CONSTRUINDO UMA INFRA-ESTRUTURA PARA O E-BUSINESS ASPECTOS TECNOLÓGICOS E ADMINISTRATIVOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSTRUINDO UMA INFRA-ESTRUTURA PARA O E-BUSINESS ASPECTOS TECNOLÓGICOS E ADMINISTRATIVOS"

Transcrição

1 CONSTRUINDO UMA INFRA-ESTRUTURA PARA O E-BUSINESS ASPECTOS TECNOLÓGICOS E ADMINISTRATIVOS Abstract Engenheiro Mário Eugênio Longato Centro Universitário IMES - São Caetano do Sul SP Rui de Almeida Martins Centro Universitário IMES - São Caetano do Sul SP The objective of this article is to describe the technological and administrative aspects that make possible a company to combine it the world of the electronic commerce. Currently very if it says in Web service, that is a technological platform that makes possible the electronic commerce. About 20 years behind was initiated it electronic exchange of data through a tool of name EDI - Electronic Data Interchange. At this time the Inter-enterprise nets of communication were scarce, expensive and very complex to operate. Thanks to the INTERNET, today we have a new reality in terms of net of communication of data, making possible new applications of electronic commerce. Key-words: E-Business, B2B, EDI, SOAP, XML, Web services, ERP, XRP, e-commerce Área Temática: Gestão da Tecnologia 1. Introdução O objetivo deste artigo é descrever os aspectos tecnológicos e administrativos que viabilizam uma empresa a integrar-se ao mundo do comércio eletrônico. Atualmente muito se fala em Web service, que é uma plataforma tecnológica que viabiliza o comércio eletrônico. A cerca de 20 anos atrás iniciou-se a troca eletrônica de dados através de uma ferramenta de nome EDI Electronic Data Interchange. Nesta época as redes de comunicação inter-empresariais eram escassas, caras e muito complexas de operar. Graças à Internet, hoje temos uma nova realidade em termos de rede de comunicação de dados, viabilizando novas aplicações de comércio eletrônico. 2. A evolução do MRP Ao longo dos últimos 20 anos, a evolução dos sistemas informatizados nas empresas cresceram acompanhando a evolução tecnológica do hardware e do software. Nos dias atuais encontramos sistemas de armazenamento de dados na ordem de dezenas de Giga Bytes a preços baixíssimos. A capacidade de processamento e a memória física dos equipamentos também evoluíram de forma rápida, e os preços ficaram cada vez mais atrativos. Quanto aos softwares de suporte (Sistema Operacional e Sistema Gerenciador de Banco de Dados), houve também uma melhora no desempenho e na segurança dos mesmos. Em meados dos anos 70 as empresas utilizavam o MRP Material Resource Planning. Este sistema atuava estritamente no controle da produção (PCP - Planejamento e Controle de Produção), controlando carga de máquina e fluxo de materiais pela produção. Nos anos 80 e início dos ano 90, imperou o MRP-II, onde foram incluídas no sistema informatizado outras funções da empresa, dentre elas a Logística e Compras. Nos anos 90 foi a vez do ERP Enterprise Resource Planning, onde prega-se o envolvimento de todas as áreas da empresa. A evolução é demonstrada no quadro 2.1.

2 PRODUÇÃO PRODUÇÃO PRODUÇÃO LOGÍSTICA LOGÍSTICA COMPRAS COMPRAS FINANCEIRO ADMINISTRATIVO VENDAS Anos 70 Anos 80 Anos 90 MRP MRP-II ERP Quadro 2.1 Evolução dos Sistemas Corporativos 3. A evolução dos serviços através da WEB No princípio a Internet estava sendo utilizada para a publicação de páginas estáticas, onde as empresas colocavam sua missão, lista de produtos e serviços. O serviço de foi o segundo na utilização pela Internet, onde as empresas disponibilizaram para seus funcionários um endereço eletrônico, porém, devido à fase inicial do serviço, as mensagens trocadas pelos funcionários não tratavam exclusivamente de negócios, e sim, tinham cunho pessoal. Com a disseminação da Web nas empresas, a mensagem eletrônica passou a ser utilizada para fins comerciais, onde eram solicitadas, de forma não estruturada, cotações e as respostas também eram enviadas sem formatação, e sem integração com qualquer sistema da empresa. Também em 1998, entraram em operação os primeiros portais de comércio eletrônico, onde as empresas disponibilizavam produtos para a prática do B2C Business to Consumer (Venda direto para o Consumidor), ou seja, os portais de supermercados, lojas virtuais, livrarias. Neste ponto podemos ressaltar alguns empreendimentos de sucesso, como o portal da Amazon (em âmbito mundial) e o portal do grupo Pão de Açúcar no Brasil. Os novos serviços que iniciaram junto com o novo milênio, e que responderá pelo crescimento vertiginoso das transações comerciais através da Internet, é o B2B Business to Business (Vendas entre empresas), onde os Sistemas Corporativos das Empresas trocarão sincronizadamente as solicitações de compra e faturamento. http (1994) Publicação de páginas estáticas Smtp (1995) Utilização de correio eletrônico (fins pessoais) Smtp (1998) Utilização de correio eletrônico (fins de negócios) Xml, https (1998) Utilização de comércio eletrônico (b2b e b2c) Soap (2001) Utilização de troca de documentos entre empresas (Webservice) Quadro 3.1 Evolução dos serviços na Internet (Brasil) são: A partir de 2001 uma nova gama de serviços passaram a fazer parte do dia-a-dia das empresas. Os serviços

3 e-procurement - Compras corporativas pela internet. É o processo de compras corporativas via web, a partir de um portal próprio para fornecedores credenciados. emarketplace Mercado Virtual São os mercados virtuais onde compradores e vendedores se encontram para fazer negócios. Gestão Integrada da Cadeia de Valor Troca de informações de produtos/serviços Dado um produto final, sua composição dependerá da gestão integrada entre os diversos fornecedores de materiais e serviços que são necessários para a produção do mesmo. Como exemplo podemos citar a produção de um veículo, particularmente a carroçaria do mesmo. O quadro 3.2 mostra o fluxo racionalizado. 1. Mineração do ferro 2. Mineração do carvão mineral 3. Produção do carvão coque 4. Produção do ferro gusa 5. Produção do aço 6. Laminação do aço 7. Estampo da lamina de aço 8. Tratamento químico 9. Montagem no chassi do veículo 10. Pintura 11. Produto acabado (Veículo pronto para uso) Quadro 3.2 Etapas envolvidos até a produção final do veículo Estas 11 etapas demonstram apenas uma parte da construção de um veículo que é a carroçaria. Nestas etapas empresas fabricantes de aço (COSIPA, USIMINAS, AÇOMINAS) e fabricantes de automóveis (VOLSWAGEN, FORD, GMB, FIAT, RENAULT) são visíveis. O mesmo não deixa tão evidente o fluxo completo na cadeia, pois, no item 8, temos outra cadeia de fornecimento, onde são utilizados produtos químicos no tratamento da superfície da chapa antes da aplicação da tinta. Esta cadeia toma um ramo totalmente diferente do exposto, uma vez que aqui temos as indústrias químicas como BASF, DUPONT, dentre outras. 4. O conceito de Web service Web service representa uma nova arquitetura para criar aplicações que podem ser acessadas de diferentes computadores e sistemas operacionais. É uma aplicação de software que pode ser acessada remotamente utilizando diferentes linguagens baseadas em XML Uma comparação que podemos fazer entre um acesso à páginas web e a um Web service está descrita abaixo: ACESSO A UM PORTAL WEB (SEM MECANISMOS PAA WEB SERVICE) O usuário digita a URL Uniform Resource Locator através da seleção de um hyperlink. Neste momento é criada uma solicitação e o servidor de páginas resgata aquela solicitação e disponibiliza o conteúdo para o solicitante. A figura 4.1 mostra a topologia deste tipo de acesso.

4 lnternet Ex. Internet Explore Solicitação de uma página Ex. APACHE Server Recuperação da Página e envio Figura 4.1 Acesso a um portal para consulta a páginas ACESSO A UM PORTAL WEB SERVICE Uma aplicação ou até mesmo um usuário acessa um endereço URL, e o conteúdo enviado na requisição é um documento XML formatado de acordo com as regras de especificação SOAP. A arquitetura de um Web service está demonstrada na figura 4.2 lnternet Analisador de mensagem Gerador de mensagem SOAP Servidor Mecanismo Web Figura 4.2 Interação com um Web service 4.1 As siglas utilizadas em Web services ebxml / Electronic Business XML- é um variante do XML. É um conjunto de especificações para padronizar o XML, facilitando assim a troca de informações entre as empresas. OASIS / Organization for the Advancement of Structured Information (www.oasis-open.org) É uma entidade que discute os padrões para as aplicações de e-business e Web services.

5 SAML / Security Assertion Markup Language É a linguagem para troca de informações seguras no ambiente de Web services, e também é baseada em XML. Envolve mecanismos de autenticação e autorização. SOA / Service-Oriented Architecture É uma arquitetura padronziada, onde se encaixam o CORBA (Common Object Requests Broker Architecture) e o DCOM (Distributed Component Object Model). SOAP / Simple Object Access Protocol é o componente fundamental dos Web services. É um padrão aberto e baseado no XML. O mesmo foi projetado para padronizar a troca de informações entre aplicações diferentes em um ambiente descentralizado. XML / Extensible Markup Language Linguagem baseada em marcas (tags). Uddi / Universal Description, Discovery and Integration (www.uddi.org) Seu funcionamento é similar a um catálogo para Web services, onde as empresas expõem seus serviços e suas interfaces. Este serviço foi uma iniciativa de empresas como: IBM e MICROSOFT. WS-I / Web services Interoperability Organization É uma entidade envolvida na padronização sobre interoperabilidade entre sistemas, e é formada por empresas como: BEA Systems, INTEL, MICROSOFT e IBM. WSDL / Web Services Description Language a função básica do WSDL é a definição das regras baseadas em XML para descrever os serviços web. Estea tecnologia foi criada em conjunto pela IBM e pela MICROSOFT. 4.2 SOAP e Web services O SOAP é um protocolo elaborado para facilitar a chamada remota de funções via Internet, permitindo que dois programas se comuniquem de uma maneira tecnicamente muito semelhante à invocação de páginas web. O protocolo SOAP tem diversas vantagens sobre outras maneiras de chamar funções remotamente como DCOM, CORBA ou diretamente no TCP/IP: É simples de implementar, testar e usar. É um padrão da indústria, criado por um consórcio da qual a Microsoft é parte, e foi adotado pela W3C (http://www.w3.org/tr/soap/) e outras empresas. Usa os mesmos padrões da Web para quase tudo: a comunicação é feita via HTTP com pacotes virtualmente idênticos; os protocolos de autenticação e encriptação são os mesmos; a manutenção de estado é feita da mesma forma; é normalmente implementado pelo próprio servidor web. Atravessa firewalls e roteadores, que pensam que é uma comunicação HTTP. Tanto os dados como as funções são descritas em XML, o que torna o protocolo não apenas fácil de usar como também muito robusto. É independente do sistema operacional e CPU. Pode ser usado tanto de forma anônima como com autenticação (nome/senha). Os pedidos SOAP podem ser feitos em três padrões: GET, POST e SOAP. Os padrões GET e POST são idênticos aos pedidos feitos por navegadores Internet. O SOAP é um padrão semelhante ao POST, mas os pedidos são feitos em XML e permitem recursos mais sofisticados como passar estruturas e arrays. Independente de como seja feito o pedido, as respostas são sempre em XML. O XML descreve perfeitamente os dados em tempo de execução e evita problemas causados por inadvertidas mudanças nas funções, já que os objetos chamados têm a possibilidade de sempre validar os argumentos das funções, tornando o protocolo muito robusto. O SOAP define também um padrão chamado WSDL, que descreve perfeitamente os objetos e métodos disponíveis, através de páginas XML acessíveis através da Web. A idéia é a seguinte: quem publicar um serviço, cria também estas páginas. Quem quiser chamar o serviço, pode usar estas páginas como documentação de chamada e também usadas antes de chamar as funções para verificar se alguma coisa mudou. O SOAP pode ser facilmente implementado em virtualmente qualquer ambiente de programação. Existem atualmente diversos kits de desenvolvimento SOAP para vários sistemas operacionais e linguagens de alto nível.

6 4.3 SOAP com.net da Microsoft O SOAP é uma parte importante da arquitetura.net da Microsoft e tem um extenso suporte no Visual Studio.NET. Um WebService é um conjunto de métodos WebMethods logicamente associados e chamados através de SOAP. Os WebMethods são funções chamadas remotamente através de SOAP. Cada WebService tem dois arquivos associados: um com extensão asmx e outro com extensão cs se você estiver usando a linguagem C#. Na arquitetura.net os WebServices são implementados sempre em uma classe derivada de System.Web.Services.WebService. Nesta classe adicionamos as funções (métodos) que serão chamados via SOAP. A diferença entre um WebMethod e um método comum é a presença de um atributo WebMethod, uma espécie de diretiva de compilação. A página SDL é gerada automaticamente pelas ferramentas de programação. 5. O Comércio Eletrônico e sua classificação por tipo de negócios O comércio eletrônico pode ser classificado em alguns tipos, os quais estão identificados a seguir: NEGÓCIO NEGÓCIO É principio do EDI (Electronic Data Interchange / Intercâmbio Eletrônico de Dados), onde as empresas trocam informações sobre pedidos e cotações em suas operações. NEGÓCIO CONSUMIDOR São os portais de venda virtual, como já explicado anteriormente podemos citar a venda de Livros, CD s, Flores e bebidas. CONSUMIDOR ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA No Brasil esta categoria está muito forte, pois o governo está investido pesadamente nos portais dos órgãos públicos. Como exemplo podemos citar os serviços dos DETRANs, Correios e Ministérios como o da Fazenda e o da Previdência. 6. Conclusão Os Web services prometem o que todo pessoal de TI Tecnologia da Informação deseja - a interoperabilidade. Como exposto nos capítulos anteriores, a arquitetura dos Web services baseia-se no envio de mensagens em XML Extensible Markup Language em um formato SOAP. Um fator decisivo para a consolidação deste novo conceito como um segmento da indústria de tecnologia foi a formação de um consórcio chamado por WS-I / Web Services Interoperability Organization, objetivando o desenvolvimento de padrões. Este grupo reúne grandes empresas, líderes do mercado de tecnologia, tais como IBM, Microsoft, SAP, Oracle, BEA System, Fujitsu dentre outras. Além destas empresas o apoio vem de outras empresas de consultoria como o Gartner Group e a Forrester Research. A reunião destes grandes competidores foi marcada, espantosamente, pelo interesse genuíno e autêntico de se estabelecer padrões satisfatórios para todos os envolvidos. Adiciona-se a isto o fato de que este consórcio, mais nitidamente através da Microsoft, vem trabalhando junto ao W3C (www.w3.org), entidade responsável pela padronização de diversas linguagens e protocolos de Internet, em uma proposta visando a padronização do SOAP e de outros padrões que dão suporte ao uso de Web Services. Conforme citado anteriormente, um Web Service é um componente ou unidade de software que fornece uma funcionalidade específica, como uma rotina para validação do número de cartão de crédito. A mesma poderá ser acessada por diferentes sistemas, através do uso de padrões da Internet, como XML (Extensible Markup Language) e HTTP (Hyper Text Transfer Protocol). A utilização de tais padrões se faz importante para o desenvolvimento de aplicações distribuídas com Web Services. Portanto, um Web Service poderá ser utilizado internamente, por uma única aplicação ou por várias aplicações da mesma empresa, podendo ser exposto através da Internet, a fim de ser utilizado por qualquer aplicação, bastando para isso que a aplicação seja capaz de entender SOAP e XML. Acrescente-se ao uso do XML, HTTP e SOAP a necessidade de uma linguagem que esclareça sobre sintaxe, parâmetros, métodos ou funções, a WSDL (Web Services Description Language) e um diretório geral, UDDI, que é a páginas amarelas da Internet descrevendo os serviços disponíveis. Tais nomenclaturas compõem o conjunto de tecnologias aceitas pelos padrões acordados entre os fornecedores, acima citados, e propostos ao W3C no que concerne o assunto Web Services, a saber: HTTP, XML, SOAP, WSDL e UDDI.

7 7. Bibliografia [CARILLO02] CARILLO JR, Edson...[et al]; Atualidades na cadeira de abastecimento; São Paulo: IMAM, [CHRISTOPHER02] CHRISTOPHER, MARTIN; Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos; São Paulo:Pioneira Thomson Learning, [DEAR91] DEAR, ANTHONY; Rumo ao Just-In-Time; Rio de Janeiro:Marques-Saraiva, [CHING01] CHING, HONG YUH; Gestão de estoques na cadeia de logística integrada; São Paulo:Atlas, [ALBERTIN00] ALBERTIN, ALBERTO LUIZ; Comércio Eletrônico: modelo aspectos e contribuições de sua aplicação; São Paulo:Atlas; [RAGO03] RAGO, SIDNEY FRANCISCO TRAMA...[et al]; Atualidades na gestão da manufatura; São Paulo:IMAM; [MOURA03] MOURA, REINALDO A....[et al]; Atualidades na logística; São Paulo:IMAM, 2003.

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica

MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica Desenvolvimento de Web Services com SOAP. 1. Introdução. Com a tecnologia de desenvolvimento

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Protocolos de Aplicação Mecanismos de comunicação

Leia mais

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações Universidade de São Paulo Escola Politécnica Programa de Educação Continuada em Engenharia PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto O Produto Internet e suas Aplicações Tecnologias de Informação

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Programação Cliente em Sistemas Web

Programação Cliente em Sistemas Web Programação Cliente em Sistemas Web WEBSERVICES Cap 18. - Sistemas distribuídos e serviços web em Deitel, H.M, Sistemas Operacionais, 3 ª edição, Pearson Prentice Hall, 2005 Fonte: Rodrigo Rebouças de

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Extensões MIDP para Web Services

Extensões MIDP para Web Services Extensões MIDP para Web Services INF-655 Computação Móvel Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática MIDP Architecture MIDP = Mobile Information Device Profile Connection Framework HttpConnection

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1 Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Atualmente empresas de diversos portes estão encontrando nos web services soluções para seus

Leia mais

Projeto: Plataforma de Integração. Data: 01/08/2014

Projeto: Plataforma de Integração. Data: 01/08/2014 Manual do Usuário - Autenticação Plataforma de Integração Arquitetura de Software 1.0 20/03/2014 1 de 8 Histórico de Revisões Data Versão Descrição 01/08/2014 1.0 Criação do documento 04/08/2014 1.1 Revisão

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE Kellen Kristine Perazzoli, Manassés Ribeiro RESUMO O grande avanço tecnológico vivenciado nos últimos anos, os web services vem sendo utilizados trazendo

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

: : Interoperabilidade entre Sistemas de Informação baseados na WEB - uma abordagem Multicanal

: : Interoperabilidade entre Sistemas de Informação baseados na WEB - uma abordagem Multicanal : : Interoperabilidade entre Sistemas de Informação baseados na WEB - uma abordagem Multicanal Sérgio Magalhães mgi01020@fe.up.pt As vantagens competitivas ganham-se muitas vezes por ser o primeiro a chegar

Leia mais

Integração Orientada a Serviços

Integração Orientada a Serviços Integração Orientada a Serviços Porto Alegre, Agosto de 2006 Agenda Sobre a e-core SOA O que é? Web Services x SOA Principal Motivação - Integração SOI ESB BPEL JBI ServiceMix Solução Proposta A Empresa

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais

Web Services: estudo de caso envolvendo uma aplicação B2B

Web Services: estudo de caso envolvendo uma aplicação B2B Web Services: estudo de caso envolvendo uma aplicação B2B Cristiano Fornari Colpani (FURB) cristiano.colpani@senior.com.br Alexander Roberto Valdameri (FURB) arv@furb.br Resumo. Este artigo descreve um

Leia mais

Serviços Web: Arquitetura

Serviços Web: Arquitetura Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Comunicado Técnico 11

Comunicado Técnico 11 Comunicado Técnico 11 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Web Services e XML Comunicação Inteligente entre Sistemas Responsáveis: Daniela Justiniano de Sousa E-mail: dsol_dani21@hotmail.com Graduada

Leia mais

Tendências da Arquitetura na Produção de Software

Tendências da Arquitetura na Produção de Software Tendências da Arquitetura na Produção de Software Prof. Dr. Ivanir Costa icosta11@terra.com.br mai-08 IC TECNOLOGIA EM SOFTWARE LTDA 1 Prof. Dr. Ivanir Costa Bacharel em Física pela USP Pós-Graduado em

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB

CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB Deusa Cesconeti e Jean Eduardo Glazar Departamento de Ciência da Computação Faculdade de Aracruz UNIARACRUZ {dcescone, jean}@fsjb.edu.br RESUMO

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Web Service Plínio Antunes Garcia Sam Ould Mohamed el Hacen Sumário Introdução conceitual O Web Service

Leia mais

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira SOA - Service Oriented Architecture Marcelo Canevello Ferreira Índice Arquitetura baseada em componentes Introdução a SOA Principais conceitos de SOA SOA Framework Abordagem de integração Conclusões Evolução

Leia mais

Web services. Um web service é qualquer software que está disponível através da Internet através de uma interface XML.

Web services. Um web service é qualquer software que está disponível através da Internet através de uma interface XML. Web services Um web service é qualquer software que está disponível através da Internet através de uma interface XML. XML é utilizado para codificar toda a comunicação de/para um web service. Web services

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

11/20/10. Resoluções: Teste de Áudio. Não suporto esses malucos de TI. Só inventam despesas. Não acredito que teremos que pagar por mais softwares.

11/20/10. Resoluções: Teste de Áudio. Não suporto esses malucos de TI. Só inventam despesas. Não acredito que teremos que pagar por mais softwares. Não suporto esses malucos de TI. Só inventam despesas. Não acredito que teremos que pagar por mais softwares. Teste de Áudio Quero adaptar os softs que já temos e você não sabe como faz e diz que não é

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Modelagem de Sistemas Web Aula 4 Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas CASE Fontes: Sarajane e Marques Peres Introdução

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Gerenciamento baseado na Web Prof. João Henrique Kleinschmidt Gerenciamento baseado na Web Web browser Acesso ubíquo Interface Web vs Gerenciamento baseado

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB WEBSERVICES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é um WebService e sua utilidade Compreender a lógica de funcionamento de um WebService Capacitar

Leia mais

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2 AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA CONTEÚDO DA AULA Tipos de Software Serviços Web Tendências 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

IBM WebSphere Product Center

IBM WebSphere Product Center Soluções de gerenciamento de informação de produto para dar suporte aos seus objetivos de negócios IBM WebSphere Product Center Oferece uma solução abrangente de gerenciamento de informação de produto

Leia mais

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement.

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement. Professor:José Alves Disciplina:SIG/ Atividade Nota Nome Aluno(a) Nºs Exercícios SIG 1) Defina, com suas palavras, o que é ERP? 2) Marque V para as afirmações verdadeiras em relação a um ERP e F para as

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

INTEROPERABILIDADE EM SISTEMAS UTILIZANDO WEB SERVICES COMO MIDDLEWARES

INTEROPERABILIDADE EM SISTEMAS UTILIZANDO WEB SERVICES COMO MIDDLEWARES INTEROPERABILIDADE EM SISTEMAS UTILIZANDO WEB SERVICES COMO MIDDLEWARES Bruno B. Boniati 1, Agner Q. Olson 1, Ms. Edson Luiz Padoin 2 2 Departamento de Tecnologia - 1 Curso de Informática: Sistemas de

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Introdução Serviços Web WSDL SOAP UDDI Ferramentas. Serviços Web. (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello

Introdução Serviços Web WSDL SOAP UDDI Ferramentas. Serviços Web. (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello 1/39 Serviços Web (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina 22 de Maio de 2007 2/39 Arquitetura Orientada a Serviços Arquitetura

Leia mais

Reutilização de Software em Sistemas de Comércio Eletrônico

Reutilização de Software em Sistemas de Comércio Eletrônico Reutilização de Software em Sistemas de Comércio Eletrônico Guilherme Figueiredo, Marcelo Mayworm COPPE Sistemas g.coelho@cos.ufrj.br mmayworm@acm.org Junho de 2004 Resumo É fato que hoje em dia aplicações

Leia mais

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos Márcio Alves de Araújo¹, Mauro Antônio Correia Júnior¹ 1 Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Monte Carmelo MG Brasil

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Toshi-ichi Tachibana Departamento de Engenharia Naval e Oceânica, Escola Politécnica da Universidade São Paulo

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

e-ping - Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico www.governoeletronico.gov.br www.eping.e.gov.br

e-ping - Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico www.governoeletronico.gov.br www.eping.e.gov.br e-ping - Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico www.governoeletronico.gov.br www.eping.e.gov.br e PING: Segmentação Interconexão Segurança Meios de acesso Organização e intercâmbio de informações

Leia mais

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Facilitando Negócios Conectando softwares com Magento Plataforma de E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Este documento

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 14 SOA e ESB Service-Oriented

Leia mais

COMUNICAÇÃO ENTRE SISTEMAS ATRAVÉS DE XML E WEB SERVICES

COMUNICAÇÃO ENTRE SISTEMAS ATRAVÉS DE XML E WEB SERVICES COMUNICAÇÃO ENTRE SISTEMAS ATRAVÉS DE XML E WEB SERVICES M.Sc. FERNANDO DE ANDRADE BASTOS¹(fbastos@unidavi.edu.br) GUILHERME AUGUSTO CAVILHA BUTZKE²(guibutzke@gmail.com) RESUMO Na área de sistemas de informação

Leia mais

DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos Explicar as vantagens e desvantagens das arquiteturas de sistemas distribuídos

Leia mais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Rio de Janeiro, 21 a 25 de agosto de 2006 PID - Projeto de Interoperabilidade

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Arquiteturas SOA, WOA, e REST

Arquiteturas SOA, WOA, e REST Arquiteturas SOA, WOA, e REST Aplicação de Software Social Fred Figueiredo Luiz Borges Pedro Pires Arquiteturas SOA, WOA e REST Desenvolvimento de aplicações orientadas ao fornecimento de serviços que

Leia mais

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL Sistemas Distribuídos na Web Pedro Ferreira DI - FCUL Arquitetura da Web Criada por Tim Berners-Lee no CERN de Geneva Propósito: partilha de documentos Desde 1994 mantida pelo World Wide Web Consortium

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

tecnologias web e gestão de identidade

tecnologias web e gestão de identidade tecnologias web e gestão de identidade histórico serviços da era inicial da Internet telnet ftp gopher - estruturas hierárquicas www - hipertexto estudos sobre hipertexto e hipermídia sistemas locais www

Leia mais

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Princípios de Sistemas Distribuídos Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Conceitos de comunicação entre processos Interprocess Communication (IPC) Sistemas distribuídos são construídos

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

Linha de Produto para BPM

Linha de Produto para BPM Linha de Produto para BPM Prof. Dr. Marcelo Fantinato m.fantinato@usp.br Sistemas de Informação, EACH/USP Agenda Fundamentos LP para BPM Estabelecimento de Contratos Exemplo de Aplicação Trabalhos em Andamento/Próximos

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquiteturas Middlewares

Sistemas Distribuídos Arquiteturas Middlewares Sistemas Distribuídos Arquiteturas s Arquitetura Arquitetura de um sistema é sua estrutura em termos dos componentes e seus relacionamentos Objetivo: garantir que a estrutura satisfará as demandas presentes

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Arquiteturas, Padrões e Serviços para Geoprocessamento. Lúbia Vinhas 13/05/2008

Arquiteturas, Padrões e Serviços para Geoprocessamento. Lúbia Vinhas 13/05/2008 Arquiteturas, Padrões e Serviços para Geoprocessamento Lúbia Vinhas 13/05/2008 Desejo saber estatísticas sobre áreas queimadas. Desejo fazer análises por localização, por classes de uso ou ainda por seleção

Leia mais

2. Gerar um arquivo XSD e referenciá-lo no WSDL, fazendo com que seja possível catalogar o XML Schema no catálogo de XML Schemas da e-ping;

2. Gerar um arquivo XSD e referenciá-lo no WSDL, fazendo com que seja possível catalogar o XML Schema no catálogo de XML Schemas da e-ping; Guia de Orientação para Implementação de Web Services Este documento apresenta alguns direcionamentos referentes à implementação de web services. É uma versão preliminar da construção do Guia de Orientação

Leia mais

Componentes para Computação Distribuída

Componentes para Computação Distribuída Componentes para Computação Distribuída Conceitos Foi a partir do fenômeno da Internet (WWW), no início dos anos noventa, que a computação distribuída passou a ter relevância definitiva, a ponto de a Internet

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

Conceitos e Funcionalidades dos Web Services

Conceitos e Funcionalidades dos Web Services .htc Explorer Internet Conceitos e Funcionalidades dos Web Services Poliana Alves de Leva Uberlândia, Dezembro/2002. Conceitos e Funcionalidades dos Web Services Poliana Alves de Leva Uberlândia, Dezembro/2002.

Leia mais

SOA na Prática Ricardo Limonta

SOA na Prática Ricardo Limonta SOA na Prática Ricardo Limonta Arquiteto JEE Objetivo Apresentar os conceitos de Arquiteturas Orientadas a Serviços; Entender a relação entre SOA e a tecnologia Web Services; Implementar SOA com Web Services

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Web Services. Tópicos. Motivação. Tecnologias Web Service. Passo a passo Business Web Conclusão. Integração de aplicações SOAP, WSDL, UDDI, WSFL

Web Services. Tópicos. Motivação. Tecnologias Web Service. Passo a passo Business Web Conclusão. Integração de aplicações SOAP, WSDL, UDDI, WSFL Web Services Antonio Dirceu adrvf@cin.ufpe.br Tópicos Motivação Integração de aplicações Tecnologias Web Service SOAP, WSDL, UDDI, WSFL Passo a passo Business Web Conclusão Motivação Integração de Aplicações

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Introdução à Web Services

Introdução à Web Services Introdução à Web Services Emerson Ribeiro de Mello emerson@das.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina O que falaremos... Pra que isso? O que é Web Services A camada de protocolos O que são: XML-RPC,

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Comércio Eletrônico Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO : UMA ANÁLISE DAS PROPOSIÇÕES TECNOLÓGICAS COM FOCO NA AUTOMAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO : UMA ANÁLISE DAS PROPOSIÇÕES TECNOLÓGICAS COM FOCO NA AUTOMAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO SÃO JOSÉ CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO : UMA ANÁLISE DAS PROPOSIÇÕES TECNOLÓGICAS COM FOCO

Leia mais

SINS: um Ambiente para Geração de Aplicações baseadas em Serviços

SINS: um Ambiente para Geração de Aplicações baseadas em Serviços SINS: um Ambiente para Geração de Aplicações baseadas em Serviços Sérgio Larentis Júnior, Jorge Luis Victória Barbosa, Sérgio Crespo Coelho da Silva Pinto, Andrêsa Vargas Larentis Programa Interdisciplinar

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais