MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS"

Transcrição

1 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 MACEIÓ/AL MAIO/2012

2 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 Relatório de Gestão do exercício de 2011, apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação de contas ordinária anual a que esta Unidade está obrigada nos termos do art. 70 da Constituição Federal, elaborado de acordo com as disposições da Instrução Normativa TCU nº 63/2010, da Decisão Normativa TCU nº 117/2011 e da Portaria - TCU nº 123/2011 e das orientações do órgão de controle interno. Maceió, 31/05/2012

3 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIAÇÕES E SIGLAS... 4 LISTA DE TABELAS, RELAÇÕES, GRÁFICOS, DECLARAÇÕES, ETC ORGANOGRAMA FUNCIONAL... 6 INTRODUÇÃO... 8 A CONTEÚDO GERAL Identificação da Unidade Jurisdicionada Planejamento e gestão orçamentária e financeira da unidade Responsabilidades institucionais da unidade Estratégia de atuação frente às responsabilidades institucionais Programas de Governo sob a responsabilidade da UJ Execução dos Programas de Governo sob a responsabilidade da UJ Desempenho Orçamentário/Financeiro Reconhecimento de passivos por insuficiência de créditos ou recursos Movimentação e os saldos de Restos a Pagar de Exercícios Anteriores Recursos Humanos Composição do Quadro de Servidores Ativos Demonstração da força de trabalho à disposição da unidade jurisdicionada Situações que reduzem a força de trabalho efetiva da unidade jurisdicionada Quantificação dos cargos em comissão e das funções gratificadas da unidade jurisdicionada Qualificação do quadro de pessoal da unidade jurisdicionada segundo a idade Qualificação do quadro de pessoal da unidade jurisdicionada segundo a escolaridade Composição do Quadro de Servidores Inativos e Pensionistas Classificação do quadro de servidores inativos da unidade jurisdicionada segundo o regime de proventos e de aposentadoria Demonstração das origens das pensões pagas pela unidade jurisdicionada Composição do Quadro de Estagiários Demonstração dos custos de pessoal da unidade jurisdicionada Terceirização de mão de obra empregada pela unidade jurisdicionada Informações sobre terceirização de cargos e atividades do plano de cargos do órgão Autorizações expedidas pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão para realização de concursos públicos para substituição de terceirizados Informações sobre a contratação de serviços de limpeza, higiene e vigilância ostensiva pela unidade Informações sobre locação de mão de obra para atividades não abrangidas pelo plano de cargos do órgão Composição do Quadro de Servidores Inativos e Pensionistas Informações sobre Transferências (recebidas e realizadas) no Exercício Informações referentes a contratos e convênios no SIASG Lei nº 8.730, de 10 de novembro de 1993 (entrega e tratamento das declarações de bens e rendas) Situação do cumprimento das obrigações impostas pela Lei 8.730/ Análise Crítica

4 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício Informações sobre o funcionamento do sistema de controle interno Informações quanto à adoção de critérios de sustentabilidade ambiental Informações sobre a gestão do patrimônio imobiliário Informações sobre a gestão de tecnologia da informação (TI) Informações sobre a utilização de cartões de pagamento do governo federal Informações sobre Renúncia Tributária Cumprimento às determinações e recomendações do TCU Deliberações do TCU atendidas no exercício Deliberações do TCU pendentes de atendimento ao final do exercício Recomendações do OCI atendidas no exercício Recomendações do OCI pendentes de atendimento ao final do exercício Tratamento das recomendações realizadas pela unidade de controle interno B INFORMAÇÕES CONTÁBEIS DA GESTÃO Declaração do contador responsável Demonstrações contábeis previstas na Lei nº 4320/ Demonstrações contábeis previstas na Lei nº 6404/ Composição acionária Parecer da auditoria independente C CONTEÚDO ESPECÍFICO DA UJ Informações sobre a remuneração paga aos administradores Informações sobre as entidades fechadas de previdência complementar ANEXOS ANEXO 1 Item A ANEXO 2 Item A ANEXO 3 Item A ANEXO 04 Item A ANEXO 05 Item A ANEXO 6 Item A ANEXO 7 Item B ANEXO 8 Item B.4 Análise Crítica das demonstrações contábeis ANEXO 9 Item B.3 - Demonstrações contábeis ANEXO 10 Item B ANEXO 11 Item B ANEXO 12 Item C

5 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 LISTA DE ABREVIAÇÕES E SIGLAS AFAC Adiantamento para Futuro Aumento de Capital ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica BIRD Banco Mundial CDE Conta de Desenvolvimento Energético CEPEL Centro de Pesquisa de Energia Elétrica da Eletrobras CMDE Contrato de Metas e Desempenho Empresarial CNAE Cadastro Nacional de Atividade Econômica DEC Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora DEST Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais DIC Duração de Interrupção Individual por Unidade Consumidora ou por Ponto de Conexão DN Decisão Normativa EDE s Empresas de Distribuição da Eletrobras FEC Freqüência equivalente por unidade consumidora LOA Lei Orçamentária Anual LT s Linhas de Transmissão MME Ministério de Minas e Energia PCH s Pequenas Centrais Hidrelétricas PDG Programa de Dispêndios Globais PEE Programa de Eficiência Energética P&D Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico PIE Produtores Independentes de Energia PMD Plano de Melhoria de Desempenho PMSO Pessoal, Material, Serviços e Outras Despesas PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica PTSE Plano de Transformação do Sistema Eletrobras RGR Reserva Global de Reversão SE s Subestações SGD Sistema de Gestão de Desempenho SIASG Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais SICOM Sistema de Comunicação de Governo do Poder Executivo Federal SIAGE Sistema de Acompanhamento Gerencial SIEST Sistema de Informação das Estatais SIGPLAN Sistema de Informações Gerenciais e de Planejamento SIAFI Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIORG Sistema de Informações Organizacionais do Governo Federal TAC Termo de Ajuste de Conduta TAF Taxa de Arrecadação Financeira TCU Tribunal de Contas da União TMA Tempo Médio de Atendimento UG Unidades Gestoras UJ Unidade Jurisdicionada UO Unidade Orçamentária 4

6 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 LISTA DE TABELAS, RELAÇÕES, GRÁFICOS, DECLARAÇÕES, ETC. Quadro 1 - Identificação da Unidade Jurisdicionada no Relatório de Gestão Individual (Quadro A.1.1)... 9 Quadro 2 - Demonstrativo da Execução por Programa de Governo (Quadro A.2.1) Quadro 4 - Execução Física das ações realizadas pela UJ (Quadro A.2.2) Quadro 5 - Força de Trabalho da UJ (Quadro A.5.1) Quadro 6 - Situações que reduzem a força de trabalho da UJ (Quadro A.5.2) Quadro 7 - Detalhamento estrutura de cargos em comissão e funções gratificadas da UJ (Quadro A.5.3) Quadro 8 - Quantidade de servidores da UJ por faixa etária (Quadro A.5.4) Quadro 9 - Quantidade de servidores da UJ por nível de escolaridade (Quadro A.5.5) Quadro 10 - Composição do Quadro de Servidores Inativos (Quadro A.5.6) Quadro 11 - Composição do Quadro de Instituidores de Pensão (Quadro A.5.7) Quadro 12 - Composição do Quadro de Estagiários (Quadro A.5.8) Quadro 13 - Quadro de custos de pessoal no exercício de referência e nos dois anteriores (Quadro a.5.9) Quadro 14 - Relação dos empregados terceirizados substituídos em decorrência da realização de concurso público ou de provimento adicional autorizados (Quadro A.5.10) Quadro 15 - Autorizações para realização de concursos públicos ou provimento adicional para substituição de terceirizados (Quadro A.5.11) Quadro 16 - Contratos de prestação de serviços de limpeza e higiene e vigilância ostensiva (Quadro A.5.12) Quadro 17 - Contratos de prestação de serviços com locação de mão de obra (Quadro A.5.13) Quadro 18 - Resumo do quadro de servidores Quadro 19 - Quadro de acidentes de trabalho Quadro 20 - Educação continuada Quadro 21 - Demonstrativo do cumprimento, por autoridades e servidores da UJ, da obrigação de entregar a DBR (Quadro A.8.1) Quadro 22 - Gestão Ambiental e Licitações Sustentáveis (Quadro A.10.1) Quadro 23 - Gestão da Tecnologia da Informação da UJ (Quadro A.12.1) Quadro 24 - Remuneração dos Conselhos de Administração e Fiscal (Quadro C.12.1) Quadro 25 - Informações sobre recomendação da unidade de controle interno ou de auditoria interna atendida no exercício (Quadro A.16.1) Quadro 26 - Informações sobre Recomendação de Unidade de Auditoria Interna Pendente de Atendimento no Final do Exercício de Referência (Quadro A.16.2)

7 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 ORGANOGRAMA FUNCIONAL 6

8 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício

9 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 INTRODUÇÃO O Relatório de Gestão da Companhia Energética de Alagoas CEAL apresenta de forma sucinta as realizações referentes ao exercício O mesmo contém descrições, demonstrações e tabelas das realizações nesse exercício, onde todos os números que foram realizados podem ser consultados. Os itens 3, 4, 6, 11, 13, 14 da parte A e o item 2 da parte B, constantes da DN TCU Nº 123/2011, não são aplicados à CEAL por esta ser parte da administração indireta. Por não sermos usuários do SIAFI também não foi possível preencher os quadros do item

10 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 A CONTEÚDO GERAL 1. Identificação da Unidade Jurisdicionada Quadro 1 - Identificação da Unidade Jurisdicionada no Relatório de Gestão Individual (Quadro A.1.1) Poder e Órgão de Vinculação Poder: Executivo Órgão de Vinculação: Ministério de Minas e Energia Código SIORG: Identificação da Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Companhia Energética de Alagoas Denominação abreviada: CEAL Código SIORG: Não se Aplica Código LOA: Não se Aplica Código SIAFI: Não se Aplica Situação: ativa Natureza Jurídica: Sociedade de Economia Mista Principal Atividade: Concessionária de distribuição de energia elétrica Código CNAE: Telefones/Fax de contato: (082) (082) (082) Página na Internet: Endereço Postal: Av. Fernandes Lima, nº 3349 Gruta de Lourdes, Maceió/AL CEP: Normas relacionadas à Unidade Jurisdicionada Normas de criação e alteração da Unidade Jurisdicionada Lei nº de 08/04/1959 Autoriza o Poder Estadual a organizar uma sociedade de economia mista, por ações, destinada a realizar o aproveitamento, exploração e distribuição de energia elétrica no Estado de Alagoas. Decreto Presidencial nº de 15/06/1961 Concede autorização para funcionar como empresa de energia elétrica a Companhia de Eletricidade de Alagoas. Escritura Pública de constituição da Sociedade Anônima de Economia Mista Companhia de Eletricidade de Alagoas CEAL. Cartório Heitor Martins Tabelião do 4º Ofício Maceió, AL. Livro nº 71 Fls. 111v a 120v lavrada em 17/08/1960. Outras normas infralegais relacionadas à gestão e estrutura da Unidade Jurisdicionada ORGANIZACIONAL Regimento Interno do Comitê de Normas e Processos Norma de Padronização das Práticas da Organização Regimento Interno Elaboração de Normas e Instruções de Procedimentos Manual de Documentos Oficiais Padronização das Práticas da Organização RECURSOS HUMANOS Adicional de Periculosidade Alcoolismo Concessão de Férias Benefícios Assistenciais aos Aposentados Brigada de Emergência Recrutamento e Seleção Ergonomia Aplicada ao Trabalho Transferência de Empregados Função de Motociclista Treinamento e Desenvolvimento de Pessoal Medidas Disciplinares Concessão de Estágio Cessão e Requisição de Pessoal 9

11 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 Controle e Registro de Frequência Auxílio Educação aos Dependentes de Empregados Inquérito Administrativo Avaliação de Desempenho Assistência aos dependentes Especiais Gratificação de Função Norma de Incentivo a Atividades Físicas e Desportivas Norma de Desenvolvimento e Capacitação de Pessoas Norma do Macroprocesso de Educação Corporativa Norma de Regime de Sobreaviso Norma de Empréstimo Em Consignação Norma de Auxilio Educacional Escolar - Creche/Pré-Escola/Babá/Material Norma de Deveres dos Empregados, Proibições e Norma de Auxílio Educacional Ensino Superior Norma de Rescisão Contratual Sem Justa Causa; Norma de Frequência, Jornada de Trabalho e Horas Extras; Norma de Auxílio Alimentação/Refeição; Norma de Estágio de Estudantes; Norma de Comunicação de Acidente de Trabalho; Norma de Comissão Interna de Prevenção de Acidentes; Procedimento de Controle e Avaliação das Ações Educacionais; Procedimento de Pós Graduação - Lato Sensu e Stricto; Procedimento de Idioma Estrangeiro. SUPRIMENTOS Gestão de Contratos Administração de Materiais Aquisição de Bens e Serviços Contas a Pagar Armazenagem de Materiais e Alienação de Bens Inventário de Materiais e Equipamentos Gestão de Materiais Inventário de Material Alienação de Bens Móveis TRANSPORTES Transporte Coletivo para Condução de Empregados Credencial do Condutor de Veículo Desconto de Avarias em Veículos da CEAL Locação de Veículos de Terceiros PLANEJAMENTO E EXPANSÃO Serviço de Análise e Elaboração de Projeto Credenciamento de Engenheiro SERVIÇO DA DISTRIBUIÇÃO Consumidor de Baixa Renda Fraude Locação de Transformadores Procedimentos Operacionais do Centro de Operação da Distribuição - COD Desligamento no Sistema de Distribuição Elaboração e Análise de Projetos de Rede de Distribuição e Subestação em 13.8 kv TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Política de Uso da Internet Norma de Política de Backup e Restore de Dados Norma de Segurança da Informação SERVIÇOS AUXILIARES Abalroamento de Postes Arquivamento Bens Móveis Uso de Equipamentos de Proteção Individual e Coletivo 10

12 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 Uso de Linhas Telefônicas Procedimentos de Segurança Serviços de Protocolo Uso de Telefones Celulares Uso de Uniformes Padrões da CEAL Comunicação de Acidentes e Doenças do Trabalho Administração de Serviços de Digitação Pedido de Indenização por Danos Elétricos Serviço de Telefonia Fixa, Móvel e Fax Acesso as Dependências da Empresa CONTÁBIL/FINANCEIRO Ações de Indenizações Comerciais Fundo Fixo de Caixa Norma e procedimento de viagem ao País Denúncia de Fornecimento de energia para Terceiros Recebimento de Denúnia de Procedimento Irregular e Ligação Clandestina Encerramento de Ordem de Serviço de Corte por Pagamento da Fatura de Energia Geração Campanha de Inspeção em Unidades Consumidoras Inspeção da Medição e do Padrão de Entrada de Unidades Consumidoras Atendidas em Baixa Tensão e Detecção de Procedimento Irregular Inspeção da Medição e do Padrão de Entrada de Unidades Consumidoras Atendidas em Alta Tensão e Detecção de Procedimento Irregular Detecção e Regularização de Ligações Clandestinas Gestão do Processo de Corte por Falta de Pagamento Cálculo das Diferenças de Faturamento Irregular de Consumo Procedimento para Suspensão do Fornecimento de Energia Elétrica por Falta de Pagamento (Geração da Ordem de Serviço de Corte) Processo de Cobrança Administrativa Inclusão de Clientes no Cadastro do Serviço de Proteção ao Crédito Reclamação de UC Ligada e Contrato Pendente Resgate de Cheque Devolvido Refaturamento das Unidades Consumidoras do Grupo A Devolução de Pagamento Recebido em Duplicidade (Energia e Encargos) Reclamação por Valores Faturados - Encargos e Taxas Instalar Ramal de Ligação em UC com Fornecedor de Energia Elétrica Suspenso Reclamação por Corte Indevido Estorno de Arrecadação por Pagamento de Fatura de Energia Elétrica de Terceiro Revisão Cadastral de Unidades Consumidoras em Campo Reclamação por Irregularidade na Medição Faturamento da Irregularidade Faturamento dos Serviços Cobráveis Alterações Cadastrais (cliente e UC) e Mudança de Titularidade Emissão de Reaviso para Fornecimento do Grupo A Vistoria da Unidade Consumidora do Grupo B Entrega de Faturas de Energia Elétrica Leitura de Medidores do Grupo B Lançamento de Débitos para Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (PCLD) Atendimento ao Pedido de Fornecimento ao Cliente do Grupo A e Optante Atendimento ao Pedido de Fornecimento ao Cliente do Grupo B Tratamento de Débitos Incobráveis Auditoria de Implantação dos Procedimentos Comerciais Registro das Irregularidades de Leitura Emissão de Reaviso para Fornecimento do Grupo B Distribuição e Controle de Selos Lacres Pagamento da Guia de Previdência Social - GPS Faturamento de UC do Grupo "A" Faturamento de UC do Grupo "B" Procedimento para Impressão de Faturas do Grupo "B" Gestão do Processo de Cobrança Judicial Atendimento ao Cliente com Débito em outra UC Reclamação por Erro de Débito em Conta 11

13 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 Faturamento por Média de Três Ciclos Consecutivos Reclamação por Erro de Leitura Reclamação por Fatura de Energia Elétrica não Entregue Controle Diário do Faturamento Reclamação de Valores Faturados por Média Parcelamento de Débito de Terceiros Contratação de Agentes Arrecadadores Gestão do Processo de Corte por Falta de Pagamento Procedimento para a Leitura dos Medidores do Grupo A Orientação ao Cliente sobre a Estrutura Tarifária e as Opções de Faturamento Gestão e Controle do Prazo do Fornecimento Provisório Gestão do Processo de Religação Definição do Calendário de Leituras Orientação ao Cliente sobre a Medição Instalada Execução Automática da Arrecadação Estabelecimento da Tensão de Fornecimento Orientação ao Cliente sobre Prazos de Ligação nos Casos de Extensão de Rede Gestão do Processo de Atendimento ao Pedido de Fornecimento de Iluminação Pública Aprovação do calendário de Leitura Execução Manual da Arrecadação Orientação ao Cliente Quanto ao Padrão de Entrada da UC. Condicionantes para Mudança de Grupo Tarifário. Análise da Demanda Contratada-Tensão Primária. Valores Mínimos Faturáveis Processo de Encerramento das Relações Contratuais para Clientes do Grupo A Processo de Encerramento das Relações Contratuais - Grupo B. Gestão do Processo do Fornecimento Precário. Composição da Fatura de Energia Elétrica. Prazos de Entrega de Faturas Análise e Definição da Necessidade de Rede - Universal Atendimento a Solicitação de Aumento de Carga _BT - BT_ Atendimento a Solicitação de Aumento de Carga _BT - AT Atendimento a Solicitação de Aumento de Carga _AT - AT_ Cadastro das Unidades Consumidoras Orientações ao Cliente Quanto ao Projeto das Instalações Elétricas das UCs Analisar Fatura - Geração de OS em Bloco Contratação de Conexão e Uso do Sistema de Distribuição Medição e Faturamento de Clientes Livres Análise e Reconhecimento da Sazonalidade para Fins de Faturamento. Atendimento a Solicitação de Desligamento para Reforma do Padrão Entrada Enquadramento no Programa Luz para Todos Verificação da Atividade da UC para Classificação e Aplicação Tarifa Faturamento do Fornecimento de Iluminação Pública Critérios para Definição do Ponto de Entrega Cobrança da COSIP Contratação de Energia Pura Tratamento de Liminar Judicial Substituição de Fatura do Grupo B Reclamação por Reclamação não Atendida Realizar Leitura e Entrega Simultânea Manutenção e Melhoria do Sistema AJURI Instalar Lacres na Caixa de Medição da UC Geração Manual de Lançamentos Geração Automática de Lançamentos a Faturar Estatísticas de Atendimento Comercial e COD Verificação Metrológica de Medidor de Energia Elétrica Serviço Telefônico Comercial e Técnico Integrado Remeter Declaração por Solicitação do Cliente Reclamação por Ordem de Serviço não Atendida Desligamento de Unidade Consumidora com Retirada do Medidor Atualização das Tarifas e dos Serviços Cobráveis no Sistema AJURI 12

14 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 Procedimento para Levantamento de Carga Instalada Faturamento Eventual Antecipado Cadastramento do Débito em Conta - Geração de Arquivos Desligamento de UC com Fornecimento de Energia Elétrica Suspenso no Ponto de Derivação Inspeção e Manutenção em Coletor de Leituras Reclamação por Dados do Contrato Incorretos. Definir Itinerário de Leitura no Cadastramento da UC Processo de Instalação de Medidor e Ramal de Ligação Manutenção de Medidores. Correção dos Dados da Medição Reclamação junto aos Orgão de Defesa do Consumidor Gerência de Equipes Controle de Veículos Reclamação por Fatura não Arrecadada Emissão de 2a Via de Energia Elétrica através da Internet Reclamação por Verificação Metrológica Controle de Senhas de Atendimento Desligamento de UC no Ponto de Derivação a Pedido do Cliente Programação e Pré-programação de Serviços Arrecadação por Encontro de Contas Entrega do Contrato de Fornecimento ao Cliente do Grupo A. Emissão e Entrega do Contrato de Adesão. Faturamento de Penalidades - DIC, FIC e DMIC Fatura Agrupada por Órgão Pagador Emissão de Fatura Especial Reclamação de Agente Arrecadador Religação de UC com Fornecimento de Energia Elétrica Suspenso na Caixa de Proteção ou na Mediç Reclamação de Cobrança Externa. Emissão de Fatura Complementar Emissão de Fatura de Consumo Final. Reclamação por Pagamento de Fatura Cancelada. Contratação na Estrutura Tarifária Convencional e Horo-sazonal Reclamação por Obra não Realizada no Prazo Alterar Data de Vencimento da Fatura de Energia Elétrica Carregar e Descarregar Leituras Enquadramento de UC na Subclasse Residencial Baixa Renda Geração de OS em Bloco para Inspeção de Cortado Reclamação por Falta de Iluminação Pública Liberação e Cobrança de Ligação de Iluminação Natalina Reclamação por Pagamento da Fatura Parcelada Inclusão de Clientes no Cadastro da SERASA Cadastramento de Semáforos, Sinalizadores e Assemelhados. Cadastro de Entrega Alternativa de faturas de Energia Elétrica. Reclamação Relativa à Freqüência das Interrupções. Encargos Diversos. Corrigir Histórico da Medição Diretrizes para Faturamento Plurimestral Conclusão de OS em Bloco Entrega de Faturas de Energia do Grupo A. Reclamação por Despacho de Ordem de Serviço de Religação Efetuar Cálculo Financeiro Consumos Adicionais. Análise das Estatísticas de Faturamento para Melhoria do Processo Conceitos de Faturamento Suspensão do Fornecimento de Energia por Falta de Pagamento Substituição de Fatura por Acúmulo de Consumo Cancelamento de Faturas. Ed.02 Suspensão do Fornecimento de Energia por Falta de Pagamento - Grupo B. Ed.02 Refaturamento das Unidades Consumidoras do Grupo A. Ed. 02 Estorno de Arrecadação por Pagamento de Fatura de Terceiro. Ed.02 Entrega de Faturas de Energia do Grupo B. Ed.02 13

15 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 Processo de Pagamento Tratamento de Demandas Recebidas da Ouvidoria Tratamento de Reclamações de Consumidores Manuais e publicações relacionadas às atividades da Unidade Jurisdicionada Unidades Gestoras e Gestões relacionadas à Unidade Jurisdicionada Unidades Gestoras relacionadas à Unidade Jurisdicionada Código SIAFI Nome Não se Aplica Não se aplica Gestões relacionadas à Unidade Jurisdicionada Código SIAFI Nome Não se aplica Não se aplica Relacionamento entre Unidades Gestoras e Gestões Código SIAFI da Unidade Gestora Código SIAFI da Gestão Não se aplica Não se aplica Fonte: CEAL Presidência (PR) 14

16 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício Planejamento e gestão orçamentária e financeira da unidade 2.1. Responsabilidades institucionais da unidade A Eletrobras Distribuição Alagoas apresenta o seu Relatório de Gestão contendo suas principais realizações no exercício de 2011, reafirmando o seu compromisso de transparência empresarial ao disseminar informações relevantes para todas as partes interessadas. A Companhia tem por objeto explorar os serviços de energia elétrica, conforme o contrato de concessão, realizando estudos, projetos, construção e operação de usinas produtoras, subestações, linhas de transmissão e redes de distribuição de energia elétrica, e a prática dos atos de comércio necessários ao desempenho destas atividades. A Companhia desenvolve também atividades de pesquisa e aproveitamento de fontes alternativas de energia, visando a sua transformação e consequente exploração como energia elétrica. Consciente dos seus desafios, a Companhia entende que seus serviços constituem não só vetor fundamental para o desenvolvimento da sociedade e a melhoria da qualidade de vida do cidadão, mas também um instrumento para a prática de justiça social, proporcionando o acesso universal à energia elétrica, concentrando os seus esforços na melhoria dos serviços prestados aos clientes, com disciplina financeira e técnico operacional de modo a honrar seus compromissos. Em um ambiente econômico promissor, cujo fornecimento de energia elétrica tem crescido a taxas médias significativas, a Companhia sente-se recompensada a cada nova ligação de energia elétrica. Em 2011, foram incorporados ao cadastro de clientes novos consumidores, representando crescimento de 4,3% em relação a 2010, alcançando consumidores, distribuídos nos 102 municípios alagoanos. No ano de 2011, foram investidos cerca R$ 86 milhões em obras de ampliação de subestações, melhoria e ampliação de redes de distribuição, investimentos e ativos de informática e automação, bem como iniciados diversos projetos importantes que irão garantir o atendimento a demanda crescente de energia elétrica no Estado de Alagoas. No campo da responsabilidade socioambiental, a Companhia, por meio do Programa Luz para Todos, levou eletricidade a domicílios rurais, totalizando ligações no período 2004/2011, superando a meta (104,2%) prevista de atendimentos. Em 17 de agosto de 2011, a Companhia completou 51 anos de efetiva operação em prol do desenvolvimento do Estado, momento em que a Diretoria ousou desafiar os empregados a assumirem um compromisso pelo estabelecimento de novas diretrizes para a empresa, alinhadas a melhoria de seu desempenho operacional. Essas diretrizes surgem da identificação do ambiente interno (forças e fraquezas) e externo (oportunidades e ameaças) os quais a empresa está inserida, alinhado-as a filosofia, crença, política e visão estratégica de sua controladora, pelo que se organiza para uma avaliação crítica como se fora uma empresa de capital aberto, e à estratégia de desenvolvimento do Governo Federal, orientada para as dimensões social, econômica, regional, ambiental e democrática, com programas e ações voltados para atender o grau de desenvolvimento desejado para o País e a sociedade em geral. Nesse contexto foram identificadas 03 (três) diretrizes principais, que nortearão a empresa nos próximos anos: 15

17 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 Consolidação da gestão integrada e realização do saneamento e equilíbrio econômicofinanceiro; Aumento da eficácia e eficiência operacional, melhoria da qualidade dos serviços, redução das perdas de energia e inadimplência; Modernização da estrutura organizacional e sistema de gestão, melhoria e integração dos processos administrativos, capacitação e profissionalização do quadro gerencial e técnicoadministrativo das empresas. Essa introdução possui desafio máximo ao integrar as ferramentas de controle de indicadores e metas então estabelecidos na empresa, quer sejam corporativos, instituídos por meio do Contrato de Metas e Desempenho Empresarial CMDE, quer sejam individuais, por meio do Sistema de Gestão de Desempenho SGD. E nesse desafio a Diretoria passa a exercer papel fundamental ao introduzir reuniões mensais de avaliação de desempenho e controle de resultados com as equipes da empresa, garantindo a realização do PDCA - Plan, Do, Check, Act (planejar, executar, verificar e agir). É nesse contexto que as alterações introduzidas estão marcando significativamente a forma de atuação de cada um dos empregados, perpassando todos os níveis hierárquicos da Companhia, onde já se pode observar a mudança na tendência de diversos indicadores de desempenho Estratégia de atuação frente às responsabilidades institucionais O planejamento estratégico da Companhia foi fortemente alterado no curso do exercício de 2011, sendo estabelecido um novo modelo, melhor definido e que visa, sobretudo, garantir a evolução contínua das ações desenvolvidas na empresa. Para melhor entendimento, descrevemos abaixo sua formulação, implementação e desenvolvimento. 1 Formulação das Estratégias 1.1. Análise do macroambiente, identificação e análise das características do setor de atuação, e tendências O processo de Planejamento das Empresas de Distribuição da Eletrobras é elaborado seguindo diretrizes estratégicas da Eletrobras Holding estabelecidas no Planejamento Integrado , de onde é elaborado o Plano de negócios e diagnóstico da Distribuição. O Plano de Negócios é desenvolvido com base na reflexão dos questionamentos e técnicas apresentados na figura 1: A filosofia empresarial da empresa firma-se na Missão, Visão e Valores. A definição dos objetivos estratégicos é realizada de acordo com as seguintes perspectivas: Resultados Para termos Êxito, como 16

18 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 satisfaremos nossos acionistas? Cliente mercado Para atingir a visão, que requerimentos dos clientes deveremos atingir? Processos internos Para satisfazer meu acionista, clientes/sociedade, o que meus processos precisam entregar? Pessoas Quais as competências internas que precisamos para alcançar a excelência? Inovação & Melhoria Qual a infraestrutura (tecnologia) que precisamos para alcançar a excelência? O ambiente externo é elaborado através de análise SWOT de acordo com as oportunidades a ameaças às estratégias da empresa Análise do Mercado de atuação e suas fontes A análise do ambiente interno e externo da organização ocorre por meio da análise e identificação das características do setor de distribuição de energia elétrica, do macro ambiente e do mercado de atuação e suas tendências. Como preparação para esta etapa uma série de informações são levantadas e segmentadas em oito Temas Estratégicos: Presidência, Expansão, Suprimentos, Regulação, Operação, Finanças, Gestão e Comercial. Para a construção de matriz SWOT são realizadas reuniões e workshops composta pelas principais lideranças da empresa com o intuito de verificar oportunidades e ameaças que podem afetar e influenciar diretamente as estratégias da empresa. A construção do Plano de Negócios desdobrados em Projetos estratégicos e respectivos indicadores e metas indicam como chegar lá Análise do Ambiente Interno da Organização. A análise de ambiente interno está estruturada na Matriz SWOT. Nesta análise, o ambiente interno é evidenciado de acordo com o levantamento dos pontos fortes e pontos fracos em relação à capacidade da organização em atender o negócio da Eletrobras Distribuição Alagoas Definição dos riscos empresariais, e das principais estratégias e objetivos da organização. Na figura abaixo é detalhado o fluxograma para construção do Planejamento Estratégico. Definidos os Objetivos estratégicos com base nas perspectivas abordadas no item a, são definidas a diretrizes por tema e indicadores, bem como as metas para os próximos 3 anos. Estas diretrizes são desdobradas em Projetos ou Planos de Ação monitorados através de indicadores com respectivas metas, responsáveis e prazo. 17

19 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 Os riscos empresariais e os aspectos relacionados ao desenvolvimento sustentável (desempenho econômico financeiro, social e ambiental) são considerados durante a análise dos cenários interno e externo e são incorporados nas estratégias, seguindo a metodologia da análise da matriz SWOT. Os principais objetivos estratégicos da empresa são detalhados na tabela abaixo: Objetivos Estratégicos Objetivo 1: Melhorar o desempenho econômico-financeiro do negócio Distribuição, alcançando os níveis regulatórios Objetivo 2: Melhorar a qualidade do serviço e atendimento aos clientes Indicadores PMSO/ROL (%) Melhor ( ) Dívida líquida/ebtida (%) - Melhor ( ) Lucro Líquido/Patrimônio Líquido (%) - Melhor ( ) Ebtida/ROL (%) Melhor ( ) Perdas Melhor ( ) Inadimplência - Melhor ( ) Pontuação obtida no ISE Bovespa (dimensão econômica) Melhor ( ) DEC (horas) Melhor ( ) FEC (Nº de ocorrências ( ) Índice ANEEL de satisfação dos consumidores IASC Melhor ( ) Índice de satisfação dos colaboradores (%) Melhor ( ) Taxa de Frequência acidentes de trabalho Melhor ( ) Pontuação obtida no ISE Bovespa (dimensão social, ambiental e mudanças climáticas) Melhor ( ) Investimento Realizado / Investimento aprovado Melhor ( ) Objetivo 3: Aumentar o nível histórico da realização dos investimentos Todas as partes interessadas são consideradas nas dimensões relativas aos objetivos estratégicos, de maneira a garantir o alinhamento das suas necessidades com as estratégias da Empresa, conforme apresentado. 18

20 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 A divulgação do Plano Estratégico para as partes interessadas é feita por meio dos seguintes mecanismos: Intranet, Informativo Nossa Energia, distribuição da cartilha do Plano Estratégico e palestras da Alta Direção para todos os colaboradores Avaliação do modelo de negócio em consonância com a definição das estratégias A estruturação do modelo de negócio é definida com base na concessão estabelecida pela Agência Reguladora ANEEL. Esta, por meio de resolução define em que forma a concessionária poderá atuar em seu mercado. Assim, o setor de distribuição de energia elétrica, por ser uma concessão de serviço público e altamente regulado não permite implantar mudanças no modelo de negócio como redefinir produtos, área de concessão, cliente alvo, etc. O mesmo acontece em relação à política de formação de preço e à estrutura de custo que são definidas pela empresa de referência especificada pela ANEEL. O relacionamento com fornecedores de energia elétrica é definido por meio de leilões. Ao final do ciclo demonstrado na figura 2, após confronto entre os resultados esperados e os resultados apresentados, as informações são realimentadas e o aprendizado será considerado para o novo ciclo. O processo é revisto sistematicamente, antes do início do ciclo do Planejamento Estratégico. 2 Implementação das Estratégias 2.1. Definição de indicadores, estabelecimento de metas de curto e longo prazo, definição dos planos de ação e referenciais comparativos. Ainda conforme o fluxo apresentado na figura 2, OS indicadores são definidos para as diretrizes estabelecidas para cumprimento dos objetivos estratégicos por Tema e são estabelecidas as metas para os próximos 3 anos. Destas diretrizes, são estabelecidos os Projetos ou Planos de Ação que devem conter as iniciativas e respectivos indicadores, metas, responsáveis e prazos. Abaixo estão detalhados os principais indicadores e metas para a Eletrobras Distribuição Alagoas nos próximos três anos: 19

21 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 Objetivos Estratégicos Objetivo 1: Melhorar o desempenho Econômico- Financeiro do Negócio Distribuição, alcançando níveis regulatórios Indicadores Estratégicos Ano PMSO/ROL (%) Melhor ( ) 32,42 23,89 18,66 Dívida líquida/ebtida (%) - Melhor ( ) 2,04 3,45 2,51 Lucro Líquido/Patrimônio Líquido (%) - Melhor ( ) 1,32 4,18 13,74 Ebtida/ROL (%) Melhor ( ) 15,62 16,53 21,68 Perdas Melhor ( ) 25,33 19,97 17,29 Inadimplência - Melhor ( ) 18,4 16,4 14,6 DEC (horas) Melhor ( ) ,4 FEC (Nº de ocorrências ( ) 15,1 14,8 14,1 Objetivo 2: Melhorar a qualidade do serviço e o atendimento aos clientes Índice ANEEL de satisfação dos consumidores IASC Melhor ( ) Índice de satisfação dos colaboradores (%) Melhor ( ) ,5 66,2 69,5 72,9 Objetivo 3: Aumentar o nível histórico da realização dos investimentos Taxa de Frequência acidentes de trabalho Melhor ( ) 8,17 7,76 7,37 Taxa de Gravidade - Acidentes de Trabalho - Melhor ( ) Investimento Realizado / Investimento aprovado Melhor ( ) 84% 84% 84% 2.2. Desdobramentos de metas e planos de ação Os referenciais comparativos são utilizados, sobretudo nos indicadores definidos pela ANEEL e utilizados nos relatórios da ABRADEE como os de qualidade da prestação dos serviços (DEC e FEC), satisfação dos consumidores (IASC), satisfação dos colaboradores, perdas, etc. Os planos de ação são desdobrados a partir da definição dos objetivos estratégicos e todos desdobrados em Ações ou Projetos que podem ser classificados como Corporativos que serão realizados de maneira centralizada para o conjunto das seis Empresas, cujo responsável será o coordenador do macroprocesso em referência ou Locais que serão realizados apenas pela Eletrobras Distribuição Alagoas. As ações se se caracterizam pelo fato de os recursos serem classificados como custeio e sua priorização depende da economia gerada para empresa após sua implantação. Já os projetos são caracterizados pelo fato de necessitarem de captação de recursos de terceiros para financiamento dos investimentos e sua priorização depende do retorno financeiro com sua implantação considerando a viabilidade econômico-financeira por meio da TIR, VPL e pay-back. A figura abaixo apresenta o desdobramento da estratégia, destacando o detalhamento do Plano de ação realizado utilizando a técnica 5W2H. Esta técnica permite que cada Projeto ou Ação possua um responsável que deverá desdobrá-las em plano de ação, definido a equipe, cronograma, estimativa de custos, periodicidade de acompanhamento e indicadores. 20

22 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício Alocação de recursos Durante elaboração dos projetos ou planos de ação, os responsáveis por cada um deles devem evidenciar o retorno financeiro através da viabilidade econômica de sua implantação e deixar claro quais os benefícios para a empresa. Ou seja, os projetos são analisados de acordo com a rentabilidade de cada um deles e dos impactos que cada um pode trazer para a empresa, sobretudo com relação ao aumento de receita, melhora a qualidade do fornecimento e redução de perdas técnicas. Com base nesta analise, os projetos e ações são apresentados em reuniões e workshops com a coordenação direta do Diretor-Presidente da empresa que, em conjunto com os demais Diretores, realiza a priorização de cada um de acordo com o orçamento aprovado Comunicação das estratégias Após a validação do Plano e negócio, este é apresentado a todos os empregados das seis Empresas de Distribuição da Eletrobras, transmitidos via vídeo conferência através dos diversos pontos instalados nas capitais e interiores em evento específico coordenado pelo Diretorpresidente. Além deste evento, as estratégias são comunicadas às partes interessadas da seguinte forma: 21

23 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício 2011 Partes Interessadas Acionistas Força de Trabalho Formas de Comunicação/Divulgação Reunião dos Conselhos Relatório de Atividades Reunião do Conselho de Consumidores Palestras nas empresas e entidades Seminários, reuniões setoriais e de equipes, workshops Correio eletrônico Mural Treinamentos Poder concedente Reuniões com a ANEEL Ações empresariais que vão propiciar a realização das estratégias são disponibilizadas de acordo com os padrões de trabalho do sistema de acompanhamento contábil e econômico-financeiro, o que assegura a comunicação e controle. 3 Monitoramento da implementação dos planos de ação. Com o Plano de Negócios aprovado, o macroprocesso de Planejamento Estratégico consolida as informações e encaminha para os representantes do Comitê de Gestão Empresarial da empresa que são os responsáveis por acompanhar a implementação das ações, projetos e indicadores estabelecidos para a Diretoria a qual representa. O acompanhamento dos resultados é realizado através de reuniões mensais de análise do desempenho onde são apresentados: painel de indicadores, gráfico com resultados e reflexão (quando a meta não é atingida). O monitoramento da implementação dos projetos e ações estratégicas é realizado através de reuniões bimestrais para acompanhamento do que já foi realizado, onde são apresentados o painel de acompanhamento de projetos e ações e a tabela de acompanhamento do projeto/ação. 22

24 Companhia Energética de Alagoas Relatório de Gestão Exercício

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 MACEIÓ/AL MAIO/2013 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MACEIÓ/AL MAIO/2014 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DEZEMBRO/2010

RELATÓRIO DE GESTÃO DEZEMBRO/2010 RELATÓRIO DE GESTÃO DEZEMBRO/2010 Av. Fernandes Lima, nº 3349, Gruta de Lourdes - CEP: 57057-900 - Maceió-AL Tel: 82 2126-9250 / 2126-9368 - CNPJ: 12.272.084/0001-00 Insc. Estadual: 24007177-8 MINISTÉRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A Relatório de Gestão Exercício 2010 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Brasília - DF / 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C.

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C. ANEXO II À DECISÃO NORMATIVA-TCU Nº 134, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013 PARTE A CONTEÚDOS GERAIS Os conteúdos desta Parte A são aplicáveis às unidades jurisdicionadas relacionadas no Anexo I e não destacadas

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Eletrobras Eletrobras Distribuição Roraima

Ministério de Minas e Energia Eletrobras Eletrobras Distribuição Roraima Ministério de Minas e Energia Eletrobras Eletrobras Distribuição Roraima Relatório de Gestão 2011 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011-1 - Maio/2012 Ministério de

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A.

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A Relatório de Gestão Exercício 2011 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ELETROBRAS CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO

Leia mais

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica Encontro do Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo (Conselpa) e Conselho Coordenador das Associações Amigos de Bairros, Vilas e Cidades de SP (Consabesp). Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES,

Leia mais

Relatório de Gestão Exercício 2012

Relatório de Gestão Exercício 2012 Relatório de Gestão Exercício 2012 Usina Fotovoltaica de Sobrado - Município de Novo Airão SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 7 1 IDENTIFICAÇÃO E ATRIBUTOS DA UNIDADE JURISDICIONADA... 8 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA UJ...

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre orientações às unidades jurisdicionadas ao Tribunal quanto à elaboração dos conteúdos dos relatórios de gestão referentes ao exercício de 2012. O

Leia mais

Relatório de Gestão 2009. Relatório de Gestão BOA VISTA ENERGIA S.A. Prestação Anual de Contas ao MME/CISET, SFCI e TCU Exercício 2009

Relatório de Gestão 2009. Relatório de Gestão BOA VISTA ENERGIA S.A. Prestação Anual de Contas ao MME/CISET, SFCI e TCU Exercício 2009 Relatório de Gestão BOA VISTA ENERGIA S.A. 2009 1 ÍNDICE 1. Identificação da unidade jurisdicionada (item 1 da Parte A do anexo II DNº 100)... 3 2. Objetivos e Metas Institucionais (item 2 da Parte A do

Leia mais

DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA. de Ética RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 NOVA EDIÇÃO

DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA. de Ética RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 NOVA EDIÇÃO DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA Código de Ética NOVA EDIÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA APRESENTAÇÃO A Agência Nacional de Energia

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA MOTIVADORES Níveis elevados de perdas não técnicas das empresas Restrições mais rígidas (ambientais,

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI - 2015

PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI - 2015 PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI - 2015 1 PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA - PAAI 2015 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 03 2. AÇÕES COORDENADAS PELO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA - CNJ 2.1. Ações Coordenadas

Leia mais

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre o marco institucional das Concessões Vincendas de Energia Elétrica Setembro

Leia mais

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF 01 No momento da elaboração do projeto de lei orçamentária anual deve se atentar para algumas normas contidas nas legislações pertinentes à matéria.

Leia mais

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ACRE Relatório de Gestão Exercício 2012

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ACRE Relatório de Gestão Exercício 2012 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Centrais Elétricas Brasileiras S.A - ELETROBRAS Companhia de Eletricidade do Acre RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 RIO BRANCO/AC MAIO/2013 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais SUMÁRIO Demonstrações Contábeis Regulatórias Balanços Patrimoniais Regulatórios...3

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador 4º Congreso Internacional de Supervisión del Servicio Eléctrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 27 de novembro de 2014

Leia mais

Relatório de Gestão Exercício 2013

Relatório de Gestão Exercício 2013 Relatório de Gestão Exercício 2013 Coral Energia do Amazonas 16ª Soltura de Quelônios do Rio Uatumã SE e UTE Mauá 3 SE Cachoeira Grande 138 kv SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1 IDENTIFICAÇÃO E ATRIBUTOS DA UJ...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CG Nº 001 DE 02 de junho de 2014 Institui o Plano de atividades de Auditoria Interna no ano de 2014 e dá outras providências. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICPIO DE MATINHOS, no uso de

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAINT/ 2015 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAINT/2015 I Introdução Em atendimento à Instrução Normativa IN/CGU nº 07, de 29/12/2006, alterada

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 615, DE 6 NOVEMBRO DE 2002 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Aprova o modelo do Contrato de Prestação de Serviço Público de Energia

Leia mais

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador XVIII ENCONSEL Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador Canela-RS Novembro de 2002 José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Aspectos Econômico-financeiros do Setor Elétrico Visão

Leia mais

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal Banco do Setor público Sumário Introdução 04 Cartão de Pagamento do Governo Federal CPGF 04 Passo a Passo 10 Perguntas e Respostas 12 Legislação I Ementa 17

Leia mais

GSAN. Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento. Versão Atual do GSAN. Módulos

GSAN. Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento. Versão Atual do GSAN. Módulos GSAN Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento Versão Atual do GSAN A PROCENGE é líder nacional no fornecimento de softwares de gestão para companhias de Água e Saneamento, com base na sua

Leia mais

GUIA DO CLIENTE SEU CÓDIGO. Seja bem-vindo!

GUIA DO CLIENTE SEU CÓDIGO. Seja bem-vindo! GUIA DO CLIENTE Seja bem-vindo! É uma satisfação tê-lo como cliente. Aqui você encontrará informações importantes sobre os canais de atendimento, como usar a energia de forma adequada e segura, seus principais

Leia mais

Objetivos do Compromisso Bahia

Objetivos do Compromisso Bahia Objetivos do Compromisso Bahia Geral Conferir qualidade ao gasto público estadual Específicos Desenvolver uma cultura de responsabilização dos servidores em relação à gestão pública Dotar o governo de

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ INTERESSADO: Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR ASSUNTO:

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2013 PROCESSO : 09144.000037/2014-14 RELATÓRIO : 06/2014 UNIDADE

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO MCTI INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO INSA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO MCTI INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO INSA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO MCTI INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO INSA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 MARÇO/2012 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2013-2014 Sumário: 1 INTRODUÇÃO... 3 2 BIÊNIO 2013-2014: ATIVIDADES DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO.... 3 2.1 Apoio ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo...

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS Sumário 1. Objetivo... 3 2. Premissas básicas... 3 3. Compromissos da CEEE-D... 3 4. Compromissos da Imobiliária... 3 5. Serviços disponíveis através

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1 - RECEITAS 1.1 - Orçamento da Receita 1.2 - Receita Prevista 1.3 - Execução Orçamentária da Receita ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA I - Verificar se os registros das

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA

SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA LEGISLAÇÃO: Lei Municipal nº 8.834 de 01/07/2002 e Decreto 550 de 19/09/2007. ATRIBUIÇÕES: 10 - SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA 10.010 - COORDENAÇÃO GERAL

Leia mais

Porque a COELBA escolheu a medição eletrônica. Jorge Manuel F. Dias

Porque a COELBA escolheu a medição eletrônica. Jorge Manuel F. Dias Porque a COELBA escolheu a medição eletrônica Jorge Manuel F. Dias Agenda 1. Apresentação 2. Objetivos / Visão Genérica do Sistema 3. Abrangência e Estrutura Analítica Projeto EAP 4. Resultados previstos

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 04972.000579/2007-59 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS RELACIONADOS COM A IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DAS REDES DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS HABITACIONAIS

Leia mais

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU-REGIONAL/MT MATRIZ DE PLANEJAMENTO - CONTRATOS EM GERAL E TERCEIRIZADOS

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU-REGIONAL/MT MATRIZ DE PLANEJAMENTO - CONTRATOS EM GERAL E TERCEIRIZADOS CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU-REGIONAL/MT MATRIZ DE PLANEJAMENTO - CONTRATOS EM GERAL E TERCEIRIZADOS 1. GERAL - O contrato contém todas as cláusulas essenciais e necessárias, define com precisão

Leia mais

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00 ANEXO I PREGÃO Nº 2012.12.12.1 TERMO DE REFERÊNCIA Com a especificação dos serviços de assessoria, consultoria, execução contábil, justificativas, defesas e recursos de processos administrativos junto

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA 007/2012 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO CURSO DE EXTENSÃO EM GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS

EDITAL DE ABERTURA 007/2012 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO CURSO DE EXTENSÃO EM GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS EDITAL DE ABERTURA 007/2012 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO CURSO DE EXTENSÃO EM GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS 1. DA REALIZAÇÃO A Fundação para o Desenvolvimento de Recursos Humanos (FDRH),

Leia mais

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Seminário - ABDIB ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Romeu Donizete Rufino Diretor da ANEEL 8 de dezembro de 2010 São Paulo - SP 1997 1998 1999 2000 2001 2002 Início das atividades,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS (Normativos e composição) Outubro - 2010 Coordenação-Geral de Técnicas, Procedimentos e Qualidade DCTEQ Eveline Brito Coordenadora-Geral de Técnicas, Procedimentos

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre orientações às unidades envolvidas na elaboração do Relatório de Gestão da ANAC referente ao exercício de 2014. O DIRETOR-PRESIDENTE DA AGÊNCIA

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002.

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002. COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS ANALISTA DO SEGURO SOCIAL CONHECIMENTOS BÁSICOS VOLUME I ÍNDICE Língua Portuguesa 1 Compreensão e interpretação de textos.... 1 2 Tipologia textual.... 10 3 Ortografia

Leia mais

Nenhuma restrição foi imposta à realização dos exames.

Nenhuma restrição foi imposta à realização dos exames. Unidade Auditada: COMPANHIA ENERGETICA DE ALAGOAS Exercício: 2013 Processo: 00202.000297/2014-41 Município: Maceió - AL Relatório nº: 201407939 UCI Executora: CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO

Leia mais

SIG Sistema Integrado de Gestão. SIPAC -Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos

SIG Sistema Integrado de Gestão. SIPAC -Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos SIG Sistema Integrado de Gestão SIPAC -Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos Agenda Contextualização Visão Geral dos seguintes sistemas: SIPAA, SGPP, SIGRH, SIGADMIN, SIGED. Conceitos

Leia mais

Entenda a Indústria de Energia Elétrica

Entenda a Indústria de Energia Elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 transmissão Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 5 O transporte da energia elétrica:

Leia mais

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final SGD Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras Versão Final 2 APROVAÇÕES Resolução da Diretoria Executiva da Eletrobras DEE - 508/09, de 10.06.2009. Deliberação do Conselho de Administração da

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA RESOLUÇÃO Nº 002/2003 TCE/RR PLENÁRIO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA RESOLUÇÃO Nº 002/2003 TCE/RR PLENÁRIO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA RESOLUÇÃO Nº 002/2003 TCE/RR PLENÁRIO Regulamenta na forma e para os fins estabelecidos no art. 6º da Lei Estadual nº 352, de 14 de novembro de 2002, o Fundo de

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 Brasília (DF), março de 2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição viii SUMÁRIO Apresentação Prefácio e Agradecimentos Introdução C a p í t u l o 1 Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico 1.1 Mudanças ocorridas nos anos 1990 1.2 Avanços e aprimoramentos em 2003 C

Leia mais

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final NOTA TÉCNICA Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final Aplicação: Distribuidoras de Gás do Estado de São Paulo Fevereiro 2012

Leia mais

CARTA DE APRESENTAÇÃO

CARTA DE APRESENTAÇÃO 2 CARTA DE APRESENTAÇÃO Todos nós idealizamos planos, projetos, mudanças e perspectivas de novas realizações. Para atingirmos esses objetivos precisamos constituir nossas ações com persistência, entusiasmo

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

NORMA DE EXECUÇÃO/SA/INCRA/Nº 42, DE 25 DE JANEIRO DE 2005

NORMA DE EXECUÇÃO/SA/INCRA/Nº 42, DE 25 DE JANEIRO DE 2005 NORMA DE EXECUÇÃO/SA/INCRA/Nº 42, DE 25 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre os prazos e procedimentos para apresentação do processo de Contas Anual das Superintendências Regionais e suas unidades jurisdicionadas.

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (CJ-3) Área: Administrativa Unidade: Secretaria de Tecnologia da Informação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Valério da Silva Ramos (*) Administrador de Empresas, pós-graduado em Gestão Econômica e Financeira

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade

Conselho Federal de Contabilidade Processo CFC n.º 2015/000011 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 10/2015 Assunto: Orientação para encerramento do Exercício de 2014, elaboração do processo de Prestação de Contas do Sistema CFC/CRCs e alteração

Leia mais

Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO

Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO Ementa: REGULAMENTA O PROGRAMA HABITACIONAL LARES GERAES - SEGURANÇA PÚBLICA NO ÂMBITO DO FUNDO ESTADUAL DE HABITAÇÃO - FEH. Fonte: PUBLICAÇÃO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA Quem Somos: A GR Soluções Empresarias é uma empresa provedora de soluções corporativas e serviços personalizados em Advocacia, Contabilidade e Tecnologia da Informação, orientada pelos interesses das empresas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País.

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. RESOLUÇÃO Nº 3.954 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002)

00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002) Programa 2033 - Energia Elétrica Número de Ações 20 Tipo: Operações Especiais 00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002) Unidade

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução A questão do fornecimento de energia elétrica é de suma importância para um funcionamento adequado de equipamentos eletro-eletrônicos. Assim sendo, cabe ao poder

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 Reconhecimento de Determinados Ativos ou Passivos nos relatórios Contábil-Financeiros de Propósito Geral das Distribuidoras de Energia Elétrica

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA AGÊNCIA BRASILEIRA GESTORA DE FUNDOS GARANTIDORES E GARANTIAS S.A. ABGF AUDITORIA INTERNA AUDIT

MINISTÉRIO DA FAZENDA AGÊNCIA BRASILEIRA GESTORA DE FUNDOS GARANTIDORES E GARANTIAS S.A. ABGF AUDITORIA INTERNA AUDIT MINISTÉRIO DA FAZENDA AGÊNCIA BRASILEIRA GESTORA DE FUNDOS GARANTIDORES E GARANTIAS S.A. ABGF AUDITORIA INTERNA AUDIT PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA EXERCÍCIO DE 2015 dezembro/2014 PLANO

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA Versão 1.3 - março de 2013 Permitida a reprodução desde que citada a fonte 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. SOBRE O PORTAL...

Leia mais

NORMA RESSARCIMENTO POR DANO ELÉTRICO

NORMA RESSARCIMENTO POR DANO ELÉTRICO PÁGINA 1 de 7 ÍNDICE DO CONTEÚDO 1. Objetivo 1 2. Norma e Documentos Complementares 1 3. Definições 1/2 4. Condições Gerais 2 5. Procedimentos 3/4/5 6. Anexo 6 7. Ficha de Vida 7 1. Objetivo: Esta norma

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES 1. Introdução As tabelas a seguir apresentam os MACROPROCESSOS do BNDES, segregados por plataformas. As

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRÁS DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRÁS DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRÁS DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRÁS OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM PRESTAÇÃO DE

Leia mais

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Valor faz parte de plano de investimentos crescentes focado em manutenção, modernização e expansão das operações

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015.

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. EDITAL 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. A Companhia Energética de Alagoas CEAL, doravante chamada DISTRIBUIDORA, nos termos da Portaria

Leia mais

Dados de Identificação. Dirigente máximo da instituição. Nome/Sigla da instituição pública. Nome do dirigente máximo. Nome/Cargo do dirigente de TI

Dados de Identificação. Dirigente máximo da instituição. Nome/Sigla da instituição pública. Nome do dirigente máximo. Nome/Cargo do dirigente de TI Dados de Identificação Dirigente máximo da instituição Nome/Sigla da instituição pública Nome do dirigente máximo Nome/Cargo do dirigente de TI Endereço do setor de TI 1 Apresentação O Tribunal de Contas

Leia mais

Regulamento Geral do CURSO

Regulamento Geral do CURSO Regulamento Geral do CURSO 1. Das Definições Das Principais Nomenclaturas Contratuais Para interpretação do presente contrato, aplicam-se as definições das seguintes nomenclaturas abaixo relacionadas:

Leia mais

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno, cria a Controladoria Municipal e dá outras providências., Prefeito Municipal de FAÇO saber a todos os habitantes deste Município

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais