Produção acadêmica: tipos de trabalhos científicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produção acadêmica: tipos de trabalhos científicos"

Transcrição

1 UNIDADE 5 Produção acadêmica: tipos de trabalhos científicos 5 Objetivos de aprendizagem Distinguir os tipos de resumo e conhecer os principais procedimentos para resumir. Conceituar e identificar a estrutura da resenha critica. Identificar os tipos e a estrutura da ficha de leitura. Distinguir os tipos de paper. Conhecer a estrutura do projeto de pesquisa. Conhecer os tipos e a estrutura do artigo científico. Conceituar relatório técnico-científico e monografia. Seções de estudo Seção 1 Seção 2 Seção 3 Seção 4 Seção 5 Seção 6 Seção 7 Seção 8 Resumo Resenha crítica Fichamento Paper Artigo científico Projeto de pesquisa Relatório técnico-científico Monografia

2 Universidade do Sul de Santa Catarina Para início de estudo Um trabalho acadêmico, segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (2005), consiste num documento que representa o resultado de estudo, devendo expressar conhecimento do assunto escolhido, que deve ser obrigatoriamente emanado da disciplina, módulo, estudo independente, curso, programa e outros ministrados. Deve ser feito sob a coordenação de um orientador. Nesta unidade você conhecerá os principais tipos de trabalhos acadêmicos solicitados no cotidiano da vida universitária: o conceito, os tipos e os principais procedimentos para resumir, para fazer fichamentos, papers, artigo científico, projeto de pesquisa, relatório técnico-científico e monografia. Após o estudo dessa unidade, realize as atividades de autoavaliação sugeridas no final. Elas ajudarão você a estudar o conteúdo desta disciplina de maneira estruturada. SEÇÃO 1 - Resumo O resumo é a apresentação concisa das principais idéias de um texto. Resulta da capacidade analítica e compreensiva que o leitor adquire no momento em que faz sua leitura. Quanto mais se tem domínio e compreensão do texto, maior será a capacidade de síntese e de apresentação de forma breve. Sobre esse assunto você estudará na próxima seção desta unidade. Na apresentação do resumo, o aluno deve evitar a manifestação de opinião sobre o tema ou analisá-lo criticamente. O acréscimo da crítica no resumo caracteriza um outro tipo de trabalho, denominado resumo crítico ou resenha crítica. No meio acadêmico, o desenvolvimento de um resumo é importante, por que permite [...] em rápida leitura, recordar o essencial do que se estudou e [apresentar] a conclusão a que se chegou (GALLIANO, 1986, p. 89). 154

3 Ciência e Pesquisa Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (2003b), existem três tipos de resumos, que são: Resumo crítico: resumo redigido por especialistas com análise crítica de um documento. Também chamado de resenha. [...]. Resumo indicativo: indica apenas os pontos principais do documento, não apresentando dados qualitativos, quantitativos etc. De modo geral, não dispensa a consulta ao original. Resumo informativo: informa ao leitor finalidades, metodologia, resultados e conclusões do documento, de tal forma que este possa, inclusive, dispensar a consulta ao original. O resumo é útil para difundir as idéias contidas em obras de diversos tipos, como também, para favorecer ao leitor a possibilidade de escolha ou consulta do texto no original. Quais procedimentos devem ser seguidos na elaboração de um resumo? Para elaborar um resumo você deve seguir os seguintes procedimentos: a) Leitura integral para adquirir uma visão de conjunto da unidade (capítulo). Alguns alunos preferem não fazer a leitura integral do texto achando que vão perder tempo e partem logo para a elaboração do resumo, mas, ao contrário do que se pensa, a leitura integral do capítulo permitirá uma visão ampla da estrutura do texto, possibilitando diferenciar o que é essencial e o que é secundário. b) Delimitação das unidades de leitura do texto. Delimitar significa decompor as partes constitutivas do texto. Cada unidade de leitura possui um sentido completo e é composta por: idéia central ou diretriz, explicitação da idéia e conclusão. Aprendemos em linguagem e produção textual que a função do parágrafo é apresentar uma idéia nova com Unidade 5 155

4 Universidade do Sul de Santa Catarina uma totalidade de sentido, aprendemos que devemos mudar de parágrafo quando mudamos a idéia no texto. Esse procedimento fez com que por um período muito longo da história os autores escrevessem parágrafos longos. Entretanto, hoje, os autores preferem escrever textos com parágrafos breves, curtos e, muitas vezes, um parágrafo não dá conta de apresentar o sentido completo da informação. Assim, é possível que encontremos textos onde os autores utilizam mais de um parágrafo para expor uma idéia. Por isso, é importante separar as unidades de leitura do texto, decompondo-o analiticamente, antes de iniciar o resumo. c) Esquematização (na forma de tópicos) ou preparação das anotações da leitura. Consiste na estruturação gráfica e visual do texto com divisões e subdivisões. O esquema pode ser elaborado por meio de chaves, marcadores ou divisão numérica das idéias. A esquematização do texto servirá de base para a redação do resumo. d) Redação do resumo com frases breves e objetivas. Observe as sugestões apresentadas por Marconi e Lakatos (2003, p. 69, grifo do autor) para a redação da ordem em que aparecem as idéias no texto: a) conseqüências (quando se empregam palavras tais como: em conseqüência, por conseguinte, portanto, por isso, em decorrência disso etc.); b) justaposição ou adição (identificada com expressões de tipo: e, da mesma forma, da mesma maneira etc.); c) oposição (com a utilização das palavras: porém, entretanto, por outra parte, sem embargo etc.); d) incorporação de novas idéias; e) complementação do raciocínio; f) repetição ou reforço de idéias ou argumentos; g) justaposição de proposições (por intermédio de um exemplo, comprovação etc.); 156 h) digressão (desenvolvimento de idéias até certo ponto alheias ao tema central do trabalho).

5 Ciência e Pesquisa Acompanhe, a seguir, exemplos de resumo indicativo e informativo, elaborados com base nos procedimentos citados nesta seção. Observe que as palavras grifadas indicam que o resumo indicativo está dentro do resumo informativo: Resumo indicativo: LUCKESI, Cipriano Carlos et al. O leitor no ato de estudar a palavra escrita. In:. Fazer universidade: uma proposta metodológica. 2. ed. São Paulo: Cortez, cap. 3, p Estudar significa o ato de enfrentar a realidade. O enfrentamento da realidade pode ocorrer pelo contato direto ou indireto do sujeito que conhece com o objeto que é conhecido. As duas formas de estudar (direta ou indireta), podem ser classificadas como críticas ou a-críticas. O leitor poderá ser sujeito ou objeto, dependendo da postura que assume frente ao texto. Resumo informativo: LUCKESI, Cipriano Carlos et al. O leitor no ato de estudar a palavra escrita. In:. Fazer universidade: uma proposta metodológica. 2. ed. São Paulo: Cortez, cap. 3, p Estudar significa enfrentar a realidade para compreendê-la e elucidá-la. Este enfrentamento pode ocorrer, de um lado, pelo contato direto do sujeito com o objeto. Isso se dá quando o sujeito opera com e sobre a realidade. De outro lado, o enfrentamento pode ocorrer pelo contato indireto. Neste caso, o sujeito recebe o conhecimento por intermédio de outra pessoa ou por símbolos orais, mímicos, gráficos, etc. O ato de estudar indiretamente crítico equivale à objetividade na elucidação. O ato de estudar indiretamente crítico equivale a descrição da realidade como ela é, sem magnetização pela comunicação em si. A atitude a-crítica corresponde à abdicação da capacidade de investigar, à alienação e à retenção mnemônica. O leitor que assume uma postura de objeto frente ao texto de leitura é verbalista, ou seja, a aprendizagem não se dá pela compreensão, mas pela reprodução intacta e mnemônica das informações. O leitor sujeito, por outro lado, compreende e não memoriza, avalia o que lê e tem uma atitude constante de questionamento. Unidade 5 157

6 Universidade do Sul de Santa Catarina Os resumos que precedem trabalhos científicos assumem características diferentes dos resumos de textos didáticos, são normatizados pela NBR 6028 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (2003) e devem ressaltar o objetivo, o método, os resultados e as conclusões do trabalho. A extensão dos resumos científicos conforme a Associação Brasileira de Normas Técnicas (2003, p. 2) deve ter: a) de 150 a 500 palavras para trabalhos acadêmicos (teses, dissertações e outros) e relatórios técnicocientíficos; b) de 100 a 250 palavras para artigos de periódicos; c) de 50 a 100 palavras para indicações breves. O resumo do artigo escrito por Guimarães e outros (2006, grifo nosso), publicado pela Revista de Nutrição, indica, de forma clara a estrutura de um resumo que precede trabalhos científicos. Leia: Fatores associados ao sobrepeso em escolares Objetivo: Identificar variáveis associadas ao sobrepeso em escolares de Cuiabá, MT, Brasil. Métodos: Foi feito um estudo de caso-controle a partir de um inquérito antropométrico, aplicado em uma amostra aleatória de alunos da primeira série do ensino fundamental, com idades entre 6 e 11 anos. Foram incluídos, como casos, os 158 escolares que apresentaram sobrepeso (índice de massa muscular >P85) e, como controles, 316 crianças sorteadas entre as que apresentaram índice de massa muscular<p85. Informações socioeconômicas, do domicílio, da família e de atividade física dos escolares foram obtidas por meio de entrevistas. Foram tomadas medidas de peso e altura da criança e dos pais por antropometristas treinados. Os dados foram submetidos à análise de regressão logística múltipla hierarquizada. Resultados: O sobrepeso foi maior em escolares com renda familiar per capita >3 salários mínimos (OR= 3,75), que tinham mães de idade entre 25 e 29 anos (OR=1,74) e com nível mais alto de escolaridade (OR=1,91) e com história de apenas uma união conjugal (OR=2,53); também foi maior nos escolares, de sexo feminino (OR=2,15), que possuíam 158

7 Ciência e Pesquisa no máximo um irmão (OR=1,94), brincavam <10h por semana (OR=2,58), tinham mães e pais com índice de massa muscular >30 (OR= 7,27 e 2,65, respectivamente) e nasceram com peso >3500g (OR= 2,27). Conclusão: Os resultados apontam que variáveis de diferentes níveis hierárquicos se associam na configuração de contextos favoráveis ao aumento do sobrepeso em escolares e fornecem subsídios para o desenvolvimento de intervenções que considerem os grupos mais vulneráveis à presença de sobrepeso. SEÇÃO 2 - Resenha crítica A Resenha Crítica é uma modalidade de trabalho científico que consiste no desenvolvimento de uma síntese sobre uma obra, no sentido de expressar um juízo de valor acerca do assunto abordado. Corresponde à apreciação crítica de um texto com o objetivo de discussão das idéias nele contidas. Segundo Oliveira Netto (2005, p. 73), a resenha pode ser definida como a apresentação do conteúdo de uma obra, acompanhada de uma avaliação crítica ou indicativa. Este resumo deve apresentar as idéias da obra, a avaliação das informações e a forma como foram expostas, bem como a justificativa da avaliação desenvolvida no resumo. Para proceder a essa avaliação, é necessário que se recorra ao posicionamento de outros autores da comunidade científica em relação às defendidas pelo autor da obra criticada, estabelecendo uma espécie de comparação principalmente no que se refere ao enfoque, método de investigação e forma de exposição das idéias. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (2003), por meio da NBR 6028, denomina a resenha de resumo crítico. Normalmente, a Resenha é desenvolvida por especialistas, pois exige, por parte do resenhista, conhecimento completo da obra, capacidade crítica e maturidade intelectual. Salvador (1979 apud Unidade 5 159

8 Universidade do Sul de Santa Catarina MARCONI; LAKATOS, 2003, p. 264) apresenta os seguintes requisitos básicos para a elaboração de uma resenha crítica: a) conhecimento completo da obra; b) competência na matéria; c) capacidade de juízo de valor; d) independência de juízo; e) correção e urbanidade; f) fidelidade ao pensamento do autor. A apresentação da estrutura da resenha crítica pode variar de autor para autor. Em geral, dois elementos são essenciais: o resumo e a crítica. Dos diversos modelos encontrados na literatura de metodologia científica adotamos aqui o roteiro descrito por Marconi e Lakatos (2003, p. 264) apresentado a seguir: a) Obra apresentação dos dados de identificação da referência bibliográfica. b) Credenciais da autoria nacionalidade, formação acadêmica, outras obras escritas pelo autor. c) Conclusões da autoria síntese das principais conclusões da obra apresentada no final de cada capítulo ou no final da obra. d) Digesto resumo das principais idéias dos capítulos ou da obra como um todo; e) Metodologia da autoria descrição do tipo de método e das técnicas utilizadas pelo autor da obra. f) Crítica do resenhista julgamento da obra do ponto de vista da coerência e consistência na argumentação, originalidade, emprego adequado de métodos e técnicas, contribuição para o desenvolvimento da ciência e estilo empregado. É importante salientar que a crítica deve ser bem fundamentada e o resenhista deve confrontar as idéias da obra com outras idéias de outras obras e autores. 160

9 Ciência e Pesquisa g) Indicação do resenhista indicação da obra para qual público (estudantes, especialistas) e para qual curso ou área do conhecimento. Nessa seção você conheceu mais uma modalidade de trabalho científico: Resenha Crítica que em outras palavras, é uma síntese na qual você expressa um juízo de valor. A próxima seção convida você a estudar sobre o fichamento. Bom estudo! SEÇÃO 3 - Fichamento A leitura é uma atividade constante na vida acadêmica e se torna, no decorrer do curso, a base de sua formação. Você é sujeito ativo de sua aprendizagem e não pode esperar que tudo seja transmitido pelos professores. A iniciativa de aprender sempre deverá ser sua. O estudante tem de se convencer de que sua aprendizagem é uma tarefa eminentemente pessoal; tem de se transformar num estudioso que encontra no ensino escolar não um ponto de chegada, mas um limiar a partir da qual constitui toda uma atividade de estudo e de pesquisa [...] (SEVERINO, 2000, p. 35). A leitura é um instrumento de aprendizagem que permite a você ter o conhecimento e a compreensão do mundo, por isso, você deve ser especialista nela. Você pode perceber que estamos diante de uma cultura que se complexifica a cada dia que passa e nem sempre se consegue assimilar o conjunto das informações que nos rodeia. E, dependendo da leitura que estamos fazendo, seja pelo interesse ou pela necessidade, algumas anotações precisam ser feitas. A maneira mais adequada para reter essas informações é o registro em algum suporte físico. Achar que a memória vai dar conta de armazenar tudo, é um grande engano. Na memória, infelizmente, não podemos confiar. Unidade 5 161

10 Universidade do Sul de Santa Catarina A ficha de leitura pode se tornar um instrumento útil no momento da recuperação de uma informação e pode ser realizada com diferentes fins: a) como instrumento de coleta de dados na realização de uma pesquisa bibliográfica; b) como trabalho acadêmico em disciplinas de graduação e pós-graduação; c) como preparação de textos na apresentação oral de trabalhos em sala de aula; e, d) como um instrumento auxiliar na leitura e registro das idéias de um texto. Quando se fala em ficha de leitura automaticamente pensamos naquele papel de cartolina que é vendido em livrarias e que possui em média 10,5 x 15,5cm. Entretanto, com os recursos disponibilizados pela tecnologia, é possível fazer os registros diretamente no computador e depois imprimi-los em papel A4. Para fazer a ficha de leitura, primeiramente, é necessário delimitar a unidade de leitura do texto. Unidade de leitura pode ser compreendida com sendo um setor do texto que possui um sentido completo, ou seja, um livro, um capítulo de um livro, um artigo científico, uma matéria de jornal ou revista, ou qualquer outro texto que precise ser estudado. Classificação das fichas De maneira geral, as fichas podem ser classificadas em 2 tipos: bibliográfica e temática. A bibliográfica, como o próprio nome diz, ocupa-se de uma obra e, a temática, de um tema pesquisado em várias obras. 162

11 Ciência e Pesquisa Se o objetivo é fazer a leitura e apontamentos da obra A semente da vitória, de Nuno Cobra, teríamos um fichamento bibliográfico. Mas se o objetivo é a leitura e a tomada de apontamentos sobre o tema sono, em várias obras, teríamos um fichamento temático. As atividades desenvolvidas na leitura também podem servir para classificar os tipos de ficha. No momento da leitura podemos resumir, transcrever fragmentos considerados importantes ou simplesmente comentar analiticamente o texto. Dessas atividades podem resultar a ficha resumo, a ficha de citação e a ficha de comentário analítico. Acompanhe a seguir. a) Ficha resumo - resumir significa apresentar de forma concisa as principais idéias de um texto. O resumo deve ser elaborado na fase da leitura analítica, no exato momento em que conseguimos assimilar e compreender as idéias do texto. Quanto maior a compreensão das idéias, tanto maior será nossa capacidade resumir. Veja os procedimentos para a elaboração do resumo na seção 1 desta unidade. b) Ficha de citação - nesse tipo de ficha copia-se literalmente, na forma de transcrição textual (cópia fiel), fragmentos considerados relevantes para o estudo do texto. A parte a ser transcrita não deverá ser muito extensa, pois não faz muito sentido copiar por copiar. As fichas desse tipo podem dar origem às citações no texto quando se está elaborando um trabalho acadêmico. c) Ficha de comentário analítico nessas fichas podem ser registradas as nossas reflexões sobre o material que está sendo lido (MEZZAROBA; MONTEIRO, 2003, p. 233). As reflexões podem resultar em: afinidade - quando a análise manifesta nossa concordância e aceitação das idéias do texto; Unidade 5 163

12 Universidade do Sul de Santa Catarina antagonismo quando manifestamos discordância e, neste caso, é importante fundamentar bem nossas idéias com argumentos lógicos e convincentes, pois simplesmente não podemos discordar por discordar; e conexões com outras idéias neste caso, podemos comparar as idéias do autor com as idéias de outros autores e, assim, possuir uma visão mais ampla sobre o tema. Veja como fazer referências na Unidade 6. A estrutura da ficha de leitura é constituída de três partes: cabeçalho, referência e texto. No cabeçalho deve aparecer o título ou assunto da ficha; na referência os elementos de identificação da e no texto o conteúdo da ficha (resumo, transcrição ou comentário). Veja o exemplo: TÍTULO DA FICHA Referência Espaço livre para você inserir o texto (resumo, transcrição ou comentário analítico). SEÇÃO 4 - Paper O paper é um trabalho científico que tem como objetivo principal analisar um tema/questão/problema, por meio do desenvolvimento de um ponto de vista de quem o escreve. O paper geralmente trata do particular ou da essência do problema. Se o autor apenas compilou informações sem fazer avaliações ou interpretações sobre elas, trata-se simplesmente de um relato e não de um paper. Assim, a composição de um paper decorre do estudo e do posicionamento de quem o escreve. Para isso, o autor do paper deve manter certo distanciamento crítico ou evitar, na medida do possível, deixar transparecer suas crenças e preferências. 164

13 Ciência e Pesquisa Segundo Heerdt e Leonel (2005, p. 141), neste tipo de trabalho [...] as reflexões devem ser mesmo do autor do paper caracterizando-o principalmente pela originalidade. Conforme Roth (apud MEDEIROS, 1996, p. 186), para a composição do paper é necessário seguir cinco passos: 1) escolher o assunto; 2) reunir informações; 3) avaliar o material; 4) organizar as idéias; e 5) redigir o paper. Quanto à estrutura do paper, assim se organiza: folha de rosto; sinopse, introdução (objetivo e delimitação do tema); desenvolvimento; conclusão e referências. Position paper Segundo Heerdt e Leonel (2005, p. 143), o position paper consiste no desenvolvimento da: capacidade de reflexão e criatividade [do aluno] diante do que está escrito (livro, artigo, revista, jornal, etc.), diante do que é apresentado (palestra, congresso, seminário, curso, etc.) e também diante do que pode ser observado numa determinada realidade (empresa, projeto, entidade, viagem de estudos, etc.). Sua composição decorre do posicionamento de quem o escreve, exigindo, também, revisão de literatura para conhecer e sistematizar o posicionamento de outros autores sobre o tema/ questão/problema. Para Heerdt e Leonel (2005, p. 144), a estrutura do position paper é assim organizada: capa; folha de rosto; sumário; introdução (objetivo, delimitação do tema, metodologia); revisão bibliográfica sobre o assunto (no mínimo, dois outros autores); reflexão e posicionamento do autor sobre o assunto; conclusão; referências. Unidade 5 165

14 Universidade do Sul de Santa Catarina Paper comunicação científica É a informação concisa que se apresenta em congressos, simpósios, reuniões, academias, sociedades científicas, expostos em tempo reduzido. Sua finalidade é fazer conhecida a descoberta e os resultados alcançados com a pesquisa, podendo por fim fazer parte de anais [ou revistas] (HEERDT; LEONEL, 2005, p. 142). A comunicação não necessita de abrangência de aspectos analíticos, compondo-se basicamente da introdução, do desenvolvimento e da conclusão. SEÇÃO 5 - Artigo científico Na vida acadêmica, são várias as atividades de pesquisa realizadas, tanto pelo corpo docente como pelo discente. Essas atividades resultam de trabalhos didáticos e científicos elaborados freqüentemente nas disciplinas, cursos ou em grupos de pesquisa. Os trabalhos didáticos e científicos, muitas vezes, pelo nível de excelência que apresentam, são merecedores de publicação. As instituições de ensino, de maneira geral, e os cursos que a elas pertencem, em particular, dispõem de revistas especializadas para a publicação desses trabalhos produzidos por alunos e professores na forma de artigo científico. Artigo científico pode ser entendido como um trabalho completo em si mesmo, mas possui dimensão reduzida. Köche (1997, p. 149) afirma que o artigo é a apresentação sintética, em forma de relatório escrito, dos resultados de investigações ou estudos realizados a respeito de uma questão. Salvador (1977, p. 24) apresenta cinco razões para escrever artigos científicos. São elas: 166

15 Ciência e Pesquisa a) Expor aspectos novos por nós descobertos, mediante o estudo e a pesquisa, a respeito de uma questão, ou de aspectos que julgamos terem sido tratados apenas superficialmente, ou soluções novas para questões conhecidas; b) expor de uma maneira nova uma questão já antiga; c) anunciar resultados de uma pesquisa, que será exposta futuramente em livro; d) desenvolver aspectos secundários de uma questão que não tiveram o devido tratamento em livro que foi editado ou que será editado; e) abordar assuntos controvertidos para os quais não houve tempo de preparar um livro. O artigo é um meio de atualização de informações e por isso, enquanto fonte de pesquisa, jamais pode ser ignorado por alunos e professores no processo de busca e aquisição de conhecimentos. Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (2003) os artigos são classificados em dois tipos: original e revisão. O artigo original parte de uma publicação que apresenta temas ou abordagens originais [...] (relatos de experiência de pesquisa, estudo de caso etc.). O artigo de revisão parte de uma publicação que resume, analisa e discute informações já publicadas. O resumo do artigo escrito por Dalgalarrondo e outros (2004), publicado pela Revista Brasileira de Psiquiatria, exemplifica um artigo original. Acompanhe a seguir: Unidade 5 167

16 Universidade do Sul de Santa Catarina Religião e uso de drogas por adolescentes Introdução: Estudos internacionais e nacionais mostram que a religiosidade é um modulador importante no consumo de álcool e drogas entre estudantes adolescentes. Objetivos: verificar se diferentes variáveis da religiosidade influenciam o uso freqüente e/ou pesado de álcool e drogas entre estudantes de 1º e 2º graus. Métodos: Estudo transversal com uma técnica de amostragem do tipo intencional. Foi utilizado um questionário anônimo de autopreenchimento. A amostra foi constituída por estudantes de escolas públicas periféricas e centrais e escolas particulares da cidade de Campinas, SP, entrevistados no ano de As drogas estudadas foram: álcool, tabaco, solventes, medicamentos, maconha, cocaína e ecstasy. As variáveis independentes incluídas na análise de regressão logística foram: filiação religiosa, freqüência de ida ao culto/ missa por mês, considerar-se pessoa religiosa e educação religiosa na infância. Para identificar como as variáveis de religiosidade influenciam o uso de álcool e drogas utilizaram-se análises bivariadas e a análise de regressão logística para resposta dicotômica. Resultados: O uso pesado de pelo menos uma droga foi maior entre os estudantes que tiveram educação na infância sem religião. O uso no mês de cocaína e de medicamentos para dar barato foi maior nos estudantes que não tinham religião. O uso no mês de ecstasy e de medicamentos para dar barato foi maior nos estudantes que não tiveram educação religiosa na infância. Conclusões: Várias dimensões da religiosidade relacionam-se com o uso de drogas por adolescentes, com possível efeito inibidor. Particularmente interessante foi que uma maior educação religiosa na infância mostrou-se marcadamente importante em tal possível inibição. O resumo do artigo escrito por Pedroso e outros (2006, grifo nosso), publicado pela Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, exemplifica um artigo de revisão. Leia o texto a seguir: 168

17 Ciência e Pesquisa Expectativas de resultados frente ao uso de álcool, maconha e tabaco Este artigo teve como objetivo realizar uma revisão teórica acerca do construto expectativas de resultados frente ao uso de álcool, maconha e tabaco. As expectativas de resultados são determinadas a partir do que as pessoas acreditam acerca dos efeitos de determinada droga, sendo uma variável importante no tratamento de dependentes químicos. Foram realizadas buscas de artigos publicados nas bases de dados MEDLINE, PsycINFO, ProQuest, Ovid, LILACS e Cork, usando os descritores belief, expectancy, expectation, drugs, psychoactive e effect. Os resultados demonstraram que as expectativas de resultados frente ao uso dessas substâncias podem surgir de fontes como: exposição a estímulos condicionados, dependência física, crenças pessoais e culturais e fatores situacionais e ambientais. Conclui-se que ainda há necessidade de novas pesquisas quanto às expectativas relacionadas às diferentes substâncias psicoativas e faixas etárias para uma melhor compreensão deste construto. Para a publicação de um artigo científico é necessário que se observem as recomendações estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (2003) que estrutura, de maneira geral, os seguintes elementos: pré-textuais, textuais, pós-textuais. Os elementos pré-textuais apresentam, na página de abertura, as informações que identificam o artigo; os elementos textuais apresentam os resultados do estudo em três partes logicamente encadeadas: introdução, desenvolvimento e conclusão; e os elementos pós-textuais apresentam as informações que identificam o artigo, traduzidos para uma língua estrangeira, conforme indicação da própria revista, como também, as referências, apêndices e anexos. Unidade 5 169

18 Universidade do Sul de Santa Catarina Conheça os itens que compõem cada um dos elementos da estrutura de um artigo. Elementos pré-textuais - os elementos pré-textuais são os seguintes: a) título - contém o termo ou expressão que indica o conteúdo do artigo; b) autoria - nome do autor ou autores, acompanhado de um breve currículo em nota de rodapé; c) resumo - apresenta objetivos, metodologia, resultados e conclusões alcançadas. Deve ser elaborado de acordo com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (2003); d) palavras-chave - termos indicativos do conteúdo do artigo. Elementos textuais - Os elementos textuais são constituídos das seguintes partes: a) introdução - apresenta o tema-questão-problema, justifica-o, expõe os objetivos e descreve a metodologia que foi adotada na realização da pesquisa; b) desenvolvimento - apresenta fundamentação teórica e os resultados do estudo; c) conclusão - analisa criticamente os resultados do estudo e abre perspectivas para novas investigações. Elementos pós-textuais - Os elementos pós-textuais são os seguintes: 170

19 Ciência e Pesquisa a) título e subtítulo (se houver) - escrito em língua estrangeira; b) resumo - o mesmo resumo que aparece como elemento pré-textual, porém escrito em língua estrangeira; c) palavras-chave - escritas em língua estrangeira; d) notas explicativas - citadas para evitar notas de rodapé; e) referências - apresenta as obras que foram citadas no corpo do artigo conforme a Associação Brasileira de Normas Técnicas (2002). f) Glossário - definição, em ordem alfabética, de termos que assumem significado específico no artigo; g) Apêndice - texto escrito pelo autor, que complementa as idéias contidas no desenvolvimento; h) Anexo - texto não escrito pelo autor, que fundamenta, comprova ou ilustra aspectos contidos no desenvolvimento; É importante salientar que nem todas as revistas científicas seguem rigorosamente a ordem dos elementos apresentados nesta seção. Alguns itens podem variar de acordo com as necessidades e/ou exigência de cada conselho editorial. Independentemente disso, é importante que professores e alunos sintam-se motivados para publicar os resultados de suas atividades científicas ou didáticas. SEÇÃO 6 - Projeto de pesquisa Para Gil (2002, p. 19), projeto de pesquisa [...] é o documento explicitador das ações a serem desenvolvidas ao longo do processo de pesquisa. Trata-se, portanto, do documento que nos permite planejar todas as ações inerentes à pesquisa. Unidade 5 171

20 Universidade do Sul de Santa Catarina Pesquisa não é pura coleta de dados mas um conjunto de ações orientadas por metas e estratégias a serem atingidas na tentativa de buscar respostas para um determinado problema. De modo geral, um projeto de pesquisa deve oferecer respostas às seguintes indagações: Pergunta Indicação O que pesquisar? Com que base teórica pesquisar? Por que pesquisar? Que ações serão desenvolvidas na pesquisa? Quem pesquisar? Onde pesquisar? Quando pesquisar? Como pesquisar? Com quanto pesquisar? Determinação do objeto da pesquisa por meio da apresentação, principalmente, do tema, delimitação do tema e da problematização Referencial teórico e/ou marco teórico e/ou revisão de literatura Justificativa Objetivos Sujeitos Unidade ou local de observação e/ou coleta de dados Cronograma Determinação dos métodos e técnicas Orçamento Modelos de roteiro É comum encontrar na literatura de metodologia científica e da pesquisa vários modelos de roteiro de projeto de pesquisa. O modelo apresentado a seguir não deve ser entendido como único e absoluto, ao contrário, deve ser entendido apenas como um roteiro que nos permite entender quais são as etapas que se sucedem na elaboração de um projeto. 172

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO RESUMOS, FICHAMENTOS E RESENHA

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO RESUMOS, FICHAMENTOS E RESENHA METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO RESUMOS, FICHAMENTOS E RESENHA RESUMOS Definição: é a apresentação concisa e freqüentemente seletiva do texto, destacando-se os elementos de maior interesse e importância,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG Metodologia Científica. Professora: Ketiuce Ferreira Silva ketiuce@yahoo.com.br www.ketiuce.com.

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG Metodologia Científica. Professora: Ketiuce Ferreira Silva ketiuce@yahoo.com.br www.ketiuce.com. FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG Metodologia Científica Professora: Ketiuce Ferreira Silva ketiuce@yahoo.com.br www.ketiuce.com.br Resumos NBR 6028 Nov. 2003 Norma para elaboração de resumos Um resumo

Leia mais

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa. Curso: TECNÓLOGOS LOGÍSTICA E COMÉRCIO EXTERIOR

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa. Curso: TECNÓLOGOS LOGÍSTICA E COMÉRCIO EXTERIOR Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa Curso: TECNÓLOGOS LOGÍSTICA E COMÉRCIO EXTERIOR Texto 3 : ESQUEMA, RESUMO, RESENHA e FICHAMENTO 1 ESQUEMA O esquema é um registro gráfico (bastante visual) dos

Leia mais

Produção científica: tipos de trabalhos científicos

Produção científica: tipos de trabalhos científicos UNIDADE 6 6 Produção científica: tipos de trabalhos científicos Objetivos de aprendizagem Reconhecer a importância de produzir conhecimentos; perceber que existem várias formas de tornar públicos os conhecimentos;

Leia mais

Seminário de Pesquisa Prof. José Carlos Vinhais

Seminário de Pesquisa Prof. José Carlos Vinhais 1 MANUAL DE ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1 PRINCIPIOS O Seminário de Pesquisa exigido pelo curso de Administração é um projeto de atividades centrado em áreas teórico práticas, e deverá

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO Finalidade de um Artigo Científico Comunicar os resultados de pesquisas, idéias e debates de uma maneira clara, concisa e fidedigna. Servir de medida da produtividade

Leia mais

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS Elaborado por Prof. Dr. Rodrigo Sampaio Fernandes Um projeto de pesquisa consiste em um documento no qual

Leia mais

ESTRUTURA DO TIID 2010

ESTRUTURA DO TIID 2010 ESTRUTURA DO TIID 2010 7. Anexos c 7. A ficha de entrevista, agora com as respostas, deve ser apresentada como anexo, após as referências bibliográficas. 6. Referências Bibliográficas 6. As referências

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1)

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) 1 COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) SOBRENOME, Nome Aluno 1 Graduando em Administração de Empresas Decision/FGV SOBRENOME, Nome Aluno 2 Graduando em Administração de Empresas Decision/FGV RESUMO Este

Leia mais

RESUMO RESENHA E RIO. LIP - Profa. KATIUSCIA

RESUMO RESENHA E RIO. LIP - Profa. KATIUSCIA RESUMO RESENHA E RELATÓRIO RIO LIP - Profa. KATIUSCIA QUANDO SE FALA EM PESQUISA, TRABALHO, O QUE VOCÊ PENSA??? Grupo de 4 pessoas Tempo: alguns dias para a elaboração 15 minutos apresentação (cada grupo)

Leia mais

Estrutura, redação e apresentação do relatório de pesquisa 7

Estrutura, redação e apresentação do relatório de pesquisa 7 UNIDADE 7 Estrutura, redação e apresentação do relatório de pesquisa 7 Objetivos de aprendizagem Identificar os componentes que integram os elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais de um relatório

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Av. Av. Prof. Moraes Rego s/n - Cidade Universitária - CEP: 50739-970 Recife PE Fone: (81)21268538

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA 3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA NOME DO AUTOR (fonte tamanho 12, arial, todas em maiúscula, negrito, centralizado) ESTÁGIO SUPERVISIONADO I OU II DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Metodologia Científica. César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato

Metodologia Científica. César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato Metodologia Científica César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato Metodologia Científica Introdução Métodos Introdução Metodologia científica é a forma como se conduz uma pesquisa,

Leia mais

Profa. Dra. Jakeline Romero

Profa. Dra. Jakeline Romero GRUPO EDUCACIONAL KROTON UNIVERSIDADE DE CUIABÁ- UNIC Disciplina: Metodologia Científica Profa. Dra. Jakeline Romero Agosto/12 Cuiabá/MT OBJETIVOS DA LEITURA A leitura serve para formar leitores pensantes

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - RELATÓRIO DE ESTÁGIO

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - RELATÓRIO DE ESTÁGIO MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL Estrutura formal do relatório Estrutura Elemento Capa Folha de Rosto Pré-textuais Folha de Identificação Sumário 1. Introdução Textuais 2. Atividades

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013 Jaciara-MT 2013 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO FORMATO Os trabalhos acadêmicos devem ser em conformidade com os apontamentos a seguir. Papel branco, Formato A4 (21

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE COSTA RICA-FECRA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO LAURADAIANE REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO: LETRAS

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE COSTA RICA-FECRA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO LAURADAIANE REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO: LETRAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE COSTA RICA-FECRA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO LAURADAIANE REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO: LETRAS INTRODUÇÃO FORMAS E REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

FACULDADE DE COLIDER- FACIDER

FACULDADE DE COLIDER- FACIDER 1 FACULDADE DE COLIDER- FACIDER ELABORAÇÃO DE TRABALHO CIENTÍFICO (ARTIGO, RESENHA e RESUMO) Reelaborado em 2012/2 Profa.Naira J. Neves de Brito COLIDER MT 2012 2 SUMARIO 1 ARTIGO... 3 1.1 Estrutura de

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003)

PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003) PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003) Maio de 2012. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária. Programa de capacitação. 2 NORMAS

Leia mais

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Roteiro para projeto de pesquisa Gildenir Carolino Santos, 2005. 1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Antes de passar para a construção ou montagem de um projeto de pesquisa, é importante saber que esse

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa Nova Mutum MT 2012 Nome dos acadêmicos em ordem alfabética

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) HOW TO ELABORATE A SCIENTIFIC ARTICLE

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) HOW TO ELABORATE A SCIENTIFIC ARTICLE 1 COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) HOW TO ELABORATE A SCIENTIFIC ARTICLE SOBRENOME, Nome Aluno 1 Graduando em Educação Artística Unifadra / Dracena SOBRENOME, Nome Aluno 2 Graduando em Educação Artística

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS

NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS Núcleo Docente Estruturante Prof. Álvaro Antônio Dal Molin Flores Prof. Carlos André Junqueira Prof. Cilane da Rosa

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO UNIDADE DE ENSINO DE SÃO CARLOS ESTRUTURA DE TRABALHO ACADÊMICO MANUAL PARA O ALUNO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO UNIDADE DE ENSINO DE SÃO CARLOS ESTRUTURA DE TRABALHO ACADÊMICO MANUAL PARA O ALUNO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO UNIDADE DE ENSINO DE SÃO CARLOS ESTRUTURA DE TRABALHO ACADÊMICO MANUAL PARA O ALUNO São Carlos 2009 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO

Leia mais

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS MONOGRAFIA Trata-se de uma construção intelectual do aluno-autor que revela sua leitura, reflexão e interpretação sobre o tema da realidade. Tem como base a escolha de uma unidade ou elemento social, sob

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo ILHÉUS - BAHIA 2013 PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo Módulo

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Este capítulo visa a orientar a elaboração de artigos científicos para os cursos de graduação e de pós-graduação da FSG. Conforme a NBR 6022 (2003, p. 2),

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA:

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA: PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social Coordenação: Naiara Magalhães Professor (a): Adriana Barros Disciplina: Pesquisa Social I Carga horária: 60h Período: 1º/2014

Leia mais

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Padrão FEAD de normalização Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Objetivo Visando padronizar os trabalhos científicos elaborados por alunos de nossa instituição Elaboramos este manual

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 Jaciara-MT COMPOSIÇÃO DA MONOGRAFIA MONOGRAFIA Recebe nº página CAPA FOLHA DE ROSTO FOLHA DE APROVAÇÃO DEDICATÓRIA (OPCIONAL) AGRADECIMENTO (OPCIONAL) EPIGRAFE

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Centro de Excelência em Turismo MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB Por: Jakeline V. de Pádua APRESENTAÇÃO As páginas que se seguem especificam os princípios gerais

Leia mais

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 Paula Carina de Araújo paulacarina@ufpr.br 2014 Pesquisa Pesquisa Atividade básica da ciência

Leia mais

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA O I Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência e Tecnologia/FACIT oportunizará a apresentação de Trabalhos Científicos sob a forma de Comunicação Oral para professores, profissionais

Leia mais

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Escolha do tema 2. Formulação do problema 3. Justificativa 4. Determinação dos objetivos 5. Referencial teórico 6. Referências 1 Escolha do Tema 1. Escolha do Tema Nesta

Leia mais

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA A elaboração da monografia deve ter como referência a ABNT NBR 14724/ 2006, a qual destaca que um trabalho acadêmico compreende elementos pré-textuais,

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Andersown Becher Paes de Barros * Ideraldo Bonafé ** RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica:

Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica: Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica: Conforme NBR 6022:2003 Seção de atendimento ao usuário - SISBI Outubro 2013 Normas técnicas Norma técnica é um documento estabelecido

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

7/30/2012. Objetivos por Unidade de Ensino Unidade 1 - Ler e elaborar textos acadêmicos e científicos de modo significativo e reflexivo.

7/30/2012. Objetivos por Unidade de Ensino Unidade 1 - Ler e elaborar textos acadêmicos e científicos de modo significativo e reflexivo. Leitura, Interpretação e Produção de Textos. Estrutura e Organização de trabalhos acadêmicos. Pesquisa Cientifica. Elaboração de Projeto de Pesquisa. Proporcionar a inserção do aluno no trabalho acadêmico,

Leia mais

ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO PROJETO/ARTIGO 1. O PROJETO DE PESQUISA

ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO PROJETO/ARTIGO 1. O PROJETO DE PESQUISA ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO PROJETO/ARTIGO 1. O PROJETO DE PESQUISA A primeira etapa para a organização do TCC nos cursos de pós-graduação lato sensu a distância consiste na elaboração do projeto de pesquisa,

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA ANEXO da Norma 004/2008 CCQ Rev 1, 28/09/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Salvador 2009 2 1 Objetivo Estabelecer parâmetros para a apresentação gráfica

Leia mais

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa Nova Mutum 2009 Nome dos acadêmicos em ordem alfabética Orientações

Leia mais

COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS BIBLIOTECA CRUZ E SOUSA

COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS BIBLIOTECA CRUZ E SOUSA COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS BIBLIOTECA CRUZ E SOUSA MATERIAL DE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS FLORIANÓPOLIS 2009 CESUSC

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MANUAL DE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA FORMOSA/GO

Leia mais

ELEMENTOS DO PROJETO DE PESQUISA ROTEIRO DO PROJETO

ELEMENTOS DO PROJETO DE PESQUISA ROTEIRO DO PROJETO ELEMENTOS DO PROJETO DE PESQUISA ELEMENTO EXTERNO Capa (seguir modelo em anexo); ELEMENTOS INTERNOS PRÉ-TEXTUAIS Folha de rosto e sumário (seguir modelo em anexo); TEXTUAIS itens 1 a 8 do roteiro do projeto

Leia mais

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá:

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: Tópico 3 Relatórios Técnico-científicos n. O que você deverá saber Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: - saber identificar os elementos que compõem a estrutura de um relatório técnico-científico;

Leia mais

Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias.

Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias. Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias. Goiânia, 2010 SUMÁRIO SUMÁRIO...2 1. INTRODUÇÃO...3 1.1-

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE MEMORIAL. Compilado por Gildenir Carolino Santos

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE MEMORIAL. Compilado por Gildenir Carolino Santos ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE MEMORIAL Compilado por Gildenir Carolino Santos Campinas 2005 compiled by Gildenir Carolino Santos Ficha catalográfica elaborada por Gildenir Carolino Santos CRB-8ª/5447 R741

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS

PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS Procedimentos para utilização na disciplina de Prática Profissional I Este documento é parte integrante das Normas Técnicas para Elaboração de Trabalhos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA Normas para elaboração de Dissertações do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais MODELO

Leia mais

Tipos de Resumo. Resumo Indicativo ou Descritivo. Resumo Informativo ou Analítico

Tipos de Resumo. Resumo Indicativo ou Descritivo. Resumo Informativo ou Analítico Resumir é apresentar de forma breve, concisa e seletiva um certo conteúdo. Isto significa reduzir a termos breves e precisos a parte essencial de um tema. Saber fazer um bom resumo é fundamental no percurso

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP FACULDADE (do aluno) CURSO TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO RELATÓRIO AUTOR(ES) DO RELATÓRIO SÃO PAULO 200_ NOTA PRÉVIA

Leia mais

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS DOS TRABALHOS Formato: A4 Cor preta Espaçamento entre linhas: 1,5cm Fonte texto: Times New Roman, 12 ou Arial, 11 Margem superior

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Escola Profissionalizante Francisca Nobre da Cruz Educação Profissional Credenciada pelo o parecer Nº 0484/2009 do CEE/CE, DOE nº 005 08.01.2010 Recredenciamento nº 1788/2013, DOE nº 216 18.11.2013 - Censo

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ESCOLHA DO TEMA - Seja cauteloso na escolha do tema a ser investigado. Opte por um tema inserido no conteúdo programático da disciplina pela qual teve a maior aptidão

Leia mais

MONOGRAFIA : COMO FAZER

MONOGRAFIA : COMO FAZER Alguns sites que tratam sobre monografias http://www.admbrasil.com.br/abnt.htm http://planeta.terra.com.br/servicos/monografiaabnt/ http://www.sinescontabil.com.br/trabs_profissionais/fazendo_uma_monografia.htm

Leia mais

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador:

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: São Luis 2015 (TÍTULO DO PROJETO) (NOME DO ALUNO) Projeto de Pesquisa do Programa

Leia mais

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO ARTIGO CIENTÍFICO Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas

Leia mais

Normas para Redação da Dissertação/Tese

Normas para Redação da Dissertação/Tese Normas para Redação da Dissertação/Tese Estrutura A estrutura de uma dissertação, tese ou monografia compreende três partes fundamentais, de acordo com a ABNT (NBR 14724): elementos prétextuais, elementos

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DE ACORDO COM AS NORMAS DE DOCUMENTAÇÃO DA ABNT

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DE ACORDO COM AS NORMAS DE DOCUMENTAÇÃO DA ABNT MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DE ACORDO COM AS NORMAS DE DOCUMENTAÇÃO DA ABNT HELENA DE CARVALHO SICSÚ 1 RESUMO Este trabalho apresenta os elementos que constituem a estrutura de um artigo

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA - MG NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: SUBTÍTULO DO PROJETO (SE HOUVER)

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA - MG NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: SUBTÍTULO DO PROJETO (SE HOUVER) FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA - MG NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: SUBTÍTULO DO PROJETO (SE HOUVER) UBERLÂNDIA 2013 NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: subtítulo do projeto (se houver) Projeto de Pesquisa

Leia mais

Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO. Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063

Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO. Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063 Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063 ALGUMAS REGRAS 2 não deixe para a última hora escreva leia alguns relatórios ou resumos faça um esboço

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos REDE DE BIBLIOTECAS ROSY MARA OLIVEIRA (ORG.)

Universidade Presidente Antônio Carlos REDE DE BIBLIOTECAS ROSY MARA OLIVEIRA (ORG.) ROSY MARA OLIVEIRA (ORG.) Colaboração: Dirlhê Maria Lima Pereira Bibliotecária FUPAC Itabirito ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA BARBACENA SUMÁRIO 1 PROJETO DE PESQUISA...2 1.1 Capa...2 1.2

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Prof. Marcos Nicolau (Artigo científico, Monografia e Projeto de Pesquisa)

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Prof. Marcos Nicolau (Artigo científico, Monografia e Projeto de Pesquisa) METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Prof. Marcos Nicolau (Artigo científico, Monografia e Projeto de Pesquisa) APRESENTAÇÃO Os cursos de especialização do país têm adotado, como exigência para conclusão

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA Estrutura do Projeto de Pesquisa CAPA FOLHA DE ROSTO SUMÁRIO 1. RESUMO 2. PROBLEMA DE PESQUISA OU INTRODUÇÃO 3. REFERENCIAL TEÓRICO (REVISÃO DE

Leia mais

PRODUÇÃO DE ARTIGOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS - uma exigência permanente

PRODUÇÃO DE ARTIGOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS - uma exigência permanente 1 PRODUÇÃO DE ARTIGOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS - uma exigência permanente Os integrantes da comunidade acadêmica - professores-pesquisadores, técnicos especializados e estudantes devem produzir artigos técnico-científicos

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO HOSPITALAR PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Elaborar um estudo acerca Estrutura e Funcionamento do Sistema de Saúde Pública e Privada no Brasil.

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

Faculdade de Educação, Ciências e Letras D O N D O M Ê N I C O O QUE É UM ARTIGO CIENTÍFICO

Faculdade de Educação, Ciências e Letras D O N D O M Ê N I C O O QUE É UM ARTIGO CIENTÍFICO O QUE É UM ARTIGO CIENTÍFICO O artigo cientifico é um texto escrito para ser publicado num periódico especializado e tem o objetivo de comunicar os dados de uma pesquisa, seja ela experimental, quase experimental

Leia mais

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5. 5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.2 Capa... 48 5.3 Folha de rosto... 51 5.4 Errata... 53

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS. FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS. FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga Ibitinga/ SP 2010 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 REGRAS GERAIS... 3 2.1 DAS FINALIDADES... 3 2.2

Leia mais

Metodologia Científica. Metodologia Científica

Metodologia Científica. Metodologia Científica Metodologia Científica Metodologia Científica Seqüência da Apresentação Introdução Tipos de pesquisa Tipos de fontes de dados Pesquisa na área de Informática Projeto de pesquisa Metodologia Formato de

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2 UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA COORDENAÇÃO ADJUNTA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

AU A L U A A 6 REDAÇÃ Ç O C IENTÍFICA

AU A L U A A 6 REDAÇÃ Ç O C IENTÍFICA REDAÇÃO CIENTÍFICA AULA 6 Conteúdo principal para uma dissertação Elementos pré-textuais; Elementos textuais; Elementos pós-textuais. Elementos pré-textuais de uma dissertação Capa; Folha de rosto; Ficha

Leia mais

TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER.

TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER. 1 UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO CURSO DE DIREITO NOME DO AUTOR TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER. SÃO BERNARDO DO CAMPO 2014 2 NOME DO AUTOR TÍTULO

Leia mais

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS Baseado nas obras de Júnia Lessa França e Ana Cristina de Vasconcellos; Rosy Mara Oliveira. Atualizado

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE PIO XII REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ( 6º PERÍODO/2013-7º PERÍODO/2014-8º PERÍODO/2014 ) Cariacica 2013/2014 FACULDADE DE ESTUDOS

Leia mais

Universidade Católica de Santos

Universidade Católica de Santos Universidade Católica de Santos Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Ciência da Computação/Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso TCC-II (2010) Trabalho Completo Este documento visa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC ANEXO A TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE Nome do Aluno: Matricula: Título do TCC CONCLUSAO DE CURSO (TCC) Solicito que seja designado como meu Orientador do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

FACULDADE LOURENÇO FILHO PEQUENO GUIA PARA INSCRIÇÃO E APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA DA FLF

FACULDADE LOURENÇO FILHO PEQUENO GUIA PARA INSCRIÇÃO E APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA DA FLF FACULDADE LOURENÇO FILHO PEQUENO GUIA PARA INSCRIÇÃO E APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA DA FLF 2015 SUMÁRIO Introdução... 01 2. Da Inscrição... 03 3. Da Orientação... 03 4. Da Apresentação... 03 5. Da Avaliação...

Leia mais

ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA

ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIENCIAS JURÍDICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO ACADÊMICO NOME DO(A) CANDIDATO(A) TÍTULO Projeto de pesquisa

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

PPGEM - Iniciação a Pesquisa

PPGEM - Iniciação a Pesquisa UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA Programa de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica, Materiais e de Minas Av. Antonio Carlos, 6627 Bloco II - sala 2230 31270-901 Belo Horizonte,

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS DO TFG DO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

NORMAS ESPECÍFICAS DO TFG DO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA NORMAS ESPECÍFICAS DO TFG DO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Art. 1º - Este regulamento disciplina o processo de elaboração, apresentação e avaliação do Trabalho Final de Graduação (TFG) do curso de

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA

TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA CURSO DE DIREITO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA RIO DE JANEIRO MÊS - ANO NOME DO AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao orientador

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD ATIVIDADE INTEGRADORA ASSOCIADA A PRÁTICA DE ENSINO Módulo IV Desenvolvimento e Crescimento Estudo do desenvolvimento

Leia mais