Física Médica da Radioterapia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Física Médica da Radioterapia"

Transcrição

1 residência residência médica em Física Médica da Radioterapia CADERNO DO CURSO

2 Reprodução autorizada pelo autor somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino, não sendo autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar a autoria. Versão online disponível em:

3 residência residência médica em Física Médica da Radioterapia CADERNO DO CURSO

4 Física Médica da Radioterapia Residência em Área de Saúde em Física Médica da Radioterapia 1. Identificação do Programa 1.1. Instituição Formadora Nome: FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA FAMEMA Telefone: (14) / (14) Fax: (14) / (14) Endereço: Avenida Monte Carmelo, 800 Bairro: Fragata C CEP: Campus: Marília Fragata C Cidade: Marília - SP 1.2. Instituição Executora Sociedade Beneficente de Senhoras Hospital Sírio-Libanês CNPJ : Endereço : Rua Dona Adma Jafet, 91 Bela Vista, CEP: São Paulo SP, Brasil. Site: Telefone : (11) Nome do Programa Programa de Residência em Física Médica da Radioterapia 1.4. Coordenação do Programa Coordenação da Residência em Física Médica (Área Profissional) coordenador: Cecília Maria Kalil Haddad Telefones: Comercial (11) / Celular (11) Formação: Física Titulação: Especialista em Física Médica da Radioterapia Registro Profissional: CNEN AFRt 006/ABFM 137 C. Lattes:

5 residência Vice-Coordenador: Edilson Lopes Pelosi Telefones: Comercial (11) / Celular (11) Formação: Física Titulação: Especialista em Física Médica da Radioterapia C. Lattes: Preceptores / Tutores / Docentes do Programa Tabela 1: Núcleo Docente do Programa de Residência em Física Médica da Radioterapia Nome (função) Formação Área de Atuação Experiência (anos) Cecília M. Kalil Haddad (Coordenadora) Bacharelado em Física (Univ. Mackenzie) Especialista em Radioterapia Física Médica da Radioterapia 32 Edilson L. Pelosi (Tutor) Bacharelado em Física (UEM) Especialista em Radioterapia Física Médica da Radioterapia 20 6 Wellington F. P. Neves Jr. (Preceptor) Bacharelado em Física Médica (USP) Especialista em Radioterapia MBA Adm. Hospitalar e Sist. Saúde (FGV) Física Médica da Radioterapia 8 Anselmo Mancini (Docente) Bacharel em Física (USP) Especialista em Radioterapia Física Médica da Radioterapia 10 Tatiana M. M. T. Alves (Docente) Bacharel em Física Médica (USP) Mestre em Física (UNICAMP) Especialista em Radioterapia MBA Adm. Hospitalar e Sist. Saúde (FGV) Física Médica da Radioterapia 2 João L. F. da Silva (Docente) Graduado em Medicina (USP) Especialista em Radioterapia Médico Rádio-Oncologista 40 Fernando F. Arruda (Docente) Graduado em Medicina (UFMT) Especialista em Radioterapia Médico Rádio-Oncologista 18 Carlos Eduardo V. Abreu (Docente) Graduado em Medicina (USP) Especialista em Radioterapia Médico Rádio-Oncologista 21 Heloísa A. Carvalho (Docente) Graduada em Medicina (USP) Especialista em Medicina Doutora em Medicina (USP) Médica Rádio-Oncologista/ Docente (USP) 32 Samir A. Hanna (Docente) Graduado em Medicina (FAMECA) Especialista em Radioterapia e Oncologia Médico Rádio-Oncologista 16 Gustavo N. Marta (Docente) Graduado em Medicina (PUC-SP) Especialista em Radioterapia Médico Rádio-Oncologista 4

6 Física Médica da Radioterapia 2. Caracterização do Programa 2.1. Carga Horária Total (da Área de Concentração) horas/ano, no total de horas 2.2. Carga Horária Teórica e Teórico-Prática 20% h 2.3. Carga Horária Prática 80% h 2.4. Modalidade do Curso Tempo integral (60 horas/semana) 7 3. Projeto Pedagógico (PP) 3.1. Centro de Radioterapia do Hospital Sírio-Libanês (HSL) O Hospital Sírio-Libanês, considerado um dos maiores hospitais da América Latina, iniciou sua história no ano de 1921, quando um grupo de senhoras da comunidade sírio-libanesa, lideradas por D. Adma Jafet, fundou a Sociedade Beneficente de Senhoras Hospital Sírio-Libanês com o intuito de angariar fundos para a construção de um hospital filantrópico que atendesse a população de todas as classes sociais e estivesse à altura da cidade de São Paulo. Apesar de em 1940 já ter sido construído um prédio bem avançado para a época, apenas em 1965 é que o hospital foi inaugurado oficialmente. Até hoje, o hospital segue a mesma filosofia da época de sua inauguração, procurando assistir a todo tipo de pacientes, com seus programas de filantropia e pioneirismo aliado à excelência no atendimento. O ano de 1971 foi muito significativo na história do HSL, marcando a inauguração de um prédio de dez andares com capacidade para 100 apartamentos e da primeira UTI no Brasil, com dez leitos. Além disso, criaram-se também o serviço de radiologia e a radioterapia. A preocupação com a educação e a investigação científica levou à criação do Centro de Estudos e Pesquisas (CEPE) em 1978, que desde então realiza jornadas de atualização científica e cursos para a comunidade médica semanalmente, durante todo o ano.

7 residência Em 1992, foi inaugurado mais um novo prédio, dispondo de cerca de 400 leitos, um Centro de Diagnóstico e Pronto Atendimento integrados. No ano seguinte, 1993, foi implantado o programa de Residência Médica em áreas como a Radiologia e a Radioterapia, com a devida aprovação do Ministério de Educação e Cultura. O HSL firmou acordos de cooperação científica com a Harvard Medical International e com o Memorial Sloan Kettering Cancer Center de Nova York, desde 1997, que vigoram até hoje. Essa cooperação levou à criação de um moderno Centro de Oncologia em 1998, com o propósito de oferecer aos pacientes um tratamento multidisciplinar. O centro envolve hoje Programas de Nutrição, Prevenção e Segunda Opinião, em que os casos graves são avaliados pela equipe do HSL e, se necessário, também podem ser discutidos com os médicos do Memorial Sloan Kettering Cancer Center. Esse fato incrementou a integração da Radioterapia com as demais áreas do hospital e também fez com que, aos poucos, o HSL se tornasse uma referência em Oncologia. O HSL dispõe de um programa de Telemedicina desde 1999, que serve ao Programa de Educação Continuada e de Segunda Opinião, conectando o HSL a hospitais de todo o mundo. Em 2003 o HSL tornou-se o primeiro hospital da América Latina a realizar exames com PET-CT, com aplicação fundamental em Oncologia e, em 2005, o Instituto de Ensino e Pesquisa (IEP) foi reconhecido pelo MEC como Instituição de Ensino Superior para ministrar cursos de pós-graduação na área da saúde. 8 Atualmente, via IEP, o HSL oferece os seguintes programas de residências médicas: Anestesiologia, Cancerologia, Cardiologia, Endoscopia, Mastologia, Medicina Intensiva, Onco-hematologia, Radiologia/Diagnóstico por Imagem, Medicina Nuclear e Radioterapia. Como residência profissional, há o programa de Enfermagem em Clínica Médica e Cirúrgica, e um recente programa de residência multiprofissional em Pacientes Críticos para nutricionistas, fisioterapeutas, farmacêuticos e enfermeiros; e aprimoramentos profissionais na área de Física Médica da Radioterapia. Em relação ao Departamento de Radioterapia, inaugurado em 1972, o pioneirismo com a instalação do primeiro acelerador linear de fótons e elétrons do país. Foi mantido com o início do programa de braquiterapia em câncer de próstata com implante permanente de sementes de iodo em 1998, e o departamento se tornou o primeiro centro de treinamento na América Latina nessa modalidade a partir de No ano de 2000, tratou o primeiro paciente utilizando a técnica de radioterapia de intensidade modulada (IMRT) no país. Também de forma pioneira, em 2003, as imagens de tomografia por emissão de pósitrons (PET-CT) passaram a ser utilizadas para o planejamento de radioterapia. Em 2004, teve início como programa de filantropia o tratamento intraoperatório de câncer de mama para pacientes do Sistema Único de Saúde. A radioterapia guiada por imagens (IGRT) teve seu início em 2007 nesse departamento. Em 2011, o HSL passou a ter sua primeira unidade fora da cidade de São Paulo, em Brasília, para o atendimento em Oncologia. Um novo centro de Radioterapia foi inaugurado nessa unidade em janeiro de Esse breve histórico reflete o perfil do HSL e a missão dos profissionais que nele atuam não só com a preocupação de oferecer uma boa assistência, como também de incrementar o ensino e a pesquisa na instituição. A formação e o treinamento de recursos humanos capacitados é uma característica marcante e fundamental para auxiliar no desenvolvimento e na multiplicação dessa missão. A Oncologia tornou-se um dos pilares da instituição e vem crescendo progressivamente. A radioterapia, como arma indispensável no tratamento oncológico, vem acompanhando esse crescimento e os profissionais do serviço de radioterapia ocupam um papel de destaque na disseminação das novas tecnologias no país, assim como os alunos formados pelo grupo. A fim de garantir esse perfil da equipe, como programa de reciclagem e atualização profissional, o HSL incentiva a participação dos membros de sua equipe de Física Médica em congressos e cursos nacionais e internacionais.

8 Física Médica da Radioterapia O papel do Departamento de Radioterapia na formação de recursos humanos No ano de 2000, o HSL iniciou o programa de aprimoramento em Física de Radioterapia com o intuito de atrair e reter talentos em Física. Além do fato de o HSL ser uma instituição de excelência e pioneirismo também na área de radioterapia, havia a necessidade de formar pessoal qualificado para acompanhar o desenvolvimento tecnológico que ocorre na área. Nesse programa, de dois anos de duração, inicialmente era disponibilizada uma vaga ao ano e, a partir de 2010, passaram a ser oferecidas duas vagas. Assim, nos últimos doze anos, foram formados um total de 12 físicos que se encontram hoje trabalhando em serviços de radioterapia de diferentes estados brasileiros (Bahia, Santa Catarina, Minas Gerais, Paraná, Distrito Federal, Rio de Janeiro e São Paulo) e também no exterior. Vale ressaltar que todos foram aprovados com o título de Especialista em Física da Radioterapia pela Associação Brasileira de Física Médica (ABFM) e também como Supervisor de Radioproteção em Radioterapia pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN). O Departamento de Radioterapia do HSL também oferece Residência Médica em Radioterapia reconhecida pelo MEC, com um programa de três anos de duração. Inicialmente contava com uma vaga por ano e, a partir de 2008, passou a disponibilizar duas vagas por ano. Desde 1993, já foram formados 17 radioterapeutas (ou rádio-oncologistas) pela instituição, todos com título de especialista conferido pela AMB, que também estão trabalhando em diversos estados brasileiros e grandes centros do país. Além desses cursos, o Departamento de Radioterapia do HSL é local muito procurado por estagiários de todas as áreas envolvidas: médicos, físicos, técnicos/tecnólogos, biomédicos, e também por alunos de graduação em Medicina e Física Médica, sendo referência como centro de treinamento para esses profissionais. Períodos de estágio são também requeridos por instituições internacionais que com frequência enviam seus profissionais para visitas científicas ou treinamento. Nos últimos três anos ( ), o Departamento de Física Médica recebeu por volta de 32 estagiários. 9 O Departamento também possui programa de estágios para profissionais tecnólogos, recebendo alunos de diversos centros formadores. Como cursos de atualização profissional, o Departamento de Radioterapia tem oferecido ao público: (i) Curso de Braquiterapia em Próstata com Sementes de Iodo 125, com 15 vagas, duas vezes ao ano, desde 2001, e (ii) Curso de Radioterapia de Última Geração e Controle da Qualidade, realizado anualmente, que já está na sua 14ª edição no ano de 2014, com uma média de 250 participantes (entre físicos, médicos, técnicos, tecnólogos e estudantes), sempre com a presença de palestrantes internacionais, além dos membros da equipe do próprio Departamento Justificativa do Programa A Física Médica é um ramo da Física altamente especializado, interdisciplinar e que lida com tecnologias e métodos em constante evolução. Essas características fazem que a educação tanto em nível de formação quanto de atualização profissional tenha características peculiares, principalmente por envolver diferentes áreas do conhecimento (ciências exatas, biológicas e da saúde) e, também, necessariamente ter de acompanhar os rápidos avanços da tecnologia médica. As principais áreas de atuação da Física Médica são: radiologia diagnóstica e intervencionista, medicina nuclear e radioterapia[1].

9 residência Um dos principais desafios do ensino em Física Médica é a própria criação de recursos e materiais educacionais em virtude da alta especificidade, grande volume e necessidade de reformulação periódica [2]. Tal contexto representa uma grande dificuldade para a capacitação de novos profissionais, e principalmente para atualização dos que já estão no mercado de trabalho. Como reflexo, a falta de profissionais atualizados muitas vezes impede a incorporação de técnicas mais modernas e complexas na prática clínica [3,4]. Essa realidade é ainda mais agravada em cenários de países em desenvolvimento, entre os quais o Brasil é um exemplo. O país conta com relativamente poucos profissionais, que são geograficamente mal distribuídos num território de grandes dimensões (mais concentrados nas regiões Sul e Sudeste e em menor número no Nordeste, principalmente no Norte) e recursos financeiros limitados. O Brasil, apesar de ainda carecer muito de investimentos para modernização da tecnologia em saúde, nos últimos anos, tem avançado nesse processo graças à boa situação econômica, por recentes reajustes de valores da tabela do SUS, especialmente para procedimentos de radioterapia [6,7]. Apesar de não haver dados oficiais, esse contexto tem levado instituições a investir em novos equipamentos e tecnologias. Está caracterizada, portanto, a necessidade e a importância da formação de físicos médicos para área de saúde no Brasil. O HSL possui infraestrutura, experiência e recursos humanos para prover esse tipo de serviço à sociedade, oferecendo o Programa de Residência Profissional em Física Médica da Radioterapia Objetivos Objetivo Geral Capacitar profissionais para atuar na área de física da radioterapia, proporcionando uma formação não apenas técnica e teórica, mas também nos aspectos humanos e multidisciplinares através da prática em ambiente clínico. Desenvolver o senso crítico dos alunos no que diz respeito à avaliação e implementação de novas tecnologias com base em evidências científicas e protocolos nacionais e internacionais. Sedimentar a cultura de segurança, para que as ações sejam realizadas com ética e responsabilidade, cumprindo rigorosamente as normas e os parâmetros técnicos que balizam a atividade Objetivos Específicos Formar profissionais capacitados para a prática independente da Física envolvida na radioterapia e que possua as seguintes qualificações: Conhecimento das propriedades físicas e dos efeitos das radiações sobre a matéria e os tecidos (física das radiações e radiobiologia); conhecer os princípios de formação de imagem das diferentes modalidades utilizadas para o planejamento de radioterapia, como tomografia computadorizada de raios-x (CT), tomografia por emissão de pósitrons (PET), ressonância magnética nuclear (MRN), técnicas de medicina nuclear (SPECT, gama-câmara), ultrassonografia, angiografia, entre outros. Habilidade de executar simulações e planejamentos de teleterapia convencionais (2D) e tridimensionais (3D), em diferentes sistemas de planejamento; Habilidade de executar simulações com tomógrafo e planejamentos em 4D;

10 Física Médica da Radioterapia Habilidade de planejar e executar a radioterapia de intensidade modulada (IMRT) com técnicas estáticas e em arco volumétrico (VMAT); Habilidade de planejar e executar a radioterapia guiada por imagem (IGRT) utilizando diferentes modalidades da tecnologia; Habilidade de planejar e executar radioterapia estereotática e radiocirurgia; realizar procedimentos de aceitação e comissionamento de máquinas de tratamento, bem como das diferentes modalidades de tratamento; dominar os conceitos envolvidos nos sistemas computadorizados de planejamento de tratamentos, modelamento de dados dosimétricos, algoritmos de cálculo de dose em meios homogêneos e heterogêneos, processos de otimização, avaliação e estatísticas de distribuição de dose; Conhecimento e habilidade de planejar braquiterapia de alta taxa de dose (HDR) e baixa taxa de dose (LDR); Conhecimento da legislação pertinente; Conhecimento das rotinas e dos protocolos clínicos; Conhecimento e prática com os diferentes protocolos de dosimetria; Realizar procedimentos de calibração de detectores e também de feixes de radiação utilizados em radioterapia; Dosimetria utilizando diferentes detectores de radiação, aprendendo a caracterizar e diferenciar suas propriedades; garantir a qualidade dos tratamentos de radioterapia, desenvolvendo a capacidade de estabelecer e aplicar um programa de controle da qualidade; Habilidade de realizar o controle de qualidade e a dosimetria de equipamentos e de diferentes tecnologias (IMRT, IGRT, VMAT, radiocirurgia, etc.); compreender as incertezas envolvidas nos processos de radioterapia e estratégias para sua minimização, otimização e compensação das mesmas; 11 aplicar os princípios de proteção radiológica, de forma a promover a segurança de todas as pessoas envolvidas (pacientes e profissionais); Conhecimento de cálculo de barreiras de proteção e projeto de blindagens; Conhecimento e prática de metodologia científica para a execução de projetos de pesquisa e desenvolvimento Diretrizes Pedagógicas De acordo com Sprawls [12], a efetividade do aprendizado pode ser definida como o resultado de uma atividade educacional em termos da habilidade demonstrada por um aluno em realizar tarefas específicas resolutivas de problemas de sua profissão ou ocupação. A eficiência do aprendizado, por outro lado, é definida como a habilidade em alcançar um determinado resultado através do uso otimizado dos recursos disponíveis, sendo estes: o tempo tanto do aluno quanto do professor, infraestrutura, materiais educacionais, atividades práticas simuladas ou clínicas. Segundo Dale [13], as diferentes atividades de ensino/aprendizagem podem ser ordenadas segundo o grau de eficiência e efetividade, de acordo com a figura 1. O programa de residência profissional em Física Médica da Radioterapia é baseado, principalmente, no ensino pela prática em ambiente clínico através da interação com problemas reais, sendo, portanto, um método de treinamento da mais alta efetividade, mas que exige uma demanda grande de recursos: equipamentos, tutoria de profissionais capacitados etc.

11 residência Figura 1: Atividades de Ensino/Aprendizagem ordenadas de acordo com grau de eficiência e efetividade, segundo Dale [13]. 12 Os alunos permanecerão, ao longo de dois anos, em contato direto com situações e atividades práticas reais. O processo de aprendizagem se dará inicialmente através da observação reflexiva e, gradativamente, através da interação com problemas práticos reais. Dessa forma, o conhecimento é construído a partir das experiências até o ponto em que os alunos se sintam autoconfiantes o suficiente para agir de forma responsável e independente na resolução de problemas sejam eles previamente conhecidos e rotineiros ou totalmente originais. Trata-se, portanto, de um modelo pedagógico de influências construtivista e montessoriano. Em complementação à experiência prática, será cumprido também um cronograma de aulas multidisciplinares para fundamentação dos conceitos teóricos relacionados com a atividade, abordando aspectos da física, da biologia e das ciências médicas. A residência deve proporcionar uma formação completa não só no eixo técnico, como também no eixo humano. No ambiente de treinamento, os alunos deverão interagir com pacientes e profissionais de diferentes áreas e desenvolver habilidades de relacionamento e de atendimento ao público. Devem ser capazes de responder a questões e anseios dos pacientes, no que diz respeito a sua área de conhecimento. E também aprender a respeitar a pluralidade de visões e ideias que caracterizam o atendimento multidisciplinar dos diferentes profissionais da área de radioterapia Parcerias O programa conta com parcerias com instituições públicas e privadas que oferecem atendimento a pacientes do SUS. Exemplos de instituições parceiras são o Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho e o Instituto Brasileiro de Controle do Câncer. As parcerias foram realizadas tanto para adquirir experiência no atendimento em setor público quanto para completar a formação dos residentes em áreas onde o HSL tem um volume menor de atendimento, particularmente em tumores de colo de útero. São realizados estágios interinstitucionais em que há um intercâmbio entre os residentes das instituições participantes.

12 Física Médica da Radioterapia 3.6. Núcleo Docente ESTRUTURANTE O Núcleo Docente Estruturante do programa de residência em Física Médica da Radioterapia será composto por: (i) coordenador do programa, que deve ser um profissional com grande experiência e reconhecimento na área; (ii) tutor, que deve ser também um profissional com grande experiência clínica em radioterapia; (iii) preceptor, que, além de ter experiência clínica em radioterapia, deve ter habilidades em desempenhar atividades de ensino e pesquisa; (iv) representante da área clínica, que deve ter grande experiência médica e de ensino e pesquisa na área de radioterapia. Tabela 2: Núcleo Docente Estruturante do Programa de Residência em Física Médica da Radioterapia Coordenador Cecília Maria Kalil Haddad Coordenadora de Física Médica do HSL Tutor Edilson Lopes Pelosi Físico Médico Sênior Radioterapia Preceptor Wellington F. P. Neves Júnior Físico Médico Sênior Radioterapia Clínico (representante docente) Heloísa de Andrade Carvalho Doutora em Medicina, Rádio-Oncologista do HSL e Docente da Universidade de São Paulo 3.7. Cenários de Prática As atividades práticas serão de complexidade gradual e cumulativa ao longo dos semestres. Exemplos dos cenários principais para cada período da residência estão descritos na tabela 3, abaixo. 13 Tabela 3: Cenários de prática Observação e interação com rotinas técnicas de simulação e execução de tratamentos, juntamente com técnicos e tecnólogos em radiologia e biomédicos; 1º. Semestre Observação e interação com procedimentos de CQ e calibração de equipamentos, juntamente com físicos médicos. execução supervisionada de planejamentos e cálculos de tratamentos convencionais de radioterapia, juntamente com físicos médicos e radioterapeutas. Revisão de planos complexos já aprovados, auxiliando na preparação final de documentação para início de tratamento. execução supervisionada de planejamentos e cálculos de tratamentos de radioterapia conformacional (3DCRT), TBI e TSI, juntamente com físicos médicos e radioterapeutas. 2º. Semestre Observação de planejamentos complexos de IMRT, auxílio na finalização de fichas técnicas e controle de qualidade de casos aprovados. Execução não supervisionada de procedimentos simples CQ, a serem validados pelos físicos médicos.

13 residência Execução supervisionada de planejamentos complexos de IMRT e VMAT, juntamente com físicos médicos e radioterapeutas. Observação e auxílio em procedimentos de braquiterapia (CQ, planejamento e tratamento). 3º. Semestre Observação e auxílio em procedimentos de radiocirurgia (CQ, planejamento e tratamento). Observação e auxílio em procedimentos complexos de CQ (testes semestrais e anuais, IMRT, VMAT, IGRT), juntamente com físicos médicos. Estágio em instituições parceiras, para vivência com procedimentos de braquiterapia em colo de útero (2 períodos/semana). acompanhamento de processos burocráticos de licenciamento e regulamentação do serviço de radioterapia, juntamente com o supervisor de radioproteção responsável. 4º. Semestre Acompanhamento de atividades de proteção radiológica, como levantamentos radiométricos e controle de áreas. Execução não supervisionada de planejamentos de IMRT e VMAT, a serem validados por físico médico titular e radioterapeuta. Realização de procedimentos de CQ complexos (IMRT, VMAT e IGRT), a serem validados por físicos médicos Infraestrutura do Programa Recursos Humanos O Departamento de Radioterapia possui uma equipe multidisciplinar especializada, composta por: 8 médicos rádio-oncologistas titulares, 1 médico preceptor, 6 físicos médicos, 2 enfermeiras, 3 técnicos em enfermagem, 17 técnicos ou tecnólogos, 2 biomédicos, 6 médicos residentes (R1, R2 e R3), 4 físicos médicos aprimorandos Apoio Administrativo O Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa (IEP) possui área de m 2 entre salas, laboratório de informática, telemedicina, biblioteca, entre outros espaços favoráveis às atividades educacionais, presenciais ou a distância, com moderna tecnologia. Aqui se realizam congressos e simpósios, cursos e reuniões científicas Salas de Aula e Biblioteca A Biblioteca Dr. Fadlo Haidar (no IEP) possui um amplo acervo físico (livros, periódicos, entre outros) e acesso eletrônico a cerca de periódicos da área de saúde. O IEP possui 6 auditórios e 1 anfiteatro. O setor de radioterapia possui uma sala de aula com sistema multimídia utilizada para a realização de aulas, cursos e reuniões, além de livros e artigos específicos sobre Física da Radioterapia.

14 Física Médica da Radioterapia equipamentos e Modalidades de Tratamento (Departamento de Radioterapia) a) aceleradores lineares: Siemens MX2 (fótons 6MV, blocos individuais de colimação, Moduleaf - lâminas de 2,5 mm), Siemens Primus (fótons 6/18MV, elétrons 6-21MeV, lâminas de 1 cm) e Varian Novalis Tx (fótons 6/15MV, elétrons 4-20MeV, lâminas de 2,5 e 5 mm). b) modalidades de tratamento: radioterapia convencional (2D) e conformacional (3D), radioterapia com modulação da intensidade do feixe (IMRT), radioterapia volumétrica modulada em arco (VMAT/RapidArc), radioterapia guiada por imagem (IGRT), irradiação de corpo inteiro (TBI), radioterapia superficial com elétrons, radioterapia intraoperatória, irradiação de pele total (TSI), radioterapia estereotáxica e radiocirurgia cranial e extracranial (SBRT). c) Sistemas de IGRT: radiografia digital CR (Agfa), Optivue1000 e MVision (Siemens), On Board Imaging (OBI) (Varian), Portal Vision (Varian), ExacTrac com mesa robótica (BrainLab). d) Simulação: simulador convencional SimView (Siemens) e tomógrafo simulador SOMATOM Emotion (Siemens). e) Braquiterapia: HDR Gammamed Plus ix com fonte de Irídio-192, LDR com implantes temporários de fios de Irídio-192 e implantes permanentes com sementes de Iodo-125. f) Betaterapia: com Estrôncio-90. g) sistemas de planejamento: Teleterapia: Oncentra MasterPlan (Nucletron), Eclipse (Varian) e Konrad (Siemens) Estereotaxia/radiocirurgia: Brainscan e iplan HDR: BrachyVision (Varian) LDR: VariSeed (Varian) h) Softwares para controle de qualidade: OmniPro-Accept (IBA), OmniPro I mrt (IBA), RadCalc (LifeLine), Portal Dosimetry (Varian). 15 i) Sistemas de verificação e registro de tratamento: Lantis/Primeview (Siemens) e ARIA (Varian) Dispositivos de aquisição de imagens O hospital possui 5 aparelhos de tomografia computadorizada (CT), 2 tomografias por emissão de pósitrons com CT associada (PET/CT), 5 ressonâncias magnéticas (MRI), equipamentos de ultrassonografia, raios X, angiografia, entre outros. Todo o sistema de imagens do hospital é digital e integrado via Picture Archiving and Communication System (PACS) Agfa Instrumentos de medida de radiação a) Eletrômetros: 2 PTW Unidos E. b) câmaras de ionização: (2) PTW TN30013; Nuclear Enterprise (2541 e 2576), Scanditronix/Wellhöfer FC65-G, Wellhöfer IC10 (2740 e 2741), Wellhöfer IC03, IBA CC13 (10128 e 10129), Wellhöfer Markus, IBA NACP e Standard Imaging HDR1000Plus (câmara tipo poço). c) Monitores de área: 451P INOVISION e G1-E MRA. d) diodos (IBA): Electron Field Detector (EFD), Photon Field Detector (PFD), Stereotactic Field Detector (SFD) e Reference Field Detector (RFD). e) Fantoma de varredura automatizada: IBA Blue Phantom2. f) Arranjo bidimensional: IBA MatriXX Evolution.

15 residência g) Filmes: radiocrômicos Gafchromic EBT2 e EBT3. h) Scanner: Vidar DosimetryPro Advantage Metodologia de Avaliação Observação direta dos preceptores e titulares durante as atividades práticas. apresentação oral de temas do conteúdo teórico, que será supervisionada sempre por um dos preceptores e titulares, e avaliada com nota por todos os participantes. Avaliação teórica através de provas dissertativas semestrais. Avaliação do relacionamento pessoal e aspectos éticos através de prova conceitual (enfoque em responsabilidade, atitude profissional, relação com os pacientes, relação com os colegas, pontualidade, didática etc). Apresentação de monografia a ser entregue até o penúltimo mês da residência, sobre algum tema específico da área de radioterapia. Ainda, de acordo com a Resolução nº 3, de 4 de maio de 2010 (MEC/SESu/CNRMS), é obrigatório: Cumprimento integral da carga horária prática do programa; 16 Cumprimento de um mínimo de 85% da carga horária teórica e teórico-prática; a aprovação obtida por meio de valores ou critérios alcançados pelos resultados das avaliações realizadas durante o ano, com nota mínima ou conceito definidos no Regimento Interno da COREMU Perfil de Egresso O profissional egresso do programa de residência possuirá uma formação completa abrangendo os diferentes níveis tecnológicos possíveis do parque radioterápico nacional e mesmo internacional. Ele deve ser capaz de realizar todas as atividades pertinentes à física médica de um serviço de radioterapia, desde a concepção de um novo departamento até seu funcionamento pleno. Durante o período de residência, o aluno realizará a apresentação oral de diferentes temas, desenvolvendo sua didática e oratória, e portanto, será apto a atuar na educação continuada dos diferentes profissionais envolvidos na radioterapia, como enfermeiros, médicos, técnicos, tecnólogos e mesmo outros físicos. O serviço de radioterapia do Hospital Sírio-Libanês dispõe de tecnologias, em geral, mais avançadas que as oferecidas pela maioria dos demais serviços do país. Sendo assim, uma característica importante dos alunos egressos é o fato de terem experiência prévia com tecnologias que ainda serão implantadas pelas instituições potencialmente empregadoras, o que os torna eventuais facilitadores dos processos de adoção de tecnologia.

Programa de Aprimoramento em Física Médica de Radioterapia

Programa de Aprimoramento em Física Médica de Radioterapia Programa de Aprimoramento em Física Médica de Radioterapia Oncologia D Or 2015 Preparado por: Aluísio Castro 0 CONTEÚDO INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVO GERAL... 5 OBJETIVOS ESPECIFICOS... 5 PÚBLICO ALVO... 5

Leia mais

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Radioproteção em Dosimetria IRD/CNEN Quem é o (sico médico?

Leia mais

Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica -

Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Fís. Adriano Oliveira dos Santos Goulart Especialista em Administração Hospitalar e Negócios em Saúde Especialista

Leia mais

Editorial. Introdução

Editorial. Introdução Editorial Proposta de residência em física médica conforme as diretrizes nacionais dos programas de residência multiprofissional e em área profissional da saúde dos Ministérios da Saúde e da Educação Introdução

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

O que é o Programa de Qualidade em Radioterapia do Instituto Nacional de Câncer INCA?

O que é o Programa de Qualidade em Radioterapia do Instituto Nacional de Câncer INCA? VI Encontro da Sociedade Brasileira de Radioterapia São Paulo, Brasil, 28-30 de outubro, 2004. O que é o Programa de Qualidade em Radioterapia do Instituto Nacional de Câncer INCA? Campos de Araujo, A.M.;Castelo

Leia mais

Ensino. Principais realizações

Ensino. Principais realizações Principais realizações Reestruturação dos Programas de ; Início do Projeto de Educação à Distância/EAD do INCA, por meio da parceria com a Escola Nacional de Saúde Pública ENSP/FIOCRUZ; Três novos Programas

Leia mais

Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013

Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013 Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013 Publicado no DO em 19 dez 2013 Dispõe sobre as atribuições do biomédico habilitado na área de imagenologia, radiologia, biofísica, instrumentação médica que compõe o

Leia mais

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino 54 55 Ensino Principais realizações Início da primeira etapa do Projeto de Diagnóstico de Recursos Humanos em Oncologia no país. Implementação da inscrição informatizada. Início do Projeto de Educação

Leia mais

Projeto de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde

Projeto de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde Projeto de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde 1- Identificação do Programa de Residência Multiprofissional 1.1- Instituição Formadora: 1.2- Unidade Responsável/ Instituição Executora: 1.3

Leia mais

pós-graduação 2014 especialização em reprodução assistida

pós-graduação 2014 especialização em reprodução assistida pós-graduação 2014 especialização em reprodução assistida CADERNO DO CURSO pós-graduação 2014 especialização em reprodução assistida CADERNO DO CURSO Autores Prof. Dr. Mauricio Simões Abrão Prof. Dr.

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUARUJÁ 2013 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS

APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS APLICAÇÕES DA CIÊNCIA NUCLEAR E O ENSINO DE DISCIPLINAS 1 INTRODUÇÃO Wellington Antonio Soares soaresw@cdtn.br Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN Centro

Leia mais

O Centro Regional de Treinamento do IRD/IAEA IRD/IAEA Simpósio Minérios & Radioatividade

O Centro Regional de Treinamento do IRD/IAEA IRD/IAEA Simpósio Minérios & Radioatividade O Centro Regional de Treinamento do Simpósio Minérios & Radioatividade 18 a 20 de Agosto de 2014 Almir Faria Clain almir@ird.gov.br Centro Regional de Treinamento do O Centro Regional de Ensino e Treinamento:

Leia mais

PROCESSO N 988/2006 PROTOCOLO N.º 9.041.582-4 PARECER N.º 652/06 APROVADO EM 08/12/06 INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ALVO

PROCESSO N 988/2006 PROTOCOLO N.º 9.041.582-4 PARECER N.º 652/06 APROVADO EM 08/12/06 INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ALVO PROTOCOLO N.º 9.041.582-4 PARECER N.º 652/06 APROVADO EM 08/12/06 CÂMARA DE PLANEJAMENTO INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ALVO MUNICÍPIO: APUCARANA ASSUNTO: Renovação do Reconhecimento do Curso

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM OPERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS EM RADIOTERAPIA

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP. Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica. Clarice Cardoso Xavier

II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP. Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica. Clarice Cardoso Xavier II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica Clarice Cardoso Xavier Trajetória Graduação Atividades extra-curriculares 5º ano - Estágio

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM

SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM Direção: Dr. Carlos Alberto Martins de Souza Coordenação: Fis. Antonio Pires Filho Supervisão: Drª Leolinda Maria E.

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Programa 0049 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Objetivo Ampliar e melhorar a oferta de atendimento aos portadores de necessidades educativas especiais. Público Alvo Alunos com necessidades educativas

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

UNIFESP Virtual - DIS

UNIFESP Virtual - DIS UNIFESP Virtual - DIS UNIFESP Virtual Avaliação 2003 http://www.virtual.unifesp.br Com o crescimento explosivo da Internet, da comunicação e do reconhecimento do potencial da rede em atuar na globalização

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

Especialização em Atendimento Educacional Especializado

Especialização em Atendimento Educacional Especializado Especialização em Atendimento Educacional Especializado 400 horas Escola Superior de Tecnologia e Educação de Rio Claro ASSER Rio Claro Objetivos do curso: De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases, especialmente

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Art.1º. O Estágio Supervisionado é componente curricular obrigatório do Curso de Graduação em Administração da FASIP que visa a proporcionar

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III

MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III SIC 38/10* Belo Horizonte, 3 de dezembro de 2010. MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III O MEC publicou a Portaria nº 1326, de 18/11/2010 (ver íntegra do texto abaixo). É preciso ser mágico

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

EDITAL N o 01/2012 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ESPECIALIZAÇÕES EM FISICA MÉDICA 2º SEMESTRE DE 2012

EDITAL N o 01/2012 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ESPECIALIZAÇÕES EM FISICA MÉDICA 2º SEMESTRE DE 2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS Transformada em Universidade pela Lei n 6.660 de 28 de dezembro de 2005 Campus Governador Lamenha Filho Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra,

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007

RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007 RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO, DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, MODALIDADE LICENCIATURA DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Vice-Reitor

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM RADIOFARMÁCIA Unidade Dias e Horários

Leia mais

FUNDAÇÃO DE DIREITO PRIVADO INSTITUÍDA EM 1999.

FUNDAÇÃO DE DIREITO PRIVADO INSTITUÍDA EM 1999. Apresentação FEAM FUNDAÇÃO DE DIREITO PRIVADO INSTITUÍDA EM 1999. PROMOVER AÇÕES PREVENTIVAS NA ÁREA DE SAÚDE E MEDICINA DAS RADIAÇÕES IONIZANTES, ATUANDO COM ÉTICA E QUALIDADE, E PROPORCIONANDO BEM ESTAR

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenador Geral de Estágio: Prof. Ricardo Constante Martins

Leia mais

FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM RADIOLOGIA MAMÁRIA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014

FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM RADIOLOGIA MAMÁRIA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014 FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM RADIOLOGIA MAMÁRIA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014 EDITAL N.º 11/2013-IEP/HCB A Fundação Pio XII, Hospital do Câncer

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC Programador de Dispositivos Móveis. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC Programador de Dispositivos Móveis. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em enfermagem Qualificação: sem

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM ANESTESIOLOGIA

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM ANESTESIOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM ANESTESIOLOGIA 1- IDENTIFICAÇÃO 1.1- Hospital: Rubens de Souza Bento Hospital Geral de Roraima. 1.2- Entidade Mantenedora: Secretaria Estadual de Saúde/SESAU-RR 1.3- Curso:

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC)

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) Escola de Enfermagem Wenceslau Braz DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem da Escola de Enfermagem Wenceslau Braz (EEWB) da cidade

Leia mais

PROGRAMA DO PÓS-GRADUAÇÃO EM SEXOLOGIA CLÍNICA

PROGRAMA DO PÓS-GRADUAÇÃO EM SEXOLOGIA CLÍNICA PROGRAMA DO PÓS-GRADUAÇÃO EM SEXOLOGIA CLÍNICA 1. Nome do curso e Área(s) do Conhecimento - Pós-Graduação/Especialização em Sexologia Clínica - Área do conhecimento: Medicina - Forma de oferta: presencial

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Coordenação de Pós-Graduação e Extensão Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Os cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu presenciais (nos quais

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP N 009/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000

RESOLUÇÃO CFP N 009/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000 RESOLUÇÃO CFP N 009/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000 Institui e regulamenta o Manual de Normas Técnicas para a Residência em Psicologia na área de saúde. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso das atribuições

Leia mais

Formação em Física Médica: Panorama Atual dos Cursos de Graduação e Perspectivas

Formação em Física Médica: Panorama Atual dos Cursos de Graduação e Perspectivas II ConFiMe II Congresso de Física Médica da Unicamp Formação em Física Médica: Panorama Atual dos Cursos de Graduação e Perspectivas Ricardo A. Terini Depto. de Física PUC-SP CONFIME 2010_ Formação em

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

XI Congresso Brasileiro de Física Médica 14 a 17 de junho de 2006 Centro de Convenções Ribeirão Preto, Ribeirão Preto SP.

XI Congresso Brasileiro de Física Médica 14 a 17 de junho de 2006 Centro de Convenções Ribeirão Preto, Ribeirão Preto SP. O PROGRAMA DE ENSINO A DISTÂNCIA DO INCA: O ELÉTRON NA RADIOTERAPIA Souza, R. S. 1 ; Araujo, A.M.C. 1 ; Viegas, C.C.B. 1 ; Marín, A.V. 1 ; Arreguy, E. E. M. 2 ; Pereira Jr., P. P. 3 ; Rodrigues, L. N.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO Este documento regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios do Curso de Bacharelado em Biomedicina visando à formação integral do

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL RADIOPROTEÇÃO (SEGURANÇA)

NORMA PROCEDIMENTAL RADIOPROTEÇÃO (SEGURANÇA) 50.05.005 1/5 1. FINALIDADE Estabelecer os requisitos básicos de proteção radiológica para as pessoas em relação à exposição à radiação ionizante. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Em toda a Instituição onde houver

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

SISTEMA DE CONSTRUÇÃO DE MODELO DE VOXELS A PARTIR DE IMAGENS DE CT OU MR PARA SIMULAÇÃO DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS VIA MCNP

SISTEMA DE CONSTRUÇÃO DE MODELO DE VOXELS A PARTIR DE IMAGENS DE CT OU MR PARA SIMULAÇÃO DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS VIA MCNP 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 SISTEMA DE CONSTRUÇÃO DE

Leia mais

Portaria MEC/Inep nº 230 de 13 de julho de 2010

Portaria MEC/Inep nº 230 de 13 de julho de 2010 Portaria MEC/Inep nº 230 de 13 de julho de 2010 Diário Oficial da União nº 133, de 14 de julho de 2010 (quarta-feira) Seção 1 Pág. 839/840 Educação INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS

Leia mais

III-Compreender e vivenciar o funcionamento e a dinâmica da sala de aula.

III-Compreender e vivenciar o funcionamento e a dinâmica da sala de aula. REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º -O Estágio Supervisionado de que trata este regulamento refere-se à formação de licenciados em Pedagogia

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE CONSULTA PARA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO EM ULTRASSONOGRAFIA

QUESTIONÁRIO DE CONSULTA PARA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO EM ULTRASSONOGRAFIA QUESTIONÁRIO DE CONSULTA PARA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO EM ULTRASSONOGRAFIA INSTITUIÇÃO ENDEREÇO CIDADE ESTADO CEP TELEFONE ( ) FAX ( ) E-MAIL: SITE: CNPJ: INSCRIÇÃO ESTADUAL: INSCRIÇÃO

Leia mais

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico:

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Frente aos potenciais riscos envolvidos na exposição à radiação ionizante e com a reocupação de manter um controle transparente

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em Diagnóstico por Imagem do Tórax 4.01.00.00-6

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 7. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 7. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 6 Etapas do Processo Seletivo Pág. 7 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA NO DIAGNÓSTICO

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica

Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica Bianca Maciel 1, Maria Fernanda S.S. Mattos 1, José Antônio de França Júnior 2, Regina

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Química: Intensivo para o ENEM e Vestibular. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Química: Intensivo para o ENEM e Vestibular. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA - CURITIBA Unidade

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras

MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras Rio de Janeiro Julho/2013 1. Apresentação O presente Manual foi reorganizado pelos membros do Colegiado dos Cursos de Licenciatura

Leia mais

Projetos de apoio ao SUS

Projetos de apoio ao SUS Carta Convite: Facilitação dos Cursos de Especialização em Gestão da Vigilância em Saúde, Gestão da Clínica nas Redes de Atenção à Saúde, Regulação em Saúde no SUS e Gestão do Risco e Segurança do Paciente

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

ANEXO AO EDITAL DE SELEÇÃO Nº 008 /2007. Projeto I - Capacitação de Professores de Educação Pré-Secundária e Secundária (Procapes)

ANEXO AO EDITAL DE SELEÇÃO Nº 008 /2007. Projeto I - Capacitação de Professores de Educação Pré-Secundária e Secundária (Procapes) ANEXO AO EDITAL DE SELEÇÃO Nº 008 /2007 Projeto I - Capacitação de Professores de Educação Pré-Secundária e Secundária (Procapes) MODALIDADE /ÁREA VAGAS REQUISITOS PARA A CANDIDATURA ATIVIDADES A SEREM

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

AVISO DE SELEÇÃO 29 Produto 04/08 -

AVISO DE SELEÇÃO 29 Produto 04/08 - AVISO DE SELEÇÃO 29 A OEI Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação a Ciência e a Cultura, no âmbito do Projeto OEI/BRA 08/003 Fortalecimento DA Capacidade Institucional da Secretaria de

Leia mais

MODELO. Professor, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Preenchimento do FORMULÁRIO ELETRÔNICO de avaliação

MODELO. Professor, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Preenchimento do FORMULÁRIO ELETRÔNICO de avaliação Professor, Apresentamos um modelo do Formulário Eletrônico a ser preenchido pelo coordenador do curso durante o processo de autorização ou reconhecimento de cursos. Colocamos na última coluna sugestão

Leia mais

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO Atualmente a FIBRA encontra-se em novas instalações contando com 33 salas de aula climatizadas, com instalações de equipamentos de multimídia, auditório climatizado com

Leia mais