MARINHA ORDEM DA ARMADA 1.ª SÉRIE. OA1 N.º de novembro de 2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARINHA ORDEM DA ARMADA 1.ª SÉRIE. OA1 N.º de novembro de 2016"

Transcrição

1 MARINHA ORDEM DA ARMADA 1.ª SÉRIE OA1 N.º de novembro de 2016 O Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada determina e manda publicar o seguinte: Louvores, Condecorações e Prémios 1 Exonerações e Nomeações 6 Promoções e Graduações de Oficiais 7 Legislação 10 Actos de Hierarquia Superior ao Chefe do Estado-Maior da Armada 11 Portarias, Directivas e Despachos do Chefe do Estado-Maior da Armada 13 Outros Actos Internos 25

2 Louvores, Condecorações e Prémios Louvores: Louvor n.º 502/2016: LOUVO O CAPITÃO-TENENTE, NII 25290, JORGE MIGUEL MORAIS CHUMBO. Louvo o Capitão-tenente, NII 25290, Jorge Miguel Morais Chumbo, pela forma extraordinariamente competente e eficaz com que exerceu o comando do N.R.P. Viana do Castelo, sob a égide da Agência FRONTEX, na Operação TRITON e na Operação ÍNDALO, nos períodos compreendidos, respetivamente, de 28 de outubro a 5 de dezembro de 2014 e de 29 de julho a 02 de setembro de Detentor de sólida formação militar e de um marcado caráter, de onde a perseverança, a determinação, o espírito de iniciativa, a permanente disponibilidade para o serviço e a elevada capacidade de trabalho se destacam, o Capitão -tenente Morais Chumbo pautou a sua conduta, durante o empenhamento nestas operações, por níveis assinaláveis de profissionalismo, dedicação e sentido de responsabilidade. Oficial possuidor de uma relevante experiência na área das operações navais soube, de forma inteligente e pragmática, aplicar o seu valorizado conhecimento nos processos de planeamento e condução de operações que, aliadas às qualidades de liderança que possui, permitiram ao N.R.P. Viana do Castelo, cumprir de forma exemplar uma operação combinada na fronteira externa europeia. Esteve empenhado em ações de controlo dos fluxos migratórios para o espaço Schengen e de combate ao crime transfronteiriço, tendo efetuado cerca de mil e trinta e cinco horas de patrulha no Mediterrâneo Ocidental e no Mediterrâneo Central, num total de mais de mil e trezentas horas de navegação, merecendo especial relevância a participação em ações de busca e salvamento em que foram salvas quinhentas e noventa e cinco pessoas. Face ao anteriormente exposto, louvo o Capitão-tenente Morais Chumbo pelo seu elevado empenho, competência e eficácia com que, no desempenho das exigentes funções de comando no mar, participou nas Operações TRITON e ÍNDALO, em que alcançou extraordinários resultados, contribuindo significativamente para a eficiência, prestígio e cumprimento da missão do Estado-Maior-General das Forças Armadas. 15 de março de O Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, Artur Pina Monteiro, General. (Publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 220, de 16 de novembro de 2016, pelo Ministério da Defesa Nacional Estado-Maior-General das Forças Armadas) Louvor n.º 503/2016: LOUVO O SARGENTO-MOR, NII , CARLOS ALBERTO DE JESUS MATIAS. Louvo o Sargento-mor, NII , Carlos Alberto de Jesus Matias, pela forma altamente honrosa e brilhante como desempenhou as diversas funções de que foi incumbido ao longo da sua carreira militar que durou cerca de 37 anos. Incorporado em 24 de janeiro de 1979, desempenhou várias funções ligadas à sua especialidade de Condutor Mecânico de Automóveis, onde demonstrou ser possuidor de ótimas qualidades de trabalho e espírito de missão. Em setembro de 2009, colocado na Unidade de Apoio/Estado-Maior-General das Forças Armadas, assume as funções de Chefe da Secção de Transportes, funções que desempenhou até março de 2016, data a partir da qual deixa a Efetividade de Serviço. 1

3 Durante o desempenho das suas funções como Chefe da Secção de Transportes da Unidade de Apoio/EMGFA, foi responsável perante o Comando pela gestão das viaturas colocadas à disposição do parque auto do EMGFA e dos praças e civis condutores do seu serviço, soube sempre em cada situação, decidir de forma elevada os conflitos de interesse, que se lhe depararam no dia-a-dia apresentando superiormente soluções e propostas que se verificaram serem as mais indicadas e onde se confirmou a existência de bom senso e real conhecimento dos homens e viaturas que de si dependiam. Zelando para que a imagem do EMGFA, junto das entidades que nos visitam ou são objeto dos nossos serviços seja a melhor possível, atendendo ao material e recursos disponíveis, tornando-se, por esse facto um precioso colaborador do Chefe do Serviço de Apoio Geral, da Unidade de Apoio, em particular e do EMGFA em geral. Face ao anteriormente exposto, é de toda a justiça reconhecer publicamente as excecionais qualidades e virtudes militares e pessoais que creditam o Sargento-mor Jesus Matias como sendo um Militar que pautou sempre a sua atuação pela afirmação constante de elevados dotes de caráter, em que se revelam a lealdade, o espírito de sacrifício, a abnegação e a coragem física e moral, devendo por isso os serviços por si prestados serem considerados extraordinários e importantes, de que resultou honra e lustre para as Forças Armadas e para Portugal. 11 de abril de O Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, Artur Pina Monteiro, General. (Publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 220, de 16 de novembro de 2016, pelo Ministério da Defesa Nacional Estado-Maior-General das Forças Armadas) Louvor n.º 500/2016: LOUVO O SARGENTO-AJUDANTE, NII , ANTÓNIO MANUEL COELHO DUARTE. Louvo o Sargento-ajudante, NII , António Manuel Coelho Duarte, pela elevada competência técnico-profissional, extraordinário desempenho, espírito de missão e relevantes qualidades pessoais demonstradas no cumprimento das funções de Arquivista/Amanuense do Gabinete do Adido de Defesa em Díli, entre 01 de agosto de 2012 e 31 de julho de Durante a sua comissão soube sempre manter uma elevada postura, quer pela sua dedicação, alto desempenho e uma permanente disponibilidade para com o serviço, contribuindo assim de forma significativa para a eficácia da missão do Gabinete do Adido de Defesa em Díli, isto associado ao forte elo criado com os serviços de ligação protocolares militares de Timor-Leste. Teve ainda uma parte importante e ativa no apoio dado, na condução dos processos dos ex-militares timorenses do Exército Português, de grande complexidade, difícil resolução e até algum desgaste emocional, tendo com isso mantido um excelente relacionamento com o Povo Timorense. No plano militar correspondeu sempre com prontidão e profissionalismo às exigências que lhe foram sendo colocadas, e demonstrou uma lealdade e disciplina incensuráveis, reveladoras do seu bom carácter, o que muito se apraz registar. No relacionamento com os demais militares e civis pautou o seu comportamento pela forma cordial e respeitosa, que assim, granjeou a estima e admiração de elementos que com ele privaram e trabalharam, contribuindo desta forma para a dignificação da imagem das Forças Armadas Portuguesas. Face ao que antecede, é de toda a justiça reconhecer publicamente as excecionais qualidades e virtudes pessoais que creditam o Sargento-ajudante Coelho Duarte como sendo um profissional de referência e um excelente colaborador do Adido de Defesa, cujos serviços por si prestados contribuíram decisivamente para a eficiência e cumprimento da missão do Estado-Maior-General das Forças Armadas e para o prestígio de Portugal em Timor-Leste. 7 de março de O Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, Artur Pina Monteiro, General. (Publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 220, de 16 de novembro de 2016, pelo Ministério da Defesa Nacional Estado-Maior-General das Forças Armadas). 2 2

4 Condecorações: OA1 N.º 53/ Medalha Militar de Serviços Distintos - Prata Portaria n.º 391/2016: CONCESSÃO DE MEDALHA SERVIÇOS DISTINTOS, GRAU PRATA, AO CFR BRUNO ANTÓNIO TEIXEIRA RODRIGUES FERREIRA TELES. Louvo o Capitão-de-fragata Bruno António Teixeira Rodrigues Ferreira Teles, pela forma extraordinariamente competente e empenhada como desempenhou, entre 6 de dezembro de 2013 e 12 de outubro de 2016, as funções que lhe foram atribuídas na Direção de Serviços de Cooperação no Domínio da Defesa da Direção-Geral de Política de Defesa Nacional (DGPDN). Neste período, em que exerceu as funções de gestor dos Programas-Quadro da cooperação técnico-militar (CTM) com Angola e com Cabo Verde, o Capitão-de-fragata Bruno Teles revelou excecional dedicação e competência na área do planeamento, coordenação e avaliação da execução da política de CTM, mercê dos seus notáveis conhecimentos e da sua permanente dedicação e espírito de bem servir. Militar metódico, sereno e com grande capacidade organizativa, durante a sua permanência na DGPDN, demonstrou de forma inequívoca um excecional zelo e aptidão para bem servir nas mais diversas circunstâncias, sendo de salientar que a sua ação contribuiu decisivamente para o sucesso da implementação de uma nova metodologia e de um novo modelo organizacional para a condução da cooperação bilateral no domínio da Defesa com os países de língua portuguesa. Relevam-se, ainda, as suas qualidades humanas e a perseverança da ação enquanto responsável direto pelo apoio aos assessores militares afetos aos projetos de CTM pelos quais era responsável, denotando, de forma extraordinária, uma preocupação constante pela sua segurança, bem-estar e melhoria das condições de desempenho das respetivas missões. Atendendo à sua irrepreensível conduta, lealdade, honestidade intelectual e permanente e esclarecido apoio ao Diretor-Geral de Política de Defesa Nacional e às demais unidades orgânicas da DGPDN, merece o Capitão-de-fragata Bruno Teles a estima e o respeito de todos os que com ele tiveram o privilégio de trabalhar. Pelo acima exposto, pelas suas excecionais qualidades pessoais e militares e pelo seu excelente nível de desempenho, considero de toda a justiça dar público testemunho da forma como o Capitão-de-fragata Bruno Teles desempenhou as suas funções na DGPDN, dela resultando prestígio, honra e lustre para as Forças Armadas e para Portugal, devendo tais serviços ser considerados extraordinários, relevantes e distintos. Assim, nos termos da competência que me é conferida pelo n.º 1 do artigo 34.º, atento o disposto nos artigos 13.º e na alínea b) do n.º 1 do artigo 16.º, todos do Regulamento da Medalha Militar e das Medalhas Comemorativas das Forças Armadas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 316/2002, de 27 de dezembro, concedo a medalha de serviços distintos, de grau prata, ao Capitão-de-fragata Bruno António Teixeira Rodrigues Ferreira Teles. 25 de outubro de O Ministro da Defesa Nacional, José Alberto de Azeredo Ferreira Lopes. (Publicada no Diário da República, 2.ª série, n.º 216, de 10 de novembro de 2016, pelo Ministério da Defesa Nacional - Gabinete do Ministro). Medalha Militar de Serviços Distintos - Cobre Despacho n.º 13738/2016: CONDECORA COM A MEDALHA MILITAR DE SERVIÇOS DISTINTOS, GRAU COBRE, O SARGENTO-MOR (104779), CARLOS ALBERTO DE JESUS MATIAS. O Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, nos termos dos artigos 13.º, 17.º e 34.º do Regulamento da Medalha Militar e das Medalhas Comemorativas das Forças 3 3

5 Armadas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 316/2002, de 27 de dezembro, condecora com a Medalha Militar de Serviços Distintos, Grau Cobre, o Sargento-mor (104779), Carlos Alberto de Jesus Matias. 11 de abril de O Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, Artur Pina Monteiro, General. (Publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 220, de 16 de novembro de 2016, pelo Ministério da Defesa Nacional Estado-Maior-General das Forças Armadas). Medalha da Cruz de S. Jorge - 2.ª Classe Despacho n.º 13733/2016: CONDECORA COM A MEDALHA CRUZ DE SÃO JORGE, SEGUNDA CLASSE, O CAPITÃO-TENENTE (25290), JORGE MIGUEL MORAIS CHUMBO. O Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, nos termos dos artigos 25.º, 26.º, 27.º e 34.º do Regulamento da Medalha Militar e das Medalhas Comemorativas das Forças Armadas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 316/2002, de 27 de dezembro, condecora com a Medalha Cruz de São Jorge, Segunda Classe, o Capitão-tenente (25290), Jorge Miguel Morais Chumbo. 15 de março de O Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, Artur Pina Monteiro, General. (Publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 220, de 16 de novembro de 2016, pelo Ministério da Defesa Nacional Estado-Maior-General das Forças Armadas). Medalha da Cruz de S. Jorge - 4.ª Classe Despacho n.º 13728/2016: CONDECORA COM A MEDALHA CRUZ DE SÃO JORGE, QUARTA CLASSE, O SARGENTO-AJUDANTE (429284), ANTÓNIO MANUEL COELHO DUARTE. O Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, nos termos dos artigos 25.º, 26.º, 27.º e 34.º do Regulamento da Medalha Militar e das Medalhas Comemorativas das Forças Armadas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 316/2002, de 27 de dezembro, condecora com a Medalha Cruz de São Jorge, Quarta Classe, o Sargento-ajudante (429284), António Manuel Coelho Duarte. 7 de março de O Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, Artur Pina Monteiro, General. (Publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 220, de 16 de novembro de 2016, pelo Ministério da Defesa Nacional Estado-Maior-General das Forças Armadas). Medalha Vasco da Gama Portaria n.º 422/2016: 1 CONCEDE A MEDALHA VASCO DA GAMA AO PRIMEIRO-TENENTE ST-ERH PAULO JORGE DOS ANJOS FRAGOSO. Artigo único 1 O Despacho n.º 26/2012, de 19 de abril, do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, publicado na Ordem da Armada, 1.ª série, n.º 18, de 2 de maio, aprovou o regulamento do prémio Vasco da Gama, o qual se destina a galardoar anualmente, no 4 4

6 âmbito da Escola Naval, o elemento do Corpo Docente que, no final de cada ano letivo, tenha desenvolvido, quer no âmbito das suas atividades académicas quer nas de investigação científica, um trabalho considerado como relevante e de elevado mérito. 2 O júri, constituído nos termos do artigo 5.º do regulamento do prémio Vasco da Gama aprovado pelo despacho supramencionado, deliberou na sua sessão de 19 de outubro de 2016 propor a atribuição do prémio Vasco da Gama ao Primeiro-tenente ST-ERH Paulo Jorge dos Anjos Fragoso. 3 Assim, nos termos do artigo 3.º do Decreto n.º , de 11 de junho de 1969, que estatui a Medalha Vasco da Gama, e em conformidade com a decisão do júri da Escola Naval, concedo a Medalha Vasco da Gama ao Primeiro-tenente ST-ERH Paulo Jorge dos Anjos Fragoso O Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, Luís Manuel Fourneaux Macieira Fragoso, Almirante. (Publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 220, de 16 de novembro de 2016, pelo Ministério da Defesa Nacional Marinha). 1 Publicada antecipadamente na OA1 n.º 52/16 de 9 de novembro. 5 5

7 Exonerações e Nomeações Portaria n.º 416/2016: NOMEAÇÃO DO COMODORO JOSÉ ANTÓNIO CROCA FAVINHA. Manda o Governo, pelos Ministros dos Negócios Estrangeiros e da Defesa Nacional, por proposta do Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, nos termos da alínea a) do n.º 3 do artigo 1.º, dos artigos 2.º, 5.º e 7.º do Decreto -Lei n.º 55/81, de 31 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 232/2002, de 2 de novembro, o seguinte: 1 Nomear o Comodoro José António Croca Favinha para o cargo «OMC GXP 0010 DCOS PLANS», no Maritime Command Headquarter (MARCOM), em Northwood, Reino Unido, em substituição do Contra-Almirante João Luís Rodrigues Dores Aresta, que fica exonerado do cargo a partir da data em que o militar ora nomeado assuma funções. 2 Nos termos do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto -Lei n.º 55/81, de 31 de março, a duração normal da missão de serviço correspondente ao exercício deste cargo é de três anos, sem prejuízo da antecipação do seu termo pela ocorrência de facto superveniente que obste ao seu decurso normal. 3 A presente portaria produz efeitos a partir de 11 de novembro de de novembro de O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Ernesto Santos Silva. O Ministro da Defesa Nacional, José Alberto de Azeredo Ferreira Lopes. (Publicada no Diário da República, 2.ª série, n.º 220, de 16 de novembro de 2016, pelo Ministério da Defesa Nacional Marinha). 6 6

8 Promoções e Graduações de Oficiais Despacho n.º 13592/2016: INGRESSO DE MILITAR NA CATEGORIA DE OFICIAIS DA CLASSE DO SERVIÇO TÉCNICO, NO POSTO DE SUBTENENTE. Manda o Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, ao abrigo da alínea c) do n.º 1 do artigo 72.º do Estatuto dos Militares das Forças Armadas (aprovado pelo Decreto-Lei n.º 90/2015, de 29 de maio), e de acordo com o estipulado no n.º 1 do artigo 169.º, ingressar na categoria de oficial, no posto de subtenente da classe do Serviço Técnico, a contar de 1 de outubro de 2016, de acordo com o artigo 196.º do mesmo estatuto, o seguinte militar: Marco Paulo da Cruz Alves O ingresso produz efeitos remuneratórios a contar de 1 de outubro de 2016, data a partir da qual lhe conta a respetiva antiguidade e lhe são devidos os vencimentos do novo posto, de acordo com o disposto no n.º 2 do artigo 72.º do EMFAR, ficando colocado na 1.ª posição remuneratória do novo posto, conforme previsto no n.º 1 do artigo 8.º do Decreto-Lei n.º 296/2009, de 14 de outubro. Este militar, uma vez ingressado, deverá ser colocado na lista de antiguidade do seu posto e classe à esquerda do subtenente da classe do Serviço Técnico Ruben Filipe Nunes Rosas O Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, Luís Manuel Fourneaux Macieira Fragoso, Almirante. (Publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 218, de 14 de novembro de 2016, pelo Ministério da Defesa Nacional - Marinha) Despacho n.º 13593/2016: INGRESSO DE MILITARES NOS QUADROS PERMANENTES NA CATEGORIA DE OFICIAIS DA CLASSE DE TÉCNICOS DE SAÚDE. Manda o Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, ao abrigo da alínea c) do n.º 1 do artigo 72.º do Estatuto dos Militares das Forças Armadas (aprovado pelo Decreto-Lei n.º 90/2015, de 29 de maio), de acordo com o estipulado no n.º 1 do artigo 169.º, no n.º 6 do artigo 202.º e conforme o estabelecido no artigo 5.º do preâmbulo do mesmo estatuto, conjugado com o disposto no artigo 15.º da Portaria n.º 379/2015, de 22 de outubro, ingressar nos quadros permanentes no posto de subtenente da classe de Técnicos de Saúde, a contar de 1 de outubro de 2016, de acordo com o n.º 1 do artigo 196.º do mesmo estatuto os seguintes militares: , Augusto Pires de Oliveira , Jorge Adelino da Cunha Ribeiro Pires , Victor Manuel Morais Pontes , Francisco Monteiro Damas Westermann , Joaquim Marques Machado , José Augusto Ribeirinho Bizarro , Pedro Jorge Lopes Teixeira Carlos , João Carlos Gil Mendes , Rui Alberto Velada Cunha , Rui Manuel Freitas Ribeiro , Francisco José Gama Pinto Pereira , António Manuel Ribeiro Marques Lopes , Pedro Luís Quintaneiro Carriço , Luís António Rodrigues Pereira , Carlos Manuel Rodrigues Simões 7 7

9 905889, Paulo Jorge Germano Leal , João Leandro Farinha Agostinho , Fernando Manuel Esteves , Fernando Manuel Dias Melo , Jorge Manuel Dionísio Nunes , José Martinho Garcia Pires , Luís Manuel Azevedo Martins , Luís Miguel Aquino Rodrigues (em supranumerário). O ingresso produz efeitos remuneratórios a contar de 1 de outubro de 2016, mantendo os militares a sua posição remuneratória de origem até atingirem uma posição remuneratória igual ou superior na categoria de oficiais., nos termos do n.º 2 do artigo 5.º do preâmbulo do EMFAR, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 90/2015, de 29 de maio. Estes militares, uma vez ingressados, deverão ser colocados na lista de antiguidade do seu posto e classe tal como vão ordenados O Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, Luís Manuel Fourneaux Macieira Fragoso, Almirante. (Publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 218, de 14 de novembro de 2016, pelo Ministério da Defesa Nacional - Marinha). Estado-Maior da Armada, em 16 de novembro de 2016 O SUBCHEFE DO ESTADO-MAIOR DA ARMADA, INTERINO Mário José Simões Marques Comodoro 8 8

10 ÍNDICE DOS ANEXOS ANEXO A - Legislação Diversa (Sumário). Página_10 ANEXO B - Portaria n.º 391/2016: United Nations Assistance Mission in Afghanistan UNAMA. Página_11 ANEXO C - Despacho n.º 13591/2016: Acumulação de cargos na Autoridade Marítima Nacional. Página_12 ANEXO D - Despacho do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, n.º 83/16, de 9 de novembro: Livros e Publicações da Marinha Lista da Armada. Página_13 ANEXO E - Despacho do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, n.º 84/16, de 15 de novembro: Quadros Especiais para Alteração. Página_14 ANEXO F - Despacho n.º 13499/2016: Procede à subdelegação de competências do Chefe do Estado- Maior da Armada no Diretor de Navios. Página_16 ANEXO G - Despacho n.º 13500/2016: Procede à subdelegação de competências do Chefe do Estado- Maior da Armada no Superintendência do Pessoal. Página_18 ANEXO H - Despacho n.º 13669/2016: Procede à subdelegação de competências do Chefe do Estado- Maior da Armada no Diretor de Abastecimento. Página_23 ANEXO I - Despacho n.º 13450/2016: Despacho de subdelegação de competências do Superintendente das Finanças no Diretor de Administração Financeira, interino. Página_25 ANEXO J - Despacho n.º 13501/2016: Despacho de subdelegação de competências do Comandante da Esquadrilha de Navios de Superfície no Comandante do NRP Auriga. Página_26 ANEXO K - Despacho n.º 13502/2016: Despacho de subdelegação de competências do Comandante da Esquadrilha de Navios de Superfície no Comandante do NRP Figueira da Foz. Página_27 ANEXO L - Despacho n.º 13503/2016: Despacho de subdelegação de competências do Comandante da Esquadrilha de Navios de Superfície no Comandante do NRP Schultz Xavier. Página_28 ANEXO M - Despacho n.º 13504/2016: Despacho de subdelegação de competências do Comandante da Esquadrilha de Navios de Superfície no Comandante do NRP Bartolomeu Dias. Página_29 ANEXO N - Despacho n.º 13505/2016: Despacho de subdelegação de competências do Comandante Naval no Comandante do Corpo de Fuzileiros. Página_30 ANEXO O - Despacho n.º 13506/2016: Despacho de subdelegação de competências do Comandante Naval no Comandante da Esquadrilha de Navios de Superfície. Página_31 ANEXO P - Despacho n.º 13594/2016: Despacho de subdelegação de competências do Comandante da Esquadrilha de Navios de Superfície no Comandante do NRP António Enes. Página_32 9

11 ANEXO Q - Despacho n.º 13595/2016: Despacho de subdelegação de competências do Comandante da Esquadrilha de Navios de Superfície no Comandante do NRP Jacinto Cândido. Página_33 10

12 Legislação Legislação Diversa (Sumário) Diário da República, 2.ª série, n.º 218, de 14 de novembro de 2016: MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL E AMBIENTE Despacho n.º 13610/2016: Atribuição do Prémio Defesa Nacional e Ambiente

13 Atos de Hierarquia Superior ao Chefe do Estado-Maior da Armada Portaria n.º 391/2016: UNITED NATIONS ASSISTANCE MISSION IN AFGHANISTAN UNAMA. PAA 30 (A) - V Portugal, como membro da Organização das Nações Unidas (ONU), permanece empenhado no cumprimento dos compromissos internacionais assumidos por esta Organização, no âmbito militar, nomeadamente através da participação em missões humanitárias e de paz. Mantendo-se a conjuntura que determinou a participação de Portugal na missão de assistência das Nações Unidas no Afeganistão, designada por United Nations Assistance Mission in Afghanistan (UNAMA), autorizada pela Portaria n.º 829/2008, de 24 de julho, publicada no Diário da República, 2.ª série, n.º 197, de 10 de outubro de 2008, alterada pela Portaria n.º 781/2015, de 30 de setembro, publicada no Diário da República, 2.ª série, n.º 200, de 13 de outubro de 2015, e no sentido de responder positivamente a uma solicitação feita pela ONU ao Estado português, verifica-se a necessidade de aumentar a participação nacional nesta missão com um militar, tendo em vista assegurar o desempenho das funções de vice-chefe dos conselheiros militares (Deputy Senior Military Adviser), para além das de conselheiro militar (Military Adviser), no quartel-general da UNAMA. O estatuto dos militares das Forças Armadas envolvidos em missões humanitárias e de paz, fora do território nacional, no quadro dos compromissos internacionais assumidos por Portugal, está definido no Decreto-Lei n.º 233/96, de 7 de dezembro, alterado pelos Decretos-Leis n. os 348/99, de 27 de agosto, e 299/2003, de 4 de dezembro, e aplica-se aos militares das Forças Armadas envolvidos na presente missão. O Conselho Superior de Defesa Nacional emitiu parecer favorável à contribuição de Portugal acima identificada, nos termos da alínea g) do n.º 1 do artigo 17.º da Lei de Defesa Nacional, aprovada pela Lei Orgânica n.º 1-B/2009, de 7 de julho, alterada e republicada pela Lei Orgânica n.º 5/2014, de 29 de agosto. A presente decisão do Governo foi comunicada à Assembleia da República, nos termos do artigo 3.º da Lei n.º 46/2003, de 22 de agosto. Assim, ao abrigo do disposto no n.º 1 do artigo 12.º e nas alíneas f) e n) do n.º 3 do artigo 14.º da Lei de Defesa Nacional, aprovada pela Lei Orgânica n.º 1-B/2009, de 7 de julho, alterada e republicada pela Lei Orgânica n.º 5/2014, de 29 de agosto, e nos termos do n.º 1 do artigo 2.º do Decreto-Lei n.º 233/96, de 7 de dezembro, alterado pelos Decretos-Leis n. os 348/99, de 27 de agosto, e 299/2003, de 4 de dezembro, determina o Governo, pelo Ministro da Defesa Nacional, o seguinte: 1 O 1.º parágrafo da Portaria n.º 829/2008, de 24 de julho, publicada no Diário da República, 2.ª série, n.º 197, de 10 de outubro de 2008, alterada pela Portaria n.º 781/2015, de 30 de setembro, publicada no Diário da República, 2.ª série, n.º 200, de 13 de outubro de 2015, passa a ter a seguinte redação: «1.º Autorizar o Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas a empregar e a sustentar, como contributo de Portugal para a United Nations Assistance Mission in Afghanistan (UNAMA), um efetivo de dois oficiais superiores para exercer funções no quartel-general da missão, no Afeganistão.» 2 Os encargos decorrentes da participação nacional na UNAMA são suportados pela dotação orçamental inscrita para as Forças Nacionais Destacadas. 3 A presente portaria produz efeitos a partir de 15 de novembro de de outubro de O Ministro da Defesa Nacional, José Alberto de Azeredo Ferreira Lopes. (Publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 216, de 10 de novembro de 2016, pelo Ministério da Defesa Nacional - Gabinete do Ministro)

14 PAA 48 (A) - X Despacho n.º 13591/2016: ACUMULAÇÃO DE CARGOS NA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL. Nos termos previstos no n.º 12 do artigo 8.º do Decreto-Lei n.º 185/2014, de 29 de dezembro, que aprova a Lei Orgânica da Marinha, os cargos de Comandante de Zona Marítima/Chefe de Departamento Marítimo, no âmbito da Autoridade Marítima Nacional (AMN), são exercidos em acumulação mediante proposta do Chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA), enquanto AMN. Assim, observadas as formalidades exigidas e na sequência da proposta do CEMA, enquanto AMN, aprovo a acumulação dos seguintes cargos: a) Comandante da Zona Marítima dos Açores e Chefe do Departamento Marítimo dos Açores; b) Comandante da Zona Marítima da Madeira e Chefe do Departamento Marítimo da Madeira; c) Comandante da Zona Marítima do Norte e Chefe do Departamento Marítimo do Norte; d) Comandante da Zona Marítima do Sul e Chefe do Departamento Marítimo do Sul. 2 de novembro de O Secretário de Estado da Defesa Nacional, Marcos da Cunha e Lorena Perestrello de Vasconcellos. (Publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 218, de 14 de novembro de 2016, pelo Ministério da Defesa Nacional - Gabinete do Secretário de Estado da Defesa Nacional)

15 Portarias, Diretivas e Despachos do Chefe do Estado-Maior da Armada PAA 35 (A) - VIII Despacho do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, n.º 83/16, de 9 de novembro: LIVROS E PUBLICAÇÕES DA MARINHA LISTA DA ARMADA. Considerando a recente alteração legislativa fixada através da Lei n.º 8/2016, de 1 de abril, que procedeu à décima alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, onde são definidos os feriados obrigatórios a observar; Considerando ainda a necessidade de determinar quais os feriados de grande gala e os feriados simples a que se refere o artigo 63.º do capítulo V da Ordenança do Serviço Naval Forças e Unidades Navais; Determino: 1. São considerados feriados de grande gala os dias: a) 25 de abril; b) 10 de junho; c) 5 de outubro; d) 1 de dezembro. 2. São considerados feriados simples os dias: a) 1 de janeiro; b) Sexta-feira Santa; c) Domingo de Páscoa; d) 1 de maio; e) Corpo de Deus (festa móvel); f) 15 de agosto; g) 1 de novembro; h) 8 de dezembro; i) 25 de dezembro; 3. É revogado o despacho do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada n.º 51/12, de 6 de novembro. 1 1 Publicado na OA1 n.º 46, de 7 de novembro de

16 PAA 19 - II Despacho do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, n.º 84/16, de 15 de novembro: QUADROS ESPECIAIS PARA ALTERAÇÃO. Considerando que: O Decreto-Lei n.º 241/2015, de 15 de outubro, fixou os efetivos militares dos quadros permanentes, na situação de ativo, integrados na estrutura orgânica das Forças Armadas, os quais serviram de referencial para o desenvolvimento dos quadros especiais; Em observância aos quantitativos fixados naquele diploma e nos termos do n.º 4 do artigo 166.º e do n.º 3 do artigo 203.º do Estatuto do Militares das Forças Armadas (EMFAR), é competência do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada fixar os quadros especiais com os efetivos a atribuir a cada uma das classes de oficiais, sargentos e praças, bem como os efetivos correspondentes às subclasses; É necessário efetuar alguns ajustamentos nos quadros especiais em vigor, designadamente pelo imperativo de transitar lugares de quadro da categoria de sargentos para a categoria de oficiais, com referência a 1 de outubro de 2016, por força do processo de transição de Enfermeiros e Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica para o quadro especial de oficiais Técnicos de Saúde; Decorrente da execução do plano de promoções aprovado para 2016 e da transição de militares para a situação de reserva até final do ano, é necessário promover ajustes que permitam equilibrar as necessidades organizacionais e minimizar o número de supranumerários, contribuindo também para harmonizar as carreiras dos vários postos e classes, indo ao encontro do plano de promoções autorizado, em especial no referente à promoção ao posto de cabo; Existem necessidades que justificam a promoção ao posto de comodoro de um militar da classe de Engenheiros de Material Naval; Não existe nesta data, nenhum capitão-de-fragata com condições para ser promovido ao posto imediato na classe de Farmacêuticos Navais e verificam-se necessidades de provimento de cargos de capitães-de-mar-e-guerra da classe de Médicos Navais superiores ao quadro especial em vigor. Assim, ao abrigo do estatuído no n.º 4 do artigo 166.º e no n.º 3 do artigo 203.º do EMFAR e ouvido o Conselho do Almirantado, determino o seguinte: 1. Os quadros especiais da categoria de oficiais, sargentos e praças dos quadros permanentes da Marinha são os constantes do mapa anexo ao presente despacho, que dele faz parte integrante e que altera, para todos os efeitos, o mapa em anexo ao Despacho do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, n.º 14/16, de 2 de março, alterado pelo mapa em anexo ao Despacho do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, n.º 79/16, de 27 de setembro. 2. O presente despacho produz efeitos a partir de 1 de outubro de

17 ANEXO (mapa a que se refere o n.º 1 do despacho do Almirante CEMA n.º 84/16) QUADROS ESPECIAIS PARA ALTERAÇÃO QUADROS ESPECIAIS OFICIAIS Postos Classes M ECN* MN FN* EMQ* AN EMN* SE* FZ MUS EN TSN ST TS TOTAL ALM VALM CALM COM CMG CFR CTEN TEN TEN GMAR/STEN Total por classes Notas: 1 A partir de 10 de outubro de 2016; 2 A partir de 8 de novembro de QUADROS ESPECIAIS SARGENTOS Classes A* CM* C R* E* T* M L* ET MQ H Postos HE HP U V FZ TF B L(ad) EM OP MS* TA TOTAL SMOR SCH SAJ SAR SAR SSAR Total por classes QUADROS ESPECIAIS PRAÇAS Classes A* CM* C R* E* T* M L* U V FZ TFD TFH TFP B L(ad) EM OP MS* TA TOTAL Postos Cabo-mor Cabo Primeiro-marinheiro Total por classes Obs.: * Classe em extinção 15 15

18 PAA 38 (A) - V Despacho n.º 13499/2016: PROCEDE À SUBDELEGAÇÃO E DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO DIRETOR DE NAVIOS. Considerando que a THYSSENKRUPP MARINE SYSTEMS GmbH (TKMS) [ex-hdw], enquanto construtora dos submarinos da Classe «TRIDENTE», face à complexa e elevada carga tecnológica de que estes meios navais são portadores, é a entidade habilitada tecnicamente a realizar os trabalhos de manutenção que aos mesmos dizem respeito, em tempo útil com segurança e com o conhecimento adequado, bem como a proceder à aquisição dos sobressalentes e outros meios necessários à execução das ações de manutenção; Considerando que a necessidade de permitir o desenvolvimento sustentado do Plano de Manutenção dos Submarinos da classe «TRIDENTE» exige uma preparação longa e complexa por parte do estaleiro; Considerando que a realização das primeiras revisões intermédias dos submarinos deve ter início em 2017 no NRP «Tridente» e em 2018 no NRP «Arpão», as quais são indispensáveis para a manutenção da disponibilidade operacional destes meios navais; Considerando o possibilitado em matéria de subdelegação que me é atribuída pelo Despacho n.º 12621/2016, de 9 de outubro de 2016, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 202, de 20 de outubro de 2016: 1 Nos termos do n.º 5 do mencionado despacho, subdelego no Diretor de Navios, Contra-almirante José Luís Garcia Belo, as competências compendiadas nas respetivas alíneas a) a i), tendentes ao célere, legal e regular desenvolvimento de um procedimento de negociação sem publicação de anúncio de concurso, com consulta à THYSSENKRUPP MARINE SYSTEMS GmbH (TKMS) [ex-hdw], a realizar nos termos e ao abrigo da alínea e) do artigo 16.º e do artigo 32.º, ambos do Decreto-Lei n.º 104/2011, de 6 de outubro, tendo em vista a célere formação e celebração de um contrato de prestação de serviços da primeira revisão intermédia do NRP «Tridente», a decorrer de 2016 a 2018, de forma a cumprir a manutenção do seu de ciclo de vida, pelo preço máximo de ,00 (valor com IVA), a vigorar após aprovação do Tribunal de Contas, com o seguinte faseamento máximo da despesa: a) No ano de ,00 euros; b) No ano de ,00 euros; c) No ano de ,00 euros. 2 Nos termos do mesmo despacho, subdelego no Diretor de Navios, Contra-almirante José Luís Garcia Belo, as competências compendiadas nas respetivas alíneas a) a i), tendentes ao célere, legal e regular desenvolvimento de um procedimento de negociação sem publicação de anúncio de concurso, com consulta à THYSSENKRUPP MARINE SYSTEMS GmbH (TKMS) [ex-hdw], a realizar nos termos e ao abrigo da alínea e) do artigo 16.º e do artigo 32.º, ambos do Decreto-Lei n.º 104/2011, de 6 de outubro, tendo em vista a célere formação e celebração de um contrato de contrato prestação de serviços da primeira revisão intermédia do NRP «Arpão», a decorrer de 2018 a 2020, de forma a cumprir a manutenção do seu de ciclo de vida, pelo preço máximo de ,00 (valor com IVA), a vigorar após aprovação do Tribunal de Contas, com o seguinte faseamento máximo da despesa: a) No ano de ,00 euros; b) No ano de ,00 euros; c) No ano de ,00 euros. 3 Nos termos da conjugação do n.º 5 Despacho n.º 12621/2016, de 9 de outubro de 2016, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 202, de 20 de outubro de 2016, com o artigo 164.º do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 4/2015, de 7 de janeiro, ratifico todos os atos praticados pelo Contra-almirante José Luís Garcia Belo, no procedimento de negociação sem publicação de anúncio de concurso, tendente à célere formação e celebração do contrato de prestação de serviços da primeira revisão intermédia do NRP «Tridente» a decorrer de 2016 a 2018, de forma a cumprir a 16 16

19 manutenção do seu de ciclo de vida, pelo preço máximo de ,00 (valor com IVA), a vigorar após aprovação do Tribunal de Contas O Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, Luís Manuel Fourneaux Macieira Fragoso, Almirante. (Publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 217, de 11 de novembro de 2016, pelo Ministério da Defesa Nacional - Marinha)

20 PAA 37 (A) - X Despacho n.º 13500/2016: PROCEDE À SUBDELEGAÇÃO E DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO SUPERINTENDENTE DO PESSOAL. 1 Ao abrigo do disposto Despacho n.º 965/2016, de 22 de dezembro de 2015, do Ministro da Defesa Nacional, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 13, de 20 de janeiro de 2016, subdelego no Superintendente do Pessoal, Vice-almirante Jorge Manuel Novo Palma, com a faculdade de subdelegar, a competência que me é delegada para, no âmbito das direções e outros órgãos da Superintendência do Pessoal, autorizar: a) Despesas com locação e aquisição de bens e serviços até ,00 ; b) Despesas com empreitadas de obras públicas até ao limite de ,58 ; c) De acordo com os procedimentos estabelecidos, as deslocações em missão oficial ao estrangeiro e a inerente autorização para o processamento da despesa até ao valor de ,00. 2 Ao abrigo do disposto no n.º 7 do artigo 8.º da Lei Orgânica da Marinha, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 185/2014, de 29 de dezembro, delego no Superintendente do Pessoal, Vice-almirante Jorge Manuel Novo Palma, a competência que por lei me é atribuída para a prática dos seguintes atos: a) No âmbito da justiça e disciplina: i) Decidir sobre processos por lesão ou doença, com exceção de oficiais generais; ii) Conceder medalhas comemorativas das campanhas e das comissões de serviço especiais, com exceção de oficiais generais, com faculdade de subdelegar; b) No âmbito das juntas de saúde: i) Homologar os pareceres formulados pela Junta de Saúde Naval (JSN) sobre a apreciação da aptidão psíquica e física dos militares, dos quadros permanentes (QP) e em regime de contrato (RC) ou voluntariado (RV), na efetividade de serviço, dos militares alunos dos cursos de formação para ingresso nos QP, do pessoal do Quadro do Pessoal Militarizado da Marinha (QPMM) e do pessoal do Mapa de Pessoal Civil da Marinha (MPCM), com faculdade de subdelegar; ii) Homologar os pareceres formulados pela JSN sobre a aptidão física e psíquica dos militares e militarizados do QPMM em serviço na área do continente, para efeitos de promoção, nos casos em que esta aptidão tenha de ser verificada por junta médica; iii) Homologar os pareceres formulados pela JSN sobre a aptidão física e psíquica dos militares da Marinha para a efetividade de serviço; iv) Homologar os pareceres formulados pelas juntas de saúde dos comandos (JSC) quando destes possam resultar despesas de carácter eventual; v) Determinar a submissão à Junta Médica de Revisão da Armada dos pareceres da Junta de Recrutamento e Seleção (JRS), da JSN e da JSC. c) No âmbito da carreira naval e admissões de pessoal militar, militarizado e civil: i) Decidir sobre a contagem de tempo de navegação para tirocínios de oficiais e sargentos, com faculdade de subdelegar; ii) Decidir sobre a contagem do tempo de serviço, com faculdade de subdelegar; iii) Decidir sobre requerimentos relativos a contagem de tempo de serviço, com faculdade de subdelegar; iv) Decidir a prorrogação da prestação de serviço de militares em RC e RV, com faculdade de subdelegar; v) Decidir sobre a rescisão dos contratos para prestação de serviço em RC e RV, nos termos do n.º 3 e da alínea b) do n.º 4 do artigo 264.º do Estatuto dos Militares das Forças Armadas (EMFAR), com faculdade de subdelegar; vi) Autorizar o adiamento ou antecipação de incorporação, com faculdade de subdelegar; 18 18

21 vii) Decidir sobre as justificações apresentadas por cidadãos quanto a faltas às provas de classificação e seleção ou reclassificação e não apresentação à incorporação, nos termos dos artigos 21.º e 35.º da Lei do Serviço Militar (LSM); viii) Autorizar a inspeção de recrutas afetos à Marinha, no caso de alteração psicofísica devidamente comprovada, com faculdade de subdelegar; ix) Autorizar a transferência para incorporação noutro ramo de recrutas afetos à Marinha, nos termos do artigo 22.º da LSM, com faculdade de subdelegar; x) Homologar as listas de candidatos a admitir aos QP, RC e RV nas diversas categorias de militares, com faculdade de subdelegar nas categorias de sargentos e praças; xi) Decidir sobre as datas de realização dos atos para a eleição dos membros dos conselhos de classes; xii) Nomear júris para a seleção dos candidatos a admitir por concurso aos QP nas diversas categorias de militares; xiii) Decidir sobre a candidatura aos RC e RV nas diversas categorias de militares, com faculdade de subdelegar; xiv) Autorizar a celebração de contratos para a prestação de serviço militar em RC e para o exercício de funções militares em RV, de acordo com os modelos aprovados pela Portaria n.º 418/2002, de 19 de abril, com faculdade de subdelegar; xv) Autorizar os militares em RC, RV e na reserva de disponibilidade (RD) e os sargentos e praças dos QP a concorrerem ao Exército, Força Aérea, Guarda Nacional Republicana, Polícia de Segurança Pública, Polícia Judiciária, Polícia Marítima, QPMM e MPCM e restantes mapas de pessoal civil da Marinha, com faculdade de subdelegar; xvi) Autorizar o abate aos QP, com passagem ao Exército, Força Aérea, Guarda Nacional Republicana, Polícia de Segurança Pública, Polícia Judiciária, Polícia Marítima, QPMM e MPCM e restantes mapas de pessoal civil da Marinha, com faculdade de subdelegar; xvii) Autorizar o abate aos QP e ao QPMM de militares e militarizados, respetivamente, antes de cumprido o tempo mínimo de serviço efetivo estabelecido pelo EMFAR e fixar a respetiva indemnização, com faculdade de subdelegar; xviii) Conceder abate aos QP e ao QPMM, a militares e militarizados, respetivamente, após terem cumprido o tempo mínimo de serviço efetivo estabelecido pelo EMFAR, com faculdade de subdelegar; xix) Autorizar ou deferir, conforme aplicável, a passagem à situação de reserva ou reforma de militares dos QP, exceto oficiais generais, nos termos dos artigos 153.º e 161.º do EMFAR, com faculdade de subdelegar nas categorias de sargentos e praças; xx) Autorizar a apresentação de candidaturas a lugares vagos e a concurso, com faculdade de subdelegar; xxi) Reconhecer o direito a ser remunerado por posto superior; xxii) Decidir sobre requerimentos relativos à concessão de licença registada a militares e pessoal do QPMM, com faculdade de subdelegar; xxiii) Conceder licença ilimitada a militares, exceto oficiais generais, e a pessoal militarizado do QPMM, com faculdade de subdelegar no que respeita a sargentos, praças e pessoal militarizado do QPMM; xxiv) Conceder licença para estudos a militares e a pessoal do QPMM, com faculdade de subdelegar no que respeita a sargentos, praças, pessoal militarizado e equiparado; xxv) Conceder licenças especiais para eleições a militares em qualquer forma de prestação de serviço efetivo, exceto a oficiais generais, e a pessoal do QPMM, com faculdade de subdelegar; xxvi) Autorizar a prestação de serviço efetivo a militares, exceto oficiais generais, na reserva fora da efetividade do serviço, dentro dos condicionalismos previstos na lei, bem como a sua permanência na efetividade de serviço após passagem à reserva, com faculdade de subdelegar; xxvii) Decidir sobre requerimentos para a antecipação de licenciamento aos militares da reserva na efetividade do serviço, exceto oficiais generais, com faculdade de subdelegar; xxviii) Autorizar a consulta de processos individuais, nos termos do disposto nos artigos 10.º e 71.º do EMFAR, com faculdade de subdelegar; xxix) Autorizar a concessão de licenças sem remuneração ao pessoal do MPCM, bem como autorização para o seu regresso à atividade, com faculdade de subdelegar; xxx) Autorizar a passagem de segundas vias das cartas patentes dos oficiais, diplomas de encarte dos sargentos e certificados de encarte das praças, com faculdade de subdelegar; 19 19

22 xxxi) Autorizar a abertura de procedimentos concursais e concursos de ingresso e de acesso ao MPCM e concursos de ingresso e de promoção ao QPMM, bem como a constituição dos júris respetivos e a prática de todos os atos subsequentes, com faculdade de subdelegar; xxxii) Nomear e prover o pessoal do QPMM, com faculdade de subdelegar; xxxiii) Autorizar a celebração e cessação de contratos de trabalho em funções públicas de pessoal do MPCM, com faculdade de subdelegar; xxxiv) Celebrar, prorrogar e rescindir contratos de prestação de serviços e contratos de trabalho em funções públicas de pessoal civil, com faculdade de subdelegar; xxxv) Decidir sobre a conclusão do período experimental do pessoal do MPCM; xxxvi) Decidir sobre as várias modalidades de mobilidade interna do pessoal do MPCM; xxxvii) Decidir sobre a prorrogação do prazo de posse do pessoal do QPMM, com faculdade de subdelegar; xxxviii) Autorizar a submissão a exame médico para efeitos de aposentação ao pessoal do MPCM, com faculdade de subdelegar; xxxix) Autorizar a passagem à aposentação do pessoal do QPMM e do MPCM, com faculdade de subdelegar; xl) Autorizar a acumulação de férias ao pessoal do MPCM, com faculdade de subdelegar; xli) Conceder o regime de trabalhador-estudante aos militares da Marinha, ao pessoal do QPMM e ao pessoal do MPCM, com faculdade de subdelegar; xlii) Prorrogar o prazo máximo de ausência por doença por motivo de doença prolongada do pessoal do MPCM, com faculdade de subdelegar; xliii) Promover e graduar, mediante despacho, sargentos e praças, com faculdade de subdelegar; xliv) Autorizar a prorrogação das comissões de nomeação por escolha aos militares, exceto oficiais generais, até ao limite estabelecido na regulamentação aplicável, com faculdade de subdelegar nas categorias de sargentos e praças; xlv) Efetuar a nomeação e indigitação por escolha de militares, exceto oficiais generais, capitães-de-mar-e-guerra, comandantes de agrupamentos, de forças e de unidades, chefes de brigadas hidrográficas, capitães de portos e oficiais do Gabinete do Chefe do Estado-Maior da Armada, com faculdade de subdelegar a nomeação, por escolha, de sargentos e praças; xlvi) Autorizar os militares em RC e RV e os sargentos e praças dos QP a concorrerem à Escola Naval (EN) e aos demais estabelecimentos militares de ensino superior, com faculdade de subdelegar; xlvii) Autorizar o adiamento da frequência de curso de promoção a sargento-chefe; xlviii) Atribuir graduações aos militares Deficientes das Forças Armadas, com faculdade de subdelegar. d) No âmbito da formação: i) Nomear militares para cursos de pós-graduação, de especialização e de promoção, exceto para o curso de promoção a oficial general, com faculdade de subdelegar; ii) Aprovar os planos anuais de atividades de formação contínua, nomeadamente de conversão, de aperfeiçoamento e de atualização realizados na Marinha, com faculdade de subdelegar as alterações a estes planos; iii) Aprovar alterações aos planos anuais de atividades de formação básica e de carreira realizados na Marinha, sem impacte ao nível da execução dos planos de aquisição de pessoal, com faculdade de subdelegar; iv) Aprovar alterações aos planos anuais de atividades de formação na Marinha, ao nível nacional e no estrangeiro, que não tenham impacte negativo nos tetos orçamentais atribuídos a cada um; v) Homologar a classificação obtida em curso de pós-graduação; vi) Autorizar a inscrição e participação em estágios, congressos, seminários, colóquios, cursos de formação ou outras iniciativas similares, sem prejuízo para o serviço, com faculdade de subdelegar; vii) Nomear oficiais em RV e RC para a frequência de ações de formação, incluindo os cursos de especialização, com faculdade de subdelegar; viii) Nomear militares e militares-alunos para cursos de formação que habilitam ao ingresso nos QP, com faculdade de subdelegar; 20 20

23 ix) Nomear militares para cursos que habilitam ao ingresso no RV e no RC, com faculdade de subdelegar; x) Nomear militares para cursos integrados nas ações de evolução e ajustamento, com faculdade de subdelegar; xi) Decidir sobre requerimentos para a repetição da frequência dos cursos de promoção, exceto do Curso de Promoção a Oficial General, e dos cursos de formação que habilitam ao ingresso nos QP, RC e RV, com faculdade de subdelegar para os cursos de formação que habilitam ao ingresso nos QP, nas categorias de sargentos e de praças, e ao ingresso nos RC e RV; xii) Homologar os resultados dos cursos de formação básica e de carreira, de especialização, conversão, aperfeiçoamento e atualização, dos cursos de formação de oficiais que habilitem ao ingresso nos QP e dos cursos de promoção a sargento-chefe, com faculdade de subdelegar os resultados dos cursos ministrados nas escolas e centros de formação da Marinha, com exceção dos cursos de formação de oficiais que habilitem ao ingresso nos QP e do curso de promoção a sargento-chefe; xiii) Aprovar os planos de estudo relativos aos cursos ministrados nas escolas e centros de formação do Sistema de Formação Profissional da Marinha, com faculdade de subdelegar a aprovação dos planos de estudo relativos a cursos de formação básica e de carreira, especialização, conversão, aperfeiçoamento e atualização que não envolvam modificação profunda da natureza das matérias escolares ou da duração do respetivo curso; xiv) Aprovar as normas de seleção e admissão aos cursos de especialização, de acordo com os princípios estabelecidos por despacho do Chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA); xv) Aprovar a participação individual do pessoal ou por equipas, em representação da Marinha, em eventos e competições de natureza desportiva; xvi) Aprovar o calendário anual das competições desportivas a realizar e ou participar, no âmbito da Marinha e das Forças Armadas e no âmbito civil, incluindo o desporto federado; xvii) Nomear delegações da Marinha para participação nos campeonatos das Forças Armadas, com faculdade de subdelegar; xviii) Conceder licenças de mérito por participação honrosa de delegações da Marinha em campeonatos desportivos, com faculdade de subdelegar; xix) Admitir, por despacho, alunos de nacionalidade estrangeira aos cursos ministrados nas escolas e centros de formação do Sistema de Formação Profissional da Marinha, ao abrigo de acordos de cooperação. xx) Autorizar a frequência de cursos e estágios em órgãos da Marinha por pessoal a ela estranho, exceto em relação a indivíduos de nacionalidade estrangeira e em relação a cursos cuja duração seja igual ou superior a um ano letivo. e) Relativamente à proteção na parentalidade e assistência à família: i) Quanto a todos os militares em qualquer forma de prestação de serviço efetivo, com exceção dos oficiais generais, a militarizados do QPMM e a trabalhadores do MPCM, decidir sobre requerimentos relativos à: (1) Concessão de licença para assistência a filho com deficiência ou doença crónica; (2) Autorização de faltas para assistência a deficientes ou doentes crónicos; (3) Concessão de licença parental complementar em qualquer das modalidades; (4) Autorização para trabalho em tempo parcial ou em regime de horário flexível. ii) Quanto aos militares em qualquer forma de prestação de serviço efetivo, com exceção dos oficiais generais, a pessoal do QPMM e a trabalhadores do MPCM a prestar serviço na Superintendência do Pessoal e órgãos na sua dependência, com faculdade de subdelegar, decidir sobre requerimentos relativos à: (1) Concessão de licença parental inicial em qualquer das modalidades; (2) Concessão de licença por risco clínico durante a gravidez; (3) Concessão de licença por interrupção de gravidez; (4) Concessão de licença por adoção; (5) Concessão de dispensas para consulta pré-natal, amamentação, aleitação e para avaliação para adoção; (6) Autorização para assistência inadiável e imprescindível a filho; (7) Autorização para assistência a neto; 21 21