SÍNDROME CEREBELAR: Alterações no controle motor decorrentes de lesões cerebelares

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÍNDROME CEREBELAR: Alterações no controle motor decorrentes de lesões cerebelares"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES 1 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE SÍNDROME CEREBELAR: Alterações no controle motor decorrentes de lesões cerebelares Por: Alina Vargas da Silva Saadi Orientador: Prof. Ms. Nilson Guedes de Freitas Rio de Janeiro Julho 2004

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES 2 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE Psicomotricidade SÍNDROME CEREBELAR: Alterações no controle motor decorrentes de lesões cerebelares Por:Alina Vargas da Silva Saadi Trabalho apresentado em cumprimento as exigências para obtenção do grau de especialista no curso de pósgraduação em psicomotricidade da Universidade Candido Mendes no projeto a vez do mestre. Rio de Janeiro Julho 2004

3 AGRADECIMENTOS 3 A Deus e a todos que de alguma forma contribuíram para esse momento, aos meus pais pelo apoio, ao meu filho Eduardinho, pela compreesão dos horários, aos professores pelo grande estímulo para a compreensão da psicomotricidade e, em especial, a meu marido Eduardo por toda a sua ajuda, apoio e companheirismo.

4 DEDICATÓRIA 4 Dedico este trabalho aos pacientes com distúrbios cerebelares que podem obter mais um auxílio através de idéias e atividades apresentadas no mesmo. E ao meu grande amigo e companheiro Eduardo Saadi, que tanto me auxiliou nas pesquisas.

5 EPÍGRAFE 5 Não importa o tamanho de nossos obstáculos, mas o tamanho da motivação que temos para superá-los. Ser feliz não é ter uma vida perfeita. Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, perdas e frustrações. Augusto Cury

6 RESUMO 6 Este trabalho tem como objetivo mostrar as alterações no controle motor decorrentes de lesão cerebelar, em paciente entre 55 a 70 anos de idade do sexo masculino. Descreveremos sobre a lesão cerebelar, pois o cerebelo é o órgão regulador e centro coletor de todas as informações possíveis sobre o estado físico e instantâneo do corpo. O cerebelo funciona como um mecanismo comparador e corretor de erros, também funciona na modificação de comandos corticais para os movimentos subseqüentes. Para explorarmos esse assunto, a metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica. A essência do capítulo um é descrever a anatomia do cerebelo, suas divisões, núcleos, conexões e aspectos funcionais. Já o segundo capíitulo se preocupou em mostrar todas as disfunções cerebelares: ataxia e todos os seus transtornos, hipotonia e nistagmo. E o capítulo três tem como essência a recuperação das lesões cerebelares, incluindo sua avaliação e tratamento. Todos os assuntos abordados teve como base as pesquisas apresentadas por Machado (1993), e Umphred (1994); pacientes com disfunção cerebelar, dependendo do grau de acometimento muitas vezes não conseguem realizar funções de suas atividades de vida diária. O trabalho da fisioterapia com a psicomotricidade visa não somente a melhora da função motora, como também o aspecto psicosocial desse indivíduo, reintegrando esse indivíduo a sociedade de forma ativa e plena. Concluímos que com base nos dados apresentados da anatomia do cerebelo, suas funções e lesões, esses pacientes com tratamento adequado conseguem se recuperar e tornar-se independentes. É importante falar do controle motor, pois é essencial à vida. Palavras chaves: Cerebelo. Ataxia. Disfunção cerebelar.

7 SUMÁRIO 7 INTRODUÇÃO ANATOMIA E DIVISÕES DO CEREBELO DISFUNÇÃO CEREBELAR E SUAS CARACTERÍSTICAS FISIOTERAPIA E PSICOMOTRICIDADE, METAS E TRATAMENTO 31 CONCLUSÃO 45 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 48 ANEXOS 49 ÍNDICE 55 FOLHA DE AVALIAÇÃO 57

8 INTRODUÇÃO 8 Esta pesquisa originou-se de um grande interesse pelo estudo do cerebelo, e a importância desse órgão na vida de todas as pessoas. O ser humano na sua complexidade precisa do psico (área psíquica), e do motor (área motora), para coexistir. Os fisioterapeutas lutam para compreender os emaranhados da função cerebelar. O comportamento motor evolui a partir de um complexo conjunto de processos neurológicos e mecânicos que determinam a natureza dos movimentos. Alguns movimentos são genéticamente pré-determinados e se tornam aparentes através dos processos de crescimento e desenvolvimento normais. São exemplos desses movimentos, os padrões reflexos que predominam durante grande parte do início de nossas vidas. Outros movimentos, denominados habilidades motoras, são aprendidos através da interação e exploração do ambiente. Assim, a prática e a experiência são importantes variáveis na definição do aprendizado motor e desenvolvimento das habilidades motoras.tanto os padrões reflexos quanto as habilidades motoras estão sujeitos ao controle do Sistema nervoso central (SNC), que organiza vastas quantidades de informações sensoriais e produz os comandos necessários para o movimento coordenado. O cerebelo funciona como um mecanismo comparador e corretor de erros. Também funciona na modificação de comandos corticais para os movimentos subseqüentes. O cerebelo difere fundamentalmente do cérebro porque funciona sempre em nível involuntário e inconsciente, sendo sua função exclusivamente motora. O cerebelo é o centro controlador das vias extrapiramidal ou seja, responsável pelos movimentos automáticos, que após ocorrer uma lesão, terão que ser aprendidos ou melhor dizendo reaprendidos. Temos como objetivo geral, mostrar as alterações no controle motor decorrente de lesão cerebelar, ocorrendo a lesão quais alterações no controle motor seria apresentada por esses pacientes, e o grupo de pacientes escolhido para esse trabalho, foi o de pacientes entre a faixa etária de 55 a 70 anos de idade, do sexo masculino. Adotamos como

9 9 procedimento metodológico a pesquisa bibliográfica, com dados de autores que discutem sobre a importância do cerebelo no controle motor. Para descrevermos sobre lesão cerebelar primeiro, precisamos estudar sua forma anatômica e divisões, como estabelecido no primeiro capítulo. De grande importância é a divisão filogenética do cerebelo, que indica a existência de três fases na filogênese do órgão, as quais podem ser correlacionadas com a complexidade de movimentos realizados pelo grupo de vertebrados característicos de cada fase. O pricipal objetivo de se conhecer a divisão filogenética é que saberemos pelas suas características apresentadas qual área está sendo lesada, como por exemplo, o arqueocerebelo surgido na primeira fase está relacionado com o equilíbrio; a segunda fase da divisão o paleocerebelo, está relacionado com as informações sobre o grau de contração dos músculos; e a terceira fase o neocerebelo, está relacionada com controle dos movimentos finos. De acordo com Machado (1993), não dá para falar sobre lesão cerebelar sem conhecer as características do cerebelo e as suas divisões. O cerebelo pode ser lesionado em várias condições, porém as principais são: tumores, acidentes vasculares cerebrais (AVC), processos degenerativos (distúrbios neurológicos e genéticos), defeitos genéticos, processos desmielinizantes e infecções, levando assim o paciente a apresentar as disfunções cerebelares visto no segundo capítulo; o objetivo principal de se saber qual o mecanismo de lesão, é para uma melhor noção do tempo de recuperação desse paciente, segundo Umphred (1994), quanto mais agudo for o aparecimento, exemplo: acidente vascular cerebral, traumatismo craniano, mais difícil será a recuperação; quanto mais lenta for a instalação como por exemplo um processo degenerativo, mais fácil se torna a recuperação desse indivíduo. No terceiro capítulo abordamos a recuperação das lesões cerebelares, mais para que essa recuperação ocorra é indispensável uma boa avaliação das funções do controle motor que baseia-se amplamente numa apreciação subjetiva da função. A chave para avaliação e reavaliação

10 10 bem sucedida, é a avaliação cuidadosa, sistemática e o registro acurado dos resultados. De acordo com Umphred (1994), a avaliação de um paciente com lesão cerebelar deve incluir pontos determinados de capacidades funcionais como : mobilidade e postura no leito, habilidade para sentar a partir da posição sentada, manutenção da postura sentada e a habilidade para ficar em pé, ou seja o principal objetivo é avaliar como o paciente realiza cada tarefa a que se deu o comando, para observar as suas limitações e assim elaborar um tratamento para que tenha um melhor êxito.

11 1. ANATOMIA E DIVISÕES DO CEREBELO 11 O cerebelo deriva da parte dorsal do mentecéfalo e fica situado dorsalmente ao bulbo e à ponte, contribuindo para a formação do tecto do IV ventrículo. Repousa sobre a fossa cerebelar do osso occipital e esta separado do lobo occipital do cérebro por uma prega da dura-máter denominada tenda do cerebelo. Liga-se à medula e ao bulbo pelo pedúnculo cerebelar inferior à ponte e mesencéfalo pelos pedúnculos cerebelares médio e superior. Observa-se no cerebelo uma porção ímpar e mediana, o vérmis, ligado a duas grandes massas laterais, os hemisférios cerebelares, (ver anexo 1.1). O vérmis é pouco separado dos hemisférios na face superior do cerebelo, o que não ocorre na face inferior, onde dois sulcos bem evidentes o separam das partes laterais, (ver anexo 1.2). A superfície do cerebelo apresenta sulcos de direção predominantemente transversal, que delimitam lâminas finas denominadas folhas do cerebelo. Existem também sulcos mais pronunciados, as fissuras do cerebelo, que delimitam lóbulos, cada um deles podendo conter várias folhas. Assim, o cerebelo é constituído de um centro de substância branca, o corpo medular do cerebelo, de onde irradiam as lâminas brancas do cerebelo, revestidas externamente por uma fina camada de substância cinzenta, o córtex cerebelar. O corpo medular do cerebelo com as lâminas brancas que dele irradiam, quando vistas em cortes sagitais recebem o nome de árvore da vida. No interior do corpo medular existem quatro pares de núcleos de substância cinzenta, que são os núcleos do cerebelo: denteado, emboliforme, globoso e fastigial. Destes núcleos, somente o denteado é identificável macroscópicamente. A divisão do cerebelo em lóbulos não tem nenhuma importância funcional, tem apenas importância topográfica. Existe apenas um lóbulo importante que é o flóculo, situado logo abaixo do ponto em que o pedúnculo cerebelar médio penetra no cerebelo, próximo ao nervo vestíbulo-coclear e

12 12 liga-se ao nódulo, lóbulo do vérmis, pelo pedúnculo do flóculo. As tonsilas são bem evidentes na face inferior do cerebelo, projetando-se medialmente sobre a face dorsal do bulbo. Esta relação é importante pois em certos casos de hipertensão craniana as tonsilas podem comprimir o bulbo com graves conseqüências. Isto decorre, por exemplo, de acidentes nas punções lombares, quando a retirada do líquor diminui subtamente a pressão no espaço subaracnódio da medula.quando isso ocorre e a pressão intracraniana fica aumentada, as tonsilas podem ser deslocadas caudalmente, penetrar no forame magno e comprimir o bulbo. A compressão do bulbo pode levar a lesão dos nervos cranianos, IX glossofaríngico, X acessório, XII hipoglosso. O movimento, as ações, enfim, a integração do homem às condições do meio ambiente estão na dependência de um sistema muito especial, chamado sistema nervoso (OLIVEIRA, 1997, p.16). O cerebelo e o cérebro são dois órgãos que constituem o sistema nervoso supra-segmentar. E possui uma organização muito semelhante e completamente diferente da dos órgãos do sistema nervoso segmentar.tanto o cerebelo como o cérebro apresentam um córtex que envolve um centro de substância branca ( o centro medular do cérebro e o corpo medular do cerebelo ), onde pode ser observadas massas de substância cinzenta (os núcleos centrais do cerebelo e os núcleos da base do cérebro). Entretanto a estrutura fina do cérebro é muito mais complexa que a do cerebelo. Do ponto de vista fisiológico o cerebelo se difere fundamentalmente do cérebro porque funciona sempre no nível involuntário e inconsciente, sendo sua função exclusivamente motora Divisão ontogenética e filogenética Quando se divide simplesmente de forma anatômica em vérmis e hemisférios cerebelares é inadequada do ponto de vista funcional e clínico.surgiram várias tentativas de se agruparem os lóbulos cerebelares em áreas maiores, lobos, que tivessem significado funcional mais evidente.

13 13 A divisão mais aceita pela neurociência baseia-se principalmente na ontogênese do cerebelo e leva em conta o fato de que a primeira fissura que aparece durante o desenvolvimento do órgão é a póstero lateral. Assim, ela divide o cerebelo em duas partes muito desiguais: o lobo flóculo-nodular; formado pelo flóculo e pelo nódulo; e o corpo do cerebelo, formado pelo resto do órgão. Logo após aparece a fissura prima, que divide o corpo do cerebelo em lobo anterior e lobo posterior, (conforme anexo 1.3). Divisão ontogenética - corpo do cerebelo { lobo anterior e posterior} - lobo flóculo nodular De grande importância é a divisão filogenética do cerebelo, que indica a existência de três fases na filogênese do órgão, as quais podem ser correlacionadas com a complexidade de movimentos realizados pelo grupo de vertebrados característicos de cada fase. 1ª fase A primeira fase da evolução do cerebelo surgiu com o aparecimento dos vertebrados mais primitivos, os ciclóstomos, como a lampreia. Estes animais são desprovidos de membros e têm movimentos ondulatórios muito simples, havendo, entretanto, a necessidade de se manterem em equilíbrio no meio líquido. Para isso, o cerebelo recebe impulsos dos canais semicirculares ( localizados na parte vestibular do ouvido interno), que informam sobre a posição do animal e permitem ao cerebelo coordenar a atividade muscular, de modo a manter o animal em equilíbrio. Portanto, o cerebelo surgido nesta fase se chama arquicerebelo, tem conexões vestibulares e é também denominado cerebelo vestibular. 2ª fase - O cerebelo da segunda fase surgiu com os peixes. Pois, estes já possuem membros (nadadeiras) e são capazes de realizar movimentos mais elaborados que os ciclóstomos. Neles surgiram, pela primeira vez, receptores especiais denominados fusos neuromusculares e órgãos neurotendíneos, que originam impulsos nervosos deniminados proprioceptivos, os quais, após um trajeto pela medula espinhal e bulbo, chegam ao cerebelo, levando informações sobre o grau de contração dos

14 14 músculos. É importante saber estas informações para a regulação do tônus muscular e da postura do animal. A parte do cerebelo que surgiu nesta fase, adicionando-se ao arquicerebelo, é denominada paleocerebelo. O paliocerebelo tem conexões principalmente com a medula espinhal, também sendo denominado de cerebelo espinhal. 3ª fase A terceira fase do cerebelo surgiu com os mamíferos que desenvolveram a capacidade de utilizar os membros para movimentos delicados e assimétricos, os quais requerem uma coordenação nervosa muito elaborada. Ao mesmo tempo houve grande desenvolvimento do córtex cerebral, com o qual o cerebelo passou a manter amplas conexões. Surgiu então nesta fase da evolução do cerebelo o neocerebelo. O neocerebelo relaciona-se com o controle de movimentos finos, suas conexões com o córtex cerebral, é denominado também cerebelo cortical. No sistema nervoso, as partes que vão surgindo durante a evolução continuam a existir nos animais mais avançados, onde, de um modo geral, mantêm as mesmas conexões e funções que tinham nos ancestrais. Assim, o cerebelo do homem é formado de três partes: arqui, pálio e neocerebelo, que tem aproximadamente as mesmas conexões e funções que foi citada durante a filogênese do órgão. O arquiocerebelo corresponde ao lobo flóculo- nodular, o paleocerebelo ao lobo anterior mais a pirâmide e a úvula, enquanto o neocerebelo corresponde ao resto do lobo posterior (MACHADO, 1993 p. 53 ) (ver anexo 1.3) Núcleos centrais do corpo medular do cerebelo Os núcleos centrais do cerebelo são: Núcleo denteado; Núcleo emboliforme; Núcleo globoso e Núcleo fastigial. O núcleo denteado é o maior dos núcleos centrais do cerebelo e assemelha-se ao núcleo olivar inferior, que localiza-se mais lateralmente. Entre os núcleos fastigial e denteado localizam-se os núcleos globoso e emboliforme. Estes dois núcleos se parecem tanto do ponto de vista funcional como estrutural, sendo frequentemente agrupados sob o nome de núcleo interpósito. O núcleo

15 15 fastigial localiza-se próximo ao plano mediano, em relação com o ponto mais alto do teto do quarto ventrículo, (ver anexo 1.4). Nos núcleos centrais saem fibras eferentes do cerebelo e neles chegam os axônios das células de Purkinje. Cada núcleo recebe os axônios das células de Purkije originadas em partes específicas da superfície cerebelar. O corpo medular do cerebelo é formado de substância branca e por fibras mielínicas, que são principalmente as seguintes:fibras aferentes do cerebelo penetram pelos pedúnculos cerebelares e se dirigem ao córtex, onde perdem a bainha de mielina; Fibras formadas pelos axônios da células de Purkinje dirigem-se aos núcleos centrais e ao sair do córtex, tornam-se mielínicas. Ao contrário do que ocorre no cérebro, existem poucas fibras de associação no corpo medular do cerebelo. E essas fibras são ramos colaterais dos axônios das células de Purkinje Conexões intrínsecas do cerebelo As fibras que penetram no cerebelo vão para o córtex e são de dois tipos: fibras musgosas e fibras trepadeiras. Sabe-se que as fibras trepadeiras são axônios de neurôneos situados no complexo olivar inferior, enquanto as fibras musgosas representam a terminação dos demais feixes de fibras que penetram no cerebelo. As fibras trepadeiras se enrola em torno dos dentritos das células de Purkinje e exerce uma potente ação excitadora, já as fibras musgosas, penetra no cerebelo, emite ramos colaterais e fazem sinapses excitadoras com os neurônios dos núcleos centrais. Em seguida, atingem a camada granular, onde se ramificam, terminando em sinapses excitadoras axodendríticas, com grande número de células granulares, que através das fibras paralelas se ligam às células de Purkinje. E assim é formado um circuito cerebelar básico, através do qual os impulsos nervosos que penetram no cerebelo pelas fibras musgosas ativam sucessivamente os neurônios dos núcleos centrais, as células granulares e as células de

16 16 Purkinje, que inibem os próprios neurônios dos núcleos centrais. Assim as informações chegam ao cerebelo de vários setores do sistema nervoso e agem inicialmente sobre os neurônios dos núcleos centrais de onde saem as respostas eferentes do cerebelo Conexões extrínsecas A o cerebelo chegam milhões de fibras nervosas trazendo informações dos mais diversos setores do sistema nervoso, que são processadas pelo órgão, cuja a resposta é através de um complexo sistema de vias eferentes. O cerebelo funciona ao contrário do cérebro, influenciando os neurônios motores de seu próprio lado. Por isso tanto suas vias aferentes como eferentes, quando não são homolaterais, sofrem duplo cruzamento, vão para o lado oposto e voltam para o mesmo lado. Isso é um fato importante para a clínica, pois a lesão de um hemisfério cerebelar dá sintomatologia do mesmo lado, enquanto no hemisfério cerebral a sintomatologia é do lado oposto Conexões aferentes As fibras aferentes do cerebelo terminam no córtex com as fibras trepadeiras ou musgosas. A trepadeira origina-se no complexo olivar inferior e distribuem-se a todo o cerebelo. Já as musgosas distribuem-se a áreas específicas do cerebelo e tem origem fundamentalmente em três regiões: núcleos vestibulares, medula espinhal e núcleos pontinos Fibras aferentes de origem vestibular Chegam ao cerebelo pelo fascículo vestíbulo cerebelar, cujas fibras tem origem nos núcleos vestibulares e se distribuem principalmente ao arquicerebelo e também à zona medial. Trazem informações originadas na parte vestibular do ouvido interno, sobre a posição da cabeça, importante para a manutanção do equilíbrio e da postura Fibras aferentes de origem medular

17 17 Essas fibras são representadas principalmente pelos tractos espinocerebelar anterior e espino-cerebelar posterior (anexo 1.5), que penetram no cerebelo pelos pedúnculos cerebelar superior e inferior e terminam no córtex do paleocerebelo. Através do tractor espino-cerebelar posterior, o cerebelo recebe sinais sensoriais originados em receptores proprioceptivos e, em menor grau de outros receptores somáticos, o que lhe permite aliviar o grau de contração dos músculos, tensão das cápsulas articulares e tendões, e também as posições e velocidades do movimento das partes do corpo. Porém as fibras do tracto espino-cerebelar anterior são ativadas principalmente pelos sinais motores que chegam a medula pelo tracto cortico-espinhal permitindo ao cerebelo aliviar o grau de atividade nesse tracto. É importante lembrar que as áreas sensoriais do cerebelo são diferentes das que existem no córtex cerebral, pois os impulsos que aí chegam não se tornam conscientes Fibras aferentes de origem pontina Também chamadas de ponto-cerebelares, origina-se nos núcleos pontinos e penetram no cerebelo pelo pedúnculo cerebelar médio, distribuindo-se principalmente ao córtex do neocerebelo. Essas fibras fazem parte da via cortico-ponto-cerebelar, através da qual chegam ao cerebelo informações oriundas do córtex de todos os lobos cerebrais. E está relacionada com as áreas sensitivas, motora, da visão, da audição e da linguagem Conexões eferentes As conexões eferentes do cerebelo exercem infuência sobre os neurônios motores da medula. Porém suas conexões não agem diretamente sobre esses neurônios, mais sempre através de intermediários, situados em áreas do tronco encefálico, do tálamo ou das próprias áreas motoras do córtex cerebral. As fibras eferentes do cerebelo saem de três núcleos

18 18 centrais, que por sua vez recebem os axônios das células de Purkinje de cada uma das três zonas longitudinais do corpo do cerebelo Conexões eferentes da zona medial Os axônios das células de Purkinje do vérmis, fazem sinapses nos núcleos fastigiais, de onde saem o tracto fastigiobulbar com dois tipos de fibras: fastigio-vestibulares e fastigio-reticulares. O cerebelo exerce influência sobre os neurônios motores do grupo medial da coluna anterior, os quais controlam a musculatura axial e proximal dos membros, no sentido de manter o equilíbrio e a postura Conexões eferentes da zona intermédia Os axônios das células de Purkinje da zona intermédia fazem sinapse no núcleo interpósito, de onde saem as fibras para o núcleo rubro e para o tálamo do lado oposto. Com as primeiras o cerebelo influencia os neurônios motores pelo tracto rubro-espinhal. E os impulsos que vão para o tálamo seguem para as áreas motoras do córtex cerebral, onde se origina o tracto cortico-espinhal (anexo 1.6). A ação do núcleo interpósito se faz sobre os neurônios motores do grupo lateral da coluna anterior que controlam os músculos distais dos membros responsáveis por movimentos delicados Conexões eferentes da zona lateral Na zona lateral as sinpses ocorrem com o núcleo denteado, e seguem para o tálamo do lado oposto e vai para as áreas motoras do córtex cerebral, onde se origina o tracto cortico-espinhal, (ver anexo 1.7). Através desse tracto, o núcleo denteado participa da atividade motora, agindo sobre a musculatura distal responsável por movimentos delicados Aspectos funcionais do cerebelo A função primária do cerebelo diz respeito à coordenação da atividade motora, equilíbrio, tônus muscular e controle dos movimentos voluntários. Nem todos os mecanismos da função cerebelar foram claramente

19 19 compreendidos, porém foi observado que lesões dessa área produzem padrões típicos de incoordenação, falta de equilíbrio e queda do tônus muscular. Movimentos de partes do corpo são muito afetados por sua inércia e por seus movimentos. Isto é, um membro necessita de certa força para que comece a se mover, mas uma vez que tenha começado continua a se mover até que uma força em oposição o faça para. Nem o córtex cerebral nem o gânglios basais estão organizados para levar esses fatos. Pelo contrário o cerebelo faz os ajustes automáticos que impedem esses fatores de distorcer os padrões de atividade. O cerebelo (fibras aferentes e eferentes), que tem localização posterior ao tronco cerebral, recebe sinais dos receptores proprioceptivos localizados em todas as articulações, em todos os músculos, nas áreas de pressão do corpo e em qualquer outro ponto de onde pode ser obtida informação sobre o estado físico do corpo. Também são transmitidos para o cerebelo a partir do aparelho do equilíbrio no ouvido e até mesmo dos olhos, afim de definir a relação visual do corpo com o ambiente. Cada vez que o córtex motor, os gânglios da base ou formação reticular do tronco cerebral envia sinais para os músculos, e um conjunto de sinais é enviado para o cerebelo, ou seja, o cerebelo é o centro coletor de todas as informações possíveis sobre o estado físico instantâneo do corpo. O cerebelo funciona como um mecanismo comparador e corretor de erros. Também funciona na modificação de comandos corticais para os movimentos subseqüentes. Uma das funções do sistema nervoso é selecionar e processar as informações, canalizá-las para as regiões motoras correspondentes do cérebro para depois emitir respostas adequadas de acordo com a vivência e a experiência de cada indivíduo (OLIVEIRA, 1997, p.17). O sistema nervoso central, faz uma análise de informação dos movimentos, determinação do nível de precisão e provisão para a correção do erro. Esse sistema é conhecido como sistema em alça fechada. Deve ser observado que nem todos os movimentos são controlados por esse sistema, por exemplo, movimentos esteriotipados e movimentos rápidos de curta

20 20 duração que não permitem tempo suficiente para a ocorrência do feedback, são controlados por um sistema em alça aberta. Processos de controle em alça aberta Os programas motores podem ser realizados virtualmente sem a influência do feedback periférico. Um exemplo de movimentos controlados por esse mecanismo é a execução de seqüências motoras rápidas bem aprendidas, como tocar piano. Os movimentos ocorrem rápidos demais para permitir a ocorrência da modificação do feedback. Processos de controle em alça fechada - Definido como controle de movimento que emprega o feedback contra uma refência para a sua correção, é determinado o erro do movimento, e são feitas as subseqüentes correções. Proprioceptores oculares, vestibulares, musculares e articulares, juntamente com os receptores selecionados do tato, fornecem a informação primária para análise e correção do movimento. Antes do movimento, o feedback é empregado no fornecimento de informações valiosas a respeito da posição de partida e presteza do movimento. Durante o movimento, o feedback permite a detecção dos erros e modificação do movimento. Após o movimento, o feedback auxilia na comunicação do êxito geral do movimento, e também assegura o aprendizado motor. Movimentos controlados amplamentes por processos de feedback, são movimentos necessários para a manutenção da postura e do equilíbrio Manutenção do equilíbrio e da postura Essas funções se fazem basicamente pelo arquiocerebelo e pela zona medial, o vérmis, que promovem contração adequada dos músculos axiais e proximais dos membros, de modo a manter o equilíbrio e a postura normal, mesmo em condições que o corpo se desloca. A informação do cerebelo é transmitida aos neurônios motores pelos tractos vestíbulo-espinhal e retículo-espinhal.

21 Controle do tônus muscular 21 O controle do tônus muscular é realizado através da ação dos núcleos denteado e interpósio, agindo sobre os neurônios motores via tractos córticos-espinhal e rubro-espinhal. Um dos sintomas da decerebelização é a perda do tônus muscular Controle dos movimentos voluntários O mecanismo através do qual o cerebelo controla o movimento envolve duas etapas: uma de planejamento do movimento e outra de correção. O planejamento é elaborado pela zona lateral do órgão, a partir de informações trazidas pela via cortico-ponto-cerebelar, áreas do córtex cerebral ligadas a funções psíquicas superiores, e que expressam a intenção do movimento. O plano motor é então enviado as áreas motoras do córtex cerebral pela via dento-tálamo-ortical e colocado em execução através da ativação dos neurônios apropriados dessas áreas, os quais por sua vez ativam os neurônios motores medulares através do tracto-córticoespinhal. Quando o movimento começa, passa a ser controlado pela zona intermédia do cerebelo. Através de inúmeras aferências sensoriais, que chegam pelos tractos espino-cerebelares é informada das características do movimento em execução, e através da via interpósito-tálamo-cortical, promove as devidas correções, das áreas motoras. Assim sendo o papel da zona intermédia é diferente da zona lateral, por exemplo, movimentos rápidos, como bater a máquina, atua apenas na zona lateral pois não há tempo da zona intermédia receber informações sensoriais que lhe permita corrigir o movimento.

22 2. Disfunção cerebelar 22 O cerebelo pode ser lesionado em várias condições, porém as principais são: tumores, acidentes vasculares cerebrais (AVC), processos degenerativos (distúrbios neurológicos e genéticos), defeitos genéticos, processos desmielinizantes e infecções, levando assim o paciente a apresentar disfunções cerebelares. Usualmente se divide as síndromes cerebelares em três: Síndrome do Arquicerebelo ocorre devido a tumores do teto do IV ventrículo, que comprimem o nódulo e o pedúnculo do flóculo. Quando isso ocorre há somente perda do equilíbrio. Porém quando por qualquer um dos motivos citados acima ocorre lesão do arquicerebelo, provoca também ataxia do tronco e titubeação que não é agravada pelo fechamento dos olhos. Síndrome do Paleocerebelo manifesta-se por perda do equilíbrio e ataxia dos membros inferiores e apresenta também alguma alteração no tônus muscular. Em alguns casos a lesão do paleocerebelo pode levar a exagero dos reflexos miotáticos da musculatura de suporte. Síndrome do Neocerebelo responsável pela coordenação fina da atividade muscular, especialmente dos membros. A lesão do neocerebelo leva a incoordenação motora (ataxia), que pode ser verificada por vários sinais: dismetria, assinergia, decomposição, disdiadococinesia, hipotonia muscular, decomposição do movimento, rechaço, tremor e outros que detalharemos mais à frente. Do ponto de vista clínico as lesões costumam-se se dividir em lesões do vérmis e lesões dos hemisférios: as lesões hemisféricas manifestam-se nos membros do lado lesado, já a lesão do vérmis apresenta principalmente perda do equilíbrio e alterações na marcha. Basicamente as disfunções cerebelares são caracterizadas da seguinte

23 23 forma: Transtornos da coordenação dos movimentos (ataxia),subdivididos em dismetria, assinergia, disdiadococinesia, decomposição do movimento, tremor, distúrbios da marcha e da fala; hipotonia: com os seguintes traços astenia, reflexos profundos do tipo pendular, fenômeno de rebote; nistagmo; as quais descreveremos a seguir: 2.1. Ataxia Ataxia é o termo usado para descrever falta de coordenação apresentada por indivíduos com lesões cerebelares. A ataxia inclui vários traços distintos, porém nem todos precisam estar presentes para que uma pessoa seja descrita como atáxica. Por exemplo: Distúrbios da postura e do equilíbrio lesões tanto agudas como as de longa duração, que afetam somente um lado do corpo podem levar a uma escoliose, quando o envolvimento é bilateral, o paciente pode assumir posições extremamente desleixadas e inclinadas quando sentadas, caso não haja suporte. Quando na posição ereta, os pacientes tem a tendência de separar os pés e usar os braços para ter mais equilíbrio, aumentando o seu centro de gravidade. Já alguns pacientes caem para um lado de forma consistente. Neste caso a abertura ou o fechamento dos olhos parece não influenciar no equilíbrio. O desvio lateral da cabeça pode ocorrer Dismetria Dificuldade para colocar os membros corretamente durante o movimento voluntário. Normalmente pacientes com esse distúrbio superestimam (hipermetria), ou subestimam (hipometria) a amplitude do movimento necessário. Ou seja, ao querer pegar um pedaço de bolo no prato, ele pode ir além do pedaço ou não conseguir alcança-lo, não atinge o alvo. Pessoas com dano cerebelar podem também apresentar tremor intencional, onde a mão oscila para frente e para trás enquanto por exemplo, tenta tocar o seu nariz ou o calcanhar por exemplo, pode oscilar enquanto tenta desliza-lo para baixo sobre a canela oposta. Segundo Holmes (apud UMPHRED, 1994), a dismetria resulta de

24 24 erros no nível e freqüência de produção de força. Vamos imaginar um paciente com lesão esquerda, ele pressiona o braço direito e o esquerdo contra molas de igual força, a tensão produzida pelo braço esquerdo apresenta lenta intensidade de surgimento e liberação do movimento comparada com o braço direito Assinergia É a falta de associação de movimentos na realização de atos complexos que exijam cooperação sinérgica de vários grupos musculares Disdiadococinesia Pacientes com lesões cerebelares são incapazes de fazer moviementos alternados rapidamente. Essa alteração pode ser demonstrada pedindo ao paciente para percurtir rapidamente suas mãos sobre os joelhos. Pessoas com lesões cerebelares, a atividade muscular antagonista, tipicamente se sobrepõe resultando em uma ação de quebra de movimentos, do ponto de atividades como escovar os dentes, e cortar a comida se tornem quase impossíveis de se realizar. A disdiadococinesia está relacionada com a dismetria, porque ambas resulta em atividade muscular inapropriada. A dismetria aparecerá como uma inabilidade para interromper um movimento direcionado para uma meta ou diração. Já a disdiadococinesia aparecerá na tentativa de reverter abruptamente a direção do movimento (UMPHRED, 1994) Decomposição do movimento A decomposição do movimento se caracteriza quando o paciente precisa de uma seqüência distinta, passo a passo para realizar o movimento, ao invés de um padrão homogêneo. Por exemplo, ao pedir para o paciente pegar um objeto na mesa, ele estende a mão, pega o objeto, levanta o braço e trás o objeto até ele, ou seja o movimento é todo dividido em fases, pensa em cada etapa do movimento, o paciente não consegue simplesmente

25 25 realizar o movimento de forma automática. Esse distúrbio é chamado de decomposição. De acordo com Holmes(apud UMPHRED, 1994), o cerebelo funciona para sequenciar cadenciar os movimentos simples em um ato homogêneo e complexo. Na ausência dessa função, o movimento se torna separado em componentes individuais. Observou-se o resfriamento temporário do núcleo denteados em macacos levou ao distúrbio de decomposição do movimento Tremor Trata-se de um tremor característicos, que acentua ao final do movimento ou quando o paciente está prestes a atingir um objetivo, como por exemplo, apanhar um objeto (tremor intencional). Os mecanismos do tremor postural estão longe de serem esclarecidos. Os mecanismos para o tremor postural e tremor intencional (tremor durante o movimento), podem não ser idênticos quando se administra L-Dopa alivia o tremor postural, mas não o tremor intencional, e também nem sempre os dois tremores são conscientes. O tremor postural da doença cerebelar também apresenta difereças do tremor de repouso típico do parkinsonismo. O tremor do parkinson tem uma freqüência mais alta e pode persistir mesmo com a pessoa deitada e relaxada. O envolvimento da musculatura distal, prevalece mais no tremor parkinsoniano que no tremor postural cerebelar. Pacientes com tremor postural apresentam o tremor somente quando tentam manter uma posição fixa, e não necessáriamente o tempo todo Distúrbios da marcha As oscilações mecânicas de um membro estabilizado podem na verdade reforçar a oscilação de baixa freqüência do membro em um paciente com doença cerebelar e levam a um tremor postural observável, mas não necessariamente um tremor de movimento (UMPHRED, 1994, p. 598). Os distúrbios da marcha é apresentado da sequinte maneira: não existe balanço dos braços, o paciente não consegue andar em linha reta

26 26 sem cair, os passos são completamente desiguais e os pés podem ficar próximos demais ou afastados demais, podem levantar sem ritmo ou altura regulares. Os distúrbios da marcha podem também ocorrer em combinação com outros problemas nas lesões cerebelares. O comprometimento da marcha pode ser resultado de erros na velocidade e nível absoluto de força da contração muscular e podem acompanhar a dismetria de movimentos isolados. As lesões cerebelares que afetam a postura também irão influenciar na habilidade da pessoa para andar Distúrbios da fala A fala é uma função motora complexa, e é conturbada por lesões cerebelares. O distúrbio é denominado disartria. A fala é lenta, destacando a pronúncia das sílabas (fala escandida). Também pode apresentar fala explosiva ou em estacato, a voz pode se tornar sem variações de altura e tom, tremulosa, nasal, ou muito atenuada. Paciente com lesão cerebelar no hemisfério esquerdo, apresentam maior incidência de distúrbios da fala. O hemisfério cerebelar esquerdo é influenciado pelo hemisfério cerebral direito, que tem entre suas funções percepção de melodias, tom e ritmo. O mecanismo responsável pela disartria é muito similar ao que produz a dismetria nos membros. Por exemplo, a falta de aptidão dos músculos da laringe para iniciar ou parar as contrações rapidamente ou hipotonicidade da laringe podem produzir uma proníncia errada de consoantes e vogais, fala lenta, pausas prolongadas ou ênfase desigual nas sílabas. A hipotonicidade da laringe pode também ser responsável pela inabilidade para aumentar a sonoridade ou variar o tom da voz Hipotonia A hipotonia é um sintoma típico de uma lesão cerebelar. A hipotonicidade pode ocorrer ipsolateralmente às lesões que são restritas ao

27 27 cerebelo lateral, mas também podem ser bilaterais ou contralaterais a lesões na área intermediária do cerebelo. Se houver hipotonicidade cerebelar bilateral, a intencidade é maior nos membros envolvidos. E são mais afetados os músculos proximais as articulações. A hipotonia pode ser detectada de várias maneiras, por exemplo, os músculos envolvidos podem apresentar uma redução da firmeza à palpação. Ao ser sacudido passivamente, o membro se move através de um arco maior de movimento que o que se vê em um membro normal. No caso de lesões unilaterais, a hipotonicidade, pode resultar num carimbo feito pelo pé descalço mais largo e chato. Quando o paciente tenta manter um membro hipotônico contra a gravidade, o membro tente a cair lentamente. Também se o paciente é distraído enquanto segura um objeto na mão, o objeto pode escapar da sua mão. A postura também pode se tornar assimétrica como resultado da hipotonicidade. Um paciente com hipotonicidade pode ser incapaz de fixar um membro posturalmente. Esse problema pode levar a incoordenação durante o movimento voluntário, por exemplo, a flexão e extensão do cotovelo em uma posição sem suporte o paciente pode não conseguir, contudo, o movimento pode ser facilitado se o braço estiver apoiado na mesa, ou em qualquer outro objeto Astenia A astenia também conhecida por fraqueza generalizada. Pacientes com lesão cerebelar podem ter até 50% da força muscular reduzida. A postura também pode ser deficiente em pacientes que apresentam astenia. A maioria dos pacientes se queixam de uma sensação de peso, como se o peso do corpo tivesse, vezes maior do que realmente é; o esforço excessivo para tarefas simples e o surgimento precoce de fadiga. A astenia não é um sintoma tão comum como outros que acompanham as lesões cerebelares. De acordo com dados estatísticos esse sintoma aparece em somente 10% dos pacientes com lesões cerebelares, e principalmente em pacientes com tumores cerebelares.

28 28 Um fato estabelecido é que ocorre uma diminuição na atividade fusimotora nas lesões cerebelares. A astenia é causada por uma perda de facilitação cerebelar para o córtex motor, que por sua vez pode reduzir a atividade dos neurônios motores espinhais durante o movimento voluntário. Uma perda da facilitação do cótex tem também sido sugerida como um mecanismo de fundo para a hipotonicidade. Se a perda da facilitação do córtex cerebral é responsável pela astenia e hipotonicidade, talvez a áreas do córtex que estão afetadas na astenia e hipotonicidade não sejam idênticas (UMPHRED, 1994, p. 595) Reflexos profundos do tipo pendular Ao pesquisar o reflexo particular do doente, na posição sentada, a perna ao invés de somente responder ao estímulo e voltar rapidamente ao lugar de origem (lugar de repouso), a perna permanece balançando como se fosse um pêndulo Fenômeno de Rebote Para verificar o fenômeno de Rebote, pede-se ao paciente forçar a flexão do antebraço contra uma resistência que se faz no pulso. No indivíduo normal, quando se retira essa resistência, a flexão pára imediatamente por ação doa músculos extensores, coordenada pelo cerebelo. Porém no doente neocerebelar, essa coordenação não existe, os músculos extensores custam a agir e o movimento é muito forte, levando quase sempre o paciente a dar um tapa no próprio rosto, ou seja, ele perde o controle do movimento Nistagmo Os olhos também são afetados com a disfunção cerebelar. Após uma lesão aguda de um hemisfério cerebelar, os dois olhos se desviam para o lado contralateral. O movimento voluntário dos olhos é também afetado pelas lesões cerebelares. Um distúrbio relativamente comum no movimento dos olhos é o nistagmo provocado pelo ato de olhar. A medida que os olhos

29 29 são voluntariamente movidos para olhar um objeto na periferia, eles se movem rapidamente na direção intencionada e depois voltam involuntariamente para posição neutra. Pacientes com atrofia cerebelar podem apresentar um nistagmo provocado pelo ato de olhar bilateralmente permanente, enquanto que aqueles com uma lesão unilateral aguda podem apresentar nistagmo temporariamente no lado ipsolateral. Um nistagmo de rebote frequentemente aparece se desvio da vista é mantido por 20 segundos ou mais. O nistagmo então ocorre brevemente em uma direção oposta a da vista anterior quando os olhos retornam voluntariamente para a posição neutra. Porém o sintoma no qual os olhos não podem se mover com precisão para um objeto na periferia de visão é chamado de dismetria ocular. Quando uma pessoa normal direciona a vista para um objeto na periferia, os olhos se movem em saltos rápidos chamados sacádicos. A amplitude dos movimentos sacádicos deve ser bem precisa para colocar a imagem intenciona na fóvia da retina. Após dano cerebelar o movimento sacádico dos olhos pode torna-se grande ou pequeno demais, e serão movimentos sacádicos corretivos, resultando em dismetria ocular. A dismetria ocular está relacionada com a posição inicial dos olhos, como ocorre a hipermetria quando os olhos estão excêntricos ao alvo, e a hipometria ocorre quando os olhos se movem da posição neutra para um alvo periférico. Ou seja, nistagmo são movimentos oscilatórios rítmicos dos bulbos oculares, que ocorre especilamente em lesões do sistema vestibular e do cerebelo. Em lesões agudas do cerebelo, a amplitude do nistagmo optocinético encontra-se com freqüência diminuída, enquanto que problemas crônicos, a amplitude das duas fases ou apenas uma das fases do nistagmo optocinético encontra-se com freqüência aumentada, paciente com lesões cerebelares se queixam de defeitos visuais, esses defeitos incluem visão embaçada, diplopia, e dificuldade para ver quando o corpo está em movimento. Presumivelmente as lesões em diferentes áreas do cerebelo afetam aspectos diferentes dos movimentos oculares porque um paciente pode ter distorção de um tipo de

30 30 movimento e não ter de outro. Contudo, o valor diagnóstico dos movimentos dos olhos para doença cerebelar encontra-se limitado porque as lesões do tronco cerebral podem produzir sintomas idênticos.

31 3. Recuperação das lesões cerebelares 31 O cerebelo tem uma notável capacidade de recuperação funcional quando há lesões no seu córtex, principalmente em crianças ou quando as lesões aparecem gradualmente. Este fato pode ocorrer, porque o córtex tem uma estrutura uniforme, permitindo que as áreas intactas assumam pouco a pouco as funções das áreas lesadas. Porém, a recuperação não ocorrerá quando as lesões atingem os núcleos centrais. Após uma lesão cerebral ocorre sempre algum nível de recuperação espontânea ou compensação, o nível depende da gravidade da lesão e de sua localização. Para acidentes vasculares cerebrais e traumatismo cranianos os terapeutas tem seguido padrões bem documentados para a recuperação das lesões cerebelares. Se um paciente desenvolve uma doença cerebelar degenerativa ou tumor, os sintomas que se desenvolvem são geralmente mais leves que os produzidos por uma mesma lesão ocorrendo agudamente. Por exemplo, um traumatismo craniano, que ocorre de forma aguda. Como já foi visto, o córtex motor é também considerado uma estrutura essencial da qual depende a compensação de uma lesão cerebelar Fisioterapia avaliação e metas A fisioterapia se preocupa de forma primária em restaurar e melhorar o bem estar musculoesquelético do paciente. No paciente com envolvimento neurológico a fisioterapia se preocupa em tornar o paciente mais funcional possível sob condições de máxima segurança, com um gasto energético razoável, para o paciente, e de forma estéticamente aceitável, não só visando a funcionabilidade, mas também a auto-estima do paciente em relação a sua imagem corporal. A avaliação de um paciente com lesão cerebelar, deve incluir inicialmente pontos determinados de capacidades funcionais como: mobilidade e postura no leito, habilidade para sentar e partir de uma posição

32 32 reclinada, manutenção da postura sentada, habilidade para ficar em pé a partir da posição sentada, manutenção da postura em pé, deambulação, habilidade para se vestir e alimentar-se. Não são necessários testes especiais para isolar estas habilidades a não ser observar as tentativas do paciente em realizar cada uma delas. A descrição de como o paciente realiza as tarefas deve incluir a assistência necessária, o nível de esforço envolvido, o tempo para completar a atividade, e os movimentos não usuais que ocorrem durante a realização de cada etapa. É muito importante avaliar o paciente como um todo, e fazer cada teste isoladamente. Avaliação dos distúrbios de movimentos com testes específicos. Para a Hipotonia: em primeiro lugar faz-se a palpação muscular e observa-se a firmeza reduzida,músculos flácidos; depois é importante testar os reflexos tendinosos profundos, que o sinal positivo é pendular; ver a agitação passiva dos membros, onde os membros se movem através de um arco de movimento maior do que em membros normais; temos que verificar o carimbo do pé umedecido, em que a marca mais larga se encontra no lado envolvido; observar o paciente segurando um objeto enquanto conversa; o sinal é positivo se o objeto cai quando ele se distrai; flexão e extensão voluntária do joelho ou cotovelo com e sem suporte, nos pacientes atáxicos quando está sem suporte, controlado quando suportado; flexão de apenas um dedo, em resposta todos os dedos se fletem; postura em repouso, encontra-se desleixada e assimétrica. A testagem da astenia: manter os braços em 90 graus de flexão ou abdução, a resposta positiva é quando os braços se cansam rapidamente; contração muscular restida máxima dos principais grupos musculares, mais fraca no lado comprometido ou incapaz de trabalhar contra resistência, que seja normal para o tamanho e a idade.; contração musculares repetidas submáximas, como para elevar-se sobre os artelhos, flexão de braço, apertar uma bola de tênis, o paciente cansa-se rapidamente; nas atividades de vida diária, se cansa rapidamente e queixa-se de sentir-se pesado.

33 33 Para avaliar o equilíbrio e controle postural é preciso manter o membro contra a ação da gravidade, como resposta positiva apresenta o tremor postural; empurrar levemente o paciente inesperadamente quando ele estiver sentado ou em pé, o paciente perde o equilíbrio facilmente; ficar em pé sobre um pé, ou andar para trás, perde o equilíbrio facilmente; a postura em pé, os pés se encontram separados, tronco levemente fletido, precisa de suportar estabilidade e tremor postural das pernas. Quando vamos testar a dismetria no paciente, pedimos para ele fletir os braços para uma posição de 90 graus, elevá-los rapidamente acima da cabeça e então voltar para a posição de 90 graus, o paciente não é capaz de voltar para a posição de 90 graus sem erros inicial. Colocar um pino no orifício, traçar um círculo com um lápis, traçar círculo no chão com o dedão, deslizar o calcanhar descendo pela canela lentamente, colocar os pés sobre as marcas enquanto anda, o paciente apresenta como resposta tremor intencional, ultrapassa ou pára antes do alvo;é importante fazer uma resistência à flexão do cotovelo do paciente e liberar inesperadamente, o braço ricocheteia; fletir e estender voluntariamente o joelho ou o cotovelo em posição suportada e sem suporte, o membro fica atáxico ou sem suporte; esforço isométrico submáximo contra força de transdução, o início e libaração da força do membro envolvido ficam retardados. A marcha na cadência, se torna incapaz de seguir o ritmo, marcha sobre os calcanhares ou artelhos, perde o equilíbrio e o ritmo; andar em sentido horário e anti-horário, cai em uma direção; andar em superfície irregular, não consegue se equilibrar e cai; o padrão de marcha é típico, lento, cai facilmente, não tem ritmo, comprimento e altura dos passos são irregulares. Para se testar a disdiadococinesia é só pedir ao paciente para bater a mão no joelho ou os artelhos no chão, rapidamente perde o ritmo e amplitude; andar o mais rápido possível, a marcha se torna muito comprometida somente quando for rápida. Para a avaliação da decomposição do movimento pede-se para que o

34 34 Paciente em decúbito dorsal toque o calcanhar no joelho oposto, sinal positivo o movimento é quebrado em fases separadas, sem fluência. O movimento do paciente com lesão cerebelar, parece como se estivesse em câmera lenta, mecânica como como um fantoche. Suas atividades de vida diária torna-se comprometida, incapaz de escovar os dentes, cortar comida, ou agitar o saleiro. A fisioterapia tem como suas metas, restaurar as funções comprometidas, melhorando a força muscular, equilíbrio, coordenação, marcha e as atividades de vida diária desse paciente, lhe proporcionando melhor qualidade de vida Psicomotricidade avaliação e metas A psicomotricidade tem como o significado um entrelaçamento entre o movimento e o pensamento. Existe uma estreita relação entre as anomalias psicológicas e as anomalias motrizes, o que levou a formular o termo psicomotricidade. Uma análise do homem primitivo ressaltando como desafio de sua sobrevivência estava ligado ao desenvolvimento psicomotor. Atividades básicas como pescar, colher alimentos, comer, são objetivos psicomotores essenciais para a continuação da existência. Necessitam de agilidade, força, velocidade e coordenação. A recreação, os ritos cerimoniais e as danças para os deuses, a criação de objetos de arte também eram atividades desenvolvidas por eles. Estruturaram suas experiências de movimentos em formas utilitárias mais precisas., O homem de hoje também necessita dessas habilidades, embora tenha se aperfeiçoado mais para uma melhor adaptação ao meio em que vive. Necessita ter um bom domínio corporal, boa percepção auditiva e visual, uma lateralização bem definida, faculdade de simbolização, orientação espaço-temporal, poder de concentração, percepção de forma, tamanho, número, domínio dos diferentes comandos psicomotores com o coordenação fina e global, equilíbrio (OLIVEIRA, 2002, p. 30).

Estrutura e Função do Cerebelo

Estrutura e Função do Cerebelo FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Estrutura e Função do Cerebelo Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos de Aprendizagem

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4.

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Sistema Nervoso Motor a) Organização Hierárquica do Movimento Movimentos

Leia mais

SISTEMA NERVOSO MOTOR

SISTEMA NERVOSO MOTOR SISTEMA NERVOSO MOTOR CÓRTEX MOTOR O cérebro é o órgão que move os músculos. sculos. Neil R. Carlson 1 CÓRTEX MOTOR ORGANIZAÇÃO DO CÓRTEX MOTOR Córtex motor primário: principal região controladora para

Leia mais

CEREBELO PROFª. RESPONSÁVEL: NORMA M. S. FRANCO ORGANIZADOR: ANDRÉ R MENDONÇA

CEREBELO PROFª. RESPONSÁVEL: NORMA M. S. FRANCO ORGANIZADOR: ANDRÉ R MENDONÇA CEREBELO PROFª. RESPONSÁVEL: NORMA M. S. FRANCO ORGANIZADOR: ANDRÉ R MENDONÇA FUNÇÃO DO CEREBELO. É a parte do encéfalo responsável pelo controle dos movimentos voluntários, aprendizagem motora, controle

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL. Ataxias. Acd. Flora Paz. w w w. s c n s. c o m.

FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL. Ataxias. Acd. Flora Paz. w w w. s c n s. c o m. FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Ataxias Acd. Flora Paz w w w. s c n s. c o m. b r Caso clínico Paciente F.C.S, 50 anos, sexo masculino, etilista crônico

Leia mais

CLASSES DE MOVIMENTOS

CLASSES DE MOVIMENTOS CLASSES DE MOVIMENTOS ATOS REFLEXOS - considerados involuntários, simples (poucos músculos), estereotipados, em geral ocorrem automaticamente em resposta a um estímulo sensorial. Ex. resposta ao toque

Leia mais

VIAS EFERENTES (DESCENDENTES)

VIAS EFERENTES (DESCENDENTES) VIAS EFERENTES (DESCENDENTES) Colocam em comunicação os centros supra-segmentares com os órgãos efetuadores: 1- Vias eferentes viscerais (vida vegetativa) : Alvos = vísceras e vasos > função dos órgãos

Leia mais

CONTROLE DA MOTRICIDADE SOMÁTICA

CONTROLE DA MOTRICIDADE SOMÁTICA CONTROLE DA MOTRICIDADE SOMÁTICA Medula, Tronco Encefálico & Córtex Motor Cerebelo e Núcleos da Base Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia Padrões Básicos de Movimentos do Corpo Movimento de

Leia mais

O CÓRTEX MOTOR CÓRTEX MOTOR PRIMÁRIO

O CÓRTEX MOTOR CÓRTEX MOTOR PRIMÁRIO O CÓRTEX MOTOR - Movimentos VOLUNTÁRIOS executados pela ativação cortical de padrões de função armazenados em áreas medulares e encefálicas inferiores na MEDULA ESPINHAL, TRONCO CEREBRAL, GÂNGLIOS DA BASE

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Tecido Nervoso Compreende basicamente dois tipos celulares Neurônios unidade estrutural e funcional

Leia mais

Humberto Bia Lima Forte

Humberto Bia Lima Forte Humberto Bia Lima Forte Observando-se a maneira como o paciente se move, é possível, em algumas infecções neurológicas, suspeitar-se ou dar-se o diagnóstico sindrômico Marcha helicópode, ceifante ou hemiplégica

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Sistema Nervoso Central (Cerebelo e Núcleos da Base) Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade de Ciências

Leia mais

Coordenação Motora. Acadêmicas: Ana Laura Maciel Francieli de Abreu Shayda Muniz

Coordenação Motora. Acadêmicas: Ana Laura Maciel Francieli de Abreu Shayda Muniz Coordenação Motora Acadêmicas: Ana Laura Maciel Francieli de Abreu Shayda Muniz É compreendida como resultado da relação entre o indivíduo que realiza o movimento, o ambiente e a tarefa realizada por este,

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO O sistema Nervoso é um todo. Sua divisão em partes tem um significado exclusivamente didático, pois as várias partes estão intimamente

Leia mais

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional V juliana.pinheiro@kroton.com.br O sistema nervoso é um sistema complexo de comunicação e controle no corpo animal.

Leia mais

OS GÂNGLIOS DA BASE FUNÇÕES DOS GÂNGLIOS DA BASE

OS GÂNGLIOS DA BASE FUNÇÕES DOS GÂNGLIOS DA BASE OS GÂNGLIOS DA BASE Neurofisiologia Prof. Hélder Mauad FUNÇÕES DOS GÂNGLIOS DA BASE Ajudam a planejar e a controlar padrões complexos do movimento muscular, controlando a intensidade relativa dos movimentos

Leia mais

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula Introdução O corpo humano é coordenado por dois sistemas: o nervoso e o endócrino. O sistema nervoso é o que coordena, por meio da ação dos neurônios, as respostas fisiológicas, como a ação dos músculos

Leia mais

Divisão anatômica 15/09/2014. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Função. Sistema Nervoso Estrutura. Cérebro Cerebelo Tronco encefálico ENCÉFALO

Divisão anatômica 15/09/2014. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Função. Sistema Nervoso Estrutura. Cérebro Cerebelo Tronco encefálico ENCÉFALO Função o sistema nervoso é responsável pelo controle do ambiente interno e seu relacionamento com o ambiente externo (função sensorial), pela programação dos reflexos na medula espinhal, pela assimilação

Leia mais

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular.

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Neurônio Sistema Nervoso Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Dendritos prolongamentos ramificados que captam os estímulos nervosos. Axônio prolongamento único e responsável

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo www.bioloja.com EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN O SISTEMA NERVOSO O SNC recebe, analisa e integra informações. É o local onde ocorre a tomada de decisões e o envio

Leia mais

Organização do sistema nervoso

Organização do sistema nervoso Sistema nervoso Organização do sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) O encéfalo: O encéfalo dos mamíferos é dividido em: telencéfalo (cérebro), diencéfalo (tálamo, epitálamo e hipotálamo), mesencéfalo

Leia mais

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006-1 - SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SUMÁRIO

Leia mais

Sistema Nervoso Organização Geral

Sistema Nervoso Organização Geral Sistema Nervoso Organização Geral O encéfalo é o centro da razão e da inteligência: cognição, percepção, atenção, memória e emoção, Também é responsável pelo controle da postura e movimentos, Permite o

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso SISTEMA NERVOSO Nos organismos menos complexos as funções de comunicação entre as várias

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Biologia FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA NERVOSO Tem por função receber, associar, armazenar ou emitir informações garantindo assim

Leia mais

SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO

SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO Prof. Hélder Mauad APARELHO VESTIBULAR Órgão sensorial que detecta as sensações de equilíbrio. Constituído por labirinto ósseo e por dentro dele há o labirinto

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 2014

SISTEMA NERVOSO 2014 SISTEMA NERVOSO 2014 SISTEMA NERVOSO OBJETIVOS Conhecer a organização do Sistema Nervoso. Descrever a constituição do Tecido Nervoso. Denominar as partes do Sistema Nervoso Central (SNC) e do Sistema Nervoso

Leia mais

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso Funções: Coordena o funcionamento dos outros sistemas. Controla os movimentos (voluntários e involuntários). É responsável pela recepção de estímulos externos e pela resposta

Leia mais

Sistema neuro-hormonal

Sistema neuro-hormonal Unidade 4 Sistema neuro-hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? + Sistema nervoso Sistema hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? Qualquer alteração no exterior ou no interior do corpo! corresponde

Leia mais

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES Deteta informação sensorial Processa e responde à informação sensorial (integração) Mantém a homeostasia Centro das atividades mentais Controla os movimentos do corpo através dos

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia Reflexos Medulares Elio waichert # Objetivos Apresentar as características da medula espinhal; Classificar os receptores sensoriais

Leia mais

CONDUÇÃO da INFORMAÇÃO na MEDULA

CONDUÇÃO da INFORMAÇÃO na MEDULA FACULDADE de MOTRICIDADE HUMANA ANATOMOFISIOLOGIA 2008 2002/2003-2009 Prof. Prof. SISTEMA NERVOSO SISTEMA NERVOSO Receptores RECEPTORES E VIAS DA Vias SENSIBILIDADE da Sensibilidade Vias da Motricidade

Leia mais

Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências

Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Encéfalo Medula espinhal SNP autônomo SNP somático Parassimpático Simpático Nervos motores

Leia mais

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Projeto Medicina Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Neurociência DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO Sistema Nervoso Central Sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon Veste criada em Michigan/USA, por pesquisadores russos. Função: contrapor os efeitos negativos vividos pelos astronautas (atrofia muscular,

Leia mais

Valéria Neves Kroeff Mayer 1

Valéria Neves Kroeff Mayer 1 POSTURAS PATOLÓGICAS NAS LESÕES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL Valéria Neves Kroeff Mayer 1 Anormalidades sensório motoras, posturais e do tônus, são comuns após lesões do Sistema Nervoso, tanto Central quanto

Leia mais

Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos

Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos RICARDO MARTINS PORTO LUSSAC ricardolussac@yahoo.com.br (Brasil) Mestrando do Programa de Mestrado em Ciência da Motricidade Humana - Universidade Castelo

Leia mais

3.4 Deformações da coluna vertebral

3.4 Deformações da coluna vertebral 87 3.4 Deformações da coluna vertebral A coluna é um dos pontos mais fracos do organismo. Sendo uma peça muito delicada, está sujeita a diversas deformações. Estas podem ser congênitas (desde o nascimento

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CAROLINE SILVA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura Plena do Curso de Educação Física das Faculdades Integradas

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR Orelha Interna -Sistema Vestibular Movimentos rotacionais (aceleração angular) As células sensoriais são ciliadas mas são estimuladas

Leia mais

Doença do Neurônio Motor

Doença do Neurônio Motor FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Doença do Neurônio Motor Acd. Mauro Rios w w w. s c n s. c o m. b r Relato de Caso Paciente M.V., sexo masculino, 62 anos,

Leia mais

HIERARQUIA E CONTROLE DE MOVIMENTOS

HIERARQUIA E CONTROLE DE MOVIMENTOS HIERARQUIA E CONTROLE DE MOVIMENTOS (Sherrington) CORTEX MOTOR Movimentos voluntários e ajustes antecipatórios NÚCLEOS DA BASE E CEREBELO Iniciação, modulação, coordenação, refinamento e aprendizado motor

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro SISTEMA NERVOSO. Enfermagem. Sistema Nervoso. Prof. Me. Fabio Milioni 17/09/2015

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro SISTEMA NERVOSO. Enfermagem. Sistema Nervoso. Prof. Me. Fabio Milioni 17/09/2015 ANATOMIA HUMANA II Enfermagem Sistema Nervoso Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro SISTEMA NERVOSO Conceito Função Divisão Sistema Nervoso Central Tecido Nervoso Cerebelo Diencéfalo Telencéfalo Meninges Líquor

Leia mais

Universidade Católica de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas e Saúde Curso de Fisioterapia Disciplina de Fisioterapia Aplicada à Neurologia

Universidade Católica de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas e Saúde Curso de Fisioterapia Disciplina de Fisioterapia Aplicada à Neurologia Universidade Católica de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas e Saúde Curso de Fisioterapia Disciplina de Fisioterapia Aplicada à Neurologia Distúrbios do tônus Prof a. Ana Karolina Pontes de Lima

Leia mais

Coordenação do Organismo

Coordenação do Organismo Sistema Nervoso Coordenação do Organismo Sistema Nervoso Sistema responsável pela transmissão de estímulos de uma zona do corpo para outra. Sistema Hormonal Sistema responsável pela síntese de substâncias

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Unidade - V CEREBELO. Prof a : Norma M.Salgado Franco Colaborador: André R. Mendonça

Unidade - V CEREBELO. Prof a : Norma M.Salgado Franco Colaborador: André R. Mendonça Unidade - V CEREBELO Prof a : Norma M.Salgado Franco Colaborador: André R. Mendonça FUNÇÃO DO CEREBELO. É a parte do encéfalo responsável pelo controle dos movimentos voluntários, aprendizagem motora,

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula veremos a importância da coordenação motora para o desenhista e como ela pode ser desenvolvida através de exercícios específicos. (Mateus Machado) A IMPORTANCIA DA COORDENAÇÃO MOTORA Antes

Leia mais

O sistema nervoso esta dividido em duas partes:

O sistema nervoso esta dividido em duas partes: 1 FISIOLOGIA HUMANA I Neuromuscular Prof. MsC. Fernando Policarpo 2 Conteúdo: Estrutura do Sistema Nervoso Central (SNC) e Periférico (SNP). Elementos do Tecido Nervoso. Mecanismos de Controle Muscular.

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 42 QUESTÃO 26 No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: a) Alteração do posicionamento dos membros superiores.

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

Desenvolvimento do SISTEMA NERVOSO

Desenvolvimento do SISTEMA NERVOSO Desenvolvimento do SISTEMA NERVOSO INTRODUÇÃO divisões do sistema nervoso DIVISÕES DO SISTEMA NEVOSO Sistema Nervoso Central (SNC): DERIVADO DO TUBO NEURAL consiste em encéfalo e medula espinhal Sistema

Leia mais

Elementos Estruturais e Funcionais do Sistema Nervoso

Elementos Estruturais e Funcionais do Sistema Nervoso CÉREBRO Cérebro O ser humano define-se por uma multiplicidade de caraterísticas que o distinguem dos outros animais. O seu organismo é constituído por um conjunto de orgãos e sistemas que se relacionam

Leia mais

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes Fisioterapia nas Ataxias Manual para Pacientes 2012 Elaborado por: Fisioterapia: Dra. Marise Bueno Zonta Rauce M. da Silva Neurologia: Dr. Hélio A. G. Teive Ilustração: Designer: Roseli Cardoso da Silva

Leia mais

Unidade didática de Ginástica

Unidade didática de Ginástica Livro do Professor 5 Unidade didática de Ginástica Objetivos gerais da Ginástica Compor e realizar as destrezas elementares de solo, aparelhos e minitrampolim, em esquemas individuais e/ou de grupo, aplicando

Leia mais

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE UNIDADE DE TRAUMA ORTOPÉDICO Hospital Universitário Miguel Riet Corrêa - Rua Visconde de Paranaguá, 102 Rio Grande, RS CEP 96200/190 Telefone:

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Os seres mais basais possuem capacidade de reação a estímulos ambientais; Células procariontes, metazoários contraem

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Ficha de Observação Psicomotricidade

Ficha de Observação Psicomotricidade Observações Ficha de Observação Psicomotricidade Nome: Idade: Data: Nota: esta ficha consiste numa redução da bateria psicomotora, algumas tarefas foram retiradas de outros instrumentos de avaliação (ABC).

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

Seqüência completa de automassagem

Seqüência completa de automassagem Seqüência completa de automassagem Os exercícios descritos a seguir foram inspirados no livro Curso de Massagem Oriental, de Armando S. B. Austregésilo e podem ser feitos em casa, de manhã ou à tardinha.

Leia mais

SÍNDROMES MEDULARES. Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira

SÍNDROMES MEDULARES. Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira SÍNDROMES MEDULARES Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Divisão de Neurologia Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de São

Leia mais

Controle Postural. Orientação Postural: Relação adequada entre os segmentos do corpo e do corpo com o ambiente. manter CDM nos limites da BDA

Controle Postural. Orientação Postural: Relação adequada entre os segmentos do corpo e do corpo com o ambiente. manter CDM nos limites da BDA CONTROLE POSTURAL Controle Postural Orientação Postural: Relação adequada entre os segmentos do corpo e do corpo com o ambiente Estabilidade postural ou equilíbrio: capacidade de manter CDM nos limites

Leia mais

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores 4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores Como descrevemos no capitulo II, a Paralisia Cerebral é uma lesão neurológica que ocorre num período em que o cérebro ainda não completou

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente".

Uma Definição: Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente. ERGONOMIA: palavra de origem grega. ERGO = que significa trabalho NOMOS = que significa regras Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente". Tríade básica da Ergonomia:

Leia mais

Sistema Límbico. Prof. Gerardo Cristino. Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br

Sistema Límbico. Prof. Gerardo Cristino. Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Sistema Límbico Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Sistema Nervoso Central Áreas da emoção

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

NOÇÕES DE NEUROANATOMIA

NOÇÕES DE NEUROANATOMIA Divisões do Sistema Nervoso Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Encéfalo Medula Espinhal Sistema Nervoso Periférico Nervos Espinhais Nervos Cranianos Gânglios Periféricos 1 Os órgãos do SNC são protegidos

Leia mais

1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR.

1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR. 1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR. Quando ocorre uma fratura envolvendo o membro inferior, a reeducação do padrão de marcha normal até o nível da função anterior à

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

Nervos Cranianos. M.Sc. Profª Viviane Marques

Nervos Cranianos. M.Sc. Profª Viviane Marques Nervos Cranianos M.Sc. Profª Viviane Marques Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar UVA Docente do mestrado de HIV/AIDS e Hepatites Virais UNIRIO Tutora da Residência Multiprofissional

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Esclerose Lateral Amiotrófica ELA

Esclerose Lateral Amiotrófica ELA Esclerose Lateral Amiotrófica ELA É uma doença implacável, degenerativa e fatal que afeta ambos os neurônios motores superior e inferior; Etiologia desconhecida; Incidência de 1 a 2 : 100.000 pessoas;

Leia mais

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos.

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos. por Christian Haensell A flexibilidade do corpo e das juntas é controlada por vários fatores: estrutura óssea, massa muscular, tendões, ligamentos, e patologias (deformações, artroses, artrites, acidentes,

Leia mais

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA APRENDA A CUIDAR DA SUA COLUNA Elaboração: Júlia Catarina Sebba Rios Pesquisa: Efeitos de um programa educacional de autocuidado de coluna em idosos ati vos e sedentários

Leia mais

Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência visual

Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência visual Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 14 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ACREDITE EM VOCÊ Profª Elaine Terroso Esse material foi elaborado

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Estrutura e Função dos Nervos Periféricos

Estrutura e Função dos Nervos Periféricos FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Estrutura e Função dos Nervos Periféricos Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos

Leia mais

Hand of Hope Para a reabilitação da mão

Hand of Hope Para a reabilitação da mão Hand of Hope Para a reabilitação da mão Tentamos Nós encontramos a Esperança Ela estava na casa dos vinte quando teve um AVC. Ela perdeu a capacidade funcional dum lado do corpo. No início, sentia-se transtornada,

Leia mais