REFLEXÕES SOBRE A NOVA LEI DE INCENTIVO A PESQUISA REFLEXIONS ON THE NEW RESEARCH INCENTIVE LAW

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFLEXÕES SOBRE A NOVA LEI DE INCENTIVO A PESQUISA REFLEXIONS ON THE NEW RESEARCH INCENTIVE LAW"

Transcrição

1 REFLEXÕES SOBRE A NOVA LEI DE INCENTIVO A PESQUISA REFLEXIONS ON THE NEW RESEARCH INCENTIVE LAW Saulo Nunes de Carvalho Almeida RESUMO O presente artigo visa analisar uma das mais novas leis federais de incentivo fiscal. Inicialmente conhecida como Lei Rouanet da Pesquisa, a Lei /2007 trouxe complementações a Lei /2005 (Lei do Bem), na tentativa de obter êxito ao aproximar as Instituições Científicas e Tecnológicas (ICTs) das grandes empresas, por meio de abatimentos do Imposto de Renda das que realizarem investimentos na área de Pesquisas e Desenvolvimento (P&D) do país. Introduzindo mecanismos distintos das demais leis de incentivo, a Lei /2007 apresenta um modelo aparentemente sustentável ao inovar dividindo as verbas utilizadas nos projetos de pesquisa das ICTs entre Governo e Empresas. A mesma lei apresenta ainda alguns pontos controversos, como a impossibilidade de ICTs de caráter privado poder beneficiar-se da lei, e a ausência da previsão de pessoas físicas atuarem como incentivadores. PALAVRAS-CHAVES: LEI DE INCENTIVO; ROUANET DA PEQUISA; LEI DO BEM ABSTRACT The present article analyses one of the most recent federal Law of fiscal incentive. Initially know as Lei Rouanet da Pesquisa, the law /2007 brought complementation s to the law /2005 (Lei do Bem) in the attempt to approximate scientific and technologic institutions with the big corporations, using a way of fiscal deduction to the companies that chose to invest on the Research and Development areas of Brazil. Introducing a new way of fiscal deduction, the law /2007 presents a new model apparently more sustainable to the government, splitting the resources that is utilized in researches between the government and the companies. The same law still brings some points of controversy, with the inability of private institutions utilize the benefits of the present law as the inability to the physical person to utilize it. KEYWORDS: INCENTIVE LAW; ROUANET OF RESEARCH; LAW /2005 Trabalho publicado nos Anais do XVII Congresso Nacional do CONPEDI, realizado em Brasília DF nos dias 20, 21 e 22 de novembro de

2 1 INTRODUÇÃO Temos verificado nos últimos anos um súbito crescimento nos meios utilizados pelo governo como forma de incentivo fiscal. Primeiro foi a cultura através da Lei Rouanet e da Lei do Audiovisual. Depois veio o esporte, através da Lei de Incentivo ao Esporte. Agora, através da Lei /2007, chegou a hora da pesquisa e tecnologia. No ano de 2006, o Brasil foi o responsável pela produção de artigos científicos. O que pode aparentar, inicialmente, números expressivos, na verdade, representa apenas uma pequena parcela, 1.92% da produção mundial. No entanto, ao observarmos que no ano de 1981 a produção de artigos científicos no país foi de podemos constatar um grande avanço do Brasil (crescimento de 8,9 vezes no período; 4,5 vezes maior do que o crescimento mundial[1].) De acordo com o ranking do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) o Brasil ocupa atualmente o 43 lugar no ranking mundial de Investimento em Pesquisa & Desenvolvimento (P&D), ocupando também a 32 a posição quanto ao apoio governamental para o respectivo setor. Segundo dados divulgados pela CAPES, no ano de 1981, o Brasil foi responsável por cerca de (dois mil) artigos publicados, enquanto que México e Argentina contribuíram com aproximadamente (um mil) artigos cada um. Em comparação com o ano 2006, o Brasil sofreu um aumento de 750%, alcançando assim cerca de (dezessete mil) artigos publicados. Esse aumento, superou e muito os demais concorrentes diretos da América Latina, levando em conta que México foi o responsável por (seis mil e quinhentos) artigos, um aumento de 550% e que a Argentina contribuiu com aproximadamente (cinco mil) artigos, um aumento de 400%. Conforme podemos constatar, o desenvolvimento na produção científica apresentado pelo Brasil é compatível com sua hegemonia perante os países da América Latina. No entanto, ao colocarmos em um comparativo com países como China, Espanha e Índia, países emergentes responsáveis por expressivas contribuições à área de desenvolvimento científico no mundo, o Brasil ocupa uma colocação extremamente modesta. 2 NOVA LEI DE INCENTIVO A PESQUISA É com o intuito de tentar modificar esse quadro atual que chega a Lei n /2007, conhecida como a Lei Rouanet da Pesquisa. Importante comentarmos sobre o nome Lei Rouanet da Pesquisa. Esse nome, com o qual a Lei de Incentivo a Pesquisa ficou conhecida sem dúvidas não seria o mais apropriado. Sua origem veio da Lei 8.313/1991, a Lei de Incentivo a Cultura. Essa lei tornou-se conhecida como Lei Rouanet, em homenagem a Sergio Paulo Rouanet, um filósofo e antropólogo responsável pela lei brasileira de incentivos fiscais à cultura. Devido ao fato da Lei Rouanet ser a forma mais utilizada e conhecida Lei de Incentivo 3259

3 no País, sua nomenclatura acabou sendo utilizada também para a nova Lei de Incentivo a Pesquisa. No entanto, uma nova Lei de Incentivo a Pesquisa, que chega com o propósito de colocar o Brasil em um novo patamar na área de inovações científicas mundiais merecia torna-se conhecida através de um nome mais apropriado, compatível com o seu objetivo, o que faria deste um momento extremamente oportuno para homenagearmos um dos maiores cientistas da área tecnológica de nosso país, Santos Dumont. Conhecido por ser o pai da aviação, talvez o maior legado tecnológico deixado em nossa história. É nesse contexto que temos a humilde audácia de propor uma mobilização social de iniciativas para batizarmos a Lei de Incentivo a Pesquisa como Lei Santos Dumont. A nova Lei de Incentivo à Pesquisa segue de fato alguns dos parâmetros utilizados pela Lei Rouanet, permitindo assim que as empresas invistam em projetos que visem a inovação científica e tecnológica e possam descontar de seu imposto de renda uma parte do valor investido. De acordo com a Chamada Pública MEC/MDIC/MCT 01/2007 para a Lei /2007, os benefícios fiscais concedidos para o ano de 2008 deverão obedecer o montante máximo de R$ ,00 (cento e cinqüenta milhões). No entanto, esse limite dificilmente deverá ser atingido devido a falta de conhecimento das instituições sobre a presente Lei, bem como a falta de segurança que algumas empresas poderão sentir ao utilizar uma Lei tão nova, com parâmetros tão inovadores. 3 PREVISÃO CONSTITUCIONAL Compete, constitucionalmente, ao Estado promover e incentivar o desenvolvimento científico, a pesquisa e a capacitação tecnológicas, sendo, inclusive, facultado aos Estados ao Distrito Federal vincular parcela de sua receita orçamentária a entidades públicas de fomento ao ensino e a pesquisa científica e tecnológica[2], conforme previsão no art. 218 da Constituição Federal de A Constituição distingue duas espécies distintas de pesquisas. A científica básica e a tecnológica. A pesquisa classificada como científica básica é aquela que visa o bem público e o progresso das ciências (previsão no art. 218, 1º). Quanto à pesquisa tecnológica se caracteriza por visar a solução dos problemas brasileiros e o desenvolvimento produtivo nacional e regional (art. 218, 2º). Dessa forma, a Lei /2007 aparece como mais um dos meios apresentados pelo Governo para conseguir alcançar a previsão constitucional do art. 218, promovendo incentivos para a área de pesquisas no país. 4 LEGITIMIDADE DOS INCENTIVADORES Quanto as pessoas jurídicas que podem ser incentivadoras através da lei, é importante também destacarmos que não poderá ser qualquer empresa que poderá se beneficiar dessa forma de incentivo fiscal. De acordo com a previsão do art. 19-A da Lei /2007, bem como o art. 1 do Decreto 6.260/2007, poderão utilizar o incentivo fiscal apenas as pessoas jurídicas tributadas com base no lucro real: 3260

4 A pessoa jurídica sujeita ao regime de tributação do imposto sobre a renda com base no lucro real poderá excluir do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido CSLL, o valor dos dispêndios efetivados em projeto de pesquisa científica e tecnológica e de inovação tecnológica a ser executado por Instituição Científica e Tecnológica ICT, a que se refere o inciso V do caput do art. 2 da Lei10.973, de 2 de dezembro de 2004, observado o disposto neste Decreto. A Lei 9.718/98, em seu art. 14 dispõe sobre as pessoas jurídicas obrigadas a realizar a apuração do Lucro Real. Basicamente, somente empresas de grande porte, bancos, industrias, empresas de telecomunicações dentre outras de magnitude similar se encaixam no perfil citado no artigo. Algo que representa uma parcela em torno de 7% das empresas do País. Assim, empresas como as micro ou de pequeno porte não poderão atuar como incentivadores. Isso ocorre devido a própria mecânica utilizada na tributação de tais empresas, devido ao fato das mesmas possuírem uma alíquota calculada sob uma base presumida, utilizando assim um desconto-padrão, não admitindo exclusões ou compensações, inviabilizando assim a utilização do mecanismo de desconto da Lei de Incentivo a Pesquisa. Uma das diferenças significativa entre a Lei de Incentivo à Pesquisa e a Lei Rouanet já aparece nesse momento, que é o fato de existir uma ausência da possibilidade de pessoas físicas utilizarem o incentivo fiscal, não seguindo os parâmetros previstos da Lei de Incentivo a cultura, que em seu art. 18 prevê a possibilidade de pessoas físicas utilizarem até 6% do valor de seu imposto de renda para incentivar projetos de caráter cultural. A ausência dessa previsibilidade ocorre pelos próprios mecanismos distintos da Lei, pois ao contrário da Lei de Incentivo a Cultura, o desconto do Imposto de Renda ocorre na apuração do lucro real e na base de cálculo da CSLL, mecanismo esse não utilizado pela pessoa física para a apuração de seu imposto de renda. No entanto, a Lei de Incentivo a Cultura, resolveu tal problema apenas com a adição do inciso I, no art. 26, definindo os percentuais de descontos utilizados pelas pessoas físicas incentivadoras, o que nos leva a crer que talvez o motivo da ausência da possibilidade de pessoas físicas utilizarem a Lei de Incentivo a Pesquisa seja devido ao fato de que será gerado uma criação, que deverá assim possuir devidamente todos os direitos referentes a propriedade criada entre os patrocinadores, as ICTs e os inventores. Assim, ao permitir que pessoas físicas utilizassem o mecanismo, maiores complicações poderiam surgir quanto a divisão da titularidade da criação, aumentando ainda mais a burocracia para a realização de projetos. Essa, no entanto, é uma visão preliminar que não será aprofundada no presente artigo. Uma solução para tal problema poderia ser a possibilidade da previsão de pessoas físicas utilizarem a Lei de Incentivo a Pesquisa somente beneficiando-se de um maior desconto de seu imposto de renda, sem a possibilidade da mesma possuir direitos referentes a titularidade da criação. 3261

5 Assim, enquanto não for desenvolvido algum mecanismo que permita que pessoas físicas possam também contribuir para a Lei de Incentivo a Pesquisa como incentivadores, a mesma não estará potencializando todos os valores que poderiam estar sendo investidos nas ICTs de todo o país. 5 AS INSTITUIÇÕES BENEFICIADAS Adentrando agora a legitimidade para utilizar a Lei de Incentivo a Pesquisa, a Lei /2007 prevê que o investimento deverá ser apenas em projetos de pesquisa científica e tecnológica e de inovação a serem executados por Instituições Científicas e Tecnológicas ICTs. A definição de ICTs poderá ser encontrada na Chamada Pública MEC/MDIC/MCT 01/2007 para a Lei /2007 que em seu glossário classifica ICT como: órgão ou entidade da administração pública que tenha por missão institucional, dentre outras, executar atividades de pesquisa básica ou aplicada de caráter científico ou tecnológico. Assim, torna-se claro a impossibilidade de instituições de caráter privado beneficiar-se da presente lei. Tal procedimento seletivo não deveria existir em uma Lei de Incentivo a Pesquisa que tem o objetivo de promover e aumentar as pesquisas realizadas em nosso país, tendo em vista a vasta gama de pesquisadores que não poderão ter acesso a presente lei. Assim, das Instituições que poderão utilizar a Lei de Incentivo a Pesquisa, percebemos a existência de uma predominância das ICTs de âmbito federal. Segundo dados apresentados pelas ICTs ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), no ano de 2008, das 57 ICTs que prestaram informações, 45 são Instituições Federais, sendo apenas 11 de âmbito estadual: 6 MECANISMOS DA LEI Quanto a forma de exclusão que deverá ser utilizada pelas empresas patrocinadoras, ao contrário do mecanismo utilizado pela Lei Rouanet, as empresas incentivadoras possuirão opções. A empresa poderá escolher que seja descontado de seu lucro líquido para efeitos de apuração do lucro real e da base de cálculo da CSLL uma variação entre 50% a 250% do valor utilizado em pesquisas, conforme o art. 19-A, 1, I da Lei /2007: A exclusão de que trata o caput desse artigo: I corresponderá, a opção da pessoa jurídica, a no mínimo a metade e no máximo duas vezes e meia o valor dos dispêndios efetuados, observado o disposto nos 6, 7 e 8 deste artigo. A escolha do percentual que as empresas irão utilizar como desconto do Imposto de Renda como dispêndio efetuado delimitará a participação que as mesmas possuirão na titularidade da criação desenvolvida através de seu patrocínio. Assim, as empresas que não possuírem interesse em obter parte da titularidade daquela invenção, poderão utilizar o modelo de 250% do valor para que seja excluído, enquanto 3262

6 que a empresa com algum interesse naquela tecnologia poderá escolher uma dedução de impostos menor, até 50%, e possuir uma maior parte dos direitos daquela criação. Outra vantagem apresentada pela Lei de Incentivo a Pesquisa é o fato da mesma não concorrer diretamente por verbas com a Lei Rouanet ou a Lei de Incentivo ao Esporte, pois, ao contrário delas, o teto limite de verbas que as empresas poderão utilizar para incentivar a pequisa não é baseado no seu imposto de renda[3], e sim no valor do seu lucro real e da sua base de cálculo da CSLL antes da exclusão dos valores utilizados, conforme previsão no art. 19-A, 1, III da Lei /2007. Dessa forma, conforme previsto no art. 19-A, 6 da Lei /2007, bem como pelo art. 3 do Decreto n 6.260/2007, a participação do incentivador do projeto sobre a criação gerada será a razão entre a diferença do valor despendido pela pessoa jurídica e o valor do efetivo beneficio fiscal utilizado, de um lado, e o valor total do projeto, de outro, cabendo a ICT a parte remanescente. Assim, a porcentagem de direito sobre a criação pode ser definida de acordo com a equação abaixo: % da titularidade = Valor do dispêndio valor do benefício fiscal valor do projeto Dessa forma, observa-se que os direitos sobre a criação da invenção não será somente do patrocinador, pertencendo também a ICT no qual a inovação foi desenvolvida. Importante destacarmos que a Lei também protege o inventor da criação, e não apenas a ICT onde a mesma se desenvolveu. No art. 3, 3 do Decreto n 6.260/2007, é garantido ao criador no mínimo 5% e no máximo 1/3 dos lucros que a ICT poderá ter ao explorar os direitos de sua invenção: É assegurada ao criador participação mínima de cinco por cento e máxima de um terço nos ganhos econômicos auferidos pela ICT pela exploração dos direitos sobre a criação e a propriedade industrial e intelectual gerada por um projeto, na forma do art. 13 da Lei n , de 2004 Assim, torna-se clara a necessidade da ICT realizar pelo menos dois contratos ao utilizar a presente Lei de Incentivo. Um com os patrocinadores, definindo participação intelectual e industrial que cada um possuirá na criação do projeto, e um entre a ICT e o criador, definindo a participação nos ganhos que o mesmo poderá vir a ter. Essa necessidade poderá vir retardar um pouco o tramite da realização de projetos de pesquisa, tendo em vista o consenso que deverá existir previamente entre ICT/Incentivador/Criador. Problema esse que ainda poderá aumentar caso o projeto 3263

7 envolva um trabalho em conjunto de duas ou mais ICTs, tendo em vista a possibilidade de propostas coletivas previstas na Chamada Pública MEC/MDIC/MCT 01/2007. Outro fator relevante as ICTs é a necessidade de proteger aquela nova criação[4] desenvolvida através do incentivo fiscal das empresas. Tornando-se assim necessário o devido registro daquela patente. No entanto, essa proteção não é algo fácil de ser alcançado. No gráfico abaixo, referente as informações dos quais as ICTs prestam regularmente ao MCT, podemos observar que no ano de 2008, dos 860 pedidos de proteções que foram requeridas, apenas 132 foram concedidas, ou seja, o equivalente a apenas 15,34%: 7 REALIZAÇÃO DE PROJETOS Seguindo os parâmetros criados pela Lei de Incentivo a Cultura (Lei Rouanet) as empresas não poderão escolher apoiar qualquer projeto que despertem seu interesse. Somente poderão receber recursos da Lei de Incentivo a Pesquisa projetos que forem enviados e aprovados por um comitê de acompanhamento, que será formado por representantes dos Ministérios da Ciência e Tecnologia, da Indústria e Comércio Exterior e do da Educação. Os projetos deverão ser enviados à Fundação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES, através de formulários específicos que são disponibilizados no endereço eletrônico: De acordo com a Chamada Pública MEC/MDIC/MCT 01/2007, os projetos poderão ser apresentados para análises em qualquer época do ano. No entanto, é importante que haja um planejamento adequado entre o cronograma do projeto e o momento de sua apresentação a Capes, para que o mesmo não seja comprometido devido à subestimação do tempo real para a sua aprovação e sua publicação no Diário Oficial da União. Para que os projetos sejam apresentados da forma devida, é necessário que o mesmo seja enviado acompanhado de uma série de requisitos, segundo previsão da Chamada Pública MEC/MDIC/MCT 01/2007, tais como: descrição detalhada do objeto do projeto, cronograma das atividades previstas, resultados que se pretende alcançar com aquela pesquisa, expectativa de impacto econômico e social do projeto no ambiente produtivo, entre outros. Os projetos enviados deverão passar por um processo de avaliação de duas etapas em um prazo de até 90 (noventa) dias, e apenas após a aprovação em ambas as etapas e a devida formalização em Portaria Interministerial é que as pessoas jurídicas que escolherem apoiar os projetos poderão deduzir de seu Imposto de Renda os valores previstos na legislação. Dessa forma, as empresas que escolherem, seja por opção ou por falta de informação, utilizar verbas para patrocinar projetos que não tenham sido previamente aprovados pelo processo de avaliação, não poderão descontar nenhuma parcela do valor utilizado de seu imposto de renda. Assim, torna-se extremamente essencial para qualquer empresa apenas patrocinar projetos que já tenham sido devidamente aprovados e publicados no Diário Oficial da União. 3264

8 Para os projetos que não receberem parecer favorável do Comitê, caberá aos seus representantes o pedido de reconsideração ao Comitê, que deverá atentar ao prazo de até 15 (quinze) dias, contados a partir da data na publicação no Diário Oficial da União. Seguindo os parâmetros da Lei Rouanet, a Lei de Incentivo a Pesquisa prevê também a devida prestação de contas da ICT perante a CAPES, referente aos recursos recebidos e a utilização dos mesmos (que deverá ser condizente ao que estava previsto no projeto aprovado). No entanto, uma novidade que a Lei de Incentivo a Pesquisa estabelece é a obrigação da realização de relatórios periódicos, acompanhando assim toda a execução do projeto realizado pela ICT. O acompanhamento da CAPES perante os projetos se dá devido ao fato dos mesmos estarem utilizando dinheiro público, sendo necessário assim um maior controle e fiscalização das verbas. A Chamada Pública MEC/MDIC/MCT 01/2007 previu o prazo de 60 (sessenta) dias, contados após o termino do projeto para que a ICT realize a prestação de contas perante a CAPES. Assim, torna-se fundamental a correta organização da ICT com os devidos comprovantes de todos os valores gastos durante o decorrer do projeto, utilizando em alguns casos, inclusive, o auxílio de um contador. Outro aspecto que distingue a Lei de Incentivo a Pesquisa da Lei Rouanet é o fato dos projetos serem selecionados mediante chamada pública, conforme o art. 7 do Decreto n 6.260/2007, explicitado abaixo: Os projetos serão selecionados pelo comitê permanente mediante chamada publica, que disporá sobre os requisitos e as condições de participação, os procedimentos de seleção e os critérios para a aprovação de projetos. Dessa forma, os requisitos, procedimentos e projetos preferenciais poderão ser alterados entre uma chamada pública e outra. Assim, a Chamada Pública MEC/MDIC/MCT 01/2007 que priorizava propostas em áreas como biotecnologia, nanotecnologia, biomassa e energias alternativas, poderão não ter a mesma prioridade em chamadas públicas futuras, dando assim oportunidades a outras áreas distintas. Um outro diferencial estabelecido pela Lei de Incentivo a Pesquisa em relação as demais leis de incentivo federais é o fato dela ter previsão legal no art. 12 do Decreto n 6.260/2007 referente a competência dos Ministérios da Ciência e Tecnologia, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e da Educação, em promover a aproximação das ICTs do ambiente industrial nacional, obrigação essa que não existe para o Ministério da Cultura na Lei Rouanet ou para o Ministério do Esporte na Lei de Incentivo ao Esporte, sendo tal aproximação de responsabilidade exclusiva do próprio patrocinado. Resta saber como tal aproximação irá suceder na prática, e quais as atitudes que serão tomas pelos respectivos Ministérios para garantir que a mesma ocorra com sucesso. Quanto a execução do projeto, é importante que o mesmo siga todo o cronograma do projeto original que foi remetido e aprovado pela CAPES, evitando assim futuros problemas. 3265

9 No entanto, no caso de existir qualquer irregularidade constatada pela CAPES, a mesma notificará a ICT para que tal irregularidade seja devidamente sanada no prazo máximo de 90 (noventa) dias. Caso a ICT falhe em sanar a irregularidade apontada, diversas sanções poderão ser impostas, como a suspensão do projeto, a perda dos recursos não utilizados ou até a inelegibilidade de toda a ICT por dois anos, o que poderia comprometer diversos potenciais projetos, conforme previsão do art. 14, 1, I a III do Decreto n 6.260/2007. Dessa forma, torna-se de extrema importância que seja respeitado todos os mecanismos previstos pela Lei /2007, evitando assim todas as penas previstas pela legislação, bem como, garantindo que as ICTs sejam beneficiadas por esse mecanismo de investimento por muitos anos. 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS A Lei /2007 veio com o intuito de promover a pesquisa e o desenvolvimento no país, visando principalmente o progresso da ciência ao propiciar a parceria de ICTs com grandes empresas. Ao contrário da Lei Rouanet (Lei n 8.313/1991) ou da Lei de Incentivo ao Esporte (Lei n /2006), a Lei /2007 segue parâmetros únicos, podendo ser até considerada como um modelo ideal que deveria ser seguido pelas demais leis de incentivo em nosso país, tendo em vista que na presente lei não acontece simplesmente o fato de uma transferência do dinheiro público pelas empresas para patrocínio de projetos, sem uma complementação direta de verbas privadas, ou seja, parte dos valores utilizados nos projetos saem do orçamento privado sendo apenas complementado por verbas públicas. O presente artigo busca propiciar uma explicação do novo mecanismo de Incentivo a Pesquisa e Desenvolvimento no país, através de uma avaliação jurídica deste novo sistema que poderá ser utilizado por diversas empresas, sendo por um interesse direto e comercial na criação a ser desenvolvida, seja por um interesse de marketing ao associar sua marca a projetos de pesquisas que possuam algum apelo de imagem, gerando assim diversos benefícios para as empresas que melhor souberem utilizá-las. Resta-nos, no entanto, a dúvida se com o nível de exigências requeridas essa lei conseguirá alcançar o sucesso e gerar os frutos a que se propõe. Assim, acreditando que o futuro sucesso da Lei de Incentivo a Pesquisa dependerá, dentre outros fatores, da divulgação dessa legislação perante as ICTs, Empresas e Pesquisadores, que venho realizar uma pequena contribuição através do presente artigo, visando assim uma maior difusão desse novo meio de incentivo fiscal. REFERÊNCIAS BASTOS, Celso Seixas Ribeiro. Curso de Direito Constitucional Tributário. São Paulo: Saraiva, 2000, 21 a ed. 3266

10 CARRAZA, Roque Antonio. Curso de Direito Constitucional Tributário. São Paulo: Malheiros, 2007, 23 a ed. CESNIK, Fábio de Sá. Guia Incentivo Cultura. São Paulo: Manole, 2007, 2 a ed. CESNIK, Fábio de Sá; MALAGODI, Maria Eugenia. Elaboração, Administração, Aspectos Legais e Busca de Patrocínio. São Paulo: Escrituras/Instituto Pensarte, 2005, 5 a ed. CHIMENTI, R.; CAPEZ, F.; ROSA, M.; SANTOS, M. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2006, 3 a ed. CHRISTENSEN, C.; ROCHA, A. Marketing de Tecnologia: Textos e Casos. São Paulo: Atlas, 1989, 1 a ed. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES, Disponível em: Acesso em: 16 set COSTA, Ivan Freitas. Marketing Cultural: O Patrocínio de Atividades Culturais como Ferramenta de Construção de Marca. São Paulo: Atlas S.A., 2004, 1 a ed. CUNHA, Humberto. Análise da Concepção, Estrutura e Funcionamento da Lei Jeireissati. Fortaleza - CE, 2002, 1 a ed. DENARI, Zelmo. Curso de Direito Tributário. São Paulo: Atlas, 2002, 8 a ed. FERREIRA, Manoel Gonçalves Filho. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2007, 33 a ed. Instituto Nacional da Propriedade Industrial INPI, Disponível em: Acesso em: 21 set MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. São Paulo: Malheiros, 2008, 29 a ed. MARTINS, Ives Gandra da Silva. Curso de Direito Tributário. São Paulo: Saraiva, 2001, 8 a ed. MELO, Francisco Paulo. Projetos de Marketing Esportivo e Social (Elaboração e Comercialização). São Paulo: Phorte Editora Ltda., 1997, 1 a ed. MORAES, Alexandre de, Constituição do Brasil Interpretada. São Paulo: Editora Atlas S.A, 2005, 5 a ed. REZENDE, José Ricardo. Manual Completo da Lei de Incentivo ao Esporte. São Paulo: All Print, 2007, 1 a ed. 3267

11 1 Dados divulgados pela CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) em palestra realizado em Outubro de MORAES, Alexandre de. Constituição do Brasil Interpretada. São Paulo: Editora Atlas S.A., P A Lei Rouanet possui um valor limite correspondente a 4% do valor de seu imposto de que as empresas poderão utilizar como incentivo a cultura. Para a Lei de Incentivo ao Esporte, esse valor é ainda menor, sendo limitado por apenas 1% do valor do imposto de renda. 4 De acordo com a definição apresentada na Chamada Pública MEC/MDIC/MCT 01/2007, considera-se criação: invenção, modelo de utilidade, desenho industrial, programa de computador, topografia de circuito integrado, nova cultivar ou cultivar essencialmente derivada e qualquer outro desenvolvimento tecnológico que acarrete ou possa acarretar o surgimento de novo produto, processo ou aperfeiçoamento incremental, obtida por um ou mais criadores. 3268

12 3269

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 5 Decreto nº 6.260, de 20 de novembro de 2007 DOU de 20.11.2007 Dispõe sobre a exclusão do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO

INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO Prof. Nicolau Afonso Barth, Dr. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Assessoria de Projetos Cooperados / Assessoria de Assuntos Estudantis ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO: Lei

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da República,

Excelentíssimo Senhor Presidente da República, EM Interministerial nº 113/2006 - MF/MEC Brasília, 11 de outubro de 2006. Excelentíssimo Senhor Presidente da República, Temos a honra de submeter à apreciação de Vossa Excelência o presente Projeto de

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007

CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007 CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007 O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC, O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC e o MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - MCT, tornam público e

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA RESOLUÇÃO CS nº xx/2009 REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA RESOLVE: O Conselho Superior do Instituto Federal Farroupilha,

Leia mais

ANTEPROJETO DE LEI. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: TÍTULO I

ANTEPROJETO DE LEI. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: TÍTULO I ANTEPROJETO DE LEI Dispõe sobre Medidas de Incentivo Fiscal à Pesquisa, ao Desenvolvimento Tecnológico e à Inovação. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica recursos para inovação Centro de Conhecimento recursos para inovação Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica Lei 11.196/05 (Lei do Bem) Estratégia Incentivos Fiscais e Recursos Educação e Cultura

Leia mais

Curso Resultado Um novo conceito em preparação para concursos

Curso Resultado Um novo conceito em preparação para concursos Lei Ordinária 10.973, de 02 de dezembro de 2004 Publicada no DOU de 03.12.2004 Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. * V. Dec. 6.180/2007 (Regulamenta a Lei 11.438/2006).

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 Estabelece as diretrizes da Política Institucional de Propriedade Intelectual, Transferência de Tecnologia e Inovação da UEFS e dá outras providências. O Reitor da Universidade

Leia mais

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PESQUISA E DESENVOLVIMENTO ICA 80-10 PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO 2013 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

considerando a necessidade de regulamentar a propriedade intelectual da Unoesc;

considerando a necessidade de regulamentar a propriedade intelectual da Unoesc; RESOLUÇÃO Nº 213/CONSUN/2009. Define política e diretrizes para a gestão da Propriedade Intelectual no âmbito da Unoesc. O Conselho Universitário da Universidade do Oeste de Santa Catarina, no uso de suas

Leia mais

Lei nº 10.973, de 02.12.2004

Lei nº 10.973, de 02.12.2004 Lei nº 10.973, de 02.12.2004 Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO LEI Nº 3095, de 17 de Novembro de 2006 DISPÕE sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo no âmbito do Estado do Amazonas, e dá outras providências O GOVERNADOR

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e

Leia mais

CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ

CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA (NIT) CAPÍTULO 1 Das Disposições Preliminares Art. 1 - As normas e diretrizes para a gestão da política de inovação, bem como de proteção à propriedade industrial

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Texto compilado Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter

Leia mais

CIESP CAMPINAS 21-08-2014. Incentivos Fiscais à Inovação. Análise da Legislação em vigor. Susy Gomes Hoffmann

CIESP CAMPINAS 21-08-2014. Incentivos Fiscais à Inovação. Análise da Legislação em vigor. Susy Gomes Hoffmann CIESP CAMPINAS 21-08-2014 Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica Análise da Legislação em vigor Susy Gomes Hoffmann Breve Histórico da Legislação. Breve Histórico do Trabalho realizado pela FIESP/CIESP

Leia mais

do Bem e outras considerações

do Bem e outras considerações Politicas públicas de fomento a inovação: Lei do Bem e outras considerações 8 de setembro de 2014 Legislação Lei do Bem (Lei No. 11.196/2005) Decreto No. 5.798/2006 Lei No. 11.487/2007 (Dec. No. 6.260/2007)

Leia mais

Cartilha de Informações: Doações e Patrocínios.

Cartilha de Informações: Doações e Patrocínios. Cartilha de Informações: Doações e Patrocínios. O Instituto Abramundo é uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) e com isso pode receber doações e incentivos para a execução de seus

Leia mais

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários Notíci as Artigo s Página 1 de 5 @estadao.com.br :;):: ''(**. e-mail: senha: Esqueceu sua senha? Cadastre-se Artigos > Empresarial ÍNDICE IMPRIMIR ENVIAR COMENTAR aaa Incentivo fiscal MP do Bem permite

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 Inclui as doações aos Fundos controlados pelos Conselhos de Assistência Social na permissão para dedução do imposto de renda devido pelas pessoas físicas e jurídicas.

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Fevereiro 2014 Um olhar da Inventta: ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Maria Carolina Rocha, Marina Loures e Otávio Vianna 1. Introdução A Lei do Bem, cujo principal objetivo é promover

Leia mais

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem)

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Características Básicas dos Incentivos Fiscais: Atende empresas que operam em regime de lucro real e que realizam atividades de P&D; Introduziu

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. LEI No 8.685, DE 20 DE JULHO DE 1993.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. LEI No 8.685, DE 20 DE JULHO DE 1993. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI No 8.685, DE 20 DE JULHO DE 1993. Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS

III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS Carlos Alberto Teixeira Agosto 2010 Criação, Invenção e Inovação A criatividade existe no universo das idéias, em que os processos

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006

ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006 ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006 Regulamenta os incentivos fiscais às atividades de pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica, de que tratam os arts.

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 63 - Data 7 de março de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Normas Gerais de Direito Tributário Ementa: LEI Nº 11.196, DE 2005. INCENTIVO

Leia mais

PROJETO DE LEI. I - possibilitar o acesso e a fruição dos produtos e serviços culturais;

PROJETO DE LEI. I - possibilitar o acesso e a fruição dos produtos e serviços culturais; PROJETO DE LEI Institui o Programa de Cultura do Trabalhador, cria o Vale-Cultura e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Fica instituído, sob a gestão do Ministério da Cultura,

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica nas empresas (previstos no Capítulo III da Lei do Bem )

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica nas empresas (previstos no Capítulo III da Lei do Bem ) 1. Nome do Programa/Atividade/Ação fomentado: Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica nas empresas (previstos no Capítulo III da Lei do Bem ) 2. O que é? A Lei n.º 11.196, de 21 de novembro de 2005,

Leia mais

Dê-se ciência, publique-se, cumpra-se.

Dê-se ciência, publique-se, cumpra-se. RESOLUÇÃO Nº 034-CONSUP/IFAM, 22 de setembro de 2014. Que aprova o Regimento do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas. O Reitor Substituto

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.973, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004. Regulamento Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 7514, DE 2006 Altera a Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005. Autor: Poder Executivo Relator: Deputado Léo Alcântara I

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com BRASIL - TERRITÓRIO, POPULAÇÃO E ECONOMIA: COMBINAÇÃO VITORIOSA Indonésia Área População > 4 milhões km 2 > 100 milhões Nigéria Canadá Rússia EUA Brasil China

Leia mais

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Dispõe sobre os procedimentos de acompanhamento, controle e avaliação a serem adotados na utilização dos benefícios fiscais instituídos pela Lei n

Leia mais

Aspectos Tributários

Aspectos Tributários Aspectos Tributários Principais Tributos IMPOSTOS Imposto sobre a Renda de Pessoas Jurídicas (IRPJ); Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS); Imposto sobre serviços de qualquer natureza

Leia mais

NOTA SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO DA LEI DO BEM

NOTA SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO DA LEI DO BEM NOTA SOBRE OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO DA LEI DO BEM Denis Borges Barbosa Sobre a lei como um todo A lei compila a legislação existente de incentivos fiscais do setor, revogando toda a bateria existente.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Lei nº 11.487/2007: Problema: produção científica crescente SEM reflexo no setor produtivo e industrial Produção Científica

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010

DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010 DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010 Autoriza o Poder Executivo Estadual adotar medidas de incentivo à inovação tecnológica no Estado de Mato Grosso do Sul e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS

Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS LEI ROUANET LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA LEI Nº 8131/91; LEI 9.874/99 E A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 2228-1/2001 Soluções Culturais O que é? Neste

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.084, DE 26 DE AGOSTO DE 2013 A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica

A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica Radar Inovação - Março de 2010 A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica Bruna Soly, Carina Leão, Manuela Soares e Pollyana Souza A EVOLUÇÃO DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATORA: Senadora ROSALBA CIARLINI I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2009. RELATORA: Senadora ROSALBA CIARLINI I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 221, de 2009 (PL nº 5.798, de 2009, na origem), de iniciativa do Presidente da República, que institui o Programa

Leia mais

CARTILHA DE INCENTIVOS FISCAIS* Nesta Cartilha, preparada a pedido da AMARRIBO, abordamos os seguintes incentivos fiscais:

CARTILHA DE INCENTIVOS FISCAIS* Nesta Cartilha, preparada a pedido da AMARRIBO, abordamos os seguintes incentivos fiscais: CARTILHA DE INCENTIVOS FISCAIS* Nesta Cartilha, preparada a pedido da AMARRIBO, abordamos os seguintes incentivos fiscais: A. Doação à AMARRIBO, que possui o título de OSCIP; B. Doação/Patrocínio de Projeto

Leia mais

Resolução nº 02-07 CONSUNI

Resolução nº 02-07 CONSUNI Resolução nº 02-07 CONSUNI O Conselho Universitário da Universidade de Caxias do Sul UCS, no uso das suas atribuições estatutárias e regimentais, e considerando a Portaria n. º 170, de 15 de maio de 1998,

Leia mais

CARTILHA DE INCENTIVOS FISCAIS* Nesta Cartilha, preparada a pedido da AMARRIBO, abordamos os seguintes incentivos fiscais:

CARTILHA DE INCENTIVOS FISCAIS* Nesta Cartilha, preparada a pedido da AMARRIBO, abordamos os seguintes incentivos fiscais: CARTILHA DE INCENTIVOS FISCAIS* Nesta Cartilha, preparada a pedido da AMARRIBO, abordamos os seguintes incentivos fiscais: A. Doação à AMARRIBO, que possui o título de OSCIP; B. Doação/Patrocínio de Projeto

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Vale-Cultura IRRF Tabela Progressiva Atuação do Psicólogo como Perito INFORMATIVO 02/2013 PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761,

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS Comissão de Direito do Terceiro Setor Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br INCENTIVOS FISCAIS Contexto MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa: envolve marketing, comunicação,

Leia mais

As oportunidades e ameaças da Lei de Inovação para Institutos de Pesquisa

As oportunidades e ameaças da Lei de Inovação para Institutos de Pesquisa As oportunidades e ameaças da Lei de Inovação para Institutos de Pesquisa Marcelo Nakagawa Coordenador - PROTEU Programa de Treinamento para Capacitar Gestores da Cooperação Empresa - Universidade & Institutos

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial

Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato Coordenador Missão Promover a utilização do conhecimento científico,

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

DECRETO No- 7.988, DE 17 DE ABRIL DE 2013

DECRETO No- 7.988, DE 17 DE ABRIL DE 2013 DECRETO No- 7.988, DE 17 DE ABRIL DE 2013 Regulamenta os arts. 1º a 13 da Lei nº 12.715, de 17 de setembro de 2012, que dispõem sobre o Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica - PRONON e o Programa

Leia mais

DISPÕE SOBRE INCENTIVOS À INOVAÇÃO E À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

DISPÕE SOBRE INCENTIVOS À INOVAÇÃO E À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA LEI Nº14.220, de 16 de outubro de 2008. DISPÕE SOBRE INCENTIVOS À INOVAÇÃO E À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO ESTADO DO CEARÁ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ. Faço saber

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB Anexo(5), da Port nº 26/2011, da SecCTM MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB 1 PROPÓSITO Estabelecer orientações

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação Institucional na Proteção dos Direitos Sociais. Painel: Formas de Fomento ao Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação Institucional na Proteção dos Direitos Sociais. Painel: Formas de Fomento ao Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação Institucional na Proteção dos Direitos Sociais Painel: Formas de Fomento ao Terceiro Setor Outubro-2010 ESTADO BRASILEIRO SUBSIDIÁRIO COM A PARTICIPAÇÃO

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 113 DOE de 20/06/08

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 113 DOE de 20/06/08 Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 113 DOE de 20/06/08 LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19

Leia mais

>Lei nº 9.615, de 24 de Março de 1998 - Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências.

>Lei nº 9.615, de 24 de Março de 1998 - Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências. 1) FUNDAMENTO LEGAL: Objetivando expressar nosso Parecer Técnico sobre a legislação que fundamenta o incentivo fiscal de âmbito federal para projetos de atividades de caráter desportivo, procedemos ao

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS Orientador Empresarial Incentivos Fiscais-Atividades de Pesquisa Tecnológica e Desenvolvimento de Inovação Tecnológica-

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.682-A DE 2012. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.682-A DE 2012. O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.682-A DE 2012 Institui o Programa de Cultura do Trabalhador; cria o vale-cultura; altera as Leis nºs 8.212, de 24 de julho de 1991, e 7.713, de 22 de dezembro de 1988,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.761, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Institui o Programa Nacional de Incentivo à Educação Escolar Básica Gratuita (PRONIE). O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Programa Nacional de

Leia mais

Lei Rouanet. Informações importantes para o Patrocinador

Lei Rouanet. Informações importantes para o Patrocinador Lei Rouanet Informações importantes para o Patrocinador Lei Rouanet Se você ou sua empresa deseja patrocinar um projeto cultural aprovado pelo Ministério da Cultura através da Lei Rouanet, isso significa

Leia mais

Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA

Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA O Imposto de Renda sobre Pessoa Física - IRPF é um tributo federal obrigatório a todos os trabalhadores brasileiros que obtiveram

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS Ricardo Benevenuti Santolini 1 Resumo: A norma jurídica possui como princípio basilar regulamentar a conduta

Leia mais

Institui a Política Nacional do Livro O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Institui a Política Nacional do Livro O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Leyes del Libro Libro Brasil Lei Nº 10.753, de 30 De outubro de 2003 Institui a Política Nacional do Livro O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Transferências voluntárias: um meio para a viabilização das políticas públicas do GDF

Transferências voluntárias: um meio para a viabilização das políticas públicas do GDF Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Governo do Distrito Federal - GDF Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP Transferências voluntárias:

Leia mais

Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências

Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências LEI Nº 8.685, de 20 de Julho de 1993 ("Lei do Audiovisual") -------------------------------------------------------------------------------- Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008 Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Subsecretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br o palrimôniode afetação

Leia mais

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa 1 Introdução Este documento tem como objetivo apresentar um conjunto de reflexões sobre a implementação das disposições

Leia mais

5) Quem pode participar? Empresas distribuidoras brasileiras independentes registradas na ANCINE e nas respectivas Juntas Comerciais.

5) Quem pode participar? Empresas distribuidoras brasileiras independentes registradas na ANCINE e nas respectivas Juntas Comerciais. CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODECINE - 02/2012 Seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) em projetos de aquisição de direitos de obras audiovisuais cinematográficas de

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica da Lei do Bem Workshop

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica da Lei do Bem Workshop Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica da Lei do Bem Workshop Eduardo Grizendi Professor Titular egrizendi@inatel.br Blog: www.eduardogrizendi.blogspot.com Santa Rita do Sapucaí, 12 de Março de 2010

Leia mais

PROJETO DE LEI nº, de 2013 (Do Sr. Sergio Zveiter)

PROJETO DE LEI nº, de 2013 (Do Sr. Sergio Zveiter) PROJETO DE LEI nº, de 2013 (Do Sr. Sergio Zveiter) Institui o Programa Empresa Consciente, com a concessão de incentivos fiscais do Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica IRPJ. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

ESCLARECIMENTO SOBRE INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP

ESCLARECIMENTO SOBRE INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP ESCLARECIMENTO SOBRE INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP O que é uma OSCIP Uma OSCIP está situada no Terceiro Setor (considerando-se que o Primeiro Setor é formado pelo Estado e o Segundo Setor pelo Mercado,

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO DE PARCEIROS PARA OPERAÇÃO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA EM EMPRESAS NA MODALIDADE SUBVENÇÃO A MICRO E PEQUENAS

Leia mais

O Colegiado Pleno do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

O Colegiado Pleno do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 03/2009 Regulamenta os direitos da propriedade intelectual da UFCG e dá outras providencias.

Leia mais

Lei Federal de Incentivo ao Esporte. 1. Introdução

Lei Federal de Incentivo ao Esporte. 1. Introdução A associada Silvana Regina Echer (02631), de Porto Alegre, é especialista na lei federal de incentivo ao esporte, que possibilita que empresas e indivíduos doem para projetos esportivos elaborados por

Leia mais

As vantagens de partilhar seus bens em vida

As vantagens de partilhar seus bens em vida As vantagens de partilhar seus bens em vida Antecipar a herança por meio de doações pode sair mais em conta e protege a família de preocupações Planejar a partilha da herança poupa a família de gastos

Leia mais

LEIS DE INCENTIVOS FISCAIS

LEIS DE INCENTIVOS FISCAIS segunda-feira, 11 de julho de 2011. LEIS DE INCENTIVOS FISCAIS Leis e Benefícios Com Responsabilidade Social Introdução Todos sabem que as instituições de Utilidade Pública Federal e as Organizações da

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR Divisão de Registro de Programa de Computador Victor Pimenta M. Mendes Fortaleza - CE Setembro- 2010 Propriedade Intelectual Propriedade Intelectual Propriedade Industrial

Leia mais

Incentivos Fiscais para captação de recursos

Incentivos Fiscais para captação de recursos Incentivos Fiscais para captação de recursos a) Dedutibilidade das doações A partir de 1º de janeiro de 1996, a Lei 9.249, de 26 de dezembro de 1996, limitou a dedutibilidade de algumas despesas operacionais,

Leia mais