Estudo da Transmissão da Dengue entre os

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo da Transmissão da Dengue entre os"

Transcrição

1 TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (23), c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Estuo a Transmissão a Dengue entre os Inivíuos em Interação com a População e Mosquitos Aees Aegypti C.P. FERREIRA 1, H.M. YANG 2, Departamento e Matemática Aplicaa, Instituto e Matemática, Estatística e Computação Científica, UNICAMP, Cx.P. 665, Campinas, SP, Brasil. Resumo. Estua-se a inâmica a transmissão a engue na população umana acoplaa à inâmica o vetor mosquito. Consiera-se a circulação e um único sorotipo na comuniae, seno que as populações umana e e mosquitos são escritas por um moelo eterminístico compartimental. Supono que o encontro entre os infectantes e os suscetíveis acontece e maneira aleatória, estua-se o efeito a ação os mecanismos e controle (aplicaos na população e mosquitos) sobre a oença para iferentes valores as forças e infecção. 1. Introução A engue é causaa por um arbovírus, teno o mosquito Aees aegypti como vetor. Esta infecção nos mosquitos não encurta a via méia e nem cria imuniae. Entretanto, na população umana, ela inuz a uma imuniae perene e, no caso a circulação e um único sorotipo na comuniae, os inivíuos sintomáticos esta oença não são levaos à morte. A inâmica e transmissão a engue envolve, portanto, um vírus e uas populações, a e mosquitos e a umana, as quais serão escritas através e um moelo eterminístico compartimental. O acoplamento entre as populações é feito através as forças e infecção e consiera-se mecanismos e controle agino apenas sobre a população e mosquitos. Os resultaos analíticos obtios em [6] consieram os parâmetros constantes no tempo e mostram que a erraicação a engue na população umana poe ser obtia através e mecanismos e controle sobre o vetor. Aqui, consiera-se a epenência temporal nos tempos e esenvolvimento e sobrevia as fases o mosquitos com a temperatura e umiae [3], e avalia-se a eficiência a aplicação perióica e controle feita na população e mosquitos sobre a oença. Os resultaos númericos são obtios pelo métoo e Runge-Kutta e 4 a orem. 1 (apoio financeiro FAPESP) 2 (apoio financeiro FAPESP e CNPq)

2 324 Ferreira e Yang 2. Moelo Com relação à população e mosquitos, consiera-se as 4 fases o ciclo e via o vetor, a saber: ovo (E), larva (L), pupa (P) e aulto (W), seno que a população aulta é iviia em mosquitos suscetíveis, W 1, infectaos porém não infectantes, W 2, e infectantes, W 3, e moo que a inâmica esta população é aa por: [ 1 E(t) (1 f)c ] [σ e (t) + µ e (t) + m e (t)]e(t) E(t) t = φ(t)f(w) t L(t) = σ e(t)l(t) [σ l (t) + µ l (t) + µ l(t) + m l (t)] L(t) t P(t) = σ l(t)l(t) [ σ p (t) + µ p (t) + µ p(t) + m p (t) ] P(t) t W 1(t) = σ p (t)p(t) [η w (I) + µ w (t) + µ w(t)] W 1 (t) t W 2(t) = η w (I)W 1 (t) [γ w + µ w (t) + µ w(t) + µ 2 (t)]w 2 (t) t W 3(t) = γ w W 2 (t) [µ w (t) + µ w(t) + µ 3 (t)] W 3 (t). (2.1) Os parâmetos σ e, σ l e σ p são as taxas e transição entre os compartimentos (inverso o tempo e esenvolvimento e caa fase); µ e, µ l, µ p, µ w, µ 2 e µ 3 são as taxas e mortaliaes e caa fase; µ l, µ p, µ w, m e, m l e m p são as taxas e mortaliae aicionais evio ao controle; C é a capaciae o meio e f é a fração e criaouros retiraos urante o controle mecânico. Os resultaos apresentaos são para a inâmica em que a capaciae e oviposição as fêmeas epene linearmente a quantiae e população e mosquitos, isto é, F(W) = W, e φ é a taxa e oviposição. Com relação à transmissão a oença, γ 1 w é o períoo méio e incubação extrínseca o vírus a engue no mosquito e η w (I) como força e infecção. A população umana total N é consieraa constante. Assim, os inivíuos são subiviios em quatro compartimentos não interceptantes esignaos suscetíveis (s), expostos (), infectaos (i) e recuperaos (r), e moo que a inâmica esta população escrita em termos e frações e inivíuos é aa por: t s(t) = µ [η (W 3 ) + µ ]s(t) t (t) = η (W 3 )s(t) [γ + µ ](t) t i(t) = γ (t) [σ + µ ]i(t) t r(t) = σ i(t) µ r(t). (2.2) Os parâmetros µ, γ 1, σ 1 e η (W 3 ) são, respectivamente, a taxa e mortaliae, o períoo méio e incubação o vírus no omem, o períoo infeccioso méio o omem e a força e infecção.

3 Estuo a Transmissão a Dengue 325 Supoẽ-se que o encontro entre os infectantes e suscetíveis acontece e maneira aleatória, e moo que as relações entre as forças e infecção e as taxas e contato são aas pelo encontro as massas: η w (I) = β w I, η (W 3 ) = β W 3, one I = in é o número e inivíuos infectantes e β w e β são as taxas e contato per-capita entre inivíuos infectantes (mosquito e omem) e suscetíveis (omem e mosquito). A ecrição etalaa o moelo e os parâmetros encontra-se em [6]. Se os parâmetos o moelo não epenem o tempo, isto é, σ e (t) = σ e, σ l (t) = σ l, µ e (t) = µ e, etc., após um transiente, as populações atingem seus valores e equilíbrio e poe-se ientificar três soluções e estao estacionário: (1) se φ < φ t = ( ) σ e σ l σ p 1 ρ e ρ l ρ p ρ w (solução nula, W = ); tem-se a população umana livre e mosquitos (2) se φ > φ t e R < 1 tem-se população umana infestaa por mosquitos sem a transmissão a engue (solução trivial, = ); (3) se R > 1 tem-se população umana infestaa por mosquitos com a transmissão a engue (solução não-trivial, ou equilíbrio enêmico). O parâmetro φ t é a taxa e oviposição limiar e R representa a razão e reproutibiliae a engue. A eterminação os pontos e equilíbrio e análise e estabiliae para o moelo autônomo encontra-se em [6]. 3. Resultaos Numéricos Inicialmente, analisa-se a evolução a inâmica a população e mosquitos e umana, sem consierar os mecanismos e controle, como eliminação os criaouros e aplicação e larvicias e aulticias, e moo que os resultaos mostraos corresponem à situação f = m e (t) = m l (t) = m p (t) = e µ l (t) = µ p(t) = µ w(t) = Sem controle Consiera-se a situação em que uma comuniae livre a oença, isto é, W () 2 = W () 3 = () = r () =, entra em contato com a mesma, via a introução e inivíuos infectaos na comuniae em t =. A tabela 1 contém as emais conições iniciais para a população e mosquitos e umana, e os valores os parâmetros utilizaos nas simulações. A epenência as soluções (2) e (3) o moelo autônomo com os parâmetros β w e β, que caracterizam as forças e infecção, está mostraa na Figura 1. Para β w =,5 e β,2 em ias 1 a solução e equilíbrio correspone à situção (2), isto é, população umana infestaa por mosquitos sem a transmissão a engue; enquanto para β w =,5 e β >,2 em ias 1 tem-se a solução (3), isto

4 326 Ferreira e Yang Tabela 1: Conições iniciais e valores os parâmetros utilizaos nas simulações. Os emais parâmetros são: C = 1, φ = 1 ias 1 e µ 1 = 24 ias. E () L () P () W () 1 s () i (),2,1,2,9,999,1 µ 1 e (ias) µ 1 l (ias) µ p 1 (ias) µ 1 w (ias) µ 1 2 (ias) µ 1 3 (ias) 1 1,5 4,6 17, γ 1 (ias) γ 1 w (ias) σ 1 (ias) σ 1 e (ias) σ 1 l (ias) σ 1 p (ias) 1 9,5 6 4,5 11,7 4,6 é, população umana infestaa por mosquitos com a transmissão a engue. A existência e pontos críticos e a sua epenência com as forças e infecção são muito importantes o ponto e vista e controle e classificação a infecção W s r W 2 W i β β Figura 1: Soluções e equilíbrio para a população e mosquitos e umana ao β w =, 5 ias 1 e iferentes valores e β. As variações abióticas são introuzias no moelo consierano o ano calenário iviio em apenas ois períoos: temperatura e umiae baixas (períoo esfavorável) e altas (períoo favorável). Supõe-se o períoo esfavorável compreeneno a maior parte o ano, com os parâmetros constantes aos na tabela 1; e o períoo favorável compreeneno um intervalo e tempo a orem e 75 ias que correspone ao períoo e cuvas entre janeiro/abril (vie [1]). Durante este períoo as taxas e esenvolvimento e sobrevia poem assumir um os conjuntos istintos e valores aos na tabela 2, associaos a uas temperaturas. Nas simulações associa-se uma probabiliae e sorteio P t e 1 P t a caa um

5 Estuo a Transmissão a Dengue 327 Tabela 2: Méia o tempo e esenvolvimento e sobrevia e caa estágio para ois valores e temperatura (em ias). T( C) σ 1 e (ias) σ 1 l (ias) σ 1 p (ias) µ 1 l (ias) µ 1 m (ias) 25 3,3 8 3,1 2, ,4 1, esses conjuntos, em que a caa 36 passos e tempo (1 ano e calenário) um número aleatório z [,1] é sorteao e comparao com P t. Se z P t escole-se o conjunto e parâmetros relativo a temperatura e 25 C, se não, a e 27 C. Utilizouse P t =,75 para mimetizar uma brusca variação ocorreno esporaicamente (25% os casos). A evolução temporal as iferentes populações é apresentaa nas Figuras 2 (população e mosquitos) e 3 (população umana) para o conjunto e parâmetros aos nas tabelas 1 e 2, com β w =,13 e β =,1 em ias E L P W W 1 2 W tempo (anos) tempo (anos) tempo (anos) Figura 2: Evolução temporal para a população e mosquitos com β w =, 13 e β =, 1 em ias 1. Os picos maiores observaos para o número e ovos (E), larvas (L) e pupas (P) corresponem a temperatura e 27 C enquanto as menores, à temperatura e 25 C. Os mosquitos suscetíveis são infectaos quano picam inivíuos infectantes, e forma que os picos que aparecem em W 2 resultam o encontro essas uas populações. Como conseqüência o períoo e incubação o vírus no mosquito, os picos que aparecem em W 3 estão eslocaos em relação aos seus corresponentes em W 2 (retaro). Em relação à inâmica a população umana, poe-se observar, na Figura 3, que os picos e infecção aparecem sempre que ocorre uma muança no comportamento (iminuição) a população e suscetíveis. Os inivíuos suscetíveis são infectaos pelas picaas e mosquitos infectantes, e forma que os picos que aparecem em

6 i i 328 Ferreira e Yang,7,6,5,4,3,2,1,99,98,97,96,95, , tempo (anos) s r,2,15,1,5,1,8,6,4, tempo (anos) i Figura 3: Evolução temporal para a população umana com β w =, 13 e β =, 1 em ias 1. são resultaos o encontro entre essas uas populações. Devio ao períoo e incubação o vírus no omem, os picos que aparecem em i estão eslocaos em relação aos seus corresponentes em. Estes eslocamentos não são observaos nas figuras por causa a escala o tempo (em anos). Quanto maior o valor e σ 1, tempo urante o qual o inivíuo infectante transmite o vírus, maior é o número e inivíuos infectaos em um mesmo períoo e tempo como poe ser visto na Figura 4. A possibiliae e uma nova infecção aumenta também quano a população cresce, pois neste caso ocorrerá maior número e contatos entre inivíuos/mosquitos infectantes e mosquitos/inivíuos suscetíveis.,25,2 (a),25,2 (c),15,15,1,1,5, ,25,2 (b),25,2 (),15,15,1,1,5, t (anos) t (anos) Figura 4: Variação a ensiae e inivíuos infectaos com σ 1 (c) e (), respectivamente, σ 1 = 2, 5, 8 e 1 em ias.. Tem-se em (a), (b),

7 i i Estuo a Transmissão a Dengue t (anos) (a) (b) t (anos) (c) () Figura 5: Variação com o prouto β w β que mee a força a infecção. Tem-se em (a), (b), (c) e (), respectivamente, β w β = 2, ;, ; e em ias 2. O mesmo resultao é obtio quano se varia o prouto β w β que mee a força e infecção. À meia que a epiemia torna-se mais grave, menor é o espaçamento entre os ois picos suscessivos, como poe ser visto na Figura 5. Com relação aos tempos e incubação o vírus no omem e no mosquito, o comportamento é oposto ao escrito anteriormente: o aumento e γ w e/ou γ acarreta a iminuição o número e suscetíveis e forma que ois picos sucessivos e infecção estão mais afastaos para acumular os suscetíveis para valores limiares. Portanto, existem picos e epiemias anuais evio à variação os parâmetros (a escala em anos o gráfico ificulta a visualização) e picos maiores em intervalos superiores a um ano que epenem, por exemplo, os valores e β w e β. Estes picos epiêmicos mais acentuaos evem-se ao acúmulo e suscetíveis Com controle Os mecanismos e controle são introuzios como taxas e mortaliae aicionais em caa uma as fases em que atuam. Para meir a eficiência e caa um eles, compara-se a área as curvas obtias para W 1, W 2, W 3 e i, quano a simulação é feita na ausência (A ) e na presença (A 1 ) e algum mecanismo e controle (vie [1]). Os resultaos mostraos inicam a porcentagem e mosquitos mortos, J w = 1 (1 A w 1 /A w ), ou umanos protegios, J i = 1 ( 1 A i 1/A) i, evio à aplicação perióica o controle urante o intervalo e tempo t em anos. Ressalta-se que o estuo a ação os iferentes mecanismos e controle é feito iniviualmente, por exemplo, o efeito e aulticia é meio pelo parâmetro µ w fazeno-se os emais parâmetros, f, m e, m l, m p, µ e e µ l iguais a zero. Nas Figuras 6 e 7 poe-se ver a eficiência obtia evio à aplicação e aulticia

8 33 Ferreira e Yang J w para W J w para W J w para W J i aulticia mecânico larvicia t (anos) t (anos) Figura 6: Comparação entre a aplicação e aulticia ( ), µ w = 1 ias 1, larvicia ( ), µ l = 5 ias 1 e µ p = 2 ias 1, e controle mecânico ( ), m e = m l = m p =, 1 em ias 1 e f =, 4 para t i = 11 ias, β w =, 13 e β =, 5 em ias 1. (urante 1 ias), larvicia (urante 5 ias) e o controle mecânico para ois valores as forças e infecção. Poe-se observar que o parão as curvas J w e J i mostrao nas figuras é semelante, o que leva a concluir que variações nas forças e infecção não traz muitas muanças qualitativas. Para uma mesma taxa e mortaliae aicional (inseticia ou larvicia) e remoção mecânica os criaouros, a eficácia é iferente em W 1, W 2 e W 3, seno maior para W 2 e W 3. Este comportamento eve-se a quantiae as populações (vie Figura 2), pois W 1 é muito maior que W 2 e W 3, e, portanto, menos sensitivo. A mesma explicação se aplica parcialmente à eficácia J i, pois i é muito pequeno. Aina com relação a população e mosquitos, poe-se observar que a eficácia J w para W 3 e W 2 oscila e iminui com o tempo e aplicação e inseticia e larvicia enquanto que para W 1 mantem-se praticamente constante. No caso o controle mecânico, a eficácia J w para W 1, W 2 e W 3 sempre aumenta, evio ao fato e não aver reposição e criaouros, que iminui a capaciae e manter a infestação. A eficácia J i para inivíuos infectantes oscila e iminui com o tempo, seno que, para forc as e infecção elevaas é praticamente nula. Uma possível explicação para este comportamento é que a introução e mecanismos e controle protege a população umana (suscetíveis), e maneira que os picos e infecção ocorrem mais tare, mais espaçaos e, as vezes, com mais intensiae. Este eslocamento os picos e infecção a simulação com controle em relação a simulação sem controle gera a epenência observaa com o tempo e aplicação o controle, e tem como consequência a iminuição a proteção (número e mosquitos mortos e inivíuos protegios) para tempos granes, pois a intensiae a aplicação é sempre a mesma. Ressalta-se que, se os parâmetros que efinem o moelo não epenem o tempo (sistema autônomo), então não á epenênciae J com o tempo e aplicação t.

9 Estuo a Transmissão a Dengue 331 J w1 J w J w t (years) J insecticie mecanic larvicie t (years) Figura 7: Comparação entre a aplicação e aulticia ( ), µ w = 1 ias 1, larvicia ( ), µ l = 5 ias 1 e µ p = 2 ias 1, e controle mecânico ( ), m e = m l = m p =, 1 em ias 1 e f =, 4 para t i = 11 ias 1, β w =, 13 e β =, 2 em ias Conclusão No moelo autômato [6] a erraicação a engue na população umana é sempre possível, basta que se iminua a razão e reproutibiliae a transmissão a engue, R, para valores abaixo a uniae por alguma forma e controle aplicaa na população e mosquitos. O parâmetro R epene explicitamente as taxas e contato, aí a importância a eterminação os valores críticos para β e β w, pois quanto maior forem estes valores críticos, maior será a ificulae para a epiemia se perpetuar. Para, também, entener o porquê a inciência a oença ser maior em áreas com alta ensiae populacional, basta supor que η w (I) = εβ w I e η (I) = εβ W 3, one o parâmetro ε mee a forma como os inivíuos estão istribuíos geograficamente, facilitano ou não a transmissão a engue. Para valores fixos e β w e β, variações no parâmetro ε eslocam os picos e infecção suscessivos, eixano-os mais próximos ou mais afastaos. As variações abióticas foram consieraas no moelo através a introução a epenência temporal nos períoos e esenvolvimento e sobrevia as iferentes fases o ciclo e via o mosquito. Os resultaos mostram que o controle com a mesma intensiae aplicao perioicamente (e intermitentemente) poe não conseguir atingir nenum os objetivos que são: a erraicação a oença ou a iminuição os novos casos e infecção. Isto porque o eslocamento os picos e infecção ocasionao pelo controle gera, a longo prazo, uma iminuição na eficiência este mecanismo, evio à existência e picos e inciência que surgem bruscamente no tempo e na intensiae. Assim, o controle eve ser feito e maneira perióica, porém com intensiaes iferentes para levar em consieração esses picos e infecção intensos ocasionaos pelo acúmulo e inivíuos suscetíveis.

10 332 Ferreira e Yang Em regime estacionário, no caso o sistema autônomo, poe-se eterminar o valor e R a partir os parâmetros que efinem o moelo, e a introução e mecanismos e controle visa iminuir este parâmetro para valores menores que a uniae, e moo que a erraicação a oença seja possível. Funamentaos em moelos omogêneos, mecanismos e controle têm sio propostos, seja para engue, seja para outras infecções. Entretanto, os controles têm sio fugazes para obter seus objetivos. Este trabalo mostrou que, quano se consiera a epenência temporal evio às variações abióticas (moelo não-autônomo), os resultaos o controle epenem o tempo e aplicação. Além esta sazonaliae e aplicação e controle, poe-se ter a manutenção a oença evio ao fato e se ter urante o períoo favorável uma capaciae propagação e oença aumentaa (como se tivesse R > 1), mesmo que em outros períoos se tena esta propagação ificultaa (como se tivesse R < 1). Por isso, quano se leva em consieração fatores não-omogêneos (como variações sazonias), mostra-se que o controle perióico eve ser acompanao e um estuo a inâmica a oença para que possa ientificar períoos e baixa enemiciae e se possa fazer um controle mais intenso a fim e evitar epiemias evio ao acúmulo e suscetíveis. Abstract Te ynamics of engue transmission is assesse consiering te population ynamics applie to umans an mosquitos. Compartimental moel is evelope taking into account te ranom encounter between susceptible an infectious iniviuals in orer to analize te erication of engue isease by te controlling mecanisms applie to te mosquito population. Referências [1] C.P. Ferreira e H.M. Yang, Estuo inâmico a população e mosquitos Aees aegupti, em Seleta o XXV CNMAC (E.X.L. e Anrae et al., es.), TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 2 (23), no prelo. [2] R. Veronesi, Doenças Infecciosas e Parasitárias, Oitava Eição, Guanabara Koogan, Rio e Janeiro, [3] H.M. Yang e M.U. Ferreira, Assessing te effects of global warming an local socio-economic conitions on te malaria transmission by a matematical moel, Rev. Saúe Pública 34, No. 3 (2), [4] H.M. Yang, Epiemiologia Matemática-Estuos os efeitos a Vacinação em Doenças e Transmissão Direta, EDUNICAMP e FAPESP, Campinas e São Paulo, 21. [5] H.M. Yang, C.P.Ferreira e S. Ternes, Dinâmica populacional o vetor transmissor a engue, em Seleta o XXV CNMAC (E.X.L. e Anrae et al., es.), TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 2 (23), no prelo. [6] H.M. Yang, Epiemiologia a transmissão a engue, em Seleta o XXV CN- MAC (E.X.L. e Anrae et al., es.), TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 2 (23), no prelo.

Epidemiologia da Transmissão da Dengue

Epidemiologia da Transmissão da Dengue TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (2003), 387-396. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Epiemiologia a Transmissão a Dengue H.M. YANG 1, Departamento e Matemática

Leia mais

Modelos Epidemiológicos Acoplados para a Dinâmica da Transmissão da Dengue

Modelos Epidemiológicos Acoplados para a Dinâmica da Transmissão da Dengue Moelos Epiemiológicos Acoplaos para a Dinâmica a Transmissão a Dengue Ana Carolina Simoneto 1, Rogério Luis Rizzi 1 1 Colegiao o Curso e Matemática - Centro e Ciências Exatas e Tecnológicas a Universiae

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo Controlaor PID 154 8- Controlaor PID PID = Proporcional + Integral + Derivativo É interessante assinalar que mais a metae os controlaores inustriais em uso nos ias atuais utiliza estratégias e controle

Leia mais

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos 6/09/010 Equilíbrio Químico rof. Alex Fabiano C. Campos rocessos Reversíveis e Irreversíveis Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

Dinâmica da Transmissão da Dengue com Dados Entomológicos Temperatura-dependentes 1

Dinâmica da Transmissão da Dengue com Dados Entomológicos Temperatura-dependentes 1 TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 8, No. 1 (2007), 159-168. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Dinâmica a Transmissão a Dengue com Daos Entomológicos Temperatura-epenentes

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis Equilíbrio Químico rocessos Reversíveis e Irreversíveis rocessos Reversíveis e I Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração os reagentes.

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico Móulo III Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo III Carga létrica, orça e Campo létrico Carga létrica: Denomina-se carga elétrica a proprieae inerente a eterminaas partículas elementares, que proporciona

Leia mais

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG.

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG. INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS Arian Hinojosa e Aniura Milanés Departamento e Estatística ICEx. UFMG. Sumário Capítulo 1. As probabiliaes e a teoria o risco 1 1. Por que as probabiliaes? 1 2. Probabiliaes

Leia mais

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura Óptica Princípios a Óptica Geométrica ) Princípio a propagação retilínea a luz: nos meios homogêneos e transparentes a luz se propaga em linha reta. Natureza e Velociae a Luz A luz apresenta comportamento

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Enem 013) A Lei a Gravitação Universal, e Isaac Newton, estabelece a intensiae a força e atração entre uas massas. Ela é representaa pela expressão: F G m m = 1 one m 1 e m corresponem às massas os

Leia mais

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo.

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo. 1. No gráfico abaixo, mostra-se como variou o valor o ólar, em relação ao real, entre o final e 2001 e o início e 2005. Por exemplo, em janeiro e 2002, um ólar valia cerca e R$2,40. Durante esse períoo,

Leia mais

CONDENSADOR. Capacidade eléctrica O potencial eléctrico de um condutor esférico de raio R, e carga eléctrica Q:

CONDENSADOR. Capacidade eléctrica O potencial eléctrico de um condutor esférico de raio R, e carga eléctrica Q: CONDENSADOR Capaciae eléctrica O potencial eléctrico e um conutor esférico e raio R, e carga eléctrica : 1 4 R cont. 4 R te C A carga e o potencial são granezas irectamente proporcionais. C epene apenas

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1

DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1 DIFERENÇ DE POTENCIL 1. Trabalho realizao por uma força. Consieremos uma força ue atua sobre um objeto em repouso sobre uma superfície horizontal como mostrao na figura 1. kx Esta força esloca o objeto

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta Metanálise MTC: o uso combinao e eviência ireta e inireta na comparação e múltiplos tratamentos Patrícia Klarmann Ziegelmann Universiae Feeral o Rio Grane o Sul Em estuos e avaliação tecnológica em saúe

Leia mais

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula)

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula) UIVERSIDAD FEDERAL DE VIÇOSA CETRO DE CIECIAS AGRARIAS DEPARTAMETO DE IGEIERIA AGRÍCOLA Tel. (03)3899-79 Fax (03)3899-735 e-mail: ea@ufv.br 3657-000 VIÇOSA-MG BRASIL MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (otas e Aula)

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II PROF. IBERÊ 1 / 5 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II RESUO 0: SEÇÃO TÊ FLS E VERDDEIR RDUR SIPLES ES COLBORNTE ação conjunta e lajes e vigas poe ser consieraa meiante

Leia mais

SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO DE REVERSÕES DE FLUXO E JANELAS DE TEMPO DINÂMICAS

SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO DE REVERSÕES DE FLUXO E JANELAS DE TEMPO DINÂMICAS Simpósio Brasileiro e Pesquisa Operacional A Pesquisa Operacional na busca e eficiência nos serviços públicos e/ou privaos Setembro e 2013 SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística Conceitos e Gestão e Estoques Análise Probabilística Prof. Ruy Alexanre Generoso CONCEITOS BÁSICOS DE ESTOQUE Estoques: acúmulo e recursos materiais em um sistema e transformação Fase 1 estoque Fase 2

Leia mais

ESTUDO DA DINÂMICA POPULACIONAL DE UM VÍRUS COMPUTACIONAL

ESTUDO DA DINÂMICA POPULACIONAL DE UM VÍRUS COMPUTACIONAL ESTUDO DA DINÂMICA POPULACIONAL DE UM VÍRUS COMPUTACIONAL Aluno: João Henrique Carneiro Orientador: Carlos Frederico Palmeira Introdução Foi feito um estudo sobre dinâmica populacional a fim de buscar

Leia mais

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES 1. (FELA - 96) Uma ona é estaelecia numa cora, fazeno-se o ponto A oscilar com uma freqüência igual a 1 x 103 Hertz, conforme a figur Consiere as afirmativas:

Leia mais

Risco de Transmissão da Dengue via Modelagem Numérica de Equações Diferenciais Estocásticas Clima-Dependentes

Risco de Transmissão da Dengue via Modelagem Numérica de Equações Diferenciais Estocásticas Clima-Dependentes Risco de Transmissão da Dengue via Modelagem Numérica de Equações Diferenciais Estocásticas Clima-Dependentes Mariana B. da Silva 1, Kaline J. S. do Nascimento 1, Kelly C. da S. Matos 1, Paulo S. Lucio

Leia mais

Capacitores. Figura 7.1

Capacitores. Figura 7.1 Capítulo 7 Capacitores 7.1 Introução Capacitor é um ispositivo que armazena energia potencial. Capacitores variam em forma e tamanho, mas a configuração básica consiste e ois conutores e cargas opostas.

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

Um modelo evolutivo para a dengue considerando incertezas de fatores ambientais

Um modelo evolutivo para a dengue considerando incertezas de fatores ambientais Um modelo evolutivo para a dengue considerando incertezas de fatores ambientais Luciana T. Gomes, Laécio C. de Barros, Depto de Matemática Aplicada, IMECC, UNICAMP 133-59, Campinas, SP E-mail: ra@ime.unicamp.br,

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL 78 PARTE V ANÁISE DIMENSIONA Parte V ANÁISE DIMENSIONA [R] [p] [V] [n] [τ] l 3 θ [R] θ Resposta: [R] θ Uma as principais equações a Mecânica quântica permite calcular a energia E associaa a um fóton e

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL Física Prof. Rawlinson SOLUÇÃO AE. 1 Através a figura, observa-se que a relação entre os períoos as coras A, B e C: TC TB T A = = E a relação entre as frequências: f =. f =

Leia mais

SIMULADOR FASORIAL PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE PÓLOS SALIENTES CONECTADO EM BARRAMENTO INFINITO OPERANDO EM REGIME PERMANENTE

SIMULADOR FASORIAL PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO GERADOR SÍNCRONO DE PÓLOS SALIENTES CONECTADO EM BARRAMENTO INFINITO OPERANDO EM REGIME PERMANENTE UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA ALINE KOCHOLIK MÁRCIA CLÁUDIA MASUR INCOTE SIMULADOR FASORIAL PARA

Leia mais

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO Luiz Flávio Vaz Silva, Prof. Ronalo Barros Gomes UFG, 74605-220, Brasil luizgo@hotmail.com, rbggomes@gmail.com PALAVRAS-CHAVE: Ancoragem, Armaura e Flexão, Posicionamento

Leia mais

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118 Volume 8, Number 4 (August 2015) p. 547-566 ISSN 1983-4195 http://x.oi.org/10.1590/s1983-41952015000400008 Impacts in the structural esign of the 2014 revision of the brazilian stanar ABNT NBR 6118 Impactos

Leia mais

MÓDULO 5 FÍSICA. Algarismos Significativos. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. 1. Introdução. 2. Algarismos Corretos e Duvidosos

MÓDULO 5 FÍSICA. Algarismos Significativos. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. 1. Introdução. 2. Algarismos Corretos e Duvidosos Ciências a Natureza, Matemática e suas Tecnologias FÍSICA 1. Introução MÓDULO 5 Algarismos Significativos Na tentativa e explicar os fenômenos observaos na natureza, a Física utiliza moelos e teorias que,

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvios e Física Básica Jason Alfreo Carlson Gallas, professor titular e física teórica, Doutor em Física pela Universiae Luwig Maximilian e Munique, Alemanha Universiae Feeral a Paraíba (João

Leia mais

III Corpos rígidos e sistemas equivalentes de forças

III Corpos rígidos e sistemas equivalentes de forças III Corpos rígios e sistemas equivalentes e forças Nem sempre é possível consierar toos os corpos como partículas. Em muitos casos, as imensões os corpos influenciam os resultaos e everão ser tias em conta.

Leia mais

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton 1. INODUÇÃO Gravitação Deução as leis empíricas e Kepler a partir a mecânica newtoniana Newton O sistema geocêntrico é um moelo e visão o muno que amite a erra no centro o universo e os emais planetas,

Leia mais

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico 4 orção em Elementos e Concreto Armao 4.1. Histórico As teorias para análise e vigas e materiais elásticos, homogêneos e isótropos solicitaas à torção atam os séculos XVIII e XIX. O concreto armao como

Leia mais

que Q = 10-6 C e d = 0,3m. O meio é o vácuo. É 9.10 9 2

que Q = 10-6 C e d = 0,3m. O meio é o vácuo. É 9.10 9 2 FÍSI - ELETRIIDDE - TRLH E PTENIL S RESPSTS ESTÃ N FINL DS EXERÍIS. 1. Uma carga elétrica puntiforme = 1µ é transportaa e um ponto até um ponto e um nos casos a e b inicaos. mita, em caa caso, 6. Determine

Leia mais

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus e Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento e Engenharia Civil Disciplina: 117 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS Prof.

Leia mais

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente.

I e II assemelham-se porque cada um explora com exclusividade a forma de linguagem que o caracteriza, a visual e a verbal, respectivamente. LÍNGUA PORTUGUESA. Leia atentamente a história em quarinhos e o poema abaixo transcritos. TEXTO I.. ranquia. Os Passageiros aultos poerão transportar sem o pagamento e qualquer taxa aicional até vinte

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

FÍSICA. a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s d) 77 s e) 1300 s Resolução V = t = 3,9. 10 8 3,0. 10 8. t = t = 1,3 s

FÍSICA. a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s d) 77 s e) 1300 s Resolução V = t = 3,9. 10 8 3,0. 10 8. t = t = 1,3 s 46 b FÍSICA A istância méia a Terra à Lua é 3,9.10 8 m. Seno a velociae a luz no vácuo igual a 3,0.10 5 km/s, o tempo méio gasto por ela para percorrer essa istância é e: a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s ) 77

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física. Referências bibliográficas: H S T.

Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física. Referências bibliográficas: H S T. Universiae eeral o Paraná Setor e Ciências Eatas Departamento e ísica ísica III Prof. Dr. Ricaro Luiz Viana Referências bibliográficas: H. -4 S. -5 T. 18- Aula Lei e Coulomb Charles Augustin e Coulomb

Leia mais

Média tensão Uso Geral

Média tensão Uso Geral Dimensionamento Os valores e capaciae e conução e correntes constantes as tabelas a seguir foram retiraos a NBR 14039/2003. No caso e cabos iretamente enterraos foi aotao uma resistiviae térmica o terreno

Leia mais

Sônia Pinto de Carvalho

Sônia Pinto de Carvalho s Funções Hiperbólicas Sônia Pinto e Carvalho Introução Quano fiz o curso e Cálculo I fui apresentaa às funções hiperbólicas através e sua efinição eponencial. Lembro-me que, na época, achei muito engraçao

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery) Controle Estatístico e Qualiae Capítulo 4 (montgomery) Amostragem e Aceitação Lote a Lote para Atributos Introução A Amostragem poe ser efinia como a técnica estatística usaa para o cálculo e estimativas

Leia mais

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler QUESÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rorigo Penna QUESÕES CORRIGIDAS GRAVIAÇÃO 1 ÍNDICE LEIS DE KEPLER 1 GRAVIAÇÃO DE NEWON 4 Leis e Kepler 1. (UERJ/000) A figura ilustra o movimento e um planeta em torno o sol.

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Bernaro Jeunon e Alencar Instituto e Informática Programa e Pós Grauação em Geografia Tratamento

Leia mais

Prof. Jefferson Sidney Camacho

Prof. Jefferson Sidney Camacho UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO: ESTADOS LIMITES DE UTILIZAÇÃO Prof. Jefferson Siney Camacho Ilha Solteira

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA 81 1 SOLENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOLENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores, ou por uma única espira são, para efeitos práticos, bastante fracos. Uma forma e se prouzir campos magnéticos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Questões e rovas e Testes (Deformações na Flexão) UNIVERSIDDE FEDERL FLUMINENSE DERTMENTO DE ENGENHRI IVIL RESISTÊNI DOS MTERIIS XI - Engenharia Mecânica rof. amplona 2004-01 e L w (1) 1 a. Questão - ara

Leia mais

INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA ROGERIO MOREIRA LIMA SILVA

INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA ROGERIO MOREIRA LIMA SILVA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA ROGERIO MOREIRA LIMA SILVA CARACTERÍSTICAS DA PROPAGAÇÃO PONTO-ÁREA NA FAIXA DE A 5GHz COM APLICAÇÃO EM COMUNICAÇÕES MÓVEIS Dissertação e Mestrao apresentaa ao Curso e Mestrao

Leia mais

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS APLICAÇÃO DO MÉTODO FOTOGRÁFICO NA OBTENÇÃO DE CAMPOS DE VELOCIDADE E SUA PROVÁVEL APLICAÇÃO EM MÉTODOS PARA DETERMINAR PARÂMETROS DE QUALIDADE DE ÁGUA Maria

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações Universiae e São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento e Engenharia e Estruturas e Funações - Conceitos Funamentais e Dimensionamento e Estruturas e Concreto: Vigas, Lajes e Pilares

Leia mais

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil Efeito Raioativo as Emissões e Gases e Efeito Estufa por Parte e Automóveis no Brasil Revista Brasileira e Energia Resumo Luiz Aalberto Barbosa Uria 1 Roberto Schaeffer 2 Este trabalho examina o impacto

Leia mais

Avaliação da Atividade Reprodutiva e Atividade Trófica da Ictiofauna do Rio Negro, Pantanal, MS 1

Avaliação da Atividade Reprodutiva e Atividade Trófica da Ictiofauna do Rio Negro, Pantanal, MS 1 Avaliação a Ativiae Reproutiva e Ativiae Trófica a Ictiofauna o Rio Negro, Pantanal, MS Vitor Simão Galletti, Fábio Eir os Santos Costa, Sinei Euaro Lima Junior Resumo: Este trabalho foi elaborao visano

Leia mais

Risk attitudes in self-service restaurants

Risk attitudes in self-service restaurants ORIGINAL ORIGINAL ATITUDES DE RISCO EM RESTAURANTES DE AUTO-SERVIÇO 9 Atitues e risco o consumior em restaurantes e auto-serviço Risk attitues in self-service restaurants Renata Puppin ZANDONADI Raquel

Leia mais

Introdução à Termologia

Introdução à Termologia Introução à Termoloia Termoloia é a parte a Física que estua a eneria térmica. Definições importantes: Eneria interna: É a soma as enerias cinéticas as moléculas e um corpo. Calor (eneria térmica: É a

Leia mais

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior

O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior O comportamento o mercao brasileiro e ensino superior Fernano Luiz Anrae Bahiense (UNIVILLE e FAMEG) ferbah@brturbo.com Milton Procópio e Borba (UDESC) Milton_borba@terra.com.br Resumo Estuo escritivo

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS MESTRADO EM ESTUDOS POPULACIONAIS E PESQUISAS SOCIAIS

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS MESTRADO EM ESTUDOS POPULACIONAIS E PESQUISAS SOCIAIS INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS MESTRADO EM ESTUDOS POPULACIONAIS E PESQUISAS SOCIAIS DISSERTAÇÃO TÁBUAS SELETAS DE MORTALIDADE: COMPORTAMENTO DA

Leia mais

Mecanismos básicos de Propagação

Mecanismos básicos de Propagação Mecanismos básicos e Propagação Reflexão: Ocorre quano a ona propagaa se encontra com objetos muito granes quano comparaos com o comprimento e ona; Difração: Ocorre quano o caminho entre o transmissor

Leia mais

Específica de Férias Prof. Walfredo

Específica de Férias Prof. Walfredo Específica e Férias Prof. Walfreo 01 Aluno(a): /07/01 1. (Unicamp 01) Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas

Leia mais

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal.

Observa-se ainda que, para pequenos giros, os pontos de uma seção transversal não sofrem deslocamento na direção longitudinal. Universiae Feeral e Alagoas Centro e ecnologia Curso e Engenharia Civil Disciplina: Mecânica os Sólios Cóigo: ECIV030 Professor: Euaro Nobre ages orção em Barras e Seção ransversal Circular Cheia ou Vazaa

Leia mais

O USO DE ANALOGIAS COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE RISCO

O USO DE ANALOGIAS COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE RISCO O USO DE ANALOGIAS COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE RISCO UM EXEMPLO DA SUA APLICAÇÃO A PILARES DE PONTES VITOR SILVA e MÁRIO M TALAIA, ISCIA Instituto Superior e Ciências a Informação e a Aministração,

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica António Pestana Elementos e Topografia v1.0 Junho e 006 5 Meição e istâncias e áreas na planta topográfica 5.1 Meição e istâncias na planta topográfica Como as plantas topográficas são projecções horizontais,

Leia mais

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio Mapeamento Automático e Rees WiFi com base em Assinaturas Ráio Rui N. Gonçalves Monteiro Engenharia e Comunicações Universiae o Minho Guimarães, Portugal ruimonteiro84@gmail.com Ariano Moreira Centro Algoritmi

Leia mais

AULA 2. Equilíbrio Químico

AULA 2. Equilíbrio Químico AULA 2 Equilíbrio Químico Objetivos Definir reações reversíveis. Definir equilíbrio químico. Escrever as expressões as constantes e equilíbrio. Conhecer os fatores que afetam o equilíbrio químico. Introução

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ANAGLIFOS NA VISUALUIZAÇÃO DE GRÁFICOS TRIDIMENSIONAIS

UTILIZAÇÃO DE ANAGLIFOS NA VISUALUIZAÇÃO DE GRÁFICOS TRIDIMENSIONAIS UTILIZAÇÃO DE ANAGLIFOS NA VISUALUIZAÇÃO DE GRÁFICOS TRIDIMENSIONAIS Bruno Euaro Maeira INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA Resumo O presente trabalho exibe um sistema capa e traçar anaglifos e gráficos e

Leia mais

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO

DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO DENGUE e DENGUE HEMORRÁGICO Prof. Dr. Rivaldo Venâncio da Cunha Dourados, 08 de fevereiro de 2007 O que é o dengue? O dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus; Este vírus pode ser de quatro

Leia mais

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo:

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo: Aferição o custo efetivo final as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais no Brasil para empresas lucro real, lucro presumio e simples nacional Aail Marcos Lima a Silva (UFCG) - aail.marcos@hotmail.com

Leia mais

Cortez, Susana Separação selectiva de microrganismos por filtração anisotrópica

Cortez, Susana Separação selectiva de microrganismos por filtração anisotrópica Universiae o Minho Cortez, Susana Separação selectiva e microrganismos por filtração anisotrópica http://hl.hanle.net/18/864 ata e Publicação 5 Resumo Tipo Metaaos A filtração e células a fase líquia é

Leia mais

Calibração e avaliação do modelo ORYZA-APSIM para o arroz de terras altas no Brasil 1

Calibração e avaliação do modelo ORYZA-APSIM para o arroz de terras altas no Brasil 1 Revista Ciência Agronômica, v. 4, n. 4, p. 65-63, out-ez, Centro e Ciências Agrárias - Universiae Feeral o Ceará, Fortaleza, CE Artigo Científico www.ccarevista.ufc.br ISSN 86-669 Calibração e avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NO COMBATE ÀS ENDEMIAS NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO TOCANTINS

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NO COMBATE ÀS ENDEMIAS NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO TOCANTINS AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NO COMBATE ÀS ENDEMIAS NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO TOCANTINS AUTORES Ariano Firmino V. e Araújo. Doutor em Economia pelo Programa e Pós-Grauação

Leia mais

Manuel António Facas Vicente. Estimação dos Erros de uma Máquina Estacionária de Medição de Coordenadas

Manuel António Facas Vicente. Estimação dos Erros de uma Máquina Estacionária de Medição de Coordenadas Manuel António Facas Vicente Estimação os Erros e uma Máquina Estacionária e Meição e Coorenaas Departamento e Matemática Faculae e Ciências e Tecnologia Universiae e Coimbra 1997 Estimação os Erros e

Leia mais

ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO 9 ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO NON-LINEAR ANALYSIS OF DEFLECTION IN REINFORCED CONCRETE BEAMS Paulo Roberto Lopes Lima * Cíntia Maria Ariani Fontes ** José Mário Feitosa Lima

Leia mais

EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO

EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Em setembro e 010, Júpiter atingiu a menor istância a Terra em muitos anos. As figuras abaixo ilustram a situação e maior afastamento e a e maior aproximação

Leia mais

Análise da Capacidade de um Esquema ARQ para um Sistema DS-CDMA Multimídia

Análise da Capacidade de um Esquema ARQ para um Sistema DS-CDMA Multimídia Análise a Capaciae e um squema ARQ para um Sistema DS-CDMA Multimíia Vitor Rocha e Carvalho * e Celso e Almeia Departamento e Comunicações FC UNICAMP Caixa Postal:, CP: 33-97, Campinas SP e-mail: vitorc@ecom.fee.unicamp.r,

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Julho 2012

Universidade Federal de Uberlândia Julho 2012 Universidade Federal de Uberlândia Julho 2012 O primeiro autor agradece à FAPEMIG. Sumário 1 2 3 4 5 6 7 Sumário 1 2 3 4 5 6 7 Restrição à população homossexual relativamente simples; Engloba de 70 a 80

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE CAPACIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB

CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE CAPACIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB CONSTRUÇÃO DE CURAS DE CAPACDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB PEDRO DA COSTA JR., LUZ GONÇALES JR., CLAUDO. DE AQUNO, ANDRÉ N. DE SOUZA, JOSÉ E. C. CASTANHO Faculae e Engenharia e Bauru, UNESP

Leia mais

Solução para as Equações de Navier-Stokes em domínios

Solução para as Equações de Navier-Stokes em domínios Artigo Original DOI:59/7946X4635 Ciência e Natura, v37 n, 5, jan-abr p 3 44 Revista o Centro e Ciências Naturais e Exatas - UFSM ISSN impressa: -837 ISSN on-line: 79-46X Solução para as Equações e Navier-Stokes

Leia mais

Introdução ao Processamento e Síntese de imagens Transformações de Visualização: Matrizes Homogêneas

Introdução ao Processamento e Síntese de imagens Transformações de Visualização: Matrizes Homogêneas Introução ao rocessamento e íntese e imagens ransformações e Visualiação: Matries Homogêneas Júlio Kioshi Hasegawa Fontes: Esperança e Cavalcanti UFRJ; raina e Oliveira 4 U; e Antonio Maria Garcia ommaselli

Leia mais

FÍSICA Professor: João Macedo

FÍSICA Professor: João Macedo FÍSICA Professor: João Maceo Aluno(a): 0 08/08/014 01. Duas esferas metálicas iguais, A e B, estão carregaas com cargas QA = + 76μC e QB = + 8μC, respectivamente. Inicialmente, a esfera A é conectaa momentaneamente

Leia mais

Comunicação sem fios. Livros recomendados

Comunicação sem fios. Livros recomendados Livros recomenaos Wireless Communications, Principles & Practice, Theoore S. Rappaport, Prentice Hall Communications Engineering an emerging Technologies Series, 1999. UMTS Networks Architecture, Mobility

Leia mais

Física Fascículo 03 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 03 Eliana S. de Souza Braga ísica ascículo 03 Eliana S. e Souza Braga Ínice Dinâmica - Trabalho, Energia e Potência Resumo Teórico... Exercícios... Gabarito...4 Dinâmica - Trabalho, Energia e Potência Resumo Teórico Trabalho e uma

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO COPPE PROGRAMA DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO COPPE PROGRAMA DE ENGENHARIA ELÉTRICA COPPE PROGRAMA DE ENGENHARIA EÉTRICA COE754 DINÂMICA E CONTROE DE SISTEMAS DE POTÊNCIA Glauco Nery Taranto Rio e Janeiro, RJ tel. 56-865 fax: +56-868 PREFÁCIO A isciplina pertence à Área e Sistemas e Energia

Leia mais

DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados

DCC011 Introdução a Banco de Dados -20. Revisão: Modelagem de Dados. Revisão: Processo de Projeto de BD. Revisão: Projeto de Bancos de Dados DCC011 Introução a Banco e Daos -20 Revisão: Moelagem e Daos Mirella M. Moro Departamento e Ciência a Computação Universiae Feeral e Minas Gerais mirella@cc.ufmg.br Revisão: Projeto e Bancos e Daos Inepenente

Leia mais

FACENS FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA

FACENS FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA FAENS FAULDADE DE ENGENHARIA DE SOROABA TEORIA DAS ESTRUTURAS Deslocamentos em Estruturas Lineares O Princípio os Trabalhos Virtuais Prof. JOSÉ LUIZ F. e ARRUDA SERRA SUÁRIO 01. O Princípio os trabalhos

Leia mais

EFEITO ESTABILIZANTE DE ELO DE CORRENTE CONTÍNUA NA OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE ALTERNADA. Waldenir Alexandre da Silva Cruz

EFEITO ESTABILIZANTE DE ELO DE CORRENTE CONTÍNUA NA OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE ALTERNADA. Waldenir Alexandre da Silva Cruz EFEIO ESABILIZANE DE ELO DE CORRENE CONÍNUA NA OPERAÇÃO DE SISEMAS DE RANSMISSÃO EM CORRENE ALERNADA Walenir Alexanre a Silva Cruz ESE SUBMEIDA AO CORPO DOCENE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Karla Yamina Guimarães Santos 1 Diego Alves Gomes 2 Rafael Aguiar Marino 2 Eduardo Barbosa Beserra 2 Ricardo Alves de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS DE PREVISÃO DA TEMPERATURA DURANTE A LAMINAÇÃO A QUENTE DOS AÇOS

DESENVOLVIMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS DE PREVISÃO DA TEMPERATURA DURANTE A LAMINAÇÃO A QUENTE DOS AÇOS a Artigo Original http://x.oi.org/0.4322/276-523.0958 DESENVOLVIMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS DE PREVISÃO DA TEMPERATURA DURANTE A LAMINAÇÃO A QUENTE DOS AÇOS Antônio Ael os Santos Cristóvão Nery Giacomin

Leia mais