Rio de Janeiro, 5 de Setembro de 2004.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rio de Janeiro, 5 de Setembro de 2004."

Transcrição

1 FACULDADES IBMEC PROGRAMA DE PÓS--GRADUAÇÃO E PESQUI ISA EM ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA PROJETO DE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM ADMINISTRAÇÃO AS TRANSFORMAÇÕES QUE A INTERNET INSERIU NA PRÁTICA DO EDI COMERCIAL Mauro Mamede Neves de Sá Orientador: Prof. Drª. Simone Bacellar Leal Ferreira Rio de Janeiro, 5 de Setembro de 2004.

2 FACULDADES IBMEC PROGRAMA DE PÓS--GRADUAÇÃO E PESQUI ISA EM ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA AS TRANSFORMAÇÕES QUE A INTERNET INSERIU NA PRÁTICA DO EDI COMERCIAL Mauro Mamede Neves de Sá Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração e Economia das Faculdades IBMEC Como requisito parcial para a obtenção do Grau de Mestre em Administração de Empresas Rio de Janeiro, 2004.

3 Dedicatória Para o meu filho Filipe e para minha esposa Adriana pela força e alegria que trazem a minha vida

4 ii AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar quero agradecer a minha esposa e meu filho que me apoiaram na decisão de fazer o mestrado e me ajudaram nessa difícil jornada, tendo paciência nos momentos difíceis e permitindo que eu estivesse distante e concentrado durante todas as longas horas de estudo necessárias. Aos meus pais, que sempre acompanharam minha jornada acadêmica, me apoiando e ensinando o quão importante é o estudo na formação do indíviduo, e que hoje podem se orgulhar em saber o quanto foram importantes para mim em todos esses anos. Aos professores e amigos do IBMEC que compartilharam um pouco de seus conhecimentos e experiências comigo e em especial a Profa. Simone Bacellar Leal Ferreira, que teve paciência de me acompanhar durante esse longo período de ensinamentos que o mestrado proporcionou. Aos amigos da EDS, IBM e das Lojas Americanas que me proporcionaram um ambiente favorável e diversas informações para que essa etapa fosse cumprida de forma agradável através dos anos que se passaram.

5 iii SUMÁRIO Agradecimentos...ii Lista de Figuras...v Lista de Tabelas...vi Lista de Gráficos...vii Resumo...viii Abstract...ix 1 Introdução Objetivos Justificativa do Problema Objetivo Principal Objetivos Secundários Relevância do Estudo Hipótese de Trabalho Metodologia Metodologia de Pesquisa Tipo de Pesquisa Delimitação do Estudo Revisão da Literatura Considerações Iniciais sobre EDI Definições Histórico Características e funcionamento do EDI tradicional Benefícios do EDI Aspectos de uma Implementação de EDI no Brasil Considerações iniciais sobre o Comércio Eletrônico Definições Tipos existentes de Aplicações Panorama do comércio eletrônico entre empresas no Brasil A Internet e o EDI tradicional Tecnologias para o comércio eletrônico entre empresas XML Características empresas usuárias benefícios potenciais Dificuldades de adoção Web EDI... 53

6 iv Características Empresas usuárias Benefícios Dificuldades de adoção Portais e Marketplaces Características Empresas usuárias Benefícios Dificuldades de adoção Estudo de caso no varejo Etapas do trabalho Histórico da empresa O projeto EDI e seus desdobramentos Conclusões Referências Bibliográficas ANEXOS... 84

7 v LISTA DE FIGURAS Figura 01 - Componentes Básicos do EDI Fonte: (http_01) Figura 02 - ACESSO A INTERNET NO BRASIL x USA Janeiro Fonte: NielsenNetratings / Compilação NOTA. Os dados referem-se a acesso doméstico. Pessoas conectadas à Internet de suas residências. Figura 03 Evolução do varejo on-line Fonte: (http_01) Figura 04 - VOLUME DE NEGÓCIOS B2B - online no país Fonte: (http_01) Figura 05 - Worldwide EDI Commerce and B2B ecommerce, Fonte: IDC s EDI commerce mode and ICMM version Figura 06 - Principais formas de comércio eletrônico entre empresas Fonte: EAN Brasil, Figura 07 - Sistema de Web-EDI Fonte: Extraído do site Figura 08 - Benefício através dos níveis utilizados Fonte: (http_14)

8 vi LISTA DE TABELAS Tabela 01 - Padrões de EDI adotados no Brasil Fonte: EAN Brasil (1999). Tabela 02 - Aplicações de Comércio Eletrônico Fonte: OECD- 23 junho Disponível em Tabela 03 - Comparação das estimativas para o e-commerce (http_16)

9 vii Lista de Gráficos Gráfico 01 - Evolução das soluções de EDI Gráfico 02 - Parceiros Convidados Gráfico 03 - Aumento de produtividade Gráfico 04 - Incentivos para uso da Internet... 72

10 viii RESUMO As empresas no Brasil no início da década de 80, iniciaram um processo de disseminação de novas práticas comerciais incentivadas pelo aparecimento acelerado de novas tecnologias de comunicação e informação. O surgimento da prática de EDI (Electronic Data Interchange), como possibilidade de diminuição do ciclo de vida dos produtos, foi utilizado pelas empresas durante muitos anos. Com o surgimento de um novo ambiente (a internet) para a realização do comércio eletrônico para empresas que usavam o EDI se multiplicou e fez com que novos horizontes e fronteiras fossem explorados pelas empresas. A prática do EDI tradicional através de redes seguras, passou a ser ameaçada devido ao grande apelo de diminuição dos custos e rapidez de implantação para as pequenas empresas. Nesse trabalho foram analisadas as diversas opções existentes hoje no mercado de EDI, um histórico de como o EDI tradicional é implantado e como as empresas iniciaram as atividades de comércio eletrônico no Brasil. Foram coletadas informações através de um exemplo real em uma empresa de grande porte e seu histórico nessa prática comercial com seus parceiros. Pesquisas realizadas com provedores, técnicos e empresas envolvidas diretamente nessa prática de comércio eletrônico mostram como as expectativas de crescimento e substituição do EDI tradicional foram consolidadas ou não.

11 ix Abstract Brazilian companies have started a spreading process of commercial new practices, fueled by fast uprising of recent technology of communication and information. Used by enterprises during years, EDI (Electronic Data Interchange) emerging practices is a possibility of lowering products life cycle. The rise of a different environment (Internet) for e-commerce caused the market to multiply, bringing then fresh horizons and frontiers which were explored by the companies. Traditional EDI practices through safe nets started being threatened by cost reduction and fast implementation due to great appeal of small sized companies. In this work, The EDI market options were analyzed also the historic traditional EDI implementation and how the companies have begun e-commerce activities in Brazil. This work collected information through one real example of a large sized company and its history in such commercial practice with its partners. Researching providers, technicians and companies directly involved in the e- commerce practice show how growth expectations and replacement of traditional EDI have been consolidated. Key-words: EDI, Internet, e-commerce.

12 1 Introdução Os crescentes desenvolvimentos das novas tecnologias de informação e comunicação (TIC) desencadearam o aparecimento de diversas possibilidades que estão redefinindo o relacionamento das empresas com seus parceiros comerciais independentemente da localização geográfica. (Legey, 2001) A informática e as comunicações contribuem não apenas para inovações em produtos e processos, mas também para a reestruturação da organização das empresas e de sua relação com o mercado. A troca de dados através de redes eletrônicas é uma das inovações que estão modificando profundamente o ambiente organizacional. Isso acontece porque as TICs vêm assumindo um caráter cada vez mais estratégico nos processos de gestão e também são uma ferramenta fundamental para integração das cadeias de valor dos fornecedores, clientes e demais parceiros de uma empresa. (Tigre, 1999) O EDI Eletronic Data Interchange - Intercâmbio Eletrônico de Dados foi desenvolvido no passado para atender às necessidades de comunicação entre parceiros comerciais e consiste na transferência eletrônica de mensagens estruturadas entre os sistemas de computadores de diferentes organizações, de acordo com normas pré-estabelecidas. Tecnologia que envolve um conjunto de protocolos e softwares de comunicação que permitem a troca de dados entre empresas sem a interferência humana. (Ean Brasil, 1995)

13 2 Figura 1 Componentes Básicos do EDI A disponibilidade de uma tecnologia aberta de comunicações como a Internet vem promovendo o surgimento de novos modelos de transações comerciais entre empresas. Com isso surgem novas perspectivas que podem fazer com que o processo de Eletronic Data Interchange (EDI), venha a ser substituído por novas formas de comércio eletrônico entre empresas baseadas somente na Internet. O ritmo intenso de introdução de inovações faz com que as novas tecnologias concorram com outras de safras anteriores, ou ainda com inovações do mesmo período, provocando a obsolescência de serviços ainda utilizados no mercado. (Coppel, 2000) O advento da Internet fez com que a comunicação eletrônica deixasse de ser um privilégio das grandes companhias. O comércio eletrônico entre empresas

14 3 também conhecido como business to business(b2b), está começando a se expandir em direção aos pequenos e microempresários, que, utilizando a Internet, podem adotar soluções de comércio eletrônico com um custo mais adequado ao seu negócio. Os baixos investimentos requeridos e a alta capilaridade da Internet levaram a expectativas tanto no meio acadêmico como empresarial de que a Internet, não só poderia suplantar o EDI em curto prazo, como também dispensar o uso das firmas provedoras de serviços de valor adicionado ou Value Added Network, conhecidas no mercado como Vans. (http_11) Assim, a principal motivação para a realização deste trabalho está em elucidar as principais características do processo de introdução da Internet nas transações comercias e seu impacto no mercado de EDI. Este trabalho mostra o que é a tecnologia de Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI), utilizada no comércio eletrônico antes do advento da Internet. Com base em trabalhos realizados em empresas e autores especialistas nesta tecnologia, são descritos os principais aspectos do uso do EDI no Brasil e as suas principais características. O trabalho também ressalta as mudanças que estão ocorrendo nesse mercado com a utilização da Internet e os resultados em uma empresa varejista no que se refere a prática de comércio eletrônico.

15 4 Atualmente, o EDI pode utilizar a Internet como meio de transmissão, e sua adoção vem crescendo a cada dia, possibilitando o crescimento e a diversificação dos negócios das MPME (Micro, Pequenas e Médias Empresas). (Legey, 2001) Para avaliar as mudanças ocasionadas pela Internet no comércio eletrônico entre empresas, este trabalho analisou o EDI tradicional, que consiste na troca padronizada de dados comerciais realizada a partir de redes proprietárias geralmente providas pelas Vans, e as novas tendências que surgiram a partir da difusão da internet. Para atingir o objetivo do presente trabalho foram estudadas as alterações no processo de EDI das Lojas Americanas, uma empresa nacional de varejo, localizada na cidade do Rio de Janeiro e como foi possível a introdução de um grande número de parceiros após a disseminação do processo de EDI através de soluções na Internet.

16 5 2 Objetivos 2.1 Justificativa do Problema Considerando-se o mercado atual cada vez mais competitivo, o sucesso de uma empresa está diretamente relacionado à rapidez e integridade de suas operações de compra de mercadorias com seus fornecedores. (http_12) Por outro lado, o advento da Internet fez com que a comunicação eletrônica deixasse de ser um privilégio das grandes empresas. O comércio eletrônico entre empresas também conhecido como business-to-business (B2B), começa a se expandir em direção aos pequenos e microempresários, que utilizando a Internet, podem adotar soluções de comércio eletrônico com um custo mais adequado ao seu negócio. (Hayashi, 2000) Os benefícios da implantação de um processo de EDI com seus fornecedores incluem a redução de custos para a empresa, aumento da velocidade e a troca contínua de informações entre parceiros comerciais. Alguns dos benefícios são difíceis de quantificar e, portanto, raramente medidos. (Ean Brasil, 2003)

17 6 2.2 Objetivo Principal O objetivo principal desse trabalho é identificar e analisar o impacto da Internet no processo de EDI comercial no mercado brasileiro exemplificando através de um caso real em uma empresa de varejo. 2.3 Objetivos Secundários Para que possa ser alcançado o objetivo principal, o trabalho irá analisar um histórico de como o EDI tradicional foi introduzido no mercado brasileiro, quais as novas tecnologias que surgiram para a prática do comércio eletrônico, quais as vantagens e desvantagens dessas novas tecnologias em relação ao EDI tradicional, como os parceiros comerciais se beneficiam com essa nova modalidade de negócios e quais as dificuldades encontradas?

18 7 2.4 Relevância do Estudo As transformações no panorama econômico mundial, a globalização e o avanço das aplicações das tecnologias da informação e comunicação (TIC) fazem com que novas estratégias sejam necessárias para que as MPME tenham oportunidades de se desenvolverem em um mundo tão competitivo. (Legey, 2001) Cada vez mais as empresas estão utilizando o comércio eletrônico como uma ferramenta básica para a redução de custos, redução do ciclo de desenvolvimento de produtos e melhoria geral do fluxo de informação. O business-to-business é o segmento mais promissor do comércio eletrônico em termos de faturamento e tem apresentado um alto crescimento. (Limeira, 2003) O volume de transações entre empresas, chamado business-to-business (B2B), representa um percentual entre 70% e 85% do total de receitas realizadas nessa prática de comércio eletrônico. A expectativa é de que a taxa de crescimento continue superior a de negócios realizados entre business-toconsumer (B2C), uma vez que muitas empresas continuam a transferir suas operações com fornecedores da rede EDI para a Internet. (Limeira, 2003) Pode-se destacar que a razão para que os números do B2B sejam tão maiores que os números do B2C, é que na medida do numero de transações do B2B, a soma das transações ao longo das diferentes etapas da cadeia produtiva será sempre bem maior do que as somas das transações do B2C que ligam a ponta varejista ao usuário final. (Tigre, 1999)

19 8 A tendência de mercado indica que o alcance do comércio eletrônico no segmento B2B vai aumentar consideravelmente devido à adesão das MPME na utilização da Internet como forma de se realizar transações comerciais eletronicamente. O comércio eletrônico B2B oferece um grande potencial para as micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) que podem reduzir seus custos e ampliar mercados. Atualmente, a maioria das MPMEs não tem condições de investir em tecnologia de informação e avaliar os problemas relativos às questões que envolvem sua inserção no comércio eletrônico. (Bessant, 1999) Conforme foi constatado nesse trabalho, vários estudos sobre a adoção do EDI no mercado brasileiro já foram publicados e sua tecnologia vem sendo utilizada nas grandes empresas como uma ferramenta que auxilia na automação dos processos internos e na integração da cadeia de suprimentos. Com o uso da Internet, novas formas de realizar o comércio eletrônico vêm gerando impactos na economia e na forma como as empresas estão se relacionando comercialmente. Esse estudo contribui para o esclarecimento das suposições que estão sendo levantadas sobre a substituição do EDI e explica também os diferentes contextos para a utilização de cada tecnologia.

20 9 2.5 Hipótese de Trabalho A hipótese deste trabalho pressupõe que a utilização das novas tecnologias baseadas na Internet não determina o fim da adoção do EDI em sua forma tradicional, nem considera que esse processo será substituído a curto e médio prazo. O investimento nesse tipo de tecnologia é ainda justificado pelas vantagens que oferece para empresas de grande porte que trafegam grandes volumes de informações. O trabalho mostra a partir de um exemplo real como o mercado se adaptou e convive com diversas tecnologias para a prática do Comércio Eletrônico.

21 10 3 Metodologia 3.1 Metodologia de Pesquisa O objetivo do trabalho é realizar um estudo da prática de EDI comercial no mercado e identificar como a internet vem afetando essa prática de negócios. Os métodos utilizados foram: a pesquisa bibliográfica, para identificar os conceitos e aplicações sobre o assunto; um exemplo real sobre uma empresa de varejo nacional, cujos dados foram levantados através de questionários para identificar os fatos apontados na fundamentação teórica e entrevistas com os envolvidos no processo de EDI da empresa para validar a análise dos fatos. 3.2 Tipo de Pesquisa seguir: Podemos destacar alguns métodos utilizados em pesquisas definidos a Estudo de caso, onde são utilizados casos concretos que auxiliam a definição do problema e as soluções através de estudos de acompanhamento dos mesmos; Pesquisa-ação, onde a obtenção de conhecimento é observada através de uma mudança na realidade social; nesse tipo de pesquisa os resultados demoram a ser colhidos devido a necessidade do acompanhamento das mudanças;

22 11 Pesquisa exploratória, onde o foco da pesquisa é o levantamento de fatos inéditos para que sejam estabelecidos prioridades para futuros estudos; Pesquisas descritivas, que têm como objetivo a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou o estabelecimento de relações entre variáveis e explicativas que têm como preocupação central identificar os fatores que determinam ou que contribuem para a ocorrência dos fenômenos, aprofunda mais o conhecimento da realidade porque explica a razão e o porquê das coisas. (Chauvel, 2002) A metodologia a ser utilizada se baseia na identificação a partir da literatura existente, das principais mudanças introduzidas pelas novas tecnologias de informação e comunicação nas organizações em particular no que se refere às transações comerciais entre empresas. Tal investigação terá como finalidade relacionar aspectos relevantes a serem abordados em uma pesquisa de campo no mercado brasileiro de EDI exemplificando através de um caso real de como essas mudanças estão ocorrendo. Foram estabelecidas as etapas operacionais desse estudo de caso: delimitação da unidade-caso; (Lojas Americanas) coleta de dados; (com as Vans, fornecedores e pessoas envolvidas no projeto)

23 12 (Gil,1996). análise e interpretação dos dados; redação do relatório Para isso, foi feita a delimitação da unidade-caso Lojas Americanas, de acordo com as seguintes varáveis: Escolha da unidade-caso; Breve histórico da organização; Descrição sucinta da organização e da dinâmica do setor em que atua; Descrição da situação-problema (Gil,1996). Uma pesquisa exploratória, foi efetuada junto aos dois maiores provedores de comércio eletrônico via EDI, além de entrevistas com a EAN Brasil (Associação Brasileira de Automação Comercial), com os responsáveis envolvidos no processo de transformação do EDI dentro da empresa e com parceiros comerciais da empresa que exemplificou o estudo. Foram realizadas entrevistas e questionários que aplicados a pessoas envolvidas no processo de EDI da empresa em questão, alguns parceiros comerciais e representantes de duas empresas que atuam como Vans, formularam a base para a conclusão dos resultados.

24 13 A opção pela entrevista se prende ao fato de ser um instrumento de coleta de dados bastante adequado para a obtenção das informações acerca do que as pessoas sabem, sentem e fazem. Acredita-se que para o estudo de caso em questão, a entrevista com as pessoas / empresas envolvidas diretamente no processo de mudança serão as fontes de informação mais importante. A entrevista foi conduzida de forma espontânea, e levando-se em conta sempre as opiniões dos envolvidos sobre determinados eventos. Os respondentes são informantes e são sempre fundamentais em um estudo de caso (Yin,2003). 3.3 Delimitação do Estudo Não será abordado o aspecto tecnológico do processo de implementação de EDI entre empresas, ou seja, não são objeto desse estudo as características ou as justificativas de escolha de determinado software ou VAN. Não serão consideradas a parte técnica de uma implantação nem estimativas financeiras no processo de criação e implantação de EDI no método tradicional e quando da utilização da Internet.

25 14 4 Revisão da Literatura 4.1 Considerações Iniciais sobre EDI Este trabalho mostra o que é a tecnologia de Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI), tecnologia utilizada no comércio eletrônico antes do advento da Internet. Com base em trabalhos realizados em empresas e autores especialistas nesta tecnologia, serão descritos os principais aspectos do uso do EDI no Brasil e as características principais dessa prática de negócio Definições O EDI foi desenvolvido para atender às necessidades de comunicação entre parceiros comerciais e consiste na transferência eletrônica de mensagens estruturadas entre os sistemas de computadores de diferentes organizações, de acordo com normas pré-estabelecidas. Tecnologia que envolve um conjunto de protocolos e softwares de comunicação que permitem a troca de dados entre empresas sem a interferência humana. (Genaro, 1999) O EDI não pode ser definido apenas como uma forma de interligar dois ou mais pontos utilizando programas e sistemas de computadores. É principalmente um conceito de negócio, permitindo o aumento e a melhoria do relacionamento entre empresas. A implementação desse sistema pode gerar uma economia para toda a cadeia de suprimentos, fortalecendo os elos entre fornecedores e clientes.

26 15 Atualmente, o EDI pode utilizar a Internet como meio de transmissão, porém sua adoção ainda é muito incipiente frente ao EDI utilizado na forma tradicional, realizado a partir de redes proprietárias. O EDI, ou Intercâmbio Eletrônico de Dados, pode ser conceituado como o comércio sem papel. Uma definição comum e útil para o EDI é: A transferência de dados estruturados, pelos padrões acordados de mensagens, de um aplicativo de computador a outro por meio eletrônico e com um mínimo de intervenção humana. (Ean Brasil, 1995) Histórico O EDI é uma tecnologia que teve origem por volta dos anos 60 e a partir de então, vem permitindo a troca de informações de natureza comercial entre grandes parceiros de negócio através de redes proprietárias. Entretanto, sua difusão no mercado tem sido muito limitada pelos altos custos de implantação e manutenção deste sistema inacessível às pequenas empresas. (Colcher, 2000) No inicio da adoção do EDI entre parceiros comerciais, foram desenvolvidos vários padrões que eram conhecidos como padrões proprietários, que atendiam basicamente a necessidades das grandes empresas (Hub - grandes empresas clientes). Isso gerava um sério problema para a multiplicação do processo entre as pequenas empresas (Spokes elemento do conjunto de

27 16 fornecedores da Hub), devido a necessidade de se adaptar a cada novo padrão existente. (Colcher, 2000) Foram criados dois padrões internacionais que tiveram grande aceitação: o ANSI ASC X12 adotado na América do Norte e o GTDI na Europa. Devido a diversidade de padrões, as empresas americanas não podiam utilizar suas mensagens com empresas européias, por causa das diferenças na sintaxe e nos diretórios de dados. Conseqüentemente, iniciou-se um trabalho para o desenvolvimento de um padrão internacional, de modo a facilitar o comércio entre os países. Em 1987, as Nações Unidas aprovaram o padrão UN/EDIFACT (United Nations/Electronic Data Interchange for Administration Commerce and Transportation) ou simplesmente EDIFACT. Atualmente esse padrão congrega cerca de 250 documentos eletrônicos que atendem às necessidades de vários segmentos de mercado. (Ean Brasil, 1995) Apesar da crescente demanda por um padrão internacional no mercado mundial e dos trabalhos desenvolvidos por órgãos internacionais como a EAN International, muitas das empresas pioneiras ainda mantêm em vigor diversos padrões de âmbito setorial, regional e nacional. (Ean Brasil, 1995) No Brasil o EDIFACT foi amplamente adotado no setor mercantil. Com o trabalho da EAN Brasil na "tropicalização" das mensagens, em 1994/95, este segmento adotou o padrão EDIFACT/EANCOM, (Eletronic Data Interchange for Administration, Commerce and Transportation / EANCOM) utilizado internacionalmente. O EANCOM é uma versão simplificada do UM/EDIFACT que

28 17 engloba mensagens voltadas aos processos mercantis de compra e venda de mercadorias e prestação de serviços. (Bastos, 1999) O CNAB (Centro Nacional para Automação Bancária) foi o padrão de mensagens adotado pelos bancos. Anterior ao EDIFACT, este padrão foi criado de modo a deixar espaços livres na mensagem para que os bancos pudessem acrescentar informações que julgassem necessárias a cada documento específico. Isso provocou a criação de várias versões diferentes deste padrão, desenvolvidas e adotadas pelos sistemas EDI de cada banco. (Ean Brasil, 1995) Apesar de ter uma ampla abrangência no setor mercantil, o padrão EDIFACT ainda não está consolidado em todos os segmentos. Atualmente cada segmento industrial utiliza um padrão diferente como podemos ver na tabela 01. Padrão CNAB RND NTC EDIFACT Setor Bancário Automobilístico Transporte rodoviário de carga Mercantil, Farmacêutico, Automobilístico e outros setores Tabela 01: Padrões de EDI adotados no Brasil

29 Características e funcionamento do EDI tradicional São necessários 4 componentes para que um processo de EDI funcione de forma adequada, são eles: Tempo Um software de comunicação responsável pelo envio e recebimento das mensagens Um software de tradução utilizado para converter os dados em um formato padrão. Uma Rede de comunicação para transmitir as mensagens entre os parceiros de negócio. Um software de aplicação ou de gestão para realizar as tarefas de negócios e automatizar os processos internos da empresa. A não utilização deste software pode acarretar em trabalho manual na recepção e envio das mensagens, e diminuem os benefícios que esta tecnologia pode trazer para a empresa. O funcionamento do projeto de EDI pode ser resumido nos seguintes procedimentos: Formatação dos dados em uma estrutura de mensagens que possa ser transmitida entre computadores; Transmissão da mensagem por uma rede de comunicação; Tradução da mensagem no terminal de recepção para que os dados possam ser processados

30 19 (Ean Brasil, 1995) O EDI pode ser implementado com ou sem o auxilio de uma Van (Value Added Network). No primeiro caso, as Vans atuam como intermediárias no tráfego de mensagens, permitindo a integração dos diferentes sistemas internos dos parceiros de uma rede. O funcionamento pode ser comparado a um sistema de Caixas postais, em que cada empresa possui uma caixa postal eletrônica onde deposita e recebe mensagens de fornecedores, clientes, bancos e todos os integrantes que fazem parte da sua cadeia de fornecimento. No segundo caso, a empresa e seus parceiros podem administrar o processo de transmissão de dados. (Colcher, 2000) A maioria das grandes empresas usuárias de EDI no Brasil preferem contratar os serviços de uma Van, devido à complexidade para estabelecer ligações ponto-a-ponto com cada parceiro e a segurança oferecida nas transações comerciais. Os custos de um sistema de EDI tradicional são divididos em custos de implantação e operação. Os gastos com a implantação são bem maiores devido ao desenvolvimento de aplicações e ajustes dos sistemas internos da empresa, instalação de itens de hardware e software necessários, estabelecimentos de conexões entre as Vans as empresas e os parceiros comerciais, treinamento e consultoria para o pessoal envolvido no projeto. Os custos de operação são relativos aos custos de comunicação e dependem do tipo de serviço prestado, como por exemplo qual a freqüência de acesso as caixas postais, o espaço

31 20 destinado a cada cliente, tempo de permanência das informações nas Vans. (http_05) Quando o cliente possui o software tradutor instalado em sua empresa, geralmente são cobrados o preço da assinatura e uma tarifa proporcional ao uso da rede. Se o tradutor estiver na rede da Van, o serviço de tradução da mensagem também poderá ser cobrado. (Ean Brasil, 1995) A implantação do EDI não deve ser considerada um processo técnico, pois muitas das mudanças são realizadas no âmbito organizacional. Sua implementação depende de ajustes na estrutura e modo de operação das rotinas da empresa para estabelecer quais as mensagens que serão enviadas entre empresas. (Farhoomand, 1996) Para que o EDI seja implementado, é fundamental que as empresas parceiras estejam alinhadas em relação às informações que serão utilizadas e compartilhadas. O aspecto crítico da implantação de uma rede de EDI não reside somente na esfera técnica e sim na esfera gerencial através da negociação entre os parceiros comerciais, onde são definidas as mensagens e condições para a implementação e funcionamento do sistema. (Farhoomand, 1996) Os documentos comerciais trocados entre as empresas são compostos de dados estruturados que representam os pedidos de compras, ordens de pagamento, notas fiscais, etc.... Para que a transmissão destes dados seja compartilhada entre os parceiros comerciais, é necessária a adoção de um

32 21 formato padrão a ser utilizado, que facilitará a leitura e entendimento de cada mensagem trafegada para os diferentes sistemas das empresas Benefícios do EDI O EDI é uma ferramenta que viabiliza a tomada de decisões e a integração dos parceiros da cadeia de abastecimento de uma empresa. A seguir são listados os benefícios potenciais do EDI: Melhoramento da precisão das informações: a automação reduz a interferência humana e conseqüentemente promove a possível eliminação de erros de digitação e interpretação no processo de compras (Scala, 1993). Redução da digitação de dados: o processo automatizado de entrada de dados em formatos padronizados extingue a re-digitação de dados nos sistema internos das firmas parceiras de EDI (Scala, 1993). Aceleração da transmissão de informação entre organizações: o aumento na velocidade de transmissão permite que grandes volumes de informações trafeguem de um computador a outro num curto espaço de tempo, possibilitando respostas mais rápidas. Isso ajuda a empresa a obter um ganho de competitividade no mercado e aumenta a satisfação do cliente (Genaro, 1999).

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Prof. Daniel J. Melo Brasil

Prof. Daniel J. Melo Brasil EDI Definição EDI é um acrônimo para Intercâmbio Eletrônico de Dados EDI refere-se a troca de estruturada de dados entre as organizações por meio eletrônico. EDI pode ser utilizado para a comunicação de

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda The global language of business O que é ecommerce? Da perspectiva de processo de negócio,

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

e-business Novas Tendências Tecnologias da Informação com aplicabilidade ao RH

e-business Novas Tendências Tecnologias da Informação com aplicabilidade ao RH Tecnologias da Informação com aplicabilidade ao RH e-rh / Recursos Humanos Virtual Novas Tendências Como já foi visto com o advento da globalização e do crescimento da tecnologia e a difusão da Internet,

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003 Technology and Security Risk Services Novembro, 2003 1. Por que escrevemos o livro? 2. Objetivo do livro 3. Conteúdo do livro 4. Dúvidas Acesso aos sites financeiros cresceu 199% em dois anos; Os sites

Leia mais

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral da solução Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral À medida que tecnologias como nuvem, mobilidade, mídias sociais e vídeo assumem papéis

Leia mais

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 15 E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET INTRODUÇÃO As empresas que, de alguma forma, estão envolvidas

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Marketing direto e mediação eletrônica Como a internet criou novos meios de intermediação entre as pessoas e as organizações? O que é marketing direto?

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística?

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística? Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Processamento de Pedidos e Aquisição/Programação de Produtos Primárias Apoio 1 2 Responsabilidades O Fluxo

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Cenários Econômicos e Organizacionais A evolução tecnológica acompanhando a mudança organizacional Os negócios na era eletrônica O comércio eletrônico Cadeias

Leia mais

Amway - Política de privacidade

Amway - Política de privacidade Amway - Política de privacidade Esta Política de Privacidade descreve como a Amway Brasil e determinadas filiadas, inclusive a Amway América Latina (conjuntamente Amway ) utilizam dados pessoais coletados

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas Prof Valderi R. Q. Leithardt Objetivo Esta apresentação tem por objetivo mostrar tanto os benefícios como as dificuldades da implantação

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007):

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007): e-business (Extraído do Artigo ebusiness: A Atual Maneira de Efetuar Transações Ana Cristina Matos, Gabriela Villanova, Gianluca Nese, Juan Pablo, Maraiana Orrico e Antônio Cardoso) 1. Definição ebusiness,

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias Faculdade de Tecnologia Senac Goiás. Alunos: Erik de Oliveira Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João Victor Alves. Professor : Diogo Ananias CONSULTORIA COMÉRCIO ELETRÔNICO CONSULTORIA PARA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

As Novas Profissões em Computação. Integrantes Eder Leão Leonardo Jorente Rafael Stéfano Vinícius Akihiro Kuwabara

As Novas Profissões em Computação. Integrantes Eder Leão Leonardo Jorente Rafael Stéfano Vinícius Akihiro Kuwabara As Novas Profissões em Integrantes Eder Leão Leonardo Jorente Rafael Stéfano Vinícius Akihiro Kuwabara Tópicos Contextualização Novas Profissões Impacto Conclusões Referências Contextualização (Histórico

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA Descrição da(s) atividade(s): Indicar qual software integrado de gestão e/ou ferramenta

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Sistemas de Informações e o Uso comercial

Sistemas de Informações e o Uso comercial ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ASI Elabora por Prof.Mestra Rosimeire Ayres Conectan a Empresa à Rede Intranet Internet Extranet B2B B2C B2E C2C As empresas estão se tornan empresas conectadas

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN O que é o GVN Parceiro: O GVN Parceiro é uma modalidade de parceria de negócios criada pelo Grupo Vila Nova para ampliar sua capilaridade de oferta e garantir que

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL MARCOS MENDES. MBA em Tecnologia da Informação e da Comunicação na Educação (PUC-RS). Docente das Faculdades IESAP e CEAP. Professor das disciplinas Computação Gráfica,

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA Na linha Como a automação contribuiu para o desenvolvimento das empresas de distribuição e atacadistas? A automação foi fundamental para o crescimento e fortalecimento do setor. Sem o uso intensivo da

Leia mais

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Para competir com eficácia, as empresas da atualidade precisam se adaptar a um ambiente tecnológico que sofre rápidas mudanças.

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO BX MRO. Brochura. Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos

Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO BX MRO. Brochura. Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos Brochura BX MRO Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos Manutenção, Reparo & Revisão para SAP Business One Esta combinação de SAP Buisness One

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES Por Caio Fiuza Nos últimos 10 anos, a gestão das áreas de apoio nas grandes organizações brasileiras vem passando por importantes transformações. A principal delas

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

TIC Microempresas 2007

TIC Microempresas 2007 TIC Microempresas 2007 Em 2007, o Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação do NIC.br, no contexto da TIC Empresas 2007 1, realizou pela primeira vez um estudo sobre o uso das

Leia mais