Memória Técnica de Reunião com Camex, Mapa e SRF * Fiscalização das embalagens de madeira - alteração de procedimentos *

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Memória Técnica de Reunião com Camex, Mapa e SRF * Fiscalização das embalagens de madeira - alteração de procedimentos *"

Transcrição

1 1 Memória Técnica de Reunião com Camex, Mapa e SRF * Fiscalização das embalagens de madeira - alteração de procedimentos * Data: 10/02/2009, Brasília Órgãos apresentadores: - Aloísio Tupinambá Gomes Neto, Assessor Especial da CAMEX. - Oscar de Aguiar Rosa Filho, Coordenador Geral do VIGIAGRO. - Juracy Secretaria da Receita Federal - Alexandre - GTFAC CAMEX - Francisco Secretaria de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento - Carlos Franz Departamento de Sanidade Vegetal Coordenador de fiscalização do transito de vegetais Entidades: - Associação Brasileira das Empresas de Tratamento Fitossanitário e Quarentenário ABRAFIT - Associação Brasileira de Terminais e Recintos Alfandegados ABTRA - Associação Nacional das Empresas Permissionárias de Portos Secos ANPS - Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul FIERGS - Federação Nacional dos Despachantes Aduaneiros FEADUANEIROS - Sindicato dos Despachantes Aduaneiros de São Paulo SINDASP - Sindicato dos Despachantes Aduaneiros do Rio Grande do Sul SDAERGS - Sindicato dos Despachantes Aduaneiros dos Estados do Paraná e Santa Catarina SDAPRSC - Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores SINDIPEÇAS SÍNTESE: Linha Azul do MAPA para embalagens. O MAPA e a RFB estão trabalhando junto ao SERPRO no sentido de se construir uma "Linha Azul sanitária e fitossanitária para as empresas que se comprometam em importar mercadorias que não contenham embalagens de madeira bruta ou em desconformidade com a NIMF nº 15/FAO. Informação no Siscomex Carga de forma a indicar à fiscalização federal agropecuária, o tipo de embalagem que acondiciona a mercadoria. Com base nos critérios de risco (tipo de embalagem, origem, mercadoria, CNPJ, etc.) a fiscalização definirá as partidas que serão posicionadas para a inspeção. Procedimento Especial Embalagem de Madeira. Importadores sem histórico de desconformidades que se comprometam a não utilizar madeira bruta nas embalagens e suportes se habilitarão a procedimento simplificado de fiscalização. O procedimento será auditado regularmente, nas importações e no destino. Trânsito Aduaneiro. Mercadorias não agropecuárias ou de baixo risco fitozoossanitário, quando acondicionadas em containeres fechados e sob controle aduaneiro da RFB terão autorização automática para trânsito aduaneiro, simplificando os procedimentos no ponto de ingresso. A fiscalização será realizada no recinto alfandegado de destino. Regulamentação do Rechaço. Partidas em desconformidade com o regulamento sobre embalagem de madeira serão sumariamente rechaçadas à origem. Medida de longo prazo.

2 2 CONSIDERAÇÕES: 1ª Apresentação: Aloísio Tupinambá Gomes Neto, Assessor Especial da CAMEX. Contato: (61) / O aumento das importações contribuiu para o incremento da produção, dos investimentos e da competitividade do país. Ou seja, para a ampliação da produtividade e do fluxo do comércio. Algumas medidas implementadas pela CAMEX: Trânsito Aduaneiro. Dispensa da ANVISA de anuência em trânsito aduaneiro para todas as mercadorias que não sejam perecíveis ou necessitem de armazenamento especial e não constem em lista específica de trânsito proibido; LI s Instantâneas. Concluído o desenvolvimento da ferramenta no SISCOMEX pelo SERPRO que permitirá a utilização de filtros e critérios de seleção de operações, a serem definidos e gerenciados pelos próprios órgãos anuentes, para a emissão de LIs instantâneas pelo próprio sistema. IBAMA e MAPA estão em fase de homologação final do sistema. O mecanismo, depois de homologado, estará apto a entrar em produção e será alimentado com os critérios definidos pelos próprios órgãos anuentes. Anexação de Documentos Eletrônicos no SISCOMEX. Concluído o desenvolvimento do sistema pelo SERPRO, atualmente em fase de homologação. Relatórios gerenciais. O SERPRO desenvolveu a plataforma DW para a geração de relatórios e de consultas de LI s aos órgãos anuentes. O sistema é de grande importância para a gestão da emissão de LIs, bem como para a definição de ações estratégicas na fiscalização de empresas. Portaria RFB nº 689/2008 que colocou à disposição, na internet, a "consulta pública externa, que possibilitará à sociedade conhecer e oferecer sugestões às propostas de alterações da legislação aduaneira, antes da sua entrada em vigor. Algumas medidas em implementação pela CAMEX: Linha Azul do MAPA para embalagens. O MAPA e a RFB estão trabalhando junto ao SERPRO no sentido de se construir uma "Linha Azul sanitária e fitossanitária para as empresas que se comprometam em importar mercadorias que não contenham embalagens de madeira bruta ou em desconformidade com a NIMF nº 15 da FAO. Levantamento do número de funcionários e horários de atendimento nas zonas primárias brasileiras. O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, parceiro da CAMEX na coordenação dos trabalhos relativos aos aspectos de identificação de carências, harmonização de horários, capacitação, dentre outras, concluiu levantamento inicial, em nível nacional, nas zonas primárias. Objetivo: identificar e avaliar as oportunidades de aperfeiçoamento nas rotinas de atendimento e as necessidades de recursos humanos nessas áreas. O trabalho está sendo apurado e harmonizado pelos órgãos anuentes em zonas primárias, inclusive com horários de plantão oferecidos em cada ponto. Demandas de Capacitação de Recursos Humanos. Enviados questionários de necessidades e demandas a todos os órgãos anuentes. MP e ABDI estão em fase de consolidação do material recebido que servirá para a construção de um Plano Nacional de Capacitação de Servidores Públicos em Comércio Exterior.

3 3 Revisão, Harmonização e Simplificação dos Processos em Zonas Primárias. A ABDI contratará, de forma a dar suporte aos trabalhos do MP e da CAMEX, consultoria especializada para elaborar um Plano Nacional de Harmonização de Horários e de Rotinas em Zonas Primárias. O Termo de Referência já foi devidamente concluído para dar seguimento à contratação. Criação da LI retificadora. O DECEX e o SERPRO trabalham em conjunto para desenvolver a LI retificadora que permitirá alterações nas LIs sem que haja a geração de uma LI substitutiva. A medida simplificará consideravelmente a revisão documental dos órgãos anuentes, permitindo melhor gestão de pessoal e celeridade nas anuências. 2ª Apresentação: Carlos Franz, Engenheiro Agrônomo, Secretaria de Defesa Agropecuária, Departamento de Sanidade Vegetal/DSA Coordenador de fiscalização do trânsito de vegetais. Em 2008 do Brasil registrou notificações a países que não cumpriram a NIMF 15/FAO. Algumas empresas brasileiras estão incluindo a NIMF 15 em cláusula contratual. 80% das empresas utilizam embalagem de madeira, em algum momento. 3ª Apresentação: Oscar de Aguiar Rosa Filho, Fiscal Federal Agropecuário, Coordenador Geral do Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional VIGIAGRO. Contato: (61) / Objetivo: Aprimorar a fiscalização das importações que contenham embalagem ou suportes de madeira, com agilidade e segurança. Pré-requisitos Importadores: Envios com embalagens/suporte devidamente tratados e certificados; Substituição de embalagens/suportes de madeira bruta; Informações corretas em tempo hábil. Transportadores: Informações corretas em tempo hábil. MAPA: Pessoal habilitado e procedimentos claros. Recintos alfandegados: Disponibilização ágil dos containeres para inspeção; Infra-estrutura para tratamento/destruição. Medidas em andamento: Informação no Siscomex Carga O responsável pelo registro da importação no Siscomex apresentará a informação, conforme tabela, de forma a indicar à fiscalização federal agropecuária, o tipo de embalagem que acondiciona a mercadoria. A fiscalização, com base nos critérios de risco (tipo de embalagem, origem, mercadoria, CNPJ, etc.) definirá as partidas que serão posicionadas para a inspeção.

4 4 Procedimento Especial Embalagem de Madeira Importadores sem histórico de desconformidades que se comprometam a não utilizar madeira bruta nas embalagens e suportes se habilitarão a procedimento simplificado de fiscalização. O procedimento será auditado regularmente, nas importações e no destino. Trânsito Aduaneiro Mercadorias não agropecuárias ou de baixo risco fitozoossanitário, quando acondicionadas em containeres fechados e sob controle aduaneiro da RFB terão autorização automática para trânsito aduaneiro, simplificando os procedimentos no ponto de ingresso. A fiscalização será realizada no recinto alfandegado de destino. Regulamentação do Rechaço Partidas em desconformidade com o regulamento sobre embalagem de madeira serão sumariamente rechaçadas à origem. - informação incorreta; - marcação da madeira ilegível ou ausente; - indícios de pragas nas embalagens; - presença de casca na madeira das embalagens; - entre outras. 4ª Apresentação: Juracy Secretaria da Receita Federal do Brasil O Siscarga já possui um campo para embalagem de madeira, que será incrementado e alimentado, obrigatoriamente, pelo transportador. Discussão de possíveis melhorias na tabela do Siscarga, onde foi incluído detalhamento: material de madeira bruta não tratada; tratada conforme NIMF 15 ou não é de madeira bruta. É possível encaminhar sugestões de alteração da tabela: 01 AMARRADO/ATADO/FEIXE 02 BARRICA DE FERRO 03 BARRICA DE FIBRA DE VIDRO 06 BARRICA DE OUTROS MATERIAIS 04 BARRICA DE PAPELAO 05 BARRICA DE PLASTICO 66 BAU DE MADEIRA BRUTA NIMF 15 FAO 64 BAU DE MADEIRA BRUTA NÃO TRATADA 07 BAU DE MADEIRA NÃO BRUTA 08 BAU DE METAL 09 BAU DE OUTROS MATERIAIS 10 BIG BAG 11 BLOCO 12 BOBINA 13 BOMBONA 14 BOTIJAO 15 CAIXA CORRUGADA 16 CAIXA DE ISOPOR 68 CAIXA DE MADEIRA BRUTA NIMF 15 FAO 67 CAIXA DE MADEIRA BRUTA NÃO TRATADA 17 CAIXA DE MADEIRA NÃO BRUTA 18 CAIXA DE METAL 21 CAIXA DE OUTROS MATERIAIS 19 CAIXA DE PAPELAO 20 CAIXA DE PLASTICO 22 CANUDO 23 CARRETEL 24 CILINDRO 25 CINTADO 70 ENGRADADO DE MADEIRA NIMF 15 FAO 69 ENGRADADO DE MADEIRA BRUTA NÃO TRATADA 26 ENGRADADO DE MADEIRA NÃO BRUTA 28 ENGRADADO DE OUTROS MATERIAIS 27 ENGRADADO DE PLASTICO 29 ENVELOPE 30 ESTOJO 71 ESTRADO DE MADEIRA BRUTA NÃO TRATADA 72 ESTRADO DE MADEIRA BRUTA NIMF 15 FAO 31 ESTRADO DE MADEIRA NÃO BRUTA 73 ESTRADO DE OUTROS MATERIAIS 32 FARDO 33 FRASCO 34 GALAO DE METAL 36 GALAO DE OUTROS MATERIAIS 35 GALAO DE PLASTICO 37 GRANEL

5 5 38 LATA 39 MALA 74 MALETA DE MADEIRA BRUTA NÃO TRATADA 40 MALETA DE MADEIRA NÃO BRUTA 75 MALETA DE OUTROS MATERIAIS 77 OUTRAS EMBALAGENS C/ MADEIRA BRUTA NIMF OUTRAS EMBALAGENS C/ SUPORTE MADEIRA BRUTA NIMF 15 FAO 78 OUTRAS EMBALAGENS COM MADEIRA BRUTA NÃO TRATADA 99 OUTROS 41 PACOTE 61 PALLETS DE MADEIRA BRUTA NÃO TRATADA 60 PALLETS DE MADEIRA BRUTA NIMF 15 FAO 63 PALLETS DE MADEIRA NÃO BRUTA 62 PALLETS DE OUTROS MATERIAIS 42 PECA 43 QUARTOLA 44 ROLO 45 SACA 46 SACO DE ANIAGEM 47 SACO DE COURO 48 SACO DE LONA 49 SACO DE NYLON 53 SACO DE OUTROS MATERIAIS 50 SACO DE PAPEL 51 SACO DE PAPELAO 52 SACO DE PLASTICO 54 SACOLA 55 SAN BAG 56 TAMBOR DE METAL 59 TAMBOR DE OUTROS MATERIAIS 57 TAMBOR DE PAPELAO 58 TAMBOR DE PLASTICO Calendário de ações: Fevereiro/Março publicação da norma conjunta (RFB e MAPA) instituindo o prazo inicial para uso obrigatório da Tabela; 60 dias após publicação da norma conjunta início da exigência de uso da tabela; Abril/Maio Elaboração e assinatura do convênio entre RFB/MAPA; Abril/Maio Construção de função específica de consulta aos servidores do MAPA no Siscomex Carga; Maio/Junho Disponibilização da função de consulta aos servidores do MAPA.

Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva

Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva ALOÍSIO TUPINAMBÁ GOMES NETO Assessor Especial 10 de fevereiro de 2009 Brasília - DF Câmara de Comércio Exterior - CAMEX O papel da CAMEX é coordenar esforços

Leia mais

V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR A CAMEX e a Facilitação de Comércio V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA 27 de novembro de 2009, Manaus - AM ALEXANDRE

Leia mais

a) Requerimento para fiscalização de produtos agropecuários (FORMULÁRIO V);

a) Requerimento para fiscalização de produtos agropecuários (FORMULÁRIO V); MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 49, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

A CAMEX e a Facilitação de Comércio

A CAMEX e a Facilitação de Comércio CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A CAMEX e a Facilitação de Comércio Ministério das Comunicações 18 de novembro 2009, São Paulo SP. MARIA FÁTIMA B. ARRAES DE OLIVEIRA Assessora Especial

Leia mais

VI FIAM FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA 26 A 29/10/2011 A AMAZÔNIA E SUAS FRONTEIRAS NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR

VI FIAM FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA 26 A 29/10/2011 A AMAZÔNIA E SUAS FRONTEIRAS NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR VI FIAM FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA 26 A 29/10/2011 A AMAZÔNIA E SUAS FRONTEIRAS NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR VIGILÂNCIA AGROPECUÁRIA INTERNACIONAL VIGIAGRO SECRETARIA

Leia mais

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes 25 de setembro de 2009 Instituto Aliança Procomex - SP LYTHA SPÍNDOLA Secretária-Executiva

Leia mais

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997.

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 16 DE MAIO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e

SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e derivados da uva e do vinho, o estabelecimento deve possuir

Leia mais

Aduana Brasileira. Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011

Aduana Brasileira. Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011 Aduana Brasileira Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011 Exportação de Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos - REEE EUA exportam

Leia mais

OBJETIVO DEFINIÇÕES. Para os efeitos deste Manual, define-se como: I MAPA: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;

OBJETIVO DEFINIÇÕES. Para os efeitos deste Manual, define-se como: I MAPA: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; OBJETIVO O sistema SIGVIG instituído pelo MAPA destina-se a atender a necessidade de gerenciamento e controle do recebimento, envio e fiscalização das mercadorias importadas e exportadas através dos portos,

Leia mais

Flavio Augusto Trevisan Scorza Coordenador-Geral de Normas e Facilitação de Comércio Departamento de Normas e Competitividade no Comércio Exterior

Flavio Augusto Trevisan Scorza Coordenador-Geral de Normas e Facilitação de Comércio Departamento de Normas e Competitividade no Comércio Exterior CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA POR REGULAMENTO TÉCNICO DO Flavio Augusto Trevisan Scorza Coordenador-Geral de Normas e Facilitação de Comércio Departamento de Normas e Competitividade no Comércio Exterior Secretaria

Leia mais

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Roteiro Básico Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 1º Passo Efetuar contatos com fornecedor (exportador). 2º Passo Formalizar as negociações com fornecedor (exportador). 3º Passo Negociar a condição de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO I NORMA TÉCNICA PARA A UTILIZAÇÃO DA PERMISSÃO DE TRÂNSITO DE VEGETAIS - PTV CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO DA PTV Seção I Da Exigência e do Uso da PTV Art. 1 o A Permissão de Trânsito de Vegetais - PTV

Leia mais

Controle Aduaneiro das Medidas de Defesa Comercial

Controle Aduaneiro das Medidas de Defesa Comercial Controle Aduaneiro das Medidas de Defesa Comercial Oswaldo Moraes 26.09.2013 AGENDA I. Instrumentos de Controle Aduaneiro Licenciamento Não Automático Regras de Origem Não Preferencial Controle e Investigação

Leia mais

Facilitações para o Comércio Exterior

Facilitações para o Comércio Exterior EXPORTAÇÕES POR ENVIOS POSTAIS Facilitações para o Comércio Exterior São Paulo 18 de novembro de 2009 José Barroso Tostes Neto Coordenação Geral de Administração Aduaneira FACILITAÇÕES PARA O COMÉRCIO

Leia mais

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes Página 1 de 5 19/7/2015 Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN 20/7/2010 Desenvolver trabalhos e de ações de capacitação no âmbito científico, acadêmico e técnico de interesse comum às suas

Leia mais

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Os produtos vegetais, seus subprodutos

Leia mais

Facilitação do Comércio Exterior. Encontro Nacional de Comércio Exterior Enaex 2013

Facilitação do Comércio Exterior. Encontro Nacional de Comércio Exterior Enaex 2013 Facilitação do Comércio Exterior Encontro Nacional de Comércio Exterior Enaex 2013 8,5 milhões de km2 16.886 Km de Fronteiras terrestres 7.367 Km de Orla Marítima 197 milhões de habitantes PIB de 2,39

Leia mais

DESPACHOS ADUANEIROS. Suprindo a necessidade cada vez mais exigente e dinâmica do Comercio Exterior.

DESPACHOS ADUANEIROS. Suprindo a necessidade cada vez mais exigente e dinâmica do Comercio Exterior. DESPACHOS ADUANEIROS Suprindo a necessidade cada vez mais exigente e dinâmica do Comercio Exterior. EMPRESA Nosso objetivo é personalizar o atendimento para cada empresa, dando-as exclusividade com células

Leia mais

Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística

Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística Receita Federal Procedimentos Aduaneiros Competitivos Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística 1 Mapa Geográfico de Serviços Aduaneiros 8,5 milhões de km² 16.886 km de fronteira terrestre 7.367 km

Leia mais

5º A emissão de CFOC se dará quando da certificação em unidade centralizadora.

5º A emissão de CFOC se dará quando da certificação em unidade centralizadora. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 13 DE MARÇO DE 2000 Revogado(a) pelo(a) Instrução Normativa nº 38/2006/MAPA O SECRETÁRIO DE DEFESA

Leia mais

Operador Econômico Autorizado - OEA

Operador Econômico Autorizado - OEA Operador Econômico Autorizado - OEA 26.08.15 Operador Econômico Autorizado - OEA Agenda 00:00 Quem Somos O que é OEA? Benefícios Fases de Implementação Requisitos Projeto Piloto - Fase 1 01:30 Fase 2 OEA

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no

Leia mais

DESPACHO ADUANEIRO (RECEITA FEDERAL DO BRASIL) Prof. Moacir Rodrigues

DESPACHO ADUANEIRO (RECEITA FEDERAL DO BRASIL) Prof. Moacir Rodrigues DESPACHO ADUANEIRO (RECEITA FEDERAL DO BRASIL) Prof. Moacir Rodrigues DESPACHO ADUANEIRO Procedimento Fiscal por intermédio do qual o exportador desembaraça a mercadoria para o exterior (Faro, 2007). É

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. TEMÁRIO: 1 Portaria nº. 322, de 2 de setembro de 2014 Publicação: D.O.U. do dia 03/09/14 - Seção 1. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 322,

Leia mais

ANEXO I PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS I - A INSTRUÇÃO NORMATIVA EMERGENCIAL DA SDA

ANEXO I PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS I - A INSTRUÇÃO NORMATIVA EMERGENCIAL DA SDA ANEXO I PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS I - A INSTRUÇÃO NORMATIVA EMERGENCIAL DA SDA Esta Instrução Normativa estabelece, EM CARÁTER EMERGENCIAL, os procedimentos a serem adotados pela Fiscalização Federal

Leia mais

Melhoria do Ambiente de Negócios

Melhoria do Ambiente de Negócios Melhoria do Ambiente de Negócios 1 Medidas adotadas APRIMORAMENTO DO SISCOMEX IMPORTAÇÃO Plataforma Web Melhorias e novas funcionalidades SISCOMEX EXPORTAÇÃO CARGA Melhorias em funcionalidades Mudança

Leia mais

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 37, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006 (Revogada pela IN 54, de 04/Dez/2007) O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET BRASIL ABRIL de 2015 Matriz Cultural do Mercado O Brasil é grande consumidor de produtos gourmet, porém existe logicamente um processo seletivo destes

Leia mais

Controle de Resíduos GT Revisão Resolução CONAMA 05/93

Controle de Resíduos GT Revisão Resolução CONAMA 05/93 Controle de Resíduos GT Revisão Resolução CONAMA 05/93 Oscar de Aguiar Rosa Filho Fiscal Federal Agropecuário Vigilância Agropecuária Internacional Secretaria de Defesa Agropecuária A agropecuária no Brasil:

Leia mais

Despachante Aduaneiro - Seu parceiro nas atividades de Comércio Exterior.

Despachante Aduaneiro - Seu parceiro nas atividades de Comércio Exterior. SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS DE SÃO PAULO Despachante Aduaneiro - Seu parceiro nas atividades de Comércio Exterior. SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS DE SÃO PAULO MISSÃO EMPRESARIAL DO PORTO

Leia mais

1. Ambiente Jurídico - Investimento e Inovação 4. 2. Como surgiu a metodologia 7. 3. Características Principais 9. 4. Esquema Metodológico 14

1. Ambiente Jurídico - Investimento e Inovação 4. 2. Como surgiu a metodologia 7. 3. Características Principais 9. 4. Esquema Metodológico 14 Manual de Gestão Sumário pag: 1. Ambiente Jurídico - Investimento e Inovação 4 2. Como surgiu a metodologia 7 3. Características Principais 9 4. Esquema Metodológico 14 5. O Exemplo do Comércio Exterior

Leia mais

II SEMANA INTEGRADA DE CURSOS CFO/CFOC

II SEMANA INTEGRADA DE CURSOS CFO/CFOC II SEMANA INTEGRADA DE CURSOS CFO/CFOC 29/06/15 A 03/07/15 CENTRO DE DIFUSÃO DE TECNOLOGIA IAPAR LONDRINA-PR CFO/CFOC CURSO PARA HABILITAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PARA EMISSÃO DE CFO/CFO FDA Juliano

Leia mais

Formação de Analista em Comércio Exterior

Formação de Analista em Comércio Exterior Formação de Analista em Comércio Exterior com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para exercer a profissão de Analista de Comércio Exterior e trabalhar com a análise das operações, planejamento,

Leia mais

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR. Coordenação

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR. Coordenação PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR Coordenação 1 Instituído pelo Decreto nº 660, de 25 de setembro de 1992: O SISCOMEX é o instrumento administrativo que integra as atividades de registro, acompanhamento

Leia mais

O Comércio Exterior. a Receita Federal do Brasil. Itajaí, 18 de fevereiro de 2011

O Comércio Exterior. a Receita Federal do Brasil. Itajaí, 18 de fevereiro de 2011 O Comércio Exterior & Itajaí, 18 de fevereiro de 2011 Contexto A RFB é o órgão responsável pela administração e controle aduaneiro no País. Missão Institucional: Arrecadaçãod ã dos tib tributost sobre

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIADE EMBALAGENS E SUPORTES DE MADEIRA UTILIZADOSNO COMÉRCIO INTERNACIONAL CAPÍTULO I

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIADE EMBALAGENS E SUPORTES DE MADEIRA UTILIZADOSNO COMÉRCIO INTERNACIONAL CAPÍTULO I ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIADE EMBALAGENS E SUPORTES DE MADEIRA UTILIZADOSNO COMÉRCIO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DA MARCA IPPC, DA AUTORIZAÇÃO E DAS EXIGÊNCIAS PARA O SEU

Leia mais

ADUANA FRAUDE EM IMPORTAÇÃO 1 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

ADUANA FRAUDE EM IMPORTAÇÃO 1 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ADUANA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL APRESENTAÇÃO: DANIEL BEZERRA DOS SANTOS AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL FRAUDE EM IMPORTAÇÃO 1 OBJETIVO Abordar, de forma sucinta, as atividades

Leia mais

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Tratamento Administrativo na Importação São Paulo, 19 de agosto de 2013 Controle Administrativo Definição e Aspectos Gerais Controle Administrativo

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR Portal Único de Comércio Exterior Programa Portal Único de Comércio Exterior É uma iniciativa de redesenho dos processos de trabalho e de desenvolvimento e integração

Leia mais

FAQ - PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

FAQ - PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. Como o despachante será informado sobre o bloqueio da carga para inspeção fitossanitária pelo MAPA? R. Caberá ao recinto alfandegado informar o bloqueio da carga, ficando a cargo do recinto a melhor

Leia mais

1.1. Consulta à lista de mercadorias sujeitas à vigilância sanitária. 1.2.3. Como saber o código de assunto. 1.2.4. Como saber a lista de documentos

1.1. Consulta à lista de mercadorias sujeitas à vigilância sanitária. 1.2.3. Como saber o código de assunto. 1.2.4. Como saber a lista de documentos Atualizado: 15 / 0 7 / 2013 FAQ AI 1. Importação informações Gerais 1.1. Consulta à lista de mercadorias sujeitas à vigilância sanitária 1.2. AFE para prestação de serviço em PAF 1.2.1. Quem precisa 1.2.2.

Leia mais

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS 1 LEGISLAÇÃO Portaria SECEX Nº 23/11 - Tratamento Administrativo Portaria DECEX nº 08/91 - Material Usado Decreto nº 6.759/09

Leia mais

I N F O R M E A P P S. DATA: 04/04/2006 N o.: 441/06 ANEXO I

I N F O R M E A P P S. DATA: 04/04/2006 N o.: 441/06 ANEXO I ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA DISCIPLINAR A UTILIZAÇÃO DO CERTIFICADO FITOSSANITÁRIO E DO CERTIFICADO FITOSSANITÁRIO DE REEXPORTAÇÃO CAPÍTULO I DA DISPONIBILIZAÇÃO DO CERTIFICADO FITOSSANITÁRIO E CERTIFICADO

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

PROJETO EXPORTAR BRASIL

PROJETO EXPORTAR BRASIL CNPJ: 10692.348/0001-40 PROJETO EXPORTAR BRASIL Apresentação da GS Educacional A GS Educacional faz parte de um grupo que trabalha há vários anos com cursos e serviços na área de comércio exterior e vem

Leia mais

Ato Declaratório Executivo Conjunto nº 1 de 28.01.2005

Ato Declaratório Executivo Conjunto nº 1 de 28.01.2005 COORDENADORES-GERAIS DO SISTEMA ADUANEIRO E DE TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - COANA/COTEC Ato Declaratório Executivo Conjunto nº 1 de 28.01.2005 Estabelece procedimentos para a avaliação de funcionamento

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA DISCIPLINAR A CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE EMBALAGENS E SUPORTES DE MADEIRA UTILIZADAS NO TRÂNSITO INTERNACIONAL

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA DISCIPLINAR A CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE EMBALAGENS E SUPORTES DE MADEIRA UTILIZADAS NO TRÂNSITO INTERNACIONAL ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA DISCIPLINAR A CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE EMBALAGENS E SUPORTES DE MADEIRA UTILIZADAS NO TRÂNSITO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. As embalagens

Leia mais

PROTOCOLO DE MONTREAL. CONTROLE DAS SUBSTÂNCIAS QUE DESTROEM A CAMADA DE OZÔNIO - SDOs IBAMA

PROTOCOLO DE MONTREAL. CONTROLE DAS SUBSTÂNCIAS QUE DESTROEM A CAMADA DE OZÔNIO - SDOs IBAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA PROTOCOLO DE MONTREAL CONTROLE DAS SUBSTÂNCIAS QUE DESTROEM A CAMADA DE OZÔNIO - SDOs IBAMA

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex Prof.Nelson Guerra Órgãos acima + Ministério das Relações Exteriores. Conheça cada um deles CAMEX: Objetiva a formulação, adoção, implementação

Leia mais

SOLUÇÕES LOGÍSTICAS MODERNAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR

SOLUÇÕES LOGÍSTICAS MODERNAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR SOLUÇÕES LOGÍSTICAS MODERNAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR 1 Maio de 2010 São Paulo (SP) LOGÍSTICA INTERNACIONAL Idéia inicial limitada a transporte: Local de Produção Local de Consumo

Leia mais

1ª Consulta sobre Temas de Comércio Exterior Equipe de Assuntos de Comércio Exterior Junho 2012

1ª Consulta sobre Temas de Comércio Exterior Equipe de Assuntos de Comércio Exterior Junho 2012 Equipe de Assuntos de Comércio Exterior Junho 2012 Questionário enviado aos associados em 21/03/2012 Consolidação dos resultados e apresentação à Comissão de Comércio Exterior em 24/05/2012 Apresentação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, o SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA No- 2, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2015

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA No- 2, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2015 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA No- 2, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2015 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

PREÇOS X CUSTOS CUSTO PREÇO. t C TEMPO. Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio)

PREÇOS X CUSTOS CUSTO PREÇO. t C TEMPO. Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio) $ PREÇOS X CUSTOS Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio) CUSTO PREÇO Sobrevivência das empresas depende de redução de custos t C TEMPO

Leia mais

Audiência PúblicaP Projeto de Lei da Câmara nº n 27/2008. Senado Federal CAE - CCJ - CREDN

Audiência PúblicaP Projeto de Lei da Câmara nº n 27/2008. Senado Federal CAE - CCJ - CREDN Audiência PúblicaP Projeto de Lei da Câmara nº n 27/2008 Senado Federal CAE - CCJ - CREDN Maio - 2008 Missão da Receita Federal do Brasil Prover o Estado de recursos para garantir o bem-estar social Prestar

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE V SEMINÁRIO BRASILEIRO DA BATATA 21 DE OUTUBRO 2010 UBERLÂNDIA - MG SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS

Leia mais

Importação de Produtos para Saúde

Importação de Produtos para Saúde Importação de Produtos para Saúde Gerência de Inspeção de Produtos e Autorização de Empresas em Portos, Aeroportos Fronteiras e Recintos Alfandegados GIPAF Mônica Cristina A. F. Duarte Organograma - ANVISA

Leia mais

ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX).

ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX). Aula 12 ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX). Segundo LOPES VASQUES (2007) as políticas de regulamentação, normatização e execução

Leia mais

NIEx. 30º AgroEx Manaus. 26 de novembro de 2009

NIEx. 30º AgroEx Manaus. 26 de novembro de 2009 NIEx NÚCLEO DE INTEGRAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO Caminhos para Exportar 30º AgroEx Manaus 26 de novembro de 2009 FASES DO PROCESSO EXPORTADOR Fase Mercadológica Fase Comercial Fase Administrativa Fase Aduaneira

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

DESPACHO ADUANEIRO DE EXPORTAÇÃO Modificações Recentes na IN-SRF nº 28/1994

DESPACHO ADUANEIRO DE EXPORTAÇÃO Modificações Recentes na IN-SRF nº 28/1994 DESPACHO ADUANEIRO DE EXPORTAÇÃO Modificações Recentes na IN-SRF nº 28/1994 Colaboração: Domingos de Torre 11.11.2013 A IN-SRF nº 28, de 1994 (DOU-1 de 28.04.94), Disciplina o despacho aduaneiro de mercadorias

Leia mais

A NOTA FISCAL ELETRÔNICA: um breve histórico

A NOTA FISCAL ELETRÔNICA: um breve histórico 1 A NOTA FISCAL ELETRÔNICA: um breve histórico Nota Fiscal eletrônica - NF-e é um modelo de documento fiscal, de existência apenas digital cuja validade jurídica é garantida pela assinatura digital, que

Leia mais

Vigilância Agropecuária Internacional em Aeroportos

Vigilância Agropecuária Internacional em Aeroportos Vigilância Agropecuária Internacional em Aeroportos Fiscalização de embalagens e suportes de madeira MV André Guaragna Marcondes Mestre e Doutor Epidemiologia e Zoonoses (FMVZ/USP) Fiscal Federal Agropecuário

Leia mais

Ata da reunião do Grupo de Trabalho 1- Cargas Câmara Setorial de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegado.

Ata da reunião do Grupo de Trabalho 1- Cargas Câmara Setorial de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegado. Ata da reunião do Grupo de Trabalho 1- Cargas Câmara Setorial de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegado. Data: 26 de abril de 2007 das 09:30hs às 17:00hs Local: Sede ABIMED Av. Irai, 79

Leia mais

2º A tara será cadastrada em quilogramas como unidade de medida.

2º A tara será cadastrada em quilogramas como unidade de medida. Inspetoria da Receita Federal do Brasil em Corumbá/MS PORTARIA IRF/COR Nº 050/2015, de 27 de Regulamenta o Cadastramento Inicial e Atualização da Tara dos veículos de transporte de cargas no Porto Seco

Leia mais

Importação Passo a Passo

Importação Passo a Passo 1º Passo Defina o que quer importar Importação Passo a Passo O mercado internacional, principalmente a China, apresenta uma ampla oportunidade de produtos para se importar. Antes de iniciar sua operação

Leia mais

14. 15. 16. 17. 18. 19. 20. 21. 22. 23. 24. 25. O

14. 15. 16. 17. 18. 19. 20. 21. 22. 23. 24. 25. O ÍNDICE 1. Como proceder para realizar uma importação? 2. Para importar um produto, sempre há necessidade de licenciamento? 3. Como verificar se determinada importação requer ou não licenciamento? 4. Existe

Leia mais

Caminhos para Exportar

Caminhos para Exportar NIEx NÚCLEO DE INTEGRAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO Caminhos para Exportar 33º AgroEx Marco-CE ADILSON OLIVEIRA FARIAS Assessor técnico JULIANA CAETANO JALES Assistente técnico FASES DO PROCESSO EXPORTADOR Fase

Leia mais

SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA

SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA Henrique César Pereira Figueiredo Professor da Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais Coordenador-Geral

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 1, DE 22 JANEIRO DE 2008 Dispõe sobre a Vigilância Sanitária na

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 1, DE 22 JANEIRO DE 2008 Dispõe sobre a Vigilância Sanitária na AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 1, DE 22 JANEIRO DE 2008 Dispõe sobre a Vigilância Sanitária na Importação e Exportação de material de qualquer natureza,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1670/2015

PROJETO DE LEI Nº 1670/2015 Dia 01 de outubro, 2015 TRANSPORTE AÉREO: RAPIDEZ E PREVISIBILIDADE Transporte Aéreo vs Outros - Mundo Volume Outros 0,5% Volume Aéreo 99,5% Valor Outros Valor Aéreo 35% 65% Ref: Transporte Mundial 2014Fonte:

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

DRY PORT SÃO PAULO S.A. Bonded Warehouse and Logistics Solutions INSTITUCIONAL

DRY PORT SÃO PAULO S.A. Bonded Warehouse and Logistics Solutions INSTITUCIONAL Dry Port São Paulo Porto Seco e Soluções Logísticas Dados da empresa: Fundado em: 1971 e 1991 alfandegado; Funcionários: 140. Estrutura: 40.000 m2 de alfândega e 200.000m2 pátio automotivo. Clientes Ativos:

Leia mais

Certificado de Origem

Certificado de Origem Mercadores Certificado de Origem Coletânea (Versão Histórica) Versão 2.00 - Maio de 2010 Atualizada até: Instrução Normativa RFB nº 777, de 19 de outubro de 2007 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com www.mercadores.com.br

Leia mais

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS Providências básicas para iniciar atividades no comércio exterior Ser registrado no RADAR Registro de Exportadores e importadores na Receita Federal;

Leia mais

INGRESSO DE DESPACHANTES ADUANEIROS EM LOCAIS ALFANDEGADOS. PRERROGATIVA QUE EMANA DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E DAS LEIS

INGRESSO DE DESPACHANTES ADUANEIROS EM LOCAIS ALFANDEGADOS. PRERROGATIVA QUE EMANA DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E DAS LEIS INGRESSO DE DESPACHANTES ADUANEIROS EM LOCAIS ALFANDEGADOS. PRERROGATIVA QUE EMANA DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E DAS LEIS Domingos de Torre 17/01/2013. COMÉRCIO EXTERIOR. DIREITO ADUANEIRO BRASILEIRO. DO EXERCÍCIO

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02)

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02) RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 (D.O.U. de 19/12/02) Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Técnico para a Autorização de Funcionamento de empresas interessadas em prestar serviços

Leia mais

II - Anexo II - Certificado Fitossanitário de Reexportação (Phytosanitary Certificate For Re-export);

II - Anexo II - Certificado Fitossanitário de Reexportação (Phytosanitary Certificate For Re-export); MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 29, DE 25 DE JULHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS QUE AFETAM A SAÚDE HUMANA MECANISMOS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS QUE AFETAM A SAÚDE HUMANA

ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS QUE AFETAM A SAÚDE HUMANA MECANISMOS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS QUE AFETAM A SAÚDE HUMANA FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS QUE AFETAM A SAÚDE HUMANA MECANISMOS DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS QUE AFETAM A SAÚDE HUMANA Espécie Exótica Invasora - EEI Espécies

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011)

INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011) Seminário 09 A AMAZÔNIA E SUAS FRONTEIRAS NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011) Objetivo: Em consonância com a Política Externa do Governo Federal de Integração

Leia mais

REUNIÃO CCT N.º 273 16.07.2013

REUNIÃO CCT N.º 273 16.07.2013 REUNIÃO CCT N.º 273 16.07.2013 Movimentação de Cargas TECA-GRU Movimentação de Cargas TECA-GRU Movimentação de Cargas TECA-GRU Movimentação de Cargas TECA-GRU Movimentação de Cargas TECA-GRU TECA-24h (GRU

Leia mais

Despachante Aduaneiro - Seu parceiro nas atividades de Comércio Exterior.

Despachante Aduaneiro - Seu parceiro nas atividades de Comércio Exterior. SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS DE SÃO PAULO Despachante Aduaneiro - Seu parceiro nas atividades de Comércio Exterior. FEDERAÇÃO NACIONAL DOS DESPACHANTES ADUANEIROS O Perfil profissional do Despachante

Leia mais

SISCOMEX DRAWBACK ISENÇÃO WEB

SISCOMEX DRAWBACK ISENÇÃO WEB MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR DEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR SISCOMEX DRAWBACK ISENÇÃO WEB RAFAEL ARRUDA DE CASTRO Coordenador-Geral

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL

CERTIFICAÇÃO DIGITAL CERTIFICAÇÃO DIGITAL LADO BOM Conecta milhões de pessoas pelo mundo Uso diversificado Conforto e agilidade Internet LADO RUIM Risco aos usuários Ataque de hackers Falsificação de documentos Incerteza quanto

Leia mais

Ata da Reunião da Câmara Setorial de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados da Anvisa

Ata da Reunião da Câmara Setorial de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados da Anvisa Ata da Reunião da Câmara Setorial de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados da Anvisa Em reunião realizada aos 12 dias do mês de julho de 2011, no Hotel Mercure Lider, estiveram presentes

Leia mais

SÍNTESE DAS ATAS DE REUNIÕES DAS CÂMARAS SETORIAIS INDUSTRIAIS E DOS CONSATS - MARÇO DE 2011 - www.ideies.org.br

SÍNTESE DAS ATAS DE REUNIÕES DAS CÂMARAS SETORIAIS INDUSTRIAIS E DOS CONSATS - MARÇO DE 2011 - www.ideies.org.br SÍNTESE DAS ATAS DE REUNIÕES DAS CÂMARAS SETORIAIS INDUSTRIAIS E DOS CONSATS - MARÇO DE 2011 - www.ideies.org.br Vitória/ES Sistema Findes Prezado (a) Diretor (a), Segue síntese das reuniões das Câmaras

Leia mais

Portaria da Secretaria de Comércio Exterior SECEX n. 36, de 22 de novembro de 2007. (publicada no DOU de 26/11/2007)

Portaria da Secretaria de Comércio Exterior SECEX n. 36, de 22 de novembro de 2007. (publicada no DOU de 26/11/2007) Portaria da Secretaria de Comércio Exterior SECEX n. 36, de 22 de novembro de 2007. (publicada no DOU de 26/11/2007) O SECRETÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

Sumário PARTE 1: Programa Brasileiro de OEA PARTE 2: Fase 2 OEA Conformidade Benefícios Critérios Projeto Piloto Próximos Passos

Sumário PARTE 1: Programa Brasileiro de OEA PARTE 2: Fase 2 OEA Conformidade Benefícios Critérios Projeto Piloto Próximos Passos Sumário PARTE 1: Programa Brasileiro de OEA PARTE 2: Fase 2 OEA Conformidade Benefícios Critérios Projeto Piloto Próximos Passos Vídeo Institucional do Programa OEA Modelo do Programa Brasileiro de OEA

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico Resoluções e Normativas Federais GTT - Náutico Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) -Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009. Regulamento Aduaneiro (art. 26 ao 30; art.

Leia mais

Brasil Avances y lecciones aprendidas: la Ventanilla Única de Comercio Exterior de Brasil y su interoperabilidad en la cadena logística

Brasil Avances y lecciones aprendidas: la Ventanilla Única de Comercio Exterior de Brasil y su interoperabilidad en la cadena logística Brasil Avances y lecciones aprendidas: la Ventanilla Única de Comercio Exterior de Brasil y su interoperabilidad en la cadena logística Adriana de Azevedo Silva Cámara de Comercio Exterior (CAMEX) de Brasil

Leia mais

REALIZAÇÃO Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia - IDARON. PERÍODO 05 a 09 de outubro de 2015

REALIZAÇÃO Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia - IDARON. PERÍODO 05 a 09 de outubro de 2015 OBJETIVO Capacitar e habilitar Engenheiros Agrônomos ou Florestais, em suas respectivas áreas de competência profissional, para emissão de Certificado Fitossanitário de Origem (CFO) e Certificado Fitossanitário

Leia mais

BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO

BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO 1 ORIGEM problemas - ISPS Code CFRB, art.37, inciso XVII: A Administração Fazendária e seus servidores fiscais terão, dentro de suas áreas de competência e jurisdição,

Leia mais