1.Infra-estrutura Coleta Transferência Triagem/Roteirização Distribuição Gestão de ocorrências...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1.Infra-estrutura... 5. 2.Coleta... 6. 3. Transferência... 7. 4. Triagem/Roteirização... 8. 5.Distribuição... 9. 6. Gestão de ocorrências..."

Transcrição

1 Requisitos Sistema Integrado Prestadores de serviços: Transportadoras 2006

2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Definições Infra-estrutura Coleta Transferência Triagem/Roteirização Distribuição Gestão de ocorrências Envio de Informação RESPONSABILIADADE AMBIENTAL SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO RESPONSABILIDADE SOCIAL Contatos Natura: Referências : ANEXO

3 INTRODUÇÃO Em todo o mundo, as empresas estão despertando para o fato de que possuem um papel fundamental na construção do futuro. Cresce a consciência de que o modelo atual de desenvolvimento apresenta claros sinais de esgotamento e é necessário buscar outro, que consiga aliar a prosperidade econômica ao atendimento das necessidades humanas e à preservação do planeta. Mais do que dar respostas às demandas de seus consumidores, as empresas, hoje, precisam ser capazes de reconhecer as necessidades da sociedade como um todo. Tudo isso faz parte de um só movimento em direção ao nosso projeto de contribuir para a construção de um mundo melhor. Não é possível ter um compromisso parcial com a transformação social e com o desenvolvimento sustentável. Esse compromisso precisa estar presente em todas as ações da empresa e ser cada vez mais intrínseco à nossa forma de fazer negócios. E sabemos que só será possível avançar nesse sentido com o envolvimento efetivo de todos aqueles que fazem parte da comunidade Natura. A Natura é a maior empresa de cosméticos no Brasil. O desenvolvimento sustentável e a qualidade das relações com todas as nossas partes interessadas norteiam o sucesso de nossa marca. Nossa reputação vem sendo construída há anos com produtos de qualidade e segurança para os nossos consumidores. A consolidação desta reputação se dá através de uma jornada para excelência que estamos apenas iniciando. Nesta jornada não estaremos sozinhos.assim esperamos que nossos parceiros embarquem conosco, com melhorias conjuntas e perenes em nossos processos. Estamos cientes de que nosso desenvolvimento e nosso sucesso empresarial estão ligados à capacidade de atender de forma diferenciada todos os nossos públicos de relacionamento, agregando valor por meio de produtos e serviços de qualidade, ao mesmo tempo em que contribuímos para a sustentabilidade da sociedade. É com essa visão que reafirmamos o compromisso de incorporar políticas e práticas inovadoras, éticas e transparentes à nossa gestão, em um processo de aprendizado permanente junto com seus diversos públicos Esperamos que nossos atuais e futuros parceiros conduzam seu negócio de maneira honesta e com integridade e respeitem os interesses daqueles com quem interagirem. Assim, acreditamos que a base para uma parceria de longo prazo está fundamentada em: 2

4 -Cumprimento de todos os requisitos legais: Licenças sanitárias e ambientais Normas do Ministério do trabalho Normas e requisitos legais ambientais - Respeito aos colaboradores Prover condições de trabalho seguro e saudável para seus colaboradores Não utilizar nenhuma forma de trabalho forçado, escravo ou infantil - Respeito aos Consumidores Prover produtos e serviços que oferecem, consistentemente, valor em termos de preço e qualidade e que sejam seguros na sua utilização. - Respeito ao Meio Ambiente Administrar o negócio de maneira ambientalmente responsável. Na segurança de processos e produtos, o fundamento da abordagem preventiva é a adoção de um sistema de controle de riscos e perigos e várias ferramentas podem ser adotadas: Análise Preliminar de Riscos, Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais, Análise dos Perigos e Pontos Críticos de Controle ( APPCC) ou a Análise de Modos de Falhas (FMEA). A adoção destas ferramentas sempre que possível será adotada em conjunto. Os requisitos gerais descritos neste documento definem os padrões necessários que nossos parceiros devem perseguir em suas instalações. Dependendo do produto a ser produzido, requisitos adicionais podem ser aplicáveis e estes serão comunicados diretamente pelo seu contato com a Natura. 3

5 Definições Fornecedor: Transportes: Empresa prestadora de serviço de transportes Departamento da Natura responsável pela gestão do contrato do fornecedor Transportadoras: Fornecedores responsáveis pelo serviço de transportes, desde a coleta até a entrega do pedido na casa da CN Parceiro: DEVE (I): PRECISA (N): Terminologia para definir terceiro ou fornecedor Imprescindível para todas as operações. Necessário para todas as operações RECOMENDA-SE- : Desejável como boa prática porém não imprescindível Prevenir: Controle: Eliminar a ocorrência (objetivo de zero reclamação) Assegurar a qualidade, identidade, integridade e segurança dos produtos Natura durante todo processo de transportes Terminologias: CN: Consultora Natura -Termo utilizado para nomear a pessoa que revende produtos Natura. NC: Notificação de Consultora Termo utilizado que caracteriza uma reclamação da consultora. BOT/BOV: Termo utilizado que caracteriza um problema com a entrega do pedido notificado pela transportadora e motivado pela operação (Boletim de Ocorrência de Transportes) ou pela área de vendas (Boletim de Ocorrência de Vendas). 4

6 1. Infra-estrutura Objetivos: Ter equipamentos e facilidades localizados, projetados e construídos para que: Operação e manutenção adequada sejam facilitadas para minimizar os riscos na realização dos serviços. Haja um fluxo de processo lógico e o fluxo cruzado de material seja minimizado. Facilidades sanitárias adequadas são providenciadas, mantidas e segregadas adequadamente de áreas de manuseio da carga. Assegurar a realização dos serviços com recursos humanos, insumos, equipamentos e carros na quantidade certa, no tempo certo e com a qualidade desejada. 1.1 Capacidade Técnica/Qualitativa Possuir, na região a ser atendida, um número igual ou maior que 1 (UMA) filial estruturada. Ter estrutura de TI (Tecnologia da Informação) utilizada. Disponibilizar pessoas com capacidade técnica adequada e necessária a execução de todos os serviços contratados. Ter veículos para realização de coleta, transporte e entrega dos produtos, em condições de uso adequadas, devendo estar em perfeitas condições de tráfego, conter os equipamentos básicos de segurança, em perfeito estado de conservação e funcionamento, e estarem equipados com sistema de Rastreamento. Informar toda estrutura de gerenciamento de Risco, bem como comprovação de apólice de Seguro com valor de cobertura. Disponibilizar sempre que possível um líder operacional ao processo Natura. A transportadora deverá possuir preferencialmente a certificação ISO A transportadora deverá possuir um departamento de treinamento qualificado e atuante. 1.2 Especificações de Insumos Palete Item Comprimento Largura Espessura (mm) Palete Padrão PBR 1200 mm 100 mm Total (+2-4mm) Livre - 100(+0-4mm) Obs: A massa máxima do palete, a 15% de umidade está especificada em 42Kg Obs: No caso de utilização de palete plástico o mesmo deverá ter a mesma dimensão do palete de madeira e possuir sua superfície lisa, livre de encaixes para outros paletes. Cantoneira Ítem Altura(mm) Largura (mm) Cantoneira de fibra de papelão x100 Filme Stretch Ítem Largura(mm) micro (espessura) Filme Stretch Cinta Ítem Largura(mm) Capacidade Cinta de Poliéster Mínimo Obs: As cintas de poliéster deverão ser utilizadas somente com o sistema Trik para poder tencioná-las. Madeirite Ítem Comprimento (mm) Largura (mm)espessura (mm) Madeirite

7 2. Coleta Objetivos Assegurar que os processos que envolvam a coleta sejam bem controlados resultando em um serviço seguro e de acordo com as especificações concordadas e padrões de qualidade. Atendimento dos horários estabelecidos pelo planejamento de separação afim de não acumular de cargas na expedição. 2.1 Coleta Atender aos horários da programação de separação de pedidos, disponibilizando conferente e o primeiro carro com uma (1) hora após o a previsão de separação. Recebimento do produto no estabelecimento, configura ser fiel depositária da carga coletada e ficará sob sua responsabilidade até a entrega ao seu destino, responsabilizando-se também por eventuais avarias, extravios de documentos ou de caixas e também de falta de produtos Garantir a integridade da carga, caracterizadas no momento de sua montagem, ainda na expedição do embarcador; 2.2 Procedimento de coleta Fornecer veículos suficientes para efetuar a coleta de mercadoria Disponibilizar conferente para o carregamento; Troca de notas fiscais no Posto Avançado deverá realizar conferencia dos volumes carregados frente aos documentos legais e vitrines, através das minutas emitidas; Fornecer e controlar a disponibilidade de materiais de apoio para a realização desta (palete, filme Stretch, cinta, madeirite, etc.); Montar a carga de forma a observar o cuidado de manter a integridade conforme forma de coleta; Carga Paletizada a) Palete de no mínimo oito ripas ou paletes plásticos não encaixáveis, com superfície lisa; b) Observação do operador de esteira quanto a caixas com abas abertas, retirandoas quando identificadas, para retornar ao processo; c) Arrumação do palete, obedecendo ao empilhamento máximo de oito caixas, sendo as primeiras quatro alturas arrumadas na forma de "coluna" e as últimas quatro alturas na forma de arranjo "amarrado", evitando assim que a carga incline. d) Utilização de cantoneiras, filme plástico (Stretch) ou cintas com sistema Trik, visando manter a consolidação da carga. Este tipo de acondicionamento poderá ainda ser substituído por acondicionamento em gaiolas as quais deverão obedecer ao empilhamento em coluna mantendo assim a integridade plástica da caixa de envio; e) Armazenar a carga utilizada próximo às docas de expedição, para aguardar o carregamento Carga Granel a) Empilhamento com 12 (doze) volumes, de altura para veículos baú do tipo (Carreta) com 2,80 de Altura. b) Veículos baú do tipo (Truck) com 2,40 de Altura o empilhamento deve ser de até 10 (dez) volumes, sendo inserido madeirite na quarta altura do conjunto. c) Madeirite na quarta altura do conjunto, ou seja, a cada 4 (quatro) volumes empilhados. d) O tipo de arranjo deverá ser trançado/amarrado nos dois casos acima, sendo formado uma base na estrutura horizontal e vertical seguindo a mesma estrutura para o empilhamento. 6

8 3. Transferência Objetivos Este processo deve prever todas as possíveis situações de transferência, incluindo manuseio, proteção, identificação e particularidades em função de necessidades específicas da Natura, consistentemente produzir serviços seguros e que atinjam as especificações acordadas. 3.1 Formação de Carga Para transferências de envios utilizados com paletes, a mesma deverá atentar-se ao empilhamento máximo e ao manuseio. Caso a carga seja consolidada com outros tipos de mercadoria, a carga Natura deverá seguir com madeirite anterior e posterior a carga, para evitar qualquer tipo de dano. Para transferências realizadas a granel (sem palete) a mesma deverá obedecer ao seguinte padrão: a) Empilhamento inserindo madeirite na quarta altura do conjunto, ou seja, a cada 4 (quatro) volumes empilhados deve existir uma separação com madeirite para receber o empilhamento do próximo volume. b) O tipo de arranjo deverá ser trançado/amarrado, sendo formado uma base na estrutura horizontal e vertical seguindo a mesma estrutura para o empilhamento. 3.2 Documentação Fiscal Emissão de conhecimentos com base nas informações disponibilizadas pela Natura, em arquivo EDI. Passagens nos PA s devem respeitar a data de saída da minuta e o PA destino. É recomendado que as transportadoras que passem por barreiras fiscais encaminhem antecipadamente através de arquivo EDI as informações sobre a carga, veículo e eventuais regimes especiais (caso possuam). 7

9 4. Triagem/Roteirização Objetivos Garantir a correta alocação dos pedidos das CN s nas rotas finais de entrega evitando que qualquer componente do pedido (volume, NF e vitrine) seja extraviado no decorrer da viagem ou deixado no armazém. 4.1 Descarregamento de veículo Observar a integridade física da caixa e paletizá-la Transportadoras que já trabalham com triagem imediata no descarregamento, paletizar as caixas de forma que cumpra o empilhamento máximo e de disposição em coluna e que fique com a etiqueta de identificação da consultora para o lado externo do palete para facilitar a identificação da rota de entrega. No descarregamento do vitrine, o procedimento deverá cumprir as mesmas regras da mercadoria, fazendo com que esta fique disposta de forma fácil de ser alocada juntamente com a caixa na hora da triagem. 4.2 Triagem Esta deve ocorrer de forma vertical, obedecendo à simbologia que consta na caixa de envio Natura. Conferência deve ser realizada através de Nome, Sobrenome e número de solicitação constantes na caixa e na NF. A triagem deverá obedecer sempre o FIFO de emissão de Nota Fiscal, evitando assim que a carga seja entregue fora de seu prazo previsto de entrega. A triagem da vitrine obedece as mesmas regras da triagem da caixa, devendo manter a atenção quanto ao casamento das caixas que contém vitrine. Para a identificação de quais entregas possuem vitrine, verificar minuta, que acompanha a carga e identificação na etiqueta da caixa simbolizado pela letra V. Mantenham a vitrine junta a(s) caixa(s) por todo o percurso até a entrega na casa da CN. 4.3 Roteirização Verificar o casamento/consolidação de caixa, nota e vitrine formando o pedido completo Deve-se observar se a rota é considerada como área de risco para acionamento da escolta, caso necessário. 4.4 Carregamento do veículo: Obedecer a roteirização, para que a entrega ocorra de forma otimizada e obedeça aos prazos de entrega previamente combinados. Durante o carregamento, deve-se observar o acondicionamento das caixas, atentando-se quanto à disposição e alocação das caixas no veículo. Transporte consolidado com cargas de outras naturezas, sempre destacar a importância da simbologia, pois se trata de produtos de beleza, FRÁGEIS. As vitrines deverão ser mantidas junto às caixas ou de forma que garanta sua entrega junto com o pedido. 8

10 5. Distribuição Objetivos Assegurar que todos os processos de distribuição sejam controladas adequadamente de acordo com as especificações acordadas Garantir com que os pedidos das CN s cheguem ao seu destino final atendendo todas as expectativas do cliente. 5.1 Introdução Este processo se dá desde o momento em que o veículo de distribuição sai do terminal de carga da transportadora e inicia até o momento da entrega na casa da CN. 5.2 Procedimento O entregador deve seguir os procedimentos estabelecidos em contrato, atentandose para complementos passados pela equipe de transportes Natura. Entrega na residência do destinatário ou de vizinhos (conforme orientação do analista, responsável pela região de atendimento), para evitar problemas futuros. Entrega da vitrine juntamente com a caixa (quando esta constar na Nota Fiscal). Horário e dias de entrega, obedecendo a dias úteis e no horário compreendido entre as 8:00h às 20:00h, exceto nos dias de fechamento e ou estratégias, em que será permitido entregas em horários extraordinários ou conforme comunicação prévia da área de Transportes Natura. Quando necessário o analista ou a consultora poderá solicitar ao entregador a realização de conferências no ato da entrega da caixa. É imprescindível que o entregador preencha o comprovante de entrega on-line. Para o momento da entrega algumas situações poderão gerar ocorrências, essas devem ser comunicadas ao analista de transportes Natura. Nos casos de insucesso na primeira tentativa de entrega, a transportadora deverá, providenciar pelo menos 2 (duas) novas tentativas de entrega ao destinatário e é recomendável que na 3ª tentativa seja feito contato telefônico com a CN. 5.3 Obrigações Os motoristas e ajudantes deverão estar adequadamente trajados, com uniforme com logotipo da empresa e crachá de identificação. Devem ser sempre educados e corteses; O veículo de entrega deve estar em perfeitas condições de tráfego, com boa aparência, mecânica e equipamentos de segurança em condições adequadas. Anotar o motivo de recusa no verso da nota fiscal e informar a Natura; Realizar a conferência da NF com seu respectivo volume e Vitrine; 5.4 Comprovante de Entrega A transportadora deverá armazenar os comprovantes de entrega por um tempo de cinco(5) anos. 9

11 6. Gestão de ocorrências Objetivos Processo gerenciado que irá garantir a segurança, qualidade e legalidade. Tratar todas as situações improdutivas de entrega de forma ágil, reduzindo saldos em aberto, estoques nas filiais e reaproveitamento dos materiais. Identificar as causas dos problemas para reduzir as pendências e eliminálas. 6.1 Tratamento de Pendências. A empresa deve ter procedimento documentado para identificar, segregar e tratar adequadamente as pendências e impedir ações operacionais indevidas. Assegurar que as partes interessadas sejam prontamente notificadas. Em casos de pendências reincidentes acima de três vezes ou casos de CN críticas (Consultoras com alto índice de NC), a transportadora deverá identificar e notificar o analista responsável sobre as pendências identificadas. OBS: Todas as situações improdutivas de entrega, a partir da 3º tentativa de entrega deverão ser tratadas como pendência. 6.2 Devolução Todas as ocorrências baixadas por BOT e BOV deverão ser devolvidas em um prazo máximo de 30 dias depois de autorizado. Vale lembrar ainda que a mercadoria com autorização de devolução dada pelo analista responsável, poderá permanecer no máximo 4 dias em poder da filial da transportadora, sendo passível de punições por parte da Auditoria de Qualidade, por estar infringindo uma norma de Vigilância Sanitária 6.3 Indenização Extravios de documentos ou caixas e itens faltantes nos volumes, deverão ser indenizadas à NATURA. Prazo de 48hs para envio de cópias de comprovantes de entrega (comprovante ou conhecimento) a contar da solicitação do referido documento pela NATURA. Armazenar os comprovantes de entregas devidamente preenchidos com o nome legível, RG, assinatura, data e horário da entrega. Ocorrências que não foram sanadas no prazo do contrato, estão pré-autorizadas para desconto. A Natura enviará periodicamente a posição de ocorrências de BOT/BOV pendentes da transportadora. Tais ocorrências deverão ser sanadas dentro dos prazos estabelecidos em contrato. 10

12 7. Envio de Informação Objetivos Assegurar que todos os processos de distribuição sejam controlados adequadamente de acordo com as informações especificações acordadas. Ter rastreabilidade das entregas para evitar trabalhos improdutivos e avaliar todos os processos. 7.1 Obrigações A Transportadora deverá enviar diariamente os arquivos correspondente às entregas, sendo aplicável, no mínimo, a seguinte medida: para entregas nas capitais, 97% dos arquivos deverão ser entregues no dia posterior ao da entrega ( D1 até as 04:00 hs ) e para entregas em outras cidades que não as capitais, 97% no segundo dia imediatamente posterior ao da entrega ( D2 até as 04:00hs ) nos padrões determinados entre ambas e importado no sistema de Transportes da NATURA. Todas as entregas deverão ser informadas pela transportadora, independentemente do tipo de ocorrência. 7.1 Meio de Comunicação As ocorrências deverão ser enviadas obrigatoriamente em arquivo de EDI via FTP no padrão proceda. Os arquivos de conhecimento e de faturas devem ser obrigatoriamente em arquivo de EDI via FTP no padrão proceda. Na impossibilidade de envio da informação via EDI, enviar via ou outro meio de comunicação. 11

13 8. RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Objetivos Gerenciar as atividades de maneira a identificar e minimizar os impactos ambientais, buscando a prevenção à poluição de seus processos, produtos e serviços, cumprindo a legislação ambiental aplicável e melhorando continuamente sua performance ambiental. 8.1 Geral É necessário Sistema de Gestão Ambiental básico incluindo política e concordância com os requerimentos legais e com a melhoria contínua Requisitos legais incluem-todas as licenças aplicáveis à legislação de esfera municipal, estadual e federal 8.2 Requisitos específicos Situações que podem comprometer a reputação da companhia devem ser reportadas imediatamente a Natura. Garantir o correto gerenciamento e destinação dos resíduos sólidos e líquidos gerados provenientes de suas atividades, em conformidade com a legislação ambiental e a prevenção à poluição. Uma lista de não conformidades legais / reclamações ambientais dos últimos 3 anos & ações corretivas associadas deve estar disponível, quando aplicável É recomendado que se tenham procedimentos documentados / Instruções de trabalho para o controle de aspectos ambientais significativos: Emissões atmosféricas. Poluição sonora Contaminação de solo e mananciais Gerenciamento de substâncias perigosas Gerenciamento de utilidades Consumo de água Gerenciamento e Destinação de resíduos sólidos perigosos e não perigosos Gerenciamento de Efluentes líquidos As empresas que atuam em nome da Natura (tais como transportadoras, fabricantes de produtos acabados, empresas de gerenciamento de resíduos) devem apurar e reportar à Natura periodicamente sua performance ambiental através dos indicadores: Tema Indicador Unidade Emissões Emissão de gases de efeito estufa ton CO2 atmosféricas, de forma que a emissão de poluentes de mencionados veículos, em especial de dióxido de carbono (CO2), seja mantida em níveis satisfatórios, conforme normas emitidas pelo IBAMA e pelos órgão estaduais competentes 12

14 9. SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Objetivo Ter um sistema de gerenciamento efetivo para assegurar que colaboradores estão trabalhando em condições seguras 9.1 Geral Recomenda-se um sistema efetivo de Saúde e Segurança no Trabalho em concordância com os requisitos legais do Ministério da Saúde e Trabalho. Condições seguras e saudáveis devem ser disponibilizadas para todos os colaboradores. Perigos e riscos associados com atividades de trabalho devem ser avaliados e controlados efetivamente. 9.2 Requerimentos Específicos Os colaboradores devem estar adequadamente treinados e entender os riscos relevantes e suas precauções antes de iniciar o trabalho em equipamentos. Máquinas e ferramentas devem estar protegidas ao acesso a partes em movimento, de acordo com os requerimentos legais. EPIs devem ser adequados,disponíveis e utilizados pelos colaboradores. Planos de emergência devem ser adequados, incluindo formas de evacuação seguras. Recomenda-se simulados de abandono de área. 13

15 10. RESPONSABILIDADE SOCIAL Objetivos Reafirmar o compromisso de incorporar políticas e práticas de gestão responsável, baseadas na ética e na transparência, num processo de diálogo permanente com seus diversos públicos Compromissos éticos : Recomenda-se que a empresa tenha princípios éticos e que estes princípios estejam em um código de ética ou uma declaração de crenças e valores documentado e efetivamente lembrado nas ações do dia-a-dia. Recomenda-se que a empresa tenha uma política de diálogo aberto e transparência com os seus públicos Direitos Humanos: A empresa deve apoiar e respeitar a proteção de direitos humanos reconhecidos internacionalmente, assim como assegurar sua não-participação em violações desses direitos. (ver anexo 1) 10.3 Direitos do Trabalho: A empresa deve legalizar a relação de trabalho, apoiar a liberdade de associação e reconhecer efetivamente o direito à negociação coletiva Compromisso com o Futuro das Crianças: É imprescindível o respeito à legislação que proíbe o trabalho antes dos 16 anos (exceto aprendizes). A empresa deve possuir políticas formais que visem à erradicação do trabalho infantil e discutir com seus fornecedores esta questão, estimulando-os a cumprir a legislação. Além disso, possuir cláusula específica em seus contratos relativa à proibição deste tipo de trabalho Valorização da Diversidade: Recomenda-se o combate todas as formas de discriminação e a promoção de programas de contratação de deficientes físicos (oferecendo, inclusive recursos físicos para facilitar seu deslocamento), igualdade de remuneração e valorização das oportunidades oferecidas pela riqueza étnica e cultural de nossa sociedade Trabalho Forçado ou Compulsório: É imprescindível o respeito à legislação que proíbe o trabalho forçado. A empresa deve possuir políticas formais que visem à erradicação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório e discutir com seus fornecedores esta questão, estimulando-os a cumprir a legislação. Além disso, possuir cláusula específica em seus contratos relativa à proibição deste tipo de trabalho Combate à corrupção: A empresa deve combater a corrupção em todas as suas formas, inclusive extorsão e propina Gerenciamento do Impacto da Empresa Junto à Comunidade: A empresa precisa monitorar e reparar seus possíveis impactos na vida da comunidade (solicitação de equipamentos sociais, tráfego, zoneamento urbano, relações com vizinhos, etc.), mantendo canais de diálogo para o recebimento de demandas, reclamações e manifestações da comunidade. 14

16 Contatos Natura: Sistema Integrado Qualidade: Tarcila Chiodin Meio Ambiente: Karina Aguilar Responsabilidade Social- Camila Fornazari Referências : -NBR IS09000: Sistemas de Gestão da qualidade -NBR ISO14000: Sistemas da Gestão Ambiental -Pancary seguradora e Especificação de insumos Klabim - Manual de Qualidade de Transportes -Direito civil Contrato de prestação de serviços -OHSAS Sistema de Gestão de Segurança e Higiene no trabalho -NBR ISO Sistema de Gestão de Responsabilidade Social 15

17 ANEXO 1 Declaração Universal dos Direitos Humanos Fonte: United Nations Information Centre Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo; Considerando que o desconhecimento e o desprezo dos direitos do Homen conduziram a actos de barbárie que revoltam a consciência da Humanidade e que o advento de um mundo em que os seres humanos sejam livres de falar e de crer, libertos do terror e da miséria, foi proclamado como a mais alta inspiração do Homem; Considerando que é essencial a proteção dos direitos do Homem através de um regime de direito, para que o Homem não seja compelido, em supremo recurso, à revolta contra a tirania e a opressão; Considerando que é essencial encorajar o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações; Considerando que, na Carta, os povos das Nações Unidas proclamam, de novo, a sua fé nos direitos fundamentais do Homem, na dignidade e no valor da pessoa humana, na igualdade de direitos dos homens e das mulheres e se declaram resolvidos a favorecer o progresso social e a instaurar melhores condições de vida dentro de uma liberdade mais ampla; Considerando que os Estados membros se comprometeram a promover, em cooperação com a Organização das Nações Unidas, o respeito universal e efectivo dos direitos do Homem e das liberdades fundamentais; Considerando que uma concepção comum destes direitos e liberdades é da mais alta importância para dar plena satisfação a tal compromisso: A Assembléia Geral proclama a presente Declaração Universal dos Direitos Humanos como ideal comum a atingir por todos os povos e todas as nações, a fim de que todos os indivíduos e todos os orgãos da sociedade, tendo-a constantemente no espírito, se esforcem, pelo ensino e pela educação, por desenvolver o respeito desses direitos e liberdades e por promover, por medidas progressivas de ordem nacional e internacional, o seu reconhecimento e a sua aplicação universais e efectivos tanto entre as populações dos próprios Estados membros como entre as dos territórios colocados sob a sua jurisdição. Artigo 1 Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade. Artigo 2 Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, de cor, de sexo, de língua, de religião, de opinião política ou outra, de origem nacional ou social, de fortuna, de nascimento ou de qualquer outra situação. Além disso, não será feita nenhuma distinção fundada no estatuto político, jurídico ou internacional do país ou do território da naturalidade da pessoa, seja esse país ou território independente, sob tutela, autônomo ou sujeito a alguma limitação de soberania. Artigo 3 Todo indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. Artigo 4 Ninguém será mantido em escravatura ou em servidão; a escravatura e o trato dos escravos, sob todas as formas, são proibidos. Artigo 5 Ninguém será submetido a tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes. Artigo 6 Todos os indivíduos têm direito ao reconhecimento, em todos os lugares, da sua personalidade jurídica. Artigo 7 Todos são iguais perante a lei e, sem distinção, têm direito a igual protecção da lei. Todos têm direito a protecção igual contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação. Artigo 8 Toda a pessoa direito a recurso efectivo para as jurisdições nacionais competentes contra os actos que violem os direitos fundamentais reconhecidos pela Constituição ou pela lei. Artigo 9 Ninguém pode ser arbitrariamente preso, detido ou exilado. 16

18 Artigo 10 Toda a pessoa tem direito, em plena igualdade, a que a sua causa seja equitativa e publicamente julgada por um tribunal independente e imparcial que decida dos seus direitos e obrigações ou das razões de qualquer acusação em matéria penal que contra ela seja deduzida. Artigo Toda a pessoa acusada de um acto delituoso presume-se inocente até que a sua culpabilidade fique legalmente provada no decurso de um processo público em que todas as garantias necessárias de defesa lhe sejam asseguradas. 2. Ninguém será condenado por acções ou omissões que, no momento da sua prática, não constituíam acto delituoso à face do direito interno ou internacional. Do mesmo modo, não será infligida pena mais grave do que a que era aplicável no momento em que o acto delituoso foi cometido. Artigo 12 Ninguém sofrerá intromissões arbitrárias na sua vida privada, na sua família, no seu domicílio ou na sua correspondência, nem ataques à sua honra e reputação. Contra tais intromissões ou ataques toda a pessoa tem direito a protecção da lei. Artigo Toda a pessoa tem o direito de livremente circular e escolher a sua residência no interior de um Estado. 2. Toda a pessoa tem o direito de abandonar o país em que se encontra, incluindo o seu, e o direito de regressar ao seu país. Artigo Toda a pessoa sujeita a perseguição tem o direito de procurar e de beneficiar de asilo em outros países. 2. Este direito não pode, porém, ser invocado no caso de processo realmente existente por crime de direito comum ou por actividades contrárias aos fins e aos princípios das Nações Unidas. Artigo Todo o indivíduo tem direito a ter uma nacionalidade. 2. Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua nacionalidade nem do direito de mudar de nacionalidade. Artigo A partir da idade núbil, o homem e a mulher têm o direito de casar e de constituir família, sem restrição alguma de raça, nacionalidade ou religião. Durante o casamento e na altura da sua dissolução, ambos têm direitos iguais. 2. O casamento não pode ser celebrado sem o livre e pleno consentimento dos futuros esposos. 3. A família é o elemento natural e fundamental da sociedade e tem direito à proteção desta e do Estado. Artigo Toda a pessoa, individual ou colectiva, tem direito à propriedade. 2. Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua propriedade. Artigo 18 Toda a pessoa tem direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião; este direito implica a liberdade de mudar de religião ou de convicção, assim como a liberdade de manifestar a religião ou convicção, sozinho ou em comum, tanto em público como em privado, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pelos ritos. Artigo 19 Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e idéias por qualquer meio de expressão. Artigo Toda a pessoa tem direito à liberdade de reunião e de associação pacíficas. 2. Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de uma associação. Artigo Toda a pessoa tem o direito de tomar parte na direcção dos negócios, públicos do seu país, quer directamente, quer por intermédio de representantes livremente escolhidos. 2. Toda a pessoa tem direito de acesso, em condições de igualdade, às funções públicas do seu país. 3. A vontade do povo é o fundamento da autoridade dos poderes públicos: e deve exprimir-se através de eleições honestas a realizar periodicamente por sufrágio universal e igual, com voto secreto ou segundo processo equivalente que salvaguarde a liberdade de voto. 17

19 Artigo 22 Toda a pessoa, como membro da sociedade, tem direito à segurança social; e pode legitimamente exigir a satisfação dos direitos econômicos, sociais e culturais indispensáveis, graças ao esforço nacional e à cooperação internacional, de harmonia com a organização e os recursos de cada país. Artigo Toda a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à protecção contra o desemprego. 2. Todos têm direito, sem discriminação alguma, a salário igual por trabalho igual. 3. Quem trabalha tem direito a uma remuneração equitativa e satisfatória, que lhe permita e à sua família uma existência conforme com a dignidade humana, e completada, se possível, por todos os outros meios de protecção social. 4. Toda a pessoa tem o direito de fundar com outras pessoas sindicatos e de se filiar em sindicatos para defesa dos seus interesses. Artigo 24 Toda a pessoa tem direito ao repouso e aos lazeres, especialmente, a uma limitação razoável da duração do trabalho e as férias periódicas pagas. Artigo Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à sua família a saúde e o bem-estar, principalmente quanto à alimentação, ao vestuário, ao alojamento, à assistência médica e ainda quanto aos serviços sociais necessários, e tem direito à segurança no desemprego, na doença, na invalidez, na viuvez, na velhice ou noutros casos de perda de meios de subsistência por circunstâncias independentes da sua vontade. 2. A maternidade e a infância têm direito a ajuda e a assistência especiais. Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimônio, gozam da mesma protecção social. Artigo Toda a pessoa tem direito à educação. A educação deve ser gratuita, pelo menos a correspondente ao ensino elementar fundamental. O ensino elementar é obrigatório. O ensino técnico e profissional dever ser generalizado; o acesso aos estudos superiores deve estar aberto a todos em plena igualdade, em função do seu mérito. 2. A educação deve visar à plena expansão da personalidade humana e ao reforço dos direitos do Homem e das liberdades fundamentais e deve favorecer a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e todos os grupos raciais ou religiosos, bem como o desenvolvimento das actividades das Nações Unidas para a manutenção da paz. 3. Aos pais pertence a prioridade do direito de escholher o género de educação a dar aos filhos. Artigo Toda a pessoa tem o direito de tomar parte livremente na vida cultural da comunidade, de fruir as artes e de participar no progresso científico e nos benefícios que deste resultam. 2. Todos têm direito à protecção dos interesses morais e materiais ligados a qualquer produção científica, literária ou artística da sua autoria. Artigo 28 Toda a pessoa tem direito a que reine, no plano social e no plano internacional, uma ordem capaz de tornar plenamente efectivos os direitos e as liberdades enunciadas na presente Declaração. Artigo O indivíduo tem deveres para com a comunidade, fora da qual não é possível o livre e pleno desenvolvimento da sua personalidade. 2. No exercício deste direito e no gozo destas liberdades ninguém está sujeito senão às limitações estabelecidas pela lei com vista exclusivamente a promover o reconhecimento e o respeito dos direitos e liberdades dos outros e a fim de satisfazer as justas exigências da moral, da ordem pública e do bem-estar numa sociedade democrática. 3. Em caso algum estes direitos e liberdades poderão ser exercidos contrariamente e aos fins e aos princípios das Nações Unidas. Artigo 30 Nenhuma disposição da presente Declaração pode ser interpretada de maneira a envolver para qualquer Estado, agrupamento ou indivíduo o direito de se entregar a alguma actividade ou de praticar algum acto destinado a destruir os direitos e liberdades aqui enunciados. 18

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 6 Comunidade Global Tema Direitos fundamentais do : Declaração Universal dos Direitos do OBJECTIVO: Participa consciente e sustentadamente na comunidade global 1. Leia, com atenção, a Declaração Universal

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Brasil Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada e proclamada pela resolução 217 A (III)

Leia mais

INTRODUÇÃO... 3 DEFINIÇÕES... 5 1. QUALIDADE / MONITORIA... 7 2. RECURSOS HUMANOS... 8 2.1. EMPREGADOS... 8 2.2. TURNOVER... 8 3. TREINAMENTO...

INTRODUÇÃO... 3 DEFINIÇÕES... 5 1. QUALIDADE / MONITORIA... 7 2. RECURSOS HUMANOS... 8 2.1. EMPREGADOS... 8 2.2. TURNOVER... 8 3. TREINAMENTO... Requisitos Sistema Integrado Fornecedores: Prestadores de Serviço de Atendimento 2006 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 DEFINIÇÕES... 5 1. QUALIDADE / MONITORIA... 7 2. RECURSOS HUMANOS... 8 2.1. EMPREGADOS... 8

Leia mais

Índice. Requisitos Gerais 6

Índice. Requisitos Gerais 6 Requisitos Sistema Integrado Fornecedores: Centros de Distribuição 2007 Índice Introdução 4 Definições 5 Requisitos Gerais 6 Instalações Físicas 7 Processo de Separação-Picking 8 Estocagem,Transporte e

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia

Representação da UNESCO no Brasil. DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia Representação da UNESCO no Brasil DIREITOS HUMANOS NA MÍDIA COMUNITÁRIA: a cidadania vivida no nosso dia a dia 1ª Edição Brasília e São Paulo UNESCO e OBORÉ Setembro de 2009 2009 Organização das Nações

Leia mais

Assim, acreditamos que a base para uma parceria de longo prazo está fundamentada em:

Assim, acreditamos que a base para uma parceria de longo prazo está fundamentada em: Requisitos Sistema Integrado Fornecedores : Brindes & Materiais de Apoio 2007 Índice Introdução 4 Definições 6 Requisitos Gerais 7 Instalações Físicas 8 Insumos 9 Manufatura 10 Produto Acabado 12 Estocagem,Transporte

Leia mais

Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais

Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais Adotado e aberto à assinatura, ratificação e adesão pela resolução 2200A (XXI) da Assembléia Geral das Nações Unidas, de 16 de Dezembro

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM

DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM Resolução XXX, Ata Final, aprovada na IX Conferência Internacional Americana, em Bogotá, em abril de 1948. A IX Conferência Internacional Americana,

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959 PREÂMBULO CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM. (Aprovada na Nona Conferência Internacional Americana, Bogotá, 1948)

DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM. (Aprovada na Nona Conferência Internacional Americana, Bogotá, 1948) In: http://www.cidh.oas.org/basicos/portugues/b.declaracao_americana.htm DECLARAÇÃO AMERICANA DOS DIREITOS E DEVERES DO HOMEM (Aprovada na Nona Conferência Internacional Americana, Bogotá, 1948) A IX Conferência

Leia mais

Assim, acreditamos que a base para uma parceria de longo prazo está fundamentada em:

Assim, acreditamos que a base para uma parceria de longo prazo está fundamentada em: Requisitos Sistema Integrado Fornecedores : Insumos & Manufatura de Produtos Acabados 2007 1 Índice Introdução 4 Definições 6 Requisitos Gerais 7 Instalações Físicas 8 Matérias-primas e Materiais de Embalagem

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

DEFINIÇÕES... 1 1. REQUISITOS LEGAIS... 3 2. REQUISITOS GERAIS... 4 3. INFRAESTRUTURA... 6 4. COLETA... 11 5. TRANSFERÊNCIA... 17 6.

DEFINIÇÕES... 1 1. REQUISITOS LEGAIS... 3 2. REQUISITOS GERAIS... 4 3. INFRAESTRUTURA... 6 4. COLETA... 11 5. TRANSFERÊNCIA... 17 6. Requisitos Sistema Integrado Prestadores de Serviços: Transportadoras 2012 DEFINIÇÕES... 1 1. REQUISITOS LEGAIS... 3 2. REQUISITOS GERAIS... 4 3. INFRAESTRUTURA... 6 4. COLETA... 11 5. TRANSFERÊNCIA...

Leia mais

Código de Conduta de Fornecedor

Código de Conduta de Fornecedor Código de Conduta de Fornecedor www.odfjelldrilling.com A Odfjell Drilling e suas entidades afiliadas mundialmente estão comprometidas em manter os mais altos padrões éticos ao conduzir negócios. Como

Leia mais

As 7 Regras de Ouro do Coach. 1. Aplicar o coaching com ética, integridade e honestidade. 2. Zelar pela credibilidade do coaching.

As 7 Regras de Ouro do Coach. 1. Aplicar o coaching com ética, integridade e honestidade. 2. Zelar pela credibilidade do coaching. As 7 Regras de Ouro do Coach 1. Aplicar o coaching com ética, integridade e honestidade. 2. Zelar pela credibilidade do coaching. 3. Sempre oferecer sigilo ao cliente e ater-se ao princípio do não julgamento.

Leia mais

Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL

Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL O objetivo deste documento é informar aos fornecedores dos pontos e valores fundamentais de nosso processo de compras. A GS1 Brasil mantém a ética, a transparência

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA 2010 Pág.: 2 de 9 A maioria das empresas exige dos seus fornecedores um excelente produto/serviço, a preço competitivo. Além disso, para nós da Saraiva, é muito importante

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente;

Relatório Pacto Global. Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Relatório Pacto Global Princípios de Direitos Humanos Princípio 1: As empresas devem dar apoio e respeitar a proteção aos direitos humanos proclamados internacionalmente; Um dos valores que sustentam a

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO AMERICANA SOBRE DIREITOS HUMANOS EM MATÉRIA DE DIREITOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS, PROTOCOLO DE SAN SALVADOR

PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO AMERICANA SOBRE DIREITOS HUMANOS EM MATÉRIA DE DIREITOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS, PROTOCOLO DE SAN SALVADOR PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO AMERICANA SOBRE DIREITOS HUMANOS EM MATÉRIA DE DIREITOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS, PROTOCOLO DE SAN SALVADOR Preâmbulo Os Estados Partes na Convenção Americana sobre

Leia mais

Convenção Sobre os D ireitos. da Criança

Convenção Sobre os D ireitos. da Criança Convenção Sobre os D ireitos da Criança Convenção Sobre os Direitos Resumo não oficial da Criança Junho de 2000 Prefácio A presente publicação é um resumo não oficial da Convenção das Nações Unidas Sobre

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Relatório de avaliação dos compromissos assumidos com o Pacto Global

Relatório de avaliação dos compromissos assumidos com o Pacto Global Relatório de avaliação dos compromissos assumidos com o Pacto Global 07/06/2013 Sumário 1. O Pacto Global... 3 2. A Klabin e o Pacto Global... 5 3. Avaliação das iniciativas da Klabin para o cumprimento

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES ÍNDICE PREFÁCIO par. pág. Razão de ser 1-3 13 Os objectivos 4-5 13 A origem 6-8 13 Agradecimentos: aos redactores 9 14 Agradecimentos: aos patrocinadores 10 14 Aos destinatários 11 14 ONDE COMEÇA O MANUAL

Leia mais

Janeiro de 2007. Sistema Ouvidor Informações Consolidadas Relatório de Atividades. Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos.

Janeiro de 2007. Sistema Ouvidor Informações Consolidadas Relatório de Atividades. Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. Sistema Ouvidor Informações Consolidadas Relatório de Atividades Janeiro de 2007 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela Resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta visa dar a conhecer de forma inequívoca aos colaboradores, clientes, entidades públicas, fornecedores e, de uma forma geral, a toda a comunidade os valores preconizados, vividos e exigidos pela empresa,

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Estatuto sobre o Desenvolvimento Ético e Sustentável. entre a biomérieux e seus Fornecedores

Estatuto sobre o Desenvolvimento Ético e Sustentável. entre a biomérieux e seus Fornecedores Estatuto sobre o Desenvolvimento Ético e Sustentável entre a biomérieux e seus Fornecedores Prezados Fornecedores, Contribuir para a melhoria da saúde pública mundial através de diagnóstico in vitro é

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA 1. Introdução A materialização da Missão, Visão e Valores de uma Empresa traduz-se na actuação quotidiana dos seus colaboradores, de acordo com práticas éticas consensuais

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

PACTO INTERNACIONAL DOS DIREITOS ECONÓMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS

PACTO INTERNACIONAL DOS DIREITOS ECONÓMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS PACTO INTERNACIONAL DOS DIREITOS ECONÓMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS Adoptado e aberto à assinatura, ratificação e adesão pela Assembleia Geral das Nações Unidas na sua Resolução N.º 2200-A (XXI), de 16 de

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos...

Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos... Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos... Uma introdução aos direitos da criança Todas as pessoas têm direitos. Se fores um rapaz ou uma rapariga com menos de 18 anos, tens também certos

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS SEXUAIS

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS SEXUAIS DECLARAÇÃO DOS DIREITOS SEXUAIS Reconhecendo que direitos sexuais são essenciais para o alcance do maior nível de saúde sexual possível, a Associação Mundial para a Saúde Sexual: DECLARA que direitos sexuais

Leia mais

Produção de texto no ENEM: pré-requisitos e temas possíveis

Produção de texto no ENEM: pré-requisitos e temas possíveis Produção de texto no ENEM: pré-requisitos e temas possíveis A redação pode ser o grande diferencial no resultado de um participante do ENEM, mas, por mais que ele especule sobre possíveis temas a serem

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid INTRODUÇÃO A Convenção Apartheid foi aprovado pela Assembléia Geral da ONU em 1973, mas com um grande número de abstenções por

Leia mais

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros Todas as actividades empresariais na Bristol-Myers Squibb (BMS) apoiam-se no alicerce do nosso compromisso com a integridade e a conformidade com todas as leis, regulamentos, directivas e códigos industriais

Leia mais

ISO 9001 ISO 14001. Relatório Comunicação de Progresso COP 2014

ISO 9001 ISO 14001. Relatório Comunicação de Progresso COP 2014 Relatório Comunicação de Progresso COP 2014 Detalhes da Comunicação de Progresso Nome da Empresa Signatária Copastur Viagens e Turismo País Brasil Setor Turismo Agenciamento de Viagens Período de Relato

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

Considerando que o gozo dos direitos e liberdades implica o cumprimento dos deveres de cada um;

Considerando que o gozo dos direitos e liberdades implica o cumprimento dos deveres de cada um; PREAMBULO Os Estados africanos membros da Organização da Unidade Africana, partes na presente Carta que tem o título de "Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos", Lembrando a decisão 115 (XVI)

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos A Carta da Terra Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis

Leia mais

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 DECLARAÇÃO DE VIENA E PROGRAMA DE ACÇÃO Nota do Secretariado Em anexo encontra-se o texto da Declaração de Viena e do Programa

Leia mais

Prof Ahyrton Lourenço

Prof Ahyrton Lourenço Ministério da Justiça Secretaria Executiva Concurso Público para Provimento de Cargos do Quadro de Pessoal do Ministério da Justiça Especialista em Assistência Penitenciária e Técnico de Apoio à Assistência

Leia mais

Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais

Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais Aprovada e proclamada pela Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, reunida em Paris em sua 20.º reunião,

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

CONCURSO DE DESENHO DE CARTAZ COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS

CONCURSO DE DESENHO DE CARTAZ COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS CONCURSO DE DESENHO DE CARTAZ COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS REGRAS DO CONCURSO COM AS MODIFICAÇÕES REALIZADAS EM MAIO DE 2009 1. Objeto do Concurso Em abril

Leia mais

Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais)

Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais) Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais) I. Preâmbulo Os requisitos que se seguem especificam

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 Cidadania Europeia Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 O que é a cidadania? Vínculo jurídico entre o indivíduo e o respectivo Estado, traduz-se num conjunto de direitos e deveres O relacionamento

Leia mais

Declaração dos Direitos da Criança (1959)

Declaração dos Direitos da Criança (1959) Declaração dos Direitos da Criança (1959) Preâmbulo Visto que os povos das Nações Unidas, na Carta, reafirmaram a sua fé nos direitos humanos fundamentais, na dignidade e no valor do ser humano, e resolveram

Leia mais

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD O SUCESSO DA IMCD É BASEADO NO ESTABELECIMENTO DE UM AMBIENTE QUE PROMOVE A RESPONSABILIDADE, CONFIANÇA E O RESPEITO. IMCD Código de Conduta 3 1. Introdução O

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

Novartis Código para Fornecedores

Novartis Código para Fornecedores Novartis Código para Fornecedores Version 1.0 01-04-2013 Introdução Finalidade Considerações éticas permeiam todas as dimensões de nossos negócios nossos processos de pesquisa, desenvolvimento, produção,

Leia mais

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português.

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Esta publicação é distribuída para os colaboradores da Recuperadora Sales Gama Ltda e seu público

Leia mais

Protocolo Adicional à Convenção Americana sobre Direitos Humanos em matéria de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais (Protocolo de San Salvador)

Protocolo Adicional à Convenção Americana sobre Direitos Humanos em matéria de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais (Protocolo de San Salvador) Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Proteção Internacional dos Direitos Humanos Protocolo Adicional à Convenção Americana sobre Direitos Humanos em matéria de Direitos Econômicos, Sociais

Leia mais

Comunicação sobre Progresso (Communication on Progress COP) 2015 para o Pacto Global das Nações Unidas (UN Global Compact)

Comunicação sobre Progresso (Communication on Progress COP) 2015 para o Pacto Global das Nações Unidas (UN Global Compact) Comunicação sobre Progresso (Communication on Progress COP) 2015 para o Pacto Global das Nações Unidas (UN Global Compact) TORCOMP Usinagem e Componentes Ltda. Brasil Setor de Automóveis e Peças Período

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais

Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais * Adotada pela Resolução n.2.200-a (XXI) da Assembléia Geral das Nações Unidas, em 16 de dezembro de 1966 e ratificada pelo Brasil em 24

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação 1.1. O presente Código de Ética aplica-se a todos os colaboradores da COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A., adiante designada como CL, qualquer que seja o seu vínculo laboral

Leia mais

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**)

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Os Estados Membros da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura reunidos em Paris em virtude da 28ª reunião da Conferência

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

COMMUNICATION ON PROGRESS

COMMUNICATION ON PROGRESS COMMUNICATION ON PROGRESS (COP) 2014 1. Declaração de Compromisso Esta é a primeira comunicação de Progresso (COP) que fazemos abrangendo o período de Dezembro de 2013 a Dezembro de 2014. Quero reforçar

Leia mais

DECLARAÇÃO INTERNACIONAL DOS DIREITOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS (1966)

DECLARAÇÃO INTERNACIONAL DOS DIREITOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS (1966) DECLARAÇÃO INTERNACIONAL DOS DIREITOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS (1966) Preâmbulo Os Estados-partes no presente Pacto, Considerando que, em conformidade com os princípios proclamados na Carta das

Leia mais

VIVEMOS NOSSOS VALORES

VIVEMOS NOSSOS VALORES BOA CIDADANIA: PRINCÍPIOS EMPRESARIAIS VIVEMOS NOSSOS VALORES INTEGRIDADE CORPORATIVA SEGURANÇA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EMPREGO E DIREITOS TRABALHISTAS DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE E DIREITOS HUMANOS

Leia mais

COMPILAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS APLICÁVEIS AO COMBATE DO TRABALHO INFANTIL. Organização: Sandro Schmitz dos Santos

COMPILAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS APLICÁVEIS AO COMBATE DO TRABALHO INFANTIL. Organização: Sandro Schmitz dos Santos COMPILAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS APLICÁVEIS AO COMBATE DO TRABALHO INFANTIL Organização: Sandro Schmitz dos Santos COMPILAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS APLICÁVEIS AO COMBATE DO TRABALHO INFANTIL Organização:

Leia mais

Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas

Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas A Assembléia Geral, Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas Tomando nota da recomendação que figura na resolução 1/2 do Conselho dos Direitos Humanos, de 29 de junho de 2006,

Leia mais

Direito à Saúde Sexual e Reprodutiva

Direito à Saúde Sexual e Reprodutiva Direito à Saúde Sexual e Reprodutiva O que é a saúde sexual e reprodutiva? A saúde sexual e reprodutiva é uma componente essencial do direito universal ao mais alto padrão de saúde física e mental, consagrado

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais