UNIJUÍ-UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DECON-DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIJUÍ-UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DECON-DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS"

Transcrição

1 1 UNIJUÍ-UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DECON-DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE COMÉRCIO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS Andréia Zangirolami Professor Orientador: André Hoffmann Ijuí, RS, Agosto de 2010.

2 2 UNIJUÍ-UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DECON-DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE COMÉRCIO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS Trabalho de conclusão do curso para obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis, apresentado no Decon - Departamento de Economia e Contabilidade da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul-Unijuí. Andréia Zangirolami Professor Orientador: André Hoffmann Ijuí, RS, Agosto de 2010.

3 3 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus que iluminou o meu caminho durante esta caminhada. Á minha família, em especial meus pais, pelo apoio, incentivo e carinho dedicados a mim. Devo a eles tudo o que sou hoje. Agradeço à amigas, pela amizade e por estar sempre ao meu lado em diversos momentos da minha vida, sou muito grata á elas. Aos professores do curso pela atenção, em especial ao meu orientador, Professor André Hoffmann, pela dedicação e disponibilidade. Agradeço a Universidade do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul Unijuí, por ter nos repassado o conhecimento necessário à nossa formação. A todos que colaboraram de uma maneira ou outra para a elaboração deste trabalho, o meu muito obrigado.

4 4 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESTUDO Área de Conhecimento Contemplada Caracterização da organização Problematização do tema Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos Justificativa Metodologia do Trabalho Classificação da Pesquisa Do Ponto de Vista de Sua Natureza Quanto à Forma de Abordagem do Problema Do Ponto de Vista de Seus Objetivos Do Ponto de Vista dos Procedimentos Técnicos Plano de Coleta de Dados Plano de Análise e Interpretação de Dados REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Contabilidade Tributária Planejamento Tributário Sistema Tributário Nacional Conceito de tributo Espécies de tributos Impostos Taxas Contribuição de melhoria Contribuição social Empréstimo Compulsório Elementos Fundamentais do Tributo Obrigação Tributária Elementos fundamentais da obrigação tributária Lei... 26

5 Objeto O fato gerador Legislação tributária Vigência Aplicação Princípios Constitucionais do Sistema Tributário Nacional Forma de Tributação do Imposto de Renda Pessoa Jurídica Lucro Real Ajustes do Lucro Líquido Contábil para Apuração do Lucro Real Adições Exclusões e Compensações Pessoas jurídicas obrigadas a optar Formas de tributação do Lucro Real Lucro Real Trimestral Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) - Lucro Real Trimestral Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) - Lucro Real Trimestral Lucro Real Anual Lucro Real por Estimativa (mensal) Opção pelo pagamento mensal do imposto por estimativa Procedimentos para cálculo do Imposto de Renda por estimativa Contribuição Social sobre o Lucro Líquido CSLL por Estimativa Pessoa jurídica exclusivamente prestadora de serviços Base de cálculo do Lucro Real por estimativa mensal Programa de Integração Social (PIS) Lucro Real Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (COFINS) Lucro Real Lucro Presumido Empresas que podem optar pelo Lucro Presumido Empresas que não podem optar pelo lucro presumido Valores que compõem a receita bruta Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) Lucro Presumido Contribuição Social sobre o Lucro Liquido (CSLL) Lucro Presumido Programa de Integração Social (PIS) Lucro Presumido... 49

6 Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (COFINS) Lucro Presumido Lucro Arbitrado Quando é cabível Percentuais aplicáveis sobre a receita bruta de vendas de mercadorias/produtos e de prestação de serviços Simples Nacional Empresas que podem optar pelo Simples Nacional Empresas que estão impedidas de optar pelo Simples Nacional Receita bruta para fins do Simples Nacional Cálculo do Simples Nacional APLICAÇÃO PRÁTICA Simples Nacional Lucro Arbitrado Lucro Presumido Apuração do IRPJ pelo Lucro Presumido Apuração da CSLL pelo Lucro Presumido Apuração do PIS e da COFINS pelo Lucro Presumido Programa de Integração Social (PIS) Não Cumulativo Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (COFINS) Não Cumulativa Apuração Lucro Real Anual Lucro Real Trimestral Resumo e Comparação dos Encargos Tributários Federais CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA... 95

7 7 LISTA DE ABREVIATURAS BC Base de Cálculo CTN Código Tributário Nacional CF Constituição Federal CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido DAS Documento de Arrecadação do Simples Nacional DRE Demonstração do Resultado do Exercício DARF Documento de Arrecadação de Receitas Federais EPP Empresa de Pequeno Porte EC Emenda Constitucional IRPJ Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas IPI Imposto sobre Produtos Industrializados IOF Imposto sobre Operações Financeiras II Imposto de Importação IE Imposto de Exportação ME Micro Empresa PGDAS Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional RIR Regulamento do Imposto de Renda SELIC Sistema Especial de Liquidação e Custódia SIMPLES Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte TCC Trabalho de Conclusão de Curso UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

8 8 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Alíquotas, deduções e prazo de pagamento do Imposto de Renda Trimestral Quadro 2: Percentuais aplicáveis sobre a receita bruta mensal Quadro 3: Percentuais aplicáveis para determinação do lucro estimado (mensal) Quadro 4: Percentuais aplicáveis sobre a receita bruta de vendas de mercadorias/produtos e/ou da prestação de serviços Quadro 5: Percentuais aplicáveis sobre a receita bruta Quadro 6: Apuração IRPJ pelo Lucro Presumido Quadro 7: Apuração IRPJ pelo Lucro Presumido Quadro 8: Apuração IRPJ pelo Lucro Presumido Quadro 9: Apuração CSLL pelo Lucro Presumido Quadro 10: Apuração CSLL pelo Lucro Presumido Quadro 11: Apuração CSLL pelo Lucro Presumido Quadro 12: Apuração PIS e COFINS pelo Lucro Presumido Quadro 13: Apuração PIS e COFINS pelo Lucro Presumido Quadro 14: Apuração PIS e COFINS pelo Lucro Presumido Quadro 15: Apuração PIS - Não Cumulativo Quadro 16: Demonstrativo do PIS a pagar ou a compensar Quadro 17: Apuração PIS - Não Cumulativo Quadro 18: Demonstrativo do PIS a pagar ou a compensar Quadro 19: Apuração PIS Não - Cumulativo Quadro 20: Demonstrativo do PIS a pagar ou a compensar Quadro 21: Comparativo do PIS Não - Cumulativo Quadro 22: Apuração COFINS Não-Cumulativa Quadro 23: Demonstrativo da COFINS a pagar ou a compensar Quadro 24: Apuração COFINS Não-Cumulativa Quadro 25: Demonstrativo da COFINS a pagar ou a compensar Quadro 26: Apuração COFINS Não Cumulativa Quadro 27: Demonstrativo da COFINS a pagar ou a compensar Quadro 28: Comparativo da COFINS Não Cumulativa Quadro 29: Apuração IRPJ e CSLL pelo Lucro Real Anual Quadro 30: Apuração IRPJ e CSLL pelo Lucro Real Anual Quadro 31: Apuração IRPJ e CSLL pelo Lucro Real Anual

9 9 Quadro 32: Apuração IRPJ e CSLL pelo Lucro Real Trimestral Quadro 33: Apuração IRPJ e CSLL pelo Lucro Real Trimestral Quadro 34: Apuração IRPJ e CSLL pelo Lucro Real Trimestral Quadro 35: Quadro Comparativo dos Encargos Tributários Quadro 36: Quadro Comparativo dos Encargos Tributários Quadro 37: Quadro Comparativo dos Encargos Tributários... 93

10 10 INTRODUÇÃO A contabilidade é de fundamental importância para a tomada de decisão gerencial nas empresas. Tem como finalidade principal coletar, sistematizar e registrar fatos contábeis praticados pela empresa, demonstrando sua real situação patrimonial e econômico-financeira, de acordo com os princípios e normas de contabilidade. Com a intenção de se estabilizar no mercado e enfrentar a concorrência, as empresas procuram alternativas para reduzir seus custos e obter lucros. A maior dificuldade de quem abre uma empresa, não é só a alta carga tributária, mas também o desconhecimento dessa carga. O empresário, muitas vezes, não tem o conhecimento da responsabilidade fiscal e, quando se depara com tais conhecimentos, perde o controle da situação. Diante das constatações acima se decidiu realizar este estudo, porque além do interesse particular observa-se também uma carência de profissionais qualificados para atender as demandas da área. No primeiro capítulo deste trabalho é apresentada a contextualização do estudo, onde demonstra-se a área de conhecimento contemplada, a caracterização da empresa estudada, a problematização do tema, objetivos gerais e específicos, justificativa da escolha do tema. Em seguida apresenta-se a metodologia do trabalho, a classificação da pesquisa e seus pontos de vista: Quanto a sua natureza, seus objetivos e procedimentos técnicos. A revisão bibliográfica, apresentada no segundo capítulo, contém os embasamentos teóricos que fundamentarão a área do conhecimento, buscando a base teórica para análise da problemática definida. Por fim, apresenta-se a aplicação prática, a conclusão e a bibliografia consultada.

11 11 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESTUDO Nesse trabalho apresenta-se o Planejamento Tributário de um Posto de Combustível localizado na cidade de Ijuí/RS. A contextualização do estudo apresenta a área do conhecimento contábil escolhida para a realização do Trabalho de Conclusão de Curso, bem como a caracterização da organização, a problematização do tema, os objetivos a serem alcançados durante o trabalho, a justificativa do aluno pela escolha do tema, e por fim, a metodologia que será utilizada. 1.1 Área de Conhecimento Contemplada Atualmente a legislação fiscal vem enfrentando constantes alterações, em pequenos períodos de tempo, deixando os empresários cada vez mais preocupados e inseguros, pois mal entendem uma lei, já surge outra para substituí-la. Em virtude disso foi desenvolvido este trabalho na área de contabilidade tributária, com ênfase no planejamento tributário de impostos, para orientar o empresário a administrar com clareza e segurança seus tributos, dentro das devidas leis. 1.2 Caracterização da organização O presente trabalho foi desenvolvido na empresa Zan & Cia Ltda, localizada no município de Ijuí/RS com ramo de comércio varejista de combustíveis e lubrificantes para veículos automotores e lubrificantes e inclusive gás. Iniciou suas atividades em 19 de agosto de Sendo enquadrada no ICMS como modalidade geral e seu atual regime de tributação federal é o Lucro Real. 1.3 Problematização do tema A carga tributária que incide sobre as empresa é bastante alta, o que faz com que estas paguem um montante significativo de impostos sobre as suas receitas. Em função disso, os empresários e profissionais envolvidos, necessitam de alternativas rápidas e precisas para a redução de seus custos. Para que obtenham sucesso, é necessário que sejam feitos diversos

12 12 estudos e análises das informações contábeis disponíveis na empresa, visando assim encontrar alternativas legais que venham maximizar seus lucros. Não bastasse a pesadíssima carga tributária imposta aos contribuintes, existe ainda a complexa legislação tributária brasileira, que se apresenta como um emaranhado de normas legais e infralegais, que devem ser conhecidas e estudadas para serem aplicadas aos mais variados casos. Com a globalização, o mercado competitivo e o pesado ônus tributário que domina as empresas, requerem do profissional da contabilidade, a todo instante, práticas de gerenciamento eficazes para preservar a continuidade do empreendimento. Procurar formas lícitas de reduzir o pagamento de tributos e ao mesmo tempo permanecer atento ás mudanças da legislação é uma necessidade indispensável para manutenção dos negócios e maximização dos lucros. É em casos como esses, que o planejamento tributário assume um papel de extrema importância na estratégia e finanças das empresas, pois quando se analisam os balanços das mesmas, percebe-se que os encargos relativos a impostos, taxas e contribuições são em alguns casos mais representativos do que os custos de produção. O presente trabalho é um estudo de caso, em uma empresa que atua no comércio varejista de combustíveis e lubrificantes no município de Ijuí. O estudo foi um instrumento para a tomada de decisões, através do planejamento tributário, permitindo a análise e opção pela melhor forma de tributação para minimizar os gastos com impostos e otimizar seus lucros. Diante destes fatores pergunta-se: Qual é a melhor forma de enquadramento em nível federal para uma empresa que atua no ramo de comércio varejista de combustíveis? 1.4 Objetivos Os objetivos têm como base a problematização do tema. O objetivo geral evidencia a idéia central do trabalho, enquanto os objetivos específicos definem detalhadamente o que se pretende alcançar com a realização do TCC.

13 Objetivo geral O presente trabalho tem como objetivo geral efetuar um estudo sobre a melhor alternativa de enquadramento e pagamento de tributos federais de uma empresa que atua no comércio varejista de combustíveis Objetivos específicos -Efetuar uma pesquisa bibliográfica dos embasamentos teóricos da Legislação Tributária, Contabilidade Tributária, Planejamento Tributário; -Coletar documentos e relatórios contábeis necessários á realização do Planejamento Tributário; -Proceder os cálculos das diversas formas de tributação; -Realizar análises e comparações, verificando qual a forma mais econômica de tributação a nível federal. 1.5 Justificativa Para as empresas, redução de custos e despesas é de extrema importância para a tomada de decisões, pois o mercado de trabalho é bastante competitivo e o empresário deve estar preparado para adequar-se as constantes mudanças. Quando esta redução trata-se de tributos, o único profissional habilitado para proceder a um estudo e avaliar se estes não estão sendo excessivos é o profissional contábil. Através do Planejamento Tributário, o profissional contábil poderá auxiliar a empresa a reduzir legalmente sua carga tributária, analisando as diversas formas de tributação, dentro dos princípios contábeis e da legislação vigente. É função do contador, conhecer a legislação pertinente e certificar-se de que sua aplicabilidade não poderá ser considerada ilícita e, simultaneamente, procurar maneiras para que, dentro da legalidade e com segurança, a empresa obtenha economias no pagamento de tributos. Diante disto, este trabalho é de grande importância para a empresa objeto do estudo,

14 14 pois através deste ficará conhecendo como funciona cada método de tributação e poderá assim escolher dentre eles o mais vantajoso para ela. Assim economizando recursos, a empresa poderá utilizá-lo para a expansão do negócio. Como acadêmica busca-se o aprimoramento na área tributária, a qual considera uma das mais importantes na profissão contábil. Colocando em prática, com conhecimentos técnicos desenvolvidos durante as aulas, aprofundados agora com a revisão bibliográfica, para que no futuro possa vir a atuar nessa área. Ao nível acadêmico, produzir material que sirva como conteúdo de estudo para profissionais e estudantes tanto do Direito como da Contabilidade. Este estudo aborda uma técnica que contribui para uma importante área de atuação dos contadores de planejamento tributário que não é explorada com profundidade na Universidade. Também, contribui como fonte para novas pesquisas, pois há carência em livros relacionados a esse tema e os que são encontrados muitas vezes estão desatualizados, o que acaba comprometendo o estudo, pois esta é uma área que vive em constante mudança. O presente estudo torna-se viável á medida em que consegue demonstrar aos demais usuários das informações, dados essenciais de como elaborar um planejamento tributário de acordo com a legislação. Os empresários e os profissionais devem estar preparados para a real necessidade de se planejar, sendo que é mais que viável realizar esse processo, porque hoje o mercado é muito competitivo, e a maioria está despreparada ou não tem esse conhecimento, ou ainda não se conscientizaram para este tipo de situação. 1.6 Metodologia do Trabalho Esta etapa busca classificar a pesquisa explicitando qual a metodologia utilizada. A metodologia inclui o conjunto de técnicas empregadas para a realização de um trabalho. Está voltada aos procedimentos, ferramentas e caminhos que serão usados para chegar ao resultado que se quer. Na metodologia do Trabalho de Conclusão de Curso é definido o tipo de pesquisa, as formas de coleta, análise e interpretação de dados mais apropriados para a sua realização, tanto na fase teórica como na fase prática. Inicialmente apresenta-se o tipo de classificação da pesquisa que será realizada, a seguir, o plano de coleta de dados, o plano de análise e

15 15 interpretação de dados Classificação da Pesquisa Em observância ao artigo 8º, item b, do Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, o trabalho é realizado na modalidade de monografia por se tratar de relatório técnico-científico decorrente de estudos e pesquisas ligadas ao campo do conhecimento contábil. A pesquisa pode ser classificada segundo a sua natureza, quanto à forma de abordagem do problema, do ponto de vista de seus objetivos e seus procedimentos técnicos Do Ponto de Vista de Sua Natureza Boaventura (2004) classifica a pesquisa em fundamental ou básica e aplicada. A pesquisa fundamental busca aumentar o conhecimento científico através da descoberta de leis e efeitos. De acordo com Gil (1999) a pesquisa básica é um conhecimento mais generalizado, objetivando a formulação de teorias e leis. Segundo Boaventura (2004) a pesquisa aplicada objetiva gerar conhecimentos para a aplicação prática dirigida à solução de problemas específicos. Considerando o exposto acima este trabalho se classifica como pesquisa aplicada, pois objetiva a geração de conhecimento através do estudo de bibliografia específica e legislação tributária, para aplicação prática com intuito de simular as diversas formas de tributação dos impostos federais permitindo a análise das variações ocorridas através do planejamento tributário Quanto à Forma de Abordagem do Problema De acordo com Boaventura (2004) outra forma de pesquisa é a qualitativa e quantitativa, conforme trabalhe e se expresse em números. A pesquisa qualitativa é uma

16 16 pesquisa descritiva, em que os pesquisadores se interessam mais pelo processo do que pelos resultados e examinam os dados de maneira indutiva privilegiando o significado. Já a pesquisa quantitativa caracteriza-se pelo emprego da quantificação na coleta de informações e no tratamento dessas através de técnicas estatísticas. Este trabalho é classificado como pesquisa quantitativa, pois fará a quantificação das informações coletadas para que as mesmas sejam classificadas e analisadas Do Ponto de Vista de Seus Objetivos Conforme Gil (1999), quanto aos seus objetivos, a pesquisa pode ser classificada em Pesquisa Exploratória, Pesquisa Descritiva e Pesquisa Explicativa. A pesquisa exploratória consiste especialmente em aprofundar conhecimentos quando o tema escolhido é pouco explorado e de difícil entendimento. Ela visa esclarecer e modificar conceitos e idéias, com o objetivo de facilitar a compreensão do assunto para estudos posteriores. De modo geral utilizam-se o levantamento bibliográfico e documental, entrevistas e estudos de caso. A pesquisa descritiva tem como objetivo principal identificar as características de determinada população ou fenômeno. As técnicas padronizadas de coleta de dados são as mais empregadas neste tipo de pesquisa. A pesquisa explicativa objetiva identificar os fatores que interferem ou contribuem para ocorrência dos fenômenos. É o tipo de pesquisa que mais aprofunda o conhecimento da realidade, porque explica a razão, o porquê das coisas. Nas ciências naturais utiliza quase que exclusivamente o método experimental, e nas ciências sociais, sobretudo, o método observacional. Assim este trabalho é enquadrado como pesquisa exploratória, uma vez que se utilizará pesquisa bibliográfica, documental e o estudo e análise da melhor forma de tributação a ser aplicada na empresa de que trata o trabalho.

17 Do Ponto de Vista dos Procedimentos Técnicos Quanto aos procedimentos técnicos a pesquisa pode ser classificada em pesquisa bibliográfica, pesquisa documental, levantamento e estudo de caso. De acordo com Gil (1999) a pesquisa bibliográfica é desenvolvida a partir de material já existente, como livros e artigos científicos. A pesquisa documental é elaborada a partir de materiais que não receberam ainda um tratamento analítico, como documentos oficiais, contratos, etc. A pesquisa do tipo levantamento se caracteriza pelo questionamento direto das pessoas cujo comportamento se almeja conhecer. E o estudo de caso se caracteriza pelo estudo profundo e exaustivo de um ou de poucos objetos, permitindo assim o seu conhecimento vasto e detalhado. Este trabalho é classificado como pesquisa bibliográfica porque se utiliza de matérias literárias para o aprofundamento do tema estudado. Como pesquisa documental, pois foi efetuado o estudo de documentos fornecidos pela empresa, tais como balancete, balanço, etc. E estudo de caso por se tratar de circunstâncias específicas da empresa a qual se refere este trabalho, objetivando realizar o planejamento tributário da mesma Plano de Coleta de Dados Conforme Roesch (2006) no plano de coleta de dados é necessário especificar os documentos que serão analisados, quando os mesmos serão levantados e quais instrumentos serão utilizados para este fim, ou seja, de que forma serão coletados os dados para a realização do trabalho. Inicialmente foi realizada a revisão bibliográfica para a qual será utilizada a legislação tributária e ainda livros, artigos, internet. A seguir foi realizado o levantamento dos dados através de documentos contábeis dos fatos ocorridos, como balanços patrimoniais, balancete, relatórios de faturamento e demais demonstrativos contábeis fornecidos pela empresa.

18 Plano de Análise e Interpretação de Dados No plano de análise e interpretação dos dados o pesquisador deverá encontrar meios de organizar o material coletado, para após efetuar a análise das informações e realizar uma conclusão sobre a pesquisa. Segundo Roesch (2006) no plano de análise de dados sugere-se que o aluno visualize como fará a descrição e análise dos resultados, sendo que para tal poderá prever a utilização de gráficos e tabelas. No caso deste trabalho a análise e interpretação das informações foram feitas com base na revisão teórica, a qual foi aplicada nos cálculos efetuados, sendo que estes foram demonstrados através de tabelas. Por final foi emitida a conclusão a qual se chegou através de todos os dados levantados. Por se tratar de planejamento tributário, o trabalho foi realizado no domicílio da autora, sendo que a produção dos cálculos, tabelas, gráficos e conclusões foram feitos através de ferramentas disponíveis em Word e Excel.

19 19 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A revisão bibliográfica é uma pesquisa na literatura dos fundamentos para o entendimento do tema a que se refere o trabalho. A sua função é dar suporte com informações teóricas e técnicas para a realização da parte prática do Trabalho de Conclusão de Curso. 2.1 Contabilidade Tributária As principais funções da contabilidade tributária é apurar com exatidão o resultado tributável de determinado exercício fiscal, bem como cuidar da emissão, escrituração, do registro dos documentos fiscais, com base na legislação pertinente. De acordo com Oliveira et al (2004), pode-se dizer que contabilidade tributária é o ramo da contabilidade, o estudo da teoria e a aplicação prática dos princípios e normas básicas da legislação tributária, sendo responsável pelo gerenciamento dos tributos. O contador deve estar sempre atento à legislação tributária, pois esta vive em constante mudança. Por este motivo o mesmo deve estar sempre atualizado a fim de não causar danos à empresa. A Contabilidade Fiscal operacionaliza com a escrituração de fatos que geram obrigações tributárias e fiscais. Representa a obrigatoriedade das empresas de prestarem informações legalmente exigidas pelos órgãos governamentais dos diferentes entes públicos. 2.2 Planejamento Tributário O planejamento tributário é muito importante para a tomada de decisão na empresa. Este tem como objetivo principal a economia de tributos e assim tenta buscar alternativas para reduzir, eliminar e até retardar legalmente o pagamento de tributos. Também, é uma das funções da contabilidade tributária, que consiste em um estudo minucioso dos tributos incidentes na operação de determinada empresa, além de considerar a legislação tributária vigente.

20 20 De acordo com Oliveira et al (2004. P.38) entende-se planejamento tributário como: Uma forma lícita de reduzir a carga fiscal, o que exige alta dose de conhecimento técnico e bom-senso dos responsáveis pelas decisões estratégicas no ambiente corporativo. Trata-se do estudo prévio á concretização dos fatos administrativos, dos efeitos jurídicos, fiscais e econômicos de determinada decisão gerencial, com o objetivo de encontrar a alternativa legal menos onerosa para o contribuinte. Para uma empresa obter sucesso, é de fundamental importância ter uma contabilidade bem feita e um bom planejamento tributário. É nesse contexto que entra o papel do contador, tendo a oportunidade de dar enormes contribuições á direção da empresa. Segundo Fabretti (2003, p. 32), planejamento tributário é o estudo feito preventivamente, ou seja, antes da realização do fato administrativo, pesquisando-se seus efeitos jurídicos e econômicos e as alternativas legais menos onerosas. 2.3 Sistema Tributário Nacional O Sistema Tributário Nacional esta estruturado de forma a permitir ao Estado a cobrança de impostos, taxas e contribuição de melhoria e contribuições sociais. Segundo Art. 2 /CTN. O Sistema tributário nacional é regido: O Sistema tributário nacional é regido pelo disposto na Emenda Constitucional n.18, de 1º de dezembro de 1965, em leis complementares, em resoluções do Senado Federal e, nos limites das respectivas competências, em leis federais, nas Constituições e em leis estaduais, e em leis municipais. De acordo com Harada (2006 p.324) conceitua o Sistema Tributário Nacional como: O Sistema Tributário Nacional é o conjunto de normas constitucionais de natureza tributária, inserido no sistema jurídico global, formado por um conjunto unitário e ordenado de normas subordinadas aos princípios fundamentais, reciprocamente harmônicos, que organiza os elementos constitutivos do Estado, que outra coisa não é senão a própria Constituição. A Lei 5.172, de 25 de Outubro de 1966, com alterações posteriores, passa á denominar-se Código Tributário Nacional, conforme artigo 7º:

21 21 Art. 7º A competência tributária é indelegável, salvo atribuição das funções de arrecadar ou fiscalizar tributos, ou de executar leis, serviços, atos ou decisões administrativas em matéria tributária, conferida por uma pessoa jurídica de direito público a outra, nos termos do 3º do artigo 18 da Constituição. 1º A atribuição compreende as garantias e os privilégios processuais que competem à pessoa jurídica de direito público que a conferir. 2º A atribuição pode ser revogada, a qualquer tempo, por ato unilateral da pessoa jurídica de direito público que a tenha conferido. 3º Não constitui delegação de competência o cometimento, a pessoas de direito privado, do encargo ou da função de arrecadar tributos Conceito de tributo Tributo é a obrigação imposta aos indivíduos e pessoas jurídicas com a finalidade de recolher valores ao Estado, ou entidades equivalentes. É comumente chamado por imposto. De acordo com Oliveira et al (2004. p.23) o Código Tributário Nacional conceitua tributo como: O Código Tributário Nacional conceitua tributo como toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção por ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada. O tributo é devido á um ente público (União, Estado e Município). É algo obrigatório instituído em lei e não há como negar recolhe-los, porém existem maneiras de se pagar menos e de forma lícita. Sua principal finalidade é obter meios para o atendimento das necessidades financeiras do Estado Espécies de tributos O Sistema Tributário Nacional está estruturado de forma a permitir ao Estado a cobrança de: Impostos, Taxas e Contribuições de melhoria. Art. 145/CF. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão instituir os seguintes tributos: I - impostos; II - taxas, em razão do exercício do poder de polícia ou pela utilização, efetiva ou potencial, de serviços públicos específicos e divisíveis, prestados ao contribuinte ou postos a sua disposição; III - contribuição de melhoria, decorrente de obras públicas. Segundo Art. 5º do CTN, os tributos são impostos, taxas e contribuições de melhoria.

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Nasceu em 1799 na Inglaterra, sendo recebido em 1913 nos EUA. No Brasil, em 1867, o visconde de Jequitinhonha propôs a cobrança do imposto, e encontrou

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEIS

O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEIS O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEIS Rodolfo Gener da Silva, Rodrigo Gener da Silva, Renato Luan, Felipe Clayton da Silva Costa, Roger Pereira, Tomaz Augusto Castrisana Ciências Contábeis/Faculdade

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO Prof. Emanoel Truta CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Conceito Ramo da contabilidade responsável pelo gerenciamento dos tributos incidentes

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional 24 de Janeiro de 2014 LÚCIO DA CUNHA FERNANDES Presidente QUAL A IMPORTÂNCIA DE CONHECER AS FORMAS DE TRIBUTAÇÃO? Reconhecer a opção que mais se adeque a

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Palavras chaves: Tributos. Planejamento tributário. Lucro real.

Palavras chaves: Tributos. Planejamento tributário. Lucro real. PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO COM ÊNFASE EM EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO REAL Adiléia Ribeiro Santos Faculdade de Telêmaco Borba (FATEB-PR) adileia@pop.com.br Rúbia Carla Mendes de Oliveira Faculdade de Telêmaco

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado.

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado. TRIBUTO Conceito: É toda prestação pecuniária, compulsória, em moeda ou cujo valor nela possa se exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa

Leia mais

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 LUCRO PRESUMIDO Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 O QUE É O LUCRO PRESUMIDO É uma forma optativa, que tem a finalidade de facilitar o pagamento do IRPJ, sem ter que

Leia mais

SISTEMA SIMPLES NACIONAL: ATENDIMENTO JUNTO AO ESCRITÓRIO REAL 1

SISTEMA SIMPLES NACIONAL: ATENDIMENTO JUNTO AO ESCRITÓRIO REAL 1 SISTEMA SIMPLES NACIONAL: ATENDIMENTO JUNTO AO ESCRITÓRIO REAL 1 LETÍCIA SANTINON CARVALHO 2 RODRIGO BENETTI DA SILVA 3 PROFESSOR ORIENTADOR: JOAQUIM M. DE PAULA PINTO JUNIOR 4 RESUMO: Este trabalho apresenta

Leia mais

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos.

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. Chave de Correção Direito Tributário Professor: Alexandre Costa 1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. 2) Diferencie imposto

Leia mais

Direito Tributário Revisão Final

Direito Tributário Revisão Final Direito Tributário Revisão Final Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Tributo (Conceito): Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro Unidade I Direito Tributário Profª. Joseane Cauduro Introdução Importância do Direito Tributário Definição: Conjunto de normas hierarquizadas, formado por princípios e normas, que tem por fim cuidar direta

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail. PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 2ª parte COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com SISTEMA TRIBUTÁRIO RIO NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL 2. Competência

Leia mais

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Alegre esperança, atrai futuro feliz. Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Do mesmo modo que o escritor elabora o enredo de um romance. E constrói

Leia mais

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL Lucro Presumido Manifesto pelo Lucro Presumido: Esta opção é formalizada no decorrer do ano- calendário, se manifesta com o recolhimento no mês de abril, correspondente ao primeiro trimestre. A opção do

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011 IRPF Imposto de Renda da Pessoa Física Nathália Ceia Março 2011 Programa Aula 1 1. Princípios Gerais 2. Fato Gerador 3. Características 4. Contribuinte e Responsável Programa Aula 2 5. Alíquotas e Formas

Leia mais

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA TÓPICO: LEGISLAÇÃO FISCAL CONCEITOS GERAIS LUCRO REAL CTN [art. 43]: Aquisição da Disponibilidade Econômica ou Jurídica de Renda* ou Proventos de qualquer natureza**.

Leia mais

1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA

1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE COMÉRCIO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS 1 HEBER TIAGO MEIRA COLUCCI 2 JOAQUIM MARIO DE PAULA PINTO JUNIOR 3 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO FÁBIO BARBOSA DA SILVA Pós-graduando em Direito e Processo Tributário na PUC-GO fabiobcontabilidade@yahoo.com.br Orientador Ms. Alexandre Limiro RESUMO O objetivo deste trabalho

Leia mais

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa UNIDADE VII 1. IMPOSTOS a) definição legal (tributo não-vinculado) b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa c) pessoalidade, em regra

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 31 IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA A origem desse imposto se encontra na Grã-Bretanha, onde seus precursores foram, no

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos Página 1 de 10 ENTENDA OS IMPOSTOS As pessoas nem imaginam quão antiga é a origem dos tributos, estudos supõem que as primeiras manifestações tributárias foram voluntárias e feitas em forma de presentes

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO I

DIREITO TRIBUTÁRIO I EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS Questões de múltipla escolha 01) Sobre as contribuições parafiscais, assinale a alternativa correta: A. As contribuições de intervenção no domínio econômico

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

1. DIREITO TRIBUTÁRIO

1. DIREITO TRIBUTÁRIO 1. DIREITO TRIBUTÁRIO Definição de Direito Tributário: Ramo didaticamente autônomo do Direito que Disciplina a criação, arrecadação e fiscalização dos tributos (V.FURLAN: 01). Direito Tributário x Ciência

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO Ciência das Finanças: estuda o fenômeno financeiro em geral, seus aspectos econômico,social; trata-se de uma

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS - Lucro Real - Lucro Presumido - Lucro Arbitrado - Simples Nacional 1 LUCRO REAL É o resultado (lucro ou prejuízo) do período

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 01452-002 SP ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Fábio Tadeu Ramos Fernandes ftramos@almeidalaw.com.br I) INTRODUÇÃO Para a compreensão do Sistema Tributário Nacional, é preciso recorrer à Constituição

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido Aline de Melo Silva Discente do 4 ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Karen Cássia de Souza Discente

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 2: Princípios (continuação), Imunidade Tributaria. I. PRINCÍPIOS 1. Irretroatividade - Art. 150, III a CF A Lei Tributária não se aplica há fatos geradores anteriores a data

Leia mais

Planejamento Tributário com Ênfase em uma Empresa Revendedora de Combustíveis: um Estudo de Caso da Empresa K

Planejamento Tributário com Ênfase em uma Empresa Revendedora de Combustíveis: um Estudo de Caso da Empresa K Planejamento Tributário com Ênfase em uma Empresa Revendedora de Combustíveis: um Estudo de Caso da Empresa K Kairo William de Carvalho UFSJ Pablo Luiz Martins pablo@ufsj.edu.br UFSJ Resumo:A arrecadação

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

PIS e COFINS. Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido

PIS e COFINS. Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido Objetivo: Realizar um estudo comparativo entre as Sistemáticas de Apuração

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS

TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS Base Constitucional: PIS E COFINS PIS: Art. 149 e 239 da Constituição Federal COFINS: Art. 195 da Constituição Federal 1 COFINS Art. 195. A seguridade social

Leia mais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Contribuições de Melhoria A contribuição

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

Controladoria MANUAL DO Estratégica

Controladoria MANUAL DO Estratégica Controladoria MANUAL DO Estratégica ALUNO 2010 Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Planejamento Tributário (Parte I) MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Daniel

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS IMPOSTOS FEDERAIS 1- IMPOSTO SOBRE IMPORTAÇÃO (II) É um tributo extrafiscal, pois sua finalidade principal não é arrecadar, mas sim controlar o comércio internacional (intervenção no domínio econômico)

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS Thiago Figueiredo de Lima Cursando o 9º Semestre do Curso de Direito A Constituição Federal, como lei fundamental de organização do Estado, determina a competência

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE CAMPUS APROXIMADO DE PINHALZINHO CURSO DE BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE CAMPUS APROXIMADO DE PINHALZINHO CURSO DE BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE CAMPUS APROXIMADO DE PINHALZINHO CURSO DE BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS CRISTIAN MICHEL GIURADELLI ELEMAR ILDEMAR WACHHOLZ ANÁLISE

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

Análise do Edital ICMS/PE 2014 -> Direito Tributário

Análise do Edital ICMS/PE 2014 -> Direito Tributário Análise do Edital ICMS/PE 2014 -> Direito Tributário Olá amigos concurseiros, Hoje eu venho falar um pouco sobre a prova de direito tributário do concurso do ICMS/PE que será elaborada pela banca FCC.

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013 Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL PALESTRA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013 PALESTRANTE: EQUIPE LEFISC ATUALIZAÇÃO Paulo César

Leia mais

também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa.

também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa. A também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa. É responsável pelo controle e bom andamento dos procedimentos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA CATEGORIA PROFISSIONAL: CONTADOR NR DO CRC: CRC-DF Nº 2.864 ENDEREÇO

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA

Leia mais

Palavras-chaves: Planejamento tributário, Tributos, Regimes de Tributação.

Palavras-chaves: Planejamento tributário, Tributos, Regimes de Tributação. Planejamento Tributário: Estudo em uma Empresa do Ramo de Transporte Intermunicipal e Interestadual do Município de Mondaí SC Andréia Marisa Gemmer Faculdade De Itapiranga (SEI/FAI) andreia.marisa@live.com

Leia mais

Direito Tributário Exercícios Aula 2

Direito Tributário Exercícios Aula 2 Direito Tributário Exercícios Aula 2 Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com (PGE.RN.2001.FCC.47) São causas extintivas do crédito tributário, segundo o Código Tributário Nacional: a) o pagamento,

Leia mais

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês;

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês; Créditos Dos valores de Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins apurados, a pessoa jurídica submetida à incidência não-cumulativa poderá descontar créditos, calculados mediante a aplicação das alíquotas

Leia mais

O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO COMO FERRAMENTA NA REDUÇÃO DA CARGA TRIBUTÁRIA

O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO COMO FERRAMENTA NA REDUÇÃO DA CARGA TRIBUTÁRIA O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO COMO FERRAMENTA NA REDUÇÃO DA CARGA TRIBUTÁRIA Juliana Bomfim da Silva Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Rodrigo Barbosa

Leia mais

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1)

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1) É com grande satisfação que inicio minha jornada no site da Editora Ferreira. Neste espaço, iremos abordar o Direito Tributário com um único objetivo: obter, nesta disciplina, uma ótima pontuação em qualquer

Leia mais

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Page 1 of 14 IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS A Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8 º, admite a possibilidade de se avaliarem os ativos

Leia mais

RECEITAS E SUBVENÇÕES

RECEITAS E SUBVENÇÕES III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF RECEITAS E SUBVENÇÕES CONCEITOS ANTES E DEPOIS DA LEI 12973 RICARDO MARIZ DE OLIVEIRA RECEITAS E INGRESSOS NEM TODO INGRESSO É

Leia mais

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 www.pwc.com Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 PIS e COFINS sobre receitas financeiras Maio, 2015 Avaliação de Investimento & Incorporação, fusão, cisão Breve histórico da tributação pelo PIS

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 1 - JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 1 - JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA 1 - JUSTIFICATIVA Atualmente, com a expansão de mercados e forte aumento da concorrência, vê-se a necessidade cada vez maior de promover

Leia mais

Ato Declaratório Executivo Corat nº 27, de 27 de março de 2003

Ato Declaratório Executivo Corat nº 27, de 27 de março de 2003 Ato Declaratório Executivo Corat nº 27, de 27 de março de 2003 Divulga a Agenda Tributária do mês de abril de 2003. O COORDENADOR-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA, no uso de suas atribuições declara:

Leia mais

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo?

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? a) União b) Estado c) Território Federal d) Distrito Federal 02) Qual diploma normativo é apto para estabelecer normas gerais em matéria de legislação

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO NUMA EMPRESA DO RAMO METAL-MECÂNICO

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO NUMA EMPRESA DO RAMO METAL-MECÂNICO UNIJUÌ-UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RS DECon- DEPT ECONOMIA E CONTABILIDADE CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CONTROLADORIA E GESTÃO EMPRESARIAL PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO NUMA EMPRESA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO APLICADO A EMPRESA DE COMÉRCIO VAREJISTA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO APLICADO A EMPRESA DE COMÉRCIO VAREJISTA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO APLICADO A EMPRESA DE COMÉRCIO VAREJISTA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS Patrícia Hofstaetter Lajeado, Julho de 2014 Patrícia

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

SUELEN DOS SANTOS LIMA

SUELEN DOS SANTOS LIMA SUELEN DOS SANTOS LIMA PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Estudo de Caso: Empresa Privada do ramo de comercialização e locação de minicarregadeiras, escavadeiras e acessórios. CURITIBA 2011 SUELEN DOS SANTOS LIMA

Leia mais