Desafios da Economia Mundial e o Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desafios da Economia Mundial e o Brasil"

Transcrição

1 Desafios da Economia Mundial e o Brasil Julio Gomes de Almeida Secretaria da Fazenda - São Paulo 29/4/2011 1

2 DILEMAS E IMPASSES DA ECONOMIA MUNDIAL Crescimento, emprego e inflação nas economias centrais Economias européias periféricas Boom das commodities Crescimento da China e as economias emergentes 2

3 Mundo -0,6 5,0 4,3 4,3 4,3 4,2 4,4 4,4 Economias Avançadas -3,4 3,0 2,4 2,4 2,4 2,2 2,5 2,4 Estados Unidos -2,6 2,8 2,4 2,6 2,9 2,3 3,0 2,8 Zona do Euro -4,1 1,7 1,6 1,5 1,3 1,5 1,5 1,6 Alemanha -4,7 3,5 1,7 1,7 1,6 2,0 2,2 2,5 França -2,5 1,5 1,8 1,8 1,6 1,6 1,6 1,6 Itália -5,2 1,3 1,2 1,2 1,1 1,0 1,0 1,1 Espanha -3,7-0,1 0,9 0,9 0,6 0,7 0,6 0,8 Japão -6,3 3,9 2,2 2,0 1,8 1,5 1,6 1,4 Reino Unido -4,9 1,3 2,5 2,5 2,1 2,0 2,0 1,7 Canadá -2,5 3,1 3,2 3,2 2,8 2,7 2,3 2,8 Países Emergentes e em desenvolvimento 2,7 7,3 6,3 6,5 6,4 6,4 6,5 6,5 Europa Central e do Leste -3,6 4,2 3,4 3,4 3,4 3,1 3,6 3,7 Comunidade dos Estado Independentes -6,4 4,6 3,6 3,6 4,3 4,6 4,7 5,0 Rússia -7,8 4,0 3,4 3,3 4,1 4,3 4,5 4,8 Ásia emergentes 7,2 9,5 8,4 8,7 8,5 8,4 8,4 8,4 China 9,2 10,3 9,7 9,9 9,6 9,6 9,6 9,6 India 6,8 10,4 7,8 8,4 8,4 8,4 8,4 8,2 América Latina -1,7 6,1 3,8 4,0 4,0 4,0 4,3 4,7 Brasil -0,6 7,5 3,7 4,1 4,2 4,1 4,5 4,5 México -6,1 5,5 4,7 4,5 4,4 3,9 4,2 4,6 Volume de Comércio Mundial -10,9 12,4 6,3 6,1 6,3 7,0 7,1 7,4 Fonte: FMI, World Economic Outlook Projeções do Crescimento do PIB para 2011 Projeções jan/10 abr/10 jul/10 out/10 jan/11 abr/11 3

4 Quarto trimestre de 2010: a maioria dos países desacelerou o ritmo de expansão do PIB trimestral. As exceções foram os Estados Unidos e França, que mantiveram trajetória ascendente (+0,7% e +0,4%, respectivamente). Crescimento do PIB (variação frente ao trimestre anterior com ajuste sazonal) % 2,2 0,7 0,6 0,4 0,4 0,2 0,8 0,5 0,5 0,3 0,1 1,0 0,7 1,0 0,9 0,8 0,6 0,7 0,6 0,6 0,4 0,4 0,4 0,3-0,3-0,6 Alemanha França Itália Japão Reino Unido Fonte: OCDE. Estados unidos Zona do Euro T T T T T T G7 OCDE - Total 4

5 11,0 10,0 9,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 Taxa de desemprego EUA - % 8,8 5 jan/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 jun/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 nov/07 dez/07 jan/08 fev/08 mar/08 abr/08 mai/08 jun/08 jul/08 ago/08 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 Fonte: Bureau of Labor Statistics (BLS).

6 Os preços ao consumidor tiveram aceleração a partir de novembro de 2010, atingindo a taxa de 2,2% em fevereiro de Os itens que mais contribuíram para esse crescimento foram energia (devido a alta dos preços da gasolina e energia para uso doméstico) e alimentos (decorrente da pressão da alta observada nos preços das commodities). No caso dos preços ao produtor, a grande alta de fevereiro (5,8% em 12 meses) também deveu-se a energia e alimentos. EUA: Evolução dos índices de preço ao consumidor e ao produtor (variação nos últimos 12 meses - %) 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 4,8 2,7 4,6 2,2 6,1 2,4 5,4 2,2 5,1 2 2,7 1,1 4,4 4,1 4,0 3,6 3,2 1,3 1,2 1,2 1,2 1,1 4,0 1,4 3,7 1,7 5,8 2,2 0,0 fev/11 jan/11 dez/10 nov/10 out/10 set/10 ago/10 jul/10 jun/10 mai/10 abr/10 mar/10 fev/10 jan/10 Ao consumidor - núcleo Ao consumidor Ao produtor - núcleo Ao produtor Fonte: Bureau of Labor Statistics. 6

7 Taxas de desemprego (%) - Países avançados selecionados 20, ,9 14,1 9, mar/11 fev/11 jan/11 dez/10 nov/10 out/10 set/10 ago/10 jul/10 jun/10 mai/10 abr/10 mar/10 fev/10 jan/10 dez/09 nov/09 out/09 set/09 ago/09 jul/09 jun/09 mai/09 abr/09 mar/09 fev/09 jan/09 dez/08 nov/08 out/08 set/08 ago/08 jul/08 jun/08 mai/08 abr/08 mar/08 fev/08 jan/08 dez/07 nov/07 out/07 set/07 ago/07 jul/07 jun/07 mai/07 abr/07 mar/07 fev/07 jan/07 Portugal Itália Alemanha Irlanda Grécia Espanha França Reino Unido Estados Unidos Japão Fonte: Eurostat. 7

8 Déficit fiscal - (+) superávit e (-) déficit como % do PIB 8-32,3-13,7-14,2-2,0-6,2-6,3-3,0-4,0-3,3-7,6-7,4-2,7-5,2-5,0-4,2-11,1-9,2-3,0-9,4-7,3-7,8-8,3-7,3-4,8-11,0-9,6-2,1-7,1-7,7-6,3-11,3-10,5 0,1 Zona do Euro Alemanha França Itália Espanha Portugal Grécia Irlanda Reino Unido Japão Estados Unidos * Fonte: OCDE Economic Outlook. * projeções

9 Dívida bruta Zona do Euro e Reino Unido - % PIB 9 III/2010 I/2007 II/2007 III/2007 IV/2007 I/2008 II/2008 III/2008 IV/2008 I/2009 II/2009 III/2009 IV/2009 I/2010 II/2010 Zona do Euro Alemanha França Itália Espanha Irlanda Grécia Portugal Reino Unido Fonte: Eurostat.

10 Entre julho e outubro de 2010 houve uma elevação do prêmio de risco da Irlanda e Portugal, com as expectativas negativas do mercado sobre as economias desses países. Entre março e o início de abril do corrente ano, o agravamento da situação em Portugal levou ao aumento do prêmio de risco do país. Prêmio dos CDS (credit default swap) fev/11 mar/11 abr/11 jan/08 fev/08 mar/08 abr/08 mai/08 jun/08 jul/08 ago/08 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 Italia Irlanda Espanha Grécia Portugal Fonte: Bloomberg.

11 4º trimestre de 2010: nova aceleração da Argentina, China, Coréia do Sul, Indonésia, Estônia, Hungria, Rússia, Turquia e África do Sul. Venezuela e Letônia saíram da zona de recessão. Desaceleração no Brasil, Chile, México, Polônia, Índia, Tailândia e Ucrânia. Crescimento do PIB contra o mesmo trimestre do ano anterior (%) -0,6 9,2 Argentina Brasil Chile México Venezuela China Coréia do Sul Índia Tailândia Indonesia Bulgária Estônia Hungria Letônia Polônia Romênia Rússia Ucrânia Turquia África do Sul 5,0 5,8 4,6 0,6 9,8 4,9 8,2 3,8 6,9 3,1 6,7 1,8 3,6 4,0 5,0 3,0 9,2 3,8 3º Tri º Tri º Tri º Tri º Tri º Tri 2010 Fonte: FMI, OCDE, Bancos Centrais e Institutos Nacionais de Estatísticas. 11

12 Desde julho de 2010: forte aceleração dos preços das commodities. Dados do órgão das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação: preço dos alimentos já supera os níveis pré crise em 2008, devido a uma série de problemas climáticos que afetaram as safras de produtos básicos como o trigo. As commodities metálicas, por sua vez, registraram a maior alta dentre as commodities, impulsionadas pelo efeito China e mercados futuros. As tensões políticas no Oriente Médio puxaram a alta do petróleo nos últimos dois meses. Evolução das principais commodities: (jan/2001 = 100) jan/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 jun/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 nov/07 dez/07 jan/08 fev/08 mar/08 abr/08 mai/08 jun/08 jul/08 ago/08 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/ CRB Alimentos Matérias-primas industriais Petróleo Metais Fonte: CRB. 12

13 DILEMAS E IMPASSES DA ECONOMIA BRASILEIRA Inflação e o crescimento de curto prazo Desaquecimento e taxa de investimento Capitais externos, câmbio e setor externo a médio prazo Câmbio, concorrência externa, custos de produzir no Brasil e base produtiva 13

14 Crescimento 14

15 PIB 4º trimestre de 2010 PIB - BRASIL: Variação frente ao trimestre imediatamente anterior (com ajuste sazonal) - % Produto Interno Bruto 4 tri 08 1 tri 09 2 tri 09 3 tri 09 4 tri 09 1 tri 10 2 tri 10 3 tri 10 4 tri 10 PIB Preços de Mercado -4,2-1,9 1,9 2,6 2,5 2,2 1,6 0,4 0,7 Agropecuária -2,6-4,1-2,1 0,1 5,1 2,6 1,4-1,6-0,8 Indústria -8,6-6,8 3,7 4,2 3,8 1,7 3,6-0,6-0,3 Serviços -2,5 0,6 1,4 2,0 1,3 1,4 1,1 0,9 1,0 Consumo das Famílias -1,8 0,8 2,8 2,3 1,1 1,8 1,1 1,8 2,5 Consumo do Governo -3,4 4,1-0,5 1,1 2,4-0,2 1,8-0,1-0,3 Formação Bruta de Capital Fixo -10,6-14,6 4,2 9,3 8,6 4,0 3,9 3,1 0,6 Exportações -3,9-13,2 6,8-0,2 2,9 3,4 1,2 4,2 3,6 Importações -6,1-20,2 6,7 5,3 15,1 8,1 5,7 7,1 3,9 Fonte: Contas Nacionais, IBGE. 15

16 A contribuição da demanda interna para o crescimento do PIB caiu de 1,7% para 1,5% entre o terceiro e quarto trimestres de 2010 (dados com ajuste sazonal), em função do resultado da formação bruta de capital fixo (contribuição reduzida de 0,6% no III/2010 e 0,1% no IV/2010). A demanda externa contribuiu com taxa quase neutra (-0,1%), devido a maior redução das importações; a variação de estoques subtraiu 0,7 ponto percentual da variação PIB no 4º trimestre refletindo a situação de estoques excessivos em alguns setores econômicos. 4 3 Contribuição ao crescimento do PIB no trimestre com ajuste sazonal Ótica da Demanda (%) ,5 1,1 Consumo das famílias 0,0-0,1 Consumo do governo 0,6 Formação bruta de capital fixo 0,1 Demanda Interna 1,7 1,5 0,5 0,4 Exportações 0,9 0,5 Importações (-) -0,1-0,4 Demanda Externa -0,9-0,7 Variação de estoques II/2009 III/2009 IV/2009 I/2010 II/2010 III/2010 IV/2010 Fonte: Contas Nacionais, IBGE. 16

17 Em relação ao mesmo período de 2009, o crescimento do PIB desacelerou para a faixa de 5,0% no último trimestre do ano. Do lado da oferta, a agropecuária e a industria apresentaram expressivo recuo; queda mais suave em serviços. Demanda: destaques para a aceleração do ritmo de alta consumo das famílias e desaceleração da formação bruta de capital. Também foi expressiva a desaceleração no crescimento das importações. 50,0 40,0 PIB : oferta e demanda Variação frente a mesmo trimestre do ano anterior -% 40,9 30,0 20,0 10,0 0,0 6,7 7,0 5,0 1,1 8,3 4,3 4,9 5,9 7,5 4,6 4,1 1,2 21,2 12,3 13,5 11,3 27,2-10,0-20,0 PIB Agropecuária Indústria Serviços Consumo das famílias Consumo do governo Formação bruta de capital fixo Exportações Importações (-) II/2009 III/2009 IV/2009 I/2010 II/2010 III/2010 IV/2010 Fonte: IBGE. 17

18 O PIB já se situa 5,6% acima do nível correspondente ao 3º trimestre de 2008 (pré-crise); a indústria e agropecuária ainda estão abaixo do nível pré-crise; do lado da demanda, destacam-se as posições do consumo das famílias e das importações e do lado da oferta, os serviços. Diferença % entre o patamar de produção no 4º Tri 2010 e o do 3º Tri 2008 série com ajuste sazonal (%) 23,4 13,2 7,5 5,6 4,9 5,8 3,4-2,3-0,3 Agropecuária Indústria Serviços PIB Consumo Consumo do das Famílias Governo FBKF ExportaçõesImportações Fonte: Contas Nacionais, IBGE. 18

19 Taxa de investimento comtendência de recuperação. Foi de 19,5% do PIB no quarto trimestre de 2010, contra 18,6% do PIB no mesmo trimestre de Taxa de Investimento / PIB a preços do ano anterior (%) 20,1 20,2 19,5 18,7 18,7 18,4 18,6 18,2 18,1 18,2 18,2 18,1 17,117,016,9 17,2 16,7 16,7 16,5 16,2 16,0 16,2 15,5 15,816,0 19 IV/2004 I/2005 II/2005 III/2005 IV/2005 I/2006 II/2006 III/2006 IV/2006 I/2007 II/2007 III/2007 IV/2007 I/2008 II/2008 III/2008 IV/2008 I/2009 II/2009 III/2009 IV/2009 I/2010 II/2010 III/2010 IV/2010 Fonte: Ipeadata.

20 Setor Público Local, Data 20

21 O resultado de fevereiro de 2011 atingiu R$ 7,9 bilhões, o melhor saldo positivo para o mês desde o início da série (2001), levando o superávit primário atingir 2,9% do PIB no acumulado em 12 meses, mesmo valor da meta para A despesa com juros atingiu a marca de 5,5% do PIB (R$ 205,4 bilhões), pressionada pela taxa Selic e pela trajetória de alta dos índices de inflação. Com isso, em janeiro o déficit nominal subiu para 2,6% como proporção do PIB no acumulado em 12 meses. Brasil - Necessidade de Financiamento do Setor Público - % do PIB Fluxo Acumulado em Doze Meses (Valor Negativo Representa Superávit; Positivo, Déficit) 8,0 6,0 5,50 4,0 2,60 2,0 0,0-2,0-2,90-4,0-6,0 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 Fonte: BancoCentral do Brasil. Nominal Juros Primário 21

22 Inflação Local, Data 22

23 Em março, foram observados três movimentos no índice acumulado em doze meses: (i) desaceleração dos preços de bens comercializáveis; (ii) aceleração dos monitorados, (atingindo maior nível desde março de 2010) ; (iii) estabilidade nos bens não comercializáveis. 10% Evolução dos preços comercializáveis, não comercializáveis e monitorados do IPCA - Variação em 12 meses 8% 6% 4% 2% 0% jan/08 fev/08 mar/08 abr/08 mai/08 jun/08 jul/08 ago/08 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 Bens Comercializáveis Preços Monitorados Bens Não Comercializáveis IPCA geral Fonte: Banco Central do Brasil. 23

24 Em março de 2011, a variação em doze meses da categoria de alimentos e bebidas apresentou nova desaceleração. O segmento educação, por sua vez, representou uma das maiores pressões sobre o índice geral em fevereiro e março, devido ao reajuste das mensalidades escolares. As despesas com transporte também aceleraram o ritmo de alta no acumulado em 12 meses, devido a reajuste nos preços de combustível, ônibus municipais, intermunicipais e metrô. Evolução dos componentes do IPCA - Variação 12 meses (%) 16,0% 14,0% 12,0% 10,0% 8,0% 6,0% 4,0% 2,0% 0,0% -2,0% -4,0% jan-08 fev-08 mar-08 abr-08 mai-08 jun-08 jul-08 ago-08 set-08 out-08 nov-08 dez-08 jan-09 fev-09 mar-09 abr-09 mai-09 jun-09 Saúde e cuidados pessoais Vestuário Artigos de residência Habitação Transporte Alimentos e bebidas Educação Despesas pessoais jul-09 ago-09 set-09 out-09 nov-09 dez-09 jan-10 fev-10 mar-10 abr-10 mai-10 jun-10 jul-10 ago-10 set-10 out-10 nov-10 dez-10 jan-11 fev-11 mar-11 Fonte: Banco Central do Brasil. 24

25 Crédito Local, Data 25

26 Após um período de rápida recuperação do crescimento das concessões de crédito, em dezembro de 2010, os dados indicam uma inflexão para baixo do crédito para as pessoas físicas, certamente devido às medidas macroprudenciais. Em fevereiro de 2011, a média trimestral das concessões para pessoas jurídicas mantiveram o ritmo de elevação real. 20 Variação média móvel trimestral real das concessões de crédito - recursos livres (%) jan/08 fev/08 mar/08 abr/08 mai/08 jun/08 jul/08 ago/08 set/08 out/08 nov/08 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 Total pessoa jurídica pessoa física Fonte: Banco Central do Brasil 26

27 As medidas macroprudenciais tiveram efeito sobre o crédito para a pessoa física, especialmente na aquisição de automóveis e de outros bens. 70,0 65,0 60,0 55,0 50,0 45,0 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0-5,0-10,0-15,0-20,0-25,0-30,0-35,0 jan/09 fev/09 Crédito a pessoa física: variação real % mês em relação ao mesmo mês do ano anterior mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 22,6 17,5 fev/11 Total Cheque especial Crédito pessoal Financiamento imobiliário Aquisição de bens - veículos Aquisição de outros bens Cartão de crédito Fonte: Banco Central do Brasil. 27

28 Após o stress do auge da crise (final de 2008) quando os bancos aumentaram o custo do crédito, as taxas cobradas às pessoas físicas e jurídicas passaram a cair. Em razão das medidas prudenciais e elevação da Selic, em janeiro e novamente em fevereiro de 2011, as taxas aplicadas às pessoas jurídicas registraram alta. Para as pessoas físicas houve elevação em dezembro e janeiro e estabilidade em fevereiro. Taxa de Juros nas Operações de Crédito com Recursos Livres - % 48,8 52,6 37,3 41,3 43,8 38,1 30,9 30,7 24,7 fev/11 jan/11 dez/10 nov/10 out/10 set/10 ago/10 jul/10 jun/10 mai/10 abr/10 mar/10 fev/10 jan/10 dez/09 nov/09 out/09 set/09 ago/09 jul/09 jun/09 mai/09 abr/09 mar/09 fev/09 jan/09 dez/08 nov/08 out/08 set/08 ago/08 jul/08 jun/08 mai/08 abr/08 mar/08 fev/08 jan/08 Fonte: Banco Central do Brasil. pessoa jurídica pessoa física Total 28

29 Emprego e rendimento Local, Data 29

30 Em 2010, a massa real de rendimentos voltou a crescer próximo ao nível anterior à crise, acumulando 7,5% de variação. Nos dois primeiros meses de 2011, entretanto, observa-se uma notável desaceleração do crescimento da massa de rendimentos, o que poderá afetar negativamente o crescimento do consumo no corrente ano. 12,0 11,0 10,0 9,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0-1,0 Evolução do rendimento médio real, ocupação e massa de rendimento real das seis regiões metropolitanas do Brasil - variação em relação ao mesmo período do ano anterior 6,4 5,8 5,8 7,2 6,6 6,5 jan/08 fev/08 mar/08 abr/08 mai/08 jun/08 7,6 jul/08 10,010,1 ago/08 set/08 9,0 out/08 7,4 7,2 8,3 nov/08 dez/08 jan/09 6,2 5,8 fev/09 mar/09 3,7 3,43,0 4,1 abr/09 Crescimento real da massa de rendimento: 2009: 4,0% 2010: 7,5% mai/09 jun/09 jul/09 3,0 3,1 3,0 2,3 2,3 2,1 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 4,6 5,2 fev/10 mar/10 6,66,7 6,7 abr/10 mai/10 jun/10 10,8 10,1 9,6 9,4 8,7 8,8 8,4 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 6,4 fev/11 Massa rendimento real Rendimento médio real Ocupação Fonte: PME/IBGE. 30

31 Setor Externo Local, Data 31

32 Em 2010, o balanço de pagamentos foi superavitário em US$ 49,1 bilhões, graças ao expressivo saldo na conta financeira (US$ 99,0 bilhões), mais do que suficiente para financiar o déficit recorde em transações correntes (US$ 47,5 bilhões) que apresenta uma deterioração preocupante a médio prazo. Primeiro trimestre de 2011: enxurrada de ingressos Setor Externo - US$ Milhões Transações Correntes Conta financeira 2008 (jan/ mar) (jan/ mar) (jan/ mar) (jan/ mar)

33 Ingresso líquido de recursos externos em 2011: Mais IDE, Menos portfolio: Mais Empréstimos Ingresso Líquido de Capitais Externos Principais Modalidades - US$ Milhões Fonte: Banco Central do Brasil mar-10 abr-10 mai-10 jun-10 jul-10 ago-10 set-10 out-10 nov-10 dez-10 jan-11 fev-11 mar-11 IDE Invest. estrang.de portfolio Outros invest. estrang Ingr. líq. recursos externos

34 Setor Externo: Taxa de câmbio As medidas na área cambial (especialmente, o IOF na entrada de capitais externos) não evitaram que entre janeiro e o início de abril, a moeda brasileira mantivesse a trajetória de valorização, atingindo aumento frente ao dólar de 4,4% neste período. Brasil: Evolução da taxa nominal de câmbio (R$/US$) 2,60 2,50 2,40 2,30 2,20 2,10 2,00 1,90 1,80 1,70 1,60 1,50 1/5/08 22/5/08 12/6/08 3/7/08 24/7/08 14/8/08 4/9/08 25/9/08 16/10/08 6/11/08 27/11/08 18/12/08 8/1/09 29/1/09 19/2/09 12/3/09 2/4/09 23/4/09 14/5/09 4/6/09 25/6/09 16/7/09 6/8/09 27/8/09 17/9/09 8/10/09 29/10/09 19/11/09 10/12/09 31/12/09 21/1/10 11/2/10 4/3/10 25/3/10 15/4/10 6/5/10 27/5/10 17/6/10 8/7/10 29/7/10 19/8/10 9/9/10 30/9/10 21/10/10 11/11/10 2/12/10 23/12/10 13/1/11 3/2/11 24/2/11 17/3/11 7/4/11 Fonte: Banco Central do Brasil. 34

35 12,0 7,0 2,0-3,0-8,0-13,0-18,0-23,0-28,0 35 Rússia Argentina Brasil Chile Colômbia México Peru China Cingapura Coréia Filipinas Índia Indonésia Malásia Tailândia Taiwan Bulgária Estônia Hungria Polônia Romênia Rep. Tcheca Letônia Turquia Ucrânia South Africa Variação das taxas de câmbio - Períodos selecionados (em %) América Latina Ásia Europa emergente e CEI (até 21/03) Fonte: Oanda. Elaboração própria.

36 Apreciação acentuada da taxa de câmbio real entre agosto e outubro de 2010; em novembro, pequena reversão da tendência de valorização da moeda brasileira frente ao dólar, enquanto a taxa de câmbio frente a uma cesta de moedas ficou relativamente estável; em fevereiro, nova rodada de valorização do real frente ao dólar, enquanto em relação a outras moedas, houve desvalorização: frente ao euro, desvalorização de 1,8% e frente ao Yuan, 1,5%. 95 Índice da taxa de câmbio deflacionada pelo IPC (dezembro de 2003 = 100) fev/11 jan/11 dez/10 nov/10 out/10 set/10 ago/10 jul/10 jun/10 mai/10 abr/10 mar/10 fev/10 jan/10 dez/09 nov/09 out/09 set/09 ago/09 jul/09 jun/09 mai/09 abr/09 mar/09 fev/09 jan/09 dez/08 nov/08 out/08 set/08 ago/08 jul/08 jun/08 mai/08 abr/08 mar/08 fev/08 jan/08 dez/07 nov/07 out/07 set/07 ago/07 jul/07 jun/07 mai/07 abr/07 mar/07 fev/07 jan/07 Fonte: Funcex. Câmbio real - R$/Dólar Câmbio real - R$/Cesta de 13 Câmbio real - R$/Euro Câmbio nominal - R$/Dólar Câmbio real - R$/Yuan 36

37 Variáveis macroeconômicas em países emergentes selecionados (1) País Apreciação real (2) Reservas cambiais (3) Taxa básica de juros (4) Inflação (% em 2010) Crédito interno (5) Brasil 38,4 6,0 3,0 5,9 12,9 Peru 5,6 9,0 2,5 2,1 9,3 Coréia do Sul 17,5 10,7 1,0 3,5 0,4 Indonésia 19,4 7,4 0,3 7,0 9,2 Tailândia 9,3 9,3 1,3 3,0 4,3 Turquia 6,5 6,5 0,0 6,4 21,4 África do Sul 41,4 2,6-1,5 3,5-0,1 Fonte: FMI. Elaboração Iedi. Notas: (1) Países onde o ingresso de fluxos de capitais foi mais expressivo em % PIB. No Brasil, Coréia, Indonésia e Tailândia, fluxo líquido de capitais já superou o pico pré-crise. (2) Variação % da taxa de câmbio real multilateral do piso da crise até dez/2010. (3) Aumento em % do PIB do piso da crise até dez/2010 (4) Variação em p.p de jan/2010 a mar/2011. (5) Variação % real frente ao mesmo mês do ano anterior, média do 2 0 sem/

38 Diferencial de juros - Países emergentes selecionados 11% 9% 7% 5% 3% 1% -1% -3% jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 jun/09 jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 Brasil Coréia do Sul Tailândia Turquia Indonésia África do Sul Fonte: Banco Central do Brasil.Elaboração Iedi. Nota: Diferencial de juros equivale à diferença entre a taxa básica de juros de cada país e a soma do risco-país e da taxa básica de juros dos Estados Unidos. Risco-país equivale ao prêmio do CDS (Credit Default Swap). 38

39 39

40 40

PIB PAÍSES DESENVOLVIDOS (4 trimestres, %)

PIB PAÍSES DESENVOLVIDOS (4 trimestres, %) PIB PIB PAÍSES DESENVOLVIDOS (4 trimestres, %) dez/92 jun/93 dez/93 jun/94 dez/94 jun/95 dez/95 jun/96 dez/96 jun/97 dez/97 jun/98 dez/98 jun/99 dez/99 jun/00 dez/00 jun/01 dez/01 jun/02 dez/02 jun/03

Leia mais

CENÁRIO GLOBAL E DOMÉSTICO 2009/10

CENÁRIO GLOBAL E DOMÉSTICO 2009/10 CENÁRIO GLOBAL E DOMÉSTICO 2009/10 O BRASIL ESTÁ EM FRANCA RECUPERAÇÃO! NOVEMBRO 2009 FERNANDO HONORATO BARBOSA Economista Coordenador Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DEPEC (*) Veja importantes

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Setembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Setembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Setembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Riscos reduzidos de crise, com o crescimento global se sustentando em ritmo positivo,

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Agosto de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o o o o Riscos reduzidos de crise, com o crescimento global se sustentando em ritmo positivo,

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Perspectivas Econômicas

Perspectivas Econômicas Perspectivas Econômicas Janeiro, 2012 Agenda Economia Global Cenário de baixo crescimento mundial, riscos de cauda diminuíram. Riscos (Debt Ceiling, eleições na Itália, crescimento na Europa). Brasil Atividade

Leia mais

O DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO - SETEMBRO DE 2002

O DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO - SETEMBRO DE 2002 O DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO - SETEMBRO DE 22 No mês de setembro, as transações correntes registraram novamente superávit (US$ 1,2 bilhões), diminuindo o déficit acumulado no ano para US$ 7,3 bilhões.

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Riscos reduzidos de crise. O crescimento global continua a ganhar tração, com maior

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial XIX Congresso Brasileiro de Economia Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda aclacerda@pucsp.br Bonito, 09 de Setembro de 2011. Page 1 Economia

Leia mais

Cenários Conselho Temático de Economia e Finanç

Cenários Conselho Temático de Economia e Finanç Conselho Temático de Economia e Finanç Panorama Municipal 300 250 Desempenho Economia Caxias do Sul 21,8 ÍNDICE (100 = Jan 2005) VARIAÇÃO % 12 MESES 30,0 20,0 200 150 7,2 6,0 1,7 1,1 10,0 0,0-5,1-2,4-7,4

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Junho de 2013 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação VI. Boxes 2 I. Introdução

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Riscos reduzidos de crise. O crescimento global continua a ganhar tração, com maior

Leia mais

DESAFIOS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Março de 2016

DESAFIOS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Março de 2016 DESAFIOS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Março de 2016 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities. Desaceleração China. Aumento de juros nos EUA, mas de forma gradual.

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Novembro de 2016

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Novembro de 2016 CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Novembro de 2016 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities. Desaceleração moderada da China. Aumento de juros nos EUA, mas de forma gradual.

Leia mais

Grupo de Conjuntura Econômica. Painel de Conjuntura. 1 trimestre -2011

Grupo de Conjuntura Econômica. Painel de Conjuntura. 1 trimestre -2011 Grupo de Conjuntura Econômica Painel de Conjuntura 1 trimestre -2011 ECONOMIA INTERNACIONAL Ciro Alves Pinto Indicadores Analisados Investimento Direto e em Carteira Composição das reservas internacionais

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Janeiro de 2017

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Janeiro de 2017 CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Janeiro de 2017 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities, com estabilização dos preços nos últimos meses. Desaceleração moderada da China.

Leia mais

Brasil: Ventos mais favoráveis

Brasil: Ventos mais favoráveis Economic Research - Brasil outubro 2017 Brasil: Ventos mais favoráveis Everton Gomes Contexto: A Pior crise da história? 2 Variação acumulada em 3 anos do PIB per capita (%) 32 27 29 22 17 12 7 20 16 14

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Junho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Junho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Junho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Não há dúvidas de que o efeito do maior protecionismo é contracionista para a atividade

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Junho de 2017

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Junho de 2017 CENÁRIO MACROECONÔMICO Junho de 2017 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Riscos reduzidos de crise, com o crescimento global se sustentando em ritmo positivo, de forma generalizada. Aumento gradual de juros nos EUA.

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Dezembro de 2016

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Dezembro de 2016 CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Dezembro de 2016 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities. Desaceleração moderada da China. Aumento gradual de juros nos EUA. Esperamos

Leia mais

Julho/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL. Depecon / Derex

Julho/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL. Depecon / Derex Julho/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL Depecon / Derex 1 A importância da taxa de câmbio para a economia brasileira A taxa de câmbio é um dos principais preços da economia, pois: Determina

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Abril de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Abril de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Abril de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o o o o Apesar de uma leve desaceleração no ritmo de crescimento do primeiro trimestre em

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Maio de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Maio de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Maio de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o O ambiente global tende a se estabilizar nos próximos meses. Há sinais mais positivos vindos

Leia mais

O DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2003 ECONOMIA, INDÚSTRIA E INVESTIMENTO EM QUEDA

O DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2003 ECONOMIA, INDÚSTRIA E INVESTIMENTO EM QUEDA O DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2003 ECONOMIA, INDÚSTRIA E INVESTIMENTO EM QUEDA No segundo trimestre de 2003, o PIB brasileiro apresentou queda tanto em relação ao trimestre anterior

Leia mais

Economia Brasileira. Caio Prates 13 MAIO 2008

Economia Brasileira. Caio Prates 13 MAIO 2008 Economia Brasileira Caio Prates 13 MAIO 2008 Tabela 1 - Indicadores do Cenário Externo 1 Taxa de Juros Títulos do Tesouro Americano Preço do Petróleo (Brent) em US$ Cenário Externo Total Alimentos Metais

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. 1 DESAFIOS E INCERTEZAS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO E GLOBAL 2 2 Fabiana

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Março de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Março de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Março de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Riscos reduzidos de crise, a despeito da volatilidade recente. O crescimento global segue

Leia mais

Economic Research São Paulo - SP - Brasil Apresentação Semanal. De 10 a 14 de Setembro de Lucas Augusto (11)

Economic Research São Paulo - SP - Brasil Apresentação Semanal. De 10 a 14 de Setembro de Lucas Augusto (11) Economic Research São Paulo - SP - Brasil 2018 Apresentação Semanal De 10 a 14 de Setembro de 2018 Lucas Augusto (11) 3553-5263 Argentina Dados do final de 2017, exceto taxas básicas de juros (decisão

Leia mais

Seminário GVcev Tendências e Expectativas para o Varejo de 2010

Seminário GVcev Tendências e Expectativas para o Varejo de 2010 Seminário GVcev Tendências e Expectativas para o Varejo de 2010 Cenário e perspectivas macroeconômicas Claudemir Galvani São Paulo, 04 de fevereiro de 2010 Evolução do Crescimento Global, por Região e

Leia mais

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX 1 A importância da taxa de câmbio para a economia brasileira A taxa de câmbio é um dos principais preços da economia, pois: Determina

Leia mais

Cenário Macroeconômico Brasileiro

Cenário Macroeconômico Brasileiro SWISSCAM Cenário Macroeconômico Brasileiro Antonio Delfim Netto 31 de Outubro de 2011 São Paulo, SP 1 I. Mundo: Passado e Presente 2,9% 1,6% 30% 23% 31% 24% 37% 22% 8% 2,4% 1,4% 7% 4,2 % 4% 3,3 % 3,7 %

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Outubro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Outubro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Outubro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o o o o o Nos últimos meses, o ambiente externo tem se tornado mais complexo e desafiador,

Leia mais

Falta de competitividade da indústria: a barreira ao crescimento

Falta de competitividade da indústria: a barreira ao crescimento Falta de competitividade da indústria: a barreira ao crescimento Economia beira a estagnação em 2012 Dois anos perdidos para a indústria Principais mensagens PIB com aumento do consumo e queda dos investimentos

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO E JUROS EM 2002

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO E JUROS EM 2002 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO E JUROS EM 02 Ao longo de 02, o financiamento doméstico da economia brasileira foi marcado pelo conservadorismo das instituições financeiras na concessão de crédito, o que se traduziu

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior O comércio exterior brasileiro e o desempenho do setor industrial Welber Barral Secretário SÃO PAULO (SP), 27

Leia mais

Brasil: Respostas à Crise Financeira. Mario Torós. Março de 2009

Brasil: Respostas à Crise Financeira. Mario Torós. Março de 2009 Brasil: Respostas à Crise Financeira Mario Torós Março de 2009 1 I. Cenário da crise global 2 Comparação entre crises financeiras 3 US$ trilhão Mercado acionário global (capitalização) 65 60 55 50 45 40

Leia mais

Economic Research São Paulo - SP - Brasil Apresentação Semanal. De 20 a 24 de Agosto de Lucas Augusto (11)

Economic Research São Paulo - SP - Brasil Apresentação Semanal. De 20 a 24 de Agosto de Lucas Augusto (11) Economic Research São Paulo - SP - Brasil 2018 Apresentação Semanal De 20 a 24 de Agosto de 2018 Lucas Augusto (11) 3553-5263 Milhões Desafio dos Emergentes Dados do final de 2017, exceto taxas básicas

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Julho de 2017

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Julho de 2017 CENÁRIO MACROECONÔMICO Julho de 2017 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Riscos reduzidos de crise, com o crescimento global se sustentando em ritmo positivo, de forma generalizada. Aumento gradual de juros nos EUA.

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO ENCONTRO BRADESCO-APIMEC CENÁRIO MACROECONÔMICO 20 DE AGOSTO DE 2015 FABIANA D ATRI Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC 2 Ambiente Internacional AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo

Leia mais

A Recessão Global e o Comércio Exterior Brasileiro

A Recessão Global e o Comércio Exterior Brasileiro A Recessão Global e o Comércio Exterior Brasileiro Roberto Giannetti da Fonseca Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior 1 25 de Março de 2009 1 A recessão se torna global 10,0 8,0 2009*

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco. CENÁRIO MACROECONÔMICO JANEIRO DE 2016 FABIANA D ATRI Departamento

Leia mais

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 MB ASSOCIADOS A agenda econômica internacional do Brasil CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 1 Cenário base 2011 2014 Crescimento mundial deverá ser da ordem de 4,0% a.a. Os países do G7 devem crescer

Leia mais

DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002

DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002 DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002 Nos nove primeiros meses de 2002, a economia brasileira cresceu 0,9% em relação ao mesmo período de. No terceiro trimestre de 2002, o aumento foi

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/124/

Leia mais

Responsabilidade Macroeconômica para o Crescimento. Henrique de Campos Meirelles

Responsabilidade Macroeconômica para o Crescimento. Henrique de Campos Meirelles Responsabilidade Macroeconômica para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Federação das Indústrias do Estado do Paraná Setembro de 20 Brasil em 2003: de onde partimos Baixo nível de reservas: US$

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Julho de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Julho de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Julho de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Os desafios do cenário global têm crescido. O fortalecimento do dólar em relação às demais

Leia mais

A RECONSTRUÇÃO DA ECONOMIA BRASILEIRA

A RECONSTRUÇÃO DA ECONOMIA BRASILEIRA A RECONSTRUÇÃO DA ECONOMIA BRASILEIRA RECUPERAÇÃO CÍCLICA E NECESSIDADE DE REFORMAS MARÇO DE 2017 FERNANDO HONORATO BARBOSA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC 1 2 CENÁRIO GLOBAL 3 ECONOMIA

Leia mais

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 Prestação de Contas - LRF

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Julho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Julho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Julho de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Os dados recentes de atividade sugerem que o PIB de 2019 pode ficar abaixo do 0,8% projetado

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Junho de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Junho de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Junho de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Os desafios do cenário global têm crescido. O fortalecimento do dólar em relação às demais

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

Política Monetária no Brasil: Um Caso de Sucesso

Política Monetária no Brasil: Um Caso de Sucesso Política Monetária no Brasil: Um Caso de Sucesso Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Consolidando a Estabilidade A condução responsável da política monetária permitiu que o Brasil entrasse fortalecido

Leia mais

Henrique de Campos Meirelles Novembro de 2009

Henrique de Campos Meirelles Novembro de 2009 Perspectivas para a Economia Brasileira e o Setor da Construção Civil Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Como o Brasil Enfrentou a Crise 2 Diagnóstico Correto da Crise colapso do sistema internacional

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

Contribuição para o debate sobre apresentação do Conselheiro Octavio de Barros DEPECON

Contribuição para o debate sobre apresentação do Conselheiro Octavio de Barros DEPECON Contribuição para o debate sobre apresentação do Conselheiro Octavio de Barros DEPECON 12/3/27 1 1 2 2 Sumário (1) Indústria de Transformação e crescimento econômico (2) Indústria de Transformação e ambiente

Leia mais

MCM Consultores Associados

MCM Consultores Associados MCM Consultores Associados Junho - 2008 Economia Mundial Menos crescimento e mais inflação Inflação e Política Monetária em países que adotam regime de metas - I Países Índice Meta Banda CPI Mês Juros

Leia mais

Rentabilidade com Preservação de Capital. José Márcio Camargo. Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo. Abril 2011.

Rentabilidade com Preservação de Capital. José Márcio Camargo. Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo. Abril 2011. Rentabilidade com Preservação de Capital José Márcio Camargo Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo Abril 2011 Abril 2011 1 Admirável Mundo Novo 1. Taxas de juros reais negativas em todos os países

Leia mais

Audiência Pública. Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal. Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil.

Audiência Pública. Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal. Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil. Audiência Pública Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil Abril de 2013 Sumário executivo A perspectiva para o cenário externo continua

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Janeiro de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Janeiro de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Janeiro de 2019 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o o o o o O final do ano passado foi marcado por forte ajuste dos preços de diversos ativos:

Leia mais

Boletim de. Recessão avança com diminuição lenta da inflação em 2015 Inflação e desemprego

Boletim de. Recessão avança com diminuição lenta da inflação em 2015 Inflação e desemprego Julho de 2015 Recessão avança com diminuição lenta da inflação em 2015 Inflação e desemprego No primeiro semestre do ano de 2015, a inflação brasileira acumulou variação de 8,1% ao ano, superando em mais

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3º trimestre de 213 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN Superintendência Nacional de Planejamento

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO ENCONTRO BRADESCO-APIMEC CENÁRIO MACROECONÔMICO 26 DE NOVEMBRO DE 2015 FABIANA D ATRI Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC 1 Ambiente Internacional AMBIENTE INTERNACIONAL Fimdolongociclodecommodities.

Leia mais

EFEITOS DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO

EFEITOS DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO EFEITOS DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO São Paulo, 06/Dez/2007 1 1 Entidades da Indústria vêem alertando sobre a gravidade da situação cambial Estudos Depecon-FIESP (www.fiesp.com.br)

Leia mais

Março/2012. NEPOM Núcleo de Estudos de Política Monetária do IBMEC/MG

Março/2012. NEPOM Núcleo de Estudos de Política Monetária do IBMEC/MG Análise de Conjuntura Março/2012 NEPOM Núcleo de Estudos de Política Monetária do IBMEC/MG Coordenação: Prof. Dr. Cláudio D. Shikida Alunos Integrantes Isadora Figueiredo Guilherme Leite Rafael Byrro Raphael

Leia mais

Depois do pesadelo. Luís Paulo Rosenberg

Depois do pesadelo. Luís Paulo Rosenberg Depois do pesadelo Luís Paulo Rosenberg 25.11.2008 O Velho Mundo Valor de mercado dos bancos minguando 300 250 200 150 100 50 0 255 36,5 216 115 165 140 116 116 100 43 61 44 Citigroup Bank of America JP

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL

ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL APRESENTAÇÃO APIMEC SÃO PAULO ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL 1 1 São Paulo, 20 de agosto de 2014 Octavio

Leia mais

2017: a vida depois dos ajustes

2017: a vida depois dos ajustes Departamento Econômico, Brasil Setembro 2016 2017: a vida depois dos ajustes Luciano Sobral, Economista lusobral@santander.com.br www.santander.com.br/economia 2017: a vida depois dos ajustes Inflação:

Leia mais

Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira

Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira Agenda I. VALORIZAÇÃO CAMBIAL II. IMPACTOS SOBRE A INDÚSTRIA Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira 1 I. VALORIZAÇÃO CAMBIAL Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira 2

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS SETEMBRO/2015 Resumo de desempenho Setembro 2015 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre mês mês do ano ano

Leia mais

Mudança de rumo? Cenário macroeconômico Junho Fernanda Consorte

Mudança de rumo? Cenário macroeconômico Junho Fernanda Consorte Mudança de rumo? Cenário macroeconômico Junho 2013 Fernanda Consorte Atividade econômica Desaceleração do PIB e da demanda doméstica, com alguma recuperação recente Demanda em % a/a; contribuição dos componentes

Leia mais

Brasil: Ventos mais favoráveis

Brasil: Ventos mais favoráveis Economic Research - Brasil fevereiro 2018 Brasil: Ventos mais favoráveis Everton Gomes 1903 1905 1907 1909 1911 1913 1915 1917 1919 1921 1923 1925 1927 1929 1931 1933 1935 1937 1939 1941 1943 1945 1947

Leia mais

Perspectivas para Economia Brasileira em 2009

Perspectivas para Economia Brasileira em 2009 1 Perspectivas para Economia Brasileira em 2009 Janeiro de 2009 1 2 IMPACTO INICIAL DA CRISE FINANCEIRA MUNDIAL 2 1 Panorama Econômico Anterior à Crise Financeira Mundial 3 Aceleração do Crescimento Apreciação

Leia mais

Indústria Geral - Crescimento % com relação Mês Anterior Produção Física com Ajuste Sazonal 1,6 1,3 1,3 0,1 0,4 0,3 -0,3 -0,6 -1,1-1,7

Indústria Geral - Crescimento % com relação Mês Anterior Produção Física com Ajuste Sazonal 1,6 1,3 1,3 0,1 0,4 0,3 -0,3 -0,6 -1,1-1,7 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DESEMPENHO EM MAIO DE : BRASIL E PAÍSES SELECIONADOS Os dados divulgados no dia 8 de julho pelo IGBE relativos ao desempenho da produção industrial no mês de maio revelam uma queda

Leia mais

Ilan Goldfajn. Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco. Novembro,

Ilan Goldfajn. Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco. Novembro, IBEF Perspectivas Econômicas Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Novembro, 2015 1 Roteiro Crescimento resiliente no mundo. China: atividade melhor no segundo semestre traz alívio. Estabilização?

Leia mais

Indústria e Investimentos recuam no 2º trimestre e Economia Brasileira mantém ritmo lento de crescimento

Indústria e Investimentos recuam no 2º trimestre e Economia Brasileira mantém ritmo lento de crescimento Indústria e Investimentos recuam no 2º trimestre e Economia Brasileira mantém ritmo lento de crescimento Os dados das Contas Nacionais Trimestrais do IBGE mostram que economia brasileira cresceu 0,2% no

Leia mais

Universidade Federal do Piauí UFPI Campus Universitário Ministro Petrônio Portella Centro de Ciências Humanas e Letras CCHL Departamento de Ciências

Universidade Federal do Piauí UFPI Campus Universitário Ministro Petrônio Portella Centro de Ciências Humanas e Letras CCHL Departamento de Ciências Universidade Federal do Piauí UFPI Campus Universitário Ministro Petrônio Portella Centro de Ciências Humanas e Letras CCHL Departamento de Ciências Econômicas - DECON Bairro Ininga, CEP-64049-550 Teresina,

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 2º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 2º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 2º trimestre de 13 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN 1 mai/8 ago/8 nov/8 fev/9 mai/9

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica - Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica - Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica - Itaú Unibanco Julho, 2013 Roteiro Internacional Economia global em nova fase. Perspectivas melhores nos EUA, desaceleração das economias emergentes. Expectativa

Leia mais

Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos

Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos Data de fechamento: 26/09/2018 1 Indicadores Conjunturais da Economia

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

Análise de Conjuntura Agosto/2011

Análise de Conjuntura Agosto/2011 Análise de Conjuntura Agosto/2011 NEPOM Núcleo de Estudos de Política Monetária do IBMEC/MG Coordenação: Prof. Dr. Cláudio D. Shikida Alunos Integrantes Camila Silva Camila Linhares Daniela Caetano Guilherme

Leia mais

MELHORA DA SINALIZAÇÃO DA POLÍTICA ECONÔMICA DEVERÁ GERAR CUSTOS DE CURTO PRAZO, MAS BENEFÍCIOS EM HORIZONTES MAIS DILATADOS.

MELHORA DA SINALIZAÇÃO DA POLÍTICA ECONÔMICA DEVERÁ GERAR CUSTOS DE CURTO PRAZO, MAS BENEFÍCIOS EM HORIZONTES MAIS DILATADOS. MELHORA DA SINALIZAÇÃO DA POLÍTICA ECONÔMICA DEVERÁ GERAR CUSTOS DE CURTO PRAZO, MAS BENEFÍCIOS EM HORIZONTES MAIS DILATADOS Março de 2015 1 1 2015 TENDE A SER SEMELHANTE A 2003: UM PRIMEIRO SEMESTRE DE

Leia mais

Economia Brasileira cresce 0,8% no terceiro trimestre de 2018 com crescimento em todos setores e componentes da demanda

Economia Brasileira cresce 0,8% no terceiro trimestre de 2018 com crescimento em todos setores e componentes da demanda Economia Brasileira cresce 0,8% no terceiro trimestre de 2018 com crescimento em todos setores e componentes da demanda De acordo com os dados das Contas Nacionais Trimestrais do IBGE, a economia brasileira

Leia mais

Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos

Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos Data de fechamento: 27/03/2019 Indicadores Conjunturais da Economia

Leia mais

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil:

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: Projeções e Reflexões Fonte: FMI G7: EUA. Alemanha, Japão,

Leia mais

Brasil, conjuntura e perspectiva

Brasil, conjuntura e perspectiva Brasil, conjuntura e perspectiva Fevereiro de 2016 Rodolfo Margato rodolfo.silva@santander.com.br Área de Pesquisa Macroeconômica Santander Brasil Estrutura da Apresentação: 1) Conjuntura Macroeconômica

Leia mais

Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos

Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos Data de fechamento: 26/06/2018 1 Indicadores Conjunturais da Economia

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS JANEIRO/2017 Resumo de desempenho Janeiro 2017 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês/Ano mês anterior

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO 18 DE MAIO DE 2015 ELLEN REGINA STETER Economista do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC 1 CENÁRIO GLOBAL 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990

Leia mais

Apresentação na AGENDE Agência de Desenvolvimento e Inovação de Guarulhos

Apresentação na AGENDE Agência de Desenvolvimento e Inovação de Guarulhos Apresentação na AGENDE Agência de Desenvolvimento e Inovação de Guarulhos Novembro/2015 Estrutura da Apresentação O Brasil e a crise de confiança; A dupla natureza da crise brasileira; O mundo nos manda

Leia mais

MELHORA DA SINALIZAÇÃO DA POLÍTICA ECONÔMICA DEVERÁ GERAR CUSTOS DE CURTO PRAZO, MAS BENEFÍCIOS EM HORIZONTES MAIS DILATADOS.

MELHORA DA SINALIZAÇÃO DA POLÍTICA ECONÔMICA DEVERÁ GERAR CUSTOS DE CURTO PRAZO, MAS BENEFÍCIOS EM HORIZONTES MAIS DILATADOS. MELHORA DA SINALIZAÇÃO DA POLÍTICA ECONÔMICA DEVERÁ GERAR CUSTOS DE CURTO PRAZO, MAS BENEFÍCIOS EM HORIZONTES MAIS DILATADOS Dezembro de 2015 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities.

Leia mais

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 Cenário Externo Maior crescimento global em 30 anos. Crescimento do PIB em 2004 - Expectativa Área do

Leia mais

CRÉDITO E JUROS SETEMBRO DE 2002

CRÉDITO E JUROS SETEMBRO DE 2002 CRÉDITO E JUROS SETEMBRO DE 2 O Brasil mantém a característica de ser um dos países em desenvolvimento de maior taxa básica de juros e spreads bancários. É também um país de baixa relação entre o crédito

Leia mais

Desempenho negativo da Construção e das Indústrias de Transformação prejudicam o setor industrial

Desempenho negativo da Construção e das Indústrias de Transformação prejudicam o setor industrial Desempenho negativo da Construção e das Indústrias de Transformação prejudicam o setor industrial De acordo com os dados das Contas Nacionais Trimestrais do IBGE, a economia brasileira cresceu 0,1% no

Leia mais

Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos

Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos Conjuntura econômica e perspectivas: Brasil e Bahia Superintendência de Desenvolvimento Industrial (SDI) Gerência de Estudos Técnicos Data de fechamento: 29/08/2018 1 Indicadores Conjunturais da Economia

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

INDX registra alta de 0,41% em outubro

INDX registra alta de 0,41% em outubro INDX registra alta de 0,41% em outubro Dados de Outubro/12 Número 68 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de outubro de 2012

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO fev/16 abr/16 mai/16 jun/16 Espaço para flexibilização monetária Com uma variação de 0,38% a menor para janeiro desde 1994 o IPCA acumulou uma alta de 5,4% em 12 meses, contra 6,3% no fechamento de 2016.

Leia mais