QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS"

Transcrição

1 QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS Em 2009 a Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), através do Departamento de Segurança e Saúde do Trabalho (DSST) publicou algumas portarias que passaram a regulamentar a qualidade dos equipamentos de proteção produzidos no Brasil bem como o processo de emissão do Certificado de Aprovação (CA). São elas: Portaria 121, de 30 de setembro de 2009, que estabelece as normas técnicas de ensaio e os requisitos obrigatórios aplicáveis aos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) enquadrados no Anexo I da NR-6. Portaria 125, de 12 de novembro de 2009, que define o processo administrativo para suspensão e cancelamento de Certificado de Aprovação de Equipamentos de Proteção Individual e da outras providências. Portaria 126, de 2 de dezembro de 2009, que estabelece procedimentos para o cadastro de empresas e para a emissão ou renovação do Certificado de Aprovação de Equipamentos de Proteção Individual. Na prática, após a publicação destas portarias, todos os equipamentos de proteção individual (EPI) para aquisição e manutenção do CA devem ser previamente ensaiados em laboratório credenciado segundo os critérios estabelecidos na Portaria 121, ter o processo de requisição montado e encaminhado ao MTE de acordo com a Portaria 126 e deverão ser fiscalizados quanto à manutenção das características de qualidade conforme as regras estabelecidas na Portaria 125, que também estabelece sanções para possíveis irregularidades. Para os EPI com CA por responsabilidade técnica, com vencimento em 7 de dezembro de 2009, a Portaria 121 prorrogou o prazo de vencimento para de 7 de junho de 2010, data na qual deverão estar em conformidade com as novas regras. Desde a sua publicação, a Portaria 121 tem sofrido sugestões de melhoria com relação às normas adotadas para ensaio de Vestimentas de Proteção para Riscos Químicos com Agrotóxicos, razão pela qual o MTE estuda sua alteração por meio da publicação de um Regulamento Técnico de Qualidade (RTQ), com novas e detalhadas orientações sobre os ensaios necessários e a forma de sua realização. Apesar desta ação, a data limite de 7 de junho de 2010 não deverá ser alterada. Em linhas gerais, e como forma de orientar fabricantes e consumidores, as Vestimentas de Proteção para Riscos Químicos com Agrotóxicos, bem como seus componentes, passam a ser classificadas por tipos em função do grau de segurança que proporcionam. TIPO 3 Vestimenta de proteção contra jatos líquidos É o tipo de maior proteção e, como o próprio nome sugere, pretende proteger o aplicador de jatos líquidos diretos ou situações de exposição muito elevada. Os materiais componentes destas vestimentas, bem como suas costuras ou junções, deverão atender ao ensaio de permeação (processo pelo qual uma substância química se move através do material de uma vestimenta de proteção em nível molecular) segundo a norma ISO Neste ensaio, uma amostra do material é fixada entre duas câmaras onde, de um lado, coloca-se o líquido teste, e do outro, água pura. Periodicamente analisa-se a água para quantificar a passagem do líquido teste através do material. Em função da rigidez do teste, materiais que atendam ao Tipo 3 deverão ser praticamente impermeáveis, como materiais utilizados em áreas de reforço nas vestimentas. Vestimentas construídas como Tipo 3 deverão ser ensaiadas em cabine normatizada, segundo a ISO 17491, Método C, onde um auxiliar colocará uma vestimenta

2 padronizada de algodão (amostrador) e em seguida, por cima desta, a vestimenta a ser analisada (amostra). Após realizar exercícios com a finalidade de proporcionar o íntimo contato entre as duas vestimentas, o mesmo entrará na cabine e jatos líquidos padronizados de calda contendo corante e tensão superficial específicos serão direcionados à vestimenta. Para que a mesma seja aprovada, não poderão ser observadas manchas de penetração na vestimenta interna. TIPO 4 Vestimenta de proteção contra névoas líquidas É o tipo que promove uma proteção intermediária, protegendo contra elevada exposição a líquidos pulverizados. Os materiais componentes destas vestimentas poderão ser ensaiados ou com relação à permeação pela ISO 6529, como os do Tipo 3, ou pela resistência à penetração (processo pelo qual uma substância química se move através de materiais porosos, costuras, furos ou outras imperfeições em um material em um nível não-molecular) do líquido sob pressão, segundo a ISO Neste último, uma amostra do material é fixada em uma pequena célula de teste onde um lado fica visível ao avaliador e o outro conectado a um sistema de ar comprimido. A célula é então preenchida com cerca de 50 ml de um líquido teste e, periodicamente, pequenos incrementos de pressão (3,5 kpa ou 0,035 bar) vão sendo atribuídos, até que a passagem de líquido pelo material possa ser observada. Essa pressão da passagem será então utilizada na classificação do material. Materiais do Tipo 4 serão apropriados para vestimentas em pulverizações onde se observa uma elevada exposição do trabalhador. Vestimentas construídas como Tipo 4 deverão ser ensaiadas em cabine normatizada, segundo a ISO 17491, método D1, que em tudo se parece com o processo descrito para o Tipo 3, entretanto, os jatos de líquido são substituídos por uma pulverização com calda contendo corante e tensão superficial padronizados. Assim como para o Tipo 3, não poderão ser observadas manchas de penetração na vestimenta interna. TIPO 6 Vestimenta de proteção limitada contra névoas líquidas É o tipo que promove o menor grau de proteção, protegendo contra baixa exposição a líquidos pulverizados. Os materiais componentes destas vestimentas deverão atender ao ensaio de repelência e penetração proposto na ISO Neste ensaio, uma amostra do material e 2 papéis de filtro são inicialmente pesados (peso inicial). Em seguida, a amostra é colocada sobre um dos papéis filtro e uma gota de 200 µl de uma solução teste é colocada no centro da amostra. Após 10 min, o líquido remanescente sobre a amostra é recolhido com o segundo papel filtro e ambos os papéis são novamente pesados (peso final). Pela diferença de peso entre o final e o inicial obtêm-se a penetração (papel inferior) e a repelência (papel superior). Materiais do Tipo 6 serão apropriados para vestimentas em pulverizações onde se observa uma baixa exposição do trabalhador, principalmente as tratorizadas, e deverão se constituir na base das vestimentas para uso agrícola. Vestimentas construídas como Tipo 6 deverão ser ensaiadas em cabine normatizada, segundo a ISO 17491, método F, que em tudo se parece com o processo descrito para o Tipo 4, entretanto, a pulverização realizada é de menor volume e tempo de exposição. Assim como para o Tipo 4, não poderão ser observadas manchas de penetração na vestimenta interna. Além dos testes citados, todos os materiais de vestimentas de proteção para riscos químicos com agrotóxicos deverão ainda passar por ensaios mecânicos de resistência à tração, ao rasgamento, à perfuração, à abrasão e à flexão, além da resistência à

3 propagação de chamas. Uma vez atendendo a todos esses ensaios, o material poderá então ser utilizado na confecção das vestimentas. Caso uma vestimenta seja composta por diferentes tipos de materiais, como por exemplo, materiais de Tipo 6 como base e do Tipo 3 em áreas de reforço nas pernas e braços, esta deverá ser ensaiada e classificada em função do material de menor proteção. Assim, no exemplo, a vestimenta deve ser ensaiada como nível 6. Passam a ser importantes também a rotulagem e a elaboração de um folheto ou manual de instruções que deverá acompanhar as vestimentas de proteção. Quando do envio das vestimentas para ensaio, as mesmas deverão estar rotuladas e acompanhadas das Instruções de Uso, pois são nessas informações que os laboratórios se basearão para os ensaios. Para agrotóxicos, as seguintes características deverão ser observadas. Rotulagem A vestimenta de proteção para riscos químicos com agrotóxicos deve incluir um rótulo que deve ser fixado permanentemente à vestimenta em uma localização distinta e deve incluir a seguinte informação em letras de pelo menos 1,5 mm de altura. a) o nome, marca registrada, ou outros meios para identificar o fabricante; b) o tipo de número do fabricante, identificação, ou número do modelo para a vestimenta; c) o tipo de vestimenta de proteção química (p.e. Tipo 3, etc); d) uma referência a essa Norma (MTE RTQ n o desta norma); e) o ano de fabricação, e também o mês de fabricação se a vida de prateleira esperada da vestimenta é menor do que 24 meses: esta informação pode ser marcada em toda unidade de empacotamento comercial ao invés de ser marcada sobre todos os itens da vestimenta; f) a faixa de tamanho como definida na ISO 13688; g) os pictogramas mostrados na Figura 1 demonstrando que a vestimenta de proteção é para proteção contra substâncias químicas e que as instruções dos fabricantes devem ser lidas, de acordo com a ABNT NBR ISO Figura 1 Pictograma para vestimenta de proteção química Instruções para Uso O fabricante deve fornecer instruções com toda peça ou vestimenta de proteção química para agrotóxicos ou deve, alternativamente, fornecer instruções em toda unidade de empacotamento comercial. O objetivo é garantir que o usuário visualize estas instruções. As instruções devem conter pelo menos as seguintes informações, como aplicável:

4 a) informações pré-uso: considerações de segurança; limitações de uso; métodos para marcar a vestimenta, para identificação ou visibilidade; tipo de proteção respiratória com a qual a vestimenta é projetada para uso, se aplicável; Se aplicável, uma orientação para especificar equipamentos de proteção individual adicionais com os quais a vestimenta deve ser utilizada, e como unir ou conectá-los, para atingir a classificação de desempenho anunciada. lubrificantes de fechamento, se aplicável; viseira/peça facial com anti-embaçante ou procedimentos; roupas de baixo recomendadas; vida de prateleira esperada se envelhecimento puder acontecer; informação de garantia; b) preparação para uso: classificação segundo o tamanho e procedimentos de ajuste; práticas de armazenamento recomendadas; c) freqüência de inspeção e detalhes; d) procedimentos para vestir/desvestir; e) manutenção e limpeza: instruções de limpeza (lavagem) e precauções com uma declaração aconselhando os usuários a não usarem vestimentas ou conjuntos que não estão completamente limpos e secos; critérios de manutenção e métodos de consertos, onde aplicável; procedimentos de descontaminação, onde prático e se aplicável; todas outras informações adicionais relevantes sobre limpeza e desinfecção (p.e. agentes desinfectantes a serem utilizados, número máximo de ciclos de lavagem, tratamentos de reaplicação, necessidade de passadoria); f) critérios de inutilização/descarte e considerações: condições ou fatores que reduzem significativamente as qualidades de proteção da vestimenta de proteção química. Se aplicável, forma de descarte (vestimentas de proteção para risco químico contaminadas podem ser prejudiciais e devem ser descartadas como lixo perigoso de acordo com regulamentações nacionais) O fabricante deve fornecer ilustrações, número de partes, informação técnica e outros detalhes quando necessário. O fabricante deve fornecer advertências, se apropriadas, para fornecer informações contra possíveis problemas com o uso da vestimenta ou por uso abusivo em ambientes inadequados. Por fim, o fabricante deve ainda estar preparado, pois, a pedido do comprador, este deve disponibilizar todos os resultados dos ensaios e classificações exigidas por esta Norma. Esta informação pode ser combinada com as instruções para uso. Todos os dados de ensaio devem ser fornecidos em uma tabela de desempenho, demonstrando o(s) resultado(s) do ensaio usado para classificação e o respectivo nível de desempenho. Ainda há um tempo para a adequação dos fabricantes de vestimentas de proteção para riscos químicos com agrotóxicos e os ensaios de laboratório são apenas uma das parcelas do processo. Adequações com relação ao tamanho, rotulagem e adequação das

5 instruções de uso devem no momento se constituir na principal preocupação antes de se enviar os materiais para análise. Maiores informações podem ser obtidas através do

ORIENTAÇÃO SOBRE INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS EM VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PARA RISCO QUÍMICO COM AGROTÓXICOS

ORIENTAÇÃO SOBRE INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS EM VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PARA RISCO QUÍMICO COM AGROTÓXICOS ORIENTAÇÃO SOBRE INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS EM VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PARA RISCO QUÍMICO COM AGROTÓXICOS MÉTODO UTILIZADO As orientações constantes deste documento são uma compilação das exigências

Leia mais

ISO 16602:2007 CLASSIFICAÇÃO, ETIQUETAGEM E DESEMPENHO DE VESTIMENTAS CONTRA RISCOS QUÍMICOS

ISO 16602:2007 CLASSIFICAÇÃO, ETIQUETAGEM E DESEMPENHO DE VESTIMENTAS CONTRA RISCOS QUÍMICOS 1 Tel/fa 16-3720-1033 email: lcpp@ipt.br Norma ISO 16602:2007 CLASSIFICAÇÃO, ETIQUETAGEM E DESEMPENHO DE VESTIMENTAS CONTRA RISCOS QUÍMICOS A Portaria 121 do MTE estabelece a partir de 1/10/2009, que vestimentas

Leia mais

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX 1 Sumário Treinamento específico e essencial.... 3 Manutenção, serviço e armazenamento.... 3 Inspeção... 3 Uso... 4 Tempo de vida do Produto.... 4 Garantia... 4

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

1. Trata-se de esclarecimento acerca da validade de Equipamento de Proteção, Individual - EPI e da validade do Certificado de Aprovação CA.

1. Trata-se de esclarecimento acerca da validade de Equipamento de Proteção, Individual - EPI e da validade do Certificado de Aprovação CA. MTE bfinistedo do Trabalho e Emprego Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho Coordenação-Geral de Normalização e Programas NOTA TÉCNICA N2 01 cm, /2015/CGNOR/DSST/SIT

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) Estabelece procedimentos para o credenciamento de laboratórios pelo Ministério do Trabalho

Leia mais

Parágrafo único. O prazo de validade do CA objeto de pedido de alteração será o mesmo do CA anteriormente concedido.

Parágrafo único. O prazo de validade do CA objeto de pedido de alteração será o mesmo do CA anteriormente concedido. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N.º 162, DE 12 DE MAIO DE 2006 (DOU de 16/05/06 Seção 1) Estabelece procedimentos para o cadastro de empresas e para a emissão

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: BIOCLEANER CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0120/5521 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 451, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 92)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 451, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 92) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA N.º 451, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 92) Estabelece procedimentos para o acesso ao sistema CAEPI - Certificado de Aprovação de Equipamento

Leia mais

1. Como saber se determinado equipamento/produto é considerado EPI?

1. Como saber se determinado equipamento/produto é considerado EPI? MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMATIZAÇÃO E PROGRAMAS 1. Como saber se determinado equipamento/produto

Leia mais

É importante ressaltar que o uso, desgaste, lavagem e as condições ambientais afetarão o desempenho deste tecido refletivo.

É importante ressaltar que o uso, desgaste, lavagem e as condições ambientais afetarão o desempenho deste tecido refletivo. Boletim Técnico Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Refletivo Prata 8912 Descrição O Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata 8912 foi desenvolvido para uso em vestuários de segurança e em roupas

Leia mais

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão Pulverizadores costais manuais Prof.: Brandão PULVERIZADORES COSTAIS Operação Manutenção Regulagem da pulverização PJH O QUE É UM PULVERIZADOR COSTAL MANUAL? - Os pulverizadores Costais Manuais são equipamentos

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

A legislação que trata de EPI no âmbito da segurança e saúde do trabalhador é estabelecida pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

A legislação que trata de EPI no âmbito da segurança e saúde do trabalhador é estabelecida pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Legislação sobre equipamentos de proteção individual (EPI) A legislação que trata de EPI no âmbito da segurança e saúde do trabalhador é estabelecida pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). A Lei

Leia mais

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR PROVA DE NÍVEL SUPERIOR CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior I - QUÍMICA 1. PPHO são os Procedimentos-Padrão de Higiene Operacional. Um bom plano de PPHO deve ser estruturado sobre alguns pontos básicos.

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (206.000-0/I0)

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (206.000-0/I0) NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (206.000-0/I0) 6.1 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora NR, considera-se Equipamento de Proteção Individual EPI, todo dispositivo ou produto, de

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 126, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2009 (D.O.U. de 03/12/09 - Seção 1 - Págs. 120 e

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002:

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002: Circular nº 006/2.002 São Paulo, 09 de Janeiro de 2.002 DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002: REGULAMENTA A LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989, QUE DISPÕE SOBRE A PESQUISA, A EXPERIMENTAÇÃO, A

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 -

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Informativo 21/2011 NR 12 NOVO ANEXO (XII - EQUIPAMENTOS DE GUINDAR PARA ELEVAÇÃO DE PESSOAS E REALIZAÇÃO DE TRABALHO

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO Accu-Lube LB-4500 CÓDIGO FISPQ-0505 REVISÃO 3 EMISSÃO 27/12/2010 APROVAÇÃO 27/12/2010 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Item 35.5 da NR-35 (Equipamentos de Proteção Individual, Acessórios e Sistemas de Ancoragem)

CONSULTA PÚBLICA Item 35.5 da NR-35 (Equipamentos de Proteção Individual, Acessórios e Sistemas de Ancoragem) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Item 35.5 (Equipamentos de Proteção Individual,

Leia mais

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha Isolantes de Índice Instruções Gerais EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) 5 8 Luvas Isolantes de Borracha 10 Mangas Isolantes de Borracha 12 EPC s (Equipamentos de Proteção Coletiva) 14 Manta Isolante

Leia mais

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12 (25/06/15):

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12 (25/06/15): COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12 (25/06/15): Com a publicação do texto revisado da Norma Regulamentadora 12, em 25 de Junho de 2015 pela Portaria MTE 857 do Ministério do Trabalho

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Este produto é uma composição de cargas minerais.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Este produto é uma composição de cargas minerais. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO UT-X FE POWDER CÓDIGO FISPQ-1616 REVISÃO 0 EMISSÃO 14/08/2012 APROVAÇÃO 14/08/2012 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC/ANVISA Nº 161, de 23 de junho de 2004.

RESOLUÇÃO RDC/ANVISA Nº 161, de 23 de junho de 2004. RESOLUÇÃO RDC/ANVISA Nº 161, de 23 de junho de 2004. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do Regulamento da ANVISA

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 05, de 07 de maio de 1982 17/05/82

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI 1. FINALIDADE: Regulamentar a utilização do Equipamento de Proteção Individual EPI, no âmbito do DEMLURB, a fim de proporcionar melhores

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 126, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2009 (D.O.U. de 03/12/09 Seção 1 Págs. 120 e 121)

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

CATÁLOGO INSTITUCIONAL SET. 2008 CATÁLOGO INSTITUCIONAL MEGAFORT INDUSTRIAL HIDRÁULICA LTDA. CILINDROS HIDRÁULICOS

CATÁLOGO INSTITUCIONAL SET. 2008 CATÁLOGO INSTITUCIONAL MEGAFORT INDUSTRIAL HIDRÁULICA LTDA. CILINDROS HIDRÁULICOS CATÁLOGO INSTITUCIONAL SET. 2008 CATÁLOGO INSTITUCIONAL MEGAFORT INDUSTRIAL HIDRÁULICA LTDA. CILINDROS HIDRÁULICOS Em processo de certificação ISO-9001/2000 A EMPRESA Estamos apresentando a MEGAFORT INDUSTRIAL

Leia mais

DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS

DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS Raquel Ströher 1, Ana Paula Ströher 2, João Walker Damasceno 3 RESUMO: No Brasil,

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA TELHAS CERÃMICAS E TELHAS DE CONCRETO Portaria Inmetro nº 005/2013

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA TELHAS CERÃMICAS E TELHAS DE CONCRETO Portaria Inmetro nº 005/2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade- Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Descontaminação de equipamentos Químico Agnaldo R. de Vasconcellos CETESB DEFINIÇÃO CONTAMINAÇÃO: contato

Leia mais

Regulação do Uso de Produtos e Processos para Recuperação de Ambientes Hídricos e Áreas Contaminadas

Regulação do Uso de Produtos e Processos para Recuperação de Ambientes Hídricos e Áreas Contaminadas RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA DIRETORIA DE QUALIDADE AMBIENTAL - DIQUA Regulação do Uso de Produtos e Processos para Recuperação de Ambientes Hídricos e Áreas Contaminadas Mesa Redonda N O 2 - Certificação

Leia mais

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO.

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. Márcia Cristina O Pereira Enfermeira encarregada da central de material esterilizado HMSL. Especialista em CC, CME, RA USP Mestrado em saúde do adulto - USP FINALIDADE DA

Leia mais

Manual de Instruções Depósito Horizontal D.H.

Manual de Instruções Depósito Horizontal D.H. Manual de Instruções Depósito Horizontal D.H. Atenção: é recomendável que este manual seja lido por todos que participarão direta ou indiretamente da utilização deste produto. CONHEÇA O NOSSO PRODUTO ASSUNTOS

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO Megaplasma Comercial Ltda. Rua Dom Joaquim de Melo, 274 - Moóca CEP 03122-050 - São Paulo - SP - Brasil Fone: (11) 2601-5502 - Fax: (11) 2601-0512 megaplasma@megaplasma.com.br www.megaplasma.com.br SPATTER

Leia mais

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso Vasos de Pressão Ruy Alexandre Generoso VASOS DE PRESSÃO DEFINIÇÃO: São equipamentos que contêm fluidos sob pressão, cujo produto P x V seja superior a 8. Em que: Pressão (Kpa) Volume (m 3 ) VASOS DE PRESSÃO

Leia mais

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções Tobogã com Escalada Mega Manual de instruções Código do produto: MT.10812 Recomendado para crianças de 03 a 15 anos Parabéns! Você acaba de adquirir um brinquedo da Mundi Toys. Prezando pela sua segurança

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO NEBULIZADOR PARA UTI J.P.J.

INSTRUÇÕES DE USO NEBULIZADOR PARA UTI J.P.J. INSTRUÇÕES DE USO NEBULIZADOR PARA UTI J.P.J. Nebulizador Traquéia Corrugada Ø= 22,0 mm. Máscara Anatômica (Adulto) Máscara Anatômica (Infantil) Traquéia Corrugada Ø= 15,0 mm. Descrição do conjunto nebulizador

Leia mais

NR-15 (Texto para Consulta Pública)

NR-15 (Texto para Consulta Pública) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para alteração da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Objetivos... 4 2 Introdução... 4 3 Cadastros... 5 3.1 Cadastros de Unidades de CME...

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária Página Inicial Pesquisa Avançada Publicações de Hoje Glossário título: Resolução RDC nº 161, de 23 de junho de 2004 ementa não oficial: Proíbe a partir de 1º de dezembro

Leia mais

Controlador de Garra Pneumática MTS Fundamental

Controlador de Garra Pneumática MTS Fundamental Controlador de Garra Pneumática MTS Fundamental Manual Title Manual Additional do Information Produto be certain. 100-238-337 A Informações sobre Direitos Autorais Informações sobre Marca Registrada 2011

Leia mais

Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI MASTER HARD SS Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere, 198

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS SANEANTES A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (REVOGACAO DA RES. GMC Nº 57/98)

REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS SANEANTES A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (REVOGACAO DA RES. GMC Nº 57/98) MERCOSUL/XLIII SGT N 11/P. RES. N /15 REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS SANEANTES A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (REVOGACAO DA RES. GMC Nº 57/98) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

Legislação sobre equipamentos de proteção individual (EPI)

Legislação sobre equipamentos de proteção individual (EPI) Legislação sobre equipamentos de proteção individual (EPI) A legislação que trata de EPI no âmbito da segurança e saúde do trabalhador é estabelecida pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). A Lei

Leia mais

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante NOME DO PRODUTO: Solução Titulante 1/12 FISPQ NRº. 28 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome Comercial do Produto: Solução Titulante Nome Químico: Solução Ácida a 0,1 N Nome da Empresa: Hidroazul

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE RECONSTRUÇÃO DE PNEU RADIAL E DIAGONAL PARA VEÍCULOS COMERCIAIS

MANUAL TÉCNICO DE RECONSTRUÇÃO DE PNEU RADIAL E DIAGONAL PARA VEÍCULOS COMERCIAIS MANUAL TÉCNICO DE RECONSTRUÇÃO DE PNEU RADIAL E DIAGONAL PARA VEÍCULOS COMERCIAIS www.pirelli.com.br MANUAL TÉCNICO DE RECONSTRUÇÃO NOVATECK ÍNDICE 1. TIPOS DE CONSTRUÇÃO 1.1. Nomenclatura das principais

Leia mais

Verano. guarda-sóis manual de troca de corda

Verano. guarda-sóis manual de troca de corda Verano guarda-sóis manual de troca de corda Verano guarda-sóis manual de troca de corda Instruções gerais e de segurança Leia as instruções de montagem Apesar dos produtos Stobag serem de fácil montagem,

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) BORRACHA NATURAL SVR 3L Página 1 de 5

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) BORRACHA NATURAL SVR 3L Página 1 de 5 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Borracha Natural SVR 3L Empresa: Kalium Chemical Com. Import. E Export. Ltda Matriz: Av. das Nações Unidas, 10.989 Conj. 141-14º andar Parte

Leia mais

01 Identificação do produto e da Empresa. 02 Composição e informações sobre os ingredientes. 03 Identificação de perigos

01 Identificação do produto e da Empresa. 02 Composição e informações sobre os ingredientes. 03 Identificação de perigos Página: 01/05 01 Identificação do produto e da Empresa Natureza Química : Limpador de Uso Geral Autorização de Funcionamento / MS : nº 3.02.599-9 Registro no Ministério da Saúde : 3.2599.0103.001-4 Aceita

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91. Portaria DSST n.º 03, de 20 de fevereiro de 1992 21/02/92

Portaria DSST n.º 05, de 28 de outubro de 1991 30/10/91. Portaria DSST n.º 03, de 20 de fevereiro de 1992 21/02/92 NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 05, de 07 de maio de 1982 17/05/82

Leia mais

Legal. sobre saúde e segurança do produtor e proteção da criança e do adolescente. Legal. Crescer

Legal. sobre saúde e segurança do produtor e proteção da criança e do adolescente. Legal. Crescer Crescer Legal RS Baseado no Termo de Compromisso firmado em 15 de dezembro de 2008 perante o Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Sul pelas empresas associadas ao SindiTabaco (Sindicato Interestadual

Leia mais

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Procedimentos Instrução

Leia mais

Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015.

Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015. Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015. Assunto: Orientações sobre os procedimentos para solicitação de alterações na lista de alimentos alergênicos. I. Introdução. A Resolução de Diretoria Colegiada

Leia mais

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões Pag: 1/20 SGI Manual Controle de Padrões Pag: 2/20 Sumário 1 Introdução...3 2 Cadastros Básicos...5 2.1 Grandezas...5 2.2 Instrumentos (Classificação de Padrões)...6 3 Padrões...9 3.1 Padrão Interno...9

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MSDS MATERIAL SAFETY DATA SHEET ABNT NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MSDS MATERIAL SAFETY DATA SHEET ABNT NBR 14725 Página 01/05 Ribeirão Preto SP Brasil Cep:14075-450 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO CRISTAL WAX BIODEGRADÁVEL TELEFONE DA EMPRESA NOME DO FABRICANTE Tel / Fax: (16) 3663-8620

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

Atualmente o uso desses é regulamentado pela NR-6 (Norma Regulamentadora).

Atualmente o uso desses é regulamentado pela NR-6 (Norma Regulamentadora). Introdução Os acidentes do trabalho constituem a face visível de um processo de desgaste e destruição física de parcela da força de trabalho no sistema capitalista. O Brasil, depois de ocupar durante a

Leia mais

Introdução. adsorção física, a adsorção química, a absorção e a catálise.

Introdução. adsorção física, a adsorção química, a absorção e a catálise. QUAL O CRITÉRIO QUE VOCÊ USA PARA TROCAR OS CARTUCHOS? Introdução Parte integrante do respirador que tem como função a retenção de gases e vapores. A retenção é feita através das reações com os contaminantes.

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: FOSFATO DE CÁLCIO MONOBÁSICO H 2O - Código interno de identificação do produto: F1027 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios

Leia mais

BEBEDOURO COMPRESSOR PRESSÃO MASTERFRIO MODELOS MF40 & MFA40 MANUAL DE INSTRUÇÕES

BEBEDOURO COMPRESSOR PRESSÃO MASTERFRIO MODELOS MF40 & MFA40 MANUAL DE INSTRUÇÕES BEBEDOURO COMPRESSOR PRESSÃO MASTERFRIO MODELOS MF40 & MFA40 MANUAL DE INSTRUÇÕES Prezado Cliente, A MASTERFRIO cumprimenta-o pela escolha feita ao comprar nosso bebedouro. Tudo foi feito para que este

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

O que são os Ensaios Não Destrutivos

O que são os Ensaios Não Destrutivos Resumo Nesse relatório vamos identificar as descontinuidade de uma peça usando ensaio por líquidos penetrantes, o qual consiste na aplicação do líquido penetrante e de um revelador que irá identificar

Leia mais

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor 1. Junta de expansão de fole com purga de vapor d água Em juntas de expansão com purga da camisa interna, para

Leia mais

Para que possam oferecer a protecção adequada os produtos deverão ser:

Para que possam oferecer a protecção adequada os produtos deverão ser: proteção facial Proteção Facial Porquê o uso de viseiras? As viseiras são concebidas para proteger os olhos e o rosto. A protecção pode ser conferida através de uma rede metálica de malha fina ou em material

Leia mais

WORKSHOP IMPACTOS DA NOVA REDAÇÃO DA NR

WORKSHOP IMPACTOS DA NOVA REDAÇÃO DA NR WORKSHOP IMPACTOS DA NOVA REDAÇÃO DA NR 12 Saúde e Segurança no Trabalho SST Outubro / 2013 QUEM MEXEU NA MINHA MÁQUINA 2 ALTERAÇÃO DA NR 12 Publicada no DOU do dia 24/12/2010 pela Portaria nº 197, estabelece

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DO ENXOVAL HOSPITALAR. ENFª ELISABETE REINEHR Março 2015

DIMENSIONAMENTO DO ENXOVAL HOSPITALAR. ENFª ELISABETE REINEHR Março 2015 DIMENSIONAMENTO DO ENXOVAL HOSPITALAR ENFª ELISABETE REINEHR Março 2015 ENXOVAL HOSPITALAR É o conjunto de roupas utilizadas pelos hospitais com a finalidade de atender os diversos serviços e procedimentos

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM PÓ (Limão, Pinho, Clássico, Lavanda, Bouquet e Laranja)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM PÓ (Limão, Pinho, Clássico, Lavanda, Bouquet e Laranja) Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Sapólio Radium Pó Códigos Internos: Limão: 14001 / 14017 Pinho: 14005 / 14018 Clássico: 14033 Lavanda: 14031 Bouquet: 14030 Laranja: 14032

Leia mais

SEGURANÇA DO APLICADOR DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS

SEGURANÇA DO APLICADOR DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA SEMINÁRIO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA I SEGURANÇA DO APLICADOR

Leia mais

Solares. guarda-sóis manual de troca de corda

Solares. guarda-sóis manual de troca de corda Solares guarda-sóis manual de troca de corda Solares guarda-sóis manual de troca de corda Instruções gerais e de segurança Leia as instruções de montagem Apesar dos produtos Stobag serem de fácil montagem,

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

NR 12 - Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos

NR 12 - Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos Ministério do Trabalho e Emprego Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho NR 12 - Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos Fabricação, Importação, Comércio

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico RESINA UNILENE. Resina Unilene. Basile Química Ind. e Com. Ltda.

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico RESINA UNILENE. Resina Unilene. Basile Química Ind. e Com. Ltda. Folha: 1 / 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Resina Unilene Resina Unilene A-80, Resina Unilene A-90, Resina unilene A-100, Resina Unilene AC-100, Resina Unilene

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos REVISÃO 03 DATA DA REVISÃO: 26/06/2011 ACABAMENTO EPÓXI PARTE B FISPQ - 061 ACABAMENTO

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos REVISÃO 03 DATA DA REVISÃO: 26/06/2011 ACABAMENTO EPÓXI PARTE B FISPQ - 061 ACABAMENTO FISPQ - 061 ACABAMENTO EPOXI - Parte B 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Fabricante: Aderência Pisos e Revestimentos Ltda. Endereço: Rua Dr. Sebastião Carlos Arantes, 35 São Paulo SP CEP 04624-130 Telefone:

Leia mais

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) LIMPA VIDROS MARANSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA:

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) LIMPA VIDROS MARANSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1 Nome Comercial: Limpa Vidros Maranso 1.2 Código de Venda: 016 1.3 Nome do Fabricante: QOB MATERIAIS DOMISSANEANTES LTDA EPP Rua Ministro Joaquim Antunes, S/N

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

Filtros de Bolsas. Para Montagem em Dutos F3-003 TROX DO BRASIL LTDA.

Filtros de Bolsas. Para Montagem em Dutos F3-003 TROX DO BRASIL LTDA. F3-003 Filtros de Bolsas Para Montagem em Dutos TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 05 05509-005 São Paulo SP Fone: (11) 3037-30 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br www.troxbrasil.com.br

Leia mais

Capacetes de Segurança 3M H-700

Capacetes de Segurança 3M H-700 Capacetes de Segurança 3M H-700 CA 29.637 (versão c/ ventilação) CA 29.638 (versão s/ ventilação) DESCRIÇÃO GERAL: O capacete de segurança 3M H-700 é composto de: Casco ventilado ou sem ventilação (ambos

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (206.000-0/I0)

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (206.000-0/I0) NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (206.000-0/I0) * NR aprovada pela Portaria MTb 3.214/1978. * Texto de acordo com a Portaria SIT/DSST 25/2001. * V. Portaria SIT/DSST 162/2006 (Estabelece procedimentos

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO UMIDIFICADOR DE POLIPROPILENO MORIYA

INSTRUÇÕES DE USO UMIDIFICADOR DE POLIPROPILENO MORIYA INSTRUÇÕES DE USO UMIDIFICADOR DE POLIPROPILENO MORIYA APRESENTAÇÃO Os Umidificadores - Moriya foram concebidos e fabricados sob conceitos internacionais de qualidade e tecnologia. E estão disponíveis

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO FISPQ

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO FISPQ 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA - Identificação do Produto: Página: 1 / 5 Nome do produto ou Nome Comercial: HAGEN SUPERFLEXÍVEL Uso da Substância/Preparação: Produto para construção e indústria.

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) DETERGENTE NEUTRO MALTEX

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) DETERGENTE NEUTRO MALTEX Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) 01/06 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto:. Aplicação: Utilizado para limpeza manual de louças e remoção de resíduos de

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares LEI DE ELIMINAÇÃO CONTROLADA DE PCBs LEI Nº 12.288, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2006. Projeto de lei nº 871/2005, do Deputado João Caramez - PSDB Dispõe sobre a eliminação controlada dos PCBs e dos seus resíduos,

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) Transcrito pela Nutri Safety * 6.1 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI, todo

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 16, DE 21 DE MARÇO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 16, DE 21 DE MARÇO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 16, DE 21 DE MARÇO DE 2012

Leia mais

Válvulas de Segurança 3/2 vias DM² C

Válvulas de Segurança 3/2 vias DM² C Válvulas de Segurança 3/2 vias DM² C Isolamento da Energia Pneumática Categoria 4 Líder na Tecnologia de Válvulas de Segurança Desde 1950 2005 Tecnologia e experiência 1995 2000 1980 1976 1967 1962 1954

Leia mais

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014.

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

CAPACETE DE SEGURANÇA 2000/2010

CAPACETE DE SEGURANÇA 2000/2010 CAPACETE DE SEGURANÇA 2000/2010 DESCRIÇÃO GERAL: O capacete de segurança 2000/2010 é composto de: Casco (com ou sem tira refletiva), Suspensão (com ajuste simples ou com catraca), Tira de absorção de suor,

Leia mais