A INFLUÊNCIA DA TROCA ELETRÔNICA DE INFORMAÇÕES NA GESTÃO LOGÍSTICA: ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO EDI EM UMA TRANSPORTADORA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INFLUÊNCIA DA TROCA ELETRÔNICA DE INFORMAÇÕES NA GESTÃO LOGÍSTICA: ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO EDI EM UMA TRANSPORTADORA"

Transcrição

1 ISSN A INFLUÊNCIA DA TROCA ELETRÔNICA DE INFORMAÇÕES NA GESTÃO LOGÍSTICA: ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO EDI EM UMA TRANSPORTADORA CLAUDIANE FERNANDES DA SILVA (CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO FIC) ROSÂNGELA VENÂNCIO NUNES (CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO FIC/FATE) CHARLES WASHINGTON COSTA DE ASSIS (FATE) GREYCIANE PASSOS DOS SANTOS (UFC) Resumo A Tecnologia da Informação aliada à Logística é imprescindível para que as empresas alcancem posição de destaque no mercado competitivo no que se refere ao atendimento das necessidades dos clientes de forma rápida, customizada e econômica, tornando-se uma coligação essencial para a continuidade do negócio. No intuito de eliminar barreiras na comunicação, reduzir gastos e flexibilizar meios de serviços, surge o Intercâmbio Eletrônico de Dados (Eletronic Data Interchange - EDI), uma ferramenta de gerenciamento de dados capaz de possibilitar a integração dinâmica entre os agentes da cadeia de suprimento dentro da empresa e nas interrelações da empresa com seus fornecedores e clientes. Neste sentido, o objetivo deste trabalho é analisar a influência da troca eletrônica de informações na gestão logística por meio da utilização do EDI em uma transportadora. A pesquisa realizada caracteriza-se por ser bibliográfica, visando à análise do sistema logístico e seus componentes, sistema de informação e EDI, bem como analisa, de forma prática, a influência que o EDI possui na Gestão Logística de Transporte, na integração das informações, na otimização dos fluxos, no serviço ao cliente e na tomada de decisão. Palavras-chaves: Tecnologia da Informação; Logística; EDI; Transportadora.

2 1 Introdução O desenvolvimento acelerado e a utilização do conhecimento nas organizações estão associados à palavra mudança. Não é possível falar sobre essa transição, que determina novos valores, sem levar ao pensamento a necessidade de abandonar antigos paradigmas. Vivemos no mundo das transformações, onde a Era Industrial perdeu espaço para o dinamismo da informação e da tecnologia. No atual cenário competitivo, as informações rápidas e precisas são fundamentais para eficácia de sistemas logísticos. Diante dessas exigências que englobam vários fatores, as empresas sentem a necessidade de atualização constante a fim de sobreviver e crescer no mercado em que atuam. A troca rápida de informações é indispensável para que a empresa passe a ganhar eficiência. Assim, este estudo busca responder à seguinte indagação: Qual a influência que a troca eletrônica de informações, por meio do EDI, exerce na gestão logística de uma transportadora?. Assim, o objetivo desse artigo é analisar como a influência da troca eletrônica de informações interfere na gestão logística, realizando um estudo de caso para verificar as aplicações da utilização do EDI em uma transportadora. Do objetivo geral apresentado, têm-se os seguintes objetivos específicos: conceituar e identificar o sistema logístico bem como as atividades logísticas; discorrer sobre sistema de informação e tecnologia da informação, ressaltando o EDI; identificar os benefícios alcançados bem como as dificuldades e barreiras na implantação do EDI; investigar a influência que o EDI exerce sobre a gestão logística na atividade de transporte, na integração de informações, na otimização de fluxos, no serviço ao cliente e na tomada de decisão em uma transportadora. No que se refere aos aspectos metodológicos aplicados para realização da pesquisa, utilizou-se primeiramente uma pesquisa bibliográfica sobre os temas: Logística, Sistemas de Informação e Sistemas de Informação Logística em livros, artigos, teses e dissertações. Em seguida, abordaram-se de forma aplicada os assuntos analisados até então de forma teórica, por meio da realização de um estudo de caso em uma transportadora. A pesquisa é classificada como qualitativa e de nível descritivo, pois os fatos foram observados, registrados, analisados e interpretados sem a interferência do pesquisador. 6

3 Andrade (2007, p.114) destaca que na pesquisa descritiva os fatos são observados, registrados, analisados, classificados e interpretados, sem que o pesquisador interfira neles. O presente artigo encontra-se estruturado inicialmente a partir do referencial teórico que aborda o Sistema Logístico; Sistemas de Informação e Tecnologia da Informação; Sistema de Informação Logística e suas aplicabilidades; e Eletronic Data Interchange (EDI). Em seguida, apresenta-se um estudo de caso, onde se demonstram a implantação, as vantagens e desvantagens do EDI no contexto de transportadora e, por fim, as devidas conclusões da pesquisa. 2 O Sistema Logístico e as Atividades Logísticas Para Ferraes Neto (2000), a Logística pode ser entendida como a gestão de fluxos. O sistema logístico é composto pelos fluxos físico, das informações e financeiro. A partir disso, observa-se que a Logística existe para satisfazer as necessidades do cliente e ajudar a criar valor ao menor custo possível por meio da gestão de um sistema que envolve a gestão de materiais (fluxo físico), de informações (fluxo virtual) e de recursos financeiros (gestão de prazos do fluxo de dinheiro). É oportuno comentar que no sistema logístico os três fluxos acontecem de forma direta e reversa. Estes fluxos funcionam de forma interdependente, de modo que a gestão de um influencia de forma direta o desempenho dos outros dois fluxos. Segundo Ferraes Neto (2000), durante muito tempo a importância do fluxo de informação foi subestimada, pois as empresas possuíam recursos financeiros abundantes e baratos, não se preocupavam com a gestão da informação e preferiam formar grandes estoques para se proteger de incertezas e erros de previsões. Quando os produtos certos são colocados nos locais certos, no momento certo e nas condições desejadas, o que, segundo Ballou (2006), é a meta do profissional de logística, um terceiro fluxo é favorecido: o financeiro. Ou seja, conforme Ferraes Neto (2000), o financeiro é aquele fluxo que faz com que os valores pagos pelos clientes retornem aos elos da cadeia. Assim, ao se obter maior acerto na realização do fluxo físico, o volume de vendas, o giro de estoques e a disponibilidade de produtos ao cliente serão majorados. Estes fatores permitem aumentar o valor da receita e o lucro no período. 7

4 São necessárias muitas atividades logísticas para se atender os objetivos acima. Vale salientar que estas atividades dividem-se em atividades primárias e de apoio, em que as atividades primárias são: Transportes (movimentar produtos e insumos), Manutenção de Estoques (ter o menor nível de estoque possível sem prejudicar o nível de serviço ao cliente) e Processamento de Pedidos (nível de serviço ofertado ao cliente). As atividades de apoio são: Armazenagem (administrar espaço para manter os materiais estocados), Manuseio de Materiais (movimentação de produtos no local da armazenagem), Embalagem de Proteção (proteção dos produtos e mercadorias) e várias outras que, juntas, fazem toda diferença no desempenho de um processo logístico independente da organização. Um dos fatores mais relevantes ao desenvolvimento dos processos administrativos é a aplicação de Tecnologia de Informação, proporcionando um grande aumento de eficiência. Tais sistemas abrangem todas as ferramentas que a tecnologia disponibiliza para o controle e gerenciamento do fluxo de informação de uma organização. 3 Sistemas de Informação e Tecnologia da Informação A Tecnologia da Informação e os Sistemas de Informação têm contribuído para grandes transformações em nossa sociedade, pois encurtam distâncias e permitem que máquinas assumam e executem com competência tarefas que até certo tempo atrás exigiam muito esforço e tempo humano. O impacto de sua utilização no modo de vida das pessoas, na forma como as empresas trabalham e relacionam-se uma com as outras e no mundo, de forma geral, tem sido tão marcante que podemos considerar que estamos vivendo a Era da Informação. Tecnologia da Informação é um componente do Sistema de Informação como informação, ferramentas, políticas de trabalho e recursos humanos. Spinola et al. (1998, p.98) afirmam que a Tecnologia da Informação reúne as contribuições da Tecnologia e da Administração, estabelecendo, assim, uma estratégia integrada, permitindo projetar e instalar sistemas de informação e as coerentes mudanças organizacionais, ou ainda, pode ser definida como a adequada utilização de ferramentas de informática, comunicação e automação, juntamente com as técnicas de organização e gestão, alinhadas 8

5 com a estratégia de negócios, com o objetivo de aumentar a competitividade da empresa (CRUZ, 2000, p. 48). A Tecnologia da Informação trata-se, portanto, de uma fonte de melhoria de produtividade e competitividade, pois aumenta a capacidade e a velocidade das informações, diminuindo seu custo. Na década de 1980, com a relação entre a evolução da Logística e do desenvolvimento da Informática, surgiam os primeiros comentários referentes à introdução do Eletronic Data Interchange (Intercâmbio Eletrônico de Dados), mais conhecido pela sigla EDI. Uma ferramenta com foco em agilizar operações e implementar processos ao menor custo possível. 4 Eletronic Data Interchange - EDI Segundo Bowersox e Closs (2001), o EDI é um meio de intercâmbio de documentos e informações entre empresas, de computador para computador, em formatospadrão. A capacitação proporcionada por esta tecnologia é a comunicação eletrônica entre organizações. De acordo com Mendes et al. (1997), o EDI é o intercâmbio de informação entre parceiros autônomos que se associam, computador a computador, de todo o tipo de documentos comerciais formatados, segundo padrões ou normas. Este processo é, ao mesmo tempo, técnico e organizacional, uma vez que consiste na transformação de dados estruturados entre empresas através de meios eletrônicos e protocolos que obedecem mensagens normalizadas e estabelecidas por organismos internacionais. Nas últimas décadas a ferramenta EDI tem apresentado grandes crescimentos, devido à redução em custos como hardware, software e telecomunicações, levando em consideração a utilização da Internet, que permite um meio alternativo para o envio das mensagens. Atualmente, o EDI tem sido utilizado como uma ferramenta estratégica pelas empresas, principalmente na relação cliente-fornecedor, podendo ser definido como o movimento eletrônico de informações entre o comprador e o vendedor com o propósito de facilitar uma transação de negócios (SILVEIRA, 1997). Por meio do exposto, conclui-se que as técnicas de EDI auxiliam e melhoram a comunicação entre parceiros sejam eles comerciantes, fornecedores e clientes, eliminando qualquer dificuldade que possa restringir a forma de fazer negócio uns com os outros. 9

6 O EDI auxilia na formação de relacionamentos sem fronteiras, onde se permite que documentos estruturados sejam trocados entre aplicações de software com o objetivo de processar uma transação de negócio. Além de servir de meio de troca de transações eletrônicas, o EDI prevê segurança, recuperação de informações, registro de erros, serviços de auditoria e serviços de apoio aos clientes (NOVAES, 2001, p.81). Uma característica relevante é que o retorno dos investimentos está relacionado com a quantidade de transações que são efetuadas por este meio, havendo necessidade de volume razoável de transações efetuadas via EDI (BUENO, 2002, p. 5). Segundo a EAN Brasil (2003), atualmente, o EDI divide-se em duas categorias: o EDI puro ou tradicional, que compõe as mensagens padronizadas e utiliza os serviços da VAN ou Rede de Valor Agregado, que provêm o meio para o transporte. É um cenário em que há vários tipos de mensagens sendo trocadas pelas partes (parceiros comerciais). A segunda categoria é a Web EDI, que integra as empresas menores ao sistema, em que o formulário com os dados da mensagem é acessível através da Internet. Esse serviço também é suportado pelas VAN's. Desta forma, observa-se que os benefícios desta ferramenta advêm principalmente da economia de custo e de tempo, pela eliminação de qualquer retrabalho devido à interferência humana. 4.1 Benefícios Alcançados com o Uso do EDI Segundo Porto et al. (2000a), o EDI oferece algumas vantagens, cujos impactos costumam ser maiores do ponto de vista estratégico em detrimento do operacional. Os benefícios tangíveis do EDI advêm da economia de custo e de tempo pela eliminação de redigitação, diminuição de ocorrência e erros, criação de conhecimento de recebimento de dados etc. O EDI, quando utilizado de forma adequada, pode proporcionar vários benefícios na realização das operações logísticas. Dentre as quais, destacam-se as áreas de transporte, estoque, serviço ao cliente e finalmente sua utilização no gerenciamento na cadeia de suprimentos (FERREIRA, 2003). Chopra e Meindl (2003), Lambert et al. (1998) e Gallina (2001) afirmam que o EDI e outros meios eletrônicos de comunicação podem ser utilizados para reduzir significativamente 10

7 o lead time associado à emissão de pedido e à transferência de informações, reduzindo assim, o seu ciclo, diminuindo os custos associados ao atendimento e, consequentemente, melhorando o serviço ao cliente Essa tecnologia melhora a eficiência operacional da organização. A seguir, apresenta-se no quadro 1 uma síntese dos benefícios que o EDI proporciona às empresa, com base nos trabalhos da EAN Brasil (1995), Pizysiemig Filho (1997), Hill (1989), Lummus (1997), Tsai et al. (1994), Martinez et al. (1997), Porto et al. (2000a), Agra (1996). BENEFÍCIOS Adição de Valor ao Negócio RESULTADOS Negociação mais eficiente, desenvolvendo parcerias estratégicas entre cliente e fornecedores. Melhorias nas Áreas de Operações e Logística Possibilita melhor sincronia entre clientes e fornecedores, garantindo, do lado do cliente, o recebimento de produtos no tempo requerido. Melhoria nos Controles Garante uma maior confiabilidade no processamento das informações. Otimização dos Fluxos Elimina a troca de documentos comerciais em papel, contribuindo assim para uma melhor administração e planejamento estratégico. Intensificação da Vantagem de Tempo Reduz do tempo de correção dos erros das transações, conferindo maior qualidade às informações trocadas, o que permite tomar os processos empresariais mais eficientes. Tomada de Decisão Possibilita aos executivos tomarem decisões rápidas, permitindo assim reagirem prontamente às ameaças e às oportunidades do mercado. Quadro 1 Vantagens do EDI. Fonte: Pesquisa direta (2012) Com base no quadro 1, se percebe que o EDI, se for bem utilizado, traz diversos benefícios às empresas, como por exemplo a adição de valor ao negócio, melhorias na área de operações e logística, melhorias nos controles, otimização dos fluxos e melhoria na tomada de decisões. No entanto, vale salientar que em meio a tantos benefícios também existem dificuldades e barreiras a serem vencidas. 4.2 Dificuldades e Barreiras na Implantação do EDI 11

8 A implantação do EDI não acontece de forma contínua, pelo seu próprio caráter inovador costuma oferecer alguns obstáculos. Primeiramente, como ocorre na grande maioria das implementações, por ser algo novo, os funcionários sentem-se limitados por não terem ainda informações o suficiente sobre o uso da ferramenta. Complementando, Tsai et al. (1994) afirmam que as dificuldades são devido às barreiras culturais, problemas de conscientização da alta administração sobre a utilização do EDI, a falta de pessoal qualificado para as operações demandando emprego do EDI, bem como a falta de serviços de apoio dos fornecedores de tecnologia de informação. DIFICULDADES NO EDI Necessidade de Padronização Altos Custos de Implementação Treinamentos Extras para os Funcionários Resistência às Mudanças RESULTADOS Porque exige da empresa estrutura adequada, pois caso contrário criará incompatibilidade com os outros sistemas envolvidos. Devido aos softwares adquiridos e investimento no quesito tecnológico.. Tempo e valor gasto para treinamentos. Devido às barreiras culturais. Quadro 2 Dificuldades na Implantação do EDI. Fonte: Adaptado de Silva (2009). A ferramenta requer uma estrutura adequada da empresa devido a toda padronização exigida na implementação do EDI, pois caso contrário isso criará uma incompatibilidade com os sistemas existentes e com as interfaces com o consumidor. Vale ressaltar que o uso do EDI com múltiplos consumidores pode acarretar a perda ou atraso de documentos durante a transmissão, uma vez que cada consumidor tem diferentes tipos de requisições (PORTO et al., 2000a). Podem ocorrer erros por parte dos parceiros, causando o chamado efeito dominó ou falhas de segurança do sistema, comprometendo a integridade dos sistemas de outros parceiros, bem como riscos de interconexão nas redes de trabalho, registros inadequados e alterações introduzidas nas mensagens (PORTO et al., 2000a). Ocorrem também restrições por parte da Legislação Governamental e dificuldade de acesso aos fornecedores 12

9 internacionais (MARCOVITCH, 1997). Assim, o êxito na utilização do EDI está associado à consistência da sua aplicação com as estratégias tecnológicas e de negócios da empresa; para tanto, torna-se necessário que seus usuários passem a aceitá-lo e comprometam-se com os resultados a serem atingidos, buscando, além do domínio de sua aplicação, um claro entendimento dos seus objetivos. 5 A Influência da Troca Eletrônica de Informações na Gestão Logística Quando as tecnologias EDI e Internet são utilizadas de forma adequada, há maior probabilidade de oportunidades de melhoria de desempenho nas operações logísticas. Segundo Lambert et al. (1998), as tecnologias impactam vários aspectos da empresa, com destaque para a logística, principalmente em transporte, armazenagem, processamento de pedidos, gestão de estoques, afetando significativamente as áreas de suprimentos /compras e distribuição. O uso de tecnologias de informação e telecomunicação (TI) impacta a eficiência do sistema logístico, pois agiliza seu fluxo de informação e oferece capacidade de resposta ao seu fluxo físico. O fluxo físico representa a movimentação e armazenagem de produtos, desde matérias-primas, insumos ou materiais componentes até produtos acabados, desde o fornecedor até o consumidor final. A agilidade na troca de informação com o uso da ferramenta EDI e da Internet possibilita visibilidade no fluxo logístico, podendo permitir a redução nos níveis de estoque, sem comprometer o atendimento à demanda. Segundo a EAN Brasil (2003), o EDI permite às empresas melhor gestão e controle da produção, utilizando reposição contínua conforme as necessidades. A eficiente utilização dos recursos de bens para atender à demanda exige planejamento, programação e controle de uma gama de atividades logísticas. A gestão destas atividades varia de empresa para empresa, dependendo da estrutura organizacional em particular e da importância destas atividades para suas operações (GALLINA, 2001). A troca eletrônica de dados torna o fluxo físico prático e agrega valor aos processos logísticos. No transporte possibilita uma movimentação de materiais de forma ágil e segura. 13

10 Segundo Zardo et al. (1996), para o setor de transporte ou empresas transportadoras, que normalmente são os responsáveis pela movimentação de mercadorias, o EDI é usado para agilizar as transações comerciais e processos burocráticos, gerando um diferencial competitivo de alto valor, uma vez que permite reduzir tempos ociosos, ou seja, tempos em que não se está transportando devido à realização de tarefas de apoio como a carga, descarga e emissão de documentos. O sistema de informação no processo de armazenagem refere-se à tecnologia aplicada para o gerenciamento operação, ou seja, operar com sistemas de TI que melhor se modelar para a atividade desenvolvida, primando por eficiência em controles de recebimento e expedição, localização de itens. A armazenagem possui ainda um aspecto de elevada consideração que é a capacidade de causar impacto direto nos custos do negócio como um todo. Quanto ao processamento de pedidos é esta a atividade que a empresa mais faz com uso da Internet. O EDI reduz o tempo de processamento dos pedidos e consequentemente o custo desse processamento, aumentando a produtividade dos funcionários nesta atividade. Percebe-se então, a importância da troca eletrônica de dados no processamento de pedidos em uma empresa. Quanto mais rápido os pedidos chegam ao departamento de produção, mais produtos são fabricados de acordo com as especificações dos clientes, e as empresas podem, assim, através do EDI, atender mais rapidamente as mudanças e exigências de seus consumidores (FERREIRA, 2003). Segundo Hutt et al. (2001), há mais facilidades para conhecer as necessidades dos recursos e gerenciar os processos logísticos entre os elos da cadeia de suprimentos. Lambert et al. (1998) afirmam que essas tecnologias causam impacto em vários aspectos da empresa, destacando a logística como a que sofre impacto significativo. Por isso, o EDI, quando utilizado de forma adequada, pode proporcionar vários benefícios na realização das operações logísticas. Dentre as áreas da logística nas quais são observados maiores benefícios, destacam-se as áreas de transporte, estoque, serviço ao cliente e finalmente sua utilização no gerenciamento na cadeia de suprimentos (FERREIRA, 2004). Na gestão de estoque o foco é automação, pois o uso de equipamentos e softwares (impressoras de barras, scanners, computadores e programas de controle), tem sido primordial para que empresas consigam atingir resultados positivos, tornando-se cada vez mais competitivas no mercado nacional e mundial. 14

11 A gestão de estoque suscita importantes ganhos como a eficiência, redução de falhas e custos, rapidez, confiabilidade e capacidade de rastreabilidade, além de melhoria do serviço ao cliente proporcionando aos mesmos, disponibilidade de produto e acesso à informações sobre pedidos pendentes, exatidão das faturas, menores níveis de estoque de segurança e seus custos correspondentes. Nesse sentido, as tecnologias existentes, em particular o EDI, possibilitam o gerenciamento dos sistemas logísticos em tempo real, ou próximo do real. Assim, é possível enxergar sistematicamente o fluxo logístico e, ao fazer isso, pode-se reduzir consideravelmente o estoque (FEREIRA, 2003). Gallina (2001) afirma que o EDI é capaz de reduzir o tempo e o custo de processamento de pedidos, consequentemente. O EDI é essencial também para que a cadeia de suprimentos atue de forma otimizada e integrada. Através da interligação entre empresas e do fluxo de informações entre seus sistemas de gestão é possível que o balanceamento de todas as relações cliente/fornecedor sejam atingidas, uma vez que cada elo só compra, manufatura e vende aquilo que os elos anteriores e posteriores necessitam. Dessa forma, as perdas são reduzidas e os custos minimizados até o cliente final (FERREIRA, 2003). A partir do exposto, se compreende que o EDI possibilita melhorias em três situações: empresas, fornecedores e cliente final. Além disso, essa ferramenta pode ser um forte incentivo para a mudança baseada em novas formas de gestão de cadeia de suprimentos. 6 Metodologia O desenvolvimento do presente trabalho obedeceu a uma série de passos metodológicos que vai desde o planejamento, passando pela coleta de informações, até a realização de um estudo de caso, com base numa entrevista não estruturada. A pesquisa foi desenvolvida primeiramente com fundamentação teórica, ou seja, um levantamento bibliográfico envolvendo diversas fontes de pesquisas, como artigos, revistas, livros e dissertações com o objetivo de se aprofundar no assunto que está sendo exposto. A parte bibliográfica enfatizou o conceito de EDI, mencionando os benefícios, as barreiras, os resultados alcançados com a ferramenta e a influência do EDI na gestão logística 15

12 e em seguida um estudo de caso em caráter descritivo, procurando identificar no interior de uma transportadora os impactos causados pela implantação e utilização do EDI na logística. O estudo de caso foi feito por um colaborador da própria empresa com base numa entrevista não estruturada. Analisou-se de forma prática a influência que o EDI teve na Gestão Logística de Transporte, na integração das informações, na otimização dos fluxos, no serviço ao cliente e na tomada de decisão. A opção por estas atividades partiu do contato direto com o processo logístico de distribuição. No estudo de caso apresentam-se às mudanças ocorridas nas atividades operacionais de uma transportadora após a utilização do EDI, quais os motivos que levaram a empresa a usá-la e quais foram as contribuições da utilização desta ferramenta na logística da empresa. Observou-se se houve no setor de transporte uma redução dos tempos ociosos das transações comerciais referentes à carga e descarga, emissão de documentos, entre outros. Analisou-se, também, se houve redução de erros, burocracia e melhorias referentes à ordenação, envio e recebimento das informações, com a eliminação da troca de documentos em papel, sempre observando o resultado após a adesão ao intercâmbio eletrônico. 7 Estudo de Caso A Empresa analisada pertence ao grupo BMS Logística Ltda e Elbert Participações Ltda. iniciou suas atividades em 2001, com menos de 15 colaboradores e apenas um caminhão toco, na cidade de Fortaleza, estado do Ceará. Considerada uma empresa promissora e com grande credibilidade junto ao seu cliente. Fundada com o intuito de atender exclusivamente à Honda, a empresa atua no segmento de transporte, logística e distribuição de motocicletas, peças, motores, permitindo assim que o cliente possa se concentrar nas suas atividades-fim. Para tanto, conta com infraestrutura, equipamentos e profissionais capacitados na área de logística, manuseando os materiais conforme requisitos definidos pelo cliente, adequando-se às necessidades e peculiaridades de cada serviço. A empresa X é gerenciada de acordo com os critérios da norma NBR ISO 9001:2008 e NBR ISO te, possui a visão de tornar-se referência para a Honda como a melhor empresa de Logística e Distribuição de Motocicletas e Peças do Norte e Nordeste e a missão de facilitar a distribuição e a logística de motocicletas e peças Honda com qualidade e responsabilidade socioambiental, de forma rentável, eficiência e eficácia operacional, 16

13 atendendo às necessidades dos clientes e acionistas, contribuindo para o desenvolvimento dos colaboradores e da sociedade. A Empresa hoje é composta por seis unidades, apresentando em sua matriz a quantidade de 238 colaboradores. Possui uma frota própria de 100 caminhões e também conta com o serviço terceirizado para fazer a distribuição no Norte e Nordeste, tendo suas filiais nos seguintes estados: Amazonas, Rondônia, Pará, Recife, João Pessoa e Ceará. Por uma exigência do cliente e com o objetivo de aumentar a eficiência nas operações logísticas, a empresa passou a focar tecnologia e aderiu a troca eletrônica de dados. 7.1 A Logística na Empresa Pesquisada A empresa atua no segmento de transporte no setor logístico com a distribuição de motocicletas, peças e motores da marca Honda. São três modalidades logísticas: Transporte Primário, Transporte Secundário e Transporte de Peças. No Transporte Primário, que é caracterizado pela saída das mercadorias Honda da fábrica em Manaus para os PAD s Pontos de Apoio e Distribuição, as motos são carregadas numa balsa SW e seguem em direção ao porto de Belém, embaladas em racks. Chegando ao porto, inicia-se o descarregamento das balsas e, logo em seguida, o carregamento direto nas carretas que é executado através de empilhadeiras. Feito o carregamento, a carreta é direcionada ao PAD Belém e aciona a segunda modalidade denominada secundário. O Transporte Secundário ocorre quando a distribuição acontece partindo dos PAD s para os concessionários, utilizando o modal rodoviário. Ao chegar ao PAD, a mercadoria é descarregada, conferida e transferida para a carreta que fará a logística, concluindo o processo secundário. A última modalidade é o Transporte de Peças, que se responsabiliza pela distribuição de peças da marca Honda, sejam elas para carro ou moto até os concessionários. Com o intuito de melhorar o transporte de motocicletas a empresa X desenvolveu dois projetos, um chamado de Sapoti, que consiste na instalação do Double Deck, que permite transportar o dobro de mercadoria, composta por elevadores dentro dos caminhões para agilizar o carregamento e melhorar a performance das frotas, e o projeto Siriguela, que consiste no sistema de fixação que permite que as motocicletas de vários modelos sejam transportadas montadas, dando maior agilidade das entregas destas ao cliente final. 17

14 O principal processo logístico da empresa é distribuição, pois o foco é realizar a entrega nos concessionários dentro do prazo determinado pela Honda. O gargalo que a empresa apresenta no que diz respeito a controles, operações e fluxo de informações acontece devido à interferência humana que ainda prevalece em alguns processos da empresa, como por exemplo, o fluxo alto de papéis e a falha na comunicação referente aos motoristas que viajam para entregar a mercadoria e o funcionário que aguarda as informações no centro de distribuição (PAD). 7.2 A TI na Empresa Pesquisada A equipe de tecnologia conta com quatro profissionais na matriz, uma coordenadora, um analista e dois assistentes. O grupo possui diretoria e equipe centralizada pela BMS logística, que se localiza no Estado de São Paulo. No entanto, os processos são executados em Fortaleza, mas as decisões partem diretamente da BMS. Atualmente a empresa trabalha com a TOTVS, que é uma empresa multinacional de software sediada no Brasil. Controladora das marcas Microsiga, Datasul, RM Sistemas, Logo Center e Midbyte. A equipe de trabalho da empresa X está sempre se aprimorando, investindo em processos que possam impactar diretamente na boa utilização de recursos, custos, qualidade, agilidade. O objetivo maior é se atualizar e aderir às novas tendências. Com base nesse contexto, a empresa X, impulsionada pelo o próprio cliente, adotou o EDI, a troca eletrônica de dados. Com esta atitude a empresa atende as exigências do mercado e reduz custos. O EDI passou a ser prioridade quando o assunto é credibilidade junto aos clientes e fornecedores devido à transação que acontece entre equipamentos de forma rápida e segura. A integração entre os equipamentos acontece por meio de softwares, que inserem de forma automática as informações no sistema da empresa, são eles DI2S, E-MESSENGER e AUTOTRAC. O valor investido para aderir à ferramenta EDI não foi divulgado por questões de sigilo solicitado pela empresa. 7.3 Motivos para Adoção do EDI e o Processo de Implantação 18

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADA À LOGÍSTICA: USO DO EDI COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO E INTERAÇÃO DOS RECINTOS DE UM PORTO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADA À LOGÍSTICA: USO DO EDI COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO E INTERAÇÃO DOS RECINTOS DE UM PORTO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO APLICADA À LOGÍSTICA: USO DO EDI COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO E INTERAÇÃO DOS RECINTOS DE UM PORTO Marcelo Dias Damaceno 1 Marta Alves de Souza 2 Helder Rodrigues da Costa 3 RESUMO

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa Andrea Regina Monteiro (UFPB) areginamonteiro@bol.com.br Mariana Moura

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE!

Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE! Apresentação do Serviço de Outsourcing de Impressão IMPRIMA COM ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE! A EMPRESA A Fast Solution é uma empresa especializada em desenvolver soluções integradas em sistemas de impressão,

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Autorização de uso do MDF-e implicará em registro posterior dos eventos, nos documentos fiscais eletrônicos nele relacionados.

Autorização de uso do MDF-e implicará em registro posterior dos eventos, nos documentos fiscais eletrônicos nele relacionados. MDF-e - Nota Técnica 2015.001 Produto : Datasul, MFT (Faturamento), TOTVS 12 Projeto : PCREQ-3414 Data da : 23/02/2015 Data da revisão : 23/02/2015 criação Banco(s) de País(es) : Brasil : Todos Dados Implementada

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística?

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística? Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Processamento de Pedidos e Aquisição/Programação de Produtos Primárias Apoio 1 2 Responsabilidades O Fluxo

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Por que escolher a Oplay Logística?

Por que escolher a Oplay Logística? Por que escolher a Oplay Logística? Porque a Oplay Logística tem soluções completas e inovadoras que a sua empresa precisa. Porque a Oplay Logística oferece serviços diferenciados desenhados de acordo

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL

ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL JOSÉ EDUARDO DO COUTO BARBOSA 1 SARAH GABRIELA CARDOSO DE LIMA 2 EVERTON LUIZ DA CHAGAS 3 Resumo A logística brasileira foi fortemente marcada

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

Prof. Daniel J. Melo Brasil

Prof. Daniel J. Melo Brasil EDI Definição EDI é um acrônimo para Intercâmbio Eletrônico de Dados EDI refere-se a troca de estruturada de dados entre as organizações por meio eletrônico. EDI pode ser utilizado para a comunicação de

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Simplificando a TECNOLOGIA

Simplificando a TECNOLOGIA 3 Simplificando a TECNOLOGIA SEGURANÇA DESENVOLVIMENTO BANCO DE DADOS S O L U Ç Õ ES E M T E C N O L O G I A MISSÃO VISÃO Contribuir com o sucesso dos Clientes através da Ser a melhor provedora de Soluções

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação/ IFTI 1402 Turma 25 09 de abril de 2015 Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS Raphael Henrique Duarte

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES Página 1 de 11 SUMÁRIO: 1 VISÃO...3 2 MISSÃO...3 3 PRINCÍPIOS...3 4 POLÍTICA DE GESTÃO INOVA...4 5 - MENSAGEM AO FORNECEDOR...4 6 - OBJETIVO DO MANUAL...5 7 - REQUISITOS BÁSICOS DO SGQ...5 8 - AVALIAÇÃO

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA Descrição da(s) atividade(s): Indicar qual software integrado de gestão e/ou ferramenta

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS

gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS Mais de uma década de experiência e evolução é o que dá ao sistema uma vasta gama de funcionalidades. Esse conhecimento que faz total diferença para sua empresa. xp+

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3.

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. PROBLEMA: É UM OBSTÁCULO QUE ESTÁ ENTRE O LOCAL ONDE SE ESTÁ E O LOCAL EM QUE SE GOSTARIA DE ESTAR. ALÉM DISSO, UM PROBLEMA

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais