ARTIGOS CIENTÍFICOS LETRAS SUMÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARTIGOS CIENTÍFICOS LETRAS SUMÁRIO"

Transcrição

1 ARTIGOS CIENTÍFICOS LETRAS SUMÁRIO AS VOZES QUE FALAM CAPITU... 3 EMPRÉSTIMOS LINGUISTICOS NA PUBLICIDADE DE ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS, NA CIDADE DE UBERABA, MG... 6 QUEM SÃO OS NATIVOS DIGITAIS E COMO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PRECISA MUDAR PARA ATENDÊ-LOS O SIMBOLISMO DE RIO EM CABRAL E EM GUIMARÃES: UMA ANÁLISE FILOSÓFICO-SOCIOLÓGICA SENTIMENTO DO MUNDO: ANÁLISE CRÍTICA DA POESIA DRUMMONDIANA O ENSINO DA GRAMÁTICA NA PRÁTICA DOCENTE A INCLUSÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NO SISTEMA EDUCACIONAL DA CIDADE DE UBERABA-MG - UMA VISÃO POLÍTICA E CULTURAL UM ESTUDO ACERCA DAS TEORIAS DE AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM.. 39 A LUDICIDADE COMO FERRAMENTA DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA LÍNGUA ESPANHOLA EM ESCOLAS PARTICULARES DE UBERABA-MG46 A RECORRÊNCIA TEMÁTICA EM CECÍLIA MEIRELES E MARIO QUINTANA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA RUBEM FONSECA: UM GRITO CONTA A VIOLÊNCIA URBANA PROFESSORES-PESQUISADORES: EM BUSCA DA CONSTRUÇÃO DE UMA NOVA PRÁTICA PEDAGÓGICA SÉCULO XXI - A ASCENSÃO DO ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA NO CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO UMA ANÁLISE SOBRE A INCLUSÃO DE DEFICIENTES NA ESCOLA REGULAR A MULHER ESCRAVA EM UBERABA ( )... 80

2 A INFLUÊNCIA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA ARA CRIANÇAS NÃO ALFABETIZADAS LINGUAGEM COMO INSTRUMENTO DE RECONHECIMENTO AFIRMAÇÃO E CONSTITUIÇÃO DO SER AS VARIANTES LINGUÍSTICAS E O TRABALHO DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA O USO OU (NÃO) USO DO PRONOME RELATIVO CUJO: UMA ANÁLISE LINGUÍSTICA A VARIAÇÃO SOCIOLINGUÍSTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA- ASPECTOS FONÉTICO-FONOLÓGICOS, LEXICAIS E MORFOSSINTÁTICOS A CULTURA E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA O CANGAÇO NA LITERATURA BRASILEIRA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA POR ALUNOS DA EJA DE UBERABA-MG ANÁLISE DE VÍDEOS DAS SANDÁLIAS HAVAIANAS NA PERSPECTIVA DISCURSIVA AS QUESTÕES SOCIO-HISTÓRICAS EM OS FUZILAMENTOS DE 03 DE MAIO DE GOYA E VOZES D ÁFRICA DE CASTRO ALVES - UMA ANÁLISE COMPARATIVA

3 AS VOZES QUE FALAM CAPITU FRANCO, L.M. 1 ; CAMILO, A.E.C. 2 1 Professor das Faculdades Associadas de Uberaba Av. do Tutuna, 720, Bairro do Tutunas, fone: (34) , 2 Graduando do Curso de Letras das Faculdades Associadas de Uberaba Av. do Tutuna, 720, Bairro do Tutunas, fone: (34) , Resumo: O presente trabalho tem por objetivo a análise de diferentes vozes que norteiam a personagem Capitu de Dom Casmurro, do autor Machado de Assis, fazendo uma intertextualidade com quatro artigos presentes no livro Quem é Capitu?, cuja organização é de Alberto Schprejer, O que despertou o interesse por essa linha de pesquisa foi o jogo polifônico que permeia os intertextos de Capitu. A presente pesquisa é de cunho qualitativo, conforme Chizzotti, O corpus é constituído de quatro artigos do livro Quem é Capitu?, publicado em 2008, organizado por Alberto Schprejer, sendo estes Uma nação Capitu, da atriz Fernanda Montenegro, Capitu ou a mulher sem qualidades, da especialista em história do Brasil Mary Del Priore, De Capitu a capeta, do professor de antropologia Roberto DaMatta e Ainda uma vez, Capitu da escritora Lygia Fagundes Telles, e o livro Dom Casmurro de Machado de Assis, publicado em Para alcançarmos os objetivos propostos e responder às questões levantadas, os pressupostos teóricos da Análise do Discurso em Gregolin e Pêcheux, citados por Fernandes (2007, p. 70), Rocha & Deusdara (2005), Orlandi (2001; 2005) e Koch (1997) nortearam o estudo. Para abordar as questões de Sujeito, Dialogismo, Polifonia e Intertextualidade nos embasamo-nos em Maingueneau, Brandão, Pêcheux e Verón, Robin, Ducrot citados por Orlandi (2001, p. 11), Authier-Revuz citado por Koch (1997, p. 50), e Fiorin (1999). No momento, estão sendo feitas as leituras iniciais, sendo assim, maiores detalhes sobre a pesquisa não podem ser aclarados, visto que se encontra em fase inicial. Palavras-chave: Análise do Discurso, Capitu, intertextualidade. INTRODUÇÃO A temática deste estudo diz respeito ao dialogismo, em especial: As vozes que falam Capitu. O objetivo geral é analisar as vozes que norteiam essa personagem da literatura brasileira, e os objetivos específicos são: constatar como as vozes do discurso de Capitu, da obra de Machado de Assis, Dom Casmurro, ecoam nos dizeres da obra Quem é Capitu? organizado por Alberto Schprejer; mostrar a visão ideológica de Capitu explicitada nas vozes de seus depoentes, em Quem é Capitu?, sendo estes: Uma nação Capitu, da atriz Fernanda Montenegro, Capitu ou a mulher sem qualidades, da especialista em história do Brasil, Mary Del Priore, De Capitu a capeta, do professor de antropologia, Roberto DaMatta e Ainda uma vez, Capitu da escritora Lygia Fagundes Telles, a escolha de quatro artigos dos dezesseis apresentados no livro, foi por enfocarem intensamente na personagem Capitu. Uma das razões para a realização deste estudo é de ordem teórica no que se refere à análise das vozes que norteiam a personagem Capitu. Além disso, há necessidade de resgatar o jogo polifônico que permeia os intertextos de Capitu. 3

4 Em um conceito breve de polifonia, usando as palavras de Bakthin, citado por Fiorin (1999, p. 5): emprega-se polifonia para caracterizar um certo tipo de texto, aquele em que se deixam entrever muitas vozes, por oposição aos textos monofônicos, que escondem os dialogos que os constituiem. Monofonia e polifonia de um discurso são, dessa forma, efeitos de sentido decorrentes de procedimentos discursivos que se utilizam em textos, por definição, dialógicos Koch (1997) descreve que todo caso de intertextualidade é uma polifonia, mas nem toda polifonia pode ser vista como manifestação de intertextualidade, pois esta compreende as diversas maneiras pelas quais a produção e a recepção do texto depende do conhecimento de outros textos por parte dos interlocutores, isto é, diz respeito aos fatores que tornam a utilização de um texto dependente de um ou mais textos previamente existentes. Nesse sentido podemos dizer que intertextualidade e Análise do Discurso caminham juntas, pois ambas resultam no conhecimento prévio do mundo vivido pelos interlocutores. O eu codifica o sentido de cada texto que é proposto ou imposto Assim, a Análise do Discurso implica intervenções de leitura e interpretação. A Análise do Discurso concebe a linguagem como mediação entre o homem e a realidade natural e social, tornando possível a permanência e a continuidade quanto ao seu deslocamento e a transformação do homem e da realidade em que ele vive. Não podemos deixar de ressaltar um aspecto muito importante, o dialogismo entre os vários textos de cultura que se constroem no interior de cada um dos textos que serão analisados. Dialogismo, para Bakthin, citado por Fiorin (1999, p. 6), é o princípio constituitivo da linguagem e de todo discurso. Os textos são diaógicos porque resultam do embate de muitas vozes sociais; podem produzir efeitos de polifonia, caso essas vozes se deixam escutar ou de monofonia, quando o dialogo é mascarado e apenas uma voz faz-se ouvir. MATERIAL E MÉTODOS Este trabalho tem como corpus As vozes que falam Capitu, utilizando como objeto de análise o livro do escritor brasileiro Machado de Assis, publicado em 2000, Dom Casmurro e quatro artigos do livro organizado por Alberto Schprejer Quem é Capitu?, publicado em Os artigos escolhidos para análise foram: Uma nação Capitu, da atriz Fernanda Montenegro, Capitu ou a mulher sem qualidades, da especialista em história do Brasil Mary Del Priore, De Capitu a capeta, do professor de antropologia Roberto DaMatta e Ainda uma vez, Capitu da escritora Lygia Fagundes Telles. A pesquisa tem como natureza qualitativa, segundo Chizzotti (2005), utilizandose da análise textual (SILVERMAN, 1993) como ferramenta de análise. Devemos ressaltar que a pesquisa qualitativa foi escolhida pela possibilidade que o pesquisador tem de explorar seu pensamento livre, abrindo assim campo para a interpretação e análise de conteúdos. Sobre a pesquisa qualitativa, Chizzotti (2005, p. 78) descreve que nas ciências humanas e sociais, a hegemonia das pesquisas positivas, que privilegiavam a busca da estabilidade constante dos fenômenos humanos, a estrutura fixa das relações e a ordem permanente dos vínculos sociais, foi questionada pelas pesquisas que se empenharam 4

5 em mostrar a complexidade e as contradições de fenômeno singulares, a imprevisibilidade e a originalidade criadora das relações interpessoais e sociais. Sendo assim, a partir de dados aparentemente simples, a pesquisa qualitativa evidencia a complexidade da vida humana e evidenciam sinais ignorados na vida social. CONCLUSÃO A pesquisa, em andamento, pretende analisar as vozes que norteiam a personagem Capitu de Machado de Assis com os quatro artigos do livro Quem é Capitu?. Os detalhes da conclusão não estão prontos, pois a pesquisa está em andamento. REFERÊNCIAS ASSIS, J.M.M. de. Dom Casmurro. 39. ed. São Paulo: Ática, CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 7. ed. São Paulo: Cortez, FERNANDES, C. A. Análise do discurso: reflexões introdutórias. 2. ed. São Carlos: Claraluz, FIORIN, José Luiz. Polifonia txtual e discursiva. In: BARROS, Diana Luz Pessoa de;. Dialogismo, polifonia, intertextualidade em torno de Bakhtin. 2. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, KOCH, I.G.V. Texto e coerência. São Paulo: Cortez, O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 3. ed.. Campinas: Pontes, SILVERMAN, D. Interpreting qualitative data: methods for analysing talk, text and interaction. London: SAGE Publications Ltd., MONTENEGRO, Fernanda. Uma nação Capitu. In: SCHPREJER, Alberto.(Org.) Quem é Capitu? Rio de Janeiro: Nova Fronteira, p PRIORE, Mary Del. Capitu ou a mulher sem qualidades. In: SCHPREJER, Alberto.(Org.) Quem é Capitu? Rio de Janeiro: Nova Fronteira, p TELLES, Lygia Fagundes. Ainda uma vez, Capitu!. In: SCHPREJER, Alberto.(Org.) Quem é Capitu? Rio de Janeiro: Nova Fronteira, p DAMATTA, Roberto. De Capitu a capeta. In: SCHPREJER, Alberto.(Org.) Quem é Capitu? Rio de Janeiro: Nova Fronteira, p

6 EMPRÉSTIMOS LINGUISTICOS NA PUBLICIDADE DE ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS, NA CIDADE DE UBERABA, MG FRANCO, L. M. 1 ; DE PAULA, A. J. 2 1 Professor das Faculdades Associadas de Uberaba Av. do Tutuna, 720, Bairro do Tutunas, fone: (34) , 2 Graduando do Curso de Letras Português/Inglês das Faculdades Associadas de Uberaba Av. do Tutuna, 720, Bairro do Tutunas, fone: (34) , Resumo: Atualmente, percebemos ampla exploração de termos de outras línguas na publicidade e no comércio, como, por exemplo, da língua inglesa. Nesse contexto, o referido trabalho tem como objetivo analisar e refletir acerca das alterações sofridas pelo léxico da língua portuguesa em sua vertente brasileira, provenientes do acréscimo de empréstimos lingüísticos ao seu acervo lexical para nomear diferentes estabelecimentos comerciais, na cidade de Uberaba, MG. Secundariamente, pretendemos verificar o tipo de alterações grafológicas, morfológicas, semânticas ou fonológicas que, supostamente, tais empréstimos passam para se adaptar à língua receptora e, por fim, compreender os motivos que levaram os comerciários a adotarem escolhas lexicais de outros idiomas. Garcez e Zilles (2000) definem empréstimo como o fenômeno constante no contato entre comunidades lingüísticas. Por outro lado, Carvalho (1989, p. 35) nos lembra que o empréstimo é uma conseqüência do contato entre línguas. A natureza da pesquisa é, por um lado, bibliográfica, quando nos valemos das contribuições dos teóricos Bechara (2002), Garcez e Zilles (2000), Faraco (2002) e Carvalho (1989). Por outro lado, o estudo é qualitativo (CHIZZOTTI, 2001), quando faremos uma pesquisa de campo em estabelecimentos comerciais na cidade de Uberaba, MG. Palavras-chave : estrangeirismo, empréstimos lingüísticos, linguagem, língua, léxico, variação terminológica. INTRODUÇÃO Atualmente, linguistas brasileiros se empenham em pesquisas e em elaborações teóricas com o objetivo de compor um retrato o mais fiel possível da realidade linguística brasileira. Fazendo um breve panorama no universo linguístico brasileiro, podemos perceber vários vocábulos / termos utilizados de cunho estrangeiro, em especial, os anglicismos, alguns até modificados e já dicionarizados, enquanto outros procuram o seu lugar, seja por modismo ou por sofisticação. A língua é um organismo vivo, mutável, nunca se fixa, pois se movimenta constantemente para satisfazer as necessidades comunicativas dos usuários. Tal argumento é válido quando nos deparamos com usos expressivos de estrangeirismos em situações rotineiras, como, por exemplo, um simples passeio ao shopping, ao centro da cidade, nas bancas de jornal, na televisão e até mesmo nos diálogos diários, nos quais os falantes mesclam usualmente o Inglês com o Português. Express, cyber, boulevard, trip, street, solution, shoes, ice, sport, delivery entre outros, são encontrados em quase toda 6

7 parte no Brasil. Porém, muitos desses empréstimos não são incorporados à língua e são usados de forma abusiva, visando o diferente, o chique, status social e submissão cultural. Por conseguinte, temos conflitos internos que buscam, por um lado, impedir o excesso de estrangeirismos, e, por outro, defender e apoiar o fenômeno. Entre os lados que discutem o tema estão políticos, estudiosos da língua, cantores e autores literários. Em contrapartida, o cenário mundial bombardeia o Brasil, principalmente Europa e Estados Unidos, com promessas de ascensão comercial e status. O referido trabalho tem como objetivo principal analisar e refletir acerca das alterações sofridas na língua portuguesa, em sua vertente brasileira, provenientes do acréscimo de empréstimos lingüísticos ao seu acervo lexical para nomear diferentes estabelecimentos comerciais, na cidade de Uberaba, MG. Secundariamente, nesse contexto, pretendemos verificar o tipo de alterações grafológicas, morfológicas, semânticas ou fonológicas que, supostamente, tais empréstimos passam para se adaptar à língua receptora. O interesse pelo estudo se justifica por três razões: na tentativa de mostrar que a ocorrência de empréstimos em uma língua pode ser vista como um indicador da vitalidade do próprio sistema linguístico. Pelo fato de o empréstimo ser tomado como um fenômeno que não é de hoje, mas, presente nas línguas modernas, sendo fonte de enriquecimento cultural para a língua receptora e seus usuários. E, por fim, pelo fato de talvez criar uma relação de exclusão com o consumidor que, muitas vezes, sem o domínio do idioma tomado por empréstimo, impõe uma relação lingüística que não é do domínio do consumidor, como em On Sale e % off price, para indicar descontos, promoções e liquidações. Saussure (2002, p. 21), considerado por muitos como o pai da Linguística Moderna, observa que a língua é um organismo abstrato, homogêneo e uniforme. Porém, a língua não é estática, ela está à mercê, de início, da própria comunidade que a altera o tempo todo, com as variantes lingüísticas. Com as conquistas de territórios por conquistadores e colonizadores durante os séculos, a língua sofreu várias mudanças, substituindo ou alterando as formas existentes anteriormente, e até extinguindo-as. Nos tempos modernos, os motivos que levam uma língua se sobrepor, ou se fundir a outra é o status de 1º mundo, o poder de mercado, a tecnologia e os avanços científicos. Daí a presença dos Estrangeirismos. Um dos motivos mais comuns da necessidade de usar um empréstimo lingüístico é na área da tecnologia. Os Estados Unidos e Japão são os países que mais se destacam em avanços tecnológicos. O Brasil, ao comprar computadores de última geração, aparelhos de som, TV e outros, também compra um leque de nomenclaturas no idioma inglês e que não são encontrados correspondentes em português. Aí entram os Empréstimos Linguísticos. Dubois (2000, p ), em relação aos empréstimos linguísticos, afirma que: Há empréstimo linguístico quando um falar A usa e acaba por integrar uma unidade ou um traço lingüístico que existia precedentemente num falar B e que A não possuía; a unidade ou o traço emprestado são, por sua vez, chamados de empréstimo. O empréstimo é o fenômeno sóciolinguístico mais importante em todos os contatos de línguas. 7

8 são: Em seguida, Câmara Jr. (1998, p. 111) nos fala também que os estrangeirismos Os empréstimos vocabulares não integrados na língua nacional, revelando-se estrangeiros nos fonemas, na flexão e até na grafia, ou os vocábulos nacionais empregados com a significação dos vocábulos estrangeiros de forma semelhante. Na língua portuguesa os estrangeirismos mais frequentes são hoje galicismos e anglicismos. O vocábulo estrangeiro, quando é sentido como necessário, ou pelo menos útil, tende a adaptar-se à fonologia e à morfologia da língua nacional, o que para a nossa língua vem a ser o aportuguesamento. Segundo Garcez (2000), estrangeirismo é o emprego, na língua de uma comunidade, de elementos oriundos de outras línguas. No nosso cotidiano, é cada vez mais comum o emprego de palavras emprestadas de outros idiomas. No Brasil, por exemplo, temos, em maior parte casos de anglicismo (palavras oriundas do inglês), galicismo (do francês), e algumas outras em menores proporções. Porém, essa questão, que vem se afirmando desde o descobrimento do Brasil, é alvo de discussão de estudiosos e políticos quanto à sua aplicação, relevância e limite. O projeto de lei nº 1676/99, de autoria do deputado Aldo Rebelo, objetiva defender, proteger e promover a língua portuguesa no Brasil. No projeto, o deputado afirma que há o uso desmedido e despreocupado de estrangeirismos em todos os ramos de comércio e nas diferentes mídias. Também argumenta que todo cidadão brasileiro deve estar atento aos excessos de uso de empréstimos linguísticos, porque os mesmos podem fazer com que coloquemos em risco a nossa língua materna. Caso seja aprovada, a lei obrigará que palavras ou expressões em língua estrangeira sejam substituídas por correspondentes em português. Na visão do deputado, o estrangeirismo é uma ameaça à língua materna, elemento do nosso patrimônio cultural. Ele afirma que ignorância, falta de senso crítico e de estética são a única explicação para esse fenômeno que vem crescendo ao longo dos últimos 10 a 20 anos, tido por ele, como indesejável, chegando a apontar que tal fato significa falta de autoestima. No entanto, de acordo com alguns estudiosos, o referido projeto é baseado em um desejo impensado de proteção à língua. De acordo com Bechara (2002, p. 74), tratar o problema do Estrangeirismo numa língua como um sinal de decadência cultural ou de perda da noção de identidade nacional, é colocá-lo em ótica errada, ou pelo menos, sujeito a graves críticas e profundos prejuízos de natureza científica. Segundo esse autor, é fechar os olhos a uma realidade que não é exclusiva de uma nação, mas que se repete e, muitas vezes, mais aguda em nações extremamente ciosas de seu sentimento de pátria e etnia que reagem ao empréstimo, principalmente do inglês como acontece na França, na antiga República Democrática Alemã e na Bulgária. Na perspectiva sociolinguística, temos, porém, uma visão mais ampla e mais imparcial dos intercâmbios entre os vários idiomas e a relevância desse fenômeno para a língua materna que, no caso em questão, é a Língua Portuguesa. Alguns linguistas, como a professora-doutora de Sociolinguística da UFU, Maura Alves Rocha, são totalmente contra o projeto que tem como intuito vetar a influência do estrangeirismo no Brasil. Essa estudiosa afirma que é um projeto inconsistente, xenófobo e inexequível, argumentando que o projeto não especifica quais palavras podem ou não ser usadas e 8

9 que é impossível evitar esse empréstimo lexical. Como exemplificação, Rocha (2007) afirma: filé, hotel, maionese, garagem, bife, camisa, café, abajur, self-service, alfaiate, muçarela, pizza, estrogonofe, lasanha, mouse, deletar, entre tantas outras não são palavras do português e, no entanto, já estão incorporadas à nossa fala. A Sociolingüística garante que toda e qualquer língua é um organismo vivo e em constante evolução e o que faz e caracteriza uma língua é o seu uso. Não é possível e nem lógico tentar controlar, por meio de uma lei, a língua falada, pois o falante não pode ser punido e nem sancionado baseando-se na maneira como ele se expressa. Conforme salienta Bourdieu (1998, p. 32): Para que um modo de expressão entre outros (uma língua, no caso do bilinguismo, uma utilização da língua, no caso de uma sociedade dividida em classes) se imponha como único legítimo, é preciso que o mercado linguístico seja unificado e que os diferentes dialetos (classistas, regionais ou étnicos) estejam praticamente referidos à língua ou ao uso legítimo. Enquanto produto da dominação política incessantemente reproduzida por instituições capazes de impor o reconhecimento universal da língua dominante, a integração numa mesma comunidade linguística constitui a condição da instauração de relações de dominação linguística. Não é de hoje que, nos meios sociais e políticos de diversos grupos, o estrangeirismo é propício a debates em torno do seu uso correto no meio lingüístico. Na década de 20, tivemos movimentos puristas de estudiosos que não se conformavam com o uso das palavras francesas, que eram usadas em demasia por grande parte da elite que compunha a população do Rio de Janeiro. A Sociolinguística defende que os estrangeirismos têm sua função e relevância, principalmente na área científica, em que muitos termos usados para designar fórmulas de produtos, como, por exemplo, os cosméticos mantém a termologia igual à original, na sua passagem para o Brasil. Quanto a outros exemplos, pode-se afirmar a procura de status e estética. No entanto, não devemos nos deixar totalmente influenciados pela língua do outro, nem mesmo usá-la para fazer uma seleção de clientes para o comércio, a não ser em casos específicos, como escolas de idiomas, por exemplo. O maior problema é o uso do fenômeno sem um estudo amplo da sua real necessidade. Garcez e Zilles (2000) apontam que os falantes de língua portuguesa associam o uso do Estrangeirismo ao que é representado em suas mentes. Essas representações que são feitas a respeito de alguns falantes de inglês vão desde valores eliticistas, dinamistas, consumistas, cômodos, até poder e valores que querem associar a si mesmos. O maior problema encontrado por pessoas que se colocam no lugar do deputado Aldo Rebello, é o fato crescente de concentração de elementos, principalmente do inglês, estarem se infiltrando cada vez mais no uso cotidiano de falantes de língua portuguesa no Brasil, principalmente anglicismos. O fato também de que a língua inglesa no Brasil não é língua falada no uso diário em nenhuma comunidade, sendo claramente uma língua estrangeira. Na atualidade, o inglês é uma grande fonte de empréstimos línguísticos não só no português, mas também nas demais línguas, fato aumentado ainda mais com a globalização. O inglês hoje é tido como língua franca para contatos internacionais, sucesso esse devido ao sucesso imperial britânico e americano, sendo o Brasil cliente servil. Já a Língua Portuguesa, apesar de ser o quinto idioma mais falado do mundo, sendo o sétimo em ocupação territorial do globo, não é reconhecida nos organismos internacionais, como a ONU, a FAO e a 9

10 Unesco, como idioma de trabalho. E também tem o fato de que a Língua Portuguesa não é como a Língua Inglesa, disseminada praticamente em todo o globo, tendo cursos em quase todos os continentes do planeta. Em contrapartida, para Carvalho (1989, p. 26), é de grandes proporções a influência e correntes ideológicas que a língua pode denunciar, sendo insofismável prova e testemunho do domínio cultural. Acontece que, temos também, o fator poder de mercado, que os Estados Unidos tem por excelência, sendo o mesmo considerado o pai do capitalismo. Sendo assim, isso pode influenciar outras comunidades linguísticas, fazendo com que elas se apoderem da linguagem do país tido como primeiro mundo. Diante disso, o comércio, sabendo que é necessário, para ter sucesso usar recursos e artefatos que atraiam consumidores, explora os anglicismos por parte da associação semiótica feita com a língua inglesa e a sua grande reposição de recursos simbólicos, sociais e econômicos que são por ela mediados. A esse respeito, Garcez e Zilles (200observam que o anglicismo traz a promessa de que o comércio pode quebrar a insegurança, as dificuldades de vendas e ascensão comercial. Garcez e Zilles (2000, p. 23) acrescentam: [...] A força desse desejo parece irrefreável. Dele resultam muitos empréstimos, desnecessários na sua maioria, de gosto duvidoso quase sempre (e gosto linguístico se discute, é claro). Ou seja: seriam imprescindíveis esses estrangeirismos? Não. Desejados? Sim, por muitos de nós. Fazem mal? Tanto quanto as ondas que vieram antes, como a dos galicismos os empréstimos franceses do início do século XX passageiros, na maior parte; incorporados sem cicatrizes, os mais úteis ou simpáticos. Reprimi-los, por quê? O próprio português é uma língua que é invadida e também invasora, falada em cinco continentes. Tendo em vista a língua portuguesa sendo uma língua moldada e desenvolvida através de séculos, e atualmente com o uso crescente de influências externas de outras línguas, é criado a ideia errônea de que pode ocorrer uma descaracterização do português, fazendo assim com que percam de vista de que a verdadeira essência é a fala, mutável, dotada de vitalidade incontrolável. MATERIAL E MÉTODO A pesquisa é, por um lado, de natureza bibliográfica, quando nos valemos das contribuições dos teóricos Bechara (2002), Garcez e Zilles (2000), Faraco (2002) e Carvalho (1989), os quais defendem o estrangeirismo como medida necessária para o enriquecimento da língua e descrevem sua importância na formação da língua portuguesa como conhecemos atualmente. Por outro lado, o estudo é qualitativo (CHIZZOTTI, 2001), quando será feita uma pesquisa de campo nos mais diversos estabelecimentos comerciais. Aqui, o objetivo é pesquisar e analisar o porquê de cartazes, nomes fantasias e produtos estarem em outro idioma e não na língua materna e o que esperam com o uso desse artifício. Será elaborado um questionário com questões abrangendo o ambiente, a posição em que se encontra o estabelecimento, o significado e importância que comerciantes dão para o uso de estrangeirismos e a repercussão esperada a respeito do uso dos mesmos. Foi vista a necessidade de adicionar no questionário, perguntas com o intuito de verificar as particularidades que o tema pode trazer, devido ao fato de que a escolha 10

11 do uso de um termo de outra língua pode ser tanto de influências que vêm desde as preocupações estéticas, crenças, comparações com exemplos de outros estabelecimentos comerciais do mesmo ramo, visão mercadológica global e outros. Tendo em vista esses detalhes, poderemos ter acesso a dimensões maiores que podem explicitar melhor a real necessidade vista pelos comerciantes na prática do uso de Empréstimos Linguísticos. A escolha pelo método Qualitativo, corroborando com Demo (1995), deu-se também pelo fato de ser a melhor opção para se verificar a realidade de uma situação estudada, pelos várias combinações particulares entre o teórico e a prática. Existe também a intenção de separar por etapas o processo de pesquisa. A meta é identificar vários segmentos comerciais, fazendo assim um cronograma, com localização, estrutura em geral e de comparações com lojas comerciais do mesmo ramo. Com isso, será possível fazer análises de grandes e pequenas empresas (lojas comerciais), em suas respostas ao questionário, para poder ser observado se há divergências nas opiniões, observando assim, o que ambos almejam. Serão feitos gráficos demonstrativos do resultado final, com a porcentagem de cada particularidade ligada ao uso de Estrangeirismos. Sendo assim, as etapas serão as seguintes: 1º) criação de um questionário contendo itens de pesquisa que serão preenchidos pela própria visão do pesquisador a respeito de estrutura, ramo e localização de estabelecimentos comerciais. E também itens que serão a respeito da opinião do dono do estabelecimento, do porque do uso de Estrangeirismo no nome de fantasia da loja. 2º) elaboração de gráficos estatísticos contendo todo o resultado da pesquisa, com um gráfico para cada item, expondo as diferentes opiniões e análises feitas. CONSIDERAÇÕES FINAIS A pesquisa de campo ainda está em andamento, mas já avançamos quanto a algumas conclusões: a de que vivemos em um mundo globalizado. Não há dúvida de que o dia a dia do brasileiro está repleto de termos estrangeiros, principalmente no meio logístico, onde é claro o uso exagerado de termos vernáculos do inglês. O Estrangeirismo é apenas uma maneira que foi encontrada para que a permuta de informações pudesse ser facilitada. O estrangeirismo ou a utilização de algumas palavras estrangeiras como abajur ou camisa não farão com que nossa língua perca sua identidade. Não devemos afirmar a importância e relevância de nossa língua criticando e proibindo a utilização de alguns vocábulos estrangeiros, mas devemos, sim, valorizar a língua por ser formada e ser o que ela é. Porém, devemos estar atentos para barbáries desnecessárias, caprichos que visam imitar o comércio externo, os países de primeiro mundo, buscando evitar uma submissão cultura. A língua é uma mistura de várias línguas de diversos povos e comunidades que viveram e até hoje vivem de forma harmoniosa nesse território a que chamamos Brasil. Porém, acreditamos que a pesquisa de campo trará resultados que poderão responder o porquê de tantos estabelecimentos comerciais utilizarem o fenômeno de forma exagerada, e, muitas vezes, com termos que temos equivalentes em nossa língua materna. Não podemos esquecer que foi o uso do idioma que muitos povos utilizaram para a conquista e dominação de outros. Quando os romanos tiveram o seu domínio nas ilhas britânicas, prevaleceu o inglês arcaico, depois vieram os anglo-saxões e os normandos, momento em que o francês prevaleceu por um bom tempo. Hoje, com a 11

12 globalização, o inglês parece ser a língua mais difundida, daí, ser nomeada como língua universal. A mídia, que deveria difundir melhor sobre a temática, acaba provocando mais confusão, ora é a favor, ora é contra, portanto, só serve para confundir ainda mais a população. É inevitável o fato de que empréstimos linguísticos sempre estarão presentes no nosso cotidiano. Porém, é preciso que haja muita atenção ao fato que muitos aparecem sem avisar e nem são necessários. Há o prestígio por parte da comunidade e a não observação dos equivalentes já existentes. Quanto aos termos que não têm correspondentes no nosso idioma, pode ser feita uma proposta à Academia Brasileira de Letras para que se faça o aportuguesamento caso realmente for necessária a aquisição dos termos estrangeiros pretendidos. Muitos países perderam a sua identidade devido às colonizações e à expansão do domínio das culturas dominantes. Não podemos facilitar com o uso supérfluo de termos de outros idiomas por questões estéticas e de status, porque, quando menos percebermos, estaremos em uma situação que não poderá ter mais retorno. REFERÊNCIAS CARVALHO, N. Empréstimos linguísticos. São Paulo: Ática, CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, GARCEZ, P. M., ZILLES, A. M. S. Estrangeirismos: empréstimos ou ameaça? In: LOPES DA SILVA, F; MOURA, H. M. M. (Orgs.) O direito à fala: a questão do preconceito lingüístico. Florianópolis: Insular, p FARACO, Carlos Alberto. Estrangeirismos: guerras em torno da língua. In: (Org.). Estrangeirismos: guerras em torno da língua. São Paulo: Parábola Editorial, p BECHARA, E. C. (Org.). Na ponta da língua 5. In: O estrangeirismo e a pureza do idioma 1. Rio de Janeiro: Lucerna, p ROCHA, M, A. Estrangeirismo pode ser proibido. Disponível em: <http://www.correiodeuberlandia.com.br/texto/2007/12/26/885/estrangeirismo_pode_se r_proibido.html>, Acesso em: 08 abr Estrangeirismo agrega valor ao produto? Disponível em: <http://www.jornalexpress.com.br/noticias/detalhes.php?id_jornal=13001&id_noticia=1 06>, Acesso em: 12 mar SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de lingüística geral. São Paulo, Cultrix, DUBOIS, Jean et al. Dicionário de linguística. São Paulo: Cultrix, CAMARA Jr., J. Mattoso. Princípios de linguística geral. Rio de Janeiro: Padrão,

13 QUEM SÃO OS NATIVOS DIGITAIS E COMO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PRECISA MUDAR PARA ATENDÊ-LOS MAXWELL, L.J. 1 ; SOUSA, A.M.A. de 2 1 Professora das Faculdades Associadas de Uberaba Av. do Tutuna, 720, Bairro do Tutunas, fone: (34) , ; 2 Graduanda do Curso de Licenciatura em Letras Português / Inglês das Faculdades Associadas de Uberaba Av. do Tutuna, 720, Bairro do Tutunas, fone: (34) , Resumo: O mundo muda o tempo todo. Nada é sempre do mesmo jeito. Tal como a observação da mutabilidade natural das coisas, a observação das relações de ensino atuais permite notar que o mundo no qual os professores de hoje nasceram não é o mesmo mundo no qual seus alunos nasceram. Quanto maior a diferença de idade entre eles, maior a diferença entre seus mundos. Em função disso, as maneiras de educar, de aprender e o conceito de o que seja educação, ou não, também não são os mesmos. Os professores de hoje planejam, em sua maioria, aulas para alunos que presumidamente pensam como eles. Mas isso não é mais verdade tampouco as situações imaginadas pelos professores da língua inglesa para contextualizar suas atividades serão possíveis ou naturais quando esses alunos saírem de suas escolas. Prensky (2001) apresentou e explicitou conceitos anteriormente inexistentes: imigrante digital (Digital Immigrant) e nativo digital (Digital Native), que fazem um trocadilho interessante com falante nativo e imigrante de uma língua, e que permitem explicar como os alunos atuais não raciocinam, deduzem, estudam ou aprendem como os que hoje deveriam estar lhes ensinando. Palfrey (2008) estende sua análise até as esferas política e econômica ao constatar que a primeira geração de nativos digitais chegou à maioridade, o que acarretará uma mudança no mundo com relação à sua imagem. Em uma pesquisa bibliográfica, outros autores serão pesquisados, tanto para opor como para ratificar os conceitos defendidos para alcançar os objetivos propostos neste trabalho, por meio de comparação de informações e teorias de estudiosos da educação, do ensino de língua inglesa, da tecnologia e do desenvolvimento humano. Assim, esse trabalho, que é participante do programa de iniciação científica das Faculdades Associadas de Uberaba (FAZU), propõe-se a verificar quem são os nativos digitais, quais suas características e quais as mudanças pelas quais a metodologia do ensino de língua inglesa, como idioma estrangeiro, deverá passar para propiciar que uma verdadeira aquisição da linguagem. Ao longo desta proposta de adequação da metodologia de ensino, opções tecnológicas com uso educacional serão estudadas para verificar quais melhor atendem às necessidades dos nativos digitais, bem como as necessidades de seus professores, que, muitas vezes, são imigrantes digitais. Palavras-chave: educação, língua inglesa, nativos digitais, tecnologia. INTRODUÇÃO Ao assistir a uma palestra proferida por um especialista em uso de tecnologia e de recursos multimídia no ensino da língua inglesa, tomamos conhecimento da existência de um estudo inicial feito por Prensky (2001) em que ele separa as pessoas 13

14 que vivem atualmente em três gerações: a geração analógica, formada primordialmente por adultos nascidos até a década de 60, a geração net, dos nascidos entre os anos 60 e 80, e a geração digital, formada pelos nascidos a partir da segunda metade da década de 80. Uma maneira simplista de explicar suas diferenças seria imaginar uma hipotética situação em que um membro de cada geração receberia um equipamento eletrônico novo. O representante analógico olharia o manual e chamaria um técnico para instalá-lo; o representante net leria o manual passo a passo e instalaria o equipamento; o representante digital o tiraria da embalagem e começaria a mexer no equipamento até tê-lo instalado correta e rapidamente e ainda descobrindo características talvez desconhecidas pelos outros dois. Prensky também afirma que a geração digital seria formada por nativos digitais. Esses seres nasceram em um momento multimídia, multitarefa, rápido e lógico. Dentre os membros das outras gerações, há os chamados imigrantes digitais, que não são nativos, mas já dominam mais elementos tecnológicos do que seus contemporâneos e por isso dialogam de maneira mais proveitosa com a geração digital. Desde 2001 essa teoria vem se alastrando pelos países de língua inglesa desde Harvard University chegando, inclusive, à Universidade de Campinas (Unicamp) no departamento de matemática. Ambas as vertentes também serão analisadas nesse trabalho. Uma pesquisa acerca da veracidade dessas informações, bem como de suas falhas e oposições faz-se necessária para que possamos discutir a quem se pode atribuir o rótulo de nativo digital. Após a constatação da existência do nativo digital e de seu perfil, caberá um questionamento de como a educação em geral, mas principalmente a de língua inglesa para brasileiros, precisa mudar para tornar-se interessante e atrativa aos olhos dos alunos da geração digital. Em Vigotskii serão buscados os conceitos relativos à psicologia para fundamentar o estudo quanto ao desenvolvimento e aprendizagem da linguagem em geral. Quanto à aquisição de um segundo idioma, aqui a língua inglesa, os estudos de Ellis serão utilizados. Também será necessário considerar quais mecanismos tecnológicos disponíveis podem ser utilizados tanto por professores quanto por alunos para facilitar a assimilação da língua inglesa. Esse trabalho exploratório e descritivo (GIL, 2002) tem por objetivo geral verificar a existência do nativo digital. A partir dele, dois outros objetivos específicos são almejados: verificar, a partir de uma pesquisa bibliográfica, como o nativo digital é, como se comporta e como se difere das gerações anteriores e verificar quais aspectos metodológicos do ensino de língua inglesa precisam ser alterados para melhor atenderem a esse novo ser humano. A constatação de sua importância para a formação de professores e para o ensino de língua inglesa comprovou a necessidade desse trabalho, bem como o interesse pessoal da autora em educação, ensino de língua inglesa, psicologia e tecnologia aplicada à educação e aprendizagem. Caso durante a evolução do trabalho seja justificada a adoção de novos objetivos ou adequação dos objetivos supracitados, ela será feita, contanto que o cerne da questão levantada pela autora seja mantido. MATERIAL E MÉTODOS A pesquisa para este trabalho será de natureza bibliográfica (GIL, 2002) e utilizará o método comparativo (LAKATOS; MARCONI, 1996) para a obtenção e 14

15 análise dos dados. A maior parte do material encontrado até o presente momento está em formato de livros e artigos científicos, mas em função do caráter digital e internacional do tema, alguns artigos, estudos e apresentações estão disponíveis somente na Internet. Esse material também será utilizado, desde que procedência, veracidade e autoria possam ser verificadas e comprovadas. Para alcançar os objetivos propostos, partir-se-á do estudo dos trabalhos de dois autores exponenciais em nativos digitais, sendo um da área de jogos eletrônicos corporativos e o outro da área do estudo, ensino e aplicação do direito. Paralelamente, será feito um estudo dos processos de desenvolvimento e aprendizagem da linguagem e do processo de aquisição de um segundo idioma. Quando passarmos para a aplicação prática desses estudos, isto é, da utilização de tecnologia como facilitador do aprendizado, material científico-bibliográfico e informações próprias dos fabricantes destes equipamentos, serão utilizados, já que vários deles já possuem áreas específicas referentes à utilização e ao desenvolvimento de tecnologias para a educação. RESULTADOS E DISCUSSÃO Como este trabalho encontra-se em andamento e em uma fase bastante inicial, limitar-nos-emos a discutir os resultados obtidos, tentando transpô-los para a realidade da sala de aula. CONCLUSÃO Esperamos que, ao final deste trabalho, possamos concluir que a educação como um todo, mas principalmente no que se refere ao ensino de língua inglesa, precisa desenvolver para ficar o mais próximo possível da realidade de seus usuários, mantendo seu interesse e obtendo resultados mais expressivos e positivos. REFERÊNCIAS BERKMAN CENTER FOR INTERNET & SOCIETY AT HARVARD UNIVERSITY. Digital natives. Disponível em < Acesso em: 01 set BORN DIGITAL. Site oficial. Disponível em < Acesso em 01 set CHURCHWARD, A.; GRAY, K.; JUDD, T. S.; KENNEDY, G. E.; KRAUSE, K. L. First year students' experiences with technology: Are they really digital natives? Australasian Journal of Educational Technology, 24(1), p Disponível em: <http://www.ascilite.org.au/ajet/ajet24/kennedy.html>. Acesso em: 01 set D AMBROSIO, U. Site oficial. Disponível em <http://vello.sites.uol.com.br/ubi.htm>. Acesso em 01 set EDUTOPIA. Young minds, fast times: The Twenty-First-Century Digital Learner. Disponível em < Acesso em: 01 set ELLIS, R. Second Language Acquisition. Oxford University Press, p. ELLIS, R. Understanding Second Language Acquisition. Oxford University Press, p. GASSER, U.; PALFREY, J. Born digital: Understanding the First Generation of Digital Natives. Perseus Books, p. 15

16 GEE, J.P.; PRENSKY, M. Don t bother me mom I m learning. Spring Publications, p. ICTlogy. UNESCO Seminar on the web2.0 and e-learning. John Palfrey: Born Digital. Disponível em < and-e-learning-john-palfrey-born-digital/>. Acesso em: 01 set PALFREY, J. Blog. Disponível em < Acesso: em 01 set PRENSKY, M. Digital natives, digital immigrants. in On the Horizon. MCB University Press, Vol. 9 No. 5, October PRENSKY, M. Site oficial. Disponível em < Acesso em: 01 set PRENSKY, M.; THIAGARAJAN, S. Digital game-based learning. Continuum Publishing, p. LEONTIEV, A.N.; LURIA, A.R.; VIGOTSKII, L. S. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Ícone editora, p. YOUTUBE. Pay attention. Disponível em <http://www.youtube.com/watch?v=_m_336pdwom&feature=related>. Acesso em 01 set YOUTUBE. Reaching digital natives. Disponível em <http://www.youtube.com/watch?v=6zkvmpe50gq&feature=related>. Acesso em 01 set YOUTUBE. Teaching in a digital age. Disponível em <http://www.youtube.com/watch?v=cao4pchiuj0&feature=related>. Acesso em 01 set

17 O SIMBOLISMO DE RIO EM CABRAL E EM GUIMARÃES: UMA ANÁLISE FILOSÓFICO-SOCIOLÓGICA BORGES, C. F. P.¹; SANTOS, A.P.S.² 1-Professora das Faculdades Associadas de Uberaba - FAZU - Av. do Tutuna, 720, Bairro do Tutunas, fone: (34) , ; 2-Graduanda do Curso de Letras das Faculdades Associadas de Uberaba FAZU - Av. do Tutuna, 720, Bairro do Tutunas, fone: (34) , * Projeto financiado pela FAZU Faculdades Associadas de Uberaba * Projeto financiado pela FAPEMIG Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais Resumo: Este trabalho tem como meta confrontar dois textos da literatura modernista brasileira: O cão sem plumas, de João Cabral de Melo Neto, e A terceira margem do rio, de João Guimarães Rosa, partindo da perspectiva simbólica da imagem-palavra rio e alcançando abordagens filosófico-sociológicas. Por meio desse objetivo geral, a pesquisa se propõe a analisar a exploração da simbologia da imagem-palavra rio, na constituição de princípios filosóficos em Rosa; a investigar as implicações sociológicas, no texto cabralino, a partir do valor simbólico da imagem-palavra rio e a verificar se há possibilidade de existência de pontos de contato nos textos dos dois autores mencionados, no que se refere ao entrelaçamento dos conceitos ligados ao mundo social e ao universo filosófico. Para isso, esta pesquisa é de natureza qualitativa (CHIZZOTTI, 2005), ao utilizar a Análise de Conteúdo, como ferramenta de análise (BARDIN, 1977), dos textos O cão sem plumas, de João Cabral de Melo Neto, e A terceira margem do rio, de João Guimarães Rosa. Para a constituição da fortuna crítica deste trabalho, utilizaram-se os princípios conceituais de Carvalhal (2006), Remak (1994) e Kaiser (1980), no que diz respeito à literatura comparada. Em relação ao simbolismo de rio, foram utilizados os dizeres de Chevalier e Gheerbrant (2007), bem como os fundamentos compilados por Wellek e Warren (1955). Sobre o aspecto filosófico, teóricos como Nunes (2002), Rée (2000) e Cotrim (1999) foram consultados. Buscando fundamentação para o entendimento de conceitos sociológicos, as considerações de Cândido (2000) e Chinoy (1993) foram levadas em conta. Esta pesquisa apresenta uma simbiose disciplinar, já que demonstra, analiticamente, a relação existente entre a literatura e outras áreas do conhecimento, como a filosofia e a sociologia. Palavras-chave: Filosofia, Literatura, Rio, Símbolo, Sociologia. INTRODUÇÃO Como toda arte, a literatura sempre foi alvo de estudos diversos. Pode-se dizer que a teoria da literatura sempre ofereceu um vasto campo de análise a estudiosos, a professores, e muitos apontamentos conceituais compilados por essa vertente de estudo e pela própria crítica literária vêm apontando caminhos mais propícios para a realização de análises coerentes que esbocem um entendimento mais amplo e, ao mesmo tempo, mais criterioso dos textos que pertencem ao universo literário. Considerando, então, as múltiplas possibilidades de enfrentamento que os escritos literários podem propor, surgiu o interesse de se fazer um estudo que apresentasse a comunhão entre textos que possuem excelência literária e outras áreas do 17

18 conhecimento, já que a arte literária se apropria da representação significativa da palavra e reflete, como um verdadeiro espelho, os pensamentos de uma época, as ideologias que são firmadas, a compreensão de mundo dos muitos sujeitos que nele habitam, de forma irrestringível, ou seja, de forma mais ampla e valorativa. Pensando nisso, o objetivo principal desta proposta de investigação baseia-se em confrontar dois textos da literatura brasileira, sendo eles O cão sem plumas, de João Cabral de Melo Neto, e A terceira margem do rio, de João Guimarães Rosa, por meio do estudo do simbolismo de rio presente em ambos os referenciados escritos e utilizando, para tanto, considerações filosóficas e sociológicas. Como objetivos subsequentes, foram elencados os seguintes: analisar a exploração da simbologia da imagem-palavra rio, na constituição de princípios filosóficos em Rosa; investigar as implicações sociológicas, no texto cabralino, a partir do valor simbólico da imagempalavra rio e verificar se há possibilidade de existência de pontos de contato nos textos dos dois autores mencionados, no que se refere ao entrelaçamento dos conceitos ligados à sociologia e à filosofia. Ao se fazer essas conexões entre a literatura, a filosofia e a sociologia, percebese que esta pesquisa possui um enfoque próprio de uma área de estudo denominada literatura comparada. Sabe-se que essa vertente do conhecimento tem aqui, no Brasil, seus cinquenta anos de existência e que foi difundida pelo crítico literário Antônio Cândido, quando o mesmo propôs a abertura da disciplina Literatura Comparada, na Universidade de São Paulo USP, na década de sessenta. No mundo inteiro, essa ramificação da literatura foi alvo de inúmeros questionamentos no que se refere à sua especificidade, já que se originou no século XIX, o denominado século cientificista. Esse tempo foi marcado pelo pensamento cosmopolita e a comparação de estruturas ou fenômenos análogos foi dominante nas ciências naturais, de acordo com Carvalhal (2006, p. 8). A literatura comparada teve, em princípio, dois momentos principais, sendo que, no primeiro deles, ela possuiu caráter político, pois era utilizada para comparar quadros culturais e sociais, dando maior ênfase aos países da França e da Alemanha. Em seu segundo momento, os questionamentos foram direcionados para os textos literários, para, em seguida, atingirem a esfera de comparação entre a literatura nacional e a literatura de outras nacionalidades. Como muitos estudiosos e especialistas passaram a enxergar uma estreita relação entre a disciplina literatura comparada e o estudo do que se considera como sendo literatura geral, vários questionamentos cercearam e, ainda hoje, cerceiam o delineamento de um conceito plausível para a definição de literatura comparada. Como se não fosse o bastante, o próprio termo comparada gera uma séria de argumentações, visto que existe o comparativismo próprio de qualquer investigação e que, na maioria dos casos, se apresenta, metodologicamente, como ato estruturador de raciocínios. No tocante à literatura comparada, é preciso deixar claro que ela não se restringe à típica comparação de textos diversificados. Nessa linha de pensamento, o eixo norteador desta pesquisa encontra-se edificado, a respeito da literatura comparada, nos dizeres de Remak (1994, p. 75): A literatura comparada é o estudo da literatura além das fronteiras de um país específico e o estudo das relações entre, por um lado, a literatura, e, por outro, diferentes áreas do conhecimento e da crença, tais como as artes (por exemplo, a pintura, a escultura, a arquitetura, a 18

19 música), a filosofia, a história, as ciências sociais (por exemplo, a política, a economia, a sociologia), as ciências, a religião, etc. Através desse conceito, as análises do texto de Guimarães Rosa, A terceira margem do rio, em comunhão com a filosofia, e do texto de João Cabral de Melo Neto, O cão sem plumas, relacionado a princípios sociológicos, foram suscitadas. MATERIAL E MÉTODOS Este trabalho apresenta, como suporte metodológico, os dizeres de Chizzotti (2005), de Bardin (1977) e, ao aplicar a Análise de Conteúdo como ferramenta de análise, foi enquadrado nas perspectivas da pesquisa considerada qualitativa. Assim, inserida na abordagem qualitativa, aquela cuja função é observar as relações existentes entre o sujeito-observador e os dados coletados, para que se possa compreender, então, os fenômenos que, por ventura, forem citados, através de interpretações carregadas de significação, esta pesquisa lançou, como proposta, a análise do texto A terceira margem do rio, de Guimarães Rosa (2001), confrontado-o com princípios filosóficos, em comunhão com o estudo do poema O cão sem plumas, de João Cabral de Melo Neto (1994), relacionando-o com preceitos sociológicos. Percebese, dessa forma, que os referidos textos compuseram o corpus desta investigação. Tais escritos fizeram parte da terceira geração modernista, a geração de quarenta e cinco. O cão sem plumas foi escrito por João Cabral de Melo Neto, em Barcelona, e publicado em O poema foi considerado o primeiro de uma série de outros poemas voltados para a denúncia social das precárias condições da realidade nordestina. Já o conto de João Guimarães Rosa, A terceira margem do rio, lançado em 1962, foi um dos textos do livro Primeiras Estórias. Resumidamente, o conto narra a história de um homem que se desliga de toda a convivência familiar e social, ao construir uma canoa, preferindo ficar isolado na solidão de um rio. Um de seus filhos, o narradorpersonagem, acompanha a trajetória do pai nessa jornada e, por isso, acaba não constituindo sua própria família. No final do conto, o filho não aceita o legado que o pai lhe tentara deixar, negando-se, assim, a assumir o lugar do pai, numa canoa, em meio ao rio. De acordo com esse corpus, a pesquisa teve, como procedimento de análise, o estudo comparativo entre o texto de Guimarães Rosa e os fundamentos filosóficos, bem como ainda apresentará a análise de O Cão sem plumas em relação aos conceitos próprios da sociologia. Existe, também, como proposta analítica, a verificação da possibilidade de se utilizarem os conceitos filosóficos na análise do texto cabralino, bem como fazer uso dos dizeres baseados na sociologia, no que diz respeito à análise do texto rosiano, ou seja, pretende-se inverter os paradigmas analíticos. RESULTADOS E DISCUSSÃO Este estudo, financiado pela FAPEMIG, encontra-se em andamento e, como resultados parciais, apresenta algumas considerações sobre o conto A terceira margem do rio e os preceitos compilados por um filósofo alemão existencialista chamado Heidegger. Desse modo, ressalta-se que as análises propostas estão em desenvolvimento, sendo constatadas apenas algumas observações em relação ao objetivo de se aliar a filosofia ao estudo do texto de Guimarães. 19

20 Levando em consideração o eixo temático escolhido como alvo desta investigação, a análise do simbolismo da imagem-palavra rio, notou-se, de imediato, que Guimarães utiliza uma verdadeira alegoria, ou seja, vincula a significação da imagem-palavra rio à exposição de uma ideia, a fim de atingir determinada representatividade, por meio da suscitada terceira margem. Partindo, dessa maneira, da narração do comportamento incomum de um pai que se isola, dentro de uma canoa, no meio das águas de um rio, Rosa parece ter evidenciado a existência de uma realidade transcendente que possui a significação do que seria essa terceira margem. Assim, percebe-se, com nitidez, que o conto mencionado possui caráter existencial. De acordo com Cotrim (1999), o filósofo existencialista Heidegger, que estruturou sua linha de pensamento na análise da essência humana, desenvolveu a ideia de que o homem, em si, representa um somatório do que ele denominou ente o modo de ser do homem no mundo, o Daisen e do que ele chamou de ser a essência de cada indivíduo. Então, quando, no conto rosiano, o personagem pai rompe com as realidades social e familiar, preferindo navegar sobre as águas do rio, constata-se que ele não mais dava importância ao seu estar no mundo, mas possuía o intento de fluir dentro dele mesmo: Nosso pai não voltou. Ele não tinha ido a nenhuma parte. Só executava a invenção de se permanecer naqueles espaços do rio, de meio a meio, sempre dentro da canoa, para dela não saltar nunca mais. (ROSA, 2001, p. 80). Esse rompimento com o mundo social, em busca do que há de essencial na própria existência, apresenta uma relação com a negação da inautenticidade do modo de vida que o homem leva quando é nada mais que um Daisen, quando somente está no mundo, de acordo com Heidegger. A respeito disso, Rée (2000, p. 31), fazendo uma leitura da teoria heideggeriana, afirma que: Inautenticidade é que sucede quando não possuímos a nós mesmos - quando negligenciamos a peculiaridade de nossa existência como intérpretes do mundo, isto é, como Daisens, e tratamo-nos como se fôssemos uma das entidades à-mão ou simples-existências com que deparamos no curso de nossa experiência. Tomando partido desse pensamento, observou-se que o pai, no texto rosiano, representa, com sua atitude, a busca pela autenticidade da própria existência, a busca de se encontrar com seu eu mais profundo: [...] descrevendo que nosso pai nunca se surgia a tomar terra, em ponto nem canto, de dia nem de noite, da forma como cursava no rio, solto solitariamente. (ROSA, 2001, p. 81). E, apropriando-se, então, do simbolismo da imagem-palavra rio, Rosa conseguiu expressar que o homem, o pai, era a própria representação de um rio cursando dentro de outro rio, ao demonstrar a transcendentalidade de sua atitude considerada, aos olhos dos outros, absurda e estranha: Nossa mãe, vergonhosa, se portou com muita cordura; por isso, todos pensaram de nosso pai a razão em que não queria falar: doidera. (ROSA, 2001, p. 80). A imagem de o homem ser um rio que flui em outro rio e dentro dele mesmo casa bem com a noção, segundo Chevalier e Gheerbrant (2007), de que o simbolismo de rio apresentado estabelece uma relação estreita entre o consciente e o inconsciente, abrindo o espírito para o infinito, para o desconhecido. O cursar do rio homem aqui mencionado mostra-se certeiro, fluido - Se o meu pai, sempre fazendo ausência: e o rio-rio-rio, o rio pondo perpétuo?( ROSA, 2001, p. 20

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

PRODUÇÃO TEXTUAL VIRTUAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPLICAÇÕES DOS VERIFICADORES E EDITORES DE TEXTOS

PRODUÇÃO TEXTUAL VIRTUAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPLICAÇÕES DOS VERIFICADORES E EDITORES DE TEXTOS PRODUÇÃO TEXTUAL VIRTUAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPLICAÇÕES DOS VERIFICADORES E EDITORES DE TEXTOS Autor Júnior Alves Feitosa Faculdades Integradas de Patos Alvesjunior338@gmail.com coutora Prof.ª Ms.Maria do

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 OLIVEIRA, Vinícius. O. 2 MACIEL, Adriana. M. N. RESUMO: O

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil O Projeto Pedagógico na Educação Infantil Renata Lopes de Almeida Rodrigues (UERJ) A cada ano letivo a história se repete: a busca por um tema norteador do trabalho em sala de aula durante o ano o tema

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1 CONSTRUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS 1 FABRI, Ana Sophia 2 ; RANGEL, Eliane 3 ; BARIN, Nilsa Reichert 4 1 Artigo final produzido no PROBIC- Projeto de bolsisita

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Cursos de Licenciatura

Cursos de Licenciatura DLLM Cursos de Licenciatura 2009-2010 1 Cursos de Licenciatura 2009/2010 1º Ciclo Bolonha DLLM Departamento de Línguas e Literaturas Modernas 2 Cursos de Licenciatura 2009-2010 DLLM DLLM Cursos de Licenciatura

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Renise Cristina Santos (UFMG) 1 Introdução Este trabalho apresenta dados parciais da pesquisa de mestrado que está sendo desenvolvida

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA

A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA Adailton Almeida Barros adailton.almeida.barros@gmail.com (UNESPAR/FECILCAM) Maiara Rodrigues - terror-rodrigues18@hotmail.com

Leia mais

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br PEDAGOGIA SURDA Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br Alfabetizar alunos com Culturas diferentes é um choque tanto para o professor ouvinte como

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Dayana da Silva Souza 1 ; Luana de Oliveira F. Crivelli 1 ; Kerly Soares Castro 1 ; Eduardo Machado Real 2 ; André

Leia mais

Unidade: O que é a Literatura comparada. Unidade I:

Unidade: O que é a Literatura comparada. Unidade I: Unidade: O que é a Literatura comparada Unidade I: 0 Unidade: O que é a Literatura comparada O que é a Literatura Comparada Quando nos deparamos com a expressão literatura comparada, não temos problemas

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

INTEGRAÇÃO DA TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR QUE ENSINA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA 1

INTEGRAÇÃO DA TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR QUE ENSINA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 INTEGRAÇÃO DA TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR QUE ENSINA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 Marilena Bittar, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sheila Denize Guimarães, Universidade Federal de

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1

USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1 USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1 RESUMO Sirlei de Faria Andrade¹ Nesta pesquisa, o objeto de estudo é análise da apresentação dos pronomes demonstrativos nas gramáticas de Bechara

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

UM PANORAMA DAS PRODUÇÕES CIENTÍFICAS DO XI EPREM

UM PANORAMA DAS PRODUÇÕES CIENTÍFICAS DO XI EPREM UM PANORAMA DAS PRODUÇÕES CIENTÍFICAS DO XI EPREM Jéssica de Paula Silva Universidade Tecnológica Federal do Paraná Jeh_kaka_@hotmail.com Rebeca Rúbia Honório Pinafo Universidade Tecnológica Federal do

Leia mais

ENTENDENDO A RELAÇÃO PEDAGÓGICA ENTRE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ENTENDENDO A RELAÇÃO PEDAGÓGICA ENTRE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL ENTENDENDO A RELAÇÃO PEDAGÓGICA ENTRE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Ana Paula Moreira Sousa 1 RESUMO: Este trabalho tem o intuito de divulgar, no campo científico, uma pesquisa

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS Kaio Santos Diniz Graduado em Geografia pela Universidade Estadual da Paraiba, professor da disciplina

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA Cristiane Toffanello Mestranda UniRitter/Laureate International Universities Cristoffi@hotmail.com SOCIOLINGUÍSTICA

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica. Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO

RELATÓRIO FINAL. BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica. Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO 190 RELATÓRIO FINAL BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO Uma das características mais marcantes da chamada sociedade da informação é o extraordinário desenvolvimento

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO PALAVRAS-CHAVE: Análise, Educação, Inclusão. Lucas Lameira Martins RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho

Leia mais

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES Morilo Aquino Delevati 1 Vanessa Lopes da Silva 2 Leandro Marcon Frigo 3 Resumo: A elaboração de oficinas está incorporada à formação inicial e continuada

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática -

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática - PLANO DE ENSINO LETRAS (PORTUGUÊS-INGLÊS) Turno: Noturno Currículo: 2003 INFORMAÇÕES BÁSICAS Período 2013/1 Natureza: Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS Teórica 60 Carga Horária Prática

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS Taís da Silva MARTINS Universidade Federal de Santa Maria taissmartins@superig.com.br Em nossa pesquisa, buscamos entender

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A GRAMÁTICA DE USOS DO PORTUGUÊS NA CONTEMPORANEIDADE: UMA PROPOSTA DE ENSINO Camila Rodrigues da Silva (UFT) Kmila-rodriguess@hotmail.com Luiz Roberto Peel Furtado de Oliveira (UFT) luizpeel@mail.uft.edu.br

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus -

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus - EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO - práticas, saberes e habitus - Fabíola Santini Takayama do Nascimento Mestranda em Educação da PUCGOIÁS e Técnica em Assuntos Educacionais do IFG - Campus Inhumas

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis)

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) Moema Gomes Moraes Universidade Estadual de Goiás (UEG)/ CEPAE-UFG

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais