RESUMOS DOS TRABALHOS CIENTÍFICOS - ANAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMOS DOS TRABALHOS CIENTÍFICOS - ANAIS"

Transcrição

1 RESUMOS DOS TRABALHOS CIENTÍFICOS - ANAIS Empresa PARTICIPANTE CORREALIZAÇÃO REALIZAÇÃO 1

2 APRESENTAÇÃO O I Congresso Internacional sobre Segurança do Paciente do ISMP Brasil é resultado de um esforço conjunto para a formulação de propostas e estratégias que contribuam para a melhoria da segurança do paciente em todos os níveis. Com certeza, um evento internacional de grande valor para profissionais e gestores da área da saúde, na medida em que possibilita o alinhamento de temas fundamentais para a qualidade no atendimento ao paciente, entre os quais se destacam os protocolos para a implantação do Programa Nacional de Segurança do Paciente do Ministério da Saúde nos estabelecimentos de saúde do país. Em paralelo ao Congresso, o V Fórum sobre Segurança do Paciente: Erros de Medicação dá continuidade às iniciativas do ISMP Brasil na prevenção dos erros de medicação, permitindo a livre manifestação de ideias, a interação e a troca de experiência entre profissionais do Brasil e do exterior. 2

3 COMISSÕES I Congresso Internacional sobre Segurança do Paciente ISMP Brasil V Fórum Internacional sobre Segurança do Paciente: Erros de Medicação 10,11 e 12 de abril de Ouro Preto - MG COMISSÕES Coordenação: Mário Borges Rosa Tânia Azevedo Anacleto Hessem Miranda Neiva Edson Perini Adriano Max Moreira Reis 6. Hessem Miranda Neiva 7. Maria Auxiliadora Parreiras Martins 8. Maria das Dores Graciano Silva 9. Mariana Martins Gonzaga do Nascimento 10. Mário Borges Rosa 11. Rodrigo Ribeiro dos Santos 12. Sonia Lucena Cipriano 13. Tânia Azevedo Anacleto COMISSÃO DE DIVULGAÇÃO E PATROCÍNIO Coordenação: Hessem Miranda Neiva COMISSÃO ORGANIZADORA Coordenação: Mário Borges Rosa 1. Ana Elisa Bauer de Camargo Silva 2. Deborah Marta dos Santos Oliveira 3. Elaine Andrade Azevedo 4. Eugenie Desireè Rabelo Néri 5. Helena Márcia de Oliveira Morais Bernardino 1. Claudia Regina Laselva 2. Débora Cecília Mantovani Faustino de Carvalho 3. Fábio Teixeira Ferracini 4. Helena Márcia de Oliveira Morais Bernardino 5. Mário Borges Rosa 6. Sonia Lucena Cipriano 7. Vanusa Barbosa Pinto 3

4 COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DOS TRABALHOS CIENTÍFICOS Coordenação: Adriano Max Moreira Reis 1. Adriana Inocenti Miasso 2. Ana Emília Ahouagi 3. Deborah Marta dos Santos Oliveira 4. Eugenie Desirèe Rabelo Néri 5. Fabiane Cardia Salman 6. Fernanda Raphael Escobar Gimenes 7. Flávia Sampaio Latini Gomes 8. Helaine Carneiro Capucho 9. Maria Auxiliadora Parreiras Martins 10. Mariana Martins Gonzaga do Nascimento 11. Rhanna Emanuela Fontenele Lima de Carvalho 12. Rodrigo Ribeiro dos Santos COMISSÃO CIENTÍFICA Coordenação: Tânia Azevedo Anacleto 1. Adriano Max Moreira Reis 2. Alfredo Guarischi 3. Claudia Regina Laselva 4. Débora Cecília Mantovani Faustino de Carvalho 5. Denise Bueno 6. Dirceu Carrara 7. Edson Perini 8. Elena Bohomol 9. Fabiane Cardia Salman 10. Fábio Teixeira Ferracini 11. José Miguel do Nascimento Júnior 12. Josélia Cinthya Quintão Pena Frade 13. Kátia Grillo Padilha 14. Lindemberg Assunção Costa 15. Lisiane da Silveira Ev 16. Lúcia de Araújo Costa Beisl Noblat 17. Maria de Jesus Castro Sousa Harada 18. Mavilde da Luz Gonçalves Pedreira 19. Renata Mahfuz Daud Gallotti 20. Silvia Regina Secoli 21. Simone Dalla Pozza Mahmud 22. Vera Lúcia Borrasca Domingues da Silva COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE PREMIAÇÃO Coordenação: Edson Perini 1. Adriano Max Moreira Reis 2. Ana Elisa Bauer de Camargo Silva 3. Eugenie Desireè Rabelo Néri 4. Kátia Grillo Padilha 5. Mariana M. Gonzaga do Nascimento 6. Rodrigo Ribeiro dos Santos COMISSÃO SOCIAL Coordenação: Hessem Miranda Neiva 1. Ana Emília Ahouagi 2. Elaine Andrade Azevedo 3. Maria das Dores Graciano Silva 4

5 Categoria:Resumo ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO DE ÚLCERA POR PRESSÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CAROLINE DE CASTRO MOURA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS / MG MIRELLE INÁCIO SOARES - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS / MG ZÉLIA MARILDA RODRIGUES RESCK - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS / MG ELIZA MARIA REZENDE DÁZIO - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS / MG INTRODUÇÃO: As Úlceras por pressão (UPP) são consideradas como um grave problema em pacientes hospitalizados. Ao se considerar uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), os pacientes apresentam um grande risco para o desenvolvimento de UPP, devido às graves condições clínicas associados às terapias de maior complexidade. O aumento da prevalência da UPP nos hospitais representa maior tempo de internação, o que compromete a qualidade de vida e aumenta a morbimortalidade dos pacientes. Há alguns anos a UPP tem sido adotada como um dos indicadores de qualidade da assistência de enfermagem. A partir de então, vários esforços são direcionados às medidas preventivas a fim de aumentar a segurança do paciente. Esse estudo tem por objetivo analisar as produções bibliográficas sobre as medidas preventivas das UPP adotadas pelos enfermeiros na UTI. METODOLOGIA: Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, baseada na questão norteadora Qual o papel do enfermeiro na prevenção da UPP em uma UTI?.A busca dos artigos realizou-se na PUBMED, LILACS, MEDLINE e IBECS. Foram incluídos artigos publicados nos últimos cinco anos (de 2008 a 2013), nos idiomas inglês e português, com acesso gratuito nas bases mencionadas. Utilizou-se os seguintes descritores padronizados pelo DECS/MESH: Úlcera por pressão/pressure Ulcer AND Enfermagem/Nursing AND Unidade de Terapia Intensiva/Intensive Care Units. A coleta de dados ocorreu em setembro de RESULTADOS: Encontrou-se um total de 143 artigos, sendo 133 na PUBMED, 9 na LILACS, 1 na IBECS e 0 na MEDLINE. Desses, 65 artigos foram publicados nos últimos 5 anos, e apenas 10 artigos possuía o texto na íntegra disponível na base de dados. Apenas 5 artigos apresentaram temática relacionada especificamente às medidas de prevenção da UPP adotadas por enfermeiros na UTI, sendo 3 na PUBMED e 2 na LILACS. A partir da análise dos artigos, estabeleceram-se como categorias de discussão: Principais estratégias de prevenção para UPP adotadas em UTI e A importância da educação em saúde e medidas inovadoras para prevenção da UPP. As medidas preventivas mais citadas foram mudança de decúbito e uso de colchões especiais. Destaca-se a importância da criação de um registro diário das condições clínicas e fatores de risco dos pacientes que auxiliam o enfermeiro a adotar medidas preventivas para as UPP. Percebe-se também a necessidade de intervenções educativas para promover a melhoria da qualidade do cuidado ao paciente. Os investimentos em uma equipe capacitada para avaliar as condições do paciente e da sua ferida além de educar os profissionais sobre as medidas de prevenção poderia trazer benefícios para o paciente e instituição. CONCLUSÃO: As intervenções de enfermagem são essenciais na prevenção de UPP em pacientes que estão em cuidados intensivos. Portanto, é imprensindível a adoção de práticas preventivas e de programas de melhoria de qualidade para a segurança do paciente, para reduzir os índices de UPP. Úlcera por pressão,enfermagem,unidade de Terapia Intensiva Categoria:Resumo EVENTOS ADVERSOS COM HEPARINA SÓDICA: AMENTANDO A SEGURANÇA DO CUIDADO DE ENFERMAGEM FLAVIA GIRON CAMERINI - UERJ / RJ LOLITA DOPICO DA SILVA - UERJ / RJ RAQUEL NEPOMUCENO - UERJ / RJ DANIELLE MENDONÇA HENRIQUE - UERJ / RJ CARINA TEIXEIRA PAIXÃO - UERJ / RJ CAROLINE DE DEUS LISBOA - UERJ / RJ Introdução: A heparina sódica tem ampla utilização nos pacientes hospitalizados, havendo evidências científicas consolidadas do seu benefício. Apesar da ampla utilização, a infusão contínua de heparina sódica encontra-se associada a uma elevada taxa de eventos adversos, tais como hemorragias, trombocitopenia induzida por heparina, elevação das enzimas hepáticas e osteoporose, sendo o controle de sua administração pela enfermagem, um dos fatores recomendados para a prevenção de eventos adversos. Levando em consideração a ocorrência de eventos adversos com heparina sódica e da responsabilidade do enfermeiro no manejo deste medicamento, este estudo teve como objetivo identificar as produções científicas que abordam as complicações em pacientes que fazem uso de heparina sódica por infusão contínua intravenosa. Método: Realizou-se uma revisão integrativa, foram consultados os seguintes bancos de dados: SciELO, MedLine, Scopus, CINAHL e PubMed. Foram utilizados os descritores: venous heparin com adverse event e evento adverso com heparina. Foram selecionados os artigos que tratavam de complicações com heparina sódica; publicados em português, inglês e espanhol; artigos que se referissem a pacientes adultos hospitalizados; publicados entre os anos de 2001 e 2012; texto completo disponível on line na integra e acesso gratuito Resultado: Foram identificados 23 artigos, que submetidos aos critérios de seleção deram origem a uma amostra de oito publicações apontaram que as principais complicações do uso da heparina sódica intravenosa foram as hemorragias, a trombocitopenia tipo I e o TTPa aumentado. A incidência de hemorragias relacionada ao uso da heparina sódica, nos estudos analisados, variou de 3 a 5,7%. Estudos revelam que o sítio de sangramento é variável. Os principais cuidados do enfermeiro na prevenção da ocorrência de hemorragia dependerão da sua localização, mas de maneira geral, consistem em garantir o equilíbrio hemodinâmico. Com a relação a ocorrência de trombocitopenia é um evento que pode acometer de 2 a 25% dos pacientes com heparina. Uma das medidas preventivas para a ocorrência de trombocitopenia induzida por heparina é não manter a infusão por mais de cinco dias, e sempre que possível optar pelo uso da heparina de baixo peso molecular. Já a ocorrência do TTPa elevado, a literatura refere que o nível de anticoagulacão ideal corresponde a um TTPa 1,5 a 2,0 vezes o valor normal. Estima-se que o controle da infusão quando realizado por enfermeiros, guiados por um protocolo baseado no peso, garanta uma administração, mais segura para o paciente e aumente a segurança do cuidado de enfermagem. Conclusão: a utilização da heparina sódica, pode estar associada a complicações que podem ser é difíceis de anular completamente, mas que deve ser prevenida com as medidas de segurança. Para que as complicações sejam previstas e impedidas depende de intervenções ativas, onde a chave é o cuidado. Eventos adversos,heparina,enfermagem 5

6 Categoria:Resumo A RECONCILIAÇÃO DE MEDICAMENTOS COMO FERRAMENTA NA SEGURANÇA DO PACIENTE HOSPITALIZADO LUANA DE REZENDE SPALLA - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE (UFF) NITERÓI (RJ) / RJ SELMA RODRIGUES DE CASTILHO - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE (UFF) NITERÓI (RJ) / RJ Introdução - A segurança no uso de medicamentos tornou-se um dos desafios mais significativos a ser enfrentado pelas sociedades científicas, organizações sanitárias e hospitais de todo o mundo (FRANCO-DONAT et al., 2010). Este conceito é dinâmico e vem sendo modificado conforme o surgimento de novas tecnologias diagnósticas e terapêuticas na assistência à saúde as quais proporcionam melhorias na qualidade e expectativa de vida de milhares de pessoas e vêm tornando o processo de assistência à saúde cada vez mais caro e complexo (ROSA e PERINI, 2003). Para a Organização Mundial da Saúde, a farmacovigilância envolve a ciência e as atividades relativas à identificação, avaliação, compreensão e prevenção de efeitos adversos ou qualquer problema relacionado com medicamentos (OMS, 2005). Encontra-se neste contexto o erro de medicação, evento prevenível que pode causar dano ao paciente ou dar lugar a uma utilização inapropriada dos medicamentos quando estes estão sob o controle dos profissionais de saúde ou do próprio usuário (NCCMERP, 1998). É observada a diversidade de atuação do farmacêutico nos variados momentos de cuidado com paciente. Por exemplo, no momento da coleta dos dados sobre os medicamentos usados pelo paciente anteriormente à admissão, este profissional, consegue de maneira acurada e completa, as informações necessárias para realização de uma reconciliação de medicamentos, diminuindo danos aos pacientes (BAYLEY, et al., 2007). Objetivos - Identificar os erros de medicação durante o processo de reconciliação de medicamentos na admissão hospitalar. Método - Durante dois meses o farmacêutico esteve presente no setor de Clínica Médica de um hospital universitário de grande porte para acompanhar/ observar os pacientes que ali se internavam. Por meio de entrevistas aos pacientes, consultas aos prontuários e prescrições, o profissional realizou a reconciliação de medicamentos aos pacientes internados neste período. O presente trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa segundo resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde Ministério da Saúde. Resultados No período de coleta de dados foram internados 34 pacientes. Dentre as discrepâncias observadas, a maior ocorrência erros foi causada pela omissão de medicamentos anteriormente utilizados pelos pacientes (44,4%) (tabela 1). Tabela 1: Tipos de erros de medicação observados em dois meses Classificação do erros Erro de omissão de medicamento Erro de dose Erro de administração Erro de dispensação Número de erros ,4% 22,2% 11,1% 11,1% Conclusões - Os programas de reconciliação de medicamentos na internação das unidades hospitalares estão associados à prevenção de erros de medicação, reduzindo riscos potenciais ao paciente, e custos no atendimento. Portanto, deve-se incentivar a atuação do farmacêutico neste processo o que favorece a segurança do paciente. Reconciliação de Medicamentos,Segurança do paciente,erro de Medicação Categoria:Resumo A INTERVENÇÃO FARMACÊUTICA CONTRIBUINDO PARA O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS LUANA DE REZENDE SPALLA - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE (UFF) NITERÓI (RJ) / RJ SELMA RODRIGUES DE CASTILHO - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE (UFF) NITERÓI (RJ) / RJ Introdução - Introdução: O Uso Racional de Medicamentos (URM), proposto pela Política Nacional de Medicamentos e pela Organização Mundial de Saúde, tem como foco a segurança do paciente quando em uso de medicamentos. (AQUINO, 2008). O farmacêutico pode favorecer a melhoria da qualidade e segurança durante o cuidado com o paciente hospitalizado, principalmente no momento da admissão, nas visitas clínicas e avaliando prescrições. Porém, essas atividades podem não ser suficientes para detectar erros de omissão na prescrição de admissão. (COBAUGH et al., 2008). Segundo BAYLEY, et al., 2007, as intervenções farmacêuticas realizadas no momento da internação possuem impacto em curto prazo, na farmacoterapia, ou em longo prazo, nas doenças crônicas e/ou práticas de prevenção, gerando uma aceitação pela equipe médica em 96% dos casos, uma vez que previne sérias morbidades. O farmacêutico representa uma das últimas oportunidades de identificar, corrigir ou reduzir possíveis riscos associados à terapêutica (NUNES,et al, 2008). Objetivos: Diagnosticar e quantificar as principais intervenções relacionadas à medicamentos em pacientes internados em um hospital universitário, bem como os principais momentos de atuação do farmacêutico para favorecer o uso racional de medicamentos. Método: Durante o período de 60 dias o farmacêutico esteve presente no setor de Clínica Médica de um hospital universitário de grande porte para acompanhar/observar os pacientes que ali se internavam. Por meio de entrevistas aos pacientes, consultas aos prontuários e prescrições, foram identificadas e registradas as intervenções realizadas. O presente trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa segundo resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde Ministério da Saúde. 6

7 Resultados: Durante o período do estudo foram internados 34 pacientes e realizadas 9 intervenções farmacêuticas, com 88% de aceitação pela equipe clínica. A relação número de intervenções/número de pacientes internados no período foi de 0,26. Quatro falhas foram relacionadas com omissão do medicamento, 2 a erros de dose, 1 referente a erro de administração e 1 falha na dispensação do medicamento. Conclusão: A ocorrência de eventos adversos em hospitais é um problema de saúde pública. A análise dos resultados nos permite concluir que as falhas relacionadas a medicamentos acontecem e que estas precisam ser identificadas e barreiras para impedir novas ocorrências e/ou aumento das mesmas precisam ser criadas pela equipe multiprofissional de saúde. (NUNES, et al; 2008). De fato, um momento fundamental em que o farmacêutico pode atuar para contribuir na segurança do paciente hospitalizado e assegurar o Uso Racional de Medicamentos é durante a internação. O contato direto com a equipe clínica (médicos, enfermeiros) e com os pacientes contribui para qualidade da assistência prestada. Intervenção farmacêutica,uso Racional,Segurança do paciente Categoria:Resumo INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS POTENCIAIS EM PACIENTES PORTADORES DE DIABETE MELITO TIPO 2 DANILO DONIZETTI TREVISAN - FACULDADE DE ENFERMAGEM DA UNICAMP / SP CARLA PRISCILA ALBINO ARAUJO - FACULDADE DE ENFERMAGEM DA UNICAMP / SP JULIANA BASTONI DA SILVA - FACULDADE DE ENFERMAGEM DA UNICAMP / SP HENRIQUE CERETTA OLIVEIRA - FACULDADE DE ENFERMAGEM DA UNICAMP / SP SILVIA REGINA SECOLI - ESCOLA DE ENFERMAGEM DA USP / SP MARIA HELENA DE MELO LIMA - FACULDADE DE ENFERMAGEM DA UNICAMP / SP Introdução: O Diabete Melito tipo 2 (DM2) responsável por 90-95% dos casos de diabete em todo o mundo, geralmente, ocorre em indivíduos obesos com mais de 40 anos de idade. Devido à progressão da doença e outras comorbidades, a maioria dos pacientes evolui para o uso da polifarmácia, que pode acarretar aumento do risco de interações medicamentosas (IM) e prejuízos ao paciente. Objetivo: O objetivo desse estudo foi investigar a ocorrência de Interações Medicamentosas potenciais (IMp) e fatores associados em pacientes adultos e idosos com diabete melito tipo 2, bem como classificá-las quanto ao nível de gravidade, implicações clínicas potenciais, evidências científicas e tempo de início dos efeitos. Método: Trata-se de um estudo transversal com 140 prescrições de medicamentos de pacientes com DM2 acompanhados em ambulatório com diagnóstico realizado há pelo menos 12 meses, adultos e idosos. A Anatomical-Therapeutic-Chemical Classification (ATC) foi utilizada para categorizar os medicamentos e as IMp foram identificadas no Micromedex 2.0. Para estudar as associações entre as variáveis sexo, faixa etária, medicamentos, índice de massa corpórea e número de comorbidades com as variáveis presença/ausência de IMp foram aplicados modelos de regressão logística simples e, posteriormente, construídos modelos múltiplos com o critério Stepwise de seleção de variáveis. Os resultados foram apresentados por meio dos cálculos das razões de chances brutas e ajustadas. Para todas as análises foi considerado um nível de significância igual a 5%. Resultados: A média de idade foi de 60,48 anos (DP 9,4); 53,6% (75) eram do sexo feminino e a média de medicamentos utilizados foi de 6,31 (DP 2,6). A prevalência de indivíduos com pelo menos uma IMp foi de 75,7%. O número de IMp total encontrado foi de 325 (98 pares de medicamentos); 261 (80,3%) eram pertencentes ao grupo de IMp de gravidade moderada e 39 (12%) ao grupo de IMp de gravidade maior. As principais interações ocorreram com betabloqueadores não seletivos (14; 14,3%), derivados de diidropiridínicos (13; 13,2 %), inibidores da ECA (11; 11,2%) e biguanidas (10; 10,2 %). Houve aumento do risco para o paciente que recebeu cinco ou mais medicamentos (OR=12,03; IC 95%: 4,70-30,79) e uma tendência de que quanto maior o número de comorbidades, maior a chance de ocorrer IMp (OR=2,10; IC 95%:1,35-3,28). Conclusão: Embora, nem todas as interações medicamentosas sejam preveníveis, é importante que os profissionais de saúde tenham conhecimento de suas implicações clínicas para que estas sejam monitoradas. O enfermeiro deve ser responsável por orientar pacientes e familiares quanto à observação de sinais e sintomas que possam ser decorrentes do uso concomitante de múltiplos medicamentos e, consequentemente, de interações medicamentosas e, deste modo, promover a segurança do paciente. Interações de Medicamentos,Enfermagem,Diabetes Mellitus Categoria:Resumo OCORRÊNCIA DE INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS NO PÓS-TRANSPLANTE DE CÉLULAS - TRONCO HEMATOPOIÉTICAS DANILO DONIZETTI TREVISAN - FACULDADE DE ENFERMAGEM DA UNICAMP / SP JULIANA BASTONI DA SILVA - FACULDADE DE ENFERMAGEM DA UNICAMP / SP HENRIQUE CERETTA OLIVEIRA - FACULDADE DE ENFERMAGEM DA UNICAMP / SP SILVIA REGINA SECOLI - ESCOLA DE ENFERMAGEM DA USP / SP MARIA HELENA DE MELO LIMA - FACULDADE DE ENFERMAGEM DA UNICAMP / SP Introdução: O transplante de células-tronco hematopoiéticas (TCTH) representa uma das principais modalidades terapêuticas para os pacientes com diagnósticos de doenças oncológicas, hematológicas e congênitas. Porém, devido à progressão das fases do TCTH e ao aparecimento de complicações, a maioria dos pacientes evolui para o uso da polifarmácia, que pode acarretar aumento do risco de interações medicamentosas (IM) e causar impacto clínico relevante ao paciente. Objetivo: Investigar as Interações Medicamentosas Potenciais (IMp) em pacientes submetidos ao transplante de células-tronco hematopoiéticas (TCTH) na fase de pós-transplante. Método: Estudo transversal, prospectivo, realizado no setor de TCTH de um hospital de grande porte do estado de São Paulo, Brasil. Amostra composta por 33 prescrições de medicamentos de pacientes adultos hospitalizados de janeiro a outubro de 2013 e que se encontravam na fase pós-transplante, sete dias após a infusão da medula óssea (Dia +7). A Anatomical-Therapeutic-Chemical Classification (ATC) foi utilizada para categorizar os medicamentos. As IMp foram identificadas no Micromedex 2.0 e classificadas quanto à gravidade, evidência científica, tempo de início e implicação clínica potencial. Modelos de regressão logística simples e múltipla foram utilizados para verificar as associações entre as variáveis. Resultados: A média de idade foi de 51,24 anos (DP 11,81); 51,52% (17) eram do sexo masculino e 57,58% (19) dos pacientes foram submetidos ao TCTH alogênico. Uma 7

8 média de 11,73 (DP 2,21) medicamentos foi utilizada, todos os pacientes foram expostos a pelo menos uma IMp e a prevalência de indivíduos expostos a pelo menos uma IMp de gravidade maior foi de 78,81% (26). Quase um terço (29,1%) dos medicamentos prescritos envolveu o grupo A e 25,42% o grupo J do ATC Classification. O número de IMp total encontrado foi de 219; 65,31% pertenciam ao grupo de IMp de gravidade moderada e 20,54% ao grupo de IMp maior. A média de IMp maiores foi de 1,36 (DP 1,37) e de IMp moderadas foi de 4,42 (DP 3,25); 46,11% das IMp foram respaldadas por evidências de boa qualidade e 55,25% classificadas quanto ao tempo de início como tardias (mais que 24 horas). Os pares de IMp mais frequentes foram decorrentes de associações entre fluconazol/ondasentron, fluconazol/ciclosporina e fluconazol/levofloxacina. Foram identificadas implicações clínicas relevantes como cardiotoxicidade, nefrotoxicidade e outros efeitos adversos indesejáveis. Houve aumento do risco de IMp maior para pacientes que receberam TCTH alogênico (odds ratio [OR] 18.00). Conclusão: A totalidade da amostra apresentou IMp durante o período estudado e a prevalência de IMp maior foi elevada em consequência da complexidade da terapêutica. Embora, nem todas as IMp sejam preveníveis, é importante que profissionais de saúde conheçam essas implicações clínicas e as monitorize. O papel do enfermeiro é essencial para assegurar um TCTH bem sucedido e promover a segurança do paciente. Interações de Medicamentos,Nursing,Transplante de Medula Óssea Categoria:Resumo AVALIAÇÃO DA CULTURA DE SEGURANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA CARDÍACA PATRICIA DE GASPERI - UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL / RS VERA RADÜNZ - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA / SC O paciente que vivencia o pós-operatório de cirurgia cardíaca precisa de um cuidado livre de eventos adversos. Acredita-se que a identificação da cultura de segurança de uma unidade com profissionais de Enfermagem que cuidam de pessoas que vivenciaram cirurgia cardíaca é um dos primeiros passos para se alcançar um cuidado seguro e de qualidade. Diante do exposto traçou-se o objetivo de identificar a cultura de segurança dos profissionais de enfermagem envolvidos no cuidado pós-operatório ao paciente que vivenciou cirurgia cardíaca. Trata-se de um recorte da tese de doutorado intitulada O Cuidar de Si como uma dimensão da Cultura de Segurança do Paciente a qual foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa Círculo - FSG, sob o número 0221.Os dados foram coletados na unidade de terapia intensiva de um hospital de médio porte na serra gaúcha. Fizeram parte deste estudo os profissionais que compunham a equipe de enfermagem, totalizando quatro enfermeiros e 19 técnicos de enfermagem. Todos os profissionais foram convidados a participar e aceitaram o convite, procedendo a assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido, conforme preconiza a lei 196/96. Os dados foram coletados por intermédio do Safety Attitudes Questionnaire (SAQ).Os dados foram processados pelo Statistical Package for Social Science (SPSS), versão A análise do SAQ parte da média de escores realizada através das dimensões de cultura de segurança. Para que exista uma cultura adequada de segurança o escore deve ser maior ou igual a 75 pontos. Percebe-se que somente a dimensão Satisfação no Trabalho alcançou a média proposta para uma cultura de segurança adequada, a qual está diretamente relacionada à afirmativa Gosto do meu trabalho, com escore 95,4. A dimensão Percepções da Gestão apresentou o menor escore, totalizando 40 pontos. A afirmativa com menor pontuação foi relacionada ao tamanho da equipe de enfermagem em relação às necessidades da unidade. A dimensão Condições de Trabalho apresentou 48 pontos, com destaque para a falta de treinamento de pessoal. A dimensão Reconhecimento do Estresse obteve escore 50, demonstrando que o profissional não compreende e reconhece que o estresse e o cansaço podem influenciar no desempenho de suas funções; com escore de apenas 29 pontos, a afirmativa A fadiga prejudica meu desempenho durante o cuidado de rotina, evidencia que o profissional não reconhece seu cansaço físico e mental como um fator predisponente a falta de atenção e ao risco. A avaliação da cultura de segurança nesta unidade mostrou-se deficitária em cinco das seis dimensões que compõem o SAQ. Sabe-se que o primeiro passo para a segurança do paciente está no desenvolvimento de uma cultura de segurança, portanto, avaliar esta cultura configura-se em questão fundamental para que alcancemos o cuidado seguro e de qualidade. Enfermagem,Segurança do paciente,unidade de terapia intensiva Categoria:Resumo CUIDAR DE SI PARA CUIDAR DO OUTRO: UMA QUESTÃO DE SEGURNÇA PATRICIA DE GASPERI - UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL / RS VERA RADÜNZ - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA / SC Ao refletirmos sobre a história da Medicina, da Enfermagem, da humanidade, parece-nos difícil acreditar que erros, muitas vezes considerados banais, ainda ocorram em nossos hospitais. Quedas, erros na administração de medicações, erros na realização de procedimentos, erros na tomada de decisões, no atendimento a uma emergência, são mais comuns do que poderíamos imaginar. O tema segurança do paciente parece estar presente nas entrelinhas do cotidiano, mas muitas vezes esquecido no preparo acadêmico dos futuros profissionais, no aperfeiçoamento profissional, e consequentemente na execução das tarefas e na implementação do cuidado de enfermagem. Os estudos realizados até o momento nos fazem crer que um fator determinante para que se desenvolva uma cultura de segurança ao cuidar de pacientes são as atitudes que o profissional tem ou deixa de ter em relação ao cuidar de si. Com base nestas reflexões, objetivamos compreender o cuidar de si como uma dimensão da cultura de segurança do paciente. É um estudo Survey, com análise reflexiva, que contempla a apresentação de percentuais com o intuito de melhor caracterizar os resultados significativos para a busca de um cuidado mais seguro e o desenvolvimento de uma cultura de segurança adequada. Fizeram parte desta pesquisa a equipe de enfermagem da Unidade de Terapia Intensiva Adulto de um hospital de médio porte da serra gaúcha, totalizando 23 participantes. Percebe-se que 52% dos participantes cuidaram adequadamente de si, já os cuidados realizados de forma adequada e segura somaram um total de 39%. Ao realizar a análise dos dados referentes ao cuidar de si e o cuidado adequado e seguro realizado para e com o paciente fica evidenciado que 78% dos profissionais que realizaram um cuidado seguro também cuidaram bem de si mesmos, e que 64% dos profissionais que não desempenham um cuidado efetivo e seguro também não realizaram um cuidar de si adequado, demonstrando que a falta de cuidado consigo mesmo pode gerar um cuidado inadequado, afetando a segurança do paciente. Diante dos dados apresentados fica claro que é difícil realizar um cuidado eficaz e seguro sem antes cuidarmos bem de nós mesmos. É preciso que o profissional de saúde desenvolva também a cultura do cuidar de si. Acredita-se que não somos integralmente capazes de administrar uma medicação corretamente, ou prevenir quedas e erros ao realizar um procedimento quando estamos sem dormir há 15 horas, ou sem alimentação adequada ou sem nossas necessidades fisiológicas de eliminação supridas. 8

9 Muitas vezes nos anulamos pelo outro, pois fomos formados para cuidar do outro, dar atenção, carinho, conforto e prestar uma assistência de qualidade, pautada em conhecimentos científicos, e esta concepção à que somos submetidos cria, muitas vezes, uma cultura de des-cuidado consigo mesmo. Diante da realidade apresentada é possível compreender o Cuidar de Si como uma dimensão para a Cultura de Segurança do Paciente e para um cuidado seguro. cuidado,segurança do paciente,enfermagem Categoria:Resumo PRINCIPAIS CLASSES FARMACOLÓGICAS SUJEITAS A FALSIFICAÇÃO E SEUS POTENCIAIS RISCOS GLEYCIVANI NUNES DA SILVA - FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL / MS MARIA TEREZA FERREIRA DUENHAS MONREAL - FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL / MS PATRIK OENING RODRIGUES - FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL / MS HIDELVANI NUNES SILVA - FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE SINOP / MT A falsificação de medicamentos é caracterizada pela venda de componentes com finalidade terapêutica que não atendem aos padrões normatizados quanto aos parâmetros de qualidade, segurança e eficácia e na maioria dos casos as embalagens estão adulteradas. Hoje a Organização Mundial de Saúde, compreende que os medicamentos falsificados consistem em um problema global de saúde pública, matando, incapacitando e ferindo adultos e crianças indistintamente. De acordo com a literatura, este tipo de atividade ocasiona sérios prejuízos, por não possuir o principio ativo correto, dose muito elevada ou muito baixa; data de validade alterada; não conter o ingrediente ativo; conter um ingrediente ativo diferente daquele declarado ou por ser vendido com embalagens, blisters e/ou panfletos com informações falsas. O objetivo do estudo foi identificar os medicamentos mais suscetíveis à falsificação e suas funções terapêuticas relacionando com os potenciais riscos a população. Foi realizado estudo retrospectivo, observacional no período de , utilizando-se como base de dados as listas disponibilizadas pela ANVISA, cujo fator de inclusão foi o marcador falsificação, nome do medicamento e a concentração. Foram notificados 85 casos de falsificação neste período. Os medicamentos mais susceptíveis às falsificações foram: Cialis, com ação terapêutica na disfunção erétil com sete ocorrências, Sildenafil com a mesma ação terapêutica com quatro ocorrências, Hemogenin esteroide anabolizante sintético com quatro ocorrências e os medicamentos Hormotrop que atua como um hormônio do crescimento e a Deca-Durabolin que consiste em um anabolizante com três ocorrências. Estes dados são preocupantes, pois os medicamentos mais susceptíveis às falsificações são os medicamentos para a disfunção erétil e esta patologia pode ter origem psicogênica, orgânica ou mista (psicogênica e orgânica) e com o uso de um medicamento sem as características ideais este pode não apresentar efeito, induzindo o paciente a crer que o problema é particular e não do medicamento, agravando o quadro principalmente se o problema for de origem psicogênica. Percebe-se que os outros medicamentos citados possuem a mesma advertência quanto a não indicação para finalidade de melhorar o desempenho atlético. Assim podemos observar que os perigos não se restringem aqueles que procuram um tratamento farmacológico, mas ainda aqueles que fazem o uso indevido de substâncias para melhorar a performance física, potencializado com as condições irregulares destes produtos. A farmacovigilância, desta forma, assume papel fundamental nos casos de falsificação de medicamentos, necessitando ser implementada com maior efetividade para que ocorra a promoção do uso seguro e racional de medicamentos, contribuindo, assim, com a melhoria da qualidade de vida do usuário. Falsificação de medicamentos,registros ANVISA,Disfunção erétil Categoria:Resumo INCOMPLETUDE E ABREVIATURAS EM PRESCRIÇÕES MÉDICAS DE ANTIMICROBIANOS DISPENSADAS NUMA DROGARIA CARLOS DANIEL SILVA ALVES - UESB / BA LUCAS BRASILEIRO LEMOS - UESB / BA GISELE DA SILVEIRA LEMOS - UESB / BA A prescrição médica é uma ordem legal disponibilizada por profissionais habilitados e dirigida ao profissional farmacêutico o qual a dispensa, gerando responsabilidade mútua pelos resultados obtidos. Nela deverá constar o melhor fármaco para o paciente, com informações claras, sem erros ou ambiguidades e com as informações necessárias para que possa ser dispensada pelo farmacêutico e ser utilizada de forma prática pelo paciente. A eficiência da prática de dispensação e a qualidade do tratamento farmacológico dependem, dentre outros fatores, da clareza e da completude dos dados contidos na prescrição. Os erros de medicação ocorrem devido à falta de conhecimento sobre a droga utilizada ou sobre o doente, quando a prescrição se encontra ilegível, incompleta ou ambígua, assim erros na prescrição contribuem para mais de metade de todos os efeitos adversos significativos, mas possíveis de serem evitáveis. Este estudo, transversal, descritivo e retrospectivo teve como objetivo verificar a completude de dados de prescrições médicas de antimicrobianos e a presença de abreviaturas. O trabalho foi realizado numa Farmácia Comunitária do Sudoeste da Bahia, onde foram realizadas avaliações documentais do estabelecimento, pela análise da 2ª via de 600 prescrições de antimicrobianos retidas no estabelecimento, no período de janeiro a março de A análise quantitativa dos dados foi realizada com o auxílio do programa Microsoft Excel Pode-se perceber que com relação aos dados do medicamento 100% das prescrições continha o nome dos antimicrobianos, 44% não apresentaram a concentração do medicamento, 22,7% a forma farmacêutica, 23,5% a via de administração, 6% a dose, 4,5% a frequência de administração e 34,3% a duração do tratamento. Já com relação aos dados do prescritor, o nome do médico não esteve presente em 0,4% das prescrições, o número do respectivo conselho profissional em 0,5%, a utilização do carimbo ou assinatura em 2%, e o endereço da clínica ou do hospital juntamente com o telefone em 13% das prescrições. Além disso foram encontradas diversas abreviaturas nas prescrições com a substância sulfametoxazol associada com trimetoprima, entre elas: SMT + TRIMP, SMT + TMP, SULFAMETOXAZOL c/ TMP, SULFA + TMT, SULFA + TRIMETOPRIMA. Outras apresentaram abreviaturas na forma farmacêutica, COMP. e CAP. em vez de comprimido e cápsula. Na via de administração percebeu-se o uso da abreviatura V.O e I.M em vez de via oral e intramuscular. Na posologia verificou-se o uso do CX em vez de caixa, além de nos intervalos entre doses a expressão 12/12 h ou 8/8 h em vez de a cada 12 horas ou a cada 8 horas. Esse trabalho mostrou a falta de completude de dados nas prescrições de antimicrobianos, apresentando erros no que concerne à informação do medicamento e do prescritor, além da presença de diferentes abreviaturas o que pode gerar erros no insucesso da terapia e contribuir com a resistência microbiana. 9

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Segurança na prescrição de medicamentos. POP nº 05 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 11/12/2015 Elaborado

Leia mais

Atribuições Clínicas do Farmacêutico

Atribuições Clínicas do Farmacêutico Atribuições Clínicas do Farmacêutico Evolução dos gastos com medicamentos do Ministério da Saúde 650% crescimento R$ Atualizado: 10/02/2014 Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS Hospitalizações

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização.

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO Jonas Ricardo Munhoz 1 Johnny Trovó Rota 1 Raquel Soares Tasca 2 Marco Antonio Costa 2 Os estudos da utilização

Leia mais

APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo

APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo APRESENTAÇÃO Elaine de Andrade Azevedo Farmacêutica, graduada em Farmácia pela Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Farmacologia pela Universidade Federal de Lavras

Leia mais

10 a 12 de abril de 2014. Centro de Artes e Convenções da UFOP Ouro Preto - Minas Gerais

10 a 12 de abril de 2014. Centro de Artes e Convenções da UFOP Ouro Preto - Minas Gerais 10 a 12 de abril de 2014 Centro de Artes e Convenções da UFOP Ouro Preto - Minas Gerais Congressista, Programação Cursos Bem-vindo ao I Congresso Internacional sobre Segurança do Paciente ISMP Brasil e

Leia mais

ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA

ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA Autores: THAISY SANTANA DA SILVA, ADRIANA DE OLIVEIRA CAMARGO GOMES, ANA NERY BARBOSA DE ARAÚJO, JONIA ALVES LUCENA, ZULINA SOUZA DE LIRA,

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Farmacêutica Priscila Xavier

Farmacêutica Priscila Xavier Farmacêutica Priscila Xavier A Organização Mundial de Saúde diz que há USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS: quando pacientes recebem medicamentos apropriados para suas condições clínicas, em doses adequadas às

Leia mais

SERVIÇO FARMACÊUTICO EM UMA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

SERVIÇO FARMACÊUTICO EM UMA UNIDADE DE EMERGÊNCIA SERVIÇO FARMACÊUTICO UMA UNIDADE DE ERGÊNCIA Junior André da Rosa Blumenau, 23 de maio de 2014 DECLARAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver nenhum conflito de interesse nesta apresentação. Parte

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento e Especialização

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento e Especialização F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor Titulação: Aprimoramento e Especialização Supervisora: Drª Sonia Lucena Cipriano Características: (duração 12 meses) Dirigido a farmacêuticos,

Leia mais

EFETIVIDADE DE AÇÕES DE APOIO DE UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL (ONG) AO TRATAMENTO DE CRIANÇAS EM RISCO SOCIAL

EFETIVIDADE DE AÇÕES DE APOIO DE UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL (ONG) AO TRATAMENTO DE CRIANÇAS EM RISCO SOCIAL Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira EFETIVIDADE DE AÇÕES DE APOIO DE UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL (ONG) AO TRATAMENTO DE CRIANÇAS EM RISCO SOCIAL Ana Maria Aranha

Leia mais

TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA:

Leia mais

DO TERMO DE CONSENTIMENTO

DO TERMO DE CONSENTIMENTO : DO TERMO DE CONSENTIMENTO AO CHECK LIST E fªl i Li Enfª Luciana Lima Hospital Procardíaco Aliança Mundial para Segurança do paciente Cirurgias seguras salvam vidas Check list baseado nas recomendações

Leia mais

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Introdução O tema Segurança do Paciente se transformou em preocupação, nas instituições de saúde, a partir de 2003

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente. Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS Leidyanny Barbosa de Medeiros 1 Moema Brandão de Albuquerque 2 Oriana Deyze Correia Paiva Leadebal 3 Jordana de Almeida

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. POP nº 06 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 30/07/2016

Leia mais

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE Erro de Medicação Complexidade do sistema de saúde Ambientes especializados e dinâmicos Condições que

Leia mais

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO Roberta Kelle de Araújo Melo (FACENE) - robertakamelo@hotmail.com Morganna Guedes Batista (FACENE) - morganna_guedes@hotmail.com Rayra Maxiana

Leia mais

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO Thatianny Tanferri de Brito PARANAGUÁ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA. Faculdade de Enfermagem Universidade Federal de Goiás ttb.paranagua@gmail.com;

Leia mais

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral

A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral A Segurança na Administração da Quimioterapia Oral.ral 2º Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus Enfª Érika Moreti Campitelli Antineoplásico oral: Atualmente

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. Cultura de Segurança 1.1 1.2 Existe um elemento definido como responsável pelas questões da segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na

Leia mais

Classificação de risco de pacientes para acompanhamento farmacoterapêutico. Jacqueline Kohut Martinbiancho

Classificação de risco de pacientes para acompanhamento farmacoterapêutico. Jacqueline Kohut Martinbiancho Classificação de risco de pacientes para acompanhamento farmacoterapêutico Jacqueline Kohut Martinbiancho HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE O Hospital de Clínicas de Porto Alegre é uma empresa pública

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA.

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. ANDRADE 1, Elizandra Faria GRANDO 2, Simone Regina BÖING 3, Jaci Simão VIECELLI 4, Ana Maria SILVA 5, Jeane Barros

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Medicamentos Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Guia para Registro de Novas Associações

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

FARMACÊUTICO INTENSIVISTA, o diferencial, na UTI

FARMACÊUTICO INTENSIVISTA, o diferencial, na UTI Dras. Silvana Maria de Almeida FARMACÊUTICO INTENSIVISTA, o diferencial, na UTI Farmacêutica intensivista Raquel Queiroz de Araújo Farmacêutica intensivista Silvana Maria de Almeida Segurança para pacientes

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Introdução Em 2009, o Ministério da Saúde (MS) do Brasil mudou seu esquema de tratamento

Leia mais

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO MÉDICA Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECÉITA MÉDICA CONCEITO Solicitação escrita, com instruções detalhadas, sobre o medicamento a ser dado ao paciente: Quantidade

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

Consulta Pública n.º 09/2013

Consulta Pública n.º 09/2013 Consulta Pública n.º 09/2013 Diretor Relator: Dirceu Barbano Regime de tramitação: comum Publicação: 02/04/2013 Prazo para contribuição: 30 dias 09/04 à 08/05 Agenda Regulatória: não Área Técnica: GGTES

Leia mais

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes I International Symposium on Patient Safety and Quality Segurança do Paciente: Cenário Nacional Walter Mendes O que é segurança do paciente? Um fenômeno mundial Índia Portugal EUA Brasil Uma das dimensões

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS PRÊMIO DE INCENTIVO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O SUS 2010

INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS PRÊMIO DE INCENTIVO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O SUS 2010 PRÊMIO DE INCENTIVO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O SUS 2010 A Monografia IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO NASF NÚCLEO DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE EXTREMA-MG foi premiada com Menção

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL Tacilla Maria Rodrigues Pereira¹(tacilla90@hotmail.com) Milene Evaristo Pereira¹(Milene.trab@gmail.com) Nicole Cristine Diniz de Medeiros Dutra¹ (nicole_dutra@hotmail.com)

Leia mais

MUDANÇAS NO MERCADO BRASILEIRO PARA O TRATAMENTO DA DISFUNÇÃO ERÉTIL INTERCORRENTES DA QUEBRA DA PATENTE DO CITRATO DE SILDENAFILA (Viagra )

MUDANÇAS NO MERCADO BRASILEIRO PARA O TRATAMENTO DA DISFUNÇÃO ERÉTIL INTERCORRENTES DA QUEBRA DA PATENTE DO CITRATO DE SILDENAFILA (Viagra ) MUDANÇAS NO MERCADO BRASILEIRO PARA O TRATAMENTO DA DISFUNÇÃO ERÉTIL INTERCORRENTES DA QUEBRA DA PATENTE DO CITRATO DE SILDENAFILA (Viagra ) Luiz Marques Campelo 1, Marcelo Gurgel Carlos da Silva 1, Maria

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina.

Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina. Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina. Título do Plano de Trabalho: Avaliação das Percepções de Pacientes

Leia mais

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano.

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 4 ANVISA de 10 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. A Diretoria Colegiada

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS COSTA, Eliene Pereira. Discente do curso de Enfermagem do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, da

Leia mais

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / /

SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / SERVIÇO DE CLÍNICA FARMACÊUTICA SMS/CURITIBA Data: / / PERFIL DO PACIENTE : Encaminhamento Equipe Alta Hospitalar Busca Ativa Outra Nome: Cartão SUS: Data de nascimento: Idade: Gênero: Masculino Feminino

Leia mais

Fontes de Notificação em Farmacovigilância Murilo Freitas Dias, Nair Ramos de Souza, Milena Oliveira Bittencourt e Marcia Santos Nogueira

Fontes de Notificação em Farmacovigilância Murilo Freitas Dias, Nair Ramos de Souza, Milena Oliveira Bittencourt e Marcia Santos Nogueira Fontes de Notificação em Farmacovigilância Murilo Freitas Dias, Nair Ramos de Souza, Milena Oliveira Bittencourt e Marcia Santos Nogueira Um dos principais objetivos da Farmacovigilância, seja qual for

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 VOIGT, Bruna Francisco 2 ; PREIGSCHADT, Gláucia Pinheiro 2 ; MACHADO, Rafaela Oliveira 2

Leia mais

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR Maria de Fátima Leandro Marques¹; Suely Aragão Azevêdo Viana² ¹ Bióloga do Centro de Assistência Toxicológico do Hospital

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br

www.grupoidealbr.com.br www.grupoidealbr.com.br Programa Nacional de Segurança do Paciente Introdução Parágrafo 12 do primeiro livro da sua obra Epidemia: "Pratique duas coisas ao lidar com as doenças; auxilie ou ao menos não

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

AÇÃO EDUCATIVA SOBRE PREVENÇÃO DE QUEDAS PARA IDOSOS INTERNADOS

AÇÃO EDUCATIVA SOBRE PREVENÇÃO DE QUEDAS PARA IDOSOS INTERNADOS AÇÃO EDUCATIVA SOBRE PREVENÇÃO DE QUEDAS PARA IDOSOS INTERNADOS Anairtes Martins de Melo; Keyla Rejane Frutuoso de Morais; Jamille Soares Moreira Alves; Ana Karina Monte Cunha Marques INTRODUÇÃO Faculdade

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO FREIRE, Ana Maria de Sousa Silva OLIVEIRA, Thiciana Souza de RESUMO Objetivou-se, com este estudo, conhecer a opinião dos enfermeiros sobre a atividade

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

Edital 04/13 - Inglês Grupo 1

Edital 04/13 - Inglês Grupo 1 Edital 04/13 - Inglês Grupo 1 1º DANIELLE OLIVEIRA LELIS GONRING 74,00 25,90 62,00 18,60 100,00 15,00 89,00 17,80 77,30 2º MARA CORRÊA SENNA 96,00 33,60 41,00 12,30 94,00 14,10 83,00 16,60 76,60 3º CAROLINA

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

CRONOGRAMA DAS DEFESAS PÚBLICAS DAS MONOGRAFIAS - TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM 2015. Local: Laboratório de informática II

CRONOGRAMA DAS DEFESAS PÚBLICAS DAS MONOGRAFIAS - TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM 2015. Local: Laboratório de informática II CRONOGRAMA DAS DEFESAS PÚBLICAS DAS MONOGRAFIAS - TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM 2015 Local: Laboratório de informática II Dia 14/12/2015 (SEGUNDA-FEIRA) TARDE Jessica Suelen de Oliveira

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PRÉ-CONGRESSO Quinta-feira, 10 de abril de 2014 8h às 9h CREDENCIAMENTO Curso 1: Segurança na terapia anticoagulante Ementa: bases farmacológicas da anticoagulação oral e parenteral.

Leia mais

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o elenco de medicamentos e aprova o regulamento dos procedimentos de aquisição e dispensação de medicamentos especiais para tratamento ambulatorial

Leia mais

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Universidade Bandeirante de São Paulo Comitê de Pós-Graduação e Pesquisa COMISSÃO DE ÉTICA (Resolução CONSEPE-UNIBAN nº 17/06 de 11/02/2006) FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO

Leia mais

PREPARO DE MEDICAMENTOS POR SONDAS EM PACIENTES QUE RECEBEM NUTRIÇÃO ENTERAL. Caroline de Deus Lisboa Lolita Dopico da Silva

PREPARO DE MEDICAMENTOS POR SONDAS EM PACIENTES QUE RECEBEM NUTRIÇÃO ENTERAL. Caroline de Deus Lisboa Lolita Dopico da Silva PREPARO DE MEDICAMENTOS POR SONDAS EM PACIENTES QUE RECEBEM NUTRIÇÃO ENTERAL Caroline de Deus Lisboa Lolita Dopico da Silva 2012 QUESTÃO NORTEADORA E OBJETIVOS Como a enfermagem prepara medicamentos por

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010.

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010. Fracionamento de medicamentos para dispensadores Parcerias: Defensoria Pública do Estado do Ceará; Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Conselho Regional de Farmácia - CRF- CE Sindicato do

Leia mais

Segurança do paciente nas Américas. Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015

Segurança do paciente nas Américas. Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015 Segurança do paciente nas Américas Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015 SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Qualidade

Leia mais

Movimento da Farmácia Clínica no Brasil

Movimento da Farmácia Clínica no Brasil Farmácia Clínica Marinei Ricieri 1 Movimento da Farmácia Clínica no Brasil Disciplinas ofertadas (optativas e obrigatórias) nos cursos de graduação Programas de Residência Multiprofissional em hospitais

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Autores: Ilse Maria Tigre de Arruda Leitão, Sherida Kananini Paz de Oliveira, Roberta Meneses Oliveira, Nayane Silva Mendes, Renata

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Requisitos comuns a todos as subseções Planeja as atividades,

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Da Prescrição à Administração do Medicamento Sofia Valongo Serviços Farmacêuticos 26-09-2015 OBJETIVO 2 Descrever o papel do Farmacêutico na implementação

Leia mais

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Fabiana Medeiros de Brito (NEPB/UFPB). E-mail: fabianabrito_@hotmail.com Eveline de Oliveira Barros (NEPB/UFPB). E-mail: evinhabarros@gmail.com

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Aprova as diretrizes e estratégias para organização, fortalecimento e aprimoramento das ações e serviços de farmácia

Leia mais

Gerenciamento de Riscos a Saúde

Gerenciamento de Riscos a Saúde Gerenciamento de Riscos a Saúde O papel da Prescrição Eletrônica e Rastreabilidade na administração segura de medicamentos Serviço de Informática /CAISM Profa Dra Roseli Calil Hospital da Mulher Prof.

Leia mais

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014 MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL Belo Horizonte 2014 RESIDENTES MULTIPROFISSIONAIS EM INTENSIVISMO Camilla Serva Camilo Brandão Christina Tinti Cleunice Oliveira Daniela Falcão Gabriela Reis

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

PERFIL DE IDOSAS PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA E O CONSUMO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO TERAPIA COMPLEMENTAR

PERFIL DE IDOSAS PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA E O CONSUMO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO TERAPIA COMPLEMENTAR PERFIL DE IDOSAS PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA E O CONSUMO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO TERAPIA COMPLEMENTAR Karyanna Alves de Alencar Rocha (1); Maria Janielly de Oliveira Costa (2); Ariadne Messalina Batista

Leia mais

ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO

ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO INSTITUTO DE SAÚDE DA COMUNIDADE DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO EM SAÚDE PLANEJAMENTO E GERÊNCIA EM SAÚDE II ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO Professores: Dra. Luciana Alves

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG 1º SIMPÓSIO MULTIDISCIPLINAR DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG 1º SIMPÓSIO MULTIDISCIPLINAR DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG 1º SIMPÓSIO MULTIDISCIPLINAR DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE LISTA DE TRABALHOS APROVADOS AUTOR RESPONSÁVEL Adriana Furtado

Leia mais

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE DOENÇA RENAL CRÔNICA Nome da Liga: LIGA DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL Tutores: ELIZABETH DE FRANCESCO DAHER SÔNIA MARIA HOLANDA

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PRÉ-CONGRESSO Quinta-feira, 10 de abril de 2014 8h às 9h CREDENCIAMENTO Curso 1: Segurança na terapia anticoagulante Ementa: bases farmacológicas da anticoagulação oral e parenteral.

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP Complexo Hospitalar - Hospital Filantrópico - Área 69.000 m² - 10 prédios - 1.143 leitos - 101 leitos de UTI NHE (VEH / GRSH / CCIH) COMISSÕES

Leia mais