COLETÂNEA DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COLETÂNEA DE ARTIGOS CIENTÍFICOS"

Transcrição

1 Organizadores: Cintia Saba Fonseca Janete de Paiva Borges Jaqueline da Silva José Terezinha Rosa Xavier Vera Maria França e Leite Eboli COLETÂNEA DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Rio de Janeiro INSTITUTO DE PSICOLOGIA DA AERONÁUTICA 2007

2 Publicado por: Instituto de Psicologia da Aeronáutica (IPA) Copyright 2007 Instituto de Psicologia da Aeronáutica Créditos Capa: Projeto gráfico e diagramação: Revisão: Caio Basilio Guido da Silva Godinho Ana Maria Andrade Araujo Heloisa Cardoso de Castro C699 Coletânea de artigos científicos / org. por Janete de Paiva Borges [et. al.]. - ed. comemorativa. - Rio de Janeiro: IPA; Sumaúma Ed. e Gráfica, p.: il. ISBN 1. Psicologia da Aviação. I. Borges, Janete de Paiva. II. Fonseca, Cíntia Saba. III. José, Jaqueline da Silva. IV. Xavier, Terezinha Rosa. V. Eboli, Vera Maria França e Leite. VI. Instituto de Psicologia da Aeronáutica. CDU : Todos os direitos reservados ao Instituto de Psicologia da Aeronáutica (IPA) Instituto de Psicologia da Aeronáutica Av. Marechal Câmara, 233, 8º andar - Centro - Rio de Janeiro CEP Tel (21) / Nenhuma parte deste material poderá ser reproduzida, armazenada ou transmitida de qualquer forma ou por quaisquer meios, eletrônico, mecânico, fotocópia ou gravação, sem autorização do IPA e dos autores.

3 COLETÂNEA DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Realização do Instituto de Psicologia da Aeronáutica Diretor: Roberto Basilio - Coronel Aviador

4

5 Sumário APRESENTAÇÃO... 7 A BATERIA DE PROVAS DE RACIOCÍNIO (BPR-5) NO EXAME DE APTIDÃO PSICOLÓGICA PARA O INGRESSO NA EPCAR: UM ESTUDO DA REDUÇÃO DO SEU TEMPO DE APLICAÇÃO A INCIDÊNCIA DO ASPECTO PSICOLÓGICO NOS ACIDENTES OCORRIDOS NA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA NO PERÍODO DE 1997 A ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO PÓS-ACIDENTE CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA À SEGURANÇA DE VÔO ERGONOMIA APLICADA À INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS INVENTÁRIO FATORIAL DE PERSONALIDADE EM SELEÇÃO DE PESSOAL: UM ESTUDO DA ESCALA DE DESEJABILIDADE SOCIAL INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS: ATUAÇÃO DOS PSICÓLOGOS NO BRASIL ORIENTAÇÃO VOCACIONAL: UMA SAÍDA PARA A ESCOLHA PROFISSIONAL PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE FAMILIARES DE MILITARES EM MISSÃO NO EXTERIOR VISTORIA DE SEGURANÇA EM AMBIENTE AERONÁUTICO: UM ENFOQUE ERGONÔMICO DA PSICOLOGIA EQUIPE DE AUTORIA E ORGANIZAÇÃO

6

7 Coletânea de Artigos Científicos - 7 Apresentação Este livro reúne uma série de artigos científicos elaborados por psicólogos do Instituto de Psicologia da Aeronáutica (IPA), com base em trabalhos e pesquisas desenvolvidas por estes profissionais com o objetivo de contribuir para o emprego da Psicologia em prol do homem e, mais especificamente, daquele indivíduo que se dedica às atividades aéreas, quer sejam militares ou civis. Nos artigos referentes à área de segurança de vôo, os autores buscam trazer novos conhecimentos e experiências na investigação e prevenção de acidentes aeronáuticos e consolidam a fundamentação ergonômica no desenvolvimento de práticas seguras na atividade aérea. Dos trabalhos aqui registrados, muitos foram apresentados em eventos, como simpósios, congressos e conferências internacionais de relevância para o desenvolvimento da Psicologia da Aviação, sobretudo no que tange à avaliação de problemas atuais e potenciais relacionados ao Fator Humano, divulgando as últimas descobertas voltadas para a solução de aspectos críticos. A participação em eventos internacionais e a publicação dos trabalhos refletem a dedicação e a reconhecida presença deste Instituto na segurança de vôo, ao longo de mais de vinte anos de atuação continuada nas atividades de prevenção de acidentes aeronáuticos. Possibilitam, ao mesmo tempo, a troca de experiências nos fóruns de debates que permitem agregar conhecimentos sobre a aplicação de resultados de pesquisas científicas.

8 8 - Instituto de Psicologia da Aeronáutica Nesta edição, são relatadas, também, contribuições em outras áreas de atividade do IPA que, direta ou indiretamente, colaboram para a conquista da saúde e segurança no trabalho e da qualidade de vida do indivíduo. Dois artigos fazem referência aos Exames de Aptidão Psicológica e ressaltam a importância do desenvolvimento de instrumentos de avaliação psicológica específicos para o contexto de seleção do Comando da Aeronáutica. Há um artigo focalizando o Programa de Adaptação a Missões no Exterior, experiência que surgiu a partir da identificação de dificuldades de ajustamento a novas situações. Este Programa, que integra as atividades de preparação de militares designados para missões no exterior, tem por finalidade facilitar a adaptação ao processo migratório das esposas e outros familiares desses militares e, assim, favorecer o melhor cumprimento das mesmas. Vale, além disso, ressaltar um trabalho que vem sendo realizado pelo IPA há aproximadamente trinta anos, com o intuito de auxiliar os dependentes de militares e civis da Força Aérea Brasileira, na realização de uma escolha profissional mais consciente: trata-se do Programa de Orientação Vocacional. Iniciado no âmbito do Rio de Janeiro foi, posteriormente, estendido à Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR) e tem por objetivo promover a discussão e a reflexão a respeito dos diferentes fatores que interferem na escolha profissional, incentivando a busca de informação sobre a profissão e o mercado de trabalho, o que levará a uma decisão com maior segurança e autonomia por parte do orientando.

9 Coletânea de Artigos Científicos - 9 A publicação deste livro vem marcar, com orgulho, a comemoração do 40º aniversário do Instituto de Psicologia da Aeronáutica, criado em 1967 como Serviço de Seleção e Orientação (SESO) do Ministério da Aeronáutica. No decorrer desses anos, ampliou consideravelmente seu campo de atuação, abrangendo as mais diversas áreas da Psicologia, constituindo-se no órgão central do Sistema de Psicologia da Aeronáutica (SISPA) e contribuindo, cada vez mais, para o desenvolvimento da Psicologia da Aviação no Brasil. Vera Maria França e Leite Eboli

10

11 Coletânea de Artigos Científicos - 11 A Bateria de Provas de Raciocínio (BPR-5) no Exame de Aptidão Psicológica para o Ingresso na EPCAR: um estudo da redução do seu tempo de aplicação Thatiana da C. Lourenço Resumo Os elevados desempenhos recorrentemente obtidos na Bateria de Provas de Raciocínio (BPR-5) pelos candidatos ao ingresso na Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR) resultaram na decisão de se promover uma redução no tempo de aplicação da mesma. O objetivo do presente estudo foi analisar se este procedimento possibilitou uma melhor discriminação do desempenho dos candidatos avaliados. A população consistiu em 357 candidatos ao 1º ano do curso. A análise das curvas de freqüência dos escores brutos indicou que a maioria dos candidatos continuou apresentando resultados acima da média, especialmente nos raciocínios espacial e numérico, a despeito da redução do tempo de aplicação. Evidenciou-se, portanto, a importância do desenvolvimento de instrumentos específicos para os Exames de Aptidão Psicológica do Comando da Aeronáutica.

12 12 - Instituto de Psicologia da Aeronáutica Abstract The high achievements frequently obtained in the Battery of Reasoning Tests (BPR-5) for candidates to the Preparatory School of Cadets of the Air (EPCAR) resulted in the decision of promoting a reduction in the time of application of that. The objective of the present study was to analyze if this procedure made possible a better discrimination of appraised candidates achievements. The population consisted of 357 candidates to the 1st year of the course. The analysis of the curves of frequency of the raw scores indicated that most of candidates continued presenting results above the average, especially in the space and numeric reasonings, in spite of the reduction of the time of application. It was evidenced, therefore, the importance of the development of specific instruments for the Exams of Psychological Aptitude of the Command of the Aeronautics. Introdução O Exame de Aptidão Psicológica, realizado pelo IPA, para os candidatos a ingresso nas mais diversas organizações do Comando da Aeronáutica, abarca o uso de técnicas como entrevistas, dinâmicas de grupo, bem como a utilização de testes psicológicos. A análise cuidadosa de todos os dados fornecidos pelos mesmos, fundamentada no perfil psicológico da função militar à qual se candidatam, resulta em um parecer final de indicação ou contra-indicação ao ingresso do candidato. A Bateria de Provas de Raciocínio (BPR-5) é um dos instrumentos utilizados nos Exames de Aptidão Psicológica para o ingresso na Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR) e tem como propósito avaliar as habilidades cognitivas do indivíduo, sendo, dessa forma, composta por

13 Coletânea de Artigos Científicos - 13 cinco provas: Raciocínio Abstrato (RA), Raciocínio Verbal (RV), Raciocínio Mecânico (RM), Raciocínio Espacial (RE) e Raciocínio Numérico (RN). Os resultados obtidos em cada uma das provas são convertidos em percentis, estabelecendo, assim, as normas para essa população específica. O ponto de corte, ou seja, o parâmetro de desempenho insatisfatório é expresso por resultados menores ou iguais ao percentil 20 da amostra. Durante os vários Exames de Aptidão Psicológica para o ingresso na EPCAR em que houve a aplicação da BPR-5 ficou evidenciado o elevado desempenho da maioria dos candidatos em suas provas de raciocínio. Isso implicava o estabelecimento de um ponto de corte de valor elevado demais para ser adotado como parâmetro de desempenho insatisfatório. Diante, portanto, da dificuldade de obter uma melhor discriminação dos candidatos em termos de suas capacidades de raciocínio avaliadas por esta bateria, optou-se por promover uma redução do tempo de aplicação de cada uma de suas provas no Exame de Aptidão Psicológica para o ingresso no 1º ano do Curso Preparatório de Cadetes do Ar (CPCAR). Vale destacar que foi feito um estudo prévio, por ocasião da realização do Programa de Intercâmbio de 2005, com 136 alunos do 3º ano da EPCAR. Neste estudo, foi solicitado aos mesmos que anotassem o tempo que levaram para finalizar cada uma das provas de raciocínio. Os resultados obtidos indicaram que os alunos gastavam cerca de dois a três minutos a menos para concluir cada prova. Atentando para a necessidade de não ser divergente com os procedimentos e estudos referendados pelo manual da bateria, decidiuse aplicar os tempos estipulados em um estudo de padronização, constante no manual, realizado em Portugal. Os limites estabelecidos foram: RA: 5 min; RV: 4 min; RE: 8 min; RN: 9 min e RM: 7 min.

14 14 - Instituto de Psicologia da Aeronáutica O objetivo do presente estudo foi verificar se esta redução no tempo de aplicação das provas poderia permitir uma melhor discriminação do desempenho dos candidatos avaliados. Para isto, este estudo se propõe a analisar as curvas de freqüência dos escores brutos por eles obtidos em cada uma das provas de raciocínio da bateria. 1. Método 1.1 Participantes Participaram do estudo 357 candidatos ao 1º ano do CPCAR (Curso Preparatório de Cadetes do Ar) de Todos eram do sexo masculino e com idade variando entre 14 e 17 anos. A escolaridade compreendeu o ensino fundamental completo e o ensino médio incompleto e completo. 1.2 Instrumento BPR-5 Bateria de Provas de Raciocínio Consiste em uma bateria multidimensional que se propõe a avaliar habilidades cognitivas oferecendo estimativas, tanto do funcionamento cognitivo geral, quanto das forças e fraquezas, em cinco áreas mais específicas: raciocínio abstrato, verbal, espacial, numérico e mecânico (ALMEIDA; PRIMI, 2000). Foi utilizada a Forma B da bateria, indicada para alunos do 1º ao 3º ano do ensino médio. Segue uma descrição das provas que a compõem. Prova de Raciocínio Abstrato (RA) Indica a capacidade de estabelecer relações abstratas em situações novas para as quais se possui pouco conhecimento previamente aprendido.

15 Coletânea de Artigos Científicos - 15 O tempo limite no estudo de Portugal foi de 5 min e o previsto para o Brasil é de 12 min. Prova de Raciocínio Verbal (RV) Indica a extensão do vocabulário e a capacidade de estabelecer relações abstratas entre conceitos verbais. O tempo limite no estudo de Portugal foi de 4 min e o previsto para o Brasil é de 10 min. Prova de Raciocínio Espacial (RE) Indica a capacidade de visualização, isto é, formar representações mentais e manipulá-las transformando-as em novas representações. O tempo limite no estudo de Portugal foi de 8 min e o previsto para o Brasil é de 18 min. Prova de Raciocínio Numérico (RN) Indica a capacidade de raciocinar indutiva e dedutivamente com símbolos numéricos em problemas quantitativos e o conhecimento de operações aritméticas. O tempo limite no estudo de Portugal foi de 9 min e o previsto para o Brasil é de 18 min. Prova de Raciocínio Mecânico (RM) Avalia o conhecimento prático de mecânica e física. O tempo limite no estudo de Portugal foi de 7 min e o previsto para o Brasil é de 15 min. 1.3 Procedimentos A bateria de testes BPR-5 foi aplicada coletivamente no contexto do Exame de Aptidão Psicológica para a seleção de candidatos ao 1º ano do CPCAR, em uma única sessão, sem intervalos. Os grupos foram compostos por uma quantidade variável de candidatos totalizando o

16 16 - Instituto de Psicologia da Aeronáutica número da população deste estudo (N = 357). O tempo de aplicação das provas foi o mesmo adotado em um estudo, constante no manual da bateria, realizado em Portugal: RA: 5 min; RV: 4 min; RE: 8 min; RN: 9 min e RM: 7 min. 1.4 Análise dos dados Foram calculadas estatísticas descritivas para caracterizar o comportamento das curvas de desempenho nas provas de raciocínio estudadas. 2. Resultados Os resultados encontrados são descritos utilizando-se tanto uma tabela com os cálculos estatísticos realizados (Tabela 1), quanto a observação das curvas de freqüência dos escores brutos obtidos em cada uma das provas (Quadro 1). Tabela 1 Estatísticas descritivas da BPR-5 para os escores brutos Legenda: RA: Raciocínio Abstrato; RV: Raciocínio Verbal; RM: Raciocínio Mecânico; RE: Raciocínio Espacial; e RN: Raciocínio Numérico.

17 Coletânea de Artigos Científicos - 17 De acordo com a Tabela 1, os valores da moda, que caracterizam os escores brutos mais freqüentemente obtidos, mostraram-se elevados considerando o número de itens que compõem cada prova: raciocínios abstrato, verbal e mecânico = 25 itens; e raciocínios espacial e numérico = 20 itens. Isso foi especialmente evidente nas provas de raciocínio espacial e numérico, nas quais os valores ficaram muito próximos do aproveitamento máximo: moda do RE = 19 para 20 itens e moda do RN = 18 para 20 itens. Destaca-se a moda de menor valor (Mo = 17) para a prova de raciocínio mecânico que tem 25 itens. De acordo com a classificação do manual da bateria para os dados de padronização portuguesa, as médias dos escores brutos das provas indicam desempenho de superior a muito superior em todas. Os coeficientes de assimetria de Pearson foram todos negativos, o que indica que a maioria dos candidatos apresentou desempenho acima da média em todos os raciocínios avaliados. Nota-se que os valores mais altos de assimetria foram encontrados nas provas de raciocínio espacial (-0,684) e de raciocínio numérico (-0,382). As medidas de curtose (Tabela 1), que indicam o grau de achatamento da curva de freqüência comparando-o com uma distribuição normal padrão, mostraram-se positivas para a maioria das provas. Isso indica que suas curvas de freqüência possuem uma configuração mais afilada (leptocúrtica) em que os resultados concentram-se ao redor da média. Esse dado pode ser melhor observado nas curvas de freqüência dos escores obtidos com o tempo de aplicação reduzido, constantes no Quadro 1. As provas de raciocínio abstrato e mecânico obtiveram medidas de curtose negativa, revelando possuírem uma distribuição mais achatada

18 18 - Instituto de Psicologia da Aeronáutica (platicúrtica) do que a que corresponderia a uma curva normal padrão (Vide Quadro 1 ). Quadro 1 Curvas de freqüência dos escores obtidos com o tempo de aplicação reduzido para cada prova de raciocínio

19 Coletânea de Artigos Científicos Discussão Os candidatos que prestam concurso para ingresso no Comando da Aeronáutica mostram-se cada vez mais bem formados, tendo, muitas vezes, realizado vários cursos preparatórios e prestado o concurso mais de uma vez. Pode-se supor que muitos se informem previamente acerca dos testes psicológicos que executarão ou mesmo que seus resultados sejam superiores porque os melhores buscariam ingressar em uma organização de renome como a FAB. Os resultados deste estudo indicaram que o desempenho nas provas da bateria, mesmo com a redução do tempo de aplicação, foi bastante elevado principalmente nas de raciocínio espacial e numérico, nas quais muitos quase conseguiram gabaritar. Considerando que a população estudada é constituída por candidatos a uma formação voltada para o

20 20 - Instituto de Psicologia da Aeronáutica exercício da aviação, deve-se também cogitar a possibilidade de que a escolha deste caminho profissional tenha como uma de suas motivações a percepção de um talento especial em áreas que exijam um bom raciocínio espacial e numérico. As provas de raciocínio abstrato e de raciocínio mecânico foram as que obtiveram distribuição um pouco melhor em suas curvas de freqüência mas, ainda assim, mostraram coeficientes de assimetria negativos indicando concentração de resultados acima da média. 4. Conclusão Este estudo mostrou que, mesmo com a redução do tempo de aplicação, os resultados obtidos nas provas de raciocínio mostraram-se bastante superiores, em especial nas provas de raciocínio espacial e numérico. Nesse sentido, a presente pesquisa reforça a necessidade do desenvolvimento de instrumentos psicológicos que atendam às especificidades da população a qual o IPA avalia, de maneira a permitir uma qualidade superior na aferição do seu desempenho. No intuito de obter, de maneira científica, dados que corroborem mais acuradamente que este desempenho está relacionado a uma melhor adaptação à escola de formação e/ou ao sucesso em sua atuação como profissional militar, faz-se necessário a realização de estudos de validade dos processos seletivos que são realizados, o que deve representar um esforço conjunto do IPA com as escolas de formação para as quais os candidatos são selecionados. Este constitui um grande desafio da Psicologia hoje, no âmbito do COMAER. Referências ALMEIDA, L. S.; PRIMI, R. Bateria de Provas de Raciocínio BPR-5. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.

21 Coletânea de Artigos Científicos - 21 A Incidência do Aspecto Psicológico nos Acidentes Ocorridos na Aviação Civil Brasileira no Período de 1997 a Márcia Regina Molinari Barreto Cintia Saba Fonseca Resumo Este artigo apresenta os resultados da pesquisa desenvolvida pelo Instituto de Psicologia da Aeronáutica, sobre a incidência do aspecto psicológico em acidentes aeronáuticos, na aviação civil brasileira, no período compreendido entre 1997 e Objetivou identificar áreas críticas e propor medidas que possibilitem seu controle. As ações propostas abordam medidas que irão favorecer o desenvolvimento de atitudes e comportamentos para a consolidação de uma cultura de segurança de vôo nas organizações. O estudo preenche uma grande lacuna, possibilitando a fundamentação das atividades preventivas em dados que reflitam a realidade brasileira. A abordagem ergonômica que considera o acidente como uma ruptura no equilíbrio dos condicionantes individuais, psicossociais e organizacionais da relação homem tarefa - máquina foi utilizada como suporte para o agrupamento e análise dos dados e identificação de áreas vulneráveis. Os dados levantados destacaram a 1 Trabalho apresentado e publicado no 14º Simpósio Internacional de Psicologia da Aviação Wright State University, Dayton, EUA, 2007.

22 22 - Instituto de Psicologia da Aeronáutica atitude e o processo decisório como as áreas mais críticas do aspecto psicológico para a ocorrência de acidentes. A partir da análise efetuada pode-se observar que essas áreas estão interligadas e influenciam diretamente a atividade de pilotagem em termos de planejamento de vôo e capacidade de julgamento do piloto, comprometendo assim a operação segura da aeronave. Abstract The research on the incidence of psychological aspects of human factors in aircraft accidents was developed by the Aeronautical Institute of Psychology, aimed the identification of critical areas and the proposition of controlling actions. The proposed actions approach ways to favour the development of attitudes and behaviours, aiming the consolidation of a safety culture in the organizations. This work fills a great gap by making it possible to base the preventive activities on data that reflect the Brazilian reality. The ergonomic approach, which considers the accident as a breakdown on the balance among individual, psychosocial and organizational conditionings of the man-task-machine relationship, was used as support to group and analyse the data and identify critical areas. The data raised in this research detaches the attitude and the decision making process as the most critical areas of the psychological aspects in the occurence of the accidents. It can be observed that these areas are linked and directly influence the flying activity in terms of the planning of the flight and capacity of judgement of the pilot, compromising, in this way, the safe operation of the aircraft.

23 Coletânea de Artigos Científicos - 23 Introdução O maior desafio da aviação tem sido evitar o erro humano e controlar sua incidência. Mesmo diante do progresso tecnológico e de elevados recursos destinados à segurança, que fizeram declinar os índices de acidentes na aviação brasileira, igualando-os aos dos países considerados mais avançados no cenário aeronáutico mundial, ainda assim os acidentes ocorrem, trazendo incalculáveis prejuízos em termos materiais, financeiros e de vidas humanas. A atividade aérea se desenvolve em um complexo sistema sócio técnico no qual o ser humano, por suas características de criatividade e adaptabilidade, ocupa lugar de destaque na operação de aeronaves, elaboração de projetos, fabricação e manutenção de equipamentos e gestão do sistema. Contudo, a existência de limitações biológicas, psicológicas e sociais faz parte da natureza humana, podendo afetar negativamente o desempenho das pessoas e invalidar os mais sofisticados métodos e dispositivos de prevenção de acidentes. Estudos na área de Fator Humano revelam que o envolvimento estimado do erro humano nos colapsos ocorridos em sistemas tecnológicos que apresentam risco em sua operação aviação, sala de controle e usinas nucleares aumentou quatro vezes no período compreendido entre os anos 60 e 90, passando de 20% para 80% (REASON et al., 1995). Estatísticas mundiais revelam que as tripulações técnicas são citadas com mais freqüência do que as falhas materiais. Pesquisas nessa área indicam que 70% a 80% dos acidentes aeronáuticos podem ser atribuídos, pelo menos em parte, ao erro humano (SHAPPELL; WIEGMANN, 1996). Os dados apresentados evidenciam a necessidade de se obter maior compreensão sobre as capacidades e restrições humanas e de se aplicar e difundir esse conhecimento mais amplamente, a fim de que seja possível reduzir a influência do erro humano na ocorrência dos acidentes.

24 24 - Instituto de Psicologia da Aeronáutica A pesquisa desenvolvida pelo Instituto de Psicologia da Aeronáutica sobre a incidência do aspecto psicológico na ocorrência de acidentes aeronáuticos, na aviação civil, no período de 1997 a 2002, é a continuidade de um trabalho anterior que estudou o mesmo segmento, no período de 1992 a 1996, e tem por objetivo identificar as áreas críticas e propor medidas que possibilitem seu controle. Nessa pesquisa, o estudo do aspecto psicológico fundamenta-se no entendimento do desempenho humano como resultante de uma série de fatores: internos e próprios do homem; e externos, situacionais, que condicionam o resultado de seu desempenho. Para tal, foi utilizado o enfoque ergonômico como base teórica para o levantamento e análise dos dados por conceber o acidente como uma ruptura no equilíbrio dos condicionantes individuais, psicossociais e organizacionais da relação homem-tarefa-máquina. 1. Metodologia Os dados analisados referem-se a acidentes ocorridos na aviação civil, no período de 1997 a 2002, nos quais o aspecto psicológico foi contribuinte. A Tabela 1 apresenta informações obtidas junto ao Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), órgão do Comando da Aeronáutica responsável por gerenciar o Sistema de Prevenção e Investigação da Aeronáutica (SIPAER) no Brasil, sobre o quantitativo de acidentes ocorridos no período e a contribuição do aspecto psicológico. Tabela 1 Contribuição do aspecto psicológico no período de 1997 a 2002 Tipo de Aviação Total de Acidentes Aspecto Psicológico Civil

25 Coletânea de Artigos Científicos - 25 A amostra de acidentes analisados foi constituída por 151 (82,0%) acidentes ocorridos na aviação civil nos quais houve contribuição do aspecto psicológico. Os condicionantes do aspecto psicológico que contribuíram para os acidentes ocorridos no período foram extraídos dos relatórios finais confeccionados pelo CENIPA. Foram estabelecidas a freqüência e a porcentagem de cada atributo/condicionante em relação ao total de acidentes/respostas, conforme ilustrado na Tabela 2. Tabela 2 Condicionantes do aspecto psicológico nos acidentes no período de 1997 a 2002 Condicionantes F % Individuais ,8 Psicossociais 49 8,4 Organizacionais 69 11,8 Total de respostas ,0 Tendo em vista o grande número de dados extraídos, optou-se por agrupá-los nas áreas: do condicionante individual (atitude, processo decisório, estado emocional, atenção, motivação, experiência profissional, personalidade, percepção, memória e resposta motora); do condicionante psicossocial (relacionamento no ambiente de trabalho, dinâmica da tripulação, situações fora do ambiente de trabalho, comunicação); e

26 26 - Instituto de Psicologia da Aeronáutica do condicionante organizacional (ambiente organizacional e sistema de apoio). As freqüências e porcentagens das áreas foram calculadas tomandose por base o total de respostas em cada condicionante do aspecto psicológico. Objetivando uma maior compreensão das áreas identificadas, fezse necessário subdividi-las em atributos. Deste modo, foram também calculadas a freqüência e porcentagem de cada atributo em sua respectiva área. Dos acidentes analisados, foram ainda levantadas a freqüência e porcentagem dos fatores operacionais contribuintes, a fim de identificar possíveis relações entre estes fatores e os psicológicos. 2. Apresentação dos dados De acordo com os dados levantados, pode-se verificar que a contribuição do aspecto psicológico para a ocorrência de acidentes concentrou-se principalmente em cinco áreas, distribuídas em seus respectivos condicionantes. Do condicionante individual, destacaram-se as áreas de atitude e processo decisório; do condicionante psicossocial, relacionamento no ambiente de trabalho e dinâmica da tripulação e pertencente ao condicionante organizacional, as áreas de ambiente organizacional e sistemas de apoio (Tabela 3).

27 Coletânea de Artigos Científicos - 27 Tabela 3 Áreas do aspecto psicológico que contribuíram para ocorrência de acidentes no período de 1997 a 2002

28 28 - Instituto de Psicologia da Aeronáutica Com relação à área de atitude, observou-se que o excesso de autoconfiança foi o atributo que mais contribuiu para a ocorrência de acidentes no período analisado (35,5%), seguido por complacência (22,0%) e descaso com operações e procedimentos (21,5%). Quanto à área do processo decisório, os atributos tomada de decisão errada (62,3%) e julgamento deficiente (26,0%) foram os que apresentaram maior incidência. Na área de relacionamento no ambiente de trabalho, a pressão do empregador/superior (50,0%) e cultura do grupo de trabalho (15,0%) foram os atributos de maior contribuição. Já a deficiente integração da tripulação (57,9%) foi o de maior relevância na área de dinâmica da tripulação. Por último, observou-se que cultura organizacional pouco desenvolvida (68,3%) foi o atributo da área organizacional que mais significativamente contribuiu para a ocorrência de acidentes na aviação civil. Com relação ao fator operacional, julgamento (15,7%), planejamento (14,0%) e supervisão (13,2%) deficientes foram os aspectos de maior incidência no período referido (Tabela 4).

29 Coletânea de Artigos Científicos - 29 Tabela 4 Contribuição do aspecto operacional nos acidentes aeronáuticos no período de 1997 a Análise dos resultados No período analisado destacou-se a grande incidência do contribuinte individual em comparação com os condicionantes psicossociais e organizacionais, o que, à primeira vista, evidencia uma contribuição pouco expressiva destes aspectos para a ocorrência dos

30 30 - Instituto de Psicologia da Aeronáutica acidentes. No entanto, considerando as teorias mais atuais sobre causalidade de acidentes, pode-se verificar que esta primeira impressão não se confirma. Reason et al. (1995) classificam como falhas ativas os erros e violações que ocorrem na operação do sistema, provocando um efeito adverso imediato. Os erros e violações podem estar relacionados ao ambiente em que a tarefa se realiza ou ao estado físico e mental dos operadores, o que, nesta pesquisa, revela-se na elevada incidência de aspectos individuais. As falhas ativas possibilitam a identificação de falhas latentes relacionadas a decisões tomadas, na esfera gerencial, por pessoas não envolvidas diretamente na operação, as quais podem permanecer ocultas por longos períodos. As falhas latentes representam a fragilidade das defesas do sistema e incluem, por exemplo: treinamento e supervisão inadequados, processo seletivo pouco criterioso, não padronização de procedimentos, cultura de segurança pouco desenvolvida etc. Neste sentido, a elevada incidência de aspectos relacionados à área individual sugere que as defesas organizacionais, que constituem processos e práticas desenvolvidos para minimizar ou remover os riscos envolvidos na operação, não estejam cumprindo de maneira eficaz o objetivo de reduzir a ocorrência de erros no desempenho da atividade. Esta suposição é corroborada pelos dados relativos ao fator operacional, no qual se verifica a deficiente supervisão como o terceiro aspecto de maior incidência no total de acidentes ocorridos na aviação civil, no período de , em que o aspecto psicológico foi contribuinte. A relação entre os aspectos individuais, psicossociais e organizacionais poderá ser melhor compreendida, a partir dos comentários relativos às áreas e atributos de maior incidência apresentados a seguir.

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

7:03 V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO SALVADOR, BA 12-14/09/2012. Prof.ª Dr.ª Selma Ribeiro

7:03 V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO SALVADOR, BA 12-14/09/2012. Prof.ª Dr.ª Selma Ribeiro PROF.ª DRª SELMA RIBEIRO Diretora Técnica V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA AVIAÇÃO BRASILEIRA Prof.ª Dr.ª Selma Ribeiro 1 OBJETIVO Discutir, do ponto de vista

Leia mais

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1)

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Curso Lideres 2004 Salvador Bahia Brasil 29 de novembro a 10 de dezembro de 2004. PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Capítulo 1: Antecedentes e considerações gerais Considerando-se

Leia mais

PAF Programa de Acompanhamento Funcional

PAF Programa de Acompanhamento Funcional PAF Programa de Acompanhamento Funcional MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR Márcio de Moura Pereira Motivação do Projeto SITUAÇÃO PROBLEMA Necessidade de atender a demandas já existentes de servidores e membros

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA

SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA fundada em 1986 É precursora na implementação de serviços especializados em mapeamentos de competências humanas. Empresa de pesquisa aplicada especializada

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

EMERGÊNCIAS E DESASTRES CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA

EMERGÊNCIAS E DESASTRES CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO 12 A 14 SALVADOR -BA EMERGÊNCIAS E DESASTRES CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA MARIA DA CONCEIÇÃO PEREIRA "Nadie puede librar a los hombres del dolor, pero

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO 13 e 14 de SETEMBRO DE 2012.

V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO 13 e 14 de SETEMBRO DE 2012. V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO 13 e 14 de SETEMBRO DE 2012. A Avaliação Psicológica e os Acidentes Aeronáuticos: Existe uma relação? 1 TEN PSL PATRÍCIA FAGUNDES- HARF 2 TEN PSL

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental (1976) 1- Variação normal da inteligência (VNI) QI entre 71e 84 Geralmente sem atraso do DNPM

Leia mais

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO OBJETIVOS Para definir as razões para a investigação de acidentes e incidentes. Para explicar o processo de forma eficaz a investigação de acidentes e incidentes. Para

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental TRANSTORNOS ANSIOSOS Prof. Humberto Müller Saúde Mental Porque nos tornamos ansiosos? Seleção natural da espécie Ansiedade e medo... na medida certa, ajuda! Transtornos de Ansiedade SINTOMAS: Reação exagerada

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 200-1001 PLANO DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Departamento de Orientação Profissional - EEUSP PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL VERA LUCIA MIRA GONÇALVES AVALIAÇÃO JUÍZO DE VALOR Avaliação de desempenho

Leia mais

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE MAIA, Indiara da 1 ; RUCKERT, Tatiane Konrad 2 ; BARBOSA, Elisa Gisélia dos Santos 3 ; KAEFER, Cristina T.

Leia mais

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS Objetivo Consolidar os resultados positivos alcançados pelas associações rurais, assistidas pela EMATER e dinamizar as suas ações,

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA DE PSICOMETRIA TURMA B 2010.1 PROF. FÚLVIO ROCHA ATIVIDADE II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA DE PSICOMETRIA TURMA B 2010.1 PROF. FÚLVIO ROCHA ATIVIDADE II UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL UFC CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA DE PSICOMETRIA TURMA B 2010.1 PROF. FÚLVIO ROCHA ATIVIDADE II 1- Esta atividade corresponderá à 2ª avaliação da disciplina

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOLOGIA PARA A SEGURANÇA DA ATIVIDADE AERONÁUTICA

A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOLOGIA PARA A SEGURANÇA DA ATIVIDADE AERONÁUTICA A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOLOGIA PARA A SEGURANÇA DA ATIVIDADE AERONÁUTICA Márcia Regina Molinari Barreto (IPA) mmolinarister@gmail.com Este trabalho tem por objetivo apresentar aspectos práticos e teóricos

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

CLÍNICA DE COACHING EMPRESARIAL. Bomfin & Hastenreiter. David Bomfin

CLÍNICA DE COACHING EMPRESARIAL. Bomfin & Hastenreiter. David Bomfin CLÍNICA DE COACHING EMPRESARIAL Bomfin & Hastenreiter A Clínica de Coaching Empresarial é conduzida por: David Bomfin e Flávio Hastenreiter Rua dos Goitacazes, 375, sala 1004, Belo Horizonte, MG, Centro.

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Gestão de Pessoas Conjunto de métodos, políticas,técnicas e práticas definidos com o objetivo de orientar o comportamento humano

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Abrange três componentes interdependentes: a visão sistêmica; o pensamento estratégico e o planejamento. Visão Sistêmica

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos Gerenciamento da Segurança Operacional GSO Conceitos 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 1 Objetivos Identificar conceitos de gerenciamento

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

Plano de Ação. Plano de Ação - 2013. Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias. Objetivos. Origem dos Recursos.

Plano de Ação. Plano de Ação - 2013. Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias. Objetivos. Origem dos Recursos. Plano de Ação 2013 Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias Objetivos Origem dos Recursos Infraestrutura Público Alvo Capacidade de Atendimento Recursos Financeiros Utilizados Recursos

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP)

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) Lançado em Junho 2013 Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) A Falha não é uma Opção Quem não conhece a história corre o risco de repetí-la JWB Engenharia e Consultoria S/C Ltda JWB Engenharia Empresa nacional

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

Amanda Oliveira. E-book prático AJUSTE SEU FOCO. Viabilize seus projetos de vida. www.escolhas-inteligentes.com

Amanda Oliveira. E-book prático AJUSTE SEU FOCO. Viabilize seus projetos de vida. www.escolhas-inteligentes.com E-book prático AJUSTE SEU FOCO Viabilize seus projetos de vida CONTEÚDO À QUEM SE DESTINA ESSE E-BOOK:... 3 COMO USAR ESSE E-BOOK:... 4 COMO ESTÁ DIVIDIDO ESSE E-BOOK:... 5 O QUE É COACHING?... 6 O SEU

Leia mais

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 A implantação do SGSO nos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Objetivos Esclarecer sobre o processo de confecção do Manual de Gerenciamento

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Paul Persuader. Descrição Individual e Estratégias de Sucesso do Programa de Perfil Pessoal. Dimensões do Comportamento. Abordagem à Gerência 16/07/07

Paul Persuader. Descrição Individual e Estratégias de Sucesso do Programa de Perfil Pessoal. Dimensões do Comportamento. Abordagem à Gerência 16/07/07 Perfil Comportamental DiSC de: Paul Persuader Descrição Individual e Estratégias de Sucesso do Programa de Perfil Pessoal Abordagem à Gerência Dimensões do Comportamento 16/07/07 W2.0.0.5 1998 by Inscape

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07

Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07 Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07 Fonte - CFP/CRPs/FENAPSI (Última atualização agosto/2007)

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 053 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 053 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 053 / 2011 Assunto: Aplicação do inventário de sintomas de stress para adultos de Lipp (ISSL) pelo Enfermeiro. 1. Do fato Solicitado parecer por Enfermeiro sobre a aplicação do

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS III Curso do IAB Formação de Agentes Multiplicadores em Prevenção às Drogas

INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS III Curso do IAB Formação de Agentes Multiplicadores em Prevenção às Drogas INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS III Curso do IAB Formação de Agentes Multiplicadores em Prevenção às Drogas Módulo IV O AFETO NA PRÁTICA TERAPÊUTICA E NA FORMAÇÃO DO MULTIPLICADOR Regina Lucia Brandão

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Capítulo II. Treinamento & Desenvolvimento

Capítulo II. Treinamento & Desenvolvimento Capítulo II Treinamento & Desenvolvimento QUESTÃO 01. (SERPRO/2005) A respeito do diagnóstico de necessidades de treinamento e desenvolvimento, julgue os itens seguintes. Avaliação de necessidades de treinamento

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

O PERFIL DO ENGENHEIRO SEGUNDO AS EMPRESAS

O PERFIL DO ENGENHEIRO SEGUNDO AS EMPRESAS O PERFIL DO ENGENHEIRO SEGUNDO AS EMPRESAS Michelle Mike Nose 1, Daisy Aparecida do Nascimento Rebelatto 2 Universidade de São Paulo 1 Escola de Engenharia de São Carlos Av. Trabalhador São Carlense, 400

Leia mais

Estrutura da Gestão de Risco Operacional

Estrutura da Gestão de Risco Operacional Conceito No Brasil a Resolução n.º 3380, emitida pelo BACEN em 29 de junho de 2006, seguindo as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, definiu como: A possibilidade de ocorrência de

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

O Estress Pós-Traumático: Uma Seqüela Invisível dos Acidentes de Trânsito.

O Estress Pós-Traumático: Uma Seqüela Invisível dos Acidentes de Trânsito. O Estress Pós-Traumático: Uma Seqüela Invisível dos Acidentes de Trânsito. Raquel Almqvist * Introdução O Estresse Pós-Traumático é um sintoma psiquiátrico que sucede uma experiência em um evento de uma

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais