O uso de EDI e Internet na Gestão da Cadeia de Suprimentos: Estudos de Caso na Indústria de Alimentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O uso de EDI e Internet na Gestão da Cadeia de Suprimentos: Estudos de Caso na Indústria de Alimentos"

Transcrição

1 O uso de EDI e Internet na Gestão da Cadeia de Suprimentos: Estudos de Caso na Indústria de Alimentos Karine Araújo Ferreira (UFSCar) Maria Rita Pontes Assumpção Alves (UFSCar) Ludmila Cerqueira Souza (UFSCar) Resumo No ambiente atual, o fluxo de informação está se tornando um componente cada vez mais importante para a gestão da cadeia de suprimentos. Neste sentido, a tecnologia de informação torna-se essencial em praticamente todos os aspectos da empresa moderna. Dentre as diversas tecnologias de informação, estão o Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) e Internet, que têm apresentado importante contribuição para coordenação da cadeia de suprimentos. Sob este contexto, este artigo discute o uso da troca eletrônica de informações para gestão da cadeia de suprimentos em empresas da indústria de alimentos. As principais características do uso do EDI e da Internet e seus principais impactos são exemplificados através de estudos de caso em uma usina de açúcar e uma empresa de bebidas. Palavras chave: Gestão da Cadeia de Suprimentos, TI, indústria de alimentos. 1. Introdução A gestão da cadeia de suprimentos tem se tornado um conceito crucial para as empresas que desejam se manter em um mercado competitivo. Esta tem como ponto central a modificação da unidade de análise de eficiência individual (como uma planta ou armazém) para eficiência coletiva (incluindo fornecedores, fabricantes, distribuidores, operadores logísticos, vendedores, varejistas e clientes). Tal modificação requer maior coordenação entre membros da cadeia, além de integração e otimização de três fluxos - material, serviço e informação. Isto pode ser facilitado pelo uso de tecnologias para troca eletrônica de informação, tais como Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) e Internet. O uso do EDI permite aumentar o suporte para coordenação interorganizacional, bem como aumentar a integração na cadeia de suprimentos (HILL & SCUDDER, 2002). Similarmente, a troca de informação interfirma via Internet tem potencial para facilitar ou habilitar a integração de processos de negócios através da cadeia de suprimentos.(garcia-dastugue & LAMBERT, 2003). Neste sentido, este artigo visa discutir o uso de EDI e Internet para troca de informações na cadeia de suprimentos em empresas da indústria de alimentos, apresentando estudos de caso em uma usina de açúcar e uma empresa de bebidas. No item 2, são apresentadas as definições de EDI e Internet. Já o item 3 caracteriza a gestão da cadeia de suprimentos. O uso da troca eletrônica de informações na gestão cadeia de suprimentos em empresas da indústria de alimentos é discutido no item 4. A utilização do EDI e da Internet e seus principais impactos são exemplificados através de estudos de caso em usina de açúcar e uma empresa de bebidas (item 5). Finalmente, as considerações finais do trabalho são expostas no item O Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) e a Internet Segundo Lankford & Johnson (2000), o EDI, abreviação de Eletronic Data Interchange, ou em português, Intercâmbio Eletrônico de dados, é uma forma de comunicação eletrônica que permite a troca de informações e documentos em formatos estruturados que podem ser ENEGEP 2004 ABEPRO 4369

2 processados por determinado tipo de software. De acordo com Novaes (2001), o EDI foi primeiramente adotado nos Estados Unidos, na década de 80 pelos setores de varejo e de transportes, se expandindo mais tarde para os outros setores. O EDI recebe diferentes classificações de acordo com o meio usado para intercâmbio de informações (EAN BRASIL, 2003). A utilização de redes proprietárias, através das quais as empresas acessam sua caixa postal para envio e recepção de documentos, constitui o EDI via VAN, também conhecido como EDI Tradicional. VAN (Value Added Network) é a denominação mais usual para as referidas redes proprietárias. A segunda categoria é a Web EDI ou EDI via Internet, que constitui uma expansão do uso do EDI e utiliza a Internet para o tráfego de informações. É utilizada por quem processa um baixo volume de documentos de negócio e tem como principal objetivo permitir que empresas participem do EDI com apenas um browser (aplicativo para visualização das páginas na Internet) e uma conexão na Internet. A Internet é definida como a maior rede de computadores do mundo, que integra redes locais, regionais e nacionais. (LAUDON & LAUDON, 1999). A Internet foi desenvolvida originalmente em 1969, pela Advanced Research Projects Agency (ARPA) do Departamento de Defesa dos EUA para permitir o compartilhamento e criar um sistema de correio eletrônico. A partir daí, surgiram outras redes que permitiram sua evolução para Internet existente atualmente. A Internet apresenta uma infinidade de aplicações. Embora reconhecendo a importância deste conjunto de aplicações, este trabalho se limitará a discutir o uso da Internet e do EDI na troca eletrônica de informações e no comércio eletrônico nas cadeias de suprimentos, particularmente, no B2B (business-to-business), que é um tipo de comércio eletrônico no qual duas ou mais empresas fazem transações ou colaboram eletronicamente. As principais diferenças que devem ser levadas em consideração ao se optar pelo uso do EDI ou da Internet estão relacionadas principalmente ao custo, número de parceiros e segurança no envio de dados proporcionados por estas tecnologias. Embora a Internet apresente um custo de implementação bem mais baixo que o EDI, ela é muito mais vulnerável e menos segura, uma vez que é utilizada por milhões de pessoas para uma ampla gama de atividades. Por outro lado, enquanto o EDI exige um relacionamento prévio entre parceiros que pretendem utilizar esta tecnologia de informação (TI) para troca de informação, a Internet pode ser utilizada mais facilmente por maior amplitude de parceiros, sem a necessidade de relacionamento prévio entre os mesmos. 3. A Gestão da Cadeia de Suprimentos Há algumas décadas, a tendência era a verticalização industrial, onde as grandes indústrias produziam a maior parte dos componentes necessários a fabricação de seus produtos. Hoje, de acordo com Novaes (2001), diante de um ambiente de acirrada competição, é mais lucrativo para a empresa concentrar suas atividades naquilo que ela se especializou, adquirindo componentes e serviços ligados àquilo que não estiver dentro de sua competência essencial (core competence). Assim, é muito importante o adequado entrosamento das empresas participantes da cadeia e um elevado grau de confiança mútua. Este tipo de integração entre os membros da cadeia de suprimentos é denominado Gestão da Cadeia de Suprimentos, ou em inglês, Supply Chain Management (SCM). Segundo Lambert & Cooper (2000), o termo gestão da cadeia de suprimentos foi introduzido no início de 1980 e é definido por membros do fórum da SCM como a integração de processos chave de negócios dos usuários finais até os fornecedores originais que provêm produtos, serviços e informações que adicionam valor para consumidores. Já para Goldbach (2000, p.48), SCM é definida como a gestão de uma rede de organizações mutuamente interdependentes e conectadas, ENEGEP 2004 ABEPRO 4370

3 trabalhando cooperativamente juntas para melhorar o fluxo de material e informação, bem como os custos relacionados de matérias-primas do fornecedor ao consumidor final. Muitas pessoas usam o conceito SCM como sinônimo para logística. Porém, SCM surge como evolução da Logística ou como afirma Lambert & Cooper (2000), a Logística é apenas uma parte da gestão da cadeia de suprimentos. Enquanto a Logística representa a integração interna de atividades, a SCM representa a integração externa da empresa, dos seus fornecedores aos consumidores finais, reconhecendo que a integração interna por si só não é suficiente. Em relação aos processos identificados na gestão da cadeia de suprimentos Betchel & Jayaram (1997) destacam: planejamento, implementação, tecnologia da informação, estrutura interorganizacional e medição de desempenho. Este último merece destaque, uma vez que um grande número de empresas se conscientizou do potencial da SCM, mas esquece de desenvolver uma avaliação por meio de indicadores de desempenho para atingir a cadeia de suprimentos como um todo. Os benefícios da gestão da cadeia de suprimentos vem há muito sendo reconhecidos pelas empresas e destacadas por pesquisadores. Para Turban et al.(2003), estes benefícios incluem a redução de incertezas e riscos na cadeia de suprimentos, o que afeta de modo positivo os níveis de estoque, a duração do ciclo, os processos comerciais e o atendimento ao cliente. Por todos os fatores descritos anteriormente, percebe-se que a gestão da cadeia de suprimentos tem representado um novo e promissor desafio para empresas interessadas na obtenção de vantagens competitivas de forma efetiva. 4. O uso da troca eletrônica de informações na gestão de cadeias de suprimentos da indústria de alimentos Diante de um mercado cada vez mais competitivo, as empresas da indústria de alimentos têm sido forçadas a adotar novas tecnologias para troca de informação com seus parceiros. De acordo com Kinsey & Ashman (2000), o uso de tecnologia de informação na indústria de alimentos se iniciou com o código de barras e tecnologia scanner em meados da década de 70, e em relação ao uso do EDI neste setor, o Wal-Mart foi um dos pioneiros. Pesquisas mostram que desde então o uso de EDI e Internet vem crescendo entre as empresas do setor alimentício. Em relação ao uso do EDI, Calza & Passaro (1997) analisam os efeitos gerados pela implementação do EDI na gestão estratégica da logística da Unilever e afirmam que as mudanças e inovações que acontecem na gestão dos negócios surgidas da implementação do EDI são cruciais não só para uma única firma, mas para o sistema organizacional envolvendo todas as firmas e parceiros conectados a ela. Ao verificar o uso do EDI na coordenação da cadeia de suprimentos da indústria de alimentos, Hill & Scudder (2002) destacam que a probabilidade de uma firma usar esta TI está correlacionada ao tamanho da empresa, mas não ao mercado onde as empresas estão inseridas. Além disso, os autores indicam que as empresas usam o EDI para obter coordenação com os fornecedores, mais que com os clientes. Este fato foi questionado por Sánches & Pérez (2003) que realizaram estudos semelhantes na indústria automobilística e encontraram que o EDI possibilita a coordenação tanto com fornecedores quanto com clientes. Já Stank et al. (1999), ao estudar os benefícios da coordenação interfirma na indústria de alimentos, verificou que benefícios como redução nos níveis de estoque, tempo de ciclo mais curtos e consistentes são significativamente afetados por previsão de demanda via EDI. Resultados semelhantes são encontrados também por Silva (1999) em pesquisa realizada sobre o uso do EDI na relação entre agroindústria e indústria de alimentos. Além disso, usando a simulação por computador Owens & Levary (2002) avaliaram os benefícios ENEGEP 2004 ABEPRO 4371

4 potenciais do uso do EDI para automatizar e simplificar o suprimento de matérias-primas em uma indústria processadora de alimentos e concluíram que o uso do EDI reduz o estoque de matérias-primas e permite significante redução do estoque de segurança de matérias-primas sem aumentar o risco de atraso na produção devido a falta de ingredientes. Neste mesmo sentido, Machuca & Barajas (2003) destacam que um importante impacto do EDI é a redução da distorção da informação que normalmente ocorre a montante da cadeia de suprimentos. Este fenômeno é conhecido como efeito chicote (efeito bullwip). Já em relação ao uso da Internet, Lancioni et al. (2003a) destacam a importância da mesma para melhorar a gestão da cadeia de suprimentos, oferecendo redução de custos para processos de negócios entre empresas. Por permitir comunicação em tempo real entre os participantes da cadeia de suprimentos, as empresas podem praticar previsão integrada, reduzindo os custos da falta de estoque ou reciprocamente custos associados a manutenção de estoque de produtos perecíveis. Para Lazzarine et al.(2000), as transações via Internet entre empresas têm contribuído, e devem cada vez mais contribuir para o aumento da coordenação de cadeias de suprimentos em geral, e de sistemas agroalimentares, em particular. Segundo Robert (apud Lancioni et al., 2003b), o uso de tecnologias digitais possibilita redução de 8-35% nos custos da cadeia de suprimentos, 22-85% na redução de estoque, 12-42% na melhoria de entrega e 17-68% na melhoria do tempo de ciclo. Por outro lado, Garcia- Dastugue & Lambert (2003) destacam não só os benefícios operacionais da Internet, mas a variedade de mecanismos de coordenação disponíveis por esta. Segundo os autores, a Internet facilita a implementação de mecanismos de coordenação, tais como compartilhamento eletrônico e leiloes, para conectar membros na cadeia de suprimentos. Por fim, cabe destacar que independente se a empresa utiliza EDI ou Internet, o que se percebe é que a troca eletrônica de informações é uma prática cada vez mais presente na indústria de alimentos. 5. Estudos de Caso A seguir são apresentados a caracterização das empresas pesquisadas, o uso de EDI e internet em cada uma destas empresas e o processo de troca de informações entre elas, bem como os principais impactos operacionais destas TI s. 5.1 Caracterização da empresas Para esta pesquisa foram escolhidas uma usina de açúcar e uma indústria de bebidas que utiliza o açúcar desta usina como insumo, ambas situadas no Estado de São Paulo. Por motivo de sigilo, as empresas foram nomeadas Usina A e Empresa B. A Usina A é uma usina de açúcar que atualmente conta com duas plantas industriais para produção de açúcar, álcool e energia elétrica. A Usina A gera aproximadamente 3 mil empregos diretos e vende no mercado interno, principalmente, açúcar, álcool e energia elétrica. As vendas de álcool e energia elétrica são feitas diretamente para as distribuidoras credenciadas pelo governo. Já para as vendas do açúcar, a empresa tem dois focos de atuação no mercado interno: varejo e indústria. Além disso, exporta há vários anos, uma parcela significativa de sua produção. Já a Empresa B constitui-se de uma empresa do ramo de bebidas. Esta é responsável pela produção e distribuição de bebidas, tais como refrigerantes, sucos, chás e água. A Empresa B possui 1230 funcionários e está na lista das 500 maiores empresas brasileiras. Abrange uma área de distribuição que inclui mais de 30 mil pontos de venda espalhados por aproximadamente 300 cidades brasileiras. 5.2 A troca eletrônica de informações na usina de açúcar e na empresa de bebidas O processo de implantação da troca eletrônica de informações na Usina A se iniciou em 1999, com o uso da Internet nas atividades de compras. Naquela época, poucos fornecedores se ENEGEP 2004 ABEPRO 4372

5 comunicavam desta forma e o processo era lento. Já em 2001, a troca de informações via EDI e Internet começou a ser utilizada também no processo de vendas. No decorrer dos anos novos clientes e fornecedores passaram a adotar a comunicação eletrônica com a Usina A. Antes da utilização do EDI e Internet, a Usina A utilizava principalmente o telefone e o fax para realização de transações comerciais com clientes e fornecedores, o que ainda é utilizado em cerca de 10 a 20% destas transações. Atualmente, a troca de dados por meios eletrônicos é utilizada pela Usina A, principalmente, nos processos de compra e venda. Na área de compras, a Usina A classifica suas matériasprimas em quatro categorias, conforme importância e custo. A primeira categoria inclui produtos de baixa importância e custo, o que corresponde de 80 a 90% dos materiais utilizados pela usina. O restante inclui materiais de alta importância e baixo custo, baixa importância e alto custo, e finalmente, alta importância e alto custo. Para a primeira categoria (80 a 90% dos materiais) a compra é realizada pela Internet. Para tal, a Usina A possui uma página na Internet, onde qualquer empresa que deseje fornecer para ela pode se cadastrar informando seu CNPJ (cadastro nacional de pessoa jurídica). Com isto, o fornecedor pode visualizar o que a usina deseja comprar no momento, colocar seu preço e participar do processo de cotação. Quando o fornecedor ganha várias vendas para a usina, ele passa a ser visto de modo diferente pela mesma, que vincula este fornecedor na lista de seus principais fornecedores. Assim, quando uma requisição de compra é aprovada, automaticamente, este fornecedor recebe um pré-formatado, que é uma cópia da tela acessada na home page. Dessa forma, a usina ganha agilidade ao realizar as compras com cerca 80% dos fornecedores e pode então, dispor de maior tempo para negociar com os 10 a 20% restantes, que fornecem os materiais de maior importância referente a custo. Já no processo de vendas, a usina fornece para três mercados: varejo, indústria e exportação. Com os grandes varejistas, esta utiliza o EDI via Internet para venda direta a estes. Neste caso, os custos com a infraestrutura EDI é dos varejistas, que utilizam esta TI para envio de pedidos. Existe também a venda direta via Internet com algumas empresas, como é o caso da Empresa B, que será descrita a seguir. Estas empresas acessam o site da usina e cadastram os pedidos. Porém, a grande parte das vendas através de meios eletrônicos não é feita através de troca de informações com os clientes e sim, com os vendedores que vão até os pontos de venda. Estes vendedores têm sua própria estrutura para acessar o site da empresa, o que pode ser feito do computador do cliente, através de palmtops ou do escritório destes vendedores. Os dados recebidos nestes processos são enviados diretamente para o banco de dados e o sistema ERP da empresa, não havendo a necessidade de digitação destas informações. Na Empresa B (empresa de bebidas), a implantação da troca eletrônica de informações ocorreu em estágios ou projetos distintos. Este processo teve início entre os anos de 1999 e 2000 com a implantação do EDI para vendas a grandes varejistas como Sendas, Wal-Mart e Pão de Açúcar. O EDI via VAN (EDI Tradicional) foi o tipo de EDI adotado nesta época, sendo utilizado por aproximadamente dois anos. Diversos fatores impediram o sucesso desta TI na troca de informações. No caso do Wal Mart, por exemplo, o projeto não foi adiante por decisão do cliente, que teve problemas orçamentários e dificuldades técnicas. Já com o Pão de Açúcar, ocorreram problemas operacionais. Assim, em 2002 a Empresa B deixou de utilizar o EDI, voltando a utilizar o fax e telefone para troca de informações com estes grandes varejistas. Hoje, não existe na empresa venda direta a nenhum cliente através de meio eletrônico, dada uma mudança significativa que ocorreu no processo de negociação da empresa. Os preços dos produtos são, via de regra, negociados com o cliente pelos vendedores da empresa e variam de acordo com o volume comprado e condições especiais de promoções. Embora o comércio eletrônico não seja utilizado para as vendas diretas aos clientes na Empresa B, a troca eletrônica de informações não deixa de ser usada no processo de vendas. ENEGEP 2004 ABEPRO 4373

6 Grande parte das vendas da empresa são feitas através de vendedores que vão aos pontos de venda e enviam os pedidos do cliente via Internet. Em 2003, destaca-se um outro estágio no processo de troca eletrônica de informações na Empresa B, caracterizado pelo uso da Internet no processo de compras. Atualmente, a troca eletrônica de informações diretamente com parceiros comerciais ocorre somente no processo de compras. Para a aquisição de vários produtos, a Empresa B vem utilizando o leilão realizado através da Internet. No leilão, existe um comprador que deseja adquirir um produto ou serviço. Então, os fornecedores são convidados a apresentar ofertas e a melhor oferta é selecionada. Na Empresa B são selecionados alguns fornecedores (cerca de 3 ou 4) para os quais esta emite uma notificação via , comunicando o prazo que estes têm para enviar as cotações. Os fornecedores enviam as cotações eletronicamente, através do website da empresa, que vão automaticamente para o seu sistema de informações interno. Quando o setor de compras seleciona o melhor fornecedor, a requisição de compras é gerada automaticamente pelo ERP e, dependendo do valor do pedido, esta vai diretamente para o fornecedor ou para aprovação pelo gerente. Este processo permite que a empresa compre produtos a um preço mais baixo. Além do leilão, vem sendo realizada uma parceria com uma empresa para compra direta de alguns produtos de escritório via Internet e atualmente, vem sendo também desenvolvido um processo de compras via Internet com a Usina A, que será descrito a seguir. 5.3 A troca eletrônica de informações entre Usina A e Empresa B. A relação de troca eletrônica de informações entre a Usina A e a Empresa B ocorre principalmente, no processo de compra do açúcar liquido da Usina A pela Empresa B. Esse processo é realizado pela Internet. Para tanto, a Empresa B recebe uma senha, na qual acessa a página da Usina A disponível na Internet e cadastra os seus pedidos. Nesta página é possível visualizar toda a situação financeira e de crédito da Empresa B perante a Usina A, bem como preço do açúcar, tempo de entrega, entre outras informações. A partir do momento que a Empresa B coloca o seu pedido, este automaticamente vai para o sistema ERP da Usina A, disparando a produção (caso necessário) e a programação de carregamento, além de fornecer informações as diversas áreas da Empresa. Caso não haja produtos suficientes em estoque para atender o pedido, as necessidades de matérias-primas e requisições de compra são geradas através do ERP e enviadas automaticamente para os fornecedores. Atualmente, um novo projeto de troca eletrônica de informações vem sendo desenvolvido entre estas duas empresas. Este projeto consistirá na implantação de sensores nos tanques de açúcar da Empresa B, que terão como objetivo medir o nível de açúcar presente nestes tanques. Assim, quando o nível de açúcar estiver abaixo do estoque mínimo, automaticamente um pedido será enviado pela Usina A, sem a necessidade de intervenção humana neste processo. Além do envio de pedidos, a Empresa B terá acesso a toda situação do pedido, tais como se o produto já saiu da Usina A, qual a posição do caminhão, se este está sendo carregado, qual o horário previsto para chegar na empresa, etc. Com este projeto, o estoque do cliente (Empresa B) será gerenciado pelo fornecedor (Usina A). 5.4 Impactos As áreas que sofreram maiores impactos pela troca eletrônica de informações nas empresas pesquisadas foram às áreas de compra e venda. Porém, de acordo com os entrevistados quase todos os setores são afetados pelo uso de tecnologias como EDI e Internet. Em relação aos impactos operacionais da troca eletrônica de informações na SCM, são apresentadas no Quadro 1 as percepções dos entrevistados sobre como o uso de EDI e Internet vem afetando estas empresas. Alguns índices logísticos como gestão de estoque, transporte, processamento de pedido, tempo de ciclo do pedido e serviço ao cliente foram escolhidos para esta análise. ENEGEP 2004 ABEPRO 4374

7 Impactos Usina A Empresa B Estoque Melhor gestão de estoque. Melhor visualização da situação de estoque, mas não redução. Transporte Processamento de pedidos Tempo de ciclo do pedido Serviço cliente ao Possibilita melhor planejamento da entrega dos produtos, eliminando fretes adicionais. Maior agilidade e redução de 40% do tempo no processo de compras. Permite redução no tempo de ciclo do pedido, devido redução no tempo de processamento de pedidos e melhor planejamento de transporte. Possibilitam o atendimento ao cliente com maior rapidez, precisão e segurança. Fonte: Elaborado pela autora com base nas entrevistas Permite que empresa tenha informações sobre o momento exato em que receberá o produto do fornecedor. Permitiu agilidade no processamento de pedidos de compra e venda. Redução do tempo de ciclo, mediante agilidade no processamento de pedidos e redução de erros. Através de uma comunicação mais eficaz e com menos erros, possibilitam intensificar as relações com os clientes. Quadro 1: Impactos da Troca eletrônica de Informações Através do Quadro1, é possível visualizar que os impactos da troca de informações por meios eletrônicos nos índices destacados acima foi maior na Usina A do que na Empresa B. Em ambas empresas, o uso de Internet e EDI possibilitou melhor gestão de estoque, permitindo que estas tenham informações mais precisas sobre a disponibilidade, a falta e o giro de estoque de seus parceiros. Porém, reduções significativas nos níveis de estoque ainda não foram observadas. Com o projeto que vem sendo implementado entre estas empresas (sensores nos tanques de açúcar), espera-se que haja redução de estoques na cadeia. Já em relação ao transporte, verificou-se que informações mais rápidas e precisas facilitaram o planejamento do transporte na Usina A, enquanto que na Empresa B permitiram melhor visualização da situação da ordem de compra. Um dos maiores impactos observados na Usina A foi a redução no tempo de processamento de pedidos de compras em cerca de 40% após implementação de compras via Internet. Maior agilidade no processamento de pedidos foi também observada na Empresa B. A redução no tempo de processamento de pedido e um melhor planejamento de estoque permitiram as empresas reduzir o tempo de ciclo e tempo de entrega do pedido. Nas empresas pesquisadas, a troca eletrônica de informações possibilitou a comunicação mais rápida e com menos erros, permitindo melhor atendimento ao cliente. Apesar do EDI e da Internet por si só não alterar as formas de relacionamento entre os membros da cadeia de suprimentos, estes permitem que as empresas aprimorem os seus fluxos de informação, tanto em termos comerciais, quanto na busca e conhecimento sobre os negócios de seus parceiros. 6. Considerações Finais Ao mesmo tempo em que as empresas vêm buscando reduzir seus estoques e melhorar a qualidade de seus serviços em um ambiente globalizado, a competitividade exige custos e prazos reduzidos nos ciclos dos pedidos. Para alcançar estes objetivos, as empresas se utilizam cada vez mais da Tecnologia da Informação. A TI proporciona rapidez e desburocratização no processamento da informação, integrando tanto os setores da empresa quanto seus parceiros comerciais, concedendo assim maior visualização do processo, e com isso, rapidez na tomada de decisões. Neste artigo, verificou-se a importância do EDI e Internet para uma eficiente gestão do fluxo de informação interorganizacional. Através dos estudos de caso foi possível observar que nas empresas pesquisadas, a troca eletrônica de informações ocorre principalmente nos processos de compra e venda entre parceiros comerciais. Foi possível notar também, que as empresas percebem principalmente ENEGEP 2004 ABEPRO 4375

8 os benefícios operacionais do uso de EDI e Internet, enquanto estas TI s podem ser também utilizadas para intensificar as relações entre parceiros comerciais, possibilitando a obtenção de benefícios estratégicos, tais como vantagens competitivas relacionadas relacionamento com parceiros. Finalmente, pode-se afirmar que o uso de TI, tais como EDI e Internet, auxilia a coordenação e melhora o controle sobre o desempenho dos membros da cadeia de suprimentos, gerando conseqüente aumento de competitividade. - Referências BETCHEL, C.; JAYARAM, J. Supply Chain Management: a strategic perspective. In: The International Journal of a Logistic Management, v.8, n.1, p15-34, CALZA, F.; PASSARO, R. EDI network and logistics management at Unilever-Sagit. Supply Chain Management, v.2, n.4, p , EAN Brasil. Introdução ao EDI. Biblioteca Técnica, Disponível em: <www.eanbrasil.org.br/html/contentmanagement/files/biblioteca/guia_implanta_edi.pdf >Acesso em:dez GARCIA-DASTUGUE, S.; LAMBERT, D. Internet-enabled coordination in the supply chain. Industrial Marketing Management, v.32, n.3, p , GOLDBACH, M. Coordinating Interaction in Supply Chains - The Example of Greening Textile Chains. In: SEURING, S. et al. Strategy and Organization in Supply Chain. Heidelberg: Physica Verlag, HILL, C. A ; SCUDDER, G.D. The Use of Eletronic Data Interchange for supply chain coordenation in the food industry. Journal of Operations Managemement, n.20, p , KINSEY,J.; ASHMAN, S. Information technology in the retail food industry. Tecnology in Society, n.22, p.83-96, Disponível em: <www.elsevier.com/locate/techsoc>. Acesso em: Dez LAMBERT, D.; COOPER, M. Issues in Supply Chain Management. In: Industrial Marketing Management. v.29, 2000, p LANCIONI,R.; SMITH, M.F.; SHAU, H.J. Strategic Internet application trends in supply chain management. Industrial Marketing Management, v.32, n.3, p , 2003a. LANCIONI, R.; SCHAU, H.J.; SMITH, M.F. Internet impacts on supply chain management. Industrial Marketing Management, v.32, n.3, p , 2003b. LANKFORD, W.M.; JOHNSON, J.E. EDI via the Internet. Information Management & Computer Security, v.8, n.1, p.27-30, LAUDON, K.C.; LAUDON, J.P. Sistemas de Informação com Internet. 4.ed. Rio de Janeiro: LTC, LAZZARINE, S.G.; NEVES,M.F.; CHADDAD, F.R. Impactos da Internet nas Transações entre Empresas. Agrobusiness Internacional. Preços Agrícolas, p.48-49, Fev MACHUCA, J.; BARAJAS, R.The impact of electronic data interchange on reducing bullwhip effect and supply chain inventory costs. Transportation Research Part E:Logistics and Transportation Review, p.1-20, NOVAES, A G. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição: Estratégia, Operação e Avaliação. Rio de Janeiro. Campus, OWENS, S. F.; LEVARY, R.R. Evaluating the impact of eletronic data interchange on the ingredient supply chain of a food processing company. Supply Chain Management, v.4, n.4, p , Disponível em: <http://www.emeraldinsigth.com/researchregisters>. Acesso em: Dez SÁNCHES, A.M.; PÉREZ, M.P. The use of EDI for the interorganizational co-operation and co-ordenation in the supply chain, v.14, n.8, p , SILVA, A L. Adoçao de Tecnologia de Informação em canais de Distribuição: Um Estudo de Multicaso na Adoção na Utilização de EDI entre Varejo e Indústria Agroalimentar p. (Doutorado) - Faculdade de Economia, Administração e contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo. STANK, T.; CRUM, M.; ARANGO, M. Benefits of Interfirm Coordenation In Food Industry Supply Chains. Journal of Business Logistics, v.20, n.2, p.21-41, TURBAN, E.; RAINER, R. K.; POTTER, R.E. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. In:.Administração da Tecnologia da Informação. Rio de Janeiro: Campus, 2003, cap.10, p ENEGEP 2004 ABEPRO 4376

O uso de tecnologia de informação na atividade logística de transportes: estudo de caso em uma empresa da indústria de alimentos

O uso de tecnologia de informação na atividade logística de transportes: estudo de caso em uma empresa da indústria de alimentos O uso de tecnologia de informação na atividade logística de transportes: estudo de caso em uma empresa da indústria de alimentos Karine Araújo Ferreira (UFSCar) karineprod@yahoo.com.br Maria Rita Pontes

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística?

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística? Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Processamento de Pedidos e Aquisição/Programação de Produtos Primárias Apoio 1 2 Responsabilidades O Fluxo

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Os impactos do EDI e da Internet no desempenho logístico de empresas da indústria de alimentos

Os impactos do EDI e da Internet no desempenho logístico de empresas da indústria de alimentos Os impactos do EDI e da Internet no desempenho logístico de empresas da indústria de alimentos Karine Araújo Ferreira (UFSCar) karine@dep.ufscar.br Maria Rita Pontes Assumpção (UFSCar) rita@dep.ufscar.br

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho Sistemas de Produção Administração de Compras José Roberto de Barros Filho Compras e o Planejamento e Controle da Produção Planejamento da Produção nos 3 níveis Planejamento Estratégico da Produção Departamento

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

4. As novas tecnologias

4. As novas tecnologias 4. As novas tecnologias É evidente que estamos em uma nova fase do desenvolvimento humano, que deve ser chamada Era da Informação. Não porque nas eras anteriores a informação deixasse de desempenhar seu

Leia mais

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa Andrea Regina Monteiro (UFPB) areginamonteiro@bol.com.br Mariana Moura

Leia mais

IBM WebSphere Product Center

IBM WebSphere Product Center Soluções de gerenciamento de informação de produto para dar suporte aos seus objetivos de negócios IBM WebSphere Product Center Oferece uma solução abrangente de gerenciamento de informação de produto

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

EDI, uma necessidade da indústria automobilística na logística de suprimentos de materiais

EDI, uma necessidade da indústria automobilística na logística de suprimentos de materiais EDI, uma necessidade da indústria automobilística na logística de suprimentos de materiais Gustavo de Souza Lima Pablo Yugo Yoshiura Kubo Ruthberg dos Santos gustlima@ufrrj.br 1 pyykubo@ufrrj.br 1 berg@ufrrj.br

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda Supply Chain Management e TI aplicada à Logística 24 de Junho de 2004 SCM e Ti aplicada à Logística Cenário de Competição... Operações Globalizadas Operações Integradas Introdução LOGÍSTICA Tecnologia

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

E-business - como as empresas usam os sistemas de informação. Administração de Sistema de Informação I

E-business - como as empresas usam os sistemas de informação. Administração de Sistema de Informação I E-business - como as empresas usam os sistemas de informação Administração de Sistema de Informação I Supply Chain Management - Cadeia de suprimento Sistemas de Gerenciamento de Cadeia de Suprimentos Os

Leia mais

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos 2 SISTEMA DE INFORMAÇÕES EM LOGÍSTICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM LOGÍSTICA RODA Sociedade de Sobrevivência (troca de mercadorias) Poder: Monopólio de Mercadorias

Leia mais

Tecnologia da Informação e Logística: Os Impactos do EDI nas Operações Logísticas de uma Empresa do Setor Automobilístico

Tecnologia da Informação e Logística: Os Impactos do EDI nas Operações Logísticas de uma Empresa do Setor Automobilístico Tecnologia da Informação e Logística: Os Impactos do EDI nas Operações Logísticas de uma Empresa do Setor Automobilístico Karine Araújo Ferreira (UFSCar) karineprod@yahoo.com.br. Priscilla Cristina Cabral

Leia mais

Logística e troca eletrônica de informação em empresas automobilísticas e alimentícias

Logística e troca eletrônica de informação em empresas automobilísticas e alimentícias Karine Araújo Ferreira; Maria Rita Pontes Assumpção Alves Logística e troca eletrônica de informação em empresas automobilísticas e alimentícias KARINE ARAÚJO FERREIRA MARIA RITA PONTES ASSUMPÇÃO ALVES

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Fundamentos do Comércio Eletrônico

Fundamentos do Comércio Eletrônico Administração e Finanças Uniban Notas de Aula Comércio (e-commerce) Prof. Amorim Fundamentos do Comércio Comércio Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. Engloba o processo on-line inteiro:

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

Logística e Organização de Cadeias Produtivas

Logística e Organização de Cadeias Produtivas II SEMANA ACADÊMICA DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ENGENHARIA DO AGRONEGÓCIO Logística e Organização de Cadeias Produtivas Prof. Luís César da Silva UFES - CCA Desafios do Agronegócio Globalizado Atender padrões

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 15 E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET INTRODUÇÃO As empresas que, de alguma forma, estão envolvidas

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

EDI ELETRONIC DATA INTERCHANGE

EDI ELETRONIC DATA INTERCHANGE EDI ELETRONIC DATA INTERCHANGE Definição Intercâmbio eletrônico de mensagens de negócio através de computadores, entre parceiros comerciais. As informações são, normalmente, organizadas dentro de arquivos

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO.

FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO. FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO. Um dos principais pilares da economia, o agronegócio é marcado pela competitividade. Com 15 anos de experiência, a SIAGRI é uma das mais completas empresas

Leia mais

Prof. Daniel J. Melo Brasil

Prof. Daniel J. Melo Brasil EDI Definição EDI é um acrônimo para Intercâmbio Eletrônico de Dados EDI refere-se a troca de estruturada de dados entre as organizações por meio eletrônico. EDI pode ser utilizado para a comunicação de

Leia mais

Tipos de Sistema de Informação mais utilizados atualmente

Tipos de Sistema de Informação mais utilizados atualmente Tipos de Sistema de Informação mais utilizados atualmente FASES DA EVOLUÇÃO DOS SI E DO CONCEITO DE INFORMAÇÃO Período Conceito de informação 1950-1960 Mal necessário,necessidade burocrática. 1960-1970

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

Infor ERP SyteLine Visão Geral. Edgar Eler Arquiteto de Sistemas

Infor ERP SyteLine Visão Geral. Edgar Eler Arquiteto de Sistemas Infor ERP SyteLine Visão Geral Edgar Eler Arquiteto de Sistemas Sobre a Mag-W A Mag-W foi criada especialmente para trazer ao mercado o que há de melhor em soluções corporativas de Tecnologia da Informação

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

Logística Integrada & Sistemas de EDI. DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos

Logística Integrada & Sistemas de EDI. DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos UFSC / DAS / DAS5316 Prof. Ricardo J. Rabelo Logística Integrada & Sistemas de EDI DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos Sumário - Conceitos Básicos sobre Logística - Quais são os problemas a resolver

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O FLUXO TRADICIONAL E O EDI

COMPARAÇÃO ENTRE O FLUXO TRADICIONAL E O EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI Eletronic Data Interchange ) Troca de dados estruturados e padronizados, entre entidades, utilizando meio eletrônico, diminuindo a intervenção humana no processo. É

Leia mais

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007):

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007): e-business (Extraído do Artigo ebusiness: A Atual Maneira de Efetuar Transações Ana Cristina Matos, Gabriela Villanova, Gianluca Nese, Juan Pablo, Maraiana Orrico e Antônio Cardoso) 1. Definição ebusiness,

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 11 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

2004 by Pearson Education

2004 by Pearson Education &DStWXOR 7Ï3,&26$9$1d$'26'(6,67(0$6'(,1)250$d 2 $'0,1,675$d 2 '$(035(6$ ',*,7$/ &

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Comércio eletrônico. Conceitos:

Comércio eletrônico. Conceitos: Comércio eletrônico Conceitos: O comércio eletrônico é a transação realizada por meio eletrônico de dados, normalmente internet. Situação em que a empresa vendedora cria um site, que funciona como uma

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCEES PLANNING O ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) consiste num sistema interfuncional que tem por missão integrar e automatizar

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO NA SAINT-GOBAIN CANALIZAÇÃO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO NA SAINT-GOBAIN CANALIZAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO NA SAINT-GOBAIN CANALIZAÇÃO Resumo Este artigo aborda a utilização do Sistema de Informação (SI) e a administração da cadeia de suprimento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores OBJETIVOS Principais desafios de Supply Chain enfrentados pelas indústrias Premissas para criação de valor na comunicação interempresas

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre DEFINIÇÃO DE CADEIA DE SUPRIMENTOS Conjunto de atividades que objetivam fornecer produtos

Leia mais