Produzindo Artigos Científicos Relacionados à Ciência da Computação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produzindo Artigos Científicos Relacionados à Ciência da Computação"

Transcrição

1 Produzindo Artigos Científicos Relacionados à Ciência da Computação Diego V. S. Sousa 1, Regis Pires Magalhães 1,2 1 Programa de Mestrado e Doutorado em Ciência da Computação (MDCC) Universidade Federal do Ceará (UFC) 2 Instituto Federal do Piauí (IFPI) Abstract. Scientific research aims to get answers to specific problems. In order to accomplish such task, researchers need to work actively from the problem definition to the publication of results. This paper provides relevant information to assist with the process of writing and oral presentation of scientific papers related to Computer Science. In addition, this work details two strategies illustrated with examples for writing papers, and best practices for the presentation of the work. Resumo. A pesquisa científica busca a obtenção de respostas a problemas propostos. Para isso, pesquisadores precisam trabalhar ativamente desde a definição do problema até a publicação dos resultados. Este artigo fornece informações relevantes para auxiliar o processo de escrita e apresentação oral de artigos científicos relacionados à Ciência da Computação. São detalhadas duas estratégias de escrita de artigos ilustradas através de exemplos, além de boas práticas para a apresentação dos trabalhos. 1. Introdução Muitos alunos de cursos na área de Computação, no início de sua carreira acadêmica, se deparam com a necessidade de publicação e divulgação do conhecimento por parte da universidade. Embora possam ter a intenção de se tornarem pesquisadores, muitas vezes eles não percebem a importância da realização de pesquisas científicas para o curso do qual fazem parte. Os avanços do conhecimento humano ocorrem graças ao desenvolvimento de pesquisas científicas e estas acontecem graças ao aporte financeiro de instituições de fomento à pesquisa. No entanto, para que esses avanços possam ser amplamente utilizados e as pesquisas viabilizadas financeiramente, os resultados destas precisam ser publicados em meios respaldados pela comunidade científica (seminários, congressos, periódicos, etc.). Desta forma as universidades podem ser avaliadas, possibilitando um incentivo financeiro proporcional à sua qualificação. Visando auxiliar pesquisadores no entendimento do que é pesquisa científica e de como elaborar um artigo científico para a divulgação dos resultados desta, este trabalho abordará estratégias para a elaboração de um artigo científico, assim como para apresentálo em um simpósio ou congresso.

2 O artigo é dividido da seguinte forma: a seção 2 abordará o significado de pesquisa científica, assim como o papel do aluno e do orientador; a seção 3 explicará a necessidade de divulgação da pesquisa; a seção 4 apresenta como deve ser a estruturação de um artigo e duas estratégias para sua construção; a seção 5 mostra como deve ser estruturada a apresentação sobre o artigo, além de abordar boas práticas relacionadas à sua exposição oral. Por fim, na seção 6 estabeleceremos algumas considerações finais e conclusões sobre este trabalho. 2. Entendendo o significado de pesquisa científica Pesquisa é o procedimento racional e sistemático cujo objetivo consiste em obter respostas a problemas propostos [Gil 2007]. A pesquisa é um processo que ocorre em várias etapas que iniciam na elaboração do problema e culminam na publicação dos resultados. Pesquisar significa avançar em relação ao conhecimento existente. Para isso, é preciso conhecer os últimos avanços do conhecimento e contribuir para que esse conhecimento possa dar um passo adiante. O conhecimento dos últimos avanços em determinada área pressupõe o estudo dos trabalhos mais relevantes relacionados a essa área. Tais trabalhos são, normalmente, publicados como artigos em periódicos e conferências de âmbito internacional. Para contribuir para o avanço da Ciência, o pesquisador se apoia no conhecimento existente e dá um passo adiante, descobrindo algo novo e publicando ou patenteando sua descoberta. Portanto, o pesquisador deve esforçar-se ininterruptamente por sua atualização. Normalmente as pesquisas são conduzidas em grupos de pesquisa, onde pesquisadores mais experientes orientam outros menos versados na pesquisa científica. Os pesquisadores mais experientes são chamados de orientadores. Já os mais novos, são frequentemente alunos de graduação participantes de programas de iniciação científica e alunos de mestrado ou doutorado. Desse modo, os programas de iniciação científica, as pósgraduações acadêmicas e a participação em projetos de pesquisa são responsáveis pela formação de novos pesquisadores. [Moro et al. 2004] destaca a importância de o aluno ler bastante durante todo o decorrer do seu curso. Ler os trabalhos recentes do seu orientador, os anais das conferências e periódicos mais importantes relacionados à sua área, as referências bibliográficas mais relevantes dos artigos que houver lido. No entanto, somente ler não basta. É também necessário analisar e criticar o que lê, identificando pontos falhos e possíveis melhorias. Além disso, cabe ao aluno discutir essas leituras com seu orientador e colegas; bem como implementar as soluções apresentadas na medida do possível. Cabe ao aluno escolher o tema de sua monografia, dissertação ou tese, auxiliado pela experiência de seu orientador, que deve possuir um repertório de pesquisa bem mais amplo que o do aluno. Uma possibilidade interessante é vincular o tema do trabalho a um projeto do orientador para uma maior inserção no grupo de pesquisa e para dar um direcionamento mais prático ao trabalho. O aluno deve ter o orientador como um grande parceiro de trabalho durante todo o seu curso. Cabe ao orientador auxiliar o aluno na escolha de disciplinas, nas decisões de projeto, submissão de artigos e em outras questões relacionadas ao curso [Moro et al. 2004]. Na iniciação científica e no mestrado o orientador coordena todo o trabalho do aluno mais diretamente. Já no doutorado, o aluno praticamente desenvolve

3 tudo, obtendo do orientador uma segunda opinião capaz de embasar melhor ou mesmo redirecionar algumas ações no decorrer do trabalho. 3. A necessidade de divulgação da pesquisa Para muitas pesquisas chegarem até nós, visando à praticidade e a melhoria de nossas vidas, é necessário que ocorra a sua divulgação. A divulgação é uma forma de trocar ideias com outros pesquisadores e verificar o que pode ser melhorado para a resolução de um determinado problema ou para a análise de algum dado. Divulgando seu trabalho de pesquisa, o autor contribui para o avanço da ciência e para o respaldo da instituição, à qual ele pertence, frente aos órgãos de fomento à pesquisa (CNPq 1, CAPES 2, FAPEPI 3, etc.). Para que a universidade tenha uma cota maior de investimentos perante estes órgãos é necessário que esta seja bem qualificada com relação à produção científica. A qualificação acontece de acordo com a nota de avaliação da Capes 4 (Qualis), que é atribuída a todas as instituições com cursos de Pós-Graduação no país. Este conceito é atribuído aos periódicos, veículos de comunicação científica, e qualifica os programas de pós-graduação do país através da publicação de artigos, por parte dos pesquisadores de cada instituição, nos periódicos avaliados. Mais detalhes sobre esta avaliação pode ser verificado em [Braganholo et al. 2004] e em capes.gov.br/webqualis/. Além de contribuir para os investimentos em pesquisa, a divulgação destas enaltece o pesquisador como profissional, contribuindo para o seu sucesso no meio acadêmico. Para que um trabalho seja considerado relevante por muitos pesquisadores, é necessário que o mesmo seja publicado em congressos ou revistas que tenham Qualis Capes A ou B. Isto se deve ao fato de que na Ciência da Computação, um artigo engloba tanto as publicações em periódicos quanto em conferências, devido ao processo rigoroso de avaliação que os trabalhos submetidos passam nestas últimas [CAPES 2009]. Muitas conferências possuem um grande respaldo científico, por contarem com renomados pesquisadores. Para o cálculo dos conceitos atribuídos aos periódicos e às conferências são utilizados três índices: JCR 5, H-index baseado no Scopus, H-index baseado no Google Scholar. Mais informações sobre estes índices podem ser obtidas em [CAPES 2009]. Estes índices são utilizados para o cálculo do indicador normalizador J, que indicará a nota do periódico ou da conferência (nacional ou internacional) [CAPES 2009]. Desta forma, os conceitos atribuídos pela CAPES (A1, A2, B1, B2, B3, B4, B5, C) são calculados de acordo com o índice normalizador, que pode ser verificado Documento de Área referente à Ciência da Computação disponibilizado pela CAPES. Uma fonte bibliográfica importante na área de computação é o serviço online DBLP (Digital Bibliography & Library Project) 6 que indexa e fornece informações deta Journal Citation Reports - science/science_products/a-z/journal_citation_reports/ 6

4 lhadas sobre anais, autores e publicações dos principais periódicos e conferências relacionados à computação. Outras importantes fontes bibliográficas são: O CiteSee: A biblioteca digital do Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE): A biblioteca digital da Association for Computing Machinery (ACM): dl.acm.org/dl.cfm; O portal de periódicos da Capes: br. 4. Construindo um artigo científico O processo de construção de um artigo científico não é uma tarefa fácil e, muitas vezes, requer paciência, dedicação e, principalmente, compreensão do tema de pesquisa. A estruturação do documento é o primeiro passo para a organização das ideias relacionadas à pesquisa realizada, impulsionando o autor a um desenvolvimento linear do artigo. Uma forma possível de estruturar o documento pode ser verificada a seguir [Chinneck 1999]: Introdução: A principal seção do artigo, responsável pela apresentação do trabalho e pela breve descrição da solução do problema, mostrando uma visão geral dos resultados. Uma estratégia interessante é dividir esta seção em parágrafos abordando os seguintes assuntos [Stirewalt 2011]: Introdução: explicação muito breve do problema e porque ele é relevante e não trivial; Antecedentes do Trabalho: criticar trabalhos anteriores, mostrando o diferencial do trabalho; Transição: explicitar o que foi aplicado visando superar outras abordagens; Detalhes: abordar os desafios superados e a validação executada; Avaliação: avaliar os resultados alcançados, expor as conclusões interessantes e a estruturação do trabalho. Informação de Contexto (opcional): Conceitos iniciais relevantes para o entendimento do artigo. Revisão do estado da arte: O que outros pesquisadores já fizeram para solucionar o problema em questão. Definição do problema de pesquisa: Explanação do problema a ser resolvido ou pergunta a ser respondida (dependendo do caso). Enfatiza aqui por que o problema é importante e por que este não foi resolvido. Descrevendo a resolução do problema: Explicação de como o problema foi resolvido pela pesquisa do autor. Por que o que foi feito é realmente válido para a solução do problema. Conclusão: O que pode ser concluído a partir do texto, o resumo das contribuições e trabalhos futuros. É importante salientar que não é necessário que todas as seções de seu artigo tenham o mesmo nome das seções abordadas acima. Para facilitar o processo de construção serão abordadas duas estratégias para a escrita de artigos científicos.

5 4.1. Estratégia de escrita passo a passo Há diversas estratégias para a elaboração da estrutura inicial de um documento científico, entre elas podemos destacar a descrita em [Ashby 2000]. Essa estratégia consiste em projetar o artigo seguindo cinco passos que são descritos a seguir: Relevância do tema: Aqui, perguntas como Qual a proposta do artigo?, A quem ele se destina?, Como os leitores irão utilizar as ideias contidas nele?, trazem consigo respostas que ajudam a entender o nível de detalhe do artigo a ser escrito Conceitualização: Estruturação do pensamento. Planejamento do artigo considerando seções e subseções que podem aparecer. Materialização: É o primeiro esboço do artigo. É quando o autor escreve tudo o que sabe sobre o tema, sem uma preocupação com o estilo. É importante fazer um rascunho de cada seção, os cálculos que poderão ser feitos, as figuras e as tabelas que devem ser inseridas. Detalhamento: Neste estágio será priorizado a clareza, a legibilidade e um estilo com introdução, desenvolvimento e conclusão. Produto Final: Onde é priorizada a aparência do artigo, com as seções bem divididas e em uma ordem coerente. O acabamento das figuras, assim como a finalização das tabelas, é feito neste estágio. Cada um dos 5 estágios apresentados em [Ashby 2000], podem ser imaginados como uma linha de desenvolvimento a ser seguida para a conclusão do artigo científico, como pode ser observado na Figura 1. Nesta figura, os passos de conceitualização, materialização e detalhamento estão classificados como edição, indicando que estes passos estarão envolvidos diretamente com o processo de escrita. Figura 1. Processo de desenvolvimento de um artigo. Ainda com relação ao trabalho de [Ashby 2000] podemos destacar a fase de conceitualização. Esta fase é considerada uma das mais importantes, pois é responsável pela estruturação do pensamento. Para uma melhor organização das ideias é proposto, nesta fase, o desenho de uma folha de conceitos. A folha de conceitos é uma representação, em um papel na orientação paisagem, da organização do pensamento do autor com relação ao artigo. Esta representação conterá o título do artigo no topo da página e cada título de seção dentro de um quadrado, delimitando-o. Após a inclusão de todas as seções que o autor julgar necessárias para o seu documento, será o momento de pensar nas ideias, figuras, tabelas, referências e parágrafos que cada seção necessitará para a escrita de seu texto. Este é o momento de esquecer detalhes e pensar prioritariamente no conteúdo [Ashby 2000]. Um modelo de como a folha deve se assemelhar pode ser verificado na Figura 2. A forma de organizar através da folha de conceitos ajuda ao autor ter uma visão geral do artigo a ser escrito. Outra facilidade que esta abordagem acarreta é que a ordem

6 Figura 2. Folha de conceitos exemplo para o projeto de construção de um artigo. Os balões verdes indicam boas ideias. Os balões em lilás significam informações que necessitam ser adicionadas de escrita do artigo não terá importância, já que o autor terá uma visão total do documento, a partir das seções e subseções colocadas no papel. Para explicitar a utilidade da folha de conceitos, pode-se verificar a que representa este artigo na figura 3. A referida figura foi desenhada para auxiliar os autores na construção do texto do presente artigo. Produção de Artigos Científicos em Computação Resumo Introdução - Motivação para escrever artigos; - Explicitar os temas tratados; - Mostrar a estrutura do artigo; O que é Pesquisa Científica? - Por que pesquisar? - A relação entre aluno e orientador Avaliação dos Programas de Pós- Graduação Comparar estratégias A necessidade de divulgação da pesquisa - Por que publicar? - Quais os interesses nisso? - O que faz um pesquisador ser prestigiado?. Mencionar as qualificações dos congressos Construindo um artigo científico - O processo de construção - Incluir estratégias de construção Mencionar Qualis Incluir Figuras Realizando a apresentação do Artigo - Não sobrecarregar os slides - Não abusar de figuras e animações - Enfatizar a questão do tempo - Slide de dúvidas Conclusão - Visão geral do que foi apresentado - Onde pode ser encontrado mais materiais Agradecimentos Referências Exemplos de Estruturas Página 1 Figura 3. Folha de conceitos do presente artigo

7 Pode-se perceber que as seções não são as mesmas da versão final do artigo, embora os significados de cada uma delas sejam semelhantes Estratégia de escrita através de scripts Outra estratégia bastante semelhante à anterior, mas com uma abordagem diferente é a técnica de escrita de artigos através de scripts [Hirsch 2003] explicado de forma sucinta em [Braganholo et al. 2004]. Esta técnica consiste na escrita do artigo em quatro etapas, nas quais o artigo vai sendo aprimorado até a sua conclusão. As quatro etapas descritas em [Braganholo et al. 2004] consiste: Etapa 1: Aqui o autor do artigo planeja as seções e subseções que seu trabalho pode vir a ter. Um exemplo pode ser verificado na figura 4. Etapa 2: Nesta etapa é enumerada uma sequência de pontos que cada seção e/ou subseção deve abordar. Uma boa escolha dos pontos garante um processo de escrita facilitado. Esta etapa pode ser verificada na figura 5. Etapa 3: Cada ponto escolhido na etapa anterior é detalhado. Este detalhamento já poderá produzir o texto final, como pode ser verificado na figura 6. Deve-se ter, ao final da resposta de cada ponto, uma indicação para determinar a qual ponto a resposta pertence. Etapa 4: Remoção das marcas que indicam cada ponto escolhido na etapa 2. Ao final desta etapa tem-se a constituição do artigo final. Um exemplo desta etapa pode ser verificado na seção 3. Que apresenta o texto referente à Figura 6 com algumas melhorias e maior. Produzindo Artigos Científicos em Computação Resumo 1. Introdução 2. Entendendo o Significado de Pesquisa Científica 3. A necessidade de divulgar a pesquisa 4. Construindo um Artigo Científico 4.1. Estratégia de escrita passo a passo 4.2. Estratégia de escrita por script 5. Apresentando o Artigo 5.1. Estrutura da apresentação Conclusão 7. Agradecimentos Figura 4. Etapa 1: Titulo do Artigo 5. Realizando a apresentação do artigo Apresentação oral em conferências, seminários e workshops é outro meio de divulgação de resultados de pesquisas. Ela aproxima o autor da plateia e propicia uma interação entre ambos [Dixon 1990]. A apresentação deve deixar clara qual é sua contribuição e motivar o público à leitura completa do trabalho escrito. Importante ressaltar que a apresentação oral não substitui o trabalho escrito, mas motiva sua leitura e estudo.

8 Produzindo Artigos Científicos em Computação Resumo A necessidade de divulgar a pesquisa P1. Por que publicar? P2. Quais os interesses nisso? P3. Dicas para ser reconhecido (Falar aqui das qualificações dos congressos e sua importância).... Figura 5. Etapa 2: Pontos importantes da seção 3 3. A necessidade de divulgar a pesquisa Para muitas pesquisas chegarem até nós, visando à praticidade e a melhoria de nossas vidas (na maioria dos casos), é necessário que ocorra a sua divulgação. A divulgação é uma forma de trocar ideias com outros pesquisadores e verificar o que pode ser melhorado para a resolução de um determinado problema ou para a análise de algum dado [P1. Por que publicar?]. Figura 6. Etapa 3: Detalhamento de ponto P1 da seção 3 Uma boa apresentação oral é fundamental para divulgar e ampliar o interesse pela pesquisa do tema proposto. Para isso, deve ser interessante e informativa ao mesmo tempo. No entanto, conhecimento e familiaridade com um tema, não são suficientes para garantir sucesso em uma apresentação. Outras habilidades que trataremos nessa seção devem ser consideradas para a elaboração de apresentações capazes de cumprir seus objetivos. Inicialmente a apresentação deve estar compatível com a necessidade e com o nível de compreensão do público ao qual é destinada. Assim, é importante conhecer esse público. Identificar se é constituído de leigos e/ou especialistas na área em questão, quantas pessoas farão parte desse público e qual o seu nível de escolaridade. Ao conhecer melhor a plateia, o autor da apresentação pode, mais facilmente, adaptar o conteúdo à sua compreensão Estrutura da apresentação Para [Bulska 2006], uma apresentação pode ser didaticamente organizada nas seguintes partes: 1. Introdução. Visão geral do conteúdo da apresentação. Deve ser breve, especialmente quando o tempo total para a apresentação é curto. 2. Conteúdo 3. Considerações finais e conclusões [Hill 1997] sugere um esquema geral mais completo que pode ser usado como ponto de partida para a elaboração de apresentações. O esquema considera o tempo médio de 2 minutos por slide, exceto slide título e esquema da apresentação, para uma apresentação de 20 minutos. 1. Título/Autor/Instituição (1 slide) 2. Resumo (1 slide). Delimita o problema atacado. Sintetiza o conteúdo da apresentação oral.

9 3. Esquema da Apresentação (1 slide). Mostra como a apresentação está estruturada. 4. Fundamentação (a) Motivação e problema (1-2 slides) (b) Trabalhos relacionados (0-1 slide) (c) Métodos (1 slide) 5. Resultados (4-6 slides). Conteúdo principal da apresentação. Os resultados principais devem ser cobertos. 6. Conclusões (1 slide) 7. Trabalhos futuros (0-1 slide). Problemas em aberto e não solucionados com a pesquisa. 8. Slides extra (0-3 slides). Slides que podem ser usados para esclarecer algum aspecto após a apresentação. Não são contados no tempo da apresentação. Um último slide pode ser acrescentado para delimitar o final da apresentação. Pode ser um slide sugerindo um momento para resposta de dúvidas da plateia ou mesmo para indicação de fontes adicionais de informações relacionadas ao tema proposto. Uma estimativa do tempo médio para apresentação de cada slide ajuda a obter uma previsão mais precisa do tempo total da apresentação. Para [Hill 1997], a apresentação de cada slide dura cerca de 2 minutos em média. Em alguns casos é possível reservar alguns minutos ao final da apresentação para que os participantes possam fazer perguntas Limitar a quantidade de informações Uma característica importante de uma boa apresentação é a objetividade. Assim, deve contemplar os aspectos mais relevantes de um tema, e não tentar esgotar o assunto com excesso de informação. Também é importante limitar a quantidade de informação apresentada em cada slide para facilitar a assimilação do conteúdo por parte do espectador [Hill 1997]. O ideal é evitar frases longas e usar a menor quantidade de texto possível. Pode-se também criar tópicos para subdividir e organizar melhor o conteúdo. No entanto, cada slide não deve possuir mais de 3 ou 4 tópicos Destacar aspectos mais relevantes Para facilitar o entendimento dos aspectos mais importantes de cada slide, é possível usar o recurso de destacar seus pontos principais. Assim, palavras-chave do slide podem assumir cores ou formatações diferenciadas. O uso de muitas cores em um mesmo slide, no entanto, pode torná-lo confuso, pois o espectador não saberá exatamente o que deve observar primeiro. É importante, então, usar poucas cores distintas para facilitar a visualização de diferentes informações. O uso de fotos, figuras, esquemas e gráficos podem facilitar bastante a assimilação de vários assuntos. Figuras relacionadas aos aspectos principais de um slide, também facilitam sua identificação e assimilação. Setas e círculos podem ser usados para destacar partes de figuras Formatação Os slides devem ser criados em formato paisagem que é a orientação mais comumente usada em telas e projetores.

10 Em relação ao uso das margens, elas devem ser usadas de modo a evitar que o texto fique muito próximo às bordas da tela. Também deve ser evitada a colocação de conteúdo relevante em áreas muito próximas à base do slide, desde que parte da plateia pode estar diante de algum obstáculo, como pessoas à sua frente, dificultando a visualização de elementos dispostos nessas áreas Transições e efeitos Transições entre slides e efeitos para apresentação de novos tópicos podem ser usados, especialmente se forem sutis. No entanto, a sobrecarga de efeitos e sons pode chamar mais atenção que o conteúdo da apresentação, o que deve ser evitado Uso de fontes O uso de fontes muito pequenas pode dificultar a leitura dos textos. Assim, o ideal é que as fontes sejam grandes o suficiente para serem lidas por todos da plateia. O uso de várias fontes em uma mesma apresentação pode dificultar o estabelecimento de um padrão visual para a apresentação. Desse modo, não se aconselha o uso de mais de duas ou três fontes distintas em uma mesma apresentação [Purrington 2007]. Quanto aos tipos de fontes usados nas apresentações, fontes sem-serifa como Arial e Helvetica são mais legíveis na tela que fontes serifadas como Times New Roman e Garamond [Purrington 2007]. Sugere-se, então, que fontes com serifas sejam evitadas quando o tamanho da fonte for muito pequeno. Recomenda-se também não escrever frases totalmente em caixa alta em títulos ou mesmo em outros locais [Purrington 2007], desde que as letras maiúsculas são mais semelhantes entre si que as minúsculas, dificultando, por exemplo, uma leitura mais acelerada. As cores das fontes e mesmo de outros elementos visuais devem ter um bom contraste em relação ao fundo da apresentação para que possam ser lidos com mais facilidade Testar a apresentação Antes de realizar a apresentação oral é bastante aconselhável testar os slides em tela cheia e, se possível, no computador que será usado para exibir a apresentação a fim de evitar problemas. Também é aconselhável levar cópias de segurança da apresentação e mesmo versões da apresentação em outros formatos como PDF. O teste também serve para ajustar melhor o tempo da apresentação e para deixar o apresentador mais seguro sobre cada detalhe de sua explanação Durante a apresentação oral A apresentação oral não deve se transformar em leitura dos slides [Bulska 2006]. O apresentador também não deve se movimentar muito, nem ficar completamente parado durante a apresentação. Além disso, deve olhar para a plateia o máximo possível e evitar dar as costas para ela, especialmente enquanto estiver falando. O tempo estipulado para a apresentação deve ser rigorosamente respeitado em atenção à plateia, à organização do evento e aos demais apresentadores.

11 O expositor não deve falar demasiadamente rápido ou lento. Também não pode falar muito baixo de modo a não ser compreendido. Deve falar para ser ouvido por todos da plateia. O uso de um apontador laser é especialmente útil para indicar pontos específicos dos slides e um controle sem-fio facilita a navegação pelos slides ao mesmo tempo em que permite a mobilidade do expositor. 6. Conclusão Este artigo trata da importância da pesquisa científica e de sua propagação para beneficiar a coletividade a partir da aquisição de novos conhecimentos. O objetivo principal foi motivar e prover informações úteis para auxiliar a escrita, bem como, a elaboração e exposição de apresentações orais na área de Ciência da Computação, apesar de que os conselhos aqui explicitados possam servir para trabalhos em outras áreas. 7. Agradecimentos Agradecemos ao Prof. Dr. Jose Antônio F. de Macêdo pela oportunidade de realizar este trabalho. Agradecemos também pelo apoio financeiro recebido da CAPES e da FUNCAP. Referências Ashby, M. (2000). How to write a paper. Engineering Department, University of Cambridge, Version, 5:1 18. Braganholo, V., Heuser, C., and Reis, A. (2004). Redigindo artigos de Ciência da Computação: uma visão geral para alunos de mestrado e doutorado. In WTDBD-Workshop de Teses e Dissertações em Banco de Dados, Brasília, Brasil. Bulska, E. (2006). Good oral presentation of scientific work. Analytical and bioanalytical chemistry, 385(3): CAPES (2009). Documento de área Ciência da Computação. Chinneck, J. W. (1999). How to Organize your Thesis. carleton.ca/faculty/chinneck/thesis.html. [Online; acessado 07- Setembro-2010]. Dixon, B. (1990). Scientifically Speaking: Mimicry and more. Bmj, 301(6762): Gil, A. C. (2007). Como Elaborar Projetos de Pesquisa. Editora Atlas. Hill, M. D. (1997). Oral Presentation Advice. ~markhill/conference-talk.html. [Online; acessado 07-Agosto-2010]. Hirsch, H. (2003). Essential communication strategies for scientists, engineers, and technology professionals. Wiley-IEEE Press. Moro, M., Braganholo, V., Nacul, A., and Fornari, M. (2004). Rumo ao título de Doutor / Mestre. RITA, 10(2): Purrington, C. (2007). Gratuitous advice on giving a talk. swarthmore.edu/natsci/cpurrin1/powerpointadvice.htm. [Online; acessado 07-Setembro-2010]. Stirewalt, R. E. K. (2011). 5-paragraph rule for writing Introductions. [Online; acessado 15-Agosto-2011].

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO RESUMO. Palavras-chave: Artigo Científico. Normalização. NBR 6022/03.

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO RESUMO. Palavras-chave: Artigo Científico. Normalização. NBR 6022/03. ARTIGO CIENTÍFICO Texto com autoria declarada que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados de diversas áreas do conhecimento (ABNT/NBR 6022:2003). 2.1.1 Modelo de artigo COMO

Leia mais

MONOGRAFIA : COMO FAZER

MONOGRAFIA : COMO FAZER Alguns sites que tratam sobre monografias http://www.admbrasil.com.br/abnt.htm http://planeta.terra.com.br/servicos/monografiaabnt/ http://www.sinescontabil.com.br/trabs_profissionais/fazendo_uma_monografia.htm

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA - 2008

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA - 2008 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL Orientação nº 02/2008 PDE/SEED Curitiba, 27 de maio

Leia mais

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS MONOGRAFIA Trata-se de uma construção intelectual do aluno-autor que revela sua leitura, reflexão e interpretação sobre o tema da realidade. Tem como base a escolha de uma unidade ou elemento social, sob

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

Diretrizes para Submissões

Diretrizes para Submissões 1 Diretrizes para Submissões Os artigos científicos são elaborados com a pretensão de divulgar pesquisas e ideias, cujo objetivo principal, é democratizar o conhecimento através de um instrumento fiável,

Leia mais

I Oficina de Pesquisa Científica na Pós- Graduação (OPC-PG) Prof. Dr. Sidnei Alves de Araújo saraujo@uninove.br

I Oficina de Pesquisa Científica na Pós- Graduação (OPC-PG) Prof. Dr. Sidnei Alves de Araújo saraujo@uninove.br I Oficina de Pesquisa Científica na Pós- Graduação (OPC-PG) Prof. Dr. Sidnei Alves de Araújo saraujo@uninove.br Programa de Pós-Graduação em Informática e Gestão do Conhecimento Setembro/2015 MÓDULO I

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA ANEXO da Norma 004/2008 CCQ Rev 1, 28/09/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Salvador 2009 2 1 Objetivo Estabelecer parâmetros para a apresentação gráfica

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

Atualização 2014. Universidade Federal do Paraná Sistema de Bibliotecas Biblioteca de Ciências da Saúde

Atualização 2014. Universidade Federal do Paraná Sistema de Bibliotecas Biblioteca de Ciências da Saúde MANUAL DO CURRÍCULO LATTES Atualização 2014 Universidade Federal do Paraná Sistema de Bibliotecas Biblioteca de Ciências da Saúde 1 Equipe: Este tutorial faz parte da programação de treinamentos da Biblioteca

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO HOSPITALAR PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Elaborar um estudo acerca Estrutura e Funcionamento do Sistema de Saúde Pública e Privada no Brasil.

Leia mais

V CONGRESSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFF/VOLTA REDONDA. Chamada de Trabalhos para as Sessões Temáticas

V CONGRESSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFF/VOLTA REDONDA. Chamada de Trabalhos para as Sessões Temáticas UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PÓLO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA ESCOLA DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DE VOLTA REDONDA V CONGRESSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFF/VOLTA REDONDA Chamada de Trabalhos para as

Leia mais

(CAPA) INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE BRASÍLIA

(CAPA) INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE BRASÍLIA (CAPA) INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA CAMPUS BRASÍLIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Estrutura do Trabalho: Fazer um resumo descrevendo o que será visto em cada capítulo do trabalho.

Estrutura do Trabalho: Fazer um resumo descrevendo o que será visto em cada capítulo do trabalho. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ A monografia é um texto escrito contendo o resultado da pesquisa realizada como trabalho de conclusão do curso de especialização. Os itens básicos a constarem da monografia

Leia mais

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Escolha do tema 2. Formulação do problema 3. Justificativa 4. Determinação dos objetivos 5. Referencial teórico 6. Referências 1 Escolha do Tema 1. Escolha do Tema Nesta

Leia mais

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Etapas do Trabalho de Pesquisa Escolha do

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS Elaborado por Prof. Dr. Rodrigo Sampaio Fernandes Um projeto de pesquisa consiste em um documento no qual

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE PIO XII REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ( 6º PERÍODO/2013-7º PERÍODO/2014-8º PERÍODO/2014 ) Cariacica 2013/2014 FACULDADE DE ESTUDOS

Leia mais

Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO. Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063

Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO. Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063 Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063 ALGUMAS REGRAS 2 não deixe para a última hora escreva leia alguns relatórios ou resumos faça um esboço

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1)

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) 1 COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) SOBRENOME, Nome Aluno 1 Graduando em Administração de Empresas Decision/FGV SOBRENOME, Nome Aluno 2 Graduando em Administração de Empresas Decision/FGV RESUMO Este

Leia mais

Metodologia Científica. César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato

Metodologia Científica. César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato Metodologia Científica César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato Metodologia Científica Introdução Métodos Introdução Metodologia científica é a forma como se conduz uma pesquisa,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA Normas para elaboração de Dissertações do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais MODELO

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS APRESENTAÇÃO O trabalho deve ser digitado e impresso em papel formato A4. O texto deve ser digitado, no anverso das folhas, em espaço 1,5, letra do tipo

Leia mais

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA O I Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência e Tecnologia/FACIT oportunizará a apresentação de Trabalhos Científicos sob a forma de Comunicação Oral para professores, profissionais

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ CAMPUS CENTRO-OESTE DONA LINDU CCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA

Leia mais

Traduzido e adaptado livremente pelo Prof. Dr. Eloi L. Favero (favero@ufpa.br)

Traduzido e adaptado livremente pelo Prof. Dr. Eloi L. Favero (favero@ufpa.br) Como organizar sua Tese, Dissertação, Monografia ou Artigo [A pesar do texto falar sobre uma tese de doutorado (ou dissertação de mestrado), a forma de estruturar logicamente um artigo técnico segue este

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA CURSO: AGRONOMIA

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA CURSO: AGRONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO Av. Dom Manuel de Medeiros s/nº Dois Irmão, Recife PE Telefone: 3320-6203 ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA CURSO: AGRONOMIA I ESTRUTURA DO RELATÓRIO 1.1

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CAPÍTULO I DEFINIÇÃO

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CAPÍTULO I DEFINIÇÃO REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CAPÍTULO I DEFINIÇÃO Artigo 1 o. Considerando a Resolução CNE/CES N o 5, de 7 de novembro de 2001, artigo 12, a qual institui diretrizes

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE ALTA FLORESTA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIODIVERSIDADE E AGROECOSSISTEMAS

Leia mais

MODELO DE ARTIGO CIENTÍFICO

MODELO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 MODELO DE ARTIGO CIENTÍFICO Nome do Aluno 1 RESUMO Resumos são constituídos de um só paragrafo, podendo ter entre 100 a 250 palavras. Devem apresentar os objetivos e o assunto geral do texto de forma

Leia mais

P2CEM. Pesquisa 2015/1. Elaboração de trabalho escrito. Profa. Dra. Zélia Soares Macedo Departamento de Física

P2CEM. Pesquisa 2015/1. Elaboração de trabalho escrito. Profa. Dra. Zélia Soares Macedo Departamento de Física P2CEM Pesquisa 2015/1 Elaboração de trabalho escrito Profa. Dra. Zélia Soares Macedo Departamento de Física Tipos de trabalho escrito: - monografia (1º semestre); - projeto (1º ou 2º semestre); - relatório

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Andersown Becher Paes de Barros * Ideraldo Bonafé ** RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS A Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação (RBMA) convida os interessados a participarem do seu VI Seminário,

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA MELHORAR A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS TÉCNICOS NO ENSINO DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÃO PARA MELHORAR A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS TÉCNICOS NO ENSINO DE ENGENHARIA Artigo apresentado no III Encontro de Professores de Engenharia da UERJ Rio de Janeiro, novembro de 1997 ORIENTAÇÃO PARA MELHORAR A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS TÉCNICOS NO ENSINO DE ENGENHARIA José Paulo

Leia mais

Dicas para elaborar um relatório científico

Dicas para elaborar um relatório científico Dicas para elaborar um relatório científico Prof. Dr. Jean Jacques Bonvent Laboratório de Física Geral Universidade de Mogi das Cruzes A elaboração de um relatório científico é um exercício bastante importante

Leia mais

Dar Crédito a Quem Merece:

Dar Crédito a Quem Merece: Série de Melhores Práticas da AJE Dar Crédito a Quem Merece: Melhores Práticas de Atribuição de Autoria Michaela Panter, PhD Sobre a autora A Dra. Panter é editora da AJE desde 2008. Ela se formou na Yale

Leia mais

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011 São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico As orientações abaixo estão de acordo com NBR 14724/2011 da Associação

Leia mais

CONGRESSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA SESC 2015 VERTENTES PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO FÍSICA

CONGRESSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA SESC 2015 VERTENTES PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO FÍSICA CONGRESSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA SESC 2015 VERTENTES PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO FÍSICA EDITAL O Sesc Unidade Barra Mansa, torna público o Edital referente ao Congresso de Educação Física Sesc 2015,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E HUMANAS Programa de Pós-Graduação em Biotecnociência Título Santo André dd/mm/aaaa Normas para Dissertações Mestrado em Biotecnociência - UFABC.

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008)

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008) Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Curso de Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Dr. Luís Fernando Garcia - TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto

Leia mais

NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS (Resumos Expandidos, Pôster e Oral)

NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS (Resumos Expandidos, Pôster e Oral) NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS (Resumos Expandidos, Pôster e Oral) V CONGRESSO INTERNACIONAL DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL EXPECTATIVAS E AÇÕES TRANSFORMADORAS:

Leia mais

FKB Biblioteca Padre Lambert Prins Tutorial de formatação MS-Word Agary Veiga Graf CRB/8-3809

FKB Biblioteca Padre Lambert Prins Tutorial de formatação MS-Word Agary Veiga Graf CRB/8-3809 1 INTRODUÇÃO Tutorial é um programa ou texto, contendo ou não imagens, que ensina passo a passo, didaticamente, como um aplicativo funciona. Regra geral a maioria dos educandos já conhece o Microsoft Office

Leia mais

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA 1 DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor do trabalho, ou seja, o que não consta no texto destas

Leia mais

NORMAS DE REDAÇÃO PARA QUALIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES

NORMAS DE REDAÇÃO PARA QUALIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/ DE 30 DE MAIO DE 2011/ PRODEMA-UFS DE Estas normas de redação foram definidas como diretrizes básicas pelo Colegiado do Núcleo de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente

Leia mais

Como Escrever Propostas de Plano de Trabalho, Monografia, Dissertação ou Tese

Como Escrever Propostas de Plano de Trabalho, Monografia, Dissertação ou Tese Como Escrever Propostas de Plano de Trabalho, Monografia, Dissertação ou Tese Arndt von Staa arndt@inf.puc-rio.br Departamento de Informática Pontifícia Universidade Católica 22453-900 Rio de Janeiro,

Leia mais

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Este capítulo visa a orientar a elaboração de artigos científicos para os cursos de graduação e de pós-graduação da FSG. Conforme a NBR 6022 (2003, p. 2),

Leia mais

How To. Introdução. Volume 3 - Número 3 Dezembro 2010 SBC HORIZONTES 26

How To. Introdução. Volume 3 - Número 3 Dezembro 2010 SBC HORIZONTES 26 Como planejar uma Pesquisa Científica Sugestões para o desenvolvimento de uma pesquisa científica Jane Aparecida Buzzi Pereira Neves, janeabp@gmail.com, Faculdades Expoente, Curitiba, PR. Luiz Antônio

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA Atualizada em julho de 2011 A maior parte das Monografias

Leia mais

Como tornar sua apresentação atrativa e interessante

Como tornar sua apresentação atrativa e interessante Como tornar sua apresentação atrativa e interessante Luciana Alvim Santos Romani, alvim@icmc.usp.br, ICMC-USP São Carlos Agma Juci Machado Traina, agma@icmc.usp.br, ICMC-USP São Carlos Por onde começar

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 6ª Série Teoria da Computação Ciência da Computação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

D O N D O M Ê N I C O

D O N D O M Ê N I C O MODELO DE PROJETO DE PESQUISA Este modelo deve ser utilizado nas Disciplinas de Metodologia do Trabalho Científico, Orientação de TCC e demais disciplinas que assim o exigirem. Consta de capa, folha de

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Escola Profissionalizante Francisca Nobre da Cruz Educação Profissional Credenciada pelo o parecer Nº 0484/2009 do CEE/CE, DOE nº 005 08.01.2010 Recredenciamento nº 1788/2013, DOE nº 216 18.11.2013 - Censo

Leia mais

CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS

CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS A Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação (RBMA) convida os interessados a participarem do seu VII Seminário, que acontecerá nos

Leia mais

FACULDADE DE TIMBAÚBA Avenida Antonio Xavier de Morais, 03/05, Sapucaia -Timbaúba- PE CEP 55870-000,TELEFAX: (0xx81) 3631-0752

FACULDADE DE TIMBAÚBA Avenida Antonio Xavier de Morais, 03/05, Sapucaia -Timbaúba- PE CEP 55870-000,TELEFAX: (0xx81) 3631-0752 FACULDADE DE TIMBAÚBA Avenida Antonio Xavier de Morais, 03/05, Sapucaia -Timbaúba- PE CEP 55870-000,TELEFAX: (0xx81) 3631-0752 MODELO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Considerando a necessidade de adequação

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO E SUBMISSÃO DE TRABALHOS PARA CONGRESSOS BRASILEIROS

MODELO DE INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO E SUBMISSÃO DE TRABALHOS PARA CONGRESSOS BRASILEIROS MODELO DE INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO E SUBMISSÃO DE TRABALHOS PARA CONGRESSOS BRASILEIROS TÍTULO DO TRABALHO Primeiro Autor e-mail Instituição de Ensino Endereço CEP Cidade Estado Segundo Autor e-mail

Leia mais

Redação do Trabalho de Conclusão

Redação do Trabalho de Conclusão Redação do Trabalho de Conclusão Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Estrutura de Trabalho Acadêmico Elementos pré

Leia mais

NOME DA INSTITUIÇÃO (FACULDADE, UNIVERSIDADE) NOME DO CENTRO DE ESTUDOS NOME COMPLETO DO ALUNO TITULO DO TRABALHO CIDADE

NOME DA INSTITUIÇÃO (FACULDADE, UNIVERSIDADE) NOME DO CENTRO DE ESTUDOS NOME COMPLETO DO ALUNO TITULO DO TRABALHO CIDADE NOME DA INSTITUIÇÃO (FACULDADE, UNIVERSIDADE) NOME DO CENTRO DE ESTUDOS NOME COMPLETO DO ALUNO TITULO DO TRABALHO CIDADE 00000 NOME COMPLETO DO ALUNO TITULO DO TRABALHO Titulo do Trabalho: seguido de uma

Leia mais

Elaboração da Proposta de Consultoria Empresarial

Elaboração da Proposta de Consultoria Empresarial Coordenação de Estágio Normas para Elaboração da Proposta de Consultoria Empresarial Voltada para a Excelência em Gestão APRESENTAÇÃO A organização deste manual surge da necessidade de esclarecimento sobre

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

Universidade Católica de Santos

Universidade Católica de Santos Universidade Católica de Santos Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Ciência da Computação/Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso TCC-II (2010) Trabalho Completo Este documento visa

Leia mais

Normas técnicas para a monografia de graduação da Faculdade de Letras

Normas técnicas para a monografia de graduação da Faculdade de Letras UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE LETRAS DIREÇÃO ADJUNTA DE GRADUAÇÃO SEÇÃO DE ENSINO Normas técnicas para a monografia de graduação da Faculdade de Letras 2 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MANUAL DE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA FORMOSA/GO

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Av. Av. Prof. Moraes Rego s/n - Cidade Universitária - CEP: 50739-970 Recife PE Fone: (81)21268538

Leia mais

O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014

O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014 O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014 Breve histórico 1986 - Plano Nacional de Bibliotecas Universitárias Programa de Aquisição Planificada de Periódicos 1990

Leia mais

Psicopedagogia Institucional

Psicopedagogia Institucional Psicopedagogia Institucional Pós-graduação 03 Módulo A: Introdução à Psicopedagogia Teorias da Aprendizagem Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Desafio Profissional. Enunciado O tema deste

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA Este roteiro não dispensa a leitura do Regulamento do Curso de Pós- Graduação Stricto Sensu Mestrado Acadêmico

Leia mais

PRINCÍPIOS DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS COM AUXÍLIO DO POWERPOINT

PRINCÍPIOS DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS COM AUXÍLIO DO POWERPOINT Universidade do Estado da Bahia Monitoria de Física Geral e Experimental I PRINCÍPIOS DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS COM AUXÍLIO DO POWERPOINT Victor Mendes Lopes 1.0 Design Simples, moderno ou

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE DISSERTAÇÃO (FORMATO

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS:

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS: MANUAL PARA TCC www.etecmonteaprazivel.com.br Estrada do Bacuri s/n Caixa Postal 145 Monte Aprazível SP CEP 15150-000 Tel.: (17) 3275.1522 Fax: (17) 3275.1841 NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT

Leia mais

CURSO: TÍTULO DO TRABALHO. Nome do Aluno

CURSO: TÍTULO DO TRABALHO. Nome do Aluno CURSO: TÍTULO DO TRABALHO Nome do Aluno ESTRELA 2015 FACULDADE LA SALLE ESTRELA DISCIPLINA... CURSO... NOME DO ALUNO (MAIÚSCULO) Trabalho da Disciplina, do Curso da Faculdade La Salle Estrela. Professor:

Leia mais

Guia de Orientação para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Guia de Orientação para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) 1 Guia de Orientação para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Gepós Unidade de Gestão de Pós Graduação Como requisito obrigatório para a obtenção do certificado de pós-graduação, o TCC deve ser desenvolvido

Leia mais

PADRÃO PARA NORMALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE PROMOVE DE JANAÚBA:

PADRÃO PARA NORMALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE PROMOVE DE JANAÚBA: Modelo de Capa ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA DO BRASIL - SOEBRAS FACULDADE PROMOVE DE JANAÚBA PADRÃO PARA NORMALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE PROMOVE DE JANAÚBA: modelo apresentado para

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER.

TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER. 1 UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO CURSO DE DIREITO NOME DO AUTOR TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER. SÃO BERNARDO DO CAMPO 2014 2 NOME DO AUTOR TÍTULO

Leia mais

FACULDADE DE TIMBAÚBA Avenida Antonio Xavier de Morais, 03/05, Sapucaia -Timbaúba- PE CEP 55870-000,TELEFAX: (0xx81) 3631-0752

FACULDADE DE TIMBAÚBA Avenida Antonio Xavier de Morais, 03/05, Sapucaia -Timbaúba- PE CEP 55870-000,TELEFAX: (0xx81) 3631-0752 FACULDADE DE TIMBAÚBA Avenida Antonio Xavier de Morais, 03/05, Sapucaia -Timbaúba- PE CEP 55870-000,TELEFAX: (0xx81) 3631-0752 PROPOSTA (considerando a necessidade de adequação dos artigos construídos

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso (Administração) ETEC TEOTÔNIO ALVES PEREIRA

Trabalho de Conclusão de Curso (Administração) ETEC TEOTÔNIO ALVES PEREIRA Trabalho de Conclusão de Curso (Administração) ETEC TEOTÔNIO ALVES PEREIRA Objetivo: Estas diretrizes têm por objetivo padronizar a apresentação dos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) dos Cursos Técnicos

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) HOW TO ELABORATE A SCIENTIFIC ARTICLE

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) HOW TO ELABORATE A SCIENTIFIC ARTICLE 1 COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) HOW TO ELABORATE A SCIENTIFIC ARTICLE SOBRENOME, Nome Aluno 1 Graduando em Educação Artística Unifadra / Dracena SOBRENOME, Nome Aluno 2 Graduando em Educação Artística

Leia mais

Normas de publicação de Neurociências & Psicologia

Normas de publicação de Neurociências & Psicologia Normas de publicação de Neurociências & Psicologia A revista Neurociências & Psicologia é uma publicação com periodicidade bimestral e está aberta para a publicação e divulgação de artigos científicos

Leia mais

Paper: um instrumento pedagógico para prática acadêmica 1

Paper: um instrumento pedagógico para prática acadêmica 1 Paper: um instrumento pedagógico para prática acadêmica 1 Helyab Magdiel Alves Lucena 2 Sale Mário Gaudêncio 3 Zairo José de Albuquerque e Silva 4 RESUMO Apresenta o paper como instrumento pedagógico para

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Tutorial. Planta baixa no AutoCAD com AditivoCAD 1LT

Tutorial. Planta baixa no AutoCAD com AditivoCAD 1LT Tutorial Planta baixa no AutoCAD com AditivoCAD 1LT Observações gerais: O tutorial para desenhar uma planta baixa está dividido em quatro partes, sendo que para cada um há um vídeo legendado demonstrando

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA Estrutura do Projeto de Pesquisa CAPA FOLHA DE ROSTO SUMÁRIO 1. RESUMO 2. PROBLEMA DE PESQUISA OU INTRODUÇÃO 3. REFERENCIAL TEÓRICO (REVISÃO DE

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

Como criar. um artigo. em 1h ou menos. Por Natanael Oliveira

Como criar. um artigo. em 1h ou menos. Por Natanael Oliveira Como criar um artigo em 1h ou menos Por Natanael Oliveira 1 Como escrever um artigo em 1h ou menos Primeira parte do Texto: Gancho Inicie o texto com perguntas ou promessas, algo que prenda atenção do

Leia mais

tem como objetivo informar os destinatários sobre determinado tema, para que fiquem com conhecimento global sobre o que é exposto

tem como objetivo informar os destinatários sobre determinado tema, para que fiquem com conhecimento global sobre o que é exposto Exposições Orais Todos os anos, todos os cursos tem como objetivo informar os destinatários sobre determinado tema, para que fiquem com conhecimento global sobre o que é exposto Numa exposição oral existem

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO

CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO O Colegiado do Curso de Engenharia Ambiental, em reunião de 26 de agosto de 2011, RESOLVE: Aprovar

Leia mais

Este evento busca oportunizar a divulgação de resultados de pesquisa de alunos regularmente matriculados em cursos de graduação.

Este evento busca oportunizar a divulgação de resultados de pesquisa de alunos regularmente matriculados em cursos de graduação. MANUAL OFICIAL O EVENTO O IDEAU Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto Uruguai reconhece a importância do trabalho acadêmico, as habilidades de criação e de inovação dos alunos de cada um de

Leia mais

Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica:

Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica: Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica: Conforme NBR 6022:2003 Seção de atendimento ao usuário - SISBI Outubro 2013 Normas técnicas Norma técnica é um documento estabelecido

Leia mais

1. Objetivos. 1.1. Objetivo geral

1. Objetivos. 1.1. Objetivo geral A Coordenação de Pesquisa e Extensão (COPEX) da Faculdade Metropolitana da Grande Recife, em conjunto com a Direção Acadêmica, abre inscrições aos interessados em cadastrar projetos de pesquisa e extensão

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CURSO DE PSICOLOGIA UNIDADE SÃO GABRIEL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CURSO DE PSICOLOGIA UNIDADE SÃO GABRIEL 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CURSO DE PSICOLOGIA UNIDADE SÃO GABRIEL DIRETRIZES PARA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS DE ORIENTAÇÃO DE MONOGRAFIA I E II Considerando os problemas

Leia mais

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul -

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO EXPANDIDO DO V CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ITAJUBÁ - FEPI

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO EXPANDIDO DO V CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ITAJUBÁ - FEPI NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO EXPANDIDO DO V CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ITAJUBÁ - FEPI Período de submissão de resumos expandidos: 06/06/2014 a 22/08/2014 (até às 21

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais