SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estudo Ferramentas de Automação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estudo Ferramentas de Automação"

Transcrição

1 SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estudo Ferramentas de Automação SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 14

2 Índice 1 Introdução Objectivo do documento Contexto Estrutura do documento Ferramentas de automação de testes funcionais Estudos comparativos BadBoy BlueDuck SDA SoapUI Expert Marathon Maveryx Comparação e Conclusões Ferramentas de teste Web Ferramentas de teste de aplicações Desktop Referências Link Consulting,SA Pág. 1 de 14

3 1 Introdução 1.1 Objectivo do documento Este documento apresenta o resultado da pesquisa efectuada sobre ferramentas. Capture/Replay de testes funcionais, no âmbito do projecto SIPTEST. São nele descritas algumas das mais conceituadas ferramentas e suas funcionalidades. 1.2 Contexto O teste de software é um processo utilizado para identificar a exactidão, completude e qualidade do produto de software desenvolvido. Existem diferentes tipos de testes de software que podem ser aplicados nas diversas fases do desenvolvimento para aumentar a confiança na qualidade de uma aplicação de software, por exemplo, testes de compatibilidade, testes de conformidade, testes funcionais, testes de regressão, testes unitários, testes de desempenho, testes de carga/stress [1, 2]. Neste documento, serão apresentadas apenas ferramentas Capture/Replay de testes funcionais. TESTES FUNCIONAIS Este tipo de testes é baseado numa análise da especificação de funcionalidade de um componente ou sistema [3, 4]. Por oposição, os testes não funcionais são testes que testam os atributos de um componente ou sistema que não se relacionam à funcionalidade, por exemplo, confiabilidade, eficiência, usabilidade, mantenabilidade e portabilidade [3]. CAPTURE / REPLAY Os testes Capture/Replay são frequentemente utilizados para apoiar testes de regressão. Nestes testes, as entradas são registadas durante interacções manuais com a aplicação a testar a fim de gerar os scripts de teste automatizados que podem ser executados mais tarde (isto é, repetidos) [3]. 1.3 Estrutura do documento A secção 2 deste documento descreve as principais características e funcionalidades das ferramentas de Capture/Replay objecto deste estudo. A secção 3 faz uma análise comparativa dessas ferramentas. Na última secção apresenta-se o conjunto de referências consultadas para elaborar este documento e os portais das ferramentas descritas e comparadas. Link Consulting,SA Pág. 2 de 14

4 2 Ferramentas de automação de testes funcionais A técnica de Capture/Replay é muito utilizada em ferramentas de automação de testes funcionais por permitir a gravação de um script de teste por interacção com a aplicação a testar, registando os valores de input e os de output obtidos [9]. Após gravação de um script de teste com resultados positivos, este script pode ser executado mais tarde de maneira a testar um componente ou sistema, garantindo que modificações no código interno (evolução do componente ou sistema) não danificam o seu comportamento. Testes funcionais seguem normalmente os seguintes passos: Identificação de funções que o componente ou sistema deve desempenhar; Criação de dados de input, baseados nas necessidades de uma função específica; Determinação do output esperado considerando os dados estabelecidos; Execução do teste; Comparação com o resultado esperado. Ferramentas de Capture/Replay permitem executar várias vezes scripts de teste criados para garantir que os requisitos implementados são cumpridos ao longo da evolução da aplicação a testar. Os critérios escolhidos para a diferenciação das ferramentas de testes Capture/Replay foram os seguintes: Livre/Pago indica se a aplicação é proprietária e paga ou se é livre (freeware); Aplicação activa indica se a aplicação se encontra em desenvolvimento activo ou não; Testes de Interface Interface Desktop (GUI) ou interfaces WEB; Sistema Operativo sistema operativo em que a aplicação pode ser executada; Na tabela 1, são apresentadas as ferramentas mais significativas em termos de testes Capture/Replay. As ferramentas são diferenciadas usando os critérios acima. Para além das ferramentas de Capture/Replay, existem frameworks através dos quais é possível simular as acções dos utilizadores sobre uma interface gráfica que estão listadas e comparadas na tabela 2. Link Consulting,SA Pág. 3 de 14

5 Tabela 1 - Esta tabela representa a pesquisa efectuada sobre ferramentas Capture/Replay. Link Consulting,SA Pág. 4 de 14

6 Tabela 2 - Esta tabela representa a pesquisa efectuada sobre frameworks usadas para simular acções dos utilizadores e verificar o estado de componentes das interfaces. 2.1 Estudos comparativos Nesta secção são apresentadas algumas das ferramentas de automação mais conceituadas e usadas, segundo os estudos [5-10],:três ferramentas de testes de serviços Web e três de aplicações Desktop. Mais concretamente, as ferramentas são Badboy, BlueDuck SDA e SoapUI (para testes Web) e Expect, Marathon e Maveryx (para testes a aplicações Desktop) BadBoy A ferramenta de testes BadBoy [11] é uma ferramenta desenvolvida pela BadBoy Software cujo objectivo é efectuar testes funcionais, carga e de regressão em interfaces Web. Para isto, a aplicação conta com um browser integrado capaz de carregar portais da Internet. As interacções efectuadas através deste browser são gravadas (Capture) num script de teste que pode ser reproduzido mais tarde. A Figura 1 mostra um exemplo da interface do BadBoy. Link Consulting,SA Pág. 5 de 14

7 Figura 1 - Interface do BadBoy [11] onde se consegue ver o browser à direita da imagem e os passos do teste e sumário à esquerda Entre outras coisas, o BadBoy é capaz de gerar relatórios gráficos detalhados, importar dados de input a partir de ficheiros externos, guardar variáveis para serem usadas em mais do que um teste e agendar testes [11] BlueDuck SDA O BlueDuck SDA [12] é uma ferramenta desenvolvida para testar interfaces Web. Esta ferramenta é mantida pela BlueDuck Open Testing e é implementada com base na versão 3 da framework AutoIt. Com base nesta framework, o BlueDuck SDA é capaz de reproduzir testes usando o teclado e o rato virtualmente em qualquer plataforma Windows. Os testes reproduzidos por esta ferramenta não são capturados através de acções do utilizador (como é o caso do que acontece com o BadBoy), mas através da escrita de um script. Desta maneira, o BlueDuck SDA é capaz de testar páginas Web em qualquer browser ou mesmo numa aplicação de Desktop [12] SoapUI Esta ferramenta é desenvolvida pela SmartBear Software e suporta testes funcionais, de carga, regressão e aceitação a serviços. Suporta a maior parte dos protocolos e é capaz de modificar parâmetros intrínsecos dos mesmos, como por exemplo, timeouts ou tamanho dos requests. Esta ferramenta pode ser usada como ferramenta final ou como framework por ser adaptável e open-source [13]. A Figura 2 mostra a interface desta ferramenta. Link Consulting,SA Pág. 6 de 14

8 Figura 2 - Interface do SoapUI [13] onde se consegue ver a versão XML dos testes à direita da imagem e os passos do teste e propriedades à esquerda O SoapUI é capaz de agendar testes, simular serviços e gerar testes para uma página Web específica, além de gerar relatórios e suportar diferentes ambientes de desenvolvimento Expert A ferramenta Expect [14] foi das primeiras ferramentas de testes funcionais a chegar aos utilizadores de Linux. Apesar de descontinuada, esta ferramenta permite testar programas de linha de comandos, sendo capaz de simular inputs dos mais variados a nível do teclado. Esta ferramenta não possui uma interface gráfica nativa e os relatórios que produz são mostrados na linha de comandos, podendo ser útil para sistemas como servidores Linux ou teste de componentes Marathon A Marathon [15] é uma ferramenta de testes Capture/Replay para interfaces gráficas de aplicações Desktop desenvolvida pela Jalian Systems. Esta ferramenta testa interfaces Java/Swing e suporta testes por scripts em Jython e JRuby. Adicionalmente, a ferramenta é capaz de identificar objectos da interface automaticamente, através da análise de código, para conveniência do testador. A Figura 3 mostra um screenshot da criação de um teste. Link Consulting,SA Pág. 7 de 14

9 Figura 3 - Interface do Marathon [15] onde se consegue ver a criação de um teste Por ser desenvolvida em Java, é multi-plataforma e tem um debugger embutido, no entanto, não suporta o agendamento de testes criados à priori nem a construção automática de testes a partir do conhecimento dos objectos da interface Maveryx O Maveryx [16] é uma ferramenta de testes funcionais e de regressão para interfaces de aplicações de Desktop em Java/Swing, capaz de correr em Windows, Linux e Mac. Esta ferramenta conta com uma interface capaz de detectar objectos nas interfaces das aplicações que testa, de maneira a poder gerar testes automaticamente a partir, por exemplo, de botões e formulários disponíveis. A partir da sua integração com o IDE Eclipse, a ferramenta é capaz de detectar modificações e defeitos na interface da aplicação. Na Figura 4, é possível ver a ferramenta integrada com o Eclipse, a correr vários testes unitários. Link Consulting,SA Pág. 8 de 14

10 Figura 4 - Interface do Maveryx [16] integrada com a o IDE Eclipse, onde se pode ver os testes e relatórios Link Consulting,SA Pág. 9 de 14

11 3 Comparação e Conclusões Baseado nas descrições das ferramentas obtidas nas páginas Web oficiais das mesmas [11-16], foi feita uma comparação das ferramentas de testes de aplicações Web e aplicações Desktop. Devido a esta diferença fundamental nas aplicações, foram feitas duas comparações, uma para cada tipo. 3.1 Ferramentas de teste Web As ferramentas BadBoy, BlueDuck SDA e SoapUI são todas ferramentas capazes de efectuar testes funcionais a interfaces Web. Dentro deste tipo de testes, existem algumas características pelas quais as ferramentas que testam interfaces Web podem ser distinguidas. CAPTURA A ferramenta BadBoy, por possuir um browser integrado na aplicação, não é capaz de simular browsers específicos que possam ser usados pelos utilizadores finais nem testar as diferenças entre uma página renderizada nestes. Por outro lado, o BlueDuck SDA e o SoapUI não possuem uma interface de captura tão avançada pois não são capazes de gravar os passos do utilizador a interagir com a aplicação. Contudo, as três ferramentas baseiam-se na construção de scripts para guardar os testes automatizados. DADOS DE INPUT O facto de uma aplicação ser capaz de gerar dados de input, seguir regras para os mesmos (expressões regulares, por exemplo) ou mesmo importar os dados de um ficheiro ou base de dados externos é um factor importante na diferenciação das ferramentas. Concretamente, as ferramentas BlueDuck SDA e BadBoy são capazes de importar dados de ficheiros externos e de guardar variáveis para serem usados em diferentes testes, enquanto o SoapUI e o BlueDuck SDA são capazes de gerar testes automaticamente ao possuírem detecção de objectos da interface. AMBIENTE DE EXECUÇÃO O agendamento de testes, opções de debug e suporte para múltiplos ambientes de desenvolvimento são aspectos cruciais na escolha de uma ferramenta de testes Capture/Replay. O Badboy e o SoapUI são capazes de agendar testes ao contrário do BlueDuck DAS. As três ferramentas são capazes de fazer debug aos testes e de editar opções avançadas nos protocolos usados pelas aplicações Web. O SoapUI suporta um maior número de protocolos e é a única que suporta simulação de serviços e vários ambientes de desenvolvimento (Debug e Release). Das três ferramentas analisadas, o Badboy é a única capaz de executar testes de desempenho aquando na própria navegação pela página Web e executar testes passo por passo. A ferramenta BlueDuck SDA não é capaz de correr out-of-the-box em Windows, Linux e Mac, no entanto, é a única a usar o mesmo sistema de teste para aplicações Web e Desktop. RESULTADOS E OUTRAS INFORMAÇÕES Link Consulting,SA Pág. 10 de 14

12 As três ferramentas analisadas são capazes de gerar relatórios sobre os testes executados. De notar, no entanto, que os relatórios do BadBoy são apresentados, em parte, graficamente e apresentam dados de desempenho das páginas testadas. Os relatórios do BlueDuck SDA são mais configuráveis e esta ferramenta permite gravar os testes em screenshots e vídeos AVI. Adicionalmente, as ferramentas BadBoy e SoapUI são ainda capazes de efectuar testes de carga, além dos testes Capture/Replay. O SoapUI é uma ferramenta capaz de ser usada também como framework. 3.2 Ferramentas de teste de aplicações Desktop As ferramentas Expect, Marathon e Maveryx são todas ferramentas capazes de efectuar testes funcionais a aplicações Desktop. Dentro deste tipo de testes, existem algumas características pelas quais estas ferramentas podem ser distinguidas. CAPTURA E INPUT Tal como as ferramentas de testes Web, a captura dos movimentos de cada teste é um factor a ter em conta aquando da comparação deste tipo de ferramentas. Quanto à ferramenta Expect, esta não suporta nativamente testes por GUI, apenas por linha de comandos. Da mesma maneira, as ferramentas Marathon e Maveryx não são capazes de capturar os movimentos do testador a partir da interface, no entanto, ambas as ferramentas são capazes de detectar objectos automaticamente nas interfaces das aplicações a testar e gerar testes automaticamente. Os dados usados nestes testes são configuráveis e reutilizáveis entre os scripts dos testes podendo ser carregados de ficheiros externos. AMBIENTE DE EXECUÇÃO A ferramenta Expect pode ser usada como qualquer ferramenta de Linux e ser invocada num ficheiro de script com parâmetros especificados. O Marathon usa Jython ou JRuby (escolha do testador) para linguagem dos scripts de teste. O Maveryx e o Marathon podem ser corridos em qualquer ambiente que suporte Java ao contrário do Expect que apenas corre em Linux. O uso de aplicações baseadas em Java permite que a aplicação seja cross-platform, no entanto, induz a que ferramentas como o Marathon e o Maveryx apenas sejam capazes de testar interfaces Java/Swing. RELATÓRIOS E OUTRAS INFORMAÇÕES Em termos de relatórios produzidos, os que aparentam ter resultados mais significativos são os da ferramenta Maveryx. Esta ferramenta também é conhecida por apresentar relatórios inline (no código), algo impraticável em Expect e que requereria modificação avançada na ferramenta Marathon. Adicionalmente, a ferramenta Maveryx também está disponível como plug-in do IDE Eclipse, ao contrário das outras duas ferramentas. Link Consulting,SA Pág. 11 de 14

13 4 Referências 1. Myers, G., Sandler, C.: The art of software testing. (2004). 2. Weyuker, E.: Testing component-based software: A cautionary tale. Software, IEEE (1998). 3. Veenendaal, E.V.: Standard glossary of terms used in Software Testing, Version 2.1. ISTQB. 1, 1-51 (2010). 4. Kaner, Falk, Nguyen: Testing Computer Software. Wiley Computer Publishing. 42 (1999). 5. OpenSource Functional testing tools. (2012). 6. Capture Playback. (2012). 7. List of testing tools. (2012). 8. SoftwareQAtest: Web Site Test Tools and Site Management Tools. (2012). 9. SAPE: Software and Programmer Efficiency Research Group. replay-tools. (2012). 10. Sjösten-Andersson, E., Pareto, L.: Costs and Benefits of Structure-aware Capture/Replay tools. (2006). 11. Badboy Software Home Page: Badboy Testing tool, 12. BlueDuck Open Testing: BlueDuck SDA, 13. SmartBear Software: SoapUI - The Home of Functional Testing, 14. The Expect Home Page, 15. Jalian Systems: Marathon Home Page, 16. Maveryx Java Testing Software, 17. Ranorex: Avoiding common pitfalls when working with capture/replay. (2012). 18. GerrardConsulting: Selecting and Evaluating CAST Tools. (2012). 19. Chapter 6 Tool Support for Testing. CTFL. Referências adicionais Link Consulting,SA Pág. 12 de 14

14 20. A. William: Capture and Replay presentation. 21. N. Haché: GUI Testing presentation. 22. B. Marick: Classic testing mistakes. (1997). 23. OWASP: Capture-Replay. https://www.owasp.org/index.php/capture-replay. (2009). 24. Napatech: Capture Replay Cem Kaner, James Bach, Bret Pettichord: Lessons Learned in Software Testing: A Context-Driven Approach. Lesson Capture Replay fails. (2002). 26. Oracle Forums: Advice needed for functional test. https://forums.oracle.com/forums/thread.jspa?threadid= (2007). 27. StackOverflow: Functional Testing tools Seeking advice. (2011). 28. Chris McMahon: Automation testing: Seven tips for functional test design. functional-test-design. (2011). 29. IBM: Tips and tricks for functional testing HTML applications. nd_tricks.html. 30. Peci.Org: Understanding the FT Guide. (). 31. SQA Forums: New to functional testing looking for advice. 236&Searchpage=1&Main=384162&Words=+phanikumargk28&topic=&Search=true. (2007). 32. Software Testing Help: Top 20 practical software testing tips you should read before testing any application. (2008). 33. Info Tech Blog: 5 Tips for Starting Automated Functional Testing TechRepublic: Tips and Tricks of Functional Testing Licenses Gagan Talwar: Integration Testing Tips. functional/integrationtesting-tips. (2012). 36. SmartBear Software: 6 Tips to Get Started with Automated Testing (whitepaper).(2010). Link Consulting,SA Pág. 13 de 14

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Metodologias e boas práticas de testes de carga, stress e desempenho

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Metodologias e boas práticas de testes de carga, stress e desempenho SIPTEST System Intelligent Process Testing. Metodologias e boas práticas de testes de carga, stress e desempenho SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 9 Índice 1 Introdução...

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Microsoft Office FrontPage 2003

Microsoft Office FrontPage 2003 Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação Microsoft Office FrontPage 2003 1 Microsoft Office FrontPage 2003 O Microsoft

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 04 FERRAMENTAS DE AUTOMAÇÃO DE TESTES FUNCIONAIS Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 04 Automação de testes funcionais Ferramentas

Leia mais

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Administrador

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Administrador Extracto on Line Aplicação Local Guia do Administrador 1 Índice 1. Sobre o Guia... 3 1.1 Objectivo... 3 1.2 Conceitos e Termos... 3 1.2 Utilização do Guia... 3 2. Ferramentas de Administração... 4 2.1

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

JWebTester - Ferramenta para Testes de Aceitação Automatizados em Aplicações Web

JWebTester - Ferramenta para Testes de Aceitação Automatizados em Aplicações Web JWebTester - Ferramenta para Testes de Aceitação Automatizados em Aplicações Web Marcelo Aita Riss 1, João Carlos Damasceno Lima 2, Iara Augustin 2, Julio Correa 1, Tiago Antônio Rizzetti 2, Edmar Araujo

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

Oracle SQL Developer

Oracle SQL Developer BDDAD Bases de Dados Oracle SQL Developer Nelson Freire (ISEP LEI-BDDAD 2015/16) 1/30 SQL Developer Sumário Introdução Instalar Abrir Ligar à BD no Servidor Oracle SQL Worksheet Editar SQL Executar SQL

Leia mais

Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva

Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora UFJF-MG Campo Universitário Bairro Marmelos Juiz de Fora MG Brasil

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Guia de transmissão IPTV 2012 (Nova versão do IPTV)

Guia de transmissão IPTV 2012 (Nova versão do IPTV) Guia de transmissão IPTV 2012 (Nova versão do IPTV) Versão: 1.1 Data: 02/10/2012 Site do IPTV: http://www.iptv.usp.br Sumário: 1. Introdução 2. Instalação do Flash Media Encoder 3. Criando uma transmissão

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 10 Índice 1 Introdução...

Leia mais

IVY on the Web, IVY Properties editor

IVY on the Web, IVY Properties editor IVY on the Web, IVY Properties editor Nuno Miguel Milhases da Silva Departamento de Informática Universidade do Minho - Braga pg13879@alunos.uminho.pt Sumário Palavras-chave 1. Introdução Os modelos de

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estudo Comparativo de Ferramentas de Teste.

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estudo Comparativo de Ferramentas de Teste. SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estudo Comparativo de Ferramentas de Teste. SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 7 Índice 1 Introdução... 2 1.1 Objectivo do documento...

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing.

SIPTEST System Intelligent Process Testing. SIPTEST System Intelligent Process Testing. Sistema de incentivos à investigação e desenvolvimento tecnológico (SI I&DT) Relatório técnico-científico final do projeto nº 22952 (Janeiro de 2012 Dezembro

Leia mais

Guia Rápido de Vodafone Conferencing

Guia Rápido de Vodafone Conferencing Guia de Utilizador Vodafone Guia Rápido de Vodafone Conferencing O seu pequeno manual para criar, participar e realizar reuniões de Vodafone Conferencing. Vodafone Conferencing Visão geral O que é uma

Leia mais

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10)

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10) Questionário Nível Avaliado Gerador de plano de teste Gerador de dados Função/característica do produto Gestão dos dados do plano de teste (51) Perguntas Pontuação Selenium BadBoy Canoo A ferramenta auilia

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a My Avatar Editor

Leia mais

Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados

Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados Objectivos: Criar uma base de dados vazia. O Sistema de Gestão de Bases de Dados MS Access Criar uma base dados vazia O Access é um Sistema de Gestão de Bases

Leia mais

EIC. Projecto I. Manual do Utilizador. Vídeo Vigilância Abordagem Open Source. Curso: Engenharia de Informática e Comunicações Ano Lectivo: 2005/2006

EIC. Projecto I. Manual do Utilizador. Vídeo Vigilância Abordagem Open Source. Curso: Engenharia de Informática e Comunicações Ano Lectivo: 2005/2006 EIC Engenharia de Informática e Comunicações Morro do Lena, Alto Vieiro Apart. 4163 2401 951 Leiria Tel.: +351 244 820 300 Fax.: +351 244 820 310 E-mail: estg@estg.iplei.pt http://www.estg.iplei.pt Engenharia

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

USB Creator. USBCreator. 1. Requerimentos. Página Imutável Informação Anexos Mais Acções. Ubuntu Brazil Entrar Help

USB Creator. USBCreator. 1. Requerimentos. Página Imutável Informação Anexos Mais Acções. Ubuntu Brazil Entrar Help 1 de 8 04/06/2013 18:02 Página Imutável Informação Anexos Mais Acções Ubuntu Brazil Entrar Help USBCreator USB Creator Hoje, também gravar o Ubuntu ou as várias distribuições Linux num pen drive nunca

Leia mais

OMT-G Design. Instalação por pacotes

OMT-G Design. Instalação por pacotes OMT-G Design A plataforma Eclipse OMT-G Design não é um software independente, é um plug-in que se utiliza dos mecanismos de extensão do Eclipse que por sua vez é um ambiente de desenvolvimento de software.

Leia mais

Testes de Software. Por quê testar? 3/28/2011. Andrew Diniz da Costa. andrew@les.inf.puc-rio.br. Manter alta qualidade. Prevenir e encontrar defeitos

Testes de Software. Por quê testar? 3/28/2011. Andrew Diniz da Costa. andrew@les.inf.puc-rio.br. Manter alta qualidade. Prevenir e encontrar defeitos Testes de Software Andrew Diniz da Costa andrew@les.inf.puc-rio.br Por quê testar? Manter alta qualidade Prevenir e encontrar defeitos Ganhar confiança sobre o nível de qualidade e prover informações.

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Frameworks de Gestão de Serviços de Testes

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Frameworks de Gestão de Serviços de Testes SIPTEST System Intelligent Process Testing. Frameworks de Gestão de Serviços de Testes SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 9 Índice 1 Introdução... 2 1.1 Objetivo do documento...

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estudo Ferramentas de Carga e Desempenho

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estudo Ferramentas de Carga e Desempenho SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estudo Ferramentas de Carga e Desempenho SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 10 Índice 1 Introdução... 2 1.1 Objectivo do documento...

Leia mais

PACWEB Módulo de Pesquisa MANUAL DO UTILIZADOR

PACWEB Módulo de Pesquisa MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO 3 2.1 INSTALAÇÃO 3 Instalar o Pacweb 3 Alterar o Ficheiro Default.htm 3 Criar um Virtual Directory 3 2.2 CONFIGURAÇÃO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

1.2.4. Organizar a estrutura do site

1.2.4. Organizar a estrutura do site 1.2.4. Organizar a estrutura do site 1 Organizar a estrutura do site A organização da estrutura do site passa pela definição das ligações entre as páginas que o compõem Esta organização deve ser intuitiva

Leia mais

Manual de Utilização de Webcams no. Desenvolvimento de Aplicativos Java

Manual de Utilização de Webcams no. Desenvolvimento de Aplicativos Java Manual de Utilização de Webcams no Desenvolvimento de Aplicativos Java Coordenador: Hemerson Pistori Manual desenvolvido no âmbito do projeto Plataforma de Apoio ao Desenvolvimento de Sistemas para Inclusão

Leia mais

Guia de transmissão IPTV 2013 (Nova versão do IPTV)

Guia de transmissão IPTV 2013 (Nova versão do IPTV) Guia de transmissão IPTV 2013 (Nova versão do IPTV) Versão: 2.0.6 Data: 27/6/2013 Site do IPTV 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 4 3. Instalação do Flash Media Encorder... 5 4. Procedimento

Leia mais

#Criando Aplicações Web com o Delphi unigui

#Criando Aplicações Web com o Delphi unigui 1 Sumário Apresentação Apresentação do unigui. Instalação Instalação do unigui. Conhecendo os Componentes unigui Apresentação dos componentes das paletas Standard, Additional, Data Controls e Extra do

Leia mais

SELENIUM 28/03/2011. Márcio Delamaro Harry Trinta

SELENIUM 28/03/2011. Márcio Delamaro Harry Trinta 1 SELENIUM 28/03/2011 Márcio Delamaro Harry Trinta O que é a Selenium? Selenium é uma ferramenta desenvolvida para a automação de testes em aplicações Web Suporta diversos browsers: Firefox Internet Explorer

Leia mais

Unidade 2. ROM BIOS (Basic Input/Output System) Sistema Operativo. Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware

Unidade 2. ROM BIOS (Basic Input/Output System) Sistema Operativo. Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware Unidade 2 Utilização do ambiente operativo Windows Aplicações Sistema Operativo ROM BIOS Processador+memória+... Software aplicacional

Leia mais

Laboratório 4 Validação do Formulário

Laboratório 4 Validação do Formulário Laboratório 4 Validação do Formulário Introdução Agora que já definimos os nossos documentos usando xhtml e já os embelezámos através da utilização das CSS, está na hora de validar a informação que o utilizador

Leia mais

AutoTest Um Framework Reutilizável para a Automação de Teste Funcional de Software

AutoTest Um Framework Reutilizável para a Automação de Teste Funcional de Software AutoTest Um Framework Reutilizável para a Automação de Teste Funcional de Software Marcelo Fantinato CPqD Telecom & IT Solutions UNICAMP Instituto de Computação Campinas SP Agenda Motivação Objetivo Automação

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes de carga e desempenho

SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes de carga e desempenho SIPTEST System Intelligent Process Testing. SLAs a aplicar em frentes de testes de carga e desempenho SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 8 Índice 1 Introdução... 2 1.1 Objetivo

Leia mais

AutoTest Um framework reutilizável para a automação de teste funcional de software

AutoTest Um framework reutilizável para a automação de teste funcional de software AutoTest Um framework reutilizável para a automação de teste funcional de software Marcelo Fantinato *, Adriano Camargo Rodrigues da Cunha, Sindo Vasquez Dias, Sueli Akiko Mizuno Cardoso e Cleida Aparecida

Leia mais

Dominando Action Script 3

Dominando Action Script 3 Dominando Action Script 3 Segunda Edição (2014) Daniel Schmitz Esse livro está à venda em http://leanpub.com/dominandoactionscript3 Essa versão foi publicada em 2014-05-02 This is a Leanpub book. Leanpub

Leia mais

Engenharia de Software I. Curso de Sistemas de Informação. Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI. Ferramentas

Engenharia de Software I. Curso de Sistemas de Informação. Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI. Ferramentas Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Ferramentas 1 Computer-Aided Software Engineering CASE Engenharia de Software Auxiliada por

Leia mais

QNAP Surveillance Client para MAC

QNAP Surveillance Client para MAC QNAP Surveillance Client para MAC Chapter 1. Instalar o QNAP Surveillance Client 1. Clique duas vezes em "QNAP Surveillance Client V1.0.1 Build 5411.dmg". Após alguns segundos, é exibida a seguinte imagem.

Leia mais

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 Alfresco é uma marca registada da Alfresco Software Inc. 1 / 42 Índice de conteúdos Alfresco Visão geral...4 O que é e o que permite...4 Página Inicial do Alfresco...5

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

Cartão de Cidadão. Autenticação com o Cartão de Cidadão AMA. 20 de Novembro de 2007. Versão 1.6

Cartão de Cidadão. Autenticação com o Cartão de Cidadão AMA. 20 de Novembro de 2007. Versão 1.6 Cartão de Cidadão Autenticação com o Cartão de Cidadão 20 de Novembro de 2007 Versão 1.6 AMA ÍNDICE 1. I TRODUÇÃO... 3 Modelo base de Autenticação... 3 Modelo de Autenticação Federado... 4 2. AUTE TICAÇÃO

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos

PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos 1. Introdução O objectivo deste documento é a criação de um memorando que sirva de apoio à instalação e manutenção do

Leia mais

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural)

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural) Universidade Federal de Campina Grande Pb Departamento de Sistemas e Computação Disciplina: Projeto em Computação I 2111185 Professora: Francilene Procópio Garcia, P.Sc Alunos: Arnaldo de Sena Santos;

Leia mais

Adotando OpenEdge Architect. Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services

Adotando OpenEdge Architect. Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services Adotando OpenEdge Architect Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services Agenda Antes do OpenEdge Architect Por quê OpenEdge Architect? Adotando o OpenEdge Architect Integrar às Customizações

Leia mais

Mobile Command. Diego Armando Gusava. Orientador: Mauro Marcelo Mattos

Mobile Command. Diego Armando Gusava. Orientador: Mauro Marcelo Mattos Mobile Command Diego Armando Gusava Orientador: Mauro Marcelo Mattos Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Implementação Conclusão Extensões Introdução O que me motivou? Solução

Leia mais

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Teste automatizado

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Teste automatizado Na parte final da demonstração, Jan, nossa testadora, usará o IBM Rational Functional Tester ou RFT para registrar um novo script de teste. O RFT está integrado ao IBM Rational Software Delivery Platform

Leia mais

Introdução ao Veridis Biometrics SDK VERIDIS

Introdução ao Veridis Biometrics SDK VERIDIS Introdução ao Veridis Biometrics SDK Versão do SDK: 5.0 2013 Veridis Biometrics VERIDIS BIOMETRICS Versão do Documento Versão Data Modificações 1 2 3 4 5 23/mar/2011 17/mai/2011 29/jul/2011 3/out/2011

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional Introdução à Linguagem JAVA Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação Laboratório de Visão Computacional Vantagens do Java Independência de plataforma; Sintaxe semelhante às linguagens

Leia mais

Escola Profissional Agrícola de Lamego Ano Lectivo 2008 / 2009

Escola Profissional Agrícola de Lamego Ano Lectivo 2008 / 2009 OBJECTIVOS / COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS RECURSOS Financeiros, Humanos e Materiais AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO / Gestão lectiva (horas) Instalar e efectuar a diferentes tipologias de Identificar

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO INTRODUÇÃO AO MACROMEDIA DREAMWEAVER MX 2004 O Macromedia Dreamweaver MX 2004 é um software que permite a criação de páginas de Internet profissionais, estáticas

Leia mais

Nero ImageDrive Manual

Nero ImageDrive Manual Nero ImageDrive Manual Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual do Nero ImageDrive e todo o respectivo conteúdo estão protegidos por direitos de autor e são propriedade da Nero AG.

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador VM Card Manuais do Utilizador Referência das Definições Web das Funções Avançadas 1 Introdução 2 Ecrãs 3 Definição de Arranque 4 Informações de Função Avançada 5 Instalar 6 Desinstalar 7 Ferramentas do

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT Estudo sobre a integração de ferramentas digitais no currículo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica Prezi Manual e Guia de exploração do Prezi para utilização em contexto de Educação Visual e

Leia mais

SOLUTIO 1.4. actualização gratuita. novidades da versão 1.4

SOLUTIO 1.4. actualização gratuita. novidades da versão 1.4 ~ SOLUTIO 1.4 novidades da versão 1.4 personalização da factura edição online de minutas e modelos; requisição de IMT para todos os factos previstos no portal das finanças; indicação no processo da entidade

Leia mais

Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA

Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA 19 November 2007 Objectivos para o BANIF Standardização dos postos de trabalho Focar a equipa de IT em tarefas pro-activas de gestão, minimizando

Leia mais

Análise de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo para o Projeto PDSCE 1

Análise de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo para o Projeto PDSCE 1 Análise de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo para o Projeto PDSCE 1 Tiago Antônio Rizzetti, Fábio Lorenzi da Silva, Celio Trois, João Carlos Damasceno Lima, Iara Augustin, Diego Luis Kreutz. Curso

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

2. O AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO EM C

2. O AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO EM C 2. O AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO EM C Este capítulo trata de colocar a linguagem C para funcionar em um ambiente de programação, concentrando-se no compilador GNU Compiler Collection (gcc). Mas qualquer outro

Leia mais

604 wifi. Visite www.archos.com/manuals para transferir a versão mais recente deste manual.

604 wifi. Visite www.archos.com/manuals para transferir a versão mais recente deste manual. 604 wifi FUNÇÕES WIFI e Internet Suplemento ao Manual do Utilizador ARCHOS 504/604 Versão 1.2 Visite www.archos.com/manuals para transferir a versão mais recente deste manual. Este manual contém informações

Leia mais

ZEND F r a m e w o r k

ZEND F r a m e w o r k LOGO ZEND F r a m e w o r k Alexsander Muraro FRAMEWORK O que é? Um framework nada mais é do que uma arquitetura padrão que fornece várias ferramentas comuns a todo tipo de projeto; Utilizam os mais variados

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Manual de Administração Intranet BNI

Manual de Administração Intranet BNI Manual de Administração Intranet BNI Fevereiro - 2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Conceitos... 5 3. Funcionamento base da intranet... 7 3.1. Autenticação...8 3.2. Entrada na intranet...8 3.3. O ecrã

Leia mais

Automação de testes: SIMPROS 2007 Miguel Argollo Cenpra

Automação de testes: SIMPROS 2007 Miguel Argollo Cenpra Automação de testes: características, vantagens e limitações. SIMPROS 2007 Miguel Argollo Cenpra 1 CenPRA: Centro de Pesquisas Renato Archer. Incentivar o desenvolvimento da pesquisa científica e tecnológica

Leia mais

Open Graphics Library OpenGL

Open Graphics Library OpenGL Open Graphics Library OpenGL Filipe Gonçalves Barreto de Oliveira Castilho Nuno Alexandre Simões Aires da Costa Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal http://student.dei.uc.pt/~fgonc/opengl/

Leia mais

O gjaiku é um aplicação de desktop para uso com o serviço online de microblogging, Jaiku.

O gjaiku é um aplicação de desktop para uso com o serviço online de microblogging, Jaiku. Relatório final Denis Encarnação 25077 Tiago Rodrigues 25092 O gjaiku é um aplicação de desktop para uso com o serviço online de microblogging, Jaiku. O que é o Jaiku? O Jaiku é um serviço online de microblogging.

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Abordagens de teste para metodologias de desenvolvimento específicas.

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Abordagens de teste para metodologias de desenvolvimento específicas. SIPTEST System Intelligent Process Testing. Abordagens de teste para metodologias de desenvolvimento específicas. SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 8 Índice 1 Introdução...

Leia mais

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS O QUE É PHP Se você já programa PHP, aconselho que pule para o capítulo 7 desse livro. Pois até esse capitulo iremos abordar algoritmos em PHP até a construção de uma classe com seus métodos e atributos

Leia mais

Capítulo 8. Software de Sistema

Capítulo 8. Software de Sistema Capítulo 8 Software de Sistema Adaptado dos transparentes das autoras do livro The Essentials of Computer Organization and Architecture Objectivos Conhecer o ciclo de desenvolvimento da linguagem Java

Leia mais

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.!

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.! Assinare Apresentação Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica. De forma a responder ao ambiente altamente competitivo a que as empresas e organizações hoje

Leia mais

Congresso Internacional de Informação em Saúde

Congresso Internacional de Informação em Saúde Congresso Internacional de Informação em Saúde HEPIC Hospital Epidemiologic Control 08 de Maio de 2014 Carlos Cordeiro HEPIC Vigilância Epidemiológica A solução Apoio e suporte à Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Scratch M a n

Leia mais

Ontologia Navegadores_Codigo-Aberto

Ontologia Navegadores_Codigo-Aberto Ontologia Navegadores_Codigo-Aberto Documento Lista de Termos (versão 1.0) 04-04-2008 report by ontokem Web Tool - ontologies for Knowledge Engineering and Management 1) bookmark: instância da característica

Leia mais

COMPETÊNCIAS EM INFORMAÇÃO

COMPETÊNCIAS EM INFORMAÇÃO COMPETÊNCIAS EM INFORMAÇÃO MENDELEY IS A FREE REFERENCE MANAGER AND ACADEMIC SOCIAL NETWORK Mª do Rosário Duarte 23.05.2012 Saber utilizar a informação de forma ética No final, deverá ser capaz de 2 Perceber

Leia mais

Impressão do Manual do Utilizador

Impressão do Manual do Utilizador bibliopac Interface WWW Versão 2003 Guia de instalação rápida Junho 2003 ATENÇÃO! Impressão do Manual do Utilizador No CD de instalação está disponível o ficheiro Interface WWW Manual.PDF. Este manual,

Leia mais

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa Adobe Flex Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa O que é Flex? Estrutura de Código aberto para a criação de aplicativos Web Utiliza o runtime do Adobe

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

Gestão de Configurações II

Gestão de Configurações II Gestão de Configurações II Bibliografia Livro: Software Configuration Management Patterns: Effective Teamwork, Practical Integration Gestão de Projecto 14 Padrões de Gestão Os padrões de gestão de configurações

Leia mais

manual instalação e configuração v13 1

manual instalação e configuração v13 1 manual instalação e configuração v13 1 Conteúdo Introdução... 3 Conteúdo do DVD:... 3 Instalação e configuração do ERP... 4 Instalação do ERP... 4 Configuração do ERP... 6 Como actualização de versão...

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Formador: Paulo Ramos IGRI13: Rui Bárcia Nº15. Burp Suite. Módulo 25

Formador: Paulo Ramos IGRI13: Rui Bárcia Nº15. Burp Suite. Módulo 25 Formador: Paulo Ramos IGRI13: Rui Bárcia Nº15 Burp Suite Módulo 25 01 O que é? O que é o Burp Suite? Burp Suite é uma plataforma integrada para a realização de testes de segurança de aplicações web. As

Leia mais

Ajax não é dependente dos servidores Web, e como tal poderá ser usado com PHP, JSP, ASP e ASP.NET.

Ajax não é dependente dos servidores Web, e como tal poderá ser usado com PHP, JSP, ASP e ASP.NET. 1 2 Ajax não é dependente dos servidores Web, e como tal poderá ser usado com PHP, JSP, ASP e ASP.NET. 3 Por todo o documento subentende-se: todos os seus componentes já anteriormente carregados: imagens,

Leia mais

COMODO INTERNET SECURITY

COMODO INTERNET SECURITY COMODO INTERNET SECURITY PROTEÇÃO COMPLETA PARA O SEU COMPUTADOR COM ANTIVÍRUS, FIREWALL E VÁRIAS FERRAMENTAS DE SEGURANÇA Comodo Internet Security Premium é um aplicativo que reúne uma série de recursos

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB 18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB Autor(es) HARLEI MIGUEL DE ARRUDA LEITE Orientador(es) PLÍNIO ROBERTO SOUZA VILELA Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ

Leia mais

Módulo 16 Projeto de software

Módulo 16 Projeto de software Módulo 16 Projeto de software Utilização, por parte do aluno, de conceitos e técnicas já leccionadas. Capacidade de improvisar e ultrapassar de forma autónoma problemas específicos. Aplicação os conceitos

Leia mais