvolveu a primeira aplicação de comando numérico (CN) no Japão em 1956 e dezesseis anos depois, criou o conceito de controle numérico computadorizado (CNC). De acordo com Walmyr Buzatto, diretor geral da GE Fanuc do Brasil, a empresa trabalha na vanguarda da tecnologia de CNC, sendo pioneira na aplicação prática de usinagem no nível nanométrico, afirma. Os CNCs da GE Fanuc são equipados com learning control, que detecta possíveis erros, corrigindo-os automaticamente, e recursos de usinagem para grandes quantidades de peças seriadas em alta velocidade e de programação de máquinas de 5 eixos para usinagens complexas. De acordo com Buzatto, muitos desses recursos já existiam em versões anteriores e foram apenas aperfeiçoados. Em abril de 2007, a empresa implementou várias novidades na família de CNCs 30i, entre as quais funções de interpolação em 5 eixos. Os primeiros CNCs da Siemens chegaram ao Brasil na década de Em 2005, chegou ao mercado brasileiro a mais recente linha da empresa, a Sinumerik Solution, que pode equipar desde máquinas de três eixos a tornos multifusos. Dentre os recursos está o uso de rede Ethernet 6 O Mundo da Usinagem

7 Arquivo AB Sandvik Coromant para comunicação com drives por meio de interfaces amigáveis. De acordo com Oswaldo Prats, gerente-geral da Divisão de Automação da empresa no Brasil, essa rede proporciona maior precisão e economia de tempo no processamento das informações, que são transmitidas do CNC para os drives, e vice-versa, de forma muito mais rápida, a 100 mbits por segundo. O uso da Ethernet também facilita a agregação de periféricos como PCs externos com softwares supervisores. Outras vantagens da linha Sinumerik são o reconhecimento automático dos dados dos motores e a presença de macros, minimizando a necessidade de parametrização manual. O mercado metal mecânico brasileiro tem plena condição de atingir patamares de qualidade e produtividade globais A Fidia do Brasil, filial da fabricante italiana de CNCs, presente no País desde 1995, mantém ampla linha de CNCs do C0, indicado para retrofitting, ao C20 que gerencia até 24 drives. Luciano Araújo, engenheiro de treinamento, destaca que a utilização do Windows XP como interface e a transmissão via Ethernet possibilitaram o desenvolvimento de softwares próprios, como um CAM 3+2D capaz de operar com todas as estratégias para usinagens de alta velocidade. Os recursos mais recentes dos CNCs da Fidia são o I/O LUX (transmissão ótica de sinais via infravermelho) e o HMS, dispositivo externo que identifica possíveis erros, gerando correções automáticas na casa de milésimos de graus. Esta calibração se dá em minutos, enquanto uma intervenção manual e até mesmo mecânica poderia trazer transtornos, com a máquina parada de um a dois dias, afirma o engenheiro. A Fagor Automation do Brasil, de origem espanhola e há 12 anos no País, ampliou as capacidades de memória de seus modelos de CNCs 8035 e 8055 e O Mundo da Usinagem 7

8 Empresas da área de CNC têm investido em lançamentos que visam facilitar as operações. Arquivo AB Sandvik Coromant incluiu neles comunicação via Ethernet. Na versão 8055 a velocidade de execução de programas CAD/CAM passou de 6 ms para 3 ms. Segundo Paulo Juvenal Bier, gerente de vendas da Região Sul, a ampliação de memória diminui o tempo de set up da máquina, permitindo aumento de produtividade. Esse melhoramento também permite a criação de telas definidas pelo usuário para facilitar a relação do operador com a máquina. Atualmente, a Fagor desenvolve nova plataforma de hardware para seu CNC 8070, que é capaz de controlar até 28 eixos, 4 canais independentes de controle de programas de usinagem, 4 magazines de ferramentas e 4 motores principais (spindles). Representante da indústria nacional no mercado de CNCs, a MCS Engenharia lançou neste ano a linha Proteo, depois de cinco anos de pesquisa e desenvolvimento. Edson Casagrande, sócio-diretor da empresa, afirma que a maior vantagem de seus produtos é a relação custo-benefício: Suas características técnicas, tecnologia e desempenho são comparáveis aos CNCs mais potentes do mercado, enquanto seu custo é menor que o dos modelos mais simples importados. O Proteo é dotado de processadores de 32 bits trabalhando em paralelo, com capacidade para processar blocos de interpolação linear 3D em 2 milissegundos. Possui recursos de programação e ciclos fixos que buscam facilitar a programação da máquina paralelamente à execução de programas on-line produzidos externamente por programas CAD/CAM. Segundo o diretor, algumas das características do Proteo permitem redução significativa dos custos dos equipamentos para os fabricantes de máquinas, como a arquitetura modular e o protocolo de comunicação digital CANopen. Concorremos com CNCs importados e precisamos ter um diferencial. Conseguimos isso utilizando os recursos disponíveis aqui para baratear os produtos, conclui Casagrande. Vemos, portanto, que o mercado brasileiro tem sido abastecido com produtos atualizados, o que possibilita ao setor de usinagem do país os meios para alcançar os mesmos patamares de produtividade e qualidade dos concorrentes globais. Henrique Ostronoff Jornalista 8 O Mundo da Usinagem

9

10

11 OTS Cada vez mais automatizadas A linha de tornos verticais V160, da Index, é equipada com vários recursos que agilizam a produção Imagem cedida pela Index Redução de custos e aumento de produtividade. Essas são as principais palavras de ordem na manufatura atual no mundo e particularmente no Brasil, onde a indústria sofre com o crescimento da concorrência externa, anabolizada pelo baixo valor do dólar. Para atender a essas solicitações, os fabricantes de máquinas têm desenvolvido alternativas que incorporam inúmeros recursos de automação. É o caso da linha de tornos verticais V160, da Index Tornos Automáticos. Em três versões C, D e G, a máquina tem como um de seus destaques tecnológicos a carga e descarga de peças feita pelo próprio eixo-árvore. Ou seja, elimina a necessidade de se instalar um robô. Todas as versões oferecem avanço rápido de 80 m/min, aceleração do eixo X 1 (10m/s 2 ) e eixo X 3 (7m/s 2 ), rotação de até rpm, cabeçote-revólver VDI 25, 30 ou 40, placa de fixação de até 250 mm, tempo de tombo da torre de 0,2 s, tempo de cavaco a cavaco de 1,5 s e motor integrado no fuso. Podem também ser equipadas com ferramentas acionadas de 14 Nm de torque, 8,5 kw de potência e 6 mil rpm São máquinas de configuração modular, de acordo com a peça ou produto do cliente, explica Nivaldo G. Cabello, vendedor técnico da Index. A versão mais simples da linha é a C, de apenas um fuso. Já a D traz dois fusos na vertical, possibilitando a produção simultânea de duas peças iguais. Mais completa que as demais, a versão G é equipada com fuso e contrafuso, cada um deles se encarregando da usinagem de um dos lados da peça, permitindo a produção num único ciclo. Essa é a tendência atual: a usinagem num mesmo ciclo. A peça sai pronta, informa Ca- O Mundo da Usinagem 11

12 bello. Segundo o técnico, além de mais produtiva, essa alternativa reduz a possibilidade de erros. Ao invés de passar por várias máquinas, submetendo a peça a várias fixações que podem introduzir erros de forma, de posicionamento, de batimento etc., a peça entra bruta na esteira e sai pronta do outro lado, diminuindo a interferência do operador. O técnico lembra ainda outro ponto favorável da linha V160, que é uma necessidade na indústria hoje: reunindo várias operações numa única estação, reduz o espaço físico necessário para a produção. Ainda nessa linha de tirar a peça pronta, o torno vertical V160 pode receber acessório que permite a realização de têmpera a laser. Assim, a peça pode ser temperada com feixe de laser e, na seqüência como a máquina também estará preparada para receber sistema de rebolos é possível realizar-se a operação de retificação interna e externa. O técnico acrescenta ainda que o modelo mais sofisticado da V160 pode contar com até 48 ferramentas fixas ou acionadas e os eixos Y e B. De acordo com Cabello, quanto mais complexa a peça do cliente, mais se justifica o investimento nesse tipo de máquina. É uma linha de alta produção para peças complexas, afirma, lembrando que é ideal para autopeças e montadoras e pode trabalhar a partir de blanks ou flanges, com matéria-prima cortada, fundida, forjada ou sinterizada. Recentemente, a Index vendeu duas máquinas da versão G para um fabricante de autopeças no Brasil. Programadas para chegar ao País em outubro e novembro, as máquinas, no cliente, vão produzir tampas e flanges de motor em alumínio e ferro fundido. Na Alemanha, já foram vendidas várias dessas máquinas. No Brasil, são os dois primeiros modelos que vendemos mas temos vários outros em processo de negociação, diz o técnico. Cabello lembra que a linha V160 é resultado de uma evolução contínua da Index na área dos tornos verticais que começou em 1992 com o lançamento da V200, modelo que tem várias unidades em operação no Brasil. A empresa alemã também produz duas outras linhas de tornos verticais, a V300, de máquinas de maior porte, com placa de até 400 mm de diâmetro, e a linha V100, de menor porte, com placa de até 120 mm de diâmetro. Com ciclos de vida de produtos progressivamente menores e a crescente diferenciação destes para customizar as ofertas às necessidades específicas de cada cliente, os lotes de produção são sucessivamente menores. Considerando ainda a pressão pela redução tanto de custos de produção quanto dos prazos de entrega, versatilidade é a palavra de ordem e, neste sentido, notase que a Index está bem alinhada com a demanda do mercado. De Fato Comunicações 12 O Mundo da Usinagem

13

14 SUPRIMENTOS Comércio eletrônico se expande As transações comerciais por meio eletrônico são uma tendência irreversível no mundo corporativo. Neste ano, estima-se que comércio eletrônico entre empresas movimente R$ 415 bilhões. Ochamado e-procurement, conforme pesquisa realizada pela Associação Brasileira de e-business é utilizado por 66% das empresas de médio e grande portes instaladas no Brasil. O trabalho, intitulado 2ª Pesquisa Panorama do Uso e Tendências do e-procurement no Brasil Cenário 2006, foi finalizado em julho de 2007, e englobou 81 organizações de grande e médio portes. Conforme os resultados da pesquisa, em 2005, 63% dos entrevistados disseram praticar compras eletrônicas. Já em 2006, 66% indicaram este procedimento. Ainda de acordo com a pesquisa, as principais ferramentas utilizadas no processo foram negociações eletrônicas, sourcing, portal de compras e erfq (electronic request for quotes ou pedidos de cotações). O estudo indica ainda que as empresas estão muito atentas ao VMI (reposição automática de estoques), à gestão de contratos e ao monitoramento de performance. As compras realizadas eletronicamente representam 25% em relação ao volume total. Dentre os principais benefícios do e-procurement estão a redução do tempo gasto pelo comprador para efetuar cotações e pedidos e a redução do tempo de entrada do pedido e seu faturamento. Destaca-se que houve um crescimento de 27% dos pedidos de compras eletrônicas em 2006 com relação a Atenta às tendên- cias, diversas empresas vêm colocando à disposição dos clientes as mais modernas ferramentas de Tecnologia da Informação que agilizam as transações comerciais. Todavia, nota-se uma certa preocupação com o legado tecnológico, e diversas corporações mantêm os sistemas tradicionais de transação eletrônica, como o EDI Electronic Data Interchange ou Troca Eletrônica de Dados. O sistema EDI é ainda bastante utilizado por grandes corporações. O investimento para se ter a infra-estrutura necessária para a troca de arquivos via EDI é relativamente elevado, o que inviabi- 14 O Mundo da Usinagem

15 liza a sua utilização por empresas de menor porte. Porém, inegavelmente, os sistemas EDI tendem a ser mais confiáveis, em virtude de a conexão ser feita por rede privada. Alguns clientes fazem transações comerciais conosco via EDI, afirma Leonardo Susumu, analista de sistemas da Sandvik do Brasil. Conforme o analista, a corporação tem um projeto que prevê a utilização de um provedor global para o intercâmbio de dados via EDI, onde todas as marcas de ferramentas de corte produzidas mundialmente pelo grupo serão beneficiadas com a economia de escala. Teremos um único ponto de troca de dados com a padronização da solução tecnológica, afirma. Além do EDI as transações eletrônicas podem ser feitas via portal web. Cerca de 40% de nossas transações são feitas por meio eletrônico, afirma Ricardo Chagas, supervisor comercial da mesma empresa. Para Chagas, o comércio por Pedro Toledo Dêgelo meio eletrônico via web apresenta vantagens na medida em que permite a automação de diversos processos. Por exemplo, a empresa pode enviar eletronicamente os dados de uma nota fiscal e o cliente pode dar entrada ao pedido, sem a necessidade de redigitá-la. Para o analista, há soluções mais econômicas que o EDI tradicional, caso da Internet EDI (ou web EDI) que poderiam ser adotadas por empresas de menor porte, ou a utilização do XML (extensible Markup Language), desenvolvido pela W3C (Worldwide Web Consortium), que é relativamente simples e amplamente adotado no mercado. Tanto na internet EDI quanto no XML os dados trafegam na rede pública por meio de uma conexão segura. A tecnologia sempre esteve a rebote das necessidades humanas até bem pouco tempo, contudo, no caso das vias eletrônicas de comunicação, seja informal ou comercial, parece ter havido uma inversão histórica, pois as possibilidades são tantas que muitas vezes nos vemos com mais tecnologia do que já nos parecia suficiente. Acompanhar a vanguarda é um verdadeiro desafio, contudo a desatenção pode nos deixar à margem de nosso tempo em informação e competitividade, principalmente se considerarmos que esta é uma área de aplicação universal que pode facilitar as transações e acelerar negócios em qualquer segmento do mercado. De Fato Comunicações O Mundo da Usinagem 15

16 INTERFACE Pioneiro na área, o CIMM completa 10 anos trazendo novidades O Centro de Informação Metal Mecânica (CIMM) completa 10 anos em 2007 trazendo novidades e melhorias para os seus usuários. O portal está reformulando seu conteúdo e ampliando a sua estrutura na área jornalística. Imagem cedida pelo CIMM Um ambiente virtual bem estruturado e atualizado diariamente, o CIMM trata de diversos aspectos do setor metal mecânico, publicando desde notícias sobre as empresas do setor, seus produtos e seu posicionamento no mercado, até informações sobre os fatores econômicos que influenciam a atividade, inovações tecnológicas de última geração, vagas de emprego, oportunidades de negócios, eventos ligados à área e ao meio ambiente, incluindo formas de diminuir ou tratar a poluição gerada pelas empresas. 16 O Mundo da Usinagem

17

18 Considerado o primeiro portal do setor, o CIMM atualmente conta com um grande número de acessos diários, somando um milhão e meio de páginas vistas por mês. A maioria absoluta dos usuários do portal é composta por empresários, diretores e gerentes de empresas da área metal mecânica, professores, técnicos e estudantes de engenharia. Semanalmente o CIMM produz um Boletim Informativo, que é enviado via para milhares de pessoas com as principais notícias da semana. Em setembro o portal iniciará a produção do Boletim de Negócios, que será produzido quinzenalmente enfocando as necessidades de empresas para divulgação de vagas de emprego e de fornecedores. A intenção é responder à demanda do setor por um meio de comunicação que proporcione a realização de negócios e enfatizar a produção de notícias da redação do CIMM. Além do conteúdo jornalístico, o CIMM contém seções que colaboram para a atualização do profissional da área metal mecânica, como o catálogo online, que disponibiliza a ficha técnica de produtos com base em informações dos fabricantes e a seção de publicações, que traz informações sobre livros técnicos e de interesse do meio empresarial. A seção de material didático é outro grande destaque do portal contendo inúmeros textos que explicam os processos de fabricação utilizados no setor (usinagem, soldagem, conformação, fundição e tratamentos superficiais) sempre acompanhados por animações que ilustram o processo e facilitam a compreensão até mesmo para os leigos. O material didático também apresenta textos teóricos sobre fundamentos físicos e mecânicos, aços ferramenta e de construção civil, ensaios mecânicos e aspectos legais da utilização do meio ambiente por empresas, assim como formas de gerenciamento de resíduos e de controle da poluição atmosférica. Desde o seu início o CIMM conta, além de sua cartela de clientes, com parcerias do ramo empresarial e institucional os quais contribuíram no fortalecimento da marca do CIMM no setor. Entre os principais parceiros institucionais podemos destacar o IFM Instituto Fábrica do Milênio, a ABM Associação Brasileira de Metalurgia e Materiais e a ABCM Associação Brasileira de Engenharia e Ciências Mecânicas. Os interessados em receber os Boletins do CIMM, divulgar vagas de emprego ou necessidades empresariais (como compra e venda de máquinas e busca por fornecedores) podem entrar em contato com o CIMM pelo Todos esses serviços são prestados pelo Centro de Informação Metal Mecânica gratuitamente. O endereço do portal é Roberta Avila Jornalista 18 O Mundo da Usinagem

19

20 GESTÃO EMPRESARIAL Análise e seleção de fluidos de corte para a furação de ferro fundido vermicular O ferro fundido vermicular, nos últimos anos, tem sido utilizado na fabricação de blocos de motores de veículos movidos a diesel, especialmente em carros de corrida, substituindo o ferro fundido cinzento que até então era tradicionalmente utilizado. Este material possui uma resistência mecânica maior que o ferro fundido cinzento e possibilita a utilização de maiores pressões na câmara de combustão destes motores. Com isto, há uma queima mais eficiente do combustível e, conseqüentemente, menor quantidade de poluentes lançados à atmosfera. Porém, devido à sua maior resistência mecânica, o ferro fundido vermicular também apresenta uma maior dificuldade na usinagem. Devido à utilização, relativamente recente, deste material, ainda não existem informações suficientes sobre as condições mais adequadas na sua usinagem.

21 Assim, buscou-se avaliar e selecionar o fluido de corte mais adequado à furação do ferro fundido vermicular, analisando-se alguns parâmetros de saídas, como desgaste da ferramenta, potência consumida pelo motor, rugosidade e tolerância dimensional dos furos. Além das propriedades mecânicas do vermicular serem superiores e possibilitarem a fabricação de motores mais potentes, do mesmo tamanho ou mais compactos, e que atingem a mesma potência, a combustão mais eficiente dos blocos de motor fabricados com este material adequam-se mais às rígidas normas européias de controle da poluição atmosférica. De fato, para cumprir as exigências destas normas usando-se o alumínio ou ferro fundido cinzento, seria necessário aumentar a espessura das paredes dos blocos de motor, o que acarretaria problemas com o sistema de resfriamento, além de aumentar o volume do bloco. No entanto, por apresentar maior resistência à tração (75%) e maior tenacidade (30 40%) em relação ao ferro fundido cinzento, o ferro fundido vermicular é mais difícil de ser usinado. Na usinagem em alta velocidade (cerca de 1000 m/min), o quadro se agrava ainda mais; somente na região de baixa velocidade de corte (aproximadamente 300 m/min) é possível obter um acabamento similar ao ferro fundido cinzento. Diante de tal situação, a escolha correta de um fluido de corte é fundamental para o uso do ferro vermicular. Tal escolha dependerá de uma série de fatores, como os aspectos econômicos, tipo de máquina operatriz, custos relacionados aos procedimentos de descarte, tipo de sistema de circulação, saúde humana e contami- nação, meios de controle, método de aplicação, severidade da operação, tipos de operação, materiais usinados e compatibilidade do metal com o fluido, entre outros. Os fluidos de corte podem ser classificados em quatro categorias: sintético (soluções químicas constituídas por sais e isentas de óleo), semi-sintético (pequenas quantidades de óleo), óleo emulsionável (emulsões, óleo disperso em água) e óleo de corte (óleos básicos aditivados ou não). Para poder escolher o melhor deles para a usinagem do ferro vermicular, realizaram-se experimentos no laboratório de Sistema Flexível de Manufatura, FMS, do Instituto Superior Tupy, IST, da Sociedade Educacional de Santa Catarina, SOCIESC. Tais experimentos aplicaram as mesmas condições a todos os fluidos testados e estão apresentadas na Tabela 1. Descrição Corpos de prova Ferramenta de corte Característica Ferro fundido vermicular com 213 HB de dureza Dimensões dos corpos de prova: 400 mm x 300 mm x 45 mm Brocas de metal duro, revestimento TiNAl. Broca com 10 mm de diâmetro Imagens cedidas pela Castrol Condições de corte Parâmetros de análise Velocidade de corte (Vc) = 109,95 m/min Profundidade de corte (ap) = 20 mm Velocidade de avanço (Vf) = 350 mm/min Desgaste de flanco (VBb), potência consumida pelo motor e rugosidade média (Ra) final. Tabela 1. Condições de corte aplicadas nos testes de furação do ferro fundido vermicular. O Mundo da Usinagem 21

22 Os fluidos de cortes utilizados nos testes de furação estão apresentados na Tabela 2. Informações sobre óleo base, aditivos e algumas características químicas estão descritas também nesta tabela. Todos os fluidos avaliados são semi-sintéticos. Na avaliação do fluido de corte ideal para o processo de furação do CGI foram avaliados os seguintes parâmetros: desgaste da ferramenta, rugosidade dos furos e potência consumida pelo motor. O desgaste da ferramenta foi estudado pela análise visual da ferramenta, por microscópio, a cada cinco furos, adotando-se co- mo critério de fim de vida o valor de 0,3 mm para o desgaste de flanco máximo. Observou-se o desgaste de flanco e sinais de oxidação do topo das brocas, devido às altas temperaturas atingidas durante a furação. A curva de vida da ferramenta foi construída em função do número de furos. Quando a evolução do desgaste é comparada em função dos diferentes fluidos de cortes estudados, verifica-se que o desgaste com o uso do Fluido A foi sempre menor que o desgaste com os outros fluidos, seguido pelo Fluido B. As ferramentas usadas durante a furação com Fluido C e Fluido D apresentaram maior desgaste e praticamente o mesmo comportamento. Também quando a furação foi realizada na ausência de lubrificantes, altos desgastes foram observados nas brocas. Comparando todos os fluidos testados é possível verificar que o Fluido A forneceu melhores resultados em termos de vida da ferramenta, com 75 furos produzidos até que o critério de fim de vida fosse alcançado. A tabela 3 mostra um aumento de 87,5% de produtividade com o uso do Fluido A como fluido de corte em comparação com a furação sem refrigeração. Fluido de Corte Óleo Base Aditivos Densidade (g/cm 3 ) PH A Óleo mineral (35%) + éster (10%) Aditivo EP (5%) 0,978 9,0-9,5 B Éster (25%) Aditivo EP (10%) 0,941 9,0 C Óleo mineral (45%) Aditivo EP (15%) 0,970 8,8-9,2 D Polímero (20%) Sem aditivo EP 1,011 9,0-9,4 Tabela 2. Descrição dos fluidos utilizados na furação do ferro fundido vermicular. Fluido de Corte A Fluido de Corte B Fluido de Corte C Furação sem refrigeração Fluido de Corte A 15,4% 25% 25% 87,5% Tabela 3. Aumento de produtividade do Fluido A em relação à furação a seco e aos demais fluidos dos testes. 22 O Mundo da Usinagem

23

24 Número de furos Tipo de fluido de Corte Sem fluido Fluido A Fluido C Fluido B Fluido D Figura 1: Comparação da produtividade dos diferentes fluidos de corte estudados. POTÊNCIA CONSUMIDA PELO MOTOR A potência elétrica consumida pela máquina aumentou no decorrer dos ensaios, devido à maior área de contato entre a ferramenta e a peça causada pelo aumento do desgaste de flanco da ferramenta. A furação sem refrigeração apresentou um consumo de potência ligeiramente maior que as outras condições a partir do 15º furo, provavelmente devido ao desgaste da ferramenta, nesta condição, ter sido maior que nas outras para um mesmo percurso de avanço. A potência elétrica consumida com o Fluido B apresentou os resultados mais regulares, sem variações bruscas. Observou-se que os diferentes fluidos de corte apresentam valores diferentes de rugosidade dos furos. Portanto, os constituintes das formulações exercem influên- cia sobre a rugosidade. Assim, o fluido de corte A, proporcionou uma melhor qualidade superficial dos furos, devido ao menor coeficiente de atrito no contato cavaco-ferramenta, pela lubrificação oferecida por este fluido. Os fluidos avaliados diferiam um do outro em termos do óleo base e aditivação EP. De acordo com os resultados acima descritos, o fluido de corte mais apropriado e com melhor desempenho foi o fluido de corte A. Este fluido é uma mistura de óleo mineral (35%) e éster (10%) com aditivo EP (5%). Considerando que o fluido C apresenta uma quantidade de óleo mineral (45%) e aditivo EP (15%), pode-se concluir que para o processo estudado a lubrificação atribuída à combinação de óleo mineral e éster tem um papel importante no desempenho do fluido de corte, diminuindo o atrito e ge- 24 O Mundo da Usinagem

25 3,4 3,3 3,2 Número de furos 3,1 3 2,9 2,8 2,7 Fluido A Fluido B Fluido C Fluido D Tipo de fluido de Corte Figura 2: Rugosidade média dos furos em função do tipo de fluido de corte utilizado. ração de calor. Também para furação em ferro fundido vermicular os fluidos B e D, base éster e polimérica, respectivamente, não atingiram os requisitos de lubrificação necessários para garantir um bom desempenho do fluido de corte no processo. Pode-se concluir que a utilização de fluidos de corte na furação do CGI resulta num aumento de produtividade e redução de custos com ferramentas, pois a quantidade de furos realizados com uma mesma broca aumenta no mínimo 50% quando comparado com a furação a seco. Por outro lado, o principal mecanismo de desgaste na furação do CGI é a abrasão, porém alguns sinais de adesão do material usinado foram observados nas ferramentas. Verificou-se também que o fluido de corte com melhor performance foi o fluido de corte A, com aproximadamente 5% de aditivos EP e a combinação de óleo mineral e éster. Maior quantidade de furos, menores desgastes e melhor qualidade superficial foram obtidos com este fluido de corte. Quanto se retira o aditivo EP e muda-se o óleo base, como por exemplo, de óleo mineral por polímero, um pior desempenho foi observado. Consequentemente, para uma melhor escolha do fluido de corte para furação do CGI devem ser observadas as características lubrificantes (advindas do tipo de óleo base usado) e a presença de aditivos EP que ajuda na redução do atrito devido à formação de um filme. Salete Martins Alves Sociedade Educacional de Santa Catarina (SOCIESC) Flávio H. A. Deminicis Castrol Brasil Ltda O Mundo da Usinagem 25

VerticalLine V 160C V 160G. Centros de Torneamento Verticais

VerticalLine V 160C V 160G. Centros de Torneamento Verticais VerticalLine V 160C V 160G Centros de Torneamento Verticais VerticalLine V160C, V160G Compacto, rápido, universal Aumente a produtividade Sistema Forte com máquinas verticais O sistema modular efici- compactas

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

TREINAMENTO 2015 COMPETÊNCIA & PRATICIDADE NO SEU PROCESSO DE USINAGEM

TREINAMENTO 2015 COMPETÊNCIA & PRATICIDADE NO SEU PROCESSO DE USINAGEM TREINAMENTO 2015 COMPETÊNCIA & PRATICIDADE NO SEU PROCESSO DE USINAGEM PROGRAMA DE TREINAMENTO SECO TOOLS BRASIL SECO TOOLS O seu verdadeiro parceiro Competente & Prático...4 TECNOLOGIA DE USINAGEM: Fresamento...5

Leia mais

MIDIA KIT CIMM. Marcondes. Blog do. blogdomarcondes.cimm.com.br. www.manufaturaemfoco.com.br

MIDIA KIT CIMM. Marcondes. Blog do. blogdomarcondes.cimm.com.br. www.manufaturaemfoco.com.br MIDIA KIT CIMM 2013 Blog do Marcondes www.manufaturaemfoco.com.br blogdomarcondes.cimm.com.br SOBRE O CIMM O CIMM é a principal referência do setor metalmecânico na internet, direcionado a empresas, profissionais

Leia mais

MIDIA KIT. Marcondes. Blog do. blogdomarcondes.cimm.com.br. www.manufaturaemfoco.com.br

MIDIA KIT. Marcondes. Blog do. blogdomarcondes.cimm.com.br. www.manufaturaemfoco.com.br MIDIA KIT CIMM 2014 Blog do Marcondes www.manufaturaemfoco.com.br blogdomarcondes.cimm.com.br SOBRE O CIMM O CIMM é a principal referência do setor metalmecânico na internet, direcionado a empresas, profissionais

Leia mais

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 - nova geração com moderna tecnologia Os tornos automáticos CNC de carros múltiplos Ergomat TBA 42 e TBA 60 se tornaram mais versáteis e produtivos

Leia mais

SOFTWARE PARA AUTOMAÇÃO DE ENGENHARIAS

SOFTWARE PARA AUTOMAÇÃO DE ENGENHARIAS SOFTWARE PARA AUTOMAÇÃO DE ENGENHARIAS Desde 1989, a SKA realiza implantações de sucesso em indústrias dos mais diversos portes e segmentos em todo o Brasil. SOLUÇÕES PARA AUMENTAR SUA PRODUTIVIDADE, DO

Leia mais

Uma ampla linha de máquinas-ferramenta para os mais diversos segmentos de manufatura

Uma ampla linha de máquinas-ferramenta para os mais diversos segmentos de manufatura 3 Uma ampla linha de máquinas-ferramenta para os mais diversos segmentos de manufatura W W W. R O M I. C O M ROMI GL 240 / 240M ROMI GL 280 / 280M CENTROS DE TORNEAMENTO LINHA ROMI GL PROJETADOS PARA OPERAR

Leia mais

Equipamento para medição e ajuste de ferramentas DMG MICROSET - Gerenciamento de Ferramentas

Equipamento para medição e ajuste de ferramentas DMG MICROSET - Gerenciamento de Ferramentas www.gildemeister.com DMG tecnologia e inovação Equipamento para medição e ajuste de ferramentas DMG MICROSET Gerenciamento de Ferramentas 02 I 03 DMG MICROSET 04 I 08 Equipamento de Ajuste Vertical 09

Leia mais

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online.

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online. Os segredos dos negócios online A Internet comercial está no Brasil há menos de 14 anos. É muito pouco tempo. Nesses poucos anos ela já mudou nossas vidas de muitas maneiras. Do programa de televisão que

Leia mais

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho SÉRIE DV14 1417 / 1422 / 1432 / 1442 CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA O Centro de Usinagem

Leia mais

Apresentação do produto Versão Premium 9.0 (GMPE)

Apresentação do produto Versão Premium 9.0 (GMPE) Apresentação do produto Versão Premium 9.0 (GMPE) Qual a importância que o relacionamento com os clientes tem para a sua empresa? Goldmine CRM é para as empresas que atribuem importância máxima à manutenção

Leia mais

MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE

MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Não confie em sua memória: agendas e calendários online estão a seu favor... 5 >>

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

EVOLUTION 7403 7405. Usinagem CNC completa em formato compacto. oferece uma usinagem completa nos 4 cantos da peça de trabalho e na superfície.

EVOLUTION 7403 7405. Usinagem CNC completa em formato compacto. oferece uma usinagem completa nos 4 cantos da peça de trabalho e na superfície. Coladeiras de bordas Centros de usinagem CNC Serras para painéis verticais Seccionadoras Manipulação de material Usinagem CNC completa em formato compacto EVOLUTION 7403 7405 É única. A EVOLUTION 7405

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

MÁQUINAS-FERRAMENTA. Linha de produtos para os segmentos de Energia, Óleo e Gás

MÁQUINAS-FERRAMENTA. Linha de produtos para os segmentos de Energia, Óleo e Gás MÁQUINAS-FERRAMENTA Linha de produtos para os segmentos de Energia, Óleo e Gás Indústrias Romi: Infraestrutura, tecnologia e know-how para a produção de máquinas de grande porte Os setores de geração de

Leia mais

CURSO: Superior de Tecnologia em Gestão Comercial Disciplina: Sistemas de Informação no Varejo Período Letivo: 3º Semestre Professora: Mariana Alves

CURSO: Superior de Tecnologia em Gestão Comercial Disciplina: Sistemas de Informação no Varejo Período Letivo: 3º Semestre Professora: Mariana Alves TI CURSO: Superior de Tecnologia em Gestão Comercial Disciplina: Sistemas de Informação no Varejo Período Letivo: 3º Semestre Professora: Mariana Alves Fuini Pergunta 3: o que a TI abrange e como ela é

Leia mais

O FUTURO DA SUA EMPRESA PASSA POR AQUI OMNES TECNOLOGIA

O FUTURO DA SUA EMPRESA PASSA POR AQUI OMNES TECNOLOGIA O FUTURO DA SUA EMPRESA PASSA POR AQUI OMNES TECNOLOGIA Como tudo começou GIDEONI SILVA CONSULTOR BI & CRM Analista de Sistemas e Green Belt Six Sigma Experiência de 15 anos em projetos executados de Business

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Linha de TANQUES Data da publicação: 2015 - nº 0703050 Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda.

Linha de TANQUES Data da publicação: 2015 - nº 0703050 Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda. Linha de Todas as fotos, ilustrações e especificações estão baseadas em informações vigentes na data da aprovação desta publicação. A Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda. se reserva ao direito de alterar

Leia mais

MÁQUINA MULTIFUSO COM MESA ROTATIVA PARA TRABALHO COM BARRA EXTRUDADA OU TUBO

MÁQUINA MULTIFUSO COM MESA ROTATIVA PARA TRABALHO COM BARRA EXTRUDADA OU TUBO MÁQUINA MULTIFUSO COM MESA ROTATIVA PARA TRABALHO COM BARRA EXTRUDADA OU TUBO A VANTAGEM DE NÃO GIRAR A BARRA As máquinas COMBYBAR permitem trabalhar a barra sem rodá-la oferecendo muitas vantagens, como

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Tecnologia com Máxima Economia. RECURSO EXCLUSIVO INOVANDO SEMPRE. Balança Computadora Urano Maximus II. Automação Comercial e Balanças Eletrônicas

Tecnologia com Máxima Economia. RECURSO EXCLUSIVO INOVANDO SEMPRE. Balança Computadora Urano Maximus II. Automação Comercial e Balanças Eletrônicas Tecnologia com Máxima Economia. RECURSO EXCLUSIVO INOVANDO SEMPRE Comunicação po r Cabo ou Rádio Frequência Etiquetador conjugado Produt o patenteado P I 8502136 Balança Computadora Urano Maximus II Automação

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

webaula S/A 1 de 15 Grupo webaula Educação sem fronteiras

webaula S/A 1 de 15 Grupo webaula Educação sem fronteiras webaula S/A 1 de 15 Grupo webaula 1. LMS webaula O LMS WEBAULA (Learning Management System) foi desenvolvido especialmente para promover a capacitação e reciclagem teórica e prática dos colaboradores de

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Pesquisa Thomas: Tendências em Gestão de Pessoas 2012

Pesquisa Thomas: Tendências em Gestão de Pessoas 2012 Pesquisa Thomas: Tendências em Gestão de Pessoas 2012 O estudo foi realizado no mês de novembro de 2012, e contou com a participação de 224 empresas de diferentes portes e segmentos de negócio. Podemos

Leia mais

Nas páginas a seguir, oferecemos os principais dados técnicos de nossa linha de produtos.

Nas páginas a seguir, oferecemos os principais dados técnicos de nossa linha de produtos. Catálogo Geral A INDEX fornece mais do que máquinas, fornece soluções. E com este objetivo buscamos a melhoria contínua de nossos produtos e serviços, superando desafios e inovando a cada dia. Com quase

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS)

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) 18º Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) Autor(es) MARCO

Leia mais

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico PROCESSOS A CNC Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico 1 CFP SENAI VW OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico

Leia mais

VISITA TÉCNICA À EMPRESA DE COMANDO DE ELEVADORES INFOLEV Por Helena Cespedes, representando todos os colegas elaborou este Relatório.

VISITA TÉCNICA À EMPRESA DE COMANDO DE ELEVADORES INFOLEV Por Helena Cespedes, representando todos os colegas elaborou este Relatório. VISITA TÉCNICA À EMPRESA DE COMANDO DE ELEVADORES INFOLEV Por Helena Cespedes, representando todos os colegas elaborou este Relatório. 1 No dia 24 de outubro de 2013, a turma de Logística Matutino dos

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão SET 2014 A SET (Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão) é a principal associação de profissionais que trabalham com tecnologias e sistemas operacionais

Leia mais

Mais inteligência para reforçar sua frota

Mais inteligência para reforçar sua frota Mais inteligência para reforçar sua frota Com o SiteWatch, nossos clientes deixam as suposições de lado na hora de gerenciar a frota O CASE SiteWatch é um sistema de telemetria que captura informações

Leia mais

TÉCNICA DE PESAGEM DA NOVA GERAÇÃO

TÉCNICA DE PESAGEM DA NOVA GERAÇÃO matéria de capa TÉCNICA DE PESAGEM DA NOVA GERAÇÃO A Sartorius prepara-se para em breve apresentar o mais moderno portfólio de balanças de laboratório no Brasil Com três novas séries de modelos, a Sartorius

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

Muito mais rápido. Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Faça certo desde o início

Muito mais rápido. Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Faça certo desde o início Investimentos em máquinas Faça certo desde o início Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Muito mais rápido. 12 minutos podem reduzir 12 meses Se você estiver

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Procurando reduzir gastos com energia? Por que não aumentar a produtividade ao mesmo tempo? Reduzir os custos operacionais usando a energia com eficiência

Leia mais

Solução para Controle do Tráfego Urbano

Solução para Controle do Tráfego Urbano Solução para Controle do Tráfego Urbano A Digicon apresenta uma solução completa para o controle do tráfego urbano. São equipamentos e sistemas que garantem o total gerenciamento do trânsito, agilizando

Leia mais

SYSTIMAX Solutions. imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada.

SYSTIMAX Solutions. imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada. SYSTIMAX Solutions imvisiontm. Gestão de Infraestrutura. Simplificada. 1 Toda rede deve ser administrada. A questão é COMO? A visão: Conseguir o sucesso comercial a partir de uma melhor administração de

Leia mais

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC Operador de máquinas convencionais Materiais recebidos pelo operador da Máquina Convencional Exemplo de Máquina Convencional

Leia mais

Industrial. CVI3 Sistema de montagem avançado. More Than Productivity. Soluções integradas Controle avançado do processo Flexibilidade incomparável

Industrial. CVI3 Sistema de montagem avançado. More Than Productivity. Soluções integradas Controle avançado do processo Flexibilidade incomparável Industrial Tools 3 Sistema de montagem avançado Soluções integradas Controle avançado do processo Flexibilidade incomparável More Than Productivity Soluções totalmente integradas para aplicações delicadas

Leia mais

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho SOBRE A SOFTLOG A SoftLog Tecnologia é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para empresas e instituições de diversos modais de transporte. Dentre os diversos tipos de soluções

Leia mais

MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR

MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR Prof. Isaac N. L. Silva Professor do Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica - PUCRS CNC O que são Tipos e Aplicações Fabricantes O que são Controle Numérico

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. /jcarlos j.c.ferreira@ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Missão. Valores. Visão

Missão. Valores. Visão O U T E C N C A empresa A Tecnopampa Indústria de Máquinas Ltda é uma empresa Brasileira sediada em Santa Maria -S que atua na fabricação de máquinas CNC. Pesquisando e desenvolvendo tecnologias próprias

Leia mais

O INVESTIMENTO QUE RETORNA MULTIPLICADO PORTFÓLIO DE PRODUTOS

O INVESTIMENTO QUE RETORNA MULTIPLICADO PORTFÓLIO DE PRODUTOS O INVESTIMENTO QUE RETORNA MULTIPLICADO PORTFÓLIO DE PRODUTOS 2016 COMUNICAÇÃO 360 A melhor forma de se lançar um produto, promover ou reposicionar uma marca é utilizar todos os meios de comunicação disponíveis,

Leia mais

A EDIÇÃO PAULISTA DA ECONOFARMA ESTÁ DE VOLTA. -feira

A EDIÇÃO PAULISTA DA ECONOFARMA ESTÁ DE VOLTA. -feira A EDIÇÃO PAULISTA DA ECONOFARMA ESTÁ DE VOLTA -feira EM 2014, A ECONOFARMA RETORNA COM UM NOVO OLHAR SOBRE O VAREJO FARMACÊUTICO CENÁRIO ATUAL O varejo nacional projeta otimismo de crescimento para os

Leia mais

Apresentação Inspetor de Solda MIPS Sistemas Ltda.

Apresentação Inspetor de Solda MIPS Sistemas Ltda. Apresentação Inspetor de Solda MIPS Sistemas Ltda. Rua Ricardo Landmann, 385 Joinville SC - Brasil O Controle Digital da Geometria dos Cordões de Solda é a mais moderna e eficaz maneira de avaliar a qualidade

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Partidas para motores ultra-compactas SIRIUS 3RM1

Partidas para motores ultra-compactas SIRIUS 3RM1 Partidas para motores ultra-compactas SIRIUS 3RM1 Partidas para motores SIRIUS 3RM1 Multifuncionais e com apenas 22,5 mm de largura siemens.com/motorstarter/3rm1 Answers for industry. Acionamento de motores

Leia mais

CENTROS DE USINAGEM VERTICAL

CENTROS DE USINAGEM VERTICAL CENTROS DE USINAGEM VERTICAL Desenho construtivo das máquinas para oferecer Alta Rigidez, Alta Velocidade e Alta Precisão A estrutura da máquina é basicamente em ferro fundido MEEHANITE, estabilizado e

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Mais volume de negócios com clientes satisfeitos

Mais volume de negócios com clientes satisfeitos O DocuWare em vendas e distribuição Solution Info Mais volume de negócios com clientes satisfeitos Vendendo com sucesso em tempos difíceis: cada vez mais os clientes têm maiores expectativas quanto à velocidade

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Mais garra, mais força, mais Tiger.

Mais garra, mais força, mais Tiger. _ AS NOVAS CLASSES PARA TORNEAMENTO E FRESAMENTO Mais garra, mais força, mais Tiger. agora também para operações de torneamento: a nova geração ISO P _ PRATA, PRETO, MAIS FORTE : O referencial de excelência.

Leia mais

Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro

Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro O desenvolvimento de peças e componentes mecânicos através da metalurgia do pó vem sendo crescentemente utilizado. Destes materiais, o

Leia mais

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM Tarefas Envolvidas no Projeto de Operações de Usinagem: Planejamento do roteamento operações para fabricar uma peça ordem lógica Instruções suficientemente detalhadas para execução da usinagem? Projeto

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

Uma solução completa para programação CNC, totalmente em Português, presente no Brasil desde 2001, com soluções para tornos, centros de usinagem,

Uma solução completa para programação CNC, totalmente em Português, presente no Brasil desde 2001, com soluções para tornos, centros de usinagem, Uma solução completa para programação CNC, totalmente em Português, presente no Brasil desde 2001, com soluções para tornos, centros de usinagem, centros de torneamento e eletro-erosão a fio. Por que GibbsCAM?

Leia mais

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social Não há dúvidas de que as tecnologias sociais têm um impacto substancial no modo como as empresas funcionam atualmente.

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Microsoft Office System Estudo de caso da solução do cliente A espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Visão geral País ou região: Estados Unidos

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

[ significa: Made in the Heart of Europe pelo melhor preço. Torno Vertical VT 250 com automação integrada

[ significa: Made in the Heart of Europe pelo melhor preço. Torno Vertical VT 250 com automação integrada [ E[M]CONOMY] significa: Made in the Heart of Europe pelo melhor preço Torno Vertical VT 25 com automação integrada EMCO VERTICAL VT 25 O Torno Vertical EMCO VT 25, projetado para usinagens pesadas, é

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

ATecnopress, fundada em 1987, é hoje. equipamentos para automação de prensas, fornecendo soluções e prestando

ATecnopress, fundada em 1987, é hoje. equipamentos para automação de prensas, fornecendo soluções e prestando Mais Tecnologia para Maior Produtividade ATecnopress, fundada em 1987, é hoje a mais moderna indústria brasileira na fabr icação de equipamentos para automação de prensas, fornecendo soluções e prestando

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Perfeitamente integrados para um processo contínuo. cad integration

Perfeitamente integrados para um processo contínuo. cad integration Perfeitamente integrados para um processo contínuo cad integration hypermill no Autodesk Inventor A integração do hypermill no CAD Autodesk Inventor é uma solução confiável que permite você implementar

Leia mais

Tecnologia RFID Usos em Ortopédicos. Bárbara Lyons Diretora de Marketing Global da Precimed

Tecnologia RFID Usos em Ortopédicos. Bárbara Lyons Diretora de Marketing Global da Precimed Tecnologia RFID Usos em Ortopédicos Bárbara Lyons Diretora de Marketing Global da Precimed Imagine-se como um paciente enfrentando uma cirurgia. Você pode pensar, Qual foi a última vez que estes instrumentos

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

TOOLS NEWS. Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD B202Z. Broca intercambiável MVX

TOOLS NEWS. Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD B202Z. Broca intercambiável MVX TOOLS NEWS Atualiz. 2014.7 B202Z Broca intercambiável Novo quebra-cavaco US Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD Broca intercambiável 4 arestas

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

Características da Usinagem CNC

Características da Usinagem CNC Características da Usinagem CNC CN: comando numérico É o código propriamente dito! CNC: comando numérico computadorizado É o sistema de interpretação e controle de equipamentos que se utilizam de CN para

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

Injetoras Sopradoras. Máquinas para. plástico Romi

Injetoras Sopradoras. Máquinas para. plástico Romi Máquinas para plástico Romi Unidades fabris da ROMI em Santa Bárbara d Oeste - SP INOVAÇÃO + QUALIDADE ROMI: Desde 1930 produzindo tecnologia. Desde a sua fundação, a companhia é reconhecida pelo foco

Leia mais