Apostila de Trabalho de Conclusão de Curso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apostila de Trabalho de Conclusão de Curso"

Transcrição

1 Apostila de Trabalho de Conclusão de Curso Curso: Fisioterapia Disciplina: Trabalho de Curso Professora: Renata Brito 1 Salvador, 09 de Agosto de 2012.

2 SUMÁRIO Assunto Página Introdução 03 Regras do Trabalho 04 Barema 05 Projeto de Pesquisa 06 Roteiro para elaboração do Projeto de Pesquisa 14 O Artigo Científico 20 Roteiro para elaboração do Artigo Científico 26 2

3 INTRODUÇÃO Art O Trabalho de Curso é componente curricular obrigatório, desenvolvido individualmente, com conteúdo a ser fixado pelas Instituições de Educação Superior em função de Projetos Pedagógicos. A Lei n , de 20 de dezembro de 1996, estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Dispõe seu art. 34, nos diversos incisos em que se desdobra ser finalidade da educação superior, dentre outras, estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo ; incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, visando ao desenvolvimento da ciência e da tecnologia e da criação e difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive. Com essas orientações legais e em conformidade com a opção pedagógica adotada pelo IBES, o Curso de Fisioterapia também tem inserido em seu currículo a obrigatoriedade de elaboração de um artigo como Trabalho de Conclusão de Curso, cabendo ao aluno, com total liberdade, escolher o tema a ser desenvolvido e o orientador do seu trabalho. Para a ABNT (2011), o trabalho de conclusão de curso de graduação é considerado como um documento que apresenta o resultado de estudo, devendo expressar conhecimento do assunto escolhido, que deve ser obrigatoriamente emanado da disciplina, módulo, estudo independente, curso, programa, e outros ministrados. Deve ser feito sob a coordenação de um orientador. Portanto, como o próprio nome diz, requer dedicação, esforço e trabalho! Este manual tem como proposta facilitar a compreensão do aluno do curso de Fisioterapia sobre os objetivos e as normas que regem um dos requisitos para conclusão do curso o TCC que no IBES, deverá ser a apresentação de um artigo científico. O IBES tem como um de seus propósitos despertar o aluno para a importância da pesquisa científica na graduação, para que a formação do aluno e futuro profissional possa estar calcada nos princípios da atualização e constante aperfeiçoamento no exercício de sua profissão. Este trabalho vem, portanto, contemplar o objetivo de estimular o aluno ao aprofundamento em temas específicos mediante a orientação de um professor que possa direcionar seus estudos de modo mais sistemático, reforçando ainda a importância da Metodologia do Trabalho Científico. As normas deste manual estão baseadas na ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, cabendo ao orientador a incumbência de selecionar 3

4 o método (revisão bibliográfica, pesquisa de estado da arte, pesquisa de campo, estudo de caso, etc.) que será utilizado na pesquisa. Este manual apresenta os elementos que constituem a estrutura de um projeto de pesquisa e de um artigo científico bem como apresenta de forma geral as regras de apresentação, o resumo, a citação no texto e as referências. As orientações aqui apresentadas baseiam-se na norma para apresentação de artigo científico, que a partir deste ano passou a ser a Vancouver. REGRAS DO TRABALHO - O trabalho deverá ser realizado individualmente, com orientação de um professor da Faculdade, sendo facultativa a co-orientação. O co-orientador poderá ser do corpo docente ou externo, desde que em concordância com o orientador; o orientador deverá estar em concordância com o tema escolhido, que deve estar entre as suas especialidades; - O supervisor de estágio não poderá orientar o TCC e sim ajudar na elaboração do mesmo em especial, na coleta de dados. - O aluno deverá devolver o Termo de Compromisso com a definição do orientador em data estipulada pelo Coordenador do Curso. - No caso de possíveis publicações artigos ou anais de congresso o trabalho deverá ser encaminhado com o aval do orientador, constando o nome dos alunos, do professor, do coorientador, se houver, e da Faculdade. - O trabalho deverá ser defendido perante uma banca examinadora, composta por três membros na data estipulada pelo Coordenador do Curso de Fisioterapia. - Quando ocorrer reprovação na apresentação oral, o aluno fará as correções sugeridas pela banca examinadora e o trabalho deverá ser reapresentado oralmente no período estipulado como prova final. - As notas serão dadas logo após as apresentações e estarão no sistema da faculdade. As notas das reapresentações também serão dadas logo após as mesmas e estarão no sistema da faculdade. Se após a reapresentação o aluno for reprovado deverá este se matricular no próximo semestre e elaborar um novo artigo científico. 4

5 - Caso o aluno não atinja o mérito necessário na reapresentação, estará automaticamente reprovado na disciplina e consequentemente, não poderá colar grau. - Em casos de plágio diagnosticados pela banca avaliadora, o aluno não terá a oportunidade de realizar a reapresentação, sendo reprovado automaticamente na disciplina de Trabalho de Curso. - A entrega das etapas das atividades de TCC se dará nas datas fixadas pelo coordenador o curso, improrrogáveis, ao Coordenador do Núcleo de TCC, que receberá os documentos no horário e data pré estabelecida. - O aluno que não entregar a atividade ou que realize a entrega de forma intempestiva, em suas respectivas etapas, conforme reza o parágrafo anterior, terá atribuída nota zero. - Forma de avaliação: o aluno será avaliado de acordo com o Barema a seguir: BAREMA DE AVALIAÇÃO DO TCC - CURSO DE FISIOTERAPIA Título do artigo: Autor(a)/ Aluno(a): Avaliador(a): AVALIAÇÃO DO TRABALHO ESCRITO Indicadores 1. Introdução clara e objetivo(s) bem definido(s) (1,0 ponto) 2. Metodologia descrita adequadamente (0,5 pontos) 3. Resultados claros e condizentes com objetivos e metodologia propostos (1,0 ponto) 4. Discussão apresenta citações oportunas e fiéis (1,0 ponto) 5. Conclusão coerente com os objetivos e resultados (0,5 ponto) 6. O trabalho traz informações de impacto/relevância para a fisioterapia? (0,5 pontos) 7. Inovação/Criatividade (0,5 pontos) Pontuação SUBTOTAL 5

6 AVALIAÇÃO DA APRESENTAÇÃO ORAL Indicadores 1. Lógica e organização na apresentação demonstra, explica, generaliza e conclui? (1,0 ponto) 2. Utiliza argumentos oportunos e coerentes para demonstrar o estudo (1,0 ponto) 3. Formato e estrutura da apresentação adequada fontes, cor, número de informações (1,0 ponto) 4. Tempo e postura (0,5 pontos) 5. Apresentação agregou informações valorizando a pesquisa? (1,0 p) 6. Linguagem verbal e não verbal (0,5 pontos) Pontuação SUBTOTAL TOTAL 1. PROJETO DE PESQUISA A DEFINIÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA A elaboração de um bom projeto de pesquisa é requisito essencial para que o pesquisador obtenha êxito e fundamentalmente de certas qualidades intelectuais e sociais do pesquisador de fazer um trabalho científico estritamente planejado e mais próximo da qualidade desejável. Desta forma é importante definir o que vem a ser o projeto. Este é o documento explicitador das ações a serem desenvolvidas ao longo do processo de pesquisa. O projeto de pesquisa precisa ser esclarecedor como se processa a pesquisa quais as etapas que vão ser desenvolvidas que seja suficientemente detalhado para proporcionar avaliação do processo de pesquisa. A IMPORTÂNCIA DO PROJETO DE PESQUISA O projeto de pesquisa tem a condição de nortear as atividades do pesquisador, evitando dispêndios desnecessários de energia e a eventual produção de um trabalho assistemático e confuso, em descompasso com o que se espera da atividade científica. Lakatos e Marconi (1991) apontam nesta direção quando asseveram que O projeto é uma das etapas 6

7 componentes do processo de elaboração, execução e apresentação da pesquisa. Esta necessita ser planejada com extremo rigor, caso contrário o investigador, em determinada altura, encontrar-se-á perdido num emaranhado de dados colhidos, sem saber como dispor dos mesmos ou até desconhecendo seu significado e importância. O projeto de pesquisa é de extrema importância prática para o pesquisador, na medida em que lhe serve de cartão de visitas, seja para obter o financiamento necessário para a consecução de seus objetivos, seja para convencer um bom mestre a abraçar a pesquisa na condição de orientador, ora para superar os processos seletivos dos cursos de pós-graduação, ora para enfrentar as chamadas pré-bancas, instituídas pelas instituições de ensino justamente para a análise do quanto projetado por cada aluno. A ESTRUTURA DO PROJETO DE PESQUISA Diante da quantidade de temas e problemas que podem ser objeto de pesquisas variadas e distintas, é impossível a existência de um formulário a ser observado quando da elaboração de qualquer projeto de pesquisa. Não se pode falar num roteiro rígido para elaboração de projetos de pesquisa, e sim, em elementos considerados como imprescindíveis, sobretudo em casos de projetos de pesquisa vinculados a teses e dissertações. INTRODUÇÃO O primeiro item a ser considerado em um projeto de pesquisa é o da introdução. Sugere-se a divisão em quatro seções. A primeira é a da justificativa, que consiste na revelação dos motivos pelos quais o tema foi escolhido e na defesa da relevância do quanto pesquisado. A segunda destina-se à definição e delimitação do problema, em tarefa tão complexa e vital para o projeto de pesquisa e para o resultado desta. A terceira parte é a revisão de literatura. A quarta e última é a dos objetivos e/ou hipóteses. recomenda-se, portanto, que em sua redação [dos objetivos] sejam utilizados verbos de ação, como identificar, verificar, descrever e analisar. Quando a pesquisa envolve hipóteses, é necessário deixar explícitas as relações previstas entre as variáveis. 7

8 METODOLOGIA Item essencial a um projeto de pesquisa. No item metodologia devem ser descritos os métodos e os procedimentos que serão adotados ao longo da pesquisa. Devido a imensa variedade de pesquisas há necessidade da escolha de determinado método. A pesquisa poderá ser do tipo exploratória, descritiva ou explicativa. O tipo de delineamento, a seu turno, levará a uma pesquisa experimental, a um levantamento, a um estudo de caso, a uma pesquisa bibliográfica, dentre outras possibilidades. Diante destas opções, o projeto deverá indicar, portanto, o tipo da pesquisa e do delineamento de que se trata. O pesquisador deverá atentar, ainda, para a população e a amostragem, que deverão ser especificadas no projeto de pesquisa, sobretudo nos casos em que tiver que limitar o seu campo de análise. Deverá, assim, mencionar qual é o todo e qual a parte destacada para o estudo científico, explicitando as razões de tal escolha. Na metodologia, ainda há a coleta de dados. Deve ser dado ênfase aos dados colhidos mediante pesquisas de campo, ou seja, obtidos mediante questionários, entrevistas, etc. Encerra-se o item destinado à metodologia com a exposição dos caminhos que deverão ser seguidos para a análise dos dados, cuja coleta foi mencionada acima. CRONOGRAMA Trata-se das estimativas das datas para o cumprimento de cada etapa. Tem grande importância na medida em que quem financia pesquisas necessita e exige a entrega do resultado após certo prazo. SUPRIMENTOS E EQUIPAMENTOS O pesquisador deverá prever todo o material necessário para a produção do trabalho científico. Ao criteriosamente observar tal necessidade, trazendo tal previsão no corpo do projeto de pesquisa, não correrá o risco de perder a concentração na resolução do problema que definiu e delimitou por força da falta de suprimentos ou inadequação de equipamentos. 8

9 CUSTO DO PROJETO Este item tem sua maior importância na medida em que haja o interesse de obter financiamento para a pesquisa. Para ser adequado, o orçamento deverá considerar os custos referentes a cada fase da pesquisa. O ESTILO DO TEXTO A necessidade de elaborar um projeto de pesquisa pode levar a dúvidas quanto ao modo de redigir o documento respectivo. Mesmo em se tratando de pesquisador com amplo domínio do vernáculo e da escrita, deve-se seguir orientações para que as finalidades do projeto sejam plenamente atingidas. Impessoalidade - ao redigir o projeto, o pesquisador deverá usar uma redação impessoal, na terceira pessoa. Objetividade - usar uma linguagem direta, evitando ponderações desnecessárias e opiniões pessoais desprovidas de fundamentos e de comprovações. Clareza - evitar ambiguidades que levem o intérprete a interpretações dúbias. Para tanto, torna-se imprescindível o cuidado com as palavras apropriadas. Textos prolixos tendem à obscuridade. Precisão - A precisão da linguagem pode ser vista sob dois aspectos. O primeiro diz respeito ao vocabulário técnico de cada ciência, que deverá ser rigorosamente observado. Eis a razão pela qual os chamados dicionários técnicos são imprescindíveis para a redação do projeto de pesquisa. O segundo aspecto, por sua vez, é atinente ao cuidado com o uso de certos advérbios, adjetivos e expressões. Deve-se evitar o uso de adjetivos que não indiquem claramente a proporção dos objetos, tais como: pequeno, médio e grande, bem como expressões do tipo: quase todos, uma boa parte etc. Também devem ser evitados advérbios que não explicitem exatamente o tempo, o modo e o lugar, como, por exemplo: recentemente, antigamente, lentamente e provavelmente. Expressões como nem todos, praticamente todos, vários deles são interpretadas de formas diferentes e tiram a força das afirmativas. Melhor seria indicar: cerca de 90%, menos da metade, ou, com mais precisão: 93%, 40%. 9

10 Coerência - A redação deverá atentar para a coerência na medida em que, na visão do autor as ideias sejam apresentadas sequenciadas e ordenadamente. Com a divisão do projeto de pesquisa em partes visando uma melhor arrumação do texto, cada título do documento haverá de ser iniciado por verbos ou substantivos. Outra advertência diz respeito aos parágrafos onde cada um deles deve referir-se a um único assunto e iniciar-se de preferência com uma frase que contenha a ideia-núcleo do parágrafo o tópico frasal. Adverte-se, ainda, para a necessidade da existência de um mínimo de encadeamento entre os parágrafos, onde deve-se evitar a criação de um texto no qual os parágrafos sucedem-se uns aos outros como compartimentos estanques, sem nenhuma fluência entre si. Concisão as ideias devem ser expostas em poucas palavras, períodos longos, abrangendo várias orações subordinadas, devem ser evitados, pois tornam a leitura pesada. Simplicidade A linguagem é um meio e não um fim em si mesma. Assim, é distorcida a conduta de quem escreve mais para impressionar do que para expressar. O uso de sinônimos pelo simples prazer da variedade e o abuso dos jargões técnicos, não conferem autoridade a ninguém e muitas vezes constitui artifício para encobrir a mediocridade. O autor adota uma posição radical, na medida em que o excessivo apego à simplicidade também pode levar a uma redação simplória, a qual, certamente, não se coaduna com a linguagem acadêmica. O certo é que o pesquisador deve usar o bom senso com o escopo de atingir o meio termo entre o palavreado excessivamente elegante e a linguagem empobrecida. ASPECTOS GRÁFICOS DO TEXTO * Digitação e paginação - o papel a ser usado deverá ser branco e em formato A4, com digitação apenas no anverso. Existe a possibilidade do uso do espaço dois ou três entre as linhas. A primeira opção, todavia, é a mais habitual. As margens superior e esquerda deverão ser de 3 cm. A inferior e a direita, por sua vez, serão de 2 cm. O início dos parágrafos deverá ter espaço de 10 toques. * Organização das partes e titulação sugere-se a adoção do sistema da numeração progressiva das seções. O texto de cada seção pode incluir vários parágrafos e também utilizar alíneas (representadas por letras minúsculas) para relacionar itens de conteúdo pouco extenso. 10

11 * Disposição do texto - A disposição do texto, assim como a estrutura do projeto de pesquisa, variará de acordo com a especificidade do que se pretende pesquisar. A disposição mais usual é composta por capa, folha de rosto, lista de ilustrações, sumário, introdução, revisão bibliográfica preliminar, metodologia, cronograma, suprimentos e equipamentos, custos, anexos e/ou apêndices e referências bibliográficas. Anexos dizem respeito a documentos não produzidos pelo autor do projeto de pesquisa, e apêndices dizem respeito a documentos produzidos pelo autor do projeto de pesquisa * Citações As constantes mudanças das normas levam à necessidade de atenta atualização de procedimentos. A norma utilizada será a Vancouver. * Ilustrações - as ilustrações são os gráficos, fotografias, mapas, esquemas, desenhos, quadros, fórmulas, tabelas e outros. À exceção destas, todas as demais espécies são designadas como figuras. As ilustrações devem ser numeradas em sequência própria e com títulos grafados em letras minúsculas, à exceção da inicial da frase e de nomes próprios. Por oportuno, torna-se pertinente lembrar que a elaboração das tabelas deve seguir as regras específicas do IBGE. * Notas de rodapé Recomenda-se a utilização das notas de rodapé somente para explicações complementares que, uma vez indispensáveis, fogem à linha de raciocínio seguida pelo texto. * Referências bibliográficas - a maneira de citar as referências bibliográficas também deriva das normas Vancouver, enfrentando constantes e sucessivas modificações. CONCLUSÃO Um projeto de pesquisa bem elaborado serve para orientar o pesquisador mantendo assim o rigor científico para que o trabalho tenha uma validação acadêmica, os cuidados a serem tomados na elaboração do projeto de pesquisa, na elaboração de questionários, na condução de entrevistas, no rigor metodológico, e a importância na relevância do problema, bem como a experiência e conhecimento do mesmo, não pode ser cerceada. Assim, à exceção das normas técnicas da ABNT, que deverão ser rigorosamente seguidas. 11

12 2. PROJETO DE PESQUISA É aconselhável que antes da elaboração do artigo monográfico propriamente dito, seja elaborado um projeto, contendo todas as etapas previstas para sua realização, para que seja avaliada a viabilidade do estudo. Os projetos propostos podem ser de natureza teórica, baseados em pesquisa bibliográfica sobre um único tema, ou ainda conter pesquisa de campo, quando ocorre coleta de dados. Neste último caso, aconselha-se o orientador a encaminhar o trabalho para um comitê de ética em pesquisa, para que os participantes possam receber a carta de informação e assinar o termo de consentimento. 2.1 O ORIENTADOR Cabe ao coordenador definir quantos trabalhos os professores poderão orientar no ano. E ao orientador quais os temas de seu interesse. As orientações de artigo ou monografia deverão ser divididas proporcionalmente ao número de professores do curso. O orientador acompanha o estudo e direciona os caminhos e métodos a serem adotados. Ao orientador cabe ainda prezar pela qualidade dos trabalhos desenvolvidos e incentivar o aluno a divulgar os resultados de seu estudo em encontros científicos, com o objetivo de ampliar sua formação e experiência em participação de eventos e levar o nome da Faculdade à comunidade científica. 2.2 A NORMA VANCOUVER É a forma utilizada para a apresentação de trabalhos científicos nos cursos da área de Saúde, dentre os quais: monografia, tese, papers, projetos de pesquisa, artigos científicos, resenhas, modelos de monografia, apresentações de trabalhos, trabalho de conclusão de curso TCC. Este método foi elaborado pelo Comitê Internacional de Editores de Revistas Médicas ICMJE (http://www.icmje.org ) e baseia-se, em grande parte, no padrão ANSI, adaptado pela U.S. National Library of Medicine (NLM). Esse guia propõe mostrar as informações básicas que servirão de apoio na elaboração dos trabalhos a serem desenvolvidos. Toda informação complementar, entretanto, poderá ser encontrada no site acima e disponível na Biblioteca da Faculdade. 12

13 2.3 NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA Preferencialmente o aluno deverá apresentar um projeto de pesquisa para o orientador, para que seja elaborada a metodologia da forma mais adequada e verificada a viabilidade de execução do projeto. O projeto deverá conter: Capa e folha de rosto Conforme modelo sugerido: Capa Folha de Rosto FACULDADE IBES ÁREA DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE FISIOTERAPIA FACULDADE IBES ÁREA DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE FISIOTERAPIA TÍTULO DO TRABALHO TÍTULO DO TRABALHO Autor do Trabalho Autor do Trabalho Projeto de pesquisa apresentado como exigência parcial para Graduação em Fisioterapia sob a orientação do Prof... Salvador-Ba MÊS/ANO Salvador- Ba MÊS/ANO 13

14 Introdução Na introdução o autor do texto introduz o leitor ao tema que será abordado. Cabe aqui citar outros estudos semelhantes na área, pontos a favor e pontos contra o tema a ser discutido. A introdução contém o referencial teórico que norteia o trabalho e é o espaço que fundamenta a ideia a ser estudada. Objetivos Os objetivos de um estudo determinam o que se vai investigar e o que pretende se alcançar com o estudo. Deve ser citado com palavras que determinem o que será realizado: estudar, comparar, discutir, averiguar, investigar... O objetivo deve ser escrito de forma clara e concisa, situando os leitores em relação ao foco do estudo. Ex: Este estudo tem como objetivo investigar a produção de artigos científicos sobre... em revistas indexadas no período de 1993 a Método No método deverão ser expostas as características dos participantes do estudo, o local onde o mesmo será realizado e os procedimentos para realização do mesmo. Cabe esclarecer que o tipo de pesquisa deverá ser discutido com o orientador, podendo tratar-se de estudo quantitativo ou qualitativo e de pesquisa bibliográfica ou de campo, ficando a critério do orientador essas categorias de definições. Sujeitos ou Participantes Neste item, deverá ser descrito quem serão os participantes da pesquisa, no caso de estudos com coleta de dados em campo. Deverá ser esclarecido ao leitor como ocorrerá a seleção dos sujeitos, os critérios de inclusão e exclusão, e as características do grupo a ser estudado: sexo, faixa etária, diagnóstico, entre outras. Local 14

15 A instituição de vínculo do trabalho será sempre o Instituto Baiano de Ensino Superior, porém, há possibilidade de realização de coleta de dados em outra instituição, que deverá ser contatada, garantindo-se sigilo das informações e do nome do local, conforme recomendações dos comitês de ética em pesquisa. A instituição deverá autorizar, por meio de seus representantes legais, a coleta de dados no local. No caso de realização do estudo em local externo à Faculdade, deverá aparecer neste item a indicação Os dados serão coletados em uma instituição de educação especial da região de Salvador, que atende pessoas com deficiências múltiplas... Procedimentos Neste item deverão constar as formas para coleta de dados, indicando se serão utilizadas pesquisas em bases de dados, por exemplo, a Bireme, ou se os dados serão coletados por meio de avaliações, entrevistas, aplicação de questionários, entre outras. Cronograma de Estudo O cronograma do estudo quantifica o tempo necessário para atingir cada etapa a ser realizada. Uma boa pesquisa segue rigorosamente o cronograma proposto. Referências Bibliográficas As referências bibliográficas devem ser listadas seguindo as normas VANCOUVER. Constarão livros, artigos, revistas científicas, dissertações e teses, sites oficiais da Internet ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA Um projeto de pesquisa é essencial para uma boa investigação. Consiste num plano de ação que norteia o pesquisador, ajuda a visualizar melhor seu objeto de estudo, orienta os caminhos a percorrer, amadurece a formulação das hipóteses e desenha o mapa metodológico. Ele objetiva antever as etapas a cumprir para efetivar a sua investigação. Constitui-se assim um eficaz roteiro de trabalho. 15

16 SUMÁRIO Elemento obrigatório, é a listagem das principais divisões, seções e outras partes de um documento refletindo a organização do texto. Obs: Não tem paginação nele. 1. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA ou TEMA É o assunto que se deseja provar ou desenvolver. Responde a pergunta o que fazer? Delimitação do tema, área de interesse e contexto de estudo. Deve estar relacionado com o objetivo do seu estudo. Pode ser identificado a partir de uma necessidade pessoal ou curiosidade do pesquisador. A delimitação do tema é o enquadramento do mesmo nas suas possibilidades operacionais. É o espaço onde você comunica o assunto com entusiasmo. Quanto mais delimitado o tema, mais factível se torna e todo o desenvolvimento posterior da pesquisa flui positivamente. Obs: Use no máximo uma página para delimitação do problema. Uso de citações é opcional. 2. PERGUNTA DE INVESTIGAÇÃO Uma única pergunta de investigação. Nada mais é, do que transformar seu título em uma pergunta, usando a? no final. 3. QUADRO TEÓRICO Nesta etapa o pesquisador vai mostrar as correntes teóricas existentes sobre o tema escolhido. A fundamentação teórica (que nasce a partir das leituras). Contextualize as teorias existentes (Procure em livros). Deve conter indiretamente: o que o(a) levou a estudar este tema? 4. OBJETIVOS Dividem-se em objetivo geral e objetivos específicos. Responde a pergunta para que fazer? 4.1 OBJETIVO GERAL Referem- se ao rumo da pesquisa ao indicar o que se pretende investigar. Um único objetivo de alcance maior (principal, geral) e objetivos específicos (se necessário). 16

17 O objetivo geral tem uma visão panorâmica de todo o processo a ser percorrido. Procura dar uma visão geral do assunto. Indica o que se pretende alcançar na pesquisa. 4.2 OBJETIVO ESPECÍFICO Já os objetivos específicos, dado o seu pluralismo, ocupam-se dos detalhes que, bem conduzidos, auxiliam nas respostas ao problema de pesquisa. Denota as questões mais específicas da pesquisa, identifica conteúdos que carecem ser aprofundados. 5. REVISÃO DE LITERATURA Síntese do estado da arte do conhecimento. Nesta etapa o pesquisador tenta mostrar o conhecimento prévio que possui a respeito do tema-problema a ser pesquisado. Deve fazer um encadeamento lógico entre as leituras mais gerais e específicas e as contribuições mais atualizadas. O que se sabe sobre o tema da pesquisa de investigação, concordâncias, controvérsias, discordâncias, razões, interpretações. Avaliação crítica do conhecimento atual. (Procure em artigos). Obs: Sugere-se utilizar artigos recentes, em torno de 5 anos, e no máximo 10 anos. 6. JUSTIFICATIVA A justificativa esclarece por que fazer a pesquisa e até onde ela pretende chegar. Justificar significa elencar as razões que nos levam a estudar algo, tendo como referência os motivos individuais, os de interesse da ciência e os de relevância social. CONSISTE NUMA EXPLICAÇÃO SUCINTA, PORÉM COMPLETA, DAS RAZÕES DE ORDEM TEÓRICA E DOS MOTIVOS DE ORDEM PRÁTICA QUE TORNAM IMPORTANTE A REALIZAÇÃO DA PESQUISA. Apresenta a discussão da viabilidade operacional para o desenvolvimento do projeto. Qual a importância de se estudar o tema? Porque é importante fazer este estudo? Relevância... O que esse estudo trará de inovador em relação aos já realizados? (procure em artigos científicos) 17

18 A melhor justificativa consiste na ausência de estudos, o que falta estudar naquela área considerando-se pequeno número de estudos naquela área. Obs: Não apresenta citações de autores. 7. HIPÓTESE Pressuposto ou afirmação prévia, antes de realizada a pesquisa. Responde a sua pergunta de investigação. As hipóteses, mais utilizadas na pesquisa quantitativa, são prováveis respostas ao problema. As questões de pesquisa, próprias dos estudos qualitativos, são perguntas desdobradas a partir do problema formulado. 8. MATERIAL E MÉTODOS ou METODOLOGIA DA PESQUISA A metodologia define o tipo de pesquisa que se pretende fazer e os pressupostos teóricometodológicos que se pretende utilizar, estabelecendo o seu delineamento. É fundamental que a revisão bibliográfica já esteja concluída para que a abordagem metodológica da pesquisa fique bem encaminhada. Responde a pergunta como fazer? Deve-se ligar o suporte teórico-metodológico às técnicas que permitam a coleta de informações e a sua análise. Além disso, é necessário indicar as fontes primárias (população, amostra, corpus, etc.), ou seja, onde são coletados os dados e quais os instrumentos a ser utilizados na busca e na análise dos mesmos. Questionários, roteiros para entrevistas e para observações, ainda que preliminares, devem ser anexados ao projeto. - Qual é o método que vai ser utilizado? - Objeto de pesquisa (vai estudar o quê? Definir a população, o local) - Critérios de inclusão e exclusão - Instrumentos de coleta de dados (entrevista, observação, questionário, prontuário, etc...) - Material - Procedimentos (descrever as etapas para que todos os procedimentos realizados sejam iguais em todos os pacientes) - Análise dos dados como os dados serão estatisticamente analisados 18

19 Exemplos de estudos: Estudo descritivo (Revisão de literatura) 8.1 Desenho do estudo 8.2 Bases de dados 8.3 Período da coleta 8.4 Palavras-chave 8.5 Critérios de inclusão e exclusão Estudos quantitativos (Pesquisas de campo) 8.1 Desenho do estudo 8.2 População e área: Onde será feito o estudo?/ Critérios de inclusão e exclusão/amostragem. 8.3 Fonte de dados: Dados primários, secundários? 8.4 Coleta de dados: Estudo piloto? Estrutura da coleta. Período da coleta. 8.5 Instrumentos de investigação: Questionários, formulários. Validados? Por que não? Escore, escalas? 8.6 Definição de Variáveis: É bom que você tenha homogeneidade de variância. a) Variável dependente: o que quero medir b) Variável independente: aquela que você modifica para comparar em níveis, o que você manipula. diferentes métodos de intervenção aplicados c) Variável interveniente: variáveis possíveis de intervirem nos resultados (fatores mascaradores). Possível de interferir nos dois grupos. 8.7 Plano de análise dos dados 8.8 Aspectos éticos 9. ORÇAMENTO Responde à questão com quanto? Custo da pesquisa. Quem vai patrocinar? O orçamento distribui os gastos por vários itens, que devem necessariamente ser separados. Inclui: 19

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1)

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) 1 COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) SOBRENOME, Nome Aluno 1 Graduando em Administração de Empresas Decision/FGV SOBRENOME, Nome Aluno 2 Graduando em Administração de Empresas Decision/FGV RESUMO Este

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Andersown Becher Paes de Barros * Ideraldo Bonafé ** RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) HOW TO ELABORATE A SCIENTIFIC ARTICLE

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) HOW TO ELABORATE A SCIENTIFIC ARTICLE 1 COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) HOW TO ELABORATE A SCIENTIFIC ARTICLE SOBRENOME, Nome Aluno 1 Graduando em Educação Artística Unifadra / Dracena SOBRENOME, Nome Aluno 2 Graduando em Educação Artística

Leia mais

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Educação UAB/UnB Curso de Especialização em Educação na Diversidade e Cidadania, com Ênfase em EJA Parceria MEC/SECAD NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL)

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011 São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico As orientações abaixo estão de acordo com NBR 14724/2011 da Associação

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE DISSERTAÇÃO (FORMATO

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 APRESENTAÇÃO Tanto o artigo quanto a monografia são trabalhos monográficos, ou seja, trabalhos que apresentam resultados de pesquisa sobre um

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO RESUMO. Palavras-chave: Artigo Científico. Normalização. NBR 6022/03.

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO RESUMO. Palavras-chave: Artigo Científico. Normalização. NBR 6022/03. ARTIGO CIENTÍFICO Texto com autoria declarada que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados de diversas áreas do conhecimento (ABNT/NBR 6022:2003). 2.1.1 Modelo de artigo COMO

Leia mais

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e NORMAS PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor

Leia mais

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 Paula Carina de Araújo paulacarina@ufpr.br 2014 Pesquisa Pesquisa Atividade básica da ciência

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO HOSPITALAR PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Elaborar um estudo acerca Estrutura e Funcionamento do Sistema de Saúde Pública e Privada no Brasil.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III Projeto Integrado Multidisciplinar Cursos Superiores Tecnológicos G. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Trabalho

Leia mais

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5. 5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.2 Capa... 48 5.3 Folha de rosto... 51 5.4 Errata... 53

Leia mais

Normas para Redação da Dissertação/Tese

Normas para Redação da Dissertação/Tese Normas para Redação da Dissertação/Tese Estrutura A estrutura de uma dissertação, tese ou monografia compreende três partes fundamentais, de acordo com a ABNT (NBR 14724): elementos prétextuais, elementos

Leia mais

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ Prof. Marat Guedes Barreiros GUARUJÁ 2º semestre de 2013 PROJETO MULDISCIPLINAR Curso superior de BACHAREL em

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA ANEXO da Norma 004/2008 CCQ Rev 1, 28/09/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Salvador 2009 2 1 Objetivo Estabelecer parâmetros para a apresentação gráfica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC ANEXO A TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE Nome do Aluno: Matricula: Título do TCC CONCLUSAO DE CURSO (TCC) Solicito que seja designado como meu Orientador do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

NORMAS PARA ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO NORMAS PARA ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Rosangela Alves de Oliveira * Nome do (s) autor (s) RESUMO Este trabalho estabelece as orientações para apresentação de um artigo científico. Todas as informações

Leia mais

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS MONOGRAFIA Trata-se de uma construção intelectual do aluno-autor que revela sua leitura, reflexão e interpretação sobre o tema da realidade. Tem como base a escolha de uma unidade ou elemento social, sob

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA Normas para elaboração de Dissertações do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais MODELO

Leia mais

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Iniciação à Pesquisa em Informática Profª MSc. Thelma E. C. Lopes e-mail: thelma@din.uem.br 2 Texto Científico: o que é? A elaboração do texto científico

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 Jaciara-MT COMPOSIÇÃO DA MONOGRAFIA MONOGRAFIA Recebe nº página CAPA FOLHA DE ROSTO FOLHA DE APROVAÇÃO DEDICATÓRIA (OPCIONAL) AGRADECIMENTO (OPCIONAL) EPIGRAFE

Leia mais

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PONTA GROSSA 2011 LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Leia mais

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008)

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008) Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Curso de Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Dr. Luís Fernando Garcia - TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto

Leia mais

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Padrão FEAD de normalização Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Objetivo Visando padronizar os trabalhos científicos elaborados por alunos de nossa instituição Elaboramos este manual

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MANUAL DE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA FORMOSA/GO

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Av. Av. Prof. Moraes Rego s/n - Cidade Universitária - CEP: 50739-970 Recife PE Fone: (81)21268538

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS. FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS. FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga Ibitinga/ SP 2010 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 REGRAS GERAIS... 3 2.1 DAS FINALIDADES... 3 2.2

Leia mais

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Descrição e Análise de Práticas de Gestão Organizacional em uma Empresa. OBJETIVOS: Favorecer aos alunos ingressantes

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (ABNT - NBR 15287- válida a partir de 30.01.2006) 1 COMPONENTES DE UM PROJETO DE PESQUISA (itens em negrito são obrigatórios) ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Capa

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA

TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA CURSO DE DIREITO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA RIO DE JANEIRO MÊS - ANO NOME DO AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao orientador

Leia mais

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo Objetivo ABNT Normas para elaboração de trabalhos científicos Esta Norma especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos, visando sua apresentação à instituição Estrutura Parte

Leia mais

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 ESTRUTURA A estrutura e a disposição dos elementos de um trabalho acadêmico são as

Leia mais

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS Baseado nas obras de Júnia Lessa França e Ana Cristina de Vasconcellos; Rosy Mara Oliveira. Atualizado

Leia mais

MANUAL DE NORMATIZAÇÃO PARA ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL DE NORMATIZAÇÃO PARA ARTIGOS CIENTÍFICOS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DE NORMATIZAÇÃO PARA ARTIGOS CIENTÍFICOS PONTA GROSSA 2010 2 SUMÁRIO 1

Leia mais

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS DOS TRABALHOS Formato: A4 Cor preta Espaçamento entre linhas: 1,5cm Fonte texto: Times New Roman, 12 ou Arial, 11 Margem superior

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO Murilo Barros Alves 1 Maika Rodrigues Amorim 2 RESUMO Estas orientações têm por finalidade orientar os acadêmicos de Graduação da Faculdade de Imperatriz

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá. Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá. Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Segundo a NBR 15287:2011

Leia mais

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO ARTIGO CIENTÍFICO Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas

Leia mais

(Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO. Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos

(Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO. Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos (Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos Revisto e atualizado de acordo com a NBR 15287/2011 Brasília 2011 1 APRESENTAÇÃO De acordo

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA CURSO: AGRONOMIA

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA CURSO: AGRONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO Av. Dom Manuel de Medeiros s/nº Dois Irmão, Recife PE Telefone: 3320-6203 ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA CURSO: AGRONOMIA I ESTRUTURA DO RELATÓRIO 1.1

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Faculdade de Jussara FAJ Curso de Direito Coordenação de Trabalho de Conclusão de Curso MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Jussara 2013 APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO PROJETO/ARTIGO 1. O PROJETO DE PESQUISA

ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO PROJETO/ARTIGO 1. O PROJETO DE PESQUISA ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO PROJETO/ARTIGO 1. O PROJETO DE PESQUISA A primeira etapa para a organização do TCC nos cursos de pós-graduação lato sensu a distância consiste na elaboração do projeto de pesquisa,

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003)

PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003) PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003) Maio de 2012. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária. Programa de capacitação. 2 NORMAS

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE 1 INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE INSTRUÇÕES GERAIS: papel branco A4, fonte Arial tamanho 12, com espaçamento de 1,5 cm entre as linhas,

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE ALTA FLORESTA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIODIVERSIDADE E AGROECOSSISTEMAS

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA 2014 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS PIRENÓPOLIS 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1

Leia mais

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Este capítulo visa a orientar a elaboração de artigos científicos para os cursos de graduação e de pós-graduação da FSG. Conforme a NBR 6022 (2003, p. 2),

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA São Paulo 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 ELEMENTOS EXTERNOS 1.1 CAPA 1.2 LOMBADA 2 ELEMENTOS INTERNOS PRÉ-TEXTUAIS

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013 Jaciara-MT 2013 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO FORMATO Os trabalhos acadêmicos devem ser em conformidade com os apontamentos a seguir. Papel branco, Formato A4 (21

Leia mais

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA 1 DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor do trabalho, ou seja, o que não consta no texto destas

Leia mais

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Roteiro para projeto de pesquisa Gildenir Carolino Santos, 2005. 1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Antes de passar para a construção ou montagem de um projeto de pesquisa, é importante saber que esse

Leia mais

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROF. DR. MARCOS FRANCISCO R. SOUSA PROF. Me. CELSO LUCAS COTRIM APRESENTAÇÃO

Leia mais

Modelo para apresentação de Pré-Projetos de Pesquisa

Modelo para apresentação de Pré-Projetos de Pesquisa Modelo para apresentação de Pré-Projetos de Pesquisa Os pré-projetos de pesquisa do Curso de Mestrado Acadêmico em Ciências da Saúde do Programa de Pós-Graduação Stricto sensu da Faculdade Ciências Médicas

Leia mais

MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF)

MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF) (Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF) 3ª edição Revisto e atualizado

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE PIO XII REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ( 6º PERÍODO/2013-7º PERÍODO/2014-8º PERÍODO/2014 ) Cariacica 2013/2014 FACULDADE DE ESTUDOS

Leia mais

Metodologia Científica. César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato

Metodologia Científica. César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato Metodologia Científica César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato Metodologia Científica Introdução Métodos Introdução Metodologia científica é a forma como se conduz uma pesquisa,

Leia mais

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL AQUIDAUANA MS 2009 1. PAPEL E PROCESSO DE MULTIPLICAÇÃO O papel

Leia mais

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PARA OS ESTUDANTES DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG APRESENTAÇÃO Prezado(a) aluno(a): Este manual tem como objetivo orientá-lo quanto às normas do Trabalho de

Leia mais

Manual TCC Administração

Manual TCC Administração 1 Manual TCC Administração 2013 2 Faculdade Marista Diretor Geral Ir. Ailton dos Santos Arruda Diretora Administrativo-Financeiro Sra. Rafaella Nóbrega Coordenador do Curso de Administração e Gestão de

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - RELATÓRIO DE ESTÁGIO

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - RELATÓRIO DE ESTÁGIO MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL Estrutura formal do relatório Estrutura Elemento Capa Folha de Rosto Pré-textuais Folha de Identificação Sumário 1. Introdução Textuais 2. Atividades

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Centro de Excelência em Turismo MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB Por: Jakeline V. de Pádua APRESENTAÇÃO As páginas que se seguem especificam os princípios gerais

Leia mais

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Manual de Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Engenharia de Produção NATAL RN 2010 Apresentação O curso de Engenharia de Produção institui

Leia mais

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS Elaborado por Prof. Dr. Rodrigo Sampaio Fernandes Um projeto de pesquisa consiste em um documento no qual

Leia mais

Estrutura, redação e apresentação do relatório de pesquisa 7

Estrutura, redação e apresentação do relatório de pesquisa 7 UNIDADE 7 Estrutura, redação e apresentação do relatório de pesquisa 7 Objetivos de aprendizagem Identificar os componentes que integram os elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais de um relatório

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP FACULDADE (do aluno) CURSO TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO RELATÓRIO AUTOR(ES) DO RELATÓRIO SÃO PAULO 200_ NOTA PRÉVIA

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS DE ESTÁGIO

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS DE ESTÁGIO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS DE ESTÁGIO INSTITUTO FEDERAL MINAS GERAIS CAMPUS CONGONHAS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS DE ESTÁGIO Congonhas 2009 Caio Mário Bueno Silva Reitor do IFMG Eleonardo

Leia mais

FACULDADES BORGES DE MENDONÇA NEDE NÚCLEO DE ESTUDOS DIRIGIDOS E ESTÁGIOS

FACULDADES BORGES DE MENDONÇA NEDE NÚCLEO DE ESTUDOS DIRIGIDOS E ESTÁGIOS 1 FACULDADES BORGES DE MENDONÇA NEDE NÚCLEO DE ESTUDOS DIRIGIDOS E ESTÁGIOS Roteiro para elaboração de artigo científico de acordo com a NBR 6022/2003 NEDE FLORIANÓPOLIS/SC 2011 Não existe método infalível,

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DE ACORDO COM AS NORMAS DE DOCUMENTAÇÃO DA ABNT

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DE ACORDO COM AS NORMAS DE DOCUMENTAÇÃO DA ABNT MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DE ACORDO COM AS NORMAS DE DOCUMENTAÇÃO DA ABNT HELENA DE CARVALHO SICSÚ 1 RESUMO Este trabalho apresenta os elementos que constituem a estrutura de um artigo

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ CAMPUS CENTRO-OESTE DONA LINDU CCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso (Administração) ETEC TEOTÔNIO ALVES PEREIRA

Trabalho de Conclusão de Curso (Administração) ETEC TEOTÔNIO ALVES PEREIRA Trabalho de Conclusão de Curso (Administração) ETEC TEOTÔNIO ALVES PEREIRA Objetivo: Estas diretrizes têm por objetivo padronizar a apresentação dos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) dos Cursos Técnicos

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos REDE DE BIBLIOTECAS ROSY MARA OLIVEIRA (ORG.)

Universidade Presidente Antônio Carlos REDE DE BIBLIOTECAS ROSY MARA OLIVEIRA (ORG.) ROSY MARA OLIVEIRA (ORG.) Colaboração: Dirlhê Maria Lima Pereira Bibliotecária FUPAC Itabirito ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA BARBACENA SUMÁRIO 1 PROJETO DE PESQUISA...2 1.1 Capa...2 1.2

Leia mais

PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA

PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA PIM II Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: O aluno deverá escolher uma empresa de qualquer porte ou segmento e, com base no cenário

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA. Nome do(s) autor(es)

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA. Nome do(s) autor(es) 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA Nome do(s) autor(es) TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO (SE HOUVE) LOCAL Ano 2 Nome do(s) autor(es) TÍTULO DO TRABALHO:

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT www.abnt.org.br Objetivos da normalização Comunicação Simplificação Níveis de normalização Menos exigente (Genérica) INTERNACIONAL REGIONAL

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS:

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS: MANUAL PARA TCC www.etecmonteaprazivel.com.br Estrada do Bacuri s/n Caixa Postal 145 Monte Aprazível SP CEP 15150-000 Tel.: (17) 3275.1522 Fax: (17) 3275.1841 NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais

PIM III. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM III. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM III Projeto Integrado Multidisciplinar PIM III - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Descrição e análise de práticas de gestão em empresas hospitalares de médio porte. OBS: O Projeto deverá ser

Leia mais

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Maria Bernardete Martins Alves Marili I. Lopes Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Módulo 3 Apresentação

Leia mais

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1 REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO Os seguintes padrões atendem às exigências da FTC Feira de Santana, em conformidade com a NBR 14724:2002/2005 da Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS NA ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS NA ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA - FADIVA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PESQUISA E MONOGRAFIA PROFª Ms Mª AUXILIADORA PINTO COELHO FROTA MATÉRIA: METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO ORIENTAÇÕES BÁSICAS NA ELABORAÇÃO

Leia mais

ANEXO II - Trabalho de conclusão de curso (TCC)

ANEXO II - Trabalho de conclusão de curso (TCC) ANEXO II - Trabalho de conclusão de curso (TCC) O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) compreende a elaboração de trabalho de caráter individual teórico, projetual ou aplicativo, com observância de exigências

Leia mais

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório.

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório. 1 - ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO O relatório do Estágio Supervisionado de todos os cursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Minas Gerais Campus Formiga - irá mostrar

Leia mais

Normas técnicas para a monografia de graduação da Faculdade de Letras

Normas técnicas para a monografia de graduação da Faculdade de Letras UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE LETRAS DIREÇÃO ADJUNTA DE GRADUAÇÃO SEÇÃO DE ENSINO Normas técnicas para a monografia de graduação da Faculdade de Letras 2 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Editoração do Trabalho Acadêmico 1 Formato 1.1. Os trabalhos devem ser digitados em papel A-4 (210 X297 mm) apenas no anverso (frente) da folha. 2 Tipo e tamanho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 013, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 013, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Porto Alegre RESOLUÇÃO Nº 013, DE 13 DE NOVEMBRO

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO O Curso Técnico em Segurança do Trabalho estabelece em seu Plano Pedagógico de Curso a realização do Estágio Curricular

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE COSTA RICA-FECRA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO LAURADAIANE REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO: LETRAS

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE COSTA RICA-FECRA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO LAURADAIANE REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO: LETRAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE COSTA RICA-FECRA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO LAURADAIANE REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO: LETRAS INTRODUÇÃO FORMAS E REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Araranguá MÊS /ANO 2 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO...3 2- OBJETIVOS...4 3- JUSTIFICATIVA...5 4- REVISÃO TEÓRICA...6 5- METODOLOGIA...7 6- CRONOGRAMA...8 7- BIBLIOGRAFIA...9

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA - MG NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: SUBTÍTULO DO PROJETO (SE HOUVER)

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA - MG NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: SUBTÍTULO DO PROJETO (SE HOUVER) FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA - MG NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: SUBTÍTULO DO PROJETO (SE HOUVER) UBERLÂNDIA 2013 NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: subtítulo do projeto (se houver) Projeto de Pesquisa

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA!

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA! CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO REVISTA DiCA! Biblioteca - FAAG Tel. (14) 3262-9400 Ramal: 417 Email: biblioteca@faag.com.br http://www.faag.com.br/faculdade/biblioteca.php

Leia mais