Outubro / Instituto de Pesquisas da FEI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Outubro / 2009. Instituto de Pesquisas da FEI"

Transcrição

1 Outubro / 2009 Instituto de Pesquisas da FEI

2 IDEALIZADOR DA FEI: Padre Saboia de Medeiros, SJ 1941 ESAN Escola Superior de Administração de Negócios 1945 FCA Fundação de Ciências Aplicadas 1946 FEI Faculdade de Engenharia Industrial 1975 IPEI Instituto de Pesquisas 1999 FCI Faculdade de Informática 2002 FEI Fundação Educacional Inaciana 2002 Centro Universitário da FEI

3 CENTRO UNIVERSITÁRIO CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CIVIL ELÉTRICA MATERIAIS MECÂNICA PRODUÇÃ ÃO QUÍMICA TÊXTIL

4 P Ó S - G R A D U A Ç Ã O Engenharia Elétrica Inteligência Artificial Aplicada à Automação Dispositivos Eletrônicos Integrados Engenharia Mecânica Materiais e Processos Produção Sistemas da Mobilidade Administração Marketing e Inovação Capacidades Organizacionais e Inovação

5 Competências da FEI I P E I Empresas Institutos Fundações Órgãos Governamentais

6 professores pesquisadores engenheiros e técnicos APOIO Automação e Controle Combustíveis Logística Nanotecnologia e Materiais Processos e Produtos Têxteis Robótica Sistemas da Mobilidade Usabilidade e Realidade Virtual Metrologia, análises, ensaios, testes e avaliação da conformidade nas áreas: - centro de elétrica - centro de materiais - centro de mecânica - centro de química - centro têxtil

7 CO NTRAT TOS DE PAR RCERIA AS Sgiuuh uhuohiiion dhjknmcmm jkollojkcdj Çhboloj huoduj jkinnjn dhhjibnloj h j Sgiuuh uhuohiiion dhjknmcmm jkollojkcdj Uijiijdii jjdbslill hhidcijdiijijiiij iox n jjjuiid Çhboloj huoduj jkinnjn dhhjibnloj h j Ijdidijidoijkokoojiiijikj Sgiuuh djjdiooiuudnjkkdkghkl, uhuohiiion dhjknmcmm jkollojkcdj jhujooihhuijiijdii jjdbslill hhidcijdiijijiiij iox n jjjuiid Çhboloj huoduj jkinnjn dhhjibnloj h j Hdjdk sokjnnxlol Ijdidijidoijkokoojiiijikj iijii nnn njiiiii djjdiooiuudnjkkdkghkl, Sgiuuh uhuohiiion udjhmso dhjknmcmm jkollojkcdj jhujooihh Uijiijdii jjdbslill hhidcijdiijijiiij iox n jjjuiid Chklslpppç,c Çhboloj huoduj jkinnjn dhhjibnloj h j Hdjdk Ijdidijidoijkokoojiiijikj sokjnnxlol iijii nnn djjdiooiuudnjkkdkghkl, njiiiii udjhmso Jidjijdidiijdopp jhujooihh m iikmsdhbsamlplkmdolold Sgiuuh uhuohiiion dhjknmcmm jkollojkcdj Uijiijdii jjdbslill hhidcijdiijijiiij iox n jjjuiid Chklslpppç,c Ijdidjiidijdo j j iowsjuhi Çhboloj huoduj jkinnjn dhhjibnloj h j Hdjdk Ijdidijidoijkokoojiiijikj sokjnnxlol iijii nnn djjdiooiuudnjkkdkghkl, njiiiii udjhmso Jidjijdidiijdopp m iikmsdhbsamlplkmdolold Hududuudhjudiidioodijopdjjdgyuk jhujooihh Uijiijdii jjdbslill hhidcijdiijijiiij iox n jjjuiid Chklslpppç,c Ijdidjiidijdo iowsjuhi Jiduddidii diiahjebajdodjmmckkmd Hdjdk Ijdidijidoijkokoojiiijikj sokjnnxlol odokshm iijii nnn djjdiooiuudnjkkdkghkl, njiiiii udjhmso Jidjijdidiijdopp m iikmsdhbsamlplkmdolold Hududuudhjudiidioodijopdjjdgyuk jhujooihh ij Dhudiidijidjiiii yhuk6t6779jnhdijhijj Chklslpppç,c Ijdidjiidijdo iowsjuhi Jiduddidii diiahjebajdodjmmckkmd Hdjdk sokjnnxlol odokshm iijii nnn njiiiii udjhmso Ujsiiso89543#%JBijjjokoooijoi Jidjijdidiijdopp Hududuudhjudiidioodijopdjjdgyuk ojnw okooioj m iikmsdhbsamlplkmdolold ij Dhudiidijidjiiii yhuk6t6779jnhdijhijj Chklslpppç,c Kidi9idjikokokoioi0i Jiduddidii hggjhjcsuujiuii Ijdidjiidijdo iowsjuhi diiahjebajdodjmmckkmd odokshm Ujsiiso89543#%JBijjjokoooijoi Jidjijdidiijdopp ojnw m okooioj iikmsdhbsamlplkmdolold Whijqwdidehyurypipewfjjdoiquuhqedyui Hududuudhjudiidioodijopdjjdgyuk Dhudiidijidjiiii yhuk6t6779jnhdijhijj oi ij Kidi9idjikokokoioi0i Ijdidjiidijdo hggjhjcsuujiuii iowsjuhi Jiduddidii diiahjebajdodjmmckkmd odokshm Ujsiiso89543#%JBijjjokoooijoi ojnw okooioj Whijqwdidehyurypipewfjjdoiquuhqedyui Hududuudhjudiidioodijopdjjdgyuk oi ij Dhudiidijidjiiii yhuk6t6779jnhdijhijj Kidi9idjikokokoioi0i hggjhjcsuujiuii Jiduddidii diiahjebajdodjmmckkmd odokshm Ujsiiso89543#%JBijjjokoooijoi ojnw okooioj Whijqwdidehyurypipewfjjdoiquuhqedyui oi Dhudiidijidjiiii yhuk6t6779jnhdijhijj Kidi9idjikokokoioi0i hggjhjcsuujiuii Ujsiiso89543#%JBijjjokoooijoi ojnw okooioj Whijqwdidehyurypipewfjjdoiquuhqedyui oi Kidi9idjikokokoioi0i hggjhjcsuujiuii Whijqwdidehyurypipewfjjdoiquuhqedyui oi CONVÊNIO GUARDA-CHUVA TERMOO ADITIVO 01 Sgiuuh uhuohiiion dhjknmcmm jkollojkcdj Çhboloj huoduj jkinnjn dhhjibnloj h j Uijiijdii jjdbslill hhidcijdiijijiiij iox n jjjuiid Ijdidijidoijkokoojiiijikj djjdiooiuudnjkkdkghkl, jhujooihh Hdjdk sokjnnxlol iijii nnn njiiiii udjhmso Chklslpppç,c Jidjijdidiijdopp m iikmsdhbsamlplkmdolold Ijdidjiidijdo iowsjuhi Hududuudhjudiidioodijopdjjdgyuk ij Jiduddidii diiahjebajdodjmmckkmd odokshm Dhudiidijidjiiii yhuk6t6779jnhdijhijj Ujsiiso89543#%JBijjjokoooijoi ojnw okooioj Kidi9idjikokokoioi0i hggjhjcsuujiuii TERMOO ADITIVO 01 Sgiuuh uhuohiiion dhjknmcmm jkollojkcdj Çhboloj huoduj jkinnjn dhhjibnloj h j Uijiijdii jjdbslill hhidcijdiijijiiij iox n jjjuiid Ijdidijidoijkokoojiiijikj ijk k jiiijikj djjdiooiuudnjkkdkghkl, jhujooihh Hdjdk sokjnnxlol iijii nnn njiiiii udjhmso Chklslpppç,c Jidjijdidiijdopp m iikmsdhbsamlplkmdolold Ijdidjiidijdo iowsjuhi Hududuudhjudiidioodijopdjjdgyuk ij Jiduddidii diiahjebajdodjmmckkmd odokshm Dhudiidijidjiiii yhuk6t6779jnhdijhijj Ujsiiso89543#%JBijjjokoooijoi ojnw okooioj Kidi9idjikokokoioi0i hggjhjcsuujiuii TERMOS ADITIVOS 1 2

8 Automação e inteligência artificial Dispositivos eletrônicos integrados Robótica Processamento de imagens e visão computacional Dispositivos semicondutores de escala nanométrica Sistemas digitais e microprocessadores Dispositivos para operação em microgravidade Engenharia de usabilidade e realidade virtual Simulação por ambientes virtuais Engenharia de software Engenharia biomédica Injeção eletrônica

9 ENTIDADE MANTENEDORA Em 1945 o P e Roberto Sabóia de Medeiros SJ instituiu a FCA - Fundação de Ciências Aplicadas como mantenedora da primeira escola superior de Administração do país, a ESAN - Escola Superior de Administração i de Negócios, criada em No ano de 1946 é fundada a FEI Faculdade de Engenharia Industrial, transferida no início dos anos 60 para São Bernardo do Campo. Em março de 1999 começou a funcionar em São Bernardo do Campo a FCI - Faculdade de Informática.

10 C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O D A F E I Apartirde2002aFEI,aESANeaFCIpassaramacompor o Centro Universitário da FEI, mantido pela Fundação Educacional Inaciana P e Sabóia de Medeiros, a nova denominação da FCA. Além dessas escolas, são também mantidas a Escola Técnica São Francisco de Bórgia, a Escola Volkswagen e os institutos: IPEI (Instituto de Pesquisas e Estudos Industriais), IRESI (Instituto de Relações Sociais e Industriais) e IECAT (Instituto de Especialização em Ciências Administrativas e Tecnológicas).

11 I N S T I T U T O D E P E S Q U I S A S D A F E I Criado em 1975, o instituto de pesquisas da FEI tem como principal objetivo, atuar como o braço do Centro Universitário estendido ao setor produtivo, estabelecendo uma rede de relacionamento com empresas, associações representativas de setores industriais, institutos, fundações e órgãos governamentais, por meio de prestação de serviços de rotina (ensaios e análises), projetos tecnológicos, inovação e transferência de tecnologia, promovendo e participando do desenvolvimento econômico e social da comunidade, contribuindo para a implantação de uma tecnologia nacional.

12 Administração G R A D U A Ç Ã O Ciência da Computação Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Engenharia Civil Engenharia de Materiais Engenharia Mecânica Engenharia de Produção Engenharia Química Engenharia Têxtil

13 CENTRO UNIVERSITÁRIO CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CIVIL ELÉTRICA MATERIAIS MECÂNICA PRODUÇÃ ÃO QUÍMICA TÊXTIL

14 CIÊN NCIA DA CO OMPU UTAÇÃ ÃO Inteligência artificial Robótica Engenharia de usabilidade Interação humano- máquina Realidade virtual Engenharia de software Visão computacional Reconhecimento de imagens Realidade aumentada Computação gráfica Simulação por ambientes virtuais

15 CENTRO UNIVERSITÁRIO CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIVIL ELÉTRICA MATERIAIS MECÂNICA PRODUÇÃ ÃO QUÍMICA TÊXTIL

16 ENG GENHA ARIA CIVIL Construção civil predial e de infra-estrutura Otimização de tráfego e transporte público urbano Planejamento de sistemas integrados de transporte de carga e passageiros Análise estrutural e de fundações

17 CENTRO UNIVERSITÁRIO CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIVIL ELÉTRICA MATERIAIS MECÂNICA PRODUÇÃ ÃO QUÍMICA TÊXTIL

18 HARIA A ELÉT TRICA EN NGEN Automação e inteligência i artificial i Robótica Processamento de imagens e visão computacional Dispositivos semicondutores de escala nanométrica Sistemas digitais e microprocessadores Dispositivos para operação em microgravidade Injeção eletrônica Engenharia biomédica Dispositivos eletrônicos integrados

19 CENTRO UNIVERSITÁRIO CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIVIL ELÉTRICA MATERIAIS MECÂNICA PRODUÇÃ ÃO QUÍMICA TÊXTIL

20 AIS TERIA DE MAT ARIA D GENHA ENG Produção, conformação e caracterização de materiais i metálicos, cerâmicos, poliméricos, i compósitos e nanomateriais

21 CENTRO UNIVERSITÁRIO CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIVIL ELÉTRICA MATERIAIS MECÂNICA PRODUÇÃ ÃO QUÍMICA TÊXTIL

22 EN NGENH HARIA A MECÂ ÂNICA Simulação de estruturas Simulação de processos Sistemas energéticos e de controle Sistema de mobilidade (propulsão, energia, dinâmica e controle)

23 CENTRO UNIVERSITÁRIO CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIVIL ELÉTRICA MATERIAIS MECÂNICA PRODUÇÃ ÃO QUÍMICA TÊXTIL

24 ENGENHA ARIA DE PRO ODUÇÃ ÃO Estratégia, organização e gestão de operações Modelagem, otimização e controle de processos Gestão estratégica da inovação e logística

25 CENTRO UNIVERSITÁRIO CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIVIL ELÉTRICA MATERIAIS MECÂNICA PRODUÇÃ ÃO QUÍMICA TÊXTIL

26 ENGEN NHARIA A QUÍM MICA Projeto de equipamentos e instalações para indústria química Combustíveis (análise e produção) Controle e automação de processos Purificação e obtenção de produtos naturais Integração energética

27 CENTRO UNIVERSITÁRIO CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIVIL ELÉTRICA MATERIAIS MECÂNICA PRODUÇÃ ÃO QUÍMICA TÊXTIL

28 XTIL IA TÊX ENGEN NHAR Produção e caracterização dos itens da cadeia têxtil (da matéria prima ao produto acabado), abrangendo fibras, fios, tecidos planos, malhas, não-tecidos e peças confeccionadas

29 LABORATÓRIOS

30 MECÂNICA LAB BORAT TÓRIO OS Soldagem Metalização Motores Metrologia Máquinas operatrizes Resistência dos materiais Mecânica dos fluídos Máquinas hidráulicas Desenvolvimento de veículos Refrigeração e ar condicionado Oficina mecânica

31 LAB BORAT TÓRIO OS METALURGIA E MATERIAIS Ensaios mecânicos Fundição e materiais de moldagem Materialografia Metalurgia do pó Materiais cerâmicos Materiais poliméricos Corrosão Tratamentos térmicos

32 ELÉTRICA LAB BORAT TÓRIO OS Laboratório de eletro eletrônica Laboratório de Mestrado Elétrica Laboratório de telecomunicações PRODUÇÃO Laboratório de simulação CIVIL Laboratório de mecânica dos solos

33 QUÍMICA LAB BORAT TÓRIO OS Química geral Química orgânica Química industrial Combustível Bioquímica Físico/Químico Química analítica TÊXTIL Malharia e confecção Fibras, fios e tecelagem Meias (FEI - DUPONT)

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos LISTA DE DISCIPLINAS DA GRADUAÇÃO

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos LISTA DE DISCIPLINAS DA GRADUAÇÃO A B C Álgebra Linear Álgebra Linear Computacional Álgebra Linear II Algoritmos e Estrutura de Dados I Algoritmos e Estrutura de Dados II Algoritmos em Bioinformática Alteridade e Diversidade no Brasil

Leia mais

CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5629/2015

CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5629/2015 CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5629/2015 1. Controle e Automação Industrial (Instrumentação) Engenharia de Computação Engenharia de Produção Mecânica Engenharia de Sistemas - Modalidade

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br ENGENHARIA MECÂNICA COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br 222 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Mecânico ATUAÇÃO O curso de Engenharia Mecânica da UFV visa fornecer a seus estudantes

Leia mais

CONSTRUÇÃO DOS REFERENCIAIS NACIONAIS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO BACHARELADOS E LICENCIATURAS ENGENHARIAS Convergência de Denominação (De Para)

CONSTRUÇÃO DOS REFERENCIAIS NACIONAIS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO BACHARELADOS E LICENCIATURAS ENGENHARIAS Convergência de Denominação (De Para) CONSTRUÇÃO DOS REFERENCIAIS NACIONAIS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO BACHARELADOS E LICENCIATURAS ENGENHARIAS Convergência de Denominação (De Para) DE (Engenharia Agronômica) (Visão Sistêmica em Agronegócios)

Leia mais

Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos

Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos DISCIPLINA 1º Bimestre Introdução à Engenharia 40 Informática 40 Matemática 80 Produção de Textos 40 2º Bimestre Cálculo I 80 Física I 80 Inglês 20 Metodologia

Leia mais

Curso de Engenharia. Formação Geral 1º e 2º anos

Curso de Engenharia. Formação Geral 1º e 2º anos Curso de Engenharia Formação Geral 1º e 2º anos DISCIPLINA 1º Bimestre Introdução à Engenharia Informática Matemática Produção de Textos 2º Bimestre Cálculo I Física I Inglês Metodologia Científica 3º

Leia mais

BCT001 Inserção na Vida Universitária 40 0 40. BCT002 Leitura e Produção de Texto 1 40 0 40

BCT001 Inserção na Vida Universitária 40 0 40. BCT002 Leitura e Produção de Texto 1 40 0 40 ESTRUTURA CURRICULAR DOS CURSOS O desenho curricular do curso de Engenharia de Energias segue as Diretrizes Gerais da UNILAB, as quais preveem os seguintes Núcleos de Formação nos cursos de graduação:

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv.

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv. 132 ENGENHARIA ELÉTRICA COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 ATUAÇÃO O curso de Elétrica da UFV propõe oferecer a seus estudantes

Leia mais

Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16. Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Administração Pública Introdução à Administração Pública Noções Fundamentais de Direito Ciência

Leia mais

Profa. Adriana de Souza Guimarães Coordenadora do Curso de Engenharia da Computação

Profa. Adriana de Souza Guimarães Coordenadora do Curso de Engenharia da Computação 1º PERÍODO 17/03 Física Geral I 26/05 Física Geral I 18/03 Física Geral I - Dependente 27/05 Física Geral I - Dependente 18/03 Geometria Analítica e Vetores -A 27/05 Geometria Analítica e Vetores -A 19/03

Leia mais

Pré-Requisitos do Curso

Pré-Requisitos do Curso Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Curso de Engenharia de Controle e Automação Pré-Requisitos do Curso 2º Semestre DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS MTM 1020 - Cálculo

Leia mais

Matriz Curricular - Curso: 23 - Engenharia Mecânica Matriz: 35 - Matriz 2 - Engenharia Mecânica

Matriz Curricular - Curso: 23 - Engenharia Mecânica Matriz: 35 - Matriz 2 - Engenharia Mecânica Matriz Curricular - Curso: 23 - Engenharia Mecânica Matriz: 35 - Matriz 2 - Engenharia Mecânica 1 CE61A COMUNICAÇÃO LINGUÍSTICA FORMAÇÃO BÁSICA E CIENTÍFICA 1 DE61A DESENHO TÉCNICO NÚCLEO COMUM 1 EB61A

Leia mais

Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Introdução à Engenharia de Controle e Automação Introdução à Engenharia de Controle e Automação O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DA FACIT Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes

Leia mais

ANEXO DA DECISÃO Nº PL-0573/2010 TABELA DE CONVERGÊNCIA DE TÍTULOS PROFISSIONAIS NÍVEL GRADUAÇÃO

ANEXO DA DECISÃO Nº PL-0573/2010 TABELA DE CONVERGÊNCIA DE TÍTULOS PROFISSIONAIS NÍVEL GRADUAÇÃO ANEXO DA DECISÃO Nº PL-0573/2010 TABELA DE CONVERGÊNCIA DE TÍTULOS PROFISSIONAIS NÍVEL GRADUAÇÃO CONFEA, ANEXA À Engenheiro Construtor Engenheiro Civil 111-02-00 Engenheiro Civil Opção Estradas e Edificações

Leia mais

ANEXO I QUADRO DAS ÁREAS DE ESTUDO. Lotação 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ

ANEXO I QUADRO DAS ÁREAS DE ESTUDO. Lotação 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ Código/Área de Estudo. Desenho Técnico, Desenho Assistido por Computador (CAD), Informática 02. Materiais para Construção Mecânica, Corrosão e Tribologia 03. Termodinâmica, Refrigeração, Transferência

Leia mais

Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC

Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC Profª. Maria do Carmo Oliveira Ribeiro, MSc. Coord. Núcleo de Inovação Tecnológica NIT SENAI-BA

Leia mais

1ª ETAPA - TURMA E e F

1ª ETAPA - TURMA E e F Atualizado em: 20/05/2013 1/7 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I PF 3 CIÊNCIAS DO AMBIENTE PF 3 ÉTICA E CIDADANIA I PF 3 FÍSICA GERAL I PF 3 GEOMETRIA ANALITICA E VETORES PF 3 COMPUTAÇÃO, ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO

Leia mais

ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR Leonardo Bonato Félix leobonato@ufv.br

ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR Leonardo Bonato Félix leobonato@ufv.br ENGENHARIA ELÉTRICA COORDENADOR Leonardo Bonato Félix leobonato@ufv.br 216 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Eletricista ATUAÇÃO O curso de Engenharia Elétrica da UFV oferece a seus estudantes

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 101/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 101/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 101/2015 Dispõe sobre o Programa de Mestrado em Engenharia Mecânica. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº SPG- EM-168/2004, e nos termos da Resolução nº

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO Matriz curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Produção da UFERSA a partir de 2011.2. (Adequada à Matriz curricular do Curso de Bacharelado em Ciência e Tecnologia) Período Disciplinas Obrigatórias

Leia mais

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Mecatrônica

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Mecatrônica Habilitação: Mecatrônica Aviso: Este catálogo é constantemente atualizado pelo Centro Paula Souza para obter informações atualizadas consulte o site: www.cpscetec.com.br/crt Mecatrônica Aplicativos Informatizados

Leia mais

QUADRO DE TITULAÇÃO VERIFIQUE NO QUADRO OS COMPONENTES POSSÍVEIS COM BASE NA SUA TITULAÇÃO ELETRÔNICA INTEGRADO

QUADRO DE TITULAÇÃO VERIFIQUE NO QUADRO OS COMPONENTES POSSÍVEIS COM BASE NA SUA TITULAÇÃO ELETRÔNICA INTEGRADO 1 QUADRO DE TITULAÇÃO VERIFIQUE NO QUADRO OS COMPONENTES POSSÍVEIS COM BASE NA SUA TITULAÇÃO ELETRÔNICA INTEGRADO DISCIPLINAS Dispositivos Semicondutores de Potência (Eletrônica Integrado) GRADUAÇÕES Eletroeletrônica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

Desenho Técnico (P2 - L) 32 h / 34 h . EAD - PUC MINAS VIRTUAL. Física Geral I. Física I (P1 - T) 64 h / 68 h (P2 - T) 60 h.

Desenho Técnico (P2 - L) 32 h / 34 h . EAD - PUC MINAS VIRTUAL. Física Geral I. Física I (P1 - T) 64 h / 68 h (P2 - T) 60 h. CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - PUC CAMPUS POÇOS DE CALDAS INTEGRAÇÃO CURRICULAR TABELA DE EQUIVALÊNCIAS DE DISCIPLINAS 7301/7304 7302/7305/7308 7303 7306/7309 7307/7310 Desenho / 32 h Física I (P1 ) (T):

Leia mais

Requisitos de Titulação para Inscrição no Processo Seletivo de Docentes Aviso 064.03.2013 Processo /2013

Requisitos de Titulação para Inscrição no Processo Seletivo de Docentes Aviso 064.03.2013 Processo /2013 Etec Professor Horácio Augusto da Silveira Requisitos de Titulação para Inscrição no Processo Seletivo de Docentes Aviso 064.03.2013 Processo /2013 Para a Inscrição no Processo Seletivo, é necessário uma

Leia mais

ANEXO III. Domínios e áreas científicas

ANEXO III. Domínios e áreas científicas ANEXO III Domínios e áreas científicas Ciências da Vida e da Saúde Neurociências - Molecular e Celular Neurociências, Envelhecimento e Doenças Degenerativas Imunologia e Infeção Diagnóstico, Terapêutica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - DCT. CURSO: BCT (Disciplinas Obrigatórias)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - DCT. CURSO: BCT (Disciplinas Obrigatórias) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - DCT CURSO: BCT (Disciplinas Obrigatórias) Cálculo em Várias Variáveis FUV ou Calculo I Algoritmos e Estrutura de Dados Lógica de

Leia mais

Calendário de PROVA FINAL - 2º /2011

Calendário de PROVA FINAL - 2º /2011 Dia: 14/12/2011 (QUARTA-FEIRA) Introdução à Metodologia Física Experimental I 2º Período e 2º Período de Engenharia de Produção 2º Período Engenharia Química, 2º Período Engenharia de Controle e Automação,

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

QUADRO DE TITULAÇÃO VERIFIQUE NO QUADRO OS COMPONENTES POSSÍVEIS COM BASE NA SUA TITULAÇÃO ENSINO MÉDIO

QUADRO DE TITULAÇÃO VERIFIQUE NO QUADRO OS COMPONENTES POSSÍVEIS COM BASE NA SUA TITULAÇÃO ENSINO MÉDIO 1 QUADRO DE TITULAÇÃO VERIFIQUE NO QUADRO OS COMPONENTES POSSÍVEIS COM BASE NA SUA TITULAÇÃO ENSINO MÉDIO DISCIPLINAS Artes (Base Nacional Comum) Biologia (Ensino Médio) Matemática (Base Nacional Comum)

Leia mais

CEFET-MG Concurso Público EBTT 2013 AGENDAMENTO DE DATAS DA ETAPA DA PROVA ESCRITA EPE

CEFET-MG Concurso Público EBTT 2013 AGENDAMENTO DE DATAS DA ETAPA DA PROVA ESCRITA EPE CEFET-MG Concurso Público EBTT 23 AGENDAMENTO DE DATAS DA ETAPA DA PROVA ESCRITA EPE De acordo com o item 3.3.1.2 do de Normas Gerais 077/13 de 21 de junho de 23, havendo compatibilidade de cronograma

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

CONSTRUÇÃO DOS REFERENCIAIS NACIONAIS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS E LICENCIATURAS E ENGENHARIAS. Convergência de Denominação (De => Para)

CONSTRUÇÃO DOS REFERENCIAIS NACIONAIS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS E LICENCIATURAS E ENGENHARIAS. Convergência de Denominação (De => Para) CONSTRUÇÃO DOS REFERENCIAIS NACIONAIS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS E LICENCIATURAS E ENGENHARIAS Convergência de Denominação (De => Para) CONSENSO REALIZADO PELO GRUPO DE INSTITUIÇÕES QUE ASSINAM

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ FACULDADE NETWORK CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ 2 semestre de 2013 DIRIGENTES DA INSTITUIÇÃO Reitoria Entidade Mantenedora Profª Tânia Cristina Bassani Cecilio Mestrado: Educação

Leia mais

ÁREA DISCIPLINAR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PROGRAMAÇÃO. Tem sob a sua responsabilidade as seguintes unidades curriculares:

ÁREA DISCIPLINAR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PROGRAMAÇÃO. Tem sob a sua responsabilidade as seguintes unidades curriculares: ÁREA DISCIPLINAR DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PROGRAMAÇÃO e Inteligência Artificial Aplicada a Jogos, com 6 Paradigmas de Programação I, com 9 Paradigmas de Programação II, com 9 Algoritmos e Estrutura de

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Controle e Automação para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-481/2012,

Leia mais

3 0 PERÍODO CARGA HORÁRIA SEMESTRAL CRÉDITOS CARGA HORÁRIA SEMESTRAL CRÉDITOS

3 0 PERÍODO CARGA HORÁRIA SEMESTRAL CRÉDITOS CARGA HORÁRIA SEMESTRAL CRÉDITOS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENADORIA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO ESTRUTURA CURRICULAR DA ENGENHARIA

Leia mais

CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5628/2015

CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5628/2015 CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5628/2015 1. Biologia (Base Nacional Comum Ensino Médio; Automação Industrial Integrado ao Ensino Médio) Biologia (LP) Ciências Biológicas (LP) Ciências

Leia mais

3ª ETAPA - TURMAS Y DIAS 24/09/12 25/09/12 26/09/12 27/09/12 28/09/12 01/10/12 02/10/12 03/10/12 04/10/12 05/10/12

3ª ETAPA - TURMAS Y DIAS 24/09/12 25/09/12 26/09/12 27/09/12 28/09/12 01/10/12 02/10/12 03/10/12 04/10/12 05/10/12 1ª ETAPA - TURMA E CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I PAIE 3 CIÊNCIAS DO AMBIENTE PAIE 3 ÉTICA E CIDADANIA I PAIE 3 FÍSICA GERAL I PAIE 3 GEOMETR ANALITICA E VETORES PAIE 3 COMPUTAÇÃO, ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM NOVAS TECNOLOGIAS: Um desafio constante. (A Mecatrônica como exemplo do estado da arte)

CAPACITAÇÃO EM NOVAS TECNOLOGIAS: Um desafio constante. (A Mecatrônica como exemplo do estado da arte) CAPACITAÇÃO EM NOVAS TECNOLOGIAS: Um desafio constante. (A Mecatrônica como exemplo do estado da arte) SESTINFO-2008 São Bernardo do Campo/março/2008 Áreas da Tecnologia que estão definindo nosso Futuro

Leia mais

APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS

APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC II FPSO Workshop Tecnológico Campinas, 24-25 de abril de 2012 APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS Carlos Daher Padovezi Instituto de Pesquisas

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 NOVEMBRO/2012 1) CURSOS OFERTADOS: Automação Industrial Eletrônica Eletrotécnica* Informática Informática para Internet* Mecânica* Química* Segurança do Trabalho* * Cursos

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO GRUPO DE TRABALHO INTERNO SUAPE GLOBAL - UNICAP Alcivam Paulo de Oliveira (Coordenador de Extensão) Evânia Pincovsky (Coordenadora) Hélio Pereira

Leia mais

Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo

Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina Apresentação da Rede Temática GeDIg, Março de 2008 Sumário

Leia mais

AUXILIAR DOCENTE Atualizado em maio/2011

AUXILIAR DOCENTE Atualizado em maio/2011 AUXILIAR DOCENTE Atualizado em maio/2011 RELAÇÃO DE REQUISITOS MÍNIMOS PARA INGRESSO NO EMPREGO PÚBLICO PERMANENTE DE AUXILIAR DOCENTE I Este documento tem por finalidade apresentar os requisitos de titulação

Leia mais

Áreas do Conhecimento - Engenharias

Áreas do Conhecimento - Engenharias Áreas do Conhecimento - Engenharias Engenharias Engenharia Civil Construção Civil Materiais e Componentes de Construção Processos Construtivos Instalações Prediais Estruturas Estruturas de Concreto Estruturas

Leia mais

Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação

Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação AS INDÚSTRIAS NECESSITAM IN O VAR PARA SEREM MAIS COMPETITIVAS + Educação Tecnologia + Inovação = Competitividade INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA (60) MA Construção

Leia mais

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia Pós-Graduação Stricto Sensu Pós-Graduação Lato Sensu Extensão Graduação Diagnósticos Tecnológicos Soluções de Problemas Empresariais

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA REQUISITOS PARA INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, Nº 065/09/2015 de 19/10/2015.

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

CATÁLOGO AUXILIAR DOCENTE

CATÁLOGO AUXILIAR DOCENTE CATÁLOGO DE AUXILIAR DOCENTE Atualizado em Novembro/2015 RELAÇÃO DE REQUISITOS MÍNIMOS PARA INGRESSO NO EMPREGO PÚBLICO PERMANENTE DE AUXILIAR DOCENTE I Este documento tem por finalidade apresentar os

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval Automação Industrial Indústria O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando na execução de projetos,

Leia mais

SENAI Paraná Alimentos e Bebidas. Eng. Ma. Amanda Peregrine Primo Coordenação Alimentos e Bebidas SENAI Toledo

SENAI Paraná Alimentos e Bebidas. Eng. Ma. Amanda Peregrine Primo Coordenação Alimentos e Bebidas SENAI Toledo SENAI Paraná Alimentos e Bebidas Eng. Ma. Amanda Peregrine Primo Coordenação Alimentos e Bebidas SENAI Toledo Áreas de atuação Automação Alimentos e Bebidas Celulose e Papel Gestão Mineração / Minerais

Leia mais

ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS Agricultura Sustentável Agrimensura Agroecologia Agroindústria Agroindústria - Alimentos Agroindústria - Madeira Agronegócio

Leia mais

Regulamento de Transição do Mestrado Integrado em Engenharia de Materiais

Regulamento de Transição do Mestrado Integrado em Engenharia de Materiais Regulamento de Transição do Mestrado Integrado em Engenharia de O presente documento estabelece as regras para a transição dos estudantes do Mestrado Integrado em Engenharia de do plano de estudos em vigor

Leia mais

Segen F. Estefen Diretor de Tecnologia e Inovação Caminhos para a Inovação Painel Mecanismos de Financiamento Senado Federal, Brasília, 14 de junho

Segen F. Estefen Diretor de Tecnologia e Inovação Caminhos para a Inovação Painel Mecanismos de Financiamento Senado Federal, Brasília, 14 de junho Segen F. Estefen Diretor de Tecnologia e Inovação Caminhos para a Inovação Painel Mecanismos de Financiamento Senado Federal, Brasília, 14 de junho de 2012 UFRJ Ilha da Cidade Universitária Campus da Universidade

Leia mais

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O documento que serviu de base para a análise a seguir é o denominado "Diretrizes Curriculares

Leia mais

EDITAL ÁREA DO CONCURSO RECURSOS DIDÁTICOS DISPONÍVEIS SOFTWARES INSTALADOS NO COMPUTADOR. Mineração: Tratamento de Minérios

EDITAL ÁREA DO CONCURSO RECURSOS DIDÁTICOS DISPONÍVEIS SOFTWARES INSTALADOS NO COMPUTADOR. Mineração: Tratamento de Minérios CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DIVISÃO DE SELEÇÃO E CONCURSO Concurso Público Ensino Básico Técnico e Tecnológico (Edital de Normas Gerais 77/13, de 21 de junho de 2013) ETAPA DA

Leia mais

Departamento de Enfermagem Básica (1 vaga) Processo nº 23071.004115/2009-81

Departamento de Enfermagem Básica (1 vaga) Processo nº 23071.004115/2009-81 Períodos de inscrições: no sítio http://www.concurso.ufjf.br a) Primeiro período: das 09h do dia 11/05/2009 até as 14h do dia 29/05/2009; b) Segundo período: das 09h do dia 22/06/2009 até as 14h do dia

Leia mais

SUAPE GLOBAL GT 4. Atividades de Ensino e de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Setor Metal Mecânico em Pernambuco

SUAPE GLOBAL GT 4. Atividades de Ensino e de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Setor Metal Mecânico em Pernambuco SUAPE GLOBAL GT 4 Atividades de Ensino e de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Setor Metal Mecânico em Pernambuco Instituição: Universidade Católica de Pernambuco Agenda Proposta para o Primeiro Semestre

Leia mais

Novo Modelo de apoio à Inovação. Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico

Novo Modelo de apoio à Inovação. Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico Novo Modelo de apoio à Inovação Alvaro J Abackerli alvaro.abackerli@embrapii.org.br Coordenação de Acompanhamento Técnico Objetivos do Sistema EMBRAPII Contribuir para: Aumento do investimento privado

Leia mais

FACULDADE DO SUL DA BAHIA 1º SEMESTRE DE 2014. PROVA FINAL PERÍODO DE APLICAÇÃO 07/07 segunda-feira 09/07 quarta-feira 10/07 quinta-feira

FACULDADE DO SUL DA BAHIA 1º SEMESTRE DE 2014. PROVA FINAL PERÍODO DE APLICAÇÃO 07/07 segunda-feira 09/07 quarta-feira 10/07 quinta-feira FACULDADE DO SUL DA BAHIA SEMESTRE DE 2014 PROVA FINAL PERÍODO DE APLICAÇÃO segunda-feira quarta-feira quinta-feira Horário 1ª AULA 18:50 às 20:30 2ª AULA 20:50 às 22:30 OBS.: NÃO HÁ SEGUNDA CHAMADA DE

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ FACULDADE NETWORK CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ 1 semestre de 2015 DIRIGENTES DA INSTITUIÇÃO Reitoria Entidade Mantenedora Profª Tânia Cristina Bassani Cecilio Mestrado: Educação

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. COORDENADOR Luciano José Minette minetti@ufv.br

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. COORDENADOR Luciano José Minette minetti@ufv.br ENGENHARIA DE PRODUÇÃO COORDENADOR Luciano José Minette minetti@ufv.br 210 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro de Produção ATUAÇÃO O Curso de Engenharia de Produção da UFV visa preparar profissionais

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA

HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA 1º A 2016 Noturno Central 1S/2016 Introdução à Engenharia de Controle à Automação Lógica e Matemática Discreta Física Geral Física Geral Fundamentos de Cálculo Lógica e Matemática Discreta Algoritmos e

Leia mais

ENSINO SUPERIOR DIPLOMADOS ATENÇÃO: É INDISPENSÁVEL A LEITURA DAS INSTRUÇÕES ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO IMPRESSO

ENSINO SUPERIOR DIPLOMADOS ATENÇÃO: É INDISPENSÁVEL A LEITURA DAS INSTRUÇÕES ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO IMPRESSO 6. Grau: MESTRADO - 2º CICLO 7. Curso: Engenharia de Electrónica e Telecomunicações 6 3 5 7 8. Ramo: Área de especialização: Electrónica 9. Duração do curso: 3 semestres letivos 23 anos 0 0 24 anos 1 1

Leia mais

Listagem de UC por curso. Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Listagem de UC por curso. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Listagem de UC por curso Semestre * 2013-14 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Administração Pública Direito Administrativo Contabilidade Financeira Introdução aos Estudos das Organizações Fundamentos

Leia mais

9º SEMESTRE Crédito / Semestre 0 Horas / Semana 20

9º SEMESTRE Crédito / Semestre 0 Horas / Semana 20 Curso: 185140 Currículo: 2009-1 Engenharia de Produção Área: Matemática, Ciências Físicas e Tecnologia Habilitação: Base Legal: PARECER DA CEG 640/08 DE 16/08/2008. Turno: Noturno Duração em anos: Mínima

Leia mais

CORPO DOCENTE DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL ANO 2015

CORPO DOCENTE DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL ANO 2015 CORPO DOCENTE DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL ANO 2015 Anderson José Costa Sena (Mestre) Regime de Trabalho: Tempo Integral Qualificação Profissional: Engenharia Elétrica Doutorando

Leia mais

Planos de Curso de Engenharia Têxtil e de Engenharia de Produção Têxtil, a serem ministrados pela Faculdade de Engenharia Industrial(FEI).

Planos de Curso de Engenharia Têxtil e de Engenharia de Produção Têxtil, a serem ministrados pela Faculdade de Engenharia Industrial(FEI). FACULDADES DE CIÊNCIAS APLICADAS SP 1 Planos de Curso de Engenharia Têxtil e de Engenharia de Produção Têxtil, a serem ministrados pela Faculdade de Engenharia Industrial(FEI). HEITOR GURGULINO DE SOUZA

Leia mais

Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Soluções tecnológicas

Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Soluções tecnológicas Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Soluções tecnológicas O que é Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. Uma das primeiras instituições de P&D&I aplicados

Leia mais

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Diagramas que descrevem o contexto, objetivos e participantes dos projetos 1 Tecnólogo em Manutenção Industrial Missão: Formar tecnólogos de nível superior

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA REQUISITOS PARA INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, Nº 065/08/2015 de 19/10/2015.

Leia mais

Motivação e Aplicações em C&T

Motivação e Aplicações em C&T Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Motivação e Aplicações em C&T Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

1.2. Ramo de especialização: Automação Industrial Créditos (ECTS)

1.2. Ramo de especialização: Automação Industrial Créditos (ECTS) 1. Áreas científicas e créditos para a obtenção do grau: 1.1. Ramo de especialização: Eletrónica e Instrumentação Área Científica Sigla (ECTS) Obrigatórios Optativos (1) Matemática Mat 36 0 Física Fis

Leia mais

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO Mercados dinâmicos demandam profissionais com formação completa e abrangente, aptos a liderarem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

SENAI. Historia Criado em 1942, para apoiar o lançamento da indústria brasileira. Necessidade de mão-de-obra qualificada.

SENAI. Historia Criado em 1942, para apoiar o lançamento da indústria brasileira. Necessidade de mão-de-obra qualificada. SENAI Missão Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. Historia Criado

Leia mais

ANEXO I - DOS CARGOS, DA FORMAÇÃO E DA HABILITAÇÃO

ANEXO I - DOS CARGOS, DA FORMAÇÃO E DA HABILITAÇÃO ANEXO I - DOS CARGOS, DA FORMAÇÃO E DA HABILITAÇÃO Administração/Logística Psicologia das Relações Humanas; Liderança e Gestão de Equipes; Professor de Psicologia Doutorado em Psicologia Enfermagem Segurança

Leia mais

ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL

ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL Universidade d de Coimbra A Universidade nº 1 dos países de expressão portuguesa (World University Rankings, The Times Higher Education Supplement e QS QuacquarelliSymonds) É a universidade portuguesa

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE ENGENHARIA AERONÁUTICA Carga Horária Mínima: 3600 h PERFIL DO EGRESSO

REFERENCIAL DO CURSO DE ENGENHARIA AERONÁUTICA Carga Horária Mínima: 3600 h PERFIL DO EGRESSO REFERENCIAL DO CURSO DE ENGENHARIA AERONÁUTICA O Engenheiro Aeronáutico é um profissional de formação generalista, que atua no projeto e na manutenção de aeronaves e no gerenciamento de atividades aeroespaciais

Leia mais

Prof. Dr. Reinaldo Gonçalves Nogueira Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação Diretor

Prof. Dr. Reinaldo Gonçalves Nogueira Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação Diretor À PROGRAD: Prof.ª Sandramara Matias Chaves Goiânia, 22 de Novembro de 2013 Em reunião no dia 22 de Novembro de 2013, o Conselho Diretor da EMC, aprovou a alteração do Anexo 1 da Resolução CEPEC 765/2005,

Leia mais

Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil

Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil 1º Semestre 1. Cálculo Diferencial e Integral I 2. Desenho Básico 3. Física I 4. Laboratório de Física I 1º Básica 5. Química Geral 6. Introdução a Engenharia

Leia mais

MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a

MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a 2014 MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. São 165 unidades

Leia mais

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 Aprovado no CONGRAD 25.08.2015 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/2 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 I NÚCLEO DE CONTEÚDOS BÁSICOS Matemática

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ FACULDADE NETWORK CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ 2 semestre de 2015 DIRIGENTES DA INSTITUIÇÃO Reitoria Entidade Mantenedora Profª Tânia Cristina Bassani Cecilio Mestrado: Educação

Leia mais

Projeto. Proposta de novo texto para o termo Engenharia de Controle e. Autoria: Estudantes do primeiro período do curso de Eng Ctrl Aut da

Projeto. Proposta de novo texto para o termo Engenharia de Controle e. Autoria: Estudantes do primeiro período do curso de Eng Ctrl Aut da Projeto Proposta de novo texto para o termo Engenharia de Controle e ( pt ) Automação na Wikipédia Autoria: Estudantes do primeiro período do curso de Eng Ctrl Aut da ( 2009 UFLA (II Professores: Roberto

Leia mais

Curso de Graduação em Engenharia de Controle e Automação

Curso de Graduação em Engenharia de Controle e Automação UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas Curso de Graduação em Engenharia de Controle e Automação Prof. Max Hering de Queiroz Coordenador de Curso Agenda 1.

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério Educação Secretaria Educação Profissional e Tecnológica Instituto Feral Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Gran do Sul CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS - EDITAL nº 011/2013 ANEXO I -

Leia mais

NOVA ESTRUTURA CURRICULAR DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO DEPES TABELA DE EQUIVALÊNCIA ANO BASE 2007/ REF. 2006

NOVA ESTRUTURA CURRICULAR DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO DEPES TABELA DE EQUIVALÊNCIA ANO BASE 2007/ REF. 2006 NOVA ESTRUTURA CURRICULAR DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO DEPES TABELA DE EQUIVALÊNCIA ANO BASE 2007/ REF. 2006 TABELA CORRIGIDA EM 19 DE NOVEMBRO DE 2010 DEPARTAMENTO DE ELETRICIDADE DISCIPLINAS OFERECIDAS

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

Escola Técnica Estadual Professor Basilides de Godoy

Escola Técnica Estadual Professor Basilides de Godoy Escola Técnica Estadual Professor Basilides de Godoy - São Paulo AVISO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL

Leia mais

Reconhecimento de graus académicos - pares instituições PT/BR - Universidade dos Açores

Reconhecimento de graus académicos - pares instituições PT/BR - Universidade dos Açores Reconhecimento de graus académicos - pares instituições PT/BR - Universidade dos Açores posterior à implementação do Universidade dos Açores Engenharia Agronómica UFMT Engenharia agrícola e ambiental Universidade

Leia mais

ENGENHARIA AUTOMOTIVA. Universidade Federal de Santa Catarina Campus Joinville Centro de Engenharias da Mobilidade

ENGENHARIA AUTOMOTIVA. Universidade Federal de Santa Catarina Campus Joinville Centro de Engenharias da Mobilidade ENGENHARIA AUTOMOTIVA CONTEXTO No âmbito do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais REUNI -, o Governo Federal implantou o campus de Joinville da Universidade

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Universidade de Cuiabá CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal

Leia mais

Estrutura Curricular do Curso de Administração

Estrutura Curricular do Curso de Administração Estrutura Curricular do Curso de Administração Administração - Bacharelado Duração : 8 semestres 1º semestre Comportamento Organizacional 60 Negociação 60 Comunicação Empresarial 60 Ética, Política e Sociedade

Leia mais