A conclusão deste trabalho foi devida aos mais variados contributos, alguns deles, decisivos no momento em que foram prestados.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A conclusão deste trabalho foi devida aos mais variados contributos, alguns deles, decisivos no momento em que foram prestados."

Transcrição

1 AGRADECIMENTOS A conclusão deste trabalho foi devida aos mais variados contributos, alguns deles, decisivos no momento em que foram prestados. Gostaríamos de agradecer ao Dr. Jorge Cortez por nos ter recebido em sua casa e por nos ter esclarecido dúvidas sempre que se revelou necessário. Queremos, igualmente, expressar o nosso agradecimento à TVTEL Comunicações, S.A., em especial ao Dr. Filipe Baldaque, por ter tido a amabilidade de nos receber. Gostaríamos, ainda, de agradecer ao Dr. Mário Pinto e ao Dr. Pereira Coutinho pelo facto de terem respondido ao inquérito enviado.

2 SUMÁRIO EXECUTIVO A análise dividiu-se em duas grandes áreas: Case study no qual se analisou o processo de financiamento através de CR; Entrevistas a destacadas personalidades, com reconhecida experiência nesta área. Numa 1ª fase, foram reveladas as expectativas e oportunidades de evolução do CR, através da análise da evolução do seu mercado, verificando-se a existência de um mercado consistente e maduro nos EUA e Reino Unido e um mercado Europeu ainda em fase de maturação. Portugal, mesmo estando um pouco distante da média europeia, apresenta um mercado aceitável e um peso crescente do CR como fonte de intermediação financeira. O case-study é sobre uma empresa da área de telecomunicações (TVTEL) que recorreu ao CR, onde foi possível analisar todo o processo do investimento até ao presente momento. Numa última fase, recorremos à opinião do Dr. Mário Pinto, do Dr. Jorge Cortez e do Dr. Pereira Coutinho, para uma análise à situação actual, onde se concluiu que ainda há muito a fazer em Portugal.

3 ÍNDICE Introdução...3 Evolução Do Capital De Risco em Portugal...6 Introdução Primeira Fase Segunda Fase Terceira Fase Conclusão Evolução do Capital de Risco na Europa e nos Estados Unidos...14 Introdução Perspectiva histórica sobre a evolução do Capital de Risco ( ) Comportamento do Capital de Risco no século XXI Conclusão Acordos Parassociais...23 Definição Principais Diferenças entre um Contrato de Sociedade e um Acordo Parassocial Questões Diversas Conclusão Case study: TVTEL - Comunicações S.A Objectivo A Empresa O Projecto O Processo de constituição A situação actual Conclusão Opinião de Especialistas em Capital de Risco...38 Opinião do Dr. Mário Pinto Opinião do Dr. Gonçalo Pereira Coutinho Conclusão...42 Bibliografia...47

4 INTRODUÇÃO A opção por um trabalho de projecto em Capital de Risco deveu-se em grande parte a duas razões: Interesse profissional futuro Pertinência do tema em questão O nosso interesse profissional futuro passa pela área financeira na qual se enquadra este tema permitindo-nos assim adquirir uma mais-valia para uma futura entrada no mercado de trabalho, não só no que diz respeito a este instrumento financeiro em concreto, mas também em relação a todas as questões adjacentes que este assunto levanta, tais como as decisões de financiamento e de investimento. A título de curiosidade, é de salientar que um dos membros do grupo (João Almeida) iniciou, durante a realização do trabalho a sua actividade profissional e já teve entretanto reuniões e acções de formação na área do Capital de Risco. No actual contexto económico português, a necessidade de inovação e de empreendedorismo é fulcral. Perante a globalização dos mercados, torna-se imperativo às empresas portuguesas inovar e diversificar, daí a relevância deste tema. A perspectiva de análise sobre esta temática foi a mais abrangente possível, tendo como objectivo principal fornecer uma visão global deste instrumento financeiro. Houve uma consciencialização de que este assunto cobre áreas com as mais diversas especificações e com igual motivo de interesse teórico, que exigiriam um maior aprofundamento. Contudo foi unânime a decisão de não tornar o trabalho demasiado denso, evitando assim, correr sérios riscos de não conseguir alcançar o objectivo proposto essencialmente por se ter revelado inviável a dispersão do estudo pelas mais diversas áreas (legal, histórica, análise empírica, questões relativas ao financiamento propriamente dito, a problemática das instituições intervenientes e o seu modo de actuação, etc...). Neste sentido, optou-se por analisar um case study 1 para confrontar todos os dados teóricos e históricos previamente compilados com um caso real, neste caso o financiamento através de CR associado à implementação de raiz de um projecto na área das telecomunicações.! " #$#% & ' #$ ( )

5 Após a análise do comportamento do CR na realidade, houve a necessidade de se recorrer à opinião de especialistas nesta modalidade de financiamento, no sentido de fundamentar e credibilizar toda a análise e consequente conclusão presente neste trabalho, isto é, antes de se efectuar a conclusão da análise proposta por este trabalho, foi considerado imperativo a recolha de informação fornecida por personalidades que aliado a um extenso conhecimento teórico possuíssem uma reconhecida experiência prática. Esta fundamentação decorreu da necessidade de adaptação do desempenho do CR ao mercado português. Neste sentido, recorreu-se à opinião do Dr. Jorge Cortez 2, especificamente no que diz respeito às questões legais do processo de financiamento por CR, com principal interesse sobre os acordos parassociais. O recurso à opinião do Dr. Mário Pinto e do Dr. Pereira Coutinho teve como principal objectivo obter informação suporte sobre o real comportamento do Capital de Risco e do seu mercado, bem como sobre as perspectivas de evolução e oportunidades deste instrumento de financiamento. O passo final foi a respectiva conclusão, retirada da análise da base teórica, dos dados históricos, da verificação do processo associado a um caso real e dos argumentos evidenciados pelas referidas personalidades. A metodologia adoptada variou consoante as exigências de cada fase do trabalho, ou seja, no início analisou-se essencialmente o conceito de CR com o apoio em artigos de jornais, websites (especificamente websites das diversas associações de CR nacional e internacionais) e também livros. Seguidamente adoptou-se uma metodologia baseada em trabalho de campo. Efectuou-se uma visita às instalações da TVTEL com o propósito de entrevistar o seu director financeiro 3, retirando daí a totalidade dos dados necessários à elaboração do case study. A nível da obtenção das opiniões de especialistas, recorreu-se a duas estratégias distintas. No caso do Dr. Jorge Cortez, efectuou-se um conjunto de entrevistas onde foi possível recolher toda a informação necessária respeitante à temática dos acordos parassociais. No que diz respeito ao Dr. Mário Pinto e ao Dr. Pereira Coutinho, optou-se por enviar um com um questionário. Esta opção deveu-se ao facto de se considerar que o tempo disponível para nos receber e também a distância geográfica (no caso do Dr. Pereira Coutinho) tornaram (+ ),) -.( *

6 impeditivo a realização de uma entrevista especial. O facto de também o tema abordado ser bastante mais genérico que o do Dr. Jorge Cortez levaria, possivelmente à realização de entrevistas demasiado longas.

7 EVOLUÇÃO DO CAPITAL DE RISCO EM PORTUGAL Introdução A história do capital de risco no continente Europeu começou essencialmente na década de oitenta, tendo triplicado a sua importância já em meados da década de noventa. Este sector apresenta-se com um elevado potencial de crescimento, assistindo-se frequentemente ao aparecimento de novos fundos financiados maioritariamente com recursos domésticos. Para além, de ser considerada uma alternativa de investimento credível, o capital de risco tem vindo a contribuir para o crescimento sustentável da economia europeia, gerando emprego financiando empresas de novas tecnologias. Contudo, o grau de desenvolvimento, assim como as principais características deste tipo de investimento variam muito de país para país. Em Portugal as Sociedades de Capital de Risco são relativamente recentes, tendo a primeira empresa associada a este sector sido constituída em 1986, com o objectivo de colmatar a insuficiência de capitais próprios com que a maioria das PME s se debatiam. Em Portugal a história das Sociedades de Capital de Risco (SCR) divide-se em três fases: de 1986 a 1991; de 1992 a 1998 e de 1999 até aos dias de hoje 4. Primeira Fase Numa fase inicial, entre 1986 a 1991 assistiu-se a um aumento significativo e gradual no tempo da criação de SCR. Verificou-se um aumento gradual do número de operações que começa apenas com uma em 1986 aumentando em 1991 para um histórico número de 29 operações. Este aumento do número de operações realizadas pelas SCR devem-se a inúmeros factores tais como o capital de risco constituir uma forma alternativa e complementar do sistema de crédito bancário, aparecimento de novas actividades na área dos serviços, aparecimento de indústrias de tecnologia de ponta com reduzidos recursos próprios e com elevado potencial de desenvolvimento, aproveitamento e crescimento gradual dos fundos da União Europeia, pela criação de diversos benefícios fiscais * 0 1 ) /

8 (importância do papel do Estado no capital de risco), por todos estes motivos criou-se uma espécie de crença de que o Capital de Risco seria uma actividade onde se poderiam obter resultados extremamente positivos, permitindo criação de valor às empresas e valorização dos seus activos. De realçar o elevado sucesso que as SCR estavam a ter nos mercados de outros países contribuindo da mesma forma para dinamização das SCR. Em Portugal, só em 1989 é que se registou um acréscimo do número de SCR verificando-se um crescimento dos fundos disponíveis de 5 milhões para 27 milhões de contos. No entanto, o ambiente nem sempre foi este. Depois de um período de relativo crescimento, verificou-se uma fase (entre 1992 a 1998) de uma redução acentuado no número de sociedades, tendo-se assistido a um processo de reajustamento do mercado com a existência de processos de privatização e de concentração no sector financeiro. O aumento e alargamento dos ciclos de investimento relativamente aos que eram esperados pela SCR, a diminuição de alguns benefícios fiscais e principalmente a redução dos fundos afectos à actividade de Capital de Risco justificam o porquê de um decréscimo do número de SCR e de investimentos realizados pelas SCR já existentes no mercado. Todo este cenário levou à tomada de decisão de desinvestimento por parte das SCR. Esta época fica também caracterizada, por três doenças: ou servia de ferramenta política, ou era apenas um canal de escoamento de liquidez financeira para aproveitamento de benefícios fiscais, ou limitava-se a servir de financiamento bancário encapotado sem trazer qualquer valor acrescentado às empresas contempladas. Segunda Fase O ambiente nem sempre foi este. Depois de um período de relativo crescimento, verificou-se uma fase (entre 1992 a 1998) de uma redução acentuado no número de sociedades, tendo-se assistido a um processo de reajustamento do mercado com a existência de processos de privatização e de concentração no sector financeiro. O aumento e alargamento dos ciclos de investimento relativamente aos que eram esperados pela SCR, a diminuição de alguns benefícios fiscais e principalmente a redução dos fundos afectos à actividade de Capital de Risco justificam o porquê de um decréscimo do número de SCR e de investimentos realizados pelas SCR já existentes no mercado. Todo este cenário levou à tomada de decisão de desinvestimento por 2

9 parte das SCR. Esta época fica também caracterizada, por três doenças: ou servia de ferramenta política, ou era apenas um canal de escoamento de liquidez financeira para aproveitamento de benefícios fiscais, ou limitava-se a servir de financiamento bancário encapotado sem trazer qualquer valor acrescentado às empresas contempladas. A partir de 1998, o número de SCR estabilizou, tendo nos últimos anos sofrido um relativo acréscimo. A expansão da economia em 1999 relançou o capital de risco, atribuindo-lhe um papel muito importante no financiamento de negócios de expansão, principalmente no sector tecnológico. A grande mudança nesta época está associada, à fase de hospital de empresas e de mecanismo de saneamento financeiro acabar, segundo a opinião, concordante de, Rui Soares, líder da IPE Capital e também actual presidente da Associação Portuguesa de Capital de Risco (APCRI), e José Carrilho, presidente da PME Investimentos, ex-sulpedip, duas instituições ligadas à intervenção do Estado, a fase em que as Capitais funcionavam como salva-vidas para escoamento de dinheiro tinha acabado. Contudo, os números ainda levaram algum tempo a reflectir o crescimento do mercado privado de capitais de risco. A maior fatia no financiamento era, ainda, em 1998 assegurada pelos investidores públicos, que detinham 23%, em contraste flagrante com o que se passa, por exemplo, no Reino Unido, onde este tipo de investidores é responsável apenas por 7% dos fundos aplicados. Neste país, a dianteira é tomada pelos Fundos de Pensões e pela Banca e entidades como os investidores académicos (ligados às universidades) e os seguros têm um grande dinamismo nesta área. De salientar nesta mesma época as parcerias entre investidores e empresários; e mais importante pelo facto das SCR passarem a gerir fundos de investimento permitindo o aumento de fundos afectos à actividade de Capital de Risco (de 28,2 milhões de contos em 1992 para 77,7 milhões de contos em 1998). Terceira Fase De 1999 até 2004, tem-se assistido a um aumento significativo do investimento das SCR no apoio a novos projectos, e em actividades já mencionados como é o caso do sector tecnológico. De 2001 a 2003, houve uma grande mudança no paradigma organizacional provocado pela nova plataforma de comunicação (Internet) associado ao novo padrão da Economia. A onda que veio dos E.U.A, apesar de tardiamente, teria de funcionar em 3

10 Portugal, pelo que não foi de estranhar que os nossos empreendedores, principalmente os mais informados passassem a detectar, oportunidades neste novo ambiente económico, reduzindo a aversão a este tipo de iniciativas. Oportunidades estas que necessitavam, face às suas características específicas relacionadas com a ausência de bens físicos, logo inexistência de garantia para os financiadores tradicionais, de um novo sistema capaz de financiar e sustentar a actividade inovadora e a criação de novas empresas só ao dispor da indústria de Capital de Risco. De seguida, o que se verificou foi uma profunda alteração dos cenários em Portugal que permitiu detectar duas realidades distintas, consoante estejamos a falar de número de operações concretizadas ou de montantes envolvidos. Se, por um lado, aumentou o número de investimentos e desinvestimentos em cerca de 30% e 111%, respectivamente, permitindo comprovar o crescente dinamismo da actividade em Portugal, por outro, os montantes investidos e desinvestidos diminuíram em cerca 7% e 16%, respectivamente. Os reinvestimentos concretizados em 2003 aumentaram 34% relativamente ao ano de 2002, ao mesmo tempo que diminuíram os investimentos em novas operações. A concretização de novos investimentos ficou 30% abaixo do realizado em Verificou-se, também, uma redução no montante total de desinvestimentos relativamente ao ano de Note-se que estas operações assumem uma particular importância para o capital de risco, uma vez que permitem a realização de mais-valias e a libertação de fundos para a concretização de novas participações. Os resultados realizados durante o período de 2001 a 2003 são em grande medida explicados pela: Diminuição da concentração dos investimentos nos operadores. Só para se ter uma ideia, em 1999 mais de 90% do investimento em Capital de Risco em Portugal foi realizado por um só operador, segundo dados da APCRI. Entrada de novos operadores no mercado, nomeadamente as Corporate Ventures (Sonae.com ; Bes.com ; Cofina ; Novabase Capital,...) e os operadores independentes (Change Partners), que trouxeram ao mercado maior dinamismo por via do aumento da concorrência. A realização de dezenas de iniciativas (seminários e conferências, livros publicados, artigos de opinião, trabalhos realizados pela imprensa especializada, trabalhos académicos, entre outras) que contribuíram e muito para a evangelização do sector de 4

11 capital de risco, e para a promoção da sua missão e das vantagens e competências específicas face a outros instrumentos de financiamento empresarial. Estas acções contribuíram para que o Capital de Risco passasse a ser tema de conversa do dia a dia empresarial quando antes era algo que só fazia parte da teoria possibilitando a criação de um clima de optimismo junto dos empreendedores, nomeadamente os que se encontram ligados às novas tecnologias, levando-os a acreditar que também é possível, em Portugal, a obtenção de financiamento via capital de risco )) Aparecimento de figuras, como a dos Business Angels, com um papel fundamental no financiamento dos projectos na fase seed. Chegada ao mercado nacional de toda uma panóplia de conselheiros especializados em criação de empresas como são o caso dos: caçadores de cabeças, advogados, consultores de marketing, angariadores de capital de risco, gabinetes de relações públicas, jornalistas especializados, ou seja, a presença de um conjunto de especialistas que permitiram industrializar a criação de start-ups, ao fazer beneficiar entre eles de uma rede muito densa de profissionais de alto nível, e o que é mais importante, desde a sua criação. A alteração do cenário das Capitais de Risco em Portugal, também teve em si aspectos negativos como a falta de visão do poder político para a necessidade de criar um enquadramento fiscal favorável à actividade de Capital de Risco, quer formal quer informal, situação esta tanto mais grave quanto sabemos ter sido aprovada nesse

12 período, uma pseudo reforma fiscal. Com efeito a manutenção, por um lado de uma taxa de tributação efectiva das SCR de 35,2%, em sede de IRC, ao contrário do que acontece, por exemplo em Espanha onde as SCR são tributadas em 1%, e a contínua ausência de incentivos fiscais aos Investidores informais que invistam em PME s não cotadas em bolsa, contrariamente ao que acontece em França, onde contribuem para que os empreendedores portugueses continuem a não ter acesso não só ao Capital, mas fundamentalmente ao Capital Conhecimento resultante do saber fazer (learning by doing) das redes de contactos internacionais que lhes permitam colocar os seus produtos e serviços mais facilmente nos mercados globais. Outro aspecto a salientar é ausência de iniciativas profissionais que contribuam para a dinamizar o aparecimento de Jovens Empreendedores e consequentemente de mais projectos de investimento que possam beneficiar das condições que actualmente o lado da Oferta (Incubadoras públicas e privadas, clubes de business angels, corporate ventures, Sociedades de capital de risco e até de um Novo Mercado) possui. A evolução do capital de risco em Portugal, como foi descrito sofreu grandes alterações desde do seu começo até aos dias de hoje, em grande medida pelo facto das empresas terem entendido que o capital de risco pode constituir uma fonte de financiamento viável e segura, para apoio e incentivo de projectos, sociedades, investimentos. Relativamente à repartição do investimento das capitais de risco por actividade, é a indústria (38 por cento) que os operadores privilegiam nos seus investimentos, seguida dos transportes (29 por cento) e do turismo e restauração (20 por cento). Quanto à Internet, que chegou a deter 50 por cento do peso dos investimentos por altura do boom (período entre 1999 e 2004), não arrecada hoje mais do que 0,74 por cento dos investimentos. Por zonas geográficas, no 2º semestre de 2003, Lisboa (35 por cento) tem vindo a perder algum peso em relação ao resto do país (33 por cento), concentrando o Porto 11 por cento dos investimentos. Os investimentos no estrangeiro representam 27 por cento do total. Ainda assim, apesar deste cenário aparentemente rosa, não se pode deixar de se questionar: Por que é que o capital de risco tem um peso tão pequeno no PIB? Por que se continua a dizer que não há capital de risco em Portugal? Ao que parece, há ainda muito a fazer para que o capital de risco atinja 0,5 por cento do peso do PIB, objectivo estabelecido pelo antigo ministro da Economia. Como recordou, actualmente esta proporção não ultrapassa os 0,1 por cento. Uma explicação aventada por João

13 Arantes e Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Capital de Risco (APCRI), prende-se com a reduzida dimensão do mercado português, realidade que também se reflecte no sector do capital de risco. Há relativamente poucos projectos e grande disputa em torno daqueles que têm essa qualidade. Conclusão Na actualidade, tendo como referência a Conferência de Capital de Risco realizada, na Casa de Serralves, o Capital de Risco encontra-se estagnado em grande medida, pela inexistência no nosso mercado de uma procura sustentada e capaz dada a reduzida dimensão e falta de espírito empreendedor; do lado da oferta o problema reside no facto, de em Portugal possuirmos uma economia dominada pelas Instituições Financeiras e um mundo empresarial dominado pelas empresas familiares. Mais recentemente, teve lugar uma conferência designada por Fusões e Aquisições & Private Equity, promovida pelo Diário Económico no dia 27 de Abril de 2005, onde se debateu qual o papel do CR na economia Portuguesa. Aqui apresentamos algumas das opiniões 5 referidas: As SCR vão crescer e assim impulsionar o mercado de M&A em Portugal, uma vez que a tendência é para estarem cada vez mais ligadas a transacções de grande dimensão. O investimento português com recurso a SCR foi 15 vezes inferior ao espanhol. Existe uma grande falta de interesse dos investidores institucionais portugueses na área do CR, pois não existe ainda uma verdadeira cultura por este instrumento. A mudança de mentalidade poderá demorar cerca de 10 a 15 anos. Esta mudança de mentalidade depende também decisivamente das políticas do governo. Nesta conferência, é ainda de salientar a opinião do director executivo da Biotecnol, Pedro Pissarra, que refere que o cerne da questão está em ouvir o mercado, adapatar continuamente e recordar que cada problema deve ter um tratamento diferente, mas o mais importante de tudo é que nada faça parar o progresso, pois as ideias e a inovação é que são geradoras da sociedade do conhecimento. & + ( 7 0! ' '

14 Finalmente, nesta conferência, falou-se sobre a relevância do Private Equity no sector imobiliário, e de acordo com Ismael Clemente, director do DB Real Estate Espanha o problema para a sua falta de competitividade relativamente a outros instrumentos financeiros é que em Portugal a oferta imobiliária existente, apesar de estar a níveis mais reduzidos que outras capitais europeias, é excessiva quando comparada com o capital disponível. Verifica-se a existência de inúmeros eventos em Portugal sobre a temática de CR e empreendedorismo 6, o que denota já um crescente interesse por esta área, podendo este ser um facto dinamizador para o acompanhamento do mercado de CR com o resto da Europa. Muito recentemente 7, foram divulgados os dados sobre CR em Portugal pela Associação Portuguesa de CR ( Investimento em CR aumentou 23%, para 124 milhões de Euros. Novos investimentos totalizaram 88 milhões de Euros. O sector da informática registou uma queda de 73% a nível dos fundos de investimento. O desinvestimento subiu 25% para 93,4 milhões de Euros. Dentro destes eventos gostaríamos de salientar a sessão pública de divulgação dos investimentos por parte da PME Capital na Marinha Grande no passado de mês de Agosto na qual marcámos presença. /, "' 7 ' ' %' :; 5 <) 2 := > <, 3 9 )

15 EVOLUÇÃO DO CAPITAL DE RISCO NA EUROPA E NOS ESTADOS UNIDOS Introdução Na sequência do estudo do capital de risco, foi considerado de extrema relevância proceder-se a uma análise histórica da evolução do capital de risco nos mercados económicos americano, europeu e também português, para se verificar a consistência dos resultados obtidos através desta forma de financiamento, tanto para os promotores como para os financiadores, bem como as perspectivas futuras para empresas que recorram e trabalhem em Capital de Risco e nas suas actividades derivadas. Com o objectivo de não entrar em conflito com o argumento acima referido e para não serem retiradas conclusões precipitadas derivadas do diferente grau de maturidade dos diferentes mercados de Capital de Risco analisados, não se vai proceder neste capítulo a uma análise comparativa, mas sim factual da evolução do Capital de Risco. A análise tentará, num primeiro ponto, oferecer uma perspectiva histórica do desempenho do Capital de Risco nos referidos mercados e, numa segunda fase, relatar a sua evolução desde o ano 2000, bem como as causas desse comportamento. Perspectiva histórica sobre a evolução do Capital de Risco ( ) Historicamente, o Capital de Risco está ligado à mentalidade empreendedora dos Estados Unidos da América. O capital de risco não foi mais do que uma evolução da forma de financiamento presente nas Revoluções Industriais americanas. Apoiado pela afirmação económica dos EUA no mundo no pós II Grande Guerra, o Capital de Risco surgiu do encontro da atitude empreendedora do círculo financeiro de Harvard e da incessante capacidade de criar inovação por parte dos seus vizinhos do MIT. De acordo com Bill Bygrave, professor de free enterprise no Babson College, Massachusetts, o CR nasceu nos Estados Unidos por volta de , mas apenas na década de 60 adquiriu protagonismo. 3 (, " *

16 Na sua opinião, o CR existente na altura não era mais do que um apoio dado por alguns particulares com bastante poder de compra a empresas da área tecnológica numa fase inicial. Estas pessoas eram designadas por Angels 9 e os primeiros retornos de investimentos foram excelentes. Esta situação manteve-se até 1974, ano em que o mercado accionista Norteamericano sofreu um crash, sendo de referir aqui que o governo Norte-americano foi essencial nesta época pois através da sua legislação permitiu um maior apoio às empresas neste período mais negativo da história. Nos dias de hoje, o Capital de Risco nos Estados Unidos continua claramente a ser o líder mundial em termos de montantes investidos. 4, B0

17 No continente Europeu a afirmação do Capital de Risco enquanto alternativa consistente para financiamento de projectos empresariais deu-se já em meados dos anos oitenta, sendo que não é de estranhar o seu atraso, em volume de fundos disponibilizados para investimento, em relação aos Estados Unidos da América. Ainda sobre o Capital de Risco na Europa podemos constatar que, praticamente todo ele é realizado dentro da União Europeia, e que o país com maior peso relativamente aos montantes de investimento em capital de risco é o Reino Unido, com uma quota de mercado que ascende aproximadamente a metade do mercado da União Europeia. É de realçar, sem dúvida, o poderio do mercado norte-americano no período estudado, movimentando em 1999 mais do que o dobro do montante do investimento conseguido na Europa. O Reino Unido é o país que apresenta o mercado com maior peso em relação seu PIB, superando inequivocamente os EUA e a média da União Europeia. Portugal apresenta um mercado bastante pequeno, próximo dos valores presentes nos mercados irlandês e dinamarquês, mas apresentando uma importância no PIB superior à da Espanha, Dinamarca, Grécia e Japão (país que apresenta números bastante pobres para um país fortemente associado ao investimento em I&D e crescimento económico). Verificamos ainda aversão típica ao risco dos investidores dos países do sul da Europa preferindo investir em empresas já com alguma maturidade, contrastando com o espírito agressivo dos investidores norte-americanos e norte europeus, com a excepção do Reino Unido que, contrariamente ao que seria de esperar, apresenta uma estrutura de investimento bem avessa ao risco, não direccionando muito o investimento a projectos iniciais ou pouco desenvolvidos. Verifica-se também uma diferença de mentalidades dos investidores no que diz respeito aos sectores de investimento em high-tech, em que os países anglosaxónicos e norte europeus demonstram um maior interesse em investimento em tecnologias de informação, enquanto os países do sul da Europa demonstram preferência pelos sectores da comunicação, casos e Portugal, Espanha e Itália, e, no caso da Grécia pelo sector relacionado com a saúde. A França apresenta um comportamento misto, talvez por se encontrar numa zona de confluências de mentalidades, dispersando de forma equitativa um investimento pelos diferentes sectores de high-tech. /

18 Finalmente, apresenta-se a estrutura das fontes de financiamento dos fundos para investimento em Capital de Risco, verificando-se à partida incompatibilidades nas perspectivas de análise que, mais uma vez não permitem comparações directas entre os EUA e a Europa. Constata-se que nos EUA, historicamente, as grandes fontes de financiamento são os Fundos de pensão, enquanto na Europa, nos países do sul, França e Alemanha, o financiamento é obtido maioritariamente através de instituições bancárias. Nos países do norte da Europa, com a excepção da Holanda e da Dinamarca (que se diferencia dos restantes países da sua área geográfica em todas as perspectivas alternativas de análise) que recorrem preferencialmente a instituições bancárias, recorre-se a fontes de financiamento diversificada, tendo as instituições bancárias uma posição bastante diminuta. È interessante ver a estrutura das fontes de financiamento no Reino Unido, pois estas assemelham-se um pouco com a estrutura norte-americana, no sentido de serem o único país que recorre, com um peso relativo, aos Fundos de pensão. Entendemos ser esta uma possível razão pela qual o Reino Unido está tão avançado relativamente aos restantes países europeus. Comportamento do Capital de Risco no século XXI Numa perspectiva mais recente, podemos afirmar que os Estados Unidos continuam a ser inequivocamente os líderes em Capital de Risco. 2

19 De acordo com dados da National Venture Capital Association, verificamos que os Estados Unidos detêm cerca de 70% do total de Capital de Risco mundial.! "# $% % % &&# Ainda comparando os Estados Unidos com outros países, verificamos que exceptuando Israel, dominam nos principais sectores: Comunicações, tecnologias de informação e Biotecnologia. 3

20 ' ( ) * +, ---. $% % % &&# O Capital de Risco nos Estados Unidos permitiu ainda o seguinte 10 : Empregar mais de 10 milhões de pessoas e gerar $1.8 triliões de vendas em Taxa de criação de emprego entre 2000 e 2003 foi de 6.5% (a média total nacional era de -2.3%) Entre 1970 e 2003 a indústria de CR investiu $338.5 biliões em cerca de empresas. Total de vendas das empresas associadas a Capitais de Risco foi de 11.6% entre 2000 e 2003, contra um crescimento total de 6.5%., 5 :$ * "! & C< 666))) 4

21 Crescimento dos salários pagos nas empresas associadas a CR foi de 12% contra 11% a nível nacional. Todos estes dados vêm reforçar a tese de que o CR foi fundamental na solidificação da economia Norte-americana e na capacidade de os manter como país dominante no cenário mundial e líder em áreas decisivas a nível tecnológico (biotecnologia, tecnologias de informação, entre outras). A nível europeu, verifica-se a existência de um líder (Reino Unido), mas assiste-se a um crescente interesse e consequente investimento nos restantes países. De acordo com um estudo elaborado pela Nottingham University Business School (NUBS) 11, realizado em Janeiro e Março de 2002 vários dados podem ser retirados: 1. Investimento realizado só foi possível graças às CR: 2. Cerca de novos postos de trabalho foram criados nas empresas que responderam a este estudo. 3. As empresas apoiadas por CR disseram que a maior parte dos fundos destinaram-se a I&D, pois defendem que é neste sector que poderão obter mais-valias no futuro. 4. A nível de exportações o crescimento tinha sido notório devido ao apoio de uma CR. % % % &&# 8 /* >) D 6 6 6)) )

22 Ainda a nível Europeu, assistiu-se entre 2002 e 2004 a um aumento do número de investimentos feitos, mas em contrapartida a uma diminuição dos desinvestimentos, algo negativo, tendo em conta que este é o principal objectivo de qualquer Sociedade Capital de Risco. No gráfico seguinte, podemos analisar a evolução entre 2002 e 2004:!""! "#$%&' " '$(&'#' )! %& * &* ' & & '' & ' 3!045 0 A nível do Reino Unido, país mais desenvolvido nesta matéria e consequentemente país onde há maior abundância de dados verificamos que o nível de investimentos continua a aumentar. /!) 0' 1 2

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio

Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio INTRODUÇÃO Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio Actuando na maioria das vezes na fase inicial de um projecto, a aproximação e a negociação com os B.A assumem por vezes contornos que

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

A Actividade de Capital de Risco

A Actividade de Capital de Risco E Private Equity Services A Actividade de Capital de Risco E em Portugal em 23 Abril 24 Sociedades de capital de risco mantêm ritmo de investimento em 23, e privilegiam novos projectos O investimento total

Leia mais

Tendências na Europa. Melhorias de desempenho a curto-prazo, evidenciam recuperação dos níveis de rendibilidade da indústria.

Tendências na Europa. Melhorias de desempenho a curto-prazo, evidenciam recuperação dos níveis de rendibilidade da indústria. Maio 25 Tendências na Europa O investimento europeu em private equity aumenta 5% em 24. De acordo com os dados preliminares divulgados pela EVCA (os finais serão conhecidos em Junho), o investimento total

Leia mais

QUEM SOMOS. O clube tem como objectivo apoiar projectos em todas as áreas de actividade, inclusive nas áreas mais tradicionais.

QUEM SOMOS. O clube tem como objectivo apoiar projectos em todas as áreas de actividade, inclusive nas áreas mais tradicionais. QUEM SOMOS O Business Angels Club de Lisboa é constituído por um grupo de pessoas ligadas há mais de 20 anos ao mundo empresarial e ao empreendedorismo com larga experiência no desenvolvimento e triagem

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

A mosca na sopa. PhotoDisc

A mosca na sopa. PhotoDisc A mosca na sopa O reduzido número de IPO continua a ser a mosca na sopa do capital de risco europeu. Não fosse o fraco volume de operações realizadas e a redução de fundos captados e o balanço da actividade

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011. Diogo Gaspar Ferreira

XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011. Diogo Gaspar Ferreira XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011 Diogo Gaspar Ferreira 1. PONTOS FRACOS E FORTES DO TURISMO RESIDENCIAL PORTUGUÊS 2. PLANO ESTRATÉGICO A

Leia mais

ENTREVISTA "Não se ganha com. a caça ao dividendo"

ENTREVISTA Não se ganha com. a caça ao dividendo ENTREVISTA "Não se ganha com a caça ao dividendo" JORGE BENTO FARINHA, VICE-PRESIDENTE DA PORTO BUSINESS SCHOOL Em Portugal não se ganha dinheiro com a caça ao dividendo Co-autor do livro "Dividendos e

Leia mais

candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos

candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos A candidatura é um processo de prospecção e avaliação de projectos inovadores e tem como objectivo promover a realização de investimentos através do

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio 1. V Semana Internacional A Semana Internacional é o evento mais carismático e que tem maior visibilidade externa organizado pela AIESEC Porto FEP, sendo

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO MECANISMO CAPITAL DE CAPITAL DE RISCO DE RISCO António Carvalho A Portugal Ventures InovCapital AICEP Capital Global Turismo Capital Clarificação de objectivos estratégicos e concentração de meios para

Leia mais

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015 Fundo Caixa Crescimento Junho de 2015 O que é o Capital de Risco Modalidades O Capital de Risco constitui uma forma de financiamento de longo prazo das empresas, realizado por investidores financeiros

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. Intermediários Financeiros O QUE SÃO INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS? Intermediários financeiros são as empresas prestadoras dos serviços que permitem aos investidores actuar

Leia mais

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL I. INTRODUÇÃO No âmbito dos compromissos assumidos pelo Governo em sede de Concertação Social, o Governo apresentou

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Condições do Franchising

Condições do Franchising Condições do Franchising ÍNDICE Introdução 1. Vantagens em entrar num negócio de franchising 2. O que nos distingue como sistema de franchising 2.1. vantagens para o franchisado face a outras redes 2.2.

Leia mais

Ponto da situação sobre a aposentação

Ponto da situação sobre a aposentação Ponto da situação sobre a aposentação Com a publicação da Lei nº 11/2008, de 20 de Fevereiro, são introduzidas mudanças pontuais ao regime de aposentação que já tinha sido alterado nos anos mais recentes.

Leia mais

As nossas acções Sonaecom

As nossas acções Sonaecom 3.0 As nossas acções Em 2009, as acções da Sonaecom registaram o segundo melhor desempenho do PSI-20, valorizando cerca de 92,2 %, o que constitui uma prova clara da nossa resiliência e um voto de confiança

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES Eng.ª Ana Paula Vitorino por ocasião da Sessão de Encerramento do Colóquio PORTO DE AVEIRO: ESTRATÉGIA E FUTURO, Ílhavo Museu Marítimo

Leia mais

Entrevista com BPN Imofundos. António Coutinho Rebelo. Presidente. www.bpnimofundos.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com BPN Imofundos. António Coutinho Rebelo. Presidente. www.bpnimofundos.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com BPN Imofundos António Coutinho Rebelo Presidente www.bpnimofundos.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Recomendações aos Investidores em Instrumentos Financeiros

Recomendações aos Investidores em Instrumentos Financeiros Recomendações aos Investidores em Instrumentos Financeiros Um investimento responsável exige que conheça todas as suas implicações. Certifique-se de que conhece essas implicações e que está disposto a

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011

Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011 Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011 SUMÁRIO 1.OS CINCO PONTOS DE CONSENSO E TRÊS CENÁRIOS APRESENTADOS A SEGUIR FORAM NEGOCIADOS APÓS

Leia mais

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Working Draft Last Modified 30/01/2007 18:09:06 GMT Standard Time O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Conferência Mercado Laboral: A responsabilidade social das empresas em tempo de crise OJE

Leia mais

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 4º PAINEL: AS NOVAS FORMAS DE FINANCIAMENTO DA ECONOMIA - CONCLUSÕES - A CIP reconhece que a nossa economia atingiu um nível de alavancagem excessivo que

Leia mais

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NA DINAMIZAÇÃO DA ACTIVIDADE EMPRESARIAL 1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os interesses das empresas junto do poder

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

A procura dos cursos da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril triplicou

A procura dos cursos da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril triplicou Pág: 12 Área: 18,37 x 22,86 cm² Corte: 1 de 5 Entrevista ALEXANDRA PEREIRA Directora da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril A procura dos cursos da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril triplicou

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

O financiamento das empresas portuguesas

O financiamento das empresas portuguesas O financiamento das empresas portuguesas 1. Um dos efeitos colaterais da crise financeira ainda em curso foi o aumento da relevância do financiamento das empresas pelo mercado em detrimento do crédito

Leia mais

A NACIONALIZAÇÃO DO AMBIENTE. João de Quinhones Levy 1

A NACIONALIZAÇÃO DO AMBIENTE. João de Quinhones Levy 1 A NACIONALIZAÇÃO DO AMBIENTE João de Quinhones Levy 1 Diariamente temos tomado conhecimento da constituição de novas empresas da holding IPE na Área do Ambiente, ou através do IPE Águas de Portugal, ou

Leia mais

. VALORES MOBILIÁRIOS

. VALORES MOBILIÁRIOS . VALORES 2.. V MOBILIÁRIOS 2. Valores Mobiliários O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS E A EXPERIÊNCIA DOS INVESTIDORES DETERMINAM O MODO COMO SÃO TRATADOS PELOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

indiferenca.com Índice Empresa Pág. 3 Valores Pág. 3 Mercado Pág. 4 Serviços Pág. 4 Marcas Pág. 6 Protocolo Pág. 7 Vantagens

indiferenca.com Índice Empresa Pág. 3 Valores Pág. 3 Mercado Pág. 4 Serviços Pág. 4 Marcas Pág. 6 Protocolo Pág. 7 Vantagens Página2 Índice Empresa Valores Mercado Serviços Marcas Protocolo Vantagens a. Alunos / Docentes / Funcionários Contrapartidas Pág. 3 Pág. 3 Pág. 4 Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 7 Pág. 8 Pág. 8 4440-650 Valongo

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Regulamento do Concurso Preâmbulo Considerando que, constituem objectivos do CRÉDITO AGRÍCOLA, enquanto Entidade Promotora: - Promover iniciativas empresariais inovadoras e conciliadoras com sinergias

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Geografia A * Análise de Notícias Natureza das notícias: socio-económica Localização temporal: actualidade Localização espacial: Europa Jornal: Expresso Data de edição:

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

Exemplos de Boas Práticas de RSE

Exemplos de Boas Práticas de RSE Exemplos de Boas Práticas de RSE 7.4. Pritchard Englefield Filme sobre a RSE na comunidade Resumo A empresa Pritchard Englefield foi fundada em 1848. Está sediada na City de Londres (Grã-Bretanha). A Pritchard

Leia mais

Financiamento às Empresas Portuguesas Visão de uma capital de risco. 14 de Novembro de 2014

Financiamento às Empresas Portuguesas Visão de uma capital de risco. 14 de Novembro de 2014 Financiamento às Empresas Portuguesas Visão de uma capital de risco 14 de Novembro de 2014 Gestão Independente A 2bpartner é uma sociedade gestora de fundos de venture capital, independente, constituída

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional - A ligação entre os Fundos de Pensões e o 1 Os Fundos de Pensões em Portugal Início em 1987 Fundos de Pensões

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira O Plano e o Orçamento constituem documentos de grande importância para a economia

Leia mais

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI)

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Nº 03 / SAFPRI / 2009 SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) CONSTITUIÇÃO OU REFORÇO DE FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO (FCR) PROJECTOS FASE

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO EVENTO

RELATÓRIO FINAL DO EVENTO RELATÓRIO FINAL DO EVENTO Outubro 2010 1. INTRODUÇÃO Uma vez terminado o evento Start Me Up Alto Minho, apresentam-se de seguida um conjunto de elementos que, em jeito de conclusão, se revelam oportunos

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Comemoração dos 30 Anos APAF Análise Financeira: alicerce do mercado de capitais e do crescimento económico Intervenção de boas vindas

Comemoração dos 30 Anos APAF Análise Financeira: alicerce do mercado de capitais e do crescimento económico Intervenção de boas vindas Comemoração dos 30 Anos APAF Análise Financeira: alicerce do mercado de capitais e do crescimento económico Intervenção de boas vindas Exm.ªs Senhoras, Exm.ºs Senhores É com prazer que, em meu nome e em

Leia mais

Sumário Executivo As principais características da estrutura accionista das sociedades de direito nacional cotadas na Euronext Lisbon mantiveram-se inalteradas em 2010 face ao ano anterior, ainda que denotando

Leia mais

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Better regulation do sector financeiro Relatório da Consulta Pública do CNSF n.º 1/2007 1 CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS RELATÓRIO DA CONSULTA

Leia mais

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009 2009 BIAC Business Roundtable Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation 21 de Maio de 2009 Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

GOVERNO UTILIZA EMPRESAS PUBLICAS PARA REDUZIR O DÉFICE ORÇAMENTAL, ENDIVIDANDO-AS E ARRASTANDO-AS PARA A SITUAÇÃO DE FALENCIA TÉCNICA

GOVERNO UTILIZA EMPRESAS PUBLICAS PARA REDUZIR O DÉFICE ORÇAMENTAL, ENDIVIDANDO-AS E ARRASTANDO-AS PARA A SITUAÇÃO DE FALENCIA TÉCNICA GOVERNO UTILIZA EMPRESAS PUBLICAS PARA REDUZIR O DÉFICE ORÇAMENTAL, ENDIVIDANDO-AS E ARRASTANDO-AS PARA A SITUAÇÃO DE FALENCIA TÉCNICA RESUMO DESTE ESTUDO Os principais jornais diários portugueses divulgaram

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

MLM Master in Law and Management

MLM Master in Law and Management MLM Master in Law and Management diploma CONJUNTO novaforum.pt MLM Master in Law and Management Os participantes que completem com aproveitamento a componente lectiva do Programa receberão um Diploma de

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Recomendação de Bruxelas, 16.10.2009 COM(2009) 570 final 2009/0158 (CNB) DECISÃO DO CONSELHO sobre o parecer a adoptar pela Comunidade Europeia relativamente

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais