Análise das relações entre as variáveis ambientais e a incidência de Dengue no município de Campo Grande-MS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise das relações entre as variáveis ambientais e a incidência de Dengue no município de Campo Grande-MS"

Transcrição

1 Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.8437 Análise das relações entre as variáveis ambientais e a incidência de Dengue no município de Campo Grande-MS Suely Franco Siqueira Lima Elisabete Caria Moraes Gabriel Pereira Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - Inpe Av. dos Astronautas, São José dos Campos, São Paulo - Brasil {suely, bete, Abstract. Federal government published the occurrence of an exponential increase of the incidence of dengue in The government has identified that in epidemiological weeks 1-9 Mato Grosso do Sul State was responsible by a variation of % in incidence of dengue in comparison with other states between 2009 and This paper investigates if this higher rate of incidence of dengue in Campo Grande is related to significant environmental oscillations. Therefore, it was compared environmental disparities between 2009 and 2010, through environmental data from Land Remote Sensing Satellite (Landsat), Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM), Terra and Aqua satellites. The Landsat 5 images (Thematic Mapper) were used to classify the areas with vegetation and with water-covered in the urban perimeter. The monthly mean surface temperatures acquired were taken from Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer (MODIS) MOD11 product aboard of Terra and Aqua. The average monthly rainfall was obtained through the product from the TRMM (3B43). The analysis of satellite data allowed to observe the environmental changes that check the same period between 2009 and 2010 provided an environment suitable for the growing population of Aedes aegypti and development of the dengue virus. Thus, the use of remote sensing contributes to the prevention of dengue. Palavras-chave: remote sensing, image processing, public health, sensoriamento remoto, processamento de imagens, saúde pública. 1. Introdução A dengue tem etiologia viral e se transmite pela picada de mosquitos Aedes aegypti infectados. É a mais importante arbovirose que afeta o homem e constitui um sério problema de saúde pública. A maior incidência desta doença se manifesta especialmente nos países tropicais, onde as condições do meio ambiente favorecem o desenvolvimento e a proliferação do mosquito (SESMT, 2005). Segundo Mendonça (2009) além dos aspectos relativos à própria mutação do vírus, diversos fatores ambientais e sociais estão associados à expansão dos vetores da dengue. Destacam-se como fatores ambientais as alterações climáticas e modificações nas paisagens e nos ecossistemas. Como fatores sociais evidenciam-se o crescimento populacional, a constituição de modos de vida, concentração e novos padrões da população, além da precariedade dos serviços de saúde pública. O estudo das relações causa e efeito desta doença seria mais eficiente com uma visão espacializada dos fatores sociais e ambientais e para isso podemos usar a geotecnologia. O uso do Sistema de Informações Geográficas (SIG) em pesquisa na área de saúde possibilita novos métodos de manejo das informações espaciais, o que amplia a conexão entre informações ambientais e de saúde (Medronho 2004). O Ministério da Saúde através da Secretaria de Vigilância em Saúde disponibilizou o Informe sobre a situação da dengue das Semanas Epidemiológicas 1 a 9 de 2009 / O boletim apresenta o seguinte cenário: Centro-Oeste com (47,9%), Sudeste com (28,9%), Norte com casos (16,3%), Nordeste com casos (5,3%) e Sul com casos (1,6%) (Figura 1). Ressalta ainda que 35,4% do total de casos notificados no país, até o momento, estão concentrados em seis municípios: Goiânia-GO (14%), Campo 8437

2 Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.8438 Grande-MS (9,1%), Rio Branco-AC (4,8%), Belo Horizonte (4%), Porto Velho-RO (2,6%) e Aparecida de Goiânia-GO (2,5%). Entretanto, quando considera a incidência por hab, o estado de Mato Grosso do Sul apresenta uma variação de 1100,99% se sobressaindo aos demais Estados e com uma grande discrepância entre 2009 e 2010, como mostrado na Figura 2. Dos casos notificados neste Estado, casos (61,6%) estão concentrados em Campo Grande, seguidos dos municípios de Jardim (1.196; 3,8%) e Dourados (1.183; 3,7%). Figura 1. Casos notificados de dengue por semana epidemiológica, Brasil, Fonte: Ministério da Saúde - Secretaria de Vigilância em Saúde (Informe Epidemiológico). Figura 2. Curvas epidêmicas da dengue no Estado de Mato Grosso do Sul em 2009 e Fonte: Ministério da Saúde - Secretaria de Vigilância em Saúde (Informe Epidemiológico). Desta forma o objetivo deste trabalho é identificar, através de imagens de satélites, se o aumento da taxa de incidência de casos de dengue em 2010 no município de Campo Grande está relacionado com oscilações ambientais significativas e, desta forma, oferecer dado que contribuam para o controle desta doença. O estudo foi baseado na metodologia apresentada em Lima et al. (2010), que analisa comparativamente algumas variações meteorológicas (temperatura e índice pluviométrico) e ambientais existente entre dois períodos através do mapeamento da vegetação e de corpos d água. Este trabalho analisou os dados ambientais do município de Campos Grande, MS nos anos de 2009 e 2010, período em que houve um aumento discrepante na notificação dos casos de dengue. Espera-se com este estudo contribuir para análise da evolução e proliferação da doença no município e, desta forma, contribuir para o direcionamento de políticas públicas locais. 8438

3 Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p Metodologia de Trabalho O foco deste estudo está no centro urbano do município de Campo Grande que se localiza no Estado de Mato Grosso do Sul e ocupa uma área de aproximadamente 8.096,05 km² (Figura 3). Possui aproximadamente habitantes com uma densidade de 94,67 hab./km². Figura 3. Área de Estudo município de Campo Grande - MS Foram utilizadas imagens do sensor TM do satélite Landsat-5 de 08/03/2009 e 23/02/2010 para gerar recortes da área urbana, que considerou a área habitada mais distante do centro urbano e como as fêmeas deste mosquito se dispersam em aproximadamente 288m (Maciel e Lourenço, 2009), acrescentou-se no raio deste polígono mais 288m, pois assim, considerou-se a distância de vôo do Aedes aegypti. A partir dos recortes foram gerados quatro mapas temáticos com as classes Área alagada e Vegetaço e foi considerado como verdade terrestre as imagens de alta resolução disponibilizada no Google Earth. Realizou-se uma classificação supervisionada por pixel a partir do algoritmo Maxver no programa Sistema de Processamento de Informações Georeferenciadas (SPRING). As áreas destas classes temáticas foram calculadas em km 2 para análise das possíveis oscilações ambientais. Também através de imagens de satélites foram adquiridos os dados de precipitação (produto 3B43 proveniente do Tropical Rainfall Measuring Mission-TRMM) e de temperatura da superfície (produto MODIS11C3 - Mensal) para os anos estudados. Como na metodologia de Lima et al. (2010), estes dados meteorológicos foram relacionados com os dados de cobertura e uso do solo para a identificação de possíveis oscilações ambientais encontradas em 2009 e 2010 passíveis de influenciar o aumento da incidência de casos de dengue confirmados no município estudado. 3. Resultados e Discussão Para gerar o recorte, foi delimitada a área urbana com um círculo passando pelo ponto urbano mais distante do centro da cidade. A partir deste polígono foi criado outro polígono considerando a distancia de vôo do Aedes aegypti (288m), este polígono serviu de base para o recorte das imagens do Landsat-5 de 08/03/2009 e 23/02/2010 como mostra a Figura

4 Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.8440 Figura 4. Recorte das imagens do Landsat 5 nas datas de 08/03/2009 e 23/02/2010 do município de Campo Grande MS. O recorte serviu como base para mapear as áreas alagadas e de vegetação nos anos 2009 e 2010 (Figura 5). Após o mapeamento, foi feito medida das classes para ambas as datas e observou-se que a área alagada em 2010 apresentou km 2 a mais que em 2009 e a área com vegetação também apresentou um acréscimo de km 2 em 2010, conforme apresentado na Tabela 1. Cabe ressaltar que a área agrícola também foi considerada na classe área com vegetação. Os resultados do mapeamento evidenciam variações que podem ter contribuído para o aumento da incidência de notificação de casos de dengue nas Semanas Epidemiológicas 1 a 9 de 2009 / Figura 5. Classes temáticas Área alagadas e Área com vegetação do município de Campo Grande, MS nos anos 2009 e

5 Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.8441 Tabela 1- Amostragem do município de Campo Grande-MS ocupada por Água e Vegetação Área alagada/ km Área com vegetação/ km No valor médio mensal da precipitação entre os primeiros meses de 2009 e 2010 (Figura 6), se observa um aumento de considerável entre abril e maio do ano de 2010, o que é coerente com o aumento das áreas alagadas e de vegetação. Figura 6. Precipitação de 2009 e 2010 do município de Campo Grande, MS. Em relação à influência desta variável na proliferação do Aedes aegypti, sabe-se que a precipitação contribuiu para a renovação e oscilação dos corpos d águas, condições que favorecem o período de eclosão dos ovos e incubação do mosquito. A semana epidemiológica corresponde a um período de sete dias que se inicia no domingo e termina no sábado seguinte. Este trabalho está analisando as semanas epidemiológicas de 1 a 9, correspondentes aos meses de Janeiro e Fevereiro, além da primeira semana de Março. O maior índice de precipitação em 2010 ocorreu no mês de Fevereiro, superando o índice de 2009, o que pode justificar o pico de notificação de casos de dengue que se dá entre as semanas 4 e 9 (meses Fevereiro e Março) como mostrado na Figura 2. Nos valores médios mensais das temperaturas de superfície obtidos pelos sensores MODIS (Figura 7) podemos observar que em Janeiro de 2010 as amplitudes foram ideais para o desenvolvimento do mosquito, que segundo Beserra et al (2006) a temperatura ideal é de 30 o C. Figura 7. Média mensal (temperatura superfície) do município de Campo Grande, MS. Beserra et al (2006) afirma também que de 30 o C a 37 o C, a temperatura apresenta efeitos negativos sobre o desenvolvimento e a fecundidade do inseto. A temperatura em janeiro de 2009 esteve acima de 30 o C, o que pode ter contribuído para a não proliferação do mosquito nesta data. 8441

6 Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.8442 Mendonça (2003) afirma que a temperatura interfere no período de incubação do vírus da dengue e que o período de incubação varia de dez para sete dias quando a temperatura passa de 27º C para 37 o C. Desta forma, podemos inferir que a temperatura dos meses de Fevereiro e Março de 2010 foi ideal para o desenvolvimento do vírus e pode ter contribuído para o aumento da taxa de incidência de casos de dengue em As temperaturas de 2010 foram semelhantes às de 2009, entretanto, como observado anteriormente, a população de mosquito em 2009 pode ter sido menor por influencia da temperatura no desenvolvimento do mosquito. Se o período de incubação do vírus no mês de Fevereiro (temperatura a cima de 30 o C) foi de 7 dias, houveram quatro gerações de mosquitos infectados para um único mês. Como proposto em Lima et al. (2010), se o mosquito tem em média 45 dias de vida, a geração nascida no início de janeiro infectaria até 15 de fevereiro, e a geração nascida na segunda quinzena de janeiro infectaria até 15 de março. A amplitude ideal de temperatura para incubação do mosquito e do vírus, o aumento das áreas inundas, o aumento da vegetação e o aumento da pluviosidade no ano de 2010, podem ter contribuído para o aumento da taxa de incidência de casos de dengue em 2010, comparado com o mesmo período de Segundo o censo do IBGE, Campo Grande em 2009 possuía uma população de habitantes e em 2010 a população passou para habitantes, apresentando um aumento de 1,48%. A Secretaria de Saúde notificou que o estado do Mato Grosso do Sul, teve um aumento de 1.110,99% de casos notificados de dengue em 2010, dos quais 61,6% (19.417casos) dos casos foram notificados em Campo Grande. Sendo assim, o aumento populacional é de pouca significância. 4. Conclusões A comparação dos dados orbitais permitiu observar que houve alterações ambientais entre o mesmo período de 2009 e 2010, as quais propiciaram um ambiente adequado ao aumento da população do Aedes aegypti e ao desenvolvimento do vírus da dengue. Fato este que pode ter contribuído para o aumento na ocorrência de notificação de dengue em 2010 no município de Campo Grande, MS. Desta forma, o sensoriamento remoto pode ser utilizado como um aliado nas atividades de vigilância entomológica, proporcionando dados para avaliações de fatos ocorridos e principalmente dados que contribuam para previsões e ações preventivas no combate a proliferação da doença. Referências Bibliográficas Beserra, E. B.; Castro Junior, F. P. de; Santos, J. W. dos; Santos, T. da S.; Fernandes, C. R.M. Biologia e Exigências Térmicas de Aedes aegypti (L.) (Diptera: Culicidae) Provenientes de Quatro Regiões Bioclimáticas da Paraíba. Neotropical Entomology. 2006, vol.35, n. 6, p IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. <http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1>. Acesso em: 05 de julho de LIMA, S. F. S. MORAES, E. C.; Pereira, G.; Influência das variáveis ambientais no aumento da incidência de dengue em 2009: estudo de caso município de Cáceres. In: Simpósio de Geotecnologias no Pantanal, 2010, Cáceres, MT. Anais do III Simpósio de Geotecnologias no Pantanal, Cáceres, MT. Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p CD-ROM. Maciel, F. R.; Lourenco O. R. Presumed unconstrained dispersal of Aedes aegypti in the city of Rio de Janeiro, Brazil. Rev. Saúde Pública [online]. 2009, vol.43, n.1, pp ISSN Mendonça, F. A. Aquecimento global e saúde: uma perspectiva geográfica - notas introdutórias. Revista Terra Livre, São Paulo, nº 20, p ,

7 Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.8443 Mendonca, F. A. et al. Saúde pública, urbanização e dengue no Brasil. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 21, n. 3, p , Medronho, R. A.; Werneck, G. L. Técnicas de Análise Espacial em Saúde. In: Medronho, R. A. Epidemiologia. Editora Atheneu, São Paulo, p , Ministério da Saúde - Secretaria de Vigilância em Saúde. Informe Epidemiológico da Dengue Análise de situação e tendências Disponível em: < Acesso em: 16 de Novembro de Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso. Plano Estadual de Contingência de Dengue Cuiabá, Novembro de Disponível em: < Acesso em: 16 de Novembro de

ANALISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS AMBIENTAIS OBTIDAS ATRAVÉS DE SATÉLITES NO AUMENTO DA DENGUE: ESTUDO DE CASO MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE, MS.

ANALISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS AMBIENTAIS OBTIDAS ATRAVÉS DE SATÉLITES NO AUMENTO DA DENGUE: ESTUDO DE CASO MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE, MS. ANALISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS AMBIENTAIS OBTIDAS ATRAVÉS DE SATÉLITES NO AUMENTO DA DENGUE: ESTUDO DE CASO MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE, MS. Suely Franco Siqueira Lima Elisabete Caria Moraes Gabriel

Leia mais

Sensoriamento remoto como ferramenta auxiliar no combate à ocorrência de dengue na cidade de Vitória-ES

Sensoriamento remoto como ferramenta auxiliar no combate à ocorrência de dengue na cidade de Vitória-ES Sensoriamento remoto como ferramenta auxiliar no combate à ocorrência de dengue na cidade de Vitória-ES Aurélio Azevedo Barreto-Neto 1 Rafaela Recla Cometti 1 1 Centro Federal de Educação Tecnológica do

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT Elaine Barbosa da SILVA¹ Laerte Guimarães FERREIRA JÚNIOR¹ Antonio Fernandes dos ANJOS¹ Genival Fernandes

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail.

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail. GERAÇÃO DE MAPA DE USO E COBERTURA DE SOLO UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 8 PARA O SUPORTE AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ. Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³ 1 Universidade

Leia mais

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE MACHADO, Luana Pequeno Vasconcelos¹; SOUSA, Bruna Katiele de Paula²; VALADÃO, Danilo Ferreira³; SIQUEIRA, João

Leia mais

MAPEAMENTO DAS DOENÇAS EPIDÊMICAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA PARA O MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ES

MAPEAMENTO DAS DOENÇAS EPIDÊMICAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA PARA O MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Humanas e Naturais CCHN Departamento de Geografia DEFESA DE MONOGRAFIA MAPEAMENTO DAS DOENÇAS EPIDÊMICAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA PARA O MUNICÍPIO

Leia mais

year (January, February and March) constant precipitation and temperatures between 24 and 30ºC. These factors propitiate favorable conditions for the

year (January, February and March) constant precipitation and temperatures between 24 and 30ºC. These factors propitiate favorable conditions for the Análise da associação entre variáveis meteorológicas e a incidência de dengue na região noroeste do Rio Grande do Sul: estudo de caso da cidade de Giruá Resumo Shawana S. Mayer 1, Anderson S. Nedel 2,

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 Maurílio Neemias dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 1,, Yasmim Uchoa da Silva 1, Sâmara dos Santos

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR Maria G. Almeida 1, Bernardo F. T. Rudorff 2, Yosio E. Shimabukuro 2 graca@dppg.cefetmg.br, bernardo@ltid.inpe.br,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING.

ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING. ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING. RODRIGUES, Caroline Gomes 1, COSTA, Bruno Lopes ², CORREIA, Mariana Ribeiro³ 1 Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

Análise dos Indicadores de Sustentabilidade na Cidade de Serafina Corrêa - RS

Análise dos Indicadores de Sustentabilidade na Cidade de Serafina Corrêa - RS Análise dos Indicadores de Sustentabilidade na Cidade de Serafina Corrêa - RS Daniela Maroni (1) Denize Fabiani (2) Malu Durante (3) Tatiana Chiodi (4) (1) Aluna da Escola de Arquitetura e Urbanismo, IMED,

Leia mais

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR Ana Laura Reichert CENTENARO 1, Danielli BATISTELLA 1 Gabriela SUZIN 1, Morgana Gabriela RAYMUNDI 1 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná,

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Geociências Laboratório de Estatística Aplicada ao Processamento de Imagens e Geoprocessamento INFLUÊNCIA DOS AGENTES

Leia mais

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE

OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE OBSERVAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E PRÁTICAS DA POPULAÇÃO, DE UMA MICROÁREA DE UM BAIRRO DO RECIFE-PE SOBRE DENGUE TEIXEIRA, A.Q. (¹) ; BRITO, A.S. (²) ; ALENCAR, C.F. (2) ; SILVA, K.P. (2), FREITAS, N.M.C.

Leia mais

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS Erika Gonçalves Pires 1, Manuel Eduardo Ferreira 2 1 Agrimensora, Professora do IFTO, Doutoranda em Geografia - UFG,

Leia mais

O CLIMA E PROLIFERAÇÃO DA DENGUE EM JATAÍ GO

O CLIMA E PROLIFERAÇÃO DA DENGUE EM JATAÍ GO O CLIMA E PROLIFERAÇÃO DA DENGUE EM JATAÍ GO Palavras Chaves: dengue, temperatura do ar, precipitação pluvial e clima. INTRODUÇÃO José Ricardo Rodrigues Rocha 1 Zilda de Fátima Mariano 2 Lazara Fernanda

Leia mais

Utilização de imagens MODIS para geração de máscaras de culturas de verão para o ano-safra 2011/2012 na Região Centro-Oeste

Utilização de imagens MODIS para geração de máscaras de culturas de verão para o ano-safra 2011/2012 na Região Centro-Oeste Utilização de imagens MODIS para geração de máscaras de culturas de verão para o ano-safra 2011/2012 na Região Centro-Oeste Miriam Rodrigues da Silva 1 André Luiz Farias de Souza 2 Gisele Martins Amaral

Leia mais

Prevenção e conscientização é a solução. Ciências e Biologia

Prevenção e conscientização é a solução. Ciências e Biologia Prevenção e conscientização é a solução Ciências e Biologia Dengue Transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, a dengue é uma doença viral que se espalha rapidamente no mundo. A palavra dengue tem origem

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA Andressa Garcia Lima 1, Dra. Maria Aurora Santos da Mota 2 1 Graduada em Meteorologia- UFPA, Belém-PA, Bra. andressinhagl@yahoo.com.br.

Leia mais

Risco de Transmissão da Dengue via Modelagem Numérica de Equações Diferenciais Estocásticas Clima-Dependentes

Risco de Transmissão da Dengue via Modelagem Numérica de Equações Diferenciais Estocásticas Clima-Dependentes Risco de Transmissão da Dengue via Modelagem Numérica de Equações Diferenciais Estocásticas Clima-Dependentes Mariana B. da Silva 1, Kaline J. S. do Nascimento 1, Kelly C. da S. Matos 1, Paulo S. Lucio

Leia mais

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ROGER TORLAY 1 ; OSVALDO T. OSHIRO 2 N 10502 RESUMO O sensoriamento remoto e o geoprocessamento trouxeram importantes avanços

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Métodos estatísticos aplicados em saúde pública

Métodos estatísticos aplicados em saúde pública Orientador: Ricardo S. Ehlers Universidade Federal do Paraná October 23, 2007 Introdução Degradação do meio ambiente e os problemas sócio-culturais afetam o cenário epidemiológico. Epidemias de dengue,

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG)

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) Alan Cássio Campos 1 Julio Cezar Costa 1 Gabriel Pereira 1 E-mail: allancassiio@hotmail.com; juliocezar188@hotmail.com pereira@ufsj.edu.br

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil

Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil Vicente de Paulo Rodrigues da Silva, Hiran de Melo (Professor DEE/CCT/UFPB), Antônio Heriberto de Castro Teixeira (EMBRAPA

Leia mais

Dr. Nelson Veissid (nelson.veissid@gmail.com) Laboratório Associado de Sensores e Materiais Centro de Tecnologias Especiais - LAS/CTE/INPE São José

Dr. Nelson Veissid (nelson.veissid@gmail.com) Laboratório Associado de Sensores e Materiais Centro de Tecnologias Especiais - LAS/CTE/INPE São José ANOMALIA DA REFLETIVIDADE PLANETÁRIA DA AMÉRICA DO SUL MEDIDO PELO EXPERIMENTO ALBEDO DO SATÉLITE SCD2 DO INPE Dr. Nelson Veissid (nelson.veissid@gmail.com) Laboratório Associado de Sensores e Materiais

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

Sensoriamento remoto no estudo da dengue com alunos do ensino fundamental

Sensoriamento remoto no estudo da dengue com alunos do ensino fundamental Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.3400 Sensoriamento remoto no estudo da dengue com alunos do ensino fundamental

Leia mais

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 ELIAKIM M. ARAÚJO 2, JOAQUIM B. DE OLIVEIRA 3, ITALO N. SILVA 4, EDMILSON G. CAVALCANTE JÚNIOR 4, BRUNO M. DE ALMEIDA 4 1 Parte do TCC do primeiro

Leia mais

Rogério de Souza 1 Mário Valério Filho 1,2 1. Universidade do Vale do Paraíba UNIVAP/IP&D Av. Shishima Hifumi, 2911 São José dos Campos SP, Brasil

Rogério de Souza 1 Mário Valério Filho 1,2 1. Universidade do Vale do Paraíba UNIVAP/IP&D Av. Shishima Hifumi, 2911 São José dos Campos SP, Brasil Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 20, INPE p.479 Análise do crescimento urbano e os impactos na macrodrenagem com o auxílio

Leia mais

SENRORIAMENTO REMOTO E SIG. Aula 1. Prof. Guttemberg Silvino Prof. Francisco das Chagas

SENRORIAMENTO REMOTO E SIG. Aula 1. Prof. Guttemberg Silvino Prof. Francisco das Chagas SENRORIAMENTO REMOTO E SIG Aula 1 Programa da Disciplina 1 CONCEITOS, HISTÓRICO E FUNDAMENTOS (8 aulas) 2 Sensoriamento remoto. Histórico e definições 3 Domínios do Sensoriamento Remoto 4 Níveis de Coleta

Leia mais

MAPEAMENTO DE CLASSES INTRAURBANAS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA (SP) UTILIZANDO IMAGENS LANDSAT-5 TM E IMAGEM NDBI

MAPEAMENTO DE CLASSES INTRAURBANAS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA (SP) UTILIZANDO IMAGENS LANDSAT-5 TM E IMAGEM NDBI MAPEAMENTO DE CLASSES INTRAURBANAS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA (SP) UTILIZANDO IMAGENS LANDSAT-5 TM E IMAGEM NDBI 1702 Bruna Lahos de Jesus Bacic bruna_lahos@hotmail.com Geografia Bacharelado Universidade

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015

Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia e ecologia do mosquito vetor da dengue Porto Alegre, 19 de agosto de 2015 Biologia do vetor Aedes aegypti macho Aedes aegypti Aedes albopictus Mosquitos do gênero Aedes. Característica Aedes aegypti

Leia mais

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Karla Yamina Guimarães Santos 1 Diego Alves Gomes 2 Rafael Aguiar Marino 2 Eduardo Barbosa Beserra 2 Ricardo Alves de

Leia mais

EFICIÊNCIA NA OBTENÇÃO DE ÁREAS IMPERMEABILIZADAS ATRAVÉS DE SENSORIAMENTO REMOTO, VIA CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS DE ALTA E BAIXA RESOLUÇÃO

EFICIÊNCIA NA OBTENÇÃO DE ÁREAS IMPERMEABILIZADAS ATRAVÉS DE SENSORIAMENTO REMOTO, VIA CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS DE ALTA E BAIXA RESOLUÇÃO MORAES, G. A.; ARAUJO J. V. G.; EFICIÊNCIA NA OBTENÇÃO DE ÁREAS IMPERMEABILIZADAS ATRAVÉS DE SENSORIAMENTO REMOTO, VIA CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS DE ALTA E BAIXA RESOLUÇÃO. In: CONGRESSO DE PESQUISA, ENSINO

Leia mais

Autor: Uriálisson Mattos Queiroz Instituição: Escola de Engenharia Mecânica da Bahia(EEMBA)/IQUALI

Autor: Uriálisson Mattos Queiroz Instituição: Escola de Engenharia Mecânica da Bahia(EEMBA)/IQUALI UTILIZAÇÃO DO GEOPROCESSAMENTO PARA ESTUDOS ECOLÓGICOS DA REGIÃO DA SUB-BACIA DO RIO CAPIVARI-BA NOS MUNICÍPIOS DE CRUZ DAS ALMAS, MURITIBA E SÃO FÉLIX. Autor: Gabriel Barbosa Lobo Instituição: Escola

Leia mais

thomasmcz@hotmail.com 2 Doutor Prof. Instituto de Ciências Atmosféricas, ICAT/UFAL, email: dimas.barros91@hotmail.com

thomasmcz@hotmail.com 2 Doutor Prof. Instituto de Ciências Atmosféricas, ICAT/UFAL, email: dimas.barros91@hotmail.com ANÁLISE PRELIMINAR DA ESTIMATIVA DA TEMPERATURA E ALBEDO DE SUPERFÍCIE PARA MICRORREGIÃO DO BAIXO SÃO FRANCISCO NOS ESTADOS DE ALAGOAS E SERGIPE, UTILIZANDO O SENSOR TM DO LANDSAT 5 E O ALGORITMO SEBAL.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS CCHN DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DEFESA DE MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS CCHN DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DEFESA DE MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS CCHN DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DEFESA DE MONOGRAFIA Evolução temporal e espacial do uso e ocupação do solo para os anos

Leia mais

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA

ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA 20 a 24 de outubro de 2008 ALERTA EPIDEMIOLÓGICO: DENGUE EM MARINGÁ PR: A EPIDEMIA DE 2007 PODE SER APENAS A PRIMEIRA Ana Carla Zarpelon 1 ; Rejane Cristina Ribas 1 ; Fernando Henrique das Mercês Ribeiro

Leia mais

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE 16 a 18 de novembro de 2009 Fundação Mokiti Okada Palestrante: Mônica Pavão Pesquisadora do Instituto Florestal INVENTÁRIO FLORESTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO INVENTÁRIO

Leia mais

DENGUE VERSUS LIXO UMA PROBLEMÁTICA NO JARDIM NOVA ESPERANÇA

DENGUE VERSUS LIXO UMA PROBLEMÁTICA NO JARDIM NOVA ESPERANÇA Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 DENGUE VERSUS LIXO UMA PROBLEMÁTICA NO JARDIM NOVA ESPERANÇA Simone Aparecida de Paiva Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Graduando do curso de Gestão Ambiental Sônia Cristina

Leia mais

Avaliação do curso de uso escolar de sensoriamento remoto no estudo do meio ambiente. Elisabete Caria Moraes Teresa Gallotti Florenzano

Avaliação do curso de uso escolar de sensoriamento remoto no estudo do meio ambiente. Elisabete Caria Moraes Teresa Gallotti Florenzano Avaliação do curso de uso escolar de sensoriamento remoto no estudo do meio ambiente Elisabete Caria Moraes Teresa Gallotti Florenzano Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Caixa Postal 515-12201-970

Leia mais

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) NOS PRINCIPAIS CORPOS HÍDRICOS DO MUNICÍPIO DE JAGUARI/RS, UMA ANÁLISE QUANTO A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) NOS PRINCIPAIS CORPOS HÍDRICOS DO MUNICÍPIO DE JAGUARI/RS, UMA ANÁLISE QUANTO A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) NOS PRINCIPAIS CORPOS HÍDRICOS DO MUNICÍPIO DE JAGUARI/RS, UMA ANÁLISE QUANTO A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PERMANENT PRESERVATION

Leia mais

VARIABILIDADE CLIMÁTICA DA BAIXA UMIDADE DO AR EM ALGUMAS LOCALIDADES: Centro e Sudeste do Brasil.

VARIABILIDADE CLIMÁTICA DA BAIXA UMIDADE DO AR EM ALGUMAS LOCALIDADES: Centro e Sudeste do Brasil. VARIABILIDADE CLIMÁTICA DA BAIXA UMIDADE DO AR EM ALGUMAS LOCALIDADES: Centro e Sudeste do Brasil. Resumo Francisco de Assis Diniz adiniz@inmet.gov.br Ricardo Lauxe Reinke Estagiário Instituto Nacional

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

Consumo de água na cidade de São Paulo. Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2

Consumo de água na cidade de São Paulo. Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2 Consumo de água na cidade de São Paulo Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2 1 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Caixa Postal 515 - CEP 12245-970 São José dos Campos SP,

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE José Ivaldo Barbosa de Brito (1); Ioneide Alves de Souza; José Oribe Rocha Aragão (1) Departamento de Ciências

Leia mais

Estudo da influência de variáveis ambientais extraídas de imagens de satélites no aumento da incidência de dengue no município de Cáceres em 2009

Estudo da influência de variáveis ambientais extraídas de imagens de satélites no aumento da incidência de dengue no município de Cáceres em 2009 ANALYSIS OF THE INFLUENCE OF ENVIRONMENTAL VARIABLES OBTAINED FROM SATELLITE DATA ON THE INCREASE OF DENGUE IN THE MUNICIPALITY OF CÁCERES (MATO GROSSO STATE, BRAZIL) IN 2009 Suely Franco Siqueira LIMA

Leia mais

2 sandra@univap.br. Palavras-chave: Georreferenciamento, dados de Sensoriamento Remoto, Google Earth TM.

2 sandra@univap.br. Palavras-chave: Georreferenciamento, dados de Sensoriamento Remoto, Google Earth TM. PROPOSTA METODOLÓGICA PARA INTEGRAÇÃO DE DADOS E FERRAMENTAS DO GOOGLE EARTH. SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICA PARA COMPATIBILIZAR BASES CARTOGRÁFICAS HISTÓRICAS: UM ESTUDO DA CIDADE DE MANAUS, AMAZONAS

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis

Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis ESTIMAÇÃO DE POPULAÇÕES HUMANAS VIA IMAGENS DE SATÉLITE: COMPARANDO ABORDAGENS E MODELOS Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis Laboratório de Estatística Espacial (LESTE) Departamento de Estatística

Leia mais

SISTEMA DE SAÚDE E EXPANSÃO URBANA: ANÁLISE E MAPEAMENTO DO MUNICÍPIO DE LEME/SP

SISTEMA DE SAÚDE E EXPANSÃO URBANA: ANÁLISE E MAPEAMENTO DO MUNICÍPIO DE LEME/SP SISTEMA DE SAÚDE E EXPANSÃO URBANA: ANÁLISE E MAPEAMENTO DO MUNICÍPIO DE LEME/SP GUILHERME OTÁVIO GALLO¹ e RÚBIA GOMES MORATO² g.guilhermegallo@gmail.com, rubiagm@gmail.com ¹ Bolsista Iniciação Científica

Leia mais

Um modelo evolutivo para a dengue considerando incertezas de fatores ambientais

Um modelo evolutivo para a dengue considerando incertezas de fatores ambientais Um modelo evolutivo para a dengue considerando incertezas de fatores ambientais Luciana T. Gomes, Laécio C. de Barros, Depto de Matemática Aplicada, IMECC, UNICAMP 133-59, Campinas, SP E-mail: ra@ime.unicamp.br,

Leia mais

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE.

TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. TÍTULO:A NECESSIDADE DE CONSCIENTIZAÇÃO NA LUTA CONTRA A DENGUE. AUTORES:Madureira, M.L 1.; Oliveira, B.C.E.P.D 1.; Oliveira Filho, A. M. 2 ; Liberto, M.I.M. 1 & Cabral, M. C. 1. INSTITUIÇÃO( 1 - Instituto

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB COM BASE EM IMAGENS DO TM/LANDSAT 5

LEVANTAMENTO DO USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB COM BASE EM IMAGENS DO TM/LANDSAT 5 LEVANTAMENTO DO USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB COM BASE EM IMAGENS DO TM/LANDSAT 5 MADSON T. SILVA 1, VICENTE DE P. R. DA SILVA 2, RONILDO A. PEREIRA 3, JOSÉ A. B. DO AMARAL 4 1 Meteorologista,

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ÁREAS VEGETADAS PARA A ANÁLISE DA TEMPERATURA DO AR: UM ESTUDO DE CASO DOS BAIRROS BENFICA E CENTRO, JUIZ DE FORA MG.

LEVANTAMENTO DAS ÁREAS VEGETADAS PARA A ANÁLISE DA TEMPERATURA DO AR: UM ESTUDO DE CASO DOS BAIRROS BENFICA E CENTRO, JUIZ DE FORA MG. LEVANTAMENTO DAS ÁREAS VEGETADAS PARA A ANÁLISE DA TEMPERATURA DO AR: UM ESTUDO DE CASO DOS BAIRROS BENFICA E CENTRO, JUIZ DE FORA MG. Resumo Débora Couto de Assis Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ALENCAR SANTOS PAIXÃO 1 ; ÉLIDA LOPES SOUZA ROCHA2 e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO 3 alencarspgeo@gmail.com,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE TAMBOARA - PR, PERÍODO DE 2012 A 2014

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE TAMBOARA - PR, PERÍODO DE 2012 A 2014 DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE TAMBOARA - PR, PERÍODO DE 2012 A 2014 50 Ariana Castilhos dos Santos Toss de Sousa Acadêmica - Geografia - UNESPAR/Paranavaí ariana_marcos@hotmail.com

Leia mais

ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE QUEIMADAS, AEROSSÓIS ATMOSFÉRICOS E PRECIPITAÇÃO Nathália Velloso Prado 1, Simone Sievert da Costa Coelho²

ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE QUEIMADAS, AEROSSÓIS ATMOSFÉRICOS E PRECIPITAÇÃO Nathália Velloso Prado 1, Simone Sievert da Costa Coelho² ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE QUEIMADAS, AEROSSÓIS ATMOSFÉRICOS E PRECIPITAÇÃO Nathália Velloso Prado 1, Simone Sievert da Costa Coelho² 1 UNESP/PIBIC-INPE- nathalia.prado@cptec.inpe.br, 2 CPTEC/INPE - Cachoeira

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

A EXPANSÃO URBANA E A EVOLUÇÃO DO MICROLIMA DE MANAUS Diego Oliveira de Souza 1, Regina Célia dos Santos Alvalá 1

A EXPANSÃO URBANA E A EVOLUÇÃO DO MICROLIMA DE MANAUS Diego Oliveira de Souza 1, Regina Célia dos Santos Alvalá 1 A EXPANSÃO URBANA E A EVOLUÇÃO DO MICROLIMA DE MANAUS Diego Oliveira de Souza 1, Regina Célia dos Santos Alvalá 1 1 Centro de Ciências do Sistema Terrestre. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. São

Leia mais

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves²

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² ¹Professor do Curso de Geografia da UnU Iporá. - UEG ² Bolsista PBIC/UEG, Acadêmico do

Leia mais

INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

INSTITUIÇÃO:UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO TÍTULO:AVALIAÇÃO DA INCIDÊNCIA DA DENGUE NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO ATRAVÉS DA CONFIRMAÇÃO SOROLÓGICA AUTORES: Cavalcanti, A. C.; Oliveira A. C. S. de; Pires, E. C. ; Lima, L.

Leia mais

MATERIAIS E METODOLOGIA

MATERIAIS E METODOLOGIA QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO E A RELAÇÃO COM A PRESSÃO ATMOSFÉRICA EM UMA ÁREA DE CULTIVO DE MANGA NO MUNICÍPIO DE CUIARANA-PA SILVA, F. M. 1 ; TORRES, C.S.C. 2 ; SOUSA, A. M. L. 3 ; NUNES, H. G. G. C.

Leia mais

MUDANÇAS NA RELAÇÃO ENTRE A PME E A PED COM A NOVA METODOLOGIA DA PME

MUDANÇAS NA RELAÇÃO ENTRE A PME E A PED COM A NOVA METODOLOGIA DA PME MUDANÇAS NA RELAÇÃO ENTRE A PME E A PED COM A NOVA METODOLOGIA DA PME Maurício Cortez Reis Professor do Dept de Economia da PUC - Rio 1 INTRODUÇÃO A Pesquisa Mensal de Emprego (PME), realizada pelo IBGE

Leia mais

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO Samuel da Silva Farias, Graduando do curso de geografia da UFPE samuel.farias763@gmail.com Rafhael Fhelipe de Lima Farias, Mestrando do PPGEO/UFPE, rafhaelfarias@hotmail.com USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR

Leia mais

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP Maria Cecilia Manoel Universidade de São Paulo maria.manoel@usp.br Emerson

Leia mais

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DA PLUVIOMETRIA OBTIDA PELA MISSÃO TRMM NO BIOMA CERRADO EXPLORATORY ANALYSIS OF TRMM RAINFALL DATASET IN THE CERRADO BIOME

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DA PLUVIOMETRIA OBTIDA PELA MISSÃO TRMM NO BIOMA CERRADO EXPLORATORY ANALYSIS OF TRMM RAINFALL DATASET IN THE CERRADO BIOME ANÁLISE EXPLORATÓRIA DA PLUVIOMETRIA OBTIDA PELA MISSÃO TRMM NO BIOMA CERRADO Marcos Aurélio Ribeiro 1 & Nilson Clementino Ferreira 1,2* Resumo No bioma Cerrado, o segundo maior bioma brasileiro, com 2,4

Leia mais

CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1

CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 PIAZZA, Eliara Marin 2 ; GONSALVEZ, Lilian Mariano 2 ; BREUNIG, Fábio Marcelo

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE IRANDUBA AMAZONAS UTILIZANDO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS E ÍNDICES DE COBERTURA VEGETAL

ANÁLISE DA QUALIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE IRANDUBA AMAZONAS UTILIZANDO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS E ÍNDICES DE COBERTURA VEGETAL ANÁLISE DA QUALIDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE IRANDUBA AMAZONAS UTILIZANDO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS E ÍNDICES DE COBERTURA VEGETAL Roberta Monique da Silva Santos, FSDB, robertamonicke@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE DE ÁREAS DEGRADADAS NO MUNICÍPIO DE ILHA SOLTEIRA - SP, UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR TM LANDAST 5

ANÁLISE DE ÁREAS DEGRADADAS NO MUNICÍPIO DE ILHA SOLTEIRA - SP, UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR TM LANDAST 5 ANÁLISE DE ÁREAS DEGRADADAS NO MUNICÍPIO DE ILHA SOLTEIRA - SP, UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR TM LANDAST 5 Fabiano Barbosa dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 2, Lucas Barbosa Cavalcante 3, Maurílio Neemias

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber

Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber Sugiro começarmos desligando os celulares AEDES AEGYPTI DENGUE - nome de origem espanhola que significa manha- que caracteriza

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

OS CAMINHOS DA FEBRE AMARELA NO TEMPO E NO ESPAÇO

OS CAMINHOS DA FEBRE AMARELA NO TEMPO E NO ESPAÇO Universidade Federal da Bahia Instituto de Saúde Coletiva OS CAMINHOS DA FEBRE AMARELA NO TEMPO E NO ESPAÇO Maria da Glória Teixeira SETEMBRO 2008 FAS: série histórica de casos e taxa de letalidade. Brasil

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM DENGUE NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE DOURADOS/MS Fernanda de Brito Moreira bolsista UEMS 1

AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM DENGUE NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE DOURADOS/MS Fernanda de Brito Moreira bolsista UEMS 1 AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM DENGUE NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE DE DOURADOS/MS Fernanda de Brito Moreira bolsista UEMS 1 Roberto Dias de Oliveira orientador 2 Cidade Universitária

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA DOS USOS DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS COM DIFERENTES RESOLUÇÕES ESPACIAIS. JUSSARA D'AMBROSIO

Leia mais

Sistema de Avaliação dos Dados do Monitoramento da Cobertura Florestal da Amazônia por Satélite DETER

Sistema de Avaliação dos Dados do Monitoramento da Cobertura Florestal da Amazônia por Satélite DETER Sistema de Avaliação dos Dados do Monitoramento da Cobertura Florestal da Amazônia por Satélite DETER Maria Isabel Sobral Escada 1 Taise de Farias Pinheiro 1 Camilo Daleles Rennó 1 Silvana Amaral 1 Luis

Leia mais

E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS

E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA DENGUE: RESPONSABILIDADE DE TODOS RIBAS DO RIO PARDO/MS MAIO/2015 E. E. DR. JOÃO PONCE DE ARRUDA E.E. DR. João Ponce de Arruda Rua: Conceição do Rio Pardo, Nº: 1997 Centro.

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA : GEOGRAFIA - PROFESSOR: GERSON HUCHAK SÉRIE: 7ª

Leia mais

ANÁLISE DA EFETIVIDADE DA ZONA DE AMORTECIMENTO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO POR SENSORIAMENTO REMOTO

ANÁLISE DA EFETIVIDADE DA ZONA DE AMORTECIMENTO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO POR SENSORIAMENTO REMOTO ANÁLISE DA EFETIVIDADE DA ZONA DE DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO POR SENSORIAMENTO REMOTO OTÁVIO AUGUSTO CARVALHO NASSUR 1, JOÃO GABRIEL NOTEL DE SOUZA 2, ELIZABETH FERREIRA 3, ANTONIO AUGUSTO AGUILAR DANTAS

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Morbidade e Fatores de Risco até 2006

Comentários sobre os Indicadores de Morbidade e Fatores de Risco até 2006 D.2.3 Taxa de incidência de dengue 1. Conceituação Número de casos novos notificados de dengue (clássico e febre hemorrágica da dengue códigos A90-A91 da CID-10), por 100 mil habitantes, na população residente

Leia mais

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS AO MONITORAMENTO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NA REGIÃO DA REDEC-I 7 DO ESTADO DE SÃO PAULO - BRASIL

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS AO MONITORAMENTO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NA REGIÃO DA REDEC-I 7 DO ESTADO DE SÃO PAULO - BRASIL GEOTECNOLOGIAS APLICADAS AO MONITORAMENTO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NA REGIÃO DA REDEC-I 7 DO ESTADO DE SÃO PAULO - BRASIL Evandro Antônio Cavarsan Coordenadoria de Defesa Civil de Cabrália Paulista defesacivil@cabralia.sp.gov.br

Leia mais

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ JONAS GALDINO 1, WILIAN DA S. RICCE 2, DANILO A. B. SILVA 1, PAULO H. CARAMORI 3, ROGÉRIO T. DE FARIA 4 1 Analista de Sistemas,

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por vazamento de petróleo utilizando imagem de satélite.

Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por vazamento de petróleo utilizando imagem de satélite. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.7636 Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por

Leia mais

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Realização: Patrocínio: Execução Técnica: PRIMEIRO MAPEAMENTO DA MATA ATLÂNTICA SOS Mata Atlântica INPE e IBAMA Escala: 1:1.000.000 CONCLUÍDO:

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO Ana Luiza Bovoy Jônatas de Castro Gonçalves Thiemi Igarashi Vinicius Chequer e Silva LEVANTAMENTO DA COBERTURA VEGETAL ATRAVÉS DE PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO NAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA RURAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA RURAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA RURAL RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE SENSOR CLOROFILOG FALKER VARIAÇÃO

Leia mais

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 11 de novembro de 2004 Número 11 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 CARACTERIZADO O INÍCIO DO FENÔMENO

Leia mais

ANÁLISE TEMPORAL DE ÍNDICES DE VEGETAÇÃO UTILIZANDO TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO. lidiane.geo@gmail.com

ANÁLISE TEMPORAL DE ÍNDICES DE VEGETAÇÃO UTILIZANDO TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO. lidiane.geo@gmail.com ANÁLISE TEMPORAL DE ÍNDICES DE VEGETAÇÃO UTILIZANDO TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO Lidiane Cristina Félix Gomes 1, Glauciene Justino Ferreira da Silva 2, Alexandra Lima Tavares 3 1 Mestranda da Universidade

Leia mais