Value Chain Analysis in a Cement Industry

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Value Chain Analysis in a Cement Industry"

Transcrição

1 Value Chain Analysis in a Cement Industry Marcelo Rodrigues dos Santos - UFMG MG/BR Antonio José Balloni - CenPRA/MCT Campinas SP/BR Paulo Tarso Vilela Resende Fundação Dom Cabral MG/BR Abstract The supply chain management allied, both, to the optimization of the organizational business processes and to a strategical vision of the information systems and technologies utilization, is considered essential for organizations acquire competitive strategic advantage. On the other hand, the use of the System and Information Technologies directly affects the internal and external management of a supply chain. Considering the internal aspect of a supply chain, we find out that the integration propitiated by a suitable management of the information flows, amongst the diverse activities of value, has great influence on the value generation for the customers. Taking this consideration, in this work we present the results of a research carried out in a cement industry. Through an analysis of its internal logistic model, its chain of value and the application of information systems as factor of higher efficiency and optimization of the information and materials flows has been observed an adequacy of the internal logistic model (analysis of the value chain), as well as the alignment of the use of systems and information technologies towards the strategical necessities of the organization. Key-words: supply chain management, value chain analysis, information systems and technologies, competitive advantage and logistic model Análise da Cadeia de Valor em uma Indústria de Cimento Resumo A gestão da cadeia de suprimentos aliada à otimização dos processos de negócios organizacionais e uma visão estratégica da utilização de sistemas e tecnologias de informação é considerada essencial para as organizações adquirirem vantagem estratégica competitiva. Por outro lado a utilização dos sistemas e tecnologias de informação afeta diretamente a gestão interna e externa de uma cadeia de suprimentos. Considerando o aspecto interno da cadeia de suprimento, encontramos que a integração propiciada pelo gerenciamento adequado dos fluxos de informação, dentre as diversas atividades de valor, possui grande influência sobre a geração de valor para os clientes. Isto posto, este trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa em uma indústria de cimentos, objetivando-se a análise do modelo logístico interno, da cadeia de valor e a aplicação de sistemas de informações como fator de maior eficiência e otimização dos fluxos de informações e de materiais. Na avaliação geral constatou-se a adequação do modelo logístico interno através da análise da cadeia de valor, assim como o alinhamento da utilização de sistemas e tecnologias de informação reforçando as necessidades estratégicas da organização. Palavras chaves: cadeia de suprimentos, análise da cadeia de valor, sistemas e tecnologias de informação, vantagem competitiva e modelo logístico.

2 I. Introdução No clima de competitividade atual, poucas dúvidas restam sobre a importância da informação e tecnologia da informação para o sucesso, e mesmo para a sobrevivência, de qualquer iniciativa de gestão da cadeia de suprimentos. Os sistemas e as tecnologias de informação são elementos que possibilitam uma visão coordenada e unificada na cadeia de suprimentos. De acordo com (BOWERSOX, 2001: 176), a informação correta e no tempo apropriado, atualmente, são cruciais para a eficácia de projetos de sistemas logísticos. Também não se podem negar os ganhos que as iniciativas de gestão da cadeia de suprimentos trazem para as empresas em termos de satisfação dos clientes: redução de custos, maior efetividade das operações e redução do tempo de entrega de bens e serviços, atualmente vistos como uma grande vantagem competitiva. Nesse sentido, a Logística desempenha hoje um papel fundamental, interna e externamente às empresas, indo muito além do antigo conceito de armazenagem e de transporte, para adquirir cunho estratégico, consolidando-se como fator decisivo para agilidade, eficiência e redução de custos. Por essa razão, de acordo com (BALLONI,2006: 25), a adoção de sistemas e tecnologias de informação, aliada à otimização dos processos organizacionais, e a adoção de um efetivo gerenciamento, voltado para a cadeia de suprimentos, vêm sendo consideradas vantagens essenciais para as organizações que buscam responder ativamente às mudanças do mercado. Finalmente, o conceito de cadeia de suprimentos abrange tanto o contexto externo como o interno da organização, sendo ambos diretamente afetados pela utilização de sistemas e tecnologias de informação. A integração efetiva pode ser facilitada internamente com a utilização de softwares de Enterprise Resource Planning ERP e expandida para os demais membros, através da utilização de tecnologias de colaboração como portais, Electronic Data Interchange EDI -, EDI via internet WebEDI, Service oriented Architecture SOA e outros recursos tecnológicos disponíveis no mercado, formando os chamados Sistemas de Informações Interorganizacionais - IOIS. Ao considerar-se o aspecto interno da cadeia de suprimento, pode-se dizer que a integração propiciada pelo gerenciamento adequado dos fluxos de informação, dentre as diversas atividades de valor, exerce grande influência sobre os resultados das organizações e, conseqüentemente, sobre a geração de valor para seus clientes. Além disso, vale destacar o crescente uso pelas empresas de sistemas analíticos aplicados a gestão da cadeia de suprimentos (Network Design, APS, otimizadores, WMS, TMS, roteirizadores). II. Objetivos do Estudo O estudo visa entender o modelo logístico utilizado internamente pela empresa e, através da avaliação da cadeia de valor propiciar uma compreensão ampliada sobre a agregação de valor para os clientes, destacando as atividades estrategicamente importantes para a organização. Buscou-se também, mostrar o alinhamento existente entre a aplicação de sistemas e tecnologias de informação e as atividades estrategicamente importantes para a organização.

3 É realizado um estudo descritivo, de natureza quantitativa e qualitativa, em uma empresa do setor de cimentos, baseado em entrevistas e pesquisas com seus colaboradores. Para que os objetivos específicos pudessem ser expandidos e representativos do setor de Cimentos e, provavelmente, de outros setores da economia, formulou-se a hipótese de que o modelo logístico interno e os sistemas e tecnologias de informação utilizados pelas empresas apóiam suas operações a ponto de gerar vantagens competitivas. III. Referencial Teórico De acordo com (LAMBERT, 1998: 5) a logística é definida como o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo e armazenamento eficiente e econômico de matérias primas, materiais semi-acabados e produtos acabados, bem como as informações a eles relativas, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender às exigências dos clientes. Para (CHRISTOPHER, 1997: 2), a logística é o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, movimentação e armazenagem de materiais, peças e produtos acabados (e os fluxos de informações correlatas) através da organização e seus canais de marketing, de modo a poder maximizar as lucratividades presente e futura através do atendimento dos pedidos a baixo custo. Para Council of Supply Chain apud (BALLONI, 2006: 170), a logística é definida como sendo as atividades associadas ao fluxo de chegada, fluxo de saída de material e de armazenagem de produtos, serviços e informações entre o ponto de origem e o ponto de consumo. Para possibilitar a avaliação da atividade logística de uma organização, (BALLOU, 1999:122) enumera as principais atividades envolvidas nesse processo: serviços ao cliente, previsão de vendas, comunicação de distribuição, controle de estoque, manuseio de materiais, processamento de pedidos, peças de reposição e serviços de suporte, seleção do local da planta e armazenagem, compras, embalagem, manuseio de mercadorias devolvidas, recuperação e descarte de sucata, tráfego e transporte, armazenagem e estocagem. Assim, por meio dessas atividades, cabe à logística coordenar os fluxos de informações e materiais entre as entidades da cadeia de suprimento, como tarefa gerencial orientada para o processo. Nesses termos, a palavra chave é integração, e é de responsabilidade da logística derrubar os muros, avançando para o conceito de gerenciamento da cadeia de suprimento. Buscando-se o entendimento do papel da logística nas organizações, deve-se atentar para o conceito de Cadeia de Valor introduzido por (PORTER, 1989: 31). Segundo ele, toda empresa é uma reunião de atividades que são executadas para projetar, produzir, comercializar, entregar e sustentar seu produto. Ao dividir-se a empresa em atividades, torna-se possível uma análise criteriosa sobre aquelas consideradas estratégicas, de forma a compreender o comportamento dos custos e as fontes potenciais de diferenciação existentes. As atividades de empresas, dentro da mesma indústria, podem diferenciar-se substancialmente, refletindo suas histórias, dificuldades, erros e acertos, e sucesso na implementação de estratégias. Nessa diferenciação, podem residir vantagens competitivas. O instrumento básico para diagnosticar essas vantagens competitivas e encontrar maneiras de intensificá-la, é a cadeia de valores. Ela divide uma empresa em atividades distintas, que são executadas em projeto, produção, marketing e distribuição de seu produto. Entende-se por vantagem competitiva, segundo

4 (TAVARES, 2000: 327), "quando a organização consegue criar um valor superior para seus consumidores em relação a seus concorrentes. A cadeia de valores é composta de nove categorias genéricas de atividades, reunidas de forma característica, ver figura 1. Essas categorias genéricas são usadas para demonstrar de que modo uma cadeia de valores pode ser construída para uma empresa particular, refletindo as atividades específicas que ela executa. Segundo (PORTER, 1989: 45), a empresa deve utilizar a nomenclatura que melhor defina sua estrutura de atividades, buscando rótulos que proporcionem maior clareza e discernimento possível com relação ao negócio. Valor é o montante que os compradores estão dispostos a pagar por aquilo que uma empresa lhes fornece e é medido pela receita total, em decorrência do preço de um produto e a quantidade total produzida. Figura 1 A cadeia de valor genérica Fonte: (PORTER, 1989) A importância das atividades de valor difere dependendo da empresa e da indústria. Cada empresa, estudando suas atividades e o que é valor para os compradores, conseguirá identificar, em sua cadeia, as atividades com maior potencial para obtenção de vantagens competitivas. As atividades de valor funcionam de forma integrada, todas colaborando com a geração de valor para o comprador. Em conseqüência disso, existem elos entre as atividades. Esses elos podem ser internos, ou seja, dentro da cadeia de valores da empresa, ou verticais, transcendendo os limites da organização, envolvendo fornecedores, compradores e até mesmo concorrentes. Em uma visão mais ampla, é muito importante saber onde a empresa se encaixa na cadeia de valor dos compradores e qual o peso atribuído pelo comprador ao seu produto, ver figura 2.

5 Figura 2 A cadeia de valor externa ou sistema de valor Fonte: (CUNHA, 2002) Considerando o papel da logística na cadeia de valores, conforme (CHRISTOPHER, 1997: 9), a vantagem competitiva advém da forma como as empresas desempenham suas atividades primárias na cadeia de valor. E dentro dessas atividades está a logística, que se torna um facilitador na integração das estratégias globais desenvolvidas pelas empresas. Ao integrá-las, a logística cria vantagem competitiva por meio da racionalização de recursos necessários para a realização das tarefas. A tecnologia da informação é particularmente importante nesse contexto, uma vez que a informação tem um papel penetrante na cadeia de valores das empresas. Os fluxos de informação podem ser otimizados de forma a possibilitar que a empresa melhore suas atividades, o que pode causar profundo impacto sobre a concorrência e sobre a obtenção de vantagens competitivas. De acordo com (PORTER, 1989: 46), em geral, a exploração dos elos exige informações ou fluxos de informações que permitam a ocorrência da otimização ou da coordenação. Assim, sistemas de informação são normalmente vitais para a obtenção de vantagens competitivas a partir dos elos. Ainda, segundo (PORTER, 1989: 46) recentes desenvolvimentos na tecnologia de sistemas de informação estão criando novos elos e aumentando a habilidade para a obtenção de elos antigos. A evolução da tecnologia de informação, particularmente o microcomputador, permitiu à logística uma administração mais eficiente e eficaz. A empresa pode tornar-se muito mais eficiente em termos de custos em função da velocidade e da precisão do computador, além de poder utilizar técnicas sofisticadas para controlar atividades como programação da produção, controle de estoques, processamento de pedidos e outros. De acordo com (FLEURY, 2000: 42) o avanço da informática, combinado com a revolução nas telecomunicações, criou as condições ideais para implementar processos eficientes de

6 coordenação. A Gestão da Cadeia de Suprimentos é exatamente esse esforço de coordenação nos canais de distribuição, por meio da integração de processos de negócios que interligam seus diversos participantes, ver figura 3. (CHOPRA, 2003: 345), afirma que os sistemas de tecnologia de informação são importantes em todo estágio da cadeia de suprimentos, pois permitem que as empresas reúnam e analisem as informações. Neste contexto se inserem os sistemas de planejamento de recursos empresariais (ERP) e aplicativos analíticos utilizados para a coordenação na cadeia de suprimentos. Segundo (BOWERSOX, 2006: 21), a gestão da cadeia de suprimentos compreende empresas que colaboram para alavancar posicionamento estratégico e para melhorar a eficiência das operações. Sendo assim, é a integração bem sucedida de todas as atividades relativas à movimentação de mercadorias, desde o estágio de matéria-prima até o usuário final, e a correta utilização da informação, principalmente considerando-se que empresas diferentes possuem também culturas diferenciadas quanto ao seu uso, que estabelece vantagens competitivas sustentáveis. Figura 3 - Supply Chain Management Fonte: (TURBAN, 2000) Pode-se dizer que o gerenciamento da cadeia de suprimentos requer uma otimização do fluxo de informações e o sistema de informação é um mecanismo pelo qual os fluxos complexos de materiais, peças, subconjuntos e produtos acabados podem ser coordenados para a obtenção de um serviço a baixo custo.

7 IV. Caracterização e Metodologia de Análise A pesquisa foi conduzida a partir do modelo de estudo de caso simples, apresentado por (YIN, 1984). As etapas desse modelo estão representadas na Figura 4, a seguir. Figura 4 - Estratégia de Condução de Pesquisa Fonte: (YIN, 1984) Por analogia ao modelo apresentado na figura 4,, desenvolveu-se o esquema abaixo, como orientação deste trabalho (Figura 5). Figura 5 - Esquema de Orientação do Estudo de Caso Indústria Cimenteira Figura 5 Estratégia para o estudo de caso Fonte: Criado pelos autores A empresa estudada representa o mercado de cimento e possui uma unidade produtiva e 12 Centros de distribuição localizados na região sudeste no Brasil. A empresa possui 800 funcionários e tem na área logística um dos seus principais desafios estratégicos, devido ao tipo de produto produzido. Os recursos metodológicos empregados na pesquisa compuseram-se da delimitação do caso, via levantamento documental e, posteriormente, da coleta de dados. Para a delimitação do estudo de caso, utilizaram-se entrevistas não estruturadas. Entre os instrumentos de pesquisa empregados na coleta de dados, fez-se uso de questionários estruturados, entrevistas e consulta a pesquisas já realizadas com clientes da empresa, que serão comentados em seguida. Além das obras consultadas, também foram utilizados dois relatórios gerenciais fornecidos pela empresa. No primeiro - relatório gerencial denominado Perfil do Mercado de Cimento foram entrevistados vários clientes, considerando-se os tipos de clientes atendidos pela

8 empresa. O segundo constitui-se de uma pesquisa de satisfação de clientes, promovida e executada junto aos clientes da empresa pela área de marketing. Como estratégia da coleta de dados, foi aplicado primeiramente um questionário sobre avaliação estratégica para os membros do conselho e alta gerência e, somente após a tabulação dos dados e a análise dos resultados, foram elaborados os demais questionários. Esse questionário foi elaborado com base nas atividades genéricas da cadeia de valor de (PORTER, 1989): 35) e focava principalmente a identificação pela alta direção das atividades consideradas estrategicamente importantes para a organização. Com isso foi possível direcionar as perguntas dos demais questionários diretamente às questões existentes e latentes na organização. Para avaliação do modelo logístico da empresa, foram realizadas entrevistas com pessoas que ocupam cargos estratégicos nesse campo de atividades da empresa, a saber: membros da diretoria, coordenador de transportes, gerente de produção, gerente de suprimento, coordenador de almoxarifado e gerentes regionais de vendas, através de questionários previamente estabelecidos e enviados aos entrevistados. Os questionários foram elaborados a partir de uma adaptação da metodologia proposta por (BOWERSOX, 2001: 438), em que o autor sugere uma lista de perguntas para facilitar o levantamento da situação logística existente em uma empresa e através do modelo de atividades logísticas, apresentado por (BALLOU, 1999: 42). Para avaliação dos sistemas de informação utilizados, foi criado um questionário simplificado, baseado em uma adaptação dos critérios apresentados por (CLOSS, 1997:10) para avaliação de sistemas logísticos, que foi enviado a todos os usuários de sistemas da organização. Os critérios avaliados nos questionário são: a) acessibilidade do sistema; b) adequação das informações; c) adequação e formato; d) compartilhamento de dados com outras áreas; e) confiabilidade e Exatidão das informações geradas; f) disponibilidade do sistema; g) facilidade de uso do sistema; h) flexibilidade do sistema; i) performance. A cadeia de valor assim como várias considerações e análises sobre as diversas atividades da empresa foram elaboradas a partir das informações obtidas nas entrevistas, da análise dos resultados da pesquisa de avaliação logística, da verificação da cadeia de valor genérica de proposta por (PORTER, 1989: 35) e dos relatórios gerenciais fornecidos pela empresa. A amostragem geral de participação na pesquisa sobre a adequação dos sistemas de informação, com concordância da empresa em estudo, foi expandida para as demais áreas da organização, além das áreas envolvidas diretamente no processo logístico, ver tabela 1.

9 AMOSTRAGEM DE FUNCIONÁRIOS E ESTAGIÁRIOS Código Área Questionários enviados Questionários respondidos % A1 Aquisição % A2 Comercial % A3 Financeiro % A4 Infraestrutura e Administrativo % A5 Logística de Entrada % A6 Logística de Saída % A7 Operações % A8 Recursos Humanos % Totais % Tabela 1 : Amostragem de Funcionários e Estagiários Avaliação do SI Todos os membros do conselho de administração, diretores e gerentes e coordenadores da empresa receberam e responderam os questionários, assim como participaram efetivamente das entrevistas propostas. A figura 6 apresenta a contribuição questionário respondidos e enviados. Figura 6 - Percentual de Questionários Respondidos versus Questionários enviados Funcionários e Estagiários O tipo de escala utilizado foi o de intensidade, em que as perguntas do questionário são organizadas de acordo com o grau de valorização de um continuum de atitudes. Primeiramente, os dados foram codificados, ou seja, organizados em classes e categorias, às quais foi atribuído um símbolo. Após a coleta dos dados, através do questionário, os mesmos foram identificados. Depois da codificação, a partir das medidas e escalas já estipuladas

10 anteriormente, os dados foram tabulados. Essa tabulação foi realizada com auxílio de planilhas eletrônicas e recursos de banco de dados, levando em consideração a distribuição de freqüências da escala de cada atributo. Para a demonstração e a interpretação dos dados, a medida de posição, ou de tendência central utilizada, foi a moda, que é o valor mais frequente da distribuição. V. Mercado de Cimento O atual índice de concentração da indústria cimenteira nacional, apesar de alto, não está distante da média mundial, uma vez que o setor apresenta características típicas de um oligopólio natural em que um número restrito de concorrentes oferece o mesmo produto homogêneo, conforme Simonsen apud (GARCIA, 1997). Nesse contexto, de acordo com a teoria econômica, o preço do cimento em um determinado mercado deve ser único, o que justifica a baixa flutuação dos preços do produto de diferentes produtores e de diferentes estados em uma determinada região. Isso contraria, de certa forma, o argumento de que a maneira uniforme com a qual os aumentos ou as quedas do preço de cimento ocorrem, seja um forte indício de formação de cartel na indústria de cimento. Como esse produto é bastante homogêneo, a concorrência deve igualar os preços e as condições de pagamento, em uma mesma região. De acordo com (GARCIA, 1997), a relevância do custo do frete faz com que praticamente não haja participação do cimento no comércio internacional. Para buscar uma internacionalização maior, a estratégia das grandes empresas consiste em instalar ou comprar fábricas em diversos países, participando dos diversos mercados com produção local. A proximidade ao centro consumidor constitui uma importante fonte de poder de mercado, dada a relevância do custo de transporte no preço final do cimento. O mercado natural, estimado pelos especialistas no setor, é o situado a uma distância máxima de 300 km da fábrica ou cerca de 500 km em áreas de menor densidade populacional, como nas regiões norte e nordeste. A essa distância o custo de transporte representa de 10% a 20% do preço do produto. Como a indústria do cimento é a base do complexo da construção civil, então torna-se relevante o estudo das articulações da construção civil com os seus segmentos a jusante (downstream). Sendo assim, este estudo de caso, quando se referir à cadeia de suprimento, tem foco exclusivo a jusante da cadeia de suprimentos da cimenteira. VI. Obtenção e Análise de Resultados VI.1. Avaliação da atividade logística A análise dos resultados iniciou-se pela avaliação das atividades estrategicamente importantes para a alta direção da empresa em estudo, ver tabela 2.

11 Atualmente, quais são as atividades estrategicamente importantes para a empresa? Itens da Pergunta Nenhuma Pouca Muita Acentuada Não tenho como avaliar C1 Aquisição de materiais, serviços, matérias-primas e insumos básicos C2 Gestão de Pessoas C3 Gestão de Tecnologia (produção e informática) C4 Infraestrutura Administrativo/Financeiro C5 C6 Logística de entrada (recebimento, transporte e estocagem de matérias-primas) Logística de saída (distribuição de produtos para clientes e depósitos da empresa) C7 Marketing C8 Processo de fabricação, qualidade do produto e manutenção industrial C9 Serviços e Assistência técnica C10 Vendas Tabela 2 - Atividades Estrategicamente Importantes para alta direção da Empresa A figura 7 apresenta a frequência das resposta da alta direção em relação as atividades consideradas estrategicamente importantes para a empresa (ver tabela 2). Figura 7 Distribuição de Freqüência das Respostas da Alta Direção em Relação às Atividades Consideradas Estrategicamente Importantes para a Empresa. A logística de saída é considerada por 91% dos participantes como atividade de muita ou acentuada importância para a empresa. Quanto aos serviços e assistência técnica, apesar de os participantes avaliarem que a empresa está um pouco pior que a concorrência, conforme pode ser observado nas entrevistas, 63% dos participantes têm consciência de sua importância e a consideram uma atividade estratégica.

12 Entendendo-se que a empresa é integrada para trás, as atividades que apóiam a jusante da cadeia de suprimentos (downstream) recebem maior ênfase estratégica, pois a empresa produz para consumo próprio suas principais matérias-primas: o calcário e a argila. Apesar disso, devido ao volume de compras de insumos como coque e escória de alto forno e à importância do suporte à manutenção industrial, as atividades logísticas de entrada e aquisição também se apresentam como importantes, apesar da maior ênfase existente na logística de saída. Verificou-se, durante todo o processo de entrevistas e a coleta de dados, efetuados na empresa, que, de uma forma geral, o modelo logístico utilizado é adequado e atende plenamente às necessidades operacionais e aos objetivos estratégicos da organização. Para avaliação utilizouse o sistema proposto por (BALLOU, 1999:122), onde foram consideradas as atividades principais de um planejamento logístico: os objetivos de serviços aos clientes, a estratégia de estoques, a estratégia de transportes e a estratégia de localização. Percebeu-se também o importante papel da informação no planejamento logístico, assim como sua participação fundamental no processo de integração e uniformização dos processos empresariais. Sobre a utilização de sistemas e tecnologias de informação, tabela 3, conclui-se que as áreas logísticas estão de uma forma geral bem atendidas, principalmente focando as transações que dão suporte aos processos logísticos. No entanto existe a necessidade de maior adequação das informações em termos de formato e padronização para o atendimento das exigências informacionais das áreas. C1 C2 C3 C4 C5 C6 C7 C8 C9 Avalie o sistema informatizado utilizado pela sua área de acordo com os itens abaixo: Itens da Pergunta Ruim Regular Bom Ótimo Acessibilidade do sistema. (O sistema é fácil de ser acessado) Adequação das informações. (As informações geradas pelo sistema atendem as necessidades do meu departamento) Adequação e formato. (As consultas e relatórios são adequados as necessidades do meu departamento e facilitam o desenvolvimento do meu trabalho) Compartilhamento de dados com outras áreas. (O sistema garante a integração das várias áreas que participam do processo e propicia melhor controle sobre fluxos de informação e documentos) Confiabilidade e Exatidão das informações geradas. (As informações que o sistema disponibiliza são corretas e confiáveis) Disponibilidade do sistema. (O sistema está sempre funcionando nos momentos que preciso) Facilidade de uso do sistema. (O sistema é fácil de utilizar e me propicia bom entendimento da seqüência de atividades e comandos que devem ser executados) Flexibilidade do sistema. (Facilidade de adaptação do sistema a processos e novas necessidades) Performance. (A informação disponibilizada pelo sistema é liberada em tempo hábil) Não uso Sistema Tabela 3 Avaliação dos sistemas de informação disponibilizados pela empresa

13 Pela avaliação da figura 8, conclui-se que, em todos os quesitos verificados, os sistemas de informação da empresa recebem uma avaliação muito alta. A análise das questões envolvendo acessibilidade, adequação das informações, formato, integração, confiabilidade e exatidão, disponibilidade, facilidade de uso, flexibilidade e performance revelam que a empresa caminha para um amadurecimento na utilização de sistemas de informação. 100% Contribuições 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% C1 C2 C3 C4 C5 C6 C7 C8 C9 Não uso Sistema Ótimo Bom Regular Ruim Itens da Pergunta Figura 8 Distribuição de Freqüência das Respostas dos Colaboradores com Relação aos Sistemas de Informação Disponibilizados pela Empresa. VI.2. Avaliação da Cadeia de Valor A partir das informações obtidas nas entrevistas, da verificação da metodologia proposta por (PORTER, 1989: 31) e dos relatórios gerenciais existentes na empresa, estabeleceu-se uma linha de raciocínio para o desenho da cadeia de valor da empresa. Buscou-se na elaboração desse modelo a utilização de uma visão voltada para processos, configurando-se o funcionamento completo de seus principais processos, de seu início ao fim, e analisando as atividades, mesmo aquelas que normalmente se apresentam entre áreas, objetivando romper com as barreiras funcionais, ver figura 9. Classificada como a competência central da empresa, a atividade de produção realiza a transformação principal das matérias-primas nos produtos que a organização fornece aos clientes. Fazem parte do processo produtivo a extração e a seleção das principais matériasprimas, sua moagem, mistura, a secagem, a homogeneização, a obtenção do clinquer, a dosagem com materiais aditivados (gesso, argila e escória), nova moagem e o ensacamento do produto final. Estão associadas a essas atividades o planejamento de produção, o gerenciamento e o monitoramento do processo - que é feito através de recursos avançados de automação, a gestão técnica dos contratos de terceirização, a gestão de impactos ambientais, o controle de qualidade, os projetos de expansão da planta e o gerenciamento da manutenção industrial.

14 As atividades de logística de entrada e aquisição são importantes para a empresa devido principalmente às compras e os contratos de insumos básicos, como coque, sacaria, escória de alto forno e gesso, o agenciamento de transportadores, o recebimento físico e fiscal dos materiais, a conferência, a armazenagem e o manuseio, além do gerenciamento dos estoques de todos os materiais comprados (que dão suporte para a atividade de manutenção elétrica e mecânica dos equipamentos fabris). A atividade de logística de saída concentra todos os esforços para processamento dos pedidos, planejamento das entregas e coleta de materiais, seleção de modais, agenciamento de transportadores, expedição, gerenciamento e execução das entregas propriamente ditas e gestão técnica dos contratos de terceirização. As atividades de marketing, vendas e serviços incluem o estudo de demanda, o planejamento de vendas, o estabelecimento de metas de vendas, a colocação de pedidos de venda, a prospecção de clientes, o gerenciamento do relacionamento com os clientes, divulgação e promoção da marca e do produto. Note que o processo de previsão de demanda é de fundamental importância para estabilidade dos processos logísticos, influenciando toda a logística interna e externa da empresa. Sobre a gestão de tecnologia, além da tecnologia da informação em si, encontram-se também envolvidas as outras tecnologias utilizadas na organização, como tecnologia de manutenção, tecnologia de fabricação, tecnologia de transportes etc. Por último, a atividade de gestão de recursos humanos reúne os esforços para o recrutamento, a seleção e a retenção de talentos para as várias áreas, assim como desempenha importante papel com relação à elaboração do plano de treinamento e à capacitação dos colaboradores da empresa. A atividade de infra-estrutura administrativa e financeira desempenha papel importante de suporte para as operações da empresa como um todo: cobrança de títulos, pagamentos a fornecedores, cálculo da folha de pagamento, secretaria, assessoria jurídica, vigilância patrimonial, medicina e segurança do trabalho, controle de patrimônio, elaboração de demonstrativos financeiros, contabilização de transações e gerenciamento de orçamento e custo e várias outras atividades de apoio. Portanto, cada uma dessas atividades analisadas, individualmente, tem sua contribuição na geração de valor para os clientes. Algumas são mais visíveis, como é o caso das atividades de operações e logística de saída; e outras apenas suportam os processos principais que diretamente são percebidos pelos clientes, como é o caso da área administrativa. Para a criação da cadeia de valor, entretanto, faz-se necessário verificar quais são os valores percebidos pelos clientes da empresa em relação aos produtos e serviços oferecidos. Essa percepção auxiliará na compreensão das atividades de maior relevância estratégica para a organização. Através da pesquisa com os clientes, obtida através de relatório gerencial fornecido pela organização, verificou-se os seguintes itens como sendo de maior relevância para os clientes de cimento: a) pontualidade e rapidez na entrega;

Value Chain Analysis in a Cement Industry

Value Chain Analysis in a Cement Industry Value Chain Analysis in a Cement Industry Marcelo Rodrigues dos Santos - UFMG MG/BR marrsantos@terra.com.br Antonio José Balloni - CenPRA/MCT Campinas SP/BR antonio.balloni@cenpra.gov.br Paulo Tarso Vilela

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação (X) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista.

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Romão del Cura Lopéz (OPET) romao_dcl@ig.com.br Rodrigo Perez Guerra (OPET) rodrigoguerra@softall.com.br Mari Regina Anastácio (PUCPR)

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Sistemas de Informação: tipos e características

Sistemas de Informação: tipos e características Sistemas de Informação: tipos e características Tipos de sistemas de informação. Os quatro tipos principais de sistemas de informação. Sistemas do ponto de vista de pessoal Sistemas de processamento de

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Nível

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho Sistemas de Produção Administração de Compras José Roberto de Barros Filho Compras e o Planejamento e Controle da Produção Planejamento da Produção nos 3 níveis Planejamento Estratégico da Produção Departamento

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas.

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas. 6 Conclusão Este capítulo tem como objetivo a apresentação dos resultados diretos e indiretos deste trabalho. São apresentadas sugestões para futuras pesquisas sobre o tema aqui abordado. 6.1. Resultados

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

A Excelência no Supply Chain Management Como Vantagem Competitiva no Mercado Nacional de Flores

A Excelência no Supply Chain Management Como Vantagem Competitiva no Mercado Nacional de Flores A Excelência no Supply Chain Management Como Vantagem Competitiva no Mercado Nacional de Flores Ana Cristina de Oliveira Souza Assunto: Introdução e Conclusão Patrícia Francisca de Souza Assunto: Conceito,

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Análise da cadeia de suprimentos de uma indústria de bens de capital

Análise da cadeia de suprimentos de uma indústria de bens de capital VIII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 9 e 10 de outubro de 2013 Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade ISSN: 2175-1897 Análise da cadeia de suprimentos

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso SUPERIOR DE TECNOLOGIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ECONOMIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ECONOMIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ECONOMIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE ENSINO Disciplina: FUNDAMENTOS DE LOGÍSTICA. Carga Horária:

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE LUBRIFICANTES EM MANAUS

GESTÃO DE ESTOQUE: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE LUBRIFICANTES EM MANAUS GESTÃO DE ESTOQUE: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE LUBRIFICANTES EM MANAUS PATRICIA AZEVEDO IZEL (UFAM ) patricia_izel@yahoo.com.br Ananda Utta Ramos Galvao (UFAM ) ananda_galvao@hotmail.com Sandro

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS 46 LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS Leandro Soares Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil Professor

Leia mais

4 Sistema de Informações

4 Sistema de Informações 4 Sistema de Informações 4.1 O conceito de informação O desenvolvimento das operações logísticas de uma determinada empresa ou organização está visceralmente ligado ao fluxo e intercâmbio de informações

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

2. Referencial teórico

2. Referencial teórico 2. Referencial teórico O referencial teórico consiste em uma revisão bibliográfica de forma a apresentar o embasamento necessário para compreensão do tema e seus elementos relacionados. São apresentados

Leia mais

Case Baterias Moura. Liderança em Baterias. Previsão da demanda. Programação de produção. Insumos. MRP - Moura. Produtos em Processo.

Case Baterias Moura. Liderança em Baterias. Previsão da demanda. Programação de produção. Insumos. MRP - Moura. Produtos em Processo. Case Baterias Moura Liderança em Baterias Centro de Distribuição Planta de Reciclagem Planta de Baterias Porto Rico - USA Buenos Aires - Argentina Previsão da demanda Programação de produção VENDA DOS

Leia mais

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica 1 Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica Alexandre Valentim 1 Dário Pinto Júnior 2 Fausto Kunioshi 2 Heloisa Nogueira 1 alexandrevalentim@uol.com.br dariompj@yahoo.com.br fausto.kunioshi@csn.com.br

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura Daniel Reis Armond de Melo armond@ufam.edu.br Universidade Federal do Amazonas Universidade

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES COMO EVOLUÇÃO À CADEIA DE ABASTECIMENTO. UM ESTUDO APLICADO A UMA GRANDE INDUSTRIA ALIMENTÍCIA NO ESTADO DO CEARÁ

PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES COMO EVOLUÇÃO À CADEIA DE ABASTECIMENTO. UM ESTUDO APLICADO A UMA GRANDE INDUSTRIA ALIMENTÍCIA NO ESTADO DO CEARÁ PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES COMO EVOLUÇÃO À CADEIA DE ABASTECIMENTO. UM ESTUDO APLICADO A UMA GRANDE INDUSTRIA ALIMENTÍCIA NO ESTADO DO CEARÁ Harlenn dos Santos Lopes (UFPA ) harlenn@ufpa.br Francisco

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais.

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. Elaine Raquel Fernandes carlosadm@bol.com.br SENAC Flávia Cristina Pereira

Leia mais

GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA

GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA FASA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS GESTÃO DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA INTEGRADA Lorena Palma Araújo RA nº. 20350584

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem Nádia Veríssimo (EESC-USP) nadiaverissimo@hotmail.com Prof. Dr. Marcel Andreotti Musetti (EESC-USP) musetti@prod.eesc.sc.usp.br Resumo Este trabalho

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADA NA LOGÍSTICA INTERNA DE UMA INDÚSTRIA DE PRODUTOS QUÍMICOS COMO FORMA DE OBTENÇÃO DE VANTAGEM

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADA NA LOGÍSTICA INTERNA DE UMA INDÚSTRIA DE PRODUTOS QUÍMICOS COMO FORMA DE OBTENÇÃO DE VANTAGEM ISSN 1984-9354 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADA NA LOGÍSTICA INTERNA DE UMA INDÚSTRIA DE PRODUTOS QUÍMICOS COMO FORMA DE OBTENÇÃO DE VANTAGEM Darciane Alves Justino (Fac. Redentor) Eduardo Barbosa Bernardes

Leia mais

Funções, Atividades e Responsabilidades da Administração de Compras: Comparação entre Empresas Catarinenses e Norte-Americanas.

Funções, Atividades e Responsabilidades da Administração de Compras: Comparação entre Empresas Catarinenses e Norte-Americanas. Funções, Atividades e Responsabilidades da Administração de Compras: Comparação entre Empresas Catarinenses e Norte-Americanas. Autoria: Rogério Pereira, Gérson Tontini, Amélia Silveira RESUMO: A atividade

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais