TÓPICOS PARA ESTUDOS AULA 7: SISTEMA DE PESSOAL NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Prof. Antonio Dourado Vasconcelos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÓPICOS PARA ESTUDOS AULA 7: SISTEMA DE PESSOAL NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Prof. Antonio Dourado Vasconcelos"

Transcrição

1 TÓPICOS PARA ESTUDOS AULA 7: SISTEMA DE PESSOAL NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Prof. Antonio CONCEITO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Numa visão global, a Administração Pública é, pois, todo o aparelhamento do Estado preordenado à realização de serviços, visando à satisfação das necessidades coletivas. (cf. Hely Lopes Meirelles, Direito Administrativo Brasileiro) ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA O Estado, para se manifestar e exercer sua função administrativa, depende de pessoas físicas. Não se pode entender a Administração Pública sem a presença de seu elemento físico, os agentes, que expressam a vontade estatal. CONCEITO DE AGENTES PÚBLICOS Quem quer que desempenhe funções estatais, em caráter definitivo ou transitório, pelo desenvolvimento das atividades dos diversos órgãos e entidades estatais, são denominadas de agentes públicos. CLASSIFICAÇÃO NA CONSTITUIÇÃO O tema é objeto de matéria constitucional, tratado no Capítulo VII, do Título III da Carta Magna, abrangendo as diversas espécies de atores da Administração Pública, a saber: agentes políticos; Particulares em colaboração com o Poder Público; Servidores públicos. AGENTES POLÍTICOS São agentes políticos aqueles que exercem cargos que fazem parte do cume da estrutura organizacional do Estado. PARTICULARES EM COLABORAÇÃO COM O PODER PÚBLICO Estão incluídos nesta espécie de agentes públicos todas aquelas pessoas físicas que, embora não mantenham vínculo profissional direto com a Administração Pública, prestam serviços ao Estado, remunerados ou não. São eles: Aqueles requisitados, nomeados ou designados para desempenho de funções como os jurados, os convocados para o serviço militar ou eleitoral, por exemplo; os que, por iniciativa própria, assumem, como gestores de negócios públicos, funções públicas mediante ocorrência de situação especial de emergência; empregados de concessionários e permissionários de serviços públicos, bem como os delegados de função ou ofício público (serviços notariais e de registro) art. 236, da CF), os 1

2 leiloeiros, peritos, tradutores e intérpretes públicos, os que exercem a atividade pública em nome próprio, mas fiscalizado pelo Estado. Contratados através da locação de serviços para exercerem funções públicas de relevo; agentes de organizações da sociedade civil que prestam serviços subvencionados pelo Estado. Contratados através da locação de serviços para exercerem funções públicas de relevo; Agentes de organizações da sociedade civil que prestam serviços subvencionados pelo Estado. SERVIDORES PÚBLICOS São denominados servidores públicos, em sentido lato, aquelas pessoas físicas que, mantendo vínculo de emprego estatutário ou contratual, de caráter permanente ou eventual, prestam serviços ao Estado, incluindo as entidades da Administração Indireta, percebendo, em conseqüência, remuneração paga pelos cofres públicos. É nessa última categoria de agentes que concentraremos nosso trabalho. Nela encontra-se três espécies distintas: Servidores públicos propriamente ditos (ou estatutários): são os titulares de cargos públicos, sujeitos ao regime jurídico estatutário; Servidores temporários: contratados por tempo determinado para atendimento a necessidade temporária de excepcional interesse público, segundo comando do inciso IX do art. 37 da Constituição da República, submetidos ao regime jurídico administrativo especial estabelecido por lei de cada ente. CARGOS EMPREGOS E FUNÇÕES Os entes da Federação (União, Estados, Distrito Federal e Municípios) desenvolvem suas atividades de administração através de seus órgãos e servidores.estes últimos, de acordo com a sua vinculação com o Estado, podem titularizar cargos, ocupar empregos ou exercer funções. CARGO PÚBLICO Para Celso Antônio Bandeira de Mello, cargos são as mais simples e indivisíveis unidades de competência a serem expressas por um agente, previstas em um número certo, com denominação própria, retribuídas por pessoas jurídicas de Direito Público e criadas por lei. Vê-se, desta forma, que cargo é um lugar criado no serviço público, constituído por um conjunto de atribuições e responsabilidades próprias, desempenhadas por pessoa física (servidor público), agindo em nome do Estado, ao qual correspondem denominação e remuneração específicas, na forma estabelecida em lei. CLASSIFICAÇÃO DOS CARGOS Os cargos podem ser classificados, segundo sua aglutinação dentro das corporações, em isolados ou de carreira. Podem, ainda, apresentar-se de três maneiras diferentes, de acordo com o grau de segurança na manutenção do vínculo com o Poder Público: vitalícios, efetivos e comissionados. Vitalícios aqueles cujo provimento se dá em caráter definitivo, com elevado grau de segurança do vínculo, podendo ocorrer mediante aprovação em concurso público (magistrados e promotores) ou nomeação direta (membros dos tribunais de contas, ministros dos tribunais superiores e desembargadores). Somente poderão ser desligados pelo Estado mediante processo judicial. Efetivos são os ocupados permanentemente, a exemplo dos vitalícios, devendo ser providos através de concurso público. Após três anos de exercício, seus titulares adquirem estabilidade, desde que, durante este período chamado de estágio probatório, comprovem ser detentores das habilidades e requisitos para o desempenho das funções dos respectivos cargos. Caso contrário, 2

3 poderão ser afastados pela Administração, mediante processo de avaliação devidamente regulamentado. Comissionados ou de provimento em comissão detêm natureza de ocupação provisória, caracterizados pela confiança depositada pelos administradores em seus ocupantes, podendo seus titulares, por conseguinte, ser afastados ad nutum, a qualquer momento, por conveniência da autoridade nomeante. Não há que se falar em estabilidade em cargo comissionado. De acordo com o art. 37, V, da Constituição da República, os cargos em comissão, a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos, condições e percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e assessoramento, significando que, apesar da discricionariedade no provimento, os cargos não poderão sequer ser criados em afronta aos ditames constitucionais. Não cabe, por exemplo, criação de cargos comissionados com atribuições de efetivos. Nesse sentido, já se pronunciou o STF: a exigência do concurso público não pode ser contornada pela criação artificial de cargos em comissão para o exercício de funções que não pressuponha o vínculo de confiança que explica o regime de livre nomeação e exoneração que os caracteriza (Adin /GO. TIPOS DE SERVIDORES PÚBLICOS Emprego público a expressão emprego público passou a ser utilizada, paralelamente a cargo público, também para designar uma unidade de atribuições, distinguindo-se uma da outra pelo tipo de vínculo que liga o servidor ao estado; o ocupante de emprego público tem um vínculo contratual, sob a regência da CLT, enquanto o ocupante do cargo público tem vínculo estatutário. REGIME JURÍDICO: A Constituição Federal de 1988, anteriormente à Emenda Constitucional nº 19/1998, determinava que qualquer que fosse o regime escolhido (celetista ou estatutário), o mesmo não poderia coexistir com o outro. A Emenda Constitucional nº 19/98, possibilitou a existência, concomitantemente, dentro de uma mesma entidade ou órgão, para o exercício de atividade distintas, a criação de cargos e empregos. Recente decisão do STF sobre a matéria. A função pública pode ser atribuída tanto a servidores, ocupantes de cargos/empregos, quanto a contratados temporariamente por excepcional interesse público. FUNÇÃO PÚBLICA Segundo Meirelles, função é atribuição ou conjunto de atribuições que a Administração confere a cada categoria profissional ou comete individualmente a determinados servidores para a execução de serviços eventuais... Todo cargo tem função, mas pode haver função sem cargo (contratados temporariamente) a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração (C.F., inciso II, Art. 37). ADMISSÃO DE PESSOAL NO SERVIÇO PÚBLICO Exceções: nomeação para cargo comissionado; contratação por tempo determinado. 3

4 Concurso Público no entendimento de Dallari, trata-se de um procedimento administrativo aberto a todo e qualquer interessado que preencha os requisitos estabelecidos em lei, destinado à seleção de pessoal, mediante a aferição do conhecimento, da aptidão e da experiência dos candidatos, por critérios objetivos, previamente estabelecidos no edital de abertura, de maneira a possibilitar uma classificação de todos os aprovados. ADMISSÃO DE PESSOAL NO SERVIÇO PÚBLICO Não se deve confundir, no entanto, o concurso para seleção de pessoal para o serviço público com o concurso, modalidade licitatória estabelecida pelo 4º do art. 22 da Lei nº /93, utilizada pela Administração para escolha de trabalho técnico, científico ou artístico, mediante a instituição de prêmios ou remuneração aos vencedores e em nada similar ao processo seletivo para admissão de servidores. Princípios aplicáveis ao concurso público o caput do art. 37 determina que a Administração Pública deverá obedecer aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. Realização do concurso público como o objetivo do concurso é selecionar pessoal para prover as necessidades da Administração, é imprescindível que o respectivo cargo ou emprego tenha sido criado por lei, bem como que o mesmo esteja vago, pelo menos um, sob pena de nulidade do certame. Por isso é de grande importância a exata quantificação das vagas a serem preenchidas. Se não houver vaga ou inexistirem os cargos ou empregos, deve-se editar lei com o objetivo de criá-los para que possam ser oferecidos no concurso. PRESSUPOSTOS BÁSICOS PARA REALIZAÇÃO DE CONCURSO PÚBLICO observância aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência; existência de LEI criando os cargos ou empregos públicos, cujo número de vagas a serem preenchidos estejam disponíveis; levantamento da despesa com pessoal, limite e condições impostas pela LRF; autorização específica na Lei de Diretrizes Orçamentárias, para admissão ou contratação de pessoal. EDITAL DE CONCURSOS PÚBLICOS, O QUE DEVE CONSTAR? a) nomenclatura e quantitativo dos cargos ou empregos oferecidos; b) regime jurídico aplicado; c) datas para inscrição dos interessados, que deve compreender um período razoável, sob pena de afrontar o princípio da ampla acessibilidade aos cargos, empregos e funções públicas; d) Requisitos para provimento de cargo ou emprego, os quais devem ser expostos de forma discriminadas, guardando compatibilidade com as atribuições da função inerente ao cargo; e) Programas das disciplinas exigidas no concurso, por cada cargo oferecido; f) Critério para avaliação das provas, detalhando a pontuação atribuída para cada uma delas; g) Definição clara e precisa dos títulos considerados, indicando a respectiva pontuação e observando a correlação entre os títulos e as atribuições do cargo ou emprego, salientando que somente serão aceitos os títulos devidamente comprovados; 4

5 h) Critérios objetivos de desempate relacionados com os requisitos necessários ao exercício do cargo; i) Reserva de vagas pra portadores de deficiência, em percentual estabelecido pela respectiva legislação; j) Prazo de validade do concurso (até dois anos, prorrogável uma vez, por igual período; k) Remuneração inicial de cada cargo ou emprego; l) Prazo para interposição de recursos; m) Forma pela qual a administração comunicará aos candidatos: a data e o horário da realização das provas, o resultado do concurso e a publicação dos atos de nomeação dos aprovados se não definidos no edital). HOMOLOGAÇÃO DE CONCURSO PÚBLICO Realizadas as provas e decorrido o prazo para interposição de recurso, deverá a Administração, pela autoridade competente, providenciar a homologação dos resultados do concurso através de ato formal, que deverá ter como anexo a listagem dos aprovados. Esta, por cargo e nome completo do candidato, especificando o número do documento de identidade e seu registro no cadastro de contribuintes junto ao Ministério da Fazenda. Resolução 167/90 Regula a apreciação, para fins de registro, da legalidade das admissões de pessoal na administração direta, indireta e fundacional. Art. 1º - Os atos de admissão dos servidores municipais, a qualquer título, inclusive a modalidade de que trata o art. 37, inciso IX da Constituição Federal, da administração direta, indireta e fundacional, excetuadas as nomeações para cargos em comissão, observado, para estes, o disposto no art. 14, parágrafo 2º da Constituição do Estado. Estes, deverão ser remetidos ao Tribunal de Contas dos Municípios, para efeito de apreciação da legalidade e registro. CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA Como exceção à regra geral do concurso público, o legislador constitucional previu no art. 37, inciso IX, da CF, que a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público. Cabe a cada ente federativo, por competência constitucional, regular, através de lei, os casos de contratação temporária de pessoal, estabelecendo as hipóteses e situações que poderão ensejar sua realização, atendidos os princípios da razoabilidade e da moralidade. Essas contratações, preferencialmente e dentro das possibilidades, devem sujeitar-se a recrutamento de pessoal mediante processo seletivo simplificado, a exemplo da lei federal. Na contratação de agentes públicos sem a realização de concurso, obrigatoriamente, devem estar presentes as seguintes situações: contratação por tempo determinado; necessidade temporária; interesse público excepcional. O contratado temporariamente não exerce cargo ou emprego público, embora desempenhe funções. Os cargos e empregos, por natureza, têm caráter constante e são indispensáveis à Administração Pública. TERCEIRIZAÇÃO E PARCERIAS COMO ALTERNATIVAS À EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL DO CONCURSO PÚBLICO. Terceirização no serviço Público 5

6 Em função das características específicas, da natureza, da complexidade ou da singularidade das atividades, a Administração é levada a contratar com particulares a realização de diversos serviços. Esse contrato, sujeito às regras estabelecidas pela Lei nº 8.666/93 (Lei de Licitações e Contratos Administrativos), contempla, entre outros, os seguintes serviços: conservação, limpeza, segurança, vigilância, transportes, informática, copeiragem, recepção, reprografia, telecomunicações e manutenção de equipamentos e instalações, além de obras e serviços de engenharia. Na Administração Pública, via de regra, a natureza da atividade, fim ou meio, para a doutrina prevalente, guarda sua relevância, sendo impossível a terceirização de atividade-fim. Corroborando tal posicionamento, o Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais assim entendeu: [...] concluo não ser possível ao Município a terceirização de todos os serviços, mas apenas a daqueles de natureza auxiliar, ligados à atividade-meio. Não pode o Município terceirizar serviços que abrangem sua atividade-fim, traduzindo atribuições típicas de cargos permanentes, que só pode ser preenchidos por concurso público. Como visto, a legalidade da terceirização está sujeita, ainda, à impossibilidade de terceirizar atividade inerente à categoria funcional abrangida pelo plano de cargos da entidade pública. Vale ressaltar, ainda, que o objeto da terceirização é a atividade, e não a pessoa. Contrata-se a prestação de um serviço (o que é perfeitamente legal) para se obter determinado resultado, a exemplo de um projeto, uma obra. No entanto o que ocorre na maioria das terceirizações é que, ao invés do serviço, os contratados fornecem a mão-de-obra, dissimulando o verdadeiro objetivo da contratação que é admitir pessoas sem aprovação em concurso público. PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR O Estado brasileiro, com o objetivo de implementar as reformas de cunho generalista, inspirado no Plano de Reforma do Aparelho do Estado concebido pelo Governo Federal, passou a exercer um papel fomentador dos serviços públicos entendidos como não exclusivos, transferindo para o setor privado a sua execução. Os espaços para atuação dos prestadores de serviços públicos não exclusivos do Estado foram reservados ao Terceiro Setor, formado por organizações privadas, sem fins lucrativos, que geram bens e serviços de caráter e interesse públicos e que, segundo os reformistas, ofereciam maior flexibilidade, eficiência e economicidade que o aparelho estatal e ainda poderiam interagir mais facilmente com a população. Nesse contexto, o Governo Federal instituiu as Organizações Sociais OS (Lei nº 9.637/98) e as Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP (Lei nº 9.790/99), entidades que, apesar de apresentarem denominações assemelhadas e objetivos similares e de receberem transferências de recursos públicos, não se confundem. As Organizações Sociais partem do princípio da publicização, ou seja, da devolução à sociedade daquilo que, apesar de estar sendo executado pelo Estado, não precisava ser diretamente por ele, implicando, via de regra, a extinção de entidades públicas que desenvolvem as atividades a serem transferidas. As Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP, por sua vez, caracterizamse pela prévia realização de ações de interesse social, cabendo ao Estado apenas o fomento de sua atuação. As OSCIP somente recebem recursos públicos quando prestam os serviços pactuados com a Administração, mas sua atuação não está condicionada a esse recebimento. As Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público, em sua concepção original, têm seu valor de relevo na consecução dos serviços públicos. Sua concepção nasceu do reconhecimento pelo Poder Público da atuação efetiva e espontânea de organizações não-governamentais ONGs na realização de diversas atividades de relevante valor social e incontestável interesse público. 6

7 No entanto, a observação da realidade nos mostra que a idéia original tem sido desvirtuada pela criação de organizações com a única intenção de obter recursos do Poder Público. Constata-se, também, nas atuais parcerias firmadas pelos municípios com OSCIPs, trataremse de meras locação de mão-de-obra, o que é vedado pela legislação. Essa dissimulação de contratação de pessoal, além de não realizar o concurso público, ferindo a Constituição da República, o gestor utiliza o artifício para fugir dos limites de despesa com pessoal impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Outra questão a ser suscitada refere-se à competência legal para regular a matéria que, por ser típica de Direito Administrativo, cabe a cada ente da Federação. O Município que desejar fomentar as atividades desenvolvidas por entidades privadas nos moldes da lei federal, terá que editar sua própria regra, uma vez que lhe é vedada a adoção de normas de outro ente, por imperativo dos princípios da reserva legal e da autonomia. A lei municipal observará as exigências e critérios e parâmetros estabelecidos pela lei federal nº 9.790/99, dispondo, ainda, sobre a escolha da oscip com a qual será celebrado termo de parceria, o que se fará mediante procedimento licitatório constante da lei nº 8.666/93 ou por critérios de seleção por ela, lei municipal, estabelecidos. As OSCIPs legalmente instituídas pelo município a ele prestarão contas dos recursos públicos repassados, no término de cada exercício financeiro. As contas prestadas pelas OSCIPs integrarão as contas anuais dos municípios prestadas ao tribunal de contas dos municípios. PARA CONTINUIDADE DE ESTUDOS: Acessar os trechos da CONSTITUIÇÃO FEDERAL: 37, 39 A 41, 163 A 169 7

ORIGEM: Parecer n 179/2005 da Procuradoria Jurídica

ORIGEM: Parecer n 179/2005 da Procuradoria Jurídica ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno PARECER Nº 073/05 ENTIDADE SOLICITANTE: Procuradoria Jurídica FINALIDADE:

Leia mais

INGRESSO NO SERVIÇO PÚBLICO E SEU AMPARO LEGAL

INGRESSO NO SERVIÇO PÚBLICO E SEU AMPARO LEGAL INGRESSO NO SERVIÇO PÚBLICO E SEU AMPARO LEGAL ESTUDO DIRIGIDO: Quais as modalidades de ingresso mais comuns na sua instituição? Vocês observam diferenças entre os tipos de ingresso em relação à satisfação

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: XXX - proibição de diferença de salários,

Leia mais

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 003/2013

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 003/2013 RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 003/2013 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, pela Promotoria de Justiça da Comarca de Ortigueira, com fundamento no art. 27, parágrafo único, inc. IV, da Lei 8.625/93;

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO ON LINE II

DIREITO ADMINISTRATIVO ON LINE II 1 DIREITO ADMINISTRATIVO ON LINE II SERVIDORES PÚBLICOS Aula Gratuita (Clique aqui para assistir à aula gravada) 1. INTRODUÇÃO Trata o nosso estudo sobre os servidores públicos, quando abordaremos os elementos

Leia mais

CARGO EFETIVO, CARGO COMISSIONADO, FUNÇÃO DE CONFIANÇA E FUNÇÃO GRATIFICADA

CARGO EFETIVO, CARGO COMISSIONADO, FUNÇÃO DE CONFIANÇA E FUNÇÃO GRATIFICADA CARGO EFETIVO, CARGO COMISSIONADO, FUNÇÃO DE CONFIANÇA E FUNÇÃO GRATIFICADA Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado Prevê a Constituição Federal: Art. 37. (...) II - a investidura em cargo ou emprego público

Leia mais

AS CARREIRAS DE ESTADO

AS CARREIRAS DE ESTADO AS CARREIRAS DE ESTADO Ultimamente, muito se tem falado sobre as Carreiras Típicas de Estado. Mas o que vem a ser exatamente uma Carreira Típica de Estado? Imaginemos um modelo mínimo de administração

Leia mais

Administração Pública na CF/88 I

Administração Pública na CF/88 I Administração Pública na CF/88 I Olá Concursando, Hoje vamos continuar estudando um pouco de Direito Constitucional. Vamos fazer um estudo do art. 37 da CF/88, que trata da administração pública. Este

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO Aula 01 Servidores PúblicosP Profº.. Francisco De Poli de Oliveira 1. INTRODUÇÃO Trata o nosso estudo sobre os servidores públicos, quando abordaremos os elementos introdutórios

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 38ª Reunião da Câmara Técnica de Assuntos Jurídicos Data: 04 e 05 de dezembro de 2007 Processo n 02000.003674/2005-12

Leia mais

LEIS EXTRAVAGANTES DE DIREITO ADMINISTRATIVO

LEIS EXTRAVAGANTES DE DIREITO ADMINISTRATIVO LEIS EXTRAVAGANTES DE DIREITO ADMINISTRATIVO SUMÁRIO UNIDADE 1 Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União (Lei n 8.112/90) 1.1 Provimento 1.2 Vacância 1.3 Regime Disciplinar UNIDADE 2 Processo

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO Estudamos até o momento os casos em que há vínculo empregatício (relação bilateral, nas figuras de empregado e empregador) e, também, casos em que existe

Leia mais

LEGISLAÇÃO / E-mails 4.31

LEGISLAÇÃO / E-mails 4.31 E-mail de 06/06/2006 ASSUNTO: Prorrogação de contrato no período eleitoral ANEXO: Parecer 179/06-AJ Prezados Senhores, Tem o presente a finalidade de encaminhar o Parecer nº 179/2006-AJ, que trata da possibilidade

Leia mais

TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA. Módulo: Administração de Folha de Pagamento e Gestão de Pessoas

TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA. Módulo: Administração de Folha de Pagamento e Gestão de Pessoas TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA Módulo: Administração de Folha de Pagamento e Gestão de Pessoas Instrutor: Aurisfran Feitosa de Oliveira Auditor-Fiscal de Contas UNIVIRR, fevereiro/2013

Leia mais

Principais diferenças entre CARGO EFETIVO, CARGO EM COMISSÃO e FUNÇÃO DE CONFIANÇA:

Principais diferenças entre CARGO EFETIVO, CARGO EM COMISSÃO e FUNÇÃO DE CONFIANÇA: Prof.: Clayton Furtado LEI 8.112/90 clayton_furtado@yahoo.com.br 1ª AULA 1 - Introdução: a. Histórico: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

CONTRATUALIZAÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

CONTRATUALIZAÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE CONTRATUALIZAÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE 1 DA REGULAÇÃO ASSISTENCIAL A regulação assistencial compreende a função de gestão que tem como foco específico a disponibilização da alternativa assistencial

Leia mais

Informativo nº 37 DÉBITO DE PEQUENO VALOR

Informativo nº 37 DÉBITO DE PEQUENO VALOR Informativo nº 37 DÉBITO DE PEQUENO VALOR O art. 100 da Constituição Federal de 1988 dispõe sobre a forma de pagamento de precatórios judiciais, que se realizarão na ordem cronológica de apresentação,

Leia mais

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação Gustavo Justino de Oliveira* Considerações iniciais acerca do convênio Nos termos do artigo 1.º, 1.º, inciso I, do Decreto 6.170/2007, considera- -se

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS

ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS PROCESSO 001858/2011 ORIGEM Prefeitura Municipal de Umbaúba NATUREZA Consulta INTERESSADO Anderson Fontes Farias RELATOR Conselheiro REINALDO MOURA FERREIRA AUDITOR Parecer nº 204/2011 Alexandre Lessa

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS NA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL INTEGRANTE DO PSF E PACS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS NA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL INTEGRANTE DO PSF E PACS ASPECTOS FUNDAMENTAIS NA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL INTEGRANTE DO PSF E PACS Paulo César Salum Auditor Fiscal de Controle Externo 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 1 POSICIONAMENTO DO TCE/SC ACERCA DA CONTRATAÇÃO

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Perfil de Pessoal das Estatais - Folha

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Perfil de Pessoal das Estatais - Folha 19/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Prazos de Entrega... 6 4. Conclusão... 7 5. Informações Complementares...

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro. RESOLUÇÃO CM nº 12/2014

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro. RESOLUÇÃO CM nº 12/2014 RESOLUÇÃO CM nº 12/2014 Dispõe sobre o Concurso Público de provas ou provas e títulos para provimento de cargos efetivos do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro O CONSELHO DA MAGISTRATURA DO

Leia mais

A Carreira de Fiscal Tributário Municipal

A Carreira de Fiscal Tributário Municipal A Carreira de Fiscal Tributário Municipal Levando em conta o fato de que os Municípios receberam da Constituição Federal competência para instituir tributos, recebeu, em concomitância, o direito de criar

Leia mais

www.concursovirual.com.br

www.concursovirual.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO TEMA: CONHECIMENTOS GERAIS CORREIOS/2015 CONHECIMENTOS GERAIS ESTADO UNITÁRIO - PODER CENTRAL (França) ESTADO COMPOSTO ESTADO UNITÁRIO (Formação histórica) ESTADO REGIONAL MENOS

Leia mais

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1)

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1) É com grande satisfação que inicio minha jornada no site da Editora Ferreira. Neste espaço, iremos abordar o Direito Tributário com um único objetivo: obter, nesta disciplina, uma ótima pontuação em qualquer

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA PARA A CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS

SELEÇÃO PÚBLICA PARA A CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS SELEÇÃO PÚBLICA PARA A CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS Professora Doutora Sônia Yuriko Kanashiro Tanaka Professora da Faculdade de Direito - UPM Trata o presente sobre a legalidade de a Administração Pública

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná Praça Henrique Szafermann, 139 Centro - Cep 87355-000 Juranda-Pr

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná Praça Henrique Szafermann, 139 Centro - Cep 87355-000 Juranda-Pr PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná Praça Henrique Szafermann, 139 Centro - Cep 87355-000 Juranda-Pr LEI Nº. 1054/2013 SÚMULA: DISPÕE SOBRE O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, usando das atribuições legais e regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, usando das atribuições legais e regimentais, DECRETO JUDICIÁRIO Nº 1543/2013. Dispõe sobre a Regulamentação da concessão de Bolsa de Graduação e Pós-Graduação no âmbito do Poder Judiciário do Estado de Goiás. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

CASSEL&RUZZARIN A D V O G A D O S

CASSEL&RUZZARIN A D V O G A D O S CASSEL&RUZZARIN A D V O G A D O S Introdução Cassel & Ruzzarin Advogados elaborou um estudo que aborda o desvio de função no serviço público em linguagem simples, na forma de perguntas e respostas, para

Leia mais

Preliminarmente, o Edital do Concurso Público fez menção expressa de quais os fatos a ensejar a interposição de recurso:

Preliminarmente, o Edital do Concurso Público fez menção expressa de quais os fatos a ensejar a interposição de recurso: Belo Horizonte, 05 de janeiro de 2015. À Comissão Especial do Concurso Público da Prefeitura Municipal de Palmópolis NESTA DO RECURSO Ref.: Recurso Administrativo contra o Edital de Abertura de Concurso

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 30/10/2015 Prezados clientes, A Câmara dos Deputados aprovou na noite de 28.10.2015, o Projeto de Lei de Conversão ( PLV ) nº 21/2015, referente à Medida

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO ESQUEMATIZADO INSS FCC

DIREITO ADMINISTRATIVO ESQUEMATIZADO INSS FCC CARGOS: Técnico do INSS www.beabadoconcurso.com.br TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. - 1 - APOSTILA ESQUEMATIZADA SUMÁRIO UNIDADE 1 Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União (Lei n 8.112/90) 1.1

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

Apostilas OBJETIVA Assistente Técnico Judiciário Edital/março 2015 TJ AM Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas - Concurso Público 2015.

Apostilas OBJETIVA Assistente Técnico Judiciário Edital/março 2015 TJ AM Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas - Concurso Público 2015. Índice Administração Pública (artigos 37-43 da CRFB)... 02 - Artigo 37... 03 - Artigo 38... 13 - Artigo 39... 13 - Artigo 40... 15 - Artigo 41... 24 - Artigo 42... 25 - Artigo 43... 25 Da Ordem Econômica

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BENS. Amapá, sob as penas do Art. 299 do Código Penal Brasileiro, que: NÃO POSSUO nenhum bem ou valor que constitua patrimônio.

DECLARAÇÃO DE BENS. Amapá, sob as penas do Art. 299 do Código Penal Brasileiro, que: NÃO POSSUO nenhum bem ou valor que constitua patrimônio. DECLARAÇÃO DE BENS Declaro para fins de comprovação junto ao Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, sob as penas do Art. 299 do Código Penal Brasileiro, que: NÃO POSSUO nenhum bem ou valor que constitua

Leia mais

PARECER ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS

PARECER ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS RELATÓRIO PARECER ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS Considerando a multiplicação de solicitações encaminhadas à Comissão de Fiscalização COFI do CRESS 17ª Região a respeito de acumulação de cargos públicos,

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 621, DE 8 DE JULHO DE 2013.

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 621, DE 8 DE JULHO DE 2013. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 621, DE 8 DE JULHO DE 2013. Institui o Programa Mais Médicos e dá outras providências. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL AO ILUSTRÍSSIMO SENHOR SÉRGIO FRANKLIN QUINTELLA VICE-PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS RECOMENDAÇÃO 1. Considerando que a Constituição Federal de 1988 atribui ao Ministério Público, nos termos do

Leia mais

LEI DO APRENDIZ. Art. 1 - Nas relações jurídicas pertinentes à contratação de aprendizes, será observado o disposto neste Decreto.

LEI DO APRENDIZ. Art. 1 - Nas relações jurídicas pertinentes à contratação de aprendizes, será observado o disposto neste Decreto. LEI DO APRENDIZ Regulamenta a contratação de aprendizes e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista

Leia mais

PROVA DE LEGISLAÇÃO Apenas as alternativas II e III são garantias contratuais admitidas para contratos com a Administração Pública.

PROVA DE LEGISLAÇÃO Apenas as alternativas II e III são garantias contratuais admitidas para contratos com a Administração Pública. PROVA DE LEGISLAÇÃO 1 São admitidas como garantias contratuais para as contratações de obras, serviços e compras efetuados pela Administração Pública: I Hipoteca de imóveis. II Seguro-garantia. III Fiança

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.350, DE 5 DE OUTUBRO DE 2006. Regulamenta o 5 o do art. 198 da Constituição, dispõe sobre o aproveitamento de pessoal amparado

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN TC 11/2010

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN TC 11/2010 D.E. 05/01/2011 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN TC 11/2010 DISCIPLINA A CONCESSÃO DE REGISTRO DOS ATOS DE ADMISSÃO DE PESSOAL, A ANÁLISE DA REGULARIDADE NA GESTÃO DE PESSOAL DOS ÓRGÃOS

Leia mais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais Bases legais Constituição Federal Lei das Eleições (Lei 9.504/97) Lei das Inelegibilidades (LC 64/90) Código Eleitoral Resoluções do TSE Finalidade da Legislação

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público 1 Para adquirir a apostila digital de 200 Questões Fundamentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...59 Bibliografia...101 2 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Princípios da Administração Pública. Direito Administrativo. Princípios da Administração Pública. Legalidade. Impessoalidade.

Princípios da Administração Pública. Direito Administrativo. Princípios da Administração Pública. Legalidade. Impessoalidade. Direito Administrativo Princípios da Administração Pública Armando Mercadante Fev/2010 Princípios da Administração Pública Princípios expressos no caput do art. 37, CF Legalidade Impessoalidade Moralidade

Leia mais

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas.

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. O Povo de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MIGUEL DO GUAPORÉ

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MIGUEL DO GUAPORÉ ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MIGUEL DO GUAPORÉ ASSESSOR JURIDICO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO N. 001/2013 A PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MIGUEL DO GUAPORÉ, ESTADO DO RONDÔNIA,

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Subchefia para Assuntos Jurídicos Civil DECRETO Nº 6.170, DE 25 DE JULHO DE 2007. Dispõe sobre as normas relativas às transferências de recursos da União mediante convênios

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014 Institui a Política de Remoção dos servidores detentores de cargo efetivo no âmbito do Instituto

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL RECOMENDAÇÃO/ORIENTAÇÃO Nº 002/2008 PGJ/CGMP/CACOP/MP-PI Recomendação aos agentes públicos e dirigentes de entidades, órgãos públicos e Poderes, que detenham a atribuição de nomear e exonerar ocupantes

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Dra. Élida Graziane Pinto Procuradora do Ministério Público de Contas do Estado de São Paulo Pós-doutora em Administração pela EBAPE-FGV Doutora em Direito Administrativo pela UFMG Esforço de aproximação

Leia mais

Organizações Sociais. Organizações Sociais (OS) e Organizações da Sociedade de Interesse Público (OSCIP) ENTES DE COOPERAÇÃO. Antes.

Organizações Sociais. Organizações Sociais (OS) e Organizações da Sociedade de Interesse Público (OSCIP) ENTES DE COOPERAÇÃO. Antes. Professor Luiz Antonio de Carvalho Organizações Sociais (OS) e Organizações da Sociedade de Interesse Público (OSCIP) lac.consultoria@gmail.com 1 Segundo o PDRAE-1995 O Projeto Organizações Sociais e Publicização

Leia mais

Consórcio Público. Administração Indireta

Consórcio Público. Administração Indireta Ordem Social Ordem Econômica Administração Direta Autarquia Fundação Publica Fundação Publica Empresa Pública Sociedade Economia Mista Subsidiária Consórcio Público Administração Indireta 1 Consórcio público

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 6/2013/CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 6/2013/CM PROVIMENTO N. 6/2013/CM Revoga o Provimento n. 017/2011/CM e estabelece critérios para a remoção e movimentação interna dos servidores do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso. O EGRÉGIO CONSELHO DA

Leia mais

OAB. Direito Administrativo. Prof. Rodrigo Canda LEI 8.112/90

OAB. Direito Administrativo. Prof. Rodrigo Canda LEI 8.112/90 LEI 8.112/90 Art. 5o São requisitos básicos para investidura em cargo público: I - a nacionalidade brasileira; II - o gozo dos direitos políticos; III - a quitação com as obrigações militares e eleitorais;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná LEI Nº 548, DE 21 DE JUNHO DE 2011 DISPÕE SOBRE A CONTRATAÇÃO DE PESSOAL POR TEMPO DETERMINADO, PARA ATENDER A NECESSIDADE TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL E RELEVANTE INTERESSE PÚBLICO, CONFORME ESPECIFICA.

Leia mais

ARTIGO: FRENTE DE TRABALHO REGIME ESPECIAL INEXISTENCIA DE RELAÇÃO DE EMPREGO - INCOMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO

ARTIGO: FRENTE DE TRABALHO REGIME ESPECIAL INEXISTENCIA DE RELAÇÃO DE EMPREGO - INCOMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO ARTIGO: FRENTE DE TRABALHO REGIME ESPECIAL INEXISTENCIA DE RELAÇÃO DE EMPREGO - INCOMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO Autores: SANDRA CRISTINA FLORIANO PEREIRA DE OLIVEIRA SANCHES, bacharel de direito pela

Leia mais

Execução e controle das despesas com pessoal conforme as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF

Execução e controle das despesas com pessoal conforme as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF Execução e controle das despesas com pessoal conforme as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF Amigos concursandos! Desejo a todos muita paz, tranqüilidade e que seus objetivos estejam caminhando

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 03/11/2011) DECRETO Nº 2888-R, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2011 Regulamenta o Art. 57, III, da Lei Complementar nº 46, de 31 de janeiro de 1994. O GOVERNADOR

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 01/2014

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 01/2014 TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 01/2014 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, por intermédio da 2ª Promotoria de Justiça do Foro Regional de Campina Grande do Sul, Comarca da Região Metropolitana

Leia mais

Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999

Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999 Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999 INSTITUI O PLANO DE CARREIRA DOS SERVIDORES DA ÁREA DE ATIVIDADES DE TRIBUTAÇÃO, ESTABELECE A RESPECTIVA TABELA DE VENCIMENTO E DISPÕE SOBRE O QUADRO ESPECIAL DA SECRETARIA

Leia mais

Assistência Social e OSCIPs: paralelismo ou parceria 1?

Assistência Social e OSCIPs: paralelismo ou parceria 1? Ementa: ASSISTÊNCIA SOCIAL E OSCIPs. DISTINÇÃO ENTRE QUALIFICAÇÃO (OSCIP) E INSCRIÇÃO EM CONSELHO DE POLÍTICAS PÚBLICAS. OBRIGATORIEDADE DE INSCRIÇÃO Assistência Social e OSCIPs: paralelismo ou parceria

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais LEI 15304 2004 Data: 11/08/2004 REESTRUTURA A CARREIRA DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL E INSTITUI A CARREIRA DE AUDITOR INTERNO DO PODER EXECUTO. Reestrutura a carreira de

Leia mais

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA N 05/2013

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA N 05/2013 RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA N 05/2013 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, pelo Promotor de Justiça que esta subscreve, no exercício das atribuições conferidas pelo inc. II do art. 129 da Constituição

Leia mais

..., respeitosamente, à presença do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPQ, por seu representante legal, inconformada, data vênia, com a especificação contida nos Itens 1.0

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997 Dispõe sobre a fiscalização do trabalho nas empresas de prestação de serviços a terceiros e empresas de trabalho temporário. O MINISTRO DE ESTADO DE

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

DECRETO Nº 2530, DE 15 DE OUTUBRO DE 2014

DECRETO Nº 2530, DE 15 DE OUTUBRO DE 2014 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 2530, DE 15 DE OUTUBRO DE 2014 Regulamenta a realização de Concursos Públicos no âmbito da Administração Municipal e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) Fixa as Diretrizes Nacionais para os Planos de Carreira e Remuneração dos Funcionários

Leia mais

DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 2001/2006 DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. IRANI CHIES, Prefeito Municipal de Carlos Barbosa, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS Lei nº 8.112/90 Prof. Leandro Cadenas Prado

SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS Lei nº 8.112/90 Prof. Leandro Cadenas Prado SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS Lei nº 8.112/90 Prof. Leandro Cadenas Prado Servidores Públicos Federais Lei nº n 8.112/90. 7 Agentes Públicos Espécies - agentes políticos - agentes em delegação - servidores

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 001/2013. Cargos: Agente Administrativo do CRAS e Auxiliar Administrativo do CREAS

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 001/2013. Cargos: Agente Administrativo do CRAS e Auxiliar Administrativo do CREAS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 001/2013 NOME: Cargos: Agente Administrativo do CRAS e Auxiliar Administrativo do CREAS INSTRUÇÕES 1.1. A prova é individual 1.2. Leia cuidadosamente cada questão, escolha

Leia mais

GOVERNO MUNICIPAL SÃO LOURENÇO DO OESTE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO MUNICIPAL SÃO LOURENÇO DO OESTE GABINETE DO PREFEITO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 001/2013 ABRE INSCRIÇÕES E BAIXA NORMAS PARA SELEÇÃO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO E EXCEPCIONAL PARA O ANO LETIVO DE 2013, NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO. O PREFEITO

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA (TAC) (PEÇAS DE INFORMAÇÃO PI Nº 206/2006)

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA (TAC) (PEÇAS DE INFORMAÇÃO PI Nº 206/2006) TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA (TAC) (PEÇAS DE INFORMAÇÃO PI Nº 206/2006) O MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, representado, neste ato, pelo Procurador Regional

Leia mais

ATO Nº 32/2009. O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABA- LHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 32/2009. O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABA- LHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 32/2009 Dispõe sobre a concessão de Bolsa de Estudo de cursos de pós-graduação lato e strito sensu, na forma de reembolso parcial, para magistrados e servidores do Tribunal Regional do Trabalho

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Raphael Spyere do Nascimento

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Raphael Spyere do Nascimento O presente material representa o capítulo II - Classificação dos Agentes Públicos, parte integrante de meu livro Estatuto do Servidor Público Civil da União - Lei nº 8.112/1990, em sua 5ª edição pela editora

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NÚCLEO PAULUS DE FORMAÇÃO, PESQUISA E DISSEMINAÇÃO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NÚCLEO PAULUS DE FORMAÇÃO, PESQUISA E DISSEMINAÇÃO SOCIAL DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NÚCLEO PAULUS DE FORMAÇÃO, PESQUISA E DISSEMINAÇÃO SOCIAL Projeto Gestão do Cotidiano 2015 LEI 13.019/14 Transferências voluntárias de Recursos dos entes federados às

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE Atualizado em 12/11/2015 CLASSIFICAÇÕES E SISTEMAS DE CONTROLE CLASSIFICAÇÕES DO CONTROLE Quanto ao posicionamento do órgão controlador: Externo: exercido por um ente que

Leia mais

RESOLUÇÃO T.C. Nº 0020/2005

RESOLUÇÃO T.C. Nº 0020/2005 RESOLUÇÃO T.C. Nº 0020/2005 EMENTA: Dispõe sobre os institutos da Organização Social OS e da Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP, regulamenta a prestação de contas dessas entidades

Leia mais

SICAP-AP Sistema Integrado de Controle e Auditória Pública Atos de Pessoal

SICAP-AP Sistema Integrado de Controle e Auditória Pública Atos de Pessoal SICAP-AP Sistema Integrado de Controle e Auditória Pública Atos de Pessoal OBJETIVO Gerenciar informações inerentes aos atos de pessoal praticados no âmbito da Administração Direta e Indireta dos Poderes

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL O Governador do Estado Y, premido da necessidade de reduzir a folha de pagamentos do funcionalismo público estadual, determinou que o teto remuneratório dos Defensores

Leia mais

Feitosa Assessoria Gerenciamento em Saúde PARECER JURÍDICO

Feitosa Assessoria Gerenciamento em Saúde PARECER JURÍDICO Feitosa Assessoria Gerenciamento em Saúde PARECER JURÍDICO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA PSF FORMA DE CONTRATAÇÃO CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA ART,. 37, IX DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL I OBJETO DA CONSULTA Foi solicitada

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. Fixa os critérios e procedimentos para a realização de concursos públicos de provas e títulos, destinados ao provimento dos cargos efetivos do

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010 Edição Número 18 de 27/01/2010 Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010 Institui e regulamenta o Sistema de Seleção Unificada, sistema informatizado

Leia mais