PROCESSAMENTO ASSÉPTICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSAMENTO ASSÉPTICO"

Transcrição

1 Curso de Nutrição ALM024- Processamento de Alimentos PRINCÍPIOS DE PROCESSAMENTO TÉRMICO Comparação entre processos de esterilização ESTERILIZAÇÃO CONVENCIONAL EM AUTOCLAVES (APERTIZAÇÃO) (PROCESSO NÃO ASSÉPTICO) PROCESSO ASSÉPTICO PROCESSAMENTO ASSÉPTICO Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano 2011 Esterilização UHT do produto Transferência asséptica Esterilização do material de embalagem Esterilização do ambiente durante o envase Envase do produto em recipientes herméticos DESAFIO DO PROCESSO TÉRMICO: ATINGIR O LIMITE DA FRONTEIRA VANTAGENS DO UHT OBTENÇÃO DE PRODUTOS DE ALTA QUALIDADE: os valores de D e z dos fatores de qualidade são maiores do que os dos microrganismos a redução do tempo de processamento devido à temperatura mais elevada e o tempo mínimo de permanência em temperaturas altas resulta em produtos de maior qualidade VIDA DE PRATELEIRA PROLONGADA: maior do que 6 meses, sem refrigeração

2 VANTAGENS DO UHT -2 TAMANHO DA EMBALAGEM: as condições de processamento são independentes do tamanho do envase o que permite envasar grandes recipientes para instituições ou vender para fabricantes de alimentos EMBALAGENS MAIS BARATAS: o custo das embalagens, da estocagem e transporte são menores, permite o uso de rótulos extensos DESVANTAGENS DO UHT ESTERILIDADE: são necessários equipamentos e instalações complexas para manter a esterilidade entre o processamento e o envase (materiais de embalagem, tubulações, tanques, bombas) Exige operadores mais treinados A esterilidade deve ser mantida durante o envase asséptico TAMANHO DE PARTÍCULA: em produtos com partículas de tamanho maiores existe o perigo de sobre-aquecimento de superfícies, bem como a necessidade de transportar o material ambos limitam o tamanho de partículas DESVANTAGENS DO UHT-2 EQUIPAMENTOS: há escassez de equipamentos para a esterilização de particulados, principalmente devido à sedimentação dos sólidos sobreprocessamento QUALIDADE DE ARMAZENAMENTO: lipases ou proteases termoestáveis podem provocar deterioração do sabor e da consistência. No caso do leite: gelação do leite com o tempo e sabor de cozido mais pronunciado no leite longa vida produto é aquecido, resfriado e transportado sob condições estéreis aos recipientes previamente esterilizados, que são então hermeticamente fechados Tanto o tratamento térmico quanto o envase do alimento devem ser realizados em ausência de microrganismos, incluindo os esporos viáveis Utilizam-se temperaturas da ordem de 140 o C a 175 o C por 2 a 4 segundos processo se baseia na esterilização do produto, do recipiente e do ambiente de processamento Permite que os alimentos esterilizados a granel ou por lotes sejam introduzidos em recipientes estéreis em condições assépticas O tratamento de alimentos por ultratemperaturas em curtos períodos de tempo garante a obtenção de produtos de melhor qualidade Permite também o emprego de sistemas de embalagem que não podem ser tratadas em condições severas. Os sistemas de embalagem para envase asséptico incluem desde os recipientes metálicos tradicionais, recipientes rígidos e semi-rígidos à base de termoplásticos e associações destes. O processo exige altos investimentos em equipamentos, instalações, e metodologias operacionais, sendo comumente aplicado a alguns produtos como leite, produtos de tomate, sucos, entre outros.

3 Método aplicável para processamento térmico de alimentos com vazão com mais baixo custo e menor tempo. APLICAÇÕES: É utilizado para alimentos líquidos e semilíquidos (leite, sopas, cremes, purês, etc). Os sistemas assépticos podem ser divididos em três etapas distintas: Esterilização do produto: visa eliminar ou inativar enzimas e microrganismos, incluindo seus esporos As zonas estéreis do sistema de esterilização do produto (tubo de retenção e equipamentos seguintes ao tubo de retenção) Esterilização do sistema de embalagem Esterilização do sistema de envase asséptico PROCESSO UHT (Ultra High Temperature) Existem dois métodos principais de tratamento UHT: Aquecimento direto Aquecimento indireto A principal vantagem do processo direto é que o produto é mantido em temperaturas mais elevadas por um tempo menor. Para produtos mais sensíveis ao calor isto significa menos dano Equipamentos A esterilização comercial é efetuada em trocadores de calor adaptados às características do alimento posteriormente o produto é resfriado e em seguida, transferido para os recipientes previamente esterilizados Alimentos pouco viscosos são esterilizados: Diretamente por sistemas de injeção de vapor Indiretamente por trocadores de calor em espiral ou placa (aquecidos internamente com vapor) Alimentos muito viscosos são esterilizados: Diretamente por sistemas de infusão no vapor Indiretamente por trocadores de calor de superfície raspada Processos de aquecimento: direto e indireto Processos indiretos: o aquecimento é feito mediante trocadores de calor (tubulares ou de placa); não há contato entre fluido calefator (vapor de água e alimento) Processos diretos: Aquecimento direto: significa que o meio transferidor de calor é misturado com o produto. São usados sistemas de injeção de vapor e de infusão de vapor consistem na injeção de vapor d água no alimento (método de injeção) ou na injeção do alimento em vapor d água (método de difusão). Nesse tipo de processo, há contato íntimo entre o agente calefator e o alimento, e o aquecimento é praticamente instantâneo, passando de 85 o C a 140 o C em décimos de segundos.

4 AQUECIMENTO DIRETO x INDIRETO Equipamentos de troca de calor EQUIPAMENTOS PARA Os equipamentos empregados no processamento asséptico apresentam em sua constituição: Sistema de aquecimento e resfriamento do produto; Regulador do fluxo do produto Dispositivos de enchimento e fechamento do envase Equipamento acessório de embalagem Sistema de injeção de vapor consistem na injeção de vapor de água no alimento Este processo causa uma diluição, aproximadamente, de 10% no volume do produto com o vapor condensado. A diluição é compensada, durante o resfriamento, onde o produto quente é borrifado, dentro de uma câmara de vácuo, para promover sua evaporação Sistemas de injeção e infusão de vapor SISTEMA DE INJEÇÃO DE VAPOR Vapor de alta pressão é injetado em líquido préaquecido por um injetor de vapor o que acarreta um aumento rápido da temperatura. Após o tempo de permanência, o produto é rapidamente resfriado em vácuo para remover o equivalente de água correspondente à quantidade de vapor condensado. Este método permite um aquecimento e um resfriamento muito rápido e a remoção de voláteis porém não é adequado para alguns produtos. Usa intensivamente a energia e porque o produto fica em contato com o equipamento quente pode ocorrer danos ao sabor

5 TROCADORES DE CALOR POR INJEÇÃO DE VAPOR Injeção de vapor Vantagens deste sistema são: É um dos sistemas de aquecimento e de resfriamento mais rápidos, resultando mais adequado para alimentos termosensíveis Em alguns tipos de alimentos promove a eliminação de substâncias voláteis (por exemplo para o leite). Desvantagens: É adequado apenas para produtos viscosos Os parâmetros térmicos durante o tratamento são de difícil controle A manutenção da esterilidade nas partes de baixa pressão é difícil As instalações exigem o uso de vapor sanitário produzido a partir de água potável, que é mais caro A recuperação de energia é de apenas 50%, muito baixa quando comparada aos valores de 90% obtidas nas instalações indiretas São instalações pouco flexíveis difíceis de serem adaptadas ao tratamento de distintos produtos. TROCADORES POR INFUSÃO DE VAPOR: O produto a ser aquecido é alimentado pela parte superior do trocador e cai em forma de película A viscosidade do produto determina o tamanho dos difusores a serem instalados. Quando o vapor entra em contato com o alimento a transferência de calor é muito rápida e eficiente, a temperatura aumenta rapidamente devido à condensação de vapor. O produto quente junto com o vapor condensado sai pelo fundo da câmara, neste ponto é retida uma determinada quantidade de líquido até alcançar o ponto de cozimento desejado. TROCADORES POR INFUSÃO DE VAPOR: A diferença de temperatura entre a entrada e a saída do produto pode variar amplamente:, de valores pequenos como 5,5 o C na desodorização do leite (76,7 82,2 oc) ou tão elevada como 96,7 oc na esterilização de pudins antes do envasamento asséptico A água adicionada ao alimento durante o processamento, devido à condensação do vapor pode ser eliminada mediante evaporação flash em um sistema de resfriamento a vácuo. São usados para a esterilização ou cocção de : verduras em cubos, pedaços de carne ou arroz, concentrados de sopa, chocolate, queijo, mix para sorvetes, pudins, cremes de confeitaria, leite, etc. Vantagens: Aquecimento instantâneo e resfriamento rápido Não ocorre superaquecimento ou queima Adequado para produtos de baixa e de elevada viscosidade Sistema de infusão de vapor O produto líquido é bombeado por meio de um bocal distribuidor em uma câmara com vapor de alta pressão. O sistema é caracterizado por um grande volume de vapor e um pequeno volume de produto, distribuído em uma grande área superficial do produto. A temperatura do produto é precisamente controlada por meio da pressão Um tempo adicional de retenção pode ser conseguido pelo uso de trocadores de calor de placas ou tubulares, seguida por um resfriamento rápido em uma câmara de vácuo.

6 SISTEMAS DE AQUECIMENTO INDIRETO O meio de aquecimento e o produto não entram em contato direto sendo separadas pelas superfícies de do equipamento São usados os seguintes trocadores de calor Placas ( plate ) Tubulares ( tubular ) Superfície raspada ( scraped surface ) TROCADORES DE CALOR INDIRETOS Trocadores de superfície raspada Trocador de placas Trocador tubular Trocador de superfície raspada Trocador de superfície raspada Trocadores de tubo e carcaça Trocadores tubulares

7 Sistema de Aquecimento indireto Linhas limitantes para destruição de esporos e efeitos sobre o leite UHT direto LINHAS BÁSICAS DE ENVASE ASSÉPTICO Existem 5 tipos básicos de conduzir o envase asséptico: Perfil de temperatura dos processos UHT direto (superior) e indireto (inferior) UHT indireto 1. Encher e selar: recipientes pré-formados de plástico termoformado, vidro ou metal são esterilizados, enchidos em ambiente asséptico e selados 2. Moldar, encher e selar: os rolos do material são esterilizados, moldados em ambiente asséptico, selados Ex: tetrapak 3. Montar, encher e selar: embalagens pré-formadas (desmontadas) são montadas, esterilizadas, enchidas e seladas. Ex: caixas triangulares ( gable-top cartons ), cambri-bloc 4. Termoformar (moldar com aquecimento) rolos do material esterilizados, encher, selar assepticamente. Ex: produtos cremosos, embalagens plásticas de sopa. 5. Soprar (blow) o molde, encher e selar EMBALAGENS USADAS NO PROCESSAMENTO UHT Latas Laminados de papelão/plástico/folha metálica/laminados plásticos Bolsas flexíveis Recipientes plásticos termomoldados Recipientes moldados por enchimento ( flow molded containers ) bag-in-box bulk totes Embalagens usadas no Processamento Asséptico 1. levanter a aba 2. espremer 3. rasgar 4. derramar

8 Acondicionamento asséptico com formação da embalagem laminada 1. O rolo de papel laminado (polietileno/papelão/polietileno/alumí nio/polietileno) entra no sistema 2. É esterilizado a 80 o C por um banho de peróxido de hidrogênio a 17% durante 8 10 s, eliminando-se os restos de H 2 O 2 com uma corrente de ar estéril 3. O rolo entra em uma câmara asséptica esterilizada com ar quente 4. A tubulação 4 procedente do esterilizador UHT, chega a esta câmara onde a embalagem é moldada e recebe o volume adequado de alimento 5. A embalagem é fechada a quente e depois cortada com guilhotinas transversais Embalagens tetrapack São feitas de três materiais básicos, cada um com uma função específica: papel (75%): confere rigidez polietileno (20%): impermeabilidade e barreira aos microrganismos folha de alumínio (5%): isolar o alimento do ar, luz, e dos off-flavours - EMBALAGEM TETRA-PACK EMBALAGEM TETRA-PACK AQUECIMENTO DO PRODUTO TUBO DE AQUECIMENTO TANQUE DE ARMAZENAMENTO ASSÉPTICO RESFRIAMENTO DO PRODUTO TANQUE DE SUPRIMENTO DE PRODUTO ESTERILIZAÇÃO DE EMBALAGEM

9 Esterilizar antes ou depois do enchimento (envase)?? Esterilização após o envase Apertização É mais simples é o processamento térmico mais antigo Esterilização antes da embalagem Processamento asséptico Acarreta menores danos aos alimentos Exige o envase asséptico LEITE UHT: Leite Longa Vida Ultrapasteurização ºC durante 2 a 4 segundos resfriamento à temperatura inferior a 32 ºC. Envase em embalagens assépticas Armazenagem à temperatura ambiente FLUXOGRAMA DA ESTERILIZAÇÃO DO LEITE PRODUÇÃO DE SUCO DE LARANJA UHT Seleção Lavagem por imersão Obtenção do suco PRODUÇÃO DE SUCO DE LARANJA UHT

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR Prof. ª Elessandra da Rosa Zavareze elessandrad@yahoo.com.br 1 Estratégias para controlar os agentes de alteração dos alimentos 2 Conhecimento dos seguintes fatores:

Leia mais

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Trocadores de calor Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Os fluidos podem ser ambos fluidos de processo

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

Processamento de leite UHT

Processamento de leite UHT Processamento de leite UHT O leite foi desde os tempos mais remotos um alimento de eleição para os povos. Contudo, apesar de nutritivo era muito sensível e deteriorava-se depressa, pelo que não tinha poder

Leia mais

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO Curso de Farmácia Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO 1 Introdução A destilação como opção de um processo unitário de separação, vem sendo utilizado pela humanidade

Leia mais

Aula 23 Trocadores de Calor

Aula 23 Trocadores de Calor Aula 23 Trocadores de Calor UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Definição: Trocadores de Calor Os equipamentos usados para implementar

Leia mais

Professora Vanessa Bernardelli

Professora Vanessa Bernardelli Tecnologia de Alimentos Professora Vanessa Bernardelli Esterilização UHT/UAT do Creme de Leite André Luis Cruz Fernanda Cabral Roncato Natália Chiapetta Tarcísio Henrique Zabarelli Thaisa Mendonça PRODUTO

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

Energia Solar Térmica. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014

Energia Solar Térmica. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Energia Solar Térmica Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Componentes de Sistemas Solares Térmicos Energia Solar Térmica - 2014

Leia mais

Capítulo 3 - Métodos de Conservação de Alimentos: Uso de Calor

Capítulo 3 - Métodos de Conservação de Alimentos: Uso de Calor 30 Capítulo 3 - Métodos de Conservação de Alimentos: Uso de Calor O suprimento de alimentos para humanidade necessita ocorrer diariamente, no entanto, a produção de alguns produtos e matéria prima é sazonal.

Leia mais

16/09/2015. movimentação de materiais colheita manual e mecânica na quinta transporte refrigerado transporte de gado vivo transporte em tapete rolante

16/09/2015. movimentação de materiais colheita manual e mecânica na quinta transporte refrigerado transporte de gado vivo transporte em tapete rolante 1 Processos utilizados na indústria alimentar divididos em operações comuns (operações unitárias) operações unitárias incluem diversas actividades operações mais comuns movimentação de materiais limpeza

Leia mais

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR Faculdade de Farmácia da UFMG ESTERILIZAÇÃO NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ESTERILIZAÇAO PELO CALOR CALOR SECO Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano ABRIL 2010 Mecanismo de destruição de microrganismos pelo

Leia mais

06/10/2014 UM POUCO DA HISTÓRIA CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS O QUE SÃO MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO?

06/10/2014 UM POUCO DA HISTÓRIA CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS O QUE SÃO MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO? UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UM POUCO DA HISTÓRIA Os alimentos nem sempre estiveram tão disponíveis quanto estão nos dias atuais. 2 UM POUCO DA HISTÓRIA A conservação de alimentos remonta a épocas

Leia mais

DRD. Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm

DRD. Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm DRD Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm DRD Secador de ar por refrigeração A importância do ar comprimido como um gerador de energia para os processos industriais modernos é largamente

Leia mais

Curso de embalagens. Embalagem Cartonada Asséptica Ministrante: Assunta Camilo 2014 São Paulo - SP

Curso de embalagens. Embalagem Cartonada Asséptica Ministrante: Assunta Camilo 2014 São Paulo - SP Curso de embalagens Embalagem Cartonada Asséptica Ministrante: Assunta Camilo 2014 São Paulo - SP Embalagem cartonada Sistema de Envase Engenharia e tecnologia de embalagem para envase asséptico Sistema

Leia mais

1 Introdução simulação numérica termoacumulação

1 Introdução simulação numérica termoacumulação 22 1 Introdução Atualmente o custo da energia é um dos fatores mais importantes no projeto, administração e manutenção de sistemas energéticos. Sendo assim, a economia de energia está recebendo maior atenção

Leia mais

Atlas Copco. Secadores de ar comprimido por refrigeração. FX1-16 60 Hz

Atlas Copco. Secadores de ar comprimido por refrigeração. FX1-16 60 Hz Atlas Copco Secadores de ar comprimido por refrigeração FX1-16 60 Hz Capacidade total, responsabilidade total A Atlas Copco fornece ar comprimido de qualidade para garantir uma excelente produtividade.

Leia mais

Sistema de vácuo ICE Condensation Körting. para aplicações em óleo comestível

Sistema de vácuo ICE Condensation Körting. para aplicações em óleo comestível Sistema de vácuo ICE Condensation Körting para aplicações em óleo comestível Sistema de vácuo ICE Condensation No mercado de hoje em dia, o sistema de vácuo ICE Condensation Körting faz sentido! Como todos

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

Embalagem Cartonada Longa Vida

Embalagem Cartonada Longa Vida Embalagem Cartonada Longa Vida 1) Objetivo Geral Saber mais sobre a embalagem cartonada e a conservação de alimentos. 2) Objetivo Específico Adquirir conhecimentos sobre a reciclagem da embalagem e seus

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração CICLOS DE REFRIGERAÇÃO Os ciclos mais usados, na seqüência, são: Ciclo de refrigeração por compressão de vapor Ciclo de refrigeração por absorção O ciclo é constituído dos seguintes processos sucessivos:

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse molde é (quase) para sempre Manuais ou mecanizados, de precisão, não importa qual o processo de fundição que tenhamos estudado até agora, todos tinham em comum duas coisas: o fato de que o material

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS

TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS TORRES DE RESFRIAMENTO REFERVEDORES CONDENSADORES CALDEIRAS FINALIDADE: Umatorre de resfriamentooutorre de arrefecimentoé um dispositivo de remoção

Leia mais

Desinfecção automatizada na indústria alimentícia

Desinfecção automatizada na indústria alimentícia M E S S - & R E G E L T E C H N I K P & A P R O D U K T E & L Ö S U N G E N Desinfecção automatizada na indústria alimentícia Dr.Thomas Winkler Medição e controle específicos de ácido peracético em CIP

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização

Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização A qualidade do ar em um sistema de ar comprimido tem variações e todas elas estão contempladas no leque de opções de produtos que a hb ar comprimido oferece.

Leia mais

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO.

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. Márcia Cristina O Pereira Enfermeira encarregada da central de material esterilizado HMSL. Especialista em CC, CME, RA USP Mestrado em saúde do adulto - USP FINALIDADE DA

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

2. Como devo manusear o sêmen durante a sua retirada do botijão?

2. Como devo manusear o sêmen durante a sua retirada do botijão? CUIDADOS NO MANUSEIO DO SÊMEN CONGELADO O manuseio adequado do sêmen congelado é essencial para manter ótimos resultados nos programas de inseminação artificial, tanto no sêmen sexado como no sêmen convencional.

Leia mais

Classificação das áreas limpas. Preparo de estéreis (Resolução - RDC nº 17, de 16 de abril de 2010)

Classificação das áreas limpas. Preparo de estéreis (Resolução - RDC nº 17, de 16 de abril de 2010) Preparo de estéreis (Resolução - RDC nº 17, de 16 de abril de 2010) Considerações gerais A produção de preparações estéreis deve ser realizada em áreas limpas, cuja entrada de pessoal e de materiais deve

Leia mais

2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011)

2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011) 2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011) (1) Considerando o sistema mostrado na Figura 1: (a) Projete a tubulação através da abordagem da velocidade econômica; (b) Selecione uma bomba mostrando todos

Leia mais

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna Sistema de Arrefecimento dos Motores Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna SISTEMA DE ARREFECIMENTO O sistema de arrefecimento é um conjunto de dispositivos eletromecânicos Tem como função

Leia mais

PASTEURIZAÇÃO DO LEITE LAN 1444 PROF. ERNANI

PASTEURIZAÇÃO DO LEITE LAN 1444 PROF. ERNANI PASTEURIZAÇÃO DO LEITE LAN 1444 PROF. ERNANI PASTEURIZAÇÃO Obrigatória no Brasil para todo o leite Todos os derivados devem ser fabricados a partir de leite pasteurizado Tecnologia obrigatória em todo

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

04/05/2012 TROCADORES DE CALOR

04/05/2012 TROCADORES DE CALOR TROCADORES DE CALOR Trocador ou permutador de calor é um equipamento utilizado para aquecer, resfriar, vaporizar ou condensar fluídos de acordo com as necessidades do processo, utilizando-se uma parede

Leia mais

Soluções em Troca Térmica Spirax Sarco. Garantia de eficiência do seu sistema

Soluções em Troca Térmica Spirax Sarco. Garantia de eficiência do seu sistema Soluções em Troca Térmica Spirax Sarco Garantia de eficiência do seu sistema O time que você quer ao seu lado Conheça a equipe A Spirax Sarco proporciona Conhecimento, Serviços e Produtos em todo o mundo

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica

Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica Maria Silveira COSTA 1 ; Lourayne de Paula Faria MACHADO 2 ; Rogério Amaro

Leia mais

Perguntas Frequentes 1. O que é uma embalagem da Tetra Pak ou Longa Vida? 2. O alumínio da embalagem entra em contato com o alimento?

Perguntas Frequentes 1. O que é uma embalagem da Tetra Pak ou Longa Vida?  2. O alumínio da embalagem entra em contato com o alimento? Perguntas Frequentes 1. O que é uma embalagem da Tetra Pak ou Longa Vida? R: A embalagem da Tetra Pak é composta por várias camadas de materiais. Estas criam uma barreira que impede a entrada de luz, ar,

Leia mais

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação CURSO

Leia mais

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS. Instalações e Serviços Industriais 1

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS. Instalações e Serviços Industriais 1 Caldeiras Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS Instalações e Serviços Industriais 1 Geradores com câmara de combustão Caldeiras Tipo de combustível sólido, líquido, gasoso,

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias 1 de 7 10/16/aaaa 10:34 Agroindústria Agroindústria: Processamento Artesanal de Frutas - Geléias Processamento Nome artesanal de frutas: Geléias Produto Informação Tecnológica Data Agosto -2000 Preço -

Leia mais

A embalagem cartonada em formato de garrafa. combidome

A embalagem cartonada em formato de garrafa. combidome A embalagem cartonada em formato de garrafa. Apresentamos a, a embalagem cartonada com a conveniência de uma garrafa. A está chegando às gôndolas dos supermercados. É algo totalmente diferente de tudo

Leia mais

Hardware Básico. Refrigeração. Professor: Wanderson Dantas

Hardware Básico. Refrigeração. Professor: Wanderson Dantas Hardware Básico Refrigeração Professor: Wanderson Dantas Ventoinhas Ventoinhas são pequenos ventiladores que melhoram o fluxo de ar dentro do computador, trazendo ar frio para dentro do computador e removendo

Leia mais

Principais Materiais

Principais Materiais Líquidos Estéreis Principais Materiais Ampolas Abertas Fechadas Abertas Fechadas Tecnologia de Embalagem -Estéreis 2 Principais Materiais Frascos ou Vials Tecnologia de Embalagem -Estéreis 3 Principais

Leia mais

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Apesar de existir um grande número de tipos

Leia mais

Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos

Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos Sistema de Proporcionamento Bomba dosadora de LGE Fire Dos Descrição A bomba dosadora de LGE FIRE DOS é o mais versátil sistema de proporcionamento existente no mercado. Este revolucionário sistema de

Leia mais

"A vantagem do alumínio"

A vantagem do alumínio "A vantagem do alumínio" Comparativo entre os Evaporadores para Amônia fabricados com tubos de alumínio e os Evaporadores fabricados com tubos de aço galvanizado Os evaporadores usados em sistemas de amônia

Leia mais

Mixer Black Plus 2. Manual de Instruções

Mixer Black Plus 2. Manual de Instruções Mixer Black Plus 2 Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, o usuário deve ler atentamente as instruções

Leia mais

A matéria possuem 7 estados físicos...

A matéria possuem 7 estados físicos... A matéria possuem 7 estados físicos... 1 Estado: SÓLIDO. 2 Estado: LIQUIDO. 3 Estado: GASOSO. 4 Estado: PLASMA. 5 Estado: O Condensado de Bose-Einstein. 6 Estado: Gás Fermiônico. 7 Estado: Superfluido

Leia mais

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Projeto Termo-hidr hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Opções e decisões de projeto Trocadores do tipo casco e tubos sem mudança de fase Condições de projeto Dimensionamento da unidade

Leia mais

Objetivos: Potencial para aplicação ST em grandes instalações: Água quente sanitária. Água quente de processo Água quente para arrefecimento

Objetivos: Potencial para aplicação ST em grandes instalações: Água quente sanitária. Água quente de processo Água quente para arrefecimento Objetivos: Potencial para aplicação ST em grandes instalações: Água quente sanitária. Água quente de processo Água quente para arrefecimento Introdução Potencial ST Grandes Instalações 23 out Introdução

Leia mais

Operações Unitárias II

Operações Unitárias II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Operações Unitárias II Evaporação Professor Paul Fernand Milcent Monitora Patrícia Carrano Moreira Pereira 2013 Sumário 1. Introdução... 2 1.1. Fontes de energia... 2 1.2.

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

OBJETIVOS DO TREINAMENTO

OBJETIVOS DO TREINAMENTO OBJETIVOS DO TREINAMENTO O QUE VOCÊ APRENDERÁ NO TREINAMENTO? A importância do cozimento e da preparação dos alimentos. Quais são as tecnologias exclusivas incorporadas na fabricação das panelas icook

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

7 fornos solares ÍNDICE

7 fornos solares ÍNDICE ÍNDICE constituição e tipologias -2 materiais -3 orientação do forno -4 concentração da radiação e armazenamento de calor -5 avaliação de desempenho -6 experiência 1 - experiência 2-8 experiência 3-9 para

Leia mais

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O Prof. Agamenon Roberto Prof. Agamenon Roberto MATERIAS DE LABORATÓRIO 2 TUBO DE ENSAIO: Tubo de vidro fechado em uma das extremidades, empregado para fazer reações

Leia mais

Controladores de temperatura

Controladores de temperatura Controladores de temperatura - Aplicações Controls A/S - Assegura eficiência no controle dos sistemas de aquecimento, refrigeração e ventilação. Clorius Controls: solução para o controle de temperatura

Leia mais

'HVFULomRGDSODQWD. 'HVFULomRGRSURFHVVRGHVHFDJHP

'HVFULomRGDSODQWD. 'HVFULomRGRSURFHVVRGHVHFDJHP 'HVFULomRGDSODQWD Neste capítulo, será descrita a planta de produção de vapor para secagem do fermento. Os dados desta descrição correspondem às instalações em funcionamento durante o ano de 2002 de uma

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Leites Fermentados Exemplos: iogurte, bebidas lácteas fermentadas, coalhada, kefir, entre outros. A fermentação pode

Leia mais

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Sala de Preparo e Esterilização Equipe: Carla, Marcela e Maria Cristina 6º Período de Enfermagem UNIS Sala de preparo A

Leia mais

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica:

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica: EQUIPAMENTOS Transferência mecânica: Objetivos do equipamento: a) Garantir o acesso seguro à piscina para qualquer pessoa, b) Previnir possíveis riscos de acidente nas transferências ou manipulações, c)

Leia mais

Nanotech do Brasil. Rua Curupaiti, 199 Jd. Paraíso Santo André SP CEP 09190-040

Nanotech do Brasil. Rua Curupaiti, 199 Jd. Paraíso Santo André SP CEP 09190-040 1 Rev. 3 D.U.M. 28/08/2015 Produto Nanothermic 3 Isolante térmico Nanothermic 3 é um revestimento térmico, contendo as melhores matérias primas. É um revestimento de múltiplas aplicações que soluciona

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

ASSÉPTICAS E CONTIDAS. www.thechargepoint.com. Manuseio de ingredientes e componentes sensíveis em processos assépticos

ASSÉPTICAS E CONTIDAS. www.thechargepoint.com. Manuseio de ingredientes e componentes sensíveis em processos assépticos ASSÉPTICAS E CONTIDAS Manuseio de ingredientes e componentes sensíveis em processos assépticos Processo de esterilização simples Alto desempenho na contenção de produtos de risco www.thechargepoint.com

Leia mais

Enchimento de Cremes e Pomadas

Enchimento de Cremes e Pomadas Enchimento de Cremes e Pomadas Linha de Enchimento Alimentação Enchedora Encartuchadeira Tecnologia de Embalagem - Pomadas 2 Alimentação das bisnagas Os mais utilizados são: Manual Colocação direta no

Leia mais

Caldeiras Manoel O. A. Méndez

Caldeiras Manoel O. A. Méndez Caldeiras Manoel O. A. Méndez FEAU - Faculdade de Engenharia Arquitetura e Urbanismo 12 de agosto de 2015 Manoel Méndez Caldeiras 1/24 Sumário Introdução 1 Introdução 2 Descoberta do vapor Uso do vapor

Leia mais

RESOLUÇÃO SMG N Nº 604 DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 (DOM 12-09-02)

RESOLUÇÃO SMG N Nº 604 DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 (DOM 12-09-02) RESOLUÇÃO SMG N Nº 604 DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 (DOM 12-09-02) O RESPONSÁVEL PELO EXPEDIENTE DA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO (Decreto nº 1.630/2002), no uso de suas atribuições legais, e, considerando

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

PASTEURIZAÇÃO. Pasteurização 24/3/2011. Curso de Nutrição ALM024- Processamento de Alimentos. A pasteurização é usada quando:

PASTEURIZAÇÃO. Pasteurização 24/3/2011. Curso de Nutrição ALM024- Processamento de Alimentos. A pasteurização é usada quando: Curso de Nutrição ALM024- Processamento de Alimentos PRINCÍPIOS DE PROCESSAMENTO TÉRMICO PASTEURIZAÇÃO Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano 2011 Pasteurização É o tratamento térmico que destrói todos

Leia mais

LÓGICA DE CONTROLE DE PROCESSOS LÓGICA DE CONTROLE DE PROCESSOS LÓGICA DE CONTROLE DE PROCESSOS CONTROLE DE PROCESSOS AUTOMAÇÃO AUTOMAÇÃO - OBJETIVOS

LÓGICA DE CONTROLE DE PROCESSOS LÓGICA DE CONTROLE DE PROCESSOS LÓGICA DE CONTROLE DE PROCESSOS CONTROLE DE PROCESSOS AUTOMAÇÃO AUTOMAÇÃO - OBJETIVOS QUÍMICOS II CONTROLE DE AUTOMAÇÃO REGULAÇÃO AUTOMÁTICA CONTROLE POR MEIO DE DISPOSITIVOS AUTOMÁTICOS AUTOMATIZAÇÃO DA PRODUÇÃO MÁQUINAS MOTRIZES MECANIZAÇÃO - SUBSTITUIÇÃO DO TRABALHO MUSCULAR POR MÁQUINAS.

Leia mais

FUNDIÇÃO CENTRIFUGADA QUANDO E POR QUAIS MOTIVOS ESCOLHER. comercial@fvtecnologia.com.br http://www.fvtecnologia.com.br

FUNDIÇÃO CENTRIFUGADA QUANDO E POR QUAIS MOTIVOS ESCOLHER. comercial@fvtecnologia.com.br http://www.fvtecnologia.com.br FUNDIÇÃO CENTRIFUGADA QUANDO E POR QUAIS MOTIVOS ESCOLHER comercial@fvtecnologia.com.br http://www.fvtecnologia.com.br 1 VANTAGENS DO PROCESSO DE FUNDIÇÃO CENTRIFUGADA 1. O que é fundição centrifugada?

Leia mais

PGA I Processamento de Pêssego em Calda

PGA I Processamento de Pêssego em Calda Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Engenharia Alimentar PGA I Processamento de Pêssego em Calda Janeiro de 2008 Elaborado por: João Santos nº 3641 Ruben Ferreira nº 3710

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS EMISSÕES DE HCFC-22 DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS

AVALIAÇÃO DAS EMISSÕES DE HCFC-22 DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS AVALIAÇÃO DAS EMISSÕES DE HCFC-22 DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS Eng. Eduardo Linzmayer RESUMO Avaliação e levantamento das emissões de fluidos nos sistemas de refrigeração; Importância

Leia mais

Logistica e Distribuição. Definição de embalagem. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993. Outras funções da embalagem são:

Logistica e Distribuição. Definição de embalagem. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993. Outras funções da embalagem são: Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Embalagem Primárias Apoio 1 2 Definição de embalagem A embalagem é um recipiente ou envoltura que armazena produtos temporariamente

Leia mais

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação PT Customers. The core of our innovation Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação Tecnologias Piovan para Refrigeração: Chillers com compressores scroll

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FACULDADE DE NUTRIÇÃO DISCIPLINA: BROMATOLOGIA 2º/ 4 O PROFA. IVETE ARAKAKI FUJII. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO

Leia mais

PRENSAGEM COM VÁCUO Owens Corning

PRENSAGEM COM VÁCUO Owens Corning Abril 2001 PRENSAGEM COM VÁCUO Os processos para transformar resinas poliéster reforçadas com fibras de vidro podem ser sofisticados e caros, como a prensagem a quente, ou simples e baratos, como a laminação

Leia mais

Uso da Energia Solar na Industria. Prof. Zaqueu Ernesto da Silva LES/DEER/CEAR

Uso da Energia Solar na Industria. Prof. Zaqueu Ernesto da Silva LES/DEER/CEAR Uso da Energia Solar na Industria Prof. Zaqueu Ernesto da Silva LES/DEER/CEAR Fontes de Energia no Brasil Quem usou energia no Brasil - 2012 Consumo de Energia no Setor Industria Setor Industrial % Setor

Leia mais

As matérias-primas alimentares frescas (após a colheita, a captura, a produção ou o abate)

As matérias-primas alimentares frescas (após a colheita, a captura, a produção ou o abate) As matérias-primas alimentares frescas (após a colheita, a captura, a produção ou o abate) são conservadas pela indústria alimentar, de modo a aumentar a sua estabilidade e o seu tempo de prateleira. 1

Leia mais

Catálogo Técnico. Tubos Pré-Isolantes térmicos para Ar Condicionado

Catálogo Técnico. Tubos Pré-Isolantes térmicos para Ar Condicionado Catálogo Técnico Tubos Pré-Isolantes térmicos para Ar Condicionado CATALOGO TECNICO TUBOS PRÉ-ISOLANTES TÉRMICOS Obrigado por preferir nossos produtos Nota: a informação técnica dentro desse catálogo pode

Leia mais

Solução em Ar Comprimido: Tubulações em Alumínio

Solução em Ar Comprimido: Tubulações em Alumínio Solução em Ar Comprimido: Tubulações em Alumínio Quais são os principais problemas encontrados em redes de Ar Comprimido? Quais são os principais problemas encontrados em redes de Ar Comprimido? ❶ Vazamentos

Leia mais

Secador de Ar por Refrigeração CPX. Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você!

Secador de Ar por Refrigeração CPX. Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você! Secador de Ar por Refrigeração CPX 2011 Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você! Secador de Ar CPX 2. Condensados O ar comprimido produzido pelos compressores contém vapor de água que poderá

Leia mais

8.1 PRINCÍPIOS DA TERMOACUMULAÇÃO

8.1 PRINCÍPIOS DA TERMOACUMULAÇÃO 89 8 TERMOACUMULAÇÃO O conhecimento e a utilização de sistemas de termoacumulação de água gelada são relativamente antigos no setor de condicionamento de ar, no entanto a sua importância e utilização ampla,

Leia mais

SOLUÇÕES TÉRMICAS E SIDERÚRGICAS

SOLUÇÕES TÉRMICAS E SIDERÚRGICAS 1 KONUS ICESA S.A. SOLUÇÕES TÉRMICAS E SIDERÚRGICAS INTEGRAÇÃO DE UTILIDADES, RECUPERAÇÃO DE CALOR E COGERAÇÃO EM SISTEMAS DE AQUECIMENTO DE FLUIDO TÉRMICO Autor: JOAQUIM LUIZ BARROS JR. 1 INTEGRAÇÃO DE

Leia mais

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 3ª Aula - complemento - Como especificar um compressor corretamente Ao se estabelecer o tamanho e nº de compressores, deve se

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

CONTEÚDO HABILIDADES INSTRUÇÕES

CONTEÚDO HABILIDADES INSTRUÇÕES Prova Oficial de Física 1 Trimestre/2013 Data: Professor: Leandro Nota: Valor : [0,0 5,0] Nome do(a) aluno(a): Nº Turma: 2 M Ciência do responsável: CONTEÚDO Escalas Termométricas; Conversão entre escalas;

Leia mais

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM Procedimento pré-estabelecido para seleção, retirada, preservação, transporte e preparação das porções a serem removidas do lote como amostras, de uma maneira tal que o tratamento matemático dos testes

Leia mais